Qualidade de Serviço em Redes IP com DiffServ: Avaliação através de Medições

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de Serviço em Redes IP com DiffServ: Avaliação através de Medições"

Transcrição

1 Universidade Federal de Santa Catarina Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Edison Tadeu Lopes Melo Qualidade de Serviço em Redes IP com DiffServ: Avaliação através de Medições Dissertação submetida à Universidade Federal de Santa Catarina como parte requisitos para a obtenção do grau de Mestre em Ciência da Computação Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Orientador Florianópolis, Maio de 2001.

2 Edison Tadeu Lopes Melo Qualidade de Serviço em Redes IP com DiffServ: Avaliação através de Medições Florianópolis 2001

3 Qualidade de Serviço em Redes IP com DiffServ: Avaliação através de Medições Edison Tadeu Lopes Melo Esta Dissertação foi julgada adequada para obtenção do Título de Mestre em Ciência da Computação, Área de Concentração Sistemas de Computação e aprovada na sua forma final pelo Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação. Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Orientador Prof. Dr. Fernando Alvaro Ostuni Gauthier Coordenador do Cyírso de Pós-Graduação em Ciências da Computação Banca Examinadora: Prof. Dr. Carlos Becker Westphall Presidente Prof. Dr. Jean-Marie Farines Prof. Dr. Roberto Willrich Msc. Elvis Melo Vieira

4 Resumo Esse trabalho apresenta uma avaliação sobre a implementação de Qualidade de Serviço (QoS) em redes IP através de medições. Foram testados os padrões DiffServ em diferentes plataformas. A avaliação constituiu-se de duas fases: Na primeira fase, realizou-se uma análise global sobre o ambiente DiffServ e verificou-se a capacidade de isolamento de tráfego e garantia de largura de banda por classe de serviços. Ainda nessa etapa realizou-se monitoração nos nós DiffServ para verificar o comportamento dos mecanismos de classificação e descarte de pacotes. Na segunda fase, a medição de QoS foi empregada para estudar o impacto do tráfego melhor esforço, TCP e UDP, com diferentes tamanhos de pacotes, sobre o desempenho da classe de serviços de tráfego expresso (EF). Para todos os experimentos, ütilizou-se um tráfego de background para saturar o canal de comunicação. Na classe EF foram realizadas medidas associadas ao atraso, à variação do atraso e à taxa de perda de pacotes. Os resultados foram conclusivos quanto a garantia de QoS quando a classe de serviços EF é configurada para suporte a tráfego com taxa constante de bits (CBR). Os resultados demonstraram, entretanto, existir situações onde mecanismos de garantia de QoS são afetados pela presença de tráfego background intenso na rede. Finalmente, efetuou-se transmissão de áudio e vídeo para relacionar o desempenho dessas aplicações nos ambientes de testes. Essas transmissões comprovaram a efetividade dos mecanismos de priorização de tráfego de DiffServ e das políticas de configuração adotadas.

5 Abstract This work presents an evaluation, about a Quality of Service implement on IP Networks, through measurements. It was tested the DiffServ Standard on different platforms. The evaluation has two phases: On the first phase, it was made a global analysis about the DiffServ environment, in which was verified the capacity of traffic isolation and guarantee of bandwidth per service class. Further in this phase, monitoring was done on the DiffServ nodes to verify the behavior of the classification mechanisms and packet discards. On the second phase, the QoS measurements was used to study the impact of the best effort traffic - TCP and UDP with different sizes of packets - on the performance of service class of Expedited Forwarding (EF). For all the measurement experiments, it was used background traffic to saturate the communication channel. In the EF class, it was made measurements concerned with the delay, variation of the delay (jitter) and the packet loss rate. The results were conclusive considering the QoS guarantee when the service class EF was configured to support one CBR traffic. However, the results demonstrated the existence of situations where the mechanisms of QoS guarantee are affected by the presence of intensive background traffic on the network. Finally, it was made audio and video transmission to compare the performance of these applications in the test environments. These transmissions validated the effectiveness of the traffic prioritization of DiffServ and the configuration policies adopted.

6 Dedicatória Para minha esposa, Edilce; Minha filha, Natália; Meu pai, Tubalcaim; Minha mãe, Hiolita; Minha irmã e irmãos; e Meus amigos.

7 Agradecimentos A Edilce e Natália pelo amor, dedicação e companheirismo que foram muito importantes para a realização deste trabalho. A minha família, pelo apoio e incentivo em todas as horas. Ao professor Carlos Becker Westphall, pelo incentivo, apoio e orientação. Aos demais membros da banca: Professor Jean-Marie Farines, pelos muitos trabalhos realizados, pelas oportunidades, pelo convívio, amizade e exemplo; Professor Roberto Willrich, pelas sugestões; e Elvis Melo Vieira, pelas discussões, sugestões e amizade. A todos amigos do NPD, de ontem, de hoje e de sempre e, em especial, ao Márcio, Fernando, João Batista, Nicolau, Izabel, Kathia Jucá, André, Adriano, Jussara e Gerson. Aos amigos da RMAV-FLN, em especial, a Solange, Walter e Pedro. A todos os meus amigos e a Deus.

8 Índic e 1 i n t r o d u ç ã o C o n siderações in ic ia is O bjetivos d o tr a b a l h o O bjetivo g era l O bjetivo s esp ecífico s N e c e ssid a d e de Q os O p ro to co lo IP e a In tern et R oteam en to I P E xigências das a p lica çõ es C onvergência p a ra I P L argu ra d e b an da Organiza ç ã o d o t r a b a l h o D E F IN IÇ Õ E S E C O N C E IT O S R E L A C IO N A D O S A Q O S C o n sid e r a ç õ e s in ic ia is O q u e É q u a lid a d e d e s e r v iç o (Q o S ) Q u a l id a d e d e serviço em r edes I P M o d elos d e q u a l id a d e d e serviço h m -a -f im S erviço d e m elh or esfo rço S erviço diferen ciado S erviço in te g ra d o : R eq uisito s esse n c ia is em redes com Q os A tra so fim -a -fim V ariação do a traso (jitte r ) P erd a d e p a c o te s L argura de banda e v a z ã o C o n sid e r a ç õ e s finais so bre este c a p ít u l o M E C A N IS M O S P A R A C O N T R O L E D E T R Á F E G O E M R E D E S I P Tipos d e m e c a n ism o s p a r a controle d e t r á f e g o M ecanism os p a ra con trole de tráfego p o r co n versa çã o M ecanism os p a ra con trole de tráfego p o r a g re g a ç ã o S erviços in t e g r a d o s S erviços d if e r e n c ia d o s V isão g e r a l E ncam inham ento de tráfego - P H B s P H B s p a d r õ e s S erviços em um dom ínio D S P o líticas de Q os em D iffs erv C o m pa r a ç ã o D iffs erv v er su s In tse r v C o n sid e r a ç õ e s finais so bre este c a pít u l o M E C A N IS M O S D E E N F IL E IR A M E N T O E P O L IC IA M E N T O D O T R Á F E G O

9 ix 4.1 M ecanism o s d e e n fil e ir a m e n t o Enfileiramento First In, First Out (FIFO) Enfileiramento por Prioridade - Priority Queuing - (PQ) Enfileiramento Baseado em Classes (CBQ) Enfileiramento - WFQ (Weighted Fair Queuing) Policiam ento d o t r á f e g o O método do balde furado :2.2 O método do balde de tokens C o nsiderações finais sobre este c a pít u l o M É T R IC A S D E Q O S E S U A M E D IÇ Ã O C o n siderações in ic ia is M edição d e r edes IP O efeito d o t a m a n h o d a f il a O a t r a s o...: C om o m edir Q os Medição não intrusiva Medição intrusiva M é t r ic a s Métricas relativas a DiffServ deforma geral Métricas relativas a marcação AF Métricas relativas a classe EF C o nsiderações finais so bre este c a pít u l o D E S C R IÇ Ã O D O S E X P E R IM E N T O S Experim ento s - Fa se I - A n á lise geral d e D iffs e r v Ambiente DS para realização dos experimentos Políticas de QoS definidas Topologia da rede Geração e medição do tráfego E xperim entos - Fa se I I Ambiente DS com roteadores IBM Fundamentos da implementação DS nos roteadores IBM Topologia do ambiente IBM Ambiente DS com roteadores CISCO Fundamentos da implementação DS nos roteadores CISCO Topologia do ambiente CISCO Objetivos dos experimentos Método utilizado nas medições C onsiderações fin a is so br e este c a pít u l o R E S U L T A D O S E A N Á L IS E - F A S E I A v a lia ç ã o d a v a z ã o La r g u r a d e b a n d a d e fin id a v er su s v a z ã o e f e t iv a V isão geral so bre o c o m po rtam ento d a r e d e M onitor a ç ã o d o s r o t e a d o r e s C o n c lu sõ es - Fa se I R E S U L T A D O S E A N Á L IS E - F A S E I I

10 8.1 A m biente IB M Determinação do perfil da rede - Ambiente IBM Avaliação do RTT com e sem D S Avaliação do atraso Avaliação da variação do atraso IPDV-jitter Avaliação da taxa de perdas Avaliação qualitativa do tráfego de áudio A m bien te C IS C O Determinação do perfil da rede Avaliação do RTT com e sem D S Avaliação do atraso Avaliação da variação do atraso Avaliação da taxa de perdas Avaliação qualitativa de tráfego de áudio e vídeo C o nclusõ es - Fa se I I C O N C L U S Õ E S Principais c o n tr ibu iç õ e s S ugestõ es para t r a ba lh o s f u t u r o s Medições... ; Gerência de segurança e qualidade de serviço Engenharia de tráfego Análise estatística R E F E R Ê N C IA S A N E X O I - C O N F IG U R A Ç Ã O D S A M B IE N T E I B M In t r o d u ç ã o H a bilita ç ã o d o serviço D S A N E X O II - C O N F IG U R A Ç Ã O D S N O A M B IE N T E C IS C O In t r o d u ç ã o S egm ento de c o nfig uração D S no roteado r C ISC O A N E X O III - F E R R A M E N T A S D E G E R A Ç Ã O E M E D IÇ Ã O D O T R Á F E G O M G E N N e t per f G eração e m ediç ão d o tr á feg o n o a m bien te IB M Geração e medição do tráfego EF Geração do tráfego BE-UDP em background Geração do tráfego BE-TCP em background G eração e m ediç ão d o tr á feg o n o a m bien te C IS C O Geração e medição do tráfego EF Geração do tráfego UDP BE em background no ambiente CISCO Geração do tráfego TCP BE em background no ambiente CISCO

11 Lista de Figuras F ig u r a C a m po D S d o c a beçalh o d o IPv F ig u r a R SV P n o s h o s t s e r o t e a d o r e s...21 F ig u r a S er v iç o s d iferencia d o s - v isã o g e r a l Fig ura R o teador que im plem enta a r q u itet u ra D iffs e r v...23 Fig ura Cam po TO S v er su s B yte D S Fig u r a D ia g r a m a d e blocos d e enfileiram ento e escalo nam ento em um r o t e a d o r...31 F ig u r a E n f ile ir a m e n to FIFO - f i r s t in, f i r s t o u t...33 Fig u r a Enfileiram ento por p r io r id a d e Fig u r a Enfileiram ento b a se a d o em c la sses - C B Q...36 F ig u r a E n file ir a m e n to - Weigh ted Fair Q u euing (W F Q )...:...38 Fig u ra M éto do b a l d e fu r a d o (a ) Fig u ra M éto do b a l d e fu r a d o (b ) Fig u r a M éto do b a l d e de to kens (a )...41 Fig u r a M éto do b a l d e de to kens (b )...41 Fig u r a Po nto s q ue colabo ram com o a t r a so fim-a -f i m Fig u r a M e d iç ã o in tr u siv a em u m c ir c u it o...48 F ig u r a D om ínio D iffs erv - fa se F ig u r a Flu x o s d e t r á f e g o s...54 F ig u r a A m biente D S com r o teado res IBM e conex õ es P P P...58 F igura A m biente D S com roteado res CISCO e conexões A T M...61 F ig u r a l - l - V a z ã o p o r f l u x o d e t r á f e g o - p a c o t e 128 b y t e s...70 F ig u r a V a z ã o por flu x o d e tráfego - pa co te 256 b y t e s...71 Fig u r a V a z ã o por flu x o d e tráfego - pa co te 512 b y t e s F ig u r a V a z ã o m ed id a v s. l a r g u r a d e b a n d a d e fin id a - p a c o t e 128 bytes.. 72 F ig u r a V a z ã o m ed id a v s. l a r g u r a d e b a n d a d e fin id a - p a c o t e 256 b y t e s 72 F ig u r a V a z ã o m ed id a v s. l a r g u r a d e b a n d a d e fin id a - p a c o t e 512 b y t e s 73 F ig u r a 7-7 -T em p o d e t r a n s f e r ê n c ia v s. ta m a n h o d o p a c o te (b y te s ) n a c l a s s e E F Fig u r a V a zã o v s. tam a n h o d o paco te (b y t e s) - D S habilitado e D S n ã o h a b il it a d o Fig u r a L a r g u r a d e b a n d a defin id a v s. v a z ã o m e d id a v s. tráfego a g r eg a d o p/ c l a s s e Fig u r a V a zã o m e d id a por c la sse d e tr á feg o, v a r ia n d o ta m a n h o do PACOTE (BYTES)...75 F igura RTT entre os sistem as E F l e EF2 com pacotes de 84 B y t e s...79 F ig u r a V a z ã o n o c a n a l v s. ta m a n h o d o p a c o t e F ig u r a RTT - 1 f l u x o ICMP EF e 1 f l u x o ICM P BE - t r á f e g o bg U D P INTENSO F ig u r a A t r a s o fim -a-fim (o ne- w a yd e la y) co m t r á f e g o b g e sem t r á f e g o bg F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e bg n o a t r a s o EF em um s e n tid o F ig u r a E fe ito d o ta m a n h o d o p a c o t e b g n o a t r a s o EF (3 f l u x o s ) em um s e n t i d o... 86

12 F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e bg n o a t r a s o EF (5 f l u x o s ) em um s e n t id o...86 F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e b g TCP n o a t r a s o EF - v is ã o co m 1, 3 E 5 FLUXOS EF EM UM SENTIDO...87 F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e bg U D P n o a t r a s o EF - v is ã o co m 1, 3 E 5 FLUXOS EF EM u m SENTIDO...88 F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e b g (TCP e U D P ) n o a t r a s o EF - v isã o com 1,3 e 5 flu x o s EF) em u m s e n t id o F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e b g U D P n o j i t t e r EF - v is ã o com 1, 3 E 5 FLUXOS EF EM u m SENTIDO...89 F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e b g TCP n o j ü t e r d o f l u x o EF - v is ã o com 1, 3 e 5 fl u x o s) em u m se n t id o...90 F ig u r a E f e it o d o ta m a n h o d o p a c o t e b g (TCP e U D P ) n o j u t e r d o f l u x o EF - v isã o com 1, 3 e 5 flu x o s em u m s e n t id o F ig u r a E fe ito d o ta m a n h o d o p a c o t e b g (TCP e U D P) n a t a x a d e p erd a d e paco tes EF -1 fluxo E F F ig u r a E fe ito d o ta m a n h o d o p a c o t e b g (TCP e U D P ) n a t a x a d e p e r d a d e pa co tes EF - 3 flu x o s E F F ig u r a E fe ito d o ta m a n h o d o p a c o t e b g (TCP e U D P ) n a t a x a d e p e r d a d e pa co tes EF - 5 flu x o s E F...93 Fig ura A t r a so s típicos ocorridos n o tr a n spo r te d e v o z so bre redes d e pa c o t e s...93 F ig u r a L a r g u r a d e b a n d a u t iliz a d a - D S h a b ilit a d o e sem t r á f e g o b g - q u a l id a d e d a v o z - ó t im a Fig ura T a x a d e per d a d e pacotes - D S habilitado e sem tráfego bg - q u a l id a d e d a v o z - ó t im a Fig u r a La r g u r a d e b a n d a utilizada - D S n ã o h a bilita d o e com tráfego BG U D P 1500 BYTES - QUALIDADE d a VOZ - SEM RECEPÇÃO DE ÁUDIO F ig u r a T a x a d e p e r d a d e p a c o te s - D S n ã o h a b ilit a d o - t r á f e g o b g U D P 1500 BYTES - QUALIDADE DA VOZ - SEM RECEPÇÃO DE ÁUDIO Fig u r a RTT en tre os sistem as E F l e EF2 c om paco tes d e 84 b y t e s Fig u r a V a z ã o n o c a n a l v s. t a m a n h o d o p a c o t e Fig u r a RTT (R o u n d T rip T im e) d e u m fluxo ICM P EF e ICM P melhor e s f o r ç o n a p r e s e n ç a d e t r á f e g o U D P em b a c k g r o u n d in t e n s iv o Fig u r a E feito d o tam a n h o d o pacote B E (TCP) n o a tr a so d o s fluxos EF Fig u r a E feito d o tam a n h o d o pacote BE (U D P ) n o a tr a so d o s fluxos EF Fig ura E feito d o ta m a n h o d o paco te B E (U D P e TCP) n o a tr a so dos flu x o s E F Fig u r a E feito d o ta m a n h o do pacote B E (U D P ) n a v a r ia ç ã o d o a traso d o s flu x o s E F Fig ura E feito do tam anho do pacote BE (TCP) n a varia ç ã o do atraso d o s fluxos E F Fig ura E feito do tam anho do pacote BE (U D P) n a t a x a d e perda de paco tes d o s fluxos E F Fig u r a E feito d o tam a n h o d o pacote B E (TCP) n a t a x a d e per d a de paco tes d o s flu x o s E F...106

13 xiii F ig u r a L a r g u r a d e b a n d a u t il iz a d a - DS h a b il it a d o e se m t r á fe g o BACKGROUND F ig u r a Ta x a d e p e r d a d e p a c o t e s - DS h a b il it a d o e s e m t r á fe g o BACKGROUND F ig u r a L a r g u r a d e b a n d a u t il iz a d a - DS h a b il it a d o - t r á fe g o BACKGROUND UDP COM PACOTE DE 1500 BYTES E VAZÃO DE 2 M B P S F ig u r a T a x a d e p e r d a d e p a c o t e s - DS h a b il it a d o - c o m t r á feg o BACKGROUND UDP COM PACOTE DE 1500 BYTES E VAZÃO DE 2 M B P S F ig u r a L a r g u r a d e b a n d a u t il iz a d a - DS n ã o h a b il it a d o - t r á feg o BACKGROUND UDP COM PACOTE DE 1500 BYTES E VAZÃO DE 2 M B P S F ig u r a T a x a d e p e r d a d e p a c o t e s - DS n ã o h a b il it a d o - t r á feg o BACKGROUND UDP COM PACOTE DE 1500 BYTES E VAZÃO DE 2 M B P S F ig u r a A m b ie n t e DS IBM - f a s e II F ig u r a A m b ie n t e DS CISCO - f a se I I

14 XIV Lista de tabelas T a b e l a F orm as d e c a ra c teriza r t a x a s d e bits d e a plic a çõ es em term os de PREVISIBILIDADE RELATIVA...5 T a b e l a F orm as d e c a racterizar a sensibilid a d e d e a plic a çõ es a a traso s DE en treg a d e d a d o s...6 Ta b e l a P H B A F - R F C q u a tro c lasses d e tr á feg o in d e p e n d e n t e s.. 26 Ta b e l a PHB D efa u l t - T r á feg o m elhor esfo r ç o...26 T a b e la PHB EF - R F C T r á f e g o p r e m iu m...26 T a b e l a 6-1- Políticas d e D iffs er v d efin id a s T a bela M edições r ea liz a d a s com D S h a b il it a d o...56 T a bela M edições r ea liz a d a s com D S n ã o h a b il it a d o...56 T a bela C á lculo d a v a z ã o teórica m á x im a em u m c a n a l P P P...63 T a b e l a Cálculo d a v a z ã o teórica m á x im a em u m PV C A T M T a b e l a Ta x a d e pa co tes por se g u n d o e v a z ã o m á x im a g e r a d a...64 T a b e la V a z ã o d o t r á f e g o U D P em ba c k g r o u n d - am bien te IB M...67 T a b e la V a z ã o d o t r á f e g o TCP em background - am biente IB M...68 T a b e la V a z ã o d o t r á f e g o U D P em background - a m b ie n te C ISC O...68 T a b e la V a z ã o d o t r á f e g o TCP em b a c k g r o u n d - a m b ie n te C IS C O...68 Ta b e l a M onitoração em b o r d e r I e interior 1 r epr esen ta d o s n a Figura T a b e l a RTT e t a x a d e p er d a s (%) d e pacotes entre e fi e ef2 e entre ef2 e EFl T a b e l a V a z ã o TCP m elhor esforço v a r ia n d o o t a m a n h o d o p a c o t e...80 T a b e l a N úm ero d e pa co tes recebidos por se g u n d o e v a z ã o T a b e la RTT e t a x a d e p e r d a s - 1 f l u x o ICM P B E - t r á f e g o b g U D P in te n s o...83 T a b e la RTT e t a x a d e p e r d a s - 1 f l u x o ICM P EF - t r á f e g o bg U D P in te n s o...83 T a b e l a Q u a lid a d e d a v o z em diferentes situaçõ es d e c a r g a e c o n fig u r ação d a r e d e T a b e l a E sta tístic a s d e tr a n sm issã o d e á u d io - r ea l s e r v e r...96 T a b e l a RTT e t a x a d e p er d a s (%) d e pacotes entre e f I e ef2 e entre ef2 e e f I...99 T a b e l a V a z ã o m á x im a m e d id a a tr a v é s d o N etperf em a m b o s os sentidos 99 Ta b e l a V a zã o TCP m elhor esforço v a r ia n d o o t a m a n h o d o p a c o t e...99 Ta b e l a N ú m ero d e pa co tes rec ebid o s por seg u n d o e v a z ã o T a bela RTT e ta x a d e perdas (%) de pacotes - 1 fluxo ICMP melhor ESFORÇO - TRÁFEGO U D P BG Ta bela RTT t a x a d e per d a s (%) de pacotes - 1 fluxo EF ICM P - tráfego U D P intenso em b g Ta b e l a H a bilita ç ã o d e D S n o s n ó s b o r d e r I, b o r d e r2 e interior Ta b e l a D efinição d e políticas n o s n ó s D S bo r d er 1, b o r d e r2 e interior Ta b e l a D efinição d o s perfis d e tráfego n o s n ó s D S bo r d er 1, bo r d er2 e interior

15 XV T a b e l a D efinição d a s a ç õ es so br e o tráfego n o s n ó s D S b o r d e r I, BORDER2 E INTERIOR T a b e l a D efinição dos períodos d e v a l id a d e d a política d e f in id a T a b e l a O pções d o pa râm etr o s c o n fo r m -actton e ex c eed-a c tio n do COMANDO RATE-LIMIT T a b e l a c o n fig u r ação D S - CISCO - (c la ssific a çã o, policiam ento e MARCAÇÃO) T a b e l a C o nfig uração D S - CISCO - c o n exão d a política d e Q os n a INTERFACE DE SAÍDA T a b e l a C o nfig uração D S - C ISCO - (c la ssific a çã o, e esc a l o n a m en t o d o TRÁFEGO) T a b e la S c r ip tf g - d r e c - r e c e p ç ã o d o t r á f e g o EF - ( e x e c u t a d o em E F l e E F 2 ) T a b e la Sc r ip tfg -m g en - g e r a ç ã o d o t r á f e g o EF - e x e c u t a d o em E F l e E F T a b e la S cript s m c a lc - p r o c e s s a o s d a d o s d o s a r q u iv o s g e r a d o s p e lo DREC T a b e la S c r ip tb g -d r e c - r e c e p ç ã o d o t r á f e g o B E - e x e c u t a d o em B E I e B E T a b e la S cript b g -m g en - g e r a ç ã o d o t r á f e g o B E - e x e c u t a d o em B E I e B E T a bela S c w t b g -netsrv - recepção d o tráfego BE - ex e cuta d o em B E I e B e T a b e la S cript b g - r a t e - g e r a ç ã o d o t r á f e g o B E - e x e c u t a d o em BE 1 e B e T a b e la Scrip t b g -t r p - e s t im a t iv a d a v a z ã o - e x e c u t a d o em B E I e B e2 135' T a b e la S c r ip t f g - d r e c - r e c e p ç ã o d o t r á f e g o EF - e x e c u t a d o em E F l T a b e la S c r ip t fg -m g e n - g e r a ç ã o d o t r á f e g o EF - e x e c u t a d o em EF2 135 T a b e la S c r ip t b g -d r e c - r e c e p ç ã o d o t r á f e g o BE - e x e c u t a d o em BE Ta b e l a S cript b g -m gen - geração d o tráfego BE - executa d o em BE Ta b e l a Script b g -n et sr v - recepção d o tráfego BE - ex e c u ta d o em B E I Ta b e l a S cript b g -rate - geração d o tráfego BE - e x e c u ta d o em B E I 136 Ta bela Script b g -thp - estim a itva d a v a z ã o - executado em B E I e Be

16 Lista de abreviaturas AF ATM BA BE bg CAR CBR CIR Diffserv DS DSCP e2e EF ERP FIFO IETF Intserv IP IPDV IPPM LAN PPP MF NTP PHB PQ QoS RTT RSVP SLA Assured Forwarding Asynchronous Transfer Mode Behaviour Aggregate Best-Effort background Committed Access Rate Constant Bit Rate Committed Information Rate Differentiated Services Differentiated Services Differentiated Services Code-Point End to End Expedited Forwarding Enterprise Resource Planning First In First Out Internet Engineering Task Force Integrated Services Internet Protocol Instantaneous Packet Delay Variation IP Performance Working Group Local Area Network Point-to-Point Protocol Multi-field Network Time Protocol Per-Hop Behaviour Priority Queuing Quality of Service Round Trip Time Resource ReSerVation Protocol Service Level Agreement

17 SCFQ TCP TOS UBR UDP VBR VoIP VPC WAN WFQ Self Clocked Fair Queuing Transmission Control Protocol Type of Service Unspecified Bit Rate User Datagram Protocol Variable Bit Rate Voice over IP Virtual Path Connection Wide Area Network Weighted Fair Queuing

18 1 I n t r o d u ç ã o 1.1 Considerações iniciais A medida em que as redes ganham novas funcionalidades, tornam-se ativos empresariais estratégicos e centros de operações das empresas. Aplicações de missão crítica, tais como as de Planejamento de Recursos Empresariais - ERP (Enterprise Resource Planning), compartilham largura de banda com o tráfego convencional (transferência de arquivos, acesso a páginas WWW) e outras aplicações. As redes, entretanto, convergem para uma infra-estrutura única compartilhada, capaz de suportar também áudio e vídeo e, neste cenário, tipos diferentes de tráfego devem ser tratados de modo diferenciado. Algumas aplicações, como as de áudio, têm exigências rígidas quanto ao atraso fim-a-fim, mas podem tolerar perdas mínimas de pacotes, enquanto outras como transferência de arquivos são sensíveis a este último aspecto, mas as exigências quanto ao atraso são pouco severas [53], As aplicações de missão crítica dão suporte às principais operações das empresas e não podem tolerar atrasos causados por aplicações multimídia. Estas possuem altos requisitos de largura de banda e, potencialmente, podem absorver todos os recursos de rede disponíveis. Em uma instituição financeira, por exemplo, aplicações de missão crítica são aquelas ligadas diretamente ao negócio, como as de suporte às operações de saque, emissão de extrato, consulta a saldo e outras desta natureza. Já a empresa que decide implantar uma aplicação de voz sobre IP (VoIP) em sua rede corporativa pode necessitar priorizar o tráfego gerado por essa aplicação em relação as demais, sem entretanto afetá-las significativamente. A necessidade de Qualidade de Serviço (QoS) é evidente quando se busca utilizar eficientemente canais de comunicação de redes de longa distância WAN - (Wide Area Network), os quais muitas vezes apresentam baixa taxa de transferência e/ou alto custo mensal. Em redes corporativas espalhadas por diversas localizações geográficas conectadas por uma WAN, pode ser imperativo dar maior prioridade ao tráfego de voz e de missão crítica que a outros tipos de tráfego.

19 2 Uma das maneiras de se conseguir QoS (Quality o f Service) é o encaminhamento de pacotes, de forma diferenciada, através do agrupamento destes em categorias de tráfego 1 2 chamadas classes. Uma classe pode conter um único fluxo ou a agregação de múltiplas instâncias de um fluxo [15]. Tratamento diferenciado nos pacotes pode ser empregado para criar serviços. Um serviço está associado às necessidades das aplicações como largura de banda, atraso, variação do atraso ou jitter e taxa de perda de pacotes. Conceitualmente, a largura de banda define a capacidade de transmissão de dados de um canal de comunicação, enquanto o atraso é o tempo decorrido entre o envio de uma mensagem e sua recepção no nó destino. Em redes de pacotes, a variação do atraso é uma distorção nos tempos de chegada entre pacotes comparados aos tempos originais de transmissão, enquanto que a taxa de perda de pacotes representa o percentual de pacotes que foram transmitidos, mas não chegaram ao destino em um determinado período de tempo. Pesquisas feitas pelo ATM Fórum[4] e IETF3 [27] apresentam diversas soluções para prover QoS em redes de computadores: o padrão ATM (Asynchronous Transfer Mode) [4], o protocolo de reserva de recursos, RSVP (Resource ReSerVation Protocol) [45], principal componente da arquitetura IntServ de serviços integrados [28] e a arquitetura DiffServ de serviços diferenciados [22] [9] são soluções interoperáveis e complementares que buscam resolver este problema. O suporte de QoS requer medição de desempenho para aferir se os níveis de qualidade especificados foram alcançados. Quando um provedor Internet ou uma corporação fornece serviços baseados em QoS para seus usuários, diferentes níveis de medições podem ser realizados: na aplicação para adaptação aos níveis de QoS esperados; pelos usuários para verificar o serviço fornecido pela rede; e pelo provedor para monitorar e validar os serviços. 'Em QoS, fluxo pode ser definido como um conjunto de pacotes que, ao atravessarem um elemento da rede, são cobertos pelos mesmos requisitos de controle de QoS. 2 Conjunto de pacotes com o mesmo endereço fonte e destino. Endereço pode ser IP (IP, porta TCP), (IP, porta UDP), Mac Address, etc. 3 Internet Engineering Task Force é uma confederação livre de voluntários da indústria de redes e da academia com objetivo de estabelecer protocolos padrões para a Internet.

20 3 O problema da medição de desempenho é abordado pelo grupo de trabalho IP Performance Working Group [30] do IETF. A medição depende da disponibilidade de métricas, ferramentas e métodos padronizados para quantificar o desempenho. Neste trabalho serão investigados aspectos relacionados à implementação e análise da arquitetura de Serviços Diferenciados (DiffServ) [22] para prover QoS em redes de longa distância. Ambientes de testes serão montados e utilizados para ganhar experiência com DiffServ e com as ferramentas de medição, a fim de investigar o funcionamento e a efetividade dos mecanismos de priorização e a possibilidade de utilização desta arquitetura em um ambiente de produção. 1.2 Objetivos do trabalho Objetivo geral Avaliar, através de medições e experimentação com aplicações de voz e multimídia, a entrega de pacotes em redes IP utilizando a arquitetura de Serviços Diferenciados para implementação de qualidade de serviço (QoS) Objetivos específicos Verificar através da avaliação experimental se existe um comportamento dinâmico nos níveis de tráfego com e sem priorização de QoS; verificar a capacidade de isolamento de tráfego e alocação de largura de banda entre diversas classes de serviços do padrão DiffServ; verificar o efeito do tráfego melhor esforço, ou ausência desse, sobre o atraso, variação do atraso e taxa de perda de pacotes nos fluxos de tráfego priorizados; verificar a relação entre a gerência de qualidade de serviços e a gerência de segurança em redes; demonstrar a viabilidade da implantação de mecanismos de QoS em uma rede WAN, usando DiffServ como forma de melhoria do nível de serviço apresentado para as aplicações; e verificar o comportamento de aplicações de voz e video streaming na rede com QoS habilitado e não habilitado na presença e na ausência de tráfego em background.

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

3 Qualidade de serviço na Internet

3 Qualidade de serviço na Internet 3 Qualidade de serviço na Internet 25 3 Qualidade de serviço na Internet Além do aumento do tráfego gerado nos ambientes corporativos e na Internet, está havendo uma mudança nas características das aplicações

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Gerenciamento de redes

Gerenciamento de redes Gerenciamento de redes Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de QoS (Qualidade de serviço) slide 1 Qualidade de serviços: aplicações de multimídia: áudio e vídeo de rede ( mídia contínua ) QoS rede oferece

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

Serviços Diferenciados

Serviços Diferenciados Qualidade de Serviço I Serviços Diferenciados rffelix70@yahoo.com.br Níveis de QoS Reserva de Recursos Fim-a-Fim Protocolo de Sinalização. Priorização de Recursos de Acordo com SLAs préestabelecidos. O

Leia mais

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes;

Fornecer serviços independentes da tecnologia da subrede; Esconder do nível de transporte o número, tipo e a topologia das subredes existentes; 2.3 A CAMADA DE REDE! Fornece serviços para o nível de transporte, sendo, freqüentemente, a interface entre a rede do cliente e a empresa de transporte de dados (p.ex. Embratel).! Sua principal função

Leia mais

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP?

ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? Convergência ncia de Redes NGN - NEXT GENERATION NETWORK Hugo Santana Lima hugosl@nec.com.br Porque Telefonia IP? O negócio Presença universal do IP Maturação da tecnologia Passagem para a rede de dados

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Infra-estrutura de Telecomunicações Comunicação Multicast Infra-estrutura de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Profa. Débora

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Estudo de QoS IP sobre redes ATM

Estudo de QoS IP sobre redes ATM Estudo de QoS IP sobre redes ATM Projeto REMAV-Salvador Universidade Federal da Bahia Av. Adhemar de Barros, s/n, 40170-110 Salvador-BA Gustavo Bittencourt Figueiredo 1 guto@ufba.br Daniel Macêdo Batista

Leia mais

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN

CAMADA DE REDE. UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN CAMADA DE REDE UD 2 Aula 3 Professor João Carneiro Arquitetura de Redes 1º e 2º Semestres UNIPLAN Modelo de Referência Híbrido Adoção didática de um modelo de referência híbrido Modelo OSI modificado Protocolos

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

QoS for voice applications

QoS for voice applications QoS for voice applications MUM Brazil 2011 Currículo Antonio Nivaldo F. Leite Junior Graduação em Ciências da Computação; Graduação em Comunicação Social c/ ênfase em Pub. e Propaganda; Pós-graduação em

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 11 - Camada de Transporte TCP/IP e de Aplicação 1 Introdução à Camada de Transporte Camada de Transporte: transporta e regula o fluxo de informações da origem até o destino, de forma confiável.

Leia mais

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações

TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações Unidade IV Controle de Congestionamento TP308 Introdução às Redes de Telecomunicações 204 Tópicos Introdução QoS QoS e Controle de Congestionamento Formatação de Tráfego Gerenciamento de Buffer Descarte

Leia mais

Daniel Bitencourt Cadorin. Ferramenta para monitoramento de Redes IP com Serviços. Diferenciados utilizando SNMP

Daniel Bitencourt Cadorin. Ferramenta para monitoramento de Redes IP com Serviços. Diferenciados utilizando SNMP Daniel Bitencourt Cadorin Ferramenta para monitoramento de Redes IP com Serviços Diferenciados utilizando SNMP Florianópolis, 2003 i UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP

Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Recomendações da Cisco para Implantação de QoS para VOIP Consumo de Banda Codec Taxa de Amostragem (ms) Payload de voice (bytes) Pacotes por segundo Largura de banda consumida G.711 20 160 50 80 kbps G.711

Leia mais

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 1 Fundamentos. Prof. Dr. S. Motoyama Aula 1 Fundamentos Prof. Dr. S. Motoyama 1 O que é uma Rede de Computadores? Vários tipos de redes: Redes Telefônicas Redes de Satélites Redes Celulares Redes de TV a cabo Internet e intranets Rede Privada

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte IX Multicast (IGMP e roteamento) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Hardware multicast Ethernet multicast IP multicast Endereçamento e mapeamento para Ethernet multicast

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço.

Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. O que se deve considerar no planejamento de uma rede multi-serviço? Este tutorial apresenta conceitos e recomendações para o planejamento de uma rede multi-serviço. Jorge Moreira de Souza Doutor em Informática

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Introdução as Redes de Computadores Transparências baseadas no livro Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet James Kurose e Keith Ross Redes de Computadores A. Tanenbaum e Prof.

Leia mais

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux

Serviços Diferenciados em Sistemas Operacionais Linux Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Programa de Pós Graduação em Ciências da Computação PPGCC Disciplina: Sistemas Operaciaonais Aluno: Luiz Henrique Vicente Serviços Diferenciados em Sistemas

Leia mais

6 Trabalhos Relacionados

6 Trabalhos Relacionados 6 Trabalhos Relacionados 55 6 Trabalhos Relacionados Para avaliar o desempenho da arquitetura DiffServ em prover qualidade de serviços em redes IP, uma série de experimentos tem sido realizados por vários

Leia mais

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP

MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP MÓDULO 8 Modelo de Referência TCP/IP A internet é conhecida como uma rede pública de comunicação de dados com o controle totalmente descentralizado, utiliza para isso um conjunto de protocolos TCP e IP,

Leia mais

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Controle de Congestionamento em TCP Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Controle de Congestionamento em TCP Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Controle de Congestionamento em TCP Princípios de controle de congestionamento Saber que congestionamento está ocorrendo Adaptar para

Leia mais

Redes de Computadores I Internet - Conceitos

Redes de Computadores I Internet - Conceitos Redes de Computadores I Internet - Conceitos Prof. Luís Rodrigo lrodrigo@lncc.br http://lrodrigo.lncc.br 2012/1 v1-2012.03.29 O que é a Internet Milhões de elementos de computação interligados: Hosts,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte

Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte Um pouco sobre Pacotes e sobre os protocolos de Transporte O TCP/IP, na verdade, é formado por um grande conjunto de diferentes protocolos e serviços de rede. O nome TCP/IP deriva dos dois protocolos mais

Leia mais

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br

Revisão. Karine Peralta karine.peralta@pucrs.br Revisão Karine Peralta Agenda Revisão Evolução Conceitos Básicos Modelos de Comunicação Cliente/Servidor Peer-to-peer Arquitetura em Camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Equipamentos Evolução... 50 60 1969-70

Leia mais

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo II - Mecanismos para se prover QoS Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos para se prover QoS Dejitter buffer Classificação do tráfego Priorização do tráfego Controle de congestionamento Policiamento

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento

Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Capítulo 6 - Protocolos e Roteamento Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 53 Roteiro (1 / 2) O Que São Protocolos? O TCP/IP Protocolos de Aplicação Protocolos de Transporte Protocolos

Leia mais

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos

Arquiteturas de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos Arquiteturas de Rede 1 Sumário Introdução; Modelo de Referência OSI; Modelo de Referência TCP/IP; Bibliografia. 2/30 Introdução Já percebemos que as Redes de Computadores são bastante complexas. Elas possuem

Leia mais

04.03 Quality of Service (QoS)

04.03 Quality of Service (QoS) 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade

Leia mais

Implantação de QoS no fone@rnp

Implantação de QoS no fone@rnp III Workshop VoIP Marcel R. Faria & Fábio Okamura Maio 2008 Agenda Introdução Backbone RNP rede Ipê QoS na rede Ipê - Serviço Premium Aplicação no fone@rnp Introdução A fim de atender a crescente demanda

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de e-systems: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global: Comunicações

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte VI Entrega de pacotes sem conexão (IP) Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Conceitos Pacote (ou datagrama) IP Formato Campos do cabeçalho Encapsulamento Fragmentação e

Leia mais

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay

Márcio Leandro Moraes Rodrigues. Frame Relay Márcio Leandro Moraes Rodrigues Frame Relay Introdução O frame relay é uma tecnologia de chaveamento baseada em pacotes que foi desenvolvida visando exclusivamente a velocidade. Embora não confiável, principalmente

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010

Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Teleprocessamento e Redes (MAB-510) Gabarito da Segunda Lista de Exercícios 01/2010 Prof. Silvana Rossetto (DCC/IM/UFRJ) 1 13 de julho de 2010 Questões 1. Qual é a diferença fundamental entre um roteador

Leia mais

2 Controle de Congestionamento do TCP

2 Controle de Congestionamento do TCP 2 Controle de Congestionamento do TCP 17 2 Controle de Congestionamento do TCP A principal causa de descarte de pacotes na rede é o congestionamento. Um estudo detalhado dos mecanismos de controle de congestionamento

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Rede de Computadores II Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar a melhor rota. Roteador default, é o roteador

Leia mais

CAMADA DE TRANSPORTE

CAMADA DE TRANSPORTE Curso Técnico de Redes de Computadores Disciplina de Fundamentos de Rede CAMADA DE TRANSPORTE Professora: Juliana Cristina de Andrade E-mail: professora.julianacrstina@gmail.com Site: www.julianacristina.com

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Qualidade de Serviços em Redes IP

Qualidade de Serviços em Redes IP Qualidade de Serviços em Redes IP Nesse módulo, veremos como a qualidade de serviço (QoS) pode ser implementada em redes IP. A implementação do QoS envolve dois aspectos: mecanismos de controle de tráfego

Leia mais

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços

GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços GERÊNCIA INFRAESTRUTURA Divisão Intragov - GIOV INTRAGOV Rede IP Multisserviços Julho 2013 Milton T. Yuki Governo Eletrônico (e-gov) Público Alvo Cidadão/Sociedade Órgãos de Governo Serviços e-gov para

Leia mais

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP

INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP Arquitetura TCP/IP Arquitetura TCP/IP INTERNET = ARQUITETURA TCP/IP gatewa y internet internet REDE REDE REDE REDE Arquitetura TCP/IP (Resumo) É útil conhecer os dois modelos de rede TCP/IP e OSI. Cada

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

A Camada de Transporte

A Camada de Transporte A Camada de Transporte Romildo Martins Bezerra CEFET/BA s de Computadores II Funções da Camada de Transporte... 2 Controle de conexão... 2 Fragmentação... 2 Endereçamento... 2 Confiabilidade... 2 TCP (Transmission

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº7 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. de Electrónica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº7 Análise do tráfego na rede Protocolos TCP e UDP Objectivo Usar o Ethereal para visualizar

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br O que é a Internet? Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações Enlaces de comunicação: fibra, cobre, rádio,

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras

General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras General Packet Radio Service (GPRS) Aluna: Marília Veras Tópicos O que é GPSR Arquitetura do Sistema Estados Operacionais do Celular GPRS Classes do Celular GSM/ GPRS Protocolos do GPRS Transmitindo Pacotes

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose)

Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) Cap 01 - Conceitos Básicos de Rede (Kurose) 1. Quais são os tipos de redes de computadores e qual a motivação para estudá-las separadamente? Lan (Local Area Networks) MANs(Metropolitan Area Networks) WANs(Wide

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores edes de Computadores Introdução: Capítulo 1- edes de Computadores e a Internet Prof. Jó Ueyama Março/2012 1 Cap. 1 Objetivos Entender os conceitos básicos de redes de computadores. Maior profundidade e

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 7 Metro Ethernet Sumário IEEE 802.3ae 10 Gbit/s Ethernet - Metro

Leia mais

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego

Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Estudo Experimental da Tecnologia MPLS: Avaliação de Desempenho, Qualidade de Serviço e Engenharia de Tráfego Roberto Willrich (INE-UFSC) Roberto A. Dias (CEFET-SC), Fernando Barreto, Renato D. V. de Oliveira,

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Camada de Redes Parte II. Fabrício

Camada de Redes Parte II. Fabrício Camada de Redes Parte II Fabrício Algoritmos de controle de congestionamento Quando há pacotes demais presente (em parte) de uma sub-rede, o desempenho diminui. Dentro da capacidade de tranporte Eles serão

Leia mais

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Camada Transporte Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Camada Transporte Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Algoritmo de Janela Deslizante em TCP O TCP clássico emprega um protocolo de janela deslizante com confirmação positiva e sem repetição seletiva. O TCP

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais