Pinos intra-radiculares pré-fabricados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pinos intra-radiculares pré-fabricados"

Transcrição

1 19 Pinos intra-radiculares pré-fabricados RODRIGO DE CASTRO ALBUQUERQUE INTRODUÇÃO A restauração de um dente tratado endodonticamente tem se constituído em um desafio para os clínicos e pesquisadores pois, ainda nos dias de hoje, gera uma série de dúvidas e discussões. Não há um consenso em relação a técnica ideal para restauração desses dentes. Pinos intra-radiculares pré-fabricados ou núcleos metálicos fundidos têm sido indicados de maneira muitas vezes empírica e subjetiva, sem o completo conhecimento dos princípios biomecânicos ou clínicos que determine a correta indicação e seleção dos pinos ou núcleos 2. Os tratamentos endodônticos têm sido cada vez mais promissores, o que tem contribuído muito para o aumento da longevidade dos dentes despolpados. Portanto, devemos buscar uma técnica restauradora que seja igualmente benéfica no intuito de restabelecer tanto a estética quanto a função desses elementos dentais, de forma a permitir uma vida longa aos mesmos. O que se almeja é evitar fracassos, que têm sido comuns como fraturas radiculares, fraturas coronárias, deslocamento dos pinos, reincidências de cáries dentre outras possíveis falhas 53. Baseado nos inúmeros questionamentos que ainda temos em relação à restauração de dentes tratados endodonticamente, a proposta deste capítulo é discutir um pouco sobre os critérios clínicos na indicação e seleção dos pinos intra-radiculares pré-fabricados, bem como discutir aspectos envolvidos na sua técnica de utilização.

2 442 PRÓTESE DENTES TRATADOS ENDODONTICAMENTE A literatura tem descrito que um dente tratado endodonticamente merece um cuidado especial na sua restauração. Um dente despolpado é mais frágil devido a uma alteração biomecânica, pois ele sofreu uma modificação na sua arquitetura e morfologia tornando-se mais frágil devido à perda de estrutura dental por cáries, fraturas, preparação cavitária além do acesso e instrumentação do canal radicular 46. Por muitos anos, acreditou-se que a perda da vitalidade pulpar levasse a uma diminuição da umidade dentinária, resultando na alteração da resiliência do dente, tornando-o mais susceptível a fraturas 17. Autores, como ROSEN 43, descreveram a dentina destes dentes como ressecada e não elástica, o que os tornaria mais friáveis. Essa afirmativa é questionável, pois trabalhos como o de HELFER 20 mostraram que um dente despolpado perde apenas cerca de 9% da sua umidade quando comparados aos polpados, testes estes executados em dentes de cães. REEH et al. 39 salientaram que o tratamento endodôntico reduziu a resistência de um pré-molar em apenas 5%, sendo que a preparação oclusal resultou na diminuição em torno de 20% e uma cavidade MOD reduziu 63% a resistência do mesmo grupo de dentes. SEDGLEY & MESSER 46 não encontraram diferenças estatisticamente significativas entre dentes polpados e despolpados em relação a resistência à fratura e ao cisalhamento. Outro motivo que pode contribuir para a elevação da incidência de fraturas em dentes despolpados pode ser justificado por trabalhos como o de LOWENSTEIN & RATHKAMP 27, que sugerem uma perda do mecanismo pressorrecepção, além da pesquisa de RANDOW & GLANT 38 que salienta uma elevação do limiar de dor nesses dentes, o que poderia provocar um descontrole na pressão mastigatória exercida por pacientes sobre esses elementos dentários. Portanto, o mais importante a se levar em consideração na restauração de dentes despolpados não é o fato do tratamento endodôntico enfraquecer o dente, mas sim a quantidade e a qualidade da estrutura dental remanescente 1,2. É fundamental a preservação da estrutura dental sadia, sendo necessário um cuidado especial na hora de selecionar a conduta restauradora mais eficaz para o tratamento desses dentes. No passado, pinos intra-radiculares eram considerados obrigatórios. Hoje em dia, as pesquisas têm nos apresentado resultados controversos em relação aos benefícios proporcionados pelos retentores intra-radiculares 1,6,7,8,9,10,12,18,19,21,24,33,34,35,42,47,49,50,57,61,62. O que não se questiona é a necessidade de se confeccionar uma restauração que propicie o restabelecimento das funções desse elemento dental. É fundamental ter em mente que nenhum material restaurador substitui o tecido dental com a mesma eficiência, o que nos obriga selecionar uma técnica que seja, além de tudo, conservadora para a estrutura dental remanescente 1. NÚCLEOS METÁLICOS FUNDIDOS Não há dúvidas de que a técnica mais popular de construção de núcleos para dentes despolpados tem sido os núcleos metálicos fundidos. Vários pesquisadores como BEX et al. 8, GELFAND et al. 18, HIRSCHFELD & STERN 21 e PLASMANS et al. 35 consideram que essa técnica preenche melhor os objetivos a que se destinam pois estes são muito resistentes, versáteis e permitem uma melhor adaptação ao canal radicular. Não podemos também desprezar a larga experiência clínica que se tem com este método de reconstrução, pois desde o desenvolvimento do processo de fundição por meio de pressão pneumática por TAGGART 54, em 1907, esses núcleos vêm sendo empregados. Contudo, essa forma de reconstrução apresenta algumas desvantagens, como a necessidade de maior número de sessões clínicas, envolvimento de procedimentos laboratoriais, custo mais elevado e remoção de maior quantidade de estrutura dental, dentre outras. Essa técnica envolve grande remoção de tecido dental sadio, pois, para que não se induza uma grande tensão na entrada do canal radicular, segundo ASSIF & GORFIL 6, é necessário que a porção coronária do núcleo abrace a raiz, envolvendo pelo menos 2 mm da margem do remanescente, proporcionando o chamado efeito férula na tentativa de diminuir a incidência de fratura radicular. Segundo ASSIF et al. 7, esses núcleos não atendem às necessidades dos dentes despolpados pois são feitos com metais que possuem um alto módulo de elasticidade, podendo induzir, portanto, a um elevado índice de fraturas radiculares, como podemos observar na Figura Os núcleos fundidos são, e continuarão a ser por muito tempo, uma boa alternativa em uma reconstrução dentária. Todavia, não podemos desprezar as inúmeras vantagens que o emprego de pinos pré-fabricados na construção de núcleos de preenchimento pode proporcionar. FIG Raiz fraturada de um dente com uma coroa metalocerâmica cimentada sobre um núcleo metálico fundido em liga alternativa apresentando sinais de oxidação.

3 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 443 NÚCLEOS DE PREENCHIMENTO Com a evolução das técnicas e dos materiais odontológicos, novas alternativas na reconstrução morfológica têm surgido. Uma técnica promissora tem sido proposta através dos núcleos de preenchimento, definidos como núcleos confeccionados com materiais restauradores plásticos (amálgama, resina composta ou cimento de ionômero de vidro), que têm como finalidade reconstituir elementos dentais que tiveram perda estrutural por cárie, tratamento endodôntico ou fraturas, podendo estar associados a pinos intra-dentinários, intra-radiculares, ou mesmo, dependendo do caso, sem auxílio de pinos 1. Essa técnica apresenta como vantagens em relação aos núcleos metálicos fundidos a preservação de maior quantidade de estrutura dental sadia, a economia de tempo para paciente e profissional, o baixo custo, a boa resistência, dispensa procedimentos laboratoriais e melhor resultado estético quando empregamos principalmente as resinas compostas no preenchimento. Nas Figuras 19.2 e 19.3 podemos verificar um núcleo de preenchimento construído com resina composta o que possibilitou um bom resultado estético ao receber um coroa total de porcelana pura. Talvez o principal benefício proporcionado pela utilização dos núcleos de preenchimento seja a conservação de tecido dental sadio pois, como poderemos verificar melhor no decorrer deste capítulo, o desgaste dental se limita à remoção de tecido cariado, restaurações antigas, além do acesso e preparo do canal radicular para posterior cimentação do pino. Em muitos casos, pode ser necessário a indicação de uma forma de retenção adicional para o material empregado na reconstrução da morfologia dental, ou seja, no preenchimento. Essa forma de retenção é bem solucionada através da inserção de pinos pré-fabricados que podem ser intradentinários ou intra-radiculares. A correta indicação, seleção e emprego dos pinos pré-fabricados, bem como dos materiais restauradores plásticos no preenchimento, são fatores imprescindíveis para o sucesso no emprego deste procedimento. PINOS INTRA-DENTINÁRIOS Os pinos intra-dentinários foram introduzidos em 1958 por MARKLEY 32, que indicava a cimentação destes na dentina previamente à confecção de uma restauração complexa com amálgama que poderia, inclusive, segundo o autor, posteriormente servir de base para coroas de ouro ou mesmo como núcleos retentores de prótese fixa. Esse tipo de pino é empregado com sucesso em dentes polpados, mas nos despolpados sua indicação é mais limitada, pois muitas vezes a estrutura dental remanescente se encontra fragilizada pela perda de tecido, que é comum após o tratamento endodôntico 10,13. SHILLINGBURG et al 48, afirmaram que a correta indicação e inserção desses retentores dependem da presença de uma dentina sólida e que deve se tomar cuidado para diminuir o risco de invadir a polpa ou atingir o ligamento periodontal. CAPUTO & STANDLEE 10 salientaram que estes pinos resistem bem às forças mastigatórias, mas não devem ser indicados para dentes tratados endodonticamente, sendo corroborado por DAWSON 13, que afirmou que, no caso dentes despolpados, uma retenção intra-radicular é preferível, pois ele vê grandes evidências de que pinos intradentinários induzem um alto índice de microfraturas na dentina, devido à alta concentração de tensão que estes provocam. Portanto, acreditamos que a indicação destes pinos seja mais oportuna na reconstrução morfológica de dentes polpados, onde a presença de estrutura dental sadia é mais concreta. Entretanto, em alguns casos, em dentes sem vitalidade pulpar, que por um motivo qualquer a inserção de um pino no canal radicular não seja viável, estes pinos podem ser indicados, mas com o cuidado especial na seleção do local a ser preparado para diminuir os riscos de insucessos. FIG Preparo cavitário para coroa total sobre um primeiro molar inferior reconstruído com núcleo de preenchimento em resina composta. Fig Coroa total em porcelana pura (Sistema In-Ceram) cimentada com técnica adesiva. TPD: Fernando Castellano, Belo Horizonte MG.

4 444 PRÓTESE PINOS INTRA-RADICULARES Não é bem definido quando se iniciou o emprego desta forma de retenção intra-radicular na Odontologia. Já no final do século passado, para ser mais preciso em 1899, RETTER 40 já descrevia uma técnica na qual ele empregava parafusos de platina introduzidos nos canais radiculares com o intuito de servir de ancoragem para restaurações de amálgama em dentes com extensa destruição. Após um longo período de vida útil na cavidade bucal do paciente, estas reconstruções eram, quando necessário, aproveitadas como base para coroas totais. Segundo STOCKTON & WILLIAMS 52, ao escolher o tipo de pino a ser empregado, os cirurgiões-dentistas levam em consideração a resistência do pino para suportar cargas, a facilidade de colocação, a compatibilidade com os materiais restauradores e a possibilidade de ser removido quando necessário. A indicação dos materiais restauradores plásticos na construção de núcleos de preenchimento muitas vezes tem sido feita associada ao emprego de pinos intra-radiculares pré-fabricados. A literatura tem definido duas funções principais para esses pinos: 1. propiciar retenção para o material de preenchimento que irá substituir a estrutura dental sadia; 2. aumentar a resistência do dente contra fraturas, distribuindo as forças ao longo da raiz (que gera controvérsias) 1,2,48. Com o objetivo de avaliar a influência dos pinos intraradiculares na resistência à fratura de dentes despolpados, ALBUQUERQUE et al. 1 realizaram um trabalho no qual compararam molares superiores despolpados restaurados com núcleos de preenchimento de amálgama, resina composta ou ionômero de vidro reforçado com prata associados a pinos pré-fabricados Unimetric (Maillefer), fio ortodôntico ou sem a presença de pinos. Ao final desta pesquisa, os autores não encontraram diferenças estatísticas entre os tipos de retentores intra-radiculares, portanto, a presença de um pino intra-radicular não exerceu influência na resistência final de um dente tratado endodonticamente em nenhum dos materiais testados. Esses achados concordam com os de GUZY & NICHOLLS 19, que avaliaram a resistência de dentes tratados endodonticamente com ou sem pinos, concluindo que estes não aumentaram a resistência dos dentes. Em um estudo clínico, ROSS 44 não encontrou evidências para afirmar que um pino intra-radicular realmente reforce um dente. TROPE et al. 57 concluíram que a preparação de um canal para receber um pino enfraquece seriamente a raiz, o que não é recompensado pela introdução deste pino. Estes autores não encontraram diferença em um estudo laboratorial, onde empregaram núcleos de amálgama com e sem pinos no canal radicular. PLASMANS et al. 35 também não encontraram diferença estatística entre núcleos de resina composta com e sem pinos. PLASMANS et al. 35 consideram ainda que um pino pode ser necessário para a retenção da resina composta como material de núcleo, mas pode levar a uma fratura dental não passível de ser reparada. YAMAN & THORSTEINSSON 62 sustentam que um pino intra-radicular sob forças verticais e inclinadas são instruídos, criando alto stress na porção apical do dente. ROBBINS et al. 42 alertam que a remoção de estrutura dental sadia enfraquece o dente, mesmo que o reforcemos de alguma forma. Portanto, podemos concluir, ao analisar dados disponíveis na literatura, que os pinos intra-radiculares não diminuem os riscos de uma fratura radicular. Eles podem, em dentes com a porção coronária debilitada, reforçar esta região, conduzindo parte das tensões recebidas pela coroa às raízes destes, diminuindo os riscos de uma fratura coronária. CHRISTIAN et al. 11 encontraram um aumento de cerca de 15% na resistência de coroas debilitadas após a colocação de um pino intra-radicular, sendo que KERN et al. 26 conseguiram uma elevação de 48% na resistência à forças laterais nesta porção coronária. Por tudo isto, a indicação de um pino intra-radicular deve ser feita com critério, pois temos que analisar a necessidade ou não da sua colocação, por haver riscos envolvidos no preparo de um canal para receber esse pino. A indicação pela inserção de um pino intra-radicular tem que se pautar em uma série de fatores. Alguns autores se baseiam apenas no remanescente dental, indicando a colocação em casos de restaurações unitárias nas quais se perderam mais de 50% de estrutura dental sadia. Esse critério nos parece pouco preciso, pois julgamos ser importante também analisarmos outras variáveis, como a posição que o dente ocupa no arco dentário, o tipo de oclusão que o paciente possui, a função desse dente, forma anatômica do canal radicular além do tipo de prótese que o dente irá receber. Pinos intra-radiculares em dentes anteriores: Um outro fator que devemos igualmente levar em conta é a localização do dente no arco dentário. Nos dentes anteriores, incisivos ou caninos, as forças que incidem nas suas coroas são, predominantemente, de cisalhamento 2,6,53. Como já foi anteriormente comentado, apesar de uma série de trabalhos mostrar que pinos intra-radiculares não reforçam esses dentes contra fraturas, a indicação de um pino nessa região é mais freqüente devido à menor presença de estrutura dental quando comparados aos dentes posteriores, além de possuírem um volume menor de câmara pulpar, que é uma importante estrutura que fornece retenção ao material de preenchimento. Na maioria dos casos, nós somente poderemos ter certeza da necessidade ou não da colocação do pino após termos removido todo o tecido cariado e/ou as restaurações antigas, para depois analisarmos a quantidade e qualidade do remanescente dental, com o intuito de determinar se haverá ou não a necessidade de provermos retenção adicional para o material de preenchimento e reforço para a porção coronária deste elemento dental. Outro fator primordial a ser levado em considera-

5 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 445 ção é o tipo de restauração que esse dente irá receber. Em muitos casos, onde se tem um bom remanescente coronário, a simples restauração com resina composta restaura satisfatoriamente. Entretanto, se indicarmos uma faceta estética ou uma coroa total, haverá a necessidade de remoção de estrutura dental adicional, o que enfraquecerá mais ainda esse dente, nos levando a indicar uma retenção intraradicular na busca de prover sustentação ao material restaurador. Pinos intra-radiculares em molares: Nos dentes posteriores, os critérios na prescrição de pinos são mais claros. Segundo SUMMITT 53, as cargas que incidem sobre estes dentes são, na maioria das vezes, de compressão. Como nesses elementos dentários há mais estrutura dental disponível, a indicação desses pinos é menos freqüente, inclusive quando da confecção posterior de restaurações indiretas, devido à presença de maior volume de câmara pulpar nestes dentes em relação aos anteriores. No caso de ser necessário a inserção do pino, na maioria das vezes um único já seria o bastante. Em molares superiores poderia ser colocado no canal palatino e em molares inferiores no conduto distal, por serem estes mais amplos e de mais fácil acesso. SORENSEN 49 sempre indica esses pinos quando o dente a ser restaurado servirá de apoio para uma prótese parcial removível, devido ao tipo de carregamento que essa prótese gera nesse elemento dental. Pinos intra-radiculares em pré-molares: Em pré-molares, é um pouco mais polêmico o critério de indicar ou não um pino. Nesses dentes, o tipo de carga que incide é tanto de compressão como de cisalhamento. Ele possui um colo cervical muito estreito em relação à coroa clínica, além de uma câmara pulpar pouco ampla o que torna a necessidade da colocação de pinos intra-radiculares mais freqüente do que em molares 53. Como foi visto, a retenção adicional para o material de preenchimento será necessária em muitos casos nos quais se busca uma sustentação para um dente sem vitalidade pulpar. Apesar do grande avanço da Odontologia adesiva, nos parece prematuro confiar apenas nos agentes de união à dentina. Portanto, até que a eficácia destes materiais de preenchimento adesivos possa ser confirmada em estudos clínicos a longo prazo, é prudente o emprego desses agentes adesivos em conjunto com outras formas tradicionais que proporcionem resistência e retenção. CLASSIFICAÇÃO DOS PINOS PRÉ-FABRICADOS Hoje em dia, nós encontramos disponíveis uma grande variedade de pinos intra-radiculares pré-fabricados com as mais diferentes configurações e materiais de confecção. Cada tipo de pino tem sua característica própria, o que torna importante classificá-los para facilitar a sua seleção. No Quadro 19.1 podemos comparar algumas marcas comerciais de pinos pré-fabricados disponíveis e suas características. Forma anatômica Cilíndricos (paralelos) Cônicos Lisos Configuração superficial Serrilhados Rosqueáveis Metálicos Titânio Aço inoxidável Material de confecção Não estéticos Fibras de carbono Não metálicos Fibras de vidro Estéticos Fibras de quartzo Fibras de carbono com quartzo Dióxido de zircônio

6 446 PRÓTESE Quadro Comparação entre sistemas de pinos intra-radiculares pré-fabricados Pino pré-fabricado Fabricante Material Classificação Estética Radiopacidade Custo médio por pino Unimetric Maillefer Aço Inoxidável ou Titânio Rosqueável Cônico Não Excelente (Aço), Boa (Titânio) US$ 2,00 Radix Anker Maillefer Titânio Rosqueável Cilíndrico Não Boa US$ 7,10 Flexi-Post/Flexi Flange EDS Aço Inoxidável ou Titânio Rosqueável, Cilíndrico de Não Excelente (Aço), Boa (Titânio) US$ 9,6 (Aço), US$ 10,4 (Titânio) extremo cônico e Fendado Dentatus Dentatus Aço Inoxidável ou Titânio Rosqueável Cônico Não Excelente (aço), Boa (Titânio) US$ 2,31 (Aço), US$ 2,96 (Titânio) Tenax Whaledent Titânio Serrilhado Cônico Não Boa Não disponível Parapost Whaledent Titânio Serrilhado Cilíndrico Não Boa Não disponível Reforpost Angelus Aço Inoxidável Rosqueável Cônico Não Excelente US$ 1,10 Cerapost Brasseler Dióxido de Zircônio Liso, Adesivo e Cilíndrico Sim Excelente Não disponível com Extremo Cônico Cosmo Post Ivoclar Dióxido de Zircônio Liso, Adesivo e Cilíndrico Sim Excelente US$ 30, 20 com Extremo Cônico C-Post Bisco Resina e Fibras de Carbono Liso, Adesivo e Cilíndrico Não Baixa US$ 9,05 de Dois Estágios Aestheti-Post Bisco Resina e Fibras de Carbono Liso, Adesivo e Cilíndrico Sim Baixa US$ 10,90 Revestido com Fibras de Quartzo de Dois Estágios Aestheti Plus Bisco Resina e Fibras de Quartzo Liso, Adesivo e Cilíndrico Sim Baixa US$ 10,90 de Dois Estágios Light Post Bisco Resina e Fibras de Quartzo Liso, Adesivo e Cilíndrico Sim Baixa US$ 10,90 de Dois Estágios UMC-Post Bisco Resina e Fibras de Carbono Liso, Adesivo e Cônico Não Baixa US$ 9,05 Fibrekor Post Jeneric/Pentron Resina e Fibras de Vidro Serrilhado ou liso, Adesivo Sim Baixa US$ 7,04 e Cilíndrico Parapost White Whaledent Resina e Fibras de Vidro Serrilhado, Adesivo Sim Baixa Não disponível e Cilíndrico Luscent Post Dentatus Resina e Fibras de Vidro Liso, Adesivo e Cônico Sim Baixa US$ 11,40

7 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 447 FORMA ANATÔMICA DOS PINOS Um pino intra-radicular pode ser dividido didaticamente em porção coronária e radicular. Obviamente a porção radicular é responsável pela retenção do pino ao conduto radicular e a porção coronária se encarrega de proporcionar interação com o material plástico empregado na reconstrução morfológica. Quando nos referimos à classificação da forma anatômica dos pinos, estamos nos referindo à forma da sua porção radicular. No que se refere a esta forma anatômica, os pinos podem classificados em cônicos ou cilíndricos que também são chamados de paralelos. Através de uma análise conduzida empregando o Método dos Elementos Finitos, podemos observar que, na oclusão em um incisivo central superior, a maior concentração de tensões se situa na região da dentina radicular adjacente à crista óssea alveolar vestibular e palatina do dente. Ao analisarmos essas tensões, identificamos que elas são de tração na palatina e de compressão no lado vestibular. Como a resistência à tração da dentina é menor que a mesma à compressão, a tendência maior de início de uma fratura será na porção onde se tem tensões de tração. Esse fato é também importante para a seleção de um pino, pois quanto mais alargarmos o canal maior será a tensão nessa região. Ao analisarmos um dente polpado hígido, podemos observar que no interior deste a tensão predominante é de compressão. A simples introdução de um pino no canal radicular, altera significativamente a distribuição das tensões no seu interior. Há agora, uma considerável tensão de tração que varia em intensidade de acordo com a forma anatômica e com o material de confecção do pino intraradicular. Em relação à forma anatômica com a qual são confeccionados, a colocação de um pino cônico ou cilíndrico modifica sensivelmente a distribuição interna da tensão quando comparados ao dente hígido. O cilíndricos são mais retentivos do que os cônicos e apresentam o potencial de distribuir as tensões de forma mais uniforme ao longo das raízes dos dentes, o que gera menos stress, podendo reduzir o risco de fraturas radiculares. Os cônicos geram maior concentração de tensão que os cilíndricos, o que induz o aparecimento do efeito de cunha responsável por fraturas radiculares. Os pinos cônicos tendem a produzir maior tensão no ombro da raiz, enquanto os paralelos causam maior tensão na região apical, pressionando o remanescente de material obturador, especialmente durante a cimentação 2. Contudo, os pinos cônicos apresentam uma relevante vantagem, que é a sua adaptação ao conduto radicular, devido a sua forma anatômica ser mais próxima a este canal. De acordo com trabalhos de SORENSEN 50, quanto mais bem adaptado o pino estiver ao canal radicular, maior resistência ele conferirá à raiz deste dente. Baseado nisto, talvez o mais importante não seja tanto a forma deste pino, mas sim a seleção de um pino que possua a anatomia mais próxima a do canal em que estejamos trabalhando, para que não seja necessário desgastar muito tecido dental para adaptá-lo. CONFIGURAÇÃO SUPERFICIAL Os pinos pré-fabricados podem ser também classificados em relação à sua configuração superficial, sendo divididos em lisos, serrilhados e rosqueáveis. No caso do pinos metálicos, sempre serão encontrados na configuração serrilhada ou rosqueável. Devido a pouca retenção mecânica proporcionada pelos pinos lisos, estes não mais são comercializados. Os pinos metálicos rosqueáveis são mais retentivos, mas induzem a uma maior concentração de tensão na raiz. Estes últimos devem ser, além de rosqueados, cimentados no interior do canal, sendo necessário após este rosqueamento, retornar 1/4 de volta para que esta cimentação não gere muita tensão, procedimento este chamado de cimentação passiva. Trabalhos como de COHEN et al. 12 têm descrito que uma menor tensão é observada quando se emprega pinos rosqueáveis fendados no interior do conduto. Este tipo de pino, cuja marca comercial é Flexi Post ou Flexi Flange (EDS), possui uma fenda central no sentido longitudinal do pino que, segundo estes autores, se fecha ao sofrer uma compressão, gerando menor pressão sobre as paredes do canal radicular. Os pinos não metálicos são encontrados na forma serrilhada ou lisa. Os pinos lisos são menos retentivos, o que pode ser melhorado com um leve jateamento na sua superfície. MATERIAL DE CONFECÇÃO DOS PINOS Quanto ao material no qual são confeccionados, os pinos podem ser classificados como metálicos ou não-metálicos. Os pinos metálicos podem ser de titânio ou aço inoxidável, enquanto os não-metálicos podem ser subclassificados como não estéticos, que são os de fibras de carbono, e em estéticos, que podem ser de fibras de carbono revestido com fibras de quartzo, fibras de quartzo, fibras de vidro ou de dióxido de zircônio. Em relação ao material de confecção dos pinos, podemos constatar uma diferença significativa na distribuição das tensões entre os diversos tipos disponíveis no mercado odontológico. Os pinos metálicos se constituíram, por muito tempo, na única alternativa para a confecção de pinos pré-fabricados. Pesquisas recentes, nas quais foram empregados os mais variados métodos de teste, têm demonstrado experimentalmente que os pinos de aço inoxidável geram uma tensão de tração média superior a dos pinos de titânio e que estes geram uma tensão superior a dos pinos não metálicos, dentre os quais podemos destacar os pinos de fibras de carbono 2,3,4,22. Ao restaurarmos um dente tratado endodonticamente empregando um pino intra-radicular metálico, a tensão ge-

8 448 PRÓTESE rada por ele deve ser considerada, pois o acúmulo dessas tensões poderá exceder a resistência da dentina, produzindo uma falha que será inevitável. Relatando os possíveis problemas relacionados ao emprego de pinos, ASSIF et al 7. afirmaram que um pino intra-radicular metálico não atende às necessidades mecânicas de um dente tratado endodonticamente. Os pinos metálicos, embora tenham rigidez e resistência, apresentam um módulo de elasticidade cerca de 10 vezes superior ao da dentina, o que induz uma alta concentração de tensão, um dos principais fatores responsáveis pela fratura radicular. Baseado na teoria que um pino pré-fabricado deve possuir propriedades semelhantes ao do tecido dental, DURET et al. 14, em 1990, apresentaram uma nova alternativa na reconstrução corono-radicular que foram os pinos confeccionados em fibras de carbono envolvidas por uma matriz orgânica de BIS-GMA, que, segundo os autores, possuem a grande vantagem de terem o módulo de elasticidade próximo ao da dentina, o que poderia gerar menos stress. A partir dos trabalhos pioneiros desses pesquisadores, novas alternativas foram surgindo com características e vantagens distintas, conforme poderemos verificar adiante. Além de uma seleção adequada do pino e do material de reconstrução, a conservação de estrutura dental sadia também é imprescindível, pois sua remoção enfraquece o dente mesmo que o reforcemos de alguma forma 1. Baseado nisso, a indicação correta do uso de um pino intra-radicular, bem como a seleção do desenho apropriado do pino, confeccionados com materiais mais favoráveis, podemos tornar o prognóstico em relação à longevidade de um dente despolpado reconstruído mais promissora. Portanto, é de suma importância que o cirurgião-dentista saiba indicar, selecionar e inserir corretamente um pino intraradicular para que se possa propiciar uma restauração com as inúmeras vantagens proporcionadas por essas técnicas restauradoras. Pinos metálicos: estes pinos possuem a vantagem de serem rígidos, baixo custo, não requerem técnicas e nem cimentos especiais na sua fixação, larga experiência clínica nas várias décadas em que já são empregados pela Odontologia e apresentam uma excelente radiopacidade. Na Figura 19.4 temos uma radiografia onde podemos verificar a variedade na forma anatômica de diversos pinos intra-radiculares metálicos bem como a diferença na radiopacidade entre os pinos de titânio e aço inoxidável. Como desvantagens destes retentores metálicos, podemos citar a ausência de estética, a possibilidade de sofrerem corrosão, o alto módulo de elasticidade e o fato de não serem adesivos. Um cuidado que pode ser interessante na construção de um núcleo de preenchimento com resina composta ou cimento de ionômero de vidro, empregando estes retentores metálicos, é procurar manter o pino envolvido com o material de preenchimento. Este procedimento visa evitar o contato do pino metálico com a restauração indireta definitiva, o que poderia transferir tensões da coroa para a raiz do dente, possibilitando no futuro, maior risco de fratura radicular. Pinos de fibras de carbono: apresentam vantagens quando comparados aos sistemas de pinos metálicos como adesão à estrutura dentária, módulo de elasticidade próximo ao da dentina, resistência à corrosão e, segundo o fabricante, facilidade de serem removidos do canal quando necessário. Como desvantagens, podemos citar sua coloração escura que pode comprometer a estética, experiência clínica menor do que os metálicos e sua radiolucidez como podemos verificar na Figura Apesar de ser bastante divulgado por alguns trabalhos e através de dados fornecidos pelo fabricante de que estes sistemas de pinos possuem um módulo de elasticidade semelhante ao da estrutura dentária, é importante salientarmos que, diferentemente dos pinos de titânio e aço inoxidável, que são isotrópicos, estes pinos, assim como todos aqueles confeccionados em fibras, são anisotrópicos, ou seja, as propriedades do material vão depender do ângulo de aplicação do carregamento. Por exemplo, o módulo de elasticidade da dentina é de 18,6 GPa, enquanto o do pino de fibras de carbono é de cerca de 13,5, quando se emprega uma carga a 45 o do longo eixo do pino 2. Já quando se emprega uma carga a 10 o em relação ao longo eixo do pino, este módulo de elasticidade pode ser 5 vezes maior, ou seja, chegar a um valor próximo de 75 GPa. Em relação ao fato de serem escuros, uma solução que foi conseguida veio do revestimento destes pinos com fibras de quartzo, o que conferiu a estes melhores características óticas sem perder suas boas qualidades. Um aspecto que tem sido apresentado por alguns testes laboratoriais, podendo ser comprovado através de avaliações clínicas, é a característica de falhas destes sistemas. Quando um pino metálico ou mesmo um núcleo metálico fundido falham, o que se observa é que a raiz normalmente fratura, podendo condenar o dente a uma exodontia. Já quando um núcleo de preenchimento com pino de fibras de carbono falha, o que na maioria das vezes ocorre é fratura do pino ou do material de preenchimento ou mesmo a soltura deste pino, o que ainda possibilita um reparo ou uma nova restauração 25. Pinos de fibras de vidro ou fibras de quartzo: Estes pinos, apesar da menor experiência clínica por serem mais recentes, apresentam quase as mesmas características dos pinos de fibras de carbono, mas com a vantagem de serem estéticos e mais translúcidos, o que permite uma melhor transmissão da luz. Além disto, eles são de custo ligeiramente menor do que os pinos confeccionados em fibras de carbono. Pinos de dióxido de zircônio: Este sistema de retentores intra-radiculares foi primeiro apresentado por LUTHY 29 em Ele é composto de 94,9 % de dióxido de zircônio com a adição de 5,1% de óxido de ytrio, que resultaram em uma cerâmica parcialmente estabilizada (YPSZ), que proporcionou um material com alta resistência à fratura. Como vantagens, citamos a sua excelente estética, radiopacidade, não sofrem corrosão, adesividade, alta rigidez, podendo ser

9 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 449 Fig Radiografia mostrando diferentes graus de radiopacidade de diversos pinos intra-radiculares metálicos. Da esquerda para direita temos: Flexi-Post de aço inoxidável (EDS), Reforpost de aço inoxidável (Angelus), Radix Anker de titânio (Maillefer), FKG de aço inoxidável (FKG), Dentatus de aço inoxidável folheado a ouro (Dentatus), Dentatus de aço inoxidável (Dentatus), Unimetric de titânio (Maillefer), Tenax de titânio (Whalledent) e Reforpost de aço inoxidável (Angelus). Observe a maior radiopacidade dos pinos de aço inoxidável em relação aos de titânio. Fig Radiografia mostrando nos dentes 11 e 12 pinos de fibra de carbono (C-Post, Bisco), e no dente 21 pino de aço inoxidável (Unimetric, Mailllefer). Repare a radiolucidez do pino de fibra de carbono, o que torna importante a eleição de um cimento resinoso radiopaco na sua cimentação para podermos visualizar a sua adaptação. empregados tanto pela técnica direta como indireta associados a cerâmicas fundidas e injetadas. Em relação às suas desvantagens salientamos o seu alto módulo de elasticidade, que é maior do que pinos metálicos, muito duros de serem cortados ou preparados, dificuldade de serem removidos do canal radicular se este procedimento for necessário, alto custo e o fato de não serem passíveis de condicionamento com ácido fluorídrico, o que permite um adesão mais baixa às resinas compostas empregadas no preenchimento. Quando comparados aos pinos confeccionados em fibras associadas a uma matriz de BIS-GMA, MANOCCI et al 31. reportaram um índice 6 vezes maior de falhas dos pinos confeccionados em dióxido de zircônio após sofrerem carregamento intermitente, onde foram encontradas uma fratura de coroa e 5 fraturas de pinos e raízes. MACCARI 30 não encontrou fratura dos pinos de fibras de carbono revestidos com fibras de quartzo ou fibras de vidro, sendo que no caso dos pinos em dióxido de zircônio houve 100% de fraturas destes pinos. O que é temeroso é o fato que o remanescente destes pinos ser muito difícil de ser removido do conduto radicular, o que irá dificultar uma nova restauração. PROCEDIMENTOS CLÍNICOS RECOMENDADOS PARA SELEÇÃO E PREPARAÇÃO DE UM PINO INTRA-RADICULAR 1. De posse de uma boa radiografia periapical, selecione o pino de acordo com o diâmetro, comprimento e forma do canal radicular. Alguns kits possuem uma matriz transparente com o perfil dos pinos, que deve ser posicionada sobre a radiografia em um negatoscópio, para permitir a escolha do pino a ser empregado. O pino não deve ficar frouxo no canal que também não deve ser ampliado desnecessariamente para adaptar um com diâmetro largo. A retenção desses pinos não depende da sua largura, mas sim do seu comprimento e sua correta adaptação Os pinos não devem ter o seu diâmetro desgastado para possibilitar o seu assentamento. Escolha um kit que possua a fresa específica para o preparo do canal que irá receber o pino que você selecionou. Este

10 450 PRÓTESE cuidado proporcionará uma melhor adaptação deste ao conduto radicular. 3. Não introduza a fresa diretamente no canal radicular. Antes, desobstrua primeiro o conduto com um instrumento endodôntico aquecido, removendo o material obturador. Esse procedimento diminuirá o risco de perfurações radiculares, pois o próprio canal guiará a fresa durante a preparação. 4. Alguns kits de pinos vêm com uma fresa de preparo inicial, acompanhado de outra que confere a anatomia final ao canal. Não deixe de empregá-las na seqüência recomendada. Nos kits que não acompanham essas fresas, penetre primeiro com uma de calibre inferior. Isso facilitará a penetração da fresa específica para o preparo do pino que você selecionou. 5. Na preparação do canal, deixe pelo menos, 4 mm de material obturador no ápice radicular. Esse cuidado reduzirá a possibilidade de inadvertidamente, desobturarmos um delta apical, o que poderá induzir a uma alteração periapical. 6. Em dentes multirradiculares, se apenas um pino for necessário, selecione o canal mais amplo e reto, o que facilitará o preparo e cimentação. 7. No caso de dúvidas durante o preparo do canal, em relação à correta direção que a fresa está caminhando, não hesite em proceder um exame radiográfico para ter segurança de que a raiz não será perfurada. 8. Verifique se o contra-ângulo que está empregando não está vibrando em excesso, fato que pode alargar desnecessariamente o canal radicular, dificultando uma boa adaptação do pino. 9. No caso de dentes que tenham perdido muito tecido dentário coronário, selecione um kit de pinos adesivos ou pinos metálicos que possuam a sua porção coronária mais ampla. Eles proporcionam uma maior retenção para o material a ser empregado no preenchimento. 10. Faça toda a preparação, de preferência, com isolamento absoluto do campo operatório. O lençol de borracha, além de proporcionar um campo visual mais favorável afastando língua, bochecha e saliva, dentre outras vantagens diminui o risco de acidentes como a aspiração ou ingestão de algum material como fresas ou pinos. CIMENTAÇÃO DOS PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS Um cuidado especial deve ser dado a uma adequada técnica de cimentação destes pinos. Para a fixação, dispomos dos cimentos de fosfato de zinco, policarboxilato de zinco, ionômero de vidro e dos cimentos resinosos. Na cimentação de pinos metálicos, desde que estejam bem adaptados ao canal radicular, o cimento de fosfato de zinco ou ionômero de vidro têm sido os materiais mais empregados. O cimento de fosfato de zinco, devido ao seu baixo custo e facilidade de manipulação, tem funcionado com alto grau de sucesso ao longo dos anos. Nas Figuras de 19.6 a podemos verificar alguns detalhes do preparo e cimentação de um pino intra-radicular metálico com cimento de ionômero de vidro. Não existe um cimento que preencha todos os requisitos necessários para que seja o ideal em todos os tipos de cimentação. Uma propriedade importante para os cimentos é a sua capacidade de selamento do canal radicular. Segundo WU 59, o agente cimentante deveria ser capaz de promover um selamento comparável ao do material usado na obturação do canal radicular. Os cimentos resinosos têm ganhado muita popularidade nos dias de hoje. Apesar dos enormes benefícios proporcionados pelos procedimentos adesivos, estes têm de ser vistos com alguma ressalva pois trabalhos apresentam resultados contraditórios em relação ao comportamento das diversas opções de agentes cimentantes. Publicações nem sempre têm conferido aos cimentos resinosos melhores resultados, sendo que pesquisadores têm relacionado esse comportamento à presença de eugenol residual no interior do canal, advindo do cimento normalmente empregado na obturação do canal radicular. Este eugenol residual, remanescente do cimento obturador, que muitas vezes é difícil termos a certeza da sua completa remoção, prejudica o condicionamento ácido da dentina, além de interferir no grau de polimerização do cimento resinoso. Uma sugestão que pode ser interessante, no caso de se indicar um tratamento endodôntico em um dente que receberá um pino intra-radicular, seria planejar junto ao Endodontista a possibilidade de se empregar um cimento obturador que não tenha esse componente. Como exemplo de marcas comerciais de cimentos obturadores de canais radiculares sem eugenol, podemos citar o Ah plus (Dentsply), Sealapex (Keer) e Sealer 26 (Dentsply). Outro inconveniente atribuído aos cimentos resinosos é a sensibilidade na técnica pois, além da necessidade de um número significativo de passos clínicos, esses materiais têm um reduzido tempo de trabalho. Por tudo isso, ainda é necessário uma avaliação mais criteriosa em relação aos reais benefícios do emprego dos cimentos resinosos na cimentação de pinos metálicos. Se o pino intra-radicular for selecionado com o comprimento e a adaptação adequada, o cimento de fosfato de zinco pode ser escolhido com segurança pois, além do benefício de ser mais fácil e simples de ser empregado, o custo é bem mais baixo. É importante sempre lembrarmos que o cimento empregado não dispensa a necessidade de um boa adaptação do pino ao conduto radicular. O mais importante do cimento é que ele preencha o espaço entre o pino e a parede do canal, proporcionando uma retenção friccional. O que devemos ter em mente é que, segundo SUMMITT et al. 53, nenhum cimento hoje disponível tem a capacidade

11 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 451 CASO CLÍNICO 1: PRÉ-MOLAR SUPERIOR A SER CONFECCIONADO NÚCLEO DE PREENCHIMENTO EM RESINA COMPOSTA COM AUXÍLIO DE DOIS PINOS INTRA-RADICULARES METÁLICOS (UNIMETRIC - MAILLEFER) Fig Preparo do canal palatino com fresa de preparo inicial. Fig Preparo do canal palatino com fresa que confere a anatomia final ao canal radicular. Fig Teste da adaptação dos pinos intra-radiculares. Fig Vista oclusal dos pinos adaptados aos canais radiculares. Fig Tratamento do substrato dentinário com ácido poliacrílico. Fig Pinos cimentados por rosqueamento passivo com cimento de ionômero de vidro.

12 452 PRÓTESE de corrigir um preparo e uma instalação incorreta de um pino intra-radicular. Em relação aos pinos não metálicos, é inquestionável a necessidade da seleção dos cimentos resinosos como agente de escolha na sua fixação. Entretanto, a literatura ainda não chegou a um consenso em relação à técnica ideal de cimentação quando se empregam cimentos resinosos. Contudo, nos parece mais seguro a escolha de adesivos dentinários quimicamente polimerizáveis associados a cimentos resinosos igualmente de cura química em detrimento aos mesmos fotopolimerizáveis ou de dupla ativação (cimentos duais). Como exemplo de marcas comerciais de adesivos dentinários que possuem reação de presa química, podemos citar o All Bond II (BISCO), ScothBond Multi Purpose Plus (3M), Alloy Bond (SDI). Em relação aos cimentos resinosos quimicamente polimerizáveis, podemos relacionar o Panávia (Kuraray), Hi-X (Bisco), C&B (Bisco), Parapost Cement (Whalledent), Cement-It (Jeneric/Pentron) e Flow-It Self Cure (Jeneric/Pentron). Indicam-se os componentes adesivos com reação de presa química devido ao fato de que a luz poder não atingir adequadamente toda a extensão do canal, o que conduz a uma hibridização inadequada de grande parte do conduto, além de uma incompleta conversão dos monômeros, mesmo quando se empregam cimentos duais, que têm na sua composição uma pequena quantidade de monômeros foto-sensíveis. FERRARI et al. 16 encontraram uma hibridização mais eficiente nos dois terços coronários do canal e uma presença maior de fendas no terço apical. Nas Figuras a observamos a seqüência de preparo e cimentação de um pino de fibras de carbono empregando cimento resinoso. Já nas Figuras a detalhamos a técnica de preparação e fixação de um pino de dióxido de zircônio. Outro fator importante a ser lembrado na cimentação é o tratamento da superfície do pino antes da sua fixação. Alguns clínicos têm relatado problemas relacionados à soltura dos pinos de fibras, mesmo após terem sido cimentados de forma adesiva. Além de fatores ligados ao tratamento da dentina ou à seleção de um adesivo dentinário, bem como de um cimento resinoso quimicamente polimerizáveis, falhas de adesão à superfície dos pinos também têm sido verificadas. Essas falhas podem ser diminuídas se tivermos o cuidado de asperizarmos a superfície dos pinos de fibras com um leve jato de óxido de alumínio antes da aplicação do sistema adesivo. Esse jateamento deve ser feito com cuidado para não danificar os pinos. PURTON & PAYNE 37 afirmaram que as falhas na ligação entre pinos de fibras de carbono seriam devido à ligação fraca entre os pinos e os agentes cimentantes. Esses autores acreditam que essas falhas podem ser provenientes do processamento térmico dos pinos de fibras de carbono, que passam a apresentar pouca resina livre disponível para a reação química, tendendo a comprometer a interação entre pino e cimento. Além do problema da adesão à superfície dos pinos de fibras, PURTON & PAYNE 37 relacionaram a menor rigidez desses pinos como um dos responsáveis pelas falhas de adesão encontradas em suas pesquisas. Esses autores sugerem que esses pinos devem ser serrilhados, para se conseguir maior resistência à remoção por tração. CASO CLÍNICO 2: INCISIVO CENTRAL SUPERIOR TRATADO ENDODONTICAMENTE, ESCURECIDO E QUE NÃO RESPONDEU ADEQUADAMENTE AO CLAREAMENTO DENTAL. DENTE INDICADO PARA A CONFECÇÃO DE UMA FACETA DIRETA DE RESINA COMPOSTA, APÓS A INSERÇÃO DE UM PINO INTRA-RADICULAR DE FIBRAS DE CARBONO (C- POST, BISCO) Fig Foto inicial do dente escurecido. Fig Preparo inicial do canal radicular.

13 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 453 Fig Preparo final do canal radicular. Fig Teste da adaptação do pino. Fig Condicionamento ácido do substrato dentário. Fig Remoção do excesso de umidade do canal radicular com cone de papel absorvente. Fig Aplicação do sistema adesivo quimicamente polimerizável no canal radicular. Fig Pino fixado no canal radicular com cimento resinoso quimicamente polimerizável.

14 454 PRÓTESE Fig Câmara pulpar reconstruída com resina composta fotopolimerizável. Fig Corte do excesso do pino, mostrando a presença de resíduos. Aconselha-se a realização do corte, previamente à cimentação ou após a reconstrução, evitando assim impregnação do interior do material de preenchimento com o pó que desprende do seu seccionamento. Pino cortado. Fig Fig Aplicação do sistema adesivo sobre a preparação cavitária para faceta estética direta em resina composta. Fig Fase final da aplicação de resina composta e caracterização de alterações de esmalte com pintura intrínseca. Fig Vista do sorriso da paciente após o término do procedimento restaurador.

15 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 455 CASO CLÍNICO 3: CANINO SUPERIOR FRATURADO PARA O QUAL FOI INDICADO NÚCLEO DE PREENCHIMENTO EM RESINA COMPOSTA RETIDA POR PINO DE DIÓXIDO DE ZIRCÔNIO (COSMO-POST, IVOCLAR) Fig Vista vestibular do dente a ser restaurado. Fig Desobstrução do canal com fresa de preparo inicial. Fig Preparo com a fresa que confere a anatomia final ao canal radicular. Fig Teste da adaptação do pino no canal radicular. Repare a marcação no pino onde iremos cortá-lo antes da sua cimentação. Fig Pino, o qual foi previamente silanizado, fixado com cimento resinoso. Fig Preenchimento com resina composta para núcleo fluidificada (Core-Flo, Bisco), sendo levada com matriz Directa- Svenska, posteriormente utilizada como restauração provisória.

16 456 PRÓTESE Fig Vista vestibular do dente com núcleo de preenchimento, após o preparo cavitário para coroa total. Fig Radiografia após a cimentação, onde podemos visualizar o alto grau de radiopacidade do pino. PROCEDIMENTOS CLÍNICOS RECOMENDADOS PARA CIMENTAÇÃO DOS PINOS INTRA-RADICULARES 1. A cimentação, tanto a convencional como mais ainda a adesiva, deve ser preferencialmente, feita sob isolamento absoluto do campo operatório, pois é um meio seguro quanto ao risco de contaminação da superfície pela saliva, que pode interferir de forma negativa, principalmente em procedimentos que envolvem adesão. 2. Após a preparação do canal radicular, teste o pino, para não correr o risco deste não assentar adequadamente no momento da sua cimentação. 3. Após o término da preparação do conduto radicular, é interessante realizar uma assepsia do canal radicular previamente à cimentação. Alguns autores têm sugerido o emprego de uma solução de Digluconato de Clorexidina a 2% para produzir a desinfeção do canal. Quando o cimento a ser empregado é o fosfato de zinco, o emprego do Cavidry é uma boa alternativa, conforme foi apresentado no trabalho detanomaru 55 no qual promoveu uma maior resistência à tração aos núcleos metálicos fundidos. 4. A cimentação adesiva deve ser feita a 4 mãos, pois a aplicação do adesivo e do cimento deve ser feita ao mesmo tempo, para não correr o risco de ao introduzir o pino no interior do conduto, o adesivo estar polimerizado, impedindo a inserção deste pino. 5. A inserção do cimento no interior do canal preparado, deve ser feita com uma ponta de agulha da seringa Centrix (Centrix) ou com uma ponta espiral do tipo lentulo, para permitir que o cimento preencha todo o conduto, diminuindo inclusive, a inclusão de bolhas. Além disso, devemos pincelar o cimento no pino para proporcionar um melhor contato entre eles. 6. No caso do emprego de pinos pré-fabricados metálicos rosqueáveis, estes devem ser cimentados no canal radicular de forma passiva, ou seja, após o rosqueamento, ao travar, retorne 1/4 de volta para que o pino não seja cimentado sob tensão, o que pode, no futuro, levar a uma fratura radicular. 7. Um cuidado especial também deve ser tomado ao manipular o cimento de fosfato de zinco na cimentação de pinos metálicos. O emprego de uma placa de vidro resfriada, bem como a espatulação envolvendo a maior área desta placa, proporcionará boas propriedades mecânicas ao cimento, além de uma fluidez adequada O jateamento da superfície dos pinos tanto metálicos quanto os não metálicos, pode ser interessante para aumentar a área de superfície destes retentores, o que proporciona um maior imbricamento destes aos agentes cimentantes.

17 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS Um fator igualmente importante a ser salientado sobre uma cimentação adesiva é um tratamento correto do substrato dentinário. Devemos respeitar, da mesma forma como fazemos durante uma restauração adesiva convencional, o tempo de condicionamento ácido além da manutenção desta dentina úmida para uma hibridização satisfatória. Para tanto, é necessário o uso, após a lavagem da solução ácida, de um cone de papel absorvente na secagem do conduto radicular, pois apenas a utilização de jatos de ar pode ressecar a dentina coronária, possibilitando ainda o acúmulo de água no interior do canal. 10. Remova os excessos de cimento que cobrem o pino e a superfície dentária. Devemos fazê-lo pois prejudica a adesão do material de preenchimento à dentina e de penetrar às reentrâncias do pino, prejudicando a retenção entre eles. É mais fácil remover o excesso de cimento ainda quando este não tomou presa. REFORÇO DE RAÍZES DEBILITADAS Os clínicos muitas vezes deparam com um dente que possui um canal muito amplo, provocado pela necessidade de remoção de grande quantidade de tecido cariado ou pela presença de um pino com diâmetro largo que se soltou. Nesses casos, a adaptação correta de um pino intra-radicular pré-fabricado não é possível e uma outra opção, que seria o uso de núcleo metálico fundido, sobrecarregaria muito o remanescente dentário. Com o propósito de estabelecer uma alternativa para esses casos, LUI 28, em 1994, descreveu uma técnica na qual empregou sistemas adesivos associados a resinas compostas fotopolimerizáveis no interior desses condutos radiculares estruturalmente comprometidos, que eram polimerizados com um pino transparente fototransmissor no seu centro. Ao se remover o pino translúcido, formava-se um canal reconstruído com resina composta, que funcionava como uma dentina artificial, possibilitando a cimentação de um pino pré-fabricado no seu interior. SAUPE et al. 45 compararam a resistência a fratura de incisivos superiores reconstruídos com este sistema de reforço, no caso empregando o sistema Luminex (Dentatus, USA), em relação à dentes que receberam apenas núcleos metálicos fundidos como reconstrução morfológica. Ao final do trabalho, os autores encontraram um aumento de 50% na resistência destes dentes reforçados com o sistema Luminex em relação aos mesmos não reconstruídos. Um questionamento que se tem em relação a esta técnica é o fato de se empregar resina composta fotopolimerizável na reconstrução radicular. Com o objetivo de avaliar a efetividade dessa ativação no interior da superfície dentinária, RIVALDO et al. em , encontraram uma polimerização efetiva apenas no terço cervical e identificaram também uma falta de união entre resina composta e dentina no terço médio e apical. Uma tentativa de se obter um grau maior de conversão da resina no interior do canal radicular pode ser conseguida através do emprego de cimento de ionômero de vidro reforçado com prata do tipo cermet ou a indicação de uma resina composta quimicamente polimerizável. As resinas têm sido preferidas devido à baixa resistência mecânica do cimento de ionômero de vidro, que pode ocasionar maior possibilidade de falhas. Nas Figuras 9.34 a podemos observar um caso clínico de um remanescente radicular bastante comprometido que foi reconstruído através do emprego de resinas compostas autopolimerizáveis associadas à adesivos dentinários também de presa química. MATERIAIS PLÁSTICOS PARA PREENCHIMENTO Um outro componente importante na construção de um núcleo de preenchimento é o material plástico empregado na reconstrução morfológica do dente. Esta reconstrução é importante, não somente no intuito de prover sustentação e retenção para o material restaurador indireto, como também na distribuição das tensões, distribuindo-as mais homogeneamente ao redor do remanescente dentário. O material de preenchimento, também isola o pino intra-radicular da coroa, diminuindo a incidência de carga desta coroa para a raiz. Para tanto, é interessante que ao empregar um pino intra-radicular metálico, este esteja coberto com o preenchimento, o que muitas vezes não é possível, principalmente quando empregamos pinos com a sua porção coronária muito ampla. Vários materiais têm se mostrado eficazes na construção de núcleos de preenchimento. Técnicas empregando amálgama, resina composta ou cimento de ionômero de vidro têm sido largamente descritas na literatura 15. Amálgama: O primeiro material a ser empregado foi o amálgama, que apresenta, como vantagens, boa estabilidade dimensional, menor microinfiltração marginal e boa resistência à tração e compressão. Outra vantagem do uso do amálgama é o seu contraste em relação à estrutura dentária, o que facilita muito o preparo cavitário. Como desvantagens registramos a ausência de estética e falta de adesão à estrutura dental. Ao selecionarmos o amálgama no preenchimento, é importante avaliarmos qual liga odontológica empregaremos na futura restauração metálica fundida, não devemos indicar um metal que não tenha compatibilidade química com esse material de reconstrução. Outro inconveniente do amálgama é que, para que ele tenha uma adequada resistência mecânica, devemos aguardar a sua cristalização, situação que contra-indica um preparo cavitário na mesma sessão. Com a grande popularidade alcançada pela odontologia estética, a escolha do amálgama como material de preenchimento tem sido cada vez mais restrita, pois, em alguns casos, ele pode influenciar na coloração dos dentes ou dos materiais restauradores estéticos cimentados sobre ele. Resinas compostas: Um outro material que ganhou muita popularidade mais recentemente, devido principal-

18 458 PRÓTESE CASO CLÍNICO 4: REFORÇO DE RAIZ DEBILITADA COM GRANDE PERDA DE ESTRUTURA DENTÁRIA. INDICOU-SE O REFORÇO DO REMANESCENTE RADICULAR COM RESINA COMPOSTA FLUIDIFICADA (CORE-FLO - BISCO) ASSOCIADA A UM PINO DE FIBRAS DE QUARTZO (LIGTH-POST - BISCO) Fig Radiografia inicial do caso, após obturação do canal radicular. Fig Vista incisal do dente previamente a sua restauração, após o preparo do remanescente do canal obturado. Observe a grande perda de estrutura dental radicular. Fig Aplicação da resina composta fluidificada com seringa Centrix, após a aplicação do sistema adesivo quimicamente polimerizável. Fig Posicionamento de um pino C-Post (Bisco), após a aplicação de um lubrificante hidrossolúvel, para dar conformação ao canal radicular. Empregamos o pino C-Post apenas para modelar o conduto radicular pois ele tem a mesma forma anatômica do pino Light-Post que será posteriormente cimentado.

19 PINOS INTRA-RADICULARES PRÉ-FABRICADOS 459 Fig Vista incisal do canal reconstruído com resina composta Core-Flo (Bisco). Fig Início da aplicação da resina composta sobre o pino já cimentado. Fig Radiografia final do dente 11 reconstruído. mente à evolução dos procedimentos adesivos à dentina, é a resina composta. Como vantagens podemos relacionar sua fácil manipulação, polimerização imediata, ótima resistência mecânica, além de adesão à estrutura dentária e excelente estética. Por outro lado as desvantagens estão relacionadas à sua instabilidade dimensional, que possibilita uma contração de polimerização, e ao coeficiente de expansão térmica diferente da estrutura dental. Muitos clínicos têm se queixado de restaurações cimentadas convencionalmente sobre núcleos de resina que se soltaram. Isso poderia ser provocado por um acabamento do preparo que proporcionou uma superfície muito lisa ao núcleo diminuindo a retenção friccional. Outro fator que pode interferir na retenção de restaurações indiretas, pode ser a absorção de água do cimento de fosfato de zinco ou de ionômero de vidro, muito empregados na cimentação. Este problema está ligado à expansão higroscópica das resinas que poderia absorver umidade destes cimentos possibilitando alguma dissolução destes. O ideal, ao se indicar este material, seria a reconstrução de todo o dente com ele, mantendo-o como restauração provisória. Assim, a resina empregada como preenchimento sofreria contato com a umidade do ambiente bucal, o que possibilitaria, pelo menos alguma expansão higroscópica da resina, postergando o preparo cavitário para alguns dias depois. No preenchimento para o qual se escolheu a resina composta, esta pode ser de polimerização química ou física. Em dentes posteriores onde porventura temos dúvidas em

20 460 PRÓTESE relação ao acesso da luz fotoativadora, podem-se empregar resinas quimicamente polimerizáveis nos primeiros incrementos, terminando com resina composta fotopolimerizável nos últimos, o que facilita, inclusive, a escultura final 34. Um cuidado especial deve ser tomado em relação ao término cavo superficial, principalmente na parede gengival da caixa proximal. Muitas vezes, ao se empregar uma resina com a cor semelhante à do dente, fica difícil de se distinguir entre esse material restaurador e estrutura dentária. Pode ser interessante empregarmos um compósito com uma cor contrastante em relação ao dente para facilitar o acabamento. O término cavo superficial deve ser em dente e não em material de preenchimento. Em relação às propriedades mecânicas da resina composta, ALBUQUERQUE et al. 02 compararam esta ao amálgama e cimento de ionômero de vidro. Ao final do estudo eles puderam concluir que a resina foi consideravelmente o material mais resistente. Segundo YAGADISH & YO- GESH 60, nenhum material restaurador proporciona a adesão à estrutura como os compósitos. TJAN et al. 56 concluem que núcleos com estes materiais são mais resistentes à fratura devido à melhor ductibilidade das resinas, que possuem menor tendência à propagação de trincas do que outros materiais como o amálgama. COHEN et al. 12 salientam ainda que o amálgama é mais frágil, necessitando de maior volume, e é enfraquecido pela presença de pinos. Cimento de ionômero de vidro: A partir do princípio da década de 70, outro material tem sido indicado para reconstrução como núcleos de preenchimento. O cimento de ionômero de vidro foi desenvolvido após estudos de WILSON & KENT 58. Apresenta propriedades interessantes, como adesão à estrutura dental, relativa biocompatibilidade com a polpa, coeficiente de expansão térmica semelhante ao do tecido dental, além da liberação de flúor. Entretanto, alguns artigos têm sido cautelosos na indicação desse material, principalmente em reconstruções maiores, pois ele possui baixas propriedades mecânicas principalmente no que diz respeito a sua resistência à tração. Por este motivo HUYSMANS et al. 24 salientam que o seu uso deve ser com critério e BRANDAL et al. 9 contra-indicam o seu uso em dentes anteriores. Portanto, talvez a indicação do cimento de ionômero de vidro se restrinja a dentes que possuam pelo menos 40% de estrutura dentária sadia, conforme proposto por PHILLIPS 36. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ALBUQUERQUE, R.C. Estudo da resistência à fratura de dentes reconstruídos com núcleos de preenchimento. Efeito de materiais e pinos. Rev. Odotol. UNESP, v. 25, p , ALBUQUERQUE,R.C. Estudo da Distribuição de Tensões em um Incisivo Central Superior Reconstruído com Diferentes Pinos Intra-radiculares Analisado pelo Método dos Elementos Finitos. Araraquara, p. Tese (Doutorado em Dentística Restauradora) Faculdade de Odontologia, Universidade Estadual Paulista. 3. ALBUQUERQUE, R.C., POLLETO, L.T.A., FONTA- NA, R.H.B.T.S., CIMINI Jr., C.A. Two dimensional finite element analisys of post materials and design on stress distribution of supporting structures. In Press. 4. ALBUQUERQUE, R.C., DUTRA, R.A., VASCONCE- LOS, W.A. Pinos intra-radiculares de fibras de carbono em restaurações de dentes tratados endodonticamente. Rev. Assoc. Paul. Cir. Dent. v.52, p.441-4, ANUSAVICE, K.J. Materiais Dentários. 10 ed. Rio de Janeiro: Guanabara-Koogan, p ASSIF, D. & GORFIL, C. Biomechanical considerations in restoring endodontically treated teeth. J. Prosthet. Dent., v. 71, p , ASSIF, D. et al. Photoelastic analysis of stress transfer by endodontically treated teeth to the supporting structure using different restorative techniques. J. Prosthet. Dent., v. 61, p , BEX, R.T. et al. Efecct of dentinal bonded resin postcore preparations on resistance to vertical root fracture. J. Prosthet. Dent., v.67, p , BRANDAL, J.L., NICHOLLS, J.I., HARRINGTON, G.W. A comparison of three restorative techniques for endodontically treated anterior teeth. J. Prosthet. Dent., v.58, p , CAPUTO, A.A., STANDLEE, J.P. Pins and posts - why, when and how. Dent. Clin. North Amer., v.20, p , CHRISTIAN, GW. Post core restoration in endodontically treated posterior teeth. J. Endod.. v. 7, p , COHEN, B.I. et al. Fracture strength of three different core materials in combination with three different endodontic posts. Int. J. Prosthodont., v.7, p , DAWSON, P.E. Pin retained amalgam. Dent. Clin. North Am., v.14, p.63-71, DURET, B., REYNAUD, M., DURET, F. Un nouveau concept de reconstitution corono-radiculare: le Composipost (1). Chir. Dent. Fr., v.60, n. 540, p , ENGELMAN, M.J. Core Materials. J. Calif. Dent. Ass. V. 16 p. 41-5, FERRARI, M., VICHI, A., GRANDINI,S. Standardized adhesive technique to root canal walls: a sem investigation. Proceedings from the IV International Simposium Adhesion and Reconstruction in Modern Dentstry. S. Margherita Ligure, Italy, 2-9, FUSAYAMA, T. & MAEDA, T. Effect of pulpectomy on dentin dentin. J.Dent.Res., v.48, p , GELFAND, M., GOLDMAN, M., SUNDERMAN, E.J. Effect of complete veneer crowns on the compressive strength of endodontically treated posterior teeth. J. Prosthet. Dent., v. 52, p , GUZY, G.E., NICHOLLS, J.I. In vitro comparison of intact endodontically treated teeth with and without

Pinos pré-fabricados e núcleos de preenchimento

Pinos pré-fabricados e núcleos de preenchimento Capítulo 15 Pinos pré-fabricados e núcleos de preenchimento Rodrigo de Castro Albuquerque * Hugo Henriques Alvim A restauração de dentes tratados endodonticamente causa discussões entre clínicos e pesquisadores

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

PINOS PRÉ-FABRICADOS INTRA-RADICULARES: SISTEMAS E TÉCNICAS 1. INTRODUÇÃO 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A RESTAURAÇÃO DE DENTES DESPOLPADOS

PINOS PRÉ-FABRICADOS INTRA-RADICULARES: SISTEMAS E TÉCNICAS 1. INTRODUÇÃO 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE A RESTAURAÇÃO DE DENTES DESPOLPADOS PINOS PRÉ-FABRICADOS INTRA-RADICULARES: SISTEMAS E TÉCNICAS RODRIGO DE CASTRO ALBUQUERQUE Especialista, Mestre e Doutor em Dentística Restauradora pela Faculdade de Odontologia de Araraquara UNESP', Professor

Leia mais

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL IMAGENS DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Em um dente íntegro, suas imagens são facilmente identificáveis, pois já conhecemos a escala de radiopacidade. Estudamos as imagens das estruturas anatômicas, suas

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

Catálogo Dentística e prótese

Catálogo Dentística e prótese Catálogo Dentística e prótese Pinos e Núcleos Exacto Metal Free Pino intra-radicular cônico em fibra de vidro CURSOR PARA O AJUSTE DE CORTE Apoio de restaurações e coroas protéticas Fibra de vidro: alta

Leia mais

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé

Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal. Materiais Dentários. Professora: Patrícia Cé Hermann Blumenau - Complexo Educacional Curso Técnico em Saúde Bucal Materiais Professora: Patrícia Cé Introdução AULA I Vernizes Cimento de hidróxido de Cálcio Cimento de Ionômero de Vidro Cimento de

Leia mais

Prof. Dr. Ivo Contin icontin@usp.br. Disciplina de Prótese Parcial Fixa da F. O. Universidade de São Paulo

Prof. Dr. Ivo Contin icontin@usp.br. Disciplina de Prótese Parcial Fixa da F. O. Universidade de São Paulo ATENÇÃO O uso deste material didático está autorizado, desde que seja divulgado que ele foi desenvolvido dentro do Departamento de Prótese Dentária da Faculdade de Odontologia da USP - São Paulo RESTAURAÇÃO

Leia mais

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm;

Marcação dos contatos: Ajuste interno e dos contornos proximais: Carbono líquido ou Base leve silicone e carbono Accufilm; DEFINIÇÃO AJUSTES E CIMENTAÇÃO Desgaste e polimento necessários para o correto assentamento da peça protética sobre o preparo, garantindo o vedamento marginal e um adequado equilíbrio de contatos proximais

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PRÓTESE DENTÁRIA 21. Quanto ao mecanismo de fratura de um dente, podemos considerar como principal fator determinante: a) Tratamento endodôntico. b) Perda da estrutura

Leia mais

Cimentos para cimentação

Cimentos para cimentação Curso de Auxiliar em Saude Bucal - ASB Faculdade de Odontologia - UPF Requisitos de um agente cimentante ideal Cimentos para cimentação Ser adesivo; Ser insolúvel no meio bucal; Permitir bom selamento

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio

Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA ESTÉTICA Técnica de impressão em dois tempos Técnica de afastamento com duplo fio Prof. Dr. Glauco Rangel Zanetti Doutor em Clínica Odontológica - Prótese Dental - FOP-Unicamp

Leia mais

Historicamente, os pinos de fibras

Historicamente, os pinos de fibras 24 Maio 2010 Pinos de fibras: técnicas de preparo e cimentação Este artigo discute as técnicas com a finalidade de estabelecer um protocolo mais seguro para o preparo e cimentação dos pinos de fibras e

Leia mais

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos.

avaliação dos modos de descolagem e a presença de fraturas no esmalte, após os ensaios mecânicos. da resistência ao cisalhamento destes materiais, com e sem condicionamento ácido do esmalte, após 48 horas e 10 dias; verificação da influência do período dos ensaios mecânicos sobre a resistência ao cisalhamento;

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil

Clinical Update Publicação de Atualização Profissional da Dentsply Brasil Enforce - Sistema Multiuso de Cimentação Adesiva, com Flúor Desde que foi lançado no Brasil, o sistema de cimentação adesiva Enforce com Flúor passou a fazer parte do dia-adia dos profissionais que realizam

Leia mais

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI

AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI CURSO ASB UNIODONTO/APCD AULA 3 DENTÍSTICA RESTAURADORA MATERIAIS E TÉCNICAS PROF.ESP.RICHARD SBRAVATI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE MÓDULO Tema: O papel da ASB nas especialidades de Prótese e Dentística. Trabalho

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37. Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 37 QUESTÃO 17 Em relação à resina composta para restaurações indiretas, é CORRETO afirmar: a) Sua composição química é bem diferente das resinas compostas de uso

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens)

Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Introdução a Prótese Fixa Princípios Biomecânicos Aplicados a Prótese Dentária (Atualizado com Imagens) Prótese é a ciência e arte que proporciona substitutos adequados para as porções coronárias de um

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Técnica 1: Faceta I.Dente vital e preparo protético pronto. 1. Medir a altura e a largura do dente homológo do

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

Obturação dos Canais Radiculares

Obturação dos Canais Radiculares Obturação dos Canais Radiculares EML Rodrigo Del Monaco 2012 É o preenchimento tridimensional, completo e hermético do canal tanto no seu comprimento quanto na sua largura. FINALIDADE DA OBTURAÇÃO Preencher

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

ANATOMIA INTERNA DENTAL

ANATOMIA INTERNA DENTAL ANATOMIA INTERNA DENTAL Cavidade Pulpar: Espaço no interior dos dentes onde se aloja a polpa. Esta cavidade reproduz a morfologia externa do dente,podendo se distinguir duas porções: uma coronária e outra

Leia mais

TABELA DE REEMBOLSO. PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00

TABELA DE REEMBOLSO. PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00 TABELA DE REEMBOLSO PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00 Urgência / Emergência Curativo em caso de hemorragia bucal R$ 37,80 Curativo

Leia mais

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS

SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS SEQUÊNCIA DE POLIMENTO DE CERÔMEROS Dr. Alex Antônio Maciel de Oliveira Especialista em Implantodontia Consultor científico do Sistema Friccional de Implantes Kopp Contato: alexamaciel@hotmail.com Nos

Leia mais

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14

Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 C U R S O O D O N T O L O G I A Autorizado pela Portaria no 131, de 13/01/11, publicada no DOU no 11, de17/01/11, seção 1, pág.14 Componente Curricular: ODONTOLOGIA PRÉ-CLÍNICA II Código: ODO-028 Pré-requisito:

Leia mais

Kit de Teste GrandTEC

Kit de Teste GrandTEC Kit de Teste GrandTEC Cara Utilizadora, Caro Utilizador, Este Kit de Teste foi criado para que possa experimentar num modelo a aplicação das tiras GrandTEC, confeccionadas em fibra de vidro impregnadas

Leia mais

Preparos para elementos unitários

Preparos para elementos unitários 11 Preparos para elementos unitários ALFREDO JÚLIO FERNANDES NETO FLÁVIO DOMINGUES DAS NEVES ADÉRITO SOARES DA MOTA REABILITAÇÕES COMPLEXAS INTERAGINDO - PRÓTESE Apesar dos avanços nos níveis iniciais

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

JOÃO PAULO FILGUEIRAS RIBEIRO

JOÃO PAULO FILGUEIRAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ODONTOLOGIA MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: CLÍNICA INTEGRADA JOÃO PAULO FILGUEIRAS RIBEIRO ANÁLISE

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS ODONTÓLOGO QUESTÃO 21 Assinale a alternativa CORRETA quanto à obtenção da analgesia (anestesia regional): a) O método do bloqueio de nervo é aplicado para a obtenção

Leia mais

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond

Aprovados sem restrições para cavidades oclusais. Diamond Grandio SO Heavy Grandio SO Heavy Aprovados sem restrições para cavidades oclusais Com o lançamento do compósito compactável, a VOCO introduziu no mercado um material de restauração semelhante ao dente

Leia mais

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO

RETRATAMENTO ENDODÔNTICO RETRATAMENTO ENDODÔNTICO Profa. Flávia Sens Fagundes Tomazinho Prof. Flares Baratto Filho Atualmente o índice de sucesso dos tratamentos endodônticos é muito alto, devido às evoluções que as técnicas e

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

PREPARO DO CANAL. - Indicação. 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K. - Pulpectomias e Desobturações. Flexofile ou Flex-R.

PREPARO DO CANAL. - Indicação. 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K. - Pulpectomias e Desobturações. Flexofile ou Flex-R. PREPARO DO CANAL 1. Material necessário Instrumentos Manuais tipo K - Pulpectomias e Desobturações Flexofile ou Flex-R (FIG.1) (FIG.5) (FIG.2) - núcleo quadrangular (FIG.2) - pouco flexível - bom corte

Leia mais

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação

Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c. Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C. aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c Ufi Gel SC / P Ufi Gel hard / C O sistema reembasador para qualquer aplicação Ufi Gel SC/P Ufi Gel hard/c O sistema reembasador para qualquer aplicação A atrofia do osso alveolar

Leia mais

CLÍNICA DO SORRISO PREÇÁRIO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS

CLÍNICA DO SORRISO PREÇÁRIO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS CLÍNICA DO SORRISO PREÇÁRIO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS CONSULTAS Consulta de Medicina Dentária (Check-up) Consulta de Urgência (após o horário de funcionamento normal) 30 CIRURGIA ORAL Exodontia simples 25

Leia mais

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini

Harmonia. Caso Selecionado. Sidney Kina e José Carlos Romanini Caso Selecionado Harmonia Sidney Kina e José Carlos Romanini Na busca para encontrar uma composição agradável no sorriso, alguns fatores de composição estética devem ser observados, para orientação na

Leia mais

ODONTOLOGIA ESTÉTICA

ODONTOLOGIA ESTÉTICA ODONTOLOGIA ESTÉTICA O sorriso enaltece os dentes que podem assim como outros elementos da face denunciar a idade cronológica do ser humano por meio de desgastes ou mesmo pela alteração da cor. Nesse contexto,

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA

CURSO EXTENSIVO DE ENCERAMENTO E CERÂMICA Dr. Dario Adolfi Dr. Ivan Ronald Huanca Duração: 6 meses/módulos de 2 dias. Datas: 11 e 12 de março de 2010 8 e 9 de abril de 2010 13 e 14 de maio de 2010 17 e 18 de junho de 2010 15 e 16 de julho de 2010

Leia mais

MANUAL DE ACIONAMENTO DO SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL BATE CONEXÃO

MANUAL DE ACIONAMENTO DO SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL BATE CONEXÃO MANUAL DE ACIONAMENTO DO SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL BATE CONEXÃO O SISTEMA CONE MORSE FRICCIONAL Cursos Gratui tos Sistema Friccio de Implante nal Bio lógico - Cone Morse -L ocking 41 336 Taper - 3

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 55 QUESTÃO 17 A Prótese Dentária é considerada uma especialidade odontológica de rico intercâmbio com as outras especialidades da odontologia. Esse intercâmbio

Leia mais

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE

ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE ASPECTO DE IMAGEM DAS ESTRUTURAS DO DENTE O órgão dentário, um dos elementos do aparelho mastigatório, é constituído por tecidos especificamente dentais (esmalte, dentina, polpa) e por tecidos periodontais

Leia mais

Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença?

Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença? Capítulo15 Fundamentos essenciais na remoção de pinos pré-fabricados não metálicos: onde a magnificação faz a diferença? Patrick Baltieri patrick baltieri Graduado em Odontologia pela FOP- UNICAMP (2003);

Leia mais

ESTUDO DAS TENSÕES EM DENTE RESTAURADO COM COROA METALOCERÂMICA E DOIS FORMATOS DE RETENTORES INTRA-RADICULARES. - MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS

ESTUDO DAS TENSÕES EM DENTE RESTAURADO COM COROA METALOCERÂMICA E DOIS FORMATOS DE RETENTORES INTRA-RADICULARES. - MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ODONTOLOGIA ESTUDO DAS TENSÕES EM DENTE RESTAURADO COM COROA METALOCERÂMICA E DOIS FORMATOS DE RETENTORES INTRA-RADICULARES. - MÉTODO DOS ELEMENTOS FINITOS ISAAC

Leia mais

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico.

manter um dente recém- período suficientemente prolongado correção ortodôntica que se conceito polêmico. Introdução CONTENÇÕES EM ORTODONTIA em ortodontia é o procedimento para manter um dente recém- movimentado em posição por um período suficientemente prolongado para assegurar a manutenção da correção ortodôntica

Leia mais

TABELA DE Preços Particular

TABELA DE Preços Particular TABELA DE Preços Particular 01 CONSULTA A1.01.01.01 Primeira consulta de medicina dentária 20,00 A1.01.01.05 Consulta de urgência 02 MEDICINA DENTÁRIA PREVENTIVA A2.01.01.01 Selamento de fissuras A2.02.01.DD

Leia mais

5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico

5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico 5 Instrumentos Convencionais Acionados a Motor para Uso Endodôntico de Jesus Djalma Pécora com a colaboração de Eduardo Luiz Barbin; Júlio César Emboava Spanó; Luis Pascoal Vansan e Ricardo Novak Savioli

Leia mais

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function

Ponto de Contato. Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata. Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function Ponto de Contato Reabilitação Estética Sobre Implante em Função Imediata Aesthetic rehabilitation with implants in immediate function José Norberto Garcia Nesello* Manoel Martin Junior** Carlos Marcelo

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

Quando inicio um novo

Quando inicio um novo A r t i g o s Materiais e Técnicas com Wanderley de Almeida Cesar Jr. Entendendo a química dos cimentos e adesivos: você está cimentando suas peças estéticas corretamente? Quando inicio um novo artigo,

Leia mais

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável

REPARO EM PORCELANA. 3M ESPE Adper Single Bond TM 2 Adesivo Fotopolimerizável REPARO EM PORCELANA Preparação: Isole e limpe a superfície. Deixe a superfície metálica rugosa com uma broca ou através da técnica de jateamento. Remova toda porcelana enfraquecida. Bisele as margens.

Leia mais

RESINOMER. Bisco CE0459. Instructions for Use. Dual- Cured. Amalgam Bonding/Luting System

RESINOMER. Bisco CE0459. Instructions for Use. Dual- Cured. Amalgam Bonding/Luting System Bisco CE0459 RESINOMER Dual- Cured Amalgam Bonding/Luting System Instructions for Use PT IN-029R7 Rev. 11/14 BISCO, Inc. 1100 W. Irving Park Road Schaumburg, IL 60193 U.S.A. 847-534-6000 1-800-BIS-DENT

Leia mais

Resinas compostas: o estado da arte

Resinas compostas: o estado da arte Caso Selecionado Resinas compostas: o estado da arte Maurício U. Watanabe Na Odontologia atual, a resina composta é o material de eleição quando se trata de reconstruções de coroas fraturadas de dentes

Leia mais

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabricio de Andrade Waldemarin;Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst TÉCNICA DIRETA. 1. Radiografia inicial para determinação da possibilidade de confecção de pino/núcleo. 2. O dente

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DO PERIODONTO ESTUDAR COM ATENÇÃO AMPLIAR AS IMAGENS PARA OBSERVAR OS DETALHES O periodonto (peri= em redor de; odontos = dente) compreende a gengiva, o ligamento periodontal,

Leia mais

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS ROL DE ONTOLÓGICOS PROCEDIMENTO SUBGRUPO GRUPO CAPÍTULO AMB HCO HSO PAC D.UT ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL (COM DIRETRIZ DE AJUSTE OCLUSAL ALVEOLOPLASTIA AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA APICETOMIA

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

Glossário de Especialidades e Procedimentos Odontológicos

Glossário de Especialidades e Procedimentos Odontológicos Glossário de Especialidades e Procedimentos Odontológicos Dirimindo dúvidas que possam surgir através da análise das coberturas de nossos planos odontológicos, relacionamos abaixo os Procedimentos Odontológicos,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014

PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 PROCESSO SELETIVO EDITAL 23/2014 CARGO E UNIDADES: Odontólogo (Unidade Móvel) Atenção: NÃO ABRA este caderno antes do início da prova. Tempo total para resolução desta prova: 3 (três) horas. I N S T R

Leia mais

Disciplina de Prótese Parcial Fixa

Disciplina de Prótese Parcial Fixa Disciplina de Prótese Parcial Fixa Docentes: Profa. Dra. Adriana Cristina Zavanelli Profa. Dra. Daniela Micheline dos Santos Prof. Dr. José Vitor Quinelli Mazaro Prof. Dr. Stefan Fiúza de Carvalho Dekon

Leia mais

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na TUSS Odontologia Código Procedimento US Código Estruturado Especialidade US DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO 01.01 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 65 81000065 Consulta odontológica inicial 65 01.05 CONSULTA ODONTOLÓGICA

Leia mais

COBERTURA UNIMED ODONTO

COBERTURA UNIMED ODONTO COBERTURA UNIMED ODONTO ODONTOPEDIATRIA Consulta Odontológica SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia para pacientes com necessidades especiais SIM SIM SIM

Leia mais

www.dentaladvisor.com Quick Up Editors Choice + + + + +

www.dentaladvisor.com Quick Up Editors Choice + + + + + www.dentaladvisor.com Material autopolimerizável para a fixação de attachments e elementos secundários em próteses Editors Choice + + + + + A SOLUÇÃO EM UM KIT É muito comum as próteses totais apresentarem

Leia mais

NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US DIAGNÓSTICO

NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US DIAGNÓSTICO NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA X X X X X X X 85 CONTROLE DE HEMORRAGIA

Leia mais

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS

REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS ORTODÔNTICAS REAÇÕES TECIDUAIS ÀS FORÇAS S DENTES ORTODONTIA FORÇA MOVIMENTO -Inicialmente,na Era Cristã, preconizava-se pressões digitais nos dentes mal posicionados visando melhorar a harmonia dos arcos dentários.

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL. radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Neste tópico vamos descrever as principais alterações das imagens radiográficas da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas

Leia mais

GrandTEC. Tiras de fibra de vidro impregnadas com resina para uso em técnicas adesivas odontológicas

GrandTEC. Tiras de fibra de vidro impregnadas com resina para uso em técnicas adesivas odontológicas GrandTEC Tiras de fibra de vidro impregnadas com resina para uso em técnicas adesivas odontológicas GrandTEC Técnica inovadora Somente aplicando os mais modernos materiais da técnica adesiva, o clínico

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES

ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES ROL DE PROCEDIMENTOS E SUAS ESPECIFICAÇÕES Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICOS: I Consulta Inicial Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica Odontolegal, diagnósticos das doenças

Leia mais

Structur 2 SC / Structur Premium

Structur 2 SC / Structur Premium Structur Structur 2 SC / Structur Premium Excelentes provisórios com Structur Fácil aplicação O tratamento protético dos seus pacientes, em particular o tratamento provisório, requer a utilização de produtos

Leia mais

Casos Clínicos. Caso Clínico: Importância do Acabamento e Polimento na Obtenção de Excelência Estética com Resina Composta Direta.

Casos Clínicos. Caso Clínico: Importância do Acabamento e Polimento na Obtenção de Excelência Estética com Resina Composta Direta. Autor: Dr. LUIZ RAFAEL CALIXTO ESPECIALISTA EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP MESTRE EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP DOUTORANDO EM DENTÍSTICA PELA UNESP- ARARAQUARA/SP PROFESSOR DOS CURSOS

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23

PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 23 QUESTÃO 31 Com relação aos tecidos dentários, analise as afirmativas abaixo: 1) O esmalte é um tecido duro, que constitui a maior parte do dente, determinando a forma da coroa.

Leia mais

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph

Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph Geopolímero para reparo e reabilitação de vigas de concreto armado por P. Balaguru, Professor Stephen Kurtz e Jon Rudolph À prova de fogo Reparos externos e reabilitação estrutural para infraestruturas

Leia mais

ANATOMIA DENTAL INTERNA

ANATOMIA DENTAL INTERNA ANATOMIA DENTAL INTERNA VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna Características Gerais Grupo dos incisivos Grupo dos caninos Grupo dos pré-molares Grupo dos molares VERSIANI, 2014 Anatomia Dental Interna

Leia mais

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos

ANEXO I. Rol de Procedimentos Odontológicos ANEXO I Rol de Procedimentos Odontológicos Classificam-se como procedimentos de DIAGNÓSTICO: I Consulta inicial II Exame histopatológico Consiste em anamnese, preenchimento de ficha clínica odontolegal,

Leia mais

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria.

Abertura. Abertura ria. ria. Abertura. Abertura. Requisitos Principais. abertura coronária. Abertura ria. Requisitos Principais. ria. coroná www.endodontia.com.br abertura coroná princípios pios e técnica t simplificada Coroná Requisitos Principais Coroná Requisitos Principais Ponto de eleição inicial pré- determinado Remoção do tecido

Leia mais

Especialistas debatem os procedimentos de cimentação no t ratamento restaurador

Especialistas debatem os procedimentos de cimentação no t ratamento restaurador Especialistas debatem os procedimentos de cimentação no t ratamento restaurador O ADVENTO DOS SISTEMAS ESTÉTICOS ADESIVOS OU METAL-FREE TROUXE PARA A CIMENTAÇÃO MUDANÇAS SIGNIFICATIVAS NOS PROCESSOS PROTÉTICOS.

Leia mais

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus

MISSÃO DA EMPRESA. O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus MISSÃO DA EMPRESA O nosso compromisso é atingir e superar as expectativas dos clientes, garantindo sua total satisfação, fazendo da Dental Plus Manual sinônimo do Dentista de excelência Credenciado em

Leia mais

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução

ODONTOLOGIA CANINA. Introdução ODONTOLOGIA CANINA Juliana Kowalesky Médica Veterinária Mestre pela FMVZ -USP Pós graduada em Odontologia Veterinária - ANCLIVEPA SP Sócia Fundadora da Associação Brasileira de Odontologia Veterinária

Leia mais

Ana Rita Almeida Pires

Ana Rita Almeida Pires Ana Rita Almeida Pires Restauração coronária de dentes com tratamento endodôntico Universidade Fernando Pessoa Faculdade de Ciências da Saúde Porto, 2014 Ana Rita Almeida Pires Restauração coronária de

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst

Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst Por: Renato Fabrício de Andrade Waldemarin; Guilherme Brião Camacho e Vinícius Marcel Ferst 1. Anamnese, exame clínico e exames complementares (inclusive radiográfico); 2. Moldagem e Modelagem para estudo

Leia mais

ANÁLISE DE TENSÕES EM UM INCISIVO CENTRAL SUPERIOR RECONSTRUÍDO COM DIFERENTES PINOS INTRARRADICULARES

ANÁLISE DE TENSÕES EM UM INCISIVO CENTRAL SUPERIOR RECONSTRUÍDO COM DIFERENTES PINOS INTRARRADICULARES ANÁLISE DE TENSÕES EM UM INCISIVO CENTRAL SUPERIOR RECONSTRUÍDO COM DIFERENTES PINOS INTRARRADICULARES Rodrigo C. Albuquerque, Luiz Tadeu A. Polleto, Departamento de Odontologia Restauradora da Faculdade

Leia mais

5 Discussão dos Resultados

5 Discussão dos Resultados 87 5 Discussão dos Resultados No procedimento de análises das imagens gráficas obtidas nas simulações pelo método de elementos finitos, comparou-se a distribuição das tensões nas restaurações com material

Leia mais

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP

Curso de Extensão em Clínica Odontológica Faculdade de Odontologia de Piracicaba - UNICAMP Restauração Indireta em Dente Posterior Associando Adesivo e Compósito com Nanopartículas Mario Fernando de Góes Cristiana Azevedo Vinicius Di Hipólito Luís Roberto Martins Cláudio Bragoto Curso de Extensão

Leia mais

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS:

APRESENTAÇÃO DAS BANDAS TIPOS: 1 2 BANDAS ORTODÔNTICAS Introdução Para entendermos a real importância destes componentes de um aparelho ortodôntico, devemos inicialmente compreender qual a função da bandagem frente à um complexo sistema

Leia mais

Aspectos de interesse à endodontia

Aspectos de interesse à endodontia SISTEMA DE CANAIS RADICULARES Anatomia das cavidades pulpares Aspectos de interesse à endodontia CAVIDADE PULPAR CAVIDADE PULPAR CAVIDADE ANATÔMICA CONTIDA NO INTERIOR DO DENTE, CIRCUNDADA POR DENTINA,

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO Flex 30% GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS R$ 7,62 CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA R$ 10,58

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES EM DENTES RESTAURADOS COM PINOS INTRA-RADICULARES USANDO O MÉTODO FOTOELÁSTICO PARTE I

ANÁLISE COMPARATIVA DA DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES EM DENTES RESTAURADOS COM PINOS INTRA-RADICULARES USANDO O MÉTODO FOTOELÁSTICO PARTE I 13 o POSMEC Simpósio do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica ANÁLISE COMPARATIVA DA DISTRIBUIÇÃO DE TENSÕES EM DENTES RESTAURADOS

Leia mais

REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO.

REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO. REABLITAÇÃO ESTÉTICA E FUNCIONAL DA GUIA ANTERIOR E CANINA UTILIZANDO RESINA COMPOSTA (ESTHET-X) DE UMA PACIENTE COM EROSÃO E BRUXISMO. Caso clínico realizado pelo especialista em Dentística Restauradora

Leia mais

DISCIPLINA DE PRÓTESE FIXA I ODT 434

DISCIPLINA DE PRÓTESE FIXA I ODT 434 FACULDADE DE ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE DO BRASIL Departamento de Prótese e Materiais Dentários 1. CARACTERIZAÇÃO DISCIPLINA DE PRÓTESE FIXA I ODT 434 1.1 PRÉ-REQUISITOS: DENTÍSTICA OPERATÓRIA II ODC

Leia mais

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada 85400017 Ajuste Oclusal por acréscimo AJUSTE OCLUSAL 85400025 Ajuste Oclusal por desgaste seletivo AJUSTE OCLUSAL 82000034 Alveoloplastia ALVEOLOPLASTIA Amputação radicular com obturação retrógrada AMPUTAÇÃO

Leia mais