Teoria De Bases de dados

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Teoria De Bases de dados"

Transcrição

1 Teoria De Bases de dados Paulo Leocádio

2 Índice A informática na empresa...2 Da dependência à independência dos dados...3 Os três níveis da arquitectura de um SGBD...6 Funções e estrutura de um SGBD...7 Operações de definição e alteração da estrutura de uma BD...7 Operações de manipulação de dados sem alteração da estrutura da BD...7 Operações de controlo de dados...8 O que é uma Base de Dados?...9 Vantagens na utilização de BD s...9 Esquema e Instância de uma Base de Dados Modelos de Bases de Dados Modelos baseados em objectos: Modelos baseados em registos: Modelo Hierárquico Modelo de rede Modelo Entidade-Relacionamento Entidades Relacionamentos Atributos e Ocorrências Valores e Domínios dos atributos Tipos de atributos Atributo Identificador Chave Primária Chave Estrangeira ou Externa Relacionamentos entre entidades Tipos de Relacionamentos Grau de Relacionamento Qualidade de participação Derivação de tabelas Normalização de tabelas ª Forma Normal (1ª FN) Dependência funcional ª Forma normal (2ª FN) ª Forma normal (3ª FN)... 28

3 A informática na empresa Ao longo dos tempos a informática deixou as áreas exclusivamente técnicas e científicas para se tornar uma ferramenta de uso geral em qualquer sector da actividade humana. Se há uns anos atrás o grande problema residia na limitação à quantidade e capacidade de processamento de informação que era possível tratar num computador, hoje em dia a tecnologia permite ultrapassar isso, criando, no entanto, um outro problema que é a qualidade dessa informação. As novas tecnologias permitem também explorar melhor as capacidades do computador. A informação deixou de ser apenas texto (símbolos ou caracteres), e passou a incluir imagens e sons. Abrem-se novos campos para a exploração dos sistemas de informação. Sendo as empresas os locais onde mais intensivamente se utiliza a informática, é também nelas que as necessidades e quantidades de informação são maiores. O aumento de potência dos sistemas informáticos, assim como a sua aplicação a todos as áreas da empresa, proporciona quantidades de informação gigantescas quando comparadas com alguns anos atrás. A necessidade das organizações em possuir um sistema de gestão mais eficaz tornaas cada vez mais dependentes da informação existente e dos métodos para a tratar. O tempo das enormes e fastidiosas listagens de computador já passou, hoje a informação tem de ser compreensível, completa, fácil e rápida de obter. É num contexto de necessidade de informação cada vez maior que se insere o aparecimento dos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD). Estes sistemas são um conjunto de programas que fazem uma gestão autónoma da informação, de acordo com um modelo preestabelecido e adaptado à empresa. Deste modo vários programas concebidos em diferentes linguagens, por diversos programadores e executando funções específicas, podem aceder à mesma informação. Esta deixa de ser propriedade dos departamentos da empresa e é agora encarada como uma entidade única e autónoma à qual vários e diferentes utilizadores recorrem. Paulo Leocádio 2

4 Da dependência à independência dos dados O Sistema de Gestão de Bases de Dados gere toda a informação contida na base de dados e constitui o interface entre a informação e os utilizadores, quer sejam utilizadores finais quer sejam programadores. SGBD Utilizadores Base de Dados Fig. 1 SGBD: O interface entre utilizador e a base de dados Inicialmente as aplicações informáticas destinadas a gerir os sistemas de informação das organizações (empresas, administração pública, etc...), tinham uma característica: os dados eram dependentes dos programas de aplicação que os geravam e manipulavam. Esta característica logo revelou os seus problemas: Limitação por parte dos utilizadores às estruturas de dados definidas pelos programadores; A alteração da estrutura da informação, como por exemplo, incluir ou retirar campos num ficheiro de base de dados, implicava que os programadores tivessem de alterar os programas de aplicação que operavam sobre estes dados; A dependência dos dados relativamente às aplicações implicava que a alteração das estruturas de dados levava quase sempre a uma reintrodução dos dados visto ser necessários adaptá-los aos novos programas e novos formatos definidos; Numa mesma organização, a informação encontrava-se repartida e repetida em diversos locais, pois cada departamento criava os seus programas de aplicação de forma autónoma e de acordo com as suas necessidades. Este facto originava a duplicação de informação perfeitamente desnecessária. Paulo Leocádio 3

5 ORGANIZAÇÃO X Aplicação A Aplicação B Aplicação C Aplicação D Aplicação E Depart. P Depart. Q Depart. R Depart. S Depart. T Aplicação A Aplicação B Aplicação C Depart. U Depart. V Depart. X Fig. 2 Dependência dos sistemas de aplicação Desta forma, tomou-se evidente a necessidade de criar programas ou sistemas de bases de dados capazes de gerir a informação de uma forma mais flexível, em que os dados pudessem ser separados e organizados de forma independente em relação aos programas de aplicação. E assim, surgiram os Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD). Os SGBD são programas ou conjuntos integrados de programas que permitem criar e manipular bases de dados, em que os dados são estruturados com independência relativamente aos programas de aplicação que os manipulam. Deste modo, podem ser criadas diversas aplicações para manipular os mesmos dados ou a mesma base de dados, em conformidade com as necessidades dos seus utilizadores. A independência dos dados num SGBD significa que é possível alterar a estrutura dos dados de uma base de dados, quer ao nível físico quer ao nível conceptual, sem que isso implique a necessidade de reformular as aplicações que operam com os dados. Departamento X Departamento Y SGBD * Departamento Z Fig. 3 Independência dos programas de aplicação Paulo Leocádio 4

6 No entanto, os sistemas de bases de dados não gerem apenas a informação, eles comportam uma série de utilitários que visam facilitar a vida aos utilizadores e programadores. Alguns dos produtos fornecidos pelos maiores fabricantes de SGBD são os seguintes: Motor da base de dados (Data Engine); Linguagem de pesquisa (Query Language); Gerador de listagens (Report Generator); Gerador de entradas de dados (Form Generator); Interfaces para linguagens de programação de 3ª geração; Linguagens de programação de 4ª geração (4GL 4th Generation Language); Processamento distribuído (produtos NET); Bases de dados distribuídas (produtos STAR); Interligação com outros sistemas de bases de dados (produtos GATEWAY); Ferramentas: CASE (Computer-Aided Software Engineering); O SGBD actual fornece à empresa um meio sólido de armazenamento da informação, suficientemente flexível para acompanhar as novas tecnologias, e sobretudo generaliza o acesso à informação, permitindo que qualquer utilizador através de procedimentos simples compile a informação que deseja. Paulo Leocádio 5

7 Os três níveis da arquitectura de um SGBD Um Sistema de Gestão de Bases de Dados é uma colecção de ficheiros de dados interrelacionados e um conjunto de programas ou rotinas que permitem aos utilizadores o acesso à informação assim armazenada. Os ficheiros de dados são guardados em suportes de armazenamento informático (discos, disquetes, cd's, etc...) e, a partir daí são manipulados pelos programas ou rotinas do SGBD em execução no computador. O armazenamento dos ficheiros de dados em suportes informáticos e a forma como eles se encontram organizados nesses suportes constitui o chamado Nível Físico da base de dados. Além de operar ao nível físico, o SGBD tem também de proporcionar aos utilizadores e programadores meios de estruturar ou organizar a informação, afim de esta vir a ser consultada e actualizada pelos utilizadores finais. É a esta estruturação e organização dos dados que se chama o Nível Conceptual de uma base de dados. Por fim, o chamado Nível de Visualização corresponde à forma como são apresentados os interfaces gráficos aos utilizadores finais, que geralmente não têm, ou são poucos conhecimentos dos níveis físico e conceptual. Nível de visualização Interface gráfico com o utilizador Nível Conceptual Organização da informação em tabelas e relacionamentos Nível Físico Armazenamento da informação em suportes informáticos Fig. 4 - Os três níveis da arquitectura de um SGBD Paulo Leocádio 6

8 Funções e estrutura de um SGBD O trabalho com uma base de dados implica diversos tipos de operações sobre os ficheiros e os dados que eles contêm, tais como: Inserir novos registos; Procurar e visualizar um registo; Eliminar registos existentes; Seleccionar registos e/ou campos; Ordenar os registos de um ficheiro; Juntar ou intercalar registos de ficheiros diferentes; Fazer cópias ou duplicações de ficheiros; Alterar a estrutura de campos de um ficheiro; Eliminar ficheiros; Assim podemos distinguir os seguintes agrupamentos de operações típicas do trabalho com bases de dados: Operações de definição e alteração da estrutura de uma BD (Linguagem de Definição de Dados DDL) Criação de uma nova base de dados; Criação de um novo ficheiro ou tabela; Alteração da estrutura de campos de uma tabela; Criação e alteração de ficheiros de índices; Eliminação de ficheiros ou tabelas de uma base de dados; Operações de manipulação de dados sem alteração da estrutura da BD (Linguagem de Manipulação de Dados LMD) Consultas ou pesquisas de dados; Inserção de novos dados (registos); Alteração de dados existentes (campos e registos); Eliminação de dados (registos); Paulo Leocádio 7

9 Operações de controlo de dados Têm a ver com a atribuição ou supressão dos direitos de acesso aos dados em relação a utilizadores ou grupos de utilizadores. Nível de Visualização Operações de manipulação de dados; Operações de controlo dos dados; Nível Conceptual Operações de criação e alteração da estrutura da base de dados Nível Físico Paulo Leocádio 8

10 O que é uma Base de Dados? De um modo geral, pode-se definir uma Base de Dados como sendo um conjunto de dados ou informações relacionados entre si e organizados de forma a facilitar a sua utilização por parte do utilizador. Ou ainda, como um sistema cuja finalidade é registar, actualizar, manter e disponibilizar a informação relevante para a actividade de uma organização. Este conjunto de informações será partilhado e utilizado para diferentes objectivos e por diferentes utilizadores. No entanto, os utilizadores não só partilham informações como também têm necessidades e perspectivas diferentes dessas informações. Quando se cria uma base de dados tem-se como objectivos: - Diminuir o espaço ocupado pela informação; - Facilitar a actualização da informação; - Aumentar a velocidade de pesquisa; - Evitar a redundância de informação. Vantagens na utilização de BD s Os benefícios aqui abordados dividem-se em três categorias principais, nomeadamente: 1. Benefícios de centralização de dados: - Redução/Eliminação de redundância de dados: evitar a repetição de informação desnecessária, reduzindo também o espaço ocupado pela base de dados; - Melhoria na concorrência de dados: aumentar a eficiência no acesso aos dados; - Obtenção de informação atempadamente: Aceder e obter informação de forma mais rápida e eficaz; - Simplificação da infra-estrutura de informação: permitir uma estruturação e organização da informação de forma mais simples permitindo, deste modo, alcançar os pontos referidos acima. 2. Benefícios resultantes de uma melhor gestão de dados: - Organização e controlo dos dados: a simplificação da própria estrutura da base de dados implica benefícios na organização dos dados o que é uma mais valia para a gestão e controlo dos dados; Paulo Leocádio 9

11 - Recuperação, backup e rasteio de dados: por vezes pode acontecer que se percam dados relevantes para a base de dados. Nestes casos é importante que hajam mecanismos de recuperação dos mesmos, de forma a ser possível o seu restauro. É importante, também, que a base de dados permita a execução de backups, isto é, de cópias de segurança da informação armazenada; - Simplificação e aperfeiçoamento da segurança: a segurança é crucial nos dias de hoje. Não só para prevenir ataques externos à base de dados, mas também como forma de restringir o acesso aos dados por parte de utilizadores sem privilégios para tal; - Melhor integridade dos dados: apresentar os dados com rigor e qualidade. 3. Melhoria de performance através de: - Chamadas (calls) de aplicações: permitem que outras aplicações, que não aquela que gere a base de dados, acedam aos dados e os utilizem para obter determinados resultados; - Mecanismos de recuperação (unit recovery mechanism, URM): são mecanismos que permitem a qualquer momento restaurar informação perdida pela base de dados. Paulo Leocádio 10

12 Esquema e Instância de uma Base de Dados Esquema: Consiste no design ou estrutura lógica com que a base de dados é definida, o modo como é concebida a organização da informação. Instância: Refere-se aos dados concretos que a base de dados contém a cada momento, os quais podem variar com a utilização da base de dados. O esquema de uma BD é concebido segundo um modelo conceptual e implementado num SGBD através da sua DDL. A instanciação de uma BD é feita através dos recursos de manipulação dos dados do SGBD, portanto ao nível da LMD. Modelos de Bases de Dados O desenvolvimento de uma base de dados pode ser efectuado segundo diferentes modelos conceptuais. Estes são um conjunto de ferramentas conceptuais, para descrever os dados, a sua semântica e restrições Estes modelos podem ser agrupados em dois tipos: Modelos baseados em objectos: Representam a realidade através de objectos; Os objectos são entidades reais (Aluno, Professor, Disciplina,...); Alguns modelos: Entidade-Relacionamento; Semânticos; Orientados por Objectos; Modelos baseados em registos: Representam a realidade através de registos; Informação estruturada com o formato de campos; Alguns modelos: Hierárquico; Rede; Relacional. Paulo Leocádio 11

13 Modelo Hierárquico - Uma base de dados concebida segundo o modelo hierárquico consiste numa colecção de registos que se encontram relacionados entre si, através de relações; - A estrutura hierárquica de ligação entre os registos toma o aspecto de uma árvore invertida; - Cada registo (excepto o primeiro) encontra-se ligado a um outro denominado de superior hierárquico; - Se um superior hierárquico for eliminado todos os que se encontram abaixo dele na estrutura hierárquica serão eliminados. Modelo de rede - Uma base de dados concebida segundo o modelo hierárquico também consiste numa colecção de registos que se encontram relacionados entre si, através de relações; - A estrutura de ligação dos registos já não se apresenta em forma de árvore mas sim em forma de rede, o que implica uma maior flexibilidade em relação à forma como se podem ligar os registos. Fig. 4 Modelo hierárquico Fig. 5 Modelo em Rede Paulo Leocádio 12

14 Modelo Entidade-Relacionamento O modelo de Entidade-Relacionamento, foi desenvolvido para auxiliar o projecto de base de dados, através da especificação de um esquema que define a organização da base de dados. É uma técnica que: - utiliza uma abordagem top-down; - baseia-se na identificação dos grandes objectos informacionais com interesse para o sistema a informatizar e nas associações entre estes; - por ser gráfica, e suportar um número limitado de símbolos, permite representar o modelo de informação com: clareza; redução de esforço; facilidade de compreensão; facilidade de apresentação. O modelo E-R é baseado na percepção de que o mundo real é constituído por dois objectos: entidades e relacionamentos. Entidades São elementos relevantes, abstractos ou concretos, sobre os quais é necessário guardar informação. Por exemplo: Pessoas ( Fornecedores, Empregados, Clientes, Alunos, etc...) Organizações ( Empresas, Hospitais, Escolas, Farmácias, etc...) Objectos ( Carro, Factura, Produtos, Boletim de Incrição, etc...) Relacionamentos Após a identificação das entidades a incluir no esquema da BD, e dos atributos que as definem, é necessário perceber o modo como estas entidades se relacionam entre si. Assim, um relacionamento é uma associação existente entre entidades. Paulo Leocádio 13

15 Atributos e Ocorrências Uma entidade é definida por um conjunto de dados que de alguma forma se encontram relacionados. Os dados numa entidade encontram-se divididos em campos ou atributos que são os elementos que a caracterizam. A cada ocorrência relativa a uma entidade dá-se o nome de registo. Campo Nome Morada Telefone Registo António Ponta Delgada Manuel Angra do Heroísmo Maria Horta Valores e Domínios dos atributos Os atributos das entidades são preenchidos com VALORES. São estes valores que caracterizam e identificam cada entidade. Exemplo: O nome próprio de uma pessoa: Ana, Maria, João, Francisco, etc... O estado civil de uma pessoa: Solteiro, casado, divorciado. Cada atributo de uma entidade pode tomar os seus valores dentro de um determinado conjunto DOMÍNIO que não é mais do que o conjunto de todos os valores que esse atributo pode assumir. Exemplo: Os valores para a idade de uma pessoa só podem ser numéricos, nunca podendo conter valores alfanuméricos. Assim, o seu domínio será o dos números inteiros. Paulo Leocádio 14

16 Tipos de atributos Os atributos de uma entidade podem ser de dois tipos: ATÓMICOS Não é possível decompor esses atributos em unidades mais elementares. Exemplo: nº de aluno, idade, nome próprio, BI, NIF, etc... COMPOSTOS São atributos que podem ser decompostos em unidades mais elementares. Exemplo: - O nome completo de uma pessoa pode ser decomposto em nome próprio, sobrenome e restantes. - A data que pode ser decomposta em dia, mês e ano. - A hora que pode ser decomposta em hora, minuto e segundo. Atributo Identificador Entre os diversos atributos que definem uma entidade deve existir um ou mais campos que identifiquem inequivocamente cada registo. A este(s) atributo(s) dá-se o nome de Atributo Identificador. ATRIBUTO IDENTIFICADOR É o atributo que deve identificar sem ambiguidades cada entidade concreta. Para cada entidade deve existir sempre um atributo deste tipo. Geralmente, este atributo desempenha o papel de chave numa entidade ou tabela. Exemplo: Consideremos a entidade Filmes e os seus atributos: FILMES (Nº Filme, Título, Actor, Realizador, Duração, Classificação) O campo Nº Filme é um atributo identificador pelo facto de identificar inequivocamente cada ocorrência (filme) da entidade. Paulo Leocádio 15

17 Chave Primária CHAVE PRIMÁRIA É um atributo identificador que representa univocamente cada ocorrência ou registo de uma tabela. Existem dois tipos de chave primária: Simples - constituída apenas por um atributo; Composta - constituída por dois ou mais atributos. Uma chave primária deve ser: Unívoca O valor da chave primária deve ser único para todos os registos. Não Redundante No caso de uma chave composta não devem ser incluídos mais campos do que os necessários. Não Nula Nenhum dos valores que compõem a chave primária pode conter valores nulos. Exemplo 1) Consideremos a entidade Cd s que é caracterizada pelos seguintes atributos: CD s ( Nº Cd, Título, Intérprete, Editora) O atributo que a identifica univocamente é Nº de Cd visto ser o único cujos valores nunca se irão repetir. Deste modo, conclui-se que a chave primária da entidade CD s é simples. Exemplo 2) Consideremos a entidade Faixas de um Cd que é caracterizada pelos seguintes atributos: Faixas ( Nº Cd, Nº Faixa, Título, Duração, Género) Neste caso, os atributos que a identificam univocamente são Nº de Cd e Nº Faixa, visto serem os únicos cujos valores nunca se irão repetir. Deste modo, conclui-se que a chave primária da entidade Faixas é composta. Paulo Leocádio 16

18 Chave Estrangeira ou Externa CHAVE ESTRANGEIRA OU EXTERNA É um atributo que definido como chave primária de uma tabela é incluído na estrutura de uma outra tabela. Exemplo: Consideremos as entidades Cd s e Faixas, que identificam um Cd e as suas respectivas Faixas. CD s ( Nº Cd, Título, Intérprete, Editora) Faixas ( Nº Cd, Nº Faixa, Título, Duração, Género) O atributo Nº de Cd da entidade Faixas faz parte da sua chave primária, no entanto como é chave primária da entidade CD s é considerado uma chave estrangeira na entidade Faixas. Relacionamentos entre entidades O relacionamento entre entidades é um dos propósitos das bases de dados relacionais, daí a importância dada à selecção da chave primária, pois é através destas que são estabelecidas as associações entre as diferentes entidades. Os símbolos convencionados para se representar estes relacionamentos são em número reduzido, com significados específicos e fáceis de distinguir: Entidade Atributo Relacionamento Atributo chave Paulo Leocádio 17

19 Exemplo: Consideremos as entidades Cd s e Faixas, e os seus atributos definidos anteriormente. A relação existente entre estas entidades pode ser representada da seguinte forma: Título Nº Cd Título Intérprete Editora Nº Faixa Nº Cd Duração Género CD s Inclui Faixas Tipos de Relacionamentos São as formas como as entidades se relacionam num determinado modelo de informação. As associações podem classificar-se em unárias, binárias e complexas. UNÁRIAS associam uma entidade com ela própria. EQUIPA joga Neste caso, uma equipa joga com outra equipa. BINÁRIAS associam duas entidades. ALUNO pertence TURMA Neste tipo de relacionamento, um aluno pertence a uma turma. Paulo Leocádio 18

20 COMPLEXAS associam mais do que duas entidades. ATLETA PROVA disputa MODALIDADE Tem-se que um atleta que pratica uma determinada modalidade disputa uma prova dessa modalidade. Observação: Regra geral, uma associação do tipo complexa ternária dá origem a uma entidade associativa. Grau de Relacionamento É a participação máxima (limite superior) de cada uma das entidades nas associações a que está ligada. O grau de relacionamento é independente do tipo de associação. Tendo em conta o seu grau, os relacionamentos classificam-se em: Relacionamento 1:1 Relacionamento 1:N Relacionamento M:N (um para um) (um para muitos) (muitos para muitos) Observação: Regra geral, uma associação de grau M:N dá origem a uma entidade associativa. Paulo Leocádio 19

21 Qualidade de participação É a participação mínima (limite inferior) da entidade na associação a que está ligada. A participação de cada entidade é ou pode ser diversa de associação para associação. A qualidade de participação de uma entidade classifica-se em obrigatória e não obrigatória. OBRIGATÓRIA quando não pode haver qualquer ocorrência que não esteja associada a alguma ocorrência da outra entidade que participa na associação. NÃO OBRIGATÓRIA quando pode haver ocorrências numa entidade, mesmo que não associadas a alguma ocorrência da outra entidade que participa na associação. Derivação de tabelas Analisando o grau de relacionamento e a qualidade de participação é possível identificar o número de tabelas necessárias para cada relacionamento. Assim: UMA TABELA Relacionamentos de 1:1 com participação obrigatória de ambas as entidades. DUAS TABELAS Relacionamento de 1:1 com participação obrigatória de uma das entidades, em que nesta é adicionada uma chave externa; Relacionamentos de 1:N ou N:1 com participação obrigatória do lado N, em que nesta é adicionada uma chave externa. TRÊS TABELAS A terceira tabela é responsável pelo relacionamento entre as outras duas e nela serão incluídas como chaves externas as chaves primárias das outras duas. A esta tabela dá-se o nome de Entidade Associativa. Paulo Leocádio 20

22 Relacionamentos de N:N; Relacionamentos de 1:N ou N:1 com participação não obrigatória do lado N; Relacionamentos de 1:1 com participação não obrigatória de ambas as entidades. Paulo Leocádio 21

23 Normalização de tabelas A normalização é um processo que consiste em estruturar as tabelas e atributos de forma a eliminar redundâncias e evitar problemas com a inserção, eliminação e actualização dos dados. Este processo é composto pelas chamadas formas normais: - 1ª Forma Normal (1ª FN); - 2ª Forma Normal (2ª FN); - 3ª Forma Normal (3ª FN); - Forma Normal de Boyce-Codd (FNBC); - 4ª Forma Normal (4ª FN); - 5ª Forma Normal (5ª FN); Um modelo de base de dados que respeite os princípios estipulados até à 3ª FN é considerado adequadamente elaborado para funcionar num SGBD relacional. Existe uma hierarquia de formas normais que pode ser apresentada através de um conjunto de círculos concêntricos. Todos os atributos assumem apenas valores atómicos ou elementares, isto é, não podem ser tipo subconjunto. Se estiver na 2FN e se dos atributos que não pertencem à chave forem independentes entre si. 1FN 2FN 3F 2FN 1FN Se estiver na 1FN e se todos os atributos que não pertencem à chave primária dependem da totalidade da chave e não de nenhum dos seus elementos ou conjuntos isoladamente. Paulo Leocádio 22

24 Em geral, este processo de normalização consiste no seguinte: Definição das entidades com todos os atributos considerados relevantes; Análise das relações e dependências entre os atributos de cada entidade, comparando-as com as formas normais; Reestruturação de atributos e/ou derivação de entidades sempre que apresentem características que não estejam de acordo com as formas normais; Repetição do processo até que todas as entidades estejam na forma normal pretendida. 1ª Forma Normal (1ª FN) Uma tabela encontra-se na 1ª FN se todos os seus atributos estiverem definidos em domínios que contenham apenas valores atómicos, isto é, os domínios devem ser formados por valores elementares e não por conjuntos de valores. Vejamos o seguinte exemplo: Imaginemos uma tabela destinada a registar a informação sobre os alunos e as disciplinas em que estes estão matriculados: 1º caso) ALUNOS (CodAluno, Nome, Morada, Disciplinas) Esta tabela não obedece à primeira forma normal (1FN), uma vez que o atributo Disciplinas admite conjuntos de valores. Consideremos a tabela com alguns dados como exemplo: CodAluno Nome Morada Disciplinas 1214 Rui Costa Rua A Português, Matemática, Física 1250 Ana Maria Rua B Latim, Português, Inglês 1356 Carla Silva Av. ABC Economia, Matemática, Direito 1456 Hugo Leal Bairro DEF Português, Matemática Paulo Leocádio 23

25 Como podemos constatar, o atributo Disciplinas apresenta o conjunto de disciplinas frequentadas por cada aluno. Poderíamos, no entanto, repetir os valores na tabela para que o atributo Disciplinas apenas contivesse um único valor (2º caso). 2º caso) ALUNOS (CodAluno, Nome, Morada, Disciplina1, Disciplina2, Disciplina3,...) Esta tabela não obedece à primeira forma normal (1FN) porque, embora todos os campos sejam atómicos, existem campos repetidos para a mesma categoria. Consideremos a tabela com alguns dados como exemplo: CodAluno Nome Morada Disciplina1 Disciplina2 Disciplina Rui Costa Rua A Português Matemática Física 1250 Ana Maria Rua B Latim Português Inglês 1356 Carla Silva Av. ABC Economia Matemática Direito 1456 Hugo Leal Bairro DEF Português Matemática Como podemos constatar os atributos Disciplina1, Disciplina2 e Disciplina3 aparecem como campos repetidos para a mesma categoria. A solução para este problema, ou seja, para a tabela se encontrar na 1ª FN é a apresentada no 3º caso. 3º caso) ALUNOS (CodAluno, Nome, Morada, Disciplina) CodAluno Nome Morada Disciplina 1214 Rui Costa Rua A Português 1214 Rui Costa Rua A Matemática 1214 Rui Costa Rua A Física 1250 Ana Maria Rua B Latim 1250 Ana Maria Rua B Português 1250 Ana Maria Rua B Inglês Paulo Leocádio 24

26 1356 Carla Silva Av. ABC Economia 1356 Carla Silva Av. ABC Matemática 1356 Carla Silva Av. ABC Direito 1456 Hugo Leal Bairro DEF Português 1456 Hugo Leal Bairro DEF Matemática A tabela ALUNOS agora está na 1FN, pois todos os atributos contêm apenas valores elementares. Apresenta, no entanto, grande redundância de informação, que se reflecte na repetição dos identificadores dos nomes e moradas dos alunos. Para além desse inconveniente, podem apontar-se ainda os seguintes: Problemas de actualização - se a morada de um aluno for alterada, essa alteração tem de ser feita em várias linhas da tabela, sob o risco de gerar incoerências na Base de Dados, isto é, numa determinada linha o aluno poderá aparecer uma morada e noutra linha outra; Problemas de inserção com a tabela estruturada desta maneira torna-se impossível registar um aluno que não esteja matriculado a nenhuma disciplina mas que se encontra a fazer apenas exames, sem o atributo DISCIPLINA fique com valor nulo não obedecendo à regra de integridade de entidade; Problemas de eliminação - porque para anular a matrícula de um aluno implica ter de eliminar várias linhas da tabela, e mesmo perder a informação do aluno, tal como NÚMERO, NOME e MORADA. Dependência funcional Um atributo ou conjunto de atributos é determinante de outros atributos quando os identifica de modo unívoco. Os atributos identificados de modo unívoco por um outro atributo, ou conjunto de atributos, são funcionalmente dependentes deste último. Paulo Leocádio 25

27 Considerando a seguinte entidade: ALUNOS (CodAluno, Nome, Morada, CodDisciplina, Disciplina) Temos que: - Nome e Morada são dependentes de CodAluno - Disciplina é dependente de CodDisciplina 2ª Forma normal (2ª FN) Uma tabela encontra-se na 2ª FN se: estiver na primeira forma normal (1FN); todos os atributos que não pertencem à chave, dependem da chave através de uma dependência funcional elementar, isto é, dependem da totalidade da chave e não de um dos seus atributos ou subconjuntos isoladamente. Esta condição evidentemente só se aplica no caso da chave ser composta por mais de um atributo. Caso a chave seja constituída por um único atributo, chave simples, a condição imposta é que os restantes atributos dependam funcionalmente da chave. Vejamos o seguinte exemplo: Imaginemos uma tabela destinada a registar a informação sobre as encomendas efectuadas por clientes e os produtos nelas contidos: ENCOMENDAS (Nº Encomenda, DataEnc, TotalEnc, CodCliente, NomeCli, Morada, CodProduto, Designação, PreçoUnitário, Quantidade, TotalProd) A tabela encontra-se na 1ª FN porque todos os campos são atómicos e não existe repetição de valores; O campo Nº Encomenda identifica cada encomenda feita por um cliente; Paulo Leocádio 26

Aspectos genéricos - Base de Dados

Aspectos genéricos - Base de Dados Aspectos genéricos - Base de Dados 1) Ficheiros de dados, registos e campos 2) Base de Dados Flat_File (de uma tabela) 2.1) Especificação e exemplo 2.2) Limitações das bases de dados baseadas em uma só

Leia mais

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág.

Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de Base de Dados pág. Conteúdos Dos ficheiros de dados aos sistemas de gestão de base de dados Ficheiros de dados, registos e campos pág. 2 Limitações das bases de dados baseadas numa só tabela pág. 2 Sistemas de Gestão de

Leia mais

Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Bases de Dados. Access 2007. 260 slides. Bases de Dados

Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de Bases de Dados. Access 2007. 260 slides. Bases de Dados Campos, Ricardo. (2008). Apresentação de. Access 2007. 260 Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar.

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Sistemas de Gestão de Bases de Dados

Sistemas de Gestão de Bases de Dados SGBD Sistemas de Gestão de Bases de Dados Aspectos genéricos sobre bases de dados; Criação de uma base de dados no Microsoft Access; Utilização de uma base de dados: consultas, formulários e relatórios.

Leia mais

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados

UFCD 786. Instalação e configuração de sistemas de bases de dados UFCD 786 Instalação e configuração de sistemas de bases de dados 1 Noção de Base de Dados De uma forma genérica uma base de dados é um conjunto de dados (BD) Exemplos de BD s: Uma agenda de moradas Uma

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction

Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies. Cap. 1 Arquitectura de Sistemas de Bases de Dados. Module Introduction Bases de Dados II 6638: BSc in Information Systems and Technologies Cap. 1 Module Introduction Objectivos O propósito e a origem da arquitectura de base de dados a três níveis. O conteúdo dos níveis externo,

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma

Bases de Dados. Bibliografia. 1. Parte I Componente Teórica. Pedro Quaresma Índice Bases de Dados Pedro Quaresma Departamento de Matemática Universidade de Coimbra 2010/2011 1. Parte I Componente Teórica 1.1 Introdução 1.2 Modelo ER 1.3 Modelo Relacional 1.4 SQL 1.5 Integridade

Leia mais

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento

Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento Diagrama de Entidade Associação ou Relacionamento 1 Quanto à obrigatoriedade dos elementos de uma entidade participarem, ou não, no relacionamento com outra entidade, tem-se: Participação obrigatória de

Leia mais

Campos, Ricardo. (2007). Apresentação de Bases de Dados. Microsoft SQL Server 2005. Linguagem SQL. Sql Server BI Development Studio. 457 slides.

Campos, Ricardo. (2007). Apresentação de Bases de Dados. Microsoft SQL Server 2005. Linguagem SQL. Sql Server BI Development Studio. 457 slides. Campos, Ricardo. (2007). Apresentação de. Microsoft SQL Ricardo Campos (ricardo.campos@ipt.pt) Autoria Esta apresentação foi desenvolvida por Ricardo Campos, docente do Instituto Politécnico de Tomar.

Leia mais

Computadores e Sistemas de Informação. Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL)

Computadores e Sistemas de Informação. Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL) Computadores e Sistemas de Informação Bases de Dados Relacionais (linguagem SQL) 2004/2005 Utilidade das Bases de Dados Recolha e processamento de dados que possuem um volume significativo, que são interrelacionados,

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Orivaldo V. Santana Jr A partir de slides elaborados por Ivan G. Costa Filho Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal

Leia mais

Conceitos, tabelas e consultas

Conceitos, tabelas e consultas MICROSOFT ACCESS Conceitos, tabelas e consultas 1. CONCEITOS Base de Dados é um conjunto de dados organizados SGBD (Sistema de Gestão de Base de Dados) programa que permite fazer a gestão da base de dados.

Leia mais

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados

Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Fernando Castor A partir de slides elaborados por Fernando Fonseca & Robson Fidalgo 1 Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação

Leia mais

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações

Bancos de Dados. Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Conceitos F undamentais em S is temas de B ancos de Dados e s uas Aplicações Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos de Dados Abstração

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB. Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Banco de Dados Professora: Cheli Mendes Costa Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD. define um conjunto de conceitos para

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Introdução à Banco de Dados

Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Introdução à Banco de Dados Agenda O que é Banco de Dados Como ele funciona Sistema Gerenciador de Banco de Dados Modelagem de Dados Modelo de dados Entidade-Relacionamento

Leia mais

Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes:

Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes: Modelos de Dados 1 Introdução Um modelo de dados é a colecção de, pelo menos, 3 componentes: 1) Um conjunto de tipos de estruturas de dados Define o tipo de dados e como se interrelacionam 2) Um conjunto

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Sistemas de Gestão de Bases de Dados

Sistemas de Gestão de Bases de Dados Cadeira de Tecnologias de Informação Ano lectivo 2007/08 Sistemas de Gestão de Bases de Dados Prof. Mário Caldeira Profª Ana Lucas Dr. Fernando Naves Engª Winnie Picoto Engº Luis Vaz Henriques Dr. José

Leia mais

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados -

Aula 02 Modelagem de Dados. Banco de Dados. Aula 02 Modelagem de Dados. Superior /2011 Redes Computadores - Disciplina: Banco de Dados - Banco de Dados Aula 02 Modelagem de Dados Roteiro Definição Evolução Projeto de BD Abstração Esquema e Instância Definição É uma representação, normalmente gráfica, de estruturas de dados reais. Auxilia

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM

GBC043 Sistemas de Banco de Dados. Introdução. Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM GBC043 Sistemas de Banco de Dados Introdução Ilmério Reis da Silva ilmerio@facom.ufu.br www.facom.ufu.br/~ilmerio/sbd UFU/FACOM Página 2 Definição BD Def. Banco de Dados é uma coleção de itens de dados

Leia mais

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4

DELEGAÇÃO REGIONAL DO ALENTEJO CENTRO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA REFLEXÃO 4 REFLEXÃO 4 Módulos 0776, 0780, 0781, 0786 e 0787 1/10 8-04-2013 Esta reflexão tem como objectivo partilhar e dar a conhecer o que aprendi nos módulos 0776 - Sistema de informação da empresa, 0780 - Aplicações

Leia mais

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados

Construir um modelo de dados é: - Identificar, Analisar e Registar a política da organização acerca dos dados 4. Modelo Entidade Associação 4.1. Introdução Modelo de Dados. Visão dos dados em vez de visão das aplicações. Eliminação de redundâncias. Partilha de dados pelas aplicações Construir um modelo de dados

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras Engenharia Informática 3º ano - 2003/2004 Ana Maria Madureira 1. MODELO CONCEPTUAL DE DADOS Descreve o S.I. da Organização

Leia mais

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão

SISTEMAS DE BANCO DE DADOS. Prof. Adriano Pereira Maranhão SISTEMAS DE BANCO DE DADOS Prof. Adriano Pereira Maranhão 1 REVISÃO BANCO DE DADOS I O que é banco de dados? Ou seja afinal o que é um SGBD? REVISÃO BD I REVISÃO DE BD I Um Sistema de Gerenciamento de

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais

Modelo de Dados. Modelos Conceituais Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados

Sistemas de Ficheiros. Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Bases de Dados Sistemas de Ficheiros Sistemas de Bases de Dados Conceitos Base Dados: são valores discretos que só se transformam em informação quando relacionados ou interpretados de alguma

Leia mais

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD

Modelo de Dados. Modelo para organização dos dados de um BD Modelo de Dados Modelo para organização dos dados de um BD define um conjunto de conceitos para a representação de dados exemplos: entidade, tabela, atributo,... existem modelos para diferentes níveis

Leia mais

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD

20/05/2013. Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos. Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados. Estrutura de um BD SGBD Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo Sistemas de Arquivos Sistemas de arquivos Principal característica é a replicação e isolamento de dados (ilhas de informações)

Leia mais

Bases de Dados! 2014/15! http://ssdi.di.fct.unl.pt/bd!! João Leite (jleite@fct.unl.pt)!!!

Bases de Dados! 2014/15! http://ssdi.di.fct.unl.pt/bd!! João Leite (jleite@fct.unl.pt)!!! Bases de Dados 2014/15 http://ssdi.di.fct.unl.pt/bd João Leite (jleite@fct.unl.pt) Capítulo 1: Introdução Função dos Sistemas de Bases de Dados Visão dos dados Modelos de dados Linguagem de Definição de

Leia mais

Modelo Entidade-Relacionamento

Modelo Entidade-Relacionamento Modelo Entidade-Relacionamento Banco de Dados I Fases do Projeto jt de BD Enunciado de requisitos entrevista com o usuário do banco de dados para entender e documentar seus requerimentos de dados. Projeto

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados

Banco de Dados I. 1. Conceitos de Banco de Dados Banco de Dados I 1. Conceitos de Banco de Dados 1.1. Características de um Banco de Dados. 1.2. Vantagens na utilização de um BD. 1.3. Quando usar e não usar um Banco de Dados. 1.4. Modelos, Esquemas e

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados

Tecnologia de Base de Dados Introdução à Base de Dados Introdução à Base de Dados MSc. Eugénio Alberto Macumbe Plano Temático 1. Introdução à Base de Dados; 2. Modelo Relacional; 3. Modelação de dados; 4. Formas Normais e Processo de Normalização; 5. Operações

Leia mais

Exercício de Normalização Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Aplicações Informáticas 11º ano

Exercício de Normalização Escola Secundária de Emídio Navarro 2002/2003 Aplicações Informáticas 11º ano Neste exercício propõe-se realizar a informatização de uma livraria. Assim, o primeiro passo a realizar será começarmos por definir as entidades que poderemos encontrar na livraria: Livros Fornecedores

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs

Evolução. Tópicos. Bancos de Dados - Introdução. Melissa Lemos. Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos. Características de SGBDs 1 Bancos de Dados - Introdução Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br Tópicos Evolução dos Sistemas de Informação Esquemas Modelos Conceitual Lógico Características de SGBDs 2 Evolução tempo Programas e

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ACCESS 2010 Conceitos Básicos Ficha Informativa Professor : Vanda Pereira módulo didáctico Conceitos Básicos Necessidade das base de dados Permite guardar dados

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos

Introdução. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos Conceitos Básicos Introdução Banco de Dados I Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM Dados

Leia mais

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Banco de Dados 1 Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante Banco de Dados 1 Programação sucinta do curso:. Conceitos fundamentais de Banco de Dados.. Arquitetura dos Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD ou DBMS).. Características típicas de um SGBD..

Leia mais

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I

Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Técnicas e Linguagens para Banco de Dados I Prof. Eduardo Ribeiro www.eduardo.trisolution.com.br eduardo@ trisolution.com.br Introdução Banco de Dados Dados x Informações Dados = É um elemento que mantém

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Tarefa Orientada 1 Base de Dados Editora

Tarefa Orientada 1 Base de Dados Editora Tarefa Orientada 1 Base de Dados Editora Objectivos: Criar as tabelas da base de dados Editora Criar o diagrama da base de dados Editora Inserir registos com os dados de teste Criar as tabelas da base

Leia mais

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini

Banco de Dados. Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados. Profa. Flávia Cristina Bernardini Banco de Dados Conceitos e Arquitetura de Sistemas de Banco de Dados Profa. Flávia Cristina Bernardini Relembrando... Vantagens da Utilização de SGBD Redundância controlada Consistência dos dados armazenados

Leia mais

OBJETIVOS. Orientações para Projetos de BD; Dependências Funcionais (DFs): Definição de DF; Regras de inferência para DFs.

OBJETIVOS. Orientações para Projetos de BD; Dependências Funcionais (DFs): Definição de DF; Regras de inferência para DFs. BANCO DE DADOS Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Ciência da Computação Prof. Alexandre Veloso de Matos alexandre.matos@udesc.br OBJETIVOS Orientações

Leia mais

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados

Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Sistema Gerenciador de Banco de Dados Banco de Dados Aula 1 Introdução a Banco de Dados Introdução Um Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) é constituído por um conjunto de dados associados a um conjunto de programas para acesso a esses

Leia mais

INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL

INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL Departamento de Informática INTRODUÇÃO AO MODELO DE DADOS RELACIONAL Prof. Carlos Pampulim Caldeira Évora, 2004 ÍNDICE 1. Introdução às Bases de Dados Relacionais 1 1.1 Historial 1 1.2 Definição de Base

Leia mais

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes

Microsoft Access. Nível I. Pedro Fernandes Microsoft Access Nível I Introdução Objectivos Introdução; Criar tabelas; Fazer consultas; Elaborar formulários; Executar relatórios. 2 Introdução aos Sistemas de Gestão de Bases de Dados (SGBD) Desde

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 1ª edição: Novembro de 2004 FICHEIROS COM EXEMPLOS Envie um e-mail* para software@centroatlantico.pt para conhecer os endereços de Internet de onde poderá fazer o download dos ficheiros com os exemplos deste livro. Reservados todos

Leia mais

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados.

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Modelagem de Dados Normalização Objetivo: BANCO DE DADOS Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Sub-Fases: Identificação das redundâncias e outros

Leia mais

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Conceitos básicos. Aplicações de banco de dados. Conceitos básicos (cont.) Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada. Conceitos básicos Angélica Toffano Seidel Calazans E-mail: angelica_toffano@yahoo.com.br Conceitos introdutórios de Modelagem de dados Dado: Um fato, alguma coisa sobre a qual uma inferência é baseada.

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Introdução a Computação

Introdução a Computação Introdução a Computação Aula 04 SGBD Sistemas Gerenciadores de Bancos de Dados Prof. MSc. Edilberto Silva edilms@yahoo.com Conceitos Básicos DADOS: são fatos em sua forma primária. Ex: nome do funcionário,

Leia mais

Ficha da Unidade Curricular (UC)

Ficha da Unidade Curricular (UC) Impressão em: 03-01-2013 16:09:44 Ficha da Unidade Curricular (UC) 1. Identificação Unidade Orgânica : Escola Superior de Tecnologia e Gestão Curso : [IS] Informática para a Saúde Tipo de Curso : UC/Módulo

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional:

Leia mais

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica

Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Processo de análise estruturada - Abordagem clássica Desenvolver modelo físico actual Modelo físico actual Modelos a desenvolver tendo em conta a abordagem clássica Desenvolver modelo lógico actual Modelo

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1.

Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia. Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística. Versao 1. Universidade Federal de Santa Maria Curso de Arquivologia Disciplina de Banco de Dados Aplicados à Arquivística Prof. Andre Zanki Cordenonsi Versao 1.0 Março de 2008 Tópicos Abordados Conceitos sobre Banco

Leia mais

Banco de Dados I Introdução

Banco de Dados I Introdução Banco de Dados I Introdução Prof. Moser Fagundes Curso Técnico em Informática (Modalidade Integrada) IFSul Campus Charqueadas Sumário da aula Avaliações Visão geral da disciplina Introdução Histórico Porque

Leia mais

Fernando Fonseca Ana Carolina

Fernando Fonseca Ana Carolina Banco de Dados Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas de BD Investigação dos Dados Modelagem dos Dados Modelagem Conceitual Projeto do Banco de Dados Fernando Fonseca Ana Carolina Implementação do Banco

Leia mais

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL

ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO BANCO DE DADOS I CONTEÚDO 5 ABORDAGEM RELACIONAL PROF. MS C. RICARDO ANTONELLO WWW.ANTONELLO.COM.B R PORQUE SER RELACIONAL? Hoje, há um claro predomínio dos SGBD relacionais, principalmente

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

1.3. SGBD Sistemas de Gestão de Base de Dados

1.3. SGBD Sistemas de Gestão de Base de Dados 1. Bases de Dados 1.1. Dados Antes de avançarmos para as bases de dados, vamos começar por analisar os dados que nelas irão ser guardados. Comecemos por observar os conceitos de dados apresentados por

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação 1 1 Bases de Dados SISTEMAs DE GESTÃO DE ANO LECTIVO 2001/2002 Sistemas de Informação 2 2 Sistemas de Informação e organizações Informação e Informação nas organizações Sistemas de Informação (SI) Planeamento

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas

Modelo Relacional. Modelo Relacional. Tabelas MODELO RELACIONAL Banco de Dados Relacional = consiste em uma coleção de tabelas ou relações, cada uma das quais com um nome único. 2 1 Tabelas Conjunto não ordenado de linhas (tuplas); Cada linha é composta

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

4.2. UML Diagramas de classes

4.2. UML Diagramas de classes Engenharia de Software 4.2. UML Diagramas de classes Nuno Miguel Gil Fonseca nuno.fonseca@estgoh.ipc.pt Um diagrama de classes serve para modelar o vocabulário de um sistema Construído e refinado ao longo

Leia mais

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1

CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof. Robson Fidalgo 1 Projeto Conceitual de BD Transformação ER/Relacional Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br CIn/UFPE Projeto Conceitual de BD - Prof.

Leia mais

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD)

Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Diagrama de entidades relacionamentos (abordado anteriormente) Prod_Forn N N 1 Stock 1 1 N Prod_Enc N 1 N 1 Fornecedor Movimento Encomenda Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) Ferramenta de modelação gráfica,

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS

LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS LINGUAGEM DE BANCO DE DADOS Gabriela Trevisan Bacharel em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande Pós-Graduanda Formação Pedagógica de Professores (FAQI) Conceito de BD Um banco de dados

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE]

Banco de Dados. Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] 1/6 Banco de Dados O que é um Banco de Dados? Uma coleção de dados relacionados [ELMASRI/NAVATHE] Conjunto de dados integrados que tem por objetivo atender a uma comunidade específica [HEUSER] Um conjunto

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

Bases de Dados. Parte I: Conceitos Básicos

Bases de Dados. Parte I: Conceitos Básicos Bases de Dados MBI/MI/LCC/LEG/LERSI/LMAT Parte I Conceitos Básicos 1 Definições Básicas Base de dados (BD): conjunto de dados que se relacionam entre si. Dados: factos conhecidos que têm algum significado

Leia mais

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.

Banco de Dados. Modelagem de Dados com MER. Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo. Banco de Dados Modelagem de Dados com MER Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015 Modelagem de Dados Modelagem de Dados tem como objetivo transformar uma

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DE UMA FROTA

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DE UMA FROTA SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA A GESTÃO DE UMA FROTA Actualmente, vivemos num mundo complexo em que as organizações são entidades nas quais a e os Sistemas de são imprescindíveis para garantir a sua sobrevivência

Leia mais

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI.

Introdução. Gerenciamento de Dados e Informação. Principais Tipos de SI. Papel de SI. Principais Tipos de SI. Principais Tipos de SI. Introdução Gerenciamento de Dados e Informação Introdução Sistema de Informação (SI) Coleção de atividades que regulam o compartilhamento e a distribuição de informações e o armazenamento de dados relevantes

Leia mais

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização

PHC ControlDoc CS. A gestão documental da empresa ou organização PHC ControlDoc CS A gestão documental da empresa ou organização O arquivo digital de todo o tipo de ficheiros (imagens, word, excel, pdf, etc.) e a possibilidade de os relacionar com os dados existentes

Leia mais

Introdução a Banco de Dados e Access

Introdução a Banco de Dados e Access Introdução a Banco de Dados e Access Edson Ifarraguirre Moreno Porto Alegre, maio de 2011 Baseado no material da professora Isabel Harb Manssour Roteiro 1. Conceitos Básicos de BD 2. Microsoft Access 3.

Leia mais