CÁLCULOS JUDICIAIS FUNCIONALIDADES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CÁLCULOS JUDICIAIS FUNCIONALIDADES"

Transcrição

1 FUNCIONALIDADES Tabelas Cadastro de Tabelas Permite cadastrar os índices econômicos que serão utilizados nos modelos de correção monetária. Os índices podem ser mensais ou diários, podem ter aplicação na data da competência ou publicação e podem ser informados em forma de valor ou índice. Todas essas informações ficam armazenadas no cadastro de cada índice. Exemplos de índices: ORTN/OTN, BTN, UFIR Mensal, INPC, TR, SELIC, Salário Mínimo, IPCA-E. A Correção Monetária é a apuração da variação de uma composição de índices. Exemplo: Modelo Precatório ORTN/OTN - variação de 01/01/1980 até 01/01/1989 BTN - variação de 01/02/1989 até 01/02/1991 INPC - variação de 02/02/1991 até 01/01/1992 UFIR Mensal - variação de 02/01/1992 até 31/12/1999 IPCA-e - variação de 01/01/2000 até hoje. Com isso podemos dizer que ao montarmos uma tabela constando os índices financeiros e suas periodicidades, podemos montar vários modelos de correção monetária. Relatórios Na Evolução dos coeficientes de Correção Monetária, é possível listar a composição dos índices que formam o modelo no período selecionado. A Cotação dos índices econômicos emite a listagem dos valores ou percentuais do índice selecionado. Liquidação de Sentenças Cadastro de Processos Está dividido em 6 partes: 1. Dados Básicos 2. Expurgos 3. Honorários Advocatícios 4. Custas Judiciais 5. Partes 6. Histórico 1) Dados Básicos Aqui ficam armazenadas as regras básicas necessárias para o cálculo do Autor - Nome do autor do Classe para cálculo - A Classe determina o tipo de

2 cálculo do a) Ações Ordinárias em geral b) Ações Benefícios Previdenciários c) Ações Repetição de Indébito d) Ações Trabalhistas e) Ações do F.G.T.S. f) Ações de Índices Modelo de Correção Monetária - Modelo de correção que será utilizado para atualizar os valores calculados em cada mês. Data de Ínicio da Correção Monetária - Data que irá iniciar a aplicação da correção monetária nos valores apurados. Data de Ínicio dos Juros de Mora - Data que inicia o cálculo dos Juros de Mora. Juros - Os juros incidirão apenas sobre o valor principal apurado no cálculo a ser atualizado. Deverão ser contados a partir da data de sua elaboração seguindo opções abaixo: a) Sem juros b) 0,5% a.m. c) 1,0% a.m. d) 0,5% até 12/2002 e após 1,0% a.m. Súmula 71 - Indica se a Súmula 71 será utilizada. A Súmula é a composição da variação do Salário Mínimo de Referência ou Salário Mínimo da data da parcela até a data final do cálculo. Este campo será utilizado somente para a Classe de Ações de Benefícios Previdenciários. Espécie Rural - Indica que se trata de um processo de Espécie Rural, utilizado somente para a Classe de Ações de Benefícios Previdenciários. Tipo de Salário Mínimo - Tipo de Salário Mínimo utilizado no cálculo da Súmula 71. a) Salário Mínimo/ Referência b) Salário Mínimo Observação - Campo para digitação de texto livre. 2) Expurgos Para as classes Ordinárias, Previdenciárias, Repetição de Indébitos, Trabalhistas e Índices, o expurgo é o percentual que será acrescentado ao fator de correção quando couber. Mês/Ano do expurgo - Mês e ano que será aplicado o expurgo. Percentual - Percentual do expurgo que será aplicado no mês e ano selecionado. Descrição - Texto explicativo do expurgo. 3) Honorários Indica o tipo de cálculo que será utilizado para encontrar o valor devido ao honorários. Pode ser calculado de três tipos: sobre o valor da condenação, sobre o valor da causa ou sobre o valor da sentença. Valor da Condenação - É um percentual aplicado sobre o valor total calculado para o Valor da causa - É um percentual aplicado sobre o valor da causa atualizado segundo o modelo de Correção Monetária na data de atribuição. Valor da sentença - É um percentual aplicado sobre o valor determinado na sentença. Parcelas Vincendas - É o somatório da última parcela com os juros multiplicado por 12, sendo o resultado acrescido ao total da conta. Feito isto, será encontrado o valor dos honorários através do percentual estabelecido na sentença aplicado sobre o total encontrado. Este procedimento será utilizado somente quando o tipo de honorário for Valor da Condenação. Data da Atribuição - Utilizada para os tipos Valor da Causa e Valor da Sentença. Determina a data de atribuição do valor. Percentual - Utilizado para os tipos Valor da Condenação e Valor da Causa. Indica o percentual que será utilizado no cálculo. Valor - Utilizado para os tipos Valor da Causa e Valor da Sentença. Indica o valor que será utilizado como base para o cálculo. Modelo de Correção Monetária - Utilizado para os tipos Valor da Causa e Valor da Sentença. Indica o tipo de modelo de correção monetária que será utilizado para atualizar o valor encontrado. 4) Custas Judiciais São os valores que foram cobrados ao autor no início do processo, os quais deverão sofrer Correção

3 Monetária e serão acrescidos ao valor total do Para este valor existe uma data de atribuição. Mês/Ano do Recolhimento - Mês e ano do pagamento das Custas. Valor - Valor pago no mês e ano selecionado. Descrição - Texto explicativo das Custas. 5) Partes Contém os dados necessários para cada parte do Nome - Nome da parte a ser cadastrada. Para cada Classe ficará disponível uma tela para o cadastro das partes. Segue abaixo, as opções disponíveis: - Classes Ordinárias, Benefícios Previdenciários e Repetição de Indébito: Mês/Ano - Mês e ano da parcela. Valor Devido - Valor devido a parte no mês e ano selecionado. Valor Recebido - Valor recebido pela parte no mês e ano selecionado. T i p o F N D - S e r v e p a r a r e c u p e r a r automaticamente os valores do empréstimo compulsório. Utilizada somente para a Classe Repetição de Indébito. Estão disponíveis as seguintes opções: a) Carro b) Caminhão c) Moto - Classe Trabalhista Mês/Ano - Mês e ano da parcela. Valor Devido - Valor devido à parte no mês e ano selecionado. - Classe F.G.T.S. Taxa a aplicar - Taxa de juros a ser aplicada no cálculo dos valores. Essa taxa segue os padões da Caixa Economica Federal. a) Sem Juros b) 3% c) 4% d) 5% e) 6% Acumula Expurgo - Indica se os expurgos cadastrados serão considerados no cálculo dos valores. Data do Saldo - Data do cadastro do valor informado. Valor do Saldo - Valor que será atribuído ao saldo na data informada. Percentual do Expurgo - Percentual do Expurgo para a data informada. - Classe Ações de Índices Data inicial - Data inicial para atualização do valor da rubrica para o percentual informado. Data final - Data final para atualização do valor da rubrica para o percentual informado. Rubrica - Rubrica a ser considerada no intervalo de tempo determinado. O sistema permite cadastrar somente as rubricas informadas na Tabela de Rubricas. Percentual - Número do percentual a ser aplicado na rubrica no período informado. Valor - Valor que será atribuído para a rubrica na data informada. 6) Histórico Permite cadastrar um texto com as informações do Cadastro de Rubricas: permite cadastrar as rubricas que serão utilizadas na Classe Ações de Índices. Descrição - Identificação da rubrica. Relatório Emissão de Cálculo Emite o cálculo do processo selecionado seguindo as regras estabelecidas no cadastro do Só será permitido listar processos já cadastrados. Processo - Número do processo que será calculado e listado. Data Final - Indica a data limite de cálculo. Tipo do relatório - Tipo de emissão do relatório.

4 a) Geral b) Partes selecionadas c) Resumo Geral Partes selecionadas - Selecionar as partes a serem listadas no Revisão de Benefícios Cadastro de Espécie Espécies são os tipos de benefícios que permitem o cálculo de valores. Espécie - Código da espécie de benefício Descrição - Identificação da espécie do benefício Permite Cálculo - Indica se a espécie do benefício pode ser cadastrada ou calculada em algum Tipo de benefício - Identifica a origem do benefício. a) Aposentadoria b) Pensão - Trabalhador c) Pensão - Aposentado Cadastro de Fatores Permite cadastrar os Fatores do INSS que serão utilizados no cálculo da RMI (Renda Mensal Inicial). Tabela - Índices que serão utilizados. Mês/ Ano do benefício - Mês e Ano em que foi concedido o benefício. Mês/ Ano de atualização - Mês e Ano do salário de contribuição previdenciária que originou o benefício. Fator de atualização - Fator utilizado para gerar a correção do salário de contribuição previdenciária. Cadastro de Processos O cadastro de processos está dividido em 5 partes: 1. Dados Básicos 2. Expurgos 3. Honorários Advocatícios 4. Custas Judiciais 5. Partes 6. Histórico 1) Dados Básicos Aqui ficam armazenadas as regras básicas necessárias para o cálculo do Distribuição - Data em que ocorreu a distribuição do processo Citação - Data em que ocorreu a citação do Está data também é utilizada como a data inicial do cálculo dos Juros. Início Cálculo - Data em que começarão a ser apurados os valores das rendas recebidas e devidas. O valor padrão desta data é a data da distribuição menos 5 anos. Final Cálculo - Data em que encerra a apuração dos valores das rendas recebidas e devidas. Condenação - Data em que ocorreu a promulgação da sentença. Final Art 58 do ADCT - Data informativa do final do artigo 48 da ADCT. a) 07/1991 b) 12/1991 O Art 58 da ADCT, determina que todo benefício com data inicial anterior a 05/10/88, serão convertidos em quantidade de salário mínimo, equivalência salarial, no período de 04/1989 até 07/1991 ou 12/1991. Zera saldos negativos - Indica que se a diferença entre o saldo da renda devida e da renda recebida for negativa, menor que zero, será impressa a palavra NEGATIVO. Este valor não será acrescentado ao total a receber pela parte. Lei Indica que será calculado o valor referente a Lei O período de aplicação desta lei é de janeiro de 1982 até abril de Aplicação da Lei 1910 : a) Processos com espécie do tipo Pensão: aplica-se 3% em todo o período. b) Processos com outras espécies: apura-se o valor do salário mínimo ou salário mínimo de referência na data da parcela. Calcula a divisão entre a renda recebida e o valor do salário mínimo encontrado. A diferença encontrada será utilizada para determinar o percentual a

5 ser utilizado da seguinte forma: i. O quociente for inferior a 3 : 3%. ii. O quociente for superior ou igual a 3 e inferior a 5 : 3,5%. iii. O quociente for superior ou igual a 5 e inferior a 10 : 4%. iv. O quociente for superior ou igual a 10 e inferior a 15 : 4,5%. v. O quociente for superior ou igual a 15 : 5%. Aplica Súmula 260 Indica que será aplicada a súmula 260. A Súmula é aplicada somente para os benefícios com data inicial anterior à 05/10/1988, com inicio na data do benefício até 03/1989. Aplicação da Súmula: a) No cálculo da Renda Devida será aplicado o índice integral de reajuste do INSS, quando não existir índice na data de início do benefício. b) No cálculo da Renda Recebida será sempre aplicado o índice proporcional a data de inicio do benefício. c) Indica que será aplicada a Defasagem. Defasagem é o período de reajustamento dos índices. Em abril de 1987 o sistema volta ao início do cálculo refazendo a Renda Recebida utilizando uma tabela auxiliar. Reposiciona Renda Recebida - Indica que a renda recebida em junho de 1996, quando a data do início de benefício for entre 06/10/1988 a 04/04/1994, retornará a data de novembro de 1988 ou a data do início do benefício se este for posterior, para aplicar a OS 121. A aplicação do reposicionamento especificado pela OS 121 é obrigatório para a renda devida e opcional para a renda recebida. Tipo de Salário Mínimo - Indica o tipo de salário mínimo a ser utilizado. a) Piso Nacional de Salários. b) Salário Mínimo/Referência até 03/1989. c) Salário Mínimo/Referência até 04/1989. d) Salário Mínimo/Referência até 06/1989. A utilização do Tipo de Salário Mínimo será em dois casos: a) quando o cálculo da renda devida for pela Equivalência Salarial ou b) no cálculo da Súmula 71, para gerar a composição do coeficiente de correção monetária. Juros - Tipo de juros a ser utilizado no cálculo do processo, os quais deverão ser calculados a partir da data da citação ou data da condenação. a) Sem juros b) 0,5% a.m. c) 1,0% a.m. d) 0,5% a.m. até 12/2002 e após 1,0%. e) 0,5% a.m. até 12/200 e após SELIC Tipo (Renda Devida) - Tipo de cálculo dos valores da renda devida. a) Equivalência Salarial Esta regra indica que a Renda Devida será o número de Salário Mínimo no ano/mês da data de inicio do beneficio multiplicado pelo Salário Mínimo no ano/mês da parcela. Este critério será utilizado em todo o período do cálculo. b) Tabela do INSS Os valores são calculados utilizando os índices de reajustamento do INSS. Mínimo (Renda Devida) - Tipo do valor mínimo possível para renda devida. a) 1 salário mínimo desde 10/1988. b) 1 salário mínimo desde 04/1989. c) 1 salário mínimo desde 04/1991. Renda em 06/1989 (Renda Devida) Indica qual o será o valor do salário mínimo a ser utilizado nesta data. a) Valor de NCZ$ 81,40. b) Valor de NCZ$ 120,00. Este valor será utilizado tanto no cálculo da Equivalência Salarial quanto no cálculo da Súmula 260. Abono 13º Salário (Renda Devida) - Tipo de cálculo do abono do 13º salário que será utilizado para o cálculo da renda devida. a) Integral a partir de Os valores do abono até 1987 serão calculados proporcionalmente e a partir de 1988 será o valor do mês de dezembro da cada ano. b) Integral a partir de Os valores do a b o n o a t é s e r ã o c a l c u l a d o s proporcionalmente e a partir de 1989 será o valor do mês de dezembro da cada ano.

6 c) Integral a partir de Os valores do a b o n o a t é s e r ã o c a l c u l a d o s proporcionalmente e a partir de 1990 será o valor do mês de dezembro da cada ano. d) Sempre Integral - Será o valor do mês de dezembro da cada ano. Modelo (Composição Correção Monetária) - Modelo de correção monetária a ser utilizado para corrigir o valores dos saldos resultantes entre as rendas devidas e recebidas. Fómula (Composição Correção Monetária) - Opção indicativa da composição do fator de correção monetária a ser utilizado na atualização do saldo a receber de cada parcela. a) Lei 6899/81 - Serão aplicados somente os fatores de correção calculados através da utilização do modelo de correção monetária selecionado. b) Súmula 71 + Lei 6899/81 - Os fatores serão a composição encontrada no período da utilização da Súmula 71 multiplicado pelos fatores de correção calculados utilizando modelos de correção monetária. c) Súmula 71 - Os fatores serão calculados somente utilizando os valores do salário mínimo. Aplicação (Composição Correção Monetária) - Opção indicativa dos períodos de aplicação da Súmula 71 e da Lei 6899/81. - Quando selecionada Súmula 71 + Lei 6899/81, haverá as seguintes opções : a) Utilização da Súmula 71 da data do início do cálculo até a data de distribuição e Lei 6899/81 da data de distribuição até a data do final do cálculo. b) Utilização da Lei 6899/81 da data do início do cálculo até a data de distribuição e Súmula 71 da data de distribuição até a data do final do cálculo. c) Utilização da Súmula 71 data do cálculo até a data de 04/1981 e Lei 6899/81 a partir da data de 04/1981 até a data do final do cálculo. - Quando selecionado Lei 6899/81, haverá as seguintes opções : a) Utilização da data do início do cálculo até a data final do cálculo. b) Utilização da data da distribuição até a data final do cálculo. c) Utilização da data da início do cálculo até a data da distribuição. d) Utilização da data do início do cálculo até a data 04/1981. e) Utilização da data de 04/1981 até a data final do cálculo. - Quando selecionado Súmula 71, teremos as seguintes opções : a) Utilização da data do início do cálculo até a data final do cálculo. b) Utilização da data da distribuição até a data final do cálculo. c) Utilização da data do início do cálculo até a data da distribuição. Observação Campo livre para texto. 2) Expurgos Para as classes Ordinárias, Previdenciárias, Repetição de Indébitos, Trabalhistas e Índices, o expurgo é o percentual que será acrescentado ao fator de correção quando couber. Mês/Ano do expurgo - Mês e ano que será aplicado o expurgo. Percentual - Percentual do expurgo que será aplicado no mês e ano selecionado. Descrição - Texto explicativo do expurgo. 3) Honorários Indica o tipo de cálculo que será utilizado para encontrar o valor devido ao honorários. Pode ser calculado de três tipos: sobre o valor da condenação, sobre o valor da causa ou sobre o valor da sentença. Valor da Condenação - É um percentual aplicado sobre o valor total calculado para o Valor da causa - É um percentual aplicado sobre o valor da causa atualizado segundo o modelo de Correção Monetária na data de atribuição. Valor da sentença - É um percentual aplicado sobre o valor determinado na sentença. Parcelas Vincendas - É o somatório da última

7 parcela com os juros multiplicado por 12, sendo o resultado acrescido ao total da conta. Feito isto, será encontrado o valor dos honorários através do percentual estabelecido na sentença aplicado sobre o total encontrado. Este procedimento será utilizado somente quando o tipo de honorário for Valor da Condenação. Data da Atribuição - Utilizada para os tipos Valor da Causa e Valor da Sentença. Determina a data de atribuição do valor. Percentual - Utilizado para os tipos Valor da Condenação e Valor da Causa - Indica o percentual que será utilizado no cálculo. Valor - Utilizado para os tipos Valor da Causa e Valor da Sentença. Indica o valor que será utilizado como base para o cálculo. Modelo de Correção Monetária - Utilizado para os tipos Valor da Causa e Valor da Sentença. Indica o tipo de modelo de correção monetária que será utilizado para atualizar o valor encontrado. 4) Custas Judiciais São os valores que foram cobrados ao autor no início do processo, os quais deverão sofrer Correção Monetária e serão acrescidos ao valor total do Para este valor existe uma data de atribuição. Mês/Ano do Recolhimento - Mês e ano do pagamento das Custas. Valor - Valor pago no mês e ano selecionado. Descrição - Texto explicativo das Custas. 5) Partes Contém os dados necessários para cada parte do Nome - Nome do beneficiário a ser cadastrado. Aposentado/ Trabalhador Cadastrar os dados referentes ao aposentado ou trabalhador. Espécie - Espécie de benefício concedido ao benefíciário. A espécie deve estar cadastrada na tabela de Espécies. DIB - Data da concessão do benefício também conhecida como data inicial do benefício. RMI - Renda inicial da concessão do benefício também conhecida com Renda Mensal Inicial. RMI revisada - Renda inicial da concessão do benefício informada pelo INSS ou recalculada utilizando os salários de contribuições. Zera Renda Recebida - indica que não ocorrerá cálculo das parcelas da renda recebida. Número de benefício - Número de inscrição do benefício no INSS. Correção de RMI - Tipo de correção que será aplicada para calcular a RMI Revisada. a) Sem correção: Não haverá cálculo de nova renda mensal inicial b) Corrige as 36 parcelas: O cálculo da nova renda mensal inicial utilizará 36 parcelas corrigidas. c) Corrige as 24 parcelas: O cálculo da nova renda mensal inicial utilizará 24 parcelas corrigidas e 12 parcelas não corrigidas. Tabela de fator INSS - Tabela publicada pelo INSS utilizada na correção dos salários de contribuição no período básico de cálculo. a) ORTN b) IRSM (02/1994) c) INPC d) 02/1994 SOMENTE Percentual RMI - Percentual utilizado no cálculo da nova RMI. Aplica Teto - Indica a aplicação do valor teto de benefício no cálculo das rendas recebidas e devidas e a utilização do valor teto na apuração da Lei 8.870/94. a) Não Aplica b) Decreto /84 c) Lei 8.213/91 Observação: - Lei 8.870/94 Os benefícios concedidos com data de início entre 04/1991 e 12/ 1993, cuja renda mensal inicial tenha sido calculada sobre salário-de-benefício inferior à média dos 36 últimos salários-de-

8 contribuição, serão revistos a partir da competência abril de 1994, mediante a aplicação do percentual correspondente à diferença entre a média mencionada neste artigo e o salário-de-benefício considerado para a concessão. Os benefícios revistos não poderão resultar superiores ao teto do salário-de-contribuição vigente na competência de abril de Decreto /84 - Dos 36 meses de Salário de Contribuição, somente 24 são corrigidos os 12 restantes ficam sem correção. - Lei 8.213/91 Os benefícios concedidos após 07/1991, terão a revisão da RMI retroativa à 10/1988. Aplica Lei 8.880/94 - Esta Lei determina que na hipótese da média apurada, resultar valor superior ao limite máximo do salário-decontribuição vigente no mês de início do benefício, a diferença percentual entre esta média e o referido limite será incorporada ao valor do benefício juntamente com o primeiro reajuste do mesmo após a concessão, observado que nenhum benefício assim reajustado poderá superar o limite máximo do salário-decontribuição vigente na competência em que ocorrer o reajuste. Média S. C. Recebida - Valor encontrado ao se calcular a média dos salários de contribuição que tenha excedido o valor teto do benefício. Esse valor será utilizado para o cálculo da Renda Recebida. Média Renda Devida Planilha - Valor encontrado ao se calcular a média dos salários de contribuição que tenha excedido o valor teto do benefício. Esse valor será utilizado para o cálculo da Renda Devida. Contribuição Previdenciária Cadastro das contribuições previdenciárias efetuadas pelo segurado. Parcelas de processos com dib posterior a 05/10/1988 Quando se deseja calcular a nova Renda Mensal Inicial deve-se informar os 36 últimos Salários de Contribuição e aplicar a tabela de coeficiente fornecida pelo INSS para reajustar e dividir o somatório por 36, ou se for o caso, somar as 12 últimas sem reajustar e as 24 restantes reajustando e dividindo por 36. O valor encontrando deverá ser comparado ao teto máximo de contribuição, caso exceda será utilizado o Máximo Valor Teto Benefício como nova Renda Mensal Inicial,. A nova Renda Mensal Inicial será utilizada na coluna de reajustes da Renda Devida. Deve também ter a opção para cadastrar a RMI já revista informada pelo INSS. Observação1: Como se calcular a nova Renda Mensal Inicial quando as 12 últimas parcelas não forem reajustadas. a) Se o Salário de Benefícios (Média dos últimos 36 salários de contribuições) for igual ou inferior ao Menor Valor Teto da época da DIB, aplica-se o coeficiente de cálculo diretamente sobre o valor encontrado. b) Se o Salário de Benefícios (Média dos últimos 36 salários de contribuições) for superior ao Menor Valor Teto da época da dib, o Salário de Benefício deverá ser desmembrado em 2 parcelas: b1) Parcela Básica: corresponderá a aplicação do coeficiente de cálculo sobre o Menor Valor Teto da época da DIB. b2) Parcela Adicional: corresponderá a diferença entre o Salário de Benefício encontrado e o Menor Valor Teto multiplicado pelo número de grupos de 12 contribuições efetuadas pelo beneficiário acima do Menor Valor Teto dividido por O número de grupos de 12 contribuições acima do Menor Valor Teto será informado pelo INSS e de posse desses dados o beneficiário fará sua inclusão no Sistema. - Caso a média dos 36 últimos Salários de Contribuição (24 corrigidos e 12 sem correção) seja superior ao Maior Valor Teto,

9 este deverá ser utilizado para efeito de cálculo de RMI desconsiderando a média encontrada. Mês/Ano da contribuição - Mês e ano do recolhimento da contribuição do segurado. Salário de contribuição - Salário de contribuição utilizado para efetuar a contribuição. Pensão Utilizado somente para os cálculos de revisão de benefícios de Pensionistas. Se for origem de trabalhador o coeficiente será de 100% sobre o valor beneficiário. Se for origem aposentadoria ocorrerá variação de coeficiente de 60% a 100%, sendo que em alguns casos será necessário fazer o cadastro de pensionista (nome, data da extinção e motivo). Cálculo de Pensão/Aposentado Percentual a ser aplicado por cada dependente: Lei /84 dependente. Lei 8213/1991 dependente. Lei 9.032/95 dependente. Tipo Origem da Pensão. a) Trabalhador b) Aposentado 01/1984: 50% + 10% por 07/1991: 80% + 10% por 04/1995: 100% por DIB Pensionista Data de inicio da concessão do benefício do Pensionista. Percentual da pensão - Percentual concedido para o cálculo da pensão. Este percentual incidirá sobre a RMI inicial. Nome - Nome do beneficiário da pensão. Data extinção - Data da extinção do beneficio do pensionista. Motivo extinção - Motivo da extinção do benefício do pensionista. Parcelas informadas Cadastro das parcelas que serão sobrepostas aos valores da rendas devidas ou recebidas. Renda - Tipo de renda aplicada a substituição de parcela. Mês/Ano - Mês e Ano do cadastro do valor informado. Valor - Valor que será atribuído de acordo com o tipo da renda selecionado na data informada no cálculo da renda. Aplicação - Período que terá o valor substituído. a) Somente nesta data b) A partir desta data 6) Histórico Permite cadastrar um texto com as informações do Relatório Emissão de Cálculo Emite o cálculo do processo selecionado seguindo as regras estabelecidas no cadastro do Só será permitido listar processos já cadastrados. Processo - Número do processo que será calculado e listado. Data Final - Indica a data limite de cálculo. Tipo do relatório - Tipo de emissão do relatório. a) Geral b) Partes selecionadas c) Resumo Geral Partes selecionadas Selecionar as partes a serem listadas no Atualização de Valores Cadastro de processo O cadastro de processos está dividido em 3 partes: 1 Dados Básicos 2 Partes 3 Histórico 1) Dados Básicos Aqui ficam armazenadas as regras básicas necessárias para o cálculo do

10 Folha de despacho - Número da folha do processo que contém a determinação do juiz para efetuar a atualização dos valores presentes no cálculo acostado aos autos. Valor do honorário - Valor constante no cálculo a ser atualizado relativo aos honorários advocatícios. Valor das custas - Valor apresentado no cálculo a ser atualizado relativo as custas recolhidas pelo autor. Tipo de depósito - É o valor depositado judicialmente em favor do autor em face da condenação. Existirão 3 tipos de depósito: a) Depósito único - Existe um único valor de depósito que será rateado entre as partes através de uma proporcionalidade. Esta proporcionalidade é obtida através do percentual calculado pela divisão do valor principal de cada parte pelo somatório dos valores principais, mais o valor dos honorários e custas. O valor do depósito para cada parte é obtido pela multiplicação do valor do depósito único pelo percentual encontrado. b) Depósito por partes - Será informado para cada parte, o valor do depósito c) Sem Depósito - Não há depósito a ser descontado do valor principal. Modelo de Correção monetária - Modelo de correção monetária utilizado para fazer a atualização dos valores. Tipo de Juros - Os juros incidirão apenas sobre o valor principal apurado no cálculo a ser atualizado. a) Sem juros b) 0,5% a.m. C) 1,0% a.m. d) 0,5% a.m. até 12/2002 a após 1,0%. Aplica juros - Indica o período em que haverá o cálculo do juros. a)do início até o fim b) Até a data do depósito c) A partir da data do depósito Início dos juros - Data de início do cálculo dos juros. Observação - Campo livre para texto. Depósito Único Valor do Depósito - Valor depositado que será dividido entre as partes. Folha do Depósito - Número da folha onde se encontram acostadas as guias de depósito. Data do Depósito - Data em que foi efetuado o depósito devendo ser levado em conta a data expressa na autenticação mecânica da guia. 2) Partes Contém os dados necessários para cada parte do Nome - Nome da parte a ser cadastrada. Folha de cálculo - Número das folhas onde está presente no processo, a conta a ser atualizada. Data do cálculo - Data da elaboração da conta a ser atualizada. Total - Valor total devido à parte (Principal + Juros) Valor Principal - Valor principal devido à parte Valor Juros - Valor dos Juros. Depósito por parte Valor do Depósito - Valor depositado para a parte. Folha do Depósito - Número da folha onde se encontram acostadas as guias de depósito. Data do Depósito - Data em que foi efetuado o depósito devendo ser levado em conta a data expressa na autenticação mecânica da guia. 3) Histórico Permite cadastrar um texto com as informações do Relatório Emissão de Cálculo Emite o cálculo do processo selecionado seguindo as regras estabelecidas no cadastro do Só será permitido listar processos já cadastrados. Processo - Número do processo que será calculado e listado.

11 Data Final - Indica a data limite de cálculo. Tipo do relatório - Tipo de emissão do relatório. a) Geral b) Partes selecionadas c) Resumo Geral Partes selecionadas - Selecionar as partes a serem listadas no Execução Fiscal Cadastro de Processos O cadastro de processos está dividido em 3 partes: 1 Dados Básicos 2 Partes 3 Histórico 1) Dados Básicos Aqui ficam armazenadas as regras básicas necessárias para o cálculo do Exeqüente - Nome do Exequente a ser cadastrado. Executado - Nome do Executado a ser cadastrado. Tipo de cálculo - O Tipo de Cálculo indicará a forma de cálculo da Correção Monetária, do Juros e da Multa. a) Fazenda Nacional (Fazenda Outros Débitos); b) I.N.S.S. Rural; c) I.N.S.S. Urbano; d) Conselhos; e) Fazenda Nacional (IR - COFINS - FINSOCIAL) Percentual do Honorário - Percentual utilizado para calcular os honorários. Observação - Campo livre para texto. 2) Parcelas Contém os dados necessários para cada parcela do Diversas Opção de valor - Indica o tipo de valor que será informado. a) Índice b) Valor Se o valor for informado em índice, o Sistema irá converter o índice informado, em moeda da época. Natureza - Tipo de natureza da parcela. a) Imposto b) Atualização Monetária (CDA) c) Multa Lançada (CDA) d) Contribuição e) Outros f) Juros (CDA) Data - Data do débito Fato Gerador - Ano referente a geração do débito Termo inicial do Juros de Mora - Data de início do cálculo do juros de mora Índice - Código do índice a ser informado. Ficará disponível somente se a "Opção de valor" selecionada for "Índice". Qtd. Índice - Quantidade de índices na data informada. Ficará disponível somente se a "Opção de valor" selecionada for "Índice". Valor - Valor do débito na data informada. Ficará disponível somente se a "Opção de valor" selecionada for "Valor". Percentual Multa - Percentual utilizado para calcular a Multa. Para o cálculo de processos de I.N.S.S. esse campo não ficará disponível, pois os percentuais variam dependendo da data do débito. Depósitos Data - Data em que foi efetuado o depósito. Valor total - Valor total do depósito. Valor Principal - Valor do montante que forma o valor principal Valor Juros - Valor referente ao Juros. Valor Multa - Valor referente à multa. Valor Honorário - Valor referente ao honorário. Observação1: O depósito pode ser discriminado ou informado somente o valor total. Se for informado o "Valor Total" os outros campos ficam indisponíveis e o sistema fará internamente o cálculo de cada campo, porém se os valores "Principal", "Juros", "Multa" e "Honorários" forem informados, o campo "Valor total" ficará

12 indisponível. Observação2: No cálculo dos processos de Execução Fiscal, as regras necessárias para o cálculo da Correção Monetária, Juros de Mora e Multa, dependerão da Natureza, da Data da Parcela e do Fato Gerador. 3) Histórico Permite cadastrar um texto com as informações do Relatório Emissão de Cálculo Emite o cálculo do processo selecionado seguindo as regras estabelecidas no cadastro do Só será permitido listar processos já cadastrados. Processo - Número do processo que será calculado e listado. Data Final - Indica a data limite de cálculo. Tipo do relatório - Tipo de emissão do relatório. a) Geral b) Partes selecionadas c) Resumo Geral Partes selecionadas - Selecionar as partes a serem listadas no PLATAFORMAS ARQUITETURA DE HARDWARE RISC INTEL SISTEMAS OPERACIONAIS UNIX MS WINDOWS 2003/2008/2012 BANCOS DE DADOS ORACLE MS SQL SERVER SYBASE INTERSYSTEMS CACHÉ Curitiba: Rua Tapajós, 186 CEP Tel.: (41) Fax: (41) Rio de Janeiro: Av. Nilo Peçanha, 50 cj 2503 CEP Tel./Fax: (21) Visite nossa página: - Fale conosco:

REVISÕES JUDICIAIS DE APOSENTADORIA E PENSÃO:

REVISÕES JUDICIAIS DE APOSENTADORIA E PENSÃO: REVISÕES JUDICIAIS DE APOSENTADORIA E PENSÃO: 1) Pedido de concessão de benefício na Justiça: Todo o segurado que tenha um pedido de concessão ou revisão de benefício previdenciário, que foi requerido

Leia mais

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória

AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS. a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória AÇÕES COLETIVAS PREVIDENCIÁRIAS SINPRO/RS a) Repetição de Indébito incidência de contribuição previdenciária em verba indenizatória A contribuição previdenciária só incide sobre o salário (espécie) e não

Leia mais

CONSIDERANDO O IRSM DE FEV/94 (39,67%) (em desenvolvimento)

CONSIDERANDO O IRSM DE FEV/94 (39,67%) (em desenvolvimento) MANUAL DO JUSPREV I - PROGRAMA PARA RECÁLCULO DA RMI CONSIDERANDO O IRSM DE FEV/94 (39,67%) (em desenvolvimento) 1 - INFORMAÇÕES GERAIS O JUSPREV I é um programa on-line desenvolvido no ano de 2004 num

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante Benefício definido (Eletra 01) BENEFICIO DEFINIDO Cartilha do Participante Introdução A ELETRA Fundação Celg de Seguros e Previdência é uma entidade fechada de previdência privada, de fins previdenciários

Leia mais

DICAS SOBRE AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS REVISIONAIS

DICAS SOBRE AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS REVISIONAIS DICAS SOBRE AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS REVISIONAIS O Núcleo de Contadoria da Subseção Judiciária de Porto Alegre-RS idealizou este conjunto de dicas sobre ações previdenciárias revisionais no intuito de proporcionar

Leia mais

SÍNTESE DA MATÉRIA RELATIVA A AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS REVISIONAIS

SÍNTESE DA MATÉRIA RELATIVA A AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS REVISIONAIS SÍNTESE DA MATÉRIA RELATIVA A AÇÕES PREVIDENCIÁRIAS REVISIONAIS O Núcleo de Contadoria da Justiça Federal - Subseção Judiciária de Porto Alegre-RS idealizou este material relativo a ações previdenciárias

Leia mais

Revisado em 15/08/2011

Revisado em 15/08/2011 CARTILHA DO PLANO MISTO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS Nº 001 Revisado em 15/08/2011 Esta cartilha foi estruturada com perguntas e respostas para apresentar e esclarecer aos Participantes as informações

Leia mais

Inteiro Teor (869390)

Inteiro Teor (869390) : Acórdão Publicado no D.J.U. de 19/10/2005 EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DA RMI. IRSM DE FEVEREIRO/94 (39,67%). NÃO RETENÇÃO DE IRRF. JUROS MORATÓRIOS. 1. Os salários de contribuição devem ser reajustados,

Leia mais

SIMULADOR DE CÁLCULOS TUTORIAL

SIMULADOR DE CÁLCULOS TUTORIAL SIMULADOR DE CÁLCULOS TUTORIAL 1. Requisitos necessários: a) Microcomputador PC, com no mínimo 64 MB de memória RAM; b) Ms-Excel 2000 até 2003 (em português) NÃO FUNCIONA NO 2007 - instalado com suplementos

Leia mais

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO BRESSER (06/1987)

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO BRESSER (06/1987) POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO BRESSER (06/1987) A Justiça Federal Seção Judiciária do Rio Grande do Sul, por meio dos Núcleos

Leia mais

PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO

PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO PARECER JURÍDICO- PREVIDENCIÁRIO CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES Cuida o presente trabalho de parecer cujo objeto consiste na análise da situação jurídico-previdenciária do consulente com o objetivo de lhe

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO E MÍNIMO... 5 6. PRAZOS... 5 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 6 8. GARANTIAS... 7 9. CONDIÇÕES

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS

PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS PERGUNTAS E RESPOSTAS NOVAS REGRAS PARA ESCOLHA DE BENEFICIÁRIOS 1 - O que é Beneficiário Indicado? Qualquer pessoa física indicada pelo Participante conforme definido no regulamento do Plano. 2 - O que

Leia mais

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO COLLOR I (04/1990)

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO COLLOR I (04/1990) POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO COLLOR I (04/1990) O cálculo referente ao Plano Collor I (04/1990) apura o valor da diferença

Leia mais

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01

Auxiliar Jurídico. Módulo IV. Aula 01 Auxiliar Jurídico Módulo IV Aula 01 1 CÁLCULOS TRABALHISTAS Neste módulo você irá aprender a realizar os cálculos de verbas rescisórias e Liquidação de Sentença. I. VERBAS RESCISÓRIAS Podemos entender

Leia mais

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD

MATERIAL. EXPlICatIvo. Plano BAYER CD MATERIAL EXPlICatIvo Plano BAYER CD 1 Prezado Colaborador! você, que está sendo admitido agora ou ainda não aderiu ao Plano de Previdência oferecido pelo Grupo Bayer, tem a oportunidade de conhecer, nas

Leia mais

O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS. Débitos que podem ser parcelados. Onde solicitar o Parcelamento. Versão I 19/08/2013 2

O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS. Débitos que podem ser parcelados. Onde solicitar o Parcelamento. Versão I 19/08/2013 2 GIFUG/FL RECUPERAR CRÉDITOS PARCELAMENTO FGTS GUIA DE ORIENTAÇÕES AO EMPREGADOR O que é o Parcelamento de Débitos do FGTS O Parcelamento do FGTS é uma alternativa de liquidação de débitos concedida aos

Leia mais

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO VERÃO (01/1989)

POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO VERÃO (01/1989) POUPNET PROGRAMA PARA CÁLCULO DE DIFERENÇAS DE POUPANÇA Versão 4.0 MANUAL DO CÁLCULO POUPANÇA-EXPURGO PLANO VERÃO (01/1989) A Justiça Federal Seção Judiciária do Rio Grande do Sul, por meio dos Núcleos

Leia mais

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014)

VIGÊNCIA: 19/11/2014. (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) VIGÊNCIA: 19/11/2014 (Aprovado na 1550ª Reunião de Diretoria, realizada em outubro/2014) SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 DEFINIÇÕES... 3 3 - LIMITE DE CRÉDITO... 4 4 - ENCARGOS FINANCEIROS, ADMINISTRATIVO E

Leia mais

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015

Regulamento do Plano de Empréstimo. Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 Regulamento do Plano de Empréstimo 2015 Aprovado em 01 de Janeiro de 2015 1. Dos Objetivos a) Estabelecer os direitos e obrigações da Previplan - Sociedade de Previdência Privada (aqui designada como Sociedade

Leia mais

Cartilha do Participante

Cartilha do Participante FACEAL Fundação Ceal de Assistência Social e Previdência Cartilha do Participante Manual de Perguntas e Respostas Plano Faceal CD Prezado leitor, A FACEAL apresenta esta cartilha de perguntas e respostas

Leia mais

Norma de Empréstimos Financeiros

Norma de Empréstimos Financeiros Gestão de Atendimento AFAF D.GA.03 1/11 ÍNDICE 1. Objetivo... 2 2. Responsabilidades... 2 3. Conceitos... 2 4. Critérios... 3 4.1. Modalidades de Empréstimos Financeiros... 3 4.2. Limite de Contratos...

Leia mais

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES

FINANCEIROS FUNCIONALIDADES Os aplicativos financeiros da MPS - Contas a Receber, Contas a Pagar e Fluxo de Caixa - são utilizados por diversos clientes e possuem todas as funcionalidades operacionais necessárias, além de opções

Leia mais

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO

REGULAMENTO DA CARTEIRA DE EMPRÉSTIMO BÁSICO Rev. 01 Data: 21/05/2014 Página 1 de 8 CAPÍTULO I DEFINIÇÕES Art. 1º - Para fins de aplicação deste Regulamento, o masculino incluirá o feminino e o singular incluirá o plural, a menos que o contexto indique

Leia mais

sumário Capítulo I - Introdução... 1 Capítulo 2 - Revisão de renda mensal inicial pela alteração do salário-de-benefício... 15

sumário Capítulo I - Introdução... 1 Capítulo 2 - Revisão de renda mensal inicial pela alteração do salário-de-benefício... 15 sumário Capítulo I - Introdução... 1 1.1 Conceitos Técnicos Básicos..... 3 1.2. Competência para as Ações de Revisão do Valor dos Benefícios...... 4 1.3. Prescrição e Decadência... 6 Capítulo 2 - Revisão

Leia mais

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

CARTILHA DO PLANO D FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT CARTILHA DO PLANO D Cartilha - Plano D INTRODUÇÃO Você está recebendo a Cartilha do Plano D. Nela você encontrará um resumo das principais características do plano. O Plano D é um plano moderno e flexível

Leia mais

REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE

REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE REGULAMENTO DO PLANO DE EMPRÉSTIMO ESPECIAL PEE 1. FINALIDADE Dispõe o presente Regulamento sobre o Empréstimo Especial a ser concedido pela PREVIG aos seus Participantes e Assistidos. 2. DEFINIÇÕES 2.1

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987

DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO-LEI Nº 2.323, DE 26 DE FEVEREIRO DE 1987 Dispõe sobre a atualização monetária de débitos fiscais e dá outras providências. O PRESIDENTE

Leia mais

Repactuação de regras do Plano Petros do Sistema Petrobras. Cálculo e reajustamento dos Benefícios Ações para Implementação

Repactuação de regras do Plano Petros do Sistema Petrobras. Cálculo e reajustamento dos Benefícios Ações para Implementação Repactuação de regras do Plano Petros do Sistema Petrobras Cálculo e reajustamento dos Benefícios Ações para Implementação 1 Cálculo e reajustamento dos Benefícios do Plano Petros do Sistema Petrobras

Leia mais

2º Semestre de 2010 2

2º Semestre de 2010 2 1 2 2º Semestre de 2010 O objetivo deste material é abordar os pontos principais do Plano de Benefícios PreviSenac e não substitui o conteúdo do regulamento. 3 4 Índice PreviSenac para um futuro melhor

Leia mais

GUIA RÁPIDO PARA PAGAMENTO DE CUSTAS JUDICIAIS NA JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU O valor das custas deverá ser calculado pelo próprio Autor ou Requerente, sendo que por ocasião da inicial deverá ser

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE BENEFÍCIOS PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE BENEFÍCIOS PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE BENEFÍCIOS PROCURADORIA FEDERAL ESPECIALIZADA ORIENTAÇÃO INTERNA CONJUNTA Nº 01 DIRBEN/PFE, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005 Fixa orientação para correção judicial

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DAS CONTADORIAS-PARTIDORIAS. Vol.3 Cálculo Previdenciário

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DAS CONTADORIAS-PARTIDORIAS. Vol.3 Cálculo Previdenciário PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios CORREGEDORIA DA JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS Secretaria-Geral da Corregedoria Secretaria dos Órgãos

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.225.861/0001-30] REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDENCIA PRIVADA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [2012.0017-18] PB CD-02 ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável

Leia mais

Aceprev. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS. Aperam Inox América do Sul S.A. Acesita Previdência Privada

Aceprev. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS. Aperam Inox América do Sul S.A. Acesita Previdência Privada Aceprev Acesita Previdência Privada Aperam Inox América do Sul S.A. Cartilha do Plano de Benefícios REGRA MIGRADOS Aceprev Acesita Previdência Privada DIRETORIA EXECUTIVA Nélia Maria de Campos Pozzi -

Leia mais

POLÍTICA DE REAJUSTE DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS ACIMA DE UM SALÁRIO MÍNIMO RENATA BAARS

POLÍTICA DE REAJUSTE DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS ACIMA DE UM SALÁRIO MÍNIMO RENATA BAARS POLÍTICA DE REAJUSTE DOS BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS ACIMA DE UM SALÁRIO MÍNIMO RENATA BAARS Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário JANEIRO/2010 Renata Baars 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3

Leia mais

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV

REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES - CV SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES... 2 2. FINALIDADE... 3 3. DESTINATÁRIOS... 3 4. DOCUMENTAÇÃO... 4 5. VALOR MÁXIMO... 4 6. PRAZOS... 4 7. ENCARGOS E ATUALIZAÇÃO MONETÁRIA... 5 8. GARANTIAS... 5 9. CONDIÇÕES GERAIS...

Leia mais

Curso de Direito Previdenciário

Curso de Direito Previdenciário Curso de Direito Previdenciário dias 04, 08 e 10/07 Professora: Rita de Cássia Samyn Teixeira Sumário 1. Programa 2. Currículo da ministrante 3. Informações gerais 1. Programa: 1.1. Visão panorâmica do

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS O Sindicato dos Administradores, dando continuidade aos procedimentos para ajuizar ação judicial contra a Caixa Econômica Federal, na Justiça

Leia mais

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES

NORMA DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS AOS PARTICIPANTES 1. OBJETIVO Esta norma tem por objetivo estabelecer os critérios e procedimentos a serem adotados para concessão e liberação de empréstimos aos participantes. 2. CAMPO DE APLICAÇÃO As operações de empréstimos

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB

ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB ORIENTAÇÃO PARA O PREENCHIMENTO DO SISTEMA DE CÁLCULO NA WEB 1. O sistema é online, ou seja, não necessita de programas de planilha eletrônica para funcionar. O usuário acessa o programa, digita os dados

Leia mais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais

Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM Instituto de Previdência e Assistência a Saúde dos Servidores Públicos Municipais IPASSPSM SANTA MARIA/RS AVALIAÇÃO ATUARIAL Ano Base: 2013 Data Base:31/12/2012 Índice 1. Introdução... 02 2. Origem

Leia mais

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual

Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Regulamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade disciplinar o funcionamento da Carteira de Empréstimo - Antecipação do Abono Anual,

Leia mais

DIREITO PREVIDENCIÁRIO

DIREITO PREVIDENCIÁRIO Curso DIREITO PREVIDENCIÁRIO Turma 4 Local: Santa Maria - RS Dias 28 e 29 de agosto de 2008 (quinta e sexta-feira) SUMÁRIO: 1. Informações Gerais 2. Programa 3. Currículo da Ministrante 1. Informações

Leia mais

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev

Manual Explicativo. Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev Manual Explicativo Beleza é viver o futuro que você sempre sonhou. Boticário Prev 1. MANUAL EXPLICATIVO... 4 2. A APOSENTADORIA E VOCÊ... 4 3. PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: O que é isso?... 4 4. BOTICÁRIO

Leia mais

Alterações de Regulamento

Alterações de Regulamento Alterações de Regulamento Síntese das alterações propostas 1. DEFINIÇÕES GERAIS Beneficiários: será excluído o tempo mínimo de união estável com parceiro ou cônjuge para que seja reconhecido como beneficiário

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, ESTADO DO PIAUÍ 1 LEI COMPLEMENTAR Nº 4.448, DE 17 DE SETEMBRO DE 2013. Publicado no DOM n 1.555, de 18.09.2013. Institui o Programa de Recuperação de Créditos Tributários e não Tributários do Município de Teresina RETRIMT

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA LEI Nº 3.256, DE 24 DE DEZEMBRO DE 2003 Institui o programa de recuperação de créditos tributários da fazenda pública municipal REFIM e dá outras providências. Piauí Lei: O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA,

Leia mais

Simuladores de benefícios Saiba como ficará sua projeção de aposentadoria com as taxas de juros reduzidas

Simuladores de benefícios Saiba como ficará sua projeção de aposentadoria com as taxas de juros reduzidas Simuladores de benefícios Saiba como ficará sua projeção de aposentadoria com as taxas de juros reduzidas Passo a passo Para ajudá-lo na simulação, preparamos um passo a passo do preenchimento do simulador

Leia mais

Guia PCD. Conheça melhor o Plano

Guia PCD. Conheça melhor o Plano Guia PCD Conheça melhor o Plano Índice De olho no Futuro...3 Quem é a Fundação Centrus?...5 Conhecendo o Plano de Contribuição Definida - PCD...6 Contribuições do Participante...7 Saldo de Conta...8 Benefícios

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo XI Subsistema Folha de Pagamentos

ÍNDICE. Capítulo XI Subsistema Folha de Pagamentos ÍNDICE Capítulo XI Subsistema Folha de Pagamentos COMO INCLUIR PENSÃO ALIMENTÍCIA...2 COMO CONSULTAR PENSÃO ALIMENTÍCIA...4 COMO INCLUIR PENSÃO ALIMENTÍCIA INFORMADA...4 COMO CONSULTAR PENSÃO ALIMENTÍCIA

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 200970590073909 Relatora: Juíza Federal Ana Carine Busato Daros Recorrente: Pedro Raimundo Miranda Recorrido: Instituto Nacional do Seguro Social INSS VOTO Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7

Sumário. A função do Resumo Explicativo 3. Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4. Contribuições do Participante 6. Contribuições da Patrocinadora 7 Sumário A função do 3 Bem-vindo ao Plano de Benefícios Raiz 4 Contribuições do Participante 6 Contribuições da Patrocinadora 7 Controle de Contas 8 Investimento dos Recursos 9 Benefícios 10 Em caso de

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Benefícios HP

Material Explicativo. Plano de Benefícios HP Material Explicativo Plano de Benefícios HP Janeiro - 2015 1 As informações deste material visam cumprir a legislação aplicável e dar aos participantes uma idéia geral e resumida das alterações promovidas

Leia mais

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico.

Para cada valor depositado pelo participante a título de contribuição básica a Patrocinadora depositará valor idêntico. Apresentação Este é o MANUAL DO PARTICIPANTE da PRECE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR, material explicativo que descreve, em linguagem simples e precisa, as características gerais do Plano CD, com o objetivo

Leia mais

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO

CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Projeto Legalize sua doméstica e pague menos INSS = Informalidade ZERO CARTILHA DIREITOS E DEVERES DO EMPREGADOR DOMÉSTICO E DA EMPREGADA DOMÉSTICA NO ESTADO DE PERNAMBUCO Realização Jornal Diario de Pernambuco

Leia mais

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS

Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS Condições Gerais do Contrato de Concessão de Empréstimo mediante Consignação em Benefícios de Aposentadoria e Pensão do INSS ESTAS CONDIÇÕES GERAIS REGEM O CONTRATO DE CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMO MEDIANTE

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA

MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA MANUAL DE PROCEDIMENTO PARA CÁLCULO E INCLUSÃO DE APOSENTADORIA 2005 FIXAÇÃO DOS PROVENTOS PELA MÉDIA DAS MAIORES REMUNERAÇÕES A Emenda Constitucional nº 41, de 19.12.2003, introduziu a regra de fixação

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens

Material Explicativo. Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Material Explicativo Plano de Aposentadoria CD da Previ-Siemens Sumário Plano CD - Tranqüilidade no futuro 3 Conheça a previdência 4 A entidade Previ-Siemens 6 Como funciona o Plano CD da Previ-Siemens?

Leia mais

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV

REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV REGULAMENTO EMPRÉSTIMO CASANPREV 1/9 CAPÍTULO I Do Objeto Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da CASANPREV, dos Participantes,

Leia mais

Gestão de Pessoas - Windows

Gestão de Pessoas - Windows P á g i n a 1 Gestão de Pessoas - Windows Módulo Administração de Pessoal (Rubi) Processo: 13º Salário Senior Sistemas S.A Rua São Paulo, 825 - Bairro Victor Konder - CEP 89012.001 - Blumenau/SC Fone:

Leia mais

Plano de Contribuição Definida

Plano de Contribuição Definida Plano de Contribuição Definida Gerdau Previdência CONHEÇA A PREVIDÊNCIA REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR Oferecido pelo setor privado, com adesão facultativa, tem a finalidade de proporcionar uma proteção

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Número Único: 01653004820065020058 (01653200605802006) Comarca: São Paulo Vara: 58ª Data de Inclusão: 13/01/2009 Hora de Inclusão: 14:46:35

Número Único: 01653004820065020058 (01653200605802006) Comarca: São Paulo Vara: 58ª Data de Inclusão: 13/01/2009 Hora de Inclusão: 14:46:35 ATENÇÃO - Texto meramente informativo, sem caráter intimatório, citatório ou notificatório para fins legais. PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Justiça do Trabalho - 2ª Região Número Único: 01653004820065020058

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Cartilha do Participante FIPECqPREV

Cartilha do Participante FIPECqPREV Cartilha do Participante FIPECqPREV Conheça todos os detalhes sobre o novo Plano de Benefícios Sumário 1. Introdução... 3 O que é o FIPECqPREV?... 3 Quem administra o FIPECqPREV?... 3 Qual é a modalidade

Leia mais

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas

Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Previdência Complementar do servidor em perguntas e respostas Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista político e diretor de Documentação do Diap Com o propósito de esclarecer algumas dúvidas

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO EBS. Horário de atendimento: Das 08h00min às 19h, de Segunda a Sexta-feira.

SUPORTE TÉCNICO EBS. Horário de atendimento: Das 08h00min às 19h, de Segunda a Sexta-feira. SUPORTE TÉCNICO EBS Horário de atendimento: Das 08h00min às 19h, de Segunda a Sexta-feira. Formas de atendimento: E-mail: Envie-nos suas dúvidas e/ou sugestões para suporte@sage.com.br. Suporte On-Line

Leia mais

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS

Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS Norma do Programa de Empréstimo Pessoal TECHNOS SUMÁRIO CAPÍTULO I - DA FINALIDADE...3 CAPÍTULO II - DOS PARTICIPANTES E ASSISTIDOS...3 CAPÍTULO III - DOS CRITÉRIOS PARA CONCESSÕES...4 CAPÍTULO IV - DOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO Nº 924, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Programa de Parcelamento de Débitos Fiscais no âmbito do Sistema CFMV/ CRMVs, destinado à regularização de débitos de anuidades, multas, taxas, emolumentos

Leia mais

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI

Manual. Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI Manual Conheça neste manual mais detalhes sobre a SICOOB PREVI O melhor da vida é feito em parceria O Plano de Benefícios Previdenciários da SICOOB PREVI é uma importante ferramenta de planejamento financeiro

Leia mais

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA!

SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! SAIBA TUDO SOBRE O PLANO III DE PREVIDÊNCIA PRIVADA! Prezado participante, 2 Brasil Foods Sociedade de Previdência Privada Cartilha Plano III Um dos grandes objetivos da política de recursos humanos de

Leia mais

COMO FUNCIONA A PREV PEPSICO CONTRIBUIÇÕES ALOCAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES OPÇÕES EM CASO DE DESLIGAMENTO BENEFÍCIOS CÁLCULO E PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS

COMO FUNCIONA A PREV PEPSICO CONTRIBUIÇÕES ALOCAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES OPÇÕES EM CASO DE DESLIGAMENTO BENEFÍCIOS CÁLCULO E PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS Material Explicativo Sumário 2 COMO FUNCIONA A PREV PEPSICO 3 CONTRIBUIÇÕES 8 ALOCAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES 9 OPÇÕES EM CASO DE DESLIGAMENTO 11 BENEFÍCIOS 13 CÁLCULO E PAGAMENTO DOS BENEFÍCIOS 18 TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Material Explicativo. Plano de Benefícios de Contribuição Definida da IBM Brasil. FUNDAÇÃO previdenciária IBM

Material Explicativo. Plano de Benefícios de Contribuição Definida da IBM Brasil. FUNDAÇÃO previdenciária IBM Material Explicativo Plano de Benefícios de Contribuição Definida da IBM Brasil FUNDAÇÃO previdenciária IBM 2 Material Explicativo Fundação Previdenciária IBM A DIREÇÃO DO SEU FUTURO Lembre-se! O objetivo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [01.541.775/0001-37] HP PREV SOCIEDADE PREVIDENCIARIA PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1996.0026-19] PLANO HP PREV ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014 Atuário Responsável MIRIA

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 1ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº200870530002293/PR RELATORA : Juíza Márcia Vogel Vidal de Oliveira RECORRENTE : NILVA SGARBOZA SANCHES RECORRIDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL 200870530002293

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 2 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS 11- FOLHA SALÁRIO DA PATROCINADORA

Leia mais

Plano PAI. material explicativo

Plano PAI. material explicativo Plano PAI material explicativo Conheça melhor o Plano PAI e veja como o tempo pode ser seu maior aliado Grande parte dos trabalhadores sonha em ter uma aposentadoria estável e aproveitar essa fase para

Leia mais

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009

FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 FACULDADE CIDADE VERDE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONTABILIDADE E CONTROLADORIA TURMA 2009 RELATÓRIO DE PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: UM ESTUDO DE CASO EM EMPRESA QUE ATUA NO RAMO DE SITUADA NO MUNICÍPIO DE

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL [29.959.574/0001-73] FUNDACAO DE PREVIDENCIA DOS SERVIDORES DO IRB PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: TIPO: RETIFICADORA: [1977.0001-18] PLANO A ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2012 COMPLETA

Leia mais

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS

ENTIDADE DADOS DOS PLANOS FOLHA DE ENCAMINHAMENTO DO 1 ENTIDADE 4- NÚMERO DE PLANOS: 1 5- PLANOS 6- APROVAÇÃO 7- INÍCIO 20.050.042-11 - PLANO PREVER DADOS DOS PLANOS 8- ÚLTIMA ALTERAÇÃO 9- VALOR DE RESGATE 10- NÚMERO DE EMPREGADOS

Leia mais

PARECER ATUARIAL 2014

PARECER ATUARIAL 2014 PARECER ATUARIAL 2014 Plano de Benefícios 1 Plano de Benefícios PREVI Futuro 1. OBJETIVO 1.1. O presente Parecer Atuarial tem por objetivo informar sobre a qualidade da base cadastral, as premissas atuariais,

Leia mais

OSCAR PLENTZ MARCELO ABBUD Advogados

OSCAR PLENTZ MARCELO ABBUD Advogados EXMO(A). SR(A). DR(A). JUIZ(A) DO TRABALHO DESTA MM. VARA DO TRABALHO. AUTOR: SINDICATO DOS ENGENHEIROS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, com sede na Av. Érico Veríssimo, nº 960, CEP 90.160-180, nesta Capital,

Leia mais

Por que e como calcular o Valor da Causa

Por que e como calcular o Valor da Causa Nº1 Fevereiro de 2010 REVISTA VALOR DA CAUSA Por que e como calcular o Valor da Causa Na Prática: Como calcular o valor da causa em ações de restabelecimento de auxílio-doença e posterior conversão em

Leia mais

Dívidas não parceladas anteriormente

Dívidas não parceladas anteriormente Débitos abrangidos Dívidas não parceladas anteriormente Artigo 1º da Portaria Conjunta PGFN/RFB nº 6, de 2009 Poderão ser pagos ou parcelados, em até 180 (cento e oitenta) meses, nas condições dos arts.

Leia mais

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ

REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ Aprovado pelo Comitê de Investimentos da Forluz em 18 e 25/01/13 (Ata da 401ª e 403ª reunião). Válido para empréstimos solicitados a partir de 01/03/2013. REGULAMENTO DOS EMPRÉSTIMOS FORLUZ CAPÍTULO I

Leia mais

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015 Neste bip Participação nos Lucros e Resultados... Rescisão Complementar... 1 DIRF 2015... 2 Novas Alterações Trabalhistas e Previdenciárias... 3 EFD ICMS-IPI... 4 Nova Tabela de INSS e Salário Família...

Leia mais

Abrangência e premissas da norma

Abrangência e premissas da norma Abrangência e premissas da norma Complementação de aposentadoria, resgate e rateio de patrimônio A inclusão do resgate e a MP 2.159-70/01 Inclui o abono anual pago a título de décimo terceiro salário Não

Leia mais

Parcelamento de Débitos FGTS. Breve histórico

Parcelamento de Débitos FGTS. Breve histórico Parcelamento de Débitos FGTS Breve histórico Parcelamento de Débitos FGTS RCC TIPO DEBITO PRAZO MAX FORMA DE CALCULO 287/98 INS/JUD 140 Qtde comp. Em atraso 325/99 ADM 180 Qtde comp. Em atraso 466/04 ADM

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Wfolha 13 Salário

MANUAL DO SISTEMA. Wfolha 13 Salário MANUAL DO SISTEMA Wfolha 13 Salário SulProg Sistemas 1 INTRODUÇÃO Este manual foi desenvolvido a fim de facilitar e esclarecer dúvidas sobre os procedimentos referente ao 13 salário. SulProg Sistemas 2

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL

DEMONSTRAÇÃO ATUARIAL ENTIDADE: [49.323.025/0001-15] SUPREV-FUNDACAO MULTIPATROCINADA DE SUPLEMENTACAO PREV PLANO DE BENEFÍCIOS: MOTIVO: DATA DA AVALIAÇÃO: [1990.0016-29] PLANO DE BENEFÍCIOS BD ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO 31/12/2014

Leia mais

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1

PLANO SUPLEMENTAR. Material Explicativo Plano Suplementar 1 PLANO SUPLEMENTAR Material Explicativo 1 Introdução A CitiPrevi oferece planos para o seu futuro! Recursos da Patrocinadora Plano Principal Benefício Definido Renda Vitalícia Programa Previdenciário CitiPrevi

Leia mais

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA

IF 011 01 CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA CRÉDITO AO PARTICIPANTE PARA INTEGRALIZAÇÃO DE RESERVA PREVIDENCIÁRIA SUMÁRIO DA NORMA 1 OBJETIVO,1 2 DEFINIÇÕES,1 2.1 SIGLAS E ABREVIATURAS,1 2.2 CONCEITOS,1 2.3 PALAVRAS-CHAVES,1 3 NORMAS,1 3.1 CAMPO

Leia mais

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal

Regulamento. do Programa de Empréstimo Pessoal Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal 2 Regulamento do Programa de Empréstimo Pessoal Índice CAPÍTULO I DA FINALIDADE... 4 CAPÍTULO II DOS PARTICIPANTES ELEGÍVEIS... 4 CAPÍTULO III DOS LIMITES

Leia mais

Plano TELOS Contribuição Variável - I

Plano TELOS Contribuição Variável - I Plano TELOS Contribuição Variável - I A sua empresa QUER INVESTIR NO SEU FUTURO, E VOCÊ? A sua empresa sempre acreditou na importância de oferecer um elenco de benefícios que pudesse proporcionar a seus

Leia mais