O COFRE DO ADHEMAR. A iniciação política de Dilma Rousseff e outros segredos da luta armada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O COFRE DO ADHEMAR. A iniciação política de Dilma Rousseff e outros segredos da luta armada"

Transcrição

1 O COFRE DO ADHEMAR A iniciação política de Dilma Rousseff e outros segredos da luta armada

2 Na revolução ninguém se perde, todos se transformam.

3 Introdução No auge da Guerra Fria, o mundo se dividia em dois: os capitalistas cuja bandeira era carregada com alarde pelos Estados Unidos, e os comunistas, liderados por russos, chineses e, na América Latina, pelos cubanos. Na década de 1960, o Brasil também estava irremediavelmente dividido 1 entre essas duas correntes ideológicas: por um lado, os Estados Unidos ajudavam a criar em nosso país instituições como a Escola Superior de Guerra (ESG), que tinha por objetivo preparar civis e militares para desempenhar funções executivas nos órgãos de política de Segurança Nacional. Entre 1948 e 1960, uma equipe de militares norte-americanos esteve no Brasil para ajudar na formação da ESG a pedido da Força Expedicionária Brasileira 2, bem como do Ipes (Instituto de Pesquisas e Estudos Sociais), coordenado pelo então coronel Golbery do Couto e Silva. Por outro: Em 1961, manobrando pelo flanco esquerdo do PCB, Fidel hospedara em Havana o deputado Francisco Julião. Antes desse encontro, com olhar e cabeleira de profeta desarmado, Julião propunha uma reforma agrária convencional. Na volta de Cuba, defendia uma alternativa socialista, carregava o slogan Reforma agrária na lei ou na marra e acreditava na guerrilha como caminho para se chegar a ela. Julião e Júlio Prestes estiveram simultaneamente em Havana, no ano de Foram recebidos em separado por Castro. Um já enviara 12 militantes para um breve curso de capacitação militar e estava pronto para fazer a revolução. Durante uma viagem a Moscou, teria pedido mil submetralhadoras aos russos. O outro acabara de voltar da União Soviética. 3 Em 25 de agosto de 1961, Jânio Quadros renunciou à presidência. Embora a constituição fosse clara assumiria o vice em caso de renúncia do presidente, os ministros militares se opuseram à posse de João Goulart, o Jango que se encontrava em viagem diplomática na China, pois viam nele 7 1 Gregori, José. Os sonhos que alimentam a vida. São Paulo, Jaboticaba, Almeida, Maria Fernanda Lopes. Veja sob censura ( ). São Paulo, Jaboticaba, Gaspari, Elio. A ditadura envergonhada. São Paulo, Companhia das Letras, 2002.

4 8 uma ameaça ao país por seus vínculos com políticos do Partido Comunista Brasileiro (PCB) e do Partido Socialista Brasileiro (PSB). O cunhado de Jango e governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, correu em sua defesa e começou, então, a Campanha da Legalidade. Depois de extensa campanha, e sem sinal de retrocesso por parte dos militares, o Congresso propôs uma conciliação. Jango, que aguardava o desenrolar da crise em Montevidéu, no Uruguai, voltaria ao Brasil como presidente, porém o governo adotaria um modelo parlamentarista, no qual parte do Poder Executivo se deslocaria para um primeiro-ministro. Esse modelo de governo durou até janeiro de 1963, quando, em plebiscito, o povo votou pela volta do presidencialismo, com quase dez milhões de votos. O Brasil da época era um país de sérios contrastes. Enquanto seu Produto Interno Bruto (PIB) crescia a impressionantes 6% ao ano, sua infraestrutura era precária. As medidas propostas pelo presidente João Goulart eram, entre outras, as reformas agrária, da educação, tributária e do sistema de habitação. Além disso, Jango propunha que, em nome da independência econômica brasileira, se atacasse o FMI e o Banco Mundial. À época, essas medidas eram vistas como comunistas. Não era de espantar, portanto, o descontentamento dos setores conservadores da sociedade notadamente o alto escalão das Forças Armadas, o alto clero da Igreja Católica e algumas organizações da sociedade civil, apoiados fortemente pelos Estados Unidos, que temiam a transformação do Brasil em uma ditadura socialista similar à praticada em Cuba. Um dos estopins do golpe militar foi a Revolta dos Marinheiros, de 25 de março de 1964: uma assembleia de mais de dois mil marinheiros, realizada no prédio do Sindicato dos Metalúrgicos, no Rio de Janeiro. Os marinheiros exigiam melhores condições de trabalho e pediam apoio às reformas políticas de base propostas pelo presidente João Goulart. O então ministro da Marinha, Sílvio Motta, ordenou a prisão dos líderes do movimento, enviando um destacamento de fuzileiros navais, comandado pelo contra-almirante Cândido Aragão. Os fuzileiros, porém, juntaram-se ao movimento. No dia seguinte, 26 de março, o ministro do Trabalho, Amauri Silva, negociou um acordo. Logo em seguida, os líderes do movimento foram presos por militares, sob a acusação de motim. Horas depois, porém, o presidente anistiou os amotinados. 4 Para as Forças Armadas, aquela anistia representava uma subversão em dois de seus fundamentos: hierarquia e disciplina. Alguns militares afir- 4 Lamarão, Sérgio. A revolta dos marinheiros. FGV CPDOC < AConjunturaRadicalizacao/A_revolta_dos_ marinheiros>.

5 mam que se Goulart tivesse dado sinais claros de que não compactuaria com a quebra desses fundamentos, suas chances de continuar no governo seriam maiores e a correlação de forças não se definiria em favor dos golpistas. O golpe resultou de ações dispersas e isoladas, embaladas pelo clima de inquietação e incerteza que invadiu a corporação militar: em especial após o episódio da Revolta dos Marinheiros e o anúncio feito por Jango no Automóvel Clube defendendo a sindicalização de soldados e praças graduados. 5 Entre a madrugada do 31 de março e o 1º de abril de 1964, deu-se a renúncia do presidente e a tomada de poder dos militares. Em São Paulo, o governador Adhemar de Barros, numa entrevista extraordinária pela televisão, afirmou que o comandante do II Exército, general Amaury Kruel, que mobilizou as tropas do II Exército para a sublevação militar e o sítio ao Estado da Guanabara, estava do lado da legalidade. Isto é, o governador de São Paulo havia aderido aos golpistas. Na manhã do 1º de abril soube-se que o Forte de Copacabana havia sido tomado pelo general Montanha, ao que se contava, sem disparar um único tiro, apenas com um empurrão na sentinela. 6 A maioria dos jornais de expressão nacional, à exceção do Última Hora de Samuel Wainer, apoiou o golpe. A intenção de grande parte dos aliados civis, dos políticos e da imprensa, com relação ao golpe, era a implantação de um governo de transição que aniquilasse politicamente Goulart para em seguida devolver o poder aos políticos mais confiáveis. 7 Mas não foi isso o que aconteceu. O que vimos foi o estabelecimento de um governo autoritário, com cassações de mandatos parlamentares, expurgos de sindicalistas e prisões arbitrárias, que teve seu apogeu na decretação do famigerado AI-5, numa sexta-feira, 13 de dezembro de 1968, com o qual o governo assumiria de uma vez por todas sua face ditatorial. Além de outras coisas, o Ato Institucional nº 5 oficializava a censura, suspendia a garantia de habeas corpus em todos os casos de crimes contra a Segurança Nacional e conferia ao Executivo o direito de suspender os direitos políticos e de cassar os mandatos eleitorais de membros dos poderes Legislativo e Executivo nos níveis federal, estadual e municipal, além de o presidente poder fechar o Congresso por tempo indeterminado. Não era apenas a clara postura ditatorial o que incomodava, mas também a questão do tempo indeterminado. Ou seja, o governo militar de caráter provisório havia se tornado permanente Almeida, Maria Fernanda Lopes. Op. cit. 6 Gregori, José. Op. cit. 7 Duarte, Celina Rabelo. Imprensa e redemocratização no Brasil: um estudo de duas conjunturas, Dissertação de Mestrado. São Paulo: PUC, 1978, p. 29. Apud Almeida, Maria Fernanda Lopes. Op. cit. 8 Almeida, Maria Fernanda Lopes. Op. cit.

6 10 Para se manter no governo, os militares criaram um know-how para detecção dos supostos inimigos internos da nação, que passaram a ser vistos em todos os setores da sociedade. Uma das doutrinas ensinadas na Escola Superior de Guerra era a teoria da guerra interna, que considerava inimigos os habitantes do próprio país. Quem contestasse o regime era um inimigo e deveria ser combatido. A ameaça vinha principalmente de intelectuais, estudantes, professores de esquerda e de setores do clero e sindicatos de trabalhadores. 9 Quanto maior a repressão, maior a vontade de derrubar a ditadura. Os intelectuais se uniram aos sindicalistas e, por fim, a militares dissidentes para formar as chamadas vanguardas. Havia alguns adultos, mas em sua maioria eram jovens de 16, 18, vinte anos, que acreditavam, a exemplo das recentes revoluções cubana e argelina, que só se conseguiria tirar os militares do governo por meio da luta armada. O treinamento de guerrilheiros era feito ou em Cuba ou pelos próprios militares dissidentes. O grande desafio era obter armas e dinheiro ( numerário ), que eles conseguiam por meio de assaltos ( expropriações ). Todos andavam armados e se conheciam por nomes de guerra. Caso um fosse preso ( caísse ), não poderia entregar os outros, por não saber seus verdadeiros nomes. Eles se comunicavam por meio de encontros predeterminados ( pontos ) ao longo do dia. Caso seus nomes ainda não constassem da lista de procurados, viviam vidas duplas, cumprindo suas responsabilidades normais além daquelas da organização à qual se juntaram. Quando seus nomes entravam na lista, iam para a clandestinidade. Passavam a morar em apartamentos alugados pela organização ( aparelhos ) e a receber um salário mínimo. As expropriações de bancos muitas vezes rendiam pouquíssimo. A falta de numerário obrigava-os a gastar a maior parte de seu tempo elaborando golpes e expropriações, ao invés de organizar a revolução propriamente dita. Até que um dia, um jovem de nome Gustavo Benchimol procurou um dos líderes da organização Colina (Comando de Libertação Nacional), Juarez de Brito, também conhecido como Juvenal. Gustavo contou que morava na casa de sua tia, Ana Capriglione, braço direito e amante do ex-governador de São Paulo, Adhemar de Barros cujo slogan de campanha não assumido (inventado por um de seus adversários, mas que acabou por alavancar seus votos) era Rouba mas faz. Acusado de corrupção 10 em diversas ocasiões, foi por fim cassado pelo regime militar em Segundo Gustavo, o ex-governador, que acabara de falecer no exílio, na França, teria deixado, além da fortuna de família, uma herança clandes- 9 Almeida, Maria Fernanda Lopes. Op. cit. 10 Ver apêndice V O algoz do Adhemar, pgs

7 tina fruto de suas negociatas no governo estimada em US$ 25 milhões. Esse dinheiro estava guardado em dez cofres distribuídos pela cidade do Rio de Janeiro 11. Desses dez cofres, sabia-se que um estava num apartamento em Copacabana, e o outro na casa de Ana Capriglione, em Santa Teresa. O roubo de um desses cofres renderia uma fortuna suficiente para sustentar a revolução. Mas Juarez sabia que a Colina não tinha estrutura suficiente para levar adiante a ação. Foi quando entrou em contato com a VPR, outra organização, que tinha entre seus dirigentes o ilustre Carlos Lamarca Os outros oito cofres não foram mapeados, apenas os de Santa Teresa e Copacabana. Gustavo Benchimol disse que eram dez, mas ele só sabia onde estavam dois.

8 1ª Parte VAR-Palmares

9 Como empunhei o primeiro 38 Narrado por ANTONIO ROBERTO ESPINOSA 1968 U m dia, o João Quartim de Moraes, que era meu professor de Filosofia da Universidade de São Paulo e coordenador do setor urbano da VPR, me chamou e disse: Estamos precisando formar um grupo armado no setor urbano, capaz inclusive de fazer ações de numerário e recursos bélicos, para a requisição de fundos e meios para a revolução. Acredito que você possa comandar esse grupo armado; vou te colocar em contato com o pessoal do Logístico. A nova tarefa me emocionou. Eu acompanhava de longe as primeiras ações da nossa organização, vibrando de alegria com cada uma delas: requisição de fundos de bancos, ataques com bombas a símbolos do imperialismo. Ser incumbido de participar delas seria uma honra, como ir para as trincheiras da vanguarda durante uma guerra. Adrenalina pura. Um convite desses faz você imaginar que o sol amanhecia com a função de iluminar o seu dia e dar clareza à rapidez da história. A vida passaria a ter outro sabor. Embora qualquer função fosse importante para o avanço da revolução, participar de um grupo armado, para mim, seria estar no ponto exato em que as coisas se decidiam. O pessoal do Logístico fazia ações há muito tempo, com grande eficiência. A primeira ação do Banespa, na rua Iguatemi, e uma das explosões no jornal O Estado de S. Paulo, por exemplo, haviam sido feitas por eles. A partir disso, passei a me encontrar também com o pessoal da pesada, vamos chamar assim. Tornei-me amigo imediatamente do Diógenes José de Carvalho, o Luiz, e do ex-marinheiro Cláudio de Souza Ribeiro, então Sílvio, depois Matos. O Maciel, operário do ABC, e o João Domingues da Silva, açougueiro e estudante de Osasco, meu amigo, que nessa época se chamava Elias, foram os primeiros recrutados para a minha base. Logo no primeiro encontro o Luís e a Dulce Maia, que então se chamava Judite, me perguntaram se eu dirigia. 15

10 16 Dirijo. Nós precisamos fazer uma ação para ir buscar alguns carros. Você topa? Como não? Claro que sim, vamos. Só que eu nunca fiz. Eu explico como que você deve fazer. Saímos em três num carro. Acho que o terceiro era o Pedro Lobo, ex-sargento da Polícia Militar, cassado em 1964 e sempre cem por cento disponível, mas pode ter sido o Yoshitane Fujimori, um japa que dava a maior confiança nos companheiros de ação. Na primeira vez eu dirigi o nosso carro, um Fusquinha azul em ponto de bala, emprestado pela Judite. Assim que vimos um carro que servia, um Aero Willys quatro portas adequado para ações bancárias e que estava em condições de ser levado com facilidade, pois o motorista ia colocá-lo na garagem ou estava distraído conversando com alguém, eu manobrei nosso carro para evitar a identificação da placa, entrando na primeira rua e estacionei imediatamente. Os companheiros desceram e tomaram emprestado o carro do cidadão distraído. A surpresa nesses casos era fundamental: para ter sucesso era preciso chegar de mansinho, como gato, e falar de maneira firme e clara, não deixando margem a dúvidas. Disso dependia o sucesso de qualquer operação, pois a pessoa só reage quando não consegue entender a situação ou nossa hesitação faz com que imagine que pode ter uma chance. Quando eles passaram com o Aero Willys em alta velocidade, eu também arranquei, indo para o ponto de encontro, onde confirmaríamos se estava tudo certo e eu devolveria o Fusquinha à Judite. Na segunda vez eu já peguei a arma, um Taurus calibre 38. E fui aprendendo outros macetes. A primeira coisa a fazer depois de tomar posse de um carro era inutilizar sua placa de identificação. No lugar a gente colocava uma placa qualquer, que fora tirada de outro veículo. O carro nunca circulava com a placa original. Era uma forma de confundir a polícia. Enquanto ela procurava um Aero Willys vermelho placa 2012, a gente passava com uma placa Por isso, é claro que tínhamos um grande volume de placas. Essa era uma forma de treinar futuros combatentes: estudantes aprendiam os segredos da luta armada saindo à noite e pegando as placas da frente e de trás de carros. Com fita isolante, muitas vezes, nós também alterávamos um ou dois números da placa. Se considerarmos que na época não havia internet, celular, e o sistema de rádio das viaturas policiais era amador, nossas técnicas de despistamento eram bastante eficientes. Só não podíamos baixar a guarda ou sermos displicentes. Para não sermos confundidos com ladrões, e para dar maior segurança aos proprietários dos carros que requisitávamos, passamos a dialogar com os

11 motoristas depois de dominá-los e a enviar cartas àqueles que esqueciam seus documentos no veículo. Essa ideia me ocorreu depois que, juntamente com o Elias, surpreendemos um casal que namorava no interior de um carro atrás do Clube Pinheiros. Acho que foi em julho ou agosto de 1968, a rua era escura e estava uma noite muito fria. O casalzinho ficou apavorado e o rapaz começou a dizer que o carro pertencia ao pai. Disse-lhe para se acalmar e ter paciência porque se tratava somente de um empréstimo e que o carro seria devolvido inteiro. Depois que arrancamos, a gente se deu conta de que, apesar do frio, a garota havia esquecido uma malha e que, no banco de trás, havia uma caixa cheia de salgadinhos. Coitada disse o João, vai ficar com frio, a pé e com fome! O que eles vão explicar em casa? Como a garota vai justificar a falta da blusa? pensei. A revolução exige sacrifícios também daqueles que ainda não estão conscientes dela. Se fôssemos ter uma crise de consciência a cada vez, não faríamos nada... Os carros que pegávamos passavam sempre por uma rigorosa revisão do sistema de freios, troca de pneus carecas e eram abastecidos. Isso evitava surpresas em momentos de dificuldade. Eu e o Elias, a partir do caso do casal do Clube Pinheiros, bolamos a tática de enviar cartas para os proprietários expropriados. A primeira aconselhava-o a dar queixa na polícia, para que não viesse a ser responsabilizado por nossos atos, e informava que seu automóvel seria devolvido. A segunda era enviada depois de usar o carro em alguma ação. Era uma carta de agradecimento mais ou menos assim: Olha, o seu carro foi requisitado para uma ação revolucionária, e depois foi deixado na rua tal. Quando ele foi apreendido, estava com tais e tais problemas, que foram devidamente consertados e solicitamos que você fique atento, porque o rádio marca tal continua nele. Se por acaso desaparecerem esses equipamentos, a culpa é da corrupção policial. Você é credor da revolução, nós lhe pedimos desculpas pela maneira como tivemos que agir. Guarde essa carta para nos apresentar depois da vitória. Até a vitória. Pátria livre e socialista ou a morte com dignidade. 17

12 UM ANO DEPOIS...

13 1 Ponto na Lua 18 de julho de 1969 O dia a dia de Sônia Lafoz era cobrir ponto. Ponto de manhã, ponto à tarde. Ponto para dizer que estava tudo bem, ninguém caiu; ponto para passar algum documento. Sônia ficava muito tempo dentro do aparelho, lendo. Ou então saía para fazer levantamento de ação, mulher fazia muito isso. Era mais fácil para uma mulher, bonita melhor ainda, entrar num banco e alegar cansaço: Dá licença, posso me sentar, moço? Estou passando mal. Já viu homem passando mal? Pedindo um copo d água dentro do estabelecimento bancário? Ninguém cairia nessa história. Mulher podia. Ajeitava-se num banquinho qualquer e, despreocupada, podia observar tudo o que interessasse. Quantos caixas são, onde fica o gerente, onde fica o cofre, o horário de maior movimento, as portas de entrada e saída, todo o croqui interno. Ao cinema, Sônia ia muito pouco, nem haveria tempo de pegar uma tela. Pena, havia ótimas opções em cartaz: 2001, uma odisseia no espaço, obraprima de Stanley Kubrick; A primeira noite de um homem, com o estreante Dustin Hoffman; comédias do tipo pastelão havia duas: Deu a louca no mundo e Um convidado bem trapalhão, com o impagável Peter Sellers, o maior comediante do momento; o italiano e romântico Dio come ti amo; e a pornochanchada brasileira As libertinas. Olhou dentro do bule. Não havia sobrado café da vigília anterior. Apanhou o que restava do pó de café no armário Caboclo, extraforte, abrindo e fechando com muito cuidado a porta, já quase caindo. O açucareiro, para variar, estava cheio de formiga. 21

14 22 Que nojo, pensou. Não queria formigas no seu café. Fazendo movimentos rápidos de esgrima, tentava apanhar com a colherinha apenas os cristais de açúcar, sem as intrusas. Abriu a geladeira para ver se havia alguma coisa para passar no pão dormido. Não valia a pena ir até a padaria. Uma, que do ponto de vista da segurança, quanto menos saísse da casa, melhor. Era uma forasteira na cidade, transferida por seu comando de São Paulo para o Rio de Janeiro. Acendeu o fogo, colocou em cima da chama a leiteira branca. Se o leite não subir, é porque coalhou, pensou. Tanto no Brasil quanto na Argélia onde ela nasceu funcionava assim. Ou ferve ou já era. Ferveu. Lembrou-se que ferve em espanhol podia ser hierve e então o rosto de seu pai, o camarada Lafoz, combatente contra Franco, apareceu instantaneamente, como uma projeção na parede branca bastante trincada. O melhor jeito de comer pão dormido é o dela: embebido no café com leite. Sônia não era igual às outras garotas de 22 anos, que causam frisson ao passar na rua e muitas vezes ouvem de homens mais desinibidos um assobio insolente. Ela era uma garota que, por exemplo, sabia atirar, e bem. Não por ter aprendido com seu pai, não por ter praticado desde a infância, não; tinha uma boa pontaria, apesar de ter começado a praticar há pouco tempo. Onde? Ela não sabia. Como saber, se era levada ao campo de treinamento de olhos totalmente vendados, em meio a um rígido esquema de segurança? Talvez na Barra da Tijuca, onde não morava ninguém, algumas vezes; outras, em São Paulo. Quem era o professor? Lamarca? Ela também não sabia. Talvez tenha sido mesmo ele, mas ela não conhecia nenhum Lamarca, conhecia João. Por mais que João fosse a cara do Lamarca, Sônia jamais perguntaria a ele: Você é o Lamarca?. E se perguntasse ele não responderia. O instrutor de Sônia, João, portanto, transformou-a na melhor atiradora de toda a esquerda brasileira. Antes de checar o equipamento cujo uso se faria necessário em poucas horas, ela abriu o jornal e leu a manchete do dia: APOLO 11 ENTRA EM ÓRBITA LUNAR AMANHÃ Ainda faltava algum tempo para Reinaldo apanhá-la como estava combinado, o suficiente para ler a notícia mais importante do dia: Cabo Kennedy, 17 (AFP, AP, UPI) Os astronautas Armstrong, Buzz e Collins hoje acordaram cedo, tomaram café da manhã e revisaram a

15 nave. Depois almoçaram e no fim da tarde tiveram um problema com a água potável. A notícia boa para o Brasil é que está praticamente acertada a transmissão, pela televisão, da descida na Lua. Como será fazer ponto na Lua? Todos flutuando..., pensou. Decidiu, ao afastar as páginas para tomar café, que levaria na sua missão uma Winchester 44 e uma granada. Ela não tinha nenhuma preferência específica por qualquer tipo de arma. Isso dependia muito de qual papel lhe era atribuído durante uma ação. Exemplo: se fosse cobertura, a preferência era por armas longas, tipo fuzil. Se a ação exigia proximidade, o melhor era arma curta, 38 ou 9 mm (melhor ainda a automática). Metralhadora era mais usada em caso de ação na rua, para intimidar com mais ênfase. Ela não gostava muito da metralhadora, principalmente a INA, porque dava coices fortes e o cano fervia. Não era um dia igual aos outros para Sônia. Ninguém fica muito tranquilo numa ação, mas a gente se preparava pra isso e ia. Eu não rezava, porque sou ateia. Sônia não conhecia muitos detalhes. Nem queria conhecer. Não mais que o essencial: os horários, e o que tinha que fazer. Não perguntava muito, já que não queria respostas. E, com certeza, não tinha ideia de que essa ação iria mudar sua vida e a de seus companheiros. Continuou lendo jornal, enquanto a hora H se aproximava. 23 HAYLEY MILLS QUER VIVER SÓ O PRESENTE Hayley Mills senta-se, mexendo com uma colher uma mistura de mel, germe de trigo e iogurte; ela parece bastante jovem, mas dificilmente dá a impressão de estar sentindo falta de carinho e proteção. Em abril comemora seus 23 anos e, brevemente, fará dois anos que o seu caso de amor com o produtor-diretor de 55 anos, Roy Boulting, sacudia uma sociedade pertinaz em preferir casamentos entre pessoas mais ou menos na mesma idade. Seja como for, lá estava Hayley Mills almoçando em seu camarim nos estúdios onde filma Take a girl like you. Numa porta ao lado, 18 rosas de haste longa, um presente de Roy. Pela primeira vez me sinto livre para ser o que sou. É uma coisa maravilhosa encontrar alguém, não é? Sônia também pensava só no presente. Sônia também gostava de alguém. E se sentia livre para ser o que era. Mas jamais ganhou de seu amor

16 18 rosas de haste longa. Nem esperava ganhar. Ainda que ele estivesse perto de onde ela estava, não podiam sair juntos de mãos dadas como qualquer casal de namorados. 24 R einaldo José de Melo encostou o Aero Willys perto da hora do almoço. Sônia, que vigiava da janela, saiu em poucos segundos e entrou. Tudo bem? Tudo respondeu mecanicamente, engatando a primeira. Rodaram alguns minutos até o Largo da Glória. Mais uma parada. Em frente à banca de jornal. O ex-sargento Darcy Rodrigues, amigo de Lamarca, uns dez anos mais velho que Sônia, entrou pela porta traseira. Gostei da pontualidade observou Darcy. Se fossem supersticiosos, teriam todos os motivos para ficarem grilados. Seis dias atrás, eles três, os mesmos três, quase haviam caído numa incursão ao Banco Aliança. Foi um desastre lembra Darcy, que comandou a ação do lado de fora. Em 99% dos casos não havia erro: era invadir a agência, e então, diante das metralhadoras apontadas, todos ficavam paralisados. Petrificados. Viravam estátuas. Tudo acontecia rapidamente, a surpresa inibia qualquer reação. E depois tinha a regra número dois: invadir o espaço com superioridade de fogo. Ninguém atacava com dois ou três gatos pingados. Entravam seis ou sete de uma vez. Além disso, na porta do banco, outro carro, com dois militantes bem armados, ficava de butuca. O carro da cobertura. Dessa vez quase deu zebra. No interior do banco tudo correu bem. Mas lá fora nem tanto. O carro dos militantes arrancou cantando pneu, sem perda de tempo. Ainda assim foi seguido pela segurança do banco. Por sorte o carro da cobertura se colocou entre o carro da ação e o carro da perseguição. E abriu caminho a bala. Fernando Ruivo quebrou o vidro traseiro do carro para atirar mais facilmente nos perseguidores. Se acreditassem em bruxas, em assombração, poderiam pensar: Será que um de nós é o pé-frio? Será que não devemos nos benzer, nos enfiar num banho de sal grosso?. Mas marxistas são, por definição, ateus. Acreditam no aqui e agora. Não em Deus, não em superstições, não em histórias do outro mundo. Darcy consultou o relógio acertado, como os demais, pelo horário Telesp. Dez minutos para chegar. Dentro do horário.

17 Vamos mostrar a força dos paulistas! propôs Darcy. Conosco ninguém podosco completou Sônia, repetindo um trocadilho popular, e todos riram. Pelo menos abrir o portão nós sabemos disse Darcy, rindo de novo. Não tripudia devolveu o carioca Reinaldo, sem tirar os olhos do para-brisa. Tripudiar, não, mas me diz se é verdade ou não é: Juarez e seus companheiros da Colina não tinham tentado fazer uma vez o que vamos fazer daqui a pouco e fracassaram porque não conseguiram abrir o portão lateral? Pois então. Nós ainda não conseguimos nada. Mas conseguiremos. 25

Período Democrático e o Golpe de 64

Período Democrático e o Golpe de 64 Período Democrático e o Golpe de 64 GUERRA FRIA (1945 1990) Estados Unidos X União Soviética Capitalismo X Socialismo Governo de Eurico Gaspar Dutra (1946 1950) Período do início da Guerra Fria Rompimento

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos.

Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. NO CARRO Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando

Leia mais

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos

LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos Lição 3: Alegria LIÇÃO 8 MANSIDÃO: Agir com mansidão com todos RESUMO BÍBLICO Gálatas 5:23; Gálatas 6:1; 2 Timóteo 2:25; Tito 3; 1 Pedro 3:16 Como seres humanos estamos sempre à mercê de situações sobre

Leia mais

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011

Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Por Daniel Favero (*) - 02 Nov 2011 Diferentemente do que se imagina, Dilma Rousseff não participou do maior roubo praticado por organizações de esquerda para financiar a luta armada contra a ditadura

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL

MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL MINHA HISTÓRIA NO NOVOTEL Lembro-me que haviam me convocado para uma entrevista de trabalho no NOVOTEL. Lembro-me de estar ansioso e ter passado a noite anterior preparando a minha entrevista. Como iria

Leia mais

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1

LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 LOURENÇO LOURINHO PRACIANO 1 TESOUREIRO 41 ANOS DE TRABALHO Empresa Horizonte Nascido em Itapipoca, Ceará Idade: 76 anos Esposa: Maria Pinto de Oliveira Praciano Filhos: Lucineide Eu entrei na Empresa

Leia mais

Qual o Sentido do Natal?

Qual o Sentido do Natal? Qual o Sentido do Natal? Por Sulamita Ricardo Personagens: José- Maria- Rei1- Rei2- Rei3- Pastor 1- Pastor 2- Pastor 3-1ª Cena Uma música de natal toca Os personagens entram. Primeiro entram José e Maria

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões

8 Passos para o Recrutamento Eficaz. Por Tiago Simões 8 Passos para o Recrutamento Eficaz Por Tiago Simões Uma das coisas que aprendi na indústria de marketing de rede é que se você não tem um sistema de trabalho que comprovadamente funcione, muito provavelmente

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA

INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA INT. BIBLIOTECA (1960) - DIANTE DO BALCãO DA BIBLIOTECáRIA Carolina e, acompanhados de, estão na biblioteca, no mesmo lugar em que o segundo episódio se encerrou.os jovens estão atrás do balcão da biblioteca,

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO.

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. Roteiro de Telenovela Brasileira Central de Produção CAPÍTULO 007 O BEM OU O MAL? Uma novela de MHS. PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO. AGENOR ALBERTO FERNANDO GABRIELE JORGE MARIA CLARA MARIA CAMILLA MARÍLIA

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM

Roteiro para curta-metragem. Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM Roteiro para curta-metragem Aparecida dos Santos Gomes 6º ano Escola Municipalizada Paineira NÃO ERA ASSIM SINOPSE José é viciado em drogas tornando sua mãe infeliz. O vício torna José violento, até que

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE.

OS 4 PASSOS ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM HIGHSTAKESLIFESTYLE. OS 4 PASSOS PARA VOCÊ COMEÇAR A VIVER EM ALTA PERFORMANCE A PARTIR DE AGORA HIGHSTAKESLIFESTYLE. Hey :) Gabriel Goffi aqui. Criei esse PDF para você que assistiu e gostou do vídeo ter sempre por perto

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A

O LIVRO SOLIDÁRIO. Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A O LIVRO SOLIDÁRIO Texto: Letícia Soares Ilustração: Hildegardis Bunda Turma 9º A 1 Era uma vez um rapaz que se chamava Mau-Duar, que vivia com os pais numa aldeia isolada no Distrito de Viqueque, que fica

Leia mais

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1

JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 1 JOSÉ DE SOUZA CASTRO 1 ENTREGADOR DE CARGAS 32 ANOS DE TRABALHO Transportadora Fácil Idade: 53 anos, nascido em Quixadá, Ceará Esposa: Raimunda Cruz de Castro Filhos: Marcílio, Liana e Luciana Durante

Leia mais

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho

Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho Não saia de seu Caminho! Sinopse: Uma Menina, indo atrasada da casa da avó para a escola. No caminho seu ônibus quebra e ela tem que tomar um caminho alternativo, onde encontra com um sujeito estranho.

Leia mais

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia

O livro. Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia O livro Vanderney Lopes da Gama 1 Todos diziam que ele era um homem só e evasivo. Fugia de tudo e de todos. Vivia enfurnado em seu apartamento moderno na zona sul do Rio de Janeiro em busca de criar ou

Leia mais

ENTRE FRALDAS E CADERNOS

ENTRE FRALDAS E CADERNOS ENTRE FRALDAS E CADERNOS Entre Fraldas e Cadernos Proposta metodológica: Bem TV Educação e Comunicação Coordenação do projeto: Márcia Correa e Castro Consultoria Técnica: Cláudia Regina Ribeiro Assistente

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal.

Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. Confira a entrevista do Pastor Juanribe Pagliarin, da Rádio SuperVida FM, concedida para a Onda Gospel, em Portugal. ONDA GOSPEL - Quando revelou ao seu amigo, Luis Melancia a vontade de adquirir a rádio,

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados

Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira CÃO ESTELAR. EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Arthur de Carvalho Jaldim Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR EDITORA BPA Biblioteca Popular de Afogados Texto e Pesquisa de Imagens Arthur de Carvalho Jaldim e Rubens de Almeida Oliveira O CÃO ESTELAR

Leia mais

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados

Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados Sebastião Salgado atribui culpa a EUA e Europa por atual crise dos refugiados POR ENTRETEMPOS, JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO, 04.10.2015 Tião, como é chamado pelos amigos, não toma café. Ainda assim, motivado

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. parar, alin seu retrov

Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. parar, alin seu retrov Como se prevenir Procure usar um carro que não chame a atenção. Mantenha os vidros fechados e as portas travadas por dentro. Não dê carona a desconhecidos. Evite transportar objetos de valor quando estiver

Leia mais

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus

Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus Ensino - Ensino 11 - Anos 11 Anos Lição 10 Batismo Mergulhando em Jesus História Bíblica: Mateus 3:13 a 17; Marcos 1:9 a 11; Lucas 3:21 a 22 João Batista estava no rio Jordão batizando as pessoas que queriam

Leia mais

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República

12/02/2010. Presidência da República Secretaria de Imprensa Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração da Escola Municipal Jornalista Jaime Câmara e alusiva à visita às unidades habitacionais do PAC - Pró-Moradia no Jardim do Cerrado e Jardim Mundo

Leia mais

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33

Sumário. Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9. Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15. Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 1 a Edição Editora Sumário Motivo 1 A fé sem obras é morta - 9 Motivo 2 A Igreja é lugar de amor e serviço - 15 Motivo 3 O mundo tem fome de santidade - 33 Santos, Hugo Moreira, 1976-7 Motivos para fazer

Leia mais

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria.

Anderson: Bem, qual é o manete? Legge: Deve ser uma alavanca preta no centro do painel. Isso aí. Deixe a aeronave voar por si própria. Bem, sejam todos muito bem-vindos aqui. E parabéns por estarem aqui neste final de semana. Porque eu acho, em minha experiência Alpha, que as duas coisas mais difíceis para as pessoas são, em primeiro

Leia mais

SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA

SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA Radicais Kids - Sábado 13/12 Ministério Boa Semente Igreja em células SERIE: APRENDENDO COM OS BICHINHOS A FORMIGUINHA Lição: Xô Preguiça!! Base bíblica: Provérbios 6:6-11 Preguiçoso, aprenda uma lição

Leia mais

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento.

P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. museudapessoa.net P/1 Seu Ivo, eu queria que o senhor começasse falando seu nome completo, onde o senhor nasceu e a data do seu nascimento. R Eu nasci em Piúma, em primeiro lugar meu nome é Ivo, nasci

Leia mais

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT

Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Entrevista exclusiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao SBT Brasília-DF, 30 de outubro de 2006 Jornalista Ana Paula Padrão: Então vamos às perguntas, agora ao vivo, com

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 5 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Meu nome é Alexandre da Silva França. Eu nasci em 17 do sete de 1958, no Rio de Janeiro. FORMAÇÃO Eu sou tecnólogo em processamento de dados. PRIMEIRO DIA

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

JANELA SOBRE O SONHO

JANELA SOBRE O SONHO JANELA SOBRE O SONHO um roteiro de Rodrigo Robleño Copyright by Rodrigo Robleño Todos os direitos reservados E-mail: rodrigo@robleno.eu PERSONAGENS (Por ordem de aparição) Alice (já idosa). Alice menina(com

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência

5 ADOLESCÊNCIA. 5.1. Passagem da Infância Para a Adolescência 43 5 ADOLESCÊNCIA O termo adolescência, tão utilizado pelas classes médias e altas, não costumam fazer parte do vocabulário das mulheres entrevistadas. Seu emprego ocorre mais entre aquelas que por trabalhar

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007 Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de inauguração dos condomínios do Programa de Arrendamento Residencial em Santa Cruz Rio de Janeiro-RJ, 07 de março de 2007

Leia mais

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1

Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 Disciples of Christ Church Ministerio vida com vida Israel Costa 1 MANTO QUE TRAZ DE VOLTA O QUE FOI PERDIDO. Orou Eliseu e disse: Jeová, abre os seus olhos, para que veja. Abriu Jeová os olhos do moço,

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS

CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS CANDIDATO BANCADO PELOS PAIS Desânimo total Acho que minhas forças estão indo abaixo, ando meio desmotivado!!!! Não quero desanimar, mas os fatores externos estão superando minha motivação... cobrança

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça?

Leia os textos e assinale a alternativa correta: 1) O que Ana quer que Pedro faça? UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL PROGRAMA DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS PLE CERIFICADO INTERNACIONAL DE LÍNGUA PORTUGUESA CILP SIMULADO COMPREENSÃO LEITORA E ASPECTOS LINGUÍSTICOS NÍVEL BÁSICO ESCOLAR A2 Leia os

Leia mais

DAVI, O REI (PARTE 1)

DAVI, O REI (PARTE 1) Bíblia para crianças apresenta DAVI, O REI (PARTE 1) Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Lazarus Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da Bíblia na Linguagem

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V

REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V REFLEXÕES SOBRE A PROFISSÃO DE DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - V edilbertodonsantos@gmail.com Vocês já ouviram alguém dizer que polícia é igual criança, quando está perto incomoda e quando está longe faz falta?

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores?

Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Entrevista Noemi Rodrigues (Associação dos Pescadores de Guaíba) e Mário Norberto, pescador. Por que de ter uma associação específica de pescadores? Noemi: É a velha história, uma andorinha não faz verão,

Leia mais

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter

Três Marias Teatro. Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter Distribuição digital, não-comercial. 1 Três Marias Teatro Noite (Peça Curta) Autor: Harold Pinter O uso comercial desta obra está sujeito a direitos autorais. Verifique com os detentores dos direitos da

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de início da operação com etanol da Usina Termelétrica Juiz de Fora Juiz de Fora - MG, 19 de janeiro de 2010 Bem, primeiro, meus companheiros, eu vou passar por

Leia mais

22/05/2006. Discurso do Presidente da República

22/05/2006. Discurso do Presidente da República , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de assinatura de protocolos de intenções no âmbito do Programa Saneamento para Todos Palácio do Planalto, 22 de maio de 2006 Primeiro, os números que estão no

Leia mais

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo.

Mostrei minha obra-prima à gente grande, perguntando se meu desenho lhes dava medo. I Uma vez, quando eu tinha seis anos, vi uma figura magnífica num livro sobre a floresta virgem, chamado Histórias vividas. Representava uma jiboia engolindo uma fera. Esta é a cópia do desenho. O livro

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido.

Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Fim. Começo. Para nós, o tempo começou a ter um novo sentido. Assim que ela entrou, eu era qual um menino, tão alegre. bilhete, eu não estaria aqui. Demorei a vida toda para encontrá-lo. Se não fosse o

Leia mais

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola

MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES. Um relato de Elia Meneses Rola MEU CONVÍVIO COM HONESTINO GUIMARÃES Um relato de Elia Meneses Rola Eu, Elia Meneses Rola, brasileira, separada judicialmente, Servidora Pública Federal aposentada, CPF, CI, domiciliada e residente nessa

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

Iracema estava na brinquedoteca

Iracema estava na brinquedoteca Estórias de Iracema Maria Helena Magalhães Ilustrações de Veridiana Magalhães Iracema estava na brinquedoteca com toda a turma quando recebeu a notícia de que seu sonho se realizaria. Era felicidade que

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Programa transmitido em 26 de fevereiro

Leia mais

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno.

Os dois foram entrando e ROSE foi contando mais um pouco da história e EDUARDO anotando tudo no caderno. Meu lugar,minha história. Cena 01- Exterior- Na rua /Dia Eduardo desce do ônibus com sua mala. Vai em direção a Rose que está parada. Olá, meu nome é Rose sou a guia o ajudara no seu projeto de história.

Leia mais

A PREENCHER PELO ALUNO

A PREENCHER PELO ALUNO Prova Final do 1.º e do 2.º Ciclos do Ensino Básico PLNM (A2) Prova 43 63/2.ª Fase/2015 Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho A PREENCHER PELO ALUNO Nome completo Documento de identificação Assinatura

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 14 Discurso: em encontro com professores

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais