Capa. Sua contabilidade há mais de 40 anos (Distribuição exclusiva para clientes)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Capa. Sua contabilidade há mais de 40 anos (Distribuição exclusiva para clientes)"

Transcrição

1 Capa ORTEC CONTABILIDADE Rua Conselheiro Rodrigues Alves, Centro São José dos Campos Tel/Fax : (12) Sua contabilidade há mais de 40 anos (Distribuição exclusiva para clientes)

2 Introdução e Apresentação da Ortec A Ortec Contabilidade com sua sede própria na Rua Conselheiro Rodrigues Alves, 101 paralela acima da Prefeitura conta com uma carteira de aproximadamente 140 clientes dos mais variados ramos de atividade como por exemplo indústria metalúrgica e química, atacadistas e varejistas de materiais elétricos e de construção, de perfumaria, de roupas e de alimentos, restaurantes, lanchonetes, bares e padarias, postos de gasolina e prestadores de serviços nas mais diversas áreas como clínicas dentárias, clínicas médicas, clínicas veterinárias, processamento de dados, construção civil, recarga de cartuchos, etc. Nossa experiência e profissionalismo estão à sua disposição. Contamos com sistemas de retaguarda de pesquisa de legislação em todo Brasil através de duas empresas de consultoria a IOB e a LEGALMATIC. Caso sua dúvida não possa ser respondida de imediato, as empresas de consultoria serão acionadas por telefone (dúvidas mais simples ou que precisem de respostas rápidas) ou por (dúvidas mais complexas e que necessitam de uma resposta escrita) e você terá uma resposta ou no ato ou em até 3 dias úteis. CONSULTE SEMPRE A ORTEC CONTABILIDADE. Nunca faça algo que lhe pareça duvidoso ou sobre a qual você não tenha certeza absoluta das conseqüências. Esta cartilha foi elaborada por que pela nossa experiência percebemos que procedimentos simples em sua empresa podem ser melhorados e aprimorados e dúvidas básicas de seus funcionários podem ser solucionadas com uma consulta a este manual. Desta forma esperamos que esta cartilha permaneça sempre a vista e que seja amplamente utilizada. Inter-relacionamento Nossa política de relacionamento com os clientes prima pela transparência, simplicidade e praticidade. Desta forma nosso escritório possui as portas abertas aos proprietários e seus empregados (meio mais adequado de nos contatar) mas também mantemos outros canais para comunicação: Telefones e Fax : (12) Pelo menos uma vez por semana um de nossos moto-boys passará em seu estabelecimento tanto para levar como para pegar algum documento. Por isso sugerimos que mantenha sempre um funcionário apto e capaz para receber documentos importantes e que saiba onde estão e quais são os documentos a serem enviados para o escritório. O procedimento padrão é colocar em uma pasta os documentos contábeis a serem enviados ao escritório, pois assim quando nosso moto-boy passar por sua empresa esses estarão prontos para serem entregues.

3 Todo serviço solicitado ou agendado num período é executado no período seguinte, pois nossos moto-boys saem da Ortec com carga máxima todos os períodos, desta forma pedimos que caso haja algo urgente para pegar à tarde, telefone para o escritório no período da manhã pedindo a visita do moto-boy. Abertura de uma empresa A legalização de uma empresa é o último passo de uma caminhada. O processo de abertura de uma empresa inicia-se com a verificação das condições básicas tais como: - vontade de empreender - disponibilidade financeira - ramo de atividade - pesquisa de mercado, etc Decidido por abrir sua empresa, deve-se ter em conta como início do processo de legalização o local do estabelecimento. Para a atividade pretendida o local além de ser compatível com a lei de zoneamento precisa ter Habite-se comercial e laudo de vistoria do corpo de bombeiros, constando a mesma área em ambos. Se o imóvel necessitar de uma reforma é necessário contratar um responsável pela obra que tenha conhecimento sobre as peculiaridades de sua atividade. Por exemplo se for abrir uma padaria o responsável deve levar em conta as normas da vigilância sanitária, pois caso contrário você terá muitos dissabores. Caso o imóvel seja próprio o documento a ser apresentado é uma cópia atualizada da certidão do imóvel obtida junto ao cartório ou caso seja alugado uma cópia do contrato de locação com firma reconhecida. Com esses dados em mãos, numa conversa no escritório definiremos o tipo societário, a forma de tributação, porte de sua empresa, cláusula de gerência, talões de Notas Fiscais ou Emissor de Cupom Fiscal, etc. Ultrapassado estes passos o escritório solicitará do empresário os seguintes documentos para confeccionar o Contrato Social : Dos Sócios Cópia autenticada do CIC e do RG Cópia simples da Certidão de casamento Cópia simples de uma conta de luz que prove o endereço de residência Cópia simples da última declaração do IRenda (Os sócios devem possuir suporte econômico/financeiro) Cópia simples da carteira do Conselho Regional (profissões regulamentadas)

4 Da empresa Contrato de locação com firma reconhecida ou certidão atualizada do imóvel Habite-se comercial ou certidão de primeiro lançamento Laudo de vistoria do corpo de bombeiros Conta de luz do endereço do imóvel Descrição pormenorizada da atividade a ser exercida Nome empresarial que pretende usar Capital social a ser integralizado (Necessita de suporte na Declaração de IRenda dos sócios) Após o registro do contrato social na JUCESP sua empresa será oficializada junto à Receita Federal, Secretaria Estadual da Fazenda, Prefeitura Municipal, INSS, e outros órgãos públicos tais como Vigilância Sanitária, ANP, Conselhos Regionais Profissionais, etc. Lembre-se que caso sua atividade seja indústria, o registro na CETESB será feito de forma provisória antes que todos os outros. Somente após a legalização de sua empresa ela poderá iniciar suas atividades, desta forma é proibida a compra de mercadorias ou ativos pedindo ao fornecedor que coloque na Nota Fiscal a expressão Em Andamento. Neste momento, depois de fazer uma pesquisa de preço para os talões de Notas Fiscais, você pedirá a gráfica que passe um fax para o escritório com os dados da mesma e do combinado para que sejam autorizados pela internet. Finalmente sua empresa está legalizada e apta a exercer suas atividades. Documentos que devem ser expostos e à disposição da Fiscalização A legislação prevê que algumas informações devem estar expostas ao público : - Cartaz indicativo do PROCON - Cartaz indicativo da ANP - Cartaz indicativo do SIMPLES - Cartaz indicativo da obrigatoriedade da NOTA FISCAL ou CUPON FISCAL - Alvará Sanitário Outros documentos devem ficar em lugar de fácil acesso ao fiscal e aos empregados : - Quadro de horário dos funcionários - Quadro de escala de revezamento/folgas - Estatuto ou Organograma (opcional) - Livro de Registro de Funcionários - Livro de Inspeção do Trabalho - Carteira de Saúde dos empregados e proprietários - Manual de boas práticas - Inscrição Municipal

5 Por fim existem documentos que se deve ter no escritório de sua empresa pois fornecedores, clientes e bancos estarão sempre exigindo : - Contrato social e alterações - CNPJ - DECA (inscrição estadual) - Último balanço - Relação de faturamento Rotinas Trabalhistas Evoluímos nas relações empresarias com a contratação de empregados, portanto não se pode cometer deslizes nesta hora. A relação trabalhista é regida pela CLT, uma lei de 1943, e pela Justiça do Trabalho cujo princípio fundamental vigente é que o empregado á a parte mais fraca da relação e portanto é possuidor da verdade até prova em contrário. Outra norma prevê que o empregador deve controlar a saúde de seus empregados, desta forma sua empresa é obrigada a contratar os serviços médicos para fazer exames admissionais, demissionais, periódicos (PCMSO, PPRA e PPP) e verificar a instalação e equipamentos utilizados se estão de acordo com as normas. Iniciada a fase de contratação tem que se ter em conta que a entrevista inicial com a coleta de dados e informações sobre o candidato é primordial. Escolhido o empregado ele deve preencher uma ficha que o escritório disponibiliza com todos os dados e documentos pessoais e você deve preencher com os dados da contratação como por exemplo a função, o horário de trabalho, o salário, etc. Esta ficha, cujo modelo se encontra em nosso site, deve ser enviada ao escritório junto com a carteira de trabalho e cópia dos documentos obrigatórios que constam na própria ficha. É claro que as normas trabalhistas são muitas pois, além da CLT que possui mais de 900 artigos, ainda temos os acordos e convenções da categoria e por isso solicitamos a nossos clientes que sempre entrem em contato com o escritório para tirar suas dúvidas. Algumas regras básicas a serem seguidas : - Não existe empregado em experiência sem registro em carteira. - Não se pode pagar salário abaixo do piso da categoria. - O salário deve ser pago até o quinto dia útil do mês seguinte ao trabalho, sendo que sábado sempre é útil e domingo somente o será para o empregado que trabalhar nele. - Passado o dia do término do contrato de experiência o mesmo torna-se por prazo indeterminado sujeitando o empregador a todas as verbas rescisórias. - O empregado que trabalha até 6 horas por dia não tem direito a folga para refeição, ao passo que se ultrapassar as 6 horas deverá folgar por pelo menos 1 hora para refeição. - O empregado não pode ultrapassar sua jornada de trabalho em mais que 2 horas por dia (hora extra) e deve ter um intervalo entre o término de trabalho de um dia e o início no dia seguinte de pelo menos 11 horas.

6 - O empregado tem direito a férias acrescidas de 1/3 após um ano de trabalho e o valor passa a ser dobrado se ficar trabalhando sem férias por mais de dois anos. - O empregado tem direito a um salário extra se for demitido ou se o aviso prévio tiver no período de um mês anterior ao dissídio da categoria. - O empregado tem direito ao salário família desde que receba menos de $623,00 por mês e tenha filhos até 14 anos. - O prazo para pagamento das verbas rescisórias é até o décimo dia após a demissão se o aviso prévio for indenizado e vence no dia seguinte ao término do aviso prévio trabalhado e do término do contrato por prazo. - Para cada empregado admitido, demitido, que peça conta ou que sofra acidente de trabalho existem informações obrigatórias a serem prestadas aos órgãos públicos, portanto avise o escritório o mais rápido possível. Rotinas Fiscais O início das operações de sua empresa marca também o início de suas relações com o fisco. Sua empresa deve estar sempre atenta as normas tributárias e principalmente as chamadas obrigações acessórias, tais como o cadastro de fornecedores e clientes e o acompanhamento dos mesmos pelo site do sintegra (www.sintegra.gov.br) para saber se são e estão idôneos, a emissão de Notas fiscais ou Cupons com todos os campos corretamente preenchidos, o levantamento de estoque de mercadorias todo dia 31 de Dezembro, etc. A obrigação da emissão das notas fiscais e/ou dos cupons fiscais é para toda e qualquer venda que o cliente pedir ou independente de pedido para vendas unitárias acima de R$ 7,00 e caso seu estabelecimento possua cartão de crédito/débito a máquina deve estar interligada com o emissor de cupom fiscal. As máquinas registradoras e os emissores de cupons fiscais possuem softwares que devem ser atualizados periodicamente para cumprir com a lei e portanto sugerimos que contrate uma empresa que faça uma manutenção e averiguação constante de seus equipamentos. Em caso de pane, falta de energia ou qualquer outro acidente com o cupom fiscal você deve chamar imediatamente a empresa que lhe fornece a manutenção e passar a emitir notas fiscais para as vendas sendo que o mapa resumo de caixa deste dia deve ser preenchido na coluna de observação com os dados das séries, dos números das notas fiscais emitidas e do valor delas. As notas fiscais modelo 1 (talão grande) emitidas devem ter a 3 a. via ou cópia da 2 a. via grampeada no mapa resumo de caixa do dia que foram emitidas. As vias da nota fiscal modelo 1 (talão grande) devem ter a seguinte destinação : 1 a. e 4 a. via entregue ao destinatário. 3.a via entregue ao destinatário somente se for em outro estado. 2 a. via fixa, sempre deve estar presa ao bloco. Para o escritório serão enviadas as 3as. vias, ou quando ocorrerem vendas para outros estados, uma cópia da 2 a. via. O princípio básico da tributação é que a saída de produtos ou mercadorias de sua empresa devem

7 ser tributados, portanto consulte o escritório sobre as exceções e seus dispositivos legais, como por exemplo o que fazer para emitir uma nota fiscal para enviar uma geladeira para conserto. Ainda com relação aos impostos o empresário deve ficar sempre atendo para as atividades que sofrem retenções tributárias seja do ISS, do INSS, do IRRF, ou de Contribuições Federais, pois alguns fornecedores esquecem de informá-las nas notas fiscais ou de descontarem seus valores nas duplicatas. Nunca fique com dúvidas, ligue sempre para o escritório. Rotinas Contábeis Todos os documentos emitidos pela sua empresa ou para a sua empresa devem ser contabilizados e escriturados em seu período correto. Portanto as contas de água, luz, telefone, os extratos bancários, as guias pagas, as notas fiscais de comodato ou empréstimo, os contratos de financiamentos e leasing, devem ser enviados MENSALMENTE ao escritório, sempre no mês que foram emitidos. Para seu maior controle administrativo e demonstração ao fisco solicitamos sempre que se faça cópia de cheque e/ou um relatório com o número de cada cheque emitido, seu valor e para que se destinava. Todos os extratos bancários da empresa devem ser encaminhados ao escritório, mesmo que sirvam somente para o crédito do recebimento das administradoras de cartões. Sempre que houver alguma dúvida sobre os documentos você deve ligar ao escritório para que possamos esclarecê-la. Impostos e Contribuições Nosso país é rico... em quantidade de impostos. Nesta cartilha nos permitiremos somente informar alguns dos quais sua empresa pode se sujeitar e pedimos a gentileza de sempre ligarem ou perguntarem sobre seus impostos. O escritório tem por prática a emissão de boletins informativos quando houver alguma alteração na legislação tributária. A regra básica para o pagamento dos impostos é que eles devem ser antecipados caso seu vencimento ocorra num dia em que os bancos não funcionem. Federais Imposto de Renda Pessoa Jurídica Alíquota : 15,00% Base de Cálculo : Serviços 32,00% do faturamento Venda 8,00% do faturamento

8 Combustíveis 1,60% do faturamento No caso de lucro real deve-se apurar o resultado através de balanço. Período de apuração : trimestral Vencimento : último dia útil do mês seguinte ao encerramento do trimestre. Adicional de Imposto de Renda Alíquota : 10,00% Base de Cálculo : É o valor da Base de Cálculo do IRPJ que ultrapassar o montante de $60.000,00 no trimestre Período de apuração : trimestral Vencimento : último dia útil do mês seguinte ao encerramento do trimestre. Contribuição Social sobre o Lucro Alíquota : 9,00% Base de Cálculo : Serviços 32,00% do faturamento Venda 12,00% do faturamento No caso de lucro real deve-se apurar o resultado através de balanço. Período de apuração : trimestral Vencimento : último dia útil do mês seguinte ao encerramento do trimestre. PIS Alíquota : 0,65% do faturamento da empresa No caso de lucro real apura-se mediante sistema de compensações de créditos e débitos com alíquota de 1,65%. Período de apuração : mensal Vencimento : até o dia 25 do mês seguinte. COFINS Alíquota : 3,00% do faturamento da empresa No caso de lucro real apura-se mediante sistema de compensações de créditos e débitos com alíquota de 7,65%. Período de apuração : mensal Vencimento : até o dia 25 do mês seguinte.

9 Simples Nacional (início em 01/07/2007) Na realidade trata-se mais de um sistema de cálculos que de um tributo como o conhecemos. È calculado tendo em vista como primeiro passa a atividade da empresa, pois a tabela que se utilizará para o cálculo depende da atividade. Uma vez encontrada a tabela de sua atividade deve-se verificar o faturamento acumulado dos últimos doze meses para se encontrar a alíquota correspondente. Achada a alíquota precisa-se saber se não existe produtos ou serviços com exceções destas alíquotas, tais como os produtos com substituição tributária do ICMS (refrigerante, cerveja, água, sorvete, GLP, cimento), os produtos com substituição tributária do ICMS e do PIS/COFINS (cigarro) ou os serviços isentos (locação de bens móveis). O maior problema do sistema simples é que ele deve ser totalmente digitado no site do Simples, ou seja, não deixe para enviar as notas de compras e vendas em cima da hora pois sua guia pode ir com multa e juros, uma vez que o site sempre acusa excesso de usuários. As tabelas do SIMPLES NACIONAL são: Anexo I Partilha do Simples Nacional Comércio Efeitos a partir de 01/01/2012 Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ICMS Até ,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% De ,01 a ,00 5,47% 0,00% 0,00% 0,86% 0,00% 2,75% 1,86% De ,01 a ,00 6,84% 0,27% 0,31% 0,95% 0,23% 2,75% 2,33% De ,01 a ,00 7,54% 0,35% 0,35% 1,04% 0,25% 2,99% 2,56% De ,01 a ,00 7,60% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58% De ,01 a ,00 8,28% 0,38% 0,38% 1,15% 0,27% 3,28% 2,82% De ,01 a ,00 8,36% 0,39% 0,39% 1,16% 0,28% 3,30% 2,84% De ,01 a ,00 8,45% 0,39% 0,39% 1,17% 0,28% 3,35% 2,87% De ,01 a ,00 9,03% 0,42% 0,42% 1,25% 0,30% 3,57% 3,07% De ,01 a ,00 9,12% 0,43% 0,43% 1,26% 0,30% 3,60% 3,10% De ,01 a ,00 9,95% 0,46% 0,46% 1,38% 0,33% 3,94% 3,38% De ,01 a ,00 10,04% 0,46% 0,46% 1,39% 0,33% 3,99% 3,41% De ,01 a ,00 10,13% 0,47% 0,47% 1,40% 0,33% 4,01% 3,45% De ,01 a ,00 10,23% 0,47% 0,47% 1,42% 0,34% 4,05% 3,48% De ,01 a ,00 10,32% 0,48% 0,48% 1,43% 0,34% 4,08% 3,51% De ,01 a ,00 11,23% 0,52% 0,52% 1,56% 0,37% 4,44% 3,82% De ,01 a ,00 11,32% 0,52% 0,52% 1,57% 0,37% 4,49% 3,85% De ,01 a ,00 11,42% 0,53% 0,53% 1,58% 0,38% 4,52% 3,88% De ,01 a ,00 11,51% 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91% De ,01 a ,00 11,61% 0,54% 0,54% 1,60% 0,38% 4,60% 3,95%

10 Anexo II Partilha do Simples Nacional Indústria Efeitos a partir de 01/01/2012 Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ICMS IPI Até ,00 4,50% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% 0,50% De ,01 a ,00 5,97% 0,00% 0,00% 0,86% 0,00% 2,75% 1,86% 0,50% De ,01 a ,00 7,34% 0,27% 0,31% 0,95% 0,23% 2,75% 2,33% 0,50% De ,01 a ,00 8,04% 0,35% 0,35% 1,04% 0,25% 2,99% 2,56% 0,50% De ,01 a ,00 8,10% 0,35% 0,35% 1,05% 0,25% 3,02% 2,58% 0,50% De ,01 a ,00 8,78% 0,38% 0,38% 1,15% 0,27% 3,28% 2,82% 0,50% De ,01 a ,00 8,86% 0,39% 0,39% 1,16% 0,28% 3,30% 2,84% 0,50% De ,01 a ,00 8,95% 0,39% 0,39% 1,17% 0,28% 3,35% 2,87% 0,50% De ,01 a ,00 9,53% 0,42% 0,42% 1,25% 0,30% 3,57% 3,07% 0,50% De ,01 a ,00 9,62% 0,42% 0,42% 1,26% 0,30% 3,62% 3,10% 0,50% De ,01 a ,00 10,45% 0,46% 0,46% 1,38% 0,33% 3,94% 3,38% 0,50% De ,01 a ,00 10,54% 0,46% 0,46% 1,39% 0,33% 3,99% 3,41% 0,50% De ,01 a ,00 10,63% 0,47% 0,47% 1,40% 0,33% 4,01% 3,45% 0,50% De ,01 a ,00 10,73% 0,47% 0,47% 1,42% 0,34% 4,05% 3,48% 0,50% De ,01 a ,00 10,82% 0,48% 0,48% 1,43% 0,34% 4,08% 3,51% 0,50% De ,01 a ,00 11,73% 0,52% 0,52% 1,56% 0,37% 4,44% 3,82% 0,50% De ,01 a ,00 11,82% 0,52% 0,52% 1,57% 0,37% 4,49% 3,85% 0,50% De ,01 a ,00 11,92% 0,53% 0,53% 1,58% 0,38% 4,52% 3,88% 0,50% De ,01 a ,00 12,01% 0,53% 0,53% 1,60% 0,38% 4,56% 3,91% 0,50% De ,01 a ,00 12,11% 0,54% 0,54% 1,60% 0,38% 4,60% 3,95% 0,50% Industrialização, beneficiamento, usinagem, solda, tratamentos e revestimentos deverão ser tributados pelo Anexo II, subtraindo-se o ICMS e somando-se a alíquota do ISS prevista no Anexo III.

11 Anexo III Partilha do Simples Nacional Serviços e Locação de Bens Móveis Efeitos a partir de 01/01/ O INSS está incluso. Receita Bruta em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP CPP ISS Até ,00 6,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 4,00% 2,00% De ,01 a ,00 8,21% 0,00% 0,00% 1,42% 0,00% 4,00% 2,79% De ,01 a ,00 10,26% 0,48% 0,43% 1,43% 0,35% 4,07% 3,50% De ,01 a ,00 11,31% 0,53% 0,53% 1,56% 0,38% 4,47% 3,84% De ,01 a ,00 11,40% 0,53% 0,52% 1,58% 0,38% 4,52% 3,87% De ,01 a ,00 12,42% 0,57% 0,57% 1,73% 0,40% 4,92% 4,23% De ,01 a ,00 12,54% 0,59% 0,56% 1,74% 0,42% 4,97% 4,26% De ,01 a ,00 12,68% 0,59% 0,57% 1,76% 0,42% 5,03% 4,31% De ,01 a ,00 13,55% 0,63% 0,61% 1,88% 0,45% 5,37% 4,61% De ,01 a ,00 13,68% 0,63% 0,64% 1,89% 0,45% 5,42% 4,65% De ,01 a ,00 14,93% 0,69% 0,69% 2,07% 0,50% 5,98% 5,00% De ,01 a ,00 15,06% 0,69% 0,69% 2,09% 0,50% 6,09% 5,00% De ,01 a ,00 15,20% 0,71% 0,70% 2,10% 0,50% 6,19% 5,00% De ,01 a ,00 15,35% 0,71% 0,70% 2,13% 0,51% 6,30% 5,00% De ,01 a ,00 15,48% 0,72% 0,70% 2,15% 0,51% 6,40% 5,00% De ,01 a ,00 16,85% 0,78% 0,76% 2,34% 0,56% 7,41% 5,00% De ,01 a ,00 16,98% 0,78% 0,78% 2,36% 0,56% 7,50% 5,00% De ,01 a ,00 17,13% 0,80% 0,79% 2,37% 0,57% 7,60% 5,00% De ,01 a ,00 17,27% 0,80% 0,79% 2,40% 0,57% 7,71% 5,00% De ,01 a ,00 17,42% 0,81% 0,79% 2,42% 0,57% 7,83% 5,00% creche, pré-escola e estabelecimento de ensino fundamental, escolas técnicas, profissionais e de ensino médio, de línguas estrangeiras, de artes, cursos técnicos de pilotagem, preparatórios para concursos, gerenciais e escolas livres; farmácias de manipulação; agência terceirizada de correios; agência de viagem e turismo; centro de formação de condutores de veículos automotores de transporte terrestre de passageiros e de carga; agência lotérica; serviços de instalação, de reparos e de manutenção em geral, bem como de usinagem, solda, tratamento e revestimento em metais; transporte municipal de passageiros; da prestação de serviços de transportes intermunicipais e interestaduais de cargas; escritórios de serviços contábeis, observado o disposto nos 6º. produções cinematográficas, audiovisuais, artísticas e culturais, sua exibição ou apresentação, inclusive no caso de música, literatura, artes cênicas, artes visuais, cinematográficas e audiovisuais (à partir de 01/01/2010). Fisioterapia, corretagem de seguros, corretagem de imóveis, Serviços prestados mediante locação de bens imóveis próprios com a finalidade de exploração de salões de festas, centro de convenções, escritórios virtuais, stands, quadras esportivas, estádios, ginásios, auditórios, casas de espetáculos, parques de diversões, canchas e congêneres, para realização de eventos ou negócios de qualquer natureza.; Serviço de transporte intermunicipal e interestadual de passageiros, na modalidade fluvial, ou quando possuir características de transporte urbano ou metropolitano ou realizar-se sob fretamento contínuo em área metropolitana para o transporte de estudantes e trabalhadores (retirando-se o ISS e acrescentando-se o ICMS) (à partir de 01/01/2015). Também poderá optar pelo Simples Nacional a ME ou EPP que se dedique à prestação de outros serviços que não tenham sido objeto de vedação expressa neste artigo, desde que não incorra em nenhuma das hipóteses de vedação previstas nesta Resolução e no caso de locação de bens móveis deve-se utilizar esta tabela sem a alíquota da coluna do ISS.

12 Anexo IV Partilha do Simples Nacional Serviços Efeitos a partir de 01/01/ O INSS não está incluso. Receita Bruta Total em 12 meses (em R$) Alíquota IRPJ CSLL COFINS PIS/PASEP ISS Até ,00 4,50% 0,00% 1,22% 1,28% 0,00% 2,00% De ,01 a ,00 6,54% 0,00% 1,84% 1,91% 0,00% 2,79% De ,01 a ,00 7,70% 0,16% 1,85% 1,95% 0,24% 3,50% De ,01 a ,00 8,49% 0,52% 1,87% 1,99% 0,27% 3,84% De ,01 a ,00 8,97% 0,89% 1,89% 2,03% 0,29% 3,87% De ,01 a ,00 9,78% 1,25% 1,91% 2,07% 0,32% 4,23% De ,01 a ,00 10,26% 1,62% 1,93% 2,11% 0,34% 4,26% De ,01 a ,00 10,76% 2,00% 1,95% 2,15% 0,35% 4,31% De ,01 a ,00 11,51% 2,37% 1,97% 2,19% 0,37% 4,61% De ,01 a ,00 12,00% 2,74% 2,00% 2,23% 0,38% 4,65% De ,01 a ,00 12,80% 3,12% 2,01% 2,27% 0,40% 5,00% De ,01 a ,00 13,25% 3,49% 2,03% 2,31% 0,42% 5,00% De ,01 a ,00 13,70% 3,86% 2,05% 2,35% 0,44% 5,00% De ,01 a ,00 14,15% 4,23% 2,07% 2,39% 0,46% 5,00% De ,01 a ,00 14,60% 4,60% 2,10% 2,43% 0,47% 5,00% De ,01 a ,00 15,05% 4,90% 2,19% 2,47% 0,49% 5,00% De ,01 a ,00 15,50% 5,21% 2,27% 2,51% 0,51% 5,00% De ,01 a ,00 15,95% 5,51% 2,36% 2,55% 0,53% 5,00% De ,01 a ,00 16,40% 5,81% 2,45% 2,59% 0,55% 5,00% De ,01 a ,00 16,85% 6,12% 2,53% 2,63% 0,57% 5,00% construção de imóveis e obras de engenharia em geral, inclusive sob a forma de subempreitada, execução de projetos e serviços de paisagismo, bem como decoração de interiores; serviço de vigilância, limpeza ou conservação; serviços de advocacia.

13 Anexo V Partilha do Simples Nacional Serviços Efeitos a partir de O INSS está incluso, porém deve-se somar o ISS do Anexo IV. Receita Bruta em 12 meses (em R$) (r)<0,10 0,10=< (r) e (r) < 0,15 0,15=< (r) e (r) < 0,20 0,20=< (r) e (r) < 0,25 0,25=< (r) e (r) < 0,30 0,30=< (r) e (r) < 0,35 0,35 =< (r) e (r) < 0,40 (r) >= 0,40 Até ,00 17,50% 15,70% 13,70% 11,82% 10,47% 9,97% 8,80% 8,00% De ,01 a ,00 17,52% 15,75% 13,90% 12,60% 12,33% 10,72% 9,10% 8,48% De ,01 a ,00 17,55% 15,95% 14,20% 12,90% 12,64% 11,11% 9,58% 9,03% De ,01 a ,00 17,95% 16,70% 15,00% 13,70% 13,45% 12,00% 10,56% 9,34% De ,01 a ,00 18,15% 16,95% 15,30% 14,03% 13,53% 12,40% 11,04% 10,06% De ,01 a ,00 18,45% 17,20% 15,40% 14,10% 13,60% 12,60% 11,60% 10,60% De ,01 a ,00 18,55% 17,30% 15,50% 14,11% 13,68% 12,68% 11,68% 10,68% De ,01 a ,00 18,62% 17,32% 15,60% 14,12% 13,69% 12,69% 11,69% 10,69% De ,01 a ,00 18,72% 17,42% 15,70% 14,13% 14,08% 13,08% 12,08% 11,08% De ,01 a ,00 18,86% 17,56% 15,80% 14,14% 14,09% 13,09% 12,09% 11,09% De ,01 a ,00 18,96% 17,66% 15,90% 14,49% 14,45% 13,61% 12,78% 11,87% De ,01 a ,00 19,06% 17,76% 16,00% 14,67% 14,64% 13,89% 13,15% 12,28% De ,01 a ,00 19,26% 17,96% 16,20% 14,86% 14,82% 14,17% 13,51% 12,68% De ,01 a ,00 19,56% 18,30% 16,50% 15,46% 15,18% 14,61% 14,04% 13,26% De ,01 a ,00 20,70% 19,30% 17,45% 16,24% 16,00% 15,52% 15,03% 14,29% De ,01 a ,00 21,20% 20,00% 18,20% 16,91% 16,72% 16,32% 15,93% 15,23% De ,01 a ,00 21,70% 20,50% 18,70% 17,40% 17,13% 16,82% 16,38% 16,17% De ,01 a ,00 22,20% 20,90% 19,10% 17,80% 17,55% 17,22% 16,82% 16,51% De ,01 a ,00 22,50% 21,30% 19,50% 18,20% 17,97% 17,44% 17,21% 16,94% De ,01 a ,00 22,90% 21,80% 20,00% 18,60% 18,40% 17,85% 17,60% 17,18% cumulativamente administração e locação de imóveis de terceiros; academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais; academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes; elaboração de programas de computadores, inclusive jogos eletrônicos, desde que desenvolvidos em estabelecimento do optante; licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação; planejamento, confecção, manutenção e atualização de páginas eletrônicas, desde que realizados em estabelecimento do optante; empresas montadoras de estandes para feiras; laboratórios de análises clínicas ou de patologia clínica; serviços de tomografia, diagnósticos médicos por imagem, registros gráficos e métodos óticos, bem como ressonância magnética; serviços de prótese em geral (até 31/12/2014).

14 Anexo VI Partilha do Simples Nacional Serviços Efeitos a partir de TABELA AINDA EM ELABORAÇÃO alíquotas entre 16,93% e 22,45%. Medicina, inclusive laboratorial e enfermagem; Medicina veterinária; Odontologia; Psicologia, psicanálise, terapia ocupacional, acupuntura, podologia, fonoaudiologia e de clínicas de nutrição, de vacinação e bancos de leite; Serviços de comissaria, de despachantes, de tradução e de interpretação; Arquitetura, engenharia, medição, cartografia, topografia, geologia, geodésia, testes, suporte e análises técnicas e tecnológicas, pesquisa, design, desenho e agronomia; Representação comercial e demais atividades de intermediação de negócios e serviços de terceiros Perícia, leilão e avaliação; Auditoria, economia, consultoria, gestão, organização, controle e administração Jornalismo e publicidade; Agenciamento, exceto de mão-de-obra; Outras atividades do setor de serviços que tenham por finalidade a prestação de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural, que constitua profissão regulamentada ou não, desde que não sujeitas à tributação na forma dos Anexos III, IV ou V da LC 123/2006.

15 Estaduais ICMS Apura-se mediante sistema de compensações de créditos e débitos com alíquota de 7%, 12%, 18% e 25%. Período de apuração : mensal Vencimento : diversos, dependendo da atividade e do porte de sua empresa. Municipais ISS Alíquota : 2%, 3% ou 5% Base de Cálculo : Prestação de serviços. Período de apuração : mensal Vencimento : dia 9 do mês seguinte Para as empresas uniprofissionais de prestação de serviços regulamentada o ISS é uma taxa anual que é calculada pelo número de profissionais. IPTU É um imposto anual cujo lançamento cabe exclusivamente à Prefeitura e o carnê é enviado diretamente para seu endereço, sem qualquer interferência do contador. Taxa de Licença, Propaganda e Publicidade e de Funcionamento É uma taxa anual cujo lançamento cabe exclusivamente à Prefeitura e o carnê é enviado diretamente para seu endereço, sem qualquer interferência do contador. Previdenciários e Trabalhistas INSS É calculado tendo por base a folha de pagamento, pró-labore e de autônomos de sua empresa e compõe-se de uma parcela descontada do segurado e outra como custo da empresa, além do seguro acidente e do sistema S. Vencimento : até o dia 20 do mês seguinte.

16 FGTS Alíquota : 8,00% ou 8,50% Base de Cálculo : Folha de Pagamento Vencimento : até o dia 7 do mês seguinte. Imposto Sindical dos Empregados É calculado como um dia de trabalho por ano do empregado e descontado do mesmo. Vencimento : maio de todo ano, ou no mês seguinte a contratação. Imposto Sindical Patronal É calculado de acordo com cada sindicato por uma tabela que enquadra o capital social de sua empresa. Contribuição Assistencial e Confederativa É calculado com base nos acordos, convenções e dissídios coletivos da categoria sindical de seu empregado, e descontado do mesmo. Vigilância Sanitária Todos os estabelecimentos que comercializam, manipulam, transportam, armazenam ou simplesmente fornecem alimentos; além daqueles que cuidam de saúde como clínicas médicas, dentárias, de embelezamento, etc, devem possuir uma licença da vigilância sanitária. A obtenção desta licença possui uma burocracia complicada, pois envolve de engenheiros e obras até a elaboração de um manual de informações e procedimentos com os alimentos, sua conservação, sua manipulação, seu uso, sua higienização, etc Para conseguir o alvará sanitário, sua empresa além de estar com as obras aprovadas pela vigilância deve, pagar uma taxa e apresentar cópia do último projeto da construção aprovado e do habite-se, ter um laudo de desinsetização e desratização assinado pelo responsável técnico junto com a nota fiscal do serviço bem como a cópia da inscrição municipal e da licença Sanitária do prestador do serviço, laudo de higienização e limpeza da caixa d água junto com a cópia da inscrição municipal do prestador do serviço, carteira de saúde dos funcionários e sócios, laudo do corpo de bombeiros, manual de boas práticas operacionais, manual de procedimento operacional padrão e por último sua empresa deve ter alguém (empregado ou sócio) habilitado, ou seja, que tenha um diploma de algum curso fornecido pelo SESC, SESI ou SEBRAE, ou Sindicato, para ser o responsável pelo

17 cumprimento das boas práticas. Todos os documentos deverão ser atualizados anualmente ou antes de seu vencimento. CETESB/IBAMA Toda e qualquer empresa que opere com atividades potencialmente poluidoras como por exemplo as indústrias em geral, os postos de gasolina, as confecções, marcenarias, serralharias, etc, devem ter seu projeto submetido à CETESB para a obtenção da licença de instalação antes de qualquer outro procedimento de abertura de empresa. Como a elaboração deste projeto requer conhecimentos e dados técnicos como potência de máquinas, ruído emanado, consumo de energia, disposição das máquinas no prédio, etc, sugerimos a contratação de um engenheiro para evitar problemas. O cadastro das empresas potencialmente poluidoras junto ao IBAMA será providenciado pelo escritório e a taxa trimestral será emitida pelo site e enviada aos clientes. ANP Órgão regulador das atividades dos postos de combustíveis tem a finalidade de fazer o cadastro dos mesmos e fiscalizar os postos quanto ao cumprimento de suas normas, especialmente no que diz respeito à qualidade dos combustíveis. Todo posto de gasolina deve ter à disposição dos consumidores um kit para a checagem da qualidade dos combustíveis e uma placa com os dados da empresa e da ANP e seus telefones. ECAD Este órgão regula e cobra os direitos autorais. Para evitar multas ou a cobrança de taxas, seu estabelecimento não pode ter sistema de som seja mecânico (rádios, CD s, DVD s) ou ao vivo. Também não podem ser comercializados produtos que não tenham pago direitos autorais e de imagem como camisetas, jóias e etc com símbolos de times de futebol ou figuras de pessoas e etc. IPEM O instituto tem por objetivo mensurar a qualidade dos produtos seja com relação a composição e data de validade dos mesmos ou seja com relação a embalagem ou peso e medidas e suas etiquetas. De qualquer maneira procure se inteirar sobre as normas do IPEM, principalmente se sua empresa embala e/ou etiqueta produtos.

18 PROCON O Procon protege o consumidor e regula as relações entre estes e os empresários. Com função punitiva, a fiscalização do Procon dificilmente deixa de autuar uma empresa quando da visita. Vários fatores estão sob a vigilância do fiscal do Procon, tais como cartazes de preços, juros e taxas, cartões de crédito, peso, quantidade e qualidade dos produtos vendidos em seu estabelecimento, etc. Como sempre a mensagem é estar sempre atento e não fazer de seu cliente uma pessoa que denunciará sua empresa. ALGUNS SITES ÚTEIS : nfp.fazenda.sp.gov.br

19

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25%

TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006. Até 180.000,00 4,00% 0,00% 0,00% 0,00% 0,00% 2,75% 1,25% ... Informativo 0 Página 0 Ano 2015 TABELAS DE ALÍQUOTAS A PARTIR DE 2015 ANEXO I DA LEI COMPLEMENTAR 123, DE 14 12 2006 Alíquotas e Partilha do Simples Nacional Comércio Receita Bruta em 12 meses (em

Leia mais

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES

Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015. Lucro Real. Outros Modelos de Tributação. Compreender como funciona o SIMPLES Objetivo SIMPLES NACIONAL 2015 Vicente Sevilha Junior setembro/2014 Compreender como funciona o SIMPLES Entender quais atividades podem ou não optar pelo SIMPLES Analisar as tabelas e percentuais do SIMPLES

Leia mais

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO

SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO SIMPLES NACIONAL LC 128/08 VALDIR DONIZETE SEGATO 1 Empresário Contábil, MBA em Contabilidade Empresarial pela PUC-SP, Delegado Regional do CRC-SP em Jundiai, Professor Universitário e de Pós-Graduação.

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL

SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO SIMPLES NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO SIMPLES NACIONAL SEÇÃO II DAS VEDAÇOES AO INGRESSO AO NACIONAL DAS ATIVIDADES PERMITIDAS A ADESÃO AO NACIONAL ART. 17 Parágrafo 1º - As vedações relativas a exercício das atividades previstas no caput não se aplica as

Leia mais

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO

IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO IV ENCONTRO DO SIMPLES NACIONAL FISCALIZAÇÃO PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Agosto/2011 Fiscalização - Legislação Resoluções CGSN 30,15,10,6, 5 e 51 LC 123/2006 e Alterações Fiscalização Fiscalização

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível

MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS. A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014

O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e. Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 O SUPER SIMPLES E AS EMPRESAS DO RAMO DE SAÚDE José Alberto C. Muricy e Jorge Pereira de Souza Colaboração: Daniel Queiroz Filho Outubro/2014 PROGRAMA A INTRODUÇÃO DO SUPER SIMPLES PARA OS SERVIÇOS DE

Leia mais

MANUAL Processo Simples Nacional

MANUAL Processo Simples Nacional 1. VISÃO GERAL 1.1 OBJETIVOS: Conforme combinação com a Equipe Teorema Joinville teríamos que criar uma tabela de Receitas, uma tabela com as alíquotas por faturamento com data inicial final de validade,

Leia mais

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda

Cobras Contabilidade Brasília S/S Ltda MANUAL DO CLIENTE PROCEDIMENTOS NA ÁREA ADMINISTRATIVA A - QUADROS A.1 - Após a constituição da empresa, deverá ser mantido em local visível seu quadro de avisos para análise da fiscalização os seguintes

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

Simples Nacional. Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido

Simples Nacional. Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido Simples Nacional Repercussão jurídico-econômica de sua adesão frente às novas categorias/atividades incluídas e a tributação pelo lucro presumido Gramado RS 27 de junho de 2015 O SIMPLES Nacional é um

Leia mais

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa.

Obrigado por nos ajudar a ajudar sua empresa. Manual do Cliente Manual do cliente Prezado cliente, Para que sua empresa esteja sempre regular perante todas as esferas de fiscalização existentes, é necessário que mensalmente um conjunto de informações

Leia mais

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços

Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Simples Nacional versus Lucro Presumido: Uma análise da tributação nas Empresas Prestadoras de Serviços Resumo O objetivo deste trabalho é comparar o custo tributário no Simples Nacional com o custo tributário

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE

MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE MANUAL DE ORIENTAÇÃO AO CLIENTE ORGANIZAÇÃO CONTÁBIL RAJA LTDA. I - INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo orientar ao cliente quanto aos procedimentos realizados por nossa empresa, para que todos tenham

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte.

SIMPLES NACIONAL. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas Microempresas e Empresas de Pequeno Porte. SIMPLES NACIONAL Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno

Leia mais

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação.

Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. Tipos de Empresas, Requisitos e Passos para Abertura, Abertura Empresas Virtuais, Tributação. 1) Tipos de Empresas Apresenta-se a seguir, as formas jurídicas mais comuns na constituição de uma Micro ou

Leia mais

CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO

CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO CIRCULAR 001/2006 INSTRUÇÕES PARA ARQUIVO Seguem abaixo, orientações sobre o arquivo de documentos em vossa empresa, para sua segurança e para melhor controle administrativo, facilitando assim qualquer

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional.

SIMPLES NACIONAL. A partir de 01/07/2007 deixa de existir o Simples que conhecemos atualmente (Lei 9.317/96) e passa a Existir o Simples Nacional. SIMPLES NACIONAL Visando um esclarecimento a todos os nossos clientes, elaboramos a presente cartilha com o máximo de informações para auxiliar no entendimento do novo sistema de recolhimento de impostos.

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS

FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS FAQ - PERGUNTAS E RESPOSTAS ESCRITA FISCAL A nota eletrônica é melhor do que a nota em papel? Sim a nota eletrônica não possui custo para emissão, necessitando apenas de um computador, um certificado digital

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE

MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE MANUAL E ROTEIRO DE REGISTRO DE EMPRESAS E ENTENDIMENTO DOS SERVIÇOS RELACIONADOS À CONTABILIDADE Elaborado por: KLUKE SERV. CONT. E ECON. LTDA. Em: Janeiro de 2008 Atualizado em: Novembro de 2008 REGISTRO

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 2015

SIMPLES NACIONAL 2015 SIMPLES NACIONAL 2015 Salvo novas Resoluções do Comitê Gestor do Simples Nacional segue: TABELAS DE INCIDÊNCIA E NOVAS ATIVIDADES PERMITIDAS AO SIMPLES NACIONAL Atividades Permitidas Anexo I Empresa Comercial

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS

INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS Novo Hamburgo, 09 de setembro de 2014. INFORMATIVO 09/2014 IRPJ - LUCRO PRESUMIDO: PERMUTA DE IMÓVEIS Com a publicação do Parecer Normativo nº 9, de 2014 (DOU de 5.9.2014), a Receita Federal consolidou

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA REMESSA DE DOCUMENTOS PARA CONTABILIZAÇÃO Através deste manual, a Tecnicont pretende orientar seus clientes e facilitar os procedimentos a serem realizados no envio de documentos

Leia mais

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS.

ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. ELABORACAO DE PLANO DE NEGÓCIOS. Resumo efetuado a partir do Manual Como Elaborar um plano de negócios SEBRAE/ 2013 Profa. Célia Regina Beiro da Silveira ESTRUTURA DO PLANO DE NEGÓCIOS PARA O 1º CONCURSO

Leia mais

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal;

III - de cujo capital participe entidade da administração pública, direta ou indireta, federal, estadual ou municipal; Guia do Supersimples ENQUADRAMENTO E RESTRIÇÕES I - Enquadramento e Restrições OSupersimples ou Simples Nacional, instituído pela Lei Complementar 123/06, que entrou em vigor no dia 1º de julho de 2007,

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2011 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

A conquista que gera crescimento para o Brasil

A conquista que gera crescimento para o Brasil ÍNDICE 01 - Mensagem do presidente... 03 02 - Apresentação... 04 03 - O que é o Simples Nacional... 05 04 - Conceitos de ME e EPP... 06 05 - Quem pode e como fazer a opção pelo Simples... 07 06 - Como

Leia mais

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil

Planejamento Tributário Simples Nacional. Fabricio Oenning Pensamento Contábil Planejamento Tributário Simples Nacional Fabricio Oenning Composição: Este treinamento está composto pelas seguintes aulas: Aula 1 Simples Nacional Aula 2 Lucro Real Aula 3 Lucro Presumido Nossa Agenda

Leia mais

BOTELHO & BOTELHO www.botelho.adv.br ADVOGADOS ASSOCIADOS 1

BOTELHO & BOTELHO www.botelho.adv.br ADVOGADOS ASSOCIADOS 1 BOTELHO & BOTELHO www.botelho.adv.br ADVOGADOS ASSOCIADOS 1 Palestrante: BOTELHO & BOTELHO Advogados Associados Luiz Claudio Botelho www.botelho.adv.br luizbotelho@botelho.adv.br SIMPLES NACIONAL EMPRESAS

Leia mais

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti

Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Palestrante: Anderson Aleandro Paviotti Perfil do Palestrante: Contador, Consultor e Professor Universitário Colaborador do Escritório Santa Rita desde 1991 Tributação das Médias e Pequenas Empresas Como

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE PROCEDIMENTOS. Clientes ContMais

GUIA RÁPIDO DE PROCEDIMENTOS. Clientes ContMais GUIA RÁPIDO DE PROCEDIMENTOS Clientes ContMais G U I A R Á P I D O D E P R O C E D I M E N T O S ContMais Assessoria Contábil ContMais Assessoria Contábil Rua Antonio José da Silva Martelinho nº 192 Parque

Leia mais

Tributação. Cartilha

Tributação. Cartilha Tributação Cartilha Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial CARTILHA TRIBUTAÇÃO Brasília DF 2012 2012. Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e

Leia mais

Índice. 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8. 2.1. Introdução...

Índice. 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8. 2.1. Introdução... Índice 1. Resolução Comitê Gestor do Simples Nacional nº 94/2011 - DOU 1º.12.2011 - (Excerto)...2 2. PGDAS-D...8 2.1. Introdução...8 2.2. Acesso ao PGDAS-D...8 2.3. Aviso de Cobrança...9 2.4. Contribuinte

Leia mais

8. Regularização do Negócio

8. Regularização do Negócio 8. Regularização do Negócio Conteúdo 1. Forma Jurídica das Empresas 2. Consulta Comercial 3. Busca de Nome Comercial 4. Arquivamento do contrato social/requerimento de Empresário 5. Solicitação do CNPJ

Leia mais

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM

TABELA DE RETENÇÃO NA FONTE DAS CONTRIBUIÇÕES - PIS/COFINS/CSLL. SIM (ADI n 10/2004) SIM Serviços/Atividades - PJ Prestadora de Serviços Adiantamento (por conta de aquisições de bens ou prestação de serviços para entrega futura) Administração de bens ou negócios Administração de obras, elaboração

Leia mais

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil

Espécies de Sociedades de acordo com o novo Código Civil Empresas: Passos para abertura de empresa: 1. Definir qual o tipo de Pessoa Jurídica irá compor: 1.1 Sociedade Se constitui quando duas ou mais pessoas se obrigam a contribuir, com bens ou serviços, para

Leia mais

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui

Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo 1 2 3 4 5 6 Clique e veja o compromisso do dia aqui Atenção 01 Aqueles contribuintes obrigados ao envio mensal do arquivo SINTEGRA ao SEFAZ, devem observar a data de entrega, conforme definido pelo fisco. Atenção 02 Essas informações não substituem aquelas

Leia mais

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012

CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 CARGA TRIBUTÁRIA ANO 2012 Orientações Básicas INFORMAÇÕES GERAIS PESSOA JURÍDICA 1) DCTF : (Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais) ATENÇÃO! Apresentação MENSAL obrigatória pelas Pessoas

Leia mais

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334

http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 http://www2.camara.gov.br/internet/homeagencia/materias.html?pk=95334 (Reprodução autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara') Agência Câmara Tel. (61) 3216.1851/3216.1852 Fax. (61) 3216.1856

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

Microempreendedorismo: As empresas de pequeno porte e o SIMPLES. Rio de Janeiro, RJ 18 de outubro de 2013

Microempreendedorismo: As empresas de pequeno porte e o SIMPLES. Rio de Janeiro, RJ 18 de outubro de 2013 Microempreendedorismo: As empresas de pequeno porte e o SIMPLES Rio de Janeiro, RJ 18 de outubro de 2013 Simples Nacional: O Processo de Conquistas Lei Geral da Micro e Pequena Empresa - Histórico 1988

Leia mais

Simples Nacional: modificações da LC 147/2014 Silas Santiago

Simples Nacional: modificações da LC 147/2014 Silas Santiago Simples Nacional: modificações da LC 147/2014 Silas Santiago Secretário-Executivo Comitê Gestor do Simples Nacional Ministério da Fazenda 1 Anexo I NOVAS ATIVIDADES comércio atacadista de refrigerantes

Leia mais

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI Seminário tripartite - OIT Políticas para superar a informalidade Maio/09 - Brasília - DF 12/08 07/09

Leia mais

1. Fluxo de documentação

1. Fluxo de documentação 1. Fluxo de documentação É de fundamental importância o envio de toda documentação financeira para atender as exigências impostas pelo fisco e evitar problemas futuros à empresa. Prazo de envio: É ideal

Leia mais

I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia

I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia O Microempreendedor Individual Receita Federal do Brasil - Vitória da Conquista - Bahia 05/06/2009 1. É novidade no Direito brasileiro. 2. Vigência: 01/07/2009.

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I.

1,5 % - Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) 1 % - Contribuição Social (C.S.L.L) 3% - Cofins 0,65 % - Programa de Integração Social (P.I. 1 CONTAJURIS ASSESSORIA EMPRESARIAL S/C LTDA Rua Sady de Marco, 52-D Bairro Jardim Itália Chapecó SC www.contajuris.com.br - Fone: 49 3323-1573 / 3323-0388 A partir de Fevereiro/2004 as empresas de serviços

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente facadiferente.sebrae.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA blogdosempreendedores.com.br Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae, Vol. 1, março 2008) 2.307.530

Leia mais

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006

Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte Lei Complementar n.º 123/2006 Baião & Filippin Advogados Associados Adv.: João Paulo de Mello Filippin Lei Complementar n.º 123/2006 Desburocratização;

Leia mais

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar

1.1.2.07.001 Empréstimos a empregados 1.1.2.07.002 Empréstimos a terceiros 1.1.2.08 Tributos a Compensar 1.1.2.08.001 IR Retido na Fonte a Compensar A seguir um modelo de Plano de Contas que poderá ser utilizado por empresas comerciais, industriais e prestadoras de serviços, com as devidas adaptações: 1 Ativo 1.1 Ativo Circulante 1.1.1 Disponível 1.1.1.01

Leia mais

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal?

67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS 67. As ME e EPP, optantes ou não pelo Simples Nacional, podem emitir que tipo de nota fiscal? Nas operações de vendas a contribuinte, a Nota Fiscal, modelos 1 e 1-A ou a Nota Fiscal

Leia mais

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006)

QUADRO DE PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DA LEI GERAL DAS MPE (LC 123/2006) Universalização do Simples Nacional Não podem optar pelo Simples as empresas prestadoras de serviços decorrentes do exercício de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística

Leia mais

Lei Complementar 128 / 2008 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

Lei Complementar 128 / 2008 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Lei Complementar 128 / 2008 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) É o empresário individual (sem sócio) que tenha auferido receita bruta anual de até R$ 36.000,00. (Faturamento médio de R$ 3 mil/mês) O Microempreendedor

Leia mais

Legalização de Empresa (Plano Platinum) MEI (Micro Empreendedor Individual) Plano Platinum. Contabilidade (Plano Silver) Valor com desconto

Legalização de Empresa (Plano Platinum) MEI (Micro Empreendedor Individual) Plano Platinum. Contabilidade (Plano Silver) Valor com desconto Descrição Prazo Valor Integral Valor com desconto Legalização de Empresa (Plano Platinum) Até 30 dias corridos 1.200 850,00 Abertura Completa de sua empresa: Contrato Social, CNPJ, Alvará, Inscrição Estadual).

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria nº 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Componente Curricular: LABORATÓRIO CONTÁBIL Código: CTB-491 Pré-requisito: ---------- Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

7. Viabilidade Financeira de um Negócio

7. Viabilidade Financeira de um Negócio 7. Viabilidade Financeira de um Negócio Conteúdo 1. Viabilidade de um Negócios 2. Viabilidade Financeira de um Negócio: Pesquisa Inicial 3. Plano de Viabilidade Financeira de um Negócio Bibliografia Obrigatória

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Alterações promovidas pela LC 147/2014 ADRIANO DE FIGUEIREDO FERREIRA

SIMPLES NACIONAL. Alterações promovidas pela LC 147/2014 ADRIANO DE FIGUEIREDO FERREIRA SIMPLES NACIONAL Alterações promovidas pela LC 147/2014 ADRIANO DE FIGUEIREDO FERREIRA Lei Geral da MPE LC 123/2006 BENEFÍCIOS NÃO TRIBUTÁRIOS: - Simplificação na Abertura, Funcionamento e Fechamento de

Leia mais

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições:

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições: PGDAS PGDAS Pág. 1 MANUAL DO PGDAS 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) é um sistema eletrônico para a realização do cálculo

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI)

SIMPLES NACIONAL. Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI) SIMPLES NACIONAL Microempresa (ME) e Empresa de Pequeno Porte (EPP) Microempreendedor Individual (MEI) CLEÔNIMO DOS SANTOS é bacharel em Ciências Contábeis, com MBA em Controladoria Estratégica. Professor

Leia mais

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P

R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/ S C / O C F O I F NS N / S C / S C L S / L I / RP R F P R E T E N Ç Ã O N A F O N T E CONTRIBUIÇÕES PIS/COFINS/CSL/IRPF CONSTITUIÇÃO FEDERAL/88 Art. 149. Compete exclusivamente à União instituir contribuições sociais. Legislação Lei nº 10.833/2003 Art. 30 IN

Leia mais

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA

RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA RESENHA TRIBUTÁRIA ATUALIZADA! As mudanças no PIS e no Cofins! Lucro real e presumido! IR e CSLL! Simples Francisco Cavalcante (francisco@fcavalcante.com.br) Sócio-Diretor da Cavalcante & Associados, empresa

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços

Retenções na Fonte. Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenções na Fonte Normas e Procedimentos para retenções de tributos municipais, estaduais e federais para prestadores de serviços Retenção na Fonte IRPJ (1,5% ). Fato Gerador - O imposto de renda na fonte

Leia mais

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013

Retenção de IRRF DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 DNT/SSSCI/SF MAIO 2013 Realização Secretaria da Fazenda Subsecretaria do Sistema de Controle Interno Departamento de Normas Técnicas Apresentação David Mendes Fabri Monique Junqueira Ferraz Zanella RESPONSABILIDADE

Leia mais

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64

CENTRAIS DE ABASTECIMENTO DE CAMPINAS S/A - CEASA/CAMPINAS CNPJ: 44.608.776/0001-64 1.... ATIVO 152.101.493,67 50.040.951,48 153.182.697,98 1.10... ATIVO CIRCULANTE 12.634.079,13 49.780.167,34 14.042.894,83 1.10.10.. DISPONIBILIDADES 10.621.727,62 40.765.261,82 12.080.213,47 1101001 BENS

Leia mais

FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO

FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO FLUXOGRAMAS DE PROCEDIMENTOS PARA CONCESSÃO DE ALVARÁS DE FUNCIONAMENTO FOZ DO IGUAÇU PR 2008 INSTRUÇÕES PARA USO DESTE MATERIAL Este material foi elaborado para facilitar o acesso às exigências tributárias

Leia mais

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves

Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves Principais Formas de Tributação no Brasil Reginaldo Gonçalves 2.1 A Tributação no Brasil 2.2 Opção pela Tributação - Lucro Real 2.3 Opção pela Tributação - Lucro Presumido 2.4 Opção pela Tributação - Lucro

Leia mais

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras Notas Explicativas das Demonstrações Financeiras No ano de 2012 o Londrina Country Club atualizou o plano de contas de sua demonstração de resultado. O objetivo é atualizar a nomenclatura das contas permitindo

Leia mais

Simples Nacional Alterações: Lei Complementar Nº 147/2014. Anderson Oliveira 08/10/2014

Simples Nacional Alterações: Lei Complementar Nº 147/2014. Anderson Oliveira 08/10/2014 Simples Nacional Alterações: Lei Complementar Nº 147/2014 Anderson Oliveira 08/10/2014 Palestrante: Anderson Oliveira Contador e consultor empresarial. Realizou diversas palestras por todo o Ceará, explicando

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO Prof. Cássio Marques da Silva 2015 SIMPLES NACIONAL LC 123, 14 de Dezembro de 2006 Alterada pela LC 127, 14 de Agosto de 2007 Alterada pela LC 128, 19 de Dezembro de 2008 Alterada pela LC 133, 28 de Dezembro

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014

SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL. Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas. Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 SIEEESP - SEMINÁRIO JURIDICO EDUCACIONAL Tributação das Instituições de Ensino Particulares Perspectivas e Medidas Wagner Eduardo Bigardi 27/05/2014 Sistema Tributário Nacional Conjunto de regras jurídicas

Leia mais

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT

Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. DRF/Cuiabá/MT Lei Complementar 123, de 14 de Dezembro de 2006. Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte DRF/Cuiabá/MT Características principais do Regime do Simples Nacional: 1. Abrange a participação

Leia mais

ALTERAÇÕES REFERENTES À LEI COMPLEMENTAR 123/2006 (SIMPLES NACIONAL) PROMOVIDAS PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 147/2014

ALTERAÇÕES REFERENTES À LEI COMPLEMENTAR 123/2006 (SIMPLES NACIONAL) PROMOVIDAS PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 147/2014 ALTERAÇÕES REFERENTES À LEI COMPLEMENTAR 123/2006 (SIMPLES NACIONAL) PROMOVIDAS PELA LEI COMPLEMENTAR Nº 147/2014 Alterações relativas à inclusão de novas atividades Como era Não podiam optar pelo Simples

Leia mais

Conquistando Clientes. Comprovantes de Renda

Conquistando Clientes. Comprovantes de Renda Política de Crédito 03 Conquistando Clientes Documentação Necessária Comprovantes de Residência Comprovantes de Renda 06 09 11 25 Preenchimento das Propostas 02 Conquistando Clientes Para lhe auxiliar

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES

BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES BOLETIM INFORMATIVO LEI COMPLEMENTAR 123/2006 SIMPLES NACIONAL SUPERSIMPLES O Simples Nacional é o regime de apuração instituído pela Lei Complementar nº 123 de 2006, destinado às empresas enquadradas

Leia mais

GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS

GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS GUIA DO EMPRESÁRIO CARTAZES DOCUMENTOS ALVARAS CARTAZES/DOCUMENTOS/ALVARAS Você encontrara neste guia as principais exigências com relação a fixação de cartazes para o seu estabelecimento comercial. Na

Leia mais

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS

ASSUNTOS DIVERSOS FÉRIAS COLETIVAS BOLETIM INFORMATIVO DUARTE BENETTI CONTABILIDADE ANO XXIX Nº 122 Dezembro / 2013 Assuntos Diversos...1 Fiscal... 2 Pessoal... 3 Social... 4 Feriado e Agenda Obrigações...5 Mensagem...6 ASSUNTOS DIVERSOS

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social

IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 43 IMPOSTOS SOBRE O LUCRO! Imposto de Renda e Contribuição Social! As alterações mais recentes da legislação da Contribuição Social João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007

PLANO DE CONTAS. - Plano 000001 FOLHA: 000001 0001 - INSTITUTO DE ELETROTÉCNICA E ENERGIA DA USP DATA: 18/08/2009 PERÍODO: 01/2007 PLANO DE S FOLHA: 000001 1 - ATIVO 1.1 - ATIVO CIRCULANTE 1.1.1 - DISPONÍVEL 1.1.1.01 - BENS NUMERÁRIOS 1.1.1.01.0001 - (0000000001) - CAIXA 1.1.1.02 - DEPÓSITOS BANCÁRIOS 1.1.1.02.0001 - (0000000002)

Leia mais

Retenção de Impostos e Contribuições

Retenção de Impostos e Contribuições Retenção de Impostos e Contribuições COMO A FONTE PAGADORA DEVE DESCONTAR: IR PIS/PASEP COFINS CSLL ISS INSS Resumo do conteúdo: IR Fonte Assalariados / Pro Labore IR Fonte Terceiros e Não Assalariados

Leia mais

O funcionário deve ser avisado de suas férias sempre 30 dias antes de tirá-las.

O funcionário deve ser avisado de suas férias sempre 30 dias antes de tirá-las. Informativo aos Clientes 01 O arquivo PAF ECF deverá gerado e enviado para tca@tcacontabil.com.br todo dia 05 de cada mês, referente ao mês anterior. Ex.: em 05/06/2014 deverá ser enviado o arquivo do

Leia mais

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições:

MANUAL DO PGDAS. O Simples Nacional implica o recolhimento mensal mediante DAS dos seguintes impostos e contribuições: Versão 7 MANUAL DO PGDAS 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional (PGDAS) é um sistema eletrônico para a realização do cálculo do Simples

Leia mais

A universalização do SIMPLES

A universalização do SIMPLES A universalização do SIMPLES Apoio: Sebrae-SP Conselho Deliberativo Presidente Alencar Burti (ACSP) Associação Comercial de São Paulo (ACSP) Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia

Leia mais

O novo Simples Nacional e os reflexos nas Administrações Tributárias Municipais

O novo Simples Nacional e os reflexos nas Administrações Tributárias Municipais O novo Simples Nacional e os reflexos nas Administrações Tributárias Municipais Mauro Hidalgo Ag. Fiscal da Receita Municipal de Porto Alegre - Especialista em Direito Tributário Lei 9.841/1999 Antigo

Leia mais

Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551 1138 (51) 8407 4687 (51) 8406 4966. E-mail:

Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551 1138 (51) 8407 4687 (51) 8406 4966. E-mail: ACESSUS Contabilidade Ltda. CRC RS 3.677 Rua Theodomiro Porto da Fonseca, 210 sala 02 Bairro Centro Estância Velha RS (Próximo à Prefeitura Municipal) Telefones: (51) 3561 1348 (51) 3551 1116 (51) 3551

Leia mais

PROJETO IN$TRUIR - 2014

PROJETO IN$TRUIR - 2014 PROJETO IN$TRUIR - 2014 DÚVIDAS ESCLARECIMENTOS Impostos incidentes sobre a emissão da NF para os convênios Pagamentos dos médicos associados à clínica. Alteração no relatório DMED. (Declaração de Serviços

Leia mais

Formalizando o negócio

Formalizando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Formalizando o negócio Manual Etapa 3/Parte 2 Bem-vindo! É um prazer ter você participando da Etapa 3 do Programa de Auto-Atendimento Negócio Certo,

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais