ALUIZIA DO NASCIMENTO FREIRE A INSERÇÃO DAS MULHERES NA CÂMARA MUNICIPAL DE NATAL ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ALUIZIA DO NASCIMENTO FREIRE A INSERÇÃO DAS MULHERES NA CÂMARA MUNICIPAL DE NATAL (1988-2004)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE SERVIÇO SOCIAL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL - MESTRADO ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: SERVIÇO SOCIAL, TRABALHO, PROTEÇÃO SOCIAL, CULTURA E RELAÇÕES SOCIAIS. ALUIZIA DO NASCIMENTO FREIRE A INSERÇÃO DAS MULHERES NA CÂMARA MUNICIPAL DE NATAL ( ) NATAL 2008

2 ALUIZIA DO NASCIMENTO FREIRE A INSERÇÃO DAS MULHERES NA CÂMARA MUNICIPAL DE NATAL ( ) Dissertação de Mestrado apresentado ao programa de pós-graduação em Serviço Social, área de concentração: Serviço Social, Trabalho e Proteção Social, Cultura e Relações Sociais da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Sob a orientação da profª Drª Rita de Lourdes de Lima. NATAL

3 3

4 4

5 Esta é a mulher moderna: a autodisciplina, em vez de um sentimentalismo exagerado, a apreciação da liberdade e da independência, em vez de submissão e de falta de personalidade; a afirmação da sua individualidade e não os estúpidos esforços para se identificar com o homem amado; a afirmação do direito a gozar dos prazeres terrenos e não a máscara hipócrita da pureza, e finalmente, a subordinação das aventuras do amor, a um lugar secundário na vida. Diante de nós temos não uma fêmea, nem uma sombra do homem, mas sim uma mulher-individualidade (Alexandra Kollontai) Dedico este trabalho a todas as mulheres que lutam e sonham por um mundo melhor e àquelas que continuam adormecidas esperando serem despertadas para a vida real. 5

6 AGRADECIMENTOS Meus agradecimentos a todos que contribuíram para a realização deste trabalho em especial a minha orientadora profª Drª Rita de Lourdes de Lima pela orientação, dedicação e competência no desenvolvimento do nosso trabalho. Agradeço também a Capes pela bolsa concedida para realização da pesquisa e aos componentes da banca examinadora. Aos professores em geral do PPGSS - Programa de Pós Graduação em Serviço Social. As professoras Drªs Maria da Conceição Fraga do Departamento de História, pela paciência e contribuição no decorrer do meu trabalho e a profª Drª Silvana Mara Santos, pelas valiosas colaborações por ocasião do exame de qualificação. A profª Drª. Francinete de Oliveira do Depto de Enfermagem e Françoise Dominique Valery do Depto de Arquitetura, pelo incentivo dado à pesquisa na temática de gênero ainda na graduação, onde participava como bolsista do NEPAM (Núcleo Nízia Floresta de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher e Relações Sociais de Gênero). Um agradecimento as minhas colegas de sala de aula e a funcionária Lúcia pela paciência e atenção aos meus questionamentos e aflições no dia-a-dia. Aos meus amigos e amigas, especial atenção a Neide, Estefânia, Divanice, Adriana e meus familiares pela contribuição no decorrer do meu trabalho. Agradeço a todos aqueles (as) que diretamente e indiretamente contribuíram de alguma forma para o desenvolvimento desta dissertação. Para finalizar a todos e todas que ainda acreditam nas mudanças e agem no sentido da busca de transformações sociais. 6

7 LISTAS DE SIGLAS AI-5 Ato Institucional Número Cinco ANL Aliança Nacional Libertadora AMB - Articulação das Mulheres Brasileiras ARENA Aliança Renovadora Nacional CAPES- Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior CMDM - Conselho Municipal dos Direitos da Mulher CMDMN - Conselho Municipal dos Direitos da Mulher em Natal CMM - Conferência Mundial das Mulheres CNMB - Conselho Nacional de Mulheres do Brasil CFEMEA - Centro Feminista de Estudo da Mulher CMN - Centro da Mulher Natalense CPI - Comissão Parlamentar de Inquérito DP - Departamento Feminino ENF - Encontro Nacional Feminino EUA - Estados Unidos da América FMB - Federação das Mulheres do Brasil FMP - Federação da Mulher Potiguar FMI - Fundo Monetário Internacional INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa INPD - Instituto Nacional de Pesquisa em Domicílio MDB - Movimento Democrático Brasileiro MR8 - Movimento Revolucionário Oito de Outubro NEPAM Núcleo Nizia Floresta de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher e Relações Sociais de Gênero. ONU - Organização das Nações Unidas PCB - Partido Comunista do Brasil PCB - Partido Comunista Brasileiro PCdoB - Partido Comunista do Brasil PDS - Partido Democrático Social PDT - Partido Democrático Trabalhista 7

8 PFL - Partido da Frente Liberal PHC - Partido Humanista Cristão PMDB - Partido do Movimento Democrático Brasileiro PPS - Partido Popular Social PPB - Partido Progressista Brasileiro PRN - Partido da Renovação Nacional PSB - Partido Socialista Brasileiro PSD - Partido Social Democrático PSDB - Partido do Social Democrático Brasileiro PT - Partido dos Trabalhadores PTB - Partido Trabalhista Brasileiro PTR - Partido Trabalhista Renovador RN - Rio Grande do Norte SBPC - Sociedade Brasileira Pelo Progresso da Ciência TRE - Tribunal Regional Eleitoral TSE - Tribunal Superior Eleitoral UFB - União Feminina do Brasil UFRN Universidade Federal do Rio Grande do Norte URSS - União das Repúblicas Socialistas Soviéticas 8

9 RESUMO Este trabalho tem como objetivo refletir sobre a inserção das mulheres na Câmara Municipal de Natal no período de 1988 a Focalizamos nossa discussão no contexto da política de cotas que tem como objetivo diminuir o quadro de desigualdades existentes entre mulheres e homens na política, além de analisar quais os determinantes responsáveis pela sub-representação das mulheres. A pesquisa consta ainda de uma análise do perfil das mulheres vereadoras e como elas eram vistas nesse espaço de poder. Analisamos o nosso objeto de estudo numa visão de gênero, já que este está intrinsecamente relacionado as relações sociais e as relações de poder. As mulheres, durante muito tempo, estiveram excluídas da participação na vida pública, sendo vistas apenas como meras expectadoras. Esta pesquisa esta baseada em autores que discutem a questão de gênero, como (Scott,1990), (Perrot,1988), (Badinter,1985 (Bruschini, 2002) entre outros. Analisamos também o poder, e a política na visão de ( Marx, 1996), (Foucault,1982) e (Arendt, 2001) e outros. Tentamos analisar também a presença das mulheres nos espaços público e privado, mostrando os seus conflitos e contradições enfrentados na sociedade, focalizando o caráter político da inclusão das mulheres nos espaços em que estão inseridas. O instrumento de coleta de dados foi o questionário semi-estruturado, descritivo e analítico - critico. As análises das entrevistas por sua vez, apontam para a sub-representação das mulheres ao longo dos anos como fator determinante para que essas mulheres continuem na invisibilidade. As mulheres entrevistadas foram ex-vereadoras no período delimitado de 1988 a A conclusão a que chegamos é que esta sub-representação tem como determinante o sistema patriarcal que predominou durante muito tempo em 9

10 nossa sociedade e ainda predomina e atinge as mulheres em todos os âmbitos de sua vida. Isto se torna mais grave na sociedade capitalista na qual predomina os interesses daqueles que detém a riqueza produzida. Palavras chave: Gênero. Poder. Patriarcado. 10

11 ABSTRACT This work has as objective to reflect about the insertion of the women in the City Council of Natal in the period from 1988 to We focused our discussion in the context of the politics of quota that has with objective to decrease the frame of inequalities existent between women and men in the politics, besides of to analyze which the determinants responsible for the women's sub-representation. The research still consists of an analysis of the councilor s women profile and how they were seen in that space of power. We analyzed our study object in a gender vision, since this is related intrinsically the social relationships and the relationships of power. The women, for a long time, they were excluded of the participation in the public life, being just seen as mere expectants. This research is informed mainly by studies which discuss the Gender (Scott, 1990), (Perrot, 1988), (Badinter, 1995), (Bruschini, 2002). We also analyzed the power, politics in the vision of Marx (1996), Foucault (1982) and (Arendt, 2001). We tried to analyze the women's presence in the spaces public and private, showing your conflicts and contradictions faced in the society, focalizing the political character of the women's inclusion in the spaces in that are inserted. The instrument of collection of data was the semi-structured questionnaire, descriptive and analytical - critical. The analyses of the interviews show to the sub-representation of women over the years as a determining factor for these women continue in the invisibility. The women were interviewed councillora ex- bounded from 1988 to The conclusion the one that we arrived is that this sub-representation has as decisive the patriarchal system that prevailed for a long time in our society and still dominates and affects women in all areas of your life. This becomes more serious in the capitalist society in which prevail the interests of those that it stops the produced wealth. KEY-WORDS:Gender.Power.Patriarchate. 11

12 SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO O PATRIARCADO E A QUESTÃO DE GÊNERO AO LONGO DA HISTÓRIA As Mulheres na Grécia e Roma Antiga O Pensamento Religioso Judaico-Cristão Acerca das Mulheres As Mulheres na Idade Média Influência da Igreja Católica As mulheres na Sociedade Moderna e na Contemporaneidade O Movimento Feminista na Modernidade AS MULHERES NA SOCIEDADE BRASILEIRA A Situação das Mulheres no Brasil Colonial e a Influência das Oligarquias O Sistema Oligárquico no Brasil e Rio Grande do Norte O Movimento Sufragista e Feminista no Brasil A Política de Cotas e a Democracia no Brasil QUADRO REPRESENTATIVO DAS ELEIÇÕES EM NATAL/RN NO PERÍODO DE As Mulheres e a Participação Política no Rio Grande do Norte/Natal A Política de Cotas no Rio Grande do Norte Refletindo Sobre a Participação das Mulheres Eleitas a Partir do Seu Perfil CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES

13 1- INTRODUÇÃO A participação das mulheres na vida pública é o tema central da presente pesquisa, a qual abordará o perfil das mulheres que pleiteiam cargos públicos, enfatizando a inserção da mulher na política partidária, tendo como enfoque central a participação das mulheres na Câmara Municipal de Natal e sua sub-representação no contexto das políticas de cotas. Trata-se de uma pesquisa descritiva e analítica. O interesse pela temática Gênero e Política partiu da nossa Militância Política nos Movimentos Sociais, a partir dos anos 1980, período em que o Brasil estava passando pelo processo de redemocratização, pós-ditadura militar, período marcado por uma grave crise econômica, repressão e violência aos direitos políticos e civis daqueles que faziam oposição ao governo. Além disso, fomos pesquisadoras do Núcleo Nísia Floresta de Estudos e Pesquisas sobre a Mulher e Relações Sociais de Gênero (NEPAM/ UFRN), no período de 2001 a 2004, no qual desenvolvemos uma pesquisa sobre a Participação da Mulher na Insurreição Comunista, em 1935, na cidade de Natal/RN, culminando na elaboração da monografia de final de curso, em História, no ano de Assim desenvolveu-se nossa aproximação e paixão por essa temática. Em relação à política de cotas também objeto dessa dissertação, observou-se que, através de dados do Cfêmea (2004), houve um aumento de mulheres candidatas em relação ao período em que as cotas não tinham sido instituídas, no entanto percebe-se também que, apesar desse crescimento, o sistema de cotas não apresentou efeito direto sobre as candidaturas de mulheres. Percebemos que o crescimento de inserção da mulher na política obteve uma visibilidade até então inexistente. Diante disso, optamos por analisar a sub-representação da mulher nos espaços de poder, especificamente na Câmara Municipal de Natal no contexto da política de cotas, enfatizando principalmente o perfil das ex-vereadoras. Neste sentido, este estudo propõe-se a discutir a desigualdade de gênero na Câmara Municipal de Natal. Outro elemento que nos levou a esta escolha foi o pequeno número de pesquisas nesta área, e o fato de não existir estudos traçando o perfil dessas 13

14 mulheres. Neste sentido, o principal objetivo dessa pesquisa consistiu em analisar as relações de gênero na Câmara Municipal, situada na cidade do Natal/RN, visando verificar a submissão feminina nesses espaços de poder. A escolha do nosso objeto se deu a partir da análise de dados do Tribunal Regional Eleitoral, através dos requerimentos na Câmara e, principalmente, através das entrevistas com as ex-vereadoras. Através dos dados do tribunal obtivemos o número de mulheres eleitas no período de 1988 a Escolhemos este recorte porque em 1988, pós - ditadura militar, foi elaborada uma nova Constituição que, em parte, reconhecia os direitos das mulheres, abolindo o pátrio poder, garantindo a igualdade entre homens e mulheres na sociedade e na família. Este recorte se estendeu até 2004 porque nesse período nenhuma mulher teve representação política na Câmara Municipal de Natal. São vários os questionamentos levantados, entre eles: como se dão as relações de poder na Câmara? O que falta para que as mulheres participem da vida política e para que tenham uma maior visibilidade? Quais os determinantes que obstaculizam as mulheres de uma maior participação na vida política? Como está a representação política das mulheres na Câmara Municipal de Natal? Qual o perfil das mulheres que pleiteiam ou ocupam cargos na Câmara de vereadores de Natal? Que elementos dificultam as mulheres terem uma maior participação na vida política? Para entender a contextualização histórica a partir da política partidária optamos por conceituar a política a partir do significado atribuído na polis grega. Segundo Aristóteles, a política é a arte do possível, a qual leva em conta como as coisas estão e não como elas deveriam estar e refere-se a administração da polis (cidade) (GRUPPI, 1987). O conceito de política chegou até nós, a partir dos gregos, com a retomada do pensamento dos autores clássicos da Grécia antiga a partir do Renascimento e do Iluminismo 1, no século XVI. Desta forma, as sociedades ocidentais da atualidade tiveram sua organização política pensada a partir dos autores gregos. 1 Iluminismo ou século das Luzes é o projeto racionalista que se inaugura na Polis Grega, caracterizado como um projeto sócio cultural de largo curso histórico, que visa à emancipação, baseado no conhecimento racional.(netto, 2002). 14

15 O método de análise da realidade escolhido foi a perspectiva crítico dialética, a partir das categorias totalidade, contradição e historicidade. A revisão da literatura existente na área se fez imprescindível nesse processo, para a melhor compreensão do objeto de estudo. Para nortear nosso estudo, nos baseamos nas seguintes categorias centrais: relações de Gênero, Patriarcado e Poder nos detendo, particularmente, nas discussões acerca da Sub-representação política da mulher no contexto das políticas de cotas. Para isto, nos aproximamos de autores e autoras que discutem tais questões, entre eles e elas: Scott (1990), Safiotti (2004), Santos (2004), Marx (2006), Foucault (1982), Arendt (2001) Toledo (2001). Acerca da Política de cotas buscamos autores como Miguel e Grossi (2001), Bruschini (2002), Araújo (2002) e Cfêmea ( ). Primeiramente, foi feito um levantamento bibliográfico a respeito do tema, uma análise histórica e uma pesquisa documental no TRE, na Câmara Municipal e nos Partidos Políticos, buscando resgatar a trajetória das mulheres na vida política da Câmara. Em seguida, realizaram-se as entrevistas semi-estruturadas 2 com as mulheres eleitas, para identificar as suas visões políticas e razões de sua entrada na vida política de Natal. Escolhemos a entrevista semi-estruturada porque nela temos a liberdade de trabalhar com fontes orais, na qual podemos fazer perguntas de esclarecimento e teremos a oportunidade de entender a inserção das mulheres na política, tendo uma compreensão da visão das mulheres candidatas antes das cotas e após as cotas. Partindo do conceito de Fraga, as fontes orais se mostram, metodologicamente, essenciais, porque privilegiam a análise das representações sobre a política, já que as fontes escritas são escassas e repassam, por vezes, a visão dos grupos dominantes (FRAGA, 2000). Portanto, o universo da pesquisa foram as mulheres eleitas vereadoras no município de Natal, delimitando o período histórico compreendido entre 1988 a Desse universo foi retirado uma amostra, tendo como critérios entrevistar todas as mulheres eleitas de cada partido, levando em consideração os partidos representativos como: Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), Partido dos Trabalhadores (PT), Partido Socialista Brasileiro (PSB), Partido da Frente Liberal (PFL), atualmente Democratas (DEM). Portanto, entrevistamos as mulheres eleitas dos cinco partidos citados anteriormente. É importante, destacar que no período 2 Entrevista semi estruturada é uma série de perguntas abertas, feitas verbalmente em uma ordem prevista, no qual os entrevistadores podem acrescentar perguntas de esclarecimentos (LAVILLE, 1999). 15

16 citado acima foram eleitas 7 (sete) mulheres à frente da Câmara Municipal de Natal, foram elas: Lindalva Santos Neo Maia, Gilda Medeiros de Souza, Verônica Maria dos Santos, Ana Catarina Alves, Sonali Rosado Cascudo Rodrigues, Maria de Fátima Benetto Fernandes Carrilho e Fernanda Freire. O objetivo geral deste trabalho foi analisar a Representação Política das mulheres na Câmara Municipal de Natal e teve como objetivos específicos: refletir sobre as relações de gênero e sua representatividade na esfera pública; analisar os determinantes da sub-representação feminina na Câmara Municipal de Natal; refletir sobre a representação política das mulheres no contexto da política de cotas e analisar a participação das mulheres eleitas à Câmara Municipal de Natal, traçando o perfil das mulheres que ocuparam cargos de vereadoras na Câmara Municipal de Natal. Para alcançar os objetivos propostos, se fez uso de técnicas e instrumentos (entrevista semi-estruturada, revisão bibliográfica, roteiro de observação) visando conhecer os processos, dinâmicas e problemáticas das desigualdades de gênero existentes na Câmara Municipal de Natal. Deste modo, utilizou-se pesquisa qualitativa com a aplicação de entrevistas semi-estruturadas que combinaram questões abertas e fechadas, dando a possibilidade ao informante de discorrer sobre o assunto. Seguimos um roteiro de entrevista composto de duas partes: na primeira, foram realizadas perguntas com o intuito de conhecer o perfil das entrevistadas. Na segunda parte, pretendíamos descobrir como e por que se deu a inserção das mulheres vereadoras na Câmara Municipal no período de 1988 a 2004 (ver apêndice). Infelizmente apenas uma entrevista foi gravada. Assim, fomos anotando, de próprio punho as respostas que as ex-vereadoras davam sobre as questões das entrevistas, tentando ser fiel as suas falas e mantendo em sigilo a identidade de cada uma. Em cada uma delas, explicava-se a natureza e os objetivos da pesquisa; confirmava-se a disposição do entrevistado em participar da pesquisa; solicitava-se autorização para gravar depoimentos, buscando com essa gravação, fidedignidade no processo de transcrição das respostas dadas. As entrevistas contemplam em parte os questionamentos levantados no decorrer da pesquisa uma vez que nos levam a entender melhor os determinantes para a sub-representação política das mulheres. 16

17 A escolha da observação se deu primeiramente na Câmara Municipal pela possibilidade entrar em contato com a realidade em estudo, não somente através da análise dos documentos e requerimentos propostos pelas vereadoras, assim como as falas das entrevistadas, e também porque tal método permitiu analisar a realidade em momentos diversos do seu cotidiano de forma assistemática. Assim, através da observação buscamos analisar como as mulheres estavam inseridas nos espaços de poder. Os espaços selecionados para a pesquisa foram o Tribunal Regional Eleitoral e a Câmara Municipal de Natal. Nossa análise documental tinha como objetivo conhecer as mulheres, as demandas e daí possibilitar a escolha da amostra da pesquisa. Usamos como referencial de análise os requerimentos solicitados pelas mulheres, durante seus mandatos. Os documentos são restritos dificultando o andamento da pesquisa. Como já assinalamos, entrevistamos 5 (cinco) mulheres eleitas vereadoras na cidade de Natal, pois não conseguimos contatar com as duas ex vereadoras, Ana Catarina Alves Wanderley - segundo as informações ainda reside em Natal - e Fernanda Freire, que reside atualmente no Rio de Janeiro. Portanto, não foi possível entrevistar todas as ex-vereadoras. As entrevistas foram realizadas no período de 2008, no segundo semestre, durante todo o mês de julho e todas foram realizadas de forma individual e em ambiente reservado. Apesar das dificuldades encontradas para a realização da pesquisa, como o receio de algumas ex-vereadoras em conceder as gravações das entrevistas, além de problemas de ordem estrutural, buscou-se o esforço, no sentido da maior apreensão possível para o desvelamento do nosso objeto de estudo. Podemos afirmar, após a realização desse estudo, que as desigualdades sociais, preconceitos e discriminações ainda predominam na atualidade e apontam para a continuidade do processo de segregação de gênero, no campo da sexualidade, seja no campo da política. Assim a participação feminina na política está muito aquém do que as mulheres representam na sociedade. No Brasil, esta participação encontra-se abaixo dos padrões internacionais médios. Enquanto a representatividade das mulheres nas instâncias de poder político do Brasil gira em torno de 10% (dez por cento), os países nórdicos já têm quase metade das vagas parlamentares ocupadas por 17

18 mulheres. Uma das explicações para a limitada participação da mulher nas esferas de poder está ligada a questões econômico-sociais. Quanto melhor o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de um país, mais equilibrada é a participação das mulheres nos espaços de poder. A lentidão do avanço das mulheres no campo político também está relacionada com a propriedade da riqueza, uma vez que apenas 4% (quatro por cento) da riqueza do mundo está nas mãos de mulheres. (CFEMEA, 2006). A respeito dessa questão as analises apresentadas sobre a subrepresentação das mulheres na política e os dados analisados encontram-se no corpo do texto. Ainda no ano de 2004, a média nacional de candidaturas de mulheres para as câmaras municipais foi de apenas 22,1% (vinte e dois vírgula um por cento). Ou seja, os partidos não cumpriram mais uma vez, a política de cotas vigente desde as eleições de Além disso, voltaram a apresentar candidaturas laranja 3 e a não apoiar efetivamente as campanhas das mulheres. O resultado efetivo foi que, dos (cinqüenta e um mil oitocentos e oito) vereadores(as) eleitos no País, apenas (seis mil quinhentos e cinqüenta e seis) são vereadoras, o que significa que a média nacional de mulheres ocupando o cargo de vereadoras é só de 12,6% (doze vírgula seis por cento), enquanto os homens chegam a 87,4% (oitenta e sete vírgula quatro por cento). O Nordeste se coloca acima da média nacional, com 14,63% (quatorze vírgula sessenta e três por cento) o que corresponde a (dois mil quatrocentos e vinte) vereadoras eleitas na região, em Isso tem se figurado em todas as eleições. Dos (cinco mil quinhentos e sessenta) municípios brasileiros, hoje apenas 418 (quatrocentos e dezoito) são governados por mulheres. Em termos das candidaturas de mulheres ao cargo de prefeita, observou-se uma grande discrepância, tanto entre os estados quanto entre os diversos partidos políticos. O percentual de candidatas mulheres distancia-se muito da média nacional: 9,43% (nove vírgula quarenta e três por cento), variando de 3,70% (três vírgula setenta por cento) a 17,31% (dezessete vírgula trinta e um por cento) por Estado. Em termos de partidos políticos, a variação é de 0% (zero por cento) a 18,27% (dezoito vírgula vinte e sete por cento) em todo o país 4. 3 Candidatura laranja termo utilizado para designar candidaturas de mentirinha, ou seja, inscrições que tinham como objetivo, apenas completar o quadro de candidaturas. Prática corrente nas disputas eleitorais em que os candidatos(as) emprestam seu nome sem nenhum compromisso político (GROSSI E MIGUEL, 2001). 4 Dados retirados do Boletim do Centro de Informação, Pesquisa e Comunicação da Mulher e Democracia, ano 1, nº 01 abril/julho,

19 Embora o movimento feminista tenha se destacado no cenário político nos mais diversos espaços e eventos nacionais e internacionais, a presença das mulheres ainda é restrita em espaços estratégicos como na política; inclusive nas três esferas do poder: Legislativo, Executivo e Judiciário. As mulheres estão subrepresentadas nesses espaços, pois ainda permanece a resistência por parte dos dirigentes em relação as pautas comprometidas com a equidade de gênero, consideradas de menor importância. A participação das mulheres na política tem relevância para a atualidade por contemplar, em parte, o crescimento delas no cenário político, apesar de sabermos que nenhuma mulher, no período de realização da pesquisa, ocupa uma cadeira na Câmara Municipal de Natal no Rio Grande do Norte (RN) e foram poucas as que ocuparam. Desde a criação da Câmara Municipal, em 1611, aproximadamente, 12 (doze) mulheres ocuparam cadeiras como vereadoras. Percebemos que houve um aumento significativo de mulheres candidatas e mulheres eleitas, mas ainda predomina o número de homens candidatos e eleitos em relação ao número de mulheres. Nesse sentido, não podemos dizer que a política de cotas 5 têm tido efeito direto sobre as candidaturas das mulheres. Para apresentarmos os dados, esta dissertação está estruturada em 4 (quatro) capítulos, além das considerações finais, referências bibliográficas e apêndices. A introdução apresenta algumas considerações a respeito da inserção das mulheres na política enfatizando a sub-representação e uma discussão acerca das políticas de cotas, as motivações e a justificativa para o estudo proposto, questões da pesquisa, os objetivos da dissertação e a relevância do estudo. No segundo capítulo fazemos um resgate histórico acerca das relações de gênero na Grécia e Roma antigas e como se davam as relações sociais nestes países, tendo como sistema de dominação o patriarcado. Em seguida nos detemos na influência da Igreja como instituição de dominação a partir da Idade Média. O estudo a que nos propomos desenvolver neste capítulo, acerca do patriarcado e a questão de gênero, tem como principal objetivo contextualizar as características, que determinaram as relações de poder impostas às mulheres pelo sistema capitalista, 5 A discussão acerca da política de cotas será feita posteriormente. 19

20 até chegar às transformações por elas protagonizadas durante a modernidade e na contemporaneidade, através do movimento feminista. Posteriormente, no terceiro capítulo, analisamos as mulheres na sociedade brasileira enfatizando a situação delas no Brasil Colônia e a influência das oligarquias do Rio Grande do Norte e Natal, buscando-se analisar a participação política das mesmas na esfera pública e privada, bem como se davam e se dão as relações sociais, uma vez que ainda predomina o poder dos homens sobre as mulheres. Analisaremos ainda neste capítulo, os efeitos das políticas de cotas e como elas vêm modificando o quadro de desigualdades na política partidária e seus efeitos na luta pela equidade de gênero. Este capítulo teve como eixo central a discussão das relações de gênero na sociedade patriarcal brasileira e potiguar e as suas modificações pós - políticas de cotas. No quarto e último capítulo, apresentamos um quadro representativo das mulheres eleitas em Natal/RN, de , a partir de uma reflexão da participação das mesmas, tendo como parâmetro de discussão o perfil delas. Apresentamos ainda as falas destas mulheres, enfocando, como elas estavam inseridas nesse espaço de poder uma vez que predomina a figura masculina. Desta forma, analisamos a presença feminina na política potiguar, discutindo as relações de gênero existentes no local pesquisado. Podemos afirmar, a partir desse estudo, que as desigualdades sociais, preconceitos e discriminações ainda predominam na atualidade e apontam para a continuidade do processo de desigualdades e discriminações as mulheres. Neste sentido, todas as entrevistadas relataram preconceitos e discriminações sofridas pelo fato de serem mulheres. A contribuição desse estudo, portanto, se dá na perspectiva de apreender o processo das relações sociais e das relações de gênero que se passam nesse universo e visa contribuir também para futuros estudos na área e novas pesquisas, assim como chamar a atenção para uma problemática que direta ou indiretamente afeta a todos (as) nós. Neste sentido, esperamos que este estudo possa contribuir com reflexões que nos auxiliem na busca do enfrentamento das desigualdades existentes entre homens e mulheres. Quanto a prática das mulheres que constroem os espaços públicos, entendemos que estes vão sendo construídos, cotidianamente, na ocupação de 20

21 lugares antes predominantes dos homens, mostrando nas suas ações e suas vidas, o movimento feminino e feminista de participação das decisões e nos espaços de poder. Desta forma, a temática da inserção feminina na política torna-se significativa, na medida em que abre espaço para discussão da igualdade de oportunidades para as mulheres em relação à ocupação de cargos na política. 2 - O PATRIARCADO E A QUESTÃO DE GÊNERO AO LONGO DA HISTÓRIA. Scott (1990) apresenta o patriarcado como um sistema baseado na figura do patriarca (pai) ao qual todas as mulheres estão submissas. A este respeito, a autora apresenta três abordagens acerca das relações de gênero: a) a abordagem do patriarcado - empenha-se em explicar a subordinação das mulheres, a partir da necessidade masculina de dominar; b) as abordagens marxistas as quais, segundo Scott, explicam a subordinação da mulher a partir do modo de produção; c) as abordagens psicanalíticas - divididas em dois sub - grupos: o pós-estruturalismo francês e as teorias de relação do objeto. Ambas apóiam-se em escolas psicanalíticas para explicar a produção e a reprodução da identidade do gênero do sujeito, interessando-se pelas primeiras etapas do desenvolvimento da criança. A primeira enfatiza a experiência concreta no desenvolvimento da criança, enquanto a segunda sublinha o papel da linguagem na comunicação, interpretação e representação do gênero. Outra explicação a respeito do patriarcado está na visão de Marx. Em Marx, tal termo era bastante utilizado para definir as sociedades coloniais, estando ligado à tirania familiar, a uma forma de poder arbitrário que não foi derrubada pela Revolução Francesa (MARX, 2006), Tal sistema atinge as mulheres no âmbito econômico, político e social; institucionaliza-se e vai para os partidos dentro dos quais, muitas vezes, as mulheres não estão nos espaços de decisão. Dessa forma, a dominação dos homens sobre as mulheres predomina na sociedade capitalista, na qual as desigualdades entre ambos geram submissão e chega até os dias atuais com características diferentes. Vejamos uma citação de Louro (1997). A segregação social e política a que as mulheres foram historicamente conduzidas tivera como conseqüência sua ampla invisibilidade como sujeito, inclusive como sujeito da ciência Louro (1997 p. 95). 21

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

socialismo sem feminismo

socialismo sem feminismo Não há socialismo sem feminismo As mulheres do PT se organizam internamente desde a fundação do partido. Apesar da política de cotas, de avanços programáticos e de representarem 43% do total de filiados,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Eleições e Desigualdades de Gênero: Participação feminina e representação no legislativo brasileiro

Eleições e Desigualdades de Gênero: Participação feminina e representação no legislativo brasileiro Eleições e Desigualdades de Gênero: Participação feminina e representação no legislativo brasileiro Josimar Gonçalves da Silva Universidade de Brasília (UnB) Resumo: A discussão da representação das mulheres

Leia mais

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Deiseane Louise Santos Oliveira (PPGE/UFAL) Resumo A preocupação com a temática surgiu a partir de uma prática interventiva em que atuei como bolsista

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013

JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 JORNADA DAS MARGARIDAS 2013 PAUTA INTERNA 1 - ORGANIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SINDICAL 1 Assegurar condições de igualdade para homens e mulheres exercerem com autonomia o trabalho sindical nas diversas secretarias

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

O Papel da Mulher na Gestão Pública

O Papel da Mulher na Gestão Pública O Papel da Mulher na Gestão Pública A linha divisória entre o mundo particular da família onde ficavam as mulheres, e o mundo público do trabalho e sucesso profissional, onde estavam os homens, está cada

Leia mais

Gênero e Violência contra a Mulher

Gênero e Violência contra a Mulher A essência dos Direitos Humanos é o direito a ter direitos" Hannah Arendt Gênero e Violência contra a Mulher Não há como falar de violência contra a mulher se não falarmos antes da questão de gênero que

Leia mais

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática

LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES. Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática LEGADOS / CONTRIBUIÇÕES Democracia Cidadão democracia direta Olimpíadas Ideal de beleza Filosofia História Matemática GEOGRAFIA, ECONOMIA E POLÍTICA Terreno montanhoso Comércio marítimo Cidades-estado

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida

A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA. Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida A POLÍTICA DE EFETIVAÇÃO DOS DIREITOS DA POPULAÇÃO NEGRA Prof. Dr. Silvio Luiz de Almeida As ações afirmativas na construção de um horizonte ético Democracia, Republicanismo e Cidadania - Questão racial:

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA POLÍTICA BRASILEIRA

A PARTICIPAÇÃO DA MULHER NA POLÍTICA BRASILEIRA CEFOR CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROCESSO LEGISLATIVO MATÉRIA: METODOLOGIA CIENTÍFICA PROFESSOR: CARLOS AUGUSTO DE MEDEIROS GISLENE

Leia mais

Desafios e tendências das Políticas para as Mulheres pelas ações da SPM ou o que se poderia chamar de Feminismo de Estado 1

Desafios e tendências das Políticas para as Mulheres pelas ações da SPM ou o que se poderia chamar de Feminismo de Estado 1 1 Desafios e tendências das Políticas para as Mulheres pelas ações da SPM ou o que se poderia chamar de Feminismo de Estado 1 (Texto OPMs Versão Preliminar) A Secretaria de Políticas para as Mulheres da

Leia mais

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO SIGNIFICADOS DE GÊNERO NO COTIDIANO ESCOLAR DE UMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE SÃO PAULO TELLES, Edna de Oliveira - USP GE: Gênero, Sexualidade e Educação / n.23 Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM com a Independência dos E.U.A. e a Revolução Francesa, a Declaração Universal dos Direitos do Homem é um documento extraordinário que precisa ser mais conhecido

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Considerando ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, A Declaração Universal dos Direitos Humanos é um dos documentos básicos das Nações Unidas e foi assinada em 1948. Nela, são enumerados os direitos que todos os seres humanos possuem. Preâmbulo Considerando

Leia mais

Glossário do Programa Pró-equidade

Glossário do Programa Pró-equidade Glossário do Programa Pró-equidade Assédio Moral no Trabalho É a vivência de situações humilhantes e constrangedoras no ambiente de trabalho, caracterizadas por serem repetitivas e prolongadas ao longo

Leia mais

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131

Resenha Resenha Psicologia em Revista, Belo Horizonte, v. 8, n. 11, p. 133-135, jun. 2002 131 Resenha 131 132 LÉVY, André. Ciências clínicas e organizações sociais. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. 224p. Lançado por ocasião do VIII Colóquio Internacional de Psicossociologia e Sociologia Clínica,

Leia mais

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ!

Liberdade+Autonomia. se constrói com Igualdade. snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! Liberdade+Autonomia se constrói com Igualdade snmt@cut.org.br http//:paridadeja.cut.org.br PARIDADE JÁ! A história da CUT, desde a sua fundação, em 1983, é marcada pelo compromisso com a construção da

Leia mais

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL Jéssica Caroline Medeiros SILVA 1 RESUMO: O presente estudo traz à discussão a família, visualizando-a na perspectiva critica como uma construção histórica. Analisamos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER

INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA RELATÓRIO CENTRO DE REFERÊNCIA DA MULHER INFORMAÇÕES SOBRE O MUNICÍPIO DE ARARAQUARA O Município de Araraquara está localizado no centro do Estado de São Paulo, possuindo uma área total 1.312 Km2 com 77,37 Km2 ocupados pela área urbana. Sua posição

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO

APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. RESUMO APOIO E PARTICIPAÇÃO NAS AÇÕES DE CRIAÇÃO DO NÚCLEO DE ESTUDOS EM GÊNERO, RAÇA E ETNIA NEGRE/UEMS. ¹Gislaine De Oliveira Correia; ²Maria José de Jesus Alves Cordeiro. ¹Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Manual de Direito Previdenciário

Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Manual de Direito Previdenciário Benefícios Fábio Alexandre Coelho Luciana Maria Assad Vinícius Alexandre Coelho 4ª edição Revista e atualizada até julho/2015 Rua Machado

Leia mais

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres

Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres Promover a igualdade entre os sexos e a autonomia das mulheres META 3 Eliminar as disparidades entre os sexos no ensino fundamental e médio, se possível, até 2005, e em todos os níveis de ensino, o mais

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n.

A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. A (DES)CONSTRUÇÃO DA MATERNIDADE PINTO, Maria das Graças C. da S. M. G. Uniplac/Unifra profgra@terra.com.br GT:Gênero, Sexualidade e Educação / n. 23 Introdução A maternidade tem se constituído cada vez

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS UNIC / Rio / 005 - Dezembro 2000 DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes

uma realidade de espoliação econômica e/ou ideológica. No mesmo patamar, em outros momentos, a negação da educação disseminada a todas as classes 1 Introdução A ascensão do sistema capitalista forjou uma sociedade formatada e dividida pelo critério econômico. No centro das decisões econômicas, a classe proprietária de bens e posses, capaz de satisfazer

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais?

Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Seminário de Capacitação dos Mecanismos de Gênero no Governo Federal Por que criar mecanismos de gênero nos órgãos governamentais? Lourdes

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA

O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA O SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A CENTRALIDADE NA FAMÍLIA Antonia Alves Vanzetto RESUMO A Assistência Social reconhecida como Política Pública na Constituição Federal/1988, através dos artigos

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução

PALAVRAS-CHAVE: maternidade, representação social da mulher, paradigma biológico. 1. Introdução O SER MULHER, MÃE E TRABALHADORA: a maternidade sob a ótica da mulher atual Márcia Marrocos Aristides Barbiero Orientadora: Katia Fernanda Alves Moreira RESUMO: Esta pesquisa teve como objetivo estudar

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações:

TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR. Foram aprovadas as seguintes alterações: Senado Federal Comissão da Reforma Política TEMAS DEBATIDOS DECISÕES DA COMISSÃO 1- SUPLÊNCIA DE SENADOR a) Redução de dois suplentes de Senador para um; b) Em caso de afastamento o suplente assume; em

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração"

Resumo executivo do Livro Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil Doméstico e outras formas de exploração ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT PROGRAMA INTERNACIONAL PARA A ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL IPEC Resumo executivo do Livro "Crianças Invisíveis - O enfoque da imprensa sobre o Trabalho Infantil

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações,

Preâmbulo. Considerando essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembleia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Preâmbulo DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS

O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS O FUNDAMENTO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno* * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós- Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos

Leia mais

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO

DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO 1 DOCENTE INTERLOCUTOR DE LIBRAS-LÍNGUA PORTUGUESA NA REDE ESTADUAL DE ENSINO DE SÃO PAULO: ANÁLISE DE UMA NOVA FUNÇÃO Mara Aparecida de Castilho Lopes 1 Ida Lichtig 2 Universidade de São Paulo - USP Resumo:

Leia mais

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS

COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS COTAS, DO DIREITO DE TODOS AO PRIVILÉGIO DE ALGUNS Francisco Carlos Vitória Professor de História do Conjunto Agrotécnico Visconde da Graça - Universidade Federal de Pelotas A partir do ano 2000, setores

Leia mais

FORÇA FEMINISTA NA CHINA

FORÇA FEMINISTA NA CHINA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM HISTÓRIA DO SECULO XX FORÇA FEMINISTA NA CHINA DÉBORAH PAULA DA SILVA RECIFE

Leia mais

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos

Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos Estes são os direitos de: Atribuídos em: Enunciados pela Organização das Naões Unidas na Declaração Universal dos Direitos Humanos No dia 10 de dezembro de 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas adotou

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL

AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 770 AS RECENTES MUDANÇAS NAS VAGAS DOS LEGISLATIVOS MUNICIPAIS DO BRASIL Tiago Valenciano Mestrando do Programa de

Leia mais

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS

O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS O SUJEITO DOS DIREITOS HUMANOS Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Declaração Universal dos. Direitos Humanos

Declaração Universal dos. Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Ilustrações gentilmente cedidas pelo Fórum Nacional de Educação em Direitos Humanos Apresentação Esta é mais uma publicação da Declaração Universal dos Direitos

Leia mais

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE

PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE PROJOVEM E INCLUSÃO DIGITAL: UM ESTUDO SOBRE AS REPERCUSSÕES DO PROGRAMA NA FORMAÇÃO DOS JOVENS ATENDIDOS NO RECIFE Maria do Rozario Gomes da Mota Silva Orientadora: Profª Drª Márcia Ângela da Silva Aguiar

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO LINHA DE PESQUISA TEORIA E PRÁTICA PEDAGÓGICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PROJETO IDENTIDADE E A PRÁTICA PEDAGÓGICA

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO)

A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) A RELEVÂNCIA DAS CONCEPÇÕES DE INFÂNCIA: AS MUDANÇAS OCORRIDAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL E ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO MUNICÍPIO DE PALMAS (TO) Nilde Cardoso de Oliveira Denise Aquino Alves Martins Universidade

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA «21. Assinale a alternativa que caracteriza a acumulação primitiva, segundo o pensamento de Karl Marx. a) O processo de separação

Leia mais

Sandra Cristina Santos Alves e Ionara da Nóbrega Amâncio IFPB sandrammil@hotmail.combr - nara.cg@hotmail.com

Sandra Cristina Santos Alves e Ionara da Nóbrega Amâncio IFPB sandrammil@hotmail.combr - nara.cg@hotmail.com A INCLUSÃO PRODUTIVA DE MULHERES E SUAS PERCEPÇÕES SOBRE SEU PAPEL NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Sandra Cristina Santos Alves e Ionara da Nóbrega Amâncio IFPB sandrammil@hotmail.combr - nara.cg@hotmail.com

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES

O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES O DIREITO À CONVIVÊNCIA FAMILIAR E COMUNITÁRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES Josefa Adelaide Clementino Leite 1 Maria de Fátima Melo do Nascimento 2 Waleska Ramalho Ribeiro 3 RESUMO O direito à proteção social

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL? Anais da Semana de Pedagogia da UEM ISSN Online: 2316-9435 XXI Semana de Pedagogia IX Encontro de Pesquisa em Educação 20 a 23 de Maio de 2014 A EDUCAÇÃO BÁSICA EM MARINGÁ: EXISTE OBRIGATORIEDADE LEGAL?

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL

Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Síntese da POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DO BRASIL RURAL Apresenta à sociedade brasileira um conjunto de estratégias e ações capazes de contribuir para a afirmação de um novo papel para o rural na estratégia

Leia mais