CONFLITO DE DISCURSOS NA GREVE DE 1948 NA COMPANHIA VALE DO RIO DOCE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFLITO DE DISCURSOS NA GREVE DE 1948 NA COMPANHIA VALE DO RIO DOCE"

Transcrição

1 CONFLITO DE DISCURSOS NA GREVE DE 1948 NA COMPANHIA VALE DO RIO DOCE André Ricardo Valle Vasco Pereira Resumo Esta comunicação trata do conflito de discursos que houve durante a greve ocorrida na Companhia Vale do Rio Doce, em 1948, entre o Espírito Santo e Minas Gerais. Ela foi conduzida por militantes do Partido Comunista do Brasil (PCB). Teve como resultado um aumento salarial, a demissão de vários funcionários e a intensificação dos mecanismos de controle sobre os trabalhadores. Devido ao peso desta empresa na realidade brasileira, o sucesso da repressão e o fechamento do espaço para um discurso de autonomia dos trabalhadores teve consequências posteriores para o desempenho da democracia, já que a Vale foi o principal ator da modernização capitalista nas regiões em que atuou. O trabalho foca o discurso da repressão e das elites tracionais. Ambos desqualificaram os trabalhadores como atores legítimos na arena pública. Já a fala dos empregados tentou defender justamente o contrário. Palavras-chave: Greve; Companhia Vale do Rio Doce; Partido Comunista do Brasil (PCB). Abstract This presentation deals with the conflict of discourses that happened during the strike that occurred in the Vale do Rio Doce Company, in 1948, in the Brazilian states of Espírito Santo and Minas Gerais. It was conducted by members of the Communist Party of Brazil (PCB). As a result, wages became higher, lots of employees were fired and disciplinary action on work conditions was intensified. Due to the importance of Vale in Brazil, the success of repression on this strike and the closing of the space for the worker s autonomous discourse had important consequences for democracy afterwards, since the company became the main actor of capitalist modernization in the regions it was established. The presentation focuses on the discourse of repression forces and of the traditional elites. Both of them did not consider the workers as legitimate actors in the public sphere. On the other hand, the employees tried to defend the contrary. Keywords: Strike; Vale do Rio Doce Company; Communist Party of Brazil (PCB). Este artigo trata do conflito discursivo que se deu durante da greve ocorrida na Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), em 1948, nos estados do Espírito Santo e de Minas Gerais. Ela foi conduzida por militantes do Partido Comunista do Brasil (PCB). Teve como resultado um aumento salarial, a demissão de vários funcionários e a intensificação dos mecanismos de controle sobre os trabalhadores. Devido ao peso desta empresa na realidade local, o sucesso da repressão teve resultados posteriores, já que a Vale foi o principal ator da modernização capitalista nas regiões sob sua influência. O fracasso da ação autônoma que a greve de 1948 Doutor em Ciência Política e Professor Adjunto do Departamento de História da UFES. 1

2 representa fez com que parcela importante da classe trabalhadora fosse submetida a um processo de disciplinarização que continua até hoje, com graves consequências para o funcionamento da democracia no país. Um dos pontos fundamentais para o bom desempenho da democracia é a liberdade de expressão e, como resultado, o reconhecimento da legitimidade das ações e discursos de todos os atores que se apresentam na arena pública como representantes de interesses radicados na Sociedade. No momento histórico abordado por este trabalho, o projeto de Nação dominante era o de industrialização via estatal, no qual a CVRD teve um papel de relevância. Ele foi implantado sem rompimento aberto com as elites dominantes tradicionais, radicadas no campo, e com os valores sociais herdados de períodos anteriores (SILVA, 2004). Desta forma, na área de atuação da empresa, deu-se um conflito de leituras acerca da realidade. Os atores envolvidos no choque de representações foram: 1) as elites dominantes, divididas entre conservadores e liberais, com espaço privilegiado na imprensa local; b) os dirigentes da CVRD, comprometidos com o projeto de modernização; c) os agentes do aparelho de repressão, em particular das Delegacias de Ordem Política e Social; d) os agentes da regulação estatal do trabalho, em particular o Delegado Regional do Trabalho do Espírito Santo; e) os trabalhadores, representados pela Comissão de Salários, que conduziu a greve. Aqui, são considerados os discursos elaborados por tais atores e as imagens por eles produzidas. As elites procuraram qualificar a greve e as condições de trabalho numa leitura que vitimizava os empregados e culpava a Justiça do Trabalho, retirando-lhes, portanto, a legitimidade para a ação política. A empresa, os órgãos de repressão e a DRT se uniram para qualificar o movimento como radical e elaboraram imagens fantasiosas sobre o perigo que supostamente representava. Já os dirigentes da greve enfrentaram a enorme dificuldade de defenderem o direito à ação autônoma da classe trabalhadora. A repressão que sofreram teve como resultado a desqualificação desta via interpretativa. A greve Em 1948, houve duas paralisações na Estrada de Ferro Vitória-Minas, que pertencia à CVRD. A empresa também operava a extração de minério de ferro em Itabira (MG). Este local, porém, não foi afetado pelo movimento paredista (MINAYO, 2004, p ). A primeira paralisação ocorreu entre 20 de agosto e 6 de setembro. A segunda durou de 26 de novembro até 2 dezembro. Como resultado, a empresa pagou um aumento que começava em 40% para 2

3 os salários mais baixos, seguindo em escala decrescente. Posteriormente, a repressão foi intensa, com 422 demissões numa primeira leva, seguida de várias outras ao longo do ano de A conjuntura daquele ano foi, em termos nacionais, caracterizada por uma onda de greves desencadeada em todo o país, sob comando do PCB, como resultado da cassação dos mandatos dos parlamentares federais. Por conta disso, o confronto ideológico tornou-se acirrado, com a imprensa conservadora apresentando os conflitos sindicais como exemplos de um suposto complô comunista.muitos eventos foram tidos como sinais de ações articuladas pelo PCB. Foi o caso da explosão do paiol de munições do Exército no bairro de Deodoro, na capital do país, no mês de abril. O tema foi largamente explorado como ato terrorista. Uma investigação posterior nada provou, mas nenhum desmentido foi apresentado. Da mesma forma, o paradeiro de Luís Carlos Prestes tornou-se uma obsessão, com a sua figura sendo avistada nos mais diferentes lugares. Em termos internacionais, a Guerra Fria dava o tom do relacionamento entre as nações. De forma mais específica, uma série de eventos insinuavam a possibilidade de enfrentamento militar entre os dois blocos. Em 1947, foi assinado, no Rio de Janeiro, o Tratado Interamericano de Assistência Recíproca (TIAR), pelo qual vários países do continente americano estabeleceram uma aliança de defesa mútua. Por ele, qualquer ataque a um dos seus membros seria considerado como atingindo a todos. Entre eles estavam os Estados Unidos. Logo depois, os EUA iniciaram as negociações que iriam resultar, em 1949, na assinatura do Tratado do Atlântico Norte, que criou a OTAN. Ainda em 1948, iniciou-se a crise do bloqueio de Berlin pela URSS. No mesmo ano, o Exército de Libertação Popular avançava a passos largos, com apoio da URSS, na China. O PCB respondeu à cassação do mandato e aos eventos internacionais com uma virada de posição. Abandonou-se o projeto de União Nacional em favor de uma postura mais agressiva. O governo Dutra passou a ser tido como uma ditadura de tipo fascista, aliada com os EUA, em seu suposto objetivo de construir uma aliança mundial contra a URSS e seus aliados. Como resultado, concluiu-se que a via institucional havia sido esgotada e seria necessário partir para atos de enfrentamento direto, com o objetivo de denunciar a situação, enfraquecer o governo e politizar a Sociedade. Daí a opção pelo estímulo às greves em todos os setores. Elas deveriam ser organizadas com base nas necessidades reais dos trabalhadores, em um momento de alta inflacionária. Juntamente com greves e outros tipos de manifestações, seria necessário defender a paz mundial e, em particular, impedir que o Brasil se comprometesse 3

4 com qualquer ato de agressão contra o bloco socialista. A Campanha da Paz iniciada pelo PCB iria se transformar em uma tarefa política por muitos anos. Outro ponto de destaque é a campanha O Petróleo é Nosso, iniciada em 1947, a partir de uma iniciativa do Clube Militar, mas rapidamente incorporada pelo PCB. Ela foi motivada por uma proposta do governo Dutra, que defendia a presença de empresas estrangeiras no setor. A opinião oposta defendia o monopólio estatal e usava um argumento nacionalista, com base na ideia de que riquezas minerais deveriam ser exploradas por empresas que pertencessem ao povo. Esta interpretação estava de acordo com a leitura do PCB, que abraçou a campanha e lhe deu um tom fortemente popular. No Espírito Santo, dois grupos se organizaram em torno dela: estudantes da Vitória e lideranças do Partido Socialista Brasileiro (PSB) em Cachoeiro de Itapemirim. Os comunistas capixabas, seguindo a linha do partido, tiveram ampla participação nesta empreitada. De forma mais específica, o inimigo apontado por eles era a Standard Oil Companyof Brazil, conhecida comercialmente como Esso (pronúncia em inglês da sigla da empresa, S.O., ess-ô ). A terminologia utilizada pela esquerda para lidar com tais empresas multinacionais que dominavam setores de forma monopolista (ou quase) era o termo de origem inglesa truste. Era o caso da Standard Oil e várias outras. O PCB assumiu, naquela conjuntura, como tarefa primordial, o combate a qualquer tipo de benefício dirigido para tais empresas. No Espírito Santo, a firma que poderia ser mais bem enquadrada nesta categoria era a Central Brasileira de Força Elétrica (CBFE), que operava a concessão de eletricidade para a capital e arredores, além dos serviços de telefonia, de bondes e lanchas. Assim, tendo em vista todos os elementos citados, no caso capixaba, as greves na CVRD, em termos de tarefas partidárias, deveriam ter sido dirigidas em defesa dos interesses dos trabalhadores, tendo em vista os baixos ganhos, mas também deveriam ter servido como oportunidade para alimentar a campanha pela paz, pela defesa do petróleo e contra a CBFE, que, a propósito, era intensamente criticada em vários meios, inclusive na grande imprensa local, pelos constantes cortes de fornecimento de energia. Como será evidenciado a seguir, porém, isto não aconteceu. Os dirigentes da greve sofreram duas formas de tratamento pelos grupos dominantes, enquanto, ao mesmo tempo, não foram capazes de ultrapassar uma leitura mais próxima da realidade dos trabalhadores. Explicar esta conjunção de fatores é o principal objetivo desta comunicação. 4

5 Os discursos A greve foi encarada pelos seus inimigos com dois tipos de abordagem. Uma delas era repressiva, dentro do espírito da lógica da Guerra Fria. A outra era de tipo tradicional, elaborada pelas elites capixabas, e visava a uma desqualificação dos trabalhadores como atores legítimos para a ação coletiva autônoma e para a ocupação de um espaço discursivo na arena pública. No primeiro caso, destaca-se o Delegado Regional do Trabalho do Espírito Santo, José Carlos Vasconcelos. Ele assumiu o cargo em julho de 1947 e lá permaneceu durante vários anos. Nesta posição, Vasconcelos foi especialmente pró-ativo na tentativa de evitar greves na Vale, além de participar intensamente dos esforços para encerrar as duas paralisações de Dois meses após sua chegada ao Espírito Santo, quando a Vale estava enfrentando uma ameaça de greve por conta do atraso de salários, ele publicou duas notas em A Gazeta. Na primeira, pediu aos empregados que não parassem. Na segunda, introduziu uma forma de argumentar que seria sua marca registrada. Ele fez reproduzir uma troca de telegramas entre a DRT e o Ministério do Trabalho tratando do assunto. Com isso, buscava mostrar o seu emprenho e o de outras autoridades para resolver o problema e concluía reiterando o pedido aos empregados que não interrompessem o serviço. Na primeira paralisação de 1948, Vasconcelos fez ameaças de demissão, afirmando que o movimento era ilegal. Apesar do seu fim, ele ficou atento ao quadro e mostrou estar bem informado sobre a insatisfação reinante na empresa. Em 10 de novembro, voltou a afirmar que altas autoridades estavam lutando pela solução do dissídio, passando a articular um discurso nacionalista, sob o argumento de que uma greve na Vale seria prejudicial ao país. Houve, portanto, um abandono do tom anterior de ameaça, o que parece demonstrar que Vasconcelos estava percebendo que a disposição para o enfrentamento era maior que o medo de represálias. Dez dias depois, repetiu a dose nos mesmos termos. Por fim, no dia em que a segunda paralisação começou, fez publicar outra nota, dizendo que a diretoria da Vale e o governo federal estavam decidindo o aumento e repetia o pedido, numa tentativa desesperada e pouco eficaz, para que não parassem. Como os apelos não funcionaram, a DRT demonstrou seu alinhamento com a estratégia repressora da empresa ao assinar, junto com o Superintendente da Estrada de Ferro, maior autoridade da Vale no Espírito Santo, uma nota na qual se deu um prazo de 48 horas para o retorno ao trabalho, sob pena de demissão e lembrando o apoio da Polícia. 5

6 Encerrada a greve com várias demissões, em janeiro de 1949, Vasconcelos invadiu a sede do Sindicato dos Ferroviários, acompanhando de forte aparado policial, para impedir uma assembleia que iria discutir a situação dos demitidos. Esta opção pela força não deixaria o delegado tranquilo. A pasta do DOPS/ES referente ao Sindicato dos Ferroviários guarda uma série de telegramas enviados por Vasconcelos a várias autoridades com o objetivo de convencer o presidente da Vale, Demerval Pimenta, a aceitar uma reclassificação de cargos e salários proposta pelo Superintendente da Estrada de Ferro, Itagiba Escobar. O medo expresso por ele era o de que, sem tal medida, houvesse uma nova greve. Foram contatados por ele: o Ministro do Trabalho; o Presidente da Caixa de Aposentadorias e Pensões da Estrada de Ferro Leopoldina (por ser amigo de Demerval Pimenta); o Arcebispo do Rio de Janeiro, D. Jaime Câmara; o Ministro Chefe do Gabinete Civil do Presidente Dutra, Pereira Lira; além do próprio Presidente da Vale. Muito atendo ao que acontecia dentro da empresa, Vasconcelos descobriu que militantes do PCB estavam ativos na EFVM em Minas Gerais, articulando nova greve pela não aprovação do plano. Ele avisou o Chefe de Polícia do Espírito Santo, o Ministro Chefe do Gabinete Civil e o Presidente da CVRD sobre isso. No dia 21 de janeiro, a DRT emitiu um comunicado alertando contra a presença destes elementos estranhos e pedindo calma. Finalmente, em primeiro de fevereiro foi noticiada a aprovação da proposta. O mesmo tipo de atitude de alerta pode ser evidenciado nos documentos internos da CVRD e nos relatório do DOPS de Minas Gerais. Como o espaço aqui disponível é curto, irei apenas observar que as preocupações mais constantes eram com possíveis atos de terrorismo e a presença dos já citados elementos estranhos, como se os trabalhadores não tivessem o direito de expressar livremente sua opinião política. Nos relatório do DOPS/MG, há uma série de telegramas trocados entre o Delegado Regional de Aimorés, que era um importante centro da EFVM, e o Secretário de Segurança Pública do estado. Este solicitava constante atenção das autoridades locais, ocupação das instalações da empresa, vigilância sobre comunistas e ativistas da greve e uma interferência junto aos empregados com o objetivo de garantir o direito ao trabalho. Seus subordinados foram atentos ao cumprimento das ordens, mas não puderam deixar de relatar que não havia lideranças comunistas no local, que o movimento era pacífico, organizado e ordeiro, e que os ferroviários seguiam as ordens expressas do comando da greve, exercido pela Comissão de Salários de Vitória. Este grupo era dirigido politicamente pelo PCB. Tal aspecto demonstra o grau de hegemonia exercido pelo partido na base da empresa e as razões para isto nunca foram por eles questionadas. 6

7 Tanto a DRT/ES quanto a direção da CVRD, o DOPS/MG e outras autoridades, como o Departamento Federal de Segurança Pública, que deslocou agentes para Vitória no momento da segunda paralisação, viam a greve como ação de instigadores perigosos, que deveriam ser combatidos. O foco principal da fala era a necessidade de eliminá-los e alertar os trabalhadores para o fato de estarem sendo manipulados por pessoas com outros objetivos. As razões concretas da greve eram desconsideradas ou ficavam em segundo plano neste tipo de discurso. Outra abordagem, corrente no Espírito Santo, foi elaborada pelas elites tradicionais, que preferiram colocar a culpa da greve na lentidão da Justiça do Trabalho, que não julgava o dissídio impetrado. Dado o baixo salário que aproximava os trabalhadores de uma situação de penúria, eles eram vistos como vítimas deste processo, e não como atores com o direito de enfrentar o problema. Para exemplificar tal postura, irei considerar o jornal capixaba A Gazeta. Sua cobertura, no geral, foi positiva, dando informações sobre o movimento, mas, também, publicando artigos de opinião que podiam ser críticos a ele. O apanhado geral dos discursos que circularam nesse meio foi de despolitizar o movimento, seja ao não demonstrar que a empresa poderia pagar salários mais altos (ela havia acabado de passar por um aumento substancial de capital), seja ao condenar a repressão da Polícia do Distrito Federal (o que foi visto com grande irritação e mesmo uma forma indireta de intervenção no Espírito Santo), seja ao negar o comando partidário da greve. Neste caso, vale destacar um artigo do redatorchefe de A Gazeta, Mesquita Neto, no qual ele afirma peremptoriamente, que a greve não tinha nada de comunista e que se processava dentro da ordem, respeitando as leis do país. Mesquita Neto era um jornalista experiente, de perfil combativo, que fora perseguido pelo Estado Novo, tendo que sair do Espírito Santo. Voltou justamente para assumir a redação de A Gazeta. Ele estava, sem dúvida, bem informado do que acontecia e não é razoável supor que desconhecesse o comando que o PCB exercia no movimento. Mesmo assim, manipulou a verdade para caracterizar a greve como ação despolitizada, baseada apenas nas necessidades dos empregados. O discurso dele fez parte de uma leitura mais ampla, dominante na sociedade capixaba na época, que se afastava do radicalismo de direita, e preferia conceber o todo social de forma orgânica, alimentando fantasias de paz social e apontando as responsabilidades para a elite dirigente (o que desqualificava qualquer protagonismo dos trabalhadores). 7

8 O discurso dos trabalhadores O Sindicato dos Ferroviários estava fora do alcance do PCB, devido à intensa repressão levada a cabo pelo governo Dutra, que realizou várias intervenções nas entidades dos trabalhadores, afastando lideranças a ele filiadas ou simpatizantes. Além disso, passou a exigir o atestado de ideologia, ou seja, uma declaração dos DOPS de que os membros da chapa concorrente à direção da agremiação não eram lá fichados. Tais medidas fizeram com que a opção para o PCB fosse atuar na base das categorias profissionais. Foi o que se deu na EFVM, com a criação de uma Comissão de Salários. Esta tática foi utilizada em vários lugares do Brasil naquela conjuntura. A Comissão de Salários da Vale, constituída por vários militantes do PCB, comandou a greve. Conforme fica claro na documentação consultada, tanto jornais quanto documentos internos da empresa e do DOPS/MG, as duas paralisações foram muito bem organizadas, com alto grau de unidade e com a busca constante de diálogo com outros atores da Sociedade, como órgãos de imprensa, casas legislativas e várias autoridades. Familiares dos grevistas participaram de muitas atividades e o enfrentamento com polícias ou forças armadas foi evitado com sucesso. Apesar de conscientes da ordem de politização encaminhada pelo partido, a Comissão fez um discurso voltado para dentro, sem encaminhar as pautas dos comunistas. A seguir, apresentarei um documento-chave para analisar o discurso da Comissão, que foi o panfleto por eles lançado quando a greve terminou. Naquele momento, a repressão ainda não havia caído sobre o grupo e o sentimento era de vitória pela conquista do aumento de salários: AOS FERROVIÁRIOS DA VALE DO RIO DOCE E AO POVO EM GERAL Companheiros! Depois de uma longa espera por um dissídio que nunca seria resolvido, fomos vitoriosos, ao levar a efeito nossa segunda greve por aumento de salários. Muitas críticas à nossa primeira greve foram feitas por todos os companheiros, como também muitos erros foram apontados pela Comissão de Salários. Entretanto, a nossa primeira greve não teve somente erros, porque foi ela quem forjou a nossa unidade para esta grande vitória que ora comemoramos. Não podemos dizer que não cometemos erros em nosso segundo movimento, porque seria impossível não cometê-los. Mas desta vez os cometemos em menor escala, o que significa que estamos aprendendo, que somente nós, unidos e organizados, podemos resolver a nossa situação, e que não devemos ficar à espera da Justiça do Trabalho; que não devemos ter ilusões com as formas jurídicas atuais, que nada resolvem. Aprendemos, enfim, que a greve é o nosso direito, e desse direito devemos fazer uso sempre que necessário. 8

9 O maior erro que podemos apontar aos companheiros foi o que incorreram os nossos companheiros do escritório, que entraram em greve ao nosso lado, e, com apenas uma ameaça de demissão em massa, feita pela companhia, e sem escutarem os apelos da Comissão de Salários e da maioria esmagadora dos companheiros em greve, voltaram ao trabalho, dando, deste modo, uma vantagem aparente à empresa. Dizemos aparente, porque o escritório pouco pesava na balança numa greve das proporções da nossa. Mas, mesmo assim, a saída da maioria do pessoal do escritório, nos abandonando no meio do caminho, serviria para quebrar o moral do movimento, mas, o que felizmente não se deu. A justeza da nossa greve pôde se notar através da solidariedade de todos os trabalhadores e do povo em geral, que contribuíram financeiramente, como também afluíram ao nosso sindicato para prestar a sua solidariedade. O ACORDO No sétimo dia de greve, depois de uma série de provocações da polícia, recebemos, através do Dr. Jefferson de Aguiar, a proposta da companhia para uma solução imediata da greve. E, no dia seguinte, o Sr. Governador do Estado, Dr. Carlos Lindenberg, credenciado pela empresa, firmou o contrato com a Comissão de Salários, através de um documento escrito. Neste documento está firmada a tabela do aumento, a qual já fizemos a distribuição pelos núcleos, e que passaremos a perceber este aumento a partir deste mês de Dezembro. Comprometeu-se o Sr. Governador do Estado de tudo fazer para recebermos os dias de greve como abono de natal. E também o que é de fundamental importância é que não haverá perseguições, dispensa, transferências, e outras formas de coerção por motivo de greve, como seja: aposentadorias forçadas e etc. Companheiros! A Comissão de Salários adverte aos ferroviários de que se não nos for pago o aumento e, de acordo com o que foi aprovado na Assembleia, nós voltaremos à greve para fazermos valer os nossos direitos. Portanto, o Governador do Estado empenhou a sua palavra de que começaremos a perceber o aumento este mês. AGRADECIMENTOS A Comissão de Salários agradece a todos os trabalhadores e ao povo em geral, do Espírito Santo e de Minas Gerais, que contribuíram e solidarizaram-se com a greve, para que as nossas famílias tenham um pouco mais de conforto e nossos filhos possam ter mais um pouco de instrução. VIVA A NOSSA GRANDE VITÓRIA! VIVA A UNIDADE DOS FERROVIÁRIOS! Ass) COMISSÃO DE SALÁRIOS 1 A autoria deste documento é coletiva. A Comissão de Salários era formada por várias pessoas. A maior parte era filiada ao PCB. Muitos deles entraram na empresa pelas mãos de Antonio Ribeiro Granja, que havia ocupado posição de destaque na oficina de vagões de Itacibá, em 1 MINAS GERAIS (Estado). Secretaria de Segurança Pública. Relatório atinente à greve do pessoal da Estrada de Ferro Vitória a Minas no setor compreendido entre Nova Era e Desembargador Drummond. O panfleto em questão é o segundo anexo. Disponível em: <http://www.siaapm.cultura.mg.gov.br/modules/dops_docs/photo.php?numero=5129>. Acesso em: 15 mai

10 Cariacica, Espírito Santo. No momento da greve, ele estava exercendo mandato de vereador na cidade, eleito pela UDN, já que o PCB havia sido posto na ilegalidade. Augusto César Buonicore (2000) mostra que havia uma distância entre os militantes de base do partido e as orientações de seu comando. Os comunistas da base estavam mais preocupados com as condições concretas de vida dos trabalhadores, eram menos ideologizados e mais dispostos para ações de força, como greves, quando a situação exigisse, mesmo quando o partido se mostrava contrário. Era este o perfil da Comissão de Salários da EFVM. Esta é uma das razões para que o documento em questão ignore a campanha pela paz, a defesa do petróleo e o combate ao imperialismo. Na época da greve, o PCB contava com dois vereadores de Prestes no Espírito Santo: Granja, em Cariacica, e Hermógenes Lima Fonseca, em Vitória. Ao contrário da fala da Comissão, em suas intervenções em plenário, eles deram espaço para os temas elencados. Houve na prática, portanto, uma divisão de tarefas, na qual as lideranças com mandato reproduziram a orientação que visava politizar a Sociedade, enquanto os militantes sindicais se centravam nas questões concretas da greve. O documento dá respostas diretas aos ataques de todos os que solicitaram aos trabalhadores que esperassem pela solução do dissídio coletivo impetrado pelo Sindicato. Sustenta que ele nunca seria resolvido e, mais ainda, que os empregados não deveriam ter ilusões com as formas jurídicas em vigência. Assim, de forma objetiva, sem floreios desnecessários, ataca a ordem institucional estabelecida, o que, no final das contas, era o que o partido desejava, ao classificar o governo de Dutra como ditadura fascista. Um tema fundamental da fala é a noção de unidade, atrelada à de aprendizado. A primeira paralisação foi encerrada com a intervenção de um representante do Ministro do Trabalho. O tempo passou e a demanda pelo aumento não foi solucionada, daí a opção pela segunda paralisação. A primeira foi vista como uma experiência que forjou a unidade. Na segunda, os empregados do escritório, localizado em Vitória, saíram da greve, mas isto não impediu a continuidade do movimento, decidido, em última instância nas assembleias do sindicato. Segundo a Comissão, esta unidade coletiva conduziu a um aprendizado, o de que a Justiça do Trabalho não funciona, de que a unidade e a organização é que resolve o problema dos empregados e, mais importante, de que a greve é um direito. O governo Dutra havia editado, em 1946, um decreto-lei (9.070) que tornava as greves, na prática, ilegais. A Constituição, promulgada logo depois, garantia este direito. Mas o decreto 10

11 não foi suspenso e continuou a ser usado, durante muitos anos, contra o movimento sindical. Era orientação do PCB defender e legitimidade da greve, apontando o dispositivo constitucional. Pois bem, a Comissão atende à ordem do partido, mas do seu jeito, sem optar por um argumento legalista, como era típico do conservadorismo brasileiro. A unidade demonstrou que a greve era um direito, não inscrito na lei, mas resultado da ação humana concreta. Neste sentido, a fala demonstra uma proximidade discursiva com a realidade dos empregados, não com o legalismo das elites e busca imprimir um caráter pedagógico à experiência. Este tipo de orientação política havia sido teorizado por Antonio Gramsci ( ) na década anterior, mas era desconhecido pelos militantes comunistas. O que ele aprendeu na cadeia, estava sendo posto em prática pelos militantes comunistas do Brasil. O pensamento de Gramsci iria provocar uma reviravolta nos anos 1970, inaugurando o eurocomunismo. Só que ele tinha condições de ser praticado muito antes e isto aconteceu na greve em estudo. Tendo questionado a ordem jurídica - a Justiça -, o discurso da Comissão vira-se para a noção de justeza. A justeza da greve adveio da solidariedade de todos os trabalhadores e do povo em geral. Nesta leitura, a greve, tida como ilegal pelos critérios da legislação vigente, tornou-se justa por intermédio do apoio que teria recebido da classe trabalhadora. O reconhecimento foi buscado não frente ao Estado, à ordem institucional, mas aos iguais. E teria sido recebido. É bem verdade que os dirigentes da greve buscaram mesmo ampliar apoios e foram bastante bem sucedidos nisto. Em outro documento, chegaram a agradecer ao jornal A Gazeta e ao periódico do PCB no Espírito Santo, o Folha Capixaba. Deputados estaduais e vereadores declararam apoio. E todos foram procurados. Todavia, no momento da avaliação da greve, ao se dirigir para sua base, a Comissão construiu outra imagem, buscando a justeza do movimento apenas no apoio dos iguais, com base em uma lógica de solidariedade horizontalque não é corrente na cultura política brasileira, como nos ensina Roberto DaMatta(1997). Neste sentido, é indiferente o grau de exagero que pode ter sido usado ao falar de todos os trabalhadores e do povo em geral. O que importa é registrar a forma como o discurso foi elaborado para um público específico. O que a Comissão disse para os empregados da EFVM é que a greve foi bem sucedida por causa da unidade e da organização, que levou a um aprendizado coletivo do qual se concluiu que a Justiça poderia ser fonte apenas de ilusões, mas a justeza da greve, o seu tornar-se justa, derivava do reconhecimento pelos iguais. Nesta interpretação, não há bases externas, como a Constituição ou o apoio de fontes superiores de legitimidade, como pessoas com mandatos, jornais, 11

12 membros de classes dominantes. A fala é dirigida aos trabalhadores e toda trajetória da greve é neles fundada. Em termos discursivos, isto significa que a Comissão buscou construir um espaço de autonomia na arena pública para os trabalhadores, o que constitui um dos pontos mais importantes desta pesquisa. A única autoridade de tipo tradicional citada pela Comissão é o governador do Espírito Santo, Carlos Lindenberg, do PSD. Pela narrativa, no sétimo dia da segunda paralisação, a Comissão recebeu, por meio do advogado do Sindicato, Jefferson de Aguiar, que era suplente de deputado estadual na época, uma proposta da empresa para a solução da greve. No dia seguinte, Lindenberg firmou um contrato, ou seja, um acordo escrito e assinado por ele, que agiu como intermediário entre a CVRD e os grevistas. Dele, a Comissão teria conseguido duas conquistas: o pagamento dos dias parados na forma de abono de natal e a não punição, na forma de uma lista bem precisa de ações que poderiam ser desencadeadas contra os trabalhadores. É sabido que o acordo feito não foi de todo cumprido no que se refere às punições. Neste sentido, o comprometimento e a palavra emprenhada pelo governador de nada valeram. São os únicos elementos de uma ética típica do tradicionalismo brasileiro presentes na fonte. E, mesmo nesse caso, os autores do texto não se deixaram levar e forneceram a palavra de ordem de uma nova paralisação caso os aumentos não saíssem. Ou seja, há no discurso a presença de uma autoridade tradicional, cuja intervenção foi aceita, mas o seu papel foi interpretado com desconfiança pela Comissão. A palavra empenhada foi aceita, mas desconfiou-se dela e voltou-se para o plano da solidariedade horizontal, ou seja, uma nova greve. O que se deu de fato, porém, é que a liderança não conseguiu reagir à onda de repressão que se seguiu.para efeitos do que está sendo debatido aqui, interessa notar que a única concessão feita a uma figura colocada fora do campo dos trabalhadores se deu com muita desconfiança e com o retorno ao espaço do publico alvo como último recurso. Ou seja, é como se o texto dissesse: no final das contas, só confiamos em nós mesmos. Outro ponto importante é a forma de justificar a greve. O discurso repressor a compreendeu como ação de agitadores, de pessoas que estariam fora da classe social, implicitamente tida como pacífica. O discurso conciliador da elite tradicional atribuía a culpa da greve à morosidade da burocracia, um ente inespecífico, sem face, ao mesmo tempo em que vitimizava os empregados, que teriam entrado em greve por uma atitude de desespero, devido à situação de penúria em que se encontravam. Por outro lado, o discurso contido no panfleto explica que aquela atitude foi tomada para que as nossas famílias tenham um pouco mais de 12

13 conforto e nossos filhos possam ter mais um pouco de instrução. O nível de politização desta afirmativa é muito baixo. Não aponta para os lucros da empresa, o aporte de capital que recebeu antes da greve, as difíceis condições de trabalho e os salários irrisórios. Mesmo em sua limitação, porém, ela indica uma abordagem diferente do problema. A majoração salarial serviria para aumentar o conforto da família e para melhorar a educação dos filhos. Nos dois casos, indicam um interesse de usufruto dos ganhos e integração na sociedade moderna que estava sendo engendrada e da qual os trabalhadores eram segregados. A partir desta simples fala, é difícil dizer o quanto a liderança comunista de base sindical poderia estar apostando numa luta puramente reformista. Considerando a evolução posterior do PCB, com sua opção por uma pauta reformista, este argumento não se mostra de todo implausível. De qualquer forma, a justificativa apresentada pela Comissão tem autonomia em relação oferecidas pelos outros discursos. àquelas Por fim, faz-se necessário destacar um dos temas mais importantes do panfleto, que envolve os erros cometidos. Os estudiosos do sindicalismo sabem que o simples reconhecimento da ocorrência de erros numa greve, ainda mais quando ela acaba sendo vitoriosa, é algo muito raro. As lideranças temem que os equívocos possam ser usados para desmerecê-los diante da base e que, principalmente, fortaleçam adversários. Portanto, a simples abordagem do assunto no documento já indica algo significativo. De início, a Comissão afirma que muitas críticas foram feitas por todos os companheiros na condução da primeira paralisação. O grupo dirigente também teria apontado erros, mas o que interessa é a demonstração de que um clima de debates estava instaurado. O texto não indica quem disse o que, mas é possível dizer, por meio das outras fontes, que não havia forças políticas alternativas organizadas que rivalizassem com o PCB na base dos ferroviários, pelo menos não neste momento. Desta forma, as críticas devem ter se originado de trabalhadores comuns. No momento da vitória, elas não foram ignoradas e nem esquecidas. Isto aponta para um clima relativamente aberto de diálogo entre a base e a liderança. Esta interação franca deve ter sido uma das bases para a tão citada unidade. Na segunda paralisação, o texto afirma que foram cometidos erros, pois seria impossível não cometê-los, mas eles teriam se dado em menor escala, devido ao aprendizado adquirido com a unidade e a organização. É claro que a Comissão não foi honesta com relação ao tema dos erros. A abordagem é bastante genérica e só adquire especificidade quando se aponta a saída do pessoal do escritório. Neste caso, o comando não poderia ser responsabilizado. O que interessa é a disposição de reconhecer a existência de erros e debatê-los minimamente. Esta 13

14 atitude mostra o grau de segurança que os militantes do PCB tinham na relação com a sua base e a disposição para o diálogo. Este diálogo não era isento de uma atitude interpretativa por parte da direção que a beneficiasse. E nem poderia ser diferente. Todavia, o que surge no documento em questão é bem diferente da leitura corrente no próprio PCB, que fazia constantes revisões da sua linha política sem jamais abrir mão do triunfalismo. Sempre que a realidade correspondia ao que havia sido planejado, surgia uma conclusão do tipo mais uma vez, mostrou-se que estávamos corretos. Quando o contrário ocorria, algum tipo de inimigo era apontado, como a interferência de idéias ou posturas burguesas, pequeno-burguesas, esquerdistas, traições, etc. Ou seja, existia uma maneira correta de ser comunista. Se ela fosse seguida, não haveria erros. Não era esta a orientação dos militantes de base do PCB na Vale no momento da greve. A ação e o discurso da militância de base na greve demonstrou um alto grau de sofisticação. Com isto quero dizer que ela não se submeteu mecanicamente aos desígnios do comando partidário. Preferiu argumentar com as condições concretas dos trabalhadores, sem abrir mão de uma elaboração política de grande significância. A luta social não consta apenas de vitórias concretas, como greves bem sucedidas, conquista de direitos legais ou derrubadas de governos. É fundamental ocupar um espaço na arena pública que seja reconhecido pelos outros atores e que legitime as ações de quem está na luta. No Brasil, a grande dificuldade dos grupos subalternos, até hoje, está neste plano. O episódio em questão foi um dos momentos nos quais a ação coletiva autônoma dos dominados foi colocada em prática e um discurso equivalente foi elaborado. A derrota que adveio do enorme processo de repressão conduzido pela empresa não eliminou o PCB do cenário sindical capixaba, mas o tipo de postura aqui considerado sofreu um sério revés. Como a Vale foi o indutor mais relevante da modernização capitalista nos locais em que esteve presente (PEREIRA, 2011), o fechamento desta via, ou seja, de um discurso de autonomia dos trabalhadores, auto-referido, sem formas externas de legitimação, representou uma dura derrota para a construção da democracia. Referências BUONICORE, Augusto C. Sindicalismo vermelho: a política sindical do PCB entre 1948 e Cadernos AEL. Campinas, vol. 7, nº 12/13, p , DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco,

15 GRASMCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, (6 volumes). MINAYO, Maria C. de S. De ferro e flexíveis: marcas do Estado empresário e da privatização na subjetividade operária. Rio de Janeiro: Garamond, PEREIRA, André R. V. V. Mais do mesmo: o reforço da integração subordinada do Espírito Santo no sistema capitalista internacional. SINAIS Revista Eletrônica Ciências Sociais. Vitória: CCHN/UFES. Ed. n. 9, v. 1, jun. 2011, p SILVA, Marta Zorzal e. A Vale do Rio Doce na estratégia do desenvolvimento brasileiro. Vitória: EDUFES,

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes.

Na ditadura não a respeito à divisão dos poderes (executivo, legislativo e judiciário). O ditador costuma exercer os três poderes. Ditadura: É uma forma de governo em que o governante (presidente, rei, primeiro ministro) exerce seu poder sem respeitar a democracia, ou seja, governa de acordo com suas vontades ou com as do grupo político

Leia mais

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS

PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS PROGRAMA DA CHAPA PARTIDO E GOVERNO COM O POVO PARA O PT CONTINUAR LIDERARANDO UM NOVO CICLO DE TRANSFORMAÇÕES NO BRASIL E EM GUARULHOS "As manifestações são parte indissociável do nosso processo de ascensão

Leia mais

PACTO SOCIAL AMEAÇADO

PACTO SOCIAL AMEAÇADO PACTO SOCIAL AMEAÇADO Luiz Carlos Bresser-Pereira Folha de S. Paulo, 26.03.1981 A elevação decisiva das taxas de inflação e a configuração clara de uma recessão econômica nos dois primeiros meses de 1981

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas.

Diretriz 5: A função das entidades de grau superior é de coordenar os interesses das suas filiadas. DIRETRIZES NORMATIVAS ELABORADAS PELO GRUPO DE TRABALHO DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SOBRE ORGANIZAÇÃO SINDICAL, NEGOCIAÇÃO COLETIVA, APLICAÇÃO DO DIREITO DE GREVE, CUSTEIO E LIBERAÇÃO DE DIRIGENTE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Nº., DE 2011. Dispõe sobre a organização sindical no setor público, afastamento de dirigentes sindicais, negociação coletiva, aplicação do direito de greve e sobre o custeio da organização

Leia mais

Período Populista (1945/64)

Período Populista (1945/64) Período Populista (1945/64) INTRODUÇÃO Período de Democracia, sem censura e eleições direta (o( o povo vota) para presidente. O mundo encontrava-se no Período de Guerra Fria : Capitalistas (EUA) X Socialistas

Leia mais

LEI DO SORTEIO MILITAR

LEI DO SORTEIO MILITAR LEI DO SORTEIO MILITAR Em 1874 uma lei modificou o sistema de recrutamento militar no Brasil, até então constituído pelo voluntariado ou pelo recrutamento forçado, instituindo o sorteio para o serviço

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

PLENÁRIA NACIONAL EXTRAORDINÁRIA DA FENASPS

PLENÁRIA NACIONAL EXTRAORDINÁRIA DA FENASPS PLENÁRIA NACIONAL EXTRAORDINÁRIA DA FENASPS Data: 14/11/2014 Local: Sede da Fenasps Estados presentes: MG- SP- PR- RS- ES- SC- RN- CE e Oposição da BA e do DF. Nº de participantes: 65 Delegados e 10 Observadores

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

C L I P P I N G DATA: 04.11.2015

C L I P P I N G DATA: 04.11.2015 C L I P P I N G DATA: 04.11.2015 DESTAQUE SINDESP/DF participa do Sicomércio 2015 no Rio de Janeiro Durante três dias, líderes da representação sindical dos empresários do comércio e serviços de todo o

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES

RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES RELATÓRIO SÍNTESE DO IV SIMPÓSIO NACIONAL DO CEBES O IV Simpósio Nacional do (Cebes), realizado no dia 31 de outubro de 2015, no Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, teve como objetivo

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA O DIÁLOGO SOCIAL NO BRASIL: O MODELO SINDICAL BRASILEIRO E A REFORMA SINDICAL Zilmara Davi de Alencar * Em recente balanço feito nas negociações tidas em 2009, constatamos

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

A VERDADE SOBRE AS FUNERÁRIAS NO MUNICÍPIO DO RJ:

A VERDADE SOBRE AS FUNERÁRIAS NO MUNICÍPIO DO RJ: A VERDADE SOBRE AS FUNERÁRIAS NO MUNICÍPIO DO RJ: Quando Sérgio Arouca assumiu a Secretaria Municipal de Saúde do RJ, publicou um decreto colocando o sistema funerário para controle dos assistentes sociais.

Leia mais

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas

Frente contra as guerras e intervenções imperialistas Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade http://www.pelosocialismo.net Publicado em: http://inter.kke.gr/news/news2011/2011-05-04-eliseo-artho Tradução do inglês de MF Colocado em linha

Leia mais

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964

A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 A DITADURA BRASILEIRA DE 1964 Dalmo A. Dallari * 1. A DITADURA E SUAS VARIANTES A história da humanidade tem sido uma confirmação reiterada do acerto da advertência do eminente político e historiador inglês

Leia mais

DADOS. Histórico de lutas

DADOS. Histórico de lutas MULHERES O partido Solidariedade estabeleceu políticas participativas da mulher. Isso se traduz pela criação da Secretaria Nacional da Mulher e por oferecer a esta Secretaria completa autonomia. Acreditamos

Leia mais

Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro/SASERJ. Tel/fax : 21-25333030 email: saserj@saserj.org.br WWW.saserj.org.

Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro/SASERJ. Tel/fax : 21-25333030 email: saserj@saserj.org.br WWW.saserj.org. Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro/SASERJ Rua Evaristo da Veiga 45, sala 1103/ Centro Tel/fax : 21-25333030 email: saserj@saserj.org.br WWW.saserj.org.br HISTÓRIA DO SASERJ:

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

A história do Balanço Social

A história do Balanço Social C A P Í T U L O 1 A história do Balanço Social D esde o início do século XX registram-se manifestações a favor de ações sociais por parte de empresas. Contudo, foi somente a partir da década de 1960, nos

Leia mais

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS

FEDERAÇÃO ÚNICA DOS PETROLEIROS A FUP defende Mudanças Imediatas no Marco Regulatório da Indústria de Exploração, Produção e Comercialização de Petróleo e Gás Natural no Brasil Documento final aprovado pela primeira reunião do Conselho

Leia mais

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5

O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O Regime de Exceção 1964/67 e o AI-5 O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 O GOVERNO CASTELO BRANCO, O REGIME DE EXCEÇÃO (64/67) E A GÊNESE DO AI-5 Reiteradamente caracterizado como "legalista"

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se

ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se ATA DA SESSÃO ORDINÁRIA DO DIA 09 DE JUNHO DE 2014 Às vinte horas do dia nove de junho de dois mil e quatorze, na sede da Câmara Municipal, reuniu-se em Sessão Ordinária a totalidade dos Vereadores, sob

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social

Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Decisão do STF permite contratação de professores federais por Organização Social Na mesma semana em que os trabalhadores brasileiros tomaram as ruas e conseguiram suspender a votação do Projeto de Lei

Leia mais

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO.

1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra o regime absolutista. 2º - Abriu espaço para o avanço do CAPITALISMO. APRESENTAÇÃO Aula 08 3B REVOLUÇÃO FRANCESA Prof. Alexandre Cardoso REVOLUÇÃO FRANCESA Marco inicial da Idade Contemporânea ( de 1789 até os dias atuais) 1º - Foi um movimento liderado pela BURGUESIA contra

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais

Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Cooperação Internacional no Âmbito das Nações Unidas: solidariedade versus interesses nacionais RELATÓRIO Samira Santana de Almeida 1 1. Apresentação

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Em Foco CCENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES. Jornal do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e Região, Setembro de 2012 - ano XII - nº 05

Em Foco CCENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES. Jornal do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e Região, Setembro de 2012 - ano XII - nº 05 R Em Foco UT BRASIL CCENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES CUT Jornal do Sindicato dos Bancários de Campina Grande e Região, Setembro de 2012 - ano XII - nº 05 Em Foco 02 setembro/2012 Greve surte efeito Chega

Leia mais

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS

Clipping. ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO 03 de outubro de 2011 ESTADO DE MINAS ESTADO DE MINAS 1 2 ESTADO DE MINAS 3 ESTADO DE MINAS http://www.em.com.br PSD de Kassab mira 'órfãos' do PMDB quercista O PSD obteve registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na terça-feira e corre

Leia mais

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho:

Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições do direito coletivo do trabalho: Legislação Social Profª Mestre Ideli Raimundo Di Tizio p 38 DIREITO COLETIVO DO TRABALHO Cuida das relações coletivas de trabalho, onde os interesses cuidados são os de um grupo social. São instituições

Leia mais

RESUMO DE NOTÍCIAS. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Estado de São Paulo www.sintetel.org/ sintetel@sintetel.org.

RESUMO DE NOTÍCIAS. Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações do Estado de São Paulo www.sintetel.org/ sintetel@sintetel.org. Mundo Sindical SÃO PAULO (SP): TRABALHADORES DO TELEATENDIMENTO COMPÕEM PAUTA DE REIVINDICAÇÕES Os trabalhadores do setor de teleatendimento compuseram a Pauta de Reivindicações para a Convenção Coletiva

Leia mais

Boletim sobre o processo político em Moçambique

Boletim sobre o processo político em Moçambique Boletim sobre o processo político em Moçambique Boletim Eleitoral 2008 Número 23 18 de Janeiro de 2009 -------------------------------------------------------- Publicado com frequência durante o período

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos:

R-47/06 (A4) Dos elementos disponíveis, destacam-se os seguintes aspectos: R-47/06 (A4) Assunto: Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública. Regimes especiais de aposentação. Exercício do direito à negociação colectiva e do direito de participação dos trabalhadores da

Leia mais

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil

Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Conheça a trajetória da primeira mulher presidente do Brasil Dilma Rousseff nasceu em Belo Horizonte em 1947. Presidência é seu primeiro cargo eletivo. Marília Juste Do G1, em São Paulo Dilma Rousseff

Leia mais

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas

Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas Maria Izabel Azevedo Noronha Apeoesp busca diálogo para melhorar a segurança nas escolas SEGUNDO PESQUISA, VIOLÊNCIA EM ESCOLAS DE SP ATINGE 4 EM 10 PROFESSORES E REVELA QUE MAIS DA METADE CONSIDERA SUA

Leia mais

CARTILHA DE MOBILIZAÇÃO E GREVE

CARTILHA DE MOBILIZAÇÃO E GREVE CARTILHA DE MOBILIZAÇÃO E GREVE ESPECIAL GREVE Este documento contém todas as orientações básicas que um servidor em greve inclusive em estágio probatório deve saber para não ser prejudicado em nenhuma

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR

DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR DECLARAÇÃO DE PRINCIPIOS E OBJETIVOS DO MNCR ARTIGO 1 o - O Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis - MNCR, trabalha pela auto-gestão e organização 1 dos catadores através da constituição

Leia mais

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS DE EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS, SERVIÇOS DE INFORMÁTICA E SIMILARES FENADADOS

FEDERAÇÃO NACIONAL DOS EMPREGADOS DE EMPRESAS DE PROCESSAMENTO DE DADOS, SERVIÇOS DE INFORMÁTICA E SIMILARES FENADADOS Brasília, 26 de julho de 2007. Ao DD Presidente da EMPRESA SERVIÇO FEDERAL DE PROCESSAMENTO DE DADOS SERPRO Sr. MARCUS VINÍCIUS FERREIRA MAZONI SGAN Quadra 601 Módulo V Brasília DF CEP 70836 900 (61) 2105

Leia mais

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO

OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO CONSELHO NACIONAL DO TRABALHO (CNT) Órgão criado pelo Decreto nº 16.027, de 30 de abril de 1923, vinculado ao Ministério da Agricultura, Indústria e Comércio e destinado à consulta dos poderes públicos

Leia mais

Câmara Municipal de Cubatão

Câmara Municipal de Cubatão 2 ATA DA 1ª SESSÃO EXTRAORDINÁRIA DO 2º ANO LEGISLATIVO DA 16ª LEGISLATURA REALIZADA EM 27 DE MAIO DE 2014 PRESIDÊNCIA - Sr. César da Silva Nascimento. SECRETARIAS - Sr. Fábio Alves Moreira e Sr. Ricardo

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 INSTRUMENTOS DE TRATAMENTO DE CONFLITOS DAS RELAÇÕES DE TRABALHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL Marcela Tapajós e Silva Painel

Leia mais

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP)

GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP) GRUPO DE EDUCAÇÃO POPULAR (GEP) Educar, Criar Poder Popular Julho, 2012 Apresentação Em 2012 o Grupo de Educação Popular (GEP) completa cinco anos. Um grupo que se uniu no início de 2008 pra resistir à

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO

RELAÇÕES DE TRABALHO DICIONÁRIO RELAÇÕES DE TRABALHO Conjunto de normas e princípios que regem a relação entre aquele que detém o poder de contratar outro para desenvolver determinada atividade e aquele que mobilizado para tal executa

Leia mais

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações.

mudanças qualitativas radicais na vida econômica, social e política das nações. PRONUNCIAMENTO DO MINISTRO EDUARDO CAMPOS NA SOLENIDADE DE INSTALAÇÃO DA III ASSEMBLÉIA GERAL DA ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE PARLAMENTARES PARA A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (IPAIT), NA CÂMARA DOS DEPUTADOS,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg

Torre de Babel. Luis Flavio Sapori. Nota sobre a I Conseg Nota sobre a I Conseg Luís Flávio Sapori é doutor em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisa do Rio de Janeiro, professor e coordenador do curso de Ciências Sociais da Universidade Católica

Leia mais

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial

AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Gestão Estratégica e Qualidade DISCIPLINA: Estratégia Empresarial ALUNO(A): MATRÍCULA: NÚCLEO REGIONAL: DATA: / / QUESTÃO 1: Que escola de pensamento reúne aspectos

Leia mais

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964

Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 Reportagem do portal Terra sobre o Golpe de 1964 http://noticias.terra.com.br/brasil/golpe-comecou-invisivel-diz-sobrinho-de-substitutode-jango,bc0747a8bf005410vgnvcm4000009bcceb0arcrd.html acesso em 31-03-2014

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Castanho, Sandra Maria POLÍTICA E LUTAS

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO.

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO. PROJETO DE LEI N o 5.678, DE 2013. Acrescenta parágrafo ao art. 477 da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

Apresentação no Conselho da Justiça Federal

Apresentação no Conselho da Justiça Federal Apresentação no Conselho da Justiça Federal CUMPRIMENTOS E AGRADECIMENTOS SLIDE UM - INTRODUÇÃO O painel que eu vou apresentar para os senhores hoje faz parte da minha tese de doutorado em Ciências Jurídicas

Leia mais

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10

Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Poder, Estudo e Instituições Aula 10 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo O Consulado: Economia, Educação

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009

I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 I Seminário Nacional de Controle Social A sociedade no acompanhamento da gestão pública Brasília, 25, 26 e 27 de Set/2009 Observatório da Educação participação e controle da sociedade civil nas políticas

Leia mais

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN

Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014. Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Circular nº 157/2014 Brasília, 2 de setembro de 2014 Às Seções Sindicais, às Secretarias Regionais e aos Diretores do ANDES-SN Companheiros, Encaminhamos, para ampla divulgação, a Carta de Aracaju (59º

Leia mais

Acredito ter sido escolhido para recebê-lo porque os senhores também queriam homenagear o Brasil e o povo brasileiro.

Acredito ter sido escolhido para recebê-lo porque os senhores também queriam homenagear o Brasil e o povo brasileiro. Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Prêmio Lech Walesa Gdansk, Polônia 29 de setembro de 2011 É uma grande honra, para mim, receber este prêmio da fundação que leva o nome do companheiro Lech Walesa,

Leia mais

presidente Brasil Por Nízea Coelho

presidente Brasil Por Nízea Coelho a PRIMEIRA presidente do Brasil Por Nízea Coelho 1 Lula é um fenômeno no mundo Historiador, mestre e futuro doutor. Este é Leandro Pereira Gonçalves, professor de História do Centro de Ensino Superior

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI

Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI Proposta da ANDIFES para a Universidade do Século XXI 1 Com muita honra e responsabilidade, falo uma vez mais em nome da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH

SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL. Autoridade Central Administrativa Federal/SDH A CONVENÇÃO SOBRE OS ASPECTOS CIVIS DO SEQÜESTRO INTERNACIONAL DE CRIANÇAS E SUA APLICAÇÃO NO BRASIL Autoridade Central Administrativa Federal/SDH Considerações Gerais A Convenção foi concluída em Haia,

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Controvérsias sobre o PAS

Controvérsias sobre o PAS Controvérsias sobre o PAS Jair Pinheiro* Resumo: Este artigo visa apresentar um breve exame das causas do descompasso entre crítica e aprovação popular do PAS Plano de Atendimento à Saúde. Muito se tem

Leia mais

Prof. Thiago Oliveira

Prof. Thiago Oliveira Prof. Thiago Oliveira Depois da 2ª Guerra Mundial o Brasil passou por um período de grandes transformações no campo da política, economia e sociedade, superando o Estado Novo de Getúlio e experimentando

Leia mais

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil

Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Princípios Gerais para a Prevenção dos Riscos Penais Endesa Brasil Introdução 5 INTRODUÇÃO A seguir, são descritos os comportamentos e princípios gerais de atuação esperados dos Colaboradores da Endesa

Leia mais

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB

RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB RESOLUÇÕES DO V ENCONTRO NACIONAL DO RAMO DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DA CTB O Encontro Nacional do Ramo da Construção e do Mobiliário da CTB, este ano em sua 5ª edição, realizado nos dias 28 e 29 de

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 31/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15558

Leia mais

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS

PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS PARTE V ADMINISTRAÇÃO DE CONFLITOS Ganhar, nem sempre. Amadurecer, sempre. Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br www.justocantins.com.br Introdução É impossível imaginar uma empresa onde não

Leia mais

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia

Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia Mário Pinto Reestruturação sindical: tópicos para uma questão prévia 1. O funcionamento da organização sindical portuguesa é muito frequentemente qualificado de deficiente. Excluindo afirmações de circunstância,

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA

stf.empauta.com 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' NACIONAL ENTREVISTA 'Sessão secreta não é compatível com a Carta' Lewandowski critica voto secreto no Congresso Para ministro do Supremo, "esse modo de pensar é incompatível com a Constituição" 'Sessão secreta não é compatível

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA JORNADA DE 30 HORAS PARA ASSISTENTES SOCIAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL

ESCLARECIMENTO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA JORNADA DE 30 HORAS PARA ASSISTENTES SOCIAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL ESCLARECIMENTO SOBRE A IMPLANTAÇÃO DA JORNADA DE 30 HORAS PARA ASSISTENTES SOCIAIS SEM REDUÇÃO SALARIAL Desde a publicação da lei nº 12.317, de 27 de agosto de 2010, que estabeleceu a jornada de trabalho

Leia mais

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO

OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DO DISTRITO FEDERAL Novembro de 2010 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO E O ACESSO AO SISTEMA PÚBLICO DE EMPREGO, TRABALHO E RENDA Em comemoração ao Dia da Consciência Negra

Leia mais

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira

DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99. Luiz Carlos Bresser Pereira DISCURSO DE POSSE NO MINISTÉRIO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 4.1.99 Luiz Carlos Bresser Pereira Quando o Presidente Fernando Henrique Cardoso me disse que o mais importante a ser realizado no Ministério da

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA PRESIDÊNCIA - DEPUTADO MAJOR ARAUJO

ESTADO DE GOIÁS ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA PRESIDÊNCIA - DEPUTADO MAJOR ARAUJO Ata da Audiência Pública sobre a anulação dos concursos da Polícia Militar e da Polícia Civil Por iniciativa do Deputado Estadual Major Araújo, presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais