MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO CLIENTE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO CLIENTE"

Transcrição

1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO CLIENTE 1º EDIÇÃO 2014 JL CIPRIANI CONTABILIDADE Rua Primeiro de Maio, nº 386 Pinhais / PR CEP Fone (41)

2 DADOS DA EMPRESA CONTÁBIL JL CIPRIANI CONTABILIDADE JOÃO LUIS CIPRIANI ME / RUA PRIMEIRO DE MAIO, 386 CENTRO PINHAIS PARANÁ CEP /

3 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO HISTÓRICO Organograma Visão Missão COMO ADMINISTRAR MINHA EMPRESA? A Empresa como um Sistema Modelo de Gestão e Processo de Gestão Modelo de Gestão Processo de Gestão Gestão Estratégica de Pessoas Gestão do Conhecimento Papel Estratégico da Administração da Empresa Cultura e Valores Organizacionais Políticas de Administração de Recursos Humanos Sistema de Comunicação Mensuração de Resultados COMO ESCOLHER A MELHOR FORMA DE ORGANIZAÇÃO? Noções Preliminares Documentos para Abertura/ Alteração de Empresa Sociedade Ltda A Administração da Empresa EIRELI Empresa Individual de Responsabilidade Limitada Microempreendedor Individual Sociedade Anônima

4 5. EMISSÃO DE NOTAS FISCAIS Quando Emitir Nota Fiscal Principais Operações com Produtos e Mercadorias -Empresa Normal Codigo de Situação Tributária Simples Nacional TABELAS PRÁTICAS Códigos Fiscais de Operações e Prestações (códigos a que se refere o artigo 268 do Decreto 6.080/2012 RICMS/PR) Código da Situação Tributária CST (Códigos a que se refere o art. 268 do Decreto 6.080/2012) Código da Situação Tributária CST- IPI - Referente ao Imposto Sobre Produtos Industrializados Código da Situação Tributária CST - PIS E COFINS NOTA FISCAL DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS Onde Devo Pagar o ISS ISS Deve ser Pago para o Município onde o Serviço é Realizado Modelo de Nota Fiscal de Prestação de Serviços Serviços com Retenções na Fonte ISS (art. 3º da LC 116/2003) RETENÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA Prêmios Distribuidos em Dinheiro Serviços Prestados por PJ a PJ Recolhimento Serviços de Limpeza, Conservação, Segurança, Vigilância e Locação de Mão de Obra Recolhimento Mediação de Negócios, Propaganda e Publicidade

5 Recolhimento Vínculo Entre Sociedades ou Pessoas Jurídicas Ligadas Cooperativas de Trabalho e Associações Profissionais ou Assemelhadas Recolhimento Factoring, Assesoria Creditícia, Mercadológica, Gestão de Crédito, Seleção de Riscos e Administração de Contas a Pagar e a Receber Recolhimento Dispensa de Retenção Retenção da CSLl, do PIS e da COFINS Obrigados a Retenção Valor a ser Retido na Fonte e Base de Calculo Serviços Sujeitos a Retenção Prazo para Recolhimento Código do Darf Tratamento dos Valores Retidos Operações com Cartões de Crédito ou Débito Documentos de Cobrança que Contenham Código de Barras Quando Não Haverá Retenção (Art. 32, Lei /2003) Informe de Rendimentos Anual Retenção da Contribuição para Previdência Social - INSS Cessão de Mão de Obra Empreitada Base de Calculo da Retenção Base de Calculo da Retenção Destaque da Retenção

6 Retenção e Recolhimento dos Valores Retidos Não se Aplica a Retenção Decisão Judicial que Vede Aplicação da Retenção Dispensa da Retenção Empresa Contratada pelo Simples Nacional Tratamento Dado aos Valores Retidos Presunção da Retenção RECURSOS HUMANOS Documentos para Admissão Livro ou Fichas de Registro de Empregados Livro de Inspeção do Trabalho Autenticação dos Livros de Registro e Inspeção do Trabalho Principais Benefícios dos Empregados Vale Transporte Salário Família Auxílio-Doença Previdenciário e Acidentário Seguro Desemprego PIS Contrato de Experiência Jornada de Trabalho Jornada de Trabalho Noturno Intervalos Inter Jornada Intervalos Inter Jornada Computados Intervalo Extra Jornada Controle de Jornada Aviso Prévio Aviso Prévio Indenizado Aviso Prévio Trabalhado

7 Prazos para Pagamento Pagamento de Salários Guarda dos Documentos Trabalhistas, Previdenciários e FGTS Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCMSO Multa - PCMSO Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA Regulamentação da profissão de motorista Lei / Regulamentaçãodo motoboy Lei / Desoneração da Folha de Pagamento EFD Social e Nova DCTF-Prev CONTABILIDADE Análise das Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial Indicadores Financeiros Índices de Liquidez Liquidez Corrente Liquidez Seca Liquidez Geral Indicadores da Atividade Operacional Prazo Médio de Recebimento de Vendas Prazo Médio de Pagamento a Fornecedores Posicionamento Relativo de Atividade EMPRESAS FAMILIARES E PLANEJAMENTO SUCESSÓRIO COMÉRCIO EXTERIOR Despacho Aduaneiro de Importação Fases do Despacho Aduaneiro

8 12.3. Importação por Conta e Ordem de Terceiros Importação por Encomenda Declaração de Importação DI Tributos Incidentes na Importação Parametrização Desembaraço Aduaneiro Regimes Aduaneiros Trânsito Aduaneiro Entreposto Aduaneiro Zonas Francas Contingenciamento Blocos Econômicos Incoterms Carta de Crédito Questões Relevantes na Importação e Exportação Nota Fiscal de Entrada na Importação Tributos Incidente

9 1. APRESENTAÇÃO Prezado Cliente, Você está recebendo o Manual de Orientação ao Cliente o qual tem o objetivo de propiciar a você as informações indispensáveis ao relacionamento com nossa empresa contábil, bem como, apresentar a você subsídios eficazes à tomada de decisões do dia a dia. Você encontrará neste manual um completo e dinâmico conjunto de conhecimentos que poderão propiciar uma execelente vantagem competitiva no cotidiano empresarial. Nossa missão encontra-se ancorada no cliente, e assim, sentimo-nos comprometidos com o sucesso de cada um de nossos clientes, especialmente você. Para tanto transcrevemos neste conteúdo tudo que você necessita para o sucesso de seu empreendimento no que tange a área de contabilidade. Acreditamos que nossa parceria seja duradoura e assim queremos vê-lo crescendo cada vez mais. Por fim, podemos afirmar que nós estamos preparados para garantir a sua empresa o que existe de melhor no segmento de consultoria e prestação de serviços contábeis. Obrigado pela confiança depositada e pode ter certeza faremos de tudo para superar as suas expectativas. A Diretoria. 9

10 2. HISTÓRICO Com a missão de fornecer serviços de elevado padrão de qualidade nas áreas de contabilidade, fiscal, trabalhista e legalização de empresas, procurando sempre a plena satisfação do seu cliente, assim nasceu a JL Cipriani Contabilidade no ano de Graduado em 2007 pela Unibrasil, o contabilista João Luis Cipriani embora recém formado, uniu o desejo de constituir uma prestadora de serviços contábeis com elevado padrão de qualidade e o seu vasto conhecimento contábil e fiscal, devido sua família ser tradicional e atuante no ramo contábil, fez a diferença em sua instituição recém criada. 2.1 Organograma 2.2 DEPARTAMENTOS PRODUTIVOS DEPARTAMENTOS AUXILIARES FISCAL PESSOAL LOGISTICA ARQUIVO SOCIETÁRIO CONSULTORIA CONTÁBIL 2.3 Visão Ser reconhecido como qualidade e organização na área contábil 2.4 Missão Prestar serviços com qualidade, responsabilidade e organização 10

11 3. COMO ADMINISTRAR MINHA EMPRESA? 3.1. A Empresa como um Sistema 1 Há três métodos para ganhar sabedoria: primeiro, por reflexão, que é o mais nobre; segundo, por imitação, que é o mais fácil; e terceiro, por experiência, que é o mais amargo. Confúcio Ao visualizar a empresa como uma entidade, ou como uma organização, que busca por meio da atividade fim, atender às necessidades da sociedade em área específica, logo, percebe-se que ela demanda uma série de recursos necessários para alcançar seus objetivos, sendo os principais: financeiros, materiais, humanos, tecnológicos e de informação. Para Catelli 2 : A empresa pode ser visualizada como um processo de transformação de recursos (materiais, humanos, financeiros, tecnológicos etc.) em produtos serviços, composto de diversos processos menores, interdependentes, que são suas atividades. 1 Este capítulo e parte integrante da obra: JOCHEM, Laudelino. Gestão Estratégica de Empresas: a importância do planejamento estratégico e da controladoria. Paulínia: Foco Editorial, CATELLI, Armando (Coord). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, p

12 Este processo de transformação, por meio das atividades realizadas pela organização, possui relação com o meio ambiente: a empresa é influenciada pelo meio ambiente em que está inserida, e ela, por sua vez, também influencia esse mesmo ambiente. 3 Nesse contexto é necessário fazer uma análise do conceito de empresa considerando as múltiplas relações e influências decorrentes do meio ambiente que afetam o processo empresarial. Trata-se de uma análise holística e principalmente realizada de forma sistêmica. Para Oliveira 4 entende-se como sistema uma unidade identificada com um papel independente, possuindo seus próprios objetivos e suas próprias funções internas. Assim é preciso vê-la de forma realmente ampla contemplando além dos objetivos próprios, também os sociais, como bem lembra Catelli 5 os objetivos sociais da empresa realçam a interdependência empresa-ambiente, requerendo uma preocupação permanente na condução das atividades. A própria razão de existir da empresa precisa ser vista de maneira genérica e integral, sem esquecer do cunho social. Um dos motivos básicos da existência das empresas é proporcionar à sociedade determinados benefícios que os homens isoladamente não poderiam proporcionar. 6 O equilíbrio e o respeito entre todas as partes do sistema empresa é fator preponderante ao sucesso empresarial. Hoje as empresas que mais 3 MOSIMANN, Clara Pellegrinello; FISCH, Sílvio. Controladoria: seu papel na administração de empresas. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, p OLIVEIRA, Djalma de Pinho Rebouças de. Sistemas de informações gerenciais. São Paulo: Atlas, p CATELLI, Armando (Coord). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, p GUERREIRO, Reinaldo. A teoria das restrições e o sistema de gestão econômica: uma proposta de integração conceitual. Tese de Livre Docência. São Paulo: FEA-USP, p

13 crescem no mundo são as que demonstram respeito pelos trabalhadores, pela comunidade e pelo meio ambiente. 7 A formação de uma empresa pode ser vista como um enorme elenco de componentes, porém mesmo que exista a possibilidade de relacionar tal rol de maneira minuciosa e de acordo com os mais rigorosos métodos, seguramente não reflete o todo organizacional. A empresa precisa ser estudada de forma sistêmica, interligada, onde o todo é maior que o somatório das partes. Esta realidade sinérgica é impulsionada tanto por fatores endógenos quanto exógenos. Para Sá 8 o patrimônio está contido em diversos ambientes, deles recebendo e oferecendo influências permanentes. Assim qualquer análise que busque coerência deve estar ancorada em uma abordagem dialética, que leve em conta todas as relações e interações que formam o todo. Igualmente é importante destacar que tal análise encontra-se em constante transformação pela própria natureza do sistema: no patrimônio tudo se transforma constantemente e sistematicamente, por efeito de agentes externos. 9 Para ilustrar a complexidade da abrangência na análise da empresa como sistema é possível compará-la a um rio que possui além da água, organismos vivos em seu leito, e, se move pela própria força da natureza. Esta ação possibilita inúmeras situações pela dinâmica das águas. Diante desta analogia percebe-se que conforme bem retrata Heráclito 10 ninguém jamais entrará duas vezes no mesmo rio, até porque as águas e as condições não serão as mesmas. A empresa também por sua essência e pela 7 GUIMARÃES, Ícaro. Por que as organizações adoecem? São Paulo: Saraiva, p SÁ, Antônio Lopes de. Teoria da Contabilidade. 4ª. ed. São Paulo: Atlas, p SÁ, Antônio Lopes de. A Evolução da Contabilidade.São Paulo: IOB Thomson: p Heráclito de Éfeso, viveu entre (540 a.c a.c.), adepto da filosofia pré-socrática, sendo conhecido como pai da dialética, mesmo vivendo em uma sociedade politizada ele não aceitou participar da política pois manifestava desprezo por esta, assim como igualmente pelos poetas e pela religião. 13

14 própria dinâmica da atividade apresenta um desafio ao analista: como definir com segurança a complexidade de tal sistema? A realidade empresarial, por sua própria composição, apresenta cada dia novos desafios e novas realidades. Para facilitar o processo de compreensão é, mister destacar as principais características que envolvem um sistema. Segundo Tavares 11 espera-se que em princípio todas as áreas da organização interajam harmoniosamente. Na prática isso nem sempre ocorre. Rivalidades, incompreensões, diferenças de habilidades, características de personalidade são algumas das causas desse tipo de conflito. Há as partes que se cotejam entre si, as quais individualmente podem possuir interesses antagônicos e divergentes, tema tratado como conflito de agência 12, que segundo Lopes e Martins 13 podem ocorrer conflitos entre os vários interessados nas atividades da firma. Também existem os objetivos comuns: a razão de existir de cada parte em relação ao todo. As partes 11 TAVARES, Mauro Calixta. Planejamento estratégico: a opção entre sucesso e fracasso empresarial. São Paulo: Harbra p A Teoria da Agência foi desenvolvida por Jensen e Meckling (1976) e está fundamentada no utilitarismo econômico, tem como premissa básica à existência de um mercado que se rege através contratos entre empresas, governo ou pessoas físicas. Logo, todo o processo estaria respaldado e fundamentado em contratos bilaterais. Partindo do pressuposto que nem todas as partes que compõe a agência (empresa) possuem o mesmo acesso às informações de maneira privilegiada. Decorre daí o problema da assimetria de informações, onde uma parte se beneficia em detrimento deste privilégio. 13 LOPES, Alexsandro Broedel; MARTINS, Eliseu. Teoria da Contabilidade: uma nova abordagem. São Paulo, p

15 individualizadas ou em conjunto podem influenciar e sofrer influência mútua, tanto de forma direta ou indireta, tanto externa ou internamente. Diante da última afirmativa é coerente dizer que um sistema pode ser visto como aberto, quando através da interação influencia e sofre influência, e, como fechado quando a relação com o ambiente externo não existe. Nesta interrelação, empresa e meio, nasce o compromisso com o social, que também necessita estar presente no contexto empresarial. Para Catelli 14 : Do ponto de vista social, é indiscutível que se espera da empresa: emprego, renda, desenvolvimento social, uso eficiente de recursos naturais, respeito às leis e normas sociais, tributárias, ecológicas, humanitárias, etc. As empresas em geral crescem e gradativamente pela própria busca de crescimento constante tornam-se complexas. Segundo Figueiredo e Caggiano, 15 O aumento da complexidade na organização das empresas, o maior grau de interferência governamental por meio de políticas fiscais, a diferenciação das fontes de financiamentos das atividades, a percepção das necessidades de consideração dos padrões éticos na condução dos negócios e, principalmente, a demanda por melhores práticas de gestão, criando a necessidade de um sistema contábil mais adequado para um controle gerencial mais efetivo, têm sido, entre outras, algumas das razões para que a responsabilidade com o gerenciamento das finanças das empresas tenham aumentado de importância dentro do processo de condução dos negócios. A empresa quando analisada pela ótica dos sistemas, mesmo que possivelmente só na teoria, existe a possibilidade de visualizá-la como estática, livre das influências ou modificações provocadas pela inter-relação; por outro lado, e, com maior lógica racional ela pode ser vista como dinâmica quando a relação é capaz de modificar ou alterar a sua característica; e, 14 CATELLI, Armando (Coord). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, p FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo César. Controladoria: teoria e prática. 3ª. ed. São Paulo: Atlas, p

16 homeostática 16 quando as modificações somente são possíveis nas relações internas e, neste caso, livre da influência externa. A empresa sob o aspecto social, além de ser formada por seres humanos, está inserida em um contexto de múltiplas relações, que segundo Catelli 17 a empresa caracteriza-se como um sistema aberto e essencialmente dinâmico. Tal dinâmica leva a concluir que o sistema está em constante construção, representando sempre uma posição ou situação efêmera ou passageira, como sistema inacabado por essência. Os desafios presentes na empresa como sistema são frutos da relação presente entre os diversos agentes que se relacionam com ela, especialmente os clientes, fornecedores, governo, situações econômicas, avanços tecnológicos, os valores culturais e outros que, direta ou indiretamente, alcançam e influenciam a empresa. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC), em consonância com as NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE 18 (NBC TG 1000) apresenta o rol dos principais usuários e interessados nas informações contábeis. Consequentemente, esses usuários são partícipes diretos ou indiretos no processo empresarial: 16 Homeostase (ou Homeostasia) é a propriedade de um sistema aberto, seres vivos especialmente, de regular o seu ambiente interno de modo a manter uma condição estável, mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico controlados por mecanismos de regulação interrelacionados.o termo foi cunhado em 1932 por Walter Bradford Cannon a partir do gregohomeo similar ou igual, stasis estático. (Wikepédia). 17 CATELLI, Armando (Coord). Controladoria: uma abordagem da gestão econômica GECON. 2ª. Ed. São Paulo: Atlas, p O Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) foi idealizado a partir da união de esforços e comunhão de objetivos das seguintes entidades: ABRASCA, APIMEC NACIONAL; BOVESPA; Conselho Federal de Contabilidade; FIPECAFI e IBRACON. Sua criação se deu a partir da necessidade convergência internacional das normas contábeis (redução de custo de elaboração de relatórios contábeis, redução de riscos e custo nas análises e decisões, redução de custo de capital); - centralização na emissão de normas dessa natureza (no Brasil, diversas entidades o fazem); - representação e processo democráticos na produção dessas informações (produtores da informação contábil, auditor, usuário, intermediário, academia, governo). Fonte: 16

17 entre os usuários das demonstrações contábeis incluem-se investidores atuais e potenciais, empregados, credores por empréstimos, fornecedores e outros credores comerciais, clientes, governos e suas agências e o público. 19 A empresa analisada sob o aspecto social delega responsabilidade a Contabilidade, enquanto ramo do conhecimento, disponibiliza um conjunto de artefatos gerenciais aos gestores que permite a estes gerir com eficiência e eficácia, os destinos das partes que formam o grande sistema empresarial, porém, sem perder de vista o todo. Para Hoog 20, A contabilidade como ciência é tão ampla que advogamos ser possível alcançar o bem-estar comunitário global, na atual era científica filosófica, pela aplicação das teorias e enunciados de vanguarda na obtenção da melhor eficiência e eficácia da riqueza das células sociais e seus patrimônios. O conhecimento científico, portanto, ciência pura, livre das impurezas da política contábil atual, deve identificar, de forma holística, o rumo da prosperidade material e, consequentemente, o bem-estar social comunitário. A visão de empresa como sistema remonta a uma questão primordial presente na adoção de análise empresarial: cada empresa é única, não existem duas empresas com as mesmas características. Isto se confirma pela própria formação da empresa, ela como fruto de múltiplas relações é em última instância reflexo dos fatores presentes em sua dinâmica de for- 19 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE.Resolução CFC nº 1.121/ HOOG, Wilson Alberto Zappa. Tricotomia Contábil e Sociedades Empresárias. Curitiba: Juruá, p

18 mação e manutenção. Assim o sistema de gestão precisa contemplar todas as especificidades presentes nesta formação. Talvez seja este o maior desafio do gestor uma vez que de imediato é possível constatar que não existem fórmulas ou receitas prontas para serem aplicadas no processo de gestão. Qualquer análise da empresa precisa necessariamente estar ancorado na visão sistêmica e holística para assim contemplar o todo, evitando focar somente em determinados aspectos organizacionais em detrimento de outros fatores igualmente importante neste mecanismo. Para Sá 21 O ideal sempre será a preferência por um critério de entendimento integral, pois este permite visão de amplitude. Ainda vale lembrar que não existe a possibilidade de fazer uma suposta blindagem empresarial no sentido de evitar que os agentes internos e externos exerçam influência no tocante a empresa. A empresa recebe passivamente a pressão do mundo exterior, tanto a positiva quanto a negativa. 22 Dentro do viés holístico-sistêmico é possível afirmar que cada organização em si possui além dos objetivos próprios os de cunho essencialmente coletivos e sociais, passando a ocupar papel relevante na formação do macro sistema sócio-econômico, independente do porte da entidade, como bem lembra Chér: Através de uma análise histórica, infere-se que o capitalismo moderno teve início com a pequena empresa, crescendo a partir de negociantes que, acompanhados de seus servos, viajavam pelo interior do país vendendo mercadorias à nobreza. Estas empresas acabaram se tornando um dos principais alicerces do desenvolvimento econômico das nações industrializadas de nossos dias SÁ, Antônio Lopes de. Consultoria e Análise Contábil. Curitiba: Juruá, p Idem, ibidem. p CHÉR, Rogério. A gerência das pequenas e médias empresas: o que saber para administrá-las. São Paulo: Maltese, p,

19 Toda empresa deve preservar hábitos saudáveis, devendo fazer exames periódicos para avaliar como andam os seus processos, pois ao diagnosticar falhas logo no início fica muito mais fácil corrigi-los a tempo de não onerar os serviços e desprezar tempo precioso, agir com o máximo de profissionalismo é essencial, como também foco na melhoria contínua. O profissional que não esta atento a novas formas de fazer, tendências atuais e perspectivas futuras está parado, inerte, só esperando a movimentação do mercado e com certeza o que virá não será bom para ele Modelo de Gestão e Processo de Gestão Muitas coisas não ousamos empreender porque parecem difíceis: entretanto são difíceis porque não ousamos empreendê-las. Sêneca Modelo de Gestão Partindo do conceito de empresa como mecanismo vivo e dinâmico que está em constante relação com o meio, e que mantém relações internas e externas, é possível entender a tarefa da gestão, que está especialmente voltada às questões internas, com foco nas variáveis presentes na análise para tornar as relações otimizadas. A necessidade de organização e utilização de modelos de gestão por parte das empresas é decorrente de alguns fenômenos ocorridos de forma muito dinâmica, onde como principais podemos elencar: advento da globalização, abertura do mercado interno para produtos importados, avanços tecnológicos, diminuição de margens de lucro e fim da ciranda financeira, com a estabilização econômica experimentada pelo Brasil ao longo dos últimos anos. Todos esses fenômenos em conjunto com uma administração de negócios, as vezes familiar e não tão profissional quanto deveria ser, 19

20 evidenciaram a necessidade de adaptação das médias e pequenas empresas à nova realidade mercadológica, sob pena de que, se não forem tomadas medidas corretivas e preventivas por parte destas, haverá fatalmente perda de competitividade e tendências de desaparecimento do mercado para quem não se adequar a tais exigências. 24 O modelo de gestão é oriundo de um enorme conjunto de especificidades, com destaque as crenças e valores presentes na formação conceitual dos administradores ou gestores, responsáveis pela área estratégica da empresa. Tal relevância é demonstrada por Schmidt e Santos 25 : As crenças e valores são os elementos geradores da real missão da entidade, por isso, é fundamental que eles façam parte da cultura organizacional. Sobre as próprias posturas dos gestores é mister destacar que a causa desses diferentes posicionamentos fundamenta-se em crenças, valores, convicções e expectativas dos empreendedores e administradores da empresa, e são 24 SCHIER, Carlos Ubiratan da Costa. Controladoria como instrumento de gestão. Curitiba: Juruá, p SCHMIDT, Paulo; SANTOS, José Luiz dos; PINHEIRO, Paulo Roberto. Introdução à Contabilidade Gerencial. São Paulo: Atlas, p

21 estes que determinam o conjunto de regras que compõem as diretrizes básicas da empresa; portanto, seu modelo de gestão. 26 Mesmo que o gestor possua um equilíbrio de análise, este possui o que a Psicologia Moderna afirma estar presente em cada ser humano, desde a pré-concepção quando inicia o processo de formação de valores pessoais, que por sua vez, sofrem influência do meio, e que justificam a presença de tais traços na ação dos gestores. Tudo isto torna a empresa única com suas especificidades, que segundo Stadler 27 cada Organização possui uma cultura única. Outro fator importante é destacado por Figueiredo e Caggiano: 28 as mudanças no modelo de gestão dão-se por mudanças nas pessoas e não no ambiente. O modelo de gestão, preservado as devidas proporções, pode ser comparado ao próprio ser humano que possui características específicas e próprias, situação esta, também presente na gestão, que pode variar de empresa para empresa, fruto principalmente da ação do meio e do próprio gestor, como especial e único, com características próprias. A gestão empresarial precisa mostrar-se essencialmente dinâmica frente à realidade. Para Ribeiro et al 29, este cenário requer pessoas que sejam capazes de fazer constantes ajustes nos planejamentos estratégico, tático e operacional das empresas. Para melhor ilustrar um modelo de gestão poderia ser definido como um conjunto de princípios e definições que decorram de crenças específicas e traduzam o conjunto de idéias, crenças 26 FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo César. Controladoria: teoria e prática. 3ª ed. São Paulo: Atlas, p STADLER, Humberto. Estratégia para a Qualidade: o momento humano e o momento tecnológico. Curitiba: Juruá, p FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo César. Controladoria: teoria e prática. 3ª. ed. São Paulo: Atlas, p RIBEIRO, Lisa M. Seixas; et ali. Perfil do Controller em empresas de médio e grande porte da grande Florianópolis. Revista Catarinense da Ciência Contábil. Florianópolis. v. 7, n. 20, Abril / Julho p

22 e valores dos principais executivos, impactando assim todos os demais subsistemas empresariais. 30 Muitos modelos de gestão, especialmente os destinados as empresas menores, micro e pequenas, não possuem teores científicos e na sua maioria das vezes encontram-se ancorados nas experiências pessoais dos gestores, ou até mesmo na tentativa de erro e acerto. Tal situação é retratada por Schier: [...] a maioria das empresas nunca se preocupou efetivamente em desenvolver e utilizar modelos de gestão com base em informações contábeis e gerenciais para a obtenção dos resultados almejados e, principalmente o setor de médias e pequenas empresas [...]. 31 Tal realidade transforma a gestão empresarial em uma verdadeira aventura, onde é impossível antever qualquer possibilidade estatística de sucesso na organização, deixando todos os envolvidos no processo a mercê da sorte, situação no mínimo de desrespeito as envoltos partícipes diretos ou indiretos da organização. É impensável manter uma empresa sem ter clara a formatação de um modelo de gestão pela própria exigência imposta pelas diversas variáveis presentes no mundo pós-contemporâneo como lembra Schier: A necessidade de organização e utilização de modelos de gestão por parte das empresas é decorrente de alguns fenômenos ocorridos de forma muito dinâmica, onde como principais podemos elencar: advento da globalização, abertura do mercado interno para produtos importados, avanços tecnológicos, diminuição de margens de lucro e fim da ciranda financeira, com a estabilização econômica experimentada pelo Brasil ao longo dos últimos anos. Todos esses fenômenos em conjunto com uma administração de negócios, às vezes familiar e não tão profissional quanto deveria ser, evidenciaram a necessidade de adaptação das médias e pequenas empresas à nova realidade mercadológica, sob pena de que, se não forem tomadas medidas cor- 30 FIGUEIREDO, Sandra; CAGGIANO, Paulo César. Controladoria: teoria e prática. 3ª ed. São Paulo: Atlas, p SCHIER, Carlos Ubiratan da Costa. Controladoria como instrumento de gestão. Curitiba: Juruá, p

TITULO: MODELO CONCEITUAL DE CONTROLADORIA PARA PRESTADORAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS RESUMO

TITULO: MODELO CONCEITUAL DE CONTROLADORIA PARA PRESTADORAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS RESUMO 15 a CONVENÇÃO DOS CONTABILISTAS DO PARANÁ ÁREA TEMÁTICA: CONTABILIDADE GERENCIAL TITULO: MODELO CONCEITUAL DE CONTROLADORIA PARA PRESTADORAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS RESUMO O presente trabalho busca de forma

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO

CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO CURSOS DE PÓS - GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO EM ECOTURISMO Objetivo: O Curso tem por objetivo capacitar profissionais, tendo em vista a carência de pessoas qualificadas na área do ecoturismo, para atender,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 18/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Válida para os acadêmicos ingressantes

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2008-1 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381

XVI SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA ISSN 1808-6381 GESTÃO DE PESSOAS APLICADA ÀS UNIDADES DE INFORMAÇÃO 1 Mailza Paulino de Brito e Silva Souza 2 Sandra Pontual da Silva 3 Sara Sunaria Almeida da Silva Xavier 4 Orientadora: Profª M.Sc. Luciana Moreira

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial

Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Resumo Aula-tema 03: Fundamentos do Microempreendedorismo e Estrutura Patrimonial Após traçadas as estratégias através da análise de mercado propiciada pelo plano de negócios - e se mesmo diante das dificuldades

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1

5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES CONTÁBEIS PROFESSOR Edmundo Tork APOSTILA 3 TURMA: EMPRESA E SISTEMA 5 CCN 1 Apostila baseada exclusivamente na Obra de Clovis Luis Padoveze 1 2 EMPRESA COMO SISTEMA E SEUS SUBSISTEMAS

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014

EMPREENDEDORISMO. Outubro de 2014 #5 EMPREENDEDORISMO Outubro de 2014 ÍNDICE 1. Apresentação 2. Definição 3. Empreendedorismo: necessidade ou oportunidade? 4. Características do comportamento empreendedor 5. Cenário brasileiro para o empreendedorismo

Leia mais

Clima organizacional e o desempenho das empresas

Clima organizacional e o desempenho das empresas Clima organizacional e o desempenho das empresas Juliana Sevilha Gonçalves de Oliveira (UNIP/FÊNIX/UNESP) - jsgo74@uol.com.br Mauro Campello (MC Serviços e Treinamento) - mcampello@yahoo.com Resumo Com

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE Ética para viver Ética para viver MENSAGEM DO PRESIDENTE Caro colaborador, A Bandeirante possui missão, visão e valores definidos. Eles estão discriminados em um documento amplamente difundido dentro e

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira As necessidades de seleção de pessoal na organização são inúmeras e vão exigir diferentes ações da área de Gestão de Pessoas para cada uma delas. A demanda de seleção de pessoal

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados.

Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Resumo Aula-tema 01: As relações com as grandes empresas e com o Estado e as relações com a contabilidade e com os empregados. Todos nós já vivenciamos casos de empreendedores, na família ou no grupo de

Leia mais

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE

1. INTRODUÇÃO SISTEMA INTEGRADO DE CONTABILIDADE 1. INTRODUÇÃO A contabilidade foi aos poucos se transformando em um importante instrumento para se manter um controle sobre o patrimônio da empresa e prestar contas e informações sobre gastos e lucros

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS

CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS CAPITAL INTELECTUAL COMO VANTAGEM COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES EMPRESARIAIS Cesar Aparecido Silva 1 Patrícia Santos Fonseca 1 Samira Gama Silva 2 RESUMO O presente artigo trata da importância do capital

Leia mais

Prof Elly Astrid Vedam

Prof Elly Astrid Vedam Prof Elly Astrid Vedam Despertar e saber lidar com os mecanismos de liderança e se preparar para a gestão de pequenos e médios negócios; Identificar conflitos no ambiente de seu negócio, calculando e avaliando

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Gestão Pública: uma análise das funções da controladoria proposta por Borinelli na Prefeitura Municipal de Dourados/MS

Gestão Pública: uma análise das funções da controladoria proposta por Borinelli na Prefeitura Municipal de Dourados/MS Gestão Pública: uma análise das funções da controladoria proposta por Borinelli na Prefeitura Municipal de Dourados/MS Resumo O objetivo deste trabalho foi avaliar a da controladoria e o cronograma de

Leia mais

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO

Simples Nacional e o Planejamento Tributário RESUMO 1 Simples Nacional e o Planejamento Tributário Marcos A. Nazário De Oliveira marcosadinavi@gmail.com Egresso do curso de Ciências Contábeis Rafael Antônio Andrade rfaandrade@msn.com Egresso do curso de

Leia mais

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO

CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 RESUMO CONTROLADORIA: UM MECANISMO DE AUXILIO A AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO E A TOMADA DE DECISÃO 1 GELAIN, Anna Júlia Lorenzzon 2 ; LORENZETT, Daniel Benitti 3 ; GODOY, Taís Pentiado 4 ; LOSEKANN, Andresa Girardi

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA

CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA CARTILHA DA LEI GERAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE DO MUNICÍPIO DE CURITIBA Curitiba tem se mostrado uma cidade dinâmica e de grandes oportunidades para os trabalhadores e empreendedores.

Leia mais

A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS

A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS A CONTROLADORIA, O CONTROLLER E AS EMPRESAS Francklin Luan da Silva 1 * RESUMO O sucesso e o equilíbrio de uma organização no ambiente atual é um dos maiores desafios para acionistas e empresários. É uma

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS 8º Congresso de Pós-Graduação PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO E OPERACIONAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Autor(es) CLAUDIO JAIR DE ALMEIDA Orientador(es) CLÓVIS LUIS PADOVEZE 1. Introdução Boa parte da literatura

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas

Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas Os Sistema de Administração de Gestão de Pessoas As pessoas devem ser tratadas como parceiros da organização. ( Como é isso?) Reconhecer o mais importante aporte para as organizações: A INTELIGÊNCIA. Pessoas:

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4

POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 POLÍTICA EMRPESARIAL DA INT.4 INTRODUÇÃO Desde que foi fundada em 2001, a ética, a transparência nos processos, a honestidade a imparcialidade e o respeito às pessoas são itens adotados pela interação

Leia mais

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES

PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES PROJETO UTILIZANDO QLIKVIEW PARA ESTUDO / SIMULAÇÃO DE INDICADORES Fábio S. de Oliveira 1 Daniel Murara Barcia 2 RESUMO Gerenciar informações tem um sido um grande desafio para as empresas diante da competitividade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER/ELIMINAR/REORGANIZAR ATIVIDADES: UMA CONTRIBUIÇÃO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011)

TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH. Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) TÓPICOS ESPECIAIS EM GESTÃO DE RH Prof. Felipe Kovags Aula 02 (20-09-2011) 1 ERA DOS TALENTOS SEGUNDO PETER DRUCKER, O PAI DA ADMINISTRAÇÃO MODERNA, ESTAMOS NO INÍCIO DA ERA DOS TALENTOS. FORÇA FÍSICA,

Leia mais

MBA Gestão de Negócios e Pessoas

MBA Gestão de Negócios e Pessoas PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Nome do Curso MBA Gestão de Negócios e Pessoas Área de Conhecimento Ciências Sociais Aplicadas Nome do Coordenador do Curso e Breve Currículo: Prof.

Leia mais

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO

O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO O PLANEJAMENTO DE COMUNICAÇÃO COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Josiane Corrêa 1 Resumo O mundo dos negócios apresenta-se intensamente competitivo e acirrado. Em diversos setores da economia, observa-se a forte

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes

www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes www.marcelodeelias.com.br Palestras Inteligentes Sólidos conteúdos com alegria - essas são algumas características das palestras de Marcelo de Elias. Outra característica marcante: Cada palestra é um projeto

Leia mais

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS

GESTÃ T O O E P RÁ R TI T C I AS DE R E R CUR U S R OS Ensinar para administrar. Administrar para ensinar. E crescermos juntos! www.chiavenato.com GESTÃO E PRÁTICAS DE RECURSOS HUMANOS Para Onde Estamos Indo? Idalberto Chiavenato Algumas empresas são movidas

Leia mais

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT CIÊNCIAS CONTÁBEIS e ADMINISTRAÇÃO Sistemas de Informação Gerencial SUPPLY CHAIN MANAGEMENT maio/2014 APRESENTAÇÃO Em um ambiente onde a mudança é a única certeza e o número de informações geradas é desmedido,

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE DESENVOLVIMENTO HUMANO FORMAÇÃO DE LÍDER EMPREENDEDOR Propiciar aos participantes condições de vivenciarem um encontro com

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

www.avantassessoria.com.br

www.avantassessoria.com.br www.avantassessoria.com.br Nossa Empresa A AVANT Assessoria Contábil e Tributária é uma empresa de contabilidade especializada em consultoria e assessoria de empresas e profissionais liberais, oferecendo

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações

abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações abril de 2011 Remuneração Estratégica nas Organizações O RH nesses 20 anos Tático, político e de políticas Desdobrador da estratégia Influenciador da estratégia e da operação Consultor e assessor para

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador

ADMINISTRAÇÃO. Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador ADMINISTRAÇÃO Tema : Fundamentos da Administração 1 Aula Conceitos da Administração História da Administração Funções do Administrador O que devemos.. Tirar todas as dúvidas a qualquer momento Participar

Leia mais

CONTABILIDADE. Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO

CONTABILIDADE. Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO CONTABILIDADE Instituição: SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC SÃO PAULO CNPJ: 03.709.814/0001-98 Data: 30 de novembro de 2006 Número do plano: 108 Área do plano: Gestão Plano de curso para:

Leia mais

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA

Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA O papel das Micro e Pequenas Empresas no Desenvolvimento do Mercado Nacional PROF. LÍVIO GIOSA PROF. LÍVIO GIOSA Especialista em modelos de Gestão Empresarial Presidente do CENAM: Centro Nacional de Modernização

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Código de Ética do Grupo Pirelli

Código de Ética do Grupo Pirelli Código de Ética do Grupo Pirelli A identidade do Grupo Pirelli fundamenta-se historicamente em um conjunto de valores sempre seguidos e apoiados por todos nós. Esses valores, ao longo dos anos, permitiram

Leia mais

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio

Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Mudança de foco Parceria financeira entre o CFO e as unidades de negócio Índice Fora da sombra da área administrativa 3 Como atingir o equilíbrio financeiro 4 O Financeiro encontra várias barreiras até

Leia mais

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento

Conteúdo. 1. Origens e Surgimento. Origens e Surgimento 1 2 Planejamento Estratégico: conceitos e evolução; administração e pensamento estratégico Profª Ms Simone Carvalho simonecarvalho@usp.br Profa. Ms. Simone Carvalho Conteúdo 3 1. Origens e Surgimento 4

Leia mais

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS

NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS Concurso para agente administrativo da Polícia Federal Profa. Renata Ferretti Central de Concursos NOÇÕES DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE PESSOAS 1. Organizações como

Leia mais

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização

NOSSO OBJETIVO. GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização NOSSO OBJETIVO GESTÃO DO DESEMPENHO: uma possibilidade de ampliar o negócio da Organização RHUMO CONSULTORIA EMPRESARIAL Oferecer soluções viáveis em tempo hábil e com qualidade. Essa é a receita que a

Leia mais

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011

Resumo Executivo. Modelo de Planejamento. Resumo Executivo. Resumo Executivo. O Produto ou Serviço. O Produto ou Serviço 28/04/2011 Resumo Executivo Modelo de Planejamento O Resumo Executivo é comumente apontada como a principal seção do planejamento, pois através dele é que se perceberá o conteúdo a seguir o que interessa ou não e,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO

CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO CURSOS: ÁREA ADMINISTRAÇÃO E COMÉRCIO ELABORANDO O PLANO DE NEGÓCIOS 16h Entendendo o negócio Perfil do Empreendedor de Sucesso Visão e missão do Negócio Características do Plano de Negócios Plano de Investimento

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É?

PLANO DE NEGÓCIOS. O QUE É? NE- CACT O Núcleo de Empreendedorismo da UNISC existe para estimular atitudes empreendedoras e promover ações de incentivo ao empreendedorismo e ao surgimento de empreendimentos de sucesso, principalmente,

Leia mais

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO

METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO METODOLOGIA PARA PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NA PEQUENA EMPRESA: UM ESTUDO DE CASO Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com Prof. Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br RESUMO:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli

ANÁLISE DE CUSTOS. Prof. Dr. Armando Catelli Universidade de São Paulo Mestrado em Controladoria e Contabilidade ANÁLISE DE CUSTOS MODELO CONCEITUAL DE DECISÃO RELATIVO AO EVENTO MANTER / ELIMINAR / REORG. ATIVIDADES Prof. Dr. Armando Catelli Orientador

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS PARA UMA EMPRESA DE ASSESSORIA CONTÁBIL MARCELO EMERICK Discente do Curso de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades Integradas de Três Lagoas -AEMS MARCELA RIBEIRO

Leia mais

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial

Ementário do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial 01 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS I EMENTA: Introdução à administração de recursos humanos; orçamento de pessoal; processo de recrutamento e seleção de pessoal; processo de treinamento e desenvolvimento

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368

FRANQUEADO. Cartilha do. Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. Rio Branco, 50-20 andar - Centro, RJ (21) 3806-3700 / 2516-0368 Av. das Américas, 4.200 - Bl. 08-B, Sala 104 Centro Empresarial Barra Shopping Barra da Tijuca, RJ (21) 2480-1911 Av. Paulista, 807 -

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais

HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica. Apresentação de Serviços Profissionais HAFRA Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica Apresentação de Serviços Profissionais SOBRE A Hafra Assessoria Empresarial, Contábil & Jurídica tem atuação no mercado empresarial do Rio de Janeiro e

Leia mais

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS

GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS GERENCIAMENTO DE CLÍNICAS A administração eficiente de qualquer negócio requer alguns requisitos básicos: domínio da tecnologia, uma equipe de trabalho competente, rigoroso controle de qualidade, sistema

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL

MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL MINI -- ARTIGO PLANO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE GESTÃO (RISCOS DE CORRUPÇÃO E INFRAÇÕES CONEXAS) AUTOR: PROFESSOR DOUTOR ANTONIO DE LOUREIRO GIL SÓCIO DIRETOR DE VINDEX CORRETORA DE CÂMBIO PROFESSOR TITULAR

Leia mais

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho

Gestão de Negócios. Aula 01. Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Gestão de Negócios Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos multimídia

Leia mais

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec

Capital Intelectual. O Grande Desafio das Organizações. José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago. Novatec Capital Intelectual O Grande Desafio das Organizações José Renato Sátiro Santiago Jr. José Renato Sátiro Santiago Novatec 1 Tudo começa com o conhecimento A gestão do conhecimento é um assunto multidisciplinar

Leia mais

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012

Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 Planejamento Estratégico para Escritórios de Advocacia ESCOLA DE DIREITO DE SÃO PAULO DA FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS 1º SEMESTRE DE 2012 FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS A Fundação Getulio Vargas (FGV) deu início a

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais