RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016."

Transcrição

1 RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta tese será disponibilizado somente a partir de 04/04/2016.

2 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DE BRUCELOSE E LEPTOSPIROSE DE PEQUENOS RUMINANTES DOS ESTADOS DE SERGIPE, BAHIA, CEARÁ E PARAÍBA Glaucenyra Cecília Pinheiro da Silva Médica Veterinária 2015

3 CARACTERIZAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA De BRUCELOSE E LEPTOSPIROSE DE PEQUENOS RUMINANTES DOS ESTADOS DE SERGIPE, BAHIA, CEARÁ E PARAÍBA RESUMO A brucelose e a leptospirose são doenças infectocontagiosas de ampla distribuição geográfica que acometem animais domésticos, silvestres e o homem. Devido a isso, possuem importância econômica, por perdas advindas de transtornos reprodutivos e para a saúde pública, devido ao fato de serem zoonoses. Tendo em vista a importância da caprinovinocultura para a região Nordeste, este trabalho teve como objetivo avaliar a presença de aglutininas anti-leptospira e de reação anti-brucella lisa em pequenos ruminantes de quatro Estados da região nordeste, bem como avaliar os sorovares de Leptospira spp mais prevalentes e os fatores associados à infecção. Foram obtidas amostras de pequenos ruminantes. No Estado do Ceará foram 931 amostras de ovinos e 817 de caprinos, na Paraíba foram 443 ovinos e caprinos, em Sergipe foram 923 ovinos e 499 caprinos e na Bahia 918 ovinos e 685 caprinos. O diagnóstico sorológico para leptospirose foi feito por meio do teste de soroaglutinação microscópica, para brucelose foi feito o antígeno acidificado tamponado como teste de triagem, e, como confirmatórios foram realizados os testes de polarização fluorescente e de fixação de complemento. A leptospirose encontra-se amplamente distribuída na região estudada, com frequências de 27,15% (IC95%: 25,62-28,69) em ovinos e 34,34% (IC95%: 32,69-35,97) em caprinos. No Estado da Paraíba, as frequências foram 28,89% (IC95%: 24,67% 33,11%) em ovinos e 34,65% (IC95%: 31,97% 37,33%) em caprinos. Em Sergipe, a prevalência em ovinos foi 12,89% (IC95%: 10,73 15,05), e 32,67% (IC95%: 28,55 36,78) em caprinos. No Ceará, 29,22% (IC95%: 26,29 32,13) em ovinos e 28,52% (IC95%: 25,42 31,62) em caprinos; e na Bahia, 38,56% (IC95%: 35,41 41,71) em ovinos e 41,90% (IC95%: 38,20 45,59) em caprinos. A prevalência em rebanhos na região foi 93,26% (IC95%: 89,57-96,94) em rebanhos ovinos e 97,16% (IC95%: 93,52-98,78) em rebanhos caprinos. Todos os municípios analisados tiveram animais reagentes a Leptospira spp, e a ocorrência foi diferente de acordo com o local de origem. Os fatores associados ao risco de infecção por Leptospira variaram conforme a espécie animal e o estado. Com relação à brucelose em pequenos ruminantes na região estudada, não houve indícios da ocorrência de infecção por Brucella lisa. Este resultado é compatível com o conhecimento que se tem, segundo o qual a infecção por B. melitensis é exótica no Brasil. Palavras-chave: ovinos, caprinos, leptospirose, brucelose, sorologia

4 CAPÍTULO 1 Considerações Gerais INTRODUÇÃO A caprino-ovinocultura é uma atividade econômica explorada em todos os continentes, estando presente em áreas que apresentam as mais diversas características climáticas. No entanto, somente em alguns países esta atividade apresenta expressão econômica, sendo, na maioria dos casos, desenvolvida de forma empírica e extensiva, adotando baixos níveis de tecnologia e, consequentemente, baixa produtividade e rentabilidade. É uma atividade que, para a região Nordeste, é importante devido ao impacto econômico, social e cultural. Cerca de 90% dos caprinos e 50% dos ovinos criados no Brasil encontram-se nessa região. Considerando a importância que essas criações representam, cuidados com o aspecto sanitário são de suma de importância e, com isso, doenças que podem causar perdas e/ou danos à produção animal devem ser controladas. Nesse aspecto encontra-se a leptospirose ovina e caprina, que é muito comum em diversas regiões do país e do mundo. Trata-se de uma zoonose causada por espécies patogênicas de Leptospira spp. que possui ampla distribuição geográfica e acomete tanto animais quanto o homem. O quadro clínico pode variar de inaparente a severo. Grande parte das espécies animais pode atuar como fonte de infecção, incluindo os pequenos ruminantes. Humanos são, geralmente, hospedeiros acidentais, com transmissão ocorrendo por contato direto ou indireto com a urina de animais infectados. A incidência da doença é maior em regiões de clima tropical, devido, principalmente, à maior sobrevida da Leptospira em ambiente quente e úmido. É, portanto, um problema de saúde pública. Além disso, possui importância econômica por perdas na produção devidas à ocorrência de abortamento, natimortalidade e diminuição da produção de leite, além dos gastos financeiros para o controle. Outra doença é a brucelose, que é uma das doenças de caráter zoonótico mais difundidas no mundo, representando um problema econômico e de saúde

5 pública. A B. melitensis, a B. suis e a B. abortus são consideradas as mais patogênicas espécies para humanos. A espécie considerada mais virulenta é a B. melitensis, que é endêmica em várias partes do mundo, inclusive em alguns países da América Latina. Já o Brasil é considerado livre desse agente etiológico, porém sempre se fica diante do questionamento: a infecção não ocorre ou falta pesquisa? Devido a isso, o conhecimento da ocorrência de doenças como a brucelose e a leptospirose é de grande relevância para uma visualização do estado sanitário dos rebanhos de pequenos ruminantes dos Estados de Sergipe, Bahia, Ceará e Paraíba e para contribuir com o controle dessas infecções com o intuito de minimizar sua disseminação nas populações humanas e animais. CONSIDERAÇÕES FINAIS A infecção por Leptospira spp encontra-se amplamente distribuída nas espécies ovina e caprina dos Estados de Sergipe, Bahia, Ceará e Paraíba, com frequências variando de acordo com a espécie (ovina ou caprina) e o local de origem. Nos estados avaliados, a proporção de rebanhos com pelo menos um animal reagente foi superior a 84%, indicando que fatores ambientais, climáticos, existência de reservatórios, contato com outras espécies animais e manejo podem influenciar a ocorrência da infecção. Os resultados encontrados sugerem que há necessidade de elaboração de vacinas com os sorovares mais prevalentes na região, auxiliando, dessa forma, na eficácia do controle da infecção, visto que a vacina não proporciona imunidade cruzada. Verificou-se a ocorrência de infecção por Leptospira spp em todos os municípios e que ela varia significativamente conforme o município. Os fatores de risco de infecção variaram conforme a espécie e o estado envolvido. Como não se conhece o status sanitário dos rebanhos ovinos e caprinos no país, este trabalho forneceu informações que podem vir a contribuir com o conhecimento relativo ao aspecto sanitário dos sistemas de produção de pequenos ruminantes, visando ao desenvolvimento de programas de defesa sanitária específicos que permitam melhores condições de produção e consequente

6 competitividade. Os levantamentos epidemiológicos são o primeiro passo para a prevenção e/ou controle de doenças e existe pouca informação quanto ao aspecto sanitário dos rebanhos caprinos e ovinos para a implantação de medidas profiláticas e de controle realmente eficazes. Logo, documentar o status sanitário de uma população animal torna-se necessário tendo em vista a globalização e o crescimento no comércio internacional de animais e seus subprodutos. Quanto à ocorrência de brucelose ovina e caprina causada por Brucella melitensis, não foram observados indícios na região estudada.

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A ESCASSEZ HÍDRICA E PARA O DESENVOLVIMENTO

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A ESCASSEZ HÍDRICA E PARA O DESENVOLVIMENTO A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS PARA ENFRENTAR A ESCASSEZ HÍDRICA E PARA O DESENVOLVIMENTO ANDREA VENTURA LUZ FERNÁNDEZ CARLA GUALDANI PRIMERAS JORNADAS INTERNACIONALES SOBRE BOMBAS INTRODUÇÃO Como

Leia mais

USO DE FERRAMENTAS ESPACIAIS NO DIRECIONAMENTO DE AÇÕES DE VIGILÂNCIA E CONTROLE DA LEISHMANIOSE VISCERAL (LV) EM BELO HORIZONTE-MG

USO DE FERRAMENTAS ESPACIAIS NO DIRECIONAMENTO DE AÇÕES DE VIGILÂNCIA E CONTROLE DA LEISHMANIOSE VISCERAL (LV) EM BELO HORIZONTE-MG USO DE FERRAMENTAS ESPACIAIS NO DIRECIONAMENTO DE AÇÕES DE VIGILÂNCIA E CONTROLE DA LEISHMANIOSE VISCERAL (LV) EM BELO HORIZONTE-MG Maria Helena Franco Morais Secretaria Municipal de Saúde Gerência de

Leia mais

Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn

Epidemiologia. Disciplina: Higiene e profilaxia animal. Fábio Raphael Pascoti Bruhn Epidemiologia Disciplina: Higiene e profilaxia animal Fábio Raphael Pascoti Bruhn Epidemiologia Conceito: epi (sobre) + demo (povo) Estudo da distribuição dos estados de saúde e eventos em populações,

Leia mais

PROJETO: MÃOS LIMPAS PARA UMA ASSISTÊNCIA SEGURA

PROJETO: MÃOS LIMPAS PARA UMA ASSISTÊNCIA SEGURA PROJETO: MÃOS LIMPAS PARA UMA ASSISTÊNCIA SEGURA Justificativa: A higienização adequada das mãos é considerada a medida de maior impacto e comprovada eficácia na prevenção das infecções relacionadas à

Leia mais

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010

Assunto: Atualização da investigação de caso suspeito de sarampo em João Pessoa/PB - 22 de outubro de 2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Departamento de Vigilância Epidemiológica Esplanada dos Ministérios, Edifício Sede, 1º andar 70.058-900 Brasília-DF Tel. 3315 2755/2812 NOTA TÉCNICA

Leia mais

Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro

Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro Organização: Coordenação: Comissão organizadora: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga Raul Caetano Ilana Pinsky Sandro Sendin Mitsuhiro 1 Por que esse estudo é relevante? A maconha é a substância ilícita

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32

IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 IDENTIFICAÇÃO DOS RISCOS BIOLÓGICOS DE ACORDO COM A NR 32 1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO E CONTROLE DE AGENTES BIOLÓGICOS Objetivo: Determinar a natureza, grau e o tempo de exposição dos trabalhadores

Leia mais

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador

de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Segurança do experimentador Segurança no uso de animais de laboratório em pesquisas Segurança dos animais Ética no uso dos animais Segurança do experimentador Como em qualquer laboratório, pratique Boas Praticas Laboratoriais no

Leia mais

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL

Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL CENTRO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS E RESPOSTA EM VIGILÂNCIA EM SAÚDE Nota Técnica nº 13 LEISHIMANIOSE VICERAL Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Departamento de Epidemiologia/

Leia mais

61,6 milhões cobertos (59,6%)

61,6 milhões cobertos (59,6%) Previdência Social Brasil - 2013 População Residente: 201,4 milhões (2016 205,9) Urbana: 170,7 milhões Rural: 30,7 milhões População Economicamente Ativa - PEA: 103,4 milhões População Desocupada: 6,7

Leia mais

João Drumond FEICORTE JUN /13

João Drumond FEICORTE JUN /13 João Drumond FEICORTE JUN /13 Doença infecto-contagiosa provocada por bactérias do gênero Brucella, Descoberta por Sir David Bruce em 1884 na Ilha de Malta. Zoonose de distribuição universal, No Brasil,

Leia mais

Porto Alegre/RS

Porto Alegre/RS UNIDADE DE PESQUISA CLÍNICA Centro de Medicina Reprodutiva Carlos Isaia Filho LTDA. A Pesquisa Clinica e suas Fases Carlos Isaia Filho Unidade de Pesquisa Clínica CMR Da Molécula ao Mercado. Aproximadamente

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL

Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses. Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Universidade Federal de Pelotas Medicina Veterinária Zoonoses Diagnóstico laboratorial Brucelose TESTE DO 2-MERCAPTOETANOL Teste do 2-ME Confirmativa (infecção crônica) Laboratório credenciado / oficial

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO TUBERCULOSE 22 de março de 2016 Página 1/6 DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO Todo indivíduo com diagnóstico bacteriológico (baciloscopia ou cultura para BK ou teste rápido molecular para tuberculose) E indivíduos com diagnóstico

Leia mais

Certificação ISO

Certificação ISO Sistema de Gestão Ambiental SGA Certificação ISO 14.000 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento das Boas Práticas, das Normas e da Legislação

Leia mais

Tópicos em Gestão da Informação II

Tópicos em Gestão da Informação II Tópicos em Gestão da Informação II Aula 05 Variabilidade estatística Prof. Dalton Martins dmartins@gmail.com Gestão da Informação Faculdade de Informação e Comunicação Universidade Federal de Goiás Exercício

Leia mais

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB

CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITÁRIAS EM ESTABELECIMENTOS DE COMERCIALIZAÇÃO DE ALIMENTOS NA EMPASA DE JOÃO PESSOA/PB VIDAL, Ana Renally Cardoso 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 2, TEODOSIO, Albert Einstein

Leia mais

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO 001/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL GERÊNCIA DE DOENÇAS TRANSMITIDAS POR VETORES E ZOONOSES -

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

A intervenção da ergonomia na prevenção das LMERT

A intervenção da ergonomia na prevenção das LMERT A intervenção da ergonomia na prevenção das LMERT, Lda Fevereiro 2008 Estrutura da Apresentação Apresentação da Empresa Âmbito e Objectivos Análise Ergonómica dos Postos de Trabalho Resultados da Análise

Leia mais

[ERLICHIOSE CANINA]

[ERLICHIOSE CANINA] [ERLICHIOSE CANINA] 2 Erlichiose Canina A Erlichiose Canina é uma hemoparasitose causada pela bactéria Erlichia sp. Essa bactéria parasita, geralmente, os glóbulos brancos (neste caso, Erlichia canis)

Leia mais

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013

Resultado do Estoque de Empregos Formais RAIS 2002 a 2013 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Importância da associação do ELISA IgM e Soroaglutinação Microscópica para diagnóstico e epidemiologia da leptospirose humana

Importância da associação do ELISA IgM e Soroaglutinação Microscópica para diagnóstico e epidemiologia da leptospirose humana SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COODENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS INSTITUTO ADOLFO LUTZ - SOROCABA Importância da associação do ELISA IgM e Soroaglutinação Microscópica para diagnóstico e epidemiologia

Leia mais

CISTICERCOSE BOVINA EM PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: INVESTIGAÇÃO E FATORES DE RISCO

CISTICERCOSE BOVINA EM PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: INVESTIGAÇÃO E FATORES DE RISCO CISTICERCOSE BOVINA EM PROPRIEDADES RURAIS DO MUNICÍPIO DE UBERLÂNDIA-MG: INVESTIGAÇÃO E FATORES DE RISCO Franceilde Chagas da Silva 1 ; Adriano Pittourscheg 2. 1. Acadêmica do curso de Medicina Veterinária;

Leia mais

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra

Índice. 1. Metodologia e objetivo. 2. Praticantes de skate: penetração nos lares. 3. Perfil da amostra 1 Índice 2 1. Metodologia e objetivo 2. Praticantes de skate: penetração nos lares 3. Perfil da amostra Objetivo 3 A pesquisa tem como objetivo medir a penetração e conhecer o perfil de praticantes de

Leia mais

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos

Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Centros de Controle e Prevenção de Doenças Vigilância da doença causada pelo zika vírus nos Estados Unidos Marc Fischer, MD, MPH Arboviral Diseases Branch 8 de junho de 2016 Objetivos Atualizar a epidemiologia

Leia mais

O papel da DGAV na alimentação e na saúde

O papel da DGAV na alimentação e na saúde O papel da DGAV na alimentação e na saúde Fórum Nacional de Saúde Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa Edifício Egas Moniz 27 junho 2014 Miguel Oliveira Cardo 2014 Acordo SPS World Trade Organization

Leia mais

Fontes de Crescimento da Produção Mundial de Cacau de 1961 a 2004.

Fontes de Crescimento da Produção Mundial de Cacau de 1961 a 2004. Fontes de Crescimento da Produção Mundial de Cacau de 1961 a 2004. Rosalina Ramos Midlej Lindolfo Pereira dos Santos Filho Antonio Carlos de Araújo Introdução A produção agrícola aumenta em função de uma

Leia mais

João Paulo dos Reis Neto

João Paulo dos Reis Neto ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE E INTERNAÇÕES POTENCIALMENTE EVITÁVEIS João Paulo dos Reis Neto Diretor-Técnico UNIDAS Condições sensíveis à atenção primária (CSAP) Compreendem grupos de problemas de saúde cujas

Leia mais

A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA

A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA Pós-Graduação Saúde A EQUIPE MULTIPROFISSIONAL DE UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E O APOIO ÀS NECESSIDADES BÁSICAS DA FAMILIA Gláucio Jorge de Souza glauciojsouza@ig.com.br Ana Lúcia Santana Maria Belém

Leia mais

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas

C.10 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas C.1 Taxa de mortalidade específica por neoplasias malignas O indicador estima o risco de morte por neoplasias malignas e dimensiona a sua magnitude como problema de saúde pública. Corresponde ao número

Leia mais

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO

Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Disciplina: Manejo de Fauna Professor ANTÔNIO L. RUAS NETO Exercício: cada grupo escolherá um exemplo de espécie exótica invasora importante no Rio Grande do Sul e trabalhará com os subtemas: Classificação;

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública

Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Universidade Federal de Pelotas Departamento de Veterinária Preventiva Toxoplasmose Zoonoses e Administração em Saúde Pública Fábio Raphael Pascoti Bruhn Por que estudar a toxoplasmose Zoonose Nos EUA,

Leia mais

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09

Escrito por Administrator Seg, 22 de Novembro de :55 - Última atualização Seg, 22 de Novembro de :09 MISSÃO O Serviço Social tem como missão dar suporte psico-social e emocional ao colaborador e sua família. Neste sentido, realiza o estudo de casos, orientando e encaminhando aos recursos sociais da comunidade,

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015

VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015 1 VIGILÂNCIA AMBIENTAL EM SAÚDE E ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS EM URUGUAIANA - RSENTRE 2006 E 2015 RONIELE SANTANA VALENTE¹, LAURA ILARRAZ MASSIA²; RITA DANIELA QUEVEDO LAMADRIL²; ¹ Acadêmica do curso

Leia mais

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre

PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre PROVINHA BRASIL Orientações para Secretarias de Educação Primeiro Semestre - 2010 INFORME GESTOR teste capa verde.indd 1 13/1/2010 08:40:47 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação

Leia mais

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula

Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Docentes da Rede Estadual do Paraná I - Perfil do profissional em sala de aula Com base nos resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2013, este informativo apresenta um perfil dos 50.798 profissionais

Leia mais

Considerando as informações apresentadas acima, redija um texto dissertativo acerca do seguinte tema. RESERVAS BRASILEIRAS: SOLIDEZ OU FRAGILIDADE

Considerando as informações apresentadas acima, redija um texto dissertativo acerca do seguinte tema. RESERVAS BRASILEIRAS: SOLIDEZ OU FRAGILIDADE Questão Ao final de 0, as reservas cambiais brasileiras situavam-se em torno de US$ 0 bilhões, volume em geral considerado como uma sólida garantia da economia do Brasil. Se, entretanto,

Leia mais

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids

Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids Mudança da concepção da Vigilância Epidemiológica (VE) do HIV/Aids História da vigilância do HIV e Aids Pré 2004 Múltiplas definições de caso de AIDS (1984-98). A notificação de HIV não era uma recomendação

Leia mais

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010

EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 1 EDITAL N 100/2010 PARA SELEÇÃO DOCENTE 2º SEMESTRE 2010 A Direção Geral da Faculdade Evangélica do Paraná FEPAR, no uso de suas atribuições, comunica a seleção de docentes para o ano letivo de 2010,

Leia mais

Normas de Utilização do Laboratório de Fisiologia e Aspectos Práticos e Éticos da Experimentação Animal Curso de Nutrição (UFV/CRP)

Normas de Utilização do Laboratório de Fisiologia e Aspectos Práticos e Éticos da Experimentação Animal Curso de Nutrição (UFV/CRP) Universidade Federal de Viçosa Campus de Rio Paranaíba - MG Normas de Utilização do Laboratório de Fisiologia e Aspectos Práticos e Éticos da Experimentação Animal Curso de Nutrição (UFV/CRP) Rio Paranaíba

Leia mais

Boletim Semanal da Dengue

Boletim Semanal da Dengue Prefeitura de Nova Lima Secretaria Municipal de Saúde Departamento de Vigilância em Saúde Vigilância em Saúde Boletim Semanal da Dengue Semana Epidemiológica 09 Este boletim tem por objetivo apresentar

Leia mais

Boletim eletrônico. Brucelose. Ano 2-Nº2 20 de Dezembro de 2011. IDAF/DDSIA/SEAR INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Brucelose. Ano 2-Nº2 20 de Dezembro de 2011. IDAF/DDSIA/SEAR INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Brucelose Ano 2-Nº2 20 de Dezembro de 2011. IDAF/DDSIA/SEAR EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento de Defesa Sanitária e Inspeção

Leia mais

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002).

PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). 1 PROGNÓSTICO TRIMESTRAL (Setembro Outubro e Novembro de- 2002). O prognóstico climático do Instituto Nacional de Meteorologia (INMET), órgão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, para

Leia mais

EVOLUÇÃO DA CULTURA E DO MERCADO MUNDIAL DE MAMÃO

EVOLUÇÃO DA CULTURA E DO MERCADO MUNDIAL DE MAMÃO EVOLUÇÃO DA CULTURA E DO MERCADO MUNDIAL DE MAMÃO Papaya Brasil - 2005 Adelaide de Fátima Santana da Costa, David dos Santos Martins, Aureliano Nogueira da Costa, Levy Heleno Fassio 1 Instituto Capixaba

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS GRUPO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA XXVII SJCAMPOS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS GRUPO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA XXVII SJCAMPOS GVS XXVII SÃO JOSÉ DOS CAMPOS A missão da Vigilância Sanitária engloba ações relacionadas a quatro áreas fundamentais: controle de bens de consumo que direta ou indiretamente se relacionam à saúde, envolvendo

Leia mais

Análise de Sistema de Medição 3D segundo guia MSA

Análise de Sistema de Medição 3D segundo guia MSA Formação Avançada em Metrologia 3D Análise de Sistema de Medição 3D segundo guia MSA MSA na Medição 3D O MSA ou Análise de Sistemas de Medição tornou-se uma ferramenta muito utilizada para a garantia da

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA).

Política de Responsabilidade Socioambiental - (PRSA) Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Política de Responsabilidade Socioambiental (PRSA). Versão 2.0 Fevereiro/2016 1 Histórico de Alterações Versão Data Responsável Alterações/Observações 1.0 Julho/15 2.0 Fevereiro/16 Jeniffer Caroline Rugik

Leia mais

5º Encontro Confinamento: Gestão Técnica e Econômica

5º Encontro Confinamento: Gestão Técnica e Econômica 5º Encontro Confinamento: Gestão Técnica e Econômica Jaboticabal março de 2010 Perfil do público e avaliação do evento CONSIDERAÇÕES A apresentação foi dividida da seguinte forma: Parte 1: perfil do público.

Leia mais

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL

IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL IMPACTO DA ATIVIDADE FISCALIZATÓRIA SOBRE A MELHORIA DA QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DO SERVIÇO PÚBLICO DE DRENAGEM URBANA NO DISTRITO FEDERAL Carolinne Isabella Dias Gomes (1) Possui Bacharelado e Licenciatura

Leia mais

Minuta Circular Normativa

Minuta Circular Normativa Minuta Circular Normativa 1. INTRODUÇÃO 1.1. Objetivo a) Estabelecer princípios e diretrizes para orientar as ações de natureza socioambiental nos negócios da Desenbahia e no seu relacionamento com clientes

Leia mais

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO

PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO PROJETO PROLICEN INFORMÁTICA NA ESCOLA : A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ENSINO MÉDIO PÚBLICO Formação de Professores e Educação Matemática (FPM) GT 08 RESUMO Melquisedec Anselmo da Costa AZEVEDO

Leia mais

GESPÚBLICA - FMVZ/USP

GESPÚBLICA - FMVZ/USP Universidade de São Paulo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia GESPÚBLICA - FMVZ/USP Desburocratização & Excelência 2008 O que é GESPÚBLICA? É o programa do Ministério do Planejamento, Orçamento

Leia mais

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014

PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS PARTICIPAÇÃO DO MERCOSUL E PRINCIPAIS PARCEIROS NOS FLUXOS COMERCIAIS DO BRASIL, NO PERÍODO DE 2009 A 2014 ANDRIA, Leandro Ribeiro de 1 ROSA, Tatiana Diair Lourenzi Franco 2 A

Leia mais

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo

A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo O que é? A brucelose, também conhecida como febre ondulante, febre do Mediterrâneo ou febre de Malta, é uma zoonose causada por microrganismos do gênero Brucella sendo que a infecção é quase sempre transmitida

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO CONSELHO SUPERIOR DA RELATÓRIO DE DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE NO USO DO SISTEMA PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA Fase 1 (magistrados e servidores da Justiça do Trabalho) Secretaria de Tecnologia da Informação

Leia mais

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS CAATINGA 844 Mil Km 2 (9,9%) Território Brasileiro = 9,9% Nordeste = 55,6% Cobertura Atual 30% Fonte: IBAMA 2002 Elaboração:

Leia mais

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE PATOLOGIA DE ORGANISMOS AQUÁTICOS

CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE PATOLOGIA DE ORGANISMOS AQUÁTICOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS ARAPIRACA PÓLO PENEDO CURSO: ENGENHARIA DE PESCA DISCIPLINA: PATOLOGIA DE ORGANISMOS AQUÁTICOS PROF a : TALITA ESPÓSITO CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE PATOLOGIA DE ORGANISMOS

Leia mais

ANÁLISE ESTATÍSTICA DA INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2000.

ANÁLISE ESTATÍSTICA DA INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2000. ANÁLISE ESTATÍSTICA DA INFLUÊNCIA DO ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO HUMANO MUNICIPAL NO ÍNDICE DE CRIMINALIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2000. Charles Shalimar F. da Silva Mestrando em Estatística

Leia mais

Eleger um do grupo e senha: 1a. etapa identificação do grupo

Eleger um  do grupo e senha: 1a. etapa identificação do grupo FICHA DE INSCRIÇÃO DO ESTUDANTE PESQUISADOR Abaixo você visualizará as informações que serão solicitadas no ambiente de inscrição da FICIENCIAS. Comece escolhendo seu país de procedência. País: [ ] Argentina

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1 DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO Sila Carneiro da Silva 1 O interesse pela produção animal em pastagens tem crescido bastante nos últimos

Leia mais

Prevenção de dores lombares no ambiente de trabalho Qua, 30 de Março de :00 - Última atualização Qua, 30 de Março de :06

Prevenção de dores lombares no ambiente de trabalho Qua, 30 de Março de :00 - Última atualização Qua, 30 de Março de :06 As dores lombares representam um dos principais motivos que levam um paciente ao médico e talvez a maior causa de absenteísmo (falta no trabalho). Um estudo patrocinado pela Fundação Bill & Melinda Gates

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal

ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal ANEXO 6 Análise de Antropismo nas Unidades de Manejo Florestal Análise de imagens processadas pelo sistema DETEX e PRODES para detecção de desmatamento e da intervenção seletiva nas Unidades de Manejo

Leia mais

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009

1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES. Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C. Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 1º ENCONTRO DOS INTERLOCUTORES REGIONAIS DE HEPATITES VIRAIS Clínica, Epidemiologia e Transmissão Hepatite B e C Celia Regina Cicolo da Silva 12 de maio de 2009 CADEIA DE TRANSMISSÃO DOS VÍRUS Depende:

Leia mais

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR

RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR RESÍDUOS DE PRODUTOS VETERINÁRIOS E SEU CONTROLE PROGRAMA ELABORADO POR O QUE SÃO RESÍDUOS QUÍMICOS? São vestígios de substâncias que podem ser encontrados nos alimentos de origem animal (carne, leite

Leia mais

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORDESTE

Participação. Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira REGIÃO NORDESTE Elaboração de Estudo sobre a Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Nacional e nas Unidades da Federação Sebrae Nacional Participação Dezembro de 2014 das Micro e Pequenas Empresas na Economia

Leia mais

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010)

Paraíba. Tabela 1: Indicadores selecionados: mediana, 1º e 3º quartis nos municípios do estado de Paraíba (1991, 2000 e 2010) Paraíba Em, no estado da Paraíba (PB), moravam 3,8 milhões de pessoas, onde uma grande parcela (8,5%, 321,2 mil habitantes) tinha 65 ou mais anos de idade. O estado era composto de 223 municípios, dos

Leia mais

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização

Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Inclusão de pessoas com deficiência no mercado trabalho: implicações da baixa escolarização Suelen Moraes de Lorenzo 1 e-mail: suelen.lorenzo@gmail.com Amabriane da Silva Oliveira e-mail: amabriane@r7.com

Leia mais

Núcleo de Inteligência Competitiva do Setor de Farmácias de Manipulação do Rio de Janeiro. Sandro Albuquerque

Núcleo de Inteligência Competitiva do Setor de Farmácias de Manipulação do Rio de Janeiro. Sandro Albuquerque Núcleo de Inteligência Competitiva do Setor de Farmácias de Manipulação do Rio de Janeiro Sandro Albuquerque Cenário Farmacêutico Magistral Movimenta US$ 1,3 bilhão por ano no Brasil, cerca de 9% do mercado

Leia mais

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010

MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS INTERESTADUAIS NA BAHIA, ENTRE OS PERÍODOS, 2000 e 2010 Isaac A. Coimbra Lou SEI/BA Lis Helena Borges Bolsista/IPEA Roberta Pimenta Bolsista/IPEA Brasília, Março de 2013 3 a Conferência

Leia mais

Porto Alegre, RS Julho Gestão de Sistemas de Produção de Leite

Porto Alegre, RS Julho Gestão de Sistemas de Produção de Leite Porto Alegre, RS 28-30 Julho 2015 Gestão de Sistemas de Produção de Leite Agenda Caracterizar os desafios gerenciais de um sistema de produção de leite Informar sobre o Gisleite - auxílio ao processo de

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS (PDT) NA VERTI: UMA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS (PDT) NA VERTI: UMA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIAS (PDT) NA VERTI: UMA EMPRESA DE BASE TECNOLÓGICA Contextualização Ricardo Almeida 1 (ricardo.almeida@vertiecotecnologias.com.br) No cenário de negócios atual

Leia mais

RELATÓRIO DA SUPERVISÃO DOS RESTAURANTES UNIVERSITÁRIOS - ABRIL E MAIO DE 2016

RELATÓRIO DA SUPERVISÃO DOS RESTAURANTES UNIVERSITÁRIOS - ABRIL E MAIO DE 2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS (UFG) PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA (PROCOM) SERVIÇO DE NUTRIÇÃO RELATÓRIO DA SUPERVISÃO DOS RESTAURANTES UNIVERSITÁRIOS - ABRIL

Leia mais

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

1 Introdução. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa 1 Introdução Este capítulo irá descrever o objeto do estudo, o problema de pesquisa a ser estudado, o objetivo do estudo, sua delimitação e sua limitação. 1.1. Objeto do estudo e o problema de pesquisa

Leia mais

Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns

Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns Avaliação preliminar das nascentes do Rio Mundaú inserida na zona urbana do município de Garanhuns Tafnes da Silva Andrade Márcio Nóbrega ; Adrielle Castilho & Genilza França CPRH/UIGA INTRODUÇÃO Entende-se

Leia mais

Tema: Fachadas Ativas. Palestrante: Thomaz Assumpção

Tema: Fachadas Ativas. Palestrante: Thomaz Assumpção Tema: Fachadas Ativas Palestrante: Thomaz Assumpção A Lei Novo Plano Diretor Estratégico de São Paulo Eixos de Estruturação da Transformação Urbana Função de orientar o desenvolvimento urbano ao longo

Leia mais

Exames laboratoriais específicos

Exames laboratoriais específicos Exames laboratoriais específicos para o diagnóstico de Dengue. Sônia Conceição Machado Diniz Especialista em diagnóstico laboratorial de doenças tropicais IMT/SP Responsável pelo Serviço de Virologia e

Leia mais

Criopreservação de Embriões

Criopreservação de Embriões UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ FACULDADE DE VETERINÁRIA BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO ANIMAL Criopreservação de Embriões Vicente José de F. Freitas Laboratório de Fisiologia e Controle da Reprodução www.uece.br/lfcr

Leia mais

Acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado: Dados sobre as pesquisas enquadradas na legislação brasileira

Acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado: Dados sobre as pesquisas enquadradas na legislação brasileira Secretaria de Biodiversidade e Florestas Acesso ao patrimônio genético e ao conhecimento tradicional associado: Dados sobre as pesquisas enquadradas na legislação brasileira Alessandra S. Rocha Luciana

Leia mais

ANEXO 4 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO

ANEXO 4 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO SOLICITAÇÃO, PROVIMENTO E PLANEJAMENTO TÉCNICO INTEGRADO DE INTERCONEXÃO 1. CONDIÇÕES GERAIS 1.1 Qualquer das Partes poderá, na forma da regulamentação pertinente, solicitar novas Interconexões ou alterações

Leia mais

número 10 - outubro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

número 10 - outubro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS número 10 - outubro/2015 RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida

Leia mais

CONCEITO DE ZOONOSES 04/08/ % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal.

CONCEITO DE ZOONOSES 04/08/ % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal. CONCEITO DE ZOONOSES 800 ESPÉCIES DE PATÓGENOS 60% DE TODAS AS SP CONHECIDAS 60 % dos patógenos humanos são zoonóticos. 75% das doenças humanas emergentes são de origem animal. 80% dos patógenos que poderiam

Leia mais

Mesa: O papel dos governos locais e dos diferentes atores do território

Mesa: O papel dos governos locais e dos diferentes atores do território Mesa: O papel dos governos locais e dos diferentes atores do território Seminário: Desafios e Possibilidades da CID brasileira Objetivo: Avançar na compreensão da CID brasileira Conhecer as condições e

Leia mais

Salário mínimo e o mercado do comércio varejista de Rio Branco/AC

Salário mínimo e o mercado do comércio varejista de Rio Branco/AC PESQUISA Salário mínimo e o mercado do comércio varejista de Rio Branco/AC Realização: FECOMERCIO/AC Coordenação: IFEPAC Período: 27.01 a 04.02.2011. Local: Cidade de Rio Branco/AC Fevereiro/2011 1 A PESQUISA

Leia mais

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial.

Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. Curso Completo Professor João Felipe Geografia Tipos de Clima No Brasil e no Mundo CLIMA EQUATORIAL Localização : em áreas de baixas latitudes, ao longo da linha equatorial. 1 Apresentam baixas pressões

Leia mais

Descrição da Pesquisa

Descrição da Pesquisa Projeto de Pesquisa Descrição da Pesquisa Título do Projeto Pesquisador Principal Colaboradores [se houver] Local de Realização Período da Pesquisa 1. Objetivo da Pesquisa [o que se pretende pesquisar]

Leia mais

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008

Regularização de Estágios Obrigatórios 2011 LEI , DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 LEI 11.788, DE 25 DE SETEMBRO DE 2008 Artigo 2º, parágrafo 1º, estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Artigo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF. UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.CLAUDIA MAINENTI UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN e o PROCESSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro

SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro SETOR DE COSMÉTICOS E BELEZA: estabelecimentos e empregos formais no Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL DO OBSERVATÓRIO DAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, OUTUBRO DE 2012 16 2012 PANORAMA

Leia mais

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local.

REDES LOCAIS. Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1. Introdução 1.1. - Conceitos REDES LOCAIS Quando você precisar ir além do computador em cima de sua mesa, esta na hora de instalar uma rede local. 1 1.2. Tipos de Aplicações As Redes Locais têm em geral

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE BENAVENTE Informação Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico 2014/2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 julho Aprovado

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 7 Revisão 02 AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 7 Revisão 02 AÇÃO CORRETIVA E PREVENTIVA PROCEDIMENTO Página 1 de 7 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/11/2010 Junção e POP.ADM.008, revisão do procedimento 02 08/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane

Leia mais

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO

POLÍTICA DE GERENCIAMENTO NORTE INVESTIMENTOS ADMINISTRADORA DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DE RISCO OPERACIONAL Versão 1.0 Vigência Agosto / 2016 Classificação das Informações [ X ] Uso Interno [ ] Uso Público Conteúdo

Leia mais

O remédio certo na dose certa!

O remédio certo na dose certa! O remédio certo na dose certa! Programa DC-DinsmoreCompass de Avaliação e Desenvolvimento de Competências em Gestão de Projetos A DC-DinsmoreCompass, com base em padrões de referência publicados pelo PMI

Leia mais

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA

AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA AULA 4 OS DESENHOS DE PESQUISA Roteiro da aula 1. Por que planejar a pesquisa? 2. Principais tipos de desenhos de pesquisa - Quantitativos ou qualitativos - Transversais ou longitudinais - Exploratórios,

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL

BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS BRASIL BIOMAS BRASILEIROS Aziz Ab Sáber (1924) Floresta Tropical pluvial-úmida Tropical:próxima ao Equador, estabilidade climática Pluvial: chuvas intensas e regulares ao longo do ano

Leia mais

Figura 1. Casos notificados de sarampo, segundo classificação final e ano de ocorrência, Ceará, 2013 a 2015*.

Figura 1. Casos notificados de sarampo, segundo classificação final e ano de ocorrência, Ceará, 2013 a 2015*. 1. Descrição do Surto de Sarampo no Ceará, 2013 a 2015. No Estado do Ceará foram notificados 4.094 casos suspeitos de sarampo entre 25/12/2013 e 12/09/2015. Desses, 22% (916/4094) foram confirmados e 78%

Leia mais