ATAS DO COLÓQUIO INTELECTUAIS, CULTURA E POLÍTICA NO MUNDO IBERO-AMERICANO. Rio de Janeiro de maio de 2006.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ATAS DO COLÓQUIO INTELECTUAIS, CULTURA E POLÍTICA NO MUNDO IBERO-AMERICANO. Rio de Janeiro. 17-18 de maio de 2006."

Transcrição

1 ATAS DO COLÓQUIO INTELECTUAIS, CULTURA E POLÍTICA NO MUNDO IBERO-AMERICANO. Rio de Janeiro de maio de Intellèctus Ano 05 Vol.II Revista Eletrônica ISSN Grpesq Intelectuais, Idéias e Instituições. REVISTA ESTUDOS SOCIAIS; engajamento na renovação comunista. Alexandre M. E. Rodrigues Doutorando em História na UERJ e Coordenador-Geral de Acesso e Difusão Documental do Arquivo Nacional. Em meio a uma grande expectativa de alguns comunistas quanto à superação do dogmatismo exacerbado vivido no seio do PCB durante o período anterior, foi fundada, sob a direção de Astrojildo Pereira, a revista Estudos Sociais, que, como se verá, vai refletir os debates e polêmicas de um importante segmento da esquerda brasileira. A partir do impacto produzido pela divulgação do relatório Khruschov ao XX Congresso do PCUS, e com as tardias discussões por ele suscitadas no PCB, Astrojildo evitou o uso de um tom acusatório, optando por uma postura de autocrítica e, portanto, incluindo-se entre os que, entusiasticamente, participaram do culto à personalidade de 1

2 Stálin. Ao mesmo tempo, não se furtou a fazer críticas que julgasse pertinentes e visassem a alterar não apenas determinados padrões de comportamento, mas, sobretudo, concepções políticas. Com esse intuito, criticou a revista Problemas, editada em 1947 e que circulou até 1956, como órgão mais teórico do partido, e, por isso mesmo, mais vinculado ao Comitê Central. Destacou o excesso de material traduzido como se fosse possível encontrar no marxismo-leninismo produzido no leste europeu a orientação adequada e suficiente para travar a luta política nacional. Assim, referindo-se a Problemas afirma que à parte dos documentos oficiais e um ou outro escasso trabalho, só publicava traduções e mais traduções. Não era uma revista brasileira, um órgão teórico dos comunistas brasileiros, preocupada com os problemas brasileiros. 1 Vista por esse ângulo, a revista Estudos Sociais pode ser considerada uma recusa ao modelo representado por Problemas e uma tentativa concreta de superar o seu dogmatismo. A apresentação da revista no seu número inicial, correspondendo aos meses de maio e junho de 1958, caracteriza-a como uma revista de tendência marxista, e como tal pretende intervir, democraticamente, ao lado de outras correntes do pensamento, no debate das questões relacionadas com a nossa realidade econômica, social e política. 2 Nela, o marxismo é defendido como uma corrente de pensamento que tem demonstrado uma extraordinária vitalidade teórica e prática. Mais adiante, tece um comentário que lhe serve de salvaguarda: no Brasil, o marxismo não produziu os frutos desejados por várias razões, uma das quais a nosso ver, seria a ausência de uma tradição de estudos marxistas em nosso país. O trabalho teórico dos marxistas, empregado na investigação e interpretação da realidade brasileira, tem sido muito precário, limitado (...). 3 Assumindo o compromisso de dar conseqüência à preocupação com a investigação e interpretação da realidade brasileira, Estudos Sociais defende, como tarefa dos marxistas brasileiros, o estudo da realidade nacional em seus múltiplos aspectos e a elaboração de subsídios para a ação política das forças democráticas e patrióticas. Dessa maneira, propõe estimular o debate e a polêmica, não somente entre 1 Astrojildo Pereira. Desapreço ao trabalho intelectual. Imprensa Popular. Rio de Janeiro, 16/12/1956, p.5. 2 Apresentação. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano I, n.º 1, maio/junho de 1958, p.3. 2

3 os próprios marxistas, mas, também, entre os marxistas e demais correntes de pensamento, pois a luta de opiniões, o confronto de idéias, a crítica, a discussão são indispensáveis ao desenvolvimento do pensamento e da cultura 4. A revista Estudos Sociais é uma das primeiras publicações com esse teor que tem um forte vínculo com o processo de renovação comunista impulsionado a partir do XX Congresso do PCUS. O seu diretor era Astrojildo Pereira e o secretário Armênio Guedes, substituído posteriormente por Jorge Miglioli. Depois de publicados vários números da revista, o Conselho de Redação é constituído e divulgado, tendo na sua composição, além dos três já citados, Fausto Cupertino, Jacob Gorender, Leandro Konder, Mário Alves, Rui Facó e, logo em seguida, incorporado o nome de Nelson Werneck Sodré. Ao todo foram dezenove números publicados, relativos ao período de maio/junho de 1958 a fevereiro de 1964, com uma tiragem média de 2 a 3 mil exemplares 5. Para uma melhor compreensão do significado da nova orientação política do PCB pelo longo período marcado pelos desdobramentos dos debates provocados pelo XX Congresso do PCUS, é necessário salientar as principais proposições da Declaração de Março de 1958 e do V Congresso do PCB, realizado em setembro de Na Declaração de Março, encontra-se uma avaliação positiva do desenvolvimento econômico do Brasil. O desenvolvimento capitalista nacional é considerado um elemento progressista na nossa dinâmica econômica. Apesar dos reconhecidos entraves que determinam uma situação de subdesenvolvimento, o documento defende que o referido desenvolvimento capitalista é conflitante com os setores atrasados da economia, estando o exemplo mais simbólico na chamada relação semifeudal no campo, bem como com o imperialismo norte-americano. Conforme o texto oficial, este desenvolvimento se processa através de contradições, de avanços e recuos, mas é a tendência que abre caminho e se fortalece. 6 3 Id. ibidem, p.3. 4 Id. ibidem, p.4. 5 Antônio Albino Canelas Rubim. Partido Comunista, cultura e política cultural. Tese de doutorado em Sociologia. São Paulo, FFLCH/USP, p Declaração sobre a política do PCB (março de 1958). In: Edgar Carone. O PCB ( ). Vol II. São Paulo, Difel, 1982, p

4 Por sua vez, o processo de democratização também não é linear, sofrendo, em determinados momentos, retrocessos ou interrupções, mas, sobretudo, é claramente posto como uma tendência permanente. A situação internacional é marcada, nos termos do documento, pelo ascenso do socialismo e dos movimentos pela paz e de libertação nacional em todo o mundo, permitindo o crescimento das forças antiimperialistas e democráticas. Destacam-se também duas contradições fundamentais na sociedade brasileira. A primeira contradição é entre nação e imperialismo norte-americano e a segunda entre as forças produtivas em desenvolvimento e as relações de produção semifeudais no campo. A sociedade brasileira encerra também a contradição entre o proletariado e a burguesia, que se expressa nas várias formas da luta de classes entre operários e capitalistas. Mas esta contradição não exige uma solução radical na etapa atual. Nas condições presentes de nosso país, o desenvolvimento capitalista corresponde aos interesses do proletariado e de todo o povo. 7 Considera, ainda, que a perspectiva de desenvolvimento capitalista independente e progressista não pode ser resolvida por nenhuma força social isolada. Sendo assim, propõe uma frente única na luta por um governo nacionalista e democrático. Em virtude do próprio processo de democratização, aposta no caminho pacífico da revolução brasileira, de caráter antiimperialista, antifeudal, nacional e democrática. Por fim, o documento faz uma verdadeira convocação ao fortalecimento do partido, à aplicação da nova política, ao combate às concepções dogmáticas e sectárias e, também, ao engajamento dos comunistas nas atividades legais entre as massas. Dessa maneira, está bastante consolidada a interpretação de que a Declaração de Março de 1958 (...) representa o início de uma nova fase na vida do partido, redefinido a compreensão que os comunistas tinham do movimento democrático e nacionalista, da política de frente única e do papel da democracia na luta pelo socialismo. E é inegável que, a partir dela, o PCB passou a se inserir de forma mais ativa na sociedade brasileira..8 O Comitê Central do PCB lançou as Teses para Discussão em abril de Durante os meses que antecederam a realização do V Congresso, foram travados 7 Id. ibidem, p Apresentação. In: Marco Aurélio Nogueira (org.). PCB: vinte anos de política (documentos). São Paulo, Ciências Humanas, 1980, p. IX. 4

5 intensos debates que chegaram a repercutir nas páginas do semanário Novos Rumos. As divergências ficam expostas ao público com parte importante do antigo grupo dirigente, (João Amazonas, Maurício Grabois, Pedro Pomar e outros), que coloca resistências à chamada renovação política do partido. O V Congresso do PCB foi realizado em setembro de 1960.Em grande medida, pode-se afirmar que foram confirmadas as linhas gerais da Declaração de Março de Seguindo, portanto, as análises e proposições principais da já citada Declaração de Março, as suas conclusões acerca da ação política podem ser sintetizadas da seguinte maneira: As tarefas fundamentais que se colocam hoje diante do povo brasileiro são a conquista da emancipação do país do domínio imperialista e a eliminação da estrutura agrária atrasada, assim como o estabelecimento de amplas liberdades democráticas e a melhoria das condições de vida das massas populares. Os comunistas se empenham na realização dessas transformações, ao lado de todas as forças patrióticas e progressistas, certos de que elas constituem uma etapa prévia e necessária no caminho do socialismo. 9 Tem sido muito recorrente enfatizar o tratamento dado à preocupação com o processo de democratização da vida política nacional nesses documentos do PCB. Na Declaração de Março, por exemplo, afirma-se com vigor que as forças progressistas têm interesse em defender, estender e consolidar o regime de legalidade constitucional e democrático. 10 Não se pode pôr de lado, porém, o fato de que esses mesmos documentos partidários serviram para sustentar uma versão mecanicista da questão nacional e uma análise dualista da sociedade brasileira, opondo um Brasil moderno ao atrasado. Inclusive porque a abordagem da questão nacional teve um papel relevante no conjunto da elaboração e encaminhamentos das posições dos comunistas em momentos de grande destaque da luta política. 9 Id. ibidem, p Id. ibidem, p.9. Questão nacional que está na raiz das virtudes do PCB no pré-64, e consiste igualmente no seu principal vício. Virtude porque o aloja no centro da crise da formação econômico-social, principal influência à esquerda do espectro político, articulado com o governo, setores das Forças Armadas e frações de diversos partidos por meio do movimento nacionalista, credenciando-o até, via canais abertos pela estrutura corporativa sindical, à penetração no aparato governamental. E, porque, ao se constituir no interior da frente única 5

6 nacionalista como a sua força mais radical e conseqüente, adquire uma densidade política que transcende em muito o ainda reduzido número dos seus militantes e sua escassa representação eleitoral. Vício na medida em que sua política é dependente de um outro o nacionalismo burguês fundada numa concepção objetivista e mecânica da inevitabilidade de um choque entre as forças produtivas nacionais e os entraves estruturais ao seu desenvolvimento, que o priva de uma ação independente junto às suas bases de classe. 11 Ademais, a Resolução Política do V Congresso chama a atenção para o combate às influências ideológicas estranhas à classe operária e à necessidade de educação ideológica do partido em base marxista-leninista, unindo indissoluvelmente os princípios do socialismo científico com o estudo da realidade brasileira e com a prática revolucionária em nosso país. 12 Em relação a isso, uma diferença significativa entre a Declaração de Março de 1958 e a Resolução Política do V Congresso do PCB pode ser detectada. A Declaração de Março estabelece que as concepções dogmáticas e sectárias constituem o perigo fundamental a combater. 13 Por sua vez, a Resolução Política do V Congresso, mesmo reconhecendo que é indispensável um esforço para travar o combate a essas concepções, conclama ao combate simultâneo às tendências dogmáticas e revisionistas 14. É bastante razoável creditar o recuo representado pela fórmula mais conciliatória à capacidade de intervenção política dos que apresentaram resistência à chamada nova política do PCB. Tal abordagem do problema adquiriu repercussão e compôs a retórica comunista naquele momento. O texto escrito por Jacob Gorender sobre o V Congresso e publicado em Estudos Sociais deixa clara a incorporação do novo elemento no discurso: O mérito principal da linha geral aprovada no V Congresso consiste em que se supera ambas as limitações a dogmatização dos princípios e o oportunismo afastado dos princípios, as quais, na sua dialética de opostos, alimentam-se mutuamente. E, por isso mesmo, a linha geral do V Congresso permite combater estas limitações, não a partir de uma a outra, mas contrapondo-se 11 Luiz Werneck Vianna. Questão nacional e democracia: o ocidente incompleto do PCB. Novos Rumos. São Paulo, v.3, n.º8-9, 1988, pp Marco Aurélio Nogueira (org.). Op. Cit., p Id. ibidem, p Id. ibidem, p.68. 6

7 simultaneamente a uma e outra, a partir de uma posição marxista correta. 15 A chamada nova política do PCB encontrou ressonância na revista Estudos Sociais, na qual o recurso ao marxismo era proposto como instrumental teórico de análise e interpretação da realidade brasileira. Os assuntos presentes nas páginas de Estudos Sociais apresentam uma significativa variedade temática e, em alguns casos, até de abordagem, no sentido de promover a polêmica e o debate mesmo entre os comunistas. Neste último caso, vale a pena citar as resenhas críticas de Rui Facó sobre os livros História Sincera da República, de Leôncio Basbaum, e O niilista Machado de Assis, de Octavio Brandão. A análise da realidade brasileira é realizada em seus diversos aspectos, podendose verificar uma ênfase relativamente maior no estudo dos problemas agrários e na presença de capitais estrangeiros no país. Nesse sentido, consta, nos seus dezenove números publicados, artigos e ensaios que versam sobre o desenvolvimento, a política econômica, a conjuntura nacional e internacional, o imperialismo, a dinâmica capitalista no país e no mundo, a política cambial, a burguesia nacional, aspectos da história do movimento operário no Brasil, a educação, a escola pública, a saúde, a alimentação, os temas regionais, o movimento migratório, a situação e a integração econômica da América Latina, as correntes de pensamento em voga junto à intelectualidade naquele momento, dentre outros. Os dois primeiros números de Estudos Sociais tiveram uma periodicidade bimestral. O primeiro número correspondia aos meses de maio e junho, enquanto o segundo aos meses de julho e agosto de A edição seguinte, sob a alegação de mudança do local da tipografia, juntou os números 3 e 4 e correspondeu aos meses de setembro a dezembro de Nessa publicação, foram recolocados os propósitos da revista nos seguintes termos: (...) representamos uma corrente do pensamento que tem demonstrado sua extraordinária vitalidade teórica e prática no estudo, na interpretação e na solução dos problemas contemporâneos, justificando-se, assim, plenamente, o nosso direito e o nosso dever de 15 Jacob Gorender. O V Congresso dos comunistas brasileiros. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano III, n.º 9, outubro de 1960, p.7. 7

8 contribuir, com sinceridade e sem presunção dogmática, ao esclarecimento da nossa realidade econômica, social e política. 16 Outros assuntos e abordagens relevantes para o desenvolvimento do marxismo neste país podem ser explicitados. Nas páginas da revista, podem ser encontradas matérias informativas, de divulgação e interpretativas sobre movimentos socialistas, lutas de libertação nacional e, mais especificamente, experiências de países pósrevolucionários. Em relação a isso, é possível constatar uma maior presença de artigos sobre Cuba e China. A temática da literatura não esteve ausente. Encontram-se artigos, ensaios e resenhas de ou sobre escritores tanto da literatura internacional quanto de representantes das letras nacionais. No primeiro caso, cabe citar, por exemplo, os nomes de Balzac, Bertold Brecht, Dostoievski, Eça de Queiroz, Fernando Pessoa, Louis Aragon, Maiacovski e Tolstoi. No segundo caso, é possível encontrar referências de ou sobre os seguintes autores: Dalcídio Jurandir, Euclides da Cunha, Ferreira Gullar, Guimarães Rosa, Jorge Amado e, como não poderia faltar, Machado de Assis. Além das seções de crítica de livros e revistas nacionais e internacionais, que se encontram em quase todos os números da revista, convém destacar os textos marxistas que abordam temas como a psicanálise, o existencialismo, o realismo socialista, o cristianismo, a dialética, a polêmica sobre Hegel, uma polêmica científica na URSS etc. No terreno da Filosofia, é significativo o fato de a revista Estudos Sociais publicar, no seu quinto número, relativo aos meses de março e abril de 1959, o primeiro trabalho de Lukács no nosso país, intitulado O irracionalismo fenômeno internacional do período imperialista. Este texto se encontra como prefácio do livro A Destruição da Razão, também do referido autor. De acordo com Leandro Konder, a revista estava realmente empenhada na democratização interna do movimento comunista brasileiro e, ao publicar um artigo com críticas sectárias acerca da relação entre as idéias políticas e filosóficas de Lukács, de autoria de Jozsef Szigeti, Ministro de Estado na Hungria, sentiu-se obrigada a publicar também, na íntegra, o prefácio do livro anteriormente citado Aos nossos amigos, colaboradores e leitores. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano I, n.º 3-4, setembro/dezembro de 1958, p Leandro Konder. A Democracia e os comunistas no Brasil. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1980, p

9 Uma interpretação diferenciada do mesmo fato é feita por Celso Frederico, ressaltando o papel da revista na renovação do marxismo nestes trópicos, mas os tempos ainda não eram totalmente favoráveis a maiores ousadias 18. Inclusive, Leandro Konder destacou que os partidos comunistas que, mais tarde, vieram a ser caracterizados como eurocomunistas ainda evitavam, em grande medida, divulgar os trabalhos de Lukács. Afirma, portanto, que houve cautela com a publicação do texto de Lukács, sendo, para tanto, seguido pelo de Jozsef Szigeti. E, como se não bastasse, a revista incluiu uma nota da redação apresentando os dois textos e justificando a iniciativa como uma contribuição ao debate e desenvolvimento da filosofia marxista. Neste caso, uma interpretação não exclui necessariamente a outra. Não obstante essa cautela em evitar um posicionamento de confronto assumido com a produção filosófica autorizada pelos regimes burocráticos do Leste Europeu, e, principalmente, da União Soviética, aparecem textos de Lukács mais duas outras vezes. No número dezessete, relativo a junho de 1963, aparece o texto sobre Dostoievski. E, no número dezenove, de fevereiro do ano seguinte, encontra-se a conhecida Carta sobre o Stalinismo. No que diz respeito ao papel desempenhado pela revista Estudos Sociais acerca dos estudos, divulgações e análises marxistas, vale a pena citar o relato do primeiro secretário que esta publicação teve, Armênio Guedes, em entrevista a Antônio Albino Canelas Rubim. Conforme afirmou Armênio Guedes, a revista tinha mais o objetivo de debater determinados temas ainda polêmicos que divulgar as análises e decisões já aprovadas pelo partido, o que aumentava ainda mais a abertura da revista 19. Ainda segundo o relato, essa era a posição majoritária no seio dos colaboradores mais próximos à revista, não sendo, entretanto, uma posição consensual ou aceita sem resistências. O depoimento de Leandro Konder dado a Marcelo Ridenti permite vislumbrar o processo em que se deu a convocação de jovens intelectuais comunistas que chegaram, inclusive, a compor o Conselho de Redação da revista, e, mais do que isso, explicitar algumas diferenças de posições entre intelectuais de importância reconhecida tanto na revista quanto no seio do movimento comunista brasileiro. Sendo assim, segundo o 18 Celso Frederico. A presença de Lukács na política cultural do PCB e na universidade. In: João Quartim de Moraes (Org.). História do Marxismo no Brasil. Vol. II, Campinas/SP, Editora da UNICAMP, 1995, p

10 referido depoimento, que também adquire um nítido teor autobiográfico, os alinhamentos internos à publicação e a atuação do próprio Leandro Konder são sintetizados da seguinte maneira: No final dos anos 50, eu mergulhei fundo na militância, participei da revista Estudos Sociais, numa jogada que só entendi retrospectivamente, porque chamaram a mim, depois Fausto Cupertino e Jorge Miglioli. Na revista havia uma luta interna entre uma corrente mais aguerrida, representada por Mário Alves, Jacob Gorender, e que de alguma forma envolvia o fundador da revista, Astrojildo Pereira, pessoa com quem eu me dava, amigo do meu pai, que depois se tornou meu amigo também. E do outro lado Armênio Guedes, muito irreverente. O Armênio inventou essa história de chamar gente jovem, mas ele não convocava as pessoas para se colocarem a serviço da proposta dele; ao contrário, nós divergíamos em vários momentos, só que ele não se incomodava, entendeu que trazer gente jovem era bom em si, independente das posições políticas dos jovens. Ele tinha consciência de que os jovens acabariam caminhando para uma posição mais democrática e mais flexível. 20 Apesar do perfil mais aberto da revista, ela atravessou algumas dificuldades para a sua publicação. Isto ficou particularmente evidenciado na falta de regularidade verificada em relação a sua própria proposta de periodicidade. Nos seus sete primeiros números, a revista se propunha a ter uma periodicidade bimestral. O que só conseguiu nos cinco primeiros números, e, mesmo assim, juntando os números três e quatro em um só fascículo. Do oitavo ao décimo número, encontrava-se estampada a informação de que a revista dotara uma periodicidade trimestral. Apenas a passagem do oitavo para o nono número cumpriu exatamente o prazo proposto. E é no oitavo número, de julho de 1960, que aparece um balanço de dois anos de atividade editorial. O balanço reafirma a contribuição da revista para estimular a pesquisa dos problemas brasileiros à luz do marxismo e a perspectiva necessária de o marxismo se integrar cada vez mais na cultura brasileira como sua componente mais avançada 21. A par do recurso a um nacionalismo cultural mais exacerbado em determinados momentos, o que era, inclusive, não só compatível como possível de ser identificado 19 Antônio Albino Canelas Rubim. Op. Cit., p Marcelo Ridenti. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro, Record, 2000, p Dois anos de atividade. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano III, nº 8, julho de 1960, pp

11 com a chamada nova política do PCB, o editorial procurava enfatizar os termos da participação na construção de uma nova cultura. No décimo número, que só aparece um ano depois, em julho de 1961, o editorial intitulado Explicação necessária reconhece que Estudos Sociais, no que se refere à periodicidade, talvez se inclua entre as revistas mais irregulares 22. Além da situação financeira, em função de não obter uma receita de anúncios que assegurasse o pagamento dos custos da revista, apresenta como motivo dessa periodicidade irregular a dificuldade para coletar os artigos. A partir do décimo segundo número, a revista adquiriu uma maior regularidade. Ela apresentou estampada nas suas páginas o anúncio da volta do período bimestral. E isso se deu do décimo segundo ao décimo nono número. Entretanto, a regularidade efetivamente realizada e que quase todos esses obedeceram foi, na prática, mais próxima da trimestral. Mesmo assim, o fato de a revista ter conseguido manter uma periodicidade mais regular permite admitir que os problemas anteriormente citados foram amenizados. O último número foi o décimo nono, correspondendo a fevereiro de 1964, com a manutenção do padrão editorial dos demais. O número seguinte da revista Estudos Sociais estava previsto para abril, conforme a periodicidade estabelecida, mas, após o golpe militar de 1964, não só esta publicação não saiu, como, de fato, a própria revista deixou de circular. Referências bibliográficas: CARONE, Edgar. O PCB ( ). Vol II. São Paulo, Difel, Estudos Sociais. Rio de Janeiro, FREDERICO, Celso. A presença de Lukács na política cultural do PCB e na universidade. In: João Quartim de Moraes (Org.). História do Marxismo no Brasil. Vol. II, Campinas/SP, Editora da UNICAMP, 1995, p GRAMSCI, Antonio. Os Intelectuais e a Organização da Cultura. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, KONDER, Leandro. A Democracia e os comunistas no Brasil. Rio de Janeiro, Edições Graal, NOGUEIRA, Marco Aurélio (org.). PCB: vinte anos de política (documentos). São Paulo, Ciências Humanas, Explicação necessária. Estudos Sociais. Rio de Janeiro, Ano IV, nº 10, julho de 1961, p

12 PANDOLFI, Dulce Chaves, Camaradas e companheiros: memória e história do PCB. Rio de Janeiro, Relume-Dumará, PEREIRA, Astrojildo. Desapreço ao trabalho intelectual. Imprensa Popular. Rio de Janeiro, 16/12/1956, p.5. RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro, Record, RUBIM, Antônio Albino Canelas. Partido Comunista, cultura e política cultural. Tese de doutorado em Sociologia. São Paulo, FFLCH/USP, SEGATTO, José Antônio. Reforma e revolução: as vicissitudes políticas do PCB ( ). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, SIRINELLI, Jean-Pierre. Os Intelectuais. In: RÉMOND, René (org.). Por uma História Política. Rio de Janeiro, Editora UFRJ, 1996, pp VIANNA, Luiz Werneck. Questão nacional e democracia: o ocidente incompleto do PCB. Novos Rumos. São Paulo, v.3, n.º8-9, VINHAS, Moisés. O Partidão: a luta por um partido de massas ( ). São Paulo, Hucitec,

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas

Formação docente e movimentos sociais: diálogos e tensões cotidianas A PRÁTICA PEDAGÓGICA E MOVIMENTOS SOCIAIS: DIÁLOGOS FORMATIVOS PARA O TRABALHO DOCENTE NA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA Eliziane Santana dos Santos 1 Ludmila Oliveira Holanda Cavalcante 2 ¹ Bolsista FAPESB,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade

NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS. Revista Interdisciplinaridade NORMAS PARA A APRESENTAÇÃO DOS ARTIGOS Revista Interdisciplinaridade INTERDISCIPLINARIDADE é uma revista de periodicidade anual, cujo volume de cada ano será publicado em outubro e poderão ser realizadas

Leia mais

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA

REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA REGULAMENTO DA REVISTA ELETRÔNICA MULTIDISCIPLINAR CIÊNCIA & INOVAÇÃO DA FACULDADE DE AMERICANA Art. 1º - A Revista Eletrônica Ciência & Inovação, em versão exclusivamente eletrônica, de orientação pluralista,

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CARTA DE PRINCÍPIOS DO FÓRUM SOCIAL MUNDIAL O Comitê de entidades brasileiras que idealizou e organizou

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS

EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E POLÍTICAS PÚBLICAS SOCIAIS Flávio Pereira DINIZ (FCS UFG / diniz.fp@gmail.com) 1 Dijaci David de OLIVEIRA (FCS UFG / dijaci@gmail.com) 2 Palavras-chave: extensão universitária;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO Esta comunicação tem como objetivo apresentar o resultado de

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS CEIRI NEWSPAPER 2013/1

EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS CEIRI NEWSPAPER 2013/1 EDITAL DE SELEÇÃO DE COLUNISTAS CEIRI NEWSPAPER 2013/1 O CEIRI NEWSPAPER (http://jornal.ceiri.com.br) torna público o presente edital a candidatos interessados em executar atividades como colaboradores

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2009 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

A revolução cubana, as esquerdas brasileiras e a luta contra a ditadura militar nos anos 1960 e 1970.

A revolução cubana, as esquerdas brasileiras e a luta contra a ditadura militar nos anos 1960 e 1970. A revolução cubana, as esquerdas brasileiras e a luta contra a ditadura militar nos anos 1960 e 1970. Simpósio: HIST/RI - 2 La historia reciente en Latino- América: encrucijadas y perspectivas Jean Rodrigues

Leia mais

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA

LUÍS REIS TORGAL. SUB Hamburg A/522454 ESTADO NOVO. Ensaios de História Política e Cultural [ 2. IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA LUÍS REIS TORGAL SUB Hamburg A/522454 ESTADOS NOVOS ESTADO NOVO Ensaios de História Política e Cultural [ 2. a E D I Ç Ã O R E V I S T A ] I u IMPRENSA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA 2 0 0 9 ' C O I M B R

Leia mais

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br.

Resenha. Mestrando em Política Científica e Tecnológica no Instituto de Geociências da UNICAMP. E-mail: renandoliveira@yahoo.com.br. Resenha NOVAES, Henrique Tahan (Org.). O Retorno do Caracol à Sua Concha: alienação e desalienação em associações de trabalhadores. São Paulo: Expressão Popular, 2011. Renan Dias Oliveira O livro de Henrique

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA

FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA FÁVERO, Altair A.; TONIETO, Carina. Leituras sobre John Dewey e a educação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2011. RESENHA Marta Marques 1 O livro Leituras sobre John Dewey e a educação, do Prof. Dr. Altair

Leia mais

Intelectuais, política e cultura: uma breve análise sobre Caio Prado Júnior e Alberto Passos Guimarães no PCB

Intelectuais, política e cultura: uma breve análise sobre Caio Prado Júnior e Alberto Passos Guimarães no PCB Intelectuais, política e cultura: uma breve análise sobre Caio Prado Júnior e Alberto Passos Guimarães no PCB Ricardo Oliveira da Silva * Introdução O Brasil presenciou significativas mudanças socioeconômicas

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR

ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR ANÁLISE DOS OBJETIVOS PRESENTES NOS TRABALHOS DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL APRESENTADOS NO IX EPEA-PR Resumo FRANZÃO, Thiago Albieri UEPG/GEPEA thiagofranzao@hotmail.com RAMOS, Cinthia Borges de UEPG/GEPEA cinthiaramos88@yahoo.com.br

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS CEFOR - CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM INSTITUIÇÕES E PROCESSOS POLÍTICOS DO LEGISLATIVO. PROJETO DE PESQUISA CIENTÍFICA. Projeto de Pesquisa Aluno:

Leia mais

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA

GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS DO GEPHE - GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM CAMPINA GRANDE PARAIBA Autora: Regina Coelli Gomes Nascimento - Professora do curso de História

Leia mais

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia.

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. 9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. Entrevista concedida a João Pedro StediJe, no México, para o jornal Em Tempo. Julho de 1978. Rui Mauro Marini, sociólogo e economista brasileiro,

Leia mais

A esquerda marxista e o PT (III) * Força Socialista (FS) e Brasil Socialista (BS)

A esquerda marxista e o PT (III) * Força Socialista (FS) e Brasil Socialista (BS) A esquerda marxista e o PT (III) * Força Socialista (FS) e Brasil Socialista (BS) Há muito tempo, junto com milhares de companheiros, lutamos e construímos o Partido dos Trabalhadores. Vários de nossos

Leia mais

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI

A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI A FILOSOFIA DA EDUCAÇÃO NA AMÉRICA LATINA: CONE SUL - CHILE, ARGENTINA, PARAGUAI E URUGUAI COORDENAÇÃO Prof. Dr. Antonio Joaquim Severino FINANCIAMENTO: UNINOVE Auxílio Financeiro ANO DE INÍCIO: 2010 INTRODUÇÃO

Leia mais

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo

CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA. Resumo CENTRO POPULAR DE CULTURA DO PARANÁ (1959-1964): ENCONTROS E DESENCONTROS ENTRE ARTE, EDUCAÇÃO E POLÍTICA Ana Carolina Caldas Mestra em História de Educação UFPR Resumo Este artigo é parte da dissertação

Leia mais

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI

A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI A EDUCAÇÃO E SUA DIMENSÃO POLÍTICA A PARTIR DE ALGUNS ESCRITOS DE ANTONIO GRAMSCI Resumo AREND, Catia Alire Rodrigues UTP catiarend@yahoo.com.br Eixo Temático: Políticas Públicas, Avaliação e Gestão da

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR:

ESTRUTURA CURRICULAR: ESTRUTURA CURRICULAR: Definição dos Componentes Curriculares Os componentes curriculares do Eixo 1 Conhecimentos Científico-culturais articula conhecimentos específicos da área de história que norteiam

Leia mais

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa

1 Introdução. 1.1. A motivação e o problema da pesquisa 1 Introdução O objetivo desse capítulo é propiciar uma visão abrangente do estudo aqui desenvolvido. Dessa forma, ele foi estruturado com as seguintes seções: A motivação e o problema da pesquisa: baseada

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC)

ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) 009 ESTRUTURA IDEOLÓGICA E POÉTICA NO TEATRO DE GRUPO: QUAL RAZÃO PARA QUE SE CONTINUE? 1 Vinicius Pereira (IC) André Carreira (Orientador) (UDESC - CNPq) RESUMO: Esta pesquisa busca compreender como a

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica Terra Brasilis (Nova Série) Revista da Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica Chamada de artigos: Número 4: História da Cartografia, Cartografia Histórica e Cartografia Digital

Leia mais

1 SUMÁRIO EXECUTIVO 2 A DISCUSSÃO SOBRE O PAPEL DA UNIVERSIDADE

1 SUMÁRIO EXECUTIVO 2 A DISCUSSÃO SOBRE O PAPEL DA UNIVERSIDADE 1 SUMÁRIO EXECUTIVO Este primeiro relatório de análise da reforma universitária, com base na reunião de 29 e 30 de março, ocorrida em Brasília, procura construir um mapa qualitativo dos argumentos levantados

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO

CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO CONSIDERAÇÕE SOBRE A RENOVAÇÃO DO PLANEJAMENTO ATRAVÉS DA MUDANÇA DO LIVRO DIDÁTICO Elizabeth Christina Rodrigues Bittencourt, EE Rui Bloem e EE Alberto Levy. exrbittencourt@yahoo.com.br Introdução Nos

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA

POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA BREVE HISTÓRICO O INÍCIO DE UMA CAMINHADA POLÍTICAS E PRÁTICAS DE FORMAÇÃO DE GESTORES ESCOLARES FRENTE ÀS NOVAS DCN PARA O CURSO DE PEDAGOGIA Marcelo Soares Pereira da Silva UFU marcelosoares@ufu.br Resumo: No contexto das políticas de formação

Leia mais

CHAMADA DE TRABALHOS Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE

CHAMADA DE TRABALHOS Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE ISSN 2316-977X CHAMADA DE TRABALHOS A Revista Cadernos de Ciências Sociais da UFRPE convida os estudantes de pósgraduação, os professores e os pesquisadores das Ciências Sociais, e áreas afins, a encaminharem

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 20 Discurso na cerimónia "Jovens

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015

Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 Edital 001/2015 CHAMADA DE TRABALHOS PARA PUBLICAÇÃO/EDIÇÃO Nº 001/2015 A Direção da revista PERSPECTIVAS SOCIAIS, do PPGS/UFPEL, torna público a CHAMADA DE TRABALHOS ACADÊMICOS, para a edição 1/2015,

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992.

Secretaria Municipal de Educação SP. 144 Assessor Pedgógico. 145. Consultar o Caderno Balanço Geral da PMSP/SME, l992. PAULO FREIRE: A GESTÃO COLEGIADA NA PRÁXIS PEDAGÓGICO-ADMINISTRATIVA Maria Nilda de Almeida Teixeira Leite, Maria Filomena de Freitas Silva 143 e Antonio Fernando Gouvêa da Silva 144 Neste momento em que

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

Os Caminhos do Festival Música Nova

Os Caminhos do Festival Música Nova Os Caminhos do Festival Música Nova por Antônio Eduardo Santos RESUMO Um movimento por uma música revolucionária, nova, em oposição ao academismo dominante, teve nascimento em São Paulo, no começo dos

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL

PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL PROCESSO DE CRIAÇÃO E EXPANSÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO-SENSU EM EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL SILVA, Régis Henrique dos Reis - NUPEFI/CEPAE/UFG SILVA, Sarah Maria de Freitas Machado - ESEFEGO/UEG

Leia mais

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos.

Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Leitura na escola reflexões pedagógicas sobre os processos de formação de leitores e escritores na educação infantil, jovens e adultos. Diogo Vieira do Nascimento 1 (UERJ/EDU) Fabiana da Silva 2 (UERJ/EDU)

Leia mais

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA

MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA MODELOS ORGANIZATIVOS DE ENSINO E APRENDIZAGEM: UMA PROPOSTA PARA A FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA Jaqueline Oliveira Silva Ribeiro SESI-SP josr2@bol.com.br Dimas Cássio Simão SESI-SP

Leia mais

METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO

METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO METODOLOGIA PARTICIPATIVA NA AVALIAÇÃO DE CURRICULO Maria Célia B. Aires - UFPR Ceusa Valério Gabardo - UFPR Suely Carta Cardoso - UFPR Vilma M. Barra - UFPR RESUMO - O trabalho de pesquisa aqui relatado

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS

LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS LEMBRANÇAS DA ESCOLA: HISTÓRIAS DE VIDA DE ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS CAIADO, Katia Regina Moreno Docente da Faculdade de Educação da Puc-Campinas Doutoranda na Faculdade de Educação da USP. INTRODUÇÃO

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional

Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Ciência, Tecnologia, Inovação e Defesa Nacional Seminário sobre Diretrizes Estratégicas de C,T&I para a Defesa Nacional Painel: Visão da Indústria e da Universidade Hotel Naoum, Brasília, 26 de novembro

Leia mais

DICIONÁRIO CRÍTICO NELSON WERNECK SODRÉ: O BALANÇO DE UMA OBRA E DAS FISSURAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DO SÉCULO XX

DICIONÁRIO CRÍTICO NELSON WERNECK SODRÉ: O BALANÇO DE UMA OBRA E DAS FISSURAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DO SÉCULO XX DICIONÁRIO CRÍTICO NELSON WERNECK SODRÉ: O BALANÇO DE UMA OBRA E DAS FISSURAS DA SOCIEDADE BRASILEIRA DO SÉCULO XX Julierme Sebastião Morais Souza* Universidade Federal de Uberlândia UFU juliermehistoriador@hotmail.com

Leia mais

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX

Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Nas Margens da Educação: imprensa feminina e urbanidade moderna na Ribeirão Preto das primeiras décadas do século XX Jorge Luiz de FRANÇA * Nesta comunicação, pretendemos, por intermédio das publicações

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles)

Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular [1999], (de Katia Lund e João Moreira Salles) FACULDADE CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE Curso de Bacharel em Direito Turma A Unidade: Tatuapé Ana Maria Geraldo Paz Santana Johnson Pontes de Moura Análise Sociológica do Filme -Notícias de Uma Guerra Particular

Leia mais

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA

CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA CONCEPÇÕES DE AVALIAÇÃO SUBJACENTES AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DE PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA Andrelino Costa FERREIRA (UEPB/SEE-PB) Priscila Raposo ANANIAS (CESED/SEE- PB) Profª Drª Francisca Pereira

Leia mais

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Maria Selma Machado Lima A REFORMA POLÍTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disciplina: História da Administração Pública no Brasil Professor(es): Wallace Moraes Período: 2013/2 Horário: 3 e 5 feiras,

Leia mais

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares

A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO ESCOLAR (EaD) A Gestão Democrática como instrumento de transformação das Práticas Escolares Profª Drª Maria Auxiliadora Maués de L. Araujo

Leia mais

Portugal está quase lá ENTREVISTA

Portugal está quase lá ENTREVISTA Pág: 12 Área: 19,00 x 26,00 cm² Corte: 1 de 6 ENTREVISTA DeF Portugal está quase lá Não somos os melhores na produtividade, na riqueza, na organização empresarial, na capacidade de confiarmos uns nos outros,

Leia mais

O PCB cai no samba: Os comunistas e a cultura popular (1945-1955)

O PCB cai no samba: Os comunistas e a cultura popular (1945-1955) O PCB cai no samba: Os comunistas e a cultura popular (1945-1955) Rio de Janeiro: Aperj, 2009. (239 p.) Valéria Lima Guimarães Marcelo Badaró Mattos 1 Para todos os militantes que ingressaram em partidos

Leia mais

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO

CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO CONAE 2014 E A PARTICIPAÇÃO DEMOCRÁTICA DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO Adriano Francisco da Paz, Cesar Felipe Quintino dos Santos, Edna do Espirito Santo de Assis, Natália do Amaral Rodrigues, Selma Regina

Leia mais

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS

1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 57 57 1962. UM ROTEIRO PARA ENTENDER OS TEMAS QUE DOMINAVAM A SUDENE RODRIGO SANTIAGO* O objetivo deste relatório é apontar os principais aspectos relacionados

Leia mais

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf)

Carta da Indústria 2014 (PDF 389) (http://arquivos.portaldaindustria.com.br/app/conteudo_18/2013/06/06/481/cartadaindstria_2.pdf) www.cni.org.br http://www.portaldaindustria.com.br/cni/iniciativas/eventos/enai/2013/06/1,2374/memoria-enai.html Memória Enai O Encontro Nacional da Indústria ENAI é realizado anualmente pela CNI desde

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA

A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA A ORGANIZAÇÃO DO SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DE CURITIBA ZAIONS, Eliane de Souza Cubas CME/SME ezaions@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático: Políticas Públicas e Gestão da Educação Agência Financiadora:

Leia mais

ACORDO MARCO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E UNION NETWORK INTERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS

ACORDO MARCO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E UNION NETWORK INTERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS ACORDO MARCO ENTRE BANCO DO BRASIL S.A. E UNION NETWORK INTERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS Entre BANCO DO BRASIL S.A. e UNION NETWORK IN'TERNATIONAL PARA AS AMÉRICAS firma-se o presente acordo marco que será

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

Ensino de Artes Visuais à Distância

Ensino de Artes Visuais à Distância 1 Ensino de Artes Visuais à Distância Bárbara Angelo Moura Vieira Resumo: Através de uma pesquisa, realizada em meio ao corpo docente da Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, as

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP

REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP REGIMENTO INTERNO DA REUNIÃO DOS MINISTROS DA SAÚDE DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA - CPLP A Reunião dos Ministros da Saúde da CPLP tendo em consideração: A sua qualidade de órgão da CPLP,

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS

CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO CURITIBA UNICURITIBA FACULDADE DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS DANNIELE VARELLA RIOS DEBORAH DONATO DE SOUZA FELIPE PENIDO PORTELA PÂMELLA ÀGATA TÚLIO ESCOLA INGLESA CURITIBA 2009 DANNIELE

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais