AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DO NÍVEL DE ESTRESSE NA ATIVIDADE DE MOTOBOYS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DO NÍVEL DE ESTRESSE NA ATIVIDADE DE MOTOBOYS"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DA PREVALÊNCIA DO NÍVEL DE ESTRESSE NA ATIVIDADE DE MOTOBOYS Márcio Alves Marçal, PhD Curso de Fisioterapia / Centro Universitário de Belo Horizonte Uni- Bh Elizete Loiola da Silva Rocha Acadêmica do curso de Fisioterapia Centro Universitário de Belo Horizonte Uni- Bh Fernanda Cristina Sampaio Chagas Acadêmica do curso de Fisioterapia Centro Universitário de Belo Horizonte Uni- Bh Palavras-chave: Estresse, motoboy, fadiga psíquica, personalidade. A profissão motoboy surgiu com a saturação do trânsito das grandes cidades e a necessidade de transportar objetos com rapidez, agilidade e baixo custo, exigindo que o profissional cumpra longas jornadas de trabalho em troca de rendimentos maiores, sem contar as pressões para a realização das funções no menor tempo possível. O objetivo deste trabalho foi de avaliar a prevalência do nível de estresse em motoboys e procurar identificar os possíveis fatores de riscos ocupacionais. A amostra foi composta por 65 profissionais motoboys onde 79,49% apresentaram algum nível de estresse. Os fatores de risco que apresentaram uma correlação significativa com o nível de estresse foram tipo de personalidade tipo A (p=0,009), a demanda do serviço de entrega rápida (p= 0,004), o transito intenso com a alta probabilidade de acidentes (p=0,001) e queixas de dores osteomusculares (p=0,04). Este estudo no permite concluir que o estresse está presente no grupo de motoboys estudado, podendo ser influenciado por vários fatores de risco presentes nessa classe. 1. INTRODUÇÃO Atualmente a palavra estresse tem sido muito utilizada e associada à sensação de desconforto, sendo cada vez maior o número de pessoas que se definem como estressadas ou se relacionam a outros indivíduos na mesma situação 1. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde, 90% da população mundial é afetada pelo estresse, caracterizando assim, uma epidemia global 2. O estresse é quase sempre visualizado como algo negativo que ocasiona prejuízo no desempenho global do indivíduo. Estressor, é uma situação ou experiência que gera sentimentos de tensão, ansiedade, medo ou ameaça que pode ser de origem interna ou externa. O estresse não deve ser entendido como uma condição estática, pois é um fenômeno bastante complexo e dinâmico 1. As pesquisas na área de estresse têm incluído o estudo dos efeitos negativos do estresse no que se refere à profissão. Muitas ocupações têm recebido atenção, sendo que, no Brasil, já se encontram trabalhos sobre o estresse ocupacional de policiais militares (Romano, 1989), executivos (Soares, 1990), de psicólogos (Covolan, 1989), bancários (Silva, 1992), atletas (Maciel, 1997), professores (Reinhold, 1997), jornalistas (Proença, 1998), médicos (Lipp, Sassi & Batista, 1997) entre outros. No entanto, pouco se conhece do estresse em motoboys 4. Os mecanismos de ação do estresse no funcionamento humano têm recebido a atenção de pesquisadores em nível internacional 4. Uma razão para o aumento de pesquisas sobre este tema deve-se ao impacto negativo do estresse ocupacional na saúde e no bem-estar dos empregados e, conseqüentemente, no funcionamento e na afetividade das organizações 5. O estresse pode ser definido como um desgaste geral do organismo, causado pelas alterações psicofisiológicas que ocorrem quando o indivíduo é forçado a enfrentar situações que o irritem, excite, amedrontem, ou mesmo,

2 que o façam imensamente infeliz 2. A função destas respostas é a adaptação do individuo a nova situação, gerada pelo estimulo desafiador. Há também indicação de que um estado prolongado de estresse possa interferir com o bem estar psicológico e a qualidade de vida das pessoas. As pesquisas na área de estresse têm incluído o estudo dos efeitos negativos do estresse no que se refere às profissões 4. Os sinais e sintomas físicos que ocorrem com maior freqüência são: aumento da sudorese, dores estomacais, tensão muscular, taquicardia, hipertensão, ranger de dentes, hiperatividade, hipotermia em mãos e pés e náuseas. Em termos psicológicos, vários sintomas podem ocorrer como: ansiedade, tensão, angústia, insônia, alienação, dificuldades interpessoais, preocupação excessiva, inabilidade de concentrar-se em outros assuntos que não os relacionados ao estressor, dificuldades de relaxar, tédio, ira, depressão, hipersensibilidade emotiva 3. O estresse no trabalho é decorrente da inserção do indivíduo em vários contextos, pois o mesmo, além de possibilitar crescimento, transformação, reconhecimento e independência pessoal, também causa problemas de insatisfação, desinteresse, apatia e irritação. Sendo assim, o trabalho deve ser algo prazeroso, com os requisitos mínimos para a atuação e para a qualidade de vida dos indivíduos 2. O trabalho pode tornar-se um agente ativo no processo de degeneração da saúde do trabalhador, tendo em vista, que o mesmo perde a condição física adequada para a execução de suas atividades laborais 6. Em um ambiente organizacional, os trabalhadores são submetidos as pressões que possibilitam algum nível de estresse provocando um aumento nos níveis de rotatividade, absenteísmo, além de doenças e acidentes de trabalho. A identificação das fontes de pressão no trabalho é fundamental para amenizá-las ou, se possível, erradicá-las 7 O trabalho realizado por Almeida e Martins (2004) como motoboys levantou alguns dados assinalados pelos respondentes que permitiram acreditar na hipótese da existência de altos níveis de estresse, já que as variáveis mencionadas são fontes potenciais de estresse, tais como: necessidade de urgência nas entregas, presença de dores musculares devido ao trabalho, baixa renda, insegurança financeira, medo de sofrer acidente de trânsito medo de ser assaltado, a percepção de que a profissão é desvalorizada, desejo de mudar de profissão. 8 A profissão motoboy surgiu com a saturação do trânsito das grandes cidades e a necessidade de transportar objetos com rapidez, agilidade e baixo custo, exigindo que o profissional cumpra longas jornadas de trabalho em troca de rendimentos maiores, sem contar as pressões para a realização das funções no menor tempo possível OBJETIVO 2.1. Objetivo Geral Avaliar a prevalência do nível de estresse em motoboys Objetivos Específicos Procurar identificar os possíveis fatores de risco para o estresse associados a esta atividade. Estudar a correlação entre o tipo de personalidade e o nível de estresse dos motoboys 3. MATERIAS E METÓDOS A amostra foi composta por 65 profissionais motoboys do sexo masculino, com idade entre 19 e 52 anos, atuantes em uma empresa de Belo Horizonte. Os critérios de inclusão foi ser funcionário da empresa, ter pelo menos um ano de profissão e concordar em participar do estudo. Os trabalhadores foram submetidos a uma entrevista estruturada visando coletar informações sobre o seu perfil profissional e fatores de risco para o estresse. Nesta entrevista foram abordadas questões, tais como: carga horária de trabalho, prática de atividade física, se é fumante ou faz uso de bebida alcoólica, seu relacionamento com outros trabalhadores e horas dormidas por noite, etc. Para avaliação do nível de estresse, foi utilizado uma Escala de Estresse no Trabalho 5 (EET) sobre o nível de estresse que compreende 31 itens que foram dispostos de forma aleatória. Neste questionário os participantes responderam se concorda, se discorda ou se discorda totalmente das situações colocadas, como por exemplo, se a quantidade de trabalho te deixa

3 nervoso, se o tempo insuficiente para realizar o volume de trabalho lhe deixa nervoso e etc. Para avaliação do tipo de personalidade, foi aplicado o questionário Glazer para auto-avaliação em relação ao comportamento. Este questionário é uma escala que permite a auto-avaliação em termos do comportamento A e do seu oposto, o comportamento B, caracterizado essencialmente pela paciência e ponderação. Quanto mais próximo do tipo A1 (110 a 140 pontos), maior a probabilidade do indivíduo levar uma vida altamente estressada. Quanto mais próximo do tipo B1 (0 a 29 pontos), menor essa probabilidade. As personalidades do tipo A2 (80 a 109 pontos), tipo AB (60 a 79 pontos), do tipo B2 (30 a 59 pontos). Para cada tópico da escala é atribuído um valor de 1 a 7. 9 O pacote estatístico do SPSS 10.0 foi utilizado para fazer a análise descritiva. Para avaliar a existência entre os fatores de risco e personalidade dos motoboys e o nível de estresse foi usado o método de correlação de Sperman, com nível de significância de 0, RESULTADOS E DISCUSSÃO Um total de 65 motoboys com idades entre dezenove e cinqüenta e dois anos participaram do estudo. Os participantes eram contratados com carteira assinada e recebiam porcentagem por cada entrega realizada, trabalhavam em média oito horas por dia. Cada motoboy realizava 30 entregas por dia. A atividade do motoboy nesta empresa esta organizado da seguinte forma: a recepcionista faz a triagem dos pedidos e distribui para os trabalhadores que seguem uma ordem de chegadas. Apesar de não estar determinado um tempo para entrega existe uma pressão de tempo e um controle informal do tempo de cada entrega. Ao retornar ao escritório o motoboy fica do lado de fora da loja a espera da próxima entrega, este tempo de espera é no Maximo de 15 minutos e na maioria das vezes eles chegam e saem imediatamente. No presente estudo podemos observar que 79,49% dos motoboys apresentaram algum nível de estresse, nenhum participante obteve nível alto de estresse, 20,4% apresentaram nível médio de estresse, 59,2% apresentaram nível baixo de estresse, 20,4% apresentaram ausência de estresse. (Gráfico - 1) % 0 Alto Médio Nível de estresse Baixo Ausente Alto Médio Baixo Gráfico 1 Porcentagem de motoboys com nível de estresse alto, médio, baixo, ausente. Ausente A alta incidência de estresse observada neste estudo (79,49%) é maior do que a apresentada por Lourenço (2005) foi de 50,4%. Em ambos os estudos observou-se que o estresse é uma realidade na atividade de motoboy. Eles relataram cobrança de rapidez e urgência nas entregas, presença de dores musculares devido à falta de apoio anatômico nas costas, medo de ser assaltado, a percepção de que a profissão é desvalorizada, desejo de mudar de profissão. A presença de estresse também tem sido relatado em outros estudos em atividades como motoristas de ônibus. Câmara (2004) que encontrou 56% de estresse nesta categoria de trabalhadores e no estudo de Marçal (2008) realizado com motoristas de táxi encontrou 70%. Outro fator importante é que o estresse prejudica a relação pessoal e profissional. Esse fato também foi observado em outros estudos com motoboy onde relatam que o estresse no trabalho prejudica a interação do trabalhador com o contexto em que trabalha, tal condição ocorre nas situações em que o indivíduo percebe seu ambiente de trabalho como ameaçador as suas necessidades de realização pessoal e profissional. 8 Além das fontes externas que podem gerar estresse, devem-se levar em conta aspectos internos do sujeito. Um deles, a personalidade, pode ser entendida como conjunto de termos descritivos usados para caracterizar o indivíduo. Sua influência no grau com que o indivíduo se estressa se deve ao fato de ser ela geradora de modos de pensar, sentir e comportar, que podem se constituir em estressores internos desse sujeito. 8.

4 Ao avaliar o tipo de personalidade entre os motoboys 77,2% foram classificados com personalidade tipo A, caracterizando-se por um tônus psicofísico mais elevado e, portanto, mais próximo do estresse do que do relaxamento. Esse comportamento seria, em principio, mais apropriado pra pessoas mais obsessivas, perfeccionistas e normalmente se ocupam de mais coisas do que são capazes. 9 Dentro dos 77,2%, 11,1% dos participantes foram classificados com personalidade do tipo A1, 66,6% foram classificados com personalidade do tipo A2. Nesse processo de transição entre a personalidade tipo A e tipo B, 17,7% foram classificados com personalidade do tipo AB. Dois por cento foi foram classificados com personalidade do tipo B2 e não houve participante classificado com personalidade do tipo B1. Esse tipo de personalidade e caracterizado por organizarem melhor seu tempo e capacidade, sendo menos competitivos e mais pacientes. 7 (Gráfico-2) Quando comparado o tipo de personalidade e nível de estresse foi observado que os motoboys que tiveram algum nível de estresse foram classificados com personalidade tipo A e os que foram classificados como tipo B apresentaram nível baixo e ausência de estresse. Houve uma correlação significativa entre o nível de estresse e a personalidade do tipo A com um valor de P = 0,009 (Tabela 1). G Personalidade A1 A2 AB B2 B1 Gráfico - 2 Porcentagens de motoboys com personalidade tipo A1, A2, AB, B2, B1 Quando analisada a jornada de trabalho dos motoboys em nosso estudo podemos observar, que por serem de carteira assinada, a sua grande maioria trabalha oito horas (66,6%) por dia e 33,3% trabalha mais de oito horas podendo chegar até dezesseis horas. Destes que A1 A2 AB B2 B1 XV CONGRESSO BRASILEIRO DE ERGONOMIA Tabelas ABERGO 1 Variáveis 2009 que 02 a apresentaram 06 DE NOVEMBRO uma correlação significativa PORTO com SEGURO, nível de estresse BA, BRASIL ISBN: Índice de correlação (r) Valor de p Personalidade tipo A 0,223 0,009** Serviço de entrega rápida 0,247 0,004** Transito intenso 0,289 0,001** Dores osteomusculares 0,176 0,040* trabalham mais de oito horas 74% apresentam nível de estresse, este fato pode ser justificado devido ao baixo salário que leva ao trabalhador longas jornadas de trabalho e às vezes terem mais de um emprego. Estudo realizado com outros motoboys também foi observado a associação desse fator a distúrbio do sono e estresse. 11 Quando a demanda do trabalho é alta e o grau de controle do trabalhador sobre o trabalho é baixo gera um grande risco de distúrbios, tais como fadiga, ansiedade, depressão e doença física 14. Os motoboys afirmaram que os pedidos recebidos quase sempre se tratam de algo a ser feito com rapidez, já que se propõem a fazer um serviço de entrega rápida gerando uma alta demanda de trabalho. A demanda de tempo para fazer a entrega teve uma correlação significativa com o nível de estresse com um nível de significância de 0,004. O medo de sofrer acidentes devido ao transito intenso também foi observado em 77% dos trabalhadores entrevistados e relataram como uma dos principais fatores estressantes no seu dia de trabalho. Este fato se confirma com uma correlação significativa com o nível de estresse (p = 0,001). Este fato também foi reportado por Lourenço (2005) que ressaltou este fator como sendo um dos mais estressantes no seu estudo. Correlação de Sperman * - Índice de significância de 0,05 ** - Índice de significância de 0,01 O estudo realizado por Costa e Koyama (2003) revelou a existência de relações muito importantes entre algumas condições de trabalho dos motoboys (falta de apoios anatômicos nas costas, muito ruído, e emanação de gases tóxicos) estão associados a vários problemas de saúde como: dores osteomusculares, vista irritada, problemas respiratórios e auditivos, sendo uma queixa muito comum entre essa classe de trabalhadores. Apesar de não ter sido nosso objetivo houve muitas reclamações sobre dores osteomusculares e uma correlação significativa co o nível de estresse (P= 0,04).

5 Este fato pode ser explicado pelo grande tempo que permanece sentado na moto sem apoio anatômico para as costas, dores nos braços por manterem a mesma posição dos braços por muito tempo, presença de ruídos. O ruído tem sido citado como um inimigo para o trabalhador, podendo causar sensação de desconforto levando a lesões irreversíveis. 13 Outra variável subjetiva que acreditamos também se relacionar de forma importante com os resultados encontrados é a média de idade dos motoboys. Em sua maioria estão na faixa etária compreendida entre dezenove e quarenta anos. A força, a flexibilidade e o vigor característicos da juventude podem ser responsáveis por fornecer energia necessária a ponto de não apresentarem nível alto de estresse. Os mecanismos de combate ao estresse podem ser divididos em dois grandes grupos, o apoio social praticar esportes, conversar com os amigos e familiares, ampliar os interesses fora do ambiente de trabalho e planejamento do trabalho organização das atividades dentro dos limites possíveis CONCLUSÃO Este trabalho permite concluir que o estresse está presente no grupo de motoboys estudado, podendo ser influenciado por vários fatores de risco presentes nessa classe. Entres estes fatores de risco podemos citar carga horária de trabalho superior a oito horas por dia, transito intenso, medo de ser assaltado e medo de sofrer acidentes de trânsito. O estresse e manifestado não só pelo contexto externo mais pelas variáveis internas dos sujeitos, como a prevalência da personalidade tipo A encontrada em nossos estudos, sendo considerada a personalidade mais propensa ao estresse. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. STACCIARINI JMR; TRÓCCOLI BT. O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Revista Latino-am Enfermagem, Brasília, 9(2): 17-25, mar BATISTA KM; BIANCHI ERF. Estresse do enfermeiro em unidade de emergência. Revista Latino-am Enfermagem, São Paulo, 14(4): jul - ago PAFARO RC; MARTINO MMF. Estudo do estresse do enfermeiro com dupla jornada de trabalho em um hospital de oncologia pediátrica de Campinas. Revista Escola Enfermagem USP, São Paulo, 38(2): LIPP, M. E. N.; TANGANELLI, M. S. stress e qualidade de vida em magistrados da justiça do trabalho: diferenças entre homens e mulheres. Psicologia: reflexão e crítica, 2002, 15 (3), p PASCHOAL, T. et al. Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia, V. 9, n.1, 2004, p BARRETO, A. C.; BRANCO, A. B. Influência da atividade física sistematizada no estresse e na fadiga dos trabalhadores do restaurante universitário da universidade de Brasília. Atividade Física e saúde, Brasília, V. 5, n.2, p , MARQUES, A. L.; FERREIRA. J. R. et al. Qualidade de vida e estresse no trabalho em uma grande corporação de policia militar. 8. LOURENÇO, L. M.; MARTINS, L. A. Avaliação de estresse em motoboys..juiz de fora, UFJF, p.1-11, RIO, Rodrigo Pires do. O fascínio do stress: vencendo desafios num mundo em transformação. 3. ed. Rio de Janeiro: Dunya, p CÂMARA, E, C, S. et al. Estresse e situação de trabalho: um estudo de casos dos motoristas de ônibus. Revista acadêmica da FACECA, varginha MG, v.1, n. 4, p , ALMEIDA, P. S. de; MARTINS, L. A. Construção de um instrumento para avaliação da qualidade de vida em motoboys. Juiz de Fora : UFJF, (trabalho apresentado em 2004 como pré-requisito

6 para aprovação na disciplina Psicometria, do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Juiz de Fora / MG). 12. COSTA, L. B; KOYAMA, M. A. H et al. Morbidade declarada e condições de trabalho: o caso dos motoristas de São Paulo e Belo Horizonte. Revista São Paulo em perspectiva, São Paulo, vol. 17, n 2, p , ALVES.J, U. et al. Avaliação do ambiente de trabalho na propagação de Eucalyptus spp. Revista brasileira de engenharia agrícola e ambiental, v. 6, n. 3, p , ARAÚJO, T. M. et al. Estresse ocupacional e saúde: contribuições do modelo demanda-controle. Ciência & Saúde Coletiva. V.8, n. 4, p , MARÇAL, M. A. et al. Estudo comparativo da prevalência de lombalgia e estresse entre taxistas de duas regiões da grande Belo Horizonte. Anais do 4º Congresso Brasileiro de Fisioterapia do Trabalho. Curitiba, 2008.

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira²

O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² O ESTRESSE EM PROFISSIONAIS DA ENFERMAGEM: análise bibliográfica sobre a temática Maria Antônia Darozo Bandeira¹, Adriana Leonidas de Oliveira² 1 Psicóloga, Mestranda em Gestão e Desenvolvimento Regional

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4

BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO, Bruno da Silva 2 SOUZA, Camila Cruz de 3 GONÇALVES, Albina Nascimento da Rocha 4 O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DA ESCOLA DE SAÚDE DO MEIO AMBIENTE DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 LOURENÇO,

Leia mais

Evanir Soares da Fonseca

Evanir Soares da Fonseca CURSO DE ATUALIZAÇÃO Gestão das Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde AÇÕES DE COMBATE AO ESTRESSE: PROMOÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DE PARACATU - MG Evanir Soares

Leia mais

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria²

Carina Cristiane Teodoro Pierini¹; Terezinha Gomes Faria² V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 7 CONTRIBUIÇÕES DA GINÁSTICA LABORAL PARA A MELHORIA DA CONDIÇÃO FÍSICA DOS ORIENTADORES DE ESTACIONAMENTO REGULAMENTADO

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar. www.proenem.com.br QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Professor Romulo Bolivar www.proenem.com.br INSTRUÇÃO A partir da leitura dos textos motivadores seguintes e com base nos conhecimentos construídos ao longo de sua formação,

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE TAUBATÉ TÍTULO: PREVALÊNCIA DE DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADO AO TRABALHO EM CIRURGIÕES-DENTISTAS ATUANTES NA REDE DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE CAÇAPAVA-SP CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

Avaliação de Stress em Motoboys

Avaliação de Stress em Motoboys Avaliação de Stress em Motoboys Lélio Moura Lourenço* Lucas de Azevedo Martins** RESUMO: O objetivo dessa pesquisa foi investigar os níveis de stress a que os motoboys da cidade de Juiz de Fora MG estão

Leia mais

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE

COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO. Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE COLÓQUIO POLÍTICAS DE PREVENÇÃO E DE ATENDIMENTO À SAÚDE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO Cássio Filipe Galvão Bessa Executiva CONTEE Condições de Trabalho e Saúde dos Trabalhadores do Ensino Privado no Estado

Leia mais

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT

ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT ALERTA PARA OS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM SOBRE OS SINTOMAS DA SÍNDROME DE BURNOUT CASTRO, Wagner Aparecido Oliveira Discente do curso de Enfermagem da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva.

Leia mais

O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL

O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL O ESTRESSE NO MUNDO DO TRABALHO: UMA ABORDAGEM INDIVIDUAL E ORGANIZACIONAL COUTINHO, Daniele Aparecida Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail:

Leia mais

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante:

Oficina 2. Maria Izabel Azevedo Noronha SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO. 29 de Novembro de 2008. Palestrante: Palestrante: Seminário Nacional de Saúde Mental e Trabalho São Paulo, 28 e 29 de novembro de 2008 Maria Izabel Azevedo Noronha Oficina 2 SAÚDE MENTAL E TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO 29 de Novembro de 2008

Leia mais

O ESTRESSE NA EQUIPE DE ENFERMAGEM QUE ATUA NO SETOR DE EMERGÊNCIA STRESS OF THE NURSING STAFF TO SECTOR PERFORM EMERGENCY

O ESTRESSE NA EQUIPE DE ENFERMAGEM QUE ATUA NO SETOR DE EMERGÊNCIA STRESS OF THE NURSING STAFF TO SECTOR PERFORM EMERGENCY O ESTRESSE NA EQUIPE DE ENFERMAGEM QUE ATUA NO SETOR DE EMERGÊNCIA STRESS OF THE NURSING STAFF TO SECTOR PERFORM EMERGENCY Marília Gonçalves Emílio Enfermeira, Faculdade Santa Rita - Fasar marilia.emilio@hotmail.com

Leia mais

O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? : PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO.

O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? : PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 43 53 O QUE TE ESTRESSA, PROFESSOR? : PANORAMA DO ESTRESSE DE PROFESSORES DE ENFERMAGEM DE UMA UNIVERSIDADE DA ZONA OESTE DO RIO DE JANEIRO.

Leia mais

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS

RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS RISCOS ÀSEGURANÇA E SAÚDE DOS TRABALHADORES BANCÁRIOS A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO BANCÁRIO Em consequência das mudanças sociais, econômicas e, sobretudo, tecnológicas, a organização do trabalho bancário

Leia mais

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR

ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ERGONOMIA: ATIVIDADES QUE COMPROMETEM A SAÚDE DO TRABALHADOR Danielle Satie Kassada 1 ; Fernando Luis Panin Lopes 2 ; Daiane Ayumi Kassada 3 RESUMO: O

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE?

1 IDENTIFICAÇÃO 2 E CAUSA O QUE É O ESTRESSE? EDITORIAL INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO EDITORIAL ÍNDICE COMBATA O ESTRESSE COMO IDENTIFICAR O ESTRESSE? EDITORIAL EDITORIAL INTRODUÇÃO COMBATA O ESTRESSE Sérgio Butka Presidente do Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba O estresse é uma das grandes pragas do mundo moderno. Este problema sintetiza

Leia mais

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA

NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA NÍVEIS DE ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL EM UMA ESCOLA PÚBLICA DE RONDÔNIA Rosani Teresinha da Silva Stachiw 1 Dayane Fernandes Ferreira 2 Eraldo Carlos Batista 3 RESUMO: O estresse prejudica

Leia mais

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso

Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR. Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Ginástica Laboral Realizada no Hospital Cristo Rei Ibipora PR Sidnei Luiz Alves e Aldeviro Cardoso Resumo No seu contexto geral a Ginástica Laboral procura promover a saúde e melhorar as condições dos

Leia mais

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT

PREVENÇÃO ÀS LER/DORT PREVENÇÃO ÀS LER/DORT Introdução Durante os dias 19, 20 e 23 de julho o Datafolha ouviu os trabalhadores paulistanos sobre sua vida no trabalho (atividades desempenhadas, carga horária, realização de horas

Leia mais

NÍVEL DE ESTRESSE EM ALUNOS DE PSICOLOGIA DO PERÍODO NOTURNO

NÍVEL DE ESTRESSE EM ALUNOS DE PSICOLOGIA DO PERÍODO NOTURNO NÍVEL DE ESTRESSE EM ALUNOS DE PSICOLOGIA DO PERÍODO NOTURNO Resumo MILSTED, Jader Gabriel PUCPR jgmilsted@hotmail.com AMORIM, Cloves PUCPR clovesamorim@hotmail.com SANTOS, Mauro PUCPR maurosan10@msn.com

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Crenças irracionais como fontes internas de stress emocional

Crenças irracionais como fontes internas de stress emocional Crenças irracionais como fontes internas de stress emocional Revista Brasileira de Terapias Cognitivas O interesse científico no stress emocional aumenta à medida que se verifica sua relação com uma série

Leia mais

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida 27 Relatório e Proposta de Programa para Grupos Corporativos: Atividade Física na Promoção da Saúde e Qualidade de Vida Simone Simões de Almeida Sganzerla Graduada em Educação Física Especialista em Gestão

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE SAÚDE E TRABALHO ENTRE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL ESTADUAL DO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA - MT 1 TATIANA CORREA YAMACIRO DOS REIS 2 FRANCIANNE BARONI ZANDONADI 1 Bacharel

Leia mais

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015

DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA. Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 DEPRESSÃO NO ÂMBITO DA SEGURANÇA PÚBLICA Felicialle Pereira da Silva Nov. 2015 Ser humano x Humor VARIAÇÕES : SIM( X) NÃO( ) EXTREMOS: SIM( ) NÃO( X) CONTROLE Sensações normais Saúde mental x doença mental

Leia mais

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S PSICOLOGIA. Estresse. Andréa Carla Ferreira de Oliveira

C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S PSICOLOGIA. Estresse. Andréa Carla Ferreira de Oliveira C U R S O T É C N I C O E M O P E R A Ç Õ E S C O M E R C I A I S 14 PSICOLOGIA Estresse Andréa Carla Ferreira de Oliveira Governo Federal Ministério da Educação Projeto Gráfico Secretaria de Educação

Leia mais

Administrando o Stress: o coração agradece

Administrando o Stress: o coração agradece Administrando o Stress: o coração agradece Lucia E. Novaes Malagris Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro Presidente da Associação Brasileira de Stress Mortalidade - Brasil - Óbitos por

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM

Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM Prof a. Ms. Carolina Rivolta Ackel Centro de Estudos de Fisiologia do Exercício CEFE UNIFESP / EPM DEFINIÇÃO Acúmulo de estresse provocado pelo treinamento resultando em queda persistente da capacidade

Leia mais

1. Documento: 20026-2015-3

1. Documento: 20026-2015-3 1. Documento: 20026-2015-3 1.1. Dados do Protocolo Número: 20026/2015 Situação: Ativo Tipo Documento: Comunicação Interna - CI Assunto: Planejamento estratégico - Metas Unidade Protocoladora: SES - Secretaria

Leia mais

Rayana Loch Gomes; Camila Balsamo Gardim; Aline Fernanda Barbosa Bernardo; Claudia Yuri Peffardini; Roselene Modolo Regueiro Lorençoni.

Rayana Loch Gomes; Camila Balsamo Gardim; Aline Fernanda Barbosa Bernardo; Claudia Yuri Peffardini; Roselene Modolo Regueiro Lorençoni. 104 ASSOCIAÇÃO ENTRE O NÍVEL DE ESTRESSE E O NÍVEL EDUCACIONAL DE FUNCIONÁRIOS DE UMA UNIVERSIDADE PÚBLICA Rayana Loch Gomes; Camila Balsamo Gardim; Aline Fernanda Barbosa Bernardo; Claudia Yuri Peffardini;

Leia mais

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse

Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse 12 Programas de Promoção de Saúde Para o Trabalhador Escolar: Ginástica Laboral e Controle do Estresse Ricardo Martineli Massola Mestre em Qualidade de Vida, Saúde Coletiva e Atividade Física na UNICAMP

Leia mais

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SÍNDROME DE BURNOUT VOLTADO À PROFISSIONAIS DO SETOR DE NEONATOLOGIA CATEGORIA: EM ANDAMENTO

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DE ESTRESSE ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PROFESSORES DE OUTRAS DISCIPLINAS

ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DE ESTRESSE ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PROFESSORES DE OUTRAS DISCIPLINAS ANÁLISE COMPARATIVA DA INCIDÊNCIA DE ESTRESSE ENTRE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA E PROFESSORES DE OUTRAS DISCIPLINAS VALÉRIO, Fhairus Julielen PUCPR fhairus@hotmail.com Resumo Área Temática: Formação

Leia mais

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS E FONTES GERADORAS DA SÍNDROME DE BURNOUT O CASO DOS PROFESSORES DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE UNIVERSIDADES

ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS E FONTES GERADORAS DA SÍNDROME DE BURNOUT O CASO DOS PROFESSORES DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE UNIVERSIDADES 1 ANÁLISE DAS CARACTERÍSTICAS E FONTES GERADORAS DA SÍNDROME DE BURNOUT O CASO DOS PROFESSORES DE CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO DE UNIVERSIDADES PRIVADAS Domingos Bloise RESUMO No mundo do trabalho têm ocorrido

Leia mais

INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR

INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR 20 a 24 de outubro de 2008 INCIDÊNCIA DA SÍNDROME DE BURNOUT EM PROFESSORES DA ÁREA DA SAÚDE DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MARINGÁ PR Ilario Eing Granado 1 ; Fernanda Ferreti Vasconcelos¹; Joaquim Martins

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE.

A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. A ATUAÇÃO DA SECRETÁRIA NUM AMBIENTE DE MUDANÇAS: A PREDISPOSIÇÃO AO ESTRESSE. Glaucilene A. Martinez Toledo¹, Maria Luiza G. Ferreira², Valquíria A. Saraiva de Moraes³, Cidália Gomes 1 UNIVAP/FCSA Av.

Leia mais

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL

TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO DA SÍNDROME S DE BURNOUT EM TRABALHADORES DE SAÚDE DE UM MUNICÍPIO DO RIO GRANDE DO SUL AUTORES: KALINE LÍGIA F. CAUDURO VICTOR N. FONTANIVE PAULO V. N. FONTANIVE INTRODUÇÃO A saúde do trabalhador

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

FETEESUL AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO NO RIO GRANDE DO SUL

FETEESUL AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO NO RIO GRANDE DO SUL FETEESUL AVALIAÇÃO DO ESTRESSE EM PROFESSORES DO ENSINO PRIVADO NO RIO GRANDE DO SUL Coordenadora:Profa. Dra. Janine Kieling Monteiro - UNISINOS Colaboradora: Dra. Carolina Saraiva de Macedo Lisboa Mestranda:

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

É preciso ter tempo... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis

É preciso ter tempo... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis É preciso ter tempo...... e vontade para adquirir hábitos de vida mais saudáveis Camila Mendonça (Fonte: Revista Melhor) Em busca de resultados, executivos têm menos tempo para se cuidar, ficam mais estressados

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM

ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ERGONOMIA: CONSIDERAÇÕES RELEVANTES PARA O TRABALHO DE ENFERMAGEM ROSÂNGELA MARION DA SILVA 1 LUCIMARA ROCHA 2 JULIANA PETRI TAVARES 3 O presente estudo, uma pesquisa descritiva bibliográfica, tem por

Leia mais

Maria Elizabeth Antunes Lima ** Matilde Agero Batista *** RESUMO

Maria Elizabeth Antunes Lima ** Matilde Agero Batista *** RESUMO As novas exigências de qualificação e a saúde no setor automotivo As novas exigências de qualificação e a saúde no setor automotivo * Maria Elizabeth Antunes Lima ** Matilde Agero Batista *** RESUMO A

Leia mais

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS.

TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. TÍTULO: A RELAÇÃO DE DOR OSTEOMUSCULAR E A QUALIDADE DE VIDA DOS MILITARES DO BATALHÃO DO CORPO DE BOMBEIROS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais

Síndrome de Burnout. Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Síndrome de Burnout Astrid Guerra Barros Psicóloga pós-graduanda em Terapias Cognitivas Comportamentais Zelia Simone Sobrosa Psicóloga com pós-graduação em Neuropsicopedagogia 2013 Conceito Burnout é

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA APRESENTAÇÃO E-mail para contato: ctifor@tjce.jus.br Nome do trabalho: Projeto Qualidade de Vida: celebrando o equilíbrio mente/corpo no ambiente

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem

SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ SÍNDROME DE BURNOUT e a equipe de enfrmagem CURITIBA, 2010 UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ CURITIBA, 2010 1 INTRODUÇÃO A partir do artigo de Freudenberger em 1974, denominado

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

11 de abril de 2012. Presenteísmo O Inimigo Invisível

11 de abril de 2012. Presenteísmo O Inimigo Invisível 11 de abril de 2012 Presenteísmo O Inimigo Invisível Absenteísmo X Presenteísmo Ausência ao trabalho, seja por falta, atraso, desmotivação ou doença X Propensão do trabalhador em permanecer trabalhando,

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTRESSE OCUPACIONAL DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Cristiane Luchtenberg 1 ; Rosangela Costa 1 ; Willian Augusto

Leia mais

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE

ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE 96 ANÁLISE DO ESTRESSE DE TRABALHADORES DA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNESP DE PRESIDENTE PRUDENTE Amanda Mendes Ribeiro, Isabela Maia da Cruz Fernandes, Rayana Loch Gomes, Camila Balsamo Gardim,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas.

OBJETIVOS: GERAL: Determinar a prevalência do alcoolismo em Policiais Militares do Estado do Amazonas. TÍTULO: ALCOOLISMO NA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DO AMAZONAS. Autores: Fernando de Lima Ferreira; Aristóteles Alencar; Manoel Galvão; Giselle Oliveira da Costa; Márcia Maria Leão de Araújo; Roberta Kelly

Leia mais

O trabalho do jornalista e o estresse profissional: ocorrências de risco de estresse nas fases de alerta, resistência e exaustão 1

O trabalho do jornalista e o estresse profissional: ocorrências de risco de estresse nas fases de alerta, resistência e exaustão 1 O trabalho do jornalista e o estresse profissional: ocorrências de risco de estresse nas fases de alerta, resistência e exaustão 1 Sérgio Kilesse Faculdade Novos Horizontes Faculdade Cenecista de Sete

Leia mais

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA

SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA SÍNDROME DE BURNOUT: ATIVIDADES PREVENTIVAS COM PROFISSIONAIS DA SAÚDE DA FAMÍLIA ARAÚJO, Andréia 1 ; RODRIGUES, Hingridy Aparecida 2 ; FERRARI, Rogério 3 ; MAGALHÃES, Josiane 4 ; FRANÇA, Flávia Maria

Leia mais

Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental

Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental Paula A.S.F. Martins Enfermeira, doutora em Enfermagem Psiquiátrica (EEUSP), especialista e mestre em Enfermagem Psiquiátrica e em Saúde Mental (UNIFESP/ EEUSP), MBA em Economia da Saúde) (CPES/ UNIFESP)

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO

A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO A GINÁSTICA LABORAL: OS CONTRASTES NOS RESULTADOS QUANDO ORIENTADA PELO EDUCADOR FÍSICO Wagner Hauer Argenton 1 Rafael Godoy Cancelli Evandete Mitue Centro Universitário Positivo, Curitiba, PR Resumo:

Leia mais

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso

CENSO DE ERGONOMIA. Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso CENSO DE ERGONOMIA Autores: Hudson de Araújo Couto e Otacílio dos Santos Cardoso Descrição Geral Trata-se de uma ferramenta formulada à base de questionário podendo ser auxiliada por entrevista, através

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014.

As Mulheres e o Trabalho de Cuidar SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. As Mulheres e o Trabalho de Cuidar MYRIAN MATSUO II Seminário de Sociologia da FUNDACENTRO: Condições de Trabalho das Mulheres no Brasil SÃO PAULO,07 DE NOVEMBRO DE 2014. Doutora em Sociologia pelo Departamento

Leia mais

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013

Higiene do Trabalho. Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho ERGONOMIA. Programa de Higiene do Trabalho GESTÃO DE PESSOAS. 3o bimestre / 2013 GESTÃO DE PESSOAS CEFET-MG / DIVINÓPOLIS 3o bimestre / 2013 Prof. MSc. Antônio Guimarães Campos Higiene, Ergonomia e Segurança do Trabalho Higiene do Trabalho Conjunto de normas e procedimentos que visa

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR.

A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. A GINÁSTICA LABORAL E OS SEUS EFEITOS NA RELAÇÃO DE EMPREGO: VANTAGENS E BENEFÍCIOS PARA EMPREGADO E EMPREGADOR. Márcia Maria Maia Advogada, pós-graduada em Direito Público e pós-graduanda em Direito e

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL NA EQUIPE DE ENFERMAGEM DESCRITO POR ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

ESTRESSE OCUPACIONAL NA EQUIPE DE ENFERMAGEM DESCRITO POR ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ESTRESSE OCUPACIONAL NA EQUIPE DE ENFERMAGEM DESCRITO POR ÁREA DE ATUAÇÃO: ESTUDO DE REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Larissa Cristina Jacovenco Rosa da Silva 1 ; Léia Regina de Souza Alcântara 2 ; Juice Ishie Macedo

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA DE MARINGÁ-PR

PERFIL PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL PROFISSIONAL DO NUTRICIONISTA DE MARINGÁ-PR Fabiana Rodrigues Silva Gasparin 1, Fernanda

Leia mais

Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisa de Saúde e dos Ambientes de Trabalho. Informe Técnico de Pesquisa 1

Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisa de Saúde e dos Ambientes de Trabalho. Informe Técnico de Pesquisa 1 Departamento Intersindical de Estudos e Pesquisa de Saúde e dos Ambientes de Trabalho Informe Técnico de Pesquisa 1 Condições de trabalho e saúde dos trabalhadores nas instituições de ensino privado no

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL

AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL AVALIAÇÃO DOS COLABORADORES ATRAVÉS DA BIOMECÂNICA OCUPACIONAL Daniela da Maia José Marques de Carvalho Júnior Antonio Vinicius Soares 2010 INTRODUÇÃO É um laboratório especializado em análise biomecânica

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM

PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM PROFISSÃO ESTRESSE : A SÍNDROME DE BURNOUT NA ENFERMAGEM Alex Henrique de Oliveira 1 Resumo: A Síndrome de Burnout é um transtorno adaptativo crônico que gera no profissional um sentimento de impotência,

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012

RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 RETRATOS DA SOCIEDADE BRASILEIRA: SAÚDE PÚBLICA JANEIRO/2012 Pesquisa CNI-IBOPE CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA - CNI Robson Braga de Andrade Presidente Diretoria Executiva - DIREX José Augusto Coelho

Leia mais

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES

POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2013, v. 17, n. 17, p. 54 60 POSTURA CORPORAL/DOENÇAS OCUPACIONAIS: UM OLHAR DA ENFERMAGEM SOBRE AS DOENÇAS OSTEOARTICULARES BARBOSA, Bruno Ferreira do Serrado 1 SILVA,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF

GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO COM FOCO NO ESTRESSE OCUPACIONAL: UM BREVE ESTUDO DE CASO NA CHESF Autor(a): Karla Theonila Vidal Maciel Freitas 1 Introdução As empresas estão dando, cada vez mais,

Leia mais

Análise do índice de absenteísmo dos operadores de telemarketing praticantes e não praticantes de ginástica laboral

Análise do índice de absenteísmo dos operadores de telemarketing praticantes e não praticantes de ginástica laboral 1 Análise do índice de absenteísmo dos operadores de telemarketing praticantes e não praticantes de ginástica laboral Análisis de la tasa de ausentismo de los operadores de telemarketing practicantes y

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Absenteísmo no trabalho

Absenteísmo no trabalho 1 Absenteísmo no trabalho Nuno A. C. Murcho Saul Neves de Jesus O trabalho comporta um conjunto de valores que lhe são intrínsecos, sendo uma atividade indispensável para o desenvolvimento individual e

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas

Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas Eduardo Henrique Teixeira Professor da Faculdade de Medicina PUC - Campinas A ansiedade é uma vivência normal que todos os seres humanos experimentam com freqüência. Estado afetivo caracterizado por uma

Leia mais

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover.

Palavras Chave: Fisioterapia preventiva do trabalho; LER/DORT; acidente de trabalho, turnover. A eficácia da fisioterapia preventiva do trabalho na redução do número de colaboradores em acompanhamento no ambulatório de fisioterapia de uma indústria de fios têxteis Rodrigo Mendes Wiczick (UTFPR)rodrigo_2006@pg.cefetpr.br

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais