A cartografia comunista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A cartografia comunista"

Transcrição

1 A cartografia comunista Rodrigo Rodrigues Tavares. Doutor em História Social FFLCH (USP) Um mapa é a representação gráfica e convencional, em papel, cartolina, tela etc., dos dados referentes à superfície do globo terrestre, a uma região dessa superfície 1. Portanto envolve tanto a superfície parcial como total do planeta. Se fosse possível reunir todos aqueles publicados anualmente pelos jornais comunistas teríamos um Atlas vermelho. De posse deste, poderíamos adentrar nas técnicas, conceitos, omissões, ênfases e escolhas da cartografia comunista. Se reuníssemos vários destes Atlas, nas suas sucessivas edições ao longo dos decênios de existência do PCB, teríamos ainda a possibilidade de Solidário. Santos 13 de maio de 1926 comparar cada uma das edições para analisarmos o impacto do contexto histórico nas diversas mudanças ocorridas nas edições, bem como a visão de mundo que estes mapas ajudaram a criar. O número de mapas pesquisados nos jornais comunistas é de quase 300, abrangendo um período que vai de 1926 até 1964, sendo extremamente irregular sua distribuição no tempo. As duas primeiras representações localizadas são do jornal Solidário de Santos e da Classe Operária, o periódico oficial do partido, datadas, respectivamente, de 1926 e Ambas possuem traços em comum: utilizam o famoso lema que conclui o Manifesto Dicionário Virtual Houais.

2 Comunista, trabalhadores de todo o mundo, uni-vos! ; desenham o globo na sua totalidade e os personagens estão nus ou semi-nus. Classe Operária. Rio de Janeiro, 1 de maio de Esses três elementos convergem para o que pode ser característico desse momento histórico, a permanência da visão de que a Revolução Russa era o início de uma nova era para a civilização. Ainda não estava, nas imagens, configurado o socialismo num só país de Stalin e o culto a sua imagem e personalidade. Vale ressaltar que não há culto a nenhum dos principais personagens do marxismo, mesmo Lênin, Marx e Engels aparecem na forma de livros, mostrando a força de suas idéias e não de sua personalidade. A representação de todo o globo, e não de partes dele, e também o lema do Manifesto Comunista, estariam

3 reforçando o contexto internacionalista da época, embora o movimento comunista já estivesse numa fase de refluxo. Com relação à ausência de vestimentas, poderíamos levantar a hipótese de que, simbolicamente, o homem nu, ou semi-nu, representava a libertação em relação ao passado e a configuração de um homem novo. Essa representação do nu como o novo homem que surgiria sem as marcas do capitalismo era comum na iconografia anarquista, como demonstrou Ângela Martins 2. Valeria levantarmos a hipótese de, como o PCB surgiu com elementos egressos do anarquismo, essa representação comunista ecoe, ainda que inconscientemente, o padrão anarquista. Essa hipótese fica mais forte com relação à primeira imagem, onde o homem está completamente nu, pois o periódico onde foi publicado é o Solidário, de Santos, cidade com forte presença anarquista no passado recente, inclusive na própria redação do jornal. A própria ênfase na educação do trabalhador, embora não exclusivo do anarquismo, era ponto importante para os acratas. Na União Soviética, nos pôsteres comunistas impressos pelo governo não era comum a representação do nu 3. Já do período 1930 até 1937, quando o stalinismo já estava consolidado, também é pequeno o A Marcha. Rio de Janeiro, 16 de outubro de 1935 número de imagens envolvendo mapas, são dez: oito mostram o mapa do Brasil e os outros o da China e o da Espanha. Nove dele são do período , portanto após o fim do governo provisório varguista e com a 2 Angela Maria Roberti Martins. Pelas páginas Libertárias: anarquismo, imagens e representações Tese (Doutorado em História) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo 3 Cf.BONNEL, Victoria. Iconography of Power: Soviet political Posters under Lênin and Stalin.University of California, 1997.

4 conseqüente flexibilidade advinda da convocação da Assembléia Constituinte. Ainda que a amostragem seja pequena, vale para demonstrar indícios do imaginário comunista e, posteriormente, como base de comparação com períodos posteriores. Nessas imagens do mapa brasileiro, fica caracterizada a luta nacionalista. Desta maneira, o imaginário do PCB fazia dois recortes importantes, o primeiro era não colocar as divisões estaduais, para dar a idéia de unidade do país e não fomentar o regionalismo; e, em segundo lugar, isolar o Brasil do contexto da América Latina. Este último era feito de duas maneiras: ou ignorado a América do Sul - o país aparece sem fronteiras a oeste - ou mostrando só o contorno leste, litorâneo, do Brasil. Este último recurso ressaltava, com o extenso litoral, nossa vulnerabilidade externa, principalmente ao imperialismo. Numa das imagens temos um brasileiro, sem camisa, que defende a pátria da invasão de personagens Juventude. São Paulo, Presídio Maria Zélia, 1 de janeiro de representando as potências estrangeiras. Vale ressaltar que o fato de estar sem camisa, num mapa do Brasil, pode ser uma estratégia para tentar associar o corpo do trabalhador ao corpo da nação. Se o procedimento mapa/trabalhador sem camisa for constante ficaria claro a intenção de associar a invasão imperialista ao mapa do Brasil como uma agressão ao próprio trabalhador. Correlata a essa visão seria a idéia de enfrentar os inimigos de peito aberto, portanto disposto a derramar seu sangue, daí a simbologia do punho em riste. Também vale ressaltar o integralista como auxiliar dos imperialismos, ressaltando a sua traição à pátria. A idéia de pátria/ameaçada/agredida também pode ser vista quando são mostradas imagens de rifle em cima de nossa bandeira

5 ou um punhal no mapa brasileiro, como nos exemplares do Juventude de junho de 1935 e de uma brochura comunista contra a Constituição de 1937, respectivamente. Já os desenhos de países estrangeiros desse período ( ) se restringem à China e à Espanha. Em comum, ambos focam o próprio país, sem fazer referência ao papel internacional da luta, e fazem apologia do caráter bélico do conflito, algo que contrasta muito com o período do pós-guerra. No mapa espanhol, dois soldados caminham pelo desenho, sob um fundo rubro, com legenda da militante comunista espanhola Dolores Ibarruri: não passarão!. São raros os jornais coloridos, exceção a alguns bicolores após 1945, mas este foi feito na cadeia, manualmente. O vermelho no desenho representa o sangue derramado em favor da causa republicana, que conclama a luta com os soldados caminhando e não de maneira estática, como uma alegoria. O movimento dos soldados também quer dar a impressão que os republicanos avançam militarmente sobre os franquistas. Já o mapa chinês, também mostra o avanço dos exércitos da China soviética. A parte do mapa controlada pelos comunistas não foi pintada, só possuí o contorno, para mostrar a naturalidade do lado soviético contra o que é provisório e agressivo, justamente em tracejado, a área controlada pelas potências estrangeiras. A idéia subjacente é que há uma naturalidade da China ser soviética, pois a parte não soviética não têm chineses e sim americanos, italianos, franceses, como afirmam as legendas. Além do que seria natural esperar o comunismo de um país que faz fronteira com a URSS. Panfleto Comunista. São Paulo julho de Pront Acervo DEOPS/SP, Arquivo do Estado

6 Do período correspondente ao Estado Novo, 1937 até 1945, ainda não localizamos nenhum mapa. A repressão constante dificultava a imprensa comunista, mas, mesmo assim, precisaríamos analisar as imagens publicadas para tentarmos compreender se há algum motivo específico para essa carência, além de ampliarmos a pesquisa para confirmarmos a ausência deles no material da imprensa comunista do período que resistiu à repressão. É a partir do pós-guerra até o golpe de 1964 que está a maior concentração de mapas. Vamos destacar alguns elementos mais presentes nessa cartografia comunista e que perpassam todo o período. No contexto de Guerra Fria, uma das estratégias da representação comunista era a de mostrar os EUA como agressor e a URSS como vítima: esta como a grande líder da luta pela paz, o que faz com que a representação de pombas permeie a imprensa pro - Rússia. Os mapas publicados na imprensa comunista fugiam da perspectiva tradicional, eurocêntrica, com a União Soviética a leste e os EUA a oeste. Esta perspectiva não privilegiava a ameaça representada pelos EUA pois a Europa ficava no meio e ela era metade comunista e metade capitalista. Dessa maneira, a imprensa usava outras perspectivas do globo terrestre para transformar a América em um adversário mais agressivo e temível. Classe Operária. Rio de Janeiro, 15 de junho de 1946.

7 Nesse primeiro mapa, com a perspectiva a partir do Pólo Norte, fica maximizada a ameaça norte americana 4 pois o Alasca, território originalmente russo e comprado no final do século XIX, fica mais próximo da URSS, quase uma base avançada do país ameaçando os bolcheviques. O mapa inclusive cria uma fronteira terrestre onde não existe, não só aumentando a ameaça, mas talvez lembrando que aquele território já pertenceu à Rússia. Ademais, há a contraposição entre as setas que saem do território russo e do americano. Estas, cujo traçado saí do território estadunidense, cruzam o oceano e chegam próximo à URSS, dando a impressão de movimento, de agressão, de ataque, quase como se fosse mísseis contra a Rússia, quando na verdade são bases norte americanas. As setas da Rússia são menores e estão no Europa oriental, que sob a perspectiva adotada pelo mapa, ficam pequenas, minimizando a ameaça comunista à Europa ocidental. Enquanto os mísseis americanos, na verticalização das setas, parecem cercar a URSS, os da pátria do socialismo são mais laterais e, portanto, menos ameaçadores pois não estão apontados para o rival. Padrão que se mantém também no mapa seguinte, onde setas atacam a URSS e as bases soviéticas na Europa ocidental são simplesmente ignoradas. Voz Operária. Rio de Janeiro, 17 de novembro de No mapa abaixo, a idéia também é mostrar a intimidação dos EUA, mas a perspectiva, embora não seja a tradicional, também não é a centrada no Pólo Norte e sim no mundo comunista URSS/China. Essa aliança entre russos e chineses do ponto de vista gráfico é constante, como se formassem um único bloco. Nessa perspectiva cartográfica, 4 Os americanos também utilizavam estratégias parecidas para maximizar a ameaça russa Cf. BLACK,

8 boa parte da África e a totalidade da América do sul ficam de fora, um recorte do mundo que privilegia justamente as ameaças mais sensíveis aos interesses bolcheviques, o cerco ao mundo comunista. A omissão fica por conta do bloco soviético na Europa, pois não aparecem bases russas e as americanas ocupam quase a Europa inteira. Fundamentos. 1 de fevereiro de Essa omissão européia é constante nos mapas comunistas pois poderia dar a impressão de maior força soviética pois a Europa oriental poderia ser vista como continuação do território da URSS. No mapa abaixo, por exemplo, vemos o máximo da polarização pois a Europa simplesmente some do mapa. E as bases norte americanas parecem barcos aportando na Rússia. Aliás, as bases norte americanas no seu território, significativamente, não são desenhadas para não mostrar algum viés defensivo. Jeremy Maps and Politcs..University of Chigago Press, 1997

9 Classe Operária. Rio de Janeiro, 14 de setembro de Todavia a ameaça não se restringia à URSS, o país vítima por excelência da agressão ianque, mas também à China, nação que na representação gráfica muitas vezes formava um dueto com o país do socialismo, pelo menos até a crise sino-soviética. Dessa maneira, a China que vimos lutando na guerra civil dá lugar a um país pacífico e ameaçado por uma ilha. No mapa abaixo, a ameaça de Formosa, local de refúgio dos nacionalistas derrotados na guerra civil, é superdimensionada, algo constante no período. Formosa é colocada como contraponto a uma ilha nos EUA. A mensagem é: e se essa ilha norteamericana fosse comunista? Ao mostrar nos dois mapas abaixo somente uma parte da China (o litoral), enquanto Formosa está completa, dá um caráter desproporcional ao tamanho de ambos. Se o recorte abarcasse toda a China, teríamos maior consciência da relatividade da ameaça enfrentada pelo país de Mão Tse Tung. Ademais, o mapa abaixo utiliza um estratagema para aumentar o tamanho físico do território americano pois não desenha o Canadá. Não há nenhuma fronteira entre a maior parte do território ianque e o Canadá, dando a impressão que toda a região forma um único país.

10 Voz Operária. Rio de Janeiro, 18 de setembro de 1954 Imprensa Popular. Rio de Janeiro, 27 março de Todavia, o caráter belicista dos EUA não era a única característica da representação cartográfica do período pois, afinal, também era preciso mostrar o mundo comunista. Se por um lado os americanos avançavam na força, o mundo comunista também crescia com a descolonização da Ásia e da África. Dessa maneira, há um contraponto pacífico ao avanço ianque. O enquadramento é significativo pois omite os espaços em que o comunismo não avançava, como o continente americano. Ao centrar na África e Ásia, dava uma dimensão maior aos países sob influência comunista, mesmo que eles não se tornassem comunistas, pois sair do colonialismo já era uma maneira de infringir uma derrota ao imperialismo. Essa supervalorização da influencia da URSS era uma amostra da inexorabilidade da teoria de Marx do fim do capitalismo.

11 Novos Rumos. Rio de Janeiro, 16 de julho de E o que significaria se libertar do colonialismo e adentrar na órbita de influência da URSS? A cartografia comunista auxiliava a dar uma dimensão do que seria o mundo sob a égide dos bolcheviques. As relações dos soviéticos com os demais países não seriam marcadas pela exploração, guerra e imperialismo, mas sim pela solidariedade como vemos no mapa da ajuda universal abaixo. Novos Rumos. Rio de Janeiro, 14 de novembro de 1963.

12 Novamente a ênfase recai na África-Ásia, dando a impressão que o mundo está mais na órbita soviética do que na realidade: o mapa ajudando a provar o avanço comunista. Especificamente neste desenho o ponto principal é mostrar as vantagens do campo socialista, os benefícios em bens de produção e infra-estrutura que estariam ao alcance desses países a partir da ajuda soviética. Assim, a pobreza e penúria do colonialismo já eram recompensadas com as melhorias do campo socialista. Enquanto os comunistas ignoravam a América, faziam ironias justamente com os EUA não reconhecerem a China após a revolução de Democracia Popular. Rio de Janeiro, 22 de junho de O velho professor representando os EUA vê um aluno que com o dedo parece questionar o estranho globo. O que nos mapas comunistas era sutil, o desenho ignorava a América, fica escancarado nas charges sobre os mapas educacionais americanos para dar o efeito cômico. Assim, o globo sem a China seria uma crítica aos EUA como donos do mundo, sendo os seus adversários excluídos do mundo. Daí, na visão comunista, a importância capital da descolonização. O desenho abaixo mostra como os comunistas encaravam o processo e o que esperavam de seu resultado. A figura clássica que representa o burguês, com a cartola e o charuto, carrega o mundo na barriga, parte de seu corpo, como sua propriedade, extensão de seu apetite de dinheiro e poder.

13 Novos Rumos. Rio de Janeiro 13 de março de Antes o burguês dominava o mundo, mas, paulatinamente, ele começava, a ver e sentir a reação dos povos. Estes buscando a fatia que lhes correspondia por representar seu povo. Cada expropriação do território burguês é uma facada no estomago da burguesia até o golpe final em que o globo exposto se assemelha a boca aberta do burguês e o golpe final dos personagens que representam a Índia e a África põe fim a degustação do mundo levada a cabo pela burguesia.. As primeiras representações cartográficas comunistas que mostravam a totalidade do globo sendo apropriado pelos trabalhadores de todo o mundo, uma das esperanças surgidas com a Revolução Russa, deram lugar ao mundo sendo tomado pelos povos colonizados: o nacionalismo substitui o ímpeto classista.

14 Bibliografia. AZEVEDO, Raquel. A Resistência Anarquista: Uma Questão de Identidade ( ). São Paulo, Imprensa Oficial/Arquivo do Estado, BAITZ, Rafael, Um Continente em Foco : a Imagem Fotográfica da América Latina nas Revistas Semanais Brasileiras ( ), São Paulo, Humanitas/FFLCH/USP, BANDEIRA, M; MELO, C; ANDRADE, A.T. O Ano Vermelho: A Revolução Russa e seus Reflexos no Brasil. São Paulo, Brasiliense,1980. BLACK, Jeremy. Maps and Politcs.University of Chigago Press, BONNEL, Victoria. Iconography of Power: Soviet political Posters under Lênin and Stalin.University of California, BRANDÃO, Gildo. A Esquerda Positiva. As Duas Almas do Partido Comunista. São Paulo, Hucitec, BURKE, Peter & BRIGGS, Asa. Uma História Social da Mídia: de Gutenberg à Internet, Rio de Janeiro, Zahar, 2004 CAPELATO, Maria Helena. Multidões em Cena: Propaganda Política no Varguismo e no Peronismo. São Paulo, Papirus, CARNEIRO, Maria e KOSSOY, Boris (Org.) A Imprensa Confiscada pelo DEOPS, São Paulo, Ateliê Editorial, Imprensa Oficial e Arquivo do Estado, CARONE, Edgard.. O PCB ( ). São Paulo, DIFEL, O PCB ( ). São Paulo, DIFEL, O PCB ( ). São Paulo, DIFEL, COELHO, Marco Herança de um Sonho: as Memórias de um Comunista. São Paulo, Record, DONDIS, Donis. Sintaxe da Linguagem Visual. São Paulo, Martins Fontes,1991. DULLES, Jhon. O Comunismo no Brasil ( ). Rio de Janeiro, Nova Fronteira, Anarquistas e Comunistas no Brasil. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1977.

15 FERREIRA, Jorge. Prisioneiros do Mito: Cultura e Imaginário Político dos Comunistas no Brasil, Rio de Janeiro, UFF, FRANCASTEL, Pierre. A Realidade Figurativa. São Paulo, Perspectiva, GAWRYSZZEWSKI, Alberto. Os Traços na Imprensa Comunista Carioca. Pós- Doutorado em História Social Universidade Federal do Rio de Janeiro, GRUZINSKI, Serge, La Guerra de las Imágenes. De Cristóbal Colón a Blade Runner. México, Fondo de Cultura Económica, JUNIOR, Gonçalo. A Guerra dos Gibis. São Paulo, Companhia das Letras, KAREPOVS, Dainis & ABRAMO,F (Orgs.). Na Contra Corrente da História: Documentos da Liga Comunista Internacionalista 1930 a São Paulo, Brasiliense, : A Classe Operária vai ao Parlamento. São Paulo, Alameda, Luta Subterrânea: o PCB em São Paulo, Unesp, KOSSOY, Boris. Fotografia e Historia. São Paulo : Atica, LIMA, Hermann. História da Caricatura no Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio, MANGUEL, Alberto. Lendo Imagens: uma História de Amor e Ódio. São Paulo, Cia das Letras, 2001 MARIANI, Bethania. O PCB e a Imprensa: Os Comunistas no Imaginário dos Jornais ( ). 1.ed. Rio de Janeiro, Revan, São Paulo, Unicamp, MICELI, Sergio. Imagens Negociadas: Retratos da Elite Brasileira, São Paulo, Cia das Letras, MORAES, Dênis. O Imaginário Vigiado: A Imprensa Comunista e o Realismo Socialista no Brasil ( ). Rio de Janeiro, José Olympio, MORAES, João Quartim de (org.). História do Marxismo no Brasil. vol. IV. Campinas, Ed. da Unicamp, História do Marxismo no Brasil. Vol. III: teorias e interpretações. Campinas, Ed. Da Unicamp, MOTTA, Rodrigo. Em Guarda Contra o Perigo Vermelho : o Anticomunismo no Brasil ( ). São Paulo, Perspectiva, MOYA, Alvaro de. História da História em Quadrinhos. São Paulo, Brasiliense, 1994.

16 PANDOLFI, Dulce. Camaradas e Companheiros: Memória e História do PCB. Rio de Janeiro : Relume Dumara, PANOFSKY, Erwin. Significado nas Artes Visuais. São Paulo, Perspectiva /Secretaria de Cultura, Ciência e Tecnologia de São Paulo, PINHEIRO, Paulo. A Estratégia das Ilusões (A Revolução Mundial e o Brasil ). São Paulo, Companhia das Letras, RIDENTI, Marcelo, REIS FILHO, Daniel Aarão (org.). História do Marxismo no Brasil. vol. 5. Campinas, Ed. da Unicamp, RUBIM, Antonio. Partido Comunista, Cultura e Política Cultural. Tese de Doutorado em Sociologia SANTANNA, Marco. Homens Partidos: Comunistas e Sindicatos no Brasil. São Paulo, Boitempo, SEGATTO, José Antonio et alli. PCB: Memória Fotográfica. São Paulo, Brasiliense, SILVA, Marcos A. da. Caricata República: Zé Povo e o Brasil. S ao Paulo, Marco Zero, Prazer e Poder d`o amigo da Onça. Tese de Doutoramento em História Social, Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, São Paulo, TORAL, André Amaral de, Imagens em Desordem : a Iconografia da Guerra do Paraguai, São Paulo, Humanitas, WAACK, William. Camaradas nos Arquivos de Moscou. A História Secreta da Revolução Brasileira de São Paulo, Cia das Letras, WERNECK SODRÉ, Nelson. História da Imprensa no Brasil. 2ª ed.. Rio de Janeiro: Graal, WHITE, Stephen. The Bolshevik Poster. Yale University Press,1998.

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964)

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO - HISTÓRIA: MEMÓRIA E IMAGEM DISCIPLINA - TÓPICOS ESPECIAIS DE HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA (HH 143)

Leia mais

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964)

Programa. Título: Imagens do Brasil Republicano (1889 1964) UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA CURSO - HISTÓRIA: MEMÓRIA E IMAGEM DISCIPLINA - TÓPICOS ESPECIAIS DE HISTÓRIA DO BRASIL REPÚBLICA (HH 143)

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO

TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO TEXTO INTEGRAL DO TRABALHO O AJUSTE DE CONTAS DA ESQUERDA COM A HISTÓRIA: O SOCIALISMO DEMOCRÁTICO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES Marco Antonio Brandão FUNDEG Fundação Educacional Guaxupé (MG) INTRODUÇÃO

Leia mais

EUA: Expansão Territorial

EUA: Expansão Territorial EUA: Expansão Territorial Atividades: Ler Livro didático págs. 29, 30 e 81 a 86 e em seguida responda: 1) Qual era a abrangência do território dos Estados Unidos no final da guerra de independência? 2)

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE

PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE PLANO DE ENSINO DE HISTÓRIA 5ª. SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL 1º BIMESTRE - Sistemas sociais e culturais de notação de tempo ao longo da história, - As linguagens das fontes históricas; - Os documentos escritos,

Leia mais

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético.

TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS. Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. TEMA 6 O AVANÇO DOS ALIADOS Os combates decisivos entre as tropas do Eixo e as forças aliadas foram travados em território soviético. A operação Barbarossa A operação Barbarossa era a invasão da União

Leia mais

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011)

O IMPERIALISMO EM CHARGES. Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com. 1ª Edição (2011) O IMPERIALISMO EM CHARGES 1ª Edição (2011) Marcos Faber www.historialivre.com marfaber@hotmail.com Imperialismo é a ação das grandes potências mundiais (Inglaterra, França, Alemanha, Itália, EUA, Rússia

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo

História. baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo História baseado nos Padrões Curriculares do Estado de São Paulo 1 PROPOSTA CURRICULAR DA DISCIPLINA DE HISTÓRIA Middle e High School 2 6 th Grade A vida na Grécia antiga: sociedade, vida cotidiana, mitos,

Leia mais

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder...

1º ano. 1) Relações de Trabalho, Relações de Poder... Liberdade, propriedade e exploração. A revolução agrícola e as relações comerciais. Capítulo 1: Item 5 Relações de trabalho nas sociedades indígenas brasileiras e americanas. Escravidão e servidão. Divisão

Leia mais

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX)

A expansão dos EUA (séc. XVIII-XX) 1803 Os Estados Unidos compram a Louisiana da França. Cronologia 1846 a 1848 Guerra do México. Os Estados Unidos conquistam e anexam os territórios da Califórnia, Novo México, Nevada, Arizona e Utah. 1810

Leia mais

PLANO DE ENSINO. RECURSOS: Quadro, giz, referências bibliográficas, material digitado e data-show.

PLANO DE ENSINO. RECURSOS: Quadro, giz, referências bibliográficas, material digitado e data-show. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA Licenciatura em História Disciplina: História Contemporânea I Semestre: 1º/2014 PLANO DE ENSINO EMENTA: Estudo das

Leia mais

Guerra Fria e o Mundo Bipolar

Guerra Fria e o Mundo Bipolar Guerra Fria e o Mundo Bipolar A formação do Mundo Bipolar Os Aliados vencem a 2.ª Guerra (1939-1945). Apesar de na guerra lutarem lado a lado, os EUA e a URSS vão afastar-se a partir de 1945. Guerra Fria

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA

PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA Fundamentos teóricos da disciplina PROPOSTA PEDAGÓGICA CURRICULAR GEOGRAFIA O ensino da Geografia leva o educando a perceber que as relações sociais e as relações do homem com a natureza estão projetadas

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 8º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO

HISTÓRIA - 6º AO 9º ANO A FORMAÇÃO DO CURRÍCULO DA REDE O solicitou-nos uma base para colocar em discussão com os professores de história da rede de São Roque. O ponto de partida foi a grade curricular formulada em 2008 pelos

Leia mais

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA.

A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. A MENINA DOS OLHOS DA REPRESSÃO : DISCUTINDO DITADURA MILITAR E MÚSICA POPULAR BRASILEIRA NO ENSINO DE HISTÓRIA EM SALA DE AULA. Autora: Mestra Rosicleide Henrique da Silva Universidade Federal de Campina

Leia mais

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150

COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 COLÉGIO VICENTINO IMACULADO CORAÇÃO DE MARIA Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio Rua Rui Barbosa, 1324, Toledo PR Fone: 3277-8150 PLANEJAMENTO ANUAL DE HISTÓRIA 9º ANO PROFESSOR: MÁRCIO AUGUSTO

Leia mais

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08

ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 ATIVIDADES ON-LINE 9º ANO GUERRA FRIA PROF. JOSÉ CARLOS PROVA DIA 21/08 1-Na fase Pós-Guerra emergiram e se consolidaram dois grandes blocos rivais, liderados pelos EUA e a URSS, originando a Guerra Fria.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS 1) IDENTIFICAÇÃO: Disciplina: Formação Territorial do Brasil Carga Horária: 60 h UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS PROGRAMA DE DISCIPLINA Curso:

Leia mais

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II

HISTÓRIA DO BRASIL CONTEMPORÂNEO II Pág. 1 Caracterização Curso: LICENCIATURA EM HISTÓRIA Ano/Semestre letivo: 01/1 Período/Série: 6 Turno: ( ) Matutino ( X ) Vespertino ( ) Noturno Carga horária semanal: 3h (4 aulas) Carga horária total:

Leia mais

História B Aula 21. Os Agitados Anos da

História B Aula 21. Os Agitados Anos da História B Aula 21 Os Agitados Anos da Década de 1930 Salazarismo Português Monarquia portuguesa foi derrubada em 1910 por grupos liberais e republicanos. 1ª Guerra - participação modesta ao lado da ING

Leia mais

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com

Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Formação do Estado e do território Alecleide de Sousa Série: 6ª alecleide_27@hotmail.com Sociedade humana kei É um conjunto de pessoas Que vivem em determinado espaço e tempo e de acordo com certas regras

Leia mais

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança

A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan. Análise Segurança A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança Bernardo Hoffman Versieux 15 de abril de 2005 A nova lei anti-secessão e as relações entre a China e Taiwan Análise Segurança

Leia mais

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela *

ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * ANÁLISE DAS CATEGORIAS SUBVERSÃO E RESISTÊNCIA A PARTIR DA RELAÇÃO IGREJA- ESTADO DURANTE A DITADURA MILITAR NO BRASIL Camila da Silva Portela * Este artigo traz indagações referentes a uma pesquisa mais

Leia mais

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional

O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional CIÊNCIAS HUMANAS (HISTÓRIA/ATUALIDADES/GEOGRAFIA) O candidato deverá demonstrar uma visão globalizante do processo transformacional das sociedades através dos tempos, observando os fatores econômico, histórico,

Leia mais

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989)

A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) A EXPANSÃO DA GUERRA FRIA (1947-1989) RECAPITULANDO -GUERRA FRIA: Disputa pela hegemonia mundial entre duas potências: EUA e URSS. -ACORDOS ECONOMICOS: -Plano Marshall (1947) -Plano Comecon (1949) ACORDOS

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império

1º ano. 1º Bimestre. Revolução Agrícola Capítulo 1: Item 5 Egito - política, economia, sociedade e cultura - antigo império Introdução aos estudos de História - fontes históricas - periodização Pré-história - geral - Brasil As Civilizações da Antiguidade 1º ano Introdução Capítulo 1: Todos os itens Capítulo 2: Todos os itens

Leia mais

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar

REVOLUÇÃO FRANCESA. Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Por: Rodrigo A. Gaspar REVOLUÇÃO FRANCESA Influência dos valores iluministas Superação do Absolutismo monárquico e da sociedade estratificada Serviu de inspiração para outras revoluções,

Leia mais

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA

TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA TEMA 3 UMA EXPERIÊNCIA DOLOROSA: O NAZISMO ALEMÃO A ascensão dos nazistas ao poder na Alemanha colocou em ação a política de expansão territorial do país e o preparou para a Segunda Guerra Mundial. O saldo

Leia mais

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA:

Com base nesse artigo e nos conhecimentos sobre a História da América, RESPONDA: PROCESSO SELETIVO/2006 3 O DIA CADERNO 8 1 HISTÓRIA QUESTÕES DE 01 A 05 01. A base naval norte-americana de Guantanamo tem estado em evidência nos últimos anos. Trata-se de uma área de 117,6 quilômetros

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

COMUNIDADE DOS ESTADOS INDEPENDENTES

COMUNIDADE DOS ESTADOS INDEPENDENTES COMUNIDADE DOS ESTADOS INDEPENDENTES Características da União Soviética - Moeda Única - Governo Central - Forças Armadas unificadas Países resultantes da desagregação da União Soviética - Rússia - Armênia

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO.

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À PARTE COM ESTA EM ANEXO. ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2015 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Fernanda Data: / /2015 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara História Resultado

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO.

PROGRAMA DE ENSINO IV. AS FUNDAÇÕES DO PENSAMENTO POLÍTICO, SOCIAL E ECONÔMICO BRASILEIRO. CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS CCHL MESTRADO DE CIÊNCIA POLÍTICA DISCIPLINA: FORMAÇÃO SOCIAL E POLÍTICA DO BRASIL PROFESSOR: CLEBER DE DEUS CONSULTAS: A COMBINAR COM O PROFESSOR PERÍODO: 2008.1 E-mail:

Leia mais

A PROPAGANDA POLÍTICO- MILITAR NO BRASIL 1930-1945 VENDER A GUERRA

A PROPAGANDA POLÍTICO- MILITAR NO BRASIL 1930-1945 VENDER A GUERRA A PROPAGANDA POLÍTICO- MILITAR NO BRASIL 1930-1945 VENDER A GUERRA 5ª Parte EXPEDITO CARLOS STEPHANI BASTOS - expedito@editora.ufjf.br Pesquisador de Assuntos Militares da UFJF. INTRODUÇÃO SUMÁRIO REVOLUÇÃO

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre

Curso: Estudos Sociais Habilitação em História. Ementas das disciplinas: 1º Semestre Curso: Estudos Sociais Habilitação em História Ementas das disciplinas: 1º Semestre Disciplina: Introdução aos estudos históricos Carga horária semestral: 80 h Ementa: O conceito de História, seus objetivos

Leia mais

ESTEREÓTIPOS NA COMUNICAÇÃO INTERCULTURAL: O CASO DO INTERCÂMBIO CULTURAL UNIVERSITÁRIO NA PUCRS.

ESTEREÓTIPOS NA COMUNICAÇÃO INTERCULTURAL: O CASO DO INTERCÂMBIO CULTURAL UNIVERSITÁRIO NA PUCRS. III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS ESTEREÓTIPOS NA COMUNICAÇÃO INTERCULTURAL: O CASO DO INTERCÂMBIO CULTURAL UNIVERSITÁRIO NA PUCRS. Polianne Merie Espindola, Jacques A. Wainberg (orientador)

Leia mais

O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780)

O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780) O ÍNDIO PLATINOCOMO PAPEL BRANCO: OS PRIMEIROS TEMPOS DA IMPRENSA NA AMÉRICA JESUÍTICA (1580-1780) Fernanda Gisele Basso (BIC/UNICENTRO), Márcio Fernandes (Orientador), e-mail: marciofernandes@unicentro.br

Leia mais

Disputa pela hegemonia mundial entre Estados Unidos e URSS após a II Guerra Mundial. É uma intensa guerra econômica, diplomática e tecnológica pela conquista de zonas de influência. Ela divide o mundo

Leia mais

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido.

Até então o confronto direto entre os aliados não havia acontecido. Confronto entre os aliados, vencedores da 2ª Guerra: Inglaterra, França, EUA e União Soviética. Acordo pós-guerra definiria a área de influência da URSS, onde estavam suas tropas (leste europeu). Conferência

Leia mais

Exacerbado, atual nacionalismo é pregado por quem veste Prada

Exacerbado, atual nacionalismo é pregado por quem veste Prada Para Ana Maria Dietrich, professora da Federal do ABC, grupos que levantam bandeiras do ódio e do preconceito não possuem fundamento e são regidos pela elite brasileira São Bernardo do Campo Professora

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PLANO DE ENSINO PERÍODO LETIVO/ANO 2009 Programa: Pós-Graduação stricto sensu em Educação/PPGE Área de Concentração: Sociedade,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Claro Oliveira, Celso Fernando Estudos

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial

Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial Exercícios de Guerra Civil Espanhola e 2ª Guerra Mundial 1. (Ufes) A Guerra Civil Espanhola (1936-1939), em que perderam a vida mais de 1 milhão de pessoas, terminou com a derrota dos Republicanos e com

Leia mais

República Popular Chinesa (1912-1949)

República Popular Chinesa (1912-1949) China atual Revolução Chinesa Primeiro momento (1911): revolução nacionalista contra neocolonialismo, liderada por SunYat-sen e fundador do Kuomitang (Partido Nacionalista) Segundo momento (1949): revolução

Leia mais

Guerra da Coreia: 1950-53

Guerra da Coreia: 1950-53 Guerra da Coreia: 1950-53 Esteve dominada pelo Japão durante a segunda guerra e foi dívida entre norteamericanos e soviéticos em 1945, na conferência de Yalta, pelo paralelo 38. Essa divisão era provisória

Leia mais

Referências Bibliográficas:

Referências Bibliográficas: Referências Bibliográficas: Fontes Primárias: Arquivo CPDOC: Arquivo Getúlio Vargas (GV). VARGAS, Getúlio. A campanha presidencial. São Paulo: Livraria José Olympio Editora, 1951. Arquivo Edgard Leuenroth:

Leia mais

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir.

1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. 1. (Ufsm 2012) Observe as projeções cartográficas: Numere corretamente as projeções com as afirmações a seguir. ( ) Na projeção cilíndrica, a representação é feita como se um cilindro envolvesse a Terra

Leia mais

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar

1. Conceito Guerra improvável, paz impossível - a possibilidade da guerra era constante, mas a capacidade militar de ambas potências poderia provocar A GUERRA FRIA 1. Conceito Conflito político, econômico, ideológico, cultural, militar entre os EUA e a URSS sem que tenha havido confronto direto entre as duas superpotências. O conflito militar ocorria

Leia mais

GUERRA FRIA 1945 1991

GUERRA FRIA 1945 1991 GUERRA FRIA 1945 1991 Guerra Fria 1945-1991 Conceito: Conflitos políticos, ideológicos e militares (indiretos), que aconteceram no pós guerra entre as duas potências mundiais EUA e URSS entre 1945-1991.

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. Leia o texto sobre a Guerra Fria e responda. O termo tornou-se perfeito para se entender o momento político internacional, pois

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc

Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Diálogos - Revista do Departamento de História e do Programa de Pós-Graduação em História ISSN: 1415-9945 rev-dialogos@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil Perosa Junior, Edson José Como mudar

Leia mais

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos.

Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Dossiê Tibete: análise dos conflitos sino-tibetanos. Ana Paula Lopes Ferreira 1 RESUMO Os conflitos entre China e Tibete vêm de um longo processo histórico e desde 1949, quando ocorre a ocupação chinesa

Leia mais

Os personagens do livro A Revolução dos Bichos. Os personagens em Revolução dos Bichos traçam um paralelo com os ícones da Revolução Russa de 1917.

Os personagens do livro A Revolução dos Bichos. Os personagens em Revolução dos Bichos traçam um paralelo com os ícones da Revolução Russa de 1917. Os personagens do livro A Revolução dos Bichos Os personagens em Revolução dos Bichos traçam um paralelo com os ícones da Revolução Russa de 1917. Sr. Jones O primeiro personagem que nos é apresentado

Leia mais

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista

DÉCADA DE 50. Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Eventos mais marcantes: Revolução Chinesa (1949) Guerra da Coréia (1950-1953) Revolução Cubana (1959) Corrida armamentista Corrida Espacial REVOLUÇÃO CHINESA Após um longo período de divisões e lutas internas,

Leia mais

Alguns dados sobre a China

Alguns dados sobre a China CHINA "...de que país a China é colônia? É colônia de cada país com quem firmou um tratado, e todos os países que têm um tratado com a China são seus donos. Assim, a China não é somente escrava de uma

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 46 CARTOGRAFIA: UMA FORMA DE REPRESENTAÇÃO DO PODER

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 46 CARTOGRAFIA: UMA FORMA DE REPRESENTAÇÃO DO PODER GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 46 CARTOGRAFIA: UMA FORMA DE REPRESENTAÇÃO DO PODER Analisadas as figuras acima, é CORRETO afirmar que: a) ambas as projeções são cilíndricas, sendo que a de Mercator é

Leia mais

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA Causas da Hegemonia atual dos EUA Hegemonia dos EUA Influência Cultural: músicas, alimentações, vestuários e língua Poderio Econômico: 20% do PIB global Capacidade Militar sem

Leia mais

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha

Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Prefeitura Municipal de Florianópolis Secretaria de Educação Escola Básica Municipal Osmar Cunha Disciplina: Geografia Professora: Bianca de Souza PLANEJAMENTO ANUAL 2012 8ª SÉRIE - TURMAS 83 e 84 Primeiro

Leia mais

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura Revisão História SÉRIE 9ª ENSINO Fundamental ETAPA 3ª Marta Moura 1. A geração explosiva dos anos 60, conhecidos como anos rebeldes, protestava contra as guerras, a corrida armamentista, o racismo, o poder

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs. História Oficina de História Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo de Referência da Rede Estadual de Educação de GOIÁs História Oficina de História 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta

Leia mais

Introdução à Programação Projeto 2011.2

Introdução à Programação Projeto 2011.2 Introdução à Programação Projeto 2011.2 Introdução Desde os primórdios de sua existência, os computadores vêm sido largamente utilizados em sistemas de defesa. O ENIAC, primeiro computador digital eletrônico,

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso null - null. Ênfase. Disciplina 0003029A - História da Comunicação Curso null - null Ênfase Identificação Disciplina 0003029A - História da Comunicação Docente(s) Vinicius Martins Carrasco de Oliveria Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

Arquivo Público do Estado de São Paulo

Arquivo Público do Estado de São Paulo Arquivo Público do Estado de São Paulo Oficina: O(s) Uso(s) de documentos de arquivo na sala de aula Ditadura Militar e Anistia (1964 a 1985). Anos de Chumbo no Brasil. Ieda Maria Galvão dos Santos 2º

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA

DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA DITADURA MILITAR: O DISCURSO DE MULHERES NO CONFLITO POR TERRA NA REGIÃO DO ARAGUAIA Juliany Teixeira Reis 1 Judite Gonçalves Albuquerque 2 Esta pesquisa foi inicialmente objeto de uma monografia de graduação

Leia mais

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação

Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL. Geografia Leituras e Interação Apontamentos das obras LeYa em relação ao Currículo em Movimento do DISTRITO FEDERAL Geografia Leituras e Interação 2 Caro professor, Este guia foi desenvolvido para ser uma ferramenta útil à análise e

Leia mais

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO

PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. História da Administração Pública no Brasil APRESENTAÇÃO PROGRAMA DE GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA PARA O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL Disciplina: História da Administração Pública no Brasil Professor(es): Wallace Moraes Período: 2013/2 Horário: 3 e 5 feiras,

Leia mais

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro

PARNAMIRIM - RN. 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro PARNAMIRIM - RN 6º ano Professores: Ricardo Gomes Verbena Ribeiro 1. CONTEXTO / INTRODUÇÃO Como vimos anteriormente, a Grécia, nada mais é do que o berço da cultura Ocidental, e como tal, nos deixou como

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 8 o ano 3 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : 1. 25 de janeiro de 1835, ao amanhecer o dia na cidade de Salvador, 600 negros entre libertos e escravos levantaram-se decididos

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870)

LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) LEVANTAMENTO DE FONTES PARA O DICIONÁRIO BRASILEIRO DA GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Thasley Westanyslau Alves Pereira * Marcelo Santos Rodrigues (Orientador) ** O projeto Levantamento de Fontes para

Leia mais

Os BRICS no capitalismo transnacional

Os BRICS no capitalismo transnacional Os BRICS no capitalismo transnacional William Robinson O s BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são países considerados, pelos sistemas mundiais e por vários analistas, como estados ou

Leia mais

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático China e Japão e a Segurança no Leste Asiático Geraldo Lesbat Cavagnari Filho Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

PROJETO DE JORNALISMO COMPARADO APROXIMA PÓS-GRADUAÇÃO DA GRADUAÇÃO. Dirceu Fernandes Lopes, José Coelho Sobrinho José Luiz Proença

PROJETO DE JORNALISMO COMPARADO APROXIMA PÓS-GRADUAÇÃO DA GRADUAÇÃO. Dirceu Fernandes Lopes, José Coelho Sobrinho José Luiz Proença PROJETO DE JORNALISMO COMPARADO APROXIMA PÓS-GRADUAÇÃO DA GRADUAÇÃO Dirceu Fernandes Lopes, José Coelho Sobrinho José Luiz Proença 30 ANOS DE PÓS Os cursos de pós-graduação na área de Ciências da Comunicação

Leia mais

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917

A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 A REVOLUÇÃO RUSSA DE 1917 Escola Secundária de Cascais Disciplina : Sociologia -12º H Guilherme Alves, nº 13 Fevereiro de 2014 Mafalda Borges, nº 18 Introdução 1. A Rússia dos Czares 2. A Revolução - 2.1

Leia mais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais

Fernando Correia. Principais atividades e funções atuais 1 Fernando Correia Fernando António Pinheiro Correia nasceu em Coimbra em 1942. Jornalista. Docente universitário, com o grau de Professor Associado Convidado. Investigador em Sociologia, História e Socioeconomia

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM GEOGRAFIA: O USO DA CHARGE COMO INSTRUMENTO DE ANÁLISE PARA AS NECESSIDADES ATUAIS Kaio Santos Diniz Graduado em Geografia pela Universidade Estadual da Paraiba, professor da disciplina

Leia mais

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE

O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE O RESGATE DO PENSAMENTO DE ALBERTO TORRES PARA A COMPREENSÃO HISTORIOGRÁFICA DA POLÍTICA NACIONAL DO PÓS- REVOLUÇÃO DE 1930 Jorge Eschriqui Vieira PINTO Alberto Torres foi um intelectual vanguardista entre

Leia mais

Independência da América Espanhola

Independência da América Espanhola Independência da América Espanhola Nossa América No início do século XIX a América hispânica, inspirada nas idéias liberais do Iluminismo, travou sua guerra de independência vitoriosa contra o colonialismo

Leia mais

As Novas Migrações Internacionais

As Novas Migrações Internacionais As Novas Migrações Internacionais As novas migrações ganharam novas direções, as realizações partem de países subdesenvolvidos para países desenvolvidos, e o novo modelo de migração internacional surge

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

Introdução às relações internacionais

Introdução às relações internacionais Robert Jackson Georg Sørensen Introdução às relações internacionais Teorias e abordagens Tradução: BÁRBARA DUARTE Revisão técnica: ARTHUR ITUASSU, prof. de relações internacionais na PUC-Rio Rio de Janeiro

Leia mais