Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013"

Transcrição

1 Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013

2 APRESENTAÇÃO

3 Consumo energético Consumo de energia elétrica nos setores comercial e público no Brasil (GWh) Comercial Público Fonte: BEN 2012

4 Etiquetagem energética Entender consumo real Tornar consumo visível Incentivar economia Potencializar redução de consumo Trazer melhoria contínua Valorização do imóvel Diferencial de aluguel Benchmarks definem um nível típico de consumo, permitindo a rápida comparação, avaliação, e identificação de potencial para melhoria

5 Etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca #2 Etiqueta do edifício construído PBE Edifíca #3 Etiqueta de consumo em uso??

6 Consumos de projeto Consumo de energia Etiqueta de projeto/construção Etiqueta em-uso Envoltório X X AVAC X X Iluminação X X Aquecimento de água? X Computadores X Tomadas X Elevadores X Communicações X Segurança/urgência X Datacenters Com correção Cozinhas Com correção Outros processos Com correção

7 Etiquetagem energética Estamos decepcionados com a dificuldade em demonstrar eficiência energética o mercado imobiliário não incentiva melhoria. 39% redução de consumo pelo proprietário em 4 anos Principalmente medidas de baixo custo, melhoria de gerenciamento Querem chegar em 50% redução

8 Performance gap Previsão do projetista Boa prática Vida real Fonte: S Curwell et al, Green Building Challenge in the UK, Building Research+Information 27(4/5) 286 (1999).

9 Indicadores de consumo kwh/m2 kwh total kw pico kw média kwh/pessoa kg CO2 /mês, /ano kwh ar condicionado/illuminação Criar um benchmark. Melhorar entendimento. Padronizar.

10 Benchmarks e etiquetagem 1 Coleta de dados Cálculo de indicador de desempenho 2 3 Identificação de benchmarks Comparar indicadores Identificar classe de eficiência 4 Identificar melhorias 5 Juntar informações e criar etiqueta

11 Apresentação da visão 1. Experiências internacionais com benchmarking e etiquetagem 2. Visão Brasileira para desenvolvimento de benchmarks 3. Visão Brasileira para implantação da etiquetagem 4. Caminhos para desenvolvimento

12 1. EXPERIÊNCIAS INTERNACIONAIS

13 Energy Star Portfolio Manager Localização Mandatório? Benchmarks Escala Difusão Implantação EUA Outros paises por conta da LEED Voluntário Necessário para certificação LEED CBECS 2003 Questionário para edifícios Posicionamento relativo a outros edifícios edifícios m² Plataforma online Upload pelo usuário

14 Display Energy Certificates Localização Mandatório? Benchmarks Escala Difusão Implantação Reino Unido Parecido com sistemas na Europa Diretriz Européia (EPBD) Mandatório em edifícios públicos CIBSE TM46 ECON 19 (entre outros) A-G Média = 100 (D/E) Reino Unido Base de dados: certificados (fev/10) Auditores qualificados

15 NABERS Localização Mandatório? Benchmarks Australia Implantação inicial desde 2000 Mandatório em venda >2000m² desde 2011 Estatísticas estaduais Escala Difusão Implantação 0-6 estrelas 14,5 milhões de m² (60% do espaço de escritório alugado em Australia) Auditores qualificados

16 EUA Fonte: IMT

17 Nova York Local Law 84 transparência mandatória em edifícios comerciais e publicos Fonte: PlanNYC

18 Referências e pesquisas EPLabel Norma EN IEA ECBCS Annex 53 CarbonBuzz EnergyIQ Global Building Performance Network Better Buildings Partnership

19 2. VISÃO BRASILEIRA: BENCHMARKING

20 Benchmarks: condições mínimas Robusto uso sem perda de confiabilidade Relevante comparação informativa Evolutivo atualização contínua Flexível adaptar, mantendo relevância Simples fácil de realizar comparações

21 Tipos de benchmark Histórico anos anteriores Modelado simulação Empirico: mínima normativa Empirico: típico do mercado kwh/(m 2.ano)

22 Abrangência dos benchmarks Incluído Tipologias comuns Energia elétrica Edifícios de uso misto Campus Excluído Edifícios residenciais Combustíveis (inicialmente) Geração de energia Emissões de CO₂

23 Complexidade 0 Sem benchmark É possível só registrar consumo, pois não existe base de comparação 1 Benchmark simples Consumo por metro quadrado para uma tipologia especificada, com correção climática 2 Benchmark com correção 3 Benchmark sob medida Outras correções permitidas, por exemplo: intensidade de uso, usos finais especiais (como datacenter) Benchmark criado especificamente para um edifício, baseado em auditoria energética e o potencial calculado para melhoria

24 Correções do benchmark 0 Sem benchmark 1 Benchmark simples Ajuste climático 2 Benchmark com correção 3 Benchmark sob medida Horários de uso Densidade de ocupação Datacenter e cargas especiais Sistemas prediais Eficiência do envoltório Investimento disponível

25 Benchmark paramétrico Estudo detalhado da tipologia Dividir consumos finais edificações Fonte: ECON 19

26 Benchmarks paramétricos Fonte: EPLabel

27 Benchmarks paramétricos Fonte: EPLabel

28 Desenvolvimento Pesquisar tipologia Benchmark paramétrico Implantação da etiquetagem Disponibilidade de dados estatísticos Revisão dos benchmarks Flexibilidade para revisão Aproveitar informações disponíveis Implementar rapidamente no mercado

29 kwh/m2.a Exemplo: benchmark paramétrico 800 A. Consumo por m2 total GAS: Processo 2 GAS: água quente GAS: calefação Processo 1 Processo Iluminação Tomadas Água quente Calefação Fonte: E. Borgstein, GTE

30 Wh/serviço Exemplo: benchmark paramétrico B. Consumo por unidade de serviço GAS: Processo 2 GAS: água quente GAS: calefação Processo 1 Processo Iluminação Tomadas Água quente Calefação Fonte: E. Borgstein, GTE

31 kwh/m2.a Exemplo: benchmark paramétrico C. Consumo por m2 com ajustes GAS: Processo 2 GAS: água quente GAS: calefação Processo 1 Processo 2 Iluminação Tomadas Água quente Calefação Fonte: E. Borgstein, GTE

32 3. VISÃO BRASILEIRA: ETIQUETAGEM

33 Etiquetagem: condições mínimas Simplicidade e clareza Custo baixo Facilidade de obtenção Relevância e utilidade Incentivo de melhoria plausível

34 Informações na etiqueta Consumo de energia no ano mais recente kwh/m2 Consumo de energia nos dois anos anteriores Quando informações disponíveis Faturamento de energia do ano mais recente R$/m2 Sigiloso? Opcional? Posição na escala de eficiência A-E Geração de energia Caso exista microgeração no edifício

35 Informação na etiqueta

36 Escala linear Facilitar cálculos no caso de uso mixto Facilitar compreensão e atualização Inclusivo Incentivar melhor que A A B C D E 0 Média?

37 Implantação no mercado Implementação inicialmente voluntária Estrutura para implantação mandatória Implantação setorial Município Empresa/portfolio Edifícios públicos Vincular com selos de sustenabilidade

38 Etiquetagem Integração das escalas Aproveitar informações diferentes PBE-Edifica para informação do projeto, consumos finais Etiquetagem em-uso para informações confiáveis, usuário Timeline: Integração PBE-Edifica PBE - Projeto x x PBE - Obra Em-uso 1 ano Em-uso 2 ano x x Projeto Construção Ocupação

39 Levantamento de informações Assegurar qualidade de informações Dados de energia da concessionária Definição de area de piso Plataforma online Sigilo do banco de dados Certificado pedido por orgão qualificado Informações mínimas para etiquetagem Área (m2) Zona climática Consumo energético (kwh) Correções

40 Levantamento de informações Detalhe Edifício pequeno Edifício grande 1 Benchmark simples Informações do proprietário Validação Informações do proprietário Validação 2 Benchmark com correção 3 Benchmark sob medida Informações do proprietário Validação Comprovantes de correções Auditoria por indivíduo qualificado Nível 3 Informações do proprietário Visita por orgão qualificada Comprovantes de correções Auditoria por indivíduo qualificado Nível 3

41 Auditores Programa de capacitação dos auditores Qualificação simples: Nível 1-2 Qualificação avançada: Nível 3 Especificações padronizados para auditoria

42 4. CAMINHO PARA IMPLANTAÇÃO

43 Projetos pilotos Pilotos demonstratívos para : Iniciar implantação no mercado Testar técnicas Identificar problemas Aproveitar setores mais desenolvidos Escritórios Agências bancárias Edifícios públicos

44 Piloto A Questionários sobre consumo, em três partes Geral Técnico CPD 13 edificações na região metropolitana de São Paulo m² de área construída Tipo kwh/m² kwh/pessoa Monousuário 235, Multiusuário 103, Total 135,

45 Piloto B Coleta de dados dos edifícios Energia elétrica Mais informações sobre tipologia necessárias Áreas incluem estacionamento Dados disponíveis 33 edifícios 26 edifícios administrativas ou semelhante 5 estados (concentração em três) Informações de jan dez 2012

46 kwh/m2a Piloto C Escritorios Outras tipologias Duas tipologias? 0 Média em escritórios: 206 kwh/m².a

47 Piloto D Coleta de dados dos edifícios Energia elétrica Verificação da qualidade dos dados necessário Banco de dados 27 estados 3043 edifícios 2300 edifícios com 12 meses consecutívos de medição Informações de jan-dez 2012

48 Piloto D 100% 10% 25% 75% 90% 80% 60% 40% 20% 0% Consumo de energia (kwh/m2.a)

49 Piloto D Norte: 95 edifícios 300 kwh/m2.a Nordeste: 421 edifícios 300 kwh/m2.a Centro-oeste: 161 edifícios 263 kwh/m2.a Sul: 526 edifícios 185 kwh/m2.a Sudeste: 1060 edifícios 236 kwh/m2.a

50 Definindo área 3 pilotos 3 definições de área O mercado precisa definir o padrão a ser utilizado RTQ-C Área condicionada Área útil Área total construída NBR Área coberta real Área real do pavimento Área real privativo global BOMA Área de carpete Área de uso comum Área privativa Área útil Área locável ASHRAE Gross Floor Area

51 Plataforma técnica CB3E-CBCS Benchmarks Sistema de Etiquetagem Capacitação dos auditores Juntar Stakeholders, partes interessadas Base de conhecimento técnico Informar políticas públicas Divulgar resultados

52 Pacotes de trabalho 1. Documentar a visão 2. Desenvolver parcerias 3. Financiamento do processo 4. Revisão internacional 5. Definir metodologias de cálculo 6. Desenvolver Benchmarks e metodologias 7. Separar tipologias 8. Criar banco para armazenamento de dados 9. Capacitação e treinamento 10. Definir forma da etiqueta 11. Estruturar enquadramento legal para sistema mandatório Implantação...

53 Cronograma provisório Visão inicial Parcerias Revisão internacional Metodologias de cálculo Definição tipologias Benchmarks pilotos Outros benchmarks Capacitação Enquadramento legal Banco de dados Plataforma online T1 T2 T3 T4 T1 T2 T3 T4 16-Mai Público

54 Participação na iniciativa Orgão Patrocinador Gerente/proprietário Gerente/proprietário Grande proprietário Especialista técnica Concessionária Participação Apoio financeiro Auditoria detalhada de edifícios Fornecimento de dados Benchmark sob medida Desenvolvimento de metodologias, auditorias Fornecimento de dados

55 Participação: concessionárias Parcerias com concessionárias Utilizar bancos atualmente existentes Criar caminho direto para informações Cruzar estes bancos de dados com outros (prefeituras?) Informação mínima para etiqueta Área (m2) Zona climática Consumo energético (kwh) Correções Fonte Proprietário Localização (endereço) Concessionária Proprietário

56 Obrigado Agradecimentos: Bill Bordass

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. [Roberto Lamberts] [31/10/2013]

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. [Roberto Lamberts] [31/10/2013] Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso [Roberto Lamberts] [31/10/2013] Equipe e parceiros - Lançamento da inciativa - Parceria Equipes técnicas: Energia elétrica e CO₂ no Brasil Fonte: BEN 2012 Etiquetagem

Leia mais

Benchmarking consumo de energia em edificações

Benchmarking consumo de energia em edificações Benchmarking consumo de energia em edificações O que é Benchmarking? Benchmarking é a criação de um referencial de mercado Benchmarks definem um nível típico de consumo, permitindo a rápida comparação,

Leia mais

Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação

Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação Comunicação Técnica Desenvolvimento de benchmarks nacionais de consumo energético de edificações em operação Edward Borgstein e Roberto Lamberts CT Energia Versão 1 1/15 Ficha Técnica O documento foi desenvolvido

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Consumos de projeto Consumo de energia Etiqueta de projeto/construção

Leia mais

Benchmarking de consumo energético em edificações

Benchmarking de consumo energético em edificações Benchmarking de consumo energético em edificações Edward Borgstein CT Energia, CBCS BENCHMARKING E DESEMPENHO ENERGÉTICO OPERACIONAL (DEO) Etapas de etiquetagem energética #1 Etiqueta de projeto PBE Edifíca

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Edward Borgstein CT Energia. www.cbcs.org.br

Edward Borgstein CT Energia. www.cbcs.org.br Potencial para eficiência energética em edificações Edward Borgstein CT Energia Modalidades de Atuação Produção de conhecimento Inovação Comitês Técnicos e Projetos Simpósio anual Eventos Cursos Palestras

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014

Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Benchmarking e Desempenho Energético Operacional ABRINSTAL 11 / 11 / 2014 Emissões de CO2 da energia elétrica Energia em edifícios no PNE 2050 Impacto EE Aumento de consumo Número de domicílios passa

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Medição & Verificação

Medição & Verificação Roteiro de apresentação Medição & Verificação Sua Importância para a Análise de Resultados em uma Operação Conceitos Normas Aplicações Planejamento Estudos t d de Caso Conclusões David Douek, Diretor de

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS GERAÇÃO DISTRIBUÍDA E COGERAÇÃO COM GÁS NATURAL: BARREIRAS TECNOLÓGICAS E INSTITUCIONAIS AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída (GD) Estudo de caso: Porto de Santos AGENDA O Projeto P124 Geração Distribuída

Leia mais

Benchmarking e etiquetagem energética em uso. Visão Brasileira

Benchmarking e etiquetagem energética em uso. Visão Brasileira Benchmarking e etiquetagem energética em uso Visão Brasileira SUMARIO EXECUTIVO Benchmarks e etiquetas prediais são as ferramentas mais eficazes para redução de consumo de energia no ambiente construído.

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE 1. CONTEXTO Na 64ª Reunião do Comitê Executivo do Fundo Multilateral para Implementação

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

nos Transportes na República

nos Transportes na República Política de Eficiência Energética nos Transportes na República da Coreia Maio de 2011 Seung Hyun Lee Índice www.kemco.or.kr Sobre a KEMCO II Uso de Energia na República da Coreia III Programas de Eficiência

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS

PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS PROJETOS DEMONSTRATIVOS DE CONTENÇÃO DE VAZAMENTOS DE HCFCs EM SUPERMERCADOS EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE 1. CONTEXTO Na 64ª Reunião do Comitê Executivo do Fundo Multilateral para Implementação

Leia mais

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts, PhD. CT-Energia CBCS Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações 1 Eficiência Energética em Edificações SUSTENTABILIDADE: NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES Maio, 2015 Paula Baratella, arq. MSc. Arquiteta e Urbanista e Mestre em Eng. Civil- UNICAMP Analista de Infraestrutura

Leia mais

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Viabilidade, Projeto e Execução Análise de Investimento em Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES VII Rio Energias Renováveis EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES CERTIFICAÇÕES E RETORNO FINANCEIRO Antonio Collet - Dezembro 2010 Consumo Final de Energia Consumo de Energia Setores Economicos Canadá

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol

Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol Verificação de inventário de GEE no âmbito do Programa Brasileiro GHG Protocol Workshop de Organismos de Validação e Verificação Rio de Janeiro, 12 de junho de 2013 Programa Brasileiro GHG Protocol Lançado

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015

INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 INFORMAÇÕES SOBRE ADESÃO CICLO 2015 Conteúdo Sobre o GVces Sobre o Programa Brasileiro GHG Protocol e o Registro Público de Emissões Política de qualificação dos inventários (Novo critério para o selo

Leia mais

Eficiência energética no ambiente construído

Eficiência energética no ambiente construído Posicionamento CBCS Comitê Temático de Energia Eficiência energética no ambiente construído Agosto 2015 1. A situação elétrica no Brasil O Brasil dispõe de enorme potencial e diversas fontes de recursos

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS

A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS A CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA EM PORTUGAL - ANÁLISE DA SUA APLICAÇÃO A UM EDIFÍCIO DE SERVIÇOS Panorama Energético Segundo o Portal Europeu de Energia em 2009: Ou seja, o sector dos edifícios foi responsável

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

EUREM.NET (treinamento e network de gestores de energia) é um projeto do Programa Europeu Energia Inteligente.

EUREM.NET (treinamento e network de gestores de energia) é um projeto do Programa Europeu Energia Inteligente. Informações gerais OBJETIVO Gasto com energia é uma das principais preocupações para as empresas. Em uma economia global e competitiva a empresa que conseguir produzir com qualidade e a um menor preço

Leia mais

ENERGIA SOLAR. Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente.

ENERGIA SOLAR. Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente. ENERGIA SOLAR Energia limpa, nosso compromisso com o meio ambiente. Energy Team - experiência Vem analisando o mercado brasileiro desde 2006 e em 2008 participou da primeira feira de fonte de energias

Leia mais

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão

Inventário de emissões de gases de efeito estufa. Elaboração e uso como ferramenta de gestão Inventário de emissões de gases de efeito estufa Elaboração e uso como ferramenta de gestão 25 de agosto de 2011 Programa Brasileiro GHG Protocol Origens Metodologia mais utilizada mundialmente para a

Leia mais

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por

Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica. Promovido por Diretrizes do Fundo Solar: Apoio a microgeração fotovoltaica Promovido por Texto atualizado em 22 de Maio de 2013 Índice 1. Contextualização... 3 2. Objetivo... 3 3. Público-Alvo... 3 4. Entidades promotoras...

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Diretrizes para obtenção do Selo Solar Outorgado por em Parceria com Dezembro de 2014 2 Índice 1. Contextualização...4 2. Objetivo...4 3. Público-Alvo...4 4. Entidade promotora...5 5. Entidade parceira...5

Leia mais

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias

Promover a Eficiência Energética nos edifícios. As PME do Sector Energético Desafios e estratégias Promover a Eficiência Energética nos edifícios As PME do Sector Energético Desafios e estratégias 22 de Março 2013 Índice 1. Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos 2. Fundo de Eficiência Energética

Leia mais

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios A certificação muitas vezes é um incentivo necessário para implementação de práticas sustentáveis pelo mercado. Isso porque quantifica e confere

Leia mais

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia

Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Eficiência Energética e ISO 50.001 Vantagens na Gestão da Energia Setembro de 2014 Clientes COELBA CELPE Neoenergia 9,9 milhões 5,4 milhões 3,3 milhões COSERN COSERN 1,2 milhões CELPE Energia Distribuida

Leia mais

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO STC/ 13 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) GERENCIAMENTO PELO LADO DA DEMANDA - MÉTODOS DIRETO, INDIRETO E INCENTIVADO

Leia mais

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores Economia de Energia Na Modernização de elevadores Importância do Elevador O elevador é o equipamento mais importante do edifício. Moradores de prédios passam em média meia hora por semana dentro do elevador.

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO CA ecodesktop posso fornecer economias de custos e reduções no consumo de energia e na pegada de carbono de PCs e desktops de maneira precisa? agility made possible Você pode. Com o CA

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Brasil. Resumo - Resultados Parceiros Brasil

Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Brasil. Resumo - Resultados Parceiros Brasil Pesquisa Energy Efficiency Indicator 2011 Resultados - Parceiros Resumo - Resultados Parceiros Agosto de 2011 Introdução A quinta edição da pesquisa anual Energy Efficiency Indicator, analisou a opinião

Leia mais

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar

Cumprir Quioto é um desafio a ganhar Cumprir Quioto é um desafio a ganhar 90 Emissões de GEE e compromissos 2008-2012 em Portugal Emissões de GEE (Mt de CO 2) 75 60 45 30 15 +27% 0 1990 1995 2000 2005 2010 2015 Emissão de GEE Meta Quioto

Leia mais

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos.

É assim, essencial para as empresas controlarem e gerirem os seus consumos. A eletricidade, gás, água e outros tipos de consumos são elementos fundamentais para o funcionamento da generalidade das empresas e que poderão ter um peso bastante relevante nos seus custos. É assim,

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria? Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR

ENERGY EFFICIENCY INDICATOR ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Resultados 2011 Parceiros Brasil 1 A PESQUISA ENERGY EFFICIENCY INDICATOR Em sua quinta edição, a pesquisa atingiu quase 4 mil respondentes A pesquisa global Energy Efficiency

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº.

Comissionamento de Infraestrutura. Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Comissionamento de Infraestrutura Mauro Faccioni Filho, Dr.Engº. Resumo: O comissionamento é basicamente a confirmação de um processo ou processos. No entanto, há uma falta de conhecimento de como ele

Leia mais

METODOLOGIA INTRODUÇÃO

METODOLOGIA INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O presente documento pretende apresentar a metodologia de preparação dos temas que constituem o Modelo de Dados de Informação Geográfica de suporte à Plataforma online do Projeto Oeiras E-City.

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Fórum de Eficiência Energética e Geração Distribuída ANEEL 2015 Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas

O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas O mercado da Construção Sustentável e as oportunidades com as crises hídricas e elétricas Engº. Marcos Casado Diretor Técnico Comercial Sustentech Coordenador MBA Construções Sustentáveis INBEC/UNICID

Leia mais

Oportunidades de eficiência energética na indústria. 31 de Maio de 2011, Porto. Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt

Oportunidades de eficiência energética na indústria. 31 de Maio de 2011, Porto. Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt Oportunidades de eficiência energética na indústria 31 de Maio de 2011, Porto Cláudio Monteiro FEUP / Smartwatt cdm@fe.up.pt A eficiência energética é um recurso Como avaliar esse recurso? A eficiência

Leia mais

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO MERCADO DE CARBONO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO III SISCA 21 e 22 de agosto de 2013 Felipe Jané Bottini Green Domus Desenvolvimento Sustentável felipe@greendomus.com.br +55 (11) 5093 4854 http://storymaps.esri.com//globalfootprint/

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Fabio Faria) Institui o Programa de Incentivo à Geração Distribuída de Energia Elétrica a partir de Fonte Solar - PIGDES e altera a Lei nº 10.438, de 26 de abril de 2002.

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A CHAVE PARA A EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Agenda Enquadramento dos consumos Energéticos nos Edifícios e no ramo Hoteleiro Enerbiz Conceito Geral e explicação funcional Conclusões e Aspetos Gerais Índice Enquadramento

Leia mais

Aquecimento alternativo

Aquecimento alternativo 34_Aquecedor domestico.qxd 17/11/2004 16:34 Page 90 AQUECEDOR DOMÉSTICO DE ÁGUA Divulgação Abrava/DASol Aquecimento alternativo Popularizar o produto é um dos objetivos do setor para 2005 Atualmente podemos

Leia mais

Smart Cities Benchmark Portugal 2015

Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Smart Cities Benchmark Portugal 2015 Agenda Introdução & Objetivos Metodologia Cronograma 2 Um Novo Paradigma Tecnológico 40% 25% 3 3 Introdução & Objetivos Mais de 50% da população do mundo vive hoje

Leia mais

A Virtualização A virtualização e a Infra-estrutura em Cloud Computing Rumo ao Green Datacenter. pedro.magalhaes@schneider-electric.

A Virtualização A virtualização e a Infra-estrutura em Cloud Computing Rumo ao Green Datacenter. pedro.magalhaes@schneider-electric. A Virtualização A virtualização e a Infra-estrutura em Cloud Computing Rumo ao Green Datacenter pedro.magalhaes@schneider-electric.com A Virtualização Virtualização - Simples e Elegante SERVIDORES TRADICIONAIS

Leia mais

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos

Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos Processos de medição das grandezas elétricas e térmicas em prédios comerciais e públicos 1.0 Apresentação Este Relatório Preliminar apresenta uma sugestão de processos de medição dos resultados da aplicação

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

Categoria Franqueador Pleno

Categoria Franqueador Pleno PRÊMIO ABF-AFRAS DESTAQUE SUSTENTABILIDADE 2013 Dados da empresa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Categoria Franqueador Pleno Razão Social: Astra Rio Saneamento Básico Ltda Nome fantasia: Astral Saúde Ambiental

Leia mais

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS

SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS SEMINÁRIO FACHADAS ENERGETICAMENTE EFICIENTES: CONTRIBUIÇÃO DOS ETICS/ARGAMASSAS TÉRMICAS FACHADAS EFICIENTES NO DESEMPENHO ENERGÉTICO DE EDIFÍCIOS LISBOA, 10 DE MAIO DE 2012 ADENE Agencia para a Energia

Leia mais

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012

Cogeração. Rochaverá Corporate Towers. 10Julho2012 Cogeração Rochaverá Corporate Towers 10Julho2012 AGENDA A Ecogen: Modelo de Negócio; Principais Aplicações; Clientes; Por quê Ecogen?. Soluções energéticas para Edifícios e Shoppings; Case de Sucesso:

Leia mais

Master em Sustentabilidade e Eficiência Energética

Master em Sustentabilidade e Eficiência Energética Master em Sustentabilidade e Eficiência Energética Área de Energias Renováveis Energias Renováveis Datos del curso Área formativa: Energias Renováveis Modalidade: A Distância/E-learning Duração: 60 ECTS

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título)

Impresso em 27/08/2015 12:17:14 (Sem título) Aprovado ' Elaborado por Leonardo Camargo/BRA/VERITAS em 07/08/2013 Verificado por Sidney Santos em 09/12/2013 Aprovado por Sergio Suzuki/BRA/VERITAS em 09/12/2013 ÁREA LNS Tipo Instrução Administrativa

Leia mais

O Consumo de Energia está a aumentar

O Consumo de Energia está a aumentar Schneider Electric -Eficiência Energética HAG 04/2010 1 Luis Hagatong Energy Efficiency Manager Schneider Electric Portugal 3 as Jornadas Electrotécnicas Máquinas e instalações eléctricas ISEP 29 e 30

Leia mais

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços

Da ideia ao mercado Um caminho de percalços Da ideia ao mercado Um caminho de percalços CONTEXTO REGULATÓRIO % da ROL a ser investido em P&D Investimento Recolhimento SEGMENTO P&D Light FNDCT MME Light SESA 0,2% 0,2% 0,1% Light Energia 0,4% 0,4%

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Síntese O Compromisso ALIANSCE para a Sustentabilidade demonstra o nosso pacto com a ética nos negócios, o desenvolvimento das comunidades do entorno de nossos empreendimentos,

Leia mais