Prática Clínica Nutrição Esportiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prática Clínica Nutrição Esportiva"

Transcrição

1 Estratégias nutricionais para perda, manutenção e ganho de peso Profa. Raquel Simões Prática Clínica Nutrição Esportiva Manutenção do peso Saúde Desempenho esportivo Perda de peso (mais comum) Estética (mais comum) Saúde Desempenho esportivo Ganho de peso massa muscular Desempenho esportivo Associação com a atividade física Profa. Raquel Simões 1

2 Ganho e perda de peso O ganho e a perda de peso de uma pessoa depende d de: Ingestão energética x gasto Fatores genéticos Obesidade na infância Fatores ambientais Fatores sociais Balanço Energético Balanço energético Ocorre quando a ingestão energética é = ao gasto energético ingestão energética = kcal do alimento gasto energético = energia de repouso + exercício físico Profa. Raquel Simões 2

3 O nutricionista esportivo deverá acompanhar o atleta, fazendo com que este atinja o peso e a composição corporal mais adequados para a modalidade de esporte praticada e para que ele não venha a apresentar conseqüências negativas em sua saúde Acompanhando o atleta Qual o peso e composição corporal mais adequados d para sua modalidade d esportiva e saúde? Precisa manter, ganhar ou perder peso? Balanço energético +, ou =? Avaliar as necessidades energéticas! Profa. Raquel Simões 3

4 Etapas importantes Avaliar o hábito alimentar 3 dias ou mais Tamanhos de porções, tipo de preparação, locais das refeições, etc. Avaliar a rotina de atividade física Estabelecer as necessidades energéticas e analisar os recordatórios dietéticos verificar se houve sub ou superestimativas de ingestão omite alguma refeição? consumo de alimentos com calorias vazias? Refrig., álcool alimentos ricos em gorduras? alto consumo de barras energéticas e bebidas hidratantes? consome alimentos de todos os grupos de alimentos? Etapas importantes Ingestão de macro e micronutrientes Avaliar a massa e composição corporal adequado à modalidade, a gênero e à história pessoal de mudanças de peso? Planejar cardápio prático, com estratégias individualizadas para que o atleta mantenha seu peso corporal fornecer modelo de dieta sugerir lanches que possam ser carregados na bolsa (frutas secas, barras, cereais) produtos esportivos podem ser uma alternativa para lanches rápidos pouco tempo sugerir preparações rápidas e saudáveis Monitorar a estabilidade do peso corporal semanalmente em mulheres verificar irregularidades do ciclo menstrual monitorar ingestão alimentar tb Estar atento a sinais de excessivo balanços energético negativo (fadiga, diminuição de rendimento, doenças frequentes, irregularidade menstrual) transtornos alimentares? Profa. Raquel Simões 4

5 Orientações para hipertrofia muscular e/ou ganho de peso Balanço energético positivo Aumentar treinamento de força e diminuir atividades aeróbias CHO e PTN calorias totais Atenção para que o ganho não seja em gordura corporal!!!! acréscimo de kcal /d Ganho de 2kg de massa magra/mês Orientações para hipertrofia muscular e/ou ganho de peso Limitar a ingestão de gordura em 25 30% do VET (mono e poliinsaturadas) CHO em 60 70% (energia para treino e perfil hormonal favorável) PTN de 1,5 a 2,0g/kg/d Refeições regulares e lanches frequentes Aumentar tamanho das porções das refeições (principalmente elevada densidade calórica) Quando necessário suplementos esportivos Refeições extra a cada dia Profa. Raquel Simões 5

6 Estimando VET para perda de peso Para perda de peso é necessário que o indivíduo entre em BE negativo (calorias consumidas < necessidades) Desenvolvimento das células adiposas Desenvolvimento das células adiposas A quantidade de gordura no corpo de um indivíduo reflete tanto t o número quanto o tamanho das células adiposas Aumento no número de células adiposas hiperplasia Aumento no tamanho hipertrofia Lipotoxidade Acúmulo de gordura em rogãos (coração e fígado) aumenta as chances de desenvolver ataque cardíacos e esteatose hepática Profa. Raquel Simões 6

7 Desenvolvimento das células adiposas Por outro lado, pessoas com um número médio de cel. Adiposas expandidas podem ter mais sucesso na manutenção do peso perdido; quando suas células encolhem, tanto o número quanto seu tamanho ficam normais Várias são as estratégias para perda de peso encontradas na literatura Profa. Raquel Simões 7

8 1. Perda de Peso Meta inicial: redução em 10% do peso corporal (em seguida avaliar a necessidade de aumentar esta perda) Tempo razoável: 6 meses Déficit calórico moderado: kcal (IMC ) kcal (IMC>35) Perda de 0,5 a 1 kg/ semana Maior desafio aumentar a perda (diminuir consumo e/ou aumentar o gasto) ou manter o peso (dieta+exercício+mudança de comportamento) Waden et al (2005) Considerando atletas... Importante tb é não prejudicar rendimento! período de férias ou semanas antes do início dos treinos Fase de competição/treinos redução de peso deve ser gradual Monitorar o peso 2x/semana 1. Aumentar o gasto ( kcal/d) e diminuir ingestão energética ( kcal/d) 2. Se o atleta já está em treinamento intenso pequena redução da ingestão,caso contrário, tái possíveis conseqüências: a) fadiga, irritação, queda da concentração e no desempenho Profa. Raquel Simões 8

9 2. Perda de Peso Programada em função da perda de gordura almejada (Bender e Bender, 1997) Algumas considerações importantes: 1kg de gordura = 7300kcal (considerando que 80% é constituído de TG) Se é desejado a perda de 4kg de gordura corporal seria necessária uma restrição calórica de 29200kcal Se esta perda for programada para 1 mês, teria de ser feita uma restrição de 973,33kcal/dia (29200/30) 3. Perda de Peso Propor déficit calórico de até 25% das necessidades dd estimadas ( utilizando o peso atual), considerando, entretanto, o VET habitual do indivíduo. Esta redução pode ser gradativa, ou seja, de acordo com a tolerância do paciente Este método assemelha se com os dois métodos anteriores Profa. Raquel Simões 9

10 Perda de Peso: Pirâmide Alimentar Respeitando a variedade e porções dos alimentos oferecidos Balanço energético negativo Orientações Gerais Planejamento Dietético para perda de peso deve: Ser baseado em recomendações que sejam seguras e fundamentadas por evidências científicas Com acompanhamento do nutricionista Melhorar a saúde e permitir mudanças positivas no estilo de vida Profa. Raquel Simões 10

11 Orientações Nutricionais Planejamento Dietético para perda de peso deve: Alcançar as necessidades nutricionais Ter variedade na escolha dos alimentos Enfatizar alimentos com baixo teor de gorduras Ter consumo adequado de água Incentivar o consumo de porções menores dos alimentos e ao mesmo tempo saciar a fome e evitar fadiga Orientações Nutricionais Planejamento Dietético para perda de peso deve: Não excluir uma classe inteira de alimentos Considerar as preferências individuais Oferecer boas quantidades de fibras e carboidratos complexos Estimular novos hábitos alimentares e estilo de vida que mantenha a perda de peso (abolindo o sedentarismo) Profa. Raquel Simões 11

12 Orientações Nutricionais Planejamento Dietético para perda de peso deve: Sugerir formas práticas e viáveis de mudança de comportamento relacionada à alimentação Estabelecer METAS a serem alcançadas a cada etapa do planejamento Incluir medidas de avaliação do progresso no planejamento (pesar frequentemente, aferir circunferências, etc) Se necessário, indicar suporte psicológico para acompanhamento (equipe multidisciplinar) Planejamento dietético para perda de gordura corporal informações importantes: 1. Comparar as necessidades calóricas com o consumido 2. Certificar se de que o consumo alimentar relatado pelo paciente reflete o habitual Erros comuns: superestimativa das necessidades e/ou subestimativa do consumido 3. Avaliar se o paciente vem apresentando perda, ganho ou manutenção de peso com a alimentação que vem seguindo 4. Certificar se de que o déficit calórico não proponha um consumo calórico total menor do que o estimado para as necessidades basais 5. Geralmente umplanejamento dietético sem déficit calórico (manutençãodo consumido), porém com melhor qualidade nutricional, pode ser eficiente no processo de perda de gordura corporal 6. Consumo de carboidratos no dia: 3 5g/kg/d (associado à prática de atividade física) 7. Consumo protéico no dia: não ultrapassar 2,0g/kg/d (associado à prática de atividade física) Profa. Raquel Simões 12

13 Três peças importantes neste quebra cabeça PESO SAUDÁVEL ATIVIDADE FÍSICA DIETA SAUDÁVEL MUDANÇA DE COMPORTAMENTO Manutenção do Peso Monitoração do Peso: Qual o peso em que ele se sente bem? Qual foi o ultimo peso que conseguiu atingir sem dieta? Como estimou seu peso ideal? Com qual peso e composição corporal seu q p p ç p desempenho foi melhor? Profa. Raquel Simões 13

14 Orientações importantes! Conscientizar o atleta da importância das mudanças necessárias para adoção de hábitos saudáveis Acompanhar o progresso do desempenho bem como as reduções de lesões Manter peso saudável Reduzir em 10 20%da ingestão calórica (maior adesão) mudar qualidade da alimentação Profa. Raquel Simões 14

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

CONSULTORIA ESPORTIVA

CONSULTORIA ESPORTIVA CONSULTORIA ESPORTIVA O que é a 4FitClub Consultoria Esportiva Trata-se de um programa de exercícios físicos, reeducação alimentar e orientação psicológica destinado a homens e mulheres que buscam um estilo

Leia mais

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL

PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL PROBLEMAS NUTRICIONAIS EM CÃES E GATOS OBESIDADE VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo,

Leia mais

NOSSOS BENEFÍCIOS NUTRILINE ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL

NOSSOS BENEFÍCIOS NUTRILINE ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL NOSSOS BENEFÍCIOS NUTRILINE ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL 1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO NUTRILINE NOSSOS BENEFÍCIOS NUTRILINE ASSISTÊNCIA NUTRICIONAL O Nutriline disponibiliza aos seus usuários informações sobre alimentação

Leia mais

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci

Nutrição Aplicada à Educação Física. Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas. Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci Nutrição Aplicada à Educação Física Cálculo da Dieta e Recomendações dietéticas Ismael F. Freitas Júnior Malena Ricci ARROZ 100 gramas CÁLCULO DE DIETA CH 25,1 PT 2,0 Lip 1,2 Consumo 300 gramas 100 gr

Leia mais

Avaliação nutricional do paciente

Avaliação nutricional do paciente Avaliação nutricional do paciente Muito gordo ou muito magro? O que fazer com esta informação? Avaliação nutricional do paciente 1) Anamnese (inquérito alimentar) 2) Exame físico 3) Exames laboratoriais

Leia mais

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO

REDUÇÃO & REEDUCAÇÃO PROGRAMA DE EMAGRECIMENTO Go Mag R do o Os Efeitos negativos da Obesidade na sua saúde e na sua vida: Menor expectativa de vida Baixa autoestima Mobilidade limitada Problemas nas articulações Ataque cardíaco Pressão alta 2R QUE

Leia mais

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I:

Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS. Unidade I: Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS Unidade I: 0 Unidade: APLICAÇÃO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS NO PLANEJAMENTO DE DIETAS ESTUDO DAS RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS

Leia mais

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas

Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas Dieta Dieta refere-se aos hábitos alimentares individuais. Cada pessoa tem uma dieta específica. Cada cultura costuma caracterizar-se por dietas particulares. Contudo, popularmente, o emprego da palavra

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E

CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E CARACTERÍSTICAS DA DIETA DO ADOLESCENTE D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E D I E T É T I C A II P R O F : S H E Y L A N E A N D R A D E ADOLESCÊNCIA OMS: 10 a 19 anos Estatuto da criança e do adolescente:

Leia mais

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará

SINDNUT-PA Sindicato dos Nutricionistas no Estado do Pará ANEXO I APROVADO NA ATA DE ASSEMBLÉIA DE 28 DE OUTUBRO DE 2014 TABELA DE HORONÁRIOS PARA O ANO DE 2015/2016 DEFINIDA E APROVADA EM ASSEMBLÉIA GERAL DO DIA 28/10/2014. Unidade de Serviço em Nutrição (USN)

Leia mais

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS

SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Informações Técnicas SOPA PROTEICA DE ERVILHAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Proteína de ervilha A sopa de ervilha trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

Prescrição Dietética

Prescrição Dietética Prescrição Dietética Quantitativo Cálculo de Dietas Cálculo de dietas estimar as necessidades energéticas de um indivíduo (atividade física, estágio da vida e composição corporal) Necessidades energéticas

Leia mais

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina

OMELETE DE CLARAS. Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino. Informações Técnicas. SINÔNIMOS: Albumina Informações Técnicas OMELETE DE CLARAS Uma opção proteica metabolizada para seu póstreino SINÔNIMOS: Albumina O omelete trata-se de uma opção proteica com 22g de proteína na porção. Uma excelente alternativa

Leia mais

QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL?

QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL? XIV Encontro Nacional da Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Reunião do Programa Bolsa Família na Saúde QUANTO CUSTA PARA AS FAMÍLIAS DE BAIXA RENDA OBTEREM UMA DIETA SAUDÁVEL NO BRASIL? Camila Borges

Leia mais

Energia: medidas e. necessidade

Energia: medidas e. necessidade Energia: medidas e necessidade Bioenergética Energia é quantitativamente o item mais importante da dieta do animal. Todos os padrões alimentares se baseiam nas necessidades energéticas. Definição => energia

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL

PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL PERFIL NUTRICIONAL PESSOAL Nº de Empresário Nome completo: Data: Telefone: e-mail: Data de nascimento: Idade: Sexo: Feminino Consome algum suplemento nutricional? Se sim, quantos? Sim Masculino Não Por

Leia mais

Visite:

Visite: Visite: http://mensagensdefenocelular.com.br/ Introdução: Um objetivo tão nobre como o de perder a gordura abdominal é antes de tudo, um passo importantíssimo para se conquistar mais saúde e qualidade

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

os 10 mandamentos do corredor

os 10 mandamentos do corredor os 10 mandamentos do corredor Todo atleta de rotina ou de final de semana tem uma lista de mandamentos que devem ser seguidos para garantir a prática do exercício com tranquilidade. Os corredores são os

Leia mais

Necessidades de Energia. Leylliane Leal

Necessidades de Energia. Leylliane Leal Necessidades de Energia Leylliane Leal Necessidade de energia É o nível de ingestão de energia a partir do alimento que irá equilibrar o gasto de energia quando o indivíduo possui um tamanho e composição

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O.

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O. Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Alimentação Saudável L/O/G/O www.themegallery.com Maio 2014 Sumário: O que é uma Alimentação Saudável; Nova Roda dos Alimentos; Recomendações de uma

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00 NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (SET 2016) LISBOA A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios??

Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? Como evitar os riscos e aumentar os benefícios?? RISCOS BENEFÍCIOS RISCO DE MORTE POR DOENÇAS 100 % CARDIOVASCULARES 80 Diminuição de 34% 66% 60 40 20 0 AGITA São Paulo Sedentário Pouco Ativo Ativo Muito

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00

MODELO FORMATIVO. DATA DE INíCIO / FIM / HORARIO Manhã - 9:00 às 13:00 Tarde - 14:00 às 17:00 NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (OUT 2015) PORTO A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

Embalagem secundária

Embalagem secundária Embalagem secundária Painel Principal Trivance TM Mobility TM Nutrição Avançada Peso líquido: 300 g ou 150 g 15 ou 30 sachês de 10 g LOGO SANOFI Painéis Secundários INFORMAÇÃO NUTRICIONAL Porção de 10

Leia mais

CENÁRIO DO CÂNCER DE MAMA

CENÁRIO DO CÂNCER DE MAMA OUTUBRO ROSA Outubro Rosa é uma campanha de conscientização que tem como objetivo principal alertar as mulheres e a sociedade sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama.

Leia mais

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE)

ENTENDENDO O CARDÁPIO. Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) ENTENDENDO O CARDÁPIO Centro Colaborador de Alimentação e Nutrição do Escolar (CECANE) O que é um cardápio? CARDÁPIO DO PNAE É a relação das preparações de alimentos a serem oferecidas em uma refeição.

Leia mais

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina.

Saúde do Homem. Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. Saúde do Homem Medidas de prevenção que devem fazer parte da rotina. saúde do Homem O Ministério da Saúde assinala que muitos agravos poderiam ser evitados caso os homens realizassem, com regularidade,

Leia mais

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin

Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin Terminologias e conceitos básicos em alimentação e Nutrição. Profª Patrícia Ceolin NUTRIÇÃO??? A nutrição é a ciência que estuda a composição dos alimentos e as necessidades nutricionais do indivíduo,

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório não técnico. Dieta para adultos

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório não técnico. Dieta para adultos Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006 Relatório não técnico Dieta para adultos Docente: Profª Drª Ana Isabel Leiria Discentes: Laurinda Fernandes

Leia mais

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM

NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM NUTRIÇÃO DESPORTIVA - ACSM RECOMENDAÇÕES DO ACSM PARA NUTRIÇÃO RECOMENDAÇÃO ACSM 6-10g/kg por dia HCO PELAS RAZÕES ABAIXO REFERIDAS, DEVEM SER PRIVILEGIADOS OS ALIMENTOS RICOS EM AMIDO E CELULOSE (POLISSACARIDEOS)

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO

FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO FACULDADE PITÁGORAS TÓPICOS ESPECIAIS EM NUTRIÇÃO I AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DO PACIENTE ACAMADO Profª. MSc. Karla Vanessa do Nascimento Silva PACIENTE ACAMADO Induvíduos altamente dependentes e que necessitam

Leia mais

Perguntas para o Nutricionista Campanhas: Pullman Zero% e PlusVita Zero%

Perguntas para o Nutricionista Campanhas: Pullman Zero% e PlusVita Zero% Perguntas para o Nutricionista Campanhas: Pullman Zero% e PlusVita Zero% Por Mariana Nacarato, Nutricionista da Equilibrium Consultoria 1. Existe de fato muito ganho nutricional na substituição do pão

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: Cardápios na Alimentação Escolar

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: Cardápios na Alimentação Escolar PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE: Cardápios na Alimentação Escolar Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Coordenação-Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar CGPAE Coordenação

Leia mais

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos

Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Capítulo 13 Nutrição: Leitura de rótulos de alimentos Ao final deste capítulo, você poderá Ø Explicar rótulos de alimentos Ø Decidir quais alimentos são melhores com base em três fatores Capítulo 13 Nutrição:

Leia mais

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES

NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Departamento de Educação Física NUTRIÇÃO E SUAS DEFINIÇÕES Disciplina Nutrição aplicada à Educação Física e ao Esporte Prof. Dr. Ismael Forte Freitas Júnior HISTÓRICO

Leia mais

Você está cansado(a) de tentar emagrecer? Saiba o que a ciência já sabe que pode ajudar!

Você está cansado(a) de tentar emagrecer? Saiba o que a ciência já sabe que pode ajudar! Você está cansado(a) de tentar emagrecer? Saiba o que a ciência já sabe que pode ajudar! ENDOCRINOLOGISTA CRM 110.130/SP 01 O básico para emagrecer funciona? Não só funciona, como é essencial! Coma a cada

Leia mais

10 Dicas Para. Emagrecer. Com Saúde!!!

10 Dicas Para. Emagrecer. Com Saúde!!! 10 Dicas Para Emagrecer Com Saúde!!! Para emagrecer e manter o corpo, a solução é mesmo adotar hábitos saudáveis. Por isso, se esse é seu objetivo, confira abaixo as 10 regras de ouro para conquistar o

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO.

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO. 1 CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Obesidade Anna Carla Takano Daniele Sita Jéssica Pereira de Mello

Leia mais

COMO CHEGAR De metro: estação Saldanha (linha amarela ou vermelha), ou estação S. Sebastião (linha Azul ou vermelha)

COMO CHEGAR De metro: estação Saldanha (linha amarela ou vermelha), ou estação S. Sebastião (linha Azul ou vermelha) NUTRIçãO E SUPLEMENTAçãO NO DESPORTO (MAR 2016) LISBOA A nutrição é um dos fatores com maior peso na saúde e, aliada à atividade física, contribui para a manutenção de um peso e composição corporal adequados,

Leia mais

Alimentação na Infância e Adolescência

Alimentação na Infância e Adolescência Alimentação na Infância e Adolescência Nutricionista Ana Helena Spolador Ribeiro Graduada pelo Centro Universitário São Camilo Pós-graduada em Obesidade e Emagrecimento pela Universidade Gama Filho Nutricionista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO MESTRANDA: LANA ROSA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO MESTRANDA: LANA ROSA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE NUTRIÇÃO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ALIMENTOS E NUTRIÇÃO MESTRANDA: LANA ROSA LANCHES SAUDÁVEIS NA MERENDA ESCOLAR INTRODUÇÃO Os aspectos que

Leia mais

Qualidade de vida com Esporte na Unisul

Qualidade de vida com Esporte na Unisul Qualidade de vida com Esporte na Unisul A percepção do indivíduo sobre a sua posição na vida, no contexto da cultura e dos sistemas de valores nos quais ele vive, e em relação a seus objetivos, expectativas,

Leia mais

O macarrão como bom aliado das dietas

O macarrão como bom aliado das dietas O macarrão como bom aliado das dietas Olá seja bem vindo ao ebook da Piccola Italia Bangu! Ficamos orgulhosos com seu interesse em saber mais sobre esse assunto, e esperamos que ele seja de grande valia

Leia mais

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana.

AULA: 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. : 5 - Assíncrona TEMA: Cultura- A pluralidade na expressão humana. Conteúdo: Doenças relacionadas ao sedentarismo Diabetes. Doenças relacionadas ao sedentarismo Hipertensão arterial e dislipidemias. Habilidades:

Leia mais

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial

Maio, Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Hipertensão Arterial Maio, 2014 Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Hipertensão Arterial Sumário: O que é a Hipertensão Arterial (HTA)?; Causas da HTA; Fatores de Risco; Como prevenir a HTA; Sintomas; Problemas

Leia mais

Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR. Unidade I:

Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR. Unidade I: Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR Unidade I: 0 Unidade: AVALIAÇÃO DO CONSUMO ALIMENTAR Introdução O consumo de alimentos é uma etapa importante da avaliação nutricional de indivíduos ou coletividades.

Leia mais

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página

A Bioquímica Da Célula. Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A Bioquímica Da Célula Alternar entre páginas 0/1 Página Anterior Próxima página A importância da água em nossa vida A água é indispensável para o nosso planeta. Foi através dela que surgiram as primeiras

Leia mais

NUTRIÇÃO: MITOS E VERDADES SOBRE O EMAGRECIMENTO. Iogurte ajuda a eliminar peso?

NUTRIÇÃO: MITOS E VERDADES SOBRE O EMAGRECIMENTO. Iogurte ajuda a eliminar peso? O processo de emagrecimento é cercado informações que muitas vezes não são verdadeiras e, se seguidas, podem até mesmo dificultar o alcance dos seus objetivos e metas. Iogurte ajuda a eliminar peso? MITO!

Leia mais

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças

Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade. Roseli Oselka Saccardo Sarni. Sal e risco de doenças Risco de doenças crônicas e o consumo excessivo de... Sal e obesidade Roseli Oselka Saccardo Sarni Sal e risco de doenças Consumo excessivo de sal (> 5g/dia, 1 g de sal=0.4 g sódio) relaciona-se com o

Leia mais

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar

Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Alimentação Saudável e Segurança Alimentar Índice Orientações para uma Alimentação Saudável pág.3 Consumo Excessivo de sal nas Escolas pág.5 Consumo Excessivo de Açúcar pelas Crianças pág.6 Consumo Excessivo

Leia mais

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO

SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Data: Junho/2001 SORGO - UMA BOA ALTERNATIVA PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE ALIMENTAÇÃO Estamos iniciando a colheita de uma safra de Sorgo, que segundo estimativas deve girar ao redor de 1,350 a 1,500 milhões

Leia mais

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes

AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL. Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL Prof (a). Drielly Rodrigues Viudes AVALIAÇÃO SUBJETIVA GLOBAL - Método simples, de rápida execução e baixo custo; -Validado para aplicação em pacientes cirúrgicos e clínicos.

Leia mais

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013

PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 Página 1 de 5 INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA PORTARIA Nº 247, DE 10 DE MAIO DE 2013 O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico

Objetivo da aula. Trabalho celular 01/09/2016 GASTO ENERGÉTICO. Energia e Trabalho Biológico Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo Bioquímica da Atividade Motora Calorimetria Medida do Gasto Energético No Exercício Físico Objetivo da aula Medida do gasto energético no exercício

Leia mais

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA

I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA I SIMPÓSIO DE ATUAÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM OBESIDADE, CIRURGIA BARIÁTRICA E METABÓLICA Avaliação, diagnóstico e acompanhamento do paciente no pré e pós operatório REALIZAÇÃO APOIO JUSTIFICATIVA É crescente

Leia mais

Nutrição para a beleza dos cabelos através dos alimentos

Nutrição para a beleza dos cabelos através dos alimentos Beleza não põe mesa, Ou seja, aparência não é tudo. Mas é na mesa que a beleza começa. Ciência da nutrição visa Melhor aparência física e a saúde do paciente; Trata ou ameniza o envelhecimento cutâneo;

Leia mais

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe

16/3/2010 FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO COMPENSATÓRIO EM BOVINOS DE CORTE. 1. Introdução. 1. Introdução. Crescimento. Raça do pai e da mãe UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE MEDICINA VETERINARIA BOVINOCULTURA DE CORTE 1. Introdução Por que estudar a fisiologia do Crescimento corporal? FISIOLOGIA DO CRESCIMENTO E CRESCIMENTO EM

Leia mais

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO

Izabela Alves Gomes Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Izabela Alves Gomes izabela.nut@gmail.com Nutricionista UERJ Mestranda em Alimentos e Nutrição - UNIRIO Rio de Janeiro - 2016 É considerado vegetariano todo aquele que exclui de sua alimentação todos os

Leia mais

Prazo Normal - entre e Prazo Tardio - entre e Inscrição Normal ( ) 99.00

Prazo Normal - entre e Prazo Tardio - entre e Inscrição Normal ( ) 99.00 TREINO PARA PERDA DE MASSA GORDA (OUT 2016) - PORTO A perda de peso é uma das principais razões para as pessoas se inscreverem num ginásio ou iniciarem a prática de exercício físico, pelo que cabe ao profissional

Leia mais

Perder peso comendo bem. Melhores alimentos e chás para emagrecer.

Perder peso comendo bem. Melhores alimentos e chás para emagrecer. Perder peso comendo bem. Melhores alimentos e chás para emagrecer. Como Perder Peso, saiba como acabar com a obesidade. Quando falamos em perder peso, estamos falando em eliminar a obesidade, que é o mal

Leia mais

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas,

A salada verde deveria fazer parte das refeições de todas as pessoas, pois as folhas, Alface, rúcula, agrião e acelga são aliados da dieta e ricos em nutrientes Essas folhas devem fazer parte da alimentação de todas as pessoas e fornecem vitaminas, minerais e outros componentes importantes

Leia mais

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira

OBESIDADE NA INFÂNCIA. Dra M aria Fernanda Bádue Pereira OBESIDADE NA INFÂNCIA Dra M aria Fernanda Bádue Pereira Obesidade infantil Um dos maiores problemas de saúde pública da atualidade. >>>>> Ingestão calórica e

Leia mais

Nutrição de Poedeiras

Nutrição de Poedeiras Nutrição de Poedeiras Edney Silva Zootecnista Nutrição de Poedeiras Breve introdução Modelos utilizados na tabela brasileira Utilização de software Objetivo Programa Alimentar 0-6 semanas 7-12 e 13 a 18

Leia mais

Dicas para emagrecer rapido e perder barriga com saúde!

Dicas para emagrecer rapido e perder barriga com saúde! Dicas para emagrecer rapido e perder barriga com saúde! Emagrecer é uma conquista e se for rápido, melhor ainda não acha? Conheça algumas dicas para emagrecer rápido. Se você quer dicas para emagrecer

Leia mais

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA

OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA I CONGRESSO MÉDICO DA CIDADE DE GUARULHOS OBESIDADE E DISLIPIDEMIA NA INFANCIA E ADOLESCENCIA Ana Margarida B. Moreira Pediatra e Endocrinologia Pediátrica. H.M.C.A Hospital Municipal da Criança e do Adolescente.

Leia mais

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1

Bioenergética. Trabalho Biológico. Bioenergetica. Definição. Nutrição no Esporte. 1 Bioenergética Trabalho Biológico Contração muscular * Digestão e Absorção Função glandular Manter gradientes de concentração Síntese de novos compostos Profa. Raquel Simões M. Netto 4 Exercício para saúde

Leia mais

Receitas Para Dieta Dietas são regimes alimentares feitos com o intuito de perder, manter ou até mesmo ganhar peso. Normalmente dietas são usadas em

Receitas Para Dieta Dietas são regimes alimentares feitos com o intuito de perder, manter ou até mesmo ganhar peso. Normalmente dietas são usadas em Receitas Para Dieta Dietas são regimes alimentares feitos com o intuito de perder, manter ou até mesmo ganhar peso. Normalmente dietas são usadas em conjunto com a prática de exercícios físicos para se

Leia mais

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA

NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA NUT-A80 -NUTRIÇÃO ESPORTIVA Ementa Nutrição na atividade física: A atividade física na promoção da saúde e na prevenção e recuperação da doença. Bases da fisiologia do exercício e do metabolismo energético

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

Newsletter do Clube de Nutrição Nº 9 Junho de 2015

Newsletter do Clube de Nutrição Nº 9 Junho de 2015 Newsletter do Clube de Nutrição Nº 9 Junho de 2015 Nesta Edição Pequeno-Almoço 1 Atividades pelo Clube 1 Sabia que? 1 Dicas&Truques 2 Receita do mês 2 Suplemento nº 2 3 Este Verão tenha atenção aos gelados!

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

Balança Digital BEL - 00237

Balança Digital BEL - 00237 Balança Digital BEL - 00237 l l! Instrumento não submetido a aprovação de modelo/verifi cação. Não legal para uso no comércio. Não legal para prática médica. Conforme portaria INMETRO 236/94 Plebal Plenna

Leia mais

Estrategias para Busca de Emprego

Estrategias para Busca de Emprego Estrategias para Busca de Emprego Apresentação Atualmente o problema de desemprego atinge a todos. Não importa se é homem, mulher, jovem, adulto, se tem ou não experiência nem o seu nível de qualificação,

Leia mais

OVOS DE PÁSCOA DEFESA DO CONSUMIDOR

OVOS DE PÁSCOA DEFESA DO CONSUMIDOR Instituto de Educação Infantil e Juvenil Verão, 2016. Londrina, Nome: de Ano: Tempo Início: Término: Total: Edição 3 MMXVI Fase 1 Grupo C OVOS DE PÁSCOA DEFESA DO CONSUMIDOR Veja os pontos positivos e

Leia mais

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto

Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto Suplementação de gordura para vacas leiteiras em pasto A produção de leite no Brasil está baseada principalmente em sistemas que exploram pastagens tropicais ao longo da maior parte do ano. Quando essas

Leia mais

Dieta Para Engordar: Como fazer? Receita Simples!

Dieta Para Engordar: Como fazer? Receita Simples! Dieta Para Engordar: Como fazer? Receita Simples! Você está querendo saber como ganhar peso? Siga esta dieta para engordar e conquiste o corpo que deseja! Embora existam centenas de pessoas com sobrepeso

Leia mais

Ingredientes: Óleo de cártamo. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante).

Ingredientes: Óleo de cártamo. Cápsula: gelatina (gelificante) e glicerina (umectante). Registro no M.S.: 6.5204.0083.001-8 Concentração: 1000 mg Apresentação: Embalagem com 1000 cápsulas; Embalagem com 5000 cápsulas; Embalagem pet com 500 cápsulas envelopadas; Refil com 2000 cápsulas envelopadas.

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN

A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN A INFLUÊNCIA DA MÍDIA NA CONCEPÇÃO DO USO DE SUPLEMENTOS ESPORTIVOS ENTRE ALUNOS DE ESCOLA PÚBLICA EM NATAL/RN Victor Henrique dos Santos Silva 1 ; Adriana Moura de Lima 2 Resumo: Perante a abordagem da

Leia mais

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte

Adaptações Metabólicas do Treinamento. Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações Metabólicas do Treinamento Capítulo 6 Wilmore & Costill Fisiologia do Exercício e do Esporte Adaptações ao Treinamento Aeróbio Adaptações centrais e periféricas Realização do exercício submáximo

Leia mais

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta

XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS. Janaína V. dos S. Motta XIV Encontro Nacional de Rede de Alimentação e Nutrição do SUS Janaína V. dos S. Motta EPIDEMIOLOGIA NUTRICIONAL Relatório Mundial de Saúde 1) Água contaminada e falta de saneamento; 2) Uso de combustíveis

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF

TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA. Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TERAPIA NUTRICIONAL NA CIRURGIA E NO TRAUMA Neily Rodrigues Romero Ma. em Ciências Fisiológicas Nutricionista do IJF TRAUMA Definição: Problema de saúde pública Principais causas: acidentes e violência

Leia mais

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela

Avaliação da Composição Corporal. Profª Tatianne Estrela Avaliação da Composição Corporal Profª Tatianne Estrela Constituição, Tamanho e Composição Corporais Constituição: Muscularidade; Linearidade; Gordura. Tamanho: Estatura; Massa. Constituição, Tamanho e

Leia mais

A MEDIERVAS é um laboratório farmacêutico especializado em suplementos para atletas e produtos naturais.

A MEDIERVAS é um laboratório farmacêutico especializado em suplementos para atletas e produtos naturais. A MEDIERVAS é um laboratório farmacêutico especializado em suplementos para atletas e produtos naturais. Com mais de uma década de existência, e mais de 200 produtos no mercado, a MEDIERVAS teve como ponto

Leia mais

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b

Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b Utilização de diretrizes clínicas e resultados na atenção básica b à hipertensão arterial Construindo Estratégias e Avaliando a Implementação de Diretrizes Clínicas no SUS Edital 37/2004 CNPq ENSP/FIOCRUZ

Leia mais

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016

Incentivo à Alimentação Saudável. Julho de 2016 Incentivo à Alimentação Saudável Julho de 2016 Como é o hábito alimentar do brasileiro PERFIL ALIMENTAR DO ADULTO Apesar de incluir mais frutas e hortaliças na rotina, os brasileiros consomem doces e refrigerantes

Leia mais

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail:

19/04/2016. Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: Profª. Drª. Andréa Fontes Garcia E -mail: andrea@salesiano-ata.br 1 A Obesidade Definida como doença crônica caracterizada pelo excesso de peso corporal Decorre na maior parte dos casos de um desequilíbrio

Leia mais

Eficácia do Tratamento da Obesidade Infantil. Maria Ana Carvalho

Eficácia do Tratamento da Obesidade Infantil. Maria Ana Carvalho Eficácia do Tratamento da Obesidade Infantil Maria Ana Carvalho Objectivos Adoptar estilos de vida mais saudáveis pelas crianças e famílias Alimentação Saudável e Prática de Actividade Física Melhorar

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Reconhecer que as atividades físicas regulares trazem benefícios à saúde. Habilidades afins - Interdisciplinaridad

EDUCAÇÃO FÍSICA. Reconhecer que as atividades físicas regulares trazem benefícios à saúde. Habilidades afins - Interdisciplinaridad Reconhecer que as atividades físicas regulares trazem benefícios à saúde. Interdisciplinaridad Ciências: Identificar os componentes do sistema esquelético e muscular; e Conhecer o impacto do tabagismo

Leia mais

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA NUTRICIONISTAS NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN

I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA NUTRICIONISTAS NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN PROJETO INTEGRADO CRN-3, SINESP E APAN I CURSO DE APERFEIÇOAMENTO PARA NUTRICIONISTAS NA ÁREA DE ALIMENTAÇÃO COLETIVA - UAN R E G U L A M E N T O CAPÍTULO I - CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROJETO E A INSTITUIÇÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO ADEQUAÇÃO NUTRICIONAL DE REFEIÇÕES SERVIDAS EM UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO EM RELAÇÃO AO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO DO TRABALHADOR: UMA REVISÃO DE LITERATURA Andreia Marinho Barbosa(1); Aline Maria

Leia mais

Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos

Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos Alimentação Saudável: Publicidade e Rótulos de Alimentos Objetivos do encontro: - Fomentar uma reflexão crítica acerca da publicidade de alimentos, através da proposição de atividades pedagógicas relacionadas

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

10 dicas para sobreviver às festas de fim de ano (sem ganhar peso e sem perder a saúde!) Por Gabriela Pimentel Nutricionista

10 dicas para sobreviver às festas de fim de ano (sem ganhar peso e sem perder a saúde!) Por Gabriela Pimentel Nutricionista 10 dicas para sobreviver às festas de fim de ano (sem ganhar peso e sem perder a saúde!) Por Gabriela Pimentel Nutricionista 10 dicas para sobreviver às festas de fim de ano (sem ganhar peso e sem perder

Leia mais

Gastronomia. Disciplina: ELEMENTOS DA NUTRIÇÃO. 1. Conceitos importantes no estudo da nutrição

Gastronomia. Disciplina: ELEMENTOS DA NUTRIÇÃO. 1. Conceitos importantes no estudo da nutrição Gastronomia Disciplina: ELEMENTOS DA NUTRIÇÃO 1. Conceitos importantes no estudo da nutrição 1- CONCEITOS IMPORTANTES NO ESTUDO DA NUTRIÇÃO ALIMENTO: Do ponto de vista clínico, qualquer substância que

Leia mais