PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE PSQ - SETOR DE PROJETOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE PSQ - SETOR DE PROJETOS"

Transcrição

1 PROGRAMA SETORIAL DA QUALIDADE PSQ - SETOR DE PROJETOS ENTIDADES FORMULADORAS DO PROGRAMA: ASBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura ABECE Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural ABRASIP Associação Brasileira de Engenharia de Sistemas Prediais IAB - SP Instituto dos Arquitetos do Brasil/ Departamento de São Paulo IE Instituto de Engenharia SINAENCO Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva SINDINSTALAÇÃO Sindicato das Indústrias de Instalações Elétricas, Gás, Hidráulicas e Sanitárias do Estado de São Paulo 1

2 1. INTRODUÇÃO O Plano Setorial da Qualidade do setor de projetos foi elaborado com a finalidade de integrar todos os subsetores que atuam no processo de desenvolvimento de projeto em torno de objetivos comuns. O setor é constituído pelas entidades responsáveis pela elaboração deste documento e outras entidades que atuam em áreas referentes ao desenvolvimento de projetos na construção civil. A partir de um diagnóstico que apresenta as principais dificuldades do setor e registra suas iniciativas recentes, apresenta-se os programas de gestão da qualidade que as entidades se dispõem a desenvolver de forma compatibilizada e coordenada visando o aumento de competitividade do setor como um todo. Parte-se do princípio que esse aumento de competitividade é necessário diante de um potencial de crescimento que o setor de projetos apresenta em função do crescimento do mercado da construção civil em todos os seus segmentos e da possibilidade de superação de situações predatórias de desenvolvimento de empreendimentos e obras de várias naturezas com projetos de má qualidade e/ou ausência de projetos. O setor demonstra com esse documento a sua atualização com as tendências modernas de gestão voltadas às estratégias de competição promovendo por meio de ações específicas a modernização e capacitação de profissionais e empresas para os novos desafios de mercado que se apresentam para o setor. Este documento apresenta as condições específicas elaboradas pelo setor para atender às necessidades do programa QUALIHAB da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo, em consonância com o disposto no Decreto de 25 de novembro de ENTIDADES REPRESENTATIVAS DO SETOR O setor de projetos na construção civil habitacional é representado pelas seguintes entidades de caráter nacional e estadual: IAB - Instituto dos Arquitetos do Brasil ASBEA - Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura ABECE - Associação Brasileira de Engenharia e Consultoria Estrutural ABRASIP - Associação Brasileira de Engenharia de Sistemas Prediais SINAENCO - Sindicato Nacional das Empresas de Arquitetura e Engenharia Consultiva SINDINSTALAÇÃO - Sindicato de Instalações Elétricas, Gás, Hidráulicas e 2

3 Sanitárias do Estado de São Paulo ABEF - Associação Brasileira das Empresas de Engenharia, Fundações e Geotecnia IE - Instituto de Engenharia ABMS - Associação Brasileira de Mecânica dos Solos ABAP - Associação Brasileira de Arquitetos Paisagistas AREA - Campinas - Associação Regional de Escritórios de Arquitetura 3. EMPRESAS ASSOCIADAS ÀS ENTIDADES Entre as entidades representativas do setor pode-se citar os seguintes dados quanto ao número de empresas associadas e/ou filiadas, no Estado de São Paulo: ASBEA: 68 empresas associadas; ABECE 200 empresas IAB-SP: 7750 profissionais de Arquitetura e Urbanismo IE : 6000 profissionais SINAENCO: Arquitetura: 31 empresas associadas e 631 filiadas; Engenharia Consultiva: 103 empresas associadas e 958 empresas filiadas. SINDINSTALAÇÃO: 2100 empresas filiadas e 245 empresas associadas AREA-Campinas:- Associação Regional de Escritórios de Arquitetura (Campinas - São Paulo) - 92 empresas associadas (inclui empresas de projetos específicos como paisagismo e iluminação) 4. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DO SETOR Assim como toda a cadeia produtiva da construção civil o setor de projetos tem sido motivado nos últimos anos a dar início a um processo de modernização, visando não só atingir melhores condições de qualidade e produtividade nas empresas de desenvolvimento de projetos, mas, sobretudo, melhorar a qualidade do projeto gerado, uma vez que este é elemento chave na qualidade e produtividade dos bens finais. Os principais aspectos da situação atual do setor podem ser resumidos a seguir: 4.1 Natureza da atividade e características das empresas do setor A atividade de desenvolvimento de projetos é essencialmente ligada à formação profissional. Atuam nesse setor principalmente os profissionais das 3

4 áreas de Arquitetura, Urbanismo, Engenharia Civil, Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica e Geologia. Entende-se por projetos todas as especialidades envolvidas para o desenvolvimento de projetos tecnicamente adequados para a construção civil em obras de toda natureza, tais como: projeto de arquitetura, de estruturas, de fundações, de sistemas prediais ( hidráulicos, elétricos, ar condicionado, transporte vertical, acústica, Tc), projeto geotécnico, projeto urbanístico, projeto de paisagismo, de impermeabilização, de vedações, e outros conforme as características do empreendimento. O setor não está organizado somente em empresas formalmente constituídas, mas também em atividades desenvolvidas por profissionais autônomos que atuam por conta própria ou como prestadores de serviços de empresas de projeto. Isto torna difícil a quantificação do nível de atividade do setor considerando-se área projetada, faturamento e empregos gerados e não existem levantamentos sistemáticos sobre os dados que permitem caracterizar as empresas do setor quanto ao seu tamanho e nível de atividades. As informações conhecidas por parte das entidades permitem inferir que as empresas do setor são de pequeno porte, isto é, não ultrapassando em média o número de 15 (quinze) funcionários diretamente vinculados às empresas. Destacam-se, no entanto, um reduzido número de empresas que desenvolvem outros serviços além de projetos, como é o caso das empresas gerenciadoras de empreendimentos e obras, as quais possuem filiais em várias localidades e acima de 100 (cem) funcionários de nível universitário, o que as coloca na categoria de empresas de grande porte. O nível potencial de atividades do setor é bastante maior que o nível de atividades efetivo, tendo em vista que grande número das unidades produzidas no País, especialmente unidades residenciais, não são desenvolvidas a partir da existência de projetos técnicos adequadamente detalhados. A tabela a seguir apresenta alguns dados estimados para mensurar o nível de atividades do setor, exclusivamente para a produção de unidades habitacionais: TABELA 1 - ESTIMATIVA DE FATURAMENTO DO SETOR A PARTIR DOS VALORES DE FINANCIAMENTO CONCEDIDOS NO SISTEMA 4

5 BRASILEIRO DE POUPANÇA E EMPRÉSTIMO PARA CONSTRUÇÃO HABITACIONAL - BRASIL Valor das unidades Nº de unidades financiadas Total financiado (mil Reais) Incidência dos serviços de projeto sobre o custo da obra Faturamento projeto (mil Reais)* Até R$ 23 mil ,5% 740,3 De R$ 23 a R$ 70 mil ,5% 15735,7 Acima de R$ 70 mil ,5% 4105,2 Total ,2 de *Incidência sobre o custo estimado das obras, considerando-se que, em média, os valores financiados correspondem a 70% do valor de venda e o custo de obra a 50% do valor de venda. A incidência média de 5,5% de valor de projeto sobre o custo da obra considera não só os projetos das unidades, mas também os projetos de infra-estrutura. O valor obtido de 20,6 milhões de Reais em todo o País, no ano de 1996, corresponde a uma situação bastante próxima da realidade, uma vez que os imóveis financiados pelo SBPE estão relacionados à produção por empresas construtoras que, obrigatoriamente, apresentam o projeto desenvolvido seja qual for o valor das unidades. TABELA 2 - ESTIMATIVA DO POTENCIAL DE FATURAMENTO DO SETOR A PARTIR DA CONSTRUÇÃO DE NOVOS DOMICÍLIOS NÃO FINANCIADOS PELO SBPE - PROJEÇÃO PARA 1996 Faixa de renda Nº de unidades novas em 1996 Valor médio de venda (mil Reais) Incidência de valores de projeto sobre o custo da obra Faturamento de projeto (mil Reais) A ,00 5,5% ,4 B ,00 5,5% ,1 C ,00 5,5% ,0 D ,00 5,5% ,4 E ,00 5,5% ,2 Total ,1 Estes dados foram obtidos mediante manuseio estatístico dos dados da PNAD - Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Analisou-se as diferenças entre 5

6 números de domicílios entre diferentes anos para se chegar a uma taxa média de crescimento vegetativo do número de domicílios de 3,9% ao ano, distribuídos entre as faixas de renda consideradas pelo IBGE. Por meio de projeção foram obtidos os dados para 1996 e a diferença entre o número de unidades financiadas pelo SBPE e o número de domicílios novos foi distribuída segundo as participações das várias classes de renda Observa-se que o faturamento potencial do setor, considerando-se que toda e qualquer unidade habitacional produzida seja construída a partir de projetos elaborados por profissionais do setor, seria da ordem de R$ 3 bilhões para o ano de 1996 em todo o País. Nas duas estimativas considera-se apenas a produção habitacional o que deixa ainda um potencial de dimensionamento do faturamento do setor em todos os demais tipos de obras. Alguns dados sobre obras de outra natureza permitem avaliar o faturamento do setor: TABELA 3 - INVESTIMENTOS RECENTES OU PREVISTOS PARA OBRAS DE NATUREZA COMERCIAL E INDUSTRIAL QUE IMPLICAM A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE PROJETO /98 SETOR Data do levantamento Hotéis (Brasil) Dezembro de 1994 Parques aquáticos (Brasil) Parques temáticos (Brasil) Shopping Centers ( Brasil) Investimentos totais previstos 118 hotéis em obras investimentos = R$ 1,5 bilhão Período da previsão Agosto de 1996 R$ 154 milhões Agosto/96 R$ 625 milhões - R$ 2 bilhões /99 Edifícios comerciais (cidade de São Paulo) Dezembro/1996 e janeiro/1997 R$ 225,6 milhões* *(custo das obras) ** valores de projeto podem ser estimados em R$ 12,4 milhões

7 Indústria (Estado de São Paulo) Agosto de 1996 para o período R$ 13,5 bilhões (investimento total em projetos novos) Fonte: Estimativas e levantamentos realizados por publicações especializadas (Editora Pini; Emep Editorial; Gazeta Mercantil) A estimativa do impacto desses valores sobre o faturamento do setor de projetos é dificultada pelo fato de não ser possível projetar os valores referentes às obras civis. Os investimentos previstos envolvem obras novas e todos os demais itens necessários à instalação do empreendimento e da produção, no entanto, pode-se identificar com estes valores grande potencial de faturamento do setor, uma vez que estas obras não podem prescindir dos serviços de projeto. Ao contrário, em alguns desses segmentos avalia-se que o investimento em projeto é essencial para o retorno do investimento na medida em que as características de uso, operação e manutenção são totalmente condicionadas pela qualidade do projeto e podem representar ganhos significativos de rentabilidade. No setor hoteleiro, por exemplo, estima-se que o projeto tenha impacto direto sobre os custos de operação a ponto de se identificar um potencial de ganhos de até 30% do valor do custo a ser repassado nas diárias em função das características de projeto. Os estudos disponíveis sobre o impacto do projeto em deficiências de operação, manutenção e durabilidade também apontam para essa fase um alto potencial de ganhos quanto a estes aspectos. O quadro a seguir apresenta alguns resultados dessa natureza: QUADRO 1 - RESUMO DE ESTUDOS E LEVANTAMENTOS REALIZADOS NO BRASIL SOBRE PATOLOGIAS COM IDENTIFICAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO PROJETO AUTORES DESCRIÇÃO IMPLICAÇÕES DE PROJETO IPT-SP 1979 [1] DAL MOLIN 1988 [2] 36 conjuntos habitacionais no Estado de São Paulo; 462 unidades em 24 cidades casos de patologias em estruturas de concreto armado atendidas pela Fundação de Ciência e Tecnologia do RS (CIENTEC) entre 1977 e edificações habitacionais, comerciais e industriais Fase de projeto identificada como a origem da maior parte dos problemas patológicos analisados. As causas da maioria dos problemas foram identificadas como atribuíveis ao dimensionamento e detalhamento de projeto. 7

8 CREMONINI 1988 [3] Análise de 243 edificações escolares no RS com problemas patológicos A maioria dos problemas patológicos tinha suas causas associadas à deficiências na especificação de materiais e componentes e/ou no detalhamento de projeto. AUTORES DESCRIÇÃO IMPLICAÇÕES DE PROJETO CTE 1993 [4] BERNARDES,C. et al [5] Avaliação pós-ocupação em 64 unidades habitacionais construídas com sistemas construtivos inovadores após 2 anos de uso. Levantamento das ocorrências e custos advindos da assistência técnica pós-venda - dados de 8 construtoras em 52 obras entregues em São Paulo. Os problemas patológicos ou de inadequação ao uso tiveram como causa principal a falta de solução adequada em projeto em todos os subsistemas e nas interfaces. Os custos de manutenção resultantes chegaram a 3% do custo inicial das unidades. Deficiências de projeto puderam ser identificadas como geradoras dos principais problemas: instalações hidráulicas; vedações; impermeabilização [1] IOSHIMOTO, E. Incidência de manifestações patológicas em edificações habitacionais. In: IPT- Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (Divisão de Edificações). Tecnologia de Edificações. São Paulo, Pini, 1988, p [2] DAL MOLIN, D.C.C. Fissuras em estruturas de concreto armado - análise das manifestações típicas e levantamento de casos ocorridos no Estado do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, CPGEC/UFRGS, 1988 (Dissertação de mestrado). [3] CREMONINI, R. A. Incidência de manifestações patológicas em unidades escolares na região de Porto Alegre. Porto Alegre, CPGEC/UFRGS, março 1988 (Dissertação de mestrado). [4] CTE - Centro de Tecnologia de Edificações. Avaliação Pós-Ocupação no Núcleo Experimental de Habitação Popular de Cubatão. Relatório Técnico CTE nº 76/93 [ 5 ] BERNARDES, C. et al. Qualidade e o custo das não-conformidades em obras de construção civil. Trabalho de conclusão do Programa de capacitação em Eng. De Produção para construção civil,- Fundação Carlos Alberto Vanzolini), São Paulo, maio São poucos os insumos utilizados pelo setor no seu processo de produção, no entanto, a evolução tecnológica e a redivisão do trabalho que vem 8

9 ocorrendo gera atividades para uma série de serviços como os bureau de plotagem e impressão, consultores em multimídia, por exemplo. Devido ao grande número de profissionais formados em todo o País anualmente e às pequenas barreiras à entrada de novas empresas no mercado de desenvolvimento de projetos a competição no setor é acirrada. A abertura econômica propiciou também a atuação de escritórios estrangeiros de projeto que têm se destacado pelo desenvolvimento de edifícios comerciais e empreendimentos de grande porte como, por exemplo, os parques de lazer. Também se pode identificar casos de exportação de serviços de projeto para obras de várias naturezas e vários países. Dada a característica de trabalho por encomenda, ligada à atividade da construção civil e a sensibilidade dessa atividade às mudanças de ciclo econômico, o setor atualmente utiliza-se em grande parte da terceirização de serviços no que diz respeito às etapas de detalhamento de projeto, produção de maquetes e recursos de apresentação, plotagem e desenhos diversos. Esta estratégia visa a redução de custos fixos das empresas que, sujeitas a grandes flutuações de demanda, têm dificuldades para dar sustentação permanente a esses custos, especialmente, no que se refere aos encargos sociais e tributação. 4.2 Características do processo de produção de projeto A divisão e organização do trabalho do setor de projetos apresentam características diferentes, conforme o tipo de empreendimento e tipo de contratante dos serviços. Em função das características do empreendimento e do tipo de contrato estabelece-se maior ou menor grau de integração entre os serviços técnicos e projetos a serem desenvolvidos e entre estes e os demais agentes da cadeia produtiva. O desenvolvimento do projeto é um processo compartilhado entre os projetistas das várias especialidades envolvidas e o contratante, uma vez que, à exemplo do desenvolvimento de um produto industrial, envolve a identificação das necessidades dos clientes/usuários e a interação com a tecnologia que viabiliza a construção da edificação projetada ou outro elemento do ambiente construído. O processo de desenvolvimento do projeto como um todo envolve ainda fatores condicionantes de ordem regulatória, legislação urbana e normas relacionadas aos serviços públicos, e de características técnicas de interação do bem produzido com os demais elementos do ambiente construído. As responsabilidades pela qualidade e produtividade do processo de desenvolvimento e do produto final gerado são assim divididas entre os vários intervenientes do processo. 9

10 O processo de produção do setor é intensivo em conhecimento técnico, fazendo com que as maiores necessidades de investimento estejam centradas no desenvolvimento dos recursos humanos. O processo de desenvolvimento de projeto está atualmente em fase de transição, para uma intensificação do uso de recursos da informática e tecnologia da informação, fazendo com que estes aspectos também se constituam em fatores de capacitação do setor. Busca-se, assim, um incremento significativo na produtividade atingida pelos profissionais e empresas e na garantia da qualidade no que diz respeito à confiabilidade possibilitada pela padronização de etapas e automação por meio de sistemas informatizados específicos. 4.3 Mudanças recentes e principais dificuldades do setor quanto à qualidade As mudanças pelas quais vem passando o ambiente econômico e a tecnologia de produção do ambiente construído têm introduzido novas necessidades quanto às características do processo de desenvolvimento dos projetos. A introdução de novas tecnologias construtivas, de novos produtos de construção, novas tendências na ocupação do solo e no processo de urbanização, bem como mudanças de comportamento dos usuários quanto ao uso dos bens construídos vêm introduzindo a necessidade de novos conhecimentos no processo de desenvolvimento de projeto. Por outro lado, avanços na tecnologia da informação, com a possibilidade de compartilhamento de dados e informações de projeto em tempo real, alteram a estrutura de desenvolvimento de projeto, delineando-se como tendência a simultaneidade de desenvolvimento entre todos os agentes. No entanto, existem dificuldades relativas ao processo do setor de projetos no que diz respeito à qualidade que podem ser resumidas a seguir: Principais dificuldades e mudanças de caráter sistêmico: aspectos regulatórios, de educação, economia, Tc Neste âmbito as dificuldades do setor estão fora do alcance da unidade produtiva, a empresa, ou do profissional de forma individual. Constituem-se em aspectos que derivam ou interagem com o sistema econômico, social e político do País: Educação 10

11 excesso de cursos de Engenharia e Arquitetura no País em relação à capacidade de absorção local ou regional dos profissionais em relação ao mercado demandante de projeto; deterioração do ensino e defasagem em relação às necessidades de mercado; falta de cultura de planejamento no âmbito da formação dos profissionais do setor da construção civil, predominando o improviso de soluções; Trabalho exercício ilegal da profissão - profissionais não habilitados desenvolvendo projeto, projetos com apenas assinatura de responsabilidade técnica; incidência de obras clandestinas nos segmentos de mercado de mais baixa renda sem o desenvolvimento de projeto com ameaça à segurança dos usuários e vizinhança; ocorrências de cópia de projeto com descaraterização de responsabilidade técnica; ausência e/ou insuficiência de ação fiscalizadora por parte dos Conselhos Regionais de Engenharia, Arquitetura e Agronomia; insuficiência de ação normativa por parte das entidades do setor sobre as relações de trabalho de seus profissionais e empresas. Aspectos regulatórios legislação de contratação de serviços de projeto no setor público inadequada do ponto de vista da garantia de contratação que assegure a qualidade e inexistência de mecanismos reguladores da contratação com base em critérios de qualificação de profissionais e empresas; heterogeneidade e conflitos na legislação de caráter federal, estadual e municipal nos aspectos que afetam projeto: meio ambiente, legislação urbana (Planos Diretores e códigos de obras); leis e normas específicas; normas de concessionárias de serviços públicos com ênfase em aspectos burocráticos e defasadas das necessidades de tecnologia construtiva que afetam o projeto, atuando como barreiras à qualidade e modernização; transferência de tecnologia: atraso do setor em termos de tecnologia de processo de produção em decorrência da abertura tardia da economia (especialmente quanto à tecnologia de informatização do processo de produção). alta incidência de encargos trabalhistas sobre as empresas na medida em que são intensivas no uso do trabalho especializado/qualificado. inexistência de planos diretores urbanos e planos setoriais (saneamento, habitação, por exemplo). Pesquisa e desenvolvimento 11

12 baixa inserção das necessidades de desenvolvimento do setor em termos de sistemas e mecanismos de incentivo à pesquisa. Exigência do cliente quanto à qualidade: baixa exigência de clientes públicos e privados quanto à qualidade do projeto impondo-se essa condição ao cliente final (consumidor). Sistema econômico flutuações acentuadas de demanda tendo em vista a descontinuidade das políticas públicas de provimento de bens e serviços que demandam projetos e das políticas econômicas de stop and go para a atividade de construção. As mudanças que vêm ocorrendo neste âmbito estão situadas predominantemente no lado do mercado com maior interferência do consumidor final nas características do produto, pela exigência junto ao construtor e incorporador. Altera-se também a exigência dos contratantes privados quanto às características solicitadas do projeto e dos contratantes públicos exercendo seu poder de compra por meio de critérios ligados à qualidade. São lentos os movimentos no sentido de mudanças na legislação de toda natureza Principais dificuldades e mudanças de caráter estrutural/ setorial Tendo em vista a estrutura de setor extremamente pulverizada, com grande número de profissionais atuantes, diferentes especialidades e fragmentação do processo de elaboração do projeto entre vários agentes, o setor é desprovido de mecanismos que permitam a articulação e integração adequados ao seu próprio desenvolvimento; Inexistência de metodologias de acompanhamento da demanda por projeto e projeções que permitam desenvolver um planejamento adequado da mobilização dos profissionais do setor em todos os níveis; O processo de trabalho do setor é altamente dependente do processo de produção e da cadeia produtiva da construção civil como um todo, gerando fatores condicionantes da qualidade do projeto como: ausência de metodologias adequadas para levantamento das necessidades dos clientes finais/usuários; falta de estratégia de produto por parte dos contratantes; carência de dados e informações técnicas sobre o terreno, macro e microclima, solo, serviços públicos, etc.; 12

13 ausência de desenvolvimento do projeto de forma integrada ao ambiente urbano em que se insere; falta de desenvolvimento do projeto de forma global, incluindo o projeto de paisagismo, drenagem, pavimentação, equipamentos de lazer etc.; ausência de dados e indicadores de custo, desempenho e qualidade de produtos para a seleção de tecnologia e especificação de produtos; excesso de retrabalho no processo de desenvolvimento em função de alterações por parte do contratante e da falta de integração entre os profissionais envolvidos no projeto; falta de indicadores que permitam aferir os ganhos de qualidade e produtividade no processo de execução e no produto final em função da qualidade do projeto e conseqüente compra com base unicamente no preço; falta de mecanismos correntes de retroalimentação do projeto a partir da obra executada e da ocupação pelos usuários; baixo grau de compromisso dos profissionais e empresas de projeto com a estratégia e metas dos contratantes (estratégia de produto, custos, prazos, atendimento ao usuário final, etc.) atraso conceitual que afeta o desenvolvimento do projeto: incorporação efetiva de conceitos relacionado ao desempenho dos bens finais (durabilidade, vida útil, desempenho térmico e acústico, custos de operação e manutenção, etc.); anarquia dimensional na fabricação de materiais e componentes e falta de integração de concepção entre os mesmos dificultando a racionalização de projeto; falta de mecanismos de incentivo à melhoria da qualidade do projeto em empreendimentos promovidos pelo Poder Público - educação, saúde, transportes, habitação; enfoque de valor da produção (horas técnicas, tempo de desenvolvimento, número de documentos gerados) para a remuneração dos profissionais de projeto em vez de um enfoque de valor que o projeto agrega ao produto final com um processo de desvalorização do projeto, enquanto produto, no processo de produção; concorrência predatória entre profissionais e empresas; falta de critérios objetivos de qualificação de profissionais e empresas; baixo nível de produção científica e tecnológica para o setor, caracterizando-se ainda um acentuado afastamento entre as carências tecnológicas das empresas do setor e os temas desenvolvidos no âmbito de universidades e centros de pesquisa; 13

14 reduzido número de normas técnicas quando comparado à situação de outros países e dificuldades de produção das normas tendo em vista a ausência de caráter profissional no processo de elaboração de normas. As mudanças que vem ocorrendo nesse âmbito são decorrentes de alterações na tecnologia de produção, nas relações entre os agentes de produção, mas ainda chegam lentamente ao setor de projeto Principais dificuldades e mudanças de caráter empresarial Falta de metodologias adequadas para a gestão da qualidade especificamente aplicada ao processo de desenvolvimento de projeto; Falta de metodologias de gestão e gerenciamento do negócio adequadas: planejamento e controle de custos do escritório, custos do projeto segundo as características do empreendimento, formação de preço, remuneração e distribuição de resultados, marketing, atendimento ao cliente. Falta de capacidade de investimento no aperfeiçoamento do processo de produção: capacitação e aperfeiçoamento dos recursos humanos; informatização; desenvolvimento de metodologias próprias de desenvolvimento do projeto. Dificuldades de manutenção de equipes dadas as características de flutuação de demanda. Baixo grau de integração com profissionais complementares em função da forma de contratação por parte dos clientes. Dificuldades de acompanhamento da evolução da tecnologia construtiva pela falta de integração adequada com os detentores das tecnologias. Falta de padronização de procedimentos entre os clientes, demandando um alto grau de adaptação aos padrões de cada cliente. Falta de normalização técnica que assegure o desenvolvimento de projeto com base em requisitos de desempenho do edifício e suas partes. As principais mudanças em termos de qualidade que vem ocorrendo no âmbito da empresa dizem respeito aos processos de busca de metodologias adequadas à formalização da gestão da qualidade como necessidade de mercado, tendo em vista a competição acirrada e as necessidades dos contratantes. O processo de informatização também foi acelerado nos últimos anos, permitindo-se por esse meio a redução de prazos e a automação de algumas etapas de trabalho que envolviam a conferência, verificação, dificuldades de alterar partes dos projetos. 14

15 Há cerca de três anos várias empresas do setor vem desenvolvendo ações no sentido de implantar sistemas formais de gestão da qualidade, até mesmo resgatando-se práticas de controle da qualidade durante o desenvolvimento do projeto já utilizadas no passado. Em 1996, por meio de uma ação cooperativada entre entidades do setor e entidades representativas de empresas contratantes de projeto, foi iniciado um programa visando o desenvolvimento de metodologia específica de gestão da qualidade para o processo de desenvolvimento do projeto (PROGRAMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETO NA CONSTRUÇÃO CIVIL). O programa parte do princípio de que uma parte significativa do que vem a se constituir na garantia da qualidade do projeto deve ser obtida a partir da implantação de mecanismos adequados à operação dos processos intermediários que ocorrem no contratante e na empresa de projeto, bem como em cada uma das empresas ou profissionais parceiros. O programa está estruturado em módulos que foram concebidos por consultores especializados em gestão da qualidade na construção civil e consensados entre as entidades participantes. A metodologia fornece conceitos e ferramentas adequadas para a autoimplantação do sistema de gestão da qualidade, atendendo-se aos requisitos da família de normas ISO NBR Participam do projeto 06 (seis) empresas de projeto de Arquitetura, 4 (quatro) empresas de projeto estrutural, 3 (três) empresas de projeto de instalações e 10 empresas construtoras/ incorporadoras. A metodologia resultante dará origem a um programa contínuo de formação de empresas de projeto a ser difundido em todo o Estado de São Paulo e a nível nacional pelas entidades participantes: ASBEA; ABECE; Sinduscon-SP; Secovi-SP. Esta difusão ocorrerá pela formação de grupos de empresas para implantação da metodologia, preparando-as para a busca da qualificação de sistema de gestão da qualidade. Também têm sido desenvolvidas várias ações nas diversas entidades do setor que visam promover a atualização de conhecimento técnico dos profissionais tais como: cursos, eventos, concursos, missões técnicas a países desenvolvidos visitando-se empresas e empreendimentos de interesse para o setor Normalização técnica A normalização técnica de projeto não se refere somente às normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, mas também às normas de entidades e instituições públicas e privadas, bem como às normas das concessionárias de serviços públicos de cada localidade. 15

16 Não são identificadas neste documento todas as normas técnicas relacionadas a projeto, mas apenas as normas principais das várias áreas do conhecimento envolvidas Principais normas técnicas brasileiras relativas a projeto no âmbito da ABNT NÚMERO/ANO NBR 6118 (1978) NBR 8800 (1986) NBR 7197 (1989) NBR 9062 (1985) NBR 7190 (1951) NBR 6119 (1978) NBR 6120 (1978) NBR 5665 (1982) NBR 6122 (1996) NBR 5413 (1991) NBR 9575 (1985) NBR (1989) NBR (1990) TÍTULO Projeto e execução de obras de concreto armado (em revisão) Projeto e execução de estruturas de aço de edifícios - método dos estados limites Projeto de estruturas de concreto protendido (em revisão) Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado Projeto de estruturas de madeira (em revisão) Cálculo e execução de lajes mistas (em revisão) Cargas para cálculo de estruturas de edificações Cálculo de tráfego de elevadores Projeto e execução de fundações Iluminâncias de interiores Elaboração de projetos de impermeabilização Cálculo de alvenaria estrutural de blocos de concreto (em revisão) Seleção da impermeabilização 16

17 NÚMERO/ANO NBR (1996) NB 024 (1965) NBR 5410 (1990) NBR 5419 (1970) NBR 5626 (1980) NBR 7198 (1993) NBR 8160 (1983) NBR 9818 (1986) NBR (1987) NBR (1988) NBR (1990) NBR (1990) NBR 9077 (1983) NBR (1983) NBR 8039 (1983) NBR 7199 (1988) NBR 6123 (1987) NBR 6492 (1994) NBR (1980) NBR 6506 (1973) NBR 5706 (1969) a NBR 5717 (1981) e NBR 5721,22,23,25 a 31 (1981/82) NB 1350 (1991) TÍTULO Projeto de revestimento de paredes e estruturas com placas de rocha Instalações hidráulicas prediais contra incêndio sob comando Instalações elétricas de baixa tensão Proteção de edificações contra descargas elétricas atmosféricas Instalações prediais de água fria (texto revisto em votação) Instalações prediais de água quente Instalações prediais de esgotos sanitários Projeto e execução de piscinas Projeto e execução de piscinas - sistemas de recirculação e tratamento Projeto e execução de piscinas - casa de máquinas, vestiários e banheiros Segurança e higiene de piscinas Projeto e execução de piscinas- equipamento para borda do tanque Saídas de emergência em edifícios Adequação das edificações e do mobiliário urbano à pessoa deficiente Projeto e execução de telhados com telhas cerâmicas Projeto, execução e aplicações - vidros na construção Forças devidas ao vendo em edificações Representação de projetos de arquitetura Elaboração de caderno de encargos para execução de edificações Uso do solo no planejamento urbano * Conjunto de normas relativas a coordenação modular Normas para elaboração de Plano Diretor NBR (1995) Elaboração de projetos de edificações - arquitetura NBR (1995) Elaboração de projetos de edificações - atividades técnicas 17

18 NÚMERO/ANO NBR 6401 (1987) NBR CB CENI TÍTULO Instalações centrais de ar condicionado para conforto - parâmetros básicos de projeto Níveis de ruído para conforto acústico NBR (1994) Execução de levantamento topográfico - Procedimento NBR (1992) NBR (1988) NBR 8044 (1982) NBR 7191 (1951); 8196 (1992); 8402 (1983); 8403 (1983); 8404 (1983); (1985); (1987); (1986); 10582(1988);10647 (1989); (1991); (1991); (1994); (1994); (1994); (1994) NBR 9284 (1985) NBR 9649 (1986) NBR (1984) NBR (1985) NBR 9283 (1985) NB NBR 5670 (1977) NBR 5671 (1989) NBR 5678 (1977) NBR 5679 (1977) Discriminação de serviços técnicos para construção de edifícios Instalações prediais de águas Projeto Geotécnico Normas relativas a desenho de projeto e representação. Equipamento urbano Projetos de redes coletoras de esgoto Execução de redes prediais de gases combustíveis para uso doméstico Usos de centrais de GLP Mobiliário urbano Projeto e execução de obras de concreto simples Seleção e contratação de serviços e obras de engenharia e arquitetura de natureza privada Participação dos intervenientes em serviços de engenharia e arquitetura Estudos de viabilidade de serviços e de obras de engenharia e arquitetura Elaboração de projetos de obras de engenharia e arquitetura 18

19 4.4.2 Normas brasileiras relativas a projeto no âmbito de instituições e empresas 1. CORDE - Coordenadoria Nacional para Integração de Pessoa Portadora de Deficiência/ CEAPD - Conselho Estadual para Assuntos da Pessoa Deficiente. Elementos básicos para a eliminação de barreiras arquitetônicas e ambientais. 2. Encol. Critérios e parâmetros de projetos estruturais de edificações. Ditec, fevereiro de Encol. Novos procedimentos para instalações prediais - Novatec-01. Dezembro, Encol. Serviços de projetos de coberturas. 5. Encol. Normas de serviço de projeto e especificação de impermeabilização FDE-Fundação para o Desenvolvimento da Educação. Especificações da edificação escolar de primeiro grau, Petros-Fundação Petrobrás de Seguridade Social. Norma de projeto e contratação. 8. Companhia do Metropolitano de São Paulo. Cadernos de detalhes e normas de apresentação de projeto. 9. Sehab-SP. Roteiro legal de parcelamento do solo. 10.CTE-Centro de Tecnologia de Edificações. Procedimentos para especificação de materiais e componentes, 1996/ CTE-Centro de Tecnologia de Edificações. Procedimentos gerenciais e operacionais de desenvolvimento de projeto. 19

20 Principais normas estrangeiras relativas a projeto correspondentes a normas não existentes no Brasil 1. Normas do American Institute of Architects - AIA NÚMERO /ANO AIA A AIA A AIA B AIA B AIA B AIA B AIA B AIA B AIA C AIA C AIA D AIA G AIA G 602 AIA G AIA AIA AIA 1.14 AIA AIA AIA AIA TÍTULO Standard form of agreements between owner and design/builder Standard form of agreements between design/builder and contractor Standard form of agreements between owner and architect Abbreviated form of agreement between owner and architect for construction projects of limited scope Standard form agreement between owner and architect for designated services Scope of designated services Duties, responsabilities and limitations of authority of the architects project representative Architect s qualification statement Standard form agreement between architect and consultant Joint-venture agreement for professional services Project checklist Land survey agreement Geotechnical services agreement Project data Professional conduct and ethics Interprofessional relationships Marketing and public relations Predesign services Site analysis Building design Postconstruction services 20

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO PARANÁ CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA DE INTERIORES A Câmara Técnica de Arquitetura de Interiores do CAU/PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Paraná, terá como

Leia mais

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual

28/9/2010. Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas. Silvio Melhado 24/09/10. Contexto atual Revalorização dos Projetos de Arquitetura Face às Novas Demandas Silvio Melhado 24/09/10 Contexto atual 2 1 2 Normas de desempenho A Importância da Gestão do Processo de Projeto 6 1 2 4 5 6 7 8 9 10 11

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS

ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS ADEQUAÇÃO DO PROCESSO DE PROJETO DE EDIFICAÇÕES AOS NOVOS PARADIGMAS ECONÔMICO-PRODUTIVOS RESUMO Celso Carlos NOVAES Professor na Universidade Federal de São Carlos, Departamento de Engenharia Civil Correio

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR

UniVap - FEAU CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Prof. Minoru Takatori ESTUDO PRELIMINAR 1 ESTUDO PRELIMINAR OBJETIVOS Analise e avaliação de todas as informações recebidas para seleção e recomendação do partido arquitetônico, podendo eventualmente, apresentar soluções alternativas. Tem como

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

IPR Instalações Prediais

IPR Instalações Prediais IPR Instalações Prediais Programa: Sistemas Prediais de Água Fria Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Professora Andreza Kalbusch Sistemas Prediais de Água Quente Sistemas Prediais de Águas Pluviais

Leia mais

Integração de Projetos na Fase de Engenharia

Integração de Projetos na Fase de Engenharia 1 Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação MBA Gestão de Projetos Turma 19 20 de Dezembro 2014 Integração de Projetos na Fase de Engenharia Josie de Fátima Alves Almeida Engenheira Civil josiealmeida@bol.com.br

Leia mais

PROGRAMAS DAS PROVAS

PROGRAMAS DAS PROVAS ENGENHEIRO CIVIL (prova objetiva) PORTUGUÊS: PROGRAMAS DAS PROVAS 1. Compreensão de textos informativos e argumentativos e de textos de ordem prática (ordens de serviço, instruções, cartas e ofícios).

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO

REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 1 REVISÃO PSQ GERENCIAMENTO 2 1. CARACTERIZAÇÃO DO SETOR 1.1. Definição do Gerenciamento A definição do gerenciamento pode ser dada sob diversos enfoques, dentre os quais destacamos o texto escrito por

Leia mais

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas.

FOCO NO PROCESSO QUALIDADE. Cliente. Desenvolvimento do produto e projeto. Uso e operação. Gerenciamento e Execução de. Lançamento e vendas. QUALIDADE Cliente Uso e operação Desenvolvimento do produto e projeto FOCO NO Gerenciamento e Execução de obras PROCESSO Lançamento e vendas Suprimentos Planejamento e orçamento de obras Padronização dos

Leia mais

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ministério das Cidades PBQP-H E A INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Histórico 1991 PRONATH Prog. Nac. de Tecnologia da Habitação 1993 PROTECH Vilas Tecnológicas 1996 Programa de Apoio ao Desenvolvimento

Leia mais

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social

Desenvolvimento de Novos Produtos e Serviços para a Área Social Programa 0465 SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO - INTERNET II Objetivo Incrementar o grau de inserção do País na sociedade de informação e conhecimento globalizados. Público Alvo Empresas, usuários e comunidade

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Secretaria Especial de Desenvolvimento Urbano Secretaria de Política Urbana Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat - PBQP-H,WHQVH5HTXLVLWRVGR 6LVWHPDGH4XDOLILFDomRGH(PSUHVDVGH

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280. Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 16280 PRIMEIRA EDIÇÃO 18/03/2014 VÁLIDA A PARTIR DE 18/04/2014 Reforma em edificações - Sistema de gestão de reformas - Requisitos Prefácio Introdução 1 Escopo 2 Referências 3

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS

PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS PARÂMETROS PARA SELEÇÃO E PROJETO DE IMPERMEABILIZAÇÃO DE PISOS DO PAVIMENTO TIPO DE EDIFÍCIOS Julio Cesar Sabadini de Souza Escola Politécnica da USP - Av. Prof. Almeida Prado, Trav. 2, nº 271 - PCC CEP

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br

INSPEÇÃO PREDIAL. Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL Eng. Civil Flávia Zoéga Andreatta Pujadas archeo@uol.com.br INSPEÇÃO PREDIAL e sua EVOLUÇÃO 1º Inspeção Predial: Vistoria técnica da edificação para constatação das anomalias existentes

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Painel 4 Vistorias em Edificações

Painel 4 Vistorias em Edificações Diagnósticos Técnicos e a Preservação de Direitos na Construção Civil Painel 4 Vistorias em Edificações Palestrante José Carlos Muniz Falcon Realização Apoio Técnico Apoio Institucional Vistorias em Edificações-

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H

Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H PBQP-H INMETRO Programas Setoriais da Qualidade EGT credenciada pelo PBQP-H e acreditada pelo INMETRO Avaliações Técnicas ITA reconhecida pelo PBQP-H Mais de 250 ensaios acreditados pelo INMETRO SINAT

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Coordenação técnica: 1

Coordenação técnica: 1 Coordenação técnica: 1 Objetivos do Programa Viabilizar que as leis que tornam obrigatórias as inspeções em edificações sejam aplicadas por meio de procedimentos adequados do ponto de vista técnico e por

Leia mais

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda.

Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Profico Projetos, Fiscalização e Consultoria, Lda. Rua Alfredo da Silva, 11B 1300-040 Lisboa Tlf. +351 213 619 380 Fax. +351 213 619 399 profico@profico.pt www.profico.pt INDICE 1. DESCRIÇÃO GERAL DA PROFICO...

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MQ 01 Rev. 07 MANUAL DA QUALIDADE Rev. Data. Modificações 01 14/09/2007 Manual Inicial 02 12/06/2009 Revisão Geral do Sistema de Gestão da Qualidade 03 22/10/2009 Inclusão de documento de referência no item 8. Satisfação de cliente, Alteração

Leia mais

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica

UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica UFAL- Universidade Federal de Alagoas DEHA- Mestrado em Dinâmicas do Espaço Habitado Disciplina: DEH 204 -Acústica Arquitetônica NBR 15575:2013 Desempenho de edificações habitacionais Professora Dra. Maria

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 162/2013 CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL Nº 162/2013 CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 26/06/2013-15:38:48 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2404 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PROCESSO DE SELEÇÃO - EDITAL

Leia mais

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO:

CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: EMPREENDIMENTOS CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: Localizado em Novo Hamburgo RS; 18000 m² de área construída; 72 Unidades 3 e 2 dormitórios; 26 Pavimentos; Tratamento e reutilização

Leia mais

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS

TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS TÍTULO: VISTORIAS TÉCNICAS DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS PREDIAS SANITÁRIAS Autores: Rita de Cássia Junqueira: Cargo atual: Tecnóloga Sanitarista Formação: Tecnologia Sanitária Universidade de Campinas -

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

Materiais de Construção II TC 031

Materiais de Construção II TC 031 Materiais de Construção II TC 031 Normalização Prof. Marcelo Medeiros Adaptado pela prof.a Laila Valduga Artigas 1 Normas e responsabilidades para engenheiros: Hammurabi, rei da Babilônia 1.800 AC, escreveu

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS

COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS COORDENAÇÃO DOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS HIDRO- SANITÁRIOS EM EDIFICAÇÕES VERTICALIZADAS Arancibia Rodríguez, Marco A. (1); Novaes, Rogério (2) (1) Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Doutorando em

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000)

MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) MÓDULO 14 Sistema de Gestão da Qualidade (ISO 9000) Ao longo do tempo as organizações sempre buscaram, ainda que empiricamente, caminhos para sua sobrevivência, manutenção e crescimento no mercado competitivo.

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br

Para-raios CATÁLOGO DE SERVIÇOS. www.tel.com.br PÁGINA 1 RAIOS 4 2 NORMAS E CERTIFICAÇÕES 6 2.1 EXIGÊNCIAS REGULAMENTARES 7 3 A EMPRESA 9 4 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ENGENHARIA 4.1 PROJETO DE SPDA 4.2 MEDIÇÃO DE CONTINUIDADE ELÉTRICA EM ARMADURA DE

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS

ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE URBANIZAÇÃO SUMÁRIO 1.0 - OBJETIVO 2 0 - DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3.0 - ESCOPO 3.1 - PROCEDIMENTOS FORMAIS 3.2 - COMPONENTES ESPECÍFICOS 3.2.1 - Plano de Intervenção

Leia mais

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA

PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA PROPOSTA DO SENAI PARA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA Manuel Victor da Silva Baptista (1) Engenheiro Químico com pós-graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental, SENAI-CETSAM,

Leia mais

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores

SUMÁRIO. Sistemas a serem considerados na construção de data centers. A gestão do projeto e a integração dos fornecedores REPORT 04 e fevereiro de 2013 INFRAESTRUTURA FÍSICA E DATA CENTERS SUMÁRIO Introdução O que são data centers Padrões construtivos para data centers Sistemas a serem considerados na construção de data centers

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

SENAI - Educação profissional

SENAI - Educação profissional MAPA DO PORTAL (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CNI/MAPADOSIT E /) SITES DO SISTEMA INDÚSTRIA (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST RIA. COM. B R/CANAIS/) CONT AT O (HT T P: //WWW. PORT AL DAINDUST

Leia mais

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros.

PANTHEON - ROMA. Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. EMPREENDIMENTOS PANTHEON - ROMA Construído em 118 128 d.c. (1887 anos atrás) Cúpula de 5.000 toneladas Altura e o diâmetro do interior do Óculo é de 43,3 metros. CHRONOS RESIDENCIAL CARACTERIZAÇÃO DO

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO

PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos PROGRAMA DE APOIO OPERACIONAL PARA SERVIÇOS DE ENGENHARIA,

Leia mais

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc

Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc Governança de TI Prof. Carlos Henrique Santos da Silva, MSc PMP, PMI-RMP, PMI-ACP, CSM, CSPO, ITIL & CobiT Certified Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática

Leia mais

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES

Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO. Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Seminário: Sistema Construtivo em PAREDES DE CONCRETO Um sistema com bom desempenho MITOS E VERDADES Arnoldo Wendler Sistema Construtivo Estudo de viabilidade Anteprojeto arquitetônico Comercialização

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso

Como se Tornar um Município Amigo do Idoso. Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso Como se Tornar um Município Amigo do Idoso Critérios para a Obtenção do Selo de Município Amigo do Idoso 2 3 GERALDO ALCKMIN Governador do Estado de São Paulo ROGERIO HAMAM Secretário de Estado de Desenvolvimento

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS

TRANSQUALIT GERENCIAMENTO DE RISCOS TRANSQUALIT Transqualit GRIS GERENCIAMENTO DE RISCOS INTRODUÇÃO Organizações de todos os tipos estão cada vez mais preocupadas em atingir e demonstrar um desempenho em termos de gerenciamento dos riscos

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG

Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Seminário - Juiz de Fora SINDUSCON - SEBRAE Gestão do Processo de Projeto e Desempenho das Edificações: uma proposta SEBRAE / FIEMG / UFMG Prof. Dr. White José dos Santos- UFMG Gestão do Processo de Projeto

Leia mais

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO

DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO DIRETRIZES PARA O GERENCIAMENTO DA FLEXIBILIDADE DE PROJETOS ARQUITETÔNICOS UM ESTUDO DE CASO Patrícia Moschen (1); Roberto de Oliveira (2); Mayra Soares de Mesquita Mororó (2); Luiz Fernando Mählmann

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO, BACHARELADO CURRÍCULO 1620 REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia.

Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia. Criação e Implantação de um Núcleo de Inteligência Competitiva Setorial para o Setor de Farmácias de Manipulação e Homeopatia Elisabeth Gomes 6º Conferencia Anual de Inteligência Competitiva IBC São Paulo

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H

Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Indicadores de Sustentabilidade no PBQP-H Comissão de Meio Ambiente Data: 23/maio/2014 Em março de 2009, o Governo Federal lançou o Programa Minha Casa, Minha Vida - PMCMV Metas do PMCMV 3,75 Milhões de

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA

RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA RACIONALIZAÇÃO CONSTRUTIVA Prof. Dr. Luiz Sérgio Franco Depto. Eng. Construção Civil da EPUSP ARCO Assessoria em Racionalização Construtiva S/C ltda. arco@uol.com.br A busca de soluções para o aumento

Leia mais

NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE

NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO NOVO CONCEITO DA INDÚSTRIA DE ESQUADRIAS DE ALUMÍNIO! Capacitação dos empresários! Capacitação das empresas! O Produto CAPACITAÇÃO DOS EMPRESÁRIOS Capacitação

Leia mais

Construção Civil e Sustentabilidade

Construção Civil e Sustentabilidade CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO RECONHECIDA NOS TERMOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE EM 16 DE SETEMBRO DE 2010 Estudo técnico Edição nº 07 maio de 2014 Organização:

Leia mais

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM

BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM BIM na prática: Como uma empresa construtora pode fazer uso da tecnologia BIM Joyce Delatorre Método Engenharia O uso da Tecnologia BIM promete trazer ganhos em todas as etapas no ciclo de vida de um empreendimento.

Leia mais

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA

Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Concurso Público: Prêmio Caneleiro de Arquitetura Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA Junho 2014 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO Pg. 03 2. OBJETO Pg. 03 3. ESCOPO DOS PRODUTOS E SERVIÇOS Pg. 03 4. DIRETRIZES PARA

Leia mais

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal

SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL. Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável. Desenho Universal SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL Projeto da Habitação de Interesse Social Sustentável Desenho Universal Agosto/2010 CONTEXTO Protocolo de intenções firmado entre a Secretaria de Estado da Habitação, a Secretaria

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL

INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA PRODUÇÃO DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Cadeia Produtiva da Construção Civil - PlanHab INTEGRAÇÃO ENTRE OS SEGMENTOS DA CADEIA PRODUTIVA, DA DO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO ATÉ O USUÁRIO FINAL Prof. Alex Abiko Escola Politécnica USP 09 de Abril de

Leia mais

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança

ISO Revisions. ISO Revisions. Revisões ISO. Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Revisões ISO ISO Revisions Qual é a diferença entre uma abordagem de procedimentos e de processo? Abordando a mudança Processos vs procedimentos: o que isto significa? O conceito da gestão de processo

Leia mais

II Workshop de Desempenho

II Workshop de Desempenho II Workshop de Desempenho Alterações no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras SiAC para Inclusão das Exigências da Norma de Desempenho ABNT NBR 15575 Marcos Galindo 26.06.2015

Leia mais

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES.

NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. NBR 15.575 - UMA NOVA FERRAMENTA PARA A QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES. Arq. Cândida Maciel Síntese Arquitetura 61-34685613 candida@sintesearquitetura.com.br NBR 15575- EDIFÍCIOS HABITACIONAIS DE ATÉ

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\

cüxyx àâüt `âç v ÑtÄ wx Tvtâû c\ ATO DE SANÇÃO N.º 003/2010. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE ACAUÃ, ESTADO DO PIAUÍ, no uso de suas atribuições legais, sanciona por meio do presente, o Projeto de Lei do Executivo de N.º 002/2010, Ementa: Dispõe

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações

A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações A Terceirização da Manutenção como Estratégia Competitiva nas Organizações Alessandro Trombeta Supervisor de Manutenção Valdemar Roberto Cremoneis Gerente Industrial Cocamar Cooperativa Agroindustrial

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS

DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS DESENVOLVIMENTO DE FERRAMENTAS GERENCIAIS PARA O PROJETO DO CANTEIRO DE OBRAS Sheyla Mara Baptista SERRA Dra., Eng., Professora Adjunto do Departamento de Engenharia Civil da Universidade Federal de São

Leia mais

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos:

AUBR-83 Dicas e Truques. Objetivos: [AUBR-83] BIM na Prática: Implementação de Revit em Escritórios de Arquitetura e Engenharia Paulo Henrique Giungi Galvão Revenda TECGRAF Consultor técnico Revit da Revenda TECGRAF AUBR-83 Dicas e Truques

Leia mais

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos.

Serviços e Projetos em Engenharia para todos os segmentos. Apresentação da Empresa Sumário 02 Quem Somos 03 Urbanismo e Infraestrutura 04 Arquitetura e Paisagismo 05 Área de Estruturas 06 Proteção contra Incêndio 07 Área de Hidráulica 08 Instalações Elétricas

Leia mais

Aula 4 : Desenho de Estruturas

Aula 4 : Desenho de Estruturas Aula 4 : Desenho de Estruturas Índice: UNIDADE 4 DESENHO DE ESTRUTURAS 4.1 Introdução; Fundações: - São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas da estrutura para a camada resistente

Leia mais