UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA DE ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC) PARA PRODUÇÃO DE PESCADOS Área de Inteligência Artificial por Fábio Bonissoni Anita Maria da Rocha Fernandes, Dra. Orientadora Marcos Luiz Pessatti, Dr. Co-orientador Itajaí (SC), Dezembro de 2005

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO SISTEMA DE ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (APPCC) PARA PRODUÇÃO DE PESCADOS Área de Inteligência Artificial por Fábio Bonissoni Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientadora: Anita Maria da Rocha Fernandes, Dra. Itajaí (SC), Dezembro de 2005 i

3 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS...v LISTA DE FIGURAS...vi LISTA DE TABELAS...viii RESUMO...ix ABSTRACT...x 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PRODUÇÃO DE PESCADOS Aqüicultura no Brasil A Pesca Extrativa no Brasil Sistema Agroindustrial (SAG) do Pescado no Brasil Panorama da Produção Pesqueira no Estado de Santa Catarina APPCC Histórico Conceitos Princípios do APPCC Qualidade Higiênico-Sanitária e o Sistema APPCC Análise de Perigos Ponto Crítico de Controle (PCC) Monitoramento Tecnologia do Pescado SISTEMAS SIMILARES Sistema WinAPPCC Sistema ehaccp Comparação dos Sistemas Similares com o Sistema Desenvolvido Variáveis não Referenciadas nos Sistemas Similares Analisados SISTEMAS ESPECIALISTAS Conceitos Funcionamento de um Sistema Especialista Características de um Sistema Especialista Classificação Sistemas Especialistas e Sistemas Convencionais... 34

4 Limitações de um Sistema Especialista Arquitetura de um Sistema Especialista EXPERT SINTA Regras de Produção Definição de Variáveis Estrutura das Regras Tratamento de Incertezas Conceitos do Software Expert SINTA Aplicados no Projeto DESENVOLVIMENTO MODELAGEM Modelagem do Sistema Oracle PL/SQL Oracle Developer FUNCIONAMENTO DO SISTEMA Teclas de Atalho Login Tela Inicial Cadastro de Itens Cadastro de Fórmulas de Produtos Cadastro de Equipes Cadastro de Perigos Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Cadastro de Variáveis Cadastro de Sub-regras Cadastro de Regras Cadastro de Árvores de Decisão Monitoramento da Produção Barra de Ferramentas Mensagens Nativas da Ferramenta TESTES E VALIDAÇÃO Validação do Sistema CONCLUSÕES CONSIDERAÇÕES FUTURAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...81 GLOSSÁRIO...84 APÊNDICE A DIAGRAMAS DE ATIVIDADE...86 APÊNDICE B DIAGRAMAS DE SEQÜÊNCIA...91 APÊNDICE C QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO...96 iii

5 ANEXO I ARTIGO CIENTÍFICO...99 iv

6 LISTA DE ABREVIATURAS APPCC BI BPF DML FAO FDA HACCP IA IBAMA ICMSF LIA MAA MARA NACMCF NASA OMC OMS PC PCC PL/SQL RAD RAM SAG SE SEPES SINTA TCC TI UFC UML UNIVALI Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle Business Inteligence Boas Práticas de Fabricação Data Manipulation Language Food and Agriculture Organization Food and Drug Administration Hazard Analysis and Critical Control Points Inteligência Artificial Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Comissão Internacional de Especificações Microbiológicas para Alimentos Laboratório de Inteligência Artificial Ministério da Agricultura e do Abastecimento Ministério da Agricultura e Reforma Agrária National Advisory Committee on Microbiological Criteria for Foods National Aeronautics and Space Administration Organização Mundial do Comércio Organização Mundial da Saúde Ponto de Controle Ponto Crítico de Controle Procedural Language extensions to SQL Rapid Application Development Randon Access Memory Sistema Agroindustrial Sistema Especialista Serviço de Inspeção de Pescados e Derivados Sistemas Inteligentes Aplicados Trabalho de Conclusão de Curso Tecnologia da Informação Universidade Federal do Ceará Unified Modelling Language Universidade do Vale do Itajaí

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Representação gráfica da produção de pescados no Brasil...9 Figura 2. Representação gráfica das espécies mais capturadas no Brasil....9 Figura 3. Representação esquemática do Sistema Agroindustrial (SAG) do Pescado...11 Figura 4. Árvore decisória geral para identificação dos pontos críticos de controle...20 Figura 5. WinAPPCC - Tela de cadastro de produtos...24 Figura 6. WinAPPCC - Tela de identificação de perigos biológicos, químicos e físicos...25 Figura 7. WinAPPCC - Tela para determinação dos Pontos Críticos de Controle Figura 8. ehaccp - Tela de cadastro de produtos...27 Figura 9. ehaccp - Tela de identificação de perigos biológicos, químicos e físicos Figura 10. ehaccp - Tela para determinação dos Pontos Críticos de Controle...28 Figura 11. Exemplo de Regras de Produção...38 Figura 12. Exemplo de Árvore de Decisão montada no sistema...43 Figura 13. Diagrama use-case do sistema desenvolvido...46 Figura 14. Diagrama de Classes do sistema desenvolvido...47 Figura 15. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de equipe Figura 16. Diagrama de atividade do use-case Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle...49 Figura 17. Diagrama de Seqüência do use-case Cadastro de Itens...50 Figura 18. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro de Árvores de Decisão Figura 19. Teclas de atalho do Oracle Forms...63 Figura 20. Tela de Login...64 Figura 21. Tela Inicial do Sistema Figura 22. Módulos de acesso...65 Figura 23. Tela de Cadastro de Itens...66 Figura 24. Copiar Ingrediente Figura 25. Tela de Cadastro de Fórmulas Figura 26. Tela de Cadastro de Equipes...68 Figura 27. Tela de Cadastro de Perigos...69 Figura 28. Tela de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Figura 29. Tela de Cadastro de Variáveis Figura 30. Tela de Cadastro de Sub-regras Figura 31. Tela de Cadastro de Regras Figura 32. Tela de Cadastro de Árvore de Decisão...74 Figura 33. Tela de Monitoramento da Produção...75 Figura 34. Barra de Ferramentas...76 Figura 35. Exemplo de Mensagem Nativa da Ferramenta (Janela) Figura 36. Exemplo de Mensagem Nativa da Ferramenta (Rodapé) Figura 37. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de itens...86 Figura 38. Diagrama de atividade do use-case Cadastro da fórmula do produto...87 Figura 39. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de perigos Figura 40. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de variáveis...87 Figura 41. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de sub-regras Figura 42. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de regras Figura 43. Diagrama de atividade do use-case Cadastro de árvores de decisão...89 Figura 44. Diagrama de atividade do use-case Monitoramento da produção...89 Figura 45. Diagrama de atividade do use-case Efetua login...90

8 Figura 46. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro de equipe Figura 47. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro da fórmula do produto...92 Figura 48. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro de perigos Figura 49. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro de variáveis...93 Figura 50. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro de sub-regras Figura 51. Diagrama de seqüência do use-case Cadastro de regras Figura 52. Diagrama de seqüência do use-case Análise de perigo e PCC Figura 53. Diagrama de seqüência do use-case Monitoramento da produção Figura 54. Diagrama de seqüência do use-case Efetua login vii

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Produção de pescado estimada por ano, segundo a região Sul e seus estados....1 Tabela 2. Produção pesqueira desembarcada em Santa Catarina entre 1990 e Tabela 3. Comparação entre os Sistemas Similares e o Sistema Desenvolvido...29 Tabela 4. Variáveis analisadas sem referência nos sistemas similares...31 Tabela 5. Tabela Equipe...52 Tabela 6. Tabela Participante Equipe...52 Tabela 7. Tabela Item...52 Tabela 8. Tabela Fórmula...53 Tabela 9. Tabela Composição...53 Tabela 10. Tabela Análise de Perigos...54 Tabela 11. Tabela Monitoramento...55 Tabela 12. Tabela Variáveis...55 Tabela 13. Tabela Sub-regras...55 Tabela 14. Tabela Sub-regra-regra...56 Tabela 15. Tabela Regras...56 Tabela 16. Tabela Árvore de Regras...56 Tabela 17. Tabela Árvore de Decisão...57 Tabela 18. Tabela de Controle...57 Tabela 19. Tabela de Respostas...57

10 RESUMO BONISSONI, Fábio. Sistema de análise de perigo e pontos críticos de controle (APPCC) para produção de pescados. Itajaí, f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, De todos os setores da produção animal, a aqüicultura é a atividade que possui o maior índice anual de crescimento, por volta de 9,2%. Essa estatística favorável é decorrente do grande número de empresas de pescados. Na região de Itajaí são aproximadamente quarenta, criando uma grande oferta de produtos, atraindo a população consumidora. Mas com várias doenças e vírus espalhados pelo mundo, decorrentes da poluição, falta de higiene e saneamento básico, as pessoas estão se preocupando cada vez mais com a qualidade dos alimentos. Para controlar isso, surgiu o APPCC (Sistema de Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle), que é um sistema baseado em conceitos preventivos, ou seja, controle de todas as etapas de preparação do alimento, identificando, na cadeia produtiva, os perigos potenciais à sua segurança, bem como os Pontos Críticos de Controle (PCC), avaliando-os e controlando-os. Com o uso de um sistema de APPCC, é possível monitorar com maior eficiência a maioria dos problemas que envolvem a qualidade do alimento. Este projeto insere-se nesse contexto e visa desenvolver uma solução que permita monitorar a produção de pescados, evitando que o produto final apresente algum tipo de inconformidade, que gere prejuízos para a empresa e para o consumidor. O sistema desenvolvido é baseado em conceitos de Sistema Especialista (SE), e permite o monitoramento dos PCC s. O sistema permite a criação de árvores de decisão, geradas a partir das regras definidas pelo especialista, o que caracteriza um SE. Foram feitas pesquisa para identificação de algumas soluções similares e para o levantamento dos requisitos que foram necessários para o desenvolvimento do sistema. Espera-se, com essa solução computacional, auxiliar as empresas de pescados da região a produzir alimentos de maior qualidade e satisfazer seus clientes consumidores. Palavras-chave: Sistemas Especialistas. APPCC. Qualidade do Pescado.

11 ABSTRACT Among all sectors of animal production, aquaculture is the activity that possesses the largest annual index of growth, about 9,2%..That favorable statistics is due to the great number of companies of fish. In the area of Itajaí they are approximately forty, creating a great offer of products attracting the consuming population.but, with many diseases and virus spread around the world, resulting from pollution, lack of hygiene and basic sanitation, people are been worried about food quality to control this, appears the HACCP (Hazard analysis and critical control points), a system based on preventive concepts, in other words, the control of all steps in food preparation, identifying, in productive chain, potential dangers to its security as well as, critical control points, evaluating and controlling them. With the use of a HACCP system, it is possible to prevent the majority of problems involving food quality. This project is inserted in this context and aims for develop a solution that allows monitoring fish production, preventing that final product presents some kind of agreement absence, which generates damages to the company and to the consumer. This system will be based on Expert System concepts and will allow the monitoring of critical control points. The system will allow the creation of decision trees, generated from rules created by the expert, it characterizes one Expert System. They had been made research for identification of some similar solutions and the survey of the requirements that had been necessary for the development of the system. One expects, with this computational solution, to assist the companies of fished of the region to produce foods of bigger quality and satisfy its customers consuming. Keywords: Expert System. HACCP. Quality of the fish.

12 1. INTRODUÇÃO De todos os setores da produção animal, a aqüicultura é a atividade que cresce mais rapidamente no Brasil. Desde 1970 a aqüicultura cresceu a taxas médias de 9,2 % ao ano, enquanto a pesca extrativa cresceu a taxas de 1,4 % e a criação de animais para produção de carne, a taxas de 2,8% (NEIVA, 2003). Segundo o IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), as espécies mais cultivadas foram as carpas (54.566,5), principalmente no Sudeste e Sul, tilápias (32.459,5t), tambaqui, pacu e híbridos dessas espécies (23.582,0t), truta (1.447,0t), camarão marinho (25.387,5t), camarão de água doce (4.531,0t), mexilhão (11.760,5t), ostras (1.190,5t) e rãs (669,5t). Dessas espécies algumas oferecem grandes perspectivas de crescimento e têm aumentado as suas produções a taxas expressivas anuais. A exportação é o grande motivo do crescimento do cultivo de camarões marinhos e tilápias, pois oferece preços compensadores para a atividade (NEIVA, 2003). A Tabela 1 apresenta o crescimento dos números nos últimos anos, na produção de pescados. Tabela 1. Produção de pescado estimada por ano, segundo a região Sul e seus estados. Produção de Pescado por Ano em (t) SUL , , , , , ,0 PR , , , , , ,5 SC , , , , , ,0 RS , , , , , ,5 Fonte: Neiva (2003). Esses dados estatísticos foram conquistados pelo grande número de empresas instaladas na região Sul, sendo que somente na região de Itajaí são aproximadamente quarenta empresas, cuja produção visa atender tanto o mercado interno como mercado externo, exportando parte da produção. Para que seja possível atender todos os mercados, é necessário produzir mais. Mas atualmente, produzir sem qualidade não é o caminho indicado para o sucesso. Com o surgimento e disseminação de novas doenças e vírus, decorrentes da poluição, da falta de higiene e de saneamento básico, cada vez mais as pessoas estão se preocupando com a qualidade de sua alimentação e com os tipos de alimentos que estão consumindo. Preferindo alimentos com qualidade, exigem cada vez mais das empresas produtoras certificações que comprovem a qualidade do alimento.

13 Devido a essa necessidade da garantia de qualidade dos alimentos, foi desenvolvida a metodologia HACCP (Hazard Analysis and Critical Control Points), conhecida no Brasil também como APPCC (Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle). O primeiro acontecimento que deu origem ao método APPCC está associado a W.E. Deming, cujas teorias de gerenciamento da qualidade são consideradas a principal causa de mudança na qualidade dos produtos japoneses, nos anos 50. O segundo acontecimento, e também o principal, foi o desenvolvimento do conceito do APPCC. Na década de 1960, a Pillsbury Company, o Exército e a NASA (National Aeronautics and Space Administration) dos Estados Unidos desenvolveram um sistema para a produção de alimentos inócuos para o programa espacial americano. Considerando as doenças que poderiam afetar os astronautas e comprometer uma missão espacial, aquelas de origem alimentar foram consideradas entre as mais importantes. Sendo assim, a Pillsbury Company, encarregada de fornecer os alimentos para os vôos espaciais tripulados introduziu e adotou o sistema APPCC para garantir a inocuidade do produto final, enquanto reduzia o número de testes e inspeções finais (RASZL, 2001). Segundo BVQI (2005), a implantação do método APPCC tem sido recomendado e, muitas vezes, exigido em vários países, incluindo o Brasil, mais especificamente no setor de produtos de origem animal, expandindo-se para a indústria alimentícia como um todo. Tem papel fundamental no comércio internacional, sendo exigido por diversos países como pré-requisito para compra de produtos alimentícios. O APPCC é um sistema baseado em conceitos preventivos, ou seja, controle de todas etapas de preparação do alimento. Identifica na cadeia produtiva os perigos potenciais à segurança dos alimentos, avaliando-os e controlando-os. Ainda segundo BVQI (2005), o objetivo do APPCC é assegurar a produção e distribuição de alimentos com qualidade e livre de contaminações de natureza biológica, física ou química que possam causar dano a saúde ou integridade do consumidor. Com o uso de um sistema de APPCC, é possível evitar a maioria dos problemas que envolvem a qualidade do alimento. Alguns dos benefícios desse sistema são: o controle do processo de fabricação; ação preventiva quanto a possíveis contaminações; fácil detecção e correção dos desvios de especificação de processo; maior garantia para o consumidor quanto à segurança do produto; redução de custo de análise de produto acabado. No sistema desenvolvido, foram utilizadas algumas técnicas da Inteligência Artificial (IA), mais especificamente de um Sistema Especialista, para incrementar a tomada de decisões no monitoramento da produção no sistema de APPCC. 2

14 Um sistema especialista representa o conhecimento de um especialista humano adquirido ao longo dos anos de trabalho. Ele deve ser construído com o auxílio de um especialista, o qual fornecerá a base de informações e será capaz de avaliar os resultados obtidos (FERNANDES, 2003). Observa-se uma carência de soluções que implementam o método APPCC e que abrangem o monitoramento da produção e uso de técnicas de um sistema especialista. Existem no mercado sistemas computacionais que implementam o método APPCC, dentre eles destacam-se o WinAPPCC e o ehaccp. Mas o sistema desenvolvido nesse trabalho vai além das ferramentas atuais, pois implementa técnicas de um Sistema Especialista, e também permite monitoramento dos PCC através do sistema. O método APPCC possui uma árvore de decisão definida para identificar quais perigos são pontos críticos de controle. Um especialista deve sempre acompanhar o processo e auxiliar na identificação dos perigos potenciais que podem comprometer a qualidade dos pescados no processo produtivo; estabelecer medidas preventivas; definir ações corretivas em caso de um Ponto Crítico de Controle (PCC) estar fora de controle, e auxiliar na criação das árvores de decisão que servem de base para um módulo específico do sistema, o monitoramento da produção. A criação das árvores de decisão é feita através das regras definidas pelo especialista, que pode ordená-las de forma que o sistema represente uma situação real. Para desenvolver o módulo inteligente do sistema, foi estudado o software Expert Sinta, que utiliza essa metodologia de criação de regras e árvores decisórias. Essa metodologia serviu de base para o módulo de monitoramento da produção do sistema. Com as regras definidas e as árvores decisórias montadas, é possível monitorar a produção de pescados controlando os PCC s identificados e, conseqüentemente, garantir que o processo produtivo não está comprometendo a qualidade do produto final. 3

15 1.1. OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste projeto é o desenvolvimento de um sistema de Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle (APPCC) baseado em Inteligência Artificial (IA), que poderá ser utilizado por empresas de pescados para controlar a produção e garantir a qualidade de seus produtos Objetivos Específicos Os objetivos específicos deste projeto são: Analisar soluções similares que implementam o método APPCC; Analisar a metodologia de criação de base de regras utilizada pelo software Expert Sinta; Analisar junto com o especialista os pescados sardinha e atum, para serem utilizados como base de amostragem para o desenvolvimento do sistema; Realizar a modelagem conceitual do sistema proposto; Implementar o sistema proposto; Testar e validar a implementação do sistema proposto; e Documentar o desenvolvimento e os resultados do sistema proposto METODOLOGIA Este trabalho propôs o desenvolvimento de um Sistema de Informação, que pode ser utilizado pelas indústrias de pescados para auxiliar no controle da qualidade de seus produtos. O sistema desenvolvido auxilia na análise de todos os perigos que de alguma forma podem comprometer a qualidade dos alimentos, identificando Pontos Críticos de Controle. Permite que um especialista monte regras e as árvores de decisão para serem utilizadas no monitoramento da produção, para controle dos PCC s identificados. O usuário tem a opção de inserir no sistema amostras de dados coletados na produção, com atributos como data da coleta e quantidade, e disparar um procedimento inteligente no sistema, responsável por varrer a árvore de decisão e questionar o usuário sobre o valor de cada variável encontrada nas regras. Isso ocorre de forma iterativa com uma interface simples, sendo que qualquer usuário sem conhecimento avançado em 4

16 informática consegue interagir com o sistema com facilidade. A cada resposta dada pelo usuário, o sistema verifica se a regra é valida ou não, e caso alguma das regras não seja satisfeita, o sistema emite um alerta sobre a produção e apresenta na tela os resultados obtidos, com as medidas corretivas necessárias. Para que o projeto pudesse ser concluído, se fez necessário aplicar conceitos e teorias relevantes ao curso de Ciência da Computação, como: conhecimento na área de Inteligência Artificial, mais especificamente em Sistemas Especialistas, conhecimento em Análise e Projeto de Sistemas para modelagem do sistema, conhecimento em Banco de Dados para definição das entidades, atributos e relacionamentos, conhecimento em Programação para implementação do sistema. O projeto foi limitado às indústrias de pescados, pela necessidade de se ter um especialista da área disponível para acompanhar o desenvolvimento do trabalho e principalmente testar e validar o sistema implementado. O especialista que contribuiu para que o projeto pudesse ser concluído foi o Prof. Marcos Luiz Pessatti. Durante a execução do trabalho, alguns assuntos relevantes ao tema foram abordados. Foram realizadas pesquisas e análises de soluções similares que implementam o método APPCC, tais como ehaccp e WinAPPCC. Também foi pesquisado e analisado o funcionamento do software Expert SINTA, que serviu como base de idéias para o desenvolvimento da aplicação e do módulo inteligente do sistema. O conhecimento do tema APPCC foi adquirido através de leitura de trabalhos científicos e na Internet. Pesquisou-se em livros, na Internet e em trabalhos científicos sobre outros temas, com destaque para os Sistemas Especialistas, para que fosse possível identificar os recursos e tecnologias necessárias à implementação do sistema. Para que o sistema pudesse ser implementado, executou-se um estudo prévio sobre as principais ferramentas computacionais utilizadas no desenvolvimento do mesmo através de pesquisa e leitura de apostilas e livros da área em que se situam. Também foram realizados a análise e o projeto do sistema, elaborando-se os protótipos de telas e os diagramas da UML (Unified Modelling Language). Os diagramas use-case, diagramas de atividade e diagramas de seqüência foram construídos na ferramenta computacional Enterprise Architect. O conteúdo do TCC I serviu de base para o desenvolvimento das etapas realizadas no TCC II, tais como: utilização da ferramenta computacional Oracle Forms para o desenvolvimento do 5

17 Sistema de Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle, e o banco de dados Oracle, no qual foram criadas as tabelas e armazenados os dados utilizados pelo sistema. Execução de testes simulados de funcionamento do sistema. O sistema foi testado pelo especialista. Sugestões de melhorias foram apontadas e implementadas ESTRUTURA DO TRABALHO O trabalho está dividido em quatro capítulos: Introdução, Fundamentação Teórica, Desenvolvimento e Conclusões. No capítulo Introdução, são descritos de maneira sucinta os temas que envolvem o sistema desenvolvido, apresentando uma visão geral do problema encontrado, considerando também a metodologia de desenvolvimento e a estrutura da pesquisa. Em seguida, no capítulo Fundamentação Teórica é exposto o conteúdo teórico do trabalho fundamentado nas bibliografias indicadas no próprio texto. Este capítulo foi dividido em cinco Sessões: Pescados: descreve brevemente o panorama aqüícola e de produção de pescados em geral no Brasil e no estado de Santa Catarina com indicativos de produção; APPCC: apresenta a descrição desse método, bem como sua história, conceitos, princípios e funções, como análise de perigos e identificação de pontos críticos de controle; Sistemas Similares: apresenta dois sistemas que implementam o método APPCC, e que são comercializados por empresas de TI (Tecnologia da Informação), fazendo um comparativo entre o sistema proposto com as duas soluções existentes; Sistemas Especialistas: esta Sessão oferece uma síntese do que é um Sistema Especialista (SE), seus conceitos, características, arquitetura e funcionamento, bem como uma comparação desse tipo de sistema com sistemas convencionais; e Expert SINTA: apresenta uma síntese da estrutura desse software, seu funcionamento, a estrutura das regras, definição de variáveis e os conceitos desse aplicativo que serão utilizados no sistema proposto. No capítulo Desenvolvimento, está representada a modelagem do sistema, os diagramas de UML, o dicionário de dados e todos os detalhes da sua implementação. No último capítulo, as Conclusões, onde são expostas algumas considerações gerais sobre o desenvolvimento do trabalho. 6

18 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A fundamentação teórica do trabalho proposto está dividida em cinco sessões e aborda os seguintes assuntos: Pescados (apresenta um breve panorama da produção de pescados no Brasil e no Estado de Santa Catarina, destacando as duas principais formas de obtenção do pescado, a aqüicultura e a pesca extrativa); APPCC (apresenta a história desse método que foi criado para garantir a inocuidade dos alimentos, seus conceitos, princípios, e também suas principais funções, como a análise de perigos e identificação dos pontos críticos de controle); Sistemas Similares (aborda a existência e o funcionamento de dois sistemas que implementam o método APPCC para auxiliar no controle da qualidade dos alimentos); Sistemas Especialistas (esta Sessão apresenta os conceitos e o funcionamento de um Sistema Especialista, bem como suas características, classificação, arquitetura, limitações e uma comparação desse tipo de sistema com os sistemas convencionais) e Expert SINTA (apresenta uma descrição da estrutura desse software desenvolvido na Universidade Federal do Ceará que tem como objetivo a construção de sistemas especialistas, o qual serviu como fonte de pesquisa para montar um módulo específico do sistema, o monitoramento da produção, que permite a criação de regras e árvores de decisão pelo especialista) PRODUÇÃO DE PESCADOS Segundo Neiva (2003), os atuais índices da produção extrativa, aqüícola e de consumo de pescado na alimentação humana são recordes. O pescado já contribui com 15% do fornecimento de proteínas animais para a alimentação a nível mundial. Segundo Mercado da Pesca (2005), um dos responsáveis pelo crescimento da aqüicultura nacional é a valorização dos alimentos pesqueiros para a melhoria da qualidade da saúde humana por conter uma excelente qualidade nutricional que auxilia na preservação de nossa saúde. As duas principais formas de obtenção de pescados no Brasil são: a aqüicultura e a pesca extrativa Aqüicultura no Brasil Com seus km de costa marítima, hectares de reservatórios de águas doces, aproximadamente 12% da água doce disponível no planeta, clima favorável para organismos cultivados, terras disponíveis e baratas, mão-de-obra abundante e crescente demanda por pescado, o Brasil é um grande potencial para o desenvolvimento da aqüicultura. Comparando com os índices 7

19 médios anuais de crescimento da pesca extrativa (1,4%) e da produção de animais terrestres (2,8%), a aqüicultura se destaca com um índice de 9,2% (MERCADO DA PESCA, 2005). Segundo as estatísticas pesqueiras do IBAMA (2002 apud NEIVA, 2003) a produção de pescados na aqüicultura nacional foi de 176,530 toneladas em 2000, com um crescimento, em relação a 1996 (60,700 toneladas), da ordem de 190,8%. A Região Sul foi a mais produtiva nesse ano com uma produção maior que 86 mil toneladas. A partir de 1990, a aqüicultura comercial brasileira se firmou como uma atividade econômica no cenário nacional da produção de alimentos. A partir daí, os diversos segmentos do setor (piscicultura, carcinicultura, ranicultura, malacocultura e outros) têm se desenvolvido de forma bastante acelerada (MERCADO DA PESCA, 2005). Segundo Mercado da Pesca (2005), tanto peixes como moluscos são comercializados, principalmente no mercado interno. Já os camarões marinhos, por exemplo, cerca de 70% de sua produção é exportada para os Estados Unidos, França, Espanha, Itália e Holanda A Pesca Extrativa no Brasil Também conhecida como captura, a pesca extrativa é aquela que retira o pescado do ambiente natural. Essa atividade não vem apresentando bons índices de produção em comparação com outras atividades. Segundo dados estatísticos do IBAMA (2002 apud NEIVA, 2003), os índices de produção nacional de pescado evoluíram de 1966 (693,2mt) a 2000 (843,4mt) em 21,6% (150,2mt). A produção extrativa continental sofreu redução de 5,3%, enquanto a produção marinha aumentou em 10,7%. Segundo critérios do IBAMA, a pesca artesanal teria sido responsável por 51,0% da produção total de 2000, enquanto a pesca empresarial (industrial) por 28,1% e a aqüicultura por 20,9%. A tendência futura é a aqüicultura se tornar o setor mais produtivo de pescado no Brasil. A Figura 1 representa graficamente a produção de pescados no Brasil. 8

20 Figura 1. Representação gráfica da produção de pescados no Brasil. Em relação às espécies mais capturadas pela pesca extrativa, cabe destacar ser grande a variedade, que é uma característica de águas tropicais. Nas águas costeiras, destacam-se as sardinhas (30,660 toneladas), corvinas (28,385 toneladas), pescadas (47,576 toneladas) e bagres (29,017 toneladas). A sardinha verdadeira, que chegou a produções de 250,000 toneladas, hoje registra, apenas, uma produção de 11,153 toneladas. Entre os crustáceos, cabe destacar os camarões (36,300 toneladas); caranguejo de mangue (11,135 toneladas) e lagosta (6,468 toneladas). Em águas oceânicas mais afastadas do litoral, sobressaem os atuns (13,116 toneladas) e bonito listrado (22,537 toneladas) (NEIVA, 2003). A Figura 2 representa graficamente as espécies mais capturadas no Brasil. Figura 2. Representação gráfica das espécies mais capturadas no Brasil. 9

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho

APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho APPCC e a Indústria Alimentícia Prof. MSc. Alberto T. França Filho O que é APPCC? O Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle Portaria N 46, de 10 de fevereiro de 1998 Art. 1 O que motivou

Leia mais

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997

PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 PORTARIA N 40, DE 20 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO Portaria Nº 40, de 20 de janeiro de 1997 DOU de 21/01/1997 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos

Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos Sistema APPCC e a Garantia da Qualidade de Alimentos Sistema APPCC APPCC Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle HACCP Hazard Analysis and Critical Control Points Ferramenta de controle de qualidade

Leia mais

Boas Práticas de Fabricação

Boas Práticas de Fabricação Embrapa Hortaliças II Encontro Nacional do Agronegócio Pimentas (Capsicum spp.) Boas Práticas de Fabricação Fernando Teixeira Silva Embrapa Agroindústria de Alimentos I- Introdução As Boas Práticas de

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000

CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 CONCEITOS E APLICAÇÃO DA NORMA ISO 22000 ISO SEGURANÇA DOS ALIMENTOS A norma especifica requisitos para o sistema de gestão da segurança dos alimentos, onde uma organização na cadeia produtiva precisa

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO E EXECUÇÃO DO SISTEMA DE ANÁLISE DE

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO E EXECUÇÃO DO SISTEMA DE ANÁLISE DE UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM VIGILÂNCIA SANITÁRIA E HIGIENE E INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL

Leia mais

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Universidade de Passo Fundo Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária Curso de Medicina Veterinária 6 CURSO DE CONTROLE DE QUALIDADE NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Médico Veterinário Profº Dr. Elci Lotar

Leia mais

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho

PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA. Funchal, 4 Junho PLANOS DE SEGURANÇA ALIMENTAR NA RESTAURAÇÃO E HOTELARIA O que é o HACCP? H A C C P Hazard Analysis Critical Control Point Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controlo Análise sistemática para a identificação,

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ANIMAIS - DCAn DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2013 INTRODUÇÃO Principais

Leia mais

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP

Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP Módulo 3 Procedimento e processo de gerenciamento de riscos, PDCA e MASP 6. Procedimento de gerenciamento de risco O fabricante ou prestador de serviço deve estabelecer e manter um processo para identificar

Leia mais

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura

Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura Qualidade dos produtos da pesca e aquicultura HACCP aplicado ao pescado História e Definições Princípios Implementação Considerações acerca da aplicação do HACCP ao pescado Fontes: Huss (1992) Development

Leia mais

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros

Plano Escrito de Procedimentos. Monitorização Ações corretivas Verificação Registros Profª Celeste Viana Plano Escrito de Procedimentos (requisitos das BPF) Monitorização Ações corretivas Verificação Registros PPHO 1 Potabilidade da água PPHO 2 PPHO 3 PPHO 4 PPHO 5 PPHO 6 Higiene das superfícies

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO

7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO 7º Simpósio de Ensino de Graduação PLANO APPCC PARA O PROCESSO DE OBTENÇÃO DO RAVIÓLI DE CARNE CONGELADO Autor(es) SIMONE RODRIGUES DOS SANTOS Orientador(es) ANGELA DE FÁTIMA K. CORREIA 1. Introdução O

Leia mais

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte

Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Controle da qualidade em uma fábrica de sorvetes de pequeno porte Fernanda Lima Pereira 1, Suelem Correia Garcia 1, Tiago Rodrigues da Costa 1, Rodrigo Herman da Silva 2 ¹Estudante do curso de Engenharia

Leia mais

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos

VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos VIII Simpósio Internacional de Inocuidade de Alimentos FUNDAMENTOS TEÓRICOS SOBRE GMP/BPF/BPM PRÉ-REQUISITOS (POP, PPHO, PPR E PPRO) HACCP/APPCC AGRADECIMENTOS AO COMITÊ AOS PATROCINADORES AOS PRESENTES

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

EDUCAÇÃO E SEGURANÇA ALIMENTAR NO COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS EM CURITIBA, PR RESUMO

EDUCAÇÃO E SEGURANÇA ALIMENTAR NO COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS EM CURITIBA, PR RESUMO EDUCAÇÃO E SEGURANÇA ALIMENTAR NO COMÉRCIO AMBULANTE DE ALIMENTOS EM CURITIBA, PR RESUMO Gisele Van Amson Sônia M. C. Haracemiv Maria Lucia Masson Universidade Federal do Paraná - UFPR O comércio ambulante

Leia mais

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí

Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí Anais da 3ª Jornada Científica da UEMS/Naviraí 22 a 26 de Outubro de 2013 Naviraí/MS - Brasil www.uems.br/navirai Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - Unidade de Naviraí 97 Avaliação das Condições

Leia mais

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios

REVISTA SAÚDE TRABALHAR COM TRABALHAR COM A POR ONDE COMEÇAR? 29/9/2010 SETEMBRO DE 2010 UFSM UFSM. PPHO na Indústria de Laticínios REVISTA SAÚDE SETEMBRO DE 2010 POR ONDE COMEÇAR? TRABALHAR COM ALIMENTOS É TRABALHAR COM A SAÚDE DAS PESSOAS 1 Para garantirmos a produção de alimentos seguros, precisamos traduzir a legislação e as normas

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim

CONTROLE DE QUALIDADE. Welliton Donizeti Popolim CONTROLE DE QUALIDADE Welliton Donizeti Popolim UM CENÁRIO MAIS COMPLEXO... Requisitos do consumidor mundial Qualidade ambiental Segurança Satisfação Produtos e serviços qualificados e certificados

Leia mais

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S

Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC) P R O F. ª : S U Z I A N E A N T E S J A C O B S Sistema APPCC Projeto APPCC : Anvisa e Senai Ferramenta de gestão de risco desenvolvida para garantir

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. RESPOSTA TÉCNICA Título Higiene e segurança de alimentos Resumo Informações referentes às legislações e normas de higiene e segurança de alimentos e aplicação de norma ISO à produção de alimentos. Palavras-chave

Leia mais

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010

Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense. - Resultados. Março 2010 Diagnóstico da Cadeia Produtiva da Pesca nos Municípios do litoral centro-norte catarinense - Resultados Março 2010 1 Índice Objetivos Metodologia Resultados Cadeia Produtiva da pesca Armadores de pesca

Leia mais

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi

Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas. Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Metodologias de Desenvolvimento de Sistemas Analise de Sistemas I UNIPAC Rodrigo Videschi Histórico Uso de Metodologias Histórico Uso de Metodologias Era da Pré-Metodologia 1960-1970 Era da Metodologia

Leia mais

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco

Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal. Fernando Cavaco Aplicação dos Sistemas de Segurança a Alimentar nos circuitos de transformação dos Alimentos de Origem Animal Fernando Cavaco Decreto-Lei 67/98, de 18 de Março Estabeleceu as normas gerais de higiene dos

Leia mais

O que a sua empresa precisa implantar para a obtenção do Selo ABIS da Qualidade.

O que a sua empresa precisa implantar para a obtenção do Selo ABIS da Qualidade. O que a sua empresa precisa implantar para a obtenção do Selo ABIS da Qualidade. ISO 22000 HACCP/APPCC Implantação do SELO ABIS RDC Nº. 267 (BPF / POP`s) Boas Práticas de Fabricação - BPF Programa 5S Programa

Leia mais

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio!

BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! BOAS PRÁTICAS EM SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO: Segurança ao Cliente, Sucesso ao seu Negócio! Dra. Marlise Potrick Stefani, MSc Nutricionista Especialista e Mestre em Qualidade, Especialista em Alimentação Coletiva

Leia mais

AULA II CONTROLE E QUALIDADE. Prof.: Alessandra Miranda

AULA II CONTROLE E QUALIDADE. Prof.: Alessandra Miranda AULA II CONTROLE E QUALIDADE Prof.: Alessandra Miranda Conceitos: Controlar: estando a organização devidamente planejada, organizada e liderada, é preciso que haja um acompanhamento das atividades, a fim

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA

INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA INCENTIVANDO O CONSUMO DE PESCADO À REDE EDUCACIONAL DO MUNICÍPIO DE SOLÂNEA - PARAÍBA SOUZA, Weysser Felipe Cândido de 1 MAGALHÃES, Jeysiane Alves 2 SILVA, José Elenilson Ferreira 2 FILHO, Pedro Brito

Leia mais

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA Henrique César Pereira Figueiredo Professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador-Geral

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS

EM EMBUTIDOS CÁRNEOS CONTROLE DE QUALIDADE EM EMBUTIDOS CÁRNEOS Prof. Nelcindo N.Terra Depto. de Tecnologia e Ciência dos Alimentos Centro de Ciências Rurais Universidade Federal de Santa Maria nelcindo@terra.com.br DIFERENCIAL

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS

PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS MERCOSUL/GMC/RES Nº 25/98 PROGRAMA PARA CAPACITAÇÃO DE INSPETORES PARA A VERIFICAÇÃO DO CUMPRIMENTO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO DE PRODUTOS MÉDICOS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP -

Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - Simpósio Latino Americano da Associação Internacional para a Proteção de Alimentos -IAFP - VII Simpósio Associação Brasileira de Proteção dos Alimentos ABRAPA - Melhorando a inocuidade da carne de aves

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC

FERRAMENTAS DA QUALIDADE. Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC FERRAMENTAS DA QUALIDADE Prof. Dr. Renato Montini FATEC MC As ferramentas da qualidade têm os seguintes objetivos: Facilitar a visualização e o entendimento dos problemas; Sintetizar o conhecimento e as

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Conceitos de Qualidade. CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA CURSO DE GRADUAÇÃO e DE PÓS-GRADUAÇÃO DO ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Conceitos de Qualidade CES-32 / CE-230

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA REITORIA ANEXO I. PROJETO DE 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do Projeto: Curso de Capacitação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação. 1.2 Câmpus

Leia mais

Programa BB Aqüicultura e Pesca

Programa BB Aqüicultura e Pesca Programa BB Aqüicultura e Pesca O Banco do Brasil é o maior parceiro dos empreendedores brasileiros, sejam grandes ou pequenos produtores. Isso vale, também, para a aqüicultura e pesca. Assim, com o objetivo

Leia mais

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual

Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS. MAPA: situação atual Interface Saúde: Animal/Humana Plano de Ação Global sobre Resistência aos Antimicrobianos - GAP/OMS MAPA: situação atual Suzana Bresslau Médica Veterinária Fiscal Federal Agropecuário - DFIP/SDA ENDESA

Leia mais

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças

Produção Segura de Hortaliças. Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Produção Segura de Hortaliças Leonora Mansur Mattos Embrapa Hortaliças Alimentos seguros Antes de mais nada, um direito do consumidor!! Práticas que buscam a Segurança do Alimento geralmente contribuem

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof.

IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA HACCP DE SEGURANÇA ALIMENTAR. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Departamento de Gestão e Economia Disciplina de Controlo da Qualidade Prof. Carlos Marques HACCP IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA ALIMENTAR Ana Rodrigues 2019306 Jhonny Viveiros 2035006 Curso de Gestão

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA?

SEGURO AQUÍCOLA LONGLINE ENVIRONMENT PANORAMA DA AQUICULTURA COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? ÍNDICE LONGLINE ENVIRONMENT 3 PANORAMA DA AQUICULTURA 3 COMO FUNCIONA O SEGURO AQUÍCOLA? 3 ESPÉCIES ASSEGURADAS 4 RISCOS COBERTOS 5 QUANTO CUSTA O SEGURO AQUÍCOLA? 6 COMO OBTER O SEGURO AQUÍCOLA? 7 3 SEGURO

Leia mais

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar

APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar APPCC Análise de Perigo e Pontos Críticos de Controle na Empresa de Açúcar Rogério Augusto Profeta (FASC) rogerio.profeta@uniso.br Simone Fermino da Silva (FASC) fafil.oapec@argon.com.br Resumo A expressão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo

Este trabalho tem como objetivo propor um modelo multicritério para a priorização dos modos de falha indicados a partir de uma aplicação do processo 1 Introdução A atual regulamentação do setor elétrico brasileiro, decorrente de sua reestruturação na última década, exige das empresas o cumprimento de requisitos de disponibilidade e confiabilidade operativa

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza

PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA. Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza PLANO DE SEGURANÇA DA ÁGUA - GARANTINDO QUALIDADE E PROMOVENDO A SAÚDE PÚLICA Eng Roseane Maria Garcia Lopes de Souza 2 INDICE 1 Saúde Pública e Saneamento 2 Portaria 2914/2011 3 PSA 3 INDICE 1 Saúde Pública

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Guia de Boas Práticas

Guia de Boas Práticas específico para a Gestão de Mercados Atacadistas Sob a presidência de Mário Maurici de Lima Morais, Presidente da ABRACEN, foi criada uma equipe de trabalho dos membros da ABRACEN para a redação do presente.

Leia mais

Empresário Esclarecido Setor Protegido II

Empresário Esclarecido Setor Protegido II Empresário Esclarecido Setor Protegido II Comercialização de Pescado vb Albufeira 27 de outubro 2015 Marta Gonçalves 1 Apresentação da ACOPE Associação dos Comerciantes de Pescado ACOPE Constituição no

Leia mais

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000

COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 COMPARAÇÃO DAS NORMAS NBR 14900 - BRASILEIRA, HOLANDESA, DINAMARQUESA E FUTURA NORMA ISO 22000 PARTICIPAÇÃO NA CEET DA ABNT NBR 14900 e NBR 14991 COORDENAÇÃO DO GT INDÚSTRIA COORDENAÇÃO DO GT AUDITORIA

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES ELISÂNGELA PEREIRA DOS SANTOS, LARISSA RODRIGUES RIBEIRO PEREIRA, TAINARA LOPES DE OLIVEIRA Resumo: O objetivo deste

Leia mais

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014

O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente. SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 O Aquanegócio Brasileiro: uma visão diferente SEBRAE/MT Cuiabá, 16 Outubro 2014 28 Estados-Membros; 507 milhões de habitantes; Maior importadora mundial de alimentos; Alta demanda por qualidade, segurança

Leia mais

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CRIAÇÃO DA DISCIPLINA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Elias S. Assayag eassayag@internext.com.br Universidade do Amazonas, Departamento de Hidráulica e Saneamento da Faculdade

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES

IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES IMPORTÂNCIA E APLICAÇÃO DAS BPF NAS FÁBRICAS DE RAÇÕES Engº Marcos Vinicius L. Tubino Coordenador de Qualidade IRGOVEL A IRGOVEL Origem da empresa Goiás Em 1972 RS Pelotas Pioneirismo na produção óleo

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014

ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 Reunião ILSI São Paulo, 5 de dezembro de 2013 ATUAÇÃO DA ANVISA NO CONTROLE SANITÁRIO DE ALIMENTOS Previsões 2014 William Cesar Latorre Gerente de Inspeção e Controle de Riscos em Alimentos Gerência Geral

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Avaliação de Matérias Macroscópicas e Microscópicas Prejudiciais à Saúde Humana em Alimentos Embalados. Anvisa - Resolução - RDC nº 175, de 08 de julho de 2003 Republicada no D.O.U de 10/07/2003 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso de sua atribuição que lhe confere o

Leia mais

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA

GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA GSC EXPLICA SÉRIE EXPERTISE VETERINÁRIA ANÁLISE DE RAÇÃO PARA CÃES E GATOS Fonte: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/racao.asp Para a realização dos ensaios foram utilizados os seguintes documentos:

Leia mais

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000

SÉRIE ISO 14000 SÉRIE ISO 14000 1993 - CRIAÇÃO DO COMITÊ TÉCNICO 207 (TC 207) DA ISO. NORMAS DA : ISO 14001 - SISTEMAS DE - ESPECIFICAÇÃO COM ORIENTAÇÃO PARA USO. ISO 14004 - SISTEMAS DE - DIRETRIZES GERAIS SOBRE PRINCÍPIOS, SISTEMAS

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO

REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO MERCOSUL/GMC/RES. Nº 3/97 REGULAMENTO TÉCNICO PARA REGISTRO DE ANTIMICROBIANOS DE USO VETERINÁRIO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Resoluções Nº 11/93 e 91/93 do Grupo

Leia mais

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS

APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS 1 APLICAÇÃO DA FERRAMENTA FMEA NOS PROCESSOS DA MICRO EMPRESA MARMITEX EXPRESS Bruno Ricardo Duarte 1 João Koji Fujita Ribeiro de José Antonio Bueno 4 Renato Francisco Saldanha Silva 5 RESUMO O presente

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Boas Práticas de Fabricação de Saneantes e Produtos de Higiene Pessoal, Cosméticos e Perfumes Coordenação de Insumos Farmacêuticos, Saneantes e Cosméticos Gerência

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller

Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento. Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller Métodos de Avaliação para Sites de Entretenimento Fabricio Aparecido Breve Prof. Orientador Daniel Weller 1 Introdução O objetivo deste trabalho é verificar a eficiência da Avaliação com o Usuário e da

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação

DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES. Trabalho de Graduação DESENVOLVIMENTO DE INTERFACE WEB MULTIUSUÁRIO PARA SISTEMA DE GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE QUADROS DE HORÁRIOS ESCOLARES Trabalho de Graduação Orientando: Vinicius Stein Dani vsdani@inf.ufsm.br Orientadora: Giliane

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo animal Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo animal Visão rápida O FDA oferece esta tradução como um serviço para um grande público internacional. Esperamos que você a ache útil. Embora a agência tenha tentado obter uma tradução o mais fiel possível à versão em inglês,

Leia mais

Sistema HACCP - Noções Básicas

Sistema HACCP - Noções Básicas Sistema HACCP - Noções Básicas Sistema HACCP - Noções Básicas Objectivos Gerais - Conhecer a necessidade de efectuar procedimentos de controlo e monitorização; - Reconhecer a importância de implementar

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO

FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO. PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO <NOME DO TRABALHO> <Nome do Aluno> <Nome do Orientador> FACULDADE DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO PROJETO FINAL I e II PLANO DE TRABALHO O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) a ser desenvolvido

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1.

Autor(es) BARBARA STEFANI RANIERI. Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS, ANDERSON BELGAMO. Apoio Financeiro PIBIC/CNPQ. 1. 19 Congresso de Iniciação Científica ESPECIFICAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UMA FERRAMENTA AUTOMATIZADA DE APOIO AO GERSE: GUIA DE ELICITAÇÃO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS EMBARCADOS Autor(es) BARBARA STEFANI

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos

Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos Treinamento: FSSC 22000 / Versão 3 Formação de auditores internos 1. Interpretar os requisitos das normas ISO 22000:2005; ISO TS 22002-1:2012 e requisitos adicionais da FSSC 22000. Fornecer diretrizes

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE

CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE CASO DE USO PARA ANÁLISE DE DOMINIO DE UM SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA PRODUÇÃO DE LEITE Andrea C. A. Borim 1 Antônio M. Saraiva 2 José M. Fernandes 3 Carlos A. R. Pinto 4 RESUMO A busca pelo aumento da

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM UM RESTAURANTE POPULAR DE TERESINA-PI

LEVANTAMENTO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM UM RESTAURANTE POPULAR DE TERESINA-PI LEVANTAMENTO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM UM RESTAURANTE POPULAR DE TERESINA-PI Joseth Gláucia de Siqueira Rêgo Machado* - NOVAFAPI Carlos de Souza Meneses**- NOVAFAPI Clélia de Moura Fé Campos***

Leia mais

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade

SISTEMA DA QUALIDADE. Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade SISTEMA DA QUALIDADE Garantia da Qualidade Controle de Qualidade Rastreabilidade Não conformidade GARANTIA DA QUALIDADE Definição: Portaria 348/1997 RDC 48/2013 Todas as ações sistemáticas necessárias

Leia mais

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO N 24, DE 08 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA APPCC NA PRODUÇÃO DE AO LEITE COM RECHEIO DE LICOR

7º Simpósio de Ensino de Graduação DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA APPCC NA PRODUÇÃO DE AO LEITE COM RECHEIO DE LICOR 7º Simpósio de Ensino de Graduação DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA APPCC NA PRODUÇÃO DE AO LEITE COM RECHEIO DE LICOR BOMBOM DE CHOCOLATE Autor(es) LETICIA RODRIGUES AZENHA Co-Autor(es) KARINA KAMINOBO TAKAEZU

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Aula 1 Ementa Fases do Ciclo de Vida do Desenvolvimento de Software, apresentando como os métodos, ferramentas e procedimentos da engenharia de software, podem

Leia mais

CHECKLIST DA RDC 16/2013

CHECKLIST DA RDC 16/2013 CHECKLIST DA RDC 16/2013 Checklist para a RDC 16 de 2013 Página 2 de 10 Checklist 1. 2.1 Disposições gerais Existe um manual da qualidade na empresa? 2. Existe uma política da qualidade na empresa? 3.

Leia mais

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação

Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação Alimentos Minimamente Processados : controle sanitário e legislação REGINALICE MARIA DA GRAÇA A BUENO Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos - ANVISA Controle sanitário dos alimentos Ações

Leia mais