Cadernos Vestibular/ZH e a Constituição de Sujeitos Universitários: ressonâncias curriculares

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadernos Vestibular/ZH e a Constituição de Sujeitos Universitários: ressonâncias curriculares"

Transcrição

1 CADERNOS VESTIBULAR/ZH E A CONSTITUIÇÃO DE SUJEITOS UNIVERSITÁRIOS: RESSONÂNCIAS CURRICULARES SILVA, Roberto Rafael Dias da UNISINOS OSOWSKI, Cecília Irene UNISINOS eixo: Currículo e saberes / n.02 Agência Financiadora: Capes Cadernos Vestibular/ZH e a Constituição de Sujeitos Universitários: ressonâncias curriculares Investigar os artefatos culturais contemporâneos em suas constituições nas tramas da linguagem, implica tomar a cultura desde um entendimento mais plural. Contemporaneamente, são inúmeras as mutações culturais que vêm se desenvolvendo em nossas sociedades. Talvez as principais marcas de nosso tempo-espaço sejam as movimentações, as metamorfoses, os hibridismos. Estas transformações se conectam à compreensão de que as culturas ao produzirem efeitos identitários estariam deslocandose, o que poderia implicar em um outro entendimento de cultura: as culturas (com letra minúscula e no plural) poderiam ser compreendidas como inventadas, datadas historicamente, e, portanto, passíveis de mutações permanentes (VEIGA-NETO, 2003). Esta compreensão de cultura viria implodir as tradicionais compreensões deste conceito. As culturas não são universais, nem estáveis e permanentes. Todos nos movemos em tramas culturais: há tempos a antropologia nos tem ensinado isto, pois são elas que nos demarcam algumas características sociais. Se todos estamos imersos em uma cultura e se as culturas não são universais, não fazem sentido as diferenciações entre cultura superior e inferior, alta cultura e baixa cultura, civilização e barbárie, etc. Segundo Stuart Hall (2006), estas movimentações estariam emergindo em estreita vinculação aos processos de globalização, pois elas [...] tem um efeito pluralizante sobre as identidades, produzindo uma variedade de possibilidades e novas posições de identificação, e tornando as identidades mais posicionais, mais políticas, mais plurais e diversas, menos fixas, unificadas ou trans-históricas. (HALL, 2006, p. 87)

2 2 Entretanto o deslocamento que gostaríamos de visibilizar ao propor a análise de um artefato cultural contemporâneo, estaria conectado ao entendimento da cultura como lugar de enunciação (BHABHA, 2001). Diferentemente de uma compreensão de cultura como epistemologia em que esta estaria circunscrita a descrição de elementos culturais em sua tendência a totalidade (idem, p. 248), uma compreensão de cultura como enunciação recolocaria a cultura em lugares híbridos, alternativos, de negociação cultural (ibidem) e abriria a possibilidade de novos tempos de significados culturais e narrativos. Com isto, poderia irromper um presente enunciativo na produção cultural que busque constituir outras possibilidades enunciativas nas quais o contingente e o liminar tornam-se os tempos e os espaços para a representação dos sujeitos da diferença cultural (ibidem). Com este entendimento da cultura como um espaço onde os sujeitos enunciam coisas e ao enunciarem constituem a si mesmos e ao mundo, podemos nos movimentar em uma análise da produção de sujeitos estudantes universitários nas condições culturais de nossos tempos e espaços, tomando como preferência analítica os discursos de um artefato cultural específico. A cultura assume um outro registro desde este lugar teórico, pois se compreende a cultura em um registro híbrido e plural, marcado por constantes deslocamentos e possibilidades múltiplas. Com estas compreensões e assumindo como materialidade investigativa o caderno Vestibular/ZH 1, encarte semanal do jornal Zero Hora 2, apontamos alguns resultados de uma pesquisa em andamento que traz como questão a ser centralmente problematizada os modos como são constituídos sujeitos estudantes universitários nos discursos que se movimentam nessas capas, assim como algumas formas pelas quais este artefato produz efeitos de uma pedagogia cultural específica. Estamos considerando, mesmo provisoriamente, que os discursos que circulam no referido artefato cultural produzem/inventam um sujeito com características específicas, o estudante universitário. Isso se dá por um conjunto de estratégias discursivas e não-discursivas que emergem de suas páginas, marcadas por textos, imagens, fotografias, cores, letras, símbolos, anúncios publicitários, etc. Tais estratégias 1 O caderno Vestibular é um encarte semanal do jornal Zero Hora, publicado todas as quartas-feiras desde meados da década de Sua linha editorial é endereçada aos estudantes que estão em processo preparatório para o ingresso na universidade. 2 Jornal diário com circulação regional, fundado em 4 de maio de No mês de maio de 2007 estava na edição de nº É vinculado ao grupo RBS, Rede Brasil Sul de Comunicações, grupo este que tem o predomínio nos investimentos e recursos no campo das mídias (televisão, rádio, jornal, etc.) em todo o Estado do Rio Grande do Sul, com extensões em Santa Catarina.

3 3 apresentam-se em um jogo marcado pela ambivalência, onde um conjunto de elementos faz com que elas se multipliquem permanentemente. Optamos pela análise do Caderno Vestibular considerando sua ampla circulação junto aos/as estudantes de Ensino Médio na escola em que um dos autores desenvolve suas atividades profissionais. O artefato sob análise, publicado semanalmente pelo jornal Zero Hora, desde o início da década de 1990, traz em sua pauta a preparação para o vestibular. Estrategicamente, desenvolvemos estas análises tomando como referência um conjunto de 20 edições do referido artefato, distribuídas no período de julho de 2006 a junho de Consideramos este período indicado, na medida em que conseguimos visualizar neste cenário de um ano, três processos preparatórios para o ingresso na universidade, momentos em que este material circula mais entre os grupos de estudantes, apresentando-se mais produtivo para o que nos interessa investigar, seja pelo conteúdo, seja pela ênfase nas descrições de condutas e de aprendizagens. Como estratégias de investigação optamos em operar com os conceitos de discurso e governamento produzidos pelo filósofo francês Michel Foucault, tomando-os enquanto ferramentas analíticas. Procuramos trabalhar com uma inspiração foucaultiana buscando aproximações com o campo dos Estudos Culturais Contemporâneos, reconhecendo que estas aproximações não são fixas, nem universais, antes disso, dão-se em um campo de permanentes tensões e deslocamentos (VEIGA-NETO, 2003). Movimentar-se desde tais perspectivas, assumindo a centralidade analítica da linguagem e da cultura, implica em uma atitude investigativa denominada por Alfredo Veiga-Neto de hipercrítica, pois esta se manifesta como uma permanente reflexão e desconfiança radical frente a qualquer verdade dita, ou estabelecida (VEIGA-NETO, 2000, p. 45). A partir desta possibilidade, gostaríamos de argumentar que ao desenvolver uma análise de discursos, tratando-os no jogo de sua emergência, não significa que estamos passando à margem dos graves problemas de nosso tempo. Ao optarmos por uma aproximação à perspectiva foucaultiana, não nos vinculamos àquelas análises que tomam os discursos como entidades assépticas. Antes disso, argumentamos que os discursos são sempre práticos, o que encaminha de modo potencial às dimensões discursivas do acontecimento e do acaso (FOUCAULT, 2006, p.21). Pensar que nas teorizações de Michel Foucault, tudo é prática, implica reconhecer os discursos como [...] práticas que formam sistematicamente os objetos de que falam. Certamente os discursos são feitos de signos; mas o que fazem é mais

4 4 que utilizar estes signos para designar coisas. É esse mais que é os torna irredutíveis à língua e ao ato da fala. É esse mais que é preciso fazer aparecer e que é preciso descrever. (FOUCAULT, 2007b, p.55). Operamos, também, com outra ferramenta analítica: a governamentalidade. Tal conceito emerge no século XVIII e produz ressonâncias até os dias atuais. Foucaultianamente, o governamento é tomado no sentido de dirigir as condutas de indivíduos e pequenos grupos humanos: governar as crianças, as mulheres, a família, etc. (VEIGA-NETO, 2005, p.148). Se partíssemos do entendimento contingente de que o Caderno Vestibular dirige as condutas dos estudantes universitários, regendo suas formas de vida, estudo e trabalho, poderíamos nos encaminhar para a perspectiva de que o triângulo: soberania disciplina - gestão governamental (FOUCAULT, 2007, p. 291) é visibilizado em suas produções discursivas. Assim, constituindo uma pedagogia cultural específica, o Caderno Vestibular/ZH produz (e é produzido) por efeitos de currículo, o que faz algumas ressonâncias aos entendimentos de currículo na contemporaneidade. Pensando em currículos, neste momento, optamos em entendê-los enquanto um dos possíveis efeitos dos discursos que circulam na materialidade investigada. Diante disso, evitamos tratá-los como a base ou o fundamento dos processos educativos, escolarizados ou nãoescolarizados. Para organizar essas movimentações analíticas, construímos este texto em três momentos: primeiramente, discutiremos o currículo enquanto uma invenção que emerge na/da escola da modernidade marcada pelo jogo educabilidadegovernamentalidade; em um segundo momento, operaremos com os modos de endereçamento (ELLSWORTH, 2001) em conexão aos efeitos curriculares dos materiais analisados, procurando examinar alguns fragmentos discursivos destes textos culturais; e, por fim, tomaremos os efeitos identitários e de currículo produzidos pelos Cadernos Vestibular/ZH como instituintes de uma pedagogia cultural específica, que se movimenta através de modos de endereçamento indeterminados e num cenário em que as individualidades estão em trânsito permanente. Para tanto, apontamos como estes efeitos produzem currículos heterotópicos, o que poderia, provisoriamente, colaborar na compreensão dos currículos de nosso tempo. 1. Os currículos em sua historicidade

5 5 Tomar os currículos enquanto efeito discursivo implica reconhecer a sua historicidade, própria dos movimentos que os constituem e os fazem ocupar estes espaços e não outros. O currículo, enquanto um dispositivo da educação escolarizada, foi inventado na passagem do século XVI para o século XVII (VEIGA-NETO, 2001 p. 94), o que encaminha a pensá-lo enquanto produto de uma determinada história e, ao mesmo tempo, produtor desta. Partindo do período cronológico em que emerge este dispositivo é possível constatar como os currículos ocupam um espaço significativo no século do disciplinamento dos saberes : O século XVII foi o século do disciplinamento dos saberes, ou seja, da organização interna de cada saber como uma disciplina tendo, em seu campo próprio, a um só tempo critérios de seleção que permitem descartar o falso saber, o não saber, formas de normalização e homogeneização dos conteúdos, formas de hierarquização e, enfim, uma organização interna de centralização desses saberes em torno de uma axiomatização de fato. (FOUCAULT, 1999, p. 217) Nestes espaços-tempos narrados, os currículos irrompem como os eixos delineadores da normalização e da homogeneização dos conteúdos, função básica na estruturação da escola na Modernidade. Organizar conteúdos, prescrever saberes, produzir verdades, selecionar espaços, enfim disciplinar, eram as grandes metas dos currículos em um tempo de disciplinamento de saberes. Este processo também produzia sujeitos, através de um conjunto de técnicas de controle do tempo e do espaço, inscrevendo-se no ideal moderno de escolarização: A ordenação por fileiras, no século XVIII, começa a definir a grande forma da repartição dos indivíduos na ordem escolar: filas de alunos na sala, nos corredores, nos pátios; colocação atribuída a cada um em relação a cada tarefa e cada prova, colocação que ele obtém de semana em semana, de mês em mês, de ano em ano; alinhamento das classes de idade umas depois das outras; sucessão dos assuntos ensinados, das questões tratadas segundo uma ordem de dificuldade crescente. (FOUCAULT, 1991, p. 134) A partir desta breve descrição faz-se possível visualizar alguns processos de disciplinamento que irrompem no século XVII e cristalizam-se no ideário educacional moderno. A escola passa, no entendimento do filósofo, a constituir-se como uma instituição de seqüestro, o que a configura historicamente como um local de disciplinamento de saberes, de corpos e de mentes. Entretanto, dirigindo um olhar para a emergência dos currículos, tal como constructos datados desta periodização, a partir dos

6 6 lugares teóricos que temos percorrido, podemos afirmar que narrar os processos de disciplinamento pode não se fazer suficiente para a análise das condições de possibilidade destes currículos. Que cenários pedagógicos constituem esse período histórico dos séculos XVI e XVII? De que modo os sujeitos são narrados naquelas condições específicas? Como a escolarização passa a ser uma marca na constituição de sujeitos desta periodização? Que ideário filosófico, perpassado por relações de poder-saber, predomina contingencialmente nestes tempos? Com essas problematizações fomos conduzidos a nos aproximar das teorizações pedagógicas de Comenius ( ), que não só emergem por entre estes lugares, como delineia essa escola da modernidade. Comenius, considerado um dos fundadores das disciplinas pedagógicas, tem sua produção marcada por um período em que os ideais racionalistas estavam irrompendo. A compreensão do ser humano enquanto dotado de razão e, como tal, capaz de compreender e transformar a natureza a sua volta passa a compor o ideário filosófico dos séculos XVI e XVII. Envolvido por estas condições teóricas, Comenius defende, então, a possibilidade do homem ser educado: Assim, a educabilidade do homem é o ponto de partida da Educação. Essa é a potencialidade do homem, que deve ser posta em ato na prática educativa. Tal potencialidade de se converter em homem aparece no discurso comeniano como aquela condição que institui a essência especificamente humana. (NARODOWSKI, 2001, p. 78) É o entendimento do ser humano enquanto ser educável que potencializa a emergência dos processos escolarizados e para isso [...] todos devem passar pela escola. Todos são aqueles que nasceram homens, isto é, que carregam o germe da Ciência, da Virtude e da Piedade (idem, p. 79). Estas expressões (ciência, virtude e piedade) tendem a tornarem-se o sentido ou a meta para o conhecimento escolar, visto que o ser humano somente se constitui enquanto tal, na medida em que se aproximam destes ideais. Sendo a educabilidade própria da natureza humana, a maioria poderia aprender. Desta compreensão Comenius pode desenvolver o seu método, a sua didática magna, que poderia intervir para eliminar as diferenças nos entendimentos e inclinações para os estudos, quando essas diferenças não propiciarem as condições favoráveis para receber educação (idem, p.86). Para este método deveriam ser tomados como referência os alunos com rendimento intermediário, para que se busque sempre a

7 7 média. Talvez acerca disto, poderíamos problematizar (e talvez até entender) a possível discrepância entre as didáticas e as diferenças de entendimento, pois em Comenius as primeiras surgem como um apagamento das outras. Com isso, o que surge são diferentes pedagogias e didáticas dirigidas ao melhor ensinar, tomando como referência as diferenças entre os conteúdos e não as dos sujeitos. Mais uma vez trazendo à tona às perspectivas curriculares, a marca pedagógica do ideário comeniano é a pansofia, ou seja, a possibilidade de ensinar tudo a todos. Desta forma, tanto as teorizações tradicionais, quanto àquelas mais críticas, partem da pansofia enquanto lugar privilegiado das constituições curriculares. Dito sob um outro registro, a pansofia é a condição para que um determinado currículo venha a instituir-se. Ou ainda, a pansofia é a metanarrativa que predominantemente sustenta as teorizações curriculares de nossos tempos. Então, ao compreendermos os currículos como uma fabricação produzida em conexão com a escola moderna, com seus princípios pedagógicos, políticos e filosóficos, arriscamo-nos a estabelecer algumas relações entre o disciplinamento de saberes de Michel Foucault e a pansofia, proposta educativa de Comenius. Na medida em que se faz possível ensinar tudo a todos, estes saberes devem ser normalizados e homogeneizados na forma de conteúdos específicos. A viabilidade do ideal pansófico reside na confiança na educabilidade do homem, dado que os escolarizáveis são a maioria (NARODOWSKI, 2001, p.81). De forma mais específica, e neste jogo de relações, poderíamos afirmar que a educabilidade emerge em consonância com a governamentalidade. Avançando nestas movimentações analíticas, precisamos reiterar que os discursos que circulam nos Cadernos Vestibular/ZH, ao produzirem efeitos de currículo, posicionam-se potencialmente no jogo educabilidade-governamentalidade. Isso se dá ao ensinar como estudar determinado conteúdo, como descansar na véspera da prova ou como preparar-se para o mercado de trabalho. Junto a isso, precisamos destacar que ao operar com a perspectiva de que alguns efeitos curriculares estão sendo produzidos neste jornal, nos distanciamos daqueles autores que prescrevem como utilizar estes materiais como soluções didáticas nas salas de aula e reconhecemos que enquanto artefato cultural eles nos ensinam coisas, nos contam histórias, nos dizem como as coisas são, como as coisas não são, como as coisas devem ser, (SCHMIDT, 2001, p.64), fazendo circular uma pedagogia cultural.

8 8 Com o desejo de alargar essas problematizações acerca da constituição de uma pedagogia cultural nos discursos que circulam nos Cadernos analisados, discutiremos o conceito de modos de endereçamento, desenvolvido por Elisabeth Ellsworth (2001). Buscaremos examinar como são endereçados estes discursos aos estudantes universitários e que movimentações eles tornam possíveis, procurando visibilizar efeitos identitários e curriculares produzidos pelo ensinar e governar que circula nos Cadernos Vestibular/ZH. 2. Currículos e modos de endereçamento Passamos a operar, neste momento, com a perspectiva de que os discursos que circulam nas capas dos Cadernos Vestibular/ZH produzem efeitos de currículo, ou melhor, que ao se apresentar aos estudantes que buscam ingressar no ensino superior este material, desde diferentes estratégias, ensina muitas coisas a esses sujeitos. Ao visibilizar formas de estudar, de trabalhar, de como se preparar para uma prova, dentre outras possibilidades, eles constituem uma pedagogia cultural. Entendemos por pedagogias culturais, desde as teorizações dos Estudos Culturais Contemporâneos, aquelas pedagogias que se desenvolvem em outros espaços diferentes dos espaços escolares, espaços tradicionalmente destinados às experiências de ensino e de aprendizagem. São produzidas em múltiplos espaços e pelos artefatos culturais, como as mídias, o cinema, os sites da internet, dentre outros, estando suas estratégias de operação ligadas aos seus múltiplos modos de endereçamento (ELLSWORTH, 2001). De imediato precisamos pontuar que o conceito de modos de endereçamento, utilizado por Elizabeth Ellsworth (2001) emerge vinculado às teorias do cinema, entretanto, a autora, interessadamente, coloca-o em articulação com as coisas da educação. O evento do endereçamento ocorre num espaço que é social, psíquico, ou ambos, entre o texto do filme e os usos que o espectador fez dele (idem, p.13). Com isso, se pode pensar que os modos de endereçamento não produzem efeitos unilaterais às subjetividades dos seus públicos, pois elas estão em movimento e o espaço entre o endereçamento e a resposta dada é um espaço social, fazendo-nos reconhecer que não se pode controlar um modo de endereçamento.

9 9 Mesmo que o público nunca esteja no lugar para o qual o filme fala, o lugar que o filme endereça parece existir como um lá abstrato e partilhável, uma posição de sujeito imaginada no interior do poder, do conhecimento e do desejo que os interesses conscientes e inconscientes por detrás da produção do filme precisam que o público preencha. (ibidem, p. 39) Assim, o poder de um modo de endereçamento reside em seu caráter indeterminado (ibidem, p.43), mas cabe reiterar que, mesmo de forma não-vertical, os endereçamentos produzem efeitos, efeitos estes constituídos justamente por sua multiplicidade. Traçaremos um pequeno campo de visibilidade a estas questões, trazendo três fragmentos dos Cadernos Vestibular/ZH e examinando alguns efeitos identitários e de currículo que irrompem destes textos culturais: Fragmento 1 Como fez o Internacional, milhares de vestibulandos pretendem conquistar um título inédito em menos de 20 dias: o de estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Então, será preciso seguir a receita do Inter. Como todo campeão, a equipe não poupou treinamento. Fernandão (na foto, à direita) treinou pênaltis exaustivamente na quinta-feira, três dias antes da partida final. No mesmo instante, alunos do Unificado (à esquerda) assistiam a aulas em Porto Alegre. Uma situação normal de quem se prepara para uma disputa acirrada. (Edição 531, 20/12/2006) É possível ler no fragmento 1 uma das formas como o ingresso na Universidade é considerado nestes tempos hodiernos, uma questão de conquista, de competição e de treinamento. Ao comparar as provas do vestibular com o futebol, o jornal ensina que bastariam treinamento e repetição que as aprendizagens aconteceriam. Esta perspectiva, mesmo endereçada aos estudantes que aspiram à posição de universitários, pode errar seus alvos, na forma como compreendemos os endereçamentos, pois se para uns é incentivo e possibilidade de sucesso, para outros é pressão insuportável e quase desestímulo, enquanto possibilidade de fracasso. Ao mesmo tempo, professores, empresas, especialistas de diversas ordens ao acolherem a competição e o treinamento como práticas pedagógicas colocam a escola submetida e submetendo a estratégias que classificam e excluem. Com isso constatamos que se a escola foi pensada no século XVI para ensinar tudo a todos, o que ela mais tem feito é produzir estratégias de governamento. Apresentamos um segundo fragmento que faz referência aos dois estudantes gaúchos que foram aprovados no vestibular do ITA, um dos mais

10 10 valorizados processos seletivos do país. Frente a isto, os dois estudantes foram convidados pelo jornal a construir o quadro de sugestões abaixo apresentado, o que leva a compreender o título da reportagem descrita parcialmente: Como eles fizeram. Fragmento 2 Como eles fizeram Para quem quer seguir o mesmo caminho, os estudantes Augusto Van Den Eeden Claas e Thiago Cardoso da Costa dão algumas dicas. Confira: - Acredite em você mesmo - Organize uma rotina de estudos - Estude em grupo - Se você domina algum assunto, se proponha a ensinar seus colegas - Escolha um local adequado para o estudo - Converse com sua família - Reserve um tempo para o lazer (Edição 535, 10/01/2007) Consideramos que este fragmento opera com efeitos de uma pedagogia, quando ensina como preparar-se para uma prova: não basta estudar, mas é preciso disciplinar-se para ter uma série de condutas em diferentes espaços e com diferentes grupos culturais. Mais do que receitas de condutas, rotinas de práticas a serem seguidas ao preparar-se para uma prova ou mesmo prescrições de como alcançar um caminho de sucesso, esse conjunto de prescrições produzem muito mais do que um disciplinamento, produzem efeitos de governamento. Isso porque dispõe de tal modo da vida desses estudantes que eles são conduzidos não a um bem comum, mas a um objetivo adequado a cada uma das coisas a governar. O que implica, em primeiro lugar, uma pluralidade de fins específicos, ou seja, no caso aqui analisado, a como constituir-se como estudantes universitários. Significa não só passar no vestibular e entrar numa faculdade, mas aprender a submeter-se às regras impostas em cada curso para tornar-se um estudante que ao atuar de uma determinada forma tornar-se-á um profissional que atuará sob determinadas condições. Junto com isso, esse governamento opera no campo do currículo com seus efeitos identitários nos sujeitos que dele participam. Precisamos enfatizar que não entendemos os efeitos identitários enquanto ações impositivas, mas pequenos pontos móveis nos quais os sujeitos provisoriamente identificam-se e, mais do que isso, desejam constituir-se como tal, sem aspirar a uma identidade fixa e imutável. Constituídos como sujeitos desejantes ao sabor do acaso pelos discursos que os seduzem, são impelidos por aqueles modos de endereçamento

11 11 que conseguem acertar esses alvos que mesmo sendo fluídos e móveis, estão ali para serem atingidos. Este terceiro fragmento indica algumas formas pelas quais os estudantes universitários poderiam contribuir com outros grupos culturais, abrindo possibilidade, também, para outras leituras. Fragmento 3 Uma biblioteca destruída por um incêndio na pequena escola pública de Itati, no Litoral Norte. Um grupo de calouros de Biblioteconomia, em Porto Alegre. Uma combinação perfeita, pensou a estudante Graziela Mônaco Vargas, 24 anos, para o trote do segundo semestre de 2006 na Faculdade de Comunicação e Biblioteconomia (Fabico) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). - Li a notícia na Internet e pedi ajuda a minha colega (Carla Rech Ribeiro, 23 anos). Entramos em contato com a escola para ver o tamanho do acervo perdido. Iniciamos a campanha de doação de livros no primeiro dia de aula, mas não imaginávamos que chegaria onde chegou conta Graziela. (Edição 540, 14/02/2007) Neste fragmento constatamos como os Cadernos Vestibular/ZH podem ensinar que ocupar a posição de sujeitos universitários significa submeter-se não só a um conjunto de estratégias cognitivas e de aprendizagens que governam mentes e corpos, como também aquelas que se inscrevem no campo das preocupações éticas. Assim, encaminha a possibilidade da constituição de sujeitos socialmente preocupados com os problemas emergentes contemporaneamente, desde a doação de livros a uma pequena biblioteca do interior, até o engendramento de responsabilidades coletivas (e ao mesmo tempo, uma auto-responsabilização). Ao fazer isso, produzem um deslocamento do coletivo para o individual, o que implica dizer que as estratégias de governamento numa modernidade líquida, dão-se relacionadas à individualidade, ou seja, aos investimentos que aos indivíduos é atribuído fazer, imputando-lhes uma autoresponsabilidade enfatizada pelo desejo de auto-afirmação, como afirma Bauman (2001, p.38): Essa importante alteração se reflete na realocação do discurso ético/político do quadro da sociedade justa para o dos direitos humanos, isto é, voltando o foco daquele discurso ao direito de os indivíduos permanecerem diferentes e de escolherem à vontade seus próprios modelos de felicidade e de modo de vida adequado. Essas breves movimentações de análise indicam uma linha condutora que assumimos para visibilizar estratégias de governamento dos estudantes universitários.

12 12 Ao constituir um campo de ação para estes sujeitos, os Cadernos Vestibular/ZH produzem um conjunto discursivo e de governamentalidade que regula as possibilidades de estudo, trabalho e vida social desses estudantes. Gerenciar ou administrar uma população não é apenas produzir efeitos globais, mas gerenciá-la nos detalhes. A idéia de um novo governo da população torna ainda mais aguda a necessidade de desenvolver a disciplina (FOUCAULT, 2007, p. 291). Com a análise dos fragmentos aqui apresentados, desejamos nos movimentar com a perspectiva de que estes textos, estas imagens e algumas das demais estratégias discursivas produzem efeitos de currículo em suas tramas lingüísticas e culturais. Mesmo reconhecendo que seus modos de endereçamento não se configuram como táticas verticalizadas, os Cadernos Vestibular/ZH produzem efeitos identitários, constituindo estudantes como universitários e ensinando-os a experienciar esta condição. Mais uma vez, retomamos conceitualmente as aproximações dos modos de endereçamento com a educação e, conseqüentemente, tentaremos problematizar algumas ressonâncias destes movimentos nos currículos escolares. Reconhecendo os modos de endereçamento como relacionais e nãolocalizáveis, conforme Ellsworth (2001) propomos uma aproximação deste conceito com a educação. Pois, assim como nos cinemas, os currículos escolares também erram seus alvos, não havendo ajustes perfeitos entre as relações sociais e a realidade psíquica, entre o eu e a linguagem (idem, p.56): se assim fosse não haveria educação. A partir disto, a autora coloca o ensino como indecidível, isto é, sem possibilidades de dizer com certeza e acertar totalmente entre o que é afirmado no currículo e aquilo que os estudantes se tornam, pois não podemos observar, inspecionar ou regular diretamente os espaços abertos pelos ajustes imperfeitos entre o que os currículos dizem que nós supostamente devemos ser e aquilo que na realidade não nos tornamos (idem, p.68). Inspirados na idéia de Ellsworth (2001) de que o ensino é indecidível, que ele muitas vezes erra seus alvos, passamos a considerar os efeitos de currículo produzidos nas capas dos Cadernos Vestibular/ZH como uma pedagogia cultural produzida/produtora por movimentações indecidíveis, aproximadas a cenários de heterotopias. Consideramos, então, que [...] são impossíveis ajustes perfeitos entre texto e leitura, modos de endereçamento e interpretações do espectador, currículo e

13 13 aprendizagem, o estudante ideal ou o estudante real, a educação multicultural e os sentimentos reais dos estudantes sobre raça. (ibidem, p. 62) Tomar a indecidibilidade dos currículos como uma das marcas de sua constituição em nossos tempos, não implica em uma negação de suas significativas funções na fabricação de sujeitos escolarizáveis. Antes disso, apresenta-se como uma provocação para perguntarmos sobre as permanentes fugas, os constantes desvios que irrompem destes movimentos. Em seguida, problematizaremos alguns deslocamentos que tentamos visibilizar com a emergência de efeitos de currículos nas páginas desse artefato cultural contemporâneo. 3. Currículos heterotópicos, pedagogias culturais... Contemporaneamente são inúmeras as teorizações curriculares (especialmente aquelas de inspiração pós-moderna e pós-estruturalista) que operam com os currículos como espaços em movimento. Espaços marcados por uma ambivalência, pois ao mesmo tempo em que constituem os sujeitos de que falam, são espaços escorregadios, nômades. Sandra Corazza (2001) opera com a perspectiva do currículo como uma linguagem e como tal constitui-se em uma prática social, corporificada em saberes, regulamentos, instituições, dentre outras formas. Tomaz Tadeu da Silva (2003), desde uma inspiração nietzschiana, apresenta a possibilidade de currículos perspectivísticos, sendo compreendidos como uma superfície na qual escrevemos/inscrevemos tantas versões para o mundo quantas pudermos inventar. Sílvio Gallo (2002), ao mover-se com uma filosofia deleuziana, propõe um currículo rizomático como uma nova forma de trânsito por entre os saberes, estratégia marcada por uma atitude transversal e por uma multiplicidade de devires que movimenta. Além destes, muitos outros estudos hoje se movimentam com estas perspectivas. Entretanto, o que buscamos enfatizar é que nos currículos engendrados desde as pedagogias culturais isto também ocorre, em especial ao nos aproximarmos analiticamente dos Cadernos Vestibular/ZH. São espaços em permanente movimentação, espaços em trânsito, espaços indecidíveis. No que se refere a estas pedagogias, de imediato, aceitamos o desafio de produzirmos pedagogias culturais reconhecidamente efêmeras, movidas em espaços de ambivalência, nos quais suas estratégias tendem sempre a constituir-se de forma escorregadia. Entendemos, então,

14 14 esta indecidibilidade, provisoriamente, sob duas perspectivas. Primeiramente, por que os modos de endereçamento estão permanentemente errando seus alvos e, ao mesmo tempo, por que as subjetividades humanas escapam, movimentam-se, dispersam-se, fragmentam-se. As subjetividades não são tão centradas quanto pretendiam as teorizações clássicas. Talvez as pedagogias culturais, pensadas em uma paisagem de subjetividades em trânsito e de indeterminação dos modos de endereçamento, possam se constituir naquilo que Michel Foucault denominou de heterotopias (FOUCAULT, 2001). Segundo o filósofo, estaríamos vivendo a época do espaço. Estamos na época do simultâneo, estamos na época da justaposição, do próximo e do longínquo, do lado a lado, do disperso. Estamos em um momento em que o mundo se experimenta, acredito, menos como uma grande via que se desenvolveria através dos tempos do que como uma rede que religa pontos e entrecruza sua trama. (FOUCAULT, 2001, p. 411) Michel Foucault aponta a existência de dois grandes tipos de espaços: as utopias e as heterotopias. As utopias seriam aqueles grandes lugares idealizados, são posicionamentos que mantêm como com o espaço real da sociedade uma relação geral de analogia direta ou inversa (idem, p. 415). Já as heterotopias seriam lugares efetivos na própria sociedade, pequenos espaços encontrados no interior de uma cultura, espécies de lugares que estão fora de todos os lugares, embora eles sejam efetivamente localizáveis (idem, p. 415). Sendo os currículos que circulam nas pedagogias culturais considerados como indecidíveis, aproximo-os destas heterotopias, de forma que os currículos possam tornar-se espaços flutuantes, um lugar sem lugar, que vive por si mesmo e ao mesmo tempo lançado ao infinito do mar (idem, p. 421). Talvez seja importante para estes tempos a invenção de heterotopias em educação, o que poderia significar lançar-se e chamar os outros à aventura, sem saber qual será o porto em que chegaremos, mas dispostos a fruir dos acontecimentos intensamente, inventando novos caminhos (GALLO, 2007, p. 101). Considerar, então, os currículos em sua condição de indecidibilidade, em uma perspectiva heterotópica, emerge como um dos possíveis desafios para movimentarmos as paisagens educativas na/da contemporaneidade. REFERÊNCIAS:

15 15 BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001 BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2001 CORAZZA, Sandra Mara. O que quer um currículo?: pesquisas pós-críticas em educação. Petrópolis: Vozes, 2001 COSTA, Marisa Vorraber. Currículo e Política Cultural. In:. (Org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: DP & A, p ELLSWORTH, Elizabeth. Modo de endereçamento: uma coisa de cinema; uma coisa de educação também. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Nunca fomos humanos nos rastros do sujeito. Belo Horizonte: Autêntica, p FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. Petrópolis: Vozes, Em defesa da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, Outros espaços. In:. Ditos e Escritos III Estética: literatura e pintura, música e cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, A governamentalidade. In:. Microfísica do poder.23ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007a. p A arqueologia do saber. 7ª ed. Rio de janeiro: Forense Universitária, 2007b GALLO, Sílvio. Educação menor: produção de heterotopias no espaço escolar. In: RIBEIRO, Paula R. C. (Org.). Corpo, Gênero e Sexualidade: discutindo práticas educativas. Rio Grande: Editora da Furg, p Conhecimento, transversalidade e educação: para além da interdisciplinaridade. Impulso, Piracicaba: Ed. Unimep. vol. 10, no 21, HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP & A, 2006 NARODOWSKI, Mariano. Comenius & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2001 SCHMIDT, Sarai. De olho na mídia. In:. (org.). A educação em tempos de globalização. Rio de Janeiro: DP & A, p SILVA, Tomaz Tadeu da. Dr. Nietzsche, Curriculista com uma pequena ajuda do professor Deleuze. In: CORAZZA, Sandra; SILVA, Tomaz Tadeu da. Composições. Belo Horizonte: Autêntica, 2003 VEIGA-NETO, Alfredo. Michel Foucault e os Estudos Culturais. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). Estudos Culturais em Educação: mídia, arquitetura, brinquedo, biologia, literatura, cinema,... Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2000, p Currículo e História: uma conexão radical. In: COSTA, Marisa Vorraber (org.). O currículo nos limiares do contemporâneo. 3ª ed. Rio de Janeiro: DP & A, p Cultura, culturas e educação. Revista Brasileira de Educação. nº. 23, 2003, p. 5-15

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação

A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação A constituição do sujeito em Michel Foucault: práticas de sujeição e práticas de subjetivação Marcela Alves de Araújo França CASTANHEIRA Adriano CORREIA Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Filosofia

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT

A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT 1 A FORMA EDUCANDO COMO EXPERIÊNCIA DE SI: UM ESTUDO DA SUBJETIVIDADE SOB A PERSPECTIVA DE MICHEL FOUCAULT RAMOS, Douglas Rossi 1 ; CARDOSO JR, Hélio Rebello; ROCHA, Luiz Carlos da (Universidade Estadual

Leia mais

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte.

A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. A fotografia como testemunho material das reflexões de alunos do ensino médio na aula de arte. Doutorando: Laudo Rodrigues Sobrinho Universidade Metodista de Piracicaba-UNIMEP e-mail: laudinho@bol.com.br

Leia mais

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA

GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA GOVERNAMENTALIDADE NEOLIBERAL E A PRODUÇÃO DE SUJEITOS PARA A DINÂMICA INCLUSIVA Juliane Marschall Morgenstern 1 - UNISINOS Agência Financiadora: Capes/Proex Resumo: O presente trabalho compõe uma proposta

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade.

OBJETIVOS GERAIS 1 Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Unidade Universitária Centro de Comunicação e Letras 95 OBJETIVOS GERAIS Fornecer subsídios para a construção do Mapa Conceitual da Publicidade. Curso Publicidade e Propaganda Eixo Disciplinar Estudos

Leia mais

Seminário do 16º COLE vinculado: 10

Seminário do 16º COLE vinculado: 10 Kelly Cristina Ducatti da Silva. Doutoranda UNICAMP/Campinas-SP, Professora do Ensino Fundamental (Prefeitura Municipal de Bauru) e Docente UNESP/BAURU kellyducatti@hotmail.com RELATO DE EXPERIÊNCIA: UM

Leia mais

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES

MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES MÚLTIPLAS LEITURAS: CAMINHOS E POSSIBILIDADES EDIT MARIA ALVES SIQUEIRA (UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA). Resumo Diferentes instrumentos de avaliação (ENEM, SIMAVE) tem diagnosticado o despreparo dos alunos

Leia mais

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como?

Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Projetos Interdisciplinares Por quê? Quando? Como? Profª. Ms. Maria Cecília Nobrega de Almeida Augusto 26 e 27/10/2011 A aula de hoje: Situando a discussão sobre projetos interdisciplinares; O conceito

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM

O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM O ENSINO DE FILOSOFIA NA ESCOLA BÁSICA: UMA LEITURA FOUCAULTIANA Liliana Souza de Oliveira - UFSM Introdução O artigo 36 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei n. 9.394/96) determina que

Leia mais

ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO

ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO 1 ARTICULANDO CINEMA, MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO MAIARA DE SOUZA (UEPB) maiara.m.souza@gmail.com SENYRA MARTINS CAVALCANTI (ORIENTADORA, UEPB) senyra@hotmail.com 1. INTRODUÇÃO O Projeto de Extensão O cinema

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO *

O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * O PENSAMENTO DE FOUCAULT E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO * ANTONIO FLAVIO BARBOSA MOREIRA ** ão é tarefa fácil resumir, de modo simples, claro, preciso e rigoroso, o pensamento de um autor de textos

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1

O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 O QUE É A FILOSOFIA? DA CRIAÇÃO CONCEITUAL AO APRENDER 1 Jurandir Goulart Soares 2 Salvador Leandro Barbosa 3 Resumo: O presente trabalho pretende apontar a partir da contribuição dos filósofos franceses

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR

COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR O USO DO BLOG COM CRIANÇAS INGRESSANTES NO ENSINO FUNDAMENTAL: UMA EXPERIÊNCIA POSSÍVEL NOS DIFERENTES MODOS DE ENSINAR Isnary Aparecida Araujo da Silva 1 Introdução A sociedade atual vive um boom da tecnologia,

Leia mais

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA

Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Câmpus de Bauru PLANO DE DISCIPLINA PLANO DE DISCIPLINA 1. UNIDADE: Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação 2. PROGRAMA: Pós-graduação em Televisão Digital: Informação e Conhecimento 3. NÍVEL: Mestrado Profissional 4. ÁREA DE CONCENTRAÇÃO:

Leia mais

Apresentação da FAMA

Apresentação da FAMA Pós-Graduação Lato Sensu CURSO DE ESPECIIALIIZAÇÃO 444 horras/aulla 1 Apresentação da FAMA A FAMA nasceu como conseqüência do espírito inovador e criador que há mais de 5 anos aflorou numa família de empreendedores

Leia mais

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez

Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Educação Bilíngüe: avanços e desafios na inclusão escolar dos alunos (as) com surdez Profª Drª Profª Drª Mirlene Ferreira Macedo Damázio psmirlenefm@gmail.com DESAFIOS DA POLÍTICA DA EDUCAÇÃO ESCOLAR INCLUSIVA

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Canguilhem e as ciências da vida

Canguilhem e as ciências da vida Canguilhem e as ciências da vida 679 CANGUILHEM, G. Estudos de História e de Filosofia das Ciências: concernentes aos vivos e à vida Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012 1 Lizandro Lui 1 Instituto

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ

(IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ (IM)PACTOS DA/COM A LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Fernanda de Araújo Frambach UFRJ Resumo O presente trabalho objetiva apresentar uma pesquisa em andamento que

Leia mais

O DESAFIO DA MULTIPLICIDADE: SABERES E PRÁTICAS DOCENTES

O DESAFIO DA MULTIPLICIDADE: SABERES E PRÁTICAS DOCENTES O DESAFIO DA MULTIPLICIDADE: SABERES E PRÁTICAS DOCENTES Drando. Daniel Ely Silva Barbosa Universidade Federal de Pernambuco historia1211@yahoo.com.br Introdução Na obra A expansão da História Barros trata

Leia mais

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação

GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado. A pesquisa e o tema da subjetividade em educação GT Psicologia da Educação Trabalho encomendado A pesquisa e o tema da subjetividade em educação Fernando Luis González Rey 1 A subjetividade representa um macroconceito orientado à compreensão da psique

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO Disciplina: LINGUAGEM, DISCURSO E INSTITUIÇÕES DO SISTEMA Regente: Profa. Dra. Mônica da Silva Cruz Carga horária: 60h Número de créditos: 04 Semestre letivo: 2013.1 Datas: terças-feiras, das 14h30min

Leia mais

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto

Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI. Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Coordenação Prof. Dr. Marcos T. Masetto 1 Curso de Formação Pedagógica para Docentes da FEI Professor Doutor Marcos T. Masetto Objetivos Desenvolver competências

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO

HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO HOMEM E NATUREZA: PRODUÇÃO DE VERDADES NO CINEMA DE ANIMAÇÃO Gisele Ruiz Silva Prefeitura Municipal do Rio Grande gisaruizsilva@gmail.com Camila da Silva magalhães camilapedag@gmailcom Discussões sobre

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1

A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1 A INFLUÊNCIA DA CULTURA NA PRÁTICA DIDÁTICA 1 PRETTO, Valdir 2 ; 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Professor do Curso de Pedagogia e do Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática do

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓGICO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Teoria e Planejamento Curricular I Carga Horária Semestral: 40 horas Semestre do Curso: 5º 1 - Ementa (sumário, resumo) Currículo:

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Maria da Gloria Vasconcellos Cid Faculdades Integradas Geraldo Di Biase Volta Redonda RJ glorinhacid@hotmail.com INTRODUÇÃO A Matemática tem

Leia mais

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social

Ensino/aprendizagem circense: projeto transversal de política social ENSINO/APRENDIZAGEM CIRCENSE: PROJETO TRANSVERSAL DE POLÍTICA SOCIAL Erminia Silva Centro de Formação Profissional em Artes Circenses CEFAC Teatralidade circense, circo como educação permanente, história

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2

INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 TEXTO NUM. 2 INDIVÍDUO E SOCIEDADE PARTE 2 Max Weber, O indivíduo e a ação social: O alemão Max Weber (1864-1920), diferentemente de Durkheim, tem como preocupação central compreender o indivíduo e suas

Leia mais

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas

SISEB Informa. 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias. Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas Ano I Número 6 setembro 2014 3 Ensino a distância (EAD) SisEB Curso: Ação cultural em bibliotecas 7º Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias página 4 6 Encontro Prêmio São Paulo

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4

PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1. Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 PRODUTORA DE NOTÍCIAS VESTIBULAR 1 Letycia CARDOSO 2 João Gabriel MARQUES 3 Márcio de Oliveira GUERRA 4 Universidade Federal de Juiz de Fora, Juiz de Fora, MG RESUMO Como forma de estimular a criatividade

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA

CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA CURSO DE GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA: FEITO PARA QUAL ALUNO? Simone Antaki Moussatché UNESA Introdução Com o objetivo de que as universidades se tornem instituições-guia para a construção de cenários sociais

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Como se trabalha com projetos ALMEIDA, Maria Elizabeth. Como se trabalha com projetos. Revista TV Escola, [S.l.], n. 22, p. 35-38, 2001. Entrevista concedida a Cláudio

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA. Trabalho de Conclusão de Curso UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Trabalho de Conclusão de Curso Brasília 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA REITOR Prof. Dr. Gilberto Gonçalves Garcia PRÓ-REITOR

Leia mais

Resolução SME N 24/2010

Resolução SME N 24/2010 Resolução SME N 24/2010 Dispõe sobre orientações das rotinas na Educação Infantil, em escolas e classes de período integral da rede municipal e conveniada, anexos I e II desta Resolução, com base no Parecer

Leia mais

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER

O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER O HÁBITO DA LEITURA E O PRAZER DE LER ALVES, Ivanir da Costa¹ Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Iporá ¹acwania@gmail.com RESUMO A leitura é compreendida como uma ação que deve se

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Natureza e Sociedade na parte 1 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Natureza e Sociedade na O eixo de trabalho Natureza e Sociedade

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA

DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA Mestrado e Doutorado em Comunicação Matrícula e Calendário acadêmico 2014.2 DATAS DE PRÉ-MATRÍCULA: 29, 30 e 31/07/2014 LOCAL: A pré-matrícula deverá ser efetivada na Secretaria do PPGCOM ou através do

Leia mais

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás

TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA. Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás TRILHEIROS QUE BUSCAM ENSINAGEM NA MODA Rogério Justino FLORI fotoflori@gmail.com Faculdade de Artes Visuais - Universidade Federal de Goiás Irene TOURINHO irenetourinho@yahoo.es Faculdade de Artes Visuais

Leia mais

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento

FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização, Leitura e Escrita/n. 10 Agência Financiadora: não contou com financiamento (CON)FUSÕES ENTRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: AS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA E NUMA ESCOLA PARTICULAR. FILGUEIRAS, Karina Fideles - FaE-UFMG GT: Alfabetização,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB

UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB UM ESTUDO SOBRE A CONSTITUIÇÃO DA IDENTIDADE DO PROFESSOR DE INGLÊS DA CIDADE DE FAGUNDES - PB 01. RESUMO Karla Rodrigues de Almeida Graduada em Letras pela UFCG e-mail: karlaalmeida.1@hotmail.com Izanete

Leia mais

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA

LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA LENDO, ESCREVENDO E PRODUZINDO JORNAL: A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA POR ALUNOS DE EJA CENTRO MUNICIPAL DE REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS PROFESSORA FABÍOLA DANIELE DA SILVA A lingüística moderna

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil

O Projeto Pedagógico na Educação Infantil O Projeto Pedagógico na Educação Infantil Renata Lopes de Almeida Rodrigues (UERJ) A cada ano letivo a história se repete: a busca por um tema norteador do trabalho em sala de aula durante o ano o tema

Leia mais

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido.

Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Realização de rodas de conversa e de troca de conhecimento para intercâmbio do que foi desenvolvido e produzido. Criar novos mecanismos de intercâmbio e fortalecer os programas de intercâmbio já existentes,

Leia mais

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL

EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL EDUCAÇÃO PERMANENTE DESAFIOS NO CONTEXTO ATUAL JOSÉ INÁCIO JARDIM MOTTA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA Fundação Oswaldo Cruz Curitiba 2008 EDUCAÇÃO PERMANENTE UM DESAFIO EPISTÊMICO Quando o desejável

Leia mais

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER

APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER APRE(E)NDENDO A PSICOLOGIA: UMA ANÁLISE CURRICULAR A PARTIR DAS RELAÇÕES SABER-PODER E PODER-SABER Isaac Alencar Pinto 1 isaacalencar@gmail.com Segundo Foucault (2002), saber é poder. Ambos estão correlacionados

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA

PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA Escola de Ensino Médio João Barbosa Lima PROJETO DE LEITURA CESTA LITERÁRIA DESPERTANDO O GOSTO PELA LEITURA E A ARTE DE ESCREVER Projeto na Sala de PCA da Área de Linguagens e Códigos PROEMI -Programa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULO SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS MISSÃO DO CURSO O Curso de Licenciatura em Artes Visuais busca formar profissionais habilitados para a produção, a pesquisa

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS *

A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * A TEORIA DOS REGISTROS DE REPRESENTAÇÃO SEMIÓTICA: CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO MATEMÁTICA DE PROFESSORES EM AMBIENTES VIRTUAIS * Joserlene Lima Pinheiro Universidade Estadual do Ceará Marcilia Chagas

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA

PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA PENSAMENTO E LINGUAGEM: ESTUDO DA INOVAÇÃO E REFLEXÃO DOS ANAIS E DO ENSINO/APRENDIZAGEM DO INGLÊS EM SALA DE AULA Adriana Zanela Nunes (UFRJ) zannelli@bol.com.br, zannelli@ig.com.br zannelli@ibest.com.br

Leia mais

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico

O Dia D. 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE. e a culturalização de um. posicionamento estratégico O Dia D e a culturalização de um posicionamento estratégico 12º Prêmio Destaque em Comunicação SINEPE Centro Universitário Franciscano uma universidade para suas aspirações Santa Maria é um polo educacional

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL

A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL 1 A DIVERSIDADE ÉTNICO-RACIAL E A DE EDUCAÇÃO INFANTIL PACÍFICO, Juracy Machado/UNIR 1 RESUMO: O texto aborda a temática das diferenças étnico-raciais e socioculturais presentes também nas escolas de educação

Leia mais

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva

Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes. Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva Construint ponts de convivència i camins alternatius per a la gestió de conflictes Trabalho de Equipa em Sala de Aula Inclusiva CONTEÚDO Porque é o trabalho de equipa importante em salas de aula inclusivas?

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional

Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Ministério da Educação Secretaria de Educação Básica Diretoria de Apoio a Gestão Educacional Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Slides produzidos a partir do caderno: Currículo no ciclo de

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO.

LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR. Palavras-chave: Letramento Matemático; Reforço Escolar; SAERJINHO. LETRAMENTO MATEMÁTICO DE ALUNOS COM BAIXO DESEMPENHO POR MEIO DE REFORÇO ESCOLAR Agnaldo da Conceição Esquincalha PUC-SP/PUC-Rio/Fundação CECIERJ aesquincalha@gmail.com Resumo: Neste texto elenca-se um

Leia mais

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR?

ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? ESTUDAR E BRINCAR OU BRINCAR E ESTUDAR? O que dizem as crianças sobre o brincar e a brincadeira no 1 ano do Ensino Fundamental? Resumo JAIRO GEBIEN - UNIVALI 1 Esta pesquisa visa investigar os momentos

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 O PROFESSOR FORMADOR E SUA FORMAÇÃO EM UMA COMUNIDADE PROFISSIONAL José Ronaldo Melo 1 Universidade Federal do Acre UFAC ronaldmel@bol.com.br Resumo: Nessa comunicação apresento os resultados de uma pesquisa

Leia mais

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA

A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA A ANÁLISE DA PAISAGEM ATRAVÉS DE FOTOGRAFIAS TIRADAS PELOS PRÓPRIOS ALUNOS: OS POSSÍVEIS USOS PARA O CELULAR NAS AULAS DE GEOGRAFIA Ires de Oliveira Furtado Universidade Federal de Pelotas iresfurtado@gmail.com

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais