Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais"

Transcrição

1 Notas da Aula 3 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Problemas de Segurança A multiprogramação traz uma série de benefícios, como a melhora do desempenho do sistema e a redução do tempo de resposta (quando utilizada com o sistema de timesharing). No entanto, existem algumas questões importantes relacionadas a segurança que devem ser levadas em consideração em um sistema no qual os recursos são compartilhados por vários processos. Quando um processo de um usuário está no estado executando ele tem controle sobre o processador. Logo, ele pode executar instruções, manipular o valor dos registradores, ter acesso a barramentos, etc. Da mesma forma, ele tem acesso à memória: pode escrever e ler valores. Como então evitar que o processo atualmente em execução consiga: 1. Monopolizar o processador? Isto é, como forçar que o processo eventualmente devolva o controle da execução para o SO? 2. Monopolizar acesso a dispositivos de E/S? Ou seja, como fazer com que processos não usem exclusivamente estes dispositivos? 3. Ler informações guardadas no espaço de endereçamento de outros processos? 4. Alterar (escrever) informações guardadas no espaço de endereçamento de outros processos? Os dois primeiros itens são relacionados ao compartilhamento justo de recursos. Se de alguma forma um processo puder monopolizar o processador, por exemplo, sistemas multiusuário provavelmente não funcionariam. Bastaria que um único usuário decidisse sequestrar o processador e os demais usuários não teriam mais acesso à maquina. Os dois últimos itens se relacionam a confidencialidade e integridade dos dados contidos em memória. Suponha que um processo em execução pudesse ler a memória de outro processo qualquer. Isto significa que, se um usuário do sistema está atualmente acessando sua conta de banco através da máquina, outro usuário poderia capturar todas as informações (senhas, saldos, movimentações, etc) apenas escrevendo um programa que fizesse leitura da memória. Talvez até mais sério, se um processo pudesse escrever na memória de outro processo, um usuário poderia realizar transações na conta bancária do outro, apenas manipulando valores de variáveis. Estas questões, portanto, trazem os seguintes requisitos de segurança a um Sistema Operacional: 1. O SO deve ser capaz de retomar o controle do processador, uma vez que um processo seja colocado para executar. 2. O SO deve ser capaz de impedir acessos de memória a posições externas ao espaço de endereçamento de um processo. 3. O SO deve ser capaz de impedir acesso direto a dispositivos de E/S por parte dos processos dos usuários.

2 Infelizmente, em sistemas monoprocessados, o SO não tem como realizar qualquer tipo de ação, uma vez que um processo seja colocado para executar. Isso porque qualquer ação de controle depende da utilização do processador (que por hipótese está em posse do processo). Logo, a solução para estes problemas de segurança precisa obrigatoriamente passar por algum tipo de suporte do hardware. Este suporte será dado através de 3 mecanismos básicos: 1. Temporizadores: o processador tem um relógio ou um contador que pode ser configurado para um valor determinado. Quando o tempo pré-configurado expira, uma interrupção é disparada. 2. Validação de endereços de memória: o processador tem um circuito auxiliar que verifica o valor do endereço de memória acessado a cada instrução. Se este valor for inválido, uma interrupção é disparada. 3. Instruções restritas: o processador tem um sub-conjunto de instruções cujo acesso é permitido apenas para o SO. Se algum processo de aplicação tenta executar uma destas instruções, uma interrupção é disparada. Os 3 mecanismos utilizam a funcionalidade de interrupções. Uma interrupção é um sinal recebido pelo processador que o avisa que determinados eventos ocorreram. Em geral, existem vários tipos de interrupções diferentes, representando a ocorrência de vários tipos distintos de eventos. O hardware reserva uma região específica da memória para guardar uma tabela de tratadores de interrupção. Cada entrada desta tabela corresponde a uma interrupção específica e contém o endereço de memória inicial de uma rotina de tratamento da interrupção. Ao ser carregado, é tarefa do SO preencher as entradas desta tabela com os endereços das suas rotinas de tratamento de interrupção. Quando uma interrupção é detectada pelo processador, ele aborta a execução atual, salva o contexto básico (valores de alguns registradores), consulta a tabela de tratadores de interrupção e passa a execução para o tratador adequando (faz o registrador PC apontar para o endereço da rotina). Os tratadores de interrupção são parte do SO. Logo, uma vez que a rotina de tratamento de interrupção é chamada, o controle do processador já está de volta com o Sistema Operacional. Daí para frente, o SO pode tomar as atitudes cabíveis para controlar a situação. Por exemplo, se o SO identifica que a interrupção foi causada pelo estouro do temporizador, ele pode decidir colocar um novo processo em execução. Existem três tipos básicos de interrupção: as interrupções de hardware, as interrupções de software e as interrupções geradas por erros de execução. Interrupções de hardware são aquelas disparadas por dispositivos de hardware, como uma placa de rede ou o temporizador do processador. Interrupções de software são causadas pela execução de uma instrução específica do processador, em geral denominada INT. Esta instrução pode ser executada por processos, quando necessitam da intervenção do SO. Por fim, as interrupções causadas por erros são aquelas que indicam que algo na execução de uma instrução não ocorreu corretamente. Por exemplo, uma instrução de divisão que recebe o denominador 0 pode disparar uma interrupção para alertar sobre a condição de erro. Interrupções podem ainda ter prioridades diferentes. Em geral, dispositivos de E/S diferentes

3 apresentam prioridades diferentes. Por exemplo, a interrupção causada pela chegada de um novo pacote no buffer da placa de rede é provavelmente mais importante que a interrupção causada pela mudança de posição de um mouse. 2. Modos de Execução do Processador Para dar suporte aos requisitos de segurança dos Sistemas Operacionais, os processadores em geral apresentam mais de um modo de execução. Tradicionalmente, existem dois modos distintos: o modo supervisor e o modo usuário. O modo supervisor é aquele de maior privilégio. Um processo executando em modo supervisor tem acesso a todas as instruções do processador (o que significa acesso a todos os dispositivos de E/S) e a qualquer posição da memória principal. Este modo é o modo padrão, quando a máquina é ligada. A ideia é que o SO comece a ser executado neste modo e possa fazer todas as suas tarefas iniciais. Este modo também é ativado quando um tratador de interrupção é chamado. Ao longo de toda a execução da máquina, quando o núcleo do SO precisa ser executado, ele sempre é executado neste modo. Quando o SO coloca um processo de um usuário para execução, ele antes altera o modo de execução do processador (isto é permitido no modo supervisor). Quando o processo do usuário executa sua primeira instrução, o processador já está em modo usuário. No modo usuário, existem instruções que não são permitidas. Por exemplo, as instruções CLI e STI, que desativam e ativam as interrupções respectivamente, não são permitidas neste modo. Além disso, todo acesso à memória passa a ser verificado pelo processador, analisando se o endereço especificado pertence ou não ao espaço de endereçamento do processo. Processadores mais modernos às vezes implementam um esquema alternativo de diferenciação de modo de execução. Ao invés de utilizarem apenas dois modos, os processadores apresentam vários rings de execução. No ring 0, todos os recursos da máquina estão disponíveis. No ring 1, alguns recursos são restritos. Nos rings sucessivos, o acesso da máquina passa a ficar cada vez mais controlado. A objetivo original da utilização dos rings era a diferenciação de classes de processos. Este esquema dá suporte, por exemplo, ao SO eleger alguns processos que tem um pouco mais de privilégios que outros. Um exemplo disso são os device drivers, ou seja, processos que realizam a manipulação de algum dispositivo de hardware específico, como uma placa de som. No modelo de dois níveis de prioridade, estes device drivers precisam executar no modo supervisor, já que eles precisam de acesso a dispositivos de E/S. No modelo de rings, estes device drivers podem ser executados em um modo um pouco menos privilegiado, aumentando a segurança do SO. Em geral, no entanto, os Sistemas Operacionais atuais não empregam esta funcionalidade, continuando a utilizar basicamente dois modos (o ring 0 para tarefas do SO e o ring de mais baixo privilégio para os demais processos). No entanto, a existência destes vários níveis trouxe

4 benefícios para a área de virtualização de hardware. Hoje, é possível executar uma instância de um Sistema Operacional dentro de outro SO através dos softwares de virtualização. Embora estes softwares não sejam novos, apenas recentemente eles se tornaram realmente eficientes. A ineficiência da virtualização era causada pelo excesso de chamadas ao SO nativo, mesmo para tarefas relativamente simples. Como o software de virtualização era executado em modo usuário, qualquer tarefa classificada como privilegiada requeria a intervenção do SO nativo. Com o advento dos rings de execução, o virtualizador (ou parte dele) pode ser executado em um modo com mais privilégios, evitando o excesso de chamadas ao SO nativo. 3. Proteção de E/S A proteção de acesso aos dispositivos de E/S é feita de maneira muito simples. Dado que os processos dos usuários executam em modo usuário, eles não têm acesso às instruções necessárias para comunicação com os dispositivos (instruções IN e OUT). Isso faz com que os processos sejam forçados a utilizar o SO como um intermediário na utilização de tais dispositivos. Quando um processo de um usuário precisa realizar uma operação de E/S, ele faz uma chamada de sistema ao SO. Essa chamada, geralmente é feita através de uma interrupção de software (instrução INT). A execução da instrução INT faz com que o processador interrompa a execução atual e passe a execução (agora em modo supervisor) para o tratador de interrupções do SO. O tratador de interrupções, então, verifica os parâmetros da chamada, identifica a operação e, caso seja possível, executa o serviço requisitado. Possivelmente, o SO coloca o processo no estado bloqueado, enquanto o mesmo aguarda o resultado da operação. Enquanto a operação é realizada, o SO pode colocar um novo processo em execução. Quando o dispositivo termina a operação, uma interrupção é gerada, o que coloca novamente o SO em execução. Desta vez, o SO identifica qual processo havia requisitado a operação, o desbloqueia e, de alguma forma, repassa os resultados da operação. 4. Proteção de Memória Quando um processo executa em modo usuário, cada acesso à memória é verificado pelo processador antes da execução propriamente dita. Uma maneira de fazer isso é através de um sistema simples de duas comparações. Ao colocar um novo processo em execução, o SO configura o valor de dois registradores específicos: o registrador base e o registrador limite. A cada acesso à memória, um circuito auxiliar com dois comparadores faz as seguintes verificações: 1. Se o endereço a ser acessado é menor que o registrador base, uma interrupção é gerada. 2. Se o endereço a ser acessado é maior ou igual ao registrador limite, uma interrupção é gerada. Estes registradores, portanto, guardam os endereços dos extremos do espaço de endereçamento do processo. Quando o tratador de interrupção do SO é chamado para tratar

5 este tipo de interrupção, ele se encarrega de tomar alguma atitude para corrigir o problema. Em geral, a ação tomada é simplesmente o encerramento do processo com algum código específico de erro. Para que este simples mecanismo funcione, é preciso que o espaço de endereçamento dos processos seja contíguo. Ou seja, o espaço de endereçamento do processo não pode conter buracos, ou estar espalhado em vários pedaços da memória. Como será visto no Capítulo 6, isso nem sempre é verdade, o que resulta na necessidade de mecanismos mais complexos. 5. Proteção do Processador O mecanismo de proteção do processador é bastante simples. Em um sistema baseado em timesharing, por exemplo, o SO escolhe um valor para a fatia de tempo, ou seja, a quantidade de tempo que cada processo tem para usar o processador. Ao colocar um novo processo em execução, o SO configura previamente um temporizador do processador para expirar ao término do slice. Se o processo termina sua execução antes do final do slice, ele simplesmente dispara uma interrupção de sotfware, que eventualmente passará a execução de volta para o SO. Por outro lado, se o slice do processo termina enquanto o processo ainda está executando, o temporizador gera uma interrupção de hardware que faz com que a execução volte ao SO. Neste caso, o SO pode decidir substituir o processo atualmente de posse do processador por outro processo na fila de aptos. Desta forma, o processo que estava no processador é colocado de volta na fila de aptos, aguardando pela oportunidade de receber um novo slice do processador para prosseguir seu processamento. Mesmo em um sistema que não utiliza timesharing (por exemplo, um sistema batch), o SO pode se utilizar do temporizador do processador para evitar que processos abusem do uso deste recurso. Por exemplo, o SO pode configurar o temporizador para, de tempos em temos, retomar o controle da execução e verificar se o tempo máximo de uso da máquina não foi ultrapassado (e.g., um processo executando por mais de uma semana é automaticamente terminado).

Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 2 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Ciclo de Vida de um Processo Todo processo passa por 3 fases durante sua vida: criação, execução e término. Um processo pode ser criado por outro

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Fabio Augusto Oliveira Processos O processador é projetado apenas para executar instruções, não sendo capaz de distinguir qual programa se encontra em execução. A gerência de

Leia mais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 7 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Organização de um Processo em Memória Quando um processo é criado, o SO aloca uma porção da memória física da máquina para a criação do espaço

Leia mais

Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 14 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Dispositivos de E/S Uma operação de entrada e saída é aquela que envolve a leitura ou escrita de dados a partir de dispositivos que estão fora

Leia mais

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo

14/05/2017. Conceitos de Processos. Conceitos de Processos. Conceito de processo Conceito de processo Os computadores executam várias operações ao mesmo tempo. - Compilar um programa; - Enviar um arquivo para a impressora; - Exibir uma página web; - Reproduzir músicas; - Receber mensagens

Leia mais

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA

SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA SSC510 Arquitetura de Computadores 1ª AULA REVISÃO DE ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Arquitetura X Organização Arquitetura - Atributos de um Sistema Computacional como visto pelo programador, isto é a estrutura

Leia mais

Introdução aos Sistemas Operacionais

Introdução aos Sistemas Operacionais Introdução aos Sistemas Operacionais Eleri Cardozo FEEC/Unicamp 1 Definição de Sistema Operacional Um sistema operacional é um gerenciador de recursos de hardware ou uma máquina virtual que oferece uma

Leia mais

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Barramento. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Barramento Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Componentes do Computador; Funções dos Computadores; Estrutura de Interconexão; Interconexão de Barramentos Elementos de projeto de barramento;

Leia mais

Aula 25: E/S: Controladoras, Mapeamentos e Técnicas

Aula 25: E/S: Controladoras, Mapeamentos e Técnicas Aula 25: E/S: Controladoras, Mapeamentos e Técnicas Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) E/S: Controladores, Mapeamentos e Técnicas

Leia mais

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca

PCS-2529 Introdução aos Processadores. Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca PCS-2529 Introdução aos Processadores Prof. Dr. Paulo Sérgio Cugnasca 1 2 Existem 4 esquemas diferentes de E/S possíveis, cada um se aplicando em uma determinada situação. E/S Programada. E/S Acionada

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar - Aula 1-1. ENTRADAS E SAIDAS Uma das principais funções dos sistemas operacionais é controlar os dispositivos de entrada e saída (E/S ou I/O). O Sistema Operacional (SO) deve ser capaz de enviar comando

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2)

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas. Sistemas Operacionais (SOP A2) Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Sistemas Operacionais (SOP A2) Visão Geral Referências: Sistemas Operacionais Modernos. Andrew S. Tanenbaum. Editora Pearson. 3ª ed. 2010. Seção: 1.1

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Estrutura e Função do Processador Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Organização

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 6: Monitores, Troca de Mensagens e Deadlock Diego Passos Última Aulas Mecanismos de Exclusão Mútua Operações atômicas. Protocolos de controle de acesso. Spin-locks.

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO EM INFORMÁTICA SISTEMAS OPERACIONAIS I 1 0 SEM/05 Teste 1 Unidade I DURAÇÃO: 50 MINUTOS Aluno: GABARITO Escore: 1 a Questão (30) Assinale a(s) resposta(s)

Leia mais

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF

Exercícios Cap I. 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) , 1.8 e 1.12 IC - UFF Exercícios Cap I 1.1, 1.2, 1.3 (somente letras (a), (b) e (c)) 1.5 1.7, 1.8 e 1.12 Sistemas Operacionais Visão geral e evolução dos SOs Sistema Operacional? Um programa que controla a execução dos programas

Leia mais

SOP Sistemas Operacionais Módulo 04: Processo

SOP Sistemas Operacionais Módulo 04: Processo SOP Módulo 04: Processo Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Multiprogramação Tornar mais eficiente o aproveitamento dos recursos do computador Execução simultânea de vários programas

Leia mais

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída

Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída Nome: Exercícios de Sistemas Operacionais 3 B (1) Gerência de Dispositivos de Entrada e Saída 1. A gerência de dispositivos de entrada e saída é uma das principais e mais complexas funções de um sistema

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 4: Programação Concorrente Diego Passos Últimas Aulas Processos Compostos por: Código (programa). Estado (memória, registradores). Em um sistema com multiprogramação:

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Processador INTRODUÇÃO Projetado apenas para executar instruções Não é capaz de distinguir qual programa está em execução Processo

Leia mais

Entrada e Saída e Dispositivos

Entrada e Saída e Dispositivos Entrada e Saída e Dispositivos Uma das funções do Sistema Operacional é: - Gerência de dispositivos de E/S. Operações: - Tratamento de interrupções - Tratamento erros - Interfaceamento entre os dispositivos

Leia mais

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação.

Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação. Universidade Federal de Campina Grande Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Curso de Bacharelado em Ciência da Computação Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura Básicas

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais ANHANGUERA Sistemas Operacionais Prof. Esp. Rafael Gross Processos Sumário Introdução Conceito de processo Estrutura do processo Estados do processo Mudanças de estado do processo Criação e eliminação

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais 04 Processos Introdução Um sistema de computação quase sempre tem mais atividades a executar que o número de processadores disponíveis. Diferentes tarefas têm necessidades distintas

Leia mais

Sistemas Operacionais I

Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade II - 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 Conceituação Estruturas de Controle Modos de execução do S.O. Estados de um

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES. Prof. Juliana Santiago Teixeira ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES CAPÍTULO 6: PROCESSADORES Prof. Juliana Santiago Teixeira julianasteixeira@hotmail.com INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO O processador é o componente vital do sistema de computação, responsável

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Revisão Volnys Bernal. Agenda. Revisão: Arquitetura de Computadores. Sobre esta apresentação

Arquitetura de Computadores. Revisão Volnys Bernal. Agenda. Revisão: Arquitetura de Computadores. Sobre esta apresentação 1998-2010 - Volnys Bernal 1 1998-2010 - Volnys Bernal 2 Agenda Revisão: Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Arquitetura Geral Espaço de Endereçamento Processador e s Laboratório

Leia mais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais

Capítulo 2. Multiprogramação. Conteúdo. Objetivo. Recordando. Recordando. DCA-108 Sistemas Operacionais DCA-108 Sistemas Operacionais Capítulo 2 Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Multiprogramação Luiz Affonso Guedes 1 Luiz Affonso Guedes 2 Conteúdo Caracterização de um SO Moderno

Leia mais

Sistemas Operacionais. Processos IC - UFF

Sistemas Operacionais. Processos IC - UFF Sistemas Operacionais Processos O conceito de processos No capítulo 1, fizemos as seguintes afirmativas quanto aos processos: Mais geral que programa Consiste em um código executável e seus dados associados,

Leia mais

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados

Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho, redundância, proteção de dados Sistemas Operacionais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Gerência de Dispositivos Subsistemas de E/S Device Driver Controlador de E/S

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais

Fundamentos de Sistemas Operacionais Fundamentos de Sistemas Operacionais Aula 5 Gerenciamento de Processos Prof. Belarmino Execução de Processos Já vimos que o processador executa os processos entregando uma fatia de tempo (time slice) para

Leia mais

Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Conceitos Básicos Notas da Aula 1 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Um Sistema Operacional pode ser visto sob dois pontos de vista diferentes. Por um lado, podese dizer que um SO é um software

Leia mais

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto

Organização de computadores. Prof. Moisés Souto Organização de computadores Prof. Moisés Souto Moisés Souto docente.ifrn.edu.br/moisessouto professor.moisessouto.com.br moises,souto@ifrn.edu.br @moises_souto Aula 06 CICLO DE INSTRUÇÕES Unidade Central

Leia mais

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA

1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA 1.3. CONCEITOS BÁSICOS DE INFORMÁTICA Informática pode ser considerada como significando informação automática, ou seja, a utilização de métodos e técnicas no tratamento automático da informação. Para

Leia mais

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU

SOP - TADS Threads. Revisão Ultima aula. Programa em execução Cada processo têm sua própria CPU SOP - TADS Threads Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima aula Processos [1/3] Conceito:

Leia mais

Disciplina: Arquitetura de Computadores

Disciplina: Arquitetura de Computadores Disciplina: Arquitetura de Computadores Estrutura e Funcionamento da CPU Prof a. Carla Katarina de Monteiro Marques UERN Introdução Responsável por: Processamento e execução de programas armazenados na

Leia mais

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof.

EA869 Pipeline. Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. EA869 Pipeline Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação (FEEC) Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) Prof. Levy Boccato 1 Objetivos Conhecer técnicas de como melhorar o desempenho de um processador.

Leia mais

SOP - TADS Fundamentos de Sistemas Operacionais

SOP - TADS Fundamentos de Sistemas Operacionais SOP - TADS Fundamentos de Sistemas Operacionais Prof. Ricardo José Pfitscher dcc2rjp@joinville.udesc.br Material cedido por: Prof. Rafael Rodrigues Obelheiro Prof. Maurício Aronne Pillon Revisão Ultima

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Gerência de Dispositivos Dispositivos de E/S Device Drivers Controladores Subsistema de E/S 2 Gerência de Dispositivos A gerência de

Leia mais

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior

Estrutura dos Sistemas Operacionais. Sérgio Portari Júnior Estrutura dos Sistemas Operacionais Sérgio Portari Júnior - 2016 1 Sistema Operacional - Formas de acessar o KERNEL do SISTEMA OPERACIONAL (SO) - A linguagem de comandos faz parte do SO O Sistema Operacional

Leia mais

AULA 01: APRESENTAÇÃO

AULA 01: APRESENTAÇÃO ORGANIZAÇÃO E ARQUITETURA DE COMPUTADORES I AULA 01: APRESENTAÇÃO Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação QUAIS OS OBJETIVOS DESSA DISCIPLINA?

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 3

Sistemas Operacionais Aula 3 Sistemas Operacionais Aula 3 Anderson L. S. Moreira anderson.moreira@recife.ifpe.edu.br http://dase.ifpe.edu.br/~alsm Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas de Informação Recife - PE O que fazer

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Cristina Boeres página do curso: http://www.ic.uff.br/~boeres/so.html boeres@ic.uff.br Sistemas Operacionais O que é um SO?! um gerenciador de recursos?! uma interface?! máquina virtual?

Leia mais

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião

Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos e Threads e em sistemas distribuídos. Prof. Me. Hélio Esperidião Processos Sistemas operacionais modernos criam vários processadores virtuais, cada um para executar um programa. Para monitorar

Leia mais

Processador: Conceitos Básicos e Componentes

Processador: Conceitos Básicos e Componentes Processador: Conceitos Básicos e Componentes Cristina Boeres Instituto de Computação (UFF) Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Material baseado nos slides de Fernanda Passos Cristina Boeres (IC/UFF)

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador slide 1 Conceito de programa Sistemas hardwired são inflexíveis.

Leia mais

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião

GERENCIAMENTO DE TAREFAS. Prof. Me. Hélio Esperidião GERENCIAMENTO DE TAREFAS Prof. Me. Hélio Esperidião O CONCEITO DE TAREFA Uma tarefa pode ser definida como a execução de um fluxo sequencial de instruções para atender uma finalidade específica. Realizar

Leia mais

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada

18/10/2010. Unidade de Controle Controle. UC Microprogramada Arquitetura de Computadores Unidade de Controle Controle Microprogramado Prof. Marcos Ribeiro Quinet de Andrade Universidade Federal Fluminense - UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO UC Microprogramada

Leia mais

Unidade Central de Processamento 2. Registradores

Unidade Central de Processamento 2. Registradores Unidade Central de Processamento 2 Registradores Conceitos Fundamentais Arquitetura da CPU Unidade de Controle Registradores Barramento interno Unidade lógica e Aritmética Registradores Conjunto de unidades

Leia mais

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto

Gerência de Dispositivos. Adão de Melo Neto Gerência de Dispositivos Adão de Melo Neto 1 Gerência de Dispositivos Introdução Acesso ao Subsistema de E/S Subsistema de E/S Device Drivers Controladores Dispositivos de E/S Discos Magnéticos Desempenho,

Leia mais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais e Introdução à Programação. Módulo 1 Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Módulo 1 Sistemas Operacionais 1 Competências: SOP 1. Compreender as abstrações de um sistema operacional e operar um sistema operacional Unix/Linux como

Leia mais

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos

Conceito de Processo. Estados de Processos. Diagrama de Estados de Processos Conceito de Processo Módulo 4: Processos Um Sistema Operacional executa uma variedade de programas: Sistemas de processamento em lotes (batch) processa jobs Sistemas de tempo partilhado (time shared) roda

Leia mais

Dispositivos de Entrada e Saída

Dispositivos de Entrada e Saída Departamento de Ciência da Computação - UFF Dispositivos de Entrada e Saída Prof. Marcos A. Guerine mguerine@ic.uff.br 1 Dipositivos periféricos ou simplesmente periféricos permitem a comunicação da máquina

Leia mais

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1)

Processos. Aula Passada. Aula Passada (2) Ciclos de CPU e de I/O (1) Aula Passada Processos (Aula 6) Escalonamento de Processos O SO gerencia os recursos do sistema de computação em benefício dos processos Para isso, mantem estruturas de controles Tabelas (memória, I/O,

Leia mais

Introdução e Conceitos Básicos

Introdução e Conceitos Básicos Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Bacharelado em Sistemas de Informação Introdução e Conceitos Básicos Macilon Araújo Costa Neto macilon@ufac.br Capítulo 1 do livro

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Entrada e Saída Norton Trevisan Roman Marcelo Morandini Jó Ueyama Apostila baseada nos trabalhos de Kalinka Castelo Branco, Antônio Carlos Sementille, Luciana A. F. Martimiano e nas

Leia mais

Prof. Kleber R. Rovai

Prof. Kleber R. Rovai Msn: klrovai@hotmail.com E-mail: Skype: klrovai 2 1 Programa: sequência de instruções com diferentes fluxos de execução comandos condicionais e interativos (entidade passiva); Processo: um programa em

Leia mais

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1:

ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares. Campus: Data: / / Nome: Questão 1: ICET CURSO: Ciência da Computação e Sistemas de Informação (Sistemas Operacionais Abertos) Estudos Disciplinares Campus: Data: / / Nome: RA: Turma: Questão 1: Silberschatz, Galvin e Gagne (c) 2007 Os alunos

Leia mais

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ fevereiro, / 41

Thread. Thread. Sistemas Operacionais. Leonard B. Moreira. UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ   fevereiro, / 41 Thread Sistemas Operacionais Leonard B. Moreira UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ e-mail: leonardbarreto@gmail.com.br fevereiro, 2013 1 / 41 Sumário 1 Introdução 2 Ambientes Monothread 3 Ambientes Multithread

Leia mais

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann

Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Introdução à Computação: Arquitetura von Neumann Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Computadores e Programação (DCC/UFRJ)

Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Computadores e Programação (DCC/UFRJ) Aula 3: 1 2 3 Abstrações do Sistema Operacional Memória virtual Abstração que dá a cada processo a ilusão de que ele possui uso exclusivo da memória principal Todo

Leia mais

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais. Referências Bibliográfica. Referências Bibliográfica

Apresentação. Ementa da Disciplina. Objetivo da Disciplina. DCA-108 Sistemas Operacionais. Referências Bibliográfica. Referências Bibliográfica DCA-108 Sistemas Operacionais Luiz Affonso Guedes www.dca.ufrn.br/~affonso affonso@dca.ufrn.br Apresentação Disciplina básica do curso de Engenharia de Computação Carga-horária: 60h teóricas Associadas

Leia mais

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores

Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Aula 12: Memória: Barramentos e Registradores Diego Passos Universidade Federal Fluminense Fundamentos de Arquiteturas de Computadores Diego Passos (UFF) Memória: Barramentos e Registradores FAC 1 / 34

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Apresentação Inst tit ormátic ca - UF FRGS i Introdução Aula 0 INF042 Plano de ensino conforme resolução CEPE /203 Prof. Alexandre CARISSIMI (asc at inf.ufrgs.br) Turma A Objetivos da disciplina Prof.

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores I

Organização e Arquitetura de Computadores I Organização e Arquitetura de Computadores I Slide 1 Memória Virtual os primeiros computadores (início dos anos 60) tinham memória principal muito reduzida O PDP-1 funcionava com uma memória de 4096 palavras

Leia mais

Programação de Sistemas em Tempo Real

Programação de Sistemas em Tempo Real BCC722 Programação de Sistemas em Tempo Real Processos Prof. Charles Garrocho O conceito de processo Um S.O. executa uma variedade de programas Sistemas de tempo compartilhado: programas Processo: um programa

Leia mais

Processos. Prof. Gustavo Leitão

Processos. Prof. Gustavo Leitão Processos Prof. Gustavo Leitão Campus Natal Central Disciplina Programação para Ambiente de Redes Baseada na Aula do Prof. Ricardo Valentim 5/3/2010 Objetivo da Aula 5/3/2010 PLANO DE AULA Processos Processos:

Leia mais

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann

Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte Campus Currais Novos Instalação e Organização de Computadores Aula 06 - Máquina Multinível e Von Neumann Prof. Diego Pereira

Leia mais

Questões de Múltipla escolha

Questões de Múltipla escolha ATPS Sistemas Operacionais Professor Matheus de Lara Calache Valor total do trabalho: 10 Cada resposta vale 0,34. Questões de Múltipla escolha 1) Processos podem ser organizados em filas como Fila de Prontos

Leia mais

Sistemas Operacionais. Visão Geral

Sistemas Operacionais. Visão Geral Sistemas Operacionais P R O F. B R U N O A L B U Q U E R Q U E S C R I G N O L I Visão Geral Organização da Apresentação Introdução Componentes de um Sistema de Computação Conceito de SO Objetivos de um

Leia mais

Sistemas Operacionais. Escalonamento de processos

Sistemas Operacionais. Escalonamento de processos Sistemas Operacionais Escalonamento de processos 1 Escalonamento de Processos Sistemas Interativos Algoritmos para Sistemas Interativos: First-Come-First-Served (FIFO) Round-Robin; Prioridade; Múltiplas

Leia mais

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk

Microcontrolador Assembly UTFPR / DAELN Microcontroladores 1 Prof. Gabriel Kovalhuk Assembly 8051 Num sistema microprocessado, geralmente, não existe um sistema operacional; O programa desenvolvido pelo programador deve cuidar tanto da lógica do programa, bem como da configuração e acesso

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7

ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES MÓDULO 7 Índice 1. A Organização do Computador...3 1.1 Processadores... 3 2 1. A ORGANIZAÇÃO DO COMPUTADOR Um computador digital consiste em um sistema interconectado de processadores,

Leia mais

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 3 Visão de alto nível da função e interconexão do computador Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Bacharelado em Sistemas de Informação. Processamento Paralelo Threads. Aluno: Wagner Palacio

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Bacharelado em Sistemas de Informação. Processamento Paralelo Threads. Aluno: Wagner Palacio UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Bacharelado em Sistemas de Informação Processamento Paralelo Threads Aluno: Wagner Palacio Turma: 3º período Professor: Giordano Cabral Recife, 29 de maio de 2012

Leia mais

Processamento de Transações. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

Processamento de Transações. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri Processamento de Transações Banco de Dados Introdução Ambiente multiusuário vários usuários utilizam o mesmo sistema ao mesmo tempo múltiplos programas (transações) compartilham a mesma CPU Forma de execução

Leia mais

Técnicas Avançadas de Programação

Técnicas Avançadas de Programação Sumário Técnicas Avançadas de Programação Prof. João Marcos M. da Silva Departamento de Engenharia de Telecomunicações Escola de Engenharia Universidade Federal Fluminense Agosto de 2011 Prof. João Marcos

Leia mais

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade.

ULA. Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. PROCESSADOR ULA Combina uma variedade de operações lógicas e matemáticas dentro de uma única unidade. ULA Uma ULA típica pode realizar as operações artiméticas: - adição; - subtração; E lógicas: - comparação

Leia mais

Capítulo 8: Memória Principal. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 8: Memória Principal. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 8: Memória Principal Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Objetivos Fornecer uma descrição detalhada das várias formas de organizar a memória do computador Discutir várias técnicas de gerenciamento

Leia mais

Algoritmos Computacionais

Algoritmos Computacionais UNIDADE 1 Processador e instruções Memórias Dispositivos de Entrada e Saída Software ARQUITETURA BÁSICA UCP Unidade central de processamento MEM Memória E/S Dispositivos de entrada e saída UCP UNIDADE

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Gestão de Programas Introdução Os sistemas operativos gerem um conjunto de funções básicas que têm evoluído ao longo dos tempos.

Leia mais

Organização de Computadores

Organização de Computadores Organização de Computadores Aula 23 Entrada e Saída (I/O) Rodrigo Hausen 03 de novembro de 2011 http://cuco.pro.br/ach2034 1/62 Apresentação 1. Bases Teóricas 2. Organização de computadores... 2.3. Estruturas

Leia mais

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto

COMPUTADOR 2. Professor Adão de Melo Neto COMPUTADOR 2 Professor Adão de Melo Neto Modelo Barramento de Sistema É uma evolução do Modelo de Von Newman. Os dispositivos (processador, memória e dispositivos de E/S) são interligados por barramentos.

Leia mais

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06

Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Tópicos Avançados em Sistemas Computacionais: Infraestrutura de Hardware Aula 06 Prof. Max Santana Rolemberg Farias max.santana@univasf.edu.br Colegiado de Engenharia de Computação COMO UM PROGRAMA ESCRITO

Leia mais

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador

AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador AGT0001 Algoritmos Aula 01 O Computador Karina Girardi Roggia karina.roggia@udesc.br Departamento de Ciência da Computação Centro de Ciências Tecnológicas Universidade do Estado de Santa Catarina 2016

Leia mais

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco

Sistemas Operacionais. Rodrigo Rubira Branco Sistemas Operacionais Rodrigo Rubira Branco rodrigo@kernelhacking.com rodrigo@fgp.com.br Dispositivos de E/S O acesso aos registradores de dispositivo apresenta se como uma questao do projeto da CPU e

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação ICC0001 Prof. Diego Buchinger

Introdução à Ciência da Computação ICC0001 Prof. Diego Buchinger Sistemas Operacionais Introdução à Ciência da Computação ICC0001 Prof. Diego Buchinger Inicializando o Sistema BIOS verifica os componentes instalados (RAM, teclado etc.) e verifica se dispositivos estão

Leia mais

Sistemas de Computação. Processos e escalonamento

Sistemas de Computação. Processos e escalonamento Processos e escalonamento Sistema operacional Programa que age como intermediário entre o usuário de um computador e o hardware Objetivos: Executar programas do usuário e facilitar a resolução de problemas

Leia mais

Linguagem de Maquina II. Visão Geral

Linguagem de Maquina II. Visão Geral Linguagem de Maquina II Visão Geral Revisão A linguagem de máquina é composta de seqüências binárias (1's e 0's) São interpretadas como instruções pelo hardware A linguagem de montagem e a linguagem de

Leia mais

1. Quais são as duas principais funções de um sistema operacional? R: controlar o hardware e permitir executar os softwares.

1. Quais são as duas principais funções de um sistema operacional? R: controlar o hardware e permitir executar os softwares. PROBLEMAS 1. Quais são as duas principais funções de um sistema operacional? R: controlar o hardware e permitir executar os softwares. 2. O que é multiprogramação? R: A Multiprogramação faz com que a CPU

Leia mais

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO

Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO Organização e Arquitetura de Computadores INTRODUÇÃO A Arquitetura de Computadores trata do comportamento funcional de um sistema computacional, do ponto de vista do programador (ex. tamanho de um tipo

Leia mais

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência

Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática. Exercício 1: Correspondência Lista de Exercícios sobre Conceitos de Informática Exercício 1: Correspondência Relacione os termos da tabela 1 abaixo com as definições da tabela 2. Para facilitar, os termos da tabela 1 estão colocados

Leia mais

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução

Sistemas Operativos. Objetivo. Entrega do Questionário. Exercício 1. Exercício 2. Exercício 3. Exercício 4. Grupo 1 Introdução Sistemas Operativos Objetivo O objetivo deste questionário é levá-lo a rever os conceitos básicos dos sistemas operativos, bem como os algoritmos de scheduling e mecanismos de sincronização estudados.

Leia mais

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos:

Os computadores ditigais podem ser classificados em 5 grupos distintos: Informática A informática engloba toda atividade relacionada ao uso dos computadores, permitindo aprimorar e automatizar tarefas em qualquer área de atuação da sociedade. Informática é a "Ciência do tratamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3

Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Sistemas Distribuídos Capítulo 3 - Aula 3 Aula passada Arquitetura de SDs Estilo Arquitetônico Arquitetura de Sistemas Sistemas Autogerenciáveis Aula de hoje Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos

Leia mais

Processos e Threads. Ciclo 2 AT3. Prof. Hermes Senger

Processos e Threads. Ciclo 2 AT3. Prof. Hermes Senger Processos e Threads Ciclo 2 AT3 Prof. Hermes Senger Nota O presente material foi elaborado com base no material didático do livro Sistemas Operacionais, 3ª edição, de H.M.Deitel, P.J. Deitel, D.R. Choffnes,

Leia mais

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR

ELETRÔNICA DIGITAL II. AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR ELETRÔNICA DIGITAL II AUTOR: ENG. ANTONIO CARLOS LEMOS JÚNIOR acjunior@facthus.edu.br 1º SEMESTRE 2009 CONTEÚDO PROGRAMADO: 1 O que é um computador digital? 2 Como funcionam os computadores 3 O agente

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais ESCALONAMENTO DE PROCESSOS Processos e Recursos Conceito de Escalonamento O S.O. gerencia recursos computacionais em benefício dos diversos processos que executam no sistema. A questão

Leia mais

UNIDADE 2 Ferramentas do Pacote Office

UNIDADE 2 Ferramentas do Pacote Office UNIDADE 2 Ferramentas do Pacote Office Olá! Aqui estamos nós outras vez! Agora para dar início à unidade 2. Hardware e Software Sabemos que a área de informática é uma das que mais vivencia mudanças na

Leia mais