OS ÍNDICES FINANCEIROS COMO UMA FERRAMENTA DE BENCHMARKING EMPRESARIAL: O CASO DOS PRODUTORES DA CANA-DE-AÇÚCAR DO BRASIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS ÍNDICES FINANCEIROS COMO UMA FERRAMENTA DE BENCHMARKING EMPRESARIAL: O CASO DOS PRODUTORES DA CANA-DE-AÇÚCAR DO BRASIL"

Transcrição

1 OS ÍNDICES FINANCEIROS COMO UMA FERRAMENTA DE BENCHMARKING EMPRESARIAL: O CASO DOS PRODUTORES DA CANA-DE-AÇÚCAR DO BRASIL PAULO HENRIQUE DE LIMA SIQUEIRA Professor adjunto da FAMINAS FAMINAS - Faculdade de Minas Gerais Rua Dr. Brito, 173, Centro ; Viçosa- MG Telefone: (31) CPF: HÉBER SOUZA ANDRADE Graduando em Ciências Contábeis Universidade Federal de Viçosa Rua Dr. Brito, 173, Centro ; Viçosa- MG Telefone: (31) CPF: Trabalho baseado em pesquisa de Iniciação Científica Grupo: Administração Rural e Gestão do Agronegócio Apresentação: Poster

2 OS ÍNDICES FINANCEIROS COMO UMA FERRAMENTA DE BENCHMARKING EMPRESARIAL: O RESUMO CASO DOS PRODUTORES DA CANA-DE-AÇÚCAR DO BRASIL A partir da década de 90 a produção de cana-de-açúcar no Brasil vem passando por um processo de desregulamentação, o que vem obrigando os produtores a serem mais competitivos. O benchmarking é uma ferramenta bastante utilizada como um instrumento para se descobrir as melhores práticas existentes, seu funcionamento e como implantá-las dentro do contexto de cada organização. Como as técnicas de benchmarking ainda são subjetivas, torna-se necessário o desenvolvimento de técnicas que possam auxiliar na identificação de benchmarking e formulação de estratégia para melhorar o desempenho. Este artigo pretendeu fazer uma análise de benchmarking dos índices financeiros das produtoras de cana-de-açúcar, utilizando a técnica da análise envoltória de dados como uma possível ferramenta de apoio na identificação de benchmarking e indicação de possibilidades de estratégia financeira a serem adotadas pelos produtores na busca de melhor desempenho. Os resultados encontrados foram satisfatórios, possibilitando identificar o nível de desempenho de cada produtor. Também foram identificados os produtores best pratice que podem servir de benchmarking para os demais, na busca de melhor desempenho. PALAVRAS CHAVES: Benchmarking, análise envoltória de dados, índices financeiros. 1. INTRODUÇÃO A produção da cana-de-açúcar, uma das primeiras atividades de importância econômica no Brasil e a mais antiga desenvolvida no país, é basicamente destinada à indústria do açúcar e do álcool. Dentre os produtos agrícolas destinados à indústria, a cana-de-açúcar destaca-se pela tradição, relevância socioeconômica, função energética e pela distribuição geográfica por todo o país (VIEIRA, 1999). O Brasil é o maior produtor mundial de açúcar de cana, tem os menores custos de produção e apresenta os melhores índices de produtividade entre os principais produtores. O Brasil implantou, em larga escala e com tecnologia genuinamente nacional, o álcool como combustível alternativo. O setor movimenta, anualmente, algo em torno de US$ 13 bilhões, entre faturamentos diretos e indiretos, o que corresponde a 2,5% do PIB brasileiro (SINDAÇÚCAR-MG 1, 2003). Além disso, o país tem mantido a posição de maior exportador mundial de açúcar, bem acima dos outros países principais exportadores, conforme mostra a Tabela 1. Fazendo uma análise da variação percentual entre os anos de 1997 a 2001, observa-se que no Brasil, houve uma evolução de cerca de 69,57% na exportação de açúcar, enquanto na União Européia, segundo maior exportador, uma queda de 14,19% neste mesmo período. Novas técnicas agrícolas superaram pontos críticos para o desenvolvimento dos canaviais no cerrado brasileiro, reduzindo custos, aumentando a produtividade e possibilitando a ocupação de 90 milhões de hectares de cerrado disponíveis, com a ramificação da cultura no noroeste de São Paulo, norte do Paraná, Triângulo Mineiro, sul do Maranhão, oeste da Bahia, Mato Grosso do Sul, Goiás e Tocantins (Carvalho citado por PINAZZA & ALIMANDRO, 2003). TABELA 1: Maiores exportadores mundiais de açúcar em toneladas, de 1997 a Sindicato dos Produtores de Açúcar do Estado de Minas Gerais.

3 Países Brasil União Européia Austrália Tailândia Guatemala FONTE: ISO 2, extraído da UNICA 3. A produção de cana-de-açúcar no Brasil foi durante muitos anos alicerçada por políticas públicas regulatórias. Na década de 1930, a economia brasileira sofreu uma intensa intervenção do Estado, que visava, principalmente, manter o preço do café e estimular a industrialização interna. Na agroindústria canavieira, o processo de intervenção foi institucionalizado de forma gradual e a pedido dos próprios produtores. A intervenção nesse período foi muito mais forte do que a verificada em qualquer período anterior (SHIKIDA, 1992). Em 1933, surgiu o IAA 4, que visava o fomento e o controle da produção de açúcar e do álcool em todo o território nacional (LAGES, 1993). Na segunda metade dos anos 40, destacou-se uma grande expansão do número de usinas, devido, principalmente, ao estabelecimento de um grupo empresarial fabricante de carregadeiras de cana, moendas e caldeiras. A expansão do complexo ganhou impulso na década de 60, quando do programa de erradicação dos cafezais das terras paulistas, construindo-se novas usinas. Contudo, isso apenas veio intensificar uma situação que já se fazia antever desde o final dos anos cinqüenta: excesso de produção de açúcar no mercado interno, amenizado, em parte, pelo crescimento das exportações (BELIK et. al., 1998). Em 1975, com as crises do petróleo na década de 70 e a queda de preço do açúcar, o Governo Federal instituiu o PROÁLCOOL, Programa Nacional do Álcool, que passou por três fases evolutivas: de expansão moderada, entre 1975 e 1979, com a produção alcooleira baseando-se em regiões tradicionais da agroindústria canavieira; de expansão acelerada, entre 1980 e 1985, registrando-se expansão dessa produção em regiões consideradas sem tradição nesse setor e de desaceleração e crise, entre 1986 e 1995, ocorridas devido à queda do preço internacional do petróleo, da crise das contas governamentais e da inflação fortemente ascendente. Estas crises, somadas com a desativação do IAA em 1990, contribuíram para avultar as diferenças de produtividade existentes na agroindústria canavieira. Nessa época, empresas menos preparadas em termos de capacitação tecnológica encerraram suas atividades ou foram incorporadas pelas mais dinâmicas (SHIKIDA & BACHA, 1998). O processo de abertura do setor continuava nos anos seguintes com a liberação gradativa dos preços dos produtos. O primeiro a ser liberado foi o preço do açúcar (1990), seguido pelo do álcool anidro (1997), pela cana (1998) e, depois, pelo álcool hidratado (1999). Conseqüentemente, surgiu um novo processo de delineamento das atividades do setor sucroalcooleiro, sendo que o planejamento e as atividades de produção e comercialização deixaram de ser orientados pelo governo e passaram a fazer parte da administração privada (MARJOTTA-MAISTRO, 2002). Diante destes fatos, observa-se a importância de se desenvolver estudos que possam auxiliar os produtores menos eficientes a se tornarem tão ou mais eficientes quanto aos melhores produtores do setor. O benchmarking pode ser uma ferramenta bastante útil para este fim, pois proporciona às empresas a busca das melhores práticas existentes, seu 2 International Sugar Organization. 3 União da Agroindústria Canavieira de São Paulo. 4 Instituto do Açúcar e do Álcool

4 funcionamento, e o estudo de como implantá-las dentro do contexto da organização, melhorando seu desempenho. Termo bastante utilizado na agrimensura para definir um ponto de referência para comparações de elevação e direção, o benchmarking é um processo de busca consistente de novas idéias para métodos, práticas e processos e de adoção ou adaptação destas idéias para que a empresa alcance desempenho superior (CAMP, 1998). O benchmarking pode enfocar diferentes funções ou processos. O benchmarking interno é a análise das práticas em diferentes divisões da empresa, eliminando práticas desnecessárias que não adicionam valores e fortalecendo aquelas práticas críticas, fornecendo a estrutura para se comparar as práticas internas existentes com os dados do benchmarking externo. O benchmarking competitivo visa identificar o desempenho dos concorrentes diretos, ajudando a priorizar áreas de melhorias. O benchmarking setorial analisa as tendências do setor que pode ajudar nas linhas de base de desempenho, mas raramente levará a grandes mudanças ou evoluções de desempenho. O benchmarking das empresas líderes examina múltiplos setores, em busca de práticas inovadoras, com perspectivas amplas no desempenho, conforme áreas críticas que indiquem oportunidades de melhorias (LEIBFRIED E NACNAIR 1994). De acordo com TUPY e YAMAGUCHI (2002), dada a relevância da análise de benchmarking, torna-se necessário utilizar meios objetivos de análise que possa subsidiar na tomada de decisão. Este artigo pretendeu fazer uma análise de benchmarking dos índices financeiros dos produtores de cana-de-açúcar do Brasil, utilizando a técnica da análise envoltória de dados como uma possível ferramenta de apoio na identificação de benchmarking e indicação de possibilidades de estratégia financeira a serem adotadas pelos produtores no processo da busca de melhor desempenho. 2. REFERENCIAL TEÓRICO A análise de índices das demonstrações financeiras de uma empresa interessa a acionistas existentes e potenciais, credores e à própria administração da empresa (GITMAN, 1987). Os índices financeiros podem ser analisados de duas maneiras: série temporal, que mede o desempenho da empresa ao longo do tempo; e comparativamente, medindo o desempenho de uma determinada empresa em relação à concorrência. O desempenho da empresa pode ser comparado à principal empresa do setor, possibilitando que ela descubra diferenças operacionais cruciais que, se alteradas, aumentarão sua eficiência. Outro tipo de comparação é feito entre os índices da empresa e os índices médios do setor industrial (GITMAN, 1987). Neste estudo foram utilizados quatro índices financeiros: índice de participação de terceiros, margem líquida, retorno sobre o patrimônio líquido e giro do ativo total. O índice de participação de terceiros determina a porção de ativos totais fornecidos pelos credores da empresa. Quanto maior for este índice, maior o montante de dinheiro de terceiros empregado para gerar lucros, ou seja, maior será a alavancagem financeira (AF). Ele é calculado pela divisão entre o passivo circulante mais o exigível a longo prazo sobre o ativo total: PC + ELP AF = AT A margem líquida (ML) determina a porcentagem de cada valor monetário de venda que restou após a dedução de todas as despesas, inclusive do imposto de renda. O retorno

5 sobre o patrimônio líquido (RPL) mostra o retorno ganho sobre o investimento dos proprietários (tanto acionistas preferenciais quanto comuns). Quanto maior estes dois índices, melhor para empresas, pois todos eles são índices de lucratividade, muito observados pelos credores, acionistas e administradores, e para a empresa continuar existindo, é necessário que ela seja lucrativa. A ML é calculada pela divisão do lucro líquido sobre as vendas e o RPL pela divisão do lucro líquido sobre o patrimônio líquido. ML = LL Vendas RPL = O giro do ativo total (GT) indica a eficiência com que a empresa é capaz de usar seus ativos para gerar vendas e é calculado pela divisão das vendas sobre o ativo total. Quanto maior o giro do ativo total, tanto mais eficientemente seus ativos foram usados. LL PL GT = Vendas AT Considerando-se estes quatro índices, pode-se dizer que a empresa mais eficiente é aquela que utiliza a menor quantidade de capital de terceiros para alcançar maior lucratividade e eficiência. Neste caso, o capital de terceiros representa uma espécie de entrada (input) necessário para se alcançar uma lucratividade e eficiência (output). O índice de utilização de capital de terceiros, que representa a alavancagem financeiras (AF) será o input, enquanto a margem líquida (ML), o retorno sobre o patrimônio líquido (RPL), e o giro do ativo total (GT) serão os outputs. 3. METODOLOGIA Para a concretização desta análise, utilizará a abordagem não-paramétrica de análise envoltória de dados ou Data Envelopment Analysis (DEA) como modelo analítico. A análise envoltória de dados é uma técnica não-paramétrica que se baseia na programação matemática, especificamente na programação linear, para estimar de forma empírica uma função de produção e analisar a eficiência relativa de Unidades de Tomada de Decisão ou Decision Making Units (DMUs 5 ), analisar os retornos à escala dessas DMUs, assim como identificar aquelas que poderão servir de benchmark para as ineficientes, de modo que estes possam melhorar suas performances. Segundo CHARNES et al. (1994), para estimar e analisar a eficiência relativa das DMUs, a DEA utiliza a definição de ótimo de Pareto, segundo o qual nenhum produto pode ter sua produção aumentada sem que sejam aumentados os seus insumos ou diminuída a produção de outro produto, e em um enfoque alternativo, quando nenhum insumo pode ser diminuído sem que se tenha que reduzir a produção de algum produto. A eficiência é analisada entre as unidades, relativamente. O modelo DEA com orientação-produto 6 procura maximizar o aumento proporcional nos níveis de produto, mantendo fixa a quantidade de insumos e, de acordo com Charnes et al. (1994) e Lins e Meza (2000), pode ser representado, algebricamente, por: Max φ,λ,s +,S - φ s.a φyi - Yλ + S + = 0, (1) 5 DMUs (Decision Making Units) é um termo utilizado na técnica DEA para referenciar unidades homogêneas que utilizam insumos semelhantes para produzir produtos semelhantes e têm autonomia para tomar decisões.

6 - xi + Xλ + S - = 0, - λ 0, - S + 0, - S - 0. em que: - y i é um vetor (m x 1) de quantidades de produto da i-ésima DMU; - x i é um vetor (k x 1) de quantidades de insumo da i-ésima DMU; - Y é uma matriz (n x m) de produtos das n DMUs; - X é uma matriz (n x k) de insumos das n DMUs; - λ é um vetor (n x 1) de pesos; + - S é um vetor de folgas relativo aos produtos; - - S é um vetor de folgas relativos aos insumos e - φ é uma escalar que tem valores iguais ou maiores do que 1. O coeficiente φ indica o escore de eficiência das DMUs, em que um valor igual a um indica eficiência técnica relativa da i-ésima DMU, em relação às demais, e um valor maior do que um evidencia a presença de ineficiência técnica relativa. O (φ -1) indica o aumento proporcional nos produtos que a i-ésima DMU pode alcançar, mantendo constante a quantidade de insumo. O problema apresentado em (1) é resolvido n vezes - uma vez para cada DMU, e, como resultado, apresenta os valores de φ e λ, sendo φ o escore de eficiência da DMU sob análise e λ fornece os peers (as DMUs eficientes que servem de referência ou Benchmarking para a i-ésima DMU ineficiente). Com vistas a incorporar a possibilidade de retornos variáveis à escala, BANKER et al. (1984) propuseram o modelo BCC ( Banker, Charnes e Cooper) da análise envoltória de dados, introduzindo uma restrição de convexidade no modelo CCR ( Charnes, Cooper e Rhodes), apresentado sob a forma de um problema de programação linear (PPL(1)). O modelo BCC, apresentado no PPL (2), é menos restritivo 7 do que o modelo CCR e permite, de acordo com Banker e Thrall (1992), decompor a eficiência técnica em eficiência de escala e pura eficiência técnica (ver equação 3). Para analisar a eficiência de escala, torna-se necessário estimar a eficiência das DMUs, utilizando-se tanto o modelo CCR (1) como o BCC (2). A ineficiência de escala é evidenciada quando existem diferenças no escore desses dois modelos. A figura 1 representa os modelos CCR e BCC para uma fronteira bidimensional. E E E E Nesta figura, a eficiência da DMU E é dada por para o modelo BCC, e por E E E E no modelo CCR, ambos para orientação inputs. 6 Modelo DEA com orientação-produto sob a pressuposição de retornos variáveis à escala. 7 Porque permite menor discriminação das diferenças entre as DMUs.

7 O modelo BCC, que pressupõe retornos variáveis à escala, pode ser representado pela seguinte notação algébrica: em que: Max φ,λ,s +,S - s.a φ φyi - Yλ + S + = 0, (2) - xi + X λ + S - = 0, N1 λ = 1 - λ 0, + - S 0, - - S 0 - N1 é um vetor (nx1) de números uns. As demais variáveis foram anteriormente descritas. Mesmo que seja evidenciada a existência de ineficiência de escala, ainda não se sabe qual a natureza dessa ineficiência, isto é, se ela se deve a retornos crescentes ou a retornos decrescentes à escala. Para que seja contornada esta situação, torna-se necessário estimar a eficiência das DMUs utilizando-se uma restrição que pressupõe a existência de retornos não crescentes à escala, o que resulta na substituição da restrição N1 λ = 1 pela restrição N1 λ 1, no modelo apresentado no PPL (2). A natureza dos retornos à escala é analisada quando se comparam os resultados dos modelos CCR, BCC e o BCC com retornos não-crescentes. Se o coeficiente de eficiência do modelo CCR for igual ao do modelo BCC, haverá eficiência de escala; caso contrário, analisando-se os coeficientes de eficiência do modelo BCC com retornos não-crescentes e o modelo CCR, se forem iguais, haverá ineficiência de escala, que será devida à presença de retornos crescentes à escala. Caso contrário, isto é, se o coeficiente do modelo BCC com retornos não-crescentes for maior do que o do modelo CCR, a ineficiência será devida à presença de retornos decrescentes à escala. Dessa forma, de acordo com BANKER (1984), é possível determinar a escala ótima de cada unidade de produção. A eficiência técnica é definida por: Eficiên cia técnica = Eficiência de escala x Pura eficiência técnica. (3) Embora o método DEA seja relativamente recente, tem tido um rápido desenvolvimento. Assim atualmente conta com uma ampla base teórica e variedade de aplicações práticas Dados utilizados e procedimentos

8 Para que se utilizasse esse modelo analítico da análise envoltória dos dados, utilizouse somente os dados das empresas que apresentaram índices positivos. Eles são referentes a uma amostra de 8 produtores de cana-de-açúcar, obtidos na publicação do INVESTNEWS, Na estimação dos escores de eficiência foram calculados 8 PPLs apresentado em (1) e em (2), e sob as pressuposições de retornos crescentes à escala. Na resolução dos PPLs foram utilizados os recursos do programa do DEAP. 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO Os principais resultados da análise para os produtores de cana-de-açúcar encontramse apresentados na Tabela 2. Como pode-se verificar, existe diferenças na performance das empresas. Considerando a média dos escores, verifica-se que sob pressuposição de retornos variáveis, a média dos escores é de 0,975, enquanto sob retornos constantes a média foi de 0,371. Apenas a Agro Pecuária Nova Louzã S/A e a J O Agropecuária S/A aparecem como eficientes sob pressuposição de retornos constantes. Como os modelos utilizados têm pressuposição de orientação produto, cujos valores de eficiência variam de 1 até mais infinito, optou-se por apresentar os escores na forma inversa (1/φ), isto é, valores iguais a 1 indicam melhor performance e quanto mais próximo de 0 maior o grau de ineficiência, tornando mais fácil visualizar e interpretar os resultados. TABELA 2: Escores de eficiência e retornos à escala dos produtores de cana-de-açúcar Empresa CCR BCC P1 - Agro Pecuária Campo Alto S/A 0,134 0,844 P2 - Agro Pecuária Furlan S/A P3 - Agro Pecuária Nova Louzã S/A P4 - Agropecuária Aquidaban S/A P5 - Cia Agrícola Debelma P6 - Cia Agrícola Pastoril Campanário P7 - Cia Agrícola São Jerônimo P8 - J O Agropecuária S/A 0,198 0,057 0,240 0,116 0,222 0,955 BCC ñ c rescente 0,159 0,198 0,057 0,240 0,122 0,222 Média 0,371 0,975 0,375 Fonte: Dados da pesquisa Retornos à escala Decrescente Decrescente Constante D ecrescente Decrescente Decrescente Crescente Constante Obs: CCR refere-se ao modelo de retornos constantes, apresentado na equação (1); O BCC refere-se ao modelo com pressuposição de retornos variáveis, apresentado na equação (2) e o BCC não crescente refere-se à modificação da equação (2) para incorporar retornos não crescentes. Com vistas em analisar a natureza dos retornos à escala, o modelo de envoltória, apresentado no Problema de Programação Linear (1), foi modificado para possibilitar a identificação da natureza dos retornos à escala das unidades de produção. Especificamente, foi acrescentada no modelo uma restrição de convexidade, conforme modelo BCC, apresentado no Problema de Programação Linear (2). Os modelos de envoltória com

9 orientação-produto, retornos variáveis e retornos não-crescentes visaram identificar a natureza dos retornos à escala, cujos resultados estão apresentados na Tabela 2. Como se pode verificar a maioria dos produtores não estava operando em escala ótima 8, apresentando, predominantemente, retornos decrescentes à escala, o que é um indicativo de que diminuindo o tamanho dessas empresas, ou seja, o nível do empréstimo adquirido no mercado, pode-se notar uma melhora na performance das mesmas. As empresas que são ineficientes podem melhorar suas performances, adequando o seu tamanho e copiar a estratégia da empresa benchmarking. Na Tabela 3 encontram-se listados os produtores cana-de-açúcar que servem de benchmarking para os demais. Nota-se que os produtores Agro Pecuário Furlan S/A e Agropecuária Aquidaban são os que mais servem de benchmarking para as demais. Estes resultados indicam que estas empresas apresentam bom desempenho e cuja estratégia e estrutura deveriam ser copiadas pelas empresas ineficientes, no sentido destas melhorarem suas performances financeiras. TABELA 3: Empresas que servem de benchmarking para os produtores de cana-de-açúcar Empresa Benchmarking Nº de vezes P1 - Agro Pecuária Campo Alto S/A P2 (0,948); P4 (0,052) 0 P2 - Agro Pecuária Furlan S/A P3 - Agro Pecuária Nova Louzã S/A P4 - Agropecuária Aquidaban S/A P5 - Cia Agrícola Debelma P6 - Cia Agrícola Pastoril Campanário P7 - Cia Agrícola São Jerônimo P8 - J O Agropecuária S/A Fonte: Dados da pesquisa P3 (0,015); P2 (0,852); P4 (0,132) Caso operem de forma eficiente, as empresas deveriam apresentar índices de lucratividade e eficiência elevados. Na Tabela 4 tem-se um resumo dos valores observados e das metas do giro do ativo total (GT), da margem líquida (ML) e do retorno sobre o patrimônio líquido (RPL), desses produtores. Verifica-se que os produtores ineficientes, destacadas em negrito, poderiam aumentar seu giro do ativo total, sua margem líquida e seu retorno sobre o patrimônio líquido caso operassem de forma eficiente como os produtores benchmarking. TABELA 4: Valores observados e metas dos índices de lucratividade e eficiência 8 O conceito de escala ótima refere-se à definição de BANKER (1984) Most productive scale size. É um conceito estritamente quantitativo e está relacionado com a presença de retornos constantes à escala.

10 VALORES OBSERVADOS METAS DOS ÍNDICES Empresa ML RPL GT ML RPL GT P1 - Agro Pecuária Campo Alto S/A ,69 9,23 49,78 P2 - Agro Pecuária Furlan S/A P3 - Agro Pecuária Nova Louzã S/A P4 - Agropecuária Aquidaban S/A P5 - Cia Agrícola Debelma P6 - Cia Agrícola Pastoril Campanário ,842 12,703 50,246 P7 - Cia Agrícola São Jerônimo P8 - J O Agropecuária S/A Fonte: Dados da pesquisa 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS O processo de globalização intensificou a necessidade de informações precisas e em tempo hábil pelas empresas para a tomada de decisão e formulação de estratégias. As constantes transformações econômicas dos últimos anos vêm estimulando as empresas a adotarem as melhores práticas gerenciais e produtivas existentes visando se tornarem mais competitivas. O benchmarking vem sendo bastante utilizado como um instrumento para se descobrir as melhores práticas existentes, seu funcionamento e como implantá-las dentro do contexto de cada organização. Embora seja reconhecida a importância de análise de benchmarking, as técnicas então utilizadas são subjetivas e limitadas. Neste contexto torna-se necessário a utilização de técnicas que possam auxiliar na identificação de benchmarking e formulação de estratégia para melhorar o desempenho e permanecer competindo no ambiente global. Este artigo pretendeu fazer uma análise de benchmarking dos índices financeiros dos produtores de cana-de-açúcar, utilizando a técnica da análise envoltória de dados como uma possível ferramenta de apoio na identificação de benchmarking e indicação de possibilidades de estratégia financeira a serem adotadas pelos produtores no processo da busca de melhor desempenho. Utilizou-se dados coletados no Investnews, referentes a uma amostra de 8 empresas produtoras de cana-de-açúcar ano de Os resultados encontrados foram satisfatórios, possibilitando identificar o nível de desempenho de cada produtor e a natureza dos retornos à escala. Também foram identificados os produtores best pratice que podem servir de benchmarking para as demais, na busca de melhor desempenho. Com as análises verificou-se que existe uma diferença de performance entre os produtores. A maioria deles está trabalhando com retornos decrescente à escala, podendo diminuir seu tamanho para atingirem escala ótima. Alguns produtores ineficientes poderiam aumentar seu giro do ativo total, sua margem líquida e seu retorno sobre o patrimônio líquido caso operassem de forma eficiente como os produtores benchmarking. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

11 BANKER, R.D. Estimating most productive scale size using DEA. European Journal of Operational Research, v. 17, p , BANKER, R.D., THRALL, R.M.. Estimation of returns to scale using DEA. European Journal of Operational Research, v. 62, n. 1, p , BANKER, R.D., CHARNES, A., COOPER, W.W. Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, v. 30, n. 9, p , BELIK, W, RAMOS, P. VIAN, C.E.F. Mudanças Institucionais e seus Impactos nas Estratégias dos Capitais do Complexo Agroindutrial Canavieiro no Centro-Sul do Brasil. Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural, 36, Poços de Caldas. Anais. Brasília: SOBER, 1998, p CAMP, R.C. Benchmarking: O caminho da qualidade total. 3ª ed. São Paulo: Pioneira, 250 p, CHARNES, A., COOPER, W.W., RHODES, E. Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, v. 2, p , CHARNES, A., COOPER, W.W., LEWIN, A.Y., SEIFORD, L.M. Data envelopment analysis: theory, methodology, and application. Dordrecht: Kluwer Academic, COELLI, T.J., RAO, P., BATTESE, G.E. An introduction to efficiency and productivity analysis. Dordrecht: Kluwer Academic, ESTELLITA LINS, M.P., MEZA, L.A. Análise envoltória de dados e perspectivas de integração no ambiente de apoio à tomada de decisão. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, GITMAN, Lawrence J. Princípios de Administração Financeira Essencial Porto Alegre: Bookman, LAGES, André Maia Gomes. A Diferenciação Tecnológica na Indústria Sucro-Alcooleira do Brasil Dissertação (Mestrado pela CME/PIMES/UFPE) - Universidade Federal de Pernambuco. Pernambuco: UFPE, p. LEIBFRIED, K.H. McNAIR, C. J. Benchmarking: Uma Ferramenta para a Melhoria Contínua. Rio de Janeiro: Campus, 312 p, MARJOTTA-MAISTRO, Marta Cristina. Ajustes nos Mercados de Álcool e Gasolina no Processo de Desregulamentação Tese (Mestrado - ESALQ/USP) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz / Universidade de São Paulo. Piracicaba: ESALQ/USP, 2002, 180p. PINAZZA, Luiz Antônio. ALIMANDRO, Regis. Iniciativa Arrojada. Revista Agroanalysis. Instituto Brasileiro de Economia. Vol. 23, nº 2, Abril de 2003, p.3-6.

12 SHIKIDA, Pery Francisco. A Evolução da Agroindústria Canavieira em Minas Gerais de 1705 a Tese (Mestrado - ESALQ/USP) Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz / Universidade de São Paulo. Piracicaba: ESALQ/USP, 1992, 154p. SHIKIDA, Pery Francisco. Modernização da Agroindústria Canavieira no Brasil e as Estratégias Tecnológicas das Firmas. Revista Brasileira de Economia. v. 53, n. 1, Jan./Mar. 1998, p SINDAÇÚCAR-MG. Realidade e Perspectivas do Setor Sucroalcooleiro de Minas Com Foco no Desenvolvimento Social e Econômico. [S.I.: s.n.,] 200_. 20p. TUPY, O. YAMAGUCHI, L. C.T. Identificando Benchmarkings na Produção de Leite. Revista de Economia e Sociologia Rural. Vol. 40, nº 1, Jan. / Mar p , VIEIRA, Rita Joana. Restruturação do PROÁLCOOL e Continuidade da Produção de Álcool Combustível no Brasil. Tese (Mestrado em Economia Rural) - Universidade Federal de Viçosa. Viçosa: UFV, 1999, 134p.

Os Índices Financeiros como uma Ferramenta de Benchmarking Empresarial: uma aplicação da Análise Envoltória de Dados (DEA)

Os Índices Financeiros como uma Ferramenta de Benchmarking Empresarial: uma aplicação da Análise Envoltória de Dados (DEA) Os Índices Financeiros como uma Ferramenta de Benchmarking Empresarial: uma aplicação da Análise Envoltória de Dados (DEA) RESUMO Autoria: Héber Souza Andrade, Suely de Fátima Ramos Silveira, Bruno Tavares

Leia mais

O Hiato da Produção Agrícola em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal no Período de 1961 a 2000 Antonio José Medina dos Santos Baptista 1

O Hiato da Produção Agrícola em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal no Período de 1961 a 2000 Antonio José Medina dos Santos Baptista 1 O Hiato da Produção Agrícola em Angola, Brasil, Moçambique e Portugal no Período de 1961 a 2000 Antonio José Medina dos Santos Baptista 1 Resumo Neste estudo pretendeu-se estimar um indicador do hiato

Leia mais

Análise dos índices financeiros das usinas de açúcar e álcool brasileiras: análise de benchmarking utilizando análise envoltória de dados

Análise dos índices financeiros das usinas de açúcar e álcool brasileiras: análise de benchmarking utilizando análise envoltória de dados ANÁLISE DOS ÍNDICES FINANCEIROS DAS USINAS DE AÇÚCAR E ÁLCOOL BRASILEIRAS: ANÁLISE DE BENCHMARKING UTILIZANDO ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS PAULO HENRIQUE DE LIMA SIQUEIRA. FACULDADES INTEGRADAS CATAGUASES,

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Mestrado Profissional em Produção. MB-746 Otimização. DEA Data Envelopment Analysis

Instituto Tecnológico de Aeronáutica Mestrado Profissional em Produção. MB-746 Otimização. DEA Data Envelopment Analysis MB-746 Otimização DEA Data Envelopment Analysis Data Envelopment Analysis (DEA) is a nonparametric method for the empirical measurement of productive efficiency of decision making units (DMUs) 1957 - Farrell:

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

Número de beneficiários por modalidade e ano

Número de beneficiários por modalidade e ano GT Novo Modelo de Reajuste ANÁLISE DA EFICIÊNCIA TÉCNICA DAS OPERADORAS DE PLANOS DE SAÚDE COM A UTILIZAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS Paula de Almeida Hashimoto Novo Modelo de Reajuste Proposta da

Leia mais

clientes. Para isso é necessário a utilização de ferramenta que mensure a eficiência de forma confiável e precisa. O modelo DEA é uma técnica de

clientes. Para isso é necessário a utilização de ferramenta que mensure a eficiência de forma confiável e precisa. O modelo DEA é uma técnica de Análise do desempenho dos planos de saúde da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil (CASSI) por meio do Modelo de Análise Envoltória de Dados (DEA) Idalberto José das Neves Júnior Universidade

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 24 e 25 de outubro de 2013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO PARCERIAS INTERORGANIZACIONAIS: ESFORÇO INOVADOR NO SETOR DE AÇÚCAR E ÁLCOOL JEFFERSON SILVA DE PÁDUA

Leia mais

Eficiência de uma rede de agências bancárias utilizando O modelo Data Envelopment Analysis DEA

Eficiência de uma rede de agências bancárias utilizando O modelo Data Envelopment Analysis DEA Universidade Federal de Santa Catarina www.producaoonline.inf.br ISSN 1676-1901 / Vol. 2/ Num. 2/ Outubro de 2002 Eficiência de uma rede de agências bancárias utilizando O modelo Data Envelopment Analysis

Leia mais

Avaliação de desempenho de instituições federais de ensino superior através da análise por envoltória de dados (DEA)

Avaliação de desempenho de instituições federais de ensino superior através da análise por envoltória de dados (DEA) Avaliação de desempenho de instituições federais de ensino superior através da análise por envoltória de dados (DEA) Carlos Eduardo Martins de Oliveira (UNIFEI) caedunifei@gmail.com João Batista Turrioni,

Leia mais

DESEMPENHO SETORIAL DA ECONOMIA FLUMINENSE: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS

DESEMPENHO SETORIAL DA ECONOMIA FLUMINENSE: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS DESEMPENHO SETORIAL DA ECONOMIA FLUMINENSE: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS RICARDO CANDÉA SÁ BARRETO (1) ; JOÃO BENIGNO DE MESQUITA FILHO (2). 1.UFV, VIÇOSA, MG, BRASIL; 2.UFC, FORTALEZA,

Leia mais

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Administração Financeira Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Administração Financeira Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa Lato Sensu em Administração Financeira Trabalho de Conclusão de Curso AVALIAÇÃO DA FRONTEIRA DE EFICIÊNCIA DE EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL NO DISTRITO FEDERAL ATRAVÉS

Leia mais

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar

Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Ordenamento Territorial para Expansão da Cana-de-açúcar no Brasil Zoneamento Agroecológico da Cana-de-açúcar Simpósio Internacional e Mostra de Tecnologia da Agroindústria sucroalcooleira SIMTEC 01 de

Leia mais

A ineficiência custo da produção de leite no Brasil

A ineficiência custo da produção de leite no Brasil A ineficiência custo da produção de leite no Brasil Oscar Tupy (CPF: 115.299.895-15) Pesquisador da Embrapa Pecuária Sudeste Rod. Washington Luis, km 234, CP. 339, CEP: 13560-970, São Carlos, SP. E-mail:

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

SISTEMA PRÓ-INOVA MOVELEIRO

SISTEMA PRÓ-INOVA MOVELEIRO SISTEMA PRÓ-INOVA MOVELEIRO MANUAL DO USUÁRIO Bento Gonçalves, abril 2012. 1. PESQUISA PRODUTIVIDADE E EFICIÊNCIA TÉCNICA COMPARATIVA RIO GRANDE DO SUL E BRASIL Caro Sr(a)., O Centro Gestor de Inovação

Leia mais

FERRAMENTA PARA CALCULAR A EFICIÊNCIA: UM PROCEDIMENTO PARA ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO

FERRAMENTA PARA CALCULAR A EFICIÊNCIA: UM PROCEDIMENTO PARA ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO Anais do XXXIV COBENGE. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo, Setembro de 2006. ISBN 85-7515-371-4 FERRAMENTA PARA CALCULAR A EFICIÊNCIA: UM PROCEDIMENTO PARA ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO Mariana R.

Leia mais

APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DEA) COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL PARA EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO

APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DEA) COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL PARA EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS (DEA) COMO FERRAMENTA DE GESTÃO DE DESEMPENHO ORGANIZACIONAL PARA EMPRESAS DO AGRONEGÓCIO Jorge Ribeiro de Toledo

Leia mais

ALOCAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÀS UNIDADES DA EMBRAPA COM MODELOS DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM GANHOS DE SOMA ZERO

ALOCAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÀS UNIDADES DA EMBRAPA COM MODELOS DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM GANHOS DE SOMA ZERO ALOCAÇÃO DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ÀS UNIDADES DA EMBRAPA COM MODELOS DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS COM GANHOS DE SOMA ZERO Eliane Gonçalves Gomes 1 Geraldo da Silva e Souza 1 Suzana Maria Valle

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS MPES DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO E GÁS DO RN VIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS (DEA)

PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS MPES DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO E GÁS DO RN VIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS (DEA) PROPOSTA DE AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS DE GESTÃO AMBIENTAL NAS MPES DA CADEIA PRODUTIVA DO PETRÓLEO E GÁS DO RN VIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS (DEA) Paulo Ricardo Cosme Bezerra 1 1 Universidade Federal do Rio

Leia mais

Aplicação do método DEA na análise do desempenho do mercado imobiliário: Um estudo de caso dos aluguéis médios da Barra da Tijuca e Adjacências

Aplicação do método DEA na análise do desempenho do mercado imobiliário: Um estudo de caso dos aluguéis médios da Barra da Tijuca e Adjacências Powered by TCPDF (www.tcpdf.org) Aplicação do método DEA na análise do desempenho do mercado imobiliário: Um estudo de caso dos aluguéis médios da Barra da Tijuca e Adjacências Débora Vides dos Santos

Leia mais

ESTUDO DE PERFORMANCE: INDICADORES GERENCIAIS

ESTUDO DE PERFORMANCE: INDICADORES GERENCIAIS ESTUDO DE PERFORMANCE: INDICADORES GERENCIAIS Hamilton Bezerra Fraga da Silva Fund. João Goulart Instituto de Estudos de Administração Pública da Cidade do Rio de Janeiro; Rua Gal. Barbosa Lima 57/ 401,

Leia mais

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool

Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Aplicação do algoritmo genético na otimização da produção em indústrias de açúcar e álcool Lucélia Costa Oliveira¹; Mário Luiz Viana Alvarenga² ¹ Aluna do curso de Engenharia de Produção e bolsista do

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008

Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 Mudanças na composição agropecuária e florestal paulista - 1999 e 2008 José Alberto Ângelo Danton Leonel de Camargo Bini Denise Viane Caser Paulo José Coelho Carlos Nabil Ghobril alberto@iea.sp.gov.br

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

NÍVEIS DE EFICIÊNCIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE

NÍVEIS DE EFICIÊNCIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE NÍVEIS DE EFICIÊNCIA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE PÚBLICA NA REGIÃO NORTE Rubicleis Gomes da Silva 1 Marcelo Barbosa Vidal 2 Resumo A questão da saúde é fundamental para o desenvolvimento social de um país, uma

Leia mais

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007

A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 344 A EVOLUÇÃO DA CULTURA DO CAFÉ E DA CANA-DE-AÇUCAR NO MUNICIPIO DE FRANCA: UM ESTUDO NOS ANOS DE 1990 A 2007 Jordanio Batista Maia da Silva (Uni-FACEF) Hélio Braga Filho (Uni-FACEF) 1 INTRODUÇÃO Vivemos

Leia mais

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético

Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético 23 de julho de 2015 Situação atual e perspectivas para o setor sucroenergético Antonio de Padua Rodrigues Diretor técnico ROTEIRO I. Perspectivas para a safra 2015/2016 II. Mercados de açúcar e de etanol

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE BENCHMARKS PARA A AVALIAÇÃO DE EFICIÊNCIA EM ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS

IDENTIFICAÇÃO DE BENCHMARKS PARA A AVALIAÇÃO DE EFICIÊNCIA EM ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS IDENTIFICAÇÃO DE BENCHMARKS PARA A AVALIAÇÃO DE EFICIÊNCIA EM ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS AUTORES INSTITUIÇÕES Hamilton Bezerra Fraga da Silva Professor na Universidade Gama Filho Luis Perez Zotes

Leia mais

OBTENÇÃO DE ÍNDICES DE EFICIÊNCIA PARA A METO- DOLOGIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS UTILIZANDO A PLANILHA ELETRÔNICA MICROSOFT EXCEL

OBTENÇÃO DE ÍNDICES DE EFICIÊNCIA PARA A METO- DOLOGIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS UTILIZANDO A PLANILHA ELETRÔNICA MICROSOFT EXCEL FERNANDO ALESSI, PEDRO JÚNIOR KOKOT E JÚLIO GOMES OBTENÇÃO DE ÍNDICES DE EFICIÊNCIA PARA A METO- DOLOGIA DATA ENVELOPMENT ANALYSIS UTILIZANDO A PLANILHA ELETRÔNICA MICROSOFT EXCEL GIANCARLO DE FRANÇA AGUIAR

Leia mais

Aplicação da análise envoltória de dados DEA em cooperativas de crédito rural

Aplicação da análise envoltória de dados DEA em cooperativas de crédito rural Aplicação da análise envoltória de dados DEA em cooperativas de crédito rural Dirley Lemos Vilela (USP - EESC) dlvilela@yahoo.com Marcelo Seido Nagano (USP EESC) drnagano@usp.br Resumo Dadas as suas características

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

Uma introdução aos modelos DEA de eficiência técnica

Uma introdução aos modelos DEA de eficiência técnica Uma introdução aos modelos DEA de eficiência técnica Paulo Cesar Tavares Souza (Mestre) Curso de Matemática Universidade Tuiuti do Paraná Volmir Eugênio Wilhelm (Doutor) Curso de Engenharia de Produção

Leia mais

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros

Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Implementação rápida do modelo Balanced Scorecard (BSC) nas empresas de seguros Uma evolução nos sistemas de controle gerencial e de planejamento estratégico Francisco Galiza Roteiro Básico 1 SUMÁRIO:

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

ANALISE DA EFICIÊNCIA SOB RETORNOS VARIÁVEIS DE ESCALA: UM ESTUDO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO

ANALISE DA EFICIÊNCIA SOB RETORNOS VARIÁVEIS DE ESCALA: UM ESTUDO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO ANALISE DA EFICIÊNCIA SOB RETORNOS VARIÁVEIS DE ESCALA: UM ESTUDO DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR PRIVADO Juliana Benicio, João Carlos Soares de Mello e Lidia Angulo Meza RESUMO: O principal objetivo

Leia mais

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo"

III Simpósio sobre Gestão Empresarial e Sustentabilidade (SimpGES) Produtos eco-inovadores: produção e consumo 4 e 5 de outubro de 013 Campo Grande-MS Universidade Federal do Mato Grosso do Sul RESUMO EXPANDIDO INOVAÇÃO NO AGRONEGÓCIO: O CASO DA EMBRAPA Roger Welker Gomes Machado (UFMS); Carolina Oliveira Reis

Leia mais

FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA.

FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA. FONTES DE FINANCIAMENTO DAS NECESSIDADES LÍQUIDAS DE CAPITAL DE GIRO: APLICAÇÃO DO MODELO DINÂMICO DE ANÁLISE FINACEIRA. Cássio Roberto de Araújo Fernando de Sousa Santana Giani Claudia Setto Vieira Jussiara

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA

PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA CAVALCANTE & PERGUNTAS E RESPOSTAS QUE TODO EXECUTIVO FINANCEIRO GOSTARIA DE FAZER SOBRE ANÁLISE ECONÔMICA! O conceito de econômico e financeiro! Como concluir com base em indicadores! Construção de índices

Leia mais

MODELOS DEA PARA AVALIAR A ATRATIVIDADE DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFF

MODELOS DEA PARA AVALIAR A ATRATIVIDADE DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFF MODELOS DEA PARA AVALIAR A ATRATIVIDADE DOS CURSOS DE ENGENHARIA DA UFF Maria Helena Campos Soares de Mello (UFF) helena_mello@yahoo.com.br João Carlos Correia Baptista Soares de Mello (UFF) jcsmello@pesquisador.cnpq.br

Leia mais

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014

BOLETIM EMPREGO Setembro 2014 Introdução A seguir são apresentados os últimos resultados disponíveis sobre o emprego no Brasil, com foco no ramo Metalúrgico. Serão utilizadas as bases de dados oficiais, são elas: a RAIS (Relação Anual

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016

Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 COMUNICADO No: 58 Empresas aéreas continuam a melhorar a rentabilidade Margem de lucro líquida de 5,1% para 2016 10 de dezembro de 2015 (Genebra) - A International Air Transport Association (IATA) anunciou

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE CONTRATAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OFFSHORE DA PETROBRAS

APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE CONTRATAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OFFSHORE DA PETROBRAS APLICAÇÃO DE ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS NOS PROCESSOS LICITATÓRIOS DE CONTRATAÇÃO DE EMBARCAÇÕES OFFSHORE DA PETROBRAS Gustavo da Silva Maciel PETROBRAS Petróleo Brasileiro S/A Av. Elias Agustinho, 328,

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso

Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso Estratégia financeira de uma empresa agropecuária no Estado do Mato Grosso RESUMO - Um dos alicerces da economia do Estado do Mato Grosso é a pecuária, que tem o maior rebanho de bovinos do país, são aproximadamente

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL

A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL A IMPORTÂNCIA DO SETOR AGROINDUSTRIAL SUCROALCOOLEIRO NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL Alexandre de Souza Correa¹; Jaylton Bonacina de Araujo² UFGD/FACE Caixa Postal 364, 79.804-970

Leia mais

Aplicação da metodologia DEA na análise do desempenho de núcleos científicos numa instituição de ensino

Aplicação da metodologia DEA na análise do desempenho de núcleos científicos numa instituição de ensino Aplicação da metodologia DEA na análise do desempenho de núcleos científicos numa instituição de ensino Hélder Carrasqueira Isabel Teotónio Paulo Carrasco Sandra Rebelo ESGHT, Universidade do Algarve hcarrasq@ualg.pt

Leia mais

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo.

Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto. Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo. Entraves à consolidação do Brasil na produção de energias limpas e renováveis Giuliana Aparecida Santini, Leonardo de Barros Pinto Universidade Estadual Paulista/ Campus Experimental de Tupã, São Paulo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CRIAÇÃO DO RELATÓRIO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ

PROCEDIMENTOS PARA CRIAÇÃO DO RELATÓRIO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ SISTEMA CONTÁBIL.SQL: PROCEDIMENTOS PARA CRIAÇÃO DO RELATÓRIO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ Este procedimento irá fazer com que o usuário do Sistema Contabil, possa criar um relatório de Índices de Liquidez,

Leia mais

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA

BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA BENCHMARKING NO AGRONEGÓCIO: O PROJETO DA APROSOJA VII SEMINÁRIO TÉCNICO DA FMT 15/06/2007 Dr. Airton Spies spies@epagri epagri.sc..sc.gov.br Nova Zelândia e Austrália: Lições de eficiência Estamos no

Leia mais

Eficiência no Sistema Bancário Brasileiro: uma análise do desempenho de bancos de varejo, atacado, middle-market e financiamento utilizando DEA

Eficiência no Sistema Bancário Brasileiro: uma análise do desempenho de bancos de varejo, atacado, middle-market e financiamento utilizando DEA Eficiência no Sistema Bancário Brasileiro: uma análise do desempenho de bancos de varejo, atacado, middle-market e financiamento utilizando DEA Autoria: Ana Carolina Thomaz de Almeida Monteiro Barbosa,

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

M E T O D O L O G I A D E A E O P T I M I Z A Ç Ã O M U LT I O B J E C T I V O

M E T O D O L O G I A D E A E O P T I M I Z A Ç Ã O M U LT I O B J E C T I V O I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E L I S B O A I N S T I T U T O S U P E R I O R D E C O N T A B I L I D A D E E A D M I N I S T R A Ç Ã O D E L I S B O A M E T O D O L O G I A D E A E O P T I

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR

Grupo de pesquisa: 1) Comercialização, Mercados e Preços Agrícolas FORMA DE APRESENTAÇÃO ORAL COM DEBATEDOR Leandro Augusto Ponchio CPF: 283.568.088-80 Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Rua Pádua Dias, 11 Caixa postal 132 CEP: 13.400-970 Piracicaba-SP. e-mail: laponchi@esalq.usp.br Alexandre Lopes Gomes CPF: 030.071.446-71

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1

Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1 Análise dos Demonstrativos Contábeis I 1 Análise dos Demonstrativos Contábeis I 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 DADOS SOBRE A EMPRESA... 3 Histórico... 3 Perfil Corporativo... 4 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO

A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO A REINSERÇÃO DE NOVA ESPERANÇA NA REDE URBANA DE MARINGÁ: UMA PROPOSTA DE ESTUDO 5 Amanda dos Santos Galeti Acadêmica de Geografia - UNESPAR/Paranavaí amanda_galeti@hotmail.com Kamily Alanis Montina Acadêmica

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110.

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Curso de Ciências Econômicas Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110 Lucas Rockembach Apollaro Nº USP 8557531 Marcos

Leia mais

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA

MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA MERCADO DE TRABALHO NA PRODUÇÃO DE ALGODÃO E SOJA: UMA ANÁLISE COMPARATIVA Alexandre Nunes de Almeida 1 ; Augusto Hauber Gameiro 2. (1) Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, CEPEA/ESALQ/USP,

Leia mais

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A

Palestra: História da Cana-de. de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A Palestra: História da Cana-de de-açúcar no Centro-Oeste Professora: Ana Paula PROJETO: PRODUÇÃO DO AÇÚCAR ORGÂNICO NA JALLES MACHADO S/A ORIGEM DA CANA-DE-AÇÚCAR A cana-de de-açúcar é uma planta proveniente

Leia mais

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1

Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Setor sucroalcooleiro paranaense: do proálcool ao biodiesel 1 Rosana Paczyk 1 Introdução Este artigo objetiva analisar o setor sucroalcooleiro do Paraná desde o programa nacional do álcool em meados de

Leia mais

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores

Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Projeções de custos e rentabilidade do setor sucroenergético na região Nordeste para a safra 2013/14: o desafio de sobrevivência dos fornecedores Essa publicação apresenta as projeções de custos de produção

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO PROGRAMA NACIONAL DO ÁLCOOL - PROÁLCOOL Cintia de Souza Oliveira 8662479 Karina Siqueira 8658676 Verônica Carvalho

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NOS SERVIÇOS DAS EQUIPES DE MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA E SEU PAPEL NO APOIO AO PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DA RIOLUZ

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NOS SERVIÇOS DAS EQUIPES DE MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA E SEU PAPEL NO APOIO AO PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DA RIOLUZ AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO NOS SERVIÇOS DAS EQUIPES DE MANUTENÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA E SEU PAPEL NO APOIO AO PLANEJAMENTO DAS ATIVIDADES DA RIOLUZ Sergio Orlando Antoun Netto Prefeitura da Cidade do Rio

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

EFICIÊNCIA TÉCNICA NO CURTO E NO LONGO PRAZO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE COM GADO HOLANDÊS, MESTIÇO E ZEBU

EFICIÊNCIA TÉCNICA NO CURTO E NO LONGO PRAZO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE COM GADO HOLANDÊS, MESTIÇO E ZEBU EFICIÊNCIA TÉCNICA NO CURTO E NO LONGO PRAZO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE COM GADO HOLANDÊS, MESTIÇO E ZEBU Adilson Hélio Ferreira 1 Adriano Provezano Gomes 2 Resumo: Diante do cenário de mudanças

Leia mais

Uma Análise do Desempenho das Cooperativas de Crédito Rural Brasileiras Segundo Modelo DEA Análise Envoltória de Dados

Uma Análise do Desempenho das Cooperativas de Crédito Rural Brasileiras Segundo Modelo DEA Análise Envoltória de Dados Uma Análise do Desempenho das Cooperativas de Crédito Rural Brasileiras Segundo Modelo DEA Análise Envoltória de Dados Jair Roberto do Nascimento (FEARP-USP) - jr_nasc@yahoo.com.br Lumila Souza Girioli

Leia mais

Análise do índice de instalação de empresas no Município de Osasco utilizando sistemas de informação geográfica e análise envoltória de dados - DEA

Análise do índice de instalação de empresas no Município de Osasco utilizando sistemas de informação geográfica e análise envoltória de dados - DEA Análise do índice de instalação de empresas no Município de Osasco utilizando sistemas de informação geográfica e análise envoltória de dados - DEA George Eduardo Serra Almeida 1 José Alberto Quintanilha

Leia mais

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional

A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional A Expansão da Construção Civil e os Efeitos da Crise Internacional Gráfico 1 Produção da construção civil e PIB Variações anuais % 1 8 6 4 2-2 -4 1999 2 21 22 23 24 25 26 27 28 Construção civil PIB A indústria

Leia mais

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE AÉREA: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS

ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE AÉREA: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE DA ACESSIBILIDADE AÉREA: UMA APLICAÇÃO DA ANÁLISE ENVOLTÓRIA DE DADOS Priscilla Navarro de Andrade Kauffmann Presta (UFF) priscilla_presta@hotmail.com

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO

CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO CRESCIMENTO DO AGRONEGÓCIO SEGUE FIRME NO ANO O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio brasileiro estimado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e pelo Centro de Estudos Avançados

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE DA PESCA ARTESANAL EM CABO VERDE ANTÓNIO JOSÉ MEDINA DOS SANTOS BAPTISTA; CRISTIANE MÁRCIA SANTOS;

UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE DA PESCA ARTESANAL EM CABO VERDE ANTÓNIO JOSÉ MEDINA DOS SANTOS BAPTISTA; CRISTIANE MÁRCIA SANTOS; UTILIZAÇÃO DA CAPACIDADE DA PESCA ARTESANAL EM CABO VERDE ANTÓNIO JOSÉ MEDINA DOS SANTOS BAPTISTA; CRISTIANE MÁRCIA SANTOS; UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA VIÇOSA - MG - BRASIL crikamarcia@hotmail.com APRESENTAÇÃO

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM

Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto. O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Questão em foco: O ROI do Gerenciamento de Portfólio de Produto O Guia para prever o retorno do investimento do PPM Tech-Clarity, Inc. 2008 Sumário Introdução à questão... 3 Cálculo dos benefícios do Gerenciamento

Leia mais

Entendendo custos, despesas e preço de venda

Entendendo custos, despesas e preço de venda Demonstrativo de Resultados O empresário e gestor da pequena empresa, mais do que nunca, precisa dedicar-se ao uso de técnicas e instrumentos adequados de gestão financeira, para mapear a situação do empreendimento

Leia mais

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br

Discente da Universidade do Oeste Paulista UNOESTE. Docente do Curso de Ciências Contábeis da UNOESTE. E mail: irene@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 425 FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA NA MICRO E PEQUENA EMPRESA Cassia de Matos Ramos 1, Dayane Cristina da Silva 1, Nathana

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS

O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS CICLO DE DEBATES O IMPACTO DO ETANOL NO DESENVOLVIMENTO DE MINAS GERAIS LUIZ CUSTÓDIO COTTA MARTINS PRESIDENTE ASSSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE MINAS GERAIS BELO HORIZONTE - MG 29/10/2009 A CANA COMO

Leia mais

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013

Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Boletim Ativos do Café - Edição 15 / Dezembro 2013 Preços do café intensificam a descapitalização na cafeicultura brasileira em 2013 Entre janeiro/13 e novembro/13 o Coffea arabica (Arábica) apresentou

Leia mais

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral

Prof. Dr. José Francisco Calil Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Teoria Superior de Finanças Programa de Pós-graduação stricto sensu Doutorado em Administração, Campus Taquaral Aula expositiva Ementa: Estudo da Moderna Teoria de Finanças e dos métodos que os administradores

Leia mais

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA

OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA 3 OS EFEITOS DOS CUSTOS NA INDÚSTRIA O Sr. Silva é proprietário de uma pequena indústria que atua no setor de confecções de roupas femininas. Já há algum tempo, o Sr. Silva vem observando a tendência de

Leia mais

Autoria: Roberto Brazileiro Paixão, Carlos Yorghi Khoury

Autoria: Roberto Brazileiro Paixão, Carlos Yorghi Khoury Eficiência no Transporte Ferroviário de Cargas Brasileiro: um Estudo com a Análise Envoltória de Dados Resumo Autoria: Roberto Brazileiro Paixão, Carlos Yorghi Khoury Após o período de desestatização observou-se

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Análise Setorial de Emprego

Análise Setorial de Emprego Análise Setorial de Emprego Abril de 2015 Ficha Técnica Governador do Estado de Minas Gerais Fernando Pimentel Secretário de Estado de Trabalho e Desenvolvimento Social André Quintão Secretária Adjunta

Leia mais

Autoria: Marcel de Moraes Pedroso, Paulo Carlos Du Pin Calmon

Autoria: Marcel de Moraes Pedroso, Paulo Carlos Du Pin Calmon Avaliação da Eficiência Relativa das Capitais na Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família com a Utilização de Análise Envoltória de Dados (DEA) RESUMO Autoria: Marcel de Moraes Pedroso, Paulo Carlos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

SEMINÁRIO INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO ESTRATÉGIA PARA MERCADOS GLOBAIS

SEMINÁRIO INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO ESTRATÉGIA PARA MERCADOS GLOBAIS SEMINÁRIO INOVAÇÃO E COMPETITIVIDADE NO SETOR MOVELEIRO ESTRATÉGIA PARA MERCADOS GLOBAIS PROGRAMAÇÃO 18h30 18h45 19h15 19h30 19h45 20h 20h15 20h45 21h 21h15 21h30 Recepção Apresentação dos dados Setor

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES

ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES ANÁLISE DO DESEMPENHO FINANCEIRO DAS EMPRESAS AÉREAS LISTADAS NA BOLSA DE VALORES DE LONDRES Rafael Vianna Avila (UFRJ) rafaelvianna@ayraconsultoria.com Heloisa Marcia Pires (UFRJ) heloisam@pep.ufrj.br

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais