Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Problemas de Segurança A multiprogramação traz uma série de benefícios, como a melhora do desempenho do sistema e a redução do tempo de resposta (quando utilizada com o sistema de timesharing). No entanto, existem algumas questões importantes relacionadas a segurança que devem ser levadas em consideração em um sistema no qual os recursos são compartilhados por vários processos. Quando um processo de um usuário está no estado executando ele tem controle sobre o processador. Logo, ele pode executar instruções, manipular o valor dos registradores, ter acesso a barramentos, etc. Da mesma forma, ele tem acesso à memória: pode escrever e ler valores. Como então evitar que o processo atualmente em execução consiga: 1. Monopolizar o processador? Isto é, como forçar que o processo eventualmente devolva o controle da execução para o SO? 2. Monopolizar acesso a dispositivos de E/S? Ou seja, como fazer com que processos não usem exclusivamente estes dispositivos? 3. Ler informações guardadas no espaço de endereçamento de outros processos? 4. Alterar (escrever) informações guardadas no espaço de endereçamento de outros processos? Os dois primeiros itens são relacionados ao compartilhamento justo de recursos. Se de alguma forma um processo puder monopolizar o processador, por exemplo, sistemas multiusuário provavelmente não funcionariam. Bastaria que um único usuário decidisse sequestrar o processador e os demais usuários não teriam mais acesso à maquina. Os dois últimos itens se relacionam a confidencialidade e integridade dos dados contidos em memória. Suponha que um processo em execução pudesse ler a memória de outro processo qualquer. Isto significa que, se um usuário do sistema está atualmente acessando sua conta de banco através da máquina, outro usuário poderia capturar todas as informações (senhas, saldos, movimentações, etc) apenas escrevendo um programa que fizesse leitura da memória. Talvez até mais sério, se um processo pudesse escrever na memória de outro processo, um usuário poderia realizar transações na conta bancária do outro, apenas manipulando valores de variáveis. Estas questões, portanto, trazem os seguintes requisitos de segurança a um Sistema Operacional: 1. O SO deve ser capaz de retomar o controle do processador, uma vez que um processo seja colocado para executar. 2. O SO deve ser capaz de impedir acessos de memória a posições externas ao espaço de endereçamento de um processo. 3. O SO deve ser capaz de impedir acesso direto a dispositivos de E/S por parte dos processos dos usuários.

2 Infelizmente, em sistemas monoprocessados, o SO não tem como realizar qualquer tipo de ação, uma vez que um processo seja colocado para executar. Isso porque qualquer ação de controle depende da utilização do processador (que por hipótese está em posse do processo). Logo, a solução para estes problemas de segurança precisa obrigatoriamente passar por algum tipo de suporte do hardware. Este suporte será dado através de 3 mecanismos básicos: 1. Temporizadores: o processador tem um relógio ou um contador que pode ser configurado para um valor determinado. Quando o tempo pré-configurado expira, uma interrupção é disparada. 2. Validação de endereços de memória: o processador tem um circuito auxiliar que verifica o valor do endereço de memória acessado a cada instrução. Se este valor for inválido, uma interrupção é disparada. 3. Instruções restritas: o processador tem um sub-conjunto de instruções cujo acesso é permitido apenas para o SO. Se algum processo de aplicação tenta executar uma destas instruções, uma interrupção é disparada. Os 3 mecanismos utilizam a funcionalidade de interrupções. Uma interrupção é um sinal recebido pelo processador que o avisa que determinados eventos ocorreram. Em geral, existem vários tipos de interrupções diferentes, representando a ocorrência de vários tipos distintos de eventos. O hardware reserva uma região específica da memória para guardar uma tabela de tratadores de interrupção. Cada entrada desta tabela corresponde a uma interrupção específica e contém o endereço de memória inicial de uma rotina de tratamento da interrupção. Ao ser carregado, é tarefa do SO preencher as entradas desta tabela com os endereços das suas rotinas de tratamento de interrupção. Quando uma interrupção é detectada pelo processador, ele aborta a execução atual, salva o contexto básico (valores de alguns registradores), consulta a tabela de tratadores de interrupção e passa a execução para o tratador adequando (faz o registrador PC apontar para o endereço da rotina). Os tratadores de interrupção são parte do SO. Logo, uma vez que a rotina de tratamento de interrupção é chamada, o controle do processador já está de volta com o Sistema Operacional. Daí para frente, o SO pode tomar as atitudes cabíveis para controlar a situação. Por exemplo, se o SO identifica que a interrupção foi causada pelo estouro do temporizador, ele pode decidir colocar um novo processo em execução. Existem três tipos básicos de interrupção: as interrupções de hardware, as interrupções de software e as interrupções geradas por erros de execução. Interrupções de hardware são aquelas disparadas por dispositivos de hardware, como uma placa de rede ou o temporizador do processador. Interrupções de software são causadas pela execução de uma instrução específica do processador, em geral denominada INT. Esta instrução pode ser executada por processos, quando necessitam da intervenção do SO. Por fim, as interrupções causadas por erros são aquelas que indicam que algo na execução de uma instrução não ocorreu corretamente. Por exemplo, uma instrução de divisão que recebe o denominador 0 pode disparar uma interrupção para alertar sobre a condição de erro. Interrupções podem ainda ter prioridades diferentes. Em geral, dispositivos de E/S diferentes

3 apresentam prioridades diferentes. Por exemplo, a interrupção causada pela chegada de um novo pacote no buffer da placa de rede é provavelmente mais importante que a interrupção causada pela mudança de posição de um mouse. 2. Modos de Execução do Processador Para dar suporte aos requisitos de segurança dos Sistemas Operacionais, os processadores em geral apresentam mais de um modo de execução. Tradicionalmente, existem dois modos distintos: o modo supervisor e o modo usuário. O modo supervisor é aquele de maior privilégio. Um processo executando em modo supervisor tem acesso a todas as instruções do processador (o que significa acesso a todos os dispositivos de E/S) e a qualquer posição da memória principal. Este modo é o modo padrão, quando a máquina é ligada. A ideia é que o SO comece a ser executado neste modo e possa fazer todas as suas tarefas iniciais. Este modo também é ativado quando um tratador de interrupção é chamado. Ao longo de toda a execução da máquina, quando o núcleo do SO precisa ser executado, ele sempre é executado neste modo. Quando o SO coloca um processo de um usuário para execução, ele antes altera o modo de execução do processador (isto é permitido no modo supervisor). Quando o processo do usuário executa sua primeira instrução, o processador já está em modo usuário. No modo usuário, existem instruções que não são permitidas. Por exemplo, as instruções CLI e STI, que desativam e ativam as interrupções respectivamente, não são permitidas neste modo. Além disso, todo acesso à memória passa a ser verificado pelo processador, analisando se o endereço especificado pertence ou não ao espaço de endereçamento do processo. Processadores mais modernos às vezes implementam um esquema alternativo de diferenciação de modo de execução. Ao invés de utilizarem apenas dois modos, os processadores apresentam vários rings de execução. No ring 0, todos os recursos da máquina estão disponíveis. No ring 1, alguns recursos são restritos. Nos rings sucessivos, o acesso da máquina passa a ficar cada vez mais controlado. A objetivo original da utilização dos rings era a diferenciação de classes de processos. Este esquema dá suporte, por exemplo, ao SO eleger alguns processos que tem um pouco mais de privilégios que outros. Um exemplo disso são os device drivers, ou seja, processos que realizam a manipulação de algum dispositivo de hardware específico, como uma placa de som. No modelo de dois níveis de prioridade, estes device drivers precisam executar no modo supervisor, já que eles precisam de acesso a dispositivos de E/S. No modelo de rings, estes device drivers podem ser executados em um modo um pouco menos privilegiado, aumentando a segurança do SO. Em geral, no entanto, os Sistemas Operacionais atuais não empregam esta funcionalidade, continuando a utilizar basicamente dois modos (o ring 0 para tarefas do SO e o ring de mais baixo privilégio para os demais processos). No entanto, a existência destes vários níveis trouxe

4 benefícios para a área de virtualização de hardware. Hoje, é possível executar uma instância de um Sistema Operacional dentro de outro SO através dos softwares de virtualização. Embora estes softwares não sejam novos, apenas recentemente eles se tornaram realmente eficientes. A ineficiência da virtualização era causada pelo excesso de chamadas ao SO nativo, mesmo para tarefas relativamente simples. Como o software de virtualização era executado em modo usuário, qualquer tarefa classificada como privilegiada requeria a intervenção do SO nativo. Com o advento dos rings de execução, o virtualizador (ou parte dele) pode ser executado em um modo com mais privilégios, evitando o excesso de chamadas ao SO nativo. 3. Proteção de E/S A proteção de acesso aos dispositivos de E/S é feita de maneira muito simples. Dado que os processos dos usuários executam em modo usuário, eles não têm acesso às instruções necessárias para comunicação com os dispositivos (instruções IN e OUT). Isso faz com que os processos sejam forçados a utilizar o SO como um intermediário na utilização de tais dispositivos. Quando um processo de um usuário precisa realizar uma operação de E/S, ele faz uma chamada de sistema ao SO. Essa chamada, geralmente é feita através de uma interrupção de software (instrução INT). A execução da instrução INT faz com que o processador interrompa a execução atual e passe a execução (agora em modo supervisor) para o tratador de interrupções do SO. O tratador de interrupções, então, verifica os parâmetros da chamada, identifica a operação e, caso seja possível, executa o serviço requisitado. Possivelmente, o SO coloca o processo no estado bloqueado, enquanto o mesmo aguarda o resultado da operação. Enquanto a operação é realizada, o SO pode colocar um novo processo em execução. Quando o dispositivo termina a operação, uma interrupção é gerada, o que coloca novamente o SO em execução. Desta vez, o SO identifica qual processo havia requisitado a operação, o desbloqueia e, de alguma forma, repassa os resultados da operação. 4. Proteção de Memória Quando um processo executa em modo usuário, cada acesso à memória é verificado pelo processador antes da execução propriamente dita. Uma maneira de fazer isso é através de um sistema simples de duas comparações. Ao colocar um novo processo em execução, o SO configura o valor de dois registradores específicos: o registrador base e o registrador limite. A cada acesso à memória, um circuito auxiliar com dois comparadores faz as seguintes verificações: 1. Se o endereço a ser acessado é menor que o registrador base, uma interrupção é gerada. 2. Se o endereço a ser acessado é maior ou igual ao registrador limite, uma interrupção é gerada. Estes registradores, portanto, guardam os endereços dos extremos do espaço de endereçamento do processo. Quando o tratador de interrupção do SO é chamado para tratar

5 este tipo de interrupção, ele se encarrega de tomar alguma atitude para corrigir o problema. Em geral, a ação tomada é simplesmente o encerramento do processo com algum código específico de erro. Para que este simples mecanismo funcione, é preciso que o espaço de endereçamento dos processos seja contíguo. Ou seja, o espaço de endereçamento do processo não pode conter buracos, ou estar espalhado em vários pedaços da memória. Como será visto no Capítulo 6, isso nem sempre é verdade, o que resulta na necessidade de mecanismos mais complexos. 5. Proteção do Processador O mecanismo de proteção do processador é bastante simples. Em um sistema baseado em timesharing, por exemplo, o SO escolhe um valor para a fatia de tempo, ou seja, a quantidade de tempo que cada processo tem para usar o processador. Ao colocar um novo processo em execução, o SO configura previamente um temporizador do processador para expirar ao término do slice. Se o processo termina sua execução antes do final do slice, ele simplesmente dispara uma interrupção de sotfware, que eventualmente passará a execução de volta para o SO. Por outro lado, se o slice do processo termina enquanto o processo ainda está executando, o temporizador gera uma interrupção de hardware que faz com que a execução volte ao SO. Neste caso, o SO pode decidir substituir o processo atualmente de posse do processador por outro processo na fila de aptos. Desta forma, o processo que estava no processador é colocado de volta na fila de aptos, aguardando pela oportunidade de receber um novo slice do processador para prosseguir seu processamento. Mesmo em um sistema que não utiliza timesharing (por exemplo, um sistema batch), o SO pode se utilizar do temporizador do processador para evitar que processos abusem do uso deste recurso. Por exemplo, o SO pode configurar o temporizador para, de tempos em temos, retomar o controle da execução e verificar se o tempo máximo de uso da máquina não foi ultrapassado (e.g., um processo executando por mais de uma semana é automaticamente terminado).

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Eleri Cardozo FEEC/Unicamp 1 Definição de Sistema Operacional Um sistema operacional é um gerenciador de recursos de hardware ou uma máquina virtual que oferece uma

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Visão Geral Referências: Sistemas Operacionais Modernos. Andrew S. Tanenbaum. Editora Pearson. 3ª ed. 2010. Seção: 1.1

Leia mais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Organização de um Processo em Memória Quando um processo é criado, o SO aloca uma porção da memória física da máquina para a criação do espaço

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais ANHANGUERA Sistemas Operacionais Prof. Esp. Rafael Gross Processos Sumário Introdução Conceito de processo Estrutura do processo Estados do processo Mudanças de estado do processo Criação e eliminação

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF Exercícios Cap I 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) 1.5 1.7, 1.8 e 1.12 Sistemas Operacionais Visão geral e evolução dos SOs Sistema Operacional? Um programa que controla a execução dos programas

Leia mais

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof.

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. EA869 Pipeline Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Objetivos Conhecer técnicas de como melhorar o desempenho de um processador.

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Processador INTRODUÇÃO Projetado apenas para executar instruções Não é capaz de distinguir qual programa está em execução Processo

Leia mais

Técnicas Avançadas de Programação

Técnicas Avançadas de Programação Sumário Técnicas Avançadas de Programação Prof. João Marcos M. da Silva Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Agosto de 2011 Prof. João Marcos

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1:

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1: ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares Campus: Data: / / Nome: RA: Turma: Questão 1: Silberschatz, Galvin e Gagne (c) 2007 Os alunos

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 2 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Multiprogramação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização de um SO Moderno

Leia mais

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos Sistemas operacionais modernos criam vários processadores virtuais, cada um para executar um programa. Para monitorar

Leia mais

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião GERENCIAMENTO DE TAREFAS Prof. Me. Hélio Esperidião O CONCEITO DE TAREFA Uma tarefa pode ser definida como a execução de um fluxo sequencial de instruções para atender uma finalidade específica. Realizar

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador slide 1 Conceito de programa Sistemas hardwired são inflexíveis.

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br 1 Dipositivos periféricos ou simplesmente periféricos permitem a comunicação da máquina

Leia mais

Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Conceitos Básicos Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Um Sistema Operacional pode ser visto sob dois pontos de vista diferentes. Por um lado, podese dizer que um SO é um software

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Gestão de Programas Introdução Os sistemas operativos gerem um conjunto de funções básicas que têm evoluído ao longo dos tempos.

Leia mais

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados

CPU. CPU Unidade Central de Processamento. Função: leitura, escrita e processamento de dados CPU CPU Unidade Central de Processamento Função: leitura, escrita e processamento de dados Constituída por: dispositivos que gerem a entrada (leitura) e saída (escrita) de dados; registos (memórias auxiliares)

Leia mais

Prof. Adriano Maranhão

Prof. Adriano Maranhão Prof. Adriano Maranhão Memória Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos residentes na memória principal, melhor será o compartilhamento

Leia mais

Programação de Sistemas em Tempo Real

Programação de Sistemas em Tempo Real BCC722 Programação de Sistemas em Tempo Real Processos Prof. Charles Garrocho O conceito de processo Um S.O. executa uma variedade de programas Sistemas de tempo compartilhado: programas Processo: um programa

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Slide 1 Memória Virtual os primeiros computadores (início dos anos 60) tinham memória principal muito reduzida O PDP-1 funcionava com uma memória de 4096 palavras

Leia mais

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos Conceito de Processo Módulo 4: Processos Um Sistema Operacional executa uma variedade de programas: Sistemas de processamento em lotes (batch) processa jobs Sistemas de tempo partilhado (time shared) roda

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

Prof. Kleber R. Rovai

Prof. Kleber R. Rovai Msn: klrovai@hotmail.com E-mail: Skype: klrovai 2 1 Programa: sequência de instruções com diferentes fluxos de execução comandos condicionais e interativos (entidade passiva); Processo: um programa em

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC

FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC FACULDADE PITÁGORAS PRONATEC DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos Ao final desta apostila,

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Aula passada Arquitetura de SDs Estilo Arquitetônico Arquitetura de Sistemas Sistemas Autogerenciáveis Aula de hoje Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução Sistemas Operativos Objetivo O objetivo deste questionário é levá-lo a rever os conceitos básicos dos sistemas operativos, bem como os algoritmos de scheduling e mecanismos de sincronização estudados.

Leia mais

Sistemas de Troca de Mensagens

Sistemas de Troca de Mensagens Universidade Federal do Rio de Janeiro Programa de Pós-Graduação em Informática DCC/IM - NCE/UFRJ Arquitetura de Sistemas Paralelos Sistemas de Troca de Mensagens Sistemas de Comunicação O Sistema de Comunicação

Leia mais

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1)

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1) Aula Passada Processos (Aula 6) Escalonamento de Processos O SO gerencia os recursos do sistema de computação em benefício dos processos Para isso, mantem estruturas de controles Tabelas (memória, I/O,

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho

Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações. Medidas de desempenho Capítulo 2 Livro do Mário Monteiro Componentes Representação das informações Bit, Caractere, Byte e Palavra Conceito de Arquivos e Registros Medidas de desempenho http://www.ic.uff.br/~debora/fac! 1 2

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Apresentação Inst tit ormátic ca - UF FRGS i Introdução Aula 0 INF042 Plano de ensino conforme resolução CEPE /203 Prof. Alexandre CARISSIMI (asc at inf.ufrgs.br) Turma A Objetivos da disciplina Prof.

Leia mais

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk Assembly 8051 Num sistema microprocessado, geralmente, não existe um sistema operacional; O programa desenvolvido pelo programador deve cuidar tanto da lógica do programa, bem como da configuração e acesso

Leia mais

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU SOP - TADS Threads Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula Processos [1/3] Conceito:

Leia mais

Processos. Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa. Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos,

Processos. Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa. Fernando Ramos, Nuno Neves, Sistemas Operativos, Processos Nuno Ferreira Neves Faculdade de Ciências de Universidade de Lisboa Objetivos da aula Introduzir a noção de processo um programa em execução que é a base de toda a computação Descrever as várias

Leia mais

Breve Introdução aos Sistemas Operativos. Disciplina de Informática PEUS, U.Porto

Breve Introdução aos Sistemas Operativos. Disciplina de Informática PEUS, U.Porto Breve Introdução aos Sistemas Operativos Disciplina de Informática PEUS, 2006 - U.Porto Definição de Sistema Operativo Um programa que funciona como intermediário entre o utilizador do computador e os

Leia mais

Gerência de Memória Introdução Considerações: Recurso caro e escasso; Programas só executam se estiverem na memória principal; Quanto mais processos residentes na memória principal, melhor será o compartilhamento

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

Gerência do Processador. Adão de Melo Neto

Gerência do Processador. Adão de Melo Neto Gerência do Processador Adão de Melo Neto 1 Introdução Sistemas Multiprogramáveis: Múltiplos processos podem permanecer na memória principal compartilhando o uso da CPU. POLÍTICA DE ESCALONAMENTO Como

Leia mais

Processos e Threads. Ciclo 2 AT3. Prof. Hermes Senger

Processos e Threads. Ciclo 2 AT3. Prof. Hermes Senger Processos e Threads Ciclo 2 AT3 Prof. Hermes Senger Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais, 3ª edição, de H.M.Deitel, P.J. Deitel, D.R. Choffnes,

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 23 Entrada e Saída (I/O) Rodrigo Hausen 03 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/62 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores... 2.3. Estruturas

Leia mais

Introdução a Tecnologia da Informação

Introdução a Tecnologia da Informação Introdução a Tecnologia da Informação Arquitetura de Computadores Aula 03 Prof. Msc Ubirajara Junior biraifba@gmail.com www.ucljunior.com.br Características do computador sistema eletrônico é rápido e

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores

Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta. CST em Redes de Computadores Fundamentos de Sistemas Operacionais de Arquitetura Aberta CST em Redes de Computadores Introdução Computadores Computadores são compostos, basicamente, de CPU, memória e dispositivos de entrada e saída

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado

Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de computador Modelo de Von Neumann: conceito do programa armazenado Arquitetura de Von Neuman A arquitetura de computador proposta por Von Neumann é composta basicamente por: Computadores

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior Estrutura dos Sistemas Operacionais Sérgio Portari Júnior - 2016 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional

Leia mais

UNIDADE 2 Ferramentas do Pacote Office

UNIDADE 2 Ferramentas do Pacote Office UNIDADE 2 Ferramentas do Pacote Office Olá! Aqui estamos nós outras vez! Agora para dar início à unidade 2. Hardware e Software Sabemos que a área de informática é uma das que mais vivencia mudanças na

Leia mais

Professor: M. Sc. Cristiano Mariotti

Professor: M. Sc. Cristiano Mariotti Professor: M. Sc. Cristiano Mariotti http://www.mscmariotti.pro.br As informações processadas nos computadores são compostas por caracteres, sendo que cada caractere, representado por 0 ou 1, é chamado

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 6 Gerenciamento de Memória Prof. Galvez Considerações Gerais Multiprogramação implica em manter-se vários processos em memória Memória necessita ser alocada de

Leia mais

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res

Geralmente, o firewall também é configurado para não bloquear o tráfego de saída. Por exemplo, um banco pode querer isolar a rede da tesouraria do res FIREWALL A conexão com a Internet traz às corporações os seguintes riscos: Relacionados a dados: confidencialidade, integridade e disponibilidade; Relacionados aos recursos e ativos da empresa; Relacionados

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Tipos de Sistemas Operacionais De Sistemas Embarcados (PalmOS,WinCE,WinXPEmbbeded,Linux) Hardware simples, especifico

Leia mais

Processos. Prof. Gustavo Leitão

Processos. Prof. Gustavo Leitão Processos Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes Baseada na Aula do Prof. Ricardo Valentim 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 PLANO DE AULA Processos Processos:

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais GERÊNCIA da MEMÓRIA MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 09 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Gerenciamento da Memória Programas precisam ser trazidos para a memória para serem

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br. www.fgp.com.br Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Questões do Provão de Fevereiro/2005 Disciplina: Sistemas Operacionais 1. Um sistema operacional é um programa que

Leia mais

Capítulo 14. Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI Interface PPI 8255

Capítulo 14. Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI Interface PPI 8255 Capítulo 14 Expandindo as portas de comunicação 8031 com a PPI 8255 Como discutido ao longo do livro, o 8031 deixa 8 bits para controle genérico de dispositivos. Em situações nas quais se necessita um

Leia mais

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização

Arquitetura e Organização de Processadores. Aula 1. Introdução Arquitetura e Organização Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Informática Programa de Pós-Graduação em Computação Arquitetura e Organização de Processadores Aula 1 Introdução Arquitetura e Organização 1. Arquitetura

Leia mais

EA075 Memória virtual

EA075 Memória virtual EA075 Memória virtual Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Motivação Problema: programas cujos tamanhos ultrapassavam

Leia mais

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register

PROCESSADORES Unidade de Controle Unidade Aritmética e Lógica efetua memória de alta velocidade registradores Program Counter Instruction Register PROCESSADORES Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores, memória e dispositivos de entrada e saída. A CPU é o cérebro do computador. Sua função é executar programas armazenados

Leia mais

Gerência de memória III

Gerência de memória III Gerência de memória III Eduardo Ferreira dos Santos Ciência da Computação Centro Universitário de Brasília UniCEUB Maio, 2016 1 / 45 Sumário 1 Memória Virtual Segmentação Paginação 2 Alocação de páginas

Leia mais

Prof. Leonardo Augusto Casillo

Prof. Leonardo Augusto Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Aula 2 Estrutura de um processador Prof. Leonardo Augusto Casillo Arquitetura de Von Neumann: Conceito de programa armazenado; Dados

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais ESCALONAMENTO DE PROCESSOS Processos e Recursos Conceito de Escalonamento O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A questão

Leia mais

Gerenciamento de Memória

Gerenciamento de Memória Gerenciamento de Memória Conceitos básicos Swapping Alocação contígua Paginação Segmentação Segmentação com paginação Atribuição de endereços (ligação) de código e dados na memória A atribuição de endereços

Leia mais

4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem

4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem 4 Uma Linguagem Baseada em Máquinas de Estado 4.1. A Linguagem Acredita-se nesse trabalho que características reativas e fortemente baseadas em modelos tornam necessária a criação de uma linguagem específica

Leia mais

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto

Sincronização e Comunicação entre Processos. Adão de Melo Neto Sincronização e Comunicação entre Processos Adão de Melo Neto 1 MOTIVAÇÃO 2 INTRODUÇÃO Em um sistema multiprogramado (concorrente) os processos alternam sua execução (ou seja, são executados alternadamente

Leia mais

Introdução ao Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S)

Introdução ao Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S) Introdução ao Gerenciamento de Entrada e Saída (E/S) Adriano J Holanda 26/4/2016 Entrada e Saída: E/S teclado mouse impressora disco rígido monitor processador controladora controladora placa de de disco

Leia mais

Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP. Paulo Cesar Siécola

Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP. Paulo Cesar Siécola Mudança entre redes WiFi-GSM baseada em SIP Paulo Cesar Siécola siecola@ime.usp.br Introdução: Muitos dispositivos móveis, como telefones celulares e PDA, estão sendo equipados com outras interfaces sem

Leia mais

Informática Sistemas Operacionais Aula 5. Cleverton Hentz

Informática Sistemas Operacionais Aula 5. Cleverton Hentz Informática Sistemas Operacionais Aula 5 Cleverton Hentz Sumário Introdução Fundamentos sobre Sistemas Operacionais Gerenciamento de Recursos Interface Com Usuário Principais Sistemas Operacionais 2 Introdução

Leia mais

Hardware - Processador

Hardware - Processador Hardware - Processador O processador (ou CPU) é uma das partes principais do hardware do computador e é responsável pelos cálculos, execução de tarefas e processamento de dados. A velocidade com que o

Leia mais

4.3 - DMA & Chipset. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. e

4.3 - DMA & Chipset. CEFET-RS Curso de Eletrônica. Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva. e CEFET-RS Curso de Eletrônica 4.3 - DMA & Chipset Profs. Roberta Nobre & Sandro Silva robertacnobre@gmail.com e sandro@cefetrs.tche.br Unidade 04.3.1 DMA Dados podem ser transferidos entre dispositivos

Leia mais

Curso: Redes de Computadores

Curso: Redes de Computadores Curso: Redes de Computadores Cadeira de Introdução a Sistemas Operacionais. Bibliografia Sistemas Operacionais Modernos Andew S. Tanembaum Sistema Operacionais Abraham Silberchatz, Peter Galvin e Greg

Leia mais

Sistema Operativo: o que é?

Sistema Operativo: o que é? Sistemas Operativos Sistema Operativo: o que é? O Sistema Operativo é o programa responsável pelo controlo da actividade do computador, prevenindo falhas e erros. Ele é, assim, software fundamental para

Leia mais

Sistemas Operacionais II

Sistemas Operacionais II Sistemas Operacionais II Windows Conceitos Básicos Geraldo Braz Junior Departamento de Informática - UFMA 2 Introdução Job Coleção de um ou mais processos gerenciados como uma unidade; Define cotas e limites

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Departamento de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Memória

Sistemas Operacionais Gerência de Memória Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Computação, Licenciatura Sistemas Operacionais Gerência de Memória Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A memória

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS 02

LISTA DE EXERCÍCIOS 02 FACULDADE: CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BRASÍLIA UniCEUB CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: SISTEMAS OPERACIONAIS CARGA HORÁRIA: 75 H. A. ANO/SEMESTRE: 2016/01 PROFESSOR: EDUARDO FERREIRA DOS SANTOS HORÁRIOS:

Leia mais

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução

Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução Unidade 4 Lista de Exercícios 2 Prof. Daniel Caetano Solução 4.1) Converta os seguintes números decimais para hexadecimal: 145, 226, 1043, 3456 91h, E2h, 413h, D80h 4.2) Sem converter as bases, faça as

Leia mais

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional

Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional Capítulo 6 Nível do Sistema Operacional - Sistema Operacional: Programa que, do ponto de vista do programador, adiciona uma grande quantidade de instruções e funcionalidades bem além das disponibilizadas

Leia mais

Microcomputadores. É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame.

Microcomputadores. É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame. A UU L AL A Microcomputadores É época de Natal. Um pai sai em busca dos presentes, entre eles o do filho, o tão ansiado videogame. Um problema A onda agora são os videogames, os CD-ROMS, equipamentos de

Leia mais

Memória virtual. Sistemas de Computação

Memória virtual. Sistemas de Computação Memória virtual Fundamentos Memória virtual separação da memória lógica do usuário da memória física somente uma parte do programa precisa estar na memória para execução espaço de endereçamento lógico

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Organização de Computadores ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Curso: Tecnologia em Gestão da Tecnologia da Informação Ano: 2011 Conhecida como Processador ou é o cerebro do computador Unifica todo sistema e

Leia mais

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java

Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Como construir um compilador utilizando ferramentas Java p. 1/2 Como construir um compilador utilizando ferramentas Java Aula 1 - Introdução Prof. Márcio Delamaro delamaro@icmc.usp.br Como construir um

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Memória Cache Slide 1 Introdução Tamanho Função de Mapeamento Política de Escrita Tamanho da Linha Número de Memórias Cache Cache em Níveis Slide 2 Introdução

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação

Introdução à Ciência da Computação 1 Universidade Federal Fluminense Campus de Rio das Ostras Curso de Ciência da Computação Introdução à Ciência da Computação Professor: Leandro Soares de Sousa e-mail: leandro.uff.puro@gmail.com site:

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CONTINUAÇÃO CAPÍTULO 5. Cristina Boeres

FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CONTINUAÇÃO CAPÍTULO 5. Cristina Boeres FUNDAMENTOS DE ARQUITETURAS DE COMPUTADORES MEMÓRIA CACHE CONTINUAÇÃO CAPÍTULO 5 Cristina Boeres Mapeamento Associativo por Conjunto! Tenta resolver o problema de conflito de blocos na mesma linha (mapeamento

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1 CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA Montagem e Manutenção de Computadores Prof.: Denis Willian de Moura Diniz PROCESSADORES PARTE II 2 ULA UNIDADE LÓGICA E ARITMÉTICA A ULA - Arithmetic Logic Unit - que em

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros

Organização e Arquitetura de Computadores. Hugo Barros Organização e Arquitetura de Computadores Hugo Barros email@hugobarros.com.br Introdução Instruções Primitivas L0 Linguagem de máquina; Divergência de capacidades: Os pc's podem fazer x As pessoas querem

Leia mais

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto

Gerência do Sistema de Arquivos. Adão de Melo Neto Gerência do Sistema de Arquivos Adão de Melo Neto 1 Gerência do Sistema de Arquivos Organização de arquivos Operações de E/S Estrutura de diretórios Gerência de espaço livre Gerência de alocação de espaços

Leia mais

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S

Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Sistema de entrada e saída (E/S)- Módulos de E/S; tipos de operações de E/S Explicitar aos alunos os modelos de entrada e saída em um computador e quais barramentos se aplicam a cada componente: memória,

Leia mais

Dr. Joaquim de Carvalho

Dr. Joaquim de Carvalho Planificação Anual 2016/2017 Curso Profissional de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos Sistemas Digitais e Arquitectura de Computadores (SDAC) 12º ano 1 MÓDULO 7: Arquitectura de Computadores

Leia mais

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES

LIVRO ENGENHARIA DE SOFTWARE FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES LIVRO ENGENHARIA FUNDAMENTOS, MÉTODOS E PADRÕES WILSON PADUA PAULA FILHO CAPÍTULO REQUISITOS 1 REQUISITOS TECNICO E GERENCIAL ESCOPO (RASCUNHO) CARACTERISTICAS 2 O que são Requisitos? São objetivos ou

Leia mais

3. Unidade Central de Processamento

3. Unidade Central de Processamento 3. Unidade Central de Processamento Um microprocessador é um chip responsável por buscar e executar instruções e dados existentes na memória RAM. Vai de regra as instruções são bastante simples, como por

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 19 Barramentos: Estruturas de Interconexão Rodrigo Hausen 14 de outubro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/40 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores

Leia mais

Sistemas Operacionais: Escalonamento de processos

Sistemas Operacionais: Escalonamento de processos Sistemas Operacionais: Escalonamento de processos Escalonamento Critérios de escalonamento Algoritmos de escalonamento Escalonamento em multiprocessadores Escalonamento tempo real Características de processos

Leia mais

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores

2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores 2ª Lista de Exercícios de Arquitetura de Computadores Questões 1. Um microprocessador realiza uma sondagem periódica (polling) junto a um módulo de E/S a cada 0,5 ms. Cada sondagem em si gasta 500 ciclos.

Leia mais