Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Auditoria Contábil. Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades"

Transcrição

1 Auditoria Contábil Mapeamento e Apontamento na Matriz de Riscos e Oportunidades

2 Financeiro A auditoria desta área tem como objetivo geral verificar se os controles financeiros adotados pela empresa são executados de forma eficaz, e se são capazes de minimizar de forma satisfatória possíveis erros ou fraudes. Uma das formas mais utilizadas para validar estes controles é a conferência dos saldos financeiros com as demonstrações contábeis, e também com as partes relacionadas, tais como Bancos, Clientes, Fornecedores, entre outros. As áreas avaliadas dentro do aspecto financeiro serão:

3 Financeiro CONTAS A RECEBER Inclusão e baixa dos recebíveis; Privilégio dos usuários para inclusões e baixas; Controle de inadimplentes, bem como a constituição e reconhecimento da PDD (Provisão para Devedores Duvidosos); Circularização dos principais clientes; Confronto dos saldos de clientes com os saldos disponibilizados no último balanço patrimonial. CONTAS A PAGAR Inclusão e baixa dos valores a pagar; Privilégio dos usuários para inclusões e baixas; Hierarquia para aprovação dos pagamentos; Verificação de valores a pagar vencidos, bem como prazo médio de atraso, se houver; Circularização dos principais fornecedores; Confronto dos saldos de fornecedores com os saldos disponibilizados no último balanço patrimonial MOVIMENTAÇÃO DE CAIXA E BANCOS Circularização dos saldos bancários; Existência do processo de conciliação bancária; Privilégios dos usuários para inclusões de lançamentos, tais como tarifas; Existência de relatórios diários com as disponibilidades de caixa; Existência do controle de endividamento e sua confrontação com os valores registrados na contabilidade; Controle das sobras de caixa e aplicações financeiras; Contagem física do caixa, na presença do responsável; Verificação dos cheques não compensados e análise amostral qualitativa dos mesmos; Verificação da contabilização dos cheques pela sua competência.

4 Suprimentos A auditoria desta área tem como objetivo geral verificar se os controles de compras, requisições de estoque e saldos de estoques (matérias primas, estoque de produtos em elaboração e estoque de produtos acabados) adotados pela empresa são executados de forma eficaz, e se são capazes de minimizar de forma satisfatória possíveis erros ou fraudes. Uma das formas mais utilizadas para validar estes controles é a conferência dos saldos de estoques por meio de processos de inventário.

5 Suprimentos Verificar como é o funcionamento do processo de compras, principalmente das matérias primas utilizadas no processo produtivo; Verificar como ocorrem as requisições (baixas de estoques); Existência de hierarquia para solicitações de compras e requisições de estoque; Existência de processo de inventário para as matérias primas, produtos em elaboração e produtos acabados; Conferência dos saldos de estoques físicos com os saldos apresentados no último balanço patrimonial.

6 Departamento Pessoal A auditoria de Departamento Pessoal tem por objetivo dar segurança em eventual fiscalização ou reclamação trabalhista, examinando a estrutura existente dos controles e procedimentos do setor pessoal, o cumprimento de todas as obrigações trabalhistas exigidas pelo Ministério de Trabalho e Previdência Social, e os recolhimentos dos impostos e taxas devidos.

7 Departamento Pessoal Verificar como ocorrem os controles de inclusão e baixa de valores da folha de pagamentos; Verificar quais usuários tem privilégio para incluir ou baixar valores da folha de pagamentos; Verificar se a empresa possui banco de horas, e, se existir, como este controle é realizado; Conferência dos saldos e despesas com pessoal com os valores apresentados no último balanço patrimonial e demonstração de resultado; Verificação das principais obrigações do Departamento Pessoal, tais como:

8 Departamento Pessoal CAGED Cadastro geral de Admitidos e Demitidos Guias de recolhimento do INSS GPS Guias de recolhimento do FGTS Guias de recolhimento do IRRF Exames médicos admissional / demissional Exames médicos insalubres (guias semestrais) Vale transporte Salário Família (carteira de vacinação / frequência escolar) Contribuição Sindical RAIS Cartão ou ficha de pontos assinados Utilização de EPI Equipamentos de Proteção Individual

9 Fiscal A auditoria tributária tem por objetivo dar segurança de que os principais tributos foram provisionados e pagos, evitando, portanto, maiores problemas com eventuais fiscalizações. Existência de tributos em atraso ou parcelados; Valores recolhidos nos últimos seis meses, por tributo; Verificação física das guias de recolhimento, por amostragem, dos principais impostos inerentes a atividade da empresa; Conferência dos saldos e despesas com impostos com os valores apresentados no último balanço patrimonial e demonstração de resultado; Verificar a existência e entrega das principais obrigações fiscais, tais como:

10 Fiscal DIPJ LALUR SINTEGRA / SPED Demonstrativo de Apuração das Contribuições Sociais (DACON) Declaração Anual do Imposto de Renda das pessoas físicas (para os sócios) Declaração de Bens e Direitos no Exterior (DBE / BACEN) DIRF Livro Registro de Inventário GPS Contribuição Sindical

11 Fiscal Contribuição Confederativa Contribuição Associativa Informes de Rendimentos das Pessoas Físicas Informes de Rendimentos das Pessoas Jurídicas

12 Patrimônio A auditoria patrimonial tem como objetivo geral verificar se os controles dos itens do imobilizado adotados pela empresa são executados de forma eficaz, e se são capazes de minimizar de forma satisfatória possíveis erros ou fraudes. Verificar como estão sendo contabilizados os itens de imobilizado; Verificar a existência de controle patrimonial através de etiquetas de identificação; Verificação do controle de depreciações e amortizações; Conferência dos saldos e despesas dos itens do imobilizado com os valores apresentados no último balanço patrimonial e demonstração de resultado;

13 Patrimônio Verificar a apropriação do ICMS na compra dos itens de imobilizado; Verificar baixas, alienações, manutenções e inventário dos itens patrimoniais.

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1

Sumário. Nota Preliminar, xvii. Introdução, 1 Nota Preliminar, xvii Introdução, 1 1 Comentários gerais, 3 1.1 Finalidade, 3 1.2 Do patrimônio, 4 1.3 Dos fatos, 5 1.3.1 Do fato administrativo permutativo, 5 1.3.2 Do fato administrativo modificativo,

Leia mais

Sistema Fiscal. Integração via Chave de Acesso XML. Menu

Sistema Fiscal. Integração via Chave de Acesso XML. Menu Soluções Sistema Fiscal Integração via Chave de Acesso XML Sistema Fiscal Importação de XML em Lote Sistema Fiscal Integração via Portal XML-e Sistema Fiscal Mapa de Apuração / Fechamento Tratamento por

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Neste bip. Dicas para resolver erros do Seguro Desemprego. Você Sabia? Edição 68 Abril de 2016

Neste bip. Dicas para resolver erros do Seguro Desemprego. Você Sabia? Edição 68 Abril de 2016 Neste bip Dicas para resolver erros do Seguro Desemprego... 1 Geração dos recibos de vale transporte... 2 Horário de Trabalho... 3 Dicas para resolver erros do Seguro Desemprego O validador do arquivo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6)

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO- DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) DEMONSTRAÇÃO DO VALOR - DVA FLUXOGRAMA 1 3 (1 2) 5 (3 4) 7 (5+6) VENDAS Vendas Operacionais Vendas não Operacionais PDD- Constituição/Reversão VALOR BRUTO VALOR LIQUIDO VALOR TOTAL A DISTRIBUIR 2 4 6 INSUMOS

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

Marketing Comercial. campanhas promocionais. marketing. mala direta. classificação de contatos. Menu

Marketing Comercial. campanhas promocionais.  marketing. mala direta. classificação de contatos. Menu Soluções Marketing Comercial Registro e classificação dos contatos com clientes e prospects. Possibilidade de geração de compromissos encadeados, além de acompanhamento das ações promovidas pelas equipes

Leia mais

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9.

1 D: Compra de Mercadorias ,00 D: ICMS a recuperar 6.300,00 C: Banco S/A ,00. 2 D: Salários a pagar 9.000,00 C: Caixa 9. Curso de Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Comercial I 3ª Fase Professora: Lyss Paula de Oliveira ESTADO DE MATO GROSSO Resolução de Atividades Extra: Lançamentos no Diário: 1 D: Compra de Mercadorias

Leia mais

Neste bip. Como atualizar as tabelas no SEFIP? Você Sabia? Edição 71 Julho de 2016

Neste bip. Como atualizar as tabelas no SEFIP? Você Sabia? Edição 71 Julho de 2016 Neste bip Como atualizar as tabelas no SEFIP... 1 Depreciação... 2 Empresas Imunes e Isentas... 3 Notas explicativas... 3 Você Sabia? Como atualizar as tabelas no SEFIP? No nosso site de documentação on-line

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200

1.01.x1: Formação do Capital, com $ 400 em dinheiro e uma perua no valor de $ 200 CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis ALUNO(A): Exercício : a. preencha os balancetes: TURMA 6º CCN AULA 04 e 05 Turno/Horário

Leia mais

Tempo de Guarda para Documentos Fiscais, Contábeis e Trabalhistas

Tempo de Guarda para Documentos Fiscais, Contábeis e Trabalhistas Tempo de Guarda para Documentos Fiscais, Contábeis e Trabalhistas A presente tabela contém os principais documentos fiscais, contábeis e trabalhistas das empresas com o tempo que deve ser mantido em arquivo

Leia mais

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados:

4. Apure o valor da depreciação acumulada em 31/12/20015, sendo dados: 1. Classifique os itens abaixo em: bens, direitos ou obrigações item bens direito obrigação Empréstimos a receber Dinheiro em caixa Dinheiro depositado no banco veículos biblioteca Salários a pagar estoques

Leia mais

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana.

13/06/14. Introdução. Profº Me. Hugo David Santana. CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Curso de Ciências Contábeis Profº Me. Hugo David Santana. Introdução Nesta aula será apresentado o tratamento contábil dos principais itens relacionados à folha de pagamento, por

Leia mais

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice

INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. 31 de dezembro de 2003 e Índice INSTITUTO ETHOS DE EMPRESAS E RESPONSABILIDADE SOCIAL DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Índice Parecer dos Auditores Independentes...1 Demonstrações Financeiras Auditadas Balanços Patrimoniais...2 Demonstrações

Leia mais

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Nilson José Goedert Contador 2016 Slide 2 Obrigações Federais para Pessoas Jurídicas em Geral: 1. SPED Sistema Público de Escrituração

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

Material de Apoio Comercial. Retornos de Resultados!

Material de Apoio Comercial. Retornos de Resultados! Material de Apoio Comercial Retornos de Resultados! Estrutura do Comercial 1 a 6 - Segmentação de Clientes por Serviços Contábeis A a F - Portfólio de Serviços Contábeis (Assessorias e Consultorias) e

Leia mais

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34

Sumário. Capítulo 2. Conceitos Básicos...1. Patrimônio Contabilidade_Geral_Resumida_cap_00.indd 9 14/10/ :44:34 Sumário Capítulo 1 Conceitos Básicos...1 1. Contabilidade: Conceitos, Objeto, Objetivo, Finalidade e Campo de Aplicação...1 2. Usuários da Informação Contábil...2 3. Principais Tipos de Sociedades Existentes

Leia mais

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição]

Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] Conteúdo Programático Contabilidade Geral Básica - CGB [2ª Edição] CAPÍTULO I. Introdução ao Curso de Contabilidade Introdução ao Curso de Contabilidade 1. Contabilidade. 2. Contabiliza.se o quê. 3. O

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO ESTADO DO MATO GROSSO

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO ESTADO DO MATO GROSSO CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO ESTADO DO MATO GROSSO Cuiabá - MT RELATÓRIO DE AUDITORIA SOBRE CONTROLES INTERNOS REFERENTES AO EXERCÍCIO FINDO EM 31/DEZ./13 01. INTRODUÇÃO Nossos trabalhos foram

Leia mais

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena

SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena SIMULADOS elaborados pelo Prof: Humberto Lucena Em cada questão, marque o item correto: 1. O princípio contábil que atribui às entidades personalidade própria, distinta da dos sócios, é o princípio da:

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTOS DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC RIO

ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTOS DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC RIO ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTOS DO MERCADO DE CAPITAIS - APIMEC RIO Demonstrações Contábeis em 31/12/2008 ASSOCIAÇÃO DOS ANALISTAS E PROFISSIONAIS DE INVESTIMENTOS DO MERCADO

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) - CASO PRÁTICO! Caso prático de conversão de um demonstrativo contábil para moeda estrangeira.! Planilha para conversão

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

Neste bip. Antecipação de Reajuste Salarial. Você Sabia? Edição 62 Outubro de 2015

Neste bip. Antecipação de Reajuste Salarial. Você Sabia? Edição 62 Outubro de 2015 Neste bip Antecipação de Reajuste Salarial... 1 Como informar retenções (notas do registro A100)de PIS e Cofins na EFD Contribuições?... 2 Importação de Extratos Bancários... 2 Recolhimento de FGTS torna-se

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia BALANÇO E DEMAIS PEÇAS CONTÁBEIS DO EXERCICIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Seção do Estado da Bahia BALANÇO E DEMAIS PEÇAS CONTÁBEIS DO EXERCICIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006 BALANÇO E DEMAIS PEÇAS CONTÁBEIS DO EXERCICIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2006 NOTAS EXPLICATIVAS Apresentamos para apreciação da COC - Comissões de Orçamentos e Contas a Prestação de Contas composta das

Leia mais

Nível 1 horas Nível 2 Nível 3 Nível 4 SLA Resolução

Nível 1 horas Nível 2 Nível 3 Nível 4 SLA Resolução Nível 1 horas Nível 2 Nível 3 Nível 4 SLA Resolução Atendimento Consulta ao chamado - - 2 horas Atendimento Cadastro de usuário - - 1 dias Atendimento Reclamações - - 1 dias Atendimento Elogio - - 1 dias

Leia mais

Balancete de Verificação Folha: 1

Balancete de Verificação Folha: 1 Balancete de Verificação Folha: 1 Período : 01/01/2014 a 31/12/2014 1 ATIVO 574.462,15D 5.084.367,48 4.857.447,83 801.381,800 i.i ATTVO CIRCULANTE 283.088,210 5.024.945,04 4.783.385,90 524.647,350 1.1.1

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 30 DE JUNHO DE 2016 NOTA 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A CREDICOAMO CRÉDITO RURAL COOPERATIVA é uma cooperativa de crédito rural singular e sua sede está localizada no município de Campo Mourão/PR, à Rua Fioravante João Ferri,

Leia mais

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3

Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 Sumário Prefácio à Décima Edição, xxi Prefácio à Nona Edição, xxiii Prefácio à Oitava Edição, xxv Parte I Conceitos Básicos, Estrutura e Metodologia Operacional, 1 1 Patrimônio, 3 1.1 Objetivo e definição

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

Finalidades Gerais. Auditoria de contas. Disponível. Disponível 04/05/2017

Finalidades Gerais. Auditoria de contas. Disponível. Disponível 04/05/2017 Finalidades Gerais Auditoria de contas determinar se é pertencente à companhia; determinar a existência de restrições de uso ou de vinculações em garantia; e determinar se está corretamente classificado

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

Sumário. Introdução. Patrimônio

Sumário. Introdução. Patrimônio Sumário Sumário Introdução 2 Objeto 3 Finalidade ou objetivo 4 Pessoas interessadas nas informações contábeis 5 Funções 6 Identificação dos aspectos patrimoniais 7 Campo de aplicação 8 Áreas ou ramos 9

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO

FAPAN Faculdade de Agronegócio de Paraíso do Norte DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO DRE DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO A DRE é a apresentação, em forma resumida, das operações realizadas pela empresa, durante o exercício social, demonstradas de forma a destacar o resultado líquido

Leia mais

FECHAMENTO DE CONCESSIONÁRIAS

FECHAMENTO DE CONCESSIONÁRIAS ANEXO PRE 145.16 FECHAMENTO DE CONCESSIONÁRIAS ROTEIRO ILUSTRATIVO DE ASSUNTOS QUE MERECEM ATENÇÃO NA DESCONTINUIDADE DE NEGÓCIOS I ASPECTOS FISCAIS 1. Verificação de Passivos e Ativos Federais: 1.1. Secretaria

Leia mais

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal

Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Treinamento Presencial CISS Contábil & Fiscal Livros Contábeis e Fiscais Conforme disposto nas Leis 6.404/76 e 11.638/07 e RIR/99, as empresas estão obrigadas a manter escriturados os seguintes livros:

Leia mais

Os documentos podem ser divididos em duas categorias para fins de arquivos: Documentos Contábeis e Documentos Legais:

Os documentos podem ser divididos em duas categorias para fins de arquivos: Documentos Contábeis e Documentos Legais: Os documentos podem ser divididos em duas categorias para fins de arquivos: Documentos Contábeis e Documentos Legais: Documentos Contábeis Os documentos contábeis devem ser arquivados em ordem cronológica

Leia mais

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes

Curso de Contabilidade Básica. Professor André Gomes Curso de Contabilidade Básica Professor André Gomes Dispuseste todas as coisas, com peso, número e medida Livro da sabedoria, XI,21 CONCEITO Contabilidade é a ciência que estuda o patrimônio do ponto de

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil

Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil Sumário Capítulo 1 Escrituração contábil 01 1.1 Conceito 01 1.2 Métodos de escrituração 01 1.2.1 Método das partidas dobradas 02 1.2.1.1 Funcionamento das contas nas partidas dobradas 04 1.3 Normas legais

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS

BALANÇO PATRIMONIAL GRUPO E SUBGRUPOS U N I V E R S I D A D E E S T A D U A L D E G O I Á S (Criada pela Lei n.º 13.456 de 16 de abril de 1999, publicada no DOE - GO de 20 de abril de 1999) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS

Leia mais

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas:

Contabilidade. Objeto, objetivo e finalidade. Bens. Conceito de Contabilidade. Conceitos iniciais - Ativo. Contabilidades específicas: Objeto, objetivo e finalidade Contabilidade Conceitos iniciais - Ativo Objeto: o patrimônio Objetivo: estudo, controle e apuração do resultado Finalidade: Fornecer informações econômicas e financeira sobre

Leia mais

ITG 1000 PME s Giovana Garcia

ITG 1000 PME s Giovana Garcia ITG 1000 PME s Giovana Garcia Você bem preparado para o futuro da profissão. 1 RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. X RESOLUÇÃO CFC

Leia mais

Como antecipar riscos através do cruzamentos de arquivos digitais?

Como antecipar riscos através do cruzamentos de arquivos digitais? Como antecipar riscos através do cruzamentos de arquivos digitais? Contexto Tributário Brasileiro A evolução da administração pública em gerir tributos UNIVERSO EMPRESARIAL* + de 4 MI Formais + de 2 MI

Leia mais

PLANILHA ORIENTATIVA/REFERENCIAL PARA FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS SERVIÇOS DE CONTABILIDADE

PLANILHA ORIENTATIVA/REFERENCIAL PARA FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS SERVIÇOS DE CONTABILIDADE PLANILHA ORIENTATIVA/REFERENCIAL PARA FIXAÇÃO DE HONORÁRIOS SERVIÇOS DE CONTABILIDADE PERÍODO DE VIGÊNCIA: 01 de janeiro de 2017 a 31 de dezembro de 2017. INTRODUÇÃO: A presente planilha orientativa/referencial

Leia mais

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011

Procedimentos Contábeis Patrimoniais e Específicos Adotados e Cronograma de Ações a adotar até 2014, conforme Portaria STN nº 828 de 14/12/2011 1 Reconhecimento, mensuração e evidenciação dos direitos, das 2012 2013 2014 obrigações e provisões por competência. Elaboração de procedimentos para Metodologia de reconhecimento e mensuração dos direitos

Leia mais

03. Para Ativo (A), Passivo (P) e Patrimônio Líquido (PL), observe as sequências lógicas:

03. Para Ativo (A), Passivo (P) e Patrimônio Líquido (PL), observe as sequências lógicas: TÉCNICO EM CONTABILIDADE 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 01 A 20 01. A Contabilidade é uma ciência: a) exata, pois tem como pressuposto a precisão e veracidade apresentada em seus relatórios financeiros

Leia mais

ATIVO Nota PASSIVO Nota

ATIVO Nota PASSIVO Nota Balanços patrimoniais ATIVO Nota 2016 2015 PASSIVO Nota 2016 2015 CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e equivalentes de caixa 165 528 Recursos a serem aplicados em projetos 7 23.836 23.413 Caixa e equivalentes

Leia mais

Código da Conta Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

Código da Conta Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual ISG - Instituto Socrates B A L A N C E T E D E V E R I F I C A Ç Ã O EM BRL Folha : 1 1 - A T I V O 29.031.312,06 19.432.382,85 18.277.805,85-30.185.889,06 11 - ATIVO CIRCULANTE 17.463.277,42 17.841.176,56

Leia mais

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS NORMAS INTERNACIONAIS DE CONTABILIDADE PARA AS PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Antônio Carlos Palácios Vice Presidente Técnico CRCRS O tema no contexto da CONVERGÊNCIA das Normas Contábeis A CRONOLOGIA DA CONVERGÊNCIA

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PARAÍSO DO NORTE ESTADO DO PARANÁ Av. Tapejara, 88 CEP 87.780-000 Fone: (44) 3431 1132 CNPJ 75.476.556/0001-58 www.paraisodonorte.pr.gov.br DECRETO Nº 58/2012 SÚMULA: Dispõe

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso Ciências Contábeis

Trabalho de Conclusão de Curso Ciências Contábeis Trabalho de Conclusão de Curso Ciências Contábeis A seguir são dispostos os regulamentos para os projetos de elaboração e desenvolvimento do TCC- Trabalho de Conclusão para o Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo.

Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. Exercício I Calcule a depreciação anual em cada situação abaixo. a. Máquina adquirida por $18.000, com vida útil estimada de 15 anos e valor residual $3.000. b. Veículo adquirido por $30.000, com vida

Leia mais

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação

BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP. Teresina PI. Laudo de Avaliação BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A - BEP Teresina PI Laudo de Avaliação LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO DO BANCO DO ESTADO DO PIAUÍ S/A BEP EM 30 DE JUNHO DE 2008 GLOBAL AUDITORES INDEPENDENTES, sociedade

Leia mais

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira

CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA Profª Dilci Oliveira Contabilidade é a ciência que estuda, registra, controla e interpreta os fatos ocorridos no patrimônio das entidades com fins lucrativos ou não. Objetivos

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

"A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento." - Frederick Herzberg

A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento. - Frederick Herzberg "A verdadeira motivação vem de realização, desenvolvimento pessoal, satisfação no trabalho e reconhecimento." - Frederick Herzberg EMPRESA JJ Contabilidade foi fundada a mais de duas décadas, por João

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: Contabilidade Tributária e Fiscal Eixo tecnológico: Gestão e Negócios

Leia mais

Net Belo Horizonte Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 31 de outubro de 2010 para fins de incorporação

Net Belo Horizonte Ltda. Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 31 de outubro de 2010 para fins de incorporação Laudo de avaliação do patrimônio líquido contábil em 31 de outubro de 2010 1. Globalconsulting Assessoria Contábil Ltda., empresa devidamente inscrita no Conselho Regional de Contabilidade de São Paulo

Leia mais

PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016

PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016 PARECER TÉCNICO N.º 01/2017 DO CONSELHO FISCAL DO SINDIFISCAL- TO SOBRE A PRESTAÇÃO DE CONTAS DE 2016 Certificamos, como membros do conselho fiscal do SINDIFISCAL- TO (Sindicato dos Auditores Fiscais da

Leia mais

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE

ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE DISCIPLINAS DA SÉRIE ANEXO 01 (Conteúdo do EXIN 2016.2 Ciências Contábeis - Campus Mossoró) 3ª SÉRIE CONTABILIDADE INTRODUTÓRIA II DIREITO TRIBUTARIO LEGISLAÇÃO SOCIAL E TRABALHISTA ORÇAMENTO PUBLICO TEORIA

Leia mais

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação:

EXERCÍCIOS TEORIA DA CONTABILIDADE Prof. Valbertone Fonte CFC. RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: RESPONDA AS QUESTÕES ABAIXO: 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários administrativos. d) pagamento

Leia mais

Demonstrações financeiras Associação Brasileira das empresas de reprodução automática de áudio e vídeo e similares

Demonstrações financeiras Associação Brasileira das empresas de reprodução automática de áudio e vídeo e similares Demonstrações financeiras Associação Brasileira das empresas de reprodução automática de áudio e vídeo e similares 31 de dezembro de 2014 e 2013 Com o relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Título: Como apropriar o ICMS do crédito imobilizado realizando a integração contábil entre curto e longo prazo Até o término do exercício seguinte?

Título: Como apropriar o ICMS do crédito imobilizado realizando a integração contábil entre curto e longo prazo Até o término do exercício seguinte? Título: Como apropriar o ICMS do crédito imobilizado realizando a integração contábil entre curto e longo prazo Até o término do exercício seguinte? Através desta opção, você poderá realizar os lançamentos

Leia mais

Quarta-feira, 13 de março de nº Ano XVI - Caderno B esta edição tem 22 páginas. BALANÇO PATRIMONIAL (em reais)

Quarta-feira, 13 de março de nº Ano XVI - Caderno B esta edição tem 22 páginas. BALANÇO PATRIMONIAL (em reais) Imprensa Oficial da Estância de Atibaia esta edição tem 22 páginas BALANÇO PATRIMONIAL (em reais) ASSOCIAÇÃO MISSIONÁRIA DE AJUDA CRISTÃ - AMAC Ativo 2012 2011 Passivo 2012 2011 Ativo Circulante Passivo

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

Índice. Introdução...7. Capítulo Introdução a Contabilidade A Importância da Contabilidade O Patrimônio...

Índice. Introdução...7. Capítulo Introdução a Contabilidade A Importância da Contabilidade O Patrimônio... Contábil - MÓDULO 1 Índice Introdução...7 Capítulo 1...9 1.1 Introdução a Contabilidade...10 1.1.1 A Importância da Contabilidade...11 1.1.2 O Patrimônio...12 1.1.3 Aspecto qualitativo e quantitativo do

Leia mais

PROCEDIMENTO SOBRE ENTREGA MENSAL DA DOCUMENTAÇÃO TRABALHISTA E PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO

PROCEDIMENTO SOBRE ENTREGA MENSAL DA DOCUMENTAÇÃO TRABALHISTA E PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO PROCEDIMENTO SOBRE ENTREGA MENSAL DA DOCUMENTAÇÃO TRABALHISTA E PROCESSO DE LIBERAÇÃO DE ACESSO Aos prestadores de serviço da VOITH PAPER MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS LTDA. Este procedimento tem por objetivo

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ESTRUTURA DA ORGANIZAÇÃO

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ESTRUTURA DA ORGANIZAÇÃO 2 Descrições do organograma 2.1 - Assembleias Gerais A Assembleia Geral dos associados é o órgão supremo, e dentro dos limites da Lei, do Estatuto e do Regimento Interno, tomará toda e qualquer decisão

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL 1 Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Receita Bruta de até R$ 36

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012

Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Conselho Federal de Contabilidade Vice-presidência de Controle Interno INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Brasília-DF Janeiro/2012 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 003/2012 Processo CFC n.º 2012/000008

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ENCERRAMENTO CONTÁBIL DA CDP Norma Geral TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão 3 Área Administrativa e Financeira 7 Contabilidade 02 Fechamento e Relatórios Contábeis 01 Gestão

Leia mais

Acer Consultores em Imóveis S/A

Acer Consultores em Imóveis S/A Acer Consultores em Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e 31 de Dezembro de 2006 e 2005 Parecer dos auditores independentes Aos

Leia mais

TJ-BA Analista Área Administrativa

TJ-BA Analista Área Administrativa TJ-BA Analista Área Administrativa Pessoal, vou comentar as questões da prova da área administrativa. Conhecimentos Específicos 41 Em um determinado ente da Federação, foi implantado um sistema de controle

Leia mais

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado).

É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). Olá, meus amigos! Tudo bem? É com uma grande satisfação que apresentamos para vocês um Plano de Contas Atualizado para Provas de Contabilidade Geral (Contas de Resultado). O plano foi elaborado pelo nosso

Leia mais

Código da Conta Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual

Código da Conta Descrição Saldo Anterior Débitos Créditos Saldo Atual ISG - Instituto Socrates B A L A N C E T E D E V E R I F I C A Ç Ã O EM BRL Folha : 1 1 - A T I V O 33.116.209,56 12.143.097,36 11.212.070,16-34.047.236,76 11 - ATIVO CIRCULANTE 21.518.018,92 11.760.886,15

Leia mais

Neste bip. Configuração para rescisões com saldo líquido negativo. Você Sabia? Afastamento por doença e acidente retorna à regra anterior

Neste bip. Configuração para rescisões com saldo líquido negativo. Você Sabia? Afastamento por doença e acidente retorna à regra anterior Neste bip Configuração para rescisões com saldo líquido negativo... Afastamento por doença e acidente retorna à regra anterior... Configuração da Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido... Férias

Leia mais

CORE/CE Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Ceara CNPJ: /

CORE/CE Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Ceara CNPJ: / Conselho Regional dos Representantes Comerciais do Ceara CNPJ: 07.340.847/0001-64 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO DEMAIS CRÉDITOS E VALORES

Leia mais

Palestra. Conceitos e Práticas sobre Balanço de Abertura de acordo. com a Lei nº /14. Dezembro Elaborado por:

Palestra. Conceitos e Práticas sobre Balanço de Abertura de acordo. com a Lei nº /14. Dezembro Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

CORE/MG Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Minas Gerais CNPJ: /

CORE/MG Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Minas Gerais CNPJ: / Conselho Regional dos Representantes Comerciais no Estado de Minas Gerais CNPJ: 17.314.360/0001-60 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO Especificação ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS

Leia mais

*** BALANÇO PATRIMONIAL ***

*** BALANÇO PATRIMONIAL *** ASSOCIACAO DO PESSOAL DA CAIXA ECONOMICA FEDERAL MT Folha: 00002 *** BALANÇO PATRIMONIAL *** A T I V O A T I V O ATIVO CIRCULANTE 85.430,83 DISPONIBILIDADES 34.180,25 CAIXA, FUNDO FIXO, TRANSAÇÕES 2.759,73

Leia mais

Plano de Contas Código Descrição Natureza

Plano de Contas Código Descrição Natureza 1 ATIVO 11 ATIVO CIRCULANTE 111 ATIVO DISPONIVEL 111001 NUMERARIOS 1.1.1.001.0001-0 CAIXA PEQUENO 111002 BANCOS CONTA MOVIMENTO 1.1.1.002.0001-5 BANCO BRADESCO SA 1.1.1.002.0002-3 BANCO DO BRASIL 1.1.1.002.0003-1

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 1. Contexto Operacional A CAEFE Caixa de Assistência dos Empregados de Furnas e da Eletronuclear é uma sociedade civil de

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Aula 07 Análise TCU III

Aula 07 Análise TCU III Sumário 1 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 096 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 2 TCRO Auditor CESPE 2013 - Questão 097 - Análise de Demonstrações Contábeis... 2 3 TCU Analista (CESPE/ 2008)

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda

Consultoria e Assessoria Pública Ltda Consultoria e Assessoria Pública Ltda Ofício n.º xxxxxxxx Araçatuba, xx de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Nome do destinatário Cargo do destinatário Assunto: Cronograma de das NBCASP (Portaria

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 (Em Reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Conselho Regional de Odontologia de São Paulo, Autarquia Federal nos termos da Lei n 4.324/64

Leia mais

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA

DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA DFC DEMONSTRAÇÃO DE FLUXO DE CAIXA Base Legal CPC 03 e Seção 07 da NBC TG 1.000 O presente auto estudo embasará os conceitos e procedimentos técnicos contemplados no CPC 03 (IFRS Integral) e na Seção 07

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14

BALANÇO PATRIMONIAL - ANEXO 14 ATIVO Exercício Atual PASSIVO Exercício Atual ATIVO CIRCULANTE 652.201,35 PASSIVO CIRCULANTE 236.288,68 Caixa e Equivalentes de Caixa 652.201,35 Obrigações Trabalhistas, Previdenciárias e Assistenciais

Leia mais

Treinamentos do Programa de Educação Profissional Continuada do CRC

Treinamentos do Programa de Educação Profissional Continuada do CRC Treinamentos do Programa de Educação Profissional Continuada do CRC Temas Ativos 2017 Pontuação Geral Categoria(s) Pontuadas(s) ÁREA CONTÁBIL 1 Análise das Demonstrações Contábeis (Com Foco em Preparadores

Leia mais