Desenho de uma poiesis

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Desenho de uma poiesis"

Transcrição

1 PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Desenho de uma poiesis comunicação de um processo coletivo de criação na arquitetura Daniel Ribeiro Cardoso DOUTORADO EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA Tese apresentada à Banca Examinadora como exigência parcial para obtenção do título de Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Área de concentração: Signo e significação nas mídias Linha de pesquisa: Processo de criação nas mídias Orientadora: Profa. Dra. Cecilia Almeida Salles Coorientador: Prof. Dr. Jorge de Albuquerque Vieira São Paulo 2008

2 Autorizo a reprodução e divulgação total ou parcial do corpo da tese, por qualquer meio seja convencional ou eletrônico, para fins de estudo e pesquisa, desde que citada a fonte. Daniel Cardoso São Paulo, de maio 2008.

3 Banca Examinadora São Paulo, de maio 2008

4 de meu pai... ao José

5 AGRADECIMENTOS Aos professores do Curso de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP pelos encontros que resultaram na formação da pesquisa. Sou especialmente grato ao Prof. Jorge Vieira e à Prof a. Cecília Salles pelo acolhimento, conversas e correções no processo de desenvolvimento. Sou grato ao Grupo de Pesquisa em Processos da Criação PUC-SP, ao Núcleo de Estudos de Semiótica e Complexidade PUC-SP pelas leituras e discussões. Agradeço aos professores do Departamento do de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Ceará, Prof. Ricardo Bezerra pelo acolhimento no Grupo de Pesquisa em Arquitetura, Urbanismo e Desenvolvimento, ao Prof. Roberto Castelo e Prof. Clovis Jucá Neto abertos e generosos no compartilhamento do conhecimento. Aos alunos de arquitetura: Francisco Jeffeson, Lucy Donegan, Hector Rocha, Jean Marcell Parente pela disposição, rapidez e eficiência em alguns dos levantamentos arquitetônicos. Ao Prof. Almir Leal de Oliveira do Departamento de História da Universidade do Ceará, pelos esclarecimentos sobre a formação da região estudada. Ao mestre Luiz de Meu Chico pela generosidade em partilhar sua memória e conhecimento do processo de formação das casas. Às arquitetas e agora pesquisadoras Adriana Gurgel e Larissa Menescal pelo envolvimento inicial na pesquisa. Sou também grato ao Filipe Cruz e Deweyne da Silva pelo apoio nos levantamentos arquitetônicos e pesquisas de campo. Ao CNPq pela bolsa concedida para realização da pesquisa. Ao André Paes pelas conversas, dedicação e presença fundamental no desenvolvimento, implementação, testes e correções do sistema. Agradeço ao Grupo de Redes de Computadores, Engenharia de Software e Sistemas da Universidade Federal do Ceará (GREat.UFC) pelo acolhimento através do Projeto de Pesquisa LG coordenado pela prof. Dra Rossana Maria de Castro Andrade, a quem especialmente sou grato. Ao Saulo Passos e Ronaldo Mota que, apesar dos contra-tempos na esteriolitografia, sempre os encontrei cedo e já entusiasmados na produção dos protótipos. Ao Sr. José, Sr a Rita, Sr a. Anaides, Sr a. Gerarda, Sr. João Borges, Sr. Joaquim, Sr. Paulo, Sr a. Francisca Bezerra, Sr a. Ivanilde, Sr a. Francisca Holanda, Sr. Jerônimo e todos os proprietários que cuidam de suas casas e da identidade da região. Sou grato ao Marcos e Patrícia Naspolini por terem continuado a expressar uma possível atualização do tipo da região. À Christine Mello, desde o princípio. Agradeço à Andréia Moassab pelas objeções. À Aléxia Brasil firme e serena. À Vivi e Regina pelo apoio incondicional e paciência.

6

7 Résumé/Resumo/Abstract

8 RÉSUMÉ CARDOSO, Daniel R. Dessin d'une poiesis: la communication d un processus collective de création dans la architecture f. Thèse (Doctoral) - Universidade Pontifícia Católica de São Paulo, Dessin d'une poiesis: la communication d un processus de création dans la architecture est assignée comme un domaine de recherche de la Visualité. Étant donné que c est un travail lié à la visualisation scientifique, les recherches seront orientées vers la représentation et la communication au moyen d'images graphiques visuels. L objectif de cette thèse est de réfléchir sur des questions concernant les processus de génération et sur la forme appropriée de les représenter. Le processus de formation de la typologie dans l'architecture est adopté comme l objet de la recherche. Objet propre d'une culture, le type est considéré comme un élément qui sert de principe général de formation, un mécanisme supra-individuel nécessaire à la construction de sens et de l identité d'une société. Dans ce sens, les maisons, instantiation de la même logique de création, sont des voies qui expriment une intelligence collective. Etant donné l importance de la grandeur de l'échelle à la perception de son évolution, l'objet a été considéré dans l'architecture formée entre 1890 et 1980, dans la région de Cajuais et de Mutamba, du littoral sud du Ceará. Dans ce contexte, se posent quelques questions clés liées à la problématique de la thèse: Comment préserver des processus de génération d'un objet culturel? Comment garder quelque chose qui est par nature en état de fonctionnement et informationnel? Ou mieux encore, comment représenter convenablement une poiesis? Dans les possibles réponses à ces questionnements, se trouve le fondement de l'hypothèse de la thèse qui considère la grammaire de génération de la forme comme le signe le plus approprié à la représentation d'une poiesis. Les théories articulées pour supporter le développement de la recherche sont distinctes. Néanmoins, le réseau tissé se trouve dans un espace commun, dans un environnement où les théoriciens règlent les questions du signe et de la signification selon la pensée de Charles S. Peirce. Le fondement théorique se constitue à partir de trois axes majeurs: la Théorie Générale des Systèmes, au sens de Bunge et Vieira, dans laquelle se cherchent des concepts et des méthodologies en les justifiant à la seconde ligne la Critique Génétique telle que proposée par Salles qui recherche des principes généraux de la création; et la Sémiotique comme base pour les questions de la représentation et de la communication de processus. En outre, des auteurs tels que Chomsky, Prusinkiewics, Stiny, Duarte, pour ne citer que ceux-là désignent également la grammaire comme représentation du processus dans des systèmes de sémiotique. À la fin, est proposé un système générateur de formes comme un signe ajusté à la poiesis qui fonctionne avec la logique évolutive trouvée dans l'objet. Par conséquent, le résultat de la recherche est non seulement un outil qui spécule sur la génération et la visualisation de formes futures, mais également c est une voie d'accès pour le développement de la critique génétique. Mots-clés: communication visuelle, critique génétique, représentation des processus, poiesis, morphogenèse, grammaire.

9 RESUMO CARDOSO, Daniel R. Desenho de uma poiesis: comunicação de um processo coletivo de criação na arquitetura f. Tese (Doutorado) - Universidade Pontifícia Católica de São Paulo, Desenho de uma poiesis: comunicação de um processo coletivo de criação na arquitetura insere-se no domínio das pesquisas da visualidade. Como um trabalho ligado à visualização científica, equipara-se às investigações sobre representação e comunicação por meio de imagens gráfico-visuais. O propósito da tese é refletir sobre questões relativas aos processos de geração e à forma adequada de representá-los. Adota-se como objeto da pesquisa o processo de formação de uma tipologia na arquitetura. Objeto próprio de uma cultura, o tipo é entendido como um elemento que serve como princípio geral de formação, um mecanismo supra-individual necessário à construção de sentido e identidade de uma sociedade. Nessa acepção, as casas, instanciações de uma mesma lógica de formação, são meios que expressam uma inteligência coletiva. Dada a escala necessária à percepção de sua evolução, o objeto foi considerado na arquitetura formada entre 1890 e 1980, na região de Cajuais e Mutamba, litoral sul do Ceará. Nesse contexto, apresentam-se algumas das questões constituintes da problemática da tese: Como preservar processos de geração de um objeto cultural? Como guardar alguma coisa que é por natureza operativa e informacional? Ou, ainda, como representar adequadamente uma poiesis? Nas possíveis repostas a esses questionamentos está o cerne da hipótese da tese que considera a gramática de geração da forma o signo mais adequado à representação de uma poiesis. São linhas distintas as teorias articuladas para apoiar o desenvolvimento da pesquisa. Contudo, a rede tecida encontra-se num espaço comum, num ambiente onde teóricos concertam questões do signo e da significação em coerência com pensamento de Charles S. Peirce. A fundamentação teórica se constitui a partir de três linhas: a Teoria Geral dos Sistemas, na acepção de Bunge e Vieira, nos quais se buscam conceitos e metodologias ajustando-as à segunda linha; a Crítica Genética, precisamente na forma proposta por Salles, que busca por princípios gerais dos processos de formação; e a Semiótica, como fundamento para as questões da representação e comunicação de processos. Aqui, especificamente, são considerados autores como Chomsky, Prusinkiewicz, Stiny, Duarte, entre outros que também apontam para a gramática como representação de processo em sistemas semióticos. Ao fim, propõe-se como um signo adequado à poiesis um sistema gerador de formas que opera com a lógica evolutiva encontrada no objeto. Deste modo, tem-se como resultado da pesquisa não só uma ferramenta que especula sobre geração e visualização de formas futuras, como também um caminho para o desenvolvimento da Crítica Genética. Palavras-chave: comunicação visual, crítica genética, representação de processo, morfogênese, poiesis, gramática.

10 ABSTRACT CARDOSO, Daniel R. Drawing a poiesis: communication of a collective process of creation in architecture f. Thesis (Doctoral) - Universidade Pontifícia Católica de São Paulo, Drawing of the poiesis: communication of a collective process of creation in architecture is assigned as a domain of the visuality research. As a work related to scientific visualization, it can be compared to the investigations on representation and communication through visual graphic images. The purpose of this thesis is to reflect on issues concerning the processes of generation and the adequate way to represent them. The process of the form development tipology in architecture is adopted as the object of the research. As a proper object of a culture, the type is perceived as an element that serves as a general principle of creation, a supraindividual mechanism needed for the construction of meaning and identity of a society. In that sense, the houses, instantiation of the same logic of creation, are ways that express a collective intelligence. Given the necessary scale for the perception of its evolution, the object was found in the architecture formed between 1890 and 1980, in the region of Cajuais and Mutamba, southern coast of Ceará. In that context, there are some issues concerning the problematic of the thesis to be considered: How to preserve the processes of generation of cultural object? How to apprehend something that is by its nature operative and informative? Moreover, how to represent adequately a poiesis? The answers to these questions are the hypothesis crux of the thesis that considers the grammar of the form development most appropriate sign to represent for the representation of a poiesis. The articulated theories to support the development of the research are distinct. However, the composed network is in a common area in a environment where theoreticians settle the issues of sign and meaning according to the thinking of Charles S Peirce. The theoretical foundation is based on three views: the new General Theory of Systems as defined by Bunge and Vieira, in which it seeks concepts and methodologies adjusting them to the second view; the Genetic Criticism as proposed by Salles that searches general principles of the creation processes; and Semiotic as a basis for the issues of representation and communication processes. Furthermore, it will be considered authors like Chomsky, Prusinkiewics, Stiny, Duarte, among others that point out the grammar as a representation of process in semiotics systems. Finally, it is proposed a sign poiesis appropriate to a system generator of forms that operates with the evolutionary logic found in the object. Therefore, the result of the research is not only a tool that speculates the generation and the visualization of future forms, but it is also a path for the development of Genetic Criticism. Keywords: visual communication, genetic criticism, representation of morphogenesis, grammar. process, poiesis,

11 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 001: Distribuição da amostra de casas no tempo Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de pesquisa de campo Figura 002: A terra vista de cima e por dentro Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir de imagem fornecida pelo Instituto de Ciência do Mar (LABOMAR - UFC) e foto do autor Figura 003: Foto justapostas de casas de Mutamba e Cajuais Fonte: Acervo do autor Figura 004: Partes da casa Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir da casa 005 Figura 005: Fotos da explicação de Luiz de Meu Chico sobre o processo de marcação do corpo da casa. Na última foto, com destaque da marcação Fonte: Acervo do autor Figura 006: Figura 006. Gráfico de participação da Agropecuária, Indústria e Serviços no PIB Municipal Fonte: Diagramas elaborados pelo autor a partir de base de dados do IBGE Figura 007: Identificação e referências geográficas das 27 casas sobre imagem de satélite da região de Mutamba e Cajuais Fonte: Mapa do autor realizado a partir de pesquisa de campo e imagem fornecida pelo Instituto de Ciência do Mar (LABOMAR - UFC) Figura 008: Identificação, proprietário e características de 3 das 12 casas referentes ao grupo 2 da região de Mutamba e Cajuais Fonte: Mapa do autor elaborado a partir do acervo do autor e pesquisa de campo Figura Identificação, proprietário e características de 9 das 12 casas referentes ao grupo 2 da região de Mutamba e Cajuais Fonte: Mapa do autor elaborado a partir do acervo do autor e pesquisa de campo Figura 010. Formulário de pesquisa de campo (inicial) Fonte: Formulário elaborado pelo autor Figura 011. Identificação do corpo, alpendre e expansão Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir da planta baixa da casa 005

12 Figura 012. Formulário para levantamento arquitetônico preliminar Fonte: Formulário elaborado pelo autor Figura 013. Gráfico de inclinações Fonte: Gráfico elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 014. Regressão linear do ângulo de inclinação no tempo Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 015. Orientação do corpo da casa com referência à via de acesso Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 016. Relação L t /F t - ocorrência individuais Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 017. Foto da casa geminada ID: Fonte: Acervo do autor Figura 018. Diagrama de aproximações da relação L t /F t Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 019. Diagrama área do corpo - ocorrência individuais Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 020. Diagrama de aproximações da variável área do corpo Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 021. Diagrama de aproximações da variável F t - frente do corpo Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 022. Diagrama de relação entre frente, proporção e área do corpo Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 023. Regressão linear da frente (F t ) e altura (H i ) Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 024. Proporção dos retângulos e retângulo médio Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 025. Reconstrução individual dos perfis em escala e sem escala, justos na base Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 026. Linhas gerais de formação da casa de Mutamba e Cajuais Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de dados da pesquisa de campo Figura 027. Reconstrução da casa a partir das diretrizes de formação encontrada... 61

13 Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir de índices encontrados na pesquisa Figura 028. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 029. Foto Sr. José Oceliano de Oliveira Fonte: Acervo do autor Figura 030. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 031. Foto Sr. Paulo Simão da Costa Fonte: Acervo do autor Figura 032. Foto da casa Id: Fonte: Acervo do autor Figura 033. Foto Sra. Francisca Bezerra Fonte: Acervo do autor Figura 034.Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 035. Foto Sra. Maria Rita dos Reis Fonte: Acervo do autor Figura 036. Foto da casa Id: Fonte: Acervo do autor Figura 037. Foto Sra. Ivanilde Maria da Costa Fonte: Acervo do autor Figura 038. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 039. Foto Sr. Joaquim Lourenço Soares Fonte: Acervo do autor Figura 040. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 041. Foto Sra. Anaides Borges de Carvalho Fonte: Acervo do autor Figura 042. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor

14 Figura 043. Sr. João Borges Neto Fonte: Acervo do autor Figura 044. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 045. Foto Sra. Maria Borges do Nascimento Fonte: Acervo do autor Figura 046. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 047. Foto Sr. José Jerônimo Reis de Souza Fonte: Acervo do autor Figura 048. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 049. Foto Sra. Gerarda Costa Borges Fonte: Acervo do autor Figura 050. Foto da casa Id.: Fonte: Acervo do autor Figura 051. Foto Sra. Francisca Holanda Rebouças Fonte: Acervo do autor Figura 052. Desenho de levantamento referente à casa Fonte: Desenho do autor Figura 053. Grafo valorado dos ambientes Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir do levantamento dos usos da casa Id.:005 Figura 054. Grafos Fonte: Diagramas elaborados pelo autor a partir do levantamento arquitetônico, através do sistema Agna 2.1 Figura 055. Grafos Fonte: Diagramas elaborados pelo autor a partir do levantamento arquitetônico, através do sistema Agna 2.1 Figura 056. Estados de formação da casa Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 057. Estados de formação da casa Fonte: Ilustração elaborada pelo autor

15 Figura 058. Especialização, pesos e regras de divisão de zc!zd Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 059. Especialização, pesos e regras de divisão de ze Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 060. Especialização, pesos e regras de divisão de za!zp Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 061. Estados da forma assumida por zp, a partir dos três estados iniciais Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir de pesquisa de campo Figura 062. Relação do ambiente na formação da casa Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 063. Relação do ambiente na formação da casa Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 064. Quadro etimológico da palavra gênese Fonte: Quadro elaborado pelo autor a partir dos dicionários de Isidro Pereira, Ermout e Hauaiss Figura 065. Diagrama de estados finitos dos ambientes da Zona de Corpo Fonte: Ilustração elaborada pelo autor Figura 066. Tipos de linguagens formais e de gramáticas de Chomsky Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de Kelley. Figura 067. Tipos de linguagens formais e classes de L-system Fonte: Diagrama elaborado pelo autor a partir de Prusinkiewicz. Figura 068. Desenvolvimento do fractal de Koch Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir de Prusinkiewicz. Figura 069. Visualização gráfica da Anabaena Catenula Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir de testes de implementação em JAVA 3D. Figura 070. Fragmento da Carta da Capitania do Ceará de 1818 com indicação do Povoado de Motamba Fonte: Carta da Capitania do Ceará 1818 / levantada por ordem do Governador Manoel Ignacio de Sampaio por seu ajudante e ordens Antonio José de S. Paulet. Biblioteca Nacional (Brasil) / Arch. Militar/ Cartografia ARC.008,01,030. Figura 071. Carta da Capitania do Ceará Fonte: Carta da Capitania do Ceará 1818 / levantada por ordem do Governador Manoel Ignacio

16 de Sampaio por seu ajudante e ordens Antonio José de S. Paulet. Biblioteca Nacional (Brasil) / Arch. Militar/ Cartografia ARC.008,01,030. Figura 072. Estradas Coloniais no Ceará Fonte: Mapa elaborado pelo autor a partir da Carta da Capitania do Ceará 1818 / levantada por ordem do Governador Manoel Ignacio de Sampaio por seu ajudante e ordens Antonio José de S. Paulet. Biblioteca Nacional (Brasil) / Arch. Militar/ Cartografia ARC.008,01,030.; a partir de informações da pesquisa A urbanização do Ceará setecentista de Jucá (2007); e a partir da pesquisa Notas sobre as casas de fazenda dos Inhamuns (1984) de Bezerra. Figura 073. Fazenda Belmonte Fonte: Imagens elaboradas pelo autor a partir das informações da pesquisa Notas sobre as casas de fazenda dos Inhamuns de Bezerra (1984). Figura 074. Fazenda Trigueiro (início XIX) - médio Jaguaribe Fonte: Acervo Nicolas Gondim e Tibico Brasil. Figura 075. Fazenda Santarém (início XIX) -baixo Jaguaribe Fonte: Foto acervo de Almir Leal de Oliveira e desenhos do acervo de Clóvis Jucá Figura 076. Forma inicial e parâmetros para desenvolvimento da gramática dos mestres 126 Fonte: Ilustração elaborada pelo autor, gerada em Blender 4.5 a partir da implementação inicial, em Python, da gramática dos mestres. Figura 077. Foto protótipo de uma casa gerada a partir da gramática dos mestres Fonte: Protótipo gerado a partir da gramática dos mestre, código disponível em < morphogenese.com.br>. Figura 078. Imagens das casas geradas a partir da gramática dos mestres Fonte: Modelos gerados pelo autor a partir da gramática dos mestres implementada em Python para Blender 4.5. Figura 079. Exemplo de L-system celular Fonte: Ilustração elaborada pelo autor a partir de Prusinkiewicz. Figura 080. Imagens das casas geradas a partir da gramática dos moradores Fonte: Modelos gerados a partir da gramática dos moradores, código disponível em < Figura 081. Fotos realizadas durante a identificação e reconhecimento dos protótipos Fonte: Acervo do autor.

17 LISTA DE TABELAS Tabela Identificação dos mestres-carpinteiros Fonte: Tabela organizada pelo autor a partir de pesquisa de campo Tabela As 27 unidades selecionadas para etapa posterior da pesquisa de campo Fonte: Tabela organizada pelo autor a partir de pesquisa de campo Tabela Dados morfologia Fonte: Tabela organizada pelo autor a partir de pesquisa de campo Tabela Índices de morfologia do corpo Fonte: Tabela organizada pelo autor a partir da Tabela 003 Tabela Freqüências Fonte: Tabelas organizadas pelo autor a partir de pesquisa de campo Tabela Ângulos de inclinação da coberta do alpendre Fonte: Tabela organizada pelo autor a partir de pesquisa de campo Tabela Ângulos de inclinação da coberta do alpendre Fonte: Tabela organizada pelo autor a partir de pesquisa de campo

18 LISTA DE SÍMBOLOS a 0.33 b representa uma regra de produção, como exemplo: S ae, lê-se S produz ae. produção com probabilidade de 33% de ocorrência. a(x): x! 10: ab produção paramétrica. opção de produção, como exemplo: E aa B a, E é substituída por aa ou por B ou por a. derivação é a substituição de uma subpalavra de acordo com a regra de produção. ε seqüência vazia. {ε} linguagem vazia, denotada também como conjunto vazio ". " cardinalidade de ", é o número de símbolos que compõe a palavra ". * + Iteração de Kleene, ou estrela de Kleene: # * = # # {ε}. # + representa o conjunto de todas, exceto a palavra vazia: # + = # * - {ε}. # complemento. {x x>1} os x tal que x maior que um. a! b a " b a ou b a e b

19 SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO I ex-sist$: sair da terra; aparecer; mostrar-se; existir Objeto instanciado Processo de construção Tipo Ambiente Corpus CAPÍTULO II gen%sis: posição dos astros relativamente ao seu nascimento; estrela; sina Crítica Genética Expansão da Crítica Genética Crítica de Processo Por uma abordagem do processo de formação Sobre organização e gramática Por uma abordagem formal da gramática Idéias de Lindenmayer Visualização À montante Casa de fazenda CAPÍTULO III in futura: sobre futuros Gramática dos mestres Gramática dos moradores Considerações finais BIBLIOGRAFIA ANEXO I ANEXO II ANEXO III ANEXO IV

20

21 Introdução

22

23 23 Guardar uma coisa não é escondê-la ou trancá-la. Em um cofre não se guarda coisa alguma. Em cofre perde-se a coisa à vista. Guardar uma coisa é olhá-la, fitá-la, mirá-la por admirá-la, isto é, iluminá-la ou ser por ela iluminado. Antonio Cícero A s questões que motivam este trabalho advieram da pesquisa de mestrado 1, que se propôs a uma investigação sobre a poiesis, sobre o processo de geração de uma obra de arte realizada com os novos meios uma obra em arte eletrônica. Dada a complexidade do objeto estudado e a particular característica dos documentos de processo 2 encontrados, a elaboração de diagramas 3 mostrou-se útil à apreensão das relações entre os diversos índices do processo, ajudando a revelar tendências e dinâmicas de formação da obra. Não obstante o diagrama tenha se mostrado eficaz naquele momento, o problema da representação persistiu. Ou seja, questões de como representar adequadamente uma poiesis estavam abertas. Como representar algo que é de natureza operativa? Alguma coisa não tangível, que não se mostra diretamente aos sentidos? Ainda noutros termos, como representar aquilo que é aparentemente sem contorno definido, sutil, tênue? 1. A dissertação de mestrado defendida em 2003 com o título completo de [arte comunicação]: processos de criação com os novos meios, considerou especificamente os índices de processo das obras LAPIS/X e ad finem de Carlos Fadon Vicente mostradas na exposição Investigações: o trabalho do artista em 2000 no Itaú Cultural de São Paulo. 2. Termo geral proposto por Cecilia Almeida Salles, que mostrou-se mais adequado à expansão dos objetos de estudos pertinentes à Crítica de Processo. Denominação que se contrapõe a termos restritivos, específicos a cada domínio, como rascunho, manuscrito etc., pertinentes à Crítica Genética. 3. Na dissertação foi proposta a construção de Espaço de Estados que são constructos que apresentam visualmente a evolução de uma ou mais características do sistema.

24 24 Aquilo que Vincent Colapietro 4, recorrendo a uma figura, melhor traduz na questão: como propor um signo adequado ao vôo errante e encantador das borboletas sem, contudo, ter que fixá-las numa cortiça de fundo de uma caixa taxonômica? Esta foi uma das questões abertas na dissertação, reavivada com o projeto de pesquisa de doutorado e incorporada como guia deste trabalho. Questão constitutiva da problemática da tese e que parecia, à época, inserir-se num âmbito formado ainda com bordas imprecisas, numa superposição 5 de áreas como semiótica, comunicação, lingüística 6, ciência da computação, morfogênese e todas aquelas que, como a Crítica de Processo 7, interessam-se pelos processos de formação, ou seja, pela poiesis. Limites que melhor se definiriam e se configurariam quando vistos através de uma teoria geral, ou seja, de um conjunto de conceitos que vai além das particularidades fáticas do objeto, uma teoria sistêmica. Precisamente, a nova Teoria Geral dos Sistemas proposta por Mario Bunge e Jorge Vieira, como uma possível Ontologia Científica 8. Oportuno ressaltar ainda, que subjaz à pesquisa como seu substrato, as idéias fundamentais do contínuo 4. Uma das considerações propostas pelo professor Vicent M. Colapietro, em encontro de orientação de pesquisa realizado em agosto de "We shall presently introduce two specific concepts of associatioin: those of juxtaposition or physical sum, and of superposition or phisical product. Two things placed side by side add or juxtapose, while two fluids, when mixed, superposed" (BUNGE, 2004a, p.39, grifos meus). A superposição diferente portanto de uma mera justaposição de áreas estabelecidas como distintas do conhecimento, constitui-se no âmbito da transdisciplinaridade e, por isso, num espaço com limites ainda não muito claros. 6. A lingüística pode ser definida como o estudo científico da linguagem. Em meados do século XX o campo da lingüística teórica ganha força com pesquisas e trabalhos publicados por Noam Chomsky. A ele é creditado ter transformado a lingüística americana, que de um ramo da antropologia passou a ser considerada uma ciência matemática. (DEVLIN, 2002, p.74). 7.Crítica Genética fundamentada na teoria semiótica de Charles S. Peirce, como proposta pelo Centro de Estudos de Crítica Genética da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (CECG PUC/SP). Atualmente o grupo tem como objeto de estudo o processo de criação, tanto que se sugere a alteração do nome do centro para Grupo de Pesquisa sobre Processo de Criação. 8. Adota-se, neste trabalho, o significado de ontologia como proposto por Vieira (2007, p.30-35) em seu livro Ontologia: formas de conhecimento - arte e ciência. Sigo as palavras do autor, sem acrescentar comentários. Diz ele:... Estaremos seguindo a proposta de Bunge segundo a qual a Teoria Geral de Sistemas é uma boa candidata ao que poderíamos chamar de Ontologia Científica, uma proposta que permitiria uma maior eficiência no tratamento das ciências a partir de suas raizes ontológicas. [...] A Ontologia pode ser definida como outro nome da Metafísica, o estudo do ser enquanto ser, com independência de suas determinações particulares. Embora, a rigor, haja diferenças entre as duas áreas, é nesse sentido que estamos adotando aqui uma certa identificação entre uma Teoria da Realidade (Metafísica) com uma Teoria do Ser ou dos Objetos (Ontologia). Mais ainda, toda ciência será uma Ontologia Regional, na medida em que trabalha com tipos de objetos específicos. Estaremos seguindo ainda aproximadamente a proposta de Bunge (1977, p.5) como sendo a Ontologia (ou Metafísica) uma Cosmologia Geral ou Ciência Geral: como a ciência concernente à totalidade da realidade - o que não é o mesmo que a realidade como um todo. Nesse sentido, ainda segundo Bunge, a Ontologia/ Metafísica estuda os traços genéricos de todo modo de ser e vir-a-ser, assim como as características peculiares da maior parte dos existentes.

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA

O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA O CONCEITO DE MATÉRIA NA FILOSOFIA KANTIANA DA NATUREZA Gilberto do Nascimento Lima Brito* 1. INTRODUÇÃO Nossa pesquisa consistirá em analisar o conceito de matéria na filosofia da natureza de Immanuel

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais

RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA. Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim. 0. Considerações iniciais RELAÇÃO ENTRE FONÉTICA E FONOLOGIA Miguél Eugenio Almeida UEMS Unidade Universitária de Jardim 0. Considerações iniciais A Relação entre fonética e fonologia compreende uma relação de interdependência,

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Desenho de uma poiesis

Desenho de uma poiesis PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUCSP Desenho de uma poiesis comunicação de um processo coletivo de criação na arquitetura Daniel Ribeiro Cardoso DOUTORADO EM COMUNICAÇÃO E SEMIÓTICA Tese

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1

RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 TRADUÇÃO DOI: 10.5216/PHI.V17I2.18751 RÉPLICA A JORGE J. E. GRACIA 1 Autor: Peter F. Strawson Tradutor: Itamar Luís Gelain(Centro Universitário Católica de Santa Catarina) 2,3 itamarluis@gmail.com Em seu

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí

Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí Arquitetura e Urbanismo na Cidade Brasileira Contemporânea Jacareí A produção literária referente à arquitetura e urbanismo sempre foi caracterizada pela publicação de poucos títulos, baixa diversidade

Leia mais

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO

Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Nome do candidato TÍTULO DO PROJETO Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de Pós- Graduação em Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria como requisito parcial para a seleção de ingresso

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO

UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO UTILIZAÇÃO DO SOFTWARE GEOGEBRA NA CONSTRUÇÃO DO VESTUÁRIO Erodíades Daboit Possamai¹ Resumo: Este trabalho visa mostrar as tecnologias na indústria do vestuário e a função dos profissionais responsáveis

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Tânia de Sousa Lemos 1 ; Ana Beatriz Araujo Velasques 2 1 Aluna do Curso de Arquitetura e

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL

SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL SOCIEDADE E TEORIA DA AÇÃO SOCIAL INTRODUÇÃO O conceito de ação social está presente em diversas fontes, porém, no que se refere aos materiais desta disciplina o mesmo será esclarecido com base nas idéias

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA CASA VIZINHA

Leia mais

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica

Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica Filosofia - Introdução à Reflexão Filosófica 0 O que é Filosofia? Essa pergunta permite muitas respostas... Alguns podem apontar que a Filosofia é o estudo de tudo ou o nada que pretende abarcar tudo.

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO

TÍTULO CLARO E OBJETIVO QUANTO ÀS PRETENÇÕES RELATIVAS AO OBJETO DE ESTUDO FORMATAÇÃO GERAL PAPEL: A4 MARGEM: 3 cm à esquerda e superior e 2 cm à direita e inferior ESPAÇAMENTO: 1,5 texto corrido; entre parágrafo 6pts antes e depois FONTE: Times New Roman ou Arial TAMANHO DA

Leia mais

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO)

Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Análise e Desenvolvimento de Sistemas ADS Programação Orientada a Obejeto POO 3º Semestre AULA 03 - INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO ORIENTADA A OBJETO (POO) Parte: 1 Prof. Cristóvão Cunha Objetivos de aprendizagem

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO

RELATÓRIO DE TRABALHO DOCENTE OUTUBRO DE 2012 EREM JOAQUIM NABUCO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PERNAMBUCO PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CÍCERO WILLIAMS DA SILVA EMERSON LARDIÃO DE SOUZA MARIA DO CARMO MEDEIROS VIEIRA ROBERTO GOMINHO DA SILVA

Leia mais

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES

GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES GRÁFICOS E ANIMAÇÕES: UMA ESTRATÉGIA PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DE FUNÇÕES Dircélia dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul dirceliafg@yahoo.com.br Elisabeta D' Elia Gallicchio Universidade

Leia mais

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo.

A função especular da fala materna e suas referências. ao psiquismo e à constituição do si mesmo. A função especular da fala materna e suas referências ao psiquismo e à constituição do si mesmo. Alexandre Socha No artigo O papel de espelho da mãe e da família no desenvolvimento infantil (1967), Winnicott

Leia mais

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES

MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES MEMÓRIA URBANA DE PALMAS-TO: LEVANTAMENTO DE INFORMAÇÕES E MATERIAL SOBRE O PLANO DE PALMAS E SEUS ANTECEDENTES Nome dos autores: Gislaine Biddio Rangel¹; Ana Beatriz Araujo Velasques². 1 Aluna do Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções:

PROJETO DE PESQUISA. Antonio Joaquim Severino 1. Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: PROJETO DE PESQUISA Antonio Joaquim Severino 1 Um projeto de bem elaborado desempenha várias funções: 1. Define e planeja para o próprio orientando o caminho a ser seguido no desenvolvimento do trabalho

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS

A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS A CONSTRUÇÃO DA SUBJETIVIDADE DOCENTE A PARTIR DE IMAGENS E AS IMAGENS COMO ENUNCIADOS Francieli Regina Garlet (UFSM) Resumo: A escrita a que se refere o presente texto, diz respeito à proposta desenvolvida

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

REVIT ARQUITECTURE 2013

REVIT ARQUITECTURE 2013 REVIT ARQUITECTURE 2013 O Revit 2013 é um software de Tecnologia BIM, que em português significa Modelagem de Informação da Construção. Com ele, os dados inseridos em projeto alimentam também um banco

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca

manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca manual de identidade corporativa * normas de utilização da marca 01 - introdução O logótipo é um elemento de identificação da instituição e não tanto um mero elemento gráfico, por isso não deve ser alterado

Leia mais

O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto. Le théorème de Pythagore selon la dialectique outil-objet

O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto. Le théorème de Pythagore selon la dialectique outil-objet O Teorema de Pitágoras segundo a dialética ferramenta-objeto Ana Paula Jahn anapjahn@gmail.com UNIBAN/SP Vincenzo Bongiovanni vincenzo.bongiovanni@uol.com.br UNIBAN/SP Resumo: neste artigo, descrevem-se

Leia mais

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG

Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Relatório Técnico-Executivo Referente aos Serviços Prestados pela UNESP/FEG através Empresa JR. ENG Este relatório tem como objetivo apresentar as atividades executadas pelo grupo de pesquisa da Faculdade

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais. Manual de Identidade Gráfica

Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais. Manual de Identidade Gráfica Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais Manual de Identidade Gráfica 1 2 Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais Manual de Identidade Gráfica 4 ÍNDICE Introdução I. Significado I.0 Emblema

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA MURO CERCA

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA A PESQUISA COMO DISCIPLINAS NO CURSO DE ARQUIVOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Carlos Eduardo dos Reis Professor No Departamento de Metodologia do Ensino, Centro de Ciências da Educação,

Leia mais

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados

Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados 1021 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Engenharia de Domínio baseada na Reengenharia de Sistemas Legados Cássia Zottis¹, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 (orientadora) 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte

4 Metodologia. 4.1. Primeira parte 4 Metodologia [...] a metodologia inclui as concepções teóricas de abordagem, o conjunto de técnicas que possibilitam a apreensão da realidade e também o potencial criativo do pesquisador. (Minayo, 1993,

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte.

Palavras-chave: Toponímia, linguística, memória, imigração italiana, Belo Horizonte. MARCAS DA ITÁLIA NA TOPONÍMIA DE BELO HORIZONTE Resumo Zuleide Ferreira Filgueiras 1 Esta comunicação tem como objetivo apresentar os principais resultados da dissertação de mestrado A presença italiana

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

As Cartilhas e a Alfabetização

As Cartilhas e a Alfabetização As Cartilhas e a Alfabetização Métodos globais: aprender a ler a partir de histórias ou orações Conhecer e respeitar as necessidades e interesses da criança; partir da realidade do aluno e estabelecer

Leia mais

Compreendendo o espaço

Compreendendo o espaço Módulo 1 Unidade 2 Compreendendo o espaço Para início de conversa... A forma como você se locomove na cidade para ir de um lugar a outro tem a ver com as direções que você toma e com o sentido para o qual

Leia mais

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria

Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Este texto é parte do Diseño Curricular para la Educación Primaria Tradução livre para fins didáticos Dirección General de Cultura e Educación de la Provincia de Buenos Aires, 2008. Equipe de especialista

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO.

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO. SEMINÁRIO Seminário é um grupo de pessoas que se reúnem com o propósito de estudar um tema sob a direção de um professor ou autoridade na matéria. O nome desta técnica vem da palavra semente, indicando

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado

Marcelo Novaes Coutinho. Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle. Dissertação de Mestrado Marcelo Novaes Coutinho Um Processo de Gerência de Estratégia de Rastreabilidade: Um Caso em Ambiente Oracle Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

Palavras-chave: metodologia, linguagem, projeto arquitetônico

Palavras-chave: metodologia, linguagem, projeto arquitetônico æ ensaios A linguagem ideogrâmica como elemento de intermediação reflexiva entre o programa de necessidades e o estudo preliminar Arquiteto, Prof. Dr. Paulo Corrêa O artigo traz, à discussão sobre metodologia

Leia mais

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR

SITUAÇÃO DE PRODUÇÃO DA RESENHA NO ENSINO SUPERIOR RESENHA Neste capítulo, vamos falar acerca do gênero textual denominado resenha. Talvez você já tenha lido ou elaborado resenhas de diferentes tipos de textos, nas mais diversas situações de produção.

Leia mais

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista

O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista O uso da informática na escola: Webquest como estratégia de aprendizagem construtivista Maira Teresinha Lopes Penteado 1 Gisele Dorneles Fernandes 2 RESUMO: O presente artigo tem por finalidade esclarecer

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: bortoletomatheus@yahoo.com.br Escola: Dr. José Ferreira [...] tudo o que é real tem uma natureza definida que se impõe, com a qual é preciso contar,

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL

PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL PRÁTICAS METODOLÓGICAS PARA ENSINO E APRENDIZAGEM DA CARTOGRAFIA NO ENSINO FUNDAMENTAL José Euriques de Vasconcelos Neto (UFCG); Dennis Cláudio Ferreira (UFCG) Resumo O atual sistema educacional tem buscado

Leia mais

Reflexão e fundamento: a validade universal do juízo de gosto na estética de Kant

Reflexão e fundamento: a validade universal do juízo de gosto na estética de Kant Júlia Casamasso Mattoso Reflexão e fundamento: a validade universal do juízo de gosto na estética de Kant DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE FILOSOFIA Programa de Pós-graduação em Filosofia Júlia

Leia mais

UNOCHAPECÓ - ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA MECÂNICA - P.I. PROF. EDERSON MOREIRA PAZ

UNOCHAPECÓ - ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA MECÂNICA - P.I. PROF. EDERSON MOREIRA PAZ UNOCHAPECÓ - ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS ENGENHARIA MECÂNICA - P.I. PROF. EDERSON MOREIRA PAZ PESQUISA DE MERCADO Alguns fatores específicos e relevantes para a confecção de uma proposta. CONSUMIDORES

Leia mais

Revisão de Estatística Básica:

Revisão de Estatística Básica: Revisão de Estatística Básica: Estatística: Um número é denominado uma estatística (singular). Ex.: As vendas de uma empresa no mês constituem uma estatística. Estatísticas: Uma coleção de números ou fatos

Leia mais

Mostrar os Objetos 10 Contar a história seguindo os slides (anexo1) 40

Mostrar os Objetos 10 Contar a história seguindo os slides (anexo1) 40 Aula 1: A história do banheiro Tema Mostrar ao aluno como era a vida das pessoas que não possuíam os recursos sanitários conhecidos hoje, a história de como surgiu à necessidade dos mesmos, sua origem

Leia mais

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS

PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS PROPOSTA DE UMA METODOLOGIA PARA ELABORAR PROJETO DE ENSINO INTEGRANDO RECURSOS TECNOLÓGICOS Fortaleza Ce Agosto 2009 Liádina Camargo Lima Universidade de Fortaleza liadina@unifor.br Categoria C Métodos

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE

CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE CURSO INTRODUÇÃO À CRÍTICA DE ARTE Aninha Duarte 2004 CRÍTICA Arte ou faculdade de examinar e/ou julgar as obras do espírito, em particular as de caráter literário ou artístico. Apreciação minuciosa. (AURÉLIO,

Leia mais

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas

Trabalhando Matemática: percepções contemporâneas CONSTRUINDO CONCEITOS SOBRE FAMÍLIA DE FUNÇÕES POLINOMIAL DO 1º GRAU COM USO DO WINPLOT Tecnologias da Informação e Comunicação e Educação Matemática (TICEM) GT 06 MARCOS ANTONIO HELENO DUARTE Secretaria

Leia mais

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística?

A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? A CAPES : quais ambições para a pesquisa em Letras e Linguística? Universidade de São Paulo benjamin@usp.br Synergies-Brésil O Sr. foi o representante da Letras junto à CAPES. O Sr. poderia explicar qual

Leia mais

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1

AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 AS FERRAMENTAS DE GOVERNANÇA: O CASO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE 1 Bruna Faccin Camargo 2, Jaciara Treter 3, Daniel Knebel Baggio 4. 1 Artigo de Conclusão do Curso em Ciências Contábeis 2 Aluna

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DAS ILUSTRAÇÕES: TABELAS, GRÁFICOS E FIGURAS Foz do Iguaçu - 2014 Elaboração: Francielle Amaral da Silva Nilson Carlos Vieira Júnior Coordenação: Mara Lucia Magalhães Capa: Alexandre

Leia mais

Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica

Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica Terra Brasilis (Nova Série) Revista da Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica Chamada de artigos: Número 4: História da Cartografia, Cartografia Histórica e Cartografia Digital

Leia mais

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP

DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP DESENHO PEDAGÓGICO PARA A EDUCAÇÃO MULTIPROFISSIONAL NO CURSO A DISTÂNCIA DE ESPECIALIZAÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DA UNA-SUS/UNIFESP São Paulo - SP - maio 2011 Rita Maria Lino Tarcia, Universidade Federal

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo Tradicionalmente os alunos ingressantes no bacharelado de Ciência da Computação da UNICAMP aprendem a programar utilizando

Leia mais

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica

:: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica :: Cuidados na Elaboração de uma Redação Científica José Mauricio Santos Pinheiro em 21/04/2005 Os princípios indispensáveis à redação científica podem ser resumidos em quatro pontos fundamentais: clareza,

Leia mais

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo

vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo vestibular nacional UNICAMP Aptidão Arquitetura e Urbanismo 1. INTRODUÇÃO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UNICAMP tem o propósito de preparar o arquiteto para ser um profissional capaz de compreender

Leia mais

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 MATEMÁTICA E ARTE UM DIÁLOGO POSSÍVEL, TRABALHANDO ATIVIDADES INTERDISCIPLINARES NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Rosiney de Jesus Ferreira 1 Universidade Federal de Juiz de Fora profneyufjf@hotmail.com

Leia mais

Uma Análise de Práticas na Aplicação de SCRUM em Projetos de Grande Porte

Uma Análise de Práticas na Aplicação de SCRUM em Projetos de Grande Porte Evandro Oliveira das Flores Uma Análise de Práticas na Aplicação de SCRUM em Projetos de Grande Porte Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre

Leia mais

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1

Teorema de Pitágoras. Módulo 1 Unidade 10. Para início de conversa... Matemática e Suas Tecnologias Matemática 1 Módulo 1 Unidade 10 Teorema de Pitágoras Para início de conversa... Certamente, você já deve ter ouvido falar no Teorema de Pitágoras. Pois bem, nesta unidade, ele será o centro das atenções, mas vamos

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades

A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades A Busca pela Construção do Conhecimento e a Transformação das Realidades Como vimos na unidade anterior, é próprio do homem buscar e produzir conhecimento para tentar melhorar sua realidade. Portanto,

Leia mais

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento

Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento 270 Eixo Temático ET-04-007 - Gestão Ambiental em Saneamento LEVANTAMENTO DA TUBULAÇÃO DE CIMENTO-AMIANTO NA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DO MUNICÍPIO DE PRINCESA ISABEL - PARAÍBA Maria Auxiliadora Freitas

Leia mais

EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA

EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA EXPLORANDO OS CONTEÚDOS MATEMÁTICOS ENVOLVIDOS NA CONSTRUÇÃO DE UMA CASA Sergio da Silva Cambiriba 1 Dante Alves Medeiros Filho 2 RESUMO Nosso trabalho consistiu em explorar alguns conteúdos matemáticos

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades.

1. Linguagens e Códigos; 2. Raciocínio Lógico e Matemática; 3. Leitura e Interpretação de Textos; 4. Atualidades. ANEXO I - PROGRAMA DAS PROVAS DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE REDAÇÃO Prova (Todos os Cursos) Trabalhando em consonância com as diretrizes curriculares nacionais, o UNIFEMM entende que as avaliações do processo

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA

TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA TÍTULO: SISTEMA KANBAN DE ESTOQUE APLICADO À PRODUÇÃO DE ESTACAS MEGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHAGUERA DE JUNDIAÍ AUTOR(ES): JEANNE

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais