PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013"

Transcrição

1 PORTO ALEGRE EM ANÁLISE 2013 Na data em que Porto Alegre comemora seus 241 anos de fundação, o Observatório da Cidade apresenta o Porto Alegre em Análise Trata-se de um espaço que tem como desafio e objetivo refletir e avaliar os rumos da cidade. A proposta é promover uma reflexão sobre indicadores relevantes para a compreensão da realidade, comparando com outras capitais. Nesta primeira edição, serão contemplados os temas infraestrutura, mobilidade e violência, fundamentais para o entendimento de qualquer cidade. Nesta perspectiva, esse documento inicia com dados demográficos e segue com uma breve análise dos temas e indicadores selecionados. Certamente, uma abordagem sobre a cidade envolve vários aspectos e fatores complexos que devem ser refletidos continuamente, o que tem maior amplitude do que a exposição aqui apresentada. A partir dos dados apresentados a seguir, pode-se inferir que Porto Alegre, em relação aos indicadores de infraestrutura, possui uma ampla rede de serviços básicos (esgoto, abastecimento de água, iluminação pública, energia elétrica). Ao mesmo tempo, permanecem desafios como a eliminação do esgoto a céu aberto e do lixo acumulado no entorno dos domicílios (focos de lixo), bem como, das moradias precárias que, inclusive, registraram crescimento nos últimos 10 anos. No que se refere às informações de área verde por habitante e arborização do entorno dos domicílios, as informações de 2010, indicavam um contexto positivo quando comparado às demais capitais brasileiras. Quanto à mobilidade, Porto Alegre apresentava a menor quilometragem de ciclovias entre as capitais consideradas. Já o índice de motorização apontava que a cidade segue a tendência das capitais que é de aumento de veículos. Por fim, em termos de violência, a cidade encontrava-se em uma posição intermediária frente às demais capitais brasileiras, no que se refere ao homicídio e ao homicídio juvenil, no entanto, as taxas de Porto Alegre são maiores do que a do Rio de Janeiro e a de São Paulo. Contudo, a cidade encontrava-se bem posicionada em termos de acidentes de transporte. 1

2 INFRAESTRUTURA Porto Alegre contava com uma população de habitantes em Esse número foi superior ao evidenciado em 2000 e em 1991, mas com crescimento inferior ao registrado em anos anteriores. Enquanto no período o acréscimo de moradores foi de 8,68%, no decênio foi de apenas 3,58%. Além disso, o percentual foi inferior ao verificado no mesmo período no Estado (5%) e na Região Metropolitana de Porto Alegre (8,22%). Foi a cidade que apresentou o menor crescimento entre as capitais brasileiras (IBGE, 2010). A análise dos dados referentes à disponibilidade de infraestrutura demonstrou que alguns quesitos apresentavam cobertura quase plena. Em 2010, 94,26% de domicílios possuíam esgoto sanitário adequado; 99,19% das residências tinham energia elétrica da companhia distribuidora; 93,79% das moradias apresentavam iluminação pública no seu entorno e; 99,35% dos domicílios tinham abastecimento de água pela rede geral (IBGE, 2010). A preservação ambiental e a qualificação da paisagem urbana são objetivos reconhecidos universalmente, capazes de promover a saúde e a qualidade de vida dos moradores de uma cidade. O controle de ocorrências de esgoto a céu aberto e de lixo acumulado nas vias públicas é pressuposto essencial para atingir essa condição (PMPA, 2013) 1. Em 2010, no quesito domicílios com esgoto a céu aberto em seu entorno, Porto Alegre ocupou o 16º lugar dentre as capitais brasileiras, com 5,17% domicílios apresentando esta situação. A posição era melhor que capitais como Teresina (71,04%) e Recife (16,63%), mas pior que Belo Horizonte (1,42%) e Curitiba (2,59 %). O serviço de coleta de lixo atingiu quase 100% da cobertura dos domicílios de Porto Alegre em 2010, sendo que 93,72% do lixo coletado era encaminhado para aterros sanitários. Observase, no entanto, que cerca de 6% de domicílios ainda apresentavam lixo acumulado em seu entorno (IBGE, 2010; DMLU, 2010). No âmbito do Meio Ambiente, Porto Alegre é uma das cidades com maior área verde por residentes, eram 43,47 metros quadrados por habitante (SMAM, 2012). Além disso, em 2010, 82,73% das residências de Porto Alegre apresentavam árvores em seu entorno. A proporção entre a arborização e a área construída da cidade torna a paisagem mais aprazível, contribui com a melhoria da qualidade do ar, da temperatura, da redução de ruídos e da absorção de águas 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE. Observando as características urbanas de Porto Alegre. Observando. Revista do Observatório da Cidade, v. 3, n.5, Porto Alegre, Prefeitura Municipal de Porto Alegre, Secretaria Municipal de Governança Local, (no prelo) 2

3 pluviais. (PMPA,2013). Em 2010, 82,73% dos domicílios apresentavam árvores em seu entorno, percentual equivalente ao de Belo Horizonte (82,74%) e inferior aos de capitais como Campo Grande (96,3%) e Goiânia (89,31%). O acesso à habitação adequada é outro tema de reconhecimento universal, sendo recorrente nas Assembleias do Orçamento Participativo de Porto Alegre. Em 2000, Porto Alegre contava com moradias consideradas precárias 2, o que representava 9,04% dos domicílios da capital. Em 10 anos, os domicílios precários saltaram para , representando um acréscimo de 22% e passando para 11,01% das residências porto-alegrenses. Esse percentual era equivalente ao de Belo Horizonte (11,51%), superior ao de Curitiba (8,12%) e ao de São Paulo (9,95%) e inferior ao de Belém (52,43%), ao de Recife (21,73%) e ao do Rio de Janeiro (19,89%) (IBGE, 2010). Tal indicador aponta para um dos desafios que se colocam ao município, especialmente, ao considerar a meta colocada pela Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) do Governo Federal, qual seja, zerar o déficit habitacional brasileiro e urbanizar o universo de assentamentos precários até MOBILIDADE Cotidianamente, o cidadão olha a cidade como um todo, percebe o conjunto de modos e serviços de mobilidade disponíveis e escolhe, em cada circunstância, aquele que melhor é capaz de atendê-lo 3. Nesse sentido, cabe ressaltar que em Porto Alegre, no ano de 2010, havia aproximadamente um carro para cada dois habitantes (DETRAN RS, 2010). Consequentemente, o índice de motorização da cidade número de veículos dividido pelo número de habitantes multiplicado por 100 apontava uma alta concentração de veículos em relação à população. Em comparação com algumas capitais do país, Porto Alegre tinha um índice (0,49) menor que Curitiba (0,68), São Paulo (0,62) e Belo Horizonte (0,56) e maior que Rio de Janeiro (0,37) e Recife (0,34) 4. Embora o índice de motorização da cidade esteja em uma situação intermediária dentre as capitais analisadas, Porto Alegre enfrenta problemas de congestionamento cada vez mais graves. O incentivo ao uso de meio de transporte alternativo pode ser uma saída simples e econômica. 2 Utiliza-se a definição do IBGE que considera como moradias precárias um conjunto constituído de, no mínimo, 51 unidades habitacionais (barracos, casas etc) carentes, em sua maioria de serviços públicos essenciais, ocupando ou tendo ocupado, até período recente, terreno de propriedade alheia (pública ou particular) e estando dispostas, em geral, de forma desordenada e densa. 3 MINISTÉRIO DAS CIDADES. Gestão Integrada de Sistemas de Mobilidade Urbana. Brasilia: Fonte: Detran RS, BHTrans, Detran PR, Detran PE, Detran RJ e DetranSP. Informações relativas ao ano de

4 Partindo desse pressuposto, as ciclovias surgem como alternativas a esse quadro de limitações quanto à mobilidade na cidade. Pode-se perceber que houve um aumento das ciclovias nos últimos anos em Porto Alegre, passando de 8,3 km, no ano de 2011, para 10,35 km, no ano de Porém, ao comparar a malha cicloviária do município, com cinco capitais do país, Porto Alegre apresentava a menor quilometragem de ciclovias: Belo Horizonte (36 km), Curitiba (123 km), Recife (13,2 km), Rio de Janeiro (228,8 km) e São Paulo (63,5 km) 5. Para a Organização Mundial da Saúde, a promoção da bicicleta como meio de transporte é uma meta a ser atingida, pois diminui a emissão de poluentes emitidos pelos carros e promove a saúde da população, reduzindo o gasto com doentes a médio e longo prazo. Uma informação que pode apontar a dinâmica da mobilidade urbana é o tempo de deslocamento para a atividade laboral. No ano de 2010, 55,53% dos porto-alegrenses que trabalhavam fora do domicílio levavam até 30 minutos para chegar ao local de trabalho, 34,41% ocupavam entre 30 e 60 minutos do seu tempo para esse deslocamento, enquanto 10,05% levavam mais 60 minutos nesse trajeto, proporções semelhantes às de Curitiba. No caso dos deslocamentos que levam mais de uma hora, São Paulo (31,03%), Rio de Janeiro (25,34%) e Belo Horizonte (16,55%) tinham proporção superior do que Porto Alegre. VIOLÊNCIA No mundo atual, nenhuma sociedade está imune ao fenômeno da violência. Os dados e informações para Porto Alegre corroboram o que se percebe nos âmbitos nacional e internacional. Na análise apresentada, os indicadores sobre violência apontam que a cidade de Porto Alegre não se diferencia deste processo em relação à ocorrências. As informações sobre homicídios para o ano de 2010 demonstravam que a capital gaúcha encontrava-se em uma condição intermediária em relação às capitais do país, ocupando o 15º lugar, com uma taxa de 33,1 óbitos por 100 mil habitantes. Contudo, quando este valor é comparado ao de capitais que aparentemente apresentam índices maiores aponta para a necessidade de uma reflexão mais profunda quanto ao fenômeno da violência. Comparando-se a outras capitais, a taxa de homicídios de Porto Alegre era, por exemplo, duas vezes maior do que a 5 Fonte: ObservaPOA (2012); BHTrans (2012); CTTU Recife (2012); CET - Companhia de Engenharia de Tráfego de São Paulo (2012); SMAC - Secretaria Municipal de Meio Ambiente do Rio de Janeiro (2011). 4

5 paulista (15,1), se aproxima a do Rio de Janeiro (29,5) e a de Belo Horizonte (30,5) 6 e era menor que as taxas de Curitiba (43,6) e de Recife (43,5) 7. Esse dado revela a necessidade de uma atenção maior ao tema da violência por parte do município. As informações disponíveis sobre o quadro de violência no município de Porto Alegre apontam outro indicador que carece de bastante atenção por parte dos munícipes e do poder público. Em relação à taxa de homicídio juvenil 8 para o ano de 2010, o município ocupava também o 15º lugar entre as capitais brasileiras. No entanto, quando se compara novamente Porto Alegre e São Paulo, a taxa de homicídio juvenil para a capital gaúcha (73,9) era quase três vezes maior do que a cidade paulista (27,3). Ainda comparando com outras capitais como, Rio Janeiro (70,2) e Belo Horizonte (68,3), a taxa para a cidade de Porto Alegre permanecia maior. No entanto, a taxa era menor que a de Curitiba (99,8), a de Recife (106) e a de Maceió (247,7) 9. O trânsito tem se apresentado como um espaço de grande incidência de casos de violência. Comparando a taxa de morte por acidentes de transporte de Porto Alegre com todas as demais capitais brasileiras, a cidade era a terceira capital com menor taxa (13,5) 10. Em relação a Belo Horizonte (19,7), Curitiba (17,9), Recife (16,5), Rio de Janeiro (14,5), São Paulo (14,0) e Porto Velho (41,3), a capital gaúcha era a que apresentava o menor valor para esse indicador. Vale destacar a situação de Salvador que apresentava a menor taxa entre as capitais do Brasil (11,6) 11. Ainda que os índices para o município sejam baixos em relação ao contexto nacional há que se debruçar quanto ao modelo e a estrutura de trânsito oferecidos à municipalidade. A cidade vive um momento de execução de obras viárias previstas no Plano Diretor, contudo na perspectiva de um crescimento econômico e social futuro, a reflexão e as ações para a redução da violência no trânsito e para melhoria da mobilidade devem estar na pauta da cidade. 6 O número absoluto de homicídios é maior nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, porém, a maior população nestas capitais faz com que a suas taxa de homicídios sejam menores do que Porto Alegre. 7 MINISTÉRIO DA SAÚDE, Óbitos de pessoas de15 a 29 anos por 100 mil habitantes na faixa etária considerada. 9 MINISTÉRIO DA SAÚDE, Óbitos por acidentes de transportes por 100 mil habitantes. Inclui ciclistas, pedestres, motos, veículos leves e pesados, veículos de tração animal, transporte por água e não especificados. 11 MINISTÉRIO DA SAÚDE,

6 Prefeitura Municipal de Porto Alegre José Fortunatti Prefeito Secretaria Municipal de Governança Local Cezar Busatto Secretário Observatório da Cidade de Porto Alegre Adriana Furtado - Gerente O Porto Alegre em Análise é uma publicação elaborada pela equipe técnica do Observatório da Cidade de Porto Alegre (ObservaPOA): Adriana Furtado, André Luis Pereira, Cidriana Teresa Parenza, Liane Rose Garcia Bayard, Rodrigo Rodrigues Rangel, Valéria Dozolina Sartori Bassani. facebook.com/observapoa twitter.com/observa_poa youtube.com/observapoa 6

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável.

Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. Plano de Metas para uma Porto Alegre mais Sustentável. EXPEDIENTE Realização: Prefeitura Municipal de Porto Alegre (PMPA) José Fortunati - Prefeito Secretaria Municipal de Governança Local (SMGL) Cezar

Leia mais

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO

---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO INSTITUTO NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA CNPq/FAPERJ/CAPES ---- ibeu ---- ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO COORDENAÇÃO LUIZ CÉSAR DE QUEIROZ RIBEIRO EQUIPE RESPONSÁVEL ANDRÉ RICARDO SALATA LYGIA GONÇALVES

Leia mais

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia

IBEU da Região Metropolitana de Goiânia IBEU da Região Metropolitana de Goiânia Marina Lemes Landeiro 1 Recentemente as 15 principais regiões metropolitanas brasileiras foram contempladas com o livro e também e-book Índice de Bem-estar Urbano

Leia mais

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO

CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS PRELIMINARES DO UNIVERSO Suzana Cavenaghi José Eustáquio Diniz Alves Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO DE 2010: MUDANÇAS METODOLÓGICAS E RESULTADOS

Leia mais

Inclusão e Desenvolvimento Humano. Desenvolvimento Econômico. Espaço Urbano e Mobilidade. Sustentabilidade Ambiental.

Inclusão e Desenvolvimento Humano. Desenvolvimento Econômico. Espaço Urbano e Mobilidade. Sustentabilidade Ambiental. Inclusão e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento Econômico Espaço Urbano e Mobilidade Sustentabilidade Ambiental Serviços Públicos Inclusão e Desenvolvimento Humano Distribuição de Renda AGLOMERADOS SUBNORMAIS

Leia mais

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles

Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015. Coordenação: Juciano Martins Rodrigues. Observatório das Metrópoles Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Estado da motorização individual no Brasil Relatório 2015 Coordenação: Juciano Martins Rodrigues Observatório das Metrópoles Luiz Cesar de Queiroz

Leia mais

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas

São Paulo 2022. Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas São Paulo 2022 Metodologia de para monitoramento do comportamento da Cidade de São Paulo por Indicadores e Metas Cidade Democrática, participativa e descentralizada Transformando São Paulo pela mudança

Leia mais

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO

ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO ASPECTOS DA REDE URBANA DO ESTADO DE SÃO PAULO SIMÃO, Rosycler Cristina Santos Palavras chave: rede urbana; São Paulo; disparidades regionais; Censo Demográfico 2000. Resumo O objetivo do trabalho é mostrar

Leia mais

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO?

QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? QUAL O NÚMERO DE VEÍCULOS QUE CIRCULA EM SÃO PAULO? RESENHA Carlos Paiva Qual o número de veículos que circula em um dia ou a cada hora do dia na Região Metropolitana, no município e no centro expandido

Leia mais

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis

Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons. Programa Cidades Sustentáveis Foto: Por gelinh. Flickr Creative Commons Programa Cidades Sustentáveis CONTEXTO No Mundo Atualmente: mais da metade da humanidade já vive em cidades 2030: 60% e 2050: 70% (ONU) Emissões de gases de efeito

Leia mais

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO

NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO NOTA TÉCNICA 63 2011 PROPOSTA DE AMPLIAÇÃO DO PROJETO VIDA NO TRÂNSITO Repasse financeiro do Fundo Nacional de Saúde aos Fundos de Saúde Estaduais, Municipais e do Distrito Federal, por meio do Piso Variável

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Aliança / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Aliança / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,06% ao ano, passando de 37.188 para 37.415 habitantes.

Leia mais

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles

Metrópoles em Números. Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 2001/2011. Observatório das Metrópoles Crescimento da frota de automóveis e motocicletas nas metrópoles brasileiras 21/211 Observatório das Metrópoles Elaboração: Juciano Martins Rodrigues Doutor em Urbanismo (PROURB/UFRJ), Pesquisador do INCT

Leia mais

Ministério das Cidades MCidades

Ministério das Cidades MCidades Ministério das Cidades MCidades Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ODS São Paulo, 02 de junho de 2014 Roteiro 1. O processo de urbanização no Brasil: histórico. 2. Avanços institucionais na promoção

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013

Mobilidade Suave Humanização de Cidades. outubro 2013 Mobilidade Suave Humanização de Cidades outubro 2013 Estratégias Urbanas Planos de Revitalização Planos de Mobilidade Planos Cicloviários e Pedonais Espaços Públicos Projetos Viários e Cicloviários Parques

Leia mais

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy

Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Pesquisa sobre municipalização do trânsito e regulamentação do exercício da atividade de moto taxista e de moto boy Tabulação dos Resultados da Pesquisa Objetivos: Diagnosticar a situação atual dos municípios

Leia mais

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil DOTS - Desenvolvimento Urbano Orientado ao Transporte Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Contexto das cidades Expansão urbana Modelo de ocupação territorial

Leia mais

Por uma cidade mais justa e sustentável

Por uma cidade mais justa e sustentável Por uma cidade mais justa e sustentável 2011 Como imaginamos e como queremos Nossa Belo Horizonte daqui a 1, 4, 10, 20 anos? Eixos de Atuação 1. Programa de Indicadores e Metas Selecionar, sistematizar,

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DE PROJETOS Lúcia Maria Mendonça Santos Marcos Daniel Souza dos Santos Paula Coelho da Nóbrega Departamento de Mobilidade Urbana Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana

Leia mais

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades.

País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. A Política de Mobilidade Urbana no desenvolvimento das cidades! AS CIDADES País predominantemente urbano: cerca de 80% da população brasileira mora em cidades. Processo de urbanização caracterizado pelo

Leia mais

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas

Ministério das Cidades. Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas Ministério das Cidades Plano de Ação em Habitação e Saneamento em Regiões Metropolitanas UMA VISÃO GERAL DO QUADRO METROPOLITANO BRASILEIRO Definição Formal 26 26 Regiões Metropolitanas definidas em em

Leia mais

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU

Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Brasil avança, mas é quarto país mais desigual da América Latina, diz ONU Estudo faz balanço de serviços urbanos básicos, como a gestão dos resíduos sólidos. (Foto: Reprodução) Apesar do crescimento econômico,

Leia mais

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte

Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Seminário de Mobilidade Urbana Planejamento da Mobilidade Urbana em Belo Horizonte Celio Bouzada 23 de Setembro de 2015 Belo Horizonte População de Belo Horizonte: 2,4 milhões de habitantes População da

Leia mais

Manual Prêmio Mobilidade

Manual Prêmio Mobilidade Manual Prêmio Mobilidade 1. Qual o objetivo do Prêmio Mobilidade? O Prêmio Cidades Sustentáveis, categoria "Mobilidade", pretende reconhecer políticas públicas sustentáveis e bem sucedidas de melhoria

Leia mais

Campinas Cidade Sustentável

Campinas Cidade Sustentável Campinas Cidade Sustentável A Prefeitura de Campinas adere hoje, com o Decreto que será assinado pelo Prefeito Jonas Donizette, ao Programa Cidades Sustentáveis da Rede Nossa São Paulo, do Instituto Ethos

Leia mais

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL. sexta-feira, 29 de junho de 12

MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL. sexta-feira, 29 de junho de 12 MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL O QUE É MOBILIDADE URBANA? É um atributo das cidades e se refere ao deslocamentos de pessoas e bens no espaço urbano. Pensar a mobilidade urbana é pensar sobre como se organizam

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente

SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES. Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente SAÚDE AMBIENTAL E DESASTRES Mara Lúcia Oliveira Saúde e Ambiente PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS Contaminação atmosférica (industrial e doméstica) Contaminação acústica Contaminação dos mananciais Abastecimento

Leia mais

QUADRO DE INDICADORES

QUADRO DE INDICADORES QUADRO DE Núcleo de Seguridade e Assistência Social da PUC/SP Coordenadora: Profa.Aldaiza Sposati QUADRO COMPARATIVO DE SOCIAIS I UTOPIAS DO /INCLUSÃO SOCIAL AUTONO- MIA QUALIDA- DE DE VIDA Faixa Renda

Leia mais

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012

Nº 161. Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 Nº 161 Indicadores de mobilidade urbana da PNAD 2012 24 de outubro de 2013 1 Governo Federal Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República Ministro Marcelo Côrtes Neri (interino) Fundação

Leia mais

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013

Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 Políticas de integração para mobilidade urbana em cidades coordenadas por diferente modais Wagner Colombini Martins 20/09/2013 A gestão pública brasileira é marcada pela atuação setorial, com graves dificuldades

Leia mais

A urbanização Brasileira

A urbanização Brasileira A urbanização Brasileira Brasil Evolução da população ruralurbana entre 1940 e 2006. Fonte: IBGE. Anuário estatístico do Brasil, 1986, 1990, 1993 e 1997; Censo demográfico, 2000; Síntese Fonte: IBGE. Anuário

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

Belo Horizonte: em direção à

Belo Horizonte: em direção à Belo Horizonte: em direção à mobilidade d sustentável tá INDICADORES DA MOBILIDADE URBANA EM BELO HORIZONTE 3,8 milhões de viagens/dia, 44% pelo transporte coletivo 6,3 milhões viagens/dia na RMBH 1,6

Leia mais

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO

TRANSPORTE COLETIVO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO SISTEMAS INTEGRADOS DE TRANSPORTE URBANO TRANSPORTE COLETIVO M. Eng. André Cademartori Jacobsen Especialista em Benchmarking Associação Latino-americana de Sistemas Integrados e BRT (SIBRT) 28/Nov/2012

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

Mobilidade Urbana. Boletim Nº SETEMBRO 2015 NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA

Mobilidade Urbana. Boletim Nº SETEMBRO 2015 NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA Boletim Nº SETEMBRO 2015 Mobilidade Urbana NESSE BOLETIM VOCÊ ENCONTRA INDICADORES, INFORMAÇÕES E ANÁLISES SOBRE A MOBILIDADE URBANA EM PIRACICABA www.observatoriopiracicaba.org.br Mobilidade Urbana e

Leia mais

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS

POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS Seminário POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO DE MOTOS LEGISLAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E POLÍTICA DE SEGURANÇA Brasília DF 13 de setembro de 2012 Regulamentação da atividade de mototaxista Mesmo diante da ausência

Leia mais

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB

PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB PLANO DIRETOR DE TRANSPORTE E MOBILIDADE DE BAURU - PLANMOB O QUE É O Plano Diretor de Transporte e da Mobilidade é um instrumento da política de desenvolvimento urbano, integrado ao Plano Diretor do município,

Leia mais

GABINETE DO PREFEITO

GABINETE DO PREFEITO GABINETE DO PREFEITO O Plano de Metas é um instrumento de gestão que orienta a Prefeitura na direção de uma cidade sustentável e oferece aos cidadãos e à imprensa um mecanismo para avaliar os compromissos

Leia mais

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011

Democracia participativa p e cultura cidadã. Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Democracia participativa p e cultura cidadã Porto Alegre, 25 de novembro de 2011 Da Reivindicação à Wikicidadania INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA INOVAÇÕES DA PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA E DA GESTÃO

Leia mais

Programa Paraisópolis

Programa Paraisópolis Programa Paraisópolis Identificação das Comunidades Cemitério Getsemani Jd. Colombo Paraisópolis Porto Seguro Cemitério do Morumbi Colégio Visconde de Porto Seguro Programa Paraisópolis Caracterização

Leia mais

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS

ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS ÍNDICE DE BEM-ESTAR URBANO DA REGIÃO METROPOLITANA DE FLORIANÓPOLIS Gustavo Henrique P. Costa INTRODUÇÃO Recentemente o INCT Observatório das Metrópoles divulgou o livro e também e-book intitulado Índice

Leia mais

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas

Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Seminário de Políticas para o trânsito Seguro de Motos Saúde, Processo de Habilitação e Questões Socioeducativas Marta Maria Alves da Silva CGDANT/DASIS/SVS/MS Brasília/DF, 13 de setembro de 2012 2009:

Leia mais

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012.

Nº 74 Fevereiro de 2014. O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. Nº 74 Fevereiro de 2014 O Uso de Drogas Ilícitas entre Estudantes do Ensino Fundamental em Fortaleza e demais Capitais Brasileiras - 2012. GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos

Leia mais

Luiz Carlos Bueno de Lima

Luiz Carlos Bueno de Lima A política nacional de transporte t e da mobilidade urbana Luiz Carlos Bueno de Lima Secretário Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Transporte e

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012

Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH. Marcelo Cintra do Amaral. 20 de novembro de 2012 Plano de Mobilidade Urbana de Belo Horizonte - PlanMob-BH Marcelo Cintra do Amaral 20 de novembro de 2012 Roteiro da apresentação: Contexto do PlanMob-BH: prognóstico, caráter de plano diretor, etapas

Leia mais

Depto. Engenharia Industrial Estudo sobre a Mobilidade Sustentável Diretrizes para o Município do Dr. Madiagne Diallo, Prof. Coordenador do Laboratório de Apoio à Decisão Coordenador de Assessoria Técnica

Leia mais

Quadro da desigualdade em São Paulo

Quadro da desigualdade em São Paulo Quadro da desigualdade em São Paulo CULTURA Acervo de livros infanto-juvenis das bibliotecas municipais per capita Número de livros infanto-juvenis disponíveis em acervos de bibliotecas e pontos de leitura

Leia mais

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010

Gestão Participativa em BH. Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte, 01 de dezembro 2010 1 Gestão Participativa em BH Belo Horizonte tem um longo histórico de gestão democrático-popular; Existe forte determinação política para:

Leia mais

CASA VERDE/CACHOEIRINHA

CASA VERDE/CACHOEIRINHA Casa Verde / CASA VERDE/CACHOEIRINHA R e g i ã o N o r t e Assessoria de Imprensa - Subprefeitura de CENTRO REFERÊNCIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MORRINHOS. 17 Casa Verde / Pirâmide Populacional Rendimento

Leia mais

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de

Yes, Zaqueu Proença. Sonho de Yes, Zaqueu Proença Sonho de consumo 92 nós temos ciclovias nelson toledo Aos poucos, as bikes começam a ganhar um espaço nas políticas de trânsito de diversas cidades brasileiras. Saiba onde você pode

Leia mais

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014

Mobilidade Urbana COMO SE FORMAM AS CIDADES? 06/10/2014 Mobilidade Urbana VASCONCELOS, Eduardo Alcântara de. Mobilidade urbana e cidadania. Rio de Janeiro: SENAC NACIONAL, 2012. PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL LUCIANE TASCA COMO SE FORMAM AS CIDADES? Como um

Leia mais

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE INTRODUÇÃO Recife-Pernambuco tem uma densidade demográfica bastante alta se comparada

Leia mais

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília.

Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília. Infraestrutura Turística. Magaeventos Esportivos e a Promoção da Imagem do Brasil no Exterior 16 e 17 de agosto Brasília Mobilidade Urbana Renato Boareto 1 Organização Não Governamental fundada em 2006

Leia mais

Seminário Rio Metrópole Mobilidade, Conectividade, Custos e Logística. Paulo Fernando Fleury Presidente Instituto Ilos

Seminário Rio Metrópole Mobilidade, Conectividade, Custos e Logística. Paulo Fernando Fleury Presidente Instituto Ilos Realização Seminário Rio Metrópole Mobilidade, Conectividade, Custos e Logística Paulo Fernando Fleury Presidente Instituto Ilos O Paradoxo da Logística A logística é ao mesmo tempo uma das atividades

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

Rio de Janeiro 450 anos

Rio de Janeiro 450 anos Rio de Janeiro 450 anos Fevereiro de 2015 Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir ou reproduzir sem autorização expressa. Demografia EVOLUÇÃO

Leia mais

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA

Panorama dos Territórios UPP FORMIGA Panorama dos Territórios UPP FORMIGA 0 Sumário 1. LOCALIZAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO GERAL... 2 2. DADOS CENSITÁRIOS 2010: DEMOGRAFIA E ÁREA OCUPADA... 3 3. DADOS CENSITÁRIOS 2010: SOCIOECONÔMICOS... 5 3.1.

Leia mais

Regiões Metropolitanas do Brasil

Regiões Metropolitanas do Brasil Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia IPPUR/UFRJ CNPQ FAPERJ Regiões Metropolitanas do Brasil Equipe responsável Sol Garson Luiz Cesar de Queiroz Ribeiro Juciano Martins Rodrigues Regiões Metropolitanas

Leia mais

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS

4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4. REFERÊNCIAS PROJETUAIS 4.1. Revitalização do Rio Cheonggyecheon Seul Coréia do Sul Ficha Técnica Localização: Seul, Coréia do Sul Autor do Projeto: KeeYeonHwang Área de Intervenção: 400 hectares, 8

Leia mais

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável

DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável DOTS Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável O que é DOTS? Desenvolvimento Orientado ao Transporte Sustentável: modelo de planejamento e desenho urbano Critérios de desenho para bairros compactos,

Leia mais

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina

Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Pesquisa sobre Transporte Não-Motorizado Realizado por Bicicleta na Cidade de Londrina Cristiane Biazzono Dutra¹ 1) Prefeitura do Município de Londrina; Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*)

Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Curso de Gestão da Mobilidade Urbana Ensaio Crítico Turma 11 A mobilidade no Brasil Eudes Santana Araujo (*) Sabe-se que, as mazelas vividas pela sociedade brasileira, têm suas raízes na forma que se deu

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

Soluciones para ciudades : La evolución de un proyecto que ayuda a construir ciudades sostenibles Erika Mota Associação Brasileira de Cimento

Soluciones para ciudades : La evolución de un proyecto que ayuda a construir ciudades sostenibles Erika Mota Associação Brasileira de Cimento Soluciones para ciudades : La evolución de un proyecto que ayuda a construir ciudades sostenibles Erika Mota Associação Brasileira de Cimento Portland Contexto das políticas públicas no Brasil Capacidade

Leia mais

PlanMob-BH: Plano de mobilidade sustentável de Belo Horizonte. Ramon Victor Cesar BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte

PlanMob-BH: Plano de mobilidade sustentável de Belo Horizonte. Ramon Victor Cesar BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte PlanMob-BH: Plano de mobilidade sustentável de Belo Horizonte Ramon Victor Cesar BHTRANS, Prefeitura de Belo Horizonte Sumário 1. Contexto do PlanMob-BH Fases de desenvolvimento Objetivos estratégicos

Leia mais

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra

Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Amostra Comunicação Social 02 de dezembro de 2003 Censo Demográfico - 2000 : Educação: Resultados da Em 2000, 5,8 milhões de brasileiros de 25 anos ou mais de idade tinham o curso superior concluído e proporção

Leia mais

MOBILIDADE URBANA E QUALIDADE DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO MÉDIO PARAÍBA

MOBILIDADE URBANA E QUALIDADE DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO MÉDIO PARAÍBA MOBILIDADE URBANA E QUALIDADE DO TRANSPORTE POR ÔNIBUS: UM ESTUDO DE CASO NA REGIÃO DO MÉDIO PARAÍBA Felipe Bruno Sennos (UFF) felipe_sennos@id.uff.br Denise Cristina de Oliveira Nascimento (UFF) denise_cristin@yahoo.com.br

Leia mais

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %)

Mapa 1 Proporção da população que reside em domicílios urbanos com irregularidade fundiária, por UF - 2003 (em %) amoradia é um dos principais determinantes da qualidade de vida da população de um país. Todas as pessoas necessitam de uma habitação que lhes assegure um isolamento do meio natural, protegendo do frio,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA DESENVOLVIMENTO DE LAY-OUT DE PROPOSTA ALTERNATIVA PARA O SISTEMA G DE TRANSPORTE PÚBLICO MULTIMODAL PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA GRUPO DE TRABALHO DE INFRAESTRUTURA E MOBILIDADE URBANA

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 A POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA, INSTITUDA PELA LEI 12.587, É INSTRUMENTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBJETIVANDO A INTEGRAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL

PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS ÍNDICES DE INFLAÇÃO NO BRASIL Belo Horizonte, 17 de dezembro de 2009 2 SUMÁRIO PÁGINA 3 IPC (FIPE) PÁGINA 4 IPCA (IBGE) PÁGINA 5 INPC (IBGE) PÁGINA 6 IGP-DI (FGV) PÁGINA 7 IGP-M (FGV) PÁGINA

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009

DRAFT. PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 PROJETO DE MOBILIDADE URBANA DE MANAUS 6 de outubro de 2009 Agenda Crescimento de Manaus Solução de mobilidade urbana Resumo do projeto do monotrilho Resumo do projeto do BRT Quadro 2 Agenda Crescimento

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Atlas de saneamento Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão Guido Mantega INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE Presidente Eduardo

Leia mais

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade

RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE. Recife 500 Anos uma visão de cidade RECIFE 500 ANOS UMA VISÃO DE CIDADE Recife 500 Anos uma visão de cidade 1 Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã. Victor Hugo 2 Recife 500 Anos uma visão de cidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS. Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França URBANIZAÇÃO BRASILEIRA: ALGUNS COMENTÁRIOS Profa. Dra. Vera Lúcia Alves França A década de 1930 do século XX traz para a população brasileira um novo momento, quanto a sua distribuição. Até então, a população

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES

MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES MOBILIDADE URBANA EM SÃO PAULO APLICAÇÃO DE SOLUÇÕES IMEDIATAS E EFICAZES JULHO 2015 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS URBANO Fonte: Pesquisa de mobilidade 2012 SÃO PAULO UMA CIDADE A CAMINHO DO CAOS

Leia mais

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver?

A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? A rede cicloviária do D.F.: um avanço na mobilidade urbana ou iniciativa para inglês ver? Eliezé Bulhões de Carvalho 1, 2 Michelle Andrade 1 1 - Programa de Pós Graduação em Transportes UnB 2 - GPIT Grupo

Leia mais

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1 EXECUÇÃO GLOBAL DO PAC 2 ATÉ OUTUBRO DE 2014 R$ 1,009 trilhão 91,3% do previsto até 2014 ATÉ DEZEMBRO DE 2014 R$ 1,066 trilhão 96,5% do previsto até 2014 PAC 2 superará em 72% a execução total do PAC 1

Leia mais

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar

Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e. O Índice de Bem-Estar Urbano (IBEU) é um instrumento de medição do bemestar Índice de Bem-Estar Urbano na Baixada Santista: crescimento econômico e desigualdade social. Marinez Villela Macedo Brandão 1 André da Rocha Santos 2 Maria Graciela Gonzalez de Morell 3 Felipe Granado

Leia mais

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Rômulo José da Costa Ribeiro Professor Doutor da Universidade de Brasília UnB, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo PPG-FAU, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

INDICADORES DA GESTÃO PÚBLICA - IGP MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR.

INDICADORES DA GESTÃO PÚBLICA - IGP MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. INDICADORES DA GESTÃO PÚBLICA - IGP MARECHAL CÂNDIDO RONDON PR. Desenvolvido pelo Observatório Social do Brasil, através do Secretário Executivo Adriano Strassburger do OS de Lajeado/RS. Adriano Dirceu

Leia mais

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade)

IDEIA FORÇA. Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) IDEIA FORÇA Redução do Tempo de Deslocamento Humano (Mobilidade) DETALHAMENTO: Mobilidade humana (trabalhador precisa respeito); Melhorar a qualidade e quantidade de transporte coletivo (Lei da oferta

Leia mais

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU

MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU MOBILIDADE URBANA: INTERVENÇÃO E REESTRUTURAÇÃO DE CICLOVIAS NA AVENIDA MANDACARU Adriele Borges da Silva¹; Tatiana Romani Moura²; RESUMO: O presente trabalho tem por finalidade apresentar um estudo e

Leia mais

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Rondônia. Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Sínteses Estaduais Objetivos de Desenvolvimento do Milênio RO Rondônia Expediente Sínteses Estaduais: Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Edição 2010 Tiragem 1000 exemplares Elaboração

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES

MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES MINISTÉRIO DAS CIDADES Programa Brasil Acessível Arq. Augusto Valiengo Valeri FÓRUM NACIONAL DE TRAVESSIA ACESSÍVEL CET / CPA - SP 06 de novembro de 2007 São Paulo - SP Estrutura

Leia mais

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1.

É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. COEFICIENTE GINI É uma medida de desigualdade, mas comumente utilizada para calcular a desigualdade na distribuição de renda. É um número entre 0 e 1. 0 = completa igualdade 1= completa desigualdade. Desigualdade

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade e de paisagens e ecossistemas visualmente atraentes que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011

Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Plano de Mobilidade Sustentável. Por uma cidade amiga da bicicleta Abril 2011 Cronograma Índice Apresentação da TC Urbes Objetivos do Plano de Mobilidade Sustentável Cidade e Mobilidade Diagnóstico Planejamento

Leia mais

Otimização do uso do solo

Otimização do uso do solo Otimização do uso do solo Criamos uma cidade compacta, adensada, próxima de meios de transporte de alta capacidade, paisagens e ecossistemas visualmente atraentes e que agregam valor à comunidade. Urbanização

Leia mais

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ

Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ Mobilidade Urbana: Esse Problema tem Solução? Ronaldo Balassiano Programa de Engenharia de Transportes PET/COPPE/UFRJ 1 1 Introdução Sustentabilidade Mudança nos atuais modelos de produção e consumo Alternativas

Leia mais

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos

Medidas para a Humanização do Tráfego. A Cidade que Queremos Medidas para a Humanização do Tráfego A Cidade que Queremos Objetivo Publicação com o objetivo de divulgar, junto aos municípios, soluções técnicas para a humanização do trânsito. Estrutura Introdução

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas

Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Pesquisa Nacional de Saúde Módulo de Informações do Domicílio Notas Técnicas Sumário Origem dos dados... 3 Descrição das variáveis disponíveis para tabulação... 4 Variáveis de conteúdo... 4 Média moradores/domicílios...

Leia mais