ATAS DO COLÓQUIO INTELECTUAIS, CULTURA E POLÍTICA NO MUNDO IBERO-AMERICANO. Rio de Janeiro de maio de 2006.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATAS DO COLÓQUIO INTELECTUAIS, CULTURA E POLÍTICA NO MUNDO IBERO-AMERICANO. Rio de Janeiro. 17-18 de maio de 2006."

Transcrição

1 ATAS DO COLÓQUIO INTELECTUAIS, CULTURA E POLÍTICA NO MUNDO IBERO-AMERICANO. Rio de Janeiro de maio de Intellèctus Ano 05 Vol.II Revista Eletrônica ISSN Grpesq Intelectuais, Idéias e Instituições. REVISTA ESTUDOS SOCIAIS; engajamento na renovação comunista. Alexandre M. E. Rodrigues Doutorando em História na UERJ e Coordenador-Geral de Acesso e Difusão Documental do Arquivo Nacional. Em meio a uma grande expectativa de alguns comunistas quanto à superação do dogmatismo exacerbado vivido no seio do PCB durante o período anterior, foi fundada, sob a direção de Astrojildo Pereira, a revista Estudos Sociais, que, como se verá, vai refletir os debates e polêmicas de um importante segmento da esquerda brasileira. A partir do impacto produzido pela divulgação do relatório Khruschov ao XX Congresso do PCUS, e com as tardias discussões por ele suscitadas no PCB, Astrojildo evitou o uso de um tom acusatório, optando por uma postura de autocrítica e, portanto, incluindo-se entre os que, entusiasticamente, participaram do culto à personalidade de 1

2 Stálin. Ao mesmo tempo, não se furtou a fazer críticas que julgasse pertinentes e visassem a alterar não apenas determinados padrões de comportamento, mas, sobretudo, concepções políticas. Com esse intuito, criticou a revista Problemas, editada em 1947 e que circulou até 1956, como órgão mais teórico do partido, e, por isso mesmo, mais vinculado ao Comitê Central. Destacou o excesso de material traduzido como se fosse possível encontrar no marxismo-leninismo produzido no leste europeu a orientação adequada e suficiente para travar a luta política nacional. Assim, referindo-se a Problemas afirma que à parte dos documentos oficiais e um ou outro escasso trabalho, só publicava traduções e mais traduções. Não era uma revista brasileira, um órgão teórico dos comunistas brasileiros, preocupada com os problemas brasileiros. 1 Vista por esse ângulo, a revista Estudos Sociais pode ser considerada uma recusa ao modelo representado por Problemas e uma tentativa concreta de superar o seu dogmatismo. A apresentação da revista no seu número inicial, correspondendo aos meses de maio e junho de 1958, caracteriza-a como uma revista de tendência marxista, e como tal pretende intervir, democraticamente, ao lado de outras correntes do pensamento, no debate das questões relacionadas com a nossa realidade econômica, social e política. 2 Nela, o marxismo é defendido como uma corrente de pensamento que tem demonstrado uma extraordinária vitalidade teórica e prática. Mais adiante, tece um comentário que lhe serve de salvaguarda: no Brasil, o marxismo não produziu os frutos desejados por várias razões, uma das quais a nosso ver, seria a ausência de uma tradição de estudos marxistas em nosso país. O trabalho teórico dos marxistas, empregado na investigação e interpretação da realidade brasileira, tem sido muito precário, limitado (...). 3 Assumindo o compromisso de dar conseqüência à preocupação com a investigação e interpretação da realidade brasileira, Estudos Sociais defende, como tarefa dos marxistas brasileiros, o estudo da realidade nacional em seus múltiplos aspectos e a elaboração de subsídios para a ação política das forças democráticas e patrióticas. Dessa maneira, propõe estimular o debate e a polêmica, não somente entre 1 Astrojildo Pereira. Desapreço ao trabalho intelectual. Imprensa Popular. Rio de Janeiro, 16/12/1956, p.5. 2 Apresentação. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano I, n.º 1, maio/junho de 1958, p.3. 2

3 os próprios marxistas, mas, também, entre os marxistas e demais correntes de pensamento, pois a luta de opiniões, o confronto de idéias, a crítica, a discussão são indispensáveis ao desenvolvimento do pensamento e da cultura 4. A revista Estudos Sociais é uma das primeiras publicações com esse teor que tem um forte vínculo com o processo de renovação comunista impulsionado a partir do XX Congresso do PCUS. O seu diretor era Astrojildo Pereira e o secretário Armênio Guedes, substituído posteriormente por Jorge Miglioli. Depois de publicados vários números da revista, o Conselho de Redação é constituído e divulgado, tendo na sua composição, além dos três já citados, Fausto Cupertino, Jacob Gorender, Leandro Konder, Mário Alves, Rui Facó e, logo em seguida, incorporado o nome de Nelson Werneck Sodré. Ao todo foram dezenove números publicados, relativos ao período de maio/junho de 1958 a fevereiro de 1964, com uma tiragem média de 2 a 3 mil exemplares 5. Para uma melhor compreensão do significado da nova orientação política do PCB pelo longo período marcado pelos desdobramentos dos debates provocados pelo XX Congresso do PCUS, é necessário salientar as principais proposições da Declaração de Março de 1958 e do V Congresso do PCB, realizado em setembro de Na Declaração de Março, encontra-se uma avaliação positiva do desenvolvimento econômico do Brasil. O desenvolvimento capitalista nacional é considerado um elemento progressista na nossa dinâmica econômica. Apesar dos reconhecidos entraves que determinam uma situação de subdesenvolvimento, o documento defende que o referido desenvolvimento capitalista é conflitante com os setores atrasados da economia, estando o exemplo mais simbólico na chamada relação semifeudal no campo, bem como com o imperialismo norte-americano. Conforme o texto oficial, este desenvolvimento se processa através de contradições, de avanços e recuos, mas é a tendência que abre caminho e se fortalece. 6 3 Id. ibidem, p.3. 4 Id. ibidem, p.4. 5 Antônio Albino Canelas Rubim. Partido Comunista, cultura e política cultural. Tese de doutorado em Sociologia. São Paulo, FFLCH/USP, p Declaração sobre a política do PCB (março de 1958). In: Edgar Carone. O PCB ( ). Vol II. São Paulo, Difel, 1982, p

4 Por sua vez, o processo de democratização também não é linear, sofrendo, em determinados momentos, retrocessos ou interrupções, mas, sobretudo, é claramente posto como uma tendência permanente. A situação internacional é marcada, nos termos do documento, pelo ascenso do socialismo e dos movimentos pela paz e de libertação nacional em todo o mundo, permitindo o crescimento das forças antiimperialistas e democráticas. Destacam-se também duas contradições fundamentais na sociedade brasileira. A primeira contradição é entre nação e imperialismo norte-americano e a segunda entre as forças produtivas em desenvolvimento e as relações de produção semifeudais no campo. A sociedade brasileira encerra também a contradição entre o proletariado e a burguesia, que se expressa nas várias formas da luta de classes entre operários e capitalistas. Mas esta contradição não exige uma solução radical na etapa atual. Nas condições presentes de nosso país, o desenvolvimento capitalista corresponde aos interesses do proletariado e de todo o povo. 7 Considera, ainda, que a perspectiva de desenvolvimento capitalista independente e progressista não pode ser resolvida por nenhuma força social isolada. Sendo assim, propõe uma frente única na luta por um governo nacionalista e democrático. Em virtude do próprio processo de democratização, aposta no caminho pacífico da revolução brasileira, de caráter antiimperialista, antifeudal, nacional e democrática. Por fim, o documento faz uma verdadeira convocação ao fortalecimento do partido, à aplicação da nova política, ao combate às concepções dogmáticas e sectárias e, também, ao engajamento dos comunistas nas atividades legais entre as massas. Dessa maneira, está bastante consolidada a interpretação de que a Declaração de Março de 1958 (...) representa o início de uma nova fase na vida do partido, redefinido a compreensão que os comunistas tinham do movimento democrático e nacionalista, da política de frente única e do papel da democracia na luta pelo socialismo. E é inegável que, a partir dela, o PCB passou a se inserir de forma mais ativa na sociedade brasileira..8 O Comitê Central do PCB lançou as Teses para Discussão em abril de Durante os meses que antecederam a realização do V Congresso, foram travados 7 Id. ibidem, p Apresentação. In: Marco Aurélio Nogueira (org.). PCB: vinte anos de política (documentos). São Paulo, Ciências Humanas, 1980, p. IX. 4

5 intensos debates que chegaram a repercutir nas páginas do semanário Novos Rumos. As divergências ficam expostas ao público com parte importante do antigo grupo dirigente, (João Amazonas, Maurício Grabois, Pedro Pomar e outros), que coloca resistências à chamada renovação política do partido. O V Congresso do PCB foi realizado em setembro de 1960.Em grande medida, pode-se afirmar que foram confirmadas as linhas gerais da Declaração de Março de Seguindo, portanto, as análises e proposições principais da já citada Declaração de Março, as suas conclusões acerca da ação política podem ser sintetizadas da seguinte maneira: As tarefas fundamentais que se colocam hoje diante do povo brasileiro são a conquista da emancipação do país do domínio imperialista e a eliminação da estrutura agrária atrasada, assim como o estabelecimento de amplas liberdades democráticas e a melhoria das condições de vida das massas populares. Os comunistas se empenham na realização dessas transformações, ao lado de todas as forças patrióticas e progressistas, certos de que elas constituem uma etapa prévia e necessária no caminho do socialismo. 9 Tem sido muito recorrente enfatizar o tratamento dado à preocupação com o processo de democratização da vida política nacional nesses documentos do PCB. Na Declaração de Março, por exemplo, afirma-se com vigor que as forças progressistas têm interesse em defender, estender e consolidar o regime de legalidade constitucional e democrático. 10 Não se pode pôr de lado, porém, o fato de que esses mesmos documentos partidários serviram para sustentar uma versão mecanicista da questão nacional e uma análise dualista da sociedade brasileira, opondo um Brasil moderno ao atrasado. Inclusive porque a abordagem da questão nacional teve um papel relevante no conjunto da elaboração e encaminhamentos das posições dos comunistas em momentos de grande destaque da luta política. 9 Id. ibidem, p Id. ibidem, p.9. Questão nacional que está na raiz das virtudes do PCB no pré-64, e consiste igualmente no seu principal vício. Virtude porque o aloja no centro da crise da formação econômico-social, principal influência à esquerda do espectro político, articulado com o governo, setores das Forças Armadas e frações de diversos partidos por meio do movimento nacionalista, credenciando-o até, via canais abertos pela estrutura corporativa sindical, à penetração no aparato governamental. E, porque, ao se constituir no interior da frente única 5

6 nacionalista como a sua força mais radical e conseqüente, adquire uma densidade política que transcende em muito o ainda reduzido número dos seus militantes e sua escassa representação eleitoral. Vício na medida em que sua política é dependente de um outro o nacionalismo burguês fundada numa concepção objetivista e mecânica da inevitabilidade de um choque entre as forças produtivas nacionais e os entraves estruturais ao seu desenvolvimento, que o priva de uma ação independente junto às suas bases de classe. 11 Ademais, a Resolução Política do V Congresso chama a atenção para o combate às influências ideológicas estranhas à classe operária e à necessidade de educação ideológica do partido em base marxista-leninista, unindo indissoluvelmente os princípios do socialismo científico com o estudo da realidade brasileira e com a prática revolucionária em nosso país. 12 Em relação a isso, uma diferença significativa entre a Declaração de Março de 1958 e a Resolução Política do V Congresso do PCB pode ser detectada. A Declaração de Março estabelece que as concepções dogmáticas e sectárias constituem o perigo fundamental a combater. 13 Por sua vez, a Resolução Política do V Congresso, mesmo reconhecendo que é indispensável um esforço para travar o combate a essas concepções, conclama ao combate simultâneo às tendências dogmáticas e revisionistas 14. É bastante razoável creditar o recuo representado pela fórmula mais conciliatória à capacidade de intervenção política dos que apresentaram resistência à chamada nova política do PCB. Tal abordagem do problema adquiriu repercussão e compôs a retórica comunista naquele momento. O texto escrito por Jacob Gorender sobre o V Congresso e publicado em Estudos Sociais deixa clara a incorporação do novo elemento no discurso: O mérito principal da linha geral aprovada no V Congresso consiste em que se supera ambas as limitações a dogmatização dos princípios e o oportunismo afastado dos princípios, as quais, na sua dialética de opostos, alimentam-se mutuamente. E, por isso mesmo, a linha geral do V Congresso permite combater estas limitações, não a partir de uma a outra, mas contrapondo-se 11 Luiz Werneck Vianna. Questão nacional e democracia: o ocidente incompleto do PCB. Novos Rumos. São Paulo, v.3, n.º8-9, 1988, pp Marco Aurélio Nogueira (org.). Op. Cit., p Id. ibidem, p Id. ibidem, p.68. 6

7 simultaneamente a uma e outra, a partir de uma posição marxista correta. 15 A chamada nova política do PCB encontrou ressonância na revista Estudos Sociais, na qual o recurso ao marxismo era proposto como instrumental teórico de análise e interpretação da realidade brasileira. Os assuntos presentes nas páginas de Estudos Sociais apresentam uma significativa variedade temática e, em alguns casos, até de abordagem, no sentido de promover a polêmica e o debate mesmo entre os comunistas. Neste último caso, vale a pena citar as resenhas críticas de Rui Facó sobre os livros História Sincera da República, de Leôncio Basbaum, e O niilista Machado de Assis, de Octavio Brandão. A análise da realidade brasileira é realizada em seus diversos aspectos, podendose verificar uma ênfase relativamente maior no estudo dos problemas agrários e na presença de capitais estrangeiros no país. Nesse sentido, consta, nos seus dezenove números publicados, artigos e ensaios que versam sobre o desenvolvimento, a política econômica, a conjuntura nacional e internacional, o imperialismo, a dinâmica capitalista no país e no mundo, a política cambial, a burguesia nacional, aspectos da história do movimento operário no Brasil, a educação, a escola pública, a saúde, a alimentação, os temas regionais, o movimento migratório, a situação e a integração econômica da América Latina, as correntes de pensamento em voga junto à intelectualidade naquele momento, dentre outros. Os dois primeiros números de Estudos Sociais tiveram uma periodicidade bimestral. O primeiro número correspondia aos meses de maio e junho, enquanto o segundo aos meses de julho e agosto de A edição seguinte, sob a alegação de mudança do local da tipografia, juntou os números 3 e 4 e correspondeu aos meses de setembro a dezembro de Nessa publicação, foram recolocados os propósitos da revista nos seguintes termos: (...) representamos uma corrente do pensamento que tem demonstrado sua extraordinária vitalidade teórica e prática no estudo, na interpretação e na solução dos problemas contemporâneos, justificando-se, assim, plenamente, o nosso direito e o nosso dever de 15 Jacob Gorender. O V Congresso dos comunistas brasileiros. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano III, n.º 9, outubro de 1960, p.7. 7

8 contribuir, com sinceridade e sem presunção dogmática, ao esclarecimento da nossa realidade econômica, social e política. 16 Outros assuntos e abordagens relevantes para o desenvolvimento do marxismo neste país podem ser explicitados. Nas páginas da revista, podem ser encontradas matérias informativas, de divulgação e interpretativas sobre movimentos socialistas, lutas de libertação nacional e, mais especificamente, experiências de países pósrevolucionários. Em relação a isso, é possível constatar uma maior presença de artigos sobre Cuba e China. A temática da literatura não esteve ausente. Encontram-se artigos, ensaios e resenhas de ou sobre escritores tanto da literatura internacional quanto de representantes das letras nacionais. No primeiro caso, cabe citar, por exemplo, os nomes de Balzac, Bertold Brecht, Dostoievski, Eça de Queiroz, Fernando Pessoa, Louis Aragon, Maiacovski e Tolstoi. No segundo caso, é possível encontrar referências de ou sobre os seguintes autores: Dalcídio Jurandir, Euclides da Cunha, Ferreira Gullar, Guimarães Rosa, Jorge Amado e, como não poderia faltar, Machado de Assis. Além das seções de crítica de livros e revistas nacionais e internacionais, que se encontram em quase todos os números da revista, convém destacar os textos marxistas que abordam temas como a psicanálise, o existencialismo, o realismo socialista, o cristianismo, a dialética, a polêmica sobre Hegel, uma polêmica científica na URSS etc. No terreno da Filosofia, é significativo o fato de a revista Estudos Sociais publicar, no seu quinto número, relativo aos meses de março e abril de 1959, o primeiro trabalho de Lukács no nosso país, intitulado O irracionalismo fenômeno internacional do período imperialista. Este texto se encontra como prefácio do livro A Destruição da Razão, também do referido autor. De acordo com Leandro Konder, a revista estava realmente empenhada na democratização interna do movimento comunista brasileiro e, ao publicar um artigo com críticas sectárias acerca da relação entre as idéias políticas e filosóficas de Lukács, de autoria de Jozsef Szigeti, Ministro de Estado na Hungria, sentiu-se obrigada a publicar também, na íntegra, o prefácio do livro anteriormente citado Aos nossos amigos, colaboradores e leitores. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano I, n.º 3-4, setembro/dezembro de 1958, p Leandro Konder. A Democracia e os comunistas no Brasil. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1980, p

9 Uma interpretação diferenciada do mesmo fato é feita por Celso Frederico, ressaltando o papel da revista na renovação do marxismo nestes trópicos, mas os tempos ainda não eram totalmente favoráveis a maiores ousadias 18. Inclusive, Leandro Konder destacou que os partidos comunistas que, mais tarde, vieram a ser caracterizados como eurocomunistas ainda evitavam, em grande medida, divulgar os trabalhos de Lukács. Afirma, portanto, que houve cautela com a publicação do texto de Lukács, sendo, para tanto, seguido pelo de Jozsef Szigeti. E, como se não bastasse, a revista incluiu uma nota da redação apresentando os dois textos e justificando a iniciativa como uma contribuição ao debate e desenvolvimento da filosofia marxista. Neste caso, uma interpretação não exclui necessariamente a outra. Não obstante essa cautela em evitar um posicionamento de confronto assumido com a produção filosófica autorizada pelos regimes burocráticos do Leste Europeu, e, principalmente, da União Soviética, aparecem textos de Lukács mais duas outras vezes. No número dezessete, relativo a junho de 1963, aparece o texto sobre Dostoievski. E, no número dezenove, de fevereiro do ano seguinte, encontra-se a conhecida Carta sobre o Stalinismo. No que diz respeito ao papel desempenhado pela revista Estudos Sociais acerca dos estudos, divulgações e análises marxistas, vale a pena citar o relato do primeiro secretário que esta publicação teve, Armênio Guedes, em entrevista a Antônio Albino Canelas Rubim. Conforme afirmou Armênio Guedes, a revista tinha mais o objetivo de debater determinados temas ainda polêmicos que divulgar as análises e decisões já aprovadas pelo partido, o que aumentava ainda mais a abertura da revista 19. Ainda segundo o relato, essa era a posição majoritária no seio dos colaboradores mais próximos à revista, não sendo, entretanto, uma posição consensual ou aceita sem resistências. O depoimento de Leandro Konder dado a Marcelo Ridenti permite vislumbrar o processo em que se deu a convocação de jovens intelectuais comunistas que chegaram, inclusive, a compor o Conselho de Redação da revista, e, mais do que isso, explicitar algumas diferenças de posições entre intelectuais de importância reconhecida tanto na revista quanto no seio do movimento comunista brasileiro. Sendo assim, segundo o 18 Celso Frederico. A presença de Lukács na política cultural do PCB e na universidade. In: João Quartim de Moraes (Org.). História do Marxismo no Brasil. Vol. II, Campinas/SP, Editora da UNICAMP, 1995, p

10 referido depoimento, que também adquire um nítido teor autobiográfico, os alinhamentos internos à publicação e a atuação do próprio Leandro Konder são sintetizados da seguinte maneira: No final dos anos 50, eu mergulhei fundo na militância, participei da revista Estudos Sociais, numa jogada que só entendi retrospectivamente, porque chamaram a mim, depois Fausto Cupertino e Jorge Miglioli. Na revista havia uma luta interna entre uma corrente mais aguerrida, representada por Mário Alves, Jacob Gorender, e que de alguma forma envolvia o fundador da revista, Astrojildo Pereira, pessoa com quem eu me dava, amigo do meu pai, que depois se tornou meu amigo também. E do outro lado Armênio Guedes, muito irreverente. O Armênio inventou essa história de chamar gente jovem, mas ele não convocava as pessoas para se colocarem a serviço da proposta dele; ao contrário, nós divergíamos em vários momentos, só que ele não se incomodava, entendeu que trazer gente jovem era bom em si, independente das posições políticas dos jovens. Ele tinha consciência de que os jovens acabariam caminhando para uma posição mais democrática e mais flexível. 20 Apesar do perfil mais aberto da revista, ela atravessou algumas dificuldades para a sua publicação. Isto ficou particularmente evidenciado na falta de regularidade verificada em relação a sua própria proposta de periodicidade. Nos seus sete primeiros números, a revista se propunha a ter uma periodicidade bimestral. O que só conseguiu nos cinco primeiros números, e, mesmo assim, juntando os números três e quatro em um só fascículo. Do oitavo ao décimo número, encontrava-se estampada a informação de que a revista dotara uma periodicidade trimestral. Apenas a passagem do oitavo para o nono número cumpriu exatamente o prazo proposto. E é no oitavo número, de julho de 1960, que aparece um balanço de dois anos de atividade editorial. O balanço reafirma a contribuição da revista para estimular a pesquisa dos problemas brasileiros à luz do marxismo e a perspectiva necessária de o marxismo se integrar cada vez mais na cultura brasileira como sua componente mais avançada 21. A par do recurso a um nacionalismo cultural mais exacerbado em determinados momentos, o que era, inclusive, não só compatível como possível de ser identificado 19 Antônio Albino Canelas Rubim. Op. Cit., p Marcelo Ridenti. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro, Record, 2000, p Dois anos de atividade. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano III, nº 8, julho de 1960, pp

11 com a chamada nova política do PCB, o editorial procurava enfatizar os termos da participação na construção de uma nova cultura. No décimo número, que só aparece um ano depois, em julho de 1961, o editorial intitulado Explicação necessária reconhece que Estudos Sociais, no que se refere à periodicidade, talvez se inclua entre as revistas mais irregulares 22. Além da situação financeira, em função de não obter uma receita de anúncios que assegurasse o pagamento dos custos da revista, apresenta como motivo dessa periodicidade irregular a dificuldade para coletar os artigos. A partir do décimo segundo número, a revista adquiriu uma maior regularidade. Ela apresentou estampada nas suas páginas o anúncio da volta do período bimestral. E isso se deu do décimo segundo ao décimo nono número. Entretanto, a regularidade efetivamente realizada e que quase todos esses obedeceram foi, na prática, mais próxima da trimestral. Mesmo assim, o fato de a revista ter conseguido manter uma periodicidade mais regular permite admitir que os problemas anteriormente citados foram amenizados. O último número foi o décimo nono, correspondendo a fevereiro de 1964, com a manutenção do padrão editorial dos demais. O número seguinte da revista Estudos Sociais estava previsto para abril, conforme a periodicidade estabelecida, mas, após o golpe militar de 1964, não só esta publicação não saiu, como, de fato, a própria revista deixou de circular. Referências bibliográficas: CARONE, Edgar. O PCB ( ). Vol II. São Paulo, Difel, Estudos Sociais. Rio de Janeiro, FREDERICO, Celso. A presença de Lukács na política cultural do PCB e na universidade. In: João Quartim de Moraes (Org.). História do Marxismo no Brasil. Vol. II, Campinas/SP, Editora da UNICAMP, 1995, p GRAMSCI, Antonio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, KONDER, Leandro. A Democracia e os comunistas no Brasil. Rio de Janeiro, Edições Graal, NOGUEIRA, Marco Aurélio (org.). PCB: vinte anos de política (documentos). São Paulo, Ciências Humanas, Explicação necessária. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano IV, nº 10, julho de 1961, p

12 PANDOLFI, Dulce Chaves, Camaradas e companheiros: memória e história do PCB. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, PEREIRA, Astrojildo. Desapreço ao trabalho intelectual. Imprensa Popular. Rio de Janeiro, 16/12/1956, p.5. RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro, Record, RUBIM, Antônio Albino Canelas. Partido Comunista, cultura e política cultural. Tese de doutorado em Sociologia. São Paulo, FFLCH/USP, SEGATTO, José Antônio. Reforma e revolução: as vicissitudes políticas do PCB ( ). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, SIRINELLI, Jean-Pierre. Os Intelectuais. In: RÉMOND, René (org.). Por uma História Política. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 1996, pp VIANNA, Luiz Werneck. Questão nacional e democracia: o ocidente incompleto do PCB. Novos Rumos. São Paulo, v.3, n.º8-9, VINHAS, Moisés. O Partidão: a luta por um partido de massas ( ). São Paulo, Hucitec,

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO Esta comunicação tem como objetivo apresentar o resultado de

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia.

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. 9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. Entrevista concedida a João Pedro StediJe, no México, para o jornal Em Tempo. Julho de 1978. Rui Mauro Marini, sociólogo e economista brasileiro,

Leia mais

A revolução cubana, as esquerdas brasileiras e a luta contra a ditadura militar nos anos 1960 e 1970.

A revolução cubana, as esquerdas brasileiras e a luta contra a ditadura militar nos anos 1960 e 1970. A revolução cubana, as esquerdas brasileiras e a luta contra a ditadura militar nos anos 1960 e 1970. Simpósio: HIST/RI - 2 La historia reciente en Latino- América: encrucijadas y perspectivas Jean Rodrigues

Leia mais

Os comunistas e os Novos Rumos

Os comunistas e os Novos Rumos Os comunistas e os Novos Rumos JORGE FERREIRA * O PCB e seus jornais Entre partidos e organizações de esquerda tornou-se tradição publicar jornais que se tornassem porta-voz de suas orientações políticas.

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

O PCB cai no samba: Os comunistas e a cultura popular (1945-1955)

O PCB cai no samba: Os comunistas e a cultura popular (1945-1955) O PCB cai no samba: Os comunistas e a cultura popular (1945-1955) Rio de Janeiro: Aperj, 2009. (239 p.) Valéria Lima Guimarães Marcelo Badaró Mattos 1 Para todos os militantes que ingressaram em partidos

Leia mais

BREVE ESBOÇO SOBRE A TRAJETÓRIA POLÍTICA DO MILITANTE COMUNISTA CAIO PRADO JÚNIOR

BREVE ESBOÇO SOBRE A TRAJETÓRIA POLÍTICA DO MILITANTE COMUNISTA CAIO PRADO JÚNIOR BREVE ESBOÇO SOBRE A TRAJETÓRIA POLÍTICA DO MILITANTE COMUNISTA CAIO PRADO JÚNIOR Luiz Bernardo Pericás Historiador e professor-pesquisador do IEB/USP A partir do momento em que ingressou no PCB, em 1931,

Leia mais

A esquerda marxista e o PT (III) * Força Socialista (FS) e Brasil Socialista (BS)

A esquerda marxista e o PT (III) * Força Socialista (FS) e Brasil Socialista (BS) A esquerda marxista e o PT (III) * Força Socialista (FS) e Brasil Socialista (BS) Há muito tempo, junto com milhares de companheiros, lutamos e construímos o Partido dos Trabalhadores. Vários de nossos

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

Karl Marx no Brasil ( 1 )

Karl Marx no Brasil ( 1 ) Karl Marx no Brasil ( 1 ) Armando Boito Luiz Eduardo Motta É crescente o interesse pela obra de Karl Marx no Brasil atual. Essa tendência está perfeitamente integrada à nova vaga de interesse pela obra

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2009 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência

A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES. Palavras-chave: Regionalismo Evolução Estética - Permanência A PERMANÊNCIA DO REGIONALISMO NO ROMANCE BRASILEIRO: O CERRADO DE CARMO BERNARDES Vanilde Gonçalves dos Santos LEITE; Rogério SANTANA F L - UFG vanildegsl@hotmail.com Palavras-chave: Regionalismo Evolução

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

Intelectuais, política e cultura: uma breve análise sobre Caio Prado Júnior e Alberto Passos Guimarães no PCB

Intelectuais, política e cultura: uma breve análise sobre Caio Prado Júnior e Alberto Passos Guimarães no PCB Intelectuais, política e cultura: uma breve análise sobre Caio Prado Júnior e Alberto Passos Guimarães no PCB Ricardo Oliveira da Silva * Introdução O Brasil presenciou significativas mudanças socioeconômicas

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista

Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Economia popular solidária: Uma perspectiva anticapitalista Sérgio Kapron A Economia Popular Solidária, e todo universo ainda não muito preciso que ela envolva, tem ocupado um espaço crescente entre militantes

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO O AJUSTE DE CONTAS DA ESQUERDA COM A HISTÓRIA: O SOCIALISMO DEMOCRÁTICO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Marco Antonio Brandão FUNDEG Fundação Educacional Guaxupé (MG) INTRODUÇÃO

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

O MAOÍSMO NA ESQUERDA BRASILEIRA: A TRAJETÓRIA DO PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL - ALA VERMELHA

O MAOÍSMO NA ESQUERDA BRASILEIRA: A TRAJETÓRIA DO PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL - ALA VERMELHA O MAOÍSMO NA ESQUERDA BRASILEIRA: A TRAJETÓRIA DO PARTIDO COMUNISTA DO BRASIL - ALA VERMELHA CRISTIANE SOARES DE SANTANA 1 O Partido Comunista do Brasil surgiu a partir de uma cisão do Partido Comunista

Leia mais

A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação

A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação crítica A cultura no pensamento (e na ação) de Celso Furtado: desenvolvimento, criatividade, tradição e inovação ensaios sobre cultura e o ministério da cultura. Furtado, Celso. Rio de Janeiro: Contraponto,

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA

A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA A OBRA DE ARTE E SUA REPRODUTIBILIDADE TÉCNICA: UMA ANÁLISE DA PEÇA O QUE FAREI COM ESTE LIVRO E SUA PERSPECTIVA HISTÓRICA E FILOSÓFICA Devalcir Leonardo (UNESPAR Campus Campo Mourão) devalcirleonardo@gmail.com

Leia mais

DICIONÁRIO CRÍTICO NELSON WERNECK SODRÉ: O BALANÇO DE UMA OBRA E DAS FISSURAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DO SÉCULO XX

DICIONÁRIO CRÍTICO NELSON WERNECK SODRÉ: O BALANÇO DE UMA OBRA E DAS FISSURAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DO SÉCULO XX DICIONÁRIO CRÍTICO NELSON WERNECK SODRÉ: O BALANÇO DE UMA OBRA E DAS FISSURAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DO SÉCULO XX Julierme Sebastião Morais Souza* Universidade Federal de Uberlândia UFU juliermehistoriador@hotmail.com

Leia mais

SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA EM GRAMSCI

SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA EM GRAMSCI SOCIEDADE, POLÍTICA E CULTURA EM GRAMSCI Luiz Etevaldo da Silva 1 RESUMO Este artigo tece considerações sobre como o filósofo italiano Antonio Gramsci pensa as relações da sociedade com a política e a

Leia mais

RUPTURAS OU CONTINUIDADES? ASPECTOS HISTÓRICOS DA CULTURA POLÍTICA DA ESQUERDA BRASILEIRA

RUPTURAS OU CONTINUIDADES? ASPECTOS HISTÓRICOS DA CULTURA POLÍTICA DA ESQUERDA BRASILEIRA RUPTURAS OU CONTINUIDADES? ASPECTOS HISTÓRICOS DA CULTURA POLÍTICA DA ESQUERDA BRASILEIRA Clayton Romano (Faculdades Integradas FAFIBE) Resumo: Este trabalho analisa alguns componentes elementares da cultura

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS

IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS IMAGEM TÉCNICA, PRODUÇÃO DE SUBJETIVIDADE E PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS: DESAFIOS METODOLÓGICOS Aluno: Lucas Boscacci Pereira Lima da Silva Orientadora: Solange Jobim e Souza Introdução Câmera como Instrumento

Leia mais

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social.

CONTROLE SOCIAL: ESTUDOS E VIVÊNCIAS NO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA - PR. PALAVRAS-CHAVE Democracia. Controle Social. Observatório Social. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS

IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS IDEOLOGIA, EDUCAÇÃO E EMANCIPAÇÃO HUMANA EM MARX, LUKÁCS E MÉSZÁROS Maria Teresa Buonomo de Pinho * O objetivo deste artigo é examinar o caráter de ideologia da práxis educativa e o papel relativo que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE EDUCAÇÃO PESQUISA OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO REDE MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DE GOIÂNIA ESCOLA MUNICIPAL JALLES MACHADO DE SIQUEIRA PROFESSORA BOLSISTA ROSA CRISTINA

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964)

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO - HISTÓRIA: MEMÓRIA E IMAGEM DISCIPLINA - TÓPICOS ESPECIAIS DE HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA (HH 143)

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO

AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO 1 AS DIMENSÕES DA CIÊNCIA DO DIREITO Blandina Mara de Lima Freitas* marafreitas@msn.com ÁREA SOBRE A QUAL VERSA O ARTIGO: Teoria Geral do Direito; Introdução ao Estudo do Direito; Ciência Política; Sociologia

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA

SENADOR MARCO MACIEL. MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA SENADOR MARCO MACIEL MlSSÁODA UNIVERSIDADE BRASILEIRA 1990 ~7C[NTROGRAflCO ~ [X) 5l:NAOO federal a nos OS 1308/90 o AUTOR Marco Maciel foi estudante de ativa participação, tendo sido eleito duas vezes

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

O Brasil em Evidência: A Utopia do Desenvolvimento.

O Brasil em Evidência: A Utopia do Desenvolvimento. Aula Inaugural do Programa de Pós-Graduação em Políticas Sociais Centro de Ciências do Homem Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro O Brasil em Evidência: A Utopia do Desenvolvimento.

Leia mais

Como Estudar o Marxismo

Como Estudar o Marxismo http://www.marxists.org/portugues/tematica/rev_prob/06/estudar.htm MIA > Arquivos Temáticos > Imprensa Proletária > Revista Problemas nº 6 > Novidades Como Estudar o Marxismo William Weinstone * Primeira

Leia mais

Universidade Aberta do Brasil. Servidora técnico-administrativa em educação na Universidade Federal de Pelotas.

Universidade Aberta do Brasil. Servidora técnico-administrativa em educação na Universidade Federal de Pelotas. PINHEIRO, Milton (Org.). Ditadura: o que resta da transição. São Paulo: Boitempo, 2014. 350 p. Encadernação: brochura, Formato: 14x21. ISBN: 9788575593660. Daize Duarte Sampaio * Élida Coelho de Lima **

Leia mais

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE. Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA) NÃO ESTAVA ESCRITO NA ESTRELA? DISPUTAS POR ESPAÇOS POLÍTICOS E CONSTRUÇÃO DE MEMÓRIAS A PARTIR DAS AÇÕES ARMADAS DO PCBR (BAHIA, DÉCADA DE 1980). Lucas Porto Marchesini Torres 1 APRESENTAÇÃO DO TEMA (PROBLEMÁTICA)

Leia mais

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA Art. 1º - A Revista Eletrônica Ciência & Inovação, em versão exclusivamente eletrônica, de orientação pluralista,

Leia mais

A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS.

A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS. A VIAGEM ENTRE OS RIOS NO AMAZONAS NO BARCO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM OS AGENTES AMBIENTAIS VOLUNTÁRIOS. Kelly Souza. 1 Se estes dois rios fôssemos, Maria, Todas as vezes que nos encontramos, Que Amazonas

Leia mais

Breve balanço das polêmicas e dissidências comunistas no Brasil 1

Breve balanço das polêmicas e dissidências comunistas no Brasil 1 Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Enviado por mail Colocado em linha em: 2013/05/24 Breve balanço das polêmicas e dissidências comunistas no Brasil

Leia mais

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013

Construindo Derrida. Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Construindo Derrida Por Carla Rodrigues Para o Valor, 31.5.2013 Em biografia recém- lançada, Benoît Peeters situa a obra do filósofo Jacques Derrida como parte de um tempo rico do pensamento francês Judeu

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira

NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Departamento de História NAÇÃO, DEMOCRACIA E DESENVOLVIMENTO NO AMBIENTE INTELECTUAL DOS ANOS 50: a obra de Anísio Teixeira Aluna: Claudia Barroso Roquette-Pinto Bojunga (CNPq, março a julho de 2008) Orientador:

Leia mais

Issn: 1808-799X ano 11, nº 17 2013 PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E LUTA DE CLASSES NA EDUCAÇÃO ESCOLAR

Issn: 1808-799X ano 11, nº 17 2013 PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E LUTA DE CLASSES NA EDUCAÇÃO ESCOLAR 1 Resenha PEDAGOGIA HISTÓRICO-CRÍTICA E LUTA DE CLASSES NA EDUCAÇÃO ESCOLAR Sandra Maria Glória da Silva 1 sangloria@live.com Maria Aparecida da Silva 2 masilva988@hotmail.com Resumo: Apresenta-se por

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Introdução à Sociologia Clássica 1

Introdução à Sociologia Clássica 1 Introdução à Sociologia Clássica 1 Eleandro Moi 2 A sociologia constitui um projeto intelectual tenso e contraditório. Para alguns ela representa uma poderosa arma a serviço dos interesses dominantes,

Leia mais

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil

Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil Revista Brasileira de Ciências do Esporte ISSN: 0101-3289 rbceonline@gmail.com Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte Brasil MALINA, ANDRÉ; BARRETO DE AZEVEDO, ÂNGELA CELESTE O ESPORTE PODE TUDO: O

Leia mais

Pizetta, Adelar João 2007 A formação política no MST: um processo em construção en OSAL (Buenos Aires: CLACSO) Año VIII, Nº 22, septiembre.

Pizetta, Adelar João 2007 A formação política no MST: um processo em construção en OSAL (Buenos Aires: CLACSO) Año VIII, Nº 22, septiembre. Pizetta, Adelar João 2007 A formação política no MST: um processo em construção en OSAL (Buenos Aires: CLACSO) Año VIII, Nº 22, septiembre. Disponible en: http://bibliotecavirtual.clacso.org.ar/ar/libros/osal/osal22/ems22pizetta.pdf

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Partido Comunista Brasileiro (PCB) participa do Encontro Mundial dos Partidos Comunistas 1

Partido Comunista Brasileiro (PCB) participa do Encontro Mundial dos Partidos Comunistas 1 Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Publicado em 2014/11/14, em: http://pcb.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=7943:pcbparticipa-do-encontro-mundial-dos-partidos-comunistas&catid=41:unidade-comunista

Leia mais

O processo de transformismo do PCB através do Jornal Voz da Unidade (1987-1991) Paulo Winicius Teixeira de Paula 1

O processo de transformismo do PCB através do Jornal Voz da Unidade (1987-1991) Paulo Winicius Teixeira de Paula 1 O processo de transformismo do PCB através do Jornal Voz da Unidade (1987-1991) Paulo Winicius Teixeira de Paula 1 Resumo: Nosso objeto de estudo é a Imprensa Partidária veiculada pelo Partido Comunista

Leia mais

INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR?

INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR? INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR? Priscila Caetano Bentin Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA

UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA UMA ANÁLISE A PARTIR DE GRAMSCI SOBRE O PROUNI: QUAL A CONTRIBUIÇÃO DESSE PROGRAMA PARA A MELHORA DO APRENDIZADO DOS ALUNOS DE BAIXA RENDA Resumo BERGAMO, Edmir Aparecido PUCPR edmirbergamo@yahoo.com.br

Leia mais

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP

Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação. Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Indisciplina escolar: um breve balanço da pesquisa em educação Juliana Ap. M. Zechi FCT/UNESP Complexidade do assunto e multiplicidade de interpretações que o tema encerra. Ações mais assemelhadas à indisciplina

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

A formação do pensamento social brasileiro por Nelson Werneck Sodré

A formação do pensamento social brasileiro por Nelson Werneck Sodré A formação do pensamento social brasileiro por Nelson Werneck Sodré Daniela Conte Programa de Pós Graduação em História UFRGS/ Bolsista CNPq. Resumo: Este texto apresenta minha proposta de trabalho que

Leia mais

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964)

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO - HISTÓRIA: MEMÓRIA E IMAGEM DISCIPLINA - TÓPICOS ESPECIAIS DE HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA (HH 143)

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO

DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO DIVO AUGUSTO CAVADAS DIREITO INTERNACIONAL DO DESENVOLVIMENTO: ENTRE OCIDENTE E ORIENTE MÉDIO 1 2 Divo Augusto Cavadas Advogado no Rio de Janeiro. Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais (FND/UFRJ). Pós-graduação

Leia mais

Relatório de Particiçação da ADUFERPE no Seminário Nacional Sobre a Estrutura Organizativa do ANDES-SN

Relatório de Particiçação da ADUFERPE no Seminário Nacional Sobre a Estrutura Organizativa do ANDES-SN Relatório de Particiçação da ADUFERPE no Seminário Nacional Sobre a Estrutura Organizativa do ANDES-SN Representantes da ADUFERPE: Cícero Monteiro de Souza (Recife); Levy Paes Barreto (Diretoria-Recife);

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 8. POLÍTICA INTERNACIONAL Majestade

Leia mais

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. O ESPELHO DA PRÁXIS: UMA ESQUERDA EM CRISE E SUAS LEITURAS DE GRAMSCI.

ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. O ESPELHO DA PRÁXIS: UMA ESQUERDA EM CRISE E SUAS LEITURAS DE GRAMSCI. ANPUH XXII SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA João Pessoa, 2003. O ESPELHO DA PRÁXIS: UMA ESQUERDA EM CRISE E SUAS LEITURAS DE GRAMSCI. Eurelino Coelho Neto Professor Assistente da UEFS e Pesquisador do LDH/UFF

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro , Luiz Inácio Lula da Silva, na audiência com personalidades do mundo do livro Brasília - DF, 21 de setembro de 2006 Eu poderia deixar você falar, Paim, mas o microfone é alto e você não vai alcançar aqui.

Leia mais

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO FIPAR 1º SEMESTRE DE DIREITO SOCIOLOGIA JURÍDICA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 Sociologia: conceito, objeto, objetivo e métodos. 2 A sociologia pura, prática e aplicada. 3 Sociologia e política. 4 O processo

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014

MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 MIGUEL, L. F.; BIROLLI, F. Feminismo e política: uma introdução. São Paulo: Boitempo, 2014 Karen Capelesso 4 O livro Feminismo e política: uma introdução, de Luis Felipe Miguel e Flávia Biroli, se vincula

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal

ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal ESCOLHA DE DIRIGENTES ESCOLARES EM MINAS GERAIS: TRAJETÓRIA HISTÓRICA, IMPASSES E PERSPECTIVAS Marcelo Soares Pereira da Silva Universidade Federal de Uberlândia A discussão sobre a importância da participação

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA

UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA UNIDADE 3 O QUE REPRESENTA PARA NÓS O PPP? ÉTICA E LIBERDADE NA CONSTRUÇAO DA AUTONOMIA DA ESCOLA Módulo 3 - Direitos Humanos e o Projeto Político Pedagógico da escola Objetivos: Nesta unidade vamos discutir

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS

PLANEJAMENTO DEMOCRÁTICO COM CRIANÇAS 0 A 3 ANOS IX Encontro Internacional do Fórum Paulo Freire Tema Geral: Caminhos de emancipação para além da crise: Resgatando temas geradores do pensamento educativo e social de Paulo Freire Eixo 2 - Educação - O

Leia mais

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br.

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br. Resenha NOVAES, Henrique Tahan (Org.). O Retorno do Caracol à Sua Concha: alienação e desalienação em associações de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular, 2011. Renan Dias Oliveira O livro de Henrique

Leia mais

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992.

Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez, 1992. METODOLOGIA DO ENSINO DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Aline Fabiane Barbieri Metodologia de Ensino; Cultura Corporal; Ciclos de Escolarização. SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, E; et al. São Paulo, Cortez,

Leia mais

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL

PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL PRÁTICAS E PERSPECTIVAS DE DEMOCRACIA NA GESTÃO EDUCACIONAL Coleção EDUCAÇÃO SUPERIOR Coordenação editorial: Claudenir Módolo Alves Metodologia Científica Desafios e caminhos, Osvaldo Dalberio / Maria

Leia mais

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil

Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DO TEMPO PRESENTE NÚCLEO DE HISTÓRIA ORAL Projeto: Marcas da Memória: História Oral da Anistia no Brasil (UFRJ/ Comissão de Anistia-MJ) Ficha

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

DESENVOLVIMENTO, ESTADO E FEDERALISMO NO BRASIL Considerações a partir da obra de Celso Furtado

DESENVOLVIMENTO, ESTADO E FEDERALISMO NO BRASIL Considerações a partir da obra de Celso Furtado DESENVOLVIMENTO, ESTADO E FEDERALISMO NO BRASIL Considerações a partir da obra de Celso Furtado Caroline Marci Fagundes Coutinho 1 Guélmer Júnior Almeida de Faria 2 RESUMO Neste artigo é realizado um resgate

Leia mais