O REFLEXO DA GUERRA FRIA NA AMÉRICA LATINA: A ATUAÇÃO DAS LIGAS CAMPONESAS NO NORDESTE BRASILEIRO E A PROPAGAÇÃO DO MEDO VERMELHO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O REFLEXO DA GUERRA FRIA NA AMÉRICA LATINA: A ATUAÇÃO DAS LIGAS CAMPONESAS NO NORDESTE BRASILEIRO E A PROPAGAÇÃO DO MEDO VERMELHO."

Transcrição

1 O REFLEXO DA GUERRA FRIA NA AMÉRICA LATINA: A ATUAÇÃO DAS LIGAS CAMPONESAS NO NORDESTE BRASILEIRO E A PROPAGAÇÃO DO MEDO VERMELHO. Thiago Moreira Melo e Silva 1 RESUMO Na década de 1940 surgiram as primeiras Ligas Camponesas sob a direção do recém legalizado Partido Comunista do Brasil (PCB). Embora as Ligas Camponesas tenham existido em quase todo o país, foi no Nordeste do Brasil que elas obtiveram maior expressividade. Dessa forma, as Ligas Camponesas traçaram um caminho singular em nossa História Social e Política durante o século XX. Pois, as ações desses movimentos iriam repercutir nos anos 1950 e 1960, num processo permeado por diferentes debates em torno da Reforma agrária, a qual concentrou diversos projetos buscando se repensar a estrutura fundiária vigente no país. Coexistindo com a chamada Guerra Fria envolvendo os EUA e a URSS, esses movimentos não passariam despercebidos aos EUA. Na década de 1960 e 1970, com a situação na Europa razoavelmente estabilizada, as duas superpotências iriam transferir sua competição para o Terceiro Mundo. A Revolução Cubana proclamada em 1959, iria recrudescer ainda mais a disputa entre as superpotências, agora, no âmbito da América Latina. Dentre as organizações que fortemente atuaram para a contenção dos setores populares no Brasil, estava a Agência Central de Inteligência (CIA), que destinou recursos financeiros ao Nordeste por intermédio do Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD), além de outros canais, que procurou combater não apenas a candidatura de Miguel Arraes em Pernambuco, mas também dividir as Ligas Camponesas lideradas por Francisco Julião, intencionando conter seu crescimento. Palavras-Chave: Ligas Camponesas, Anticomunismo, EUA, Nordeste. 1. Os movimentos camponeses no contexto da década de Na década de 1940 nos últimos anos da ditadura do Estado Novo presidido por Getúlio Vargas, surgiram as primeiras Ligas Camponesas sob a direção do recém legalizado Partido Comunista do Brasil (PCB) 2. As quais se apresentavam como meio de organização e 1 Possui especialização em História pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP. Contato: 2 A Sigla PCB correspondeu a Partido Comunista do Brasil até 1961; daí em diante, a Partido Comunista Brasileiro. Em fevereiro de 1962, na Conferência Nacional Extraordinária do Partido Comunista do Brasil, é adotada a sigla PC do B. As revelações dos crimes de Stálin no XX Congresso do PCUS, em 1956, gerou uma 1

2 mobilização dos trabalhadores rurais. (AZÊVEDO, 1982). Embora as Ligas Camponesas tenham existido em quase todo o país, foi no Nordeste do Brasil que elas obtiveram maior expressividade, bem como espelharam uma das páginas mais marcantes na história dos movimentos sociais no campo. (AUED, 2005). A sua criação, ao invés de sindicatos 3, é explicada como uma fuga a rigidez institucional burocrática existente no sindicalismo no Brasil e, também, conjunto de restrições ao sindicalismo existente na década de quarenta. (AUED, 2005, p. 23). Em 1947, durante o governo do Presidente Eurico Gaspar Dutra ( ), o comunismo foi alvo de intensa perseguição. Esta atuação se deve ao fato da tentativa de alinhamento com os Estado Unidos durante a Guerra Fria. Em 1947, o PCB teve seu registro eleitoral cassado e o Brasil rompeu relações com a URSS. Essa decisão pela cassação do PCB, longe de se restringir apenas ao partido, afetou também suas organizações, principalmente no meio rural, onde ocorreram a maioria das prisões, assassinatos e perseguições. (MORAIS, 1997). Nesse processo serão atingidas numerosas organizações camponesas, entre elas as já ativas Ligas Camponesas que, transformadas, voltarão à cena alguns anos mais tarde, com novo vigor e maior capacidade expansiva. (CAMARGO, 1997, p. 143). Dessa forma nas décadas posteriores, as Ligas Camponesas iriam traçar um caminho singular na história social e política brasileira. Pois, as ações desses movimentos ainda que incipientes na década de 1940, iriam repercutir nos anos 1950 e 1960 em um processo permeado por diferentes debates em torno da Reforma agrária, a qual concentraria diversos projetos buscando se repensar a estrutura fundiária vigente no país. De acordo com Meira (apud BASTOS 1982), as Ligas Camponesas terminariam a década de 50 com cerca de 40 mil associados no Estado de Pernambuco e cerca de 70 mil no Nordeste. 2. O governo de João Goulart e os setores populares nos anos cisão no PCB: Ao lado deste, passou a (co)existir também o PC do B. (GORENDER, 1987, p. 20, 34 apud VARELA, 2006, p. 69). 3 Segundo o Prof. Edgar Malagodi - UFPB (apud VARELA, 2006, p. 91), existiam apenas sete sindicatos rurais legalizados no Brasil até

3 Com pouco mais de seis meses de sua posse como presidente da república, Jânio Quadros anunciou no dia 25 de agosto de 1961 sua renúncia. Chegando ao fim desta forma seu governo, que foi permeado em sua curta duração por uma série de contradições e ambigüidades políticas. Jânio Quadros, que após sua renúncia esperava ter o apoio popular e político para seu retorno, logo teve suas esperanças esvaecidas, pois nem os ministros militares e, menos ainda, as massas populares tomaram qualquer iniciativa no sentido de reivindicar a volta de Quadros. (TOLEDO, 1982, p. 8). Quanto aos setores populares e de esquerda, cabe destacar a insatisfação desses, devido à ausência de ações decisivas e de efetivas transformações sociais prometidas pelo governo de Jânio Quadros. (BENEVIDES, 1981). Após a aceitação do pedido de renúncia de Jânio pelo Congresso Nacional: Em várias partes do país, os setores populares e democráticos saíram às ruas para defender, isto sim, a posse de João Goulart, ameaçada por um arbitrário veto militar, plenamente respaldado pela UDN e demais setores conservadores. As manifestações populares, associadas com as de políticos democráticos e de militares nacionalistas, conseguiram impedir o golpe militar que se configurava em agosto de (TOLEDO, 1982, p. 8). O quadro de crise instaurado no país naquele momento, sobretudo pela ausência de Jango (que na condição de vice-presidente se encontrava em visita à China), dominaria o palco da política nacional e fomentaria o debate acerca da sucessão presidencial, polarizada, entre os ministros militares que não concordavam com a posse de Jango e os que apoiavam a legalidade. (SKIDMORE, 1982). Ao contrário do que seus adversários difundiram, Goulart não estava despreparado para dirigir o país, quando chegou a Brasília, após dez dias de crise, em 7 de setembro de Tinha mais condições para exercer o cargo de Presidente da República do que Jânio Quadros e, quiçá, do que o próprio Kubitschek, em Levava um programa de governo o das reformas de base e larga experiência na política federal, o que lhe dava uma visão mais ampla, menos provinciana, dos problemas brasileiros. (BANDEIRA, 2001, p. 65). república: Mesmo contando com condições a seu favor para assumir o cargo de Presidente da Goulart, no entanto, recebeu do Congresso um poder mutilado, enfraquecido, quando a situação mais exigia um governo forte, centralizado para efetuar as 3

4 mudanças que o desenvolvimentismo do capitalismo reclamava. (BANDEIRA, 2001, p. 65). Frente a esse impasse, o Congresso adotou uma medida que permitiria a posse de Goulart, contudo, dentro de uma operação de mudança no sistema de governo vigente, o qual deixaria de ser o presidencialista para tornar-se o parlamentarista, impondo, dessa forma, sérias restrições aos poderes de Jango. (FAUSTO, 2009). Nos meses seguintes de sua posse, Jango enfrentou em seu governo muitas dificuldades. Resultado em parte do legado das gestões anteriores e dos novos obstáculos engendrados durante o processo de sua posse e do estabelecimento de seu governo. O quadro que se configurou durante o governo de Jango entre agosto de 1961 e março de 1964 caracterizou-se por forte crise econômico-financeira, partidária, constantes crises políticoinstitucionais e, sobretudo pela emergência do movimento operário e dos trabalhadores do campo. (TOLEDO, 1982). (Grifo nosso). No plano da sociedade, houve um avanço dos movimentos sociais e o surgimento de novos atores. Os setores esquecidos do campo [...] começaram a se mobilizar. (FAUSTO, 2009, p. 443). Entretanto, na medida em que esses novos atores foram ascendendo no plano político e social, pouco se avançou com relação à elaboração de questões institucionais que pudessem contemplá-los. Em 1961, ainda no governo, Jânio Quadros encaminhou ao Congresso Nacional uma mensagem indicando a necessidade de se estruturar melhor a situação dos trabalhadores rurais no país: Precisamos ampliar o campo da aplicação da legislação do trabalho, não só territorialmente como para beneficiar maior número de trabalhadores brasileiros [...] É nesse sentido que pretendemos submeter ao Congresso a disciplina do trabalho rural. Não podemos postergar a proteção do direito desses trabalhadores, nem pretender uma verdadeira sociedade nacional se mais da metade da população não dispõe de instrumentos de sindicalização para se fazer presente. (Jânio Quadros Mensagem ao Congresso Nacional, Brasília, 1961, p. 69/70 apud CAMARGO, 1997, p. 171). Na tentativa de implementar os pontos apresentados na mensagem ao Congresso, formou-se em abril de 1961, o Grupo de Trabalho sobre o Estatuto da Terra, sob a direção do senador Milton Campos (CAMARGO, 1997). Entretanto, algumas medidas apontadas pelo grupo iriam se concretizar, segundo a autora apenas durante o primeiro gabinete parlamentarista do governo Jango em Para Benevides (1981), essas expectativas 4

5 frustradas dos setores populares e da esquerda durante a breve existência do governo de Jânio, iriam sobrecarregar posteriormente o governo Jango, de demandas insustentáveis num sistema político ainda dominado pelos interesses das oligarquias, das elites financeiras e do capitalismo internacional. (BENEVIDES, 1981, p ). Tais demandas, geradas em torno do governo Jango, iriam intensificar-se ainda mais, sobretudo no regime presidencialista, a partir da revogação da emenda parlamentarista em 23 de janeiro de 1963, após realização do plebiscito. A estagnação do governo (em alguns aspectos), durante o regime parlamentarista, dificultou muitas das ações que o Executivo tentaria implementar em busca de uma saída para a crise em que se encontrava o país. Além disso, acirrou ainda mais o antagonismo existente no cenário político e nos diferentes setores sociais em torno da aprovação das reformas de base (Agrária, Bancária, Administrativa, Fiscal, Eleitoral, Urbana, etc.). Razões econômicas e sociais impunham as urgentes realizações das reformas, dentre elas a que mais debate provocou naquele período: a Reforma Agrária [...] Apesar de não ter nenhum sentido revolucionário, correspondendo, pois, de um lado, às necessidades da consolidação do capitalismo industrial e, de outro lado, à estratégia da dominação social burguesa, a Reforma Agrária proposta por Goulart será alvo de intensa e constante oposição por parte dos proprietários rurais e seus setores políticos, de setores da Igreja Católica, etc. (TOLEDO, 1982, p.54-55). Além da falta de apoio no Congresso para a aprovação de algumas medidas importantes ao governo, assim como o projeto de Reforma Agrária apresentado pelo executivo, diferentes grupos passaram a se opor a Goulart e ao seu projeto de governo a partir das reformas de base. No plano internacional, no que se refere aos Estados Unidos e sua política externa, transpareciam-se a preocupação e a insatisfação do presidente John Kennedy, não apenas com a economia brasileira, como também, devido o fortalecimento da atuação das Ligas camponesas na região Nordeste e dos setores políticos de esquerda. 3. O reflexo da Guerra Fria na América Latina: medidas anticomunistas e ebulições sociais no Nordeste brasileiro. Nas décadas seguintes ao término da Segunda Guerra Mundial ( ), os Estados Unidos (EUA) e a União Soviética (URSS) se enfrentariam em muitas áreas 5

6 econômica, política, ideológica, cultural, etc., embora nunca tenham travado uma guerra frontal. Possuidores de arsenais atômicos com capacidade de destruir o planeta várias vezes, um conflito direto entre esses países poderia significar a extinção da espécie humana. O antagonismo entre norte americanos e soviéticos durou 45 anos, deixando marcas na vida de milhões de pessoas. Os 45 anos que vão do lançamento das bombas atômicas até o fim da União Soviética não formam um período homogêneo único na história do mundo. [...] Apesar disso, a história desse período foi reunida sob um padrão único pela situação internacional peculiar que o dominou até a queda da URSS: o constante confronto das duas superpotências que emergiram da Segunda Guerra Mundial na chamada Guerra Fria. (HOBSBAWM, 1995, p. 223). Em termos de controle e influência sobre o globo, existia um equilíbrio de poder desigual entre as potências, porém não contestado em sua essência. A URSS controlava as regiões ocupadas pelo exército vermelho ou outras forças comunistas estabelecidas após o fim da Segunda Guerra. Enquanto os EUA exerciam o controle e predominância sobre o resto do mundo capitalista, assumindo dessa forma a posição das antigas potências coloniais. (HOBSBAWM, 1995). Contudo, isso não significava uma satisfação, ou contentamento com suas áreas de controle e influência. John Kennedy, em discurso durante sua campanha afirmava: Vamos moldar nossas forças e nos tornar os primeiros de novo. Não os primeiro se. Não os primeiros mas. Mas primeiros e ponto. Quero que o mundo se pergunte não o que o Sr. Kruschev está fazendo. Quero que eles se perguntem o que os Estados Unidos estão fazendo. (BESCHLOSS, 1991 Apud HOBSBAWM, 1995, p. 234). Na década de 1960 e 1970, com a situação na Europa razoavelmente estabilizada, as duas superpotências iriam transferir sua competição para o Terceiro Mundo. (HOBSBAWM, 1995). A Revolução Cubana proclamada em 1959, iria recrudescer ainda mais a disputa entre as superpotências, agora, no âmbito da América Latina. A fim de conter o movimento iniciado com a Revolução Cubana, os EUA, planejaram diversas intervenções sobre Cuba. Diante de seus insucessos, no que tange a retomada do controle de Cuba, como foi caso da Baía dos Porcos 4, o governo estadunidense cogitava em 4 Sobre a tentativa de ataque estadunidense em Cuba, verificar: BANDEIRA, 2005, p

7 uma intervenção armada. Contudo, tal medida além de implicar em custos políticos elevados, também violaria alguns artigos 5 da Carta da ONU 6, bem como da OEA 7. Além do mais, com a implementação de uma operação armada, Castro poderia pedir a assistência dos outros Estados latino-americanos, a fim de repelir a agressão [...] e solicitar 8, a intervenção do Conselho de Segurança, para que restaurasse a segurança e a paz internacional. (BANDEIRA, 2005, p. 215). Tais empecilhos, fizeram com que os EUA, se re-articulassem em busca de outros mecanismos de intervenção e controle. A conjuntura engendrada neste período iria fazer com que Kennedy e sua equipe considerassem: [...] os países do chamado Terceiro Mundo como a linha de defesa contra o avanço da União Soviética, e a América Latina como a Most critical area" e a most dangerous area in the world. Durante seu governo foi que os Estado Unidos, em tempo de paz, começaram a recorrer mais amplamente ao terrorismo, sob todas as formas, como ferramenta de implementação de política externa, ao mesmo tempo em que preparavam os grupos especiais de contra insurreição [...]. (BANDEIRA, 2005, p.. 221). No que tange ao Brasil como citado anteriormente, durante o governo Dutra ( ) o país estreitou ainda mais seus laços comerciais e políticos com os EUA, em detrimento das relações com a URSS. Com efeito, nos anos seguintes a mobilização das Ligas Camponesas, dos setores populares, bem como da esquerda política, sobretudo em Pernambuco a partir das disputas nas eleições de 1962, com Miguel Arraes, fez intensificar ainda mais as atenções dos EUA sobre o cenário da política interna brasileira. Nesse período diversas instituições se mostraram atuantes a fim de conter o avanço das Ligas Camponesas. [...] vão disputar a orientação ideológica do movimento e, ao mesmo tempo, tentar neutralizar as Ligas Camponesas o PCB, a Igreja Católica e os agentes da Liga Cooperativa dos Estados Unidos da América (CLUSA) que, como integrantes da Missão USAID, faziam parte do programa de ação da Aliança para o Progresso no Nordeste. (RELATÓRIO DE PESQUISA FGV, 2004, p. 40). 5 Os quais proscreviam o uso da força armada em caso de legítima defesa contra um ataque armado. 6 Organização das Nações Unidas. 7 Organização dos Estados Americanos. 8 Com base no capítulo 7 da carta da ONU. 7

8 Somado a esses, ainda podemos citar o IBAD 9 e o IPES 10, que recebia expressiva ajuda financeira da CIA 11, e das empresas nacionais, e estrangeiras instaladas no Brasil. E a embaixada americana que junto ao embaixador Lincoln Gordon, fornecia apoio material e financeiro aos grupos opostos as Ligas Camponesas e aos setores populares. (BANDEIRA, 2001). Desde o início dos anos 60, era intensa a presença de norte-americanos em Pernambuco, vindos com a Missão USAID para supervisionar a aplicação dos US$ 131milhões das verbas da Aliança para o Progresso, destinadas ao Nordeste. Muitos atuavam, oficialmente, como técnicos, assessores e representantes da CLUSA, encarregada de criar cooperativas rurais e, sobretudo, obter informações e manter sob controle os movimentos sociais na região. (PAGE, 1972). A CLUSA, que teria vínculos estreitos com a CIA, desenvolveu contatos com setores da Igreja Católica que atuavam na organização de trabalhadores do campo, como o Serviço de Orientação Rural de Pernambuco (SORPE) e com o padre Antonio Crespo, além de canalizar recursos para a fundação de sindicatos rurais católicos. (PAGE, 1972). Também em Pernambuco, destaca-se a atuação do padre Antônio Melo, defensor da criação dos sindicatos e cooperativas rurais. Padre melo 12, tinha como um de seus principais objetivos afastar os trabalhadores rurais da esfera das Ligas, buscando dessa forma, segundo ele, uma solução pacífica aos conflitos no campo, entre os donos de terras e os trabalhadores rurais. (RELATÓRIO DE PESQUISA FGV, 2004, p. 42) 13. No que tange ao cenário político nordestino durante as eleições de 1962, a disputa ao governo do Estado de Pernambuco, despertou grande interesse nacional. Os dois principais 9 Instituto Brasileiro de Ação Democrática. 10 Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais. O IPES era uma entidade sofisticada, pretensamente cinentífica, e ligou-se à Escola Superior de Guerra, aliciando os generais Golbery do Couto Silva, Heitor de Almeida Herrera e muito outros, reformados ou na ativa. 11 Agência Central de Inteligência. 12 Segundo Page (1972), ao final de 1963, o padre Melo, expressiva liderança católica da região do Cabo (PE), estava recebendo dinheiro do Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD), que como sabemos, hoje, foi um dos centros articuladores do Golpe de É importante, no entanto, que se lembre, também, que a ação da Igreja Católica, no Nordeste, não se restringiu a este tipo de articulação sindical. Havia, também, uma esquerda católica (Ação Popular) que atuava diretamente no Movimento de Educação Popular (MEP), levado à frente pela prefeitura do Recife, e depois pelo governo do estado de Pernambuco, durante a gestão de Miguel Arraes. (RELATÓRIO DE PESQUISA FGV, 2004, p ). 8

9 candidatos Miguel Arraes (PSB) 14, e João Cleofas (UDN) 15, tiveram importantes apoios de fora. Arraes, candidato apoiado pela esquerda, bem como pelos setores populares, recebeu importante apoio do empresário paulista Ermírio de Moraes, dentre outros. Cleofas que era identificado popularmente como o candidato apoiado pelos EUA, não diferente, contou com volumosos recursos financeiros por parte do IBAD e conseqüentemente da CIA.. (PAGE, 1972). A CIA, através do IBAD e de outros canais, direcionou muitos recursos ao Nordeste, não apenas visando combater a candidatura de Miguel Arraes ao governo de Pernambuco, mas, também, como o objetivo de dividir as Ligas Camponesas, lideradas por Francisco Julião. (BANDEIRA, 2001). Apesar do volumoso investimento realizado pelos IPES e pelo IBAD, com dólares da CIA, cruzeiros do Fundo do Trigo repassados pela Embaixada dos EUA e genrosos donativos de corporações estrangeiras, para favorecer os candidatos direitistas da UDN, PSD e outras agremiações, o nacional-reformismo avantajou-se nas eleições de Miguel Arraes conquistou o governo de Pernambuco e Brizola obteve excepcional votação ( sufrágios) para Deputado federal, no Estado da Guanabara, onde a Aliança Trabalhista-Socialista (PTB-PSB) somou legendas, contra , da UDN, colocada em segundo lugar. Ainda sobre as atividades de instituições pró-estadunidenses nas eleições de 1962, temos o IPES. A organização que foi criada em 1962, embora, proclamava-se contrária a radicalização da política brasileira tanto entre a esquerda como na direita. Logo passou a contratar militares reformados e montar o seu serviço de inteligência. Essa medida visava, em colher dados sobre pretensa infiltração comunista no governo de Goulart e distribuí-los, clandestinamente, entre oficiais que ocupavam postos de comando, através de todo o território nacional. (BANDEIRA, 2001, p. 82). Segundo o mesmo autor, o IPES entre 1962 e 1964, gastou com esses trabalhos de minar as Forças Armadas cerca de US$ 200 mil a US$ 300 mil por ano. Tais recursos eram oriundos tanto da CIA, quanto das empresas estrangeiras. Diante dessas articulações do IBAD e do IPES, o governador Miguel Arraes, fez denúncia à CPI, instaurada na Câmara dos Deputados para investigar a origem dos fundos que aquelas entidades manipulavam. (BANDEIRA, 2005). 14 Partido Socialista Brasileiro. 15 União Democrática Nacional. 9

10 Segundo o jornalista norte-americano A. J. Langguth, a CIA, através do IBAD e da ADEP 16, gastara US$ 20 milhões nas eleições parlamentares de 1962 e durante os trabalhos da CPI, na embaixada dos EUA, todos os elementos envolvidos, de Lincoln Gordon para baixo, estavam preocupados com as provas incriminatórias que poderiam vir a público. (ibid., p. 85). Segundo documentos apresentados por Arraes, boa parte das receitas geridas pelo IBAD, também vinha de empresas instaladas no Brasil (na maioria americanas), como a Texaco, Shell, Schering, Bayer, General Eletric, IBM, Coca-Cola, Souza Cruz, entre outras. E a embaixada dos EUA provavelmente ainda empregou outras verbas para financiá-lo, bem como as outras organizações de extrema-direita, que se apresentavam com o rótulo de democráticas, uma espécie de trade Mark, made in USA. (ibid.,, p, 86). Conforme Bandeira (2001), não era segredo para ninguém os contatos que o embaixador Lincoln Gordon mantinha com adversários políticos de Goulart. [...] financiando diretamente prefeitos e governadores de Estado, sobretudo os da oposição, sob a capa da Aliança para o Progresso. (Ibid. p. 86). Em maio de 1962, Brizola denunciara que: A embaixada americana dos EUA vem fazendo movimentação de fundos que se encontram à sua disposição no Banco do Brasil e entrando em entendimentos diretos com políticos brasileiros. A embaixada se está transformando numa espécie de Meca para onde se dirigem diretamente prefeitos, entidades públicas e privadas [...]. (Entrevista de Brizola In: Diário de Notícias, Rio de Janeiro, nº 349, 5 a apud BANDEIRA, 2001, p. 86). Os consulados dos EUA, em todo o Brasil, serviram como bases de operação da CIA. Em 1962 dos três vice-cônsules da cidade de Recife, dois eram da CIA 17. Dobrando para quatro, às vésperas da queda de Goulart. (PAGE, 1972). Como discutido anteriormente, após as disputas da Guerra Fria serem deslocadas para o Terceiro Mundo, a América Latina ocuparia lugar de destaque dentro da pauta da política externa estadunidense. Somado a isso, a ocorrência da Revolução cubana em 1959, faria com que os EUA intensificasse ainda mais, seus mecanismos de controle e influência sobre os Estados da América Latina. 16 Ação Democrática Parlamentar. 17 O mesmo acontecia na outras cidades importantes, como Porto Alegre, de onde Brizola pediu a expulsão do cônsul SHARP, acusando-o de intrometer-se na política nacional. (BANDEIRA, 2001). 10

11 Essas medidas iriam se materializar de diversas formas. Seja pelo apoio financeiro (feito de forma ilícita) realizado pela CIA, IBAD, bem como pela embaixada e empresas americanas. Ou em forma de planos de assistência, os EUA se mantiveram sempre presentes no jogo político e na dinâmica social da época. Com efeito, a presença dos EUA, através desses canais de manipulação e influência, não só minaram de certa forma a estrutura política do período, como, também, fizeram frente ao desenvolvimento e ao avanço dos setores populares. Nesse sentido, encontraram diversos empecilhos em seu trajeto, e foram freqüentemente combatidos: os candidatos e políticos que defendiam os interesses que convergiam com os setores populares; as Ligas Camponesas; os sindicatos de tendência comunistas; entre outros. Todos tiveram suas mobilizações contidas por meio de intervenções estadunidenses. O resultado dessas intervenções dentro da conjuntura política do Brasil, somada a atuação de outros grupos conservadores, bem como das forças armadas, iria se concretizar com a implantação do Estado autoritário estabelecido, com o início do regime militar de Por fim, o golpe militar seguido da forte repressão às Ligas Camponesas, não apenas iria marcar fortemente a memória camponesa com o estigma do medo e da derrota, como também iria comprometer a existência e a mobilização de novos movimentos sociais. Referências AUED, B. W. [et al]. Retratos do MST: Ligas Camponesas e Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra. Florianópolis: Cidade Futura, p. AZEVÊDO, Fernando Antônio. As Ligas Camponesas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. BANDEIRA, M. L. A. O governo João Goulart: as lutas sociais no Brasil, Rio de Janeiro: Ed. UNB, p. 11

12 . Formação do Império Americano: da guerra contra a Espanha à guerra no Iraque. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, p p BASTOS, Elide Rugai. As Ligas Camponesas. Petrópolis; Vozes, p. BENEVIDES, Cezar. Camponeses em marcha. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. BENEVIDES, Maria V. O Governo Jânio Quadros. São Paulo: Brasiliense, p. CAMARGO, Aspásia. A questão agrária: crise de poder e reformas de base. In FAUSTO, Boris (org.). História Geral da Civilização Brasileira. Sociedade e Política. O Brasil republicano, vol. 3, t. III, São Paulo: Difel, p p. FAUSTO, BORIS. História do Brasil. São Paulo: Edusp, p p. FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS EAESP/GV PESQUISA - RELATÓRIO DE PESQUISA Nº. 24, Texto disponível em: (Acesso em 15/03/2011). HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos: o breve século XXI ( ). São Paulo: CIA das Letras, p ; ; p JOSEPH, A. Page. A Revolução que Nunca Houve: O Nordeste do Brasil ( ). Tradução de Ariano Suassuna. Rio de janeiro: Editora Record, p. MORAIS, Clodomir S. de. História das Ligas Camponesas no Brasil In: STEDILE, J. P. (Org.). A questão agrária no Brasil: história e natureza das Ligas Camponesas ed. São Paulo: Expressão Popular, p. SKIDMORE, Thomas E. Brasil: De Getúlio a Castelo. Tradução: Ismênia T. Dantas. Rio de Janeiro; Paz e Terra, p. TOLEDO, Caio Navarro de. O governo Goulart e o golpe de 64. São Paulo; Brasiliense, p. VARELA, F. A questão agrária nacional, e assentamentos rurais na Paraíba. 4. ed. João Pessoa: Idéia, p. 12

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO

A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO A proposta de reforma agrária do Partido Comunista Brasileiro (PCB) desenvolvida nas décadas de 1950 e 1960 Maria José Castelano INTRODUÇÃO Esta comunicação tem como objetivo apresentar o resultado de

Leia mais

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964):

A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): A REPÚBLICA DEMOCRÁTICA POPULISTA (1945 1964): 1. - PRINCIPAIS PARTIDOS: PSD (Partido Social Democrático): Principal partido. Criado por Getúlio Vargas. Base rural. Industriais, banqueiros e latifundiários

Leia mais

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO

1 a Questão: (2,0 pontos) APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Para dar uma definição compreensível de revolução, diremos que ela é uma tentativa de substituir o poder estabelecido por outro poder, usando meios ilegais. Esses meios, geralmente, implicam

Leia mais

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985?

Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? Questões sobre a Ditadura Militar no Brasil (respostas no final da página) 1. Como teve início a Ditadura Militar no Brasil que durou de 1964 a 1985? A - Através de eleições democráticas que levaram ao

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR. Caderno 10» Capítulo 4. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA O BRASIL, O MUNDO E A PAZ NUCLEAR Caderno 10» Capítulo 4 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A experiência democrática no Brasil (1945-1964)

Leia mais

29 A ordem liberal-democrática

29 A ordem liberal-democrática A U A UL LA A ordem liberal-democrática Abertura Na aula passada vimos que, em 1945, Vargas convocou eleições para a presidência da República. Mas o regime do Estado Novo chegou ao fim antes que elas se

Leia mais

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História

Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História Professor Tiago / 9º Ano / 3º Trimestre / História 1. Assinale V(verdadeira) e F(falsa): a) ( ) Em 1929, o mundo capitalista enfrentou grave crise econômica, causada principalmente pelo crescimento exagerado

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã

Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã Colégio Social Madre Clélia Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Disciplina: História Profa Andrea Oitava 1-Manhã BRASIL: ELEIÇÕES DE 1945 Com a deposição de Vargas foram marcadas eleições para

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR

UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR UFMG - 2006 3º DIA HISTÓRIA BERNOULLI COLÉGIO E PRÉ-VESTIBULAR História Questão 01 Considerando as transformações que abriram caminho para o surgimento do Mundo Moderno, ANALISE o impacto dessas mudanças

Leia mais

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010)

Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985) e República Nova (Redemocratização do Brasil) (1985-2010) Trabalho de História Recuperação _3ºAno Professor: Nara Núbia de Morais Data / /2014 Aluno: nº Ens. Médio Valor: 40 Nota: Temas Governo de Vargas 1930-1945), Populismo (1945-1964) Ditadura Militar (1964-1985)

Leia mais

1964. A CONSTRUÇÃO INTERROMPIDA.

1964. A CONSTRUÇÃO INTERROMPIDA. cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 69 69 1964. A CONSTRUÇÃO INTERROMPIDA. SUDENE, CELSO FURTADO E O GOLPE DE 1964 CONSIDERAÇÕES COM BASE EM O ESTADO DE S. PAULO ANTONIO HENRIQUE LUCENA SILVA* No

Leia mais

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA

Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA 1 Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo FESPSP PROGRAMA DE DISCIPLINA No equilíbrio entre as várias partes do livro, dei maior peso à fase que se inicia nos fins do século XIX e vai até

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS)

Governos. Populistas Brasileiros (1946-1964) Entregar? Nacionalizar? Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Governos Entregar? Populistas Brasileiros (1946-1964) OU Prof. Abdulah 3ºano/Pré- vesjbular Aulas 20 e 21 (SAS) Nacionalizar? PRINCIPAIS PARTIDOS PSD (Par(do Social Democrá(co): Principal par*do. Criado

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio

Aula 14 Regime Militar Prof. Dawison Sampaio Aula 14 Regime Militar 1 Contexto do Regime Militar Contexto interno: Colapso do Populismo (polêmica das Ref. de Base) Contexto externo: Guerra Fria e os interesses dos EUA (risco de cubanização do Brasil

Leia mais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais

Resistência à Ditadura Militar. Política, Cultura e Movimentos Sociais Resistência à Ditadura Militar Política, Cultura e Movimentos Sociais Visão Panorâmica Introdução à ditadura Antecedentes do Golpe A Ditadura A Resistência A Reabertura Duração: 1964 à 1985 Introdução

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

ENTRE ESTRATÉGIAS E TÁTICAS: DISPUTAS POLÍTICAS E SOCIAIS EM PERNAMBUCO (1960 1964)

ENTRE ESTRATÉGIAS E TÁTICAS: DISPUTAS POLÍTICAS E SOCIAIS EM PERNAMBUCO (1960 1964) ENTRE ESTRATÉGIAS E TÁTICAS: DISPUTAS POLÍTICAS E SOCIAIS EM PERNAMBUCO (1960 1964) Pablo Francisco de Andrade Porfírio UFPE pabloporfirio@hotmail.com / pabloporfirio@ig.com.br 1 INTRODUÇÃO. Este trabalho,

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964)

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964) REPÚBLICA DEMOCRÁTICA (1945 1964) O principal êxito do período foi ampliar a cidadania sobretudo o direito de votar e, muito teoricamente, o direito de ser eleito - às classes médias e à classe trabalhadora.

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F CADERNO DE EXERCÍCIOS 2F Ensino Fundamental Ciências Humanas Questão Conteúdo Habilidade da Matriz da EJA/FB 1 Movimento operário e sindicalismo no Brasil H43 2 Urbanização nas regiões brasileiras H8,

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989)

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) RECAPITULANDO -GUERRA FRIA: Disputa pela hegemonia mundial entre duas potências: EUA e URSS. -ACORDOS ECONOMICOS: -Plano Marshall (1947) -Plano Comecon (1949) ACORDOS

Leia mais

Eleições presidenciais de 1955

Eleições presidenciais de 1955 Candidatos: - Juarez Távora(UDN)-30% Eleições presidenciais de 1955 -Juscelino Kubitscheck (PSD-PTB)-36% - Adhemar de Barros (PSP)-26% - Plínio Salgado (PRP)-8% O sr.getúlio Vargas não deve ser candidato

Leia mais

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil

A América Latina na Guerra Fria A ditadura militar no Brasil ID/ES Tão perto e ainda tão distante A 90 milhas de Key West. Visite Cuba. Cartão postal de 1941, incentivando o turismo em Cuba. 1 Desde a Revolução de 1959, Cuba sofre sanções econômicas dos Estados

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Reformas de Base: Goulart e a Estrutura Agrária

Reformas de Base: Goulart e a Estrutura Agrária Reformas de Base: Goulart e a Estrutura Agrária Manuela de Souza Diamico Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Catarina. manuela_diamico@hotmail.com Resumo Este artigo discute

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

1963. A SUDENE COMPREENDIDA À

1963. A SUDENE COMPREENDIDA À cad_08.qxd:layout 1 5/13/11 10:02 AM Page 63 63 1963. A SUDENE COMPREENDIDA À LUZ DOS EFEITOS DA GUERRA FRIA UMA ANÁLISE DO JORNAL O ESTADO DE S. PAULO AUGUSTO W. M. TEIXEIRA JR.* Celso Furtado é um dos

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945

EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 EXERCÍCIOS DE REVISÃO DE HISTÓRIA A ERA VARGAS-1930-1945 01) Sobre o Estado Novo (1937-1945), é incorreto afirmar que: a) Foi caracterizado por um forte intervencionismo estatal. b) Criou órgãos de censura

Leia mais

Por uma Sociologia Histórica do Sindicalismo rural em Pernambuco

Por uma Sociologia Histórica do Sindicalismo rural em Pernambuco PEREIRA, Jesus Marmanillo. Por uma sociologia histórica do sindicalismo rural em Pernambuco. RBSE Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 12, n. 34, pp. 317-423, Abril de 2013. ISSN 1676-8965 RESENHA

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 9º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc.

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN. b) Cite duas características do Estado Novo. Resposta: Ditadura, censura, nacionalismo, etc. 2ª série Ens. Médio EXERCÍCIOS DE MONITORIA HISTÓRIA - OBJETIVA Professora: Higor David Lopes Prucoli 1. (Fuvest 1987) Como se expressa a ação do governo na economia brasileira no período do Estado Novo?

Leia mais

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE.

FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE. FELIPE CARCELIANO Nº 10 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA Nº 20 NATHALIA NOVAES Nº 30 GEOGRAFIA TEMA VIII HAITI E.E. DR. JOÃO THIENNE Nova Odessa SP Maio / 2014 1 JENNIFER SANTAROZA DE SOUZA FELIPE CARCELIANO

Leia mais

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do

A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do p. 110 A América Central continental Guatemala, Costa Rica, Honduras, Nicarágua e El Salvador já foram parte do México até sua independência a partir de 1823; Em 1839 tornam-se independentes fracasso da

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência.

Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Título: Conflitos teológicos e políticos da Igreja Católica Brasileira presente nos artigos das revistas: Hora Presente e Permanência. Nome: Glauco Costa de Souza (Graduando Unesp/Assis). e-mail: glaucojerusalem@hotmail.com

Leia mais

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE

TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE TODOS COLÉGIOS SIMULADO 2ª SÉRIE 1.Analise as afirmativas abaixo referentes ao Iluminismo: 01 - Muitas das idéias propostas pelos filósofos iluministas são, hoje, elementos essenciais da identidade da

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

Exercícios Reorganização Política Internacional

Exercícios Reorganização Política Internacional Exercícios Reorganização Política Internacional 1. (Ufg 2013) Analise a charge a seguir. A charge refere-se a dois temas: o papel do Estado na economia e as relações de trabalho. A respeito desses temas,

Leia mais

Gabarito oficial preliminar: História

Gabarito oficial preliminar: História 1) Questão 1 Segundo José Bonifácio, o fim do tráfico de escravos significaria uma ameaça à existência do governo porque Geraria uma crise econômica decorrente da diminuição da mão de obra disponível,

Leia mais

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70

A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 A CULTURA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO NA DÉCADA DE 70 JUNIOR, Carlos de Faria 1 FERNANDES, Priscila Mendonça 2 Palavras-Chave: Indústria Cultural. Regime Militar. Telenovelas. Introdução O projeto consiste

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO

A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO INTRODUÇÃO V SIMPÓSIO REGIONAL DE FORMACAO PROFISSIONAL 1 E XXI A POLÍTICA DE EDUCAÇÃO NO BRASIL: DA DITADURA MILITAR AO PROCESSO DE REDEMOCRATIZAÇÃO Ana Carolina de Paula 1 Carla Thomaz Januário 2 Solange da Cruz

Leia mais

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations

POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations POLÍCIA E POLÍTICA: RELAÇÕES ESTADOS UNIDOS/AMÉRICA LATINA Police and Politics: the United States/Latin America relations Andréa Roloff Lopes * HUGGINS, Martha K. Polícia e Política: relações Estados Unidos/América

Leia mais

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia.

9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. 9. Análise da conjuntura política brasileira pré-anistia. Entrevista concedida a João Pedro StediJe, no México, para o jornal Em Tempo. Julho de 1978. Rui Mauro Marini, sociólogo e economista brasileiro,

Leia mais

Capítulo. A ditadura militar no Brasil

Capítulo. A ditadura militar no Brasil Capítulo A ditadura militar no Brasil ARQUIVO/O GLOBO 1 Do golpe militar ao AI-5 O golpe militar de 1964 João Goulart é derrubado pelos militares, em 31 de março de 1964, por meio de um golpe, apoiado

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13

Nota à 14 a Edição... 11 Introdução... 13 sumário Nota à 14 a Edição................................................ 11 Introdução..................................................... 13 1. As Causas da Expansão Marítima e a Chegada dos Portugueses

Leia mais

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA

FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA FUNDAÇÃO JOÃO MANGABEIRA ESCOLA MIGUEL ARRAES A Fundação João Mangabeira é organizada em vários setores como História Viva para abrigar e documentar a vida do PSB, o setor de promoção de eventos e seminários,

Leia mais

ECONOMIA E POLÍTICA: REFLEXÕES SOBRE OS GOVERNOS VARGAS, JK E JOÃO GOULART 1

ECONOMIA E POLÍTICA: REFLEXÕES SOBRE OS GOVERNOS VARGAS, JK E JOÃO GOULART 1 ECONOMIA E POLÍTICA: REFLEXÕES SOBRE OS GOVERNOS VARGAS, JK E JOÃO GOULART 1 Introdução Fernanda Melchionna e Silva Marcus Vinicius Martins Vianna 2 O artigo pretende discutir as características gerais

Leia mais

Acerca da Luta Armada

Acerca da Luta Armada VALOR E VIOLÊNCIA Acerca da Luta Armada Conferência Pronunciada no Anfiteatro de História da USP em 2011 Wilson do Nascimento Barbosa Professor Titular de História Econômica na USP Boa noite! Direi em

Leia mais

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural

O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural O Sindicato de trabalhadores rurais de Ubatã e sua contribuição para a defesa dos interesses da classe trabalhadora rural Marcos Santos Figueiredo* Introdução A presença dos sindicatos de trabalhadores

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana

DÉCADA DE 70. Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana Eventos marcantes: Guerra do Vietnã Watergate Crise do Petróleo Revolução Iraniana GUERRA DO VIETNÃ Após o fim da Guerra da Indochina (1954), Vietnã é dividido na altura do paralelo 17: Norte: república

Leia mais

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0)

CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA. 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) CP/ECEME/2007 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO HISTÓRIA 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) O mundo que se esfacelou no fim da década de 1980 foi o mundo formado pelo impacto da Revolução Russa de

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

50 anos depois, ainda vivemos o horror

50 anos depois, ainda vivemos o horror Especial 50 anos do golpe 50 anos depois, ainda vivemos o horror Tratar o passado de violações é constatar que o presente está marcado pela continuidade das violências por João Ricardo W. Dornelles publicado

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

Documento aprovado na Conferência Estadual do Maranhão em 2011

Documento aprovado na Conferência Estadual do Maranhão em 2011 Documento aprovado na Conferência Estadual do Maranhão em 2011 Impulsionar o governo Dilma a aproveitar a janela de oportunidade aberta pela crise para fazer avançar o Projeto Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político

ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político ONGs republicanas e democráticas em um novo cenário político Silvio Caccia Bava Silvio Caccia Bava é sociólogo, coordenador executivo do Instituto Pólis e membro do Conselho Nacional de Segurança Alimentar

Leia mais

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013

AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA. Abril/2013 AS ELEIÇÕES DE 2014 E SUAS IMPLICAÇÕES PARA A POLÍTICA ECONÔMICA Abril/2013 Cenário Político 2 A conjuntura política brasileira aponta uma antecipação dos debates em torno da eleição presidencial de 2014,

Leia mais

Sumário. A Doutrina de Segurança Nacional entre a Sorbonne e a linha dura... 84 Castelo Branco: o caráter de classe da ditadura...

Sumário. A Doutrina de Segurança Nacional entre a Sorbonne e a linha dura... 84 Castelo Branco: o caráter de classe da ditadura... 9 Sumário Apresentação... 13 Milton Temer Nota prévia... 17 Capítulo 1 De João Goulart ao golpe do 1º de abril de 1964... 23 O golpe branco de 1961... 27 A guerra fria e os EUA diante do governo Jango...

Leia mais

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR

ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR ATIVIDADES ON LINE 9º ANO DITADURA MILITAR 1-"O movimento de 31 de março de 1964 tinha sido lançado aparentemente para livrar o país da corrupção e do comunismo e para restaurar a democracia, mas o novo

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano I n. 1 julho / setembro, 2008

1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano I n. 1 julho / setembro, 2008 1 Revista LIBERDADE e CIDADANIA Ano I n. 1 julho / setembro, 2008 RESNHA Bolivar Lamounier Da Independência a Lula: dois séculos de política brasileira Antonio Paim* São Paulo, Augurium Editora, 2005 Como

Leia mais

Governo Provisório ( 1930/1934 ).

Governo Provisório ( 1930/1934 ). Aula 20 Era Vargas (1930/45) A chamada Era Vargas está dividida em três momentos: Governo Provisório, Governo Constitucional e Estado Novo. O período inaugurou um novo tipo de Estado, denominado Estado

Leia mais

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética

Escola de Formação Política Miguel Arraes. Módulo I História da Formação Política Brasileira. Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética LINHA DO TEMPO Módulo I História da Formação Política Brasileira Aula 2 A História do Brasil numa dimensão ética SEC XV SEC XVIII 1492 A chegada dos espanhóis na América Brasil Colônia (1500-1822) 1500

Leia mais

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL

O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL O SINDICALISMO RURAL NO BRASIL (...) Colocamos-nos, nesse momento, diante do desafio de trazer ao debate questões que se inserem nas reflexões em torno do enraizamento histórico do sindicalismo rural no

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel História 9 ano Ditadura Militar 1 Leia com a tençao, o depoimento do general bandeira a respeito da participaçao dos militares na politica brasileira: no movimento de 1964, a ideologia politica foi puramente

Leia mais

BRASIL. 50 anos do Golpe de 1964. Profº Enrique Serra Padrós

BRASIL. 50 anos do Golpe de 1964. Profº Enrique Serra Padrós BRASIL 50 anos do Golpe de 1964 Profº Enrique Serra Padrós O contexto anterior ao Golpe GETÚLIO VARGAS - Projeto nacionalista - Suicídio em 1954 (24/08) JUSCELINO KUBITSCHEK GOVERNO JK Desenvolvimento

Leia mais

A dinâmica da fragmentação da esquerda brasileira nos anos de 1960: da POLOP à COLINA

A dinâmica da fragmentação da esquerda brasileira nos anos de 1960: da POLOP à COLINA Anais do IV Simpósio Lutas Sociais na América Latina ISSN: 2177-9503 Imperialismo, nacionalismo e militarismo no Século XXI 14 a 17 de setembro de 2010, Londrina, UEL GT 6. Socialismo no Século XXI e problemas

Leia mais

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação

REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO. Ministério da Informação REPÚBLICA ÁRABE SÍRIA MINISTÉRIO DA INFORMAÇÃO O Ministério da Informação da República Árabe Síria expressa seus protestos de alta estima e consideração a Vossa Excelência e anexa ao presente texto a Declaração

Leia mais