3 Interligação de redes (Camada de rede)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3 Interligação de redes (Camada de rede)"

Transcrição

1 3 Interligação de redes 3 Interligação de redes (Camada de rede) 1/66

2 3.1 Conceitos 3.1 Conceitos de interligação de redes Internetworking 2/66

3 Introdução Objectivos da interligação de redes através do protocolo IP (IP Internet Protocol) Efectuar a interligação de redes utilizando um único protocolo, operando ao nível 3 OSI Todas as aplicações e protocolos superiores serão suportados pelo IP Criar um espaço de endereçamento global Universalidade no endereçamento Escalável Endereçamento hierárquico Simplicidade Providencia serviço de rede datagrama não orientado à ligação (Best effort datagrams) Independente da aplicação Funcionamento Extremo a Extremo As tarefas mais complexas (controlo de fluxo e congestão, fiabilidade, etc.) são deixadas para o nível 4 ou superior do OSI (TCP ou Aplicação) ( Saltzer J., End to End arguments in system design ACM Transactions on Computer Systems) 3/66

4 Introdução Modelo de interligação de redes IP Modelo de interligação IP TCP -> Funcionamento extremo a extremo Implementado nos utilizadores (end systems) e nós de rede 4/66

5 Introdução Funções básicas da camada de rede Objectivos Encaminhar pacotes ao longo da rede ( Os Protocolos de rede são implementados em cada router e computador) Funções Determinação do caminho Qual a rota percorrida pelos pacotes da origem para o destino? - Algoritmos de encaminhamento Expedição (forwarding) Funções básicas da camada de rede Transferir os pacotes da entrada do router para a saída apropriada, o mais rápido possível 5/66

6 Introdução Modelo de serviço de rede da Internet Modelo datagrama (não orientado à ligação) Não há conceito de ligação ao nível de rede Pacotes encaminhados usando endereço de destino Best effort service Hop by Hop routing. Cada router recebe o pacote, analisa o endereço de destino e entrega-o ao próximo router Os routers não sabem o estado das ligações extremo a extremo 6/66

7 3.2 Protocolo IP 3.2 IP (Internet Protocol) 7/66

8 Protocolo IP Endereçamento Endereço IP Identificador de 32 bits Utilizado em sistemas terminais e interfaces de routers Interface Routers têm múltiplas interfaces Os sistemas terminais podem ter múltiplas interfaces Os endereços IP estão associados às interfaces e não aos sistemas terminais ou aos routers 8/66

9 Protocolo IP Notação Notação - Dotted Decimal Divisão do endereço em 4 grupos de 8 bits Conversão binário-decimal de cada grupo de 8 bits Cada grupo de 8 bits no formato decimal separado por. => Conversão binário-decimal (Soma dos pesos dos bit s a 1) 9/66

10 Protocolo IP Rede e Host Separação Rede-Host Conceito de rede Internet -> Interligação de redes Cada interface de 1 router corresponde a uma rede IP ( Endereço do Cabo ) Numa rede existem 1 ou vários Hosts Permite que a comunicação entre Hosts pertencentes à mesma rede se efectue sem a intervenção do router. Identificador da rede Bits mais significativos do endereço IP Identificador do Host Bits menos significativos do endereço IP Rede de computadores constituída por 3 redes IP, cujos endereços começam em 223.-> Os primeiros 24 bits identificam a rede os últimos 8 bits identificam o Host na rede 10/66

11 3.2.1 Calssfull addressing Endereçamento por classes (Classfull) 11/66

12 Endereçamento IP Endereçamento Classfull Classes de endereços (Endereços classfull ou por classes) Regra do 1º Octeto para determinação da classe Network Boundary Exemplo p/ classe A MSB fixo a 0. 8 bits para rede 24 bits Host De a > Reservado para default routes > Reservado para loopback Gamas válidas: 1 a 126 Classe B MSB s fixo a bits para rede 16 bits Host Gamas: 128 a 191 Classe C MSB s fixo a bits para rede 8 bits Host Gamas: 192 a 223 Classe D (MultiCast) Gamas: Reservada p/ experiência 12/66

13 Endereçamento IP Nº Hosts e redes por classe Número de Hosts e redes por classe de endereçamento Classe A Nº de redes (0xxxxxx) = 7 bits, menos a rede 0 e 127 = ( 2 ^7) 2 = 126 redes Nº de Hosts 24 bits, menos o 1º endereço tudo a zeros que identifica a rede e o último endereço tudo a 1 s que é o endereço broadcast = ( 2 ^24) 2 = hosts. Classe B Nº de redes (10xxxxxx.xxxxxxxx) = 14 bits = ( 2 ^14) = redes Nº de Hosts 16 bits, excepto o 1º e último endereço = ( 2 ^16) 2 = hosts Classe C Reservadas (110xxxxxx.xxxxxxxx.xxxxxxxx) = 21 bits rede = ( 2 ^21) = ( 2 ^8) 2 = bits Host, excepto o 1º e último endereço = hosts. redes 13/66

14 Endereçamento IP Endereços especiais reservados Endereço da rede Broadcast Direccionado (Todos os hosts na subrede) (RFC 1812 Requirements for IPV4 Routers) Broadcast local (Só tem efeito na LAN) (RFC 1812 Requirements for IPV4 Routers) default route Identifica o host em determinada rede (subnet zero) (RFC 791 DARPA IP Protocol Specification) Rede SubRede Tudo 1s Tudo a 1 s na subrede e Host Broadcast todos os Host em todas as subnets Broadcast directo mais abrangente Loopback 14/66

15 Endereçamento IP Interligação de duas redes de classes diferentes Classe B Classe A Atenção! As tabelas de routing contêm automaticamente as redes directamente ligadas 15/66

16 Endereçamento IP Entidades reguladoras Entidades que controlam a distribuição dos endereços IP A nível mundial: INTERNIC (Internet information center) A nível regional: Europa RIPE (Réseaux IP Européens) EUA ARIN (American Registry for Internet Numbers) ASIA APNIC (Asia Pacific Network Information Center) A nível local: ISP s -> Obtêm blocos de endereços das autoridades regionais (RIPE, etc.) Organizações locais -> Obtém endereçamento (redes) dos ISP s Grandes Organizações -> Podem obter endereços das autoridades regionais (RIPE, etc) 16/66

17 Endereçamento IP Endereçameto privado Endereçamento privado Endereços a ser utilizados em intranets Cada utilizador pode atribuir as redes que quiser São especificados no RFC 1918 Private address space Gamas de endereçamento privado (RFC 1918) Classe A Classe B Classe C Estas gamas de endereçamento não são encaminháveis na internet 17/66

18 Endereçamento IP Subnetting (FLSM Fixed Length Subnet Mask) É utilizada para aumentar a flexibilidade no endereçamento Permite a introdução de outro nível hierárquico de endereçamento As classes B s reservam 16 milhões de hosts, mesmo que só existam 2000 Permite a alteração do número de redes e hosts, alterando o nº de bits utilizados para a subnet e para os Hosts Vai emprestar alguns bits da porção do host (múltiplos de 8) para identificar a rede. Necessita de máscara de rede, de modo a identificar a rede (subnet) no endereço IP Operação lógica AND entre Máscara e Endereço = Rede 18/66

19 Endereçamento IP Subnetting Exemplo: Subnetting Necessito de 250 redes, cada uma com máximo de 254 hosts -> Atribuição de 250 redes classe C? (Já esgotadas) -> Atribuição de 1 rede classe B (Ex: Rede ) Posso subdividir a rede entre e Dividi uma classe B em 250 subredes (250 redes como se fossem classe C) Por cada subrede x.0 posso atribuir 254 endereços Obtenho 254 hosts por cada subrede A rede é denominada Major Network As redes x.0 são denominadas subnets 19/66

20 Endereçamento IP Máscara de rede Mascara de rede É utilizada para identificar a rede, no endereço IP de 32 bits Mascara para classe B Os dispositivos de rede e hosts, determinam a rede, (contida no endereço IP) efectuando a operação AND entre o IP e a Máscara de rede 20/66

21 Endereçamento IP Máscara de rede ( Exemplo de utilização) Dada a rede (Classe B) qual a máscara para 250 redes e 250 hosts por rede? Necessito 8 bits para rede e 8 bits para hosts A B AND x x.0 = Máscara estendida Ex: Host A envia dados para B: > Host A necessita saber qual a rede de destino: Efetua IP AND Máscara de rede O resultado é a rede : : Está na mesma subrede. Não envia para o router. Os routers fazem a mesma operação ao receberem pacotes para determinar o interface de saída onde se localiza a rede de destino 21/66

22 Endereçamento IP Máscara de rede Operação AND para obtenção da subrede AND IP Máscara = SUBREDE O número da rede é estendido por 8 bits Notação: /24 -> Em que /24 indica o comprimento em bits da máscara de rede 22/66

23 3.2.2 CIDR e VLSMs CIDR (Classless InterDomain Routing) e VLSM s 23/66

24 Endereçamento IP CIDR e VLSM s (Mascaras de comprimento variável) Surgiu para permitir total flexibilidade no número de redes e hosts para qualquer endereço IP VLSM A parte do endereço que identifica a rede tem um tamanho arbitrário (No endereçamento classfull apenas eram permitidos múltiplos de 8 bits) O formato do endereço é: a.b.c.d/x em que x representa o nº de bits identificadores da rede x é denominado prefixo de rede. A rede e respectiva máscara seria: /66

25 Endereçamento IP CIDR e VLSM s (Mascaras de comprimento variável) Admitamos a subnet /24, da rede / Rede Host Rede Host Subnets da rede VLSM: /26 1ª subnet: / ª subnet: / ª subnet: / ª subnet: / Fico com 8 bits da parte do Hosts para subdividir em mais subredes Roubando 2 bits ao Host, fico com várias subredes dentro da subrede /24 = Várias /26 Nº subredes adicionais: 2 n = 2 2 = 4 (*) Ver Nota no slide seguinte Nº Hosts por cada subrede: n = 2 2 = 62 O 1º Host é reservado para endereço da subnet O último Host é reservado para endereço broadcast 25/66

26 Endereçamento IP CIDR e VLSM s (Mascaras de comprimento variável) Notas adicionais Inicialmente não era aconselhada a utilização da subnet zero ou um, ou seja todos os endereços que contenham tudo a zeros ou tudo a uns, na porção que identifica a subnet (Ver RFC 1009) A fórmula de cálculo para o nº de subnets e hosts era dada por: Nº Subnets = 2 n 2 (as 2 subnets subraídas são as que contêm tudo zero ou um na sua porção de endereço IP) Isto justificava-se pelo facto de os protocolos de encaminhamento IP funcionarem por classes não contendo informação sobre a máscara de rede. Deste modo, para os endereços pertencentes à major network /16 e à sua subnet /24 (zero) não é possível distinguir entre os brodcasts para todas as subnets ( /16) e os broadcasts para a sub-net que é identificada com todos os bits a um ( /24) Os protocolos actualmente não funcionam por classes, contendo sempre informação sobre a máscara de rede, eliminando o problema anterior. ( Ver RFC 1812 e 1878 para mais detalhes ) Ao longo dos próximos capítulos, se nada for dito em contrário, será assumida a nova versão de cálculo do nº de redes utilizando VLSM s (Protocolos ignoram a classe e contêm a máscara) Nº Subnets = 2 n 26/66

27 Endereçamento IP VLSMs Exemplo de aplicação Foi atribuído ao departamento de radiotecnia da escola, o seguinte bloco de endereçamento: /21 Utilizando VLSM s atribua o endereçamento conveniente às redes da figura: Rede 3 (LAN) 25 utilizadores Rede 6 (Série PTP) Rede 1 (LAN) 145 utilizadores Rede 4 (LAN) 18 utilizadores Rede 7 (Série PTP) Rede 5 (LAN) 30 utilizadores Rede 8 (Série PTP) Rede 2 (LAN) 251 utilizadores 27/66

28 Endereçamento IP VLSMs Exemplo de aplicação Resposta: Tenho 2 redes com 145 e 251 utilizadores: A potência de 2 mais próxima é 8 (2 8-2=254) - Necessito de duas subredes (rede 1 e 2) com 8 bits para Hosts = /24. Tenho 3 redes com 25, 28 e 30 utilizadores: A potência de 2 mais próxima é 5 (2 5-2=30) - Necessito de três subredes (rede 3,4 e5 ) com 5 bits para Hosts = /27. Tenho 3 redes ponto a ponto (2 endereços) A potência 2 mais próxima é 2 (2 2-2=2) - Necessito de três subredes (rede 6,7,8 ) com 2 bits para Hosts = /30. 1ª Iteração: Atribuir 2 blocos contíguos /24 à rede 1 e 2. (1ª e 2ª Subnet) 2ª Iteração: Dividir o 3º bloco /24 em 6 subnets / 27, e atribuir 3 contíguas às redes 2,4 e 5 3ª Iteração: Dividir o 6º bloco /24 em 6 subnets / 30, e atribui-los às redes 6,7 e 8 Permite margem de crescimento para mais redes remotas 28/66

29 Endereçamento IP VLSMs Exemplo de aplicação Resposta: Para conseguir 8 bits para hosts aumento a máscara para /24 (Roubo 3 bits ao Host = 23-2=6) Com /21 obtenho 8 subredes / Subrede Gamas utilizáveis /24 a /24 /21 /24 8 bit Atribuir as subredes /24 e /24 às LAN s 1 e 2 respectivamente 29/66

30 Endereçamento IP VLSMs Exemplo de aplicação Resposta: Com /24 obtenho 8 subredes /27 (Roubo 3 bits ao Host = 2 3-2=6) Subrede Subredes: /27 a /27 /24 /27 Atribuir as subredes /27, /27 e /27 Às LAN s 3, 4 e 5 respectivamente -> Sobram as 96, 128, /66

31 Endereçamento IP VLSMs Exemplo de aplicação Resposta: Para permitir margem de crescimento dos sites remotos utilizo a mais alta /27 livre para n=30 Com /27 obtenho 8 subredes /30 (Roubo 3 bits ao Host = 2 3-2=6) Subrede Gamas utilizáveis /30 a /30 /27 /30 Atribuir as subredes /30, /30 e /30 Aos interfaces PTP -> redes 6, 7 e 8 respectivamente 31/66

32 Endereçamento IP Sumarização Sumarização A sumarização consiste no agrupamento de blocos de endereços de modo a reduzir as tabelas de routing dos routers Apenas anuncia 1 prefixo /22 Quatro redes /24 S1 E1 S1 S2 Tabela Routing D /22 S1 Rede Interface /24 E / / /24 E1 S1 S2 Tabela Routing E Rede Interface 32/66

33 Endereçamento IP Sumarização A sumarização é calculada com base no nº de bits comuns a todos os blocos de endereços Entre e existem 22 bits em comum. A sumarização é feita em /22 33/66

34 Protocolo IP Formato datagrama IP 4 bit Formato datagrama IP 8 bit 16 bit Header de (4x5) 20 bytes excluindo campo opções Opções: Pode ir até 40 bytes 34/66

35 3.2.3 Fragmentação Fragmentação e reassemblagem dos pacotes IP 35/66

36 Protocolo IP Fragmentação e reassemblagem Fragmentação IP Pode trabalhar sobre diversos meios físicos Cada rede impõe diferentes tamanhos máx. de pacotes denominado MTU (Maximum Transfer Unit) MTU = Header IP + Payload IP Valores típicos de MTU por interface Ethernet: 1500 bytes FDDI: 4464 bytes X.25 e SLIP:576 bytes Os datagramas IP com tamanho superior ao MTU do interface são fragmentados na rede Um datagrama transforma-se em vários datagramas São reassemblados no destino final Por cada fragmento de um pacote original é adicionado novo Header: Problemas Overhead + processamento adicional ATENÇÃO 36/66

37 Protocolo IP Fragmentação e reassemblagem Identificação dos fragmentos relacionados É efectuada através de campos no cabeçalho IP 13 bits: Posição do fragmento no pacote Identificador do pacote: Igual para todos os fragmentos do mesmo pacote 3 bits: 1º não usado 2º bit: DF bit. Se a 1 indica que o pacote não deve ser fragmentado: Cada pacote que chegue a um router, com DF = 1 e maior que o MTU é descartado. 3º bit: MF bit. (More Fragment). Indica ao destino se existem mais fragmentos do mesmo pacote. Caso 1, há mais fragmentos. Caso 0 é o último fragmento 37/66

38 Protocolo IP Fragmentação e reassemblagem Calculo da fragmentação de um pacote Campo Fragment Offset só tem 13 bits: dá um valor para contagem máximo de 2 13 = 8192 Este valor é multiplicado por 8 -> 8192*8 = bytes -> máximo que é possível fragmentar Problema: O comprimento máximo dos dados num fragmento tem que ser múltiplo inteiro de 8 excepto para o último fragmento Implica: O Payload de todos pacotes (fragmentos) cujo bit M=1 tem que ser divisível por 8 Cálculo do offset: - Posição relativa do fragmento relativamente ao pacote original Offset = Soma de todos os payloads dos pacotes anteriores fragmentados Ou seja: O meu Payload somado ao Fragment Offset = Tamanho total to pacote até aqui. 38/66

39 Protocolo IP Fragmentação e reassemblagem Exemplo: Para um pacote de dados IP com 1504 bytes incluindo cabeçalho, ser enviado através de uma ligação X.25 com MTU = 576, qual o comprimento L, ID, M bit e valores de offset para cada fragmento? ID = K L=1504 M=0 Offset = 0bytes Pacote original MTU=576 MTU=576 MTU=576 Header Payload Header Payload ID=K L=572 M=1 Off = ID=K L=572 M=1 Off =69 Header Payload ID=K L=400 M=0 Off =138 Payload: = = não é múltiplo de 8. O múltiplo de 8 mais próximo é 552 M=1 -> Não é o último fragmento Offset = 0: Não há fragmentos anteriores Payload: = Igual ao anterior (Máximo do pacote) M=1 -> Não é o último fragmento Offset = 69*8 = 552: A soma dos payloads anteriores é 552 Payload: = Cabe o restante do pacote (380 bytes) M=0 -> É o último fragmento Offset = 138*8 = 1104: A soma dos payloads anteriores é /66

40 3.2.4 ARP ARP (Address Resolution Protocol) 40/66

41 Protocolo IP ARP Address resolution Protocol ARP Numa rede local (LAN) é necessário conhecer o endereço MAC de destino /24 Quero enviar p/ Qual o MAC Address? / / / /24 Rede /24 Rede /24 Características Protocolo request / reply peer to peer Request é enviado em tramas MAC Broadcast. Reply enviado em tramas MAC Unicast Os Hosts e Routers numa rede IP mantêm uma tabela que mapeia endereços IP a endereços MAC chamada Arp Cache 41/66

42 Protocolo IP ARP Address resolution Protocol / /24 Construção das tabelas ARP (Arp Cache) 1 Request Reply Rede / / / /24 Rede /24 1 A envia dados para o router. Apenas conhece o endereço IP. Envia uma mensagem ARP Request (Broadcast a nível MAC) 2 Router responde com ARP Reply Para o endereço MAC Unicast originador A resposta contêm o seu endereço MAC Tabela ARP Host A IP Hardware Address c c Timeout 240 s 240 s Após Timout são automaticamente apagados da cache. Comando para ver tabelas ARP Windows: arp -a 42/66

43 Protocolo IP ARP Address resolution Protocol Formato da trama Formato mensagem HARDWARE TYPE - Identificação da rede física (Ethernet = 1) PROTOCOL TYPE - Identificação do protocolo de nível rede (IP = 0x8000) HLEN - Dimensão dos endereços da rede física (Ethernet = 6) PLEN - Dimensão dos endereços do protocolo de encaminhamento (IP = 4) OPERATION - Tipo da trama (ARP Rq, ARP Rpl, RARP Rq, RARP Rpl) SENDER HA - Endereço físico (MAC) de origem SENDER IP Endereço IP dp originador da mensagem ARP TARGET HA - Endereço físico (MAC) de destino TARGET IP Endereço IP de destino, ao qual o originador pretende obter o MAC de destino 43/66

44 Protocolo IP ARP Address resolution Protocol Exemplo operação ARP Request Exemplos Operação Trama Ethernet ( Nível MAC) Começa Aqui Não sabe o MAC destino Envia BROADCAST Mensagem ARP Começa Aqui Opcode = 1 (Request) MAC Origem Não sabe qual o MAC de destino (Request) IP de destino ao qual necessita saber o MAC 44/66

45 Protocolo IP ARP Address resolution Protocol Exemplo operação Trama Ethernet ( Nível MAC) Começa Aqui Na resposta é UNICAST Sabe o MAC de Origem do pedido Mensagem ARP Começa Aqui Opcode = 2 (Reply) Este é o MAC pedido 45/66

46 3.2.5 ICMP ICMP (Internet Control Message Protocol) 46/66

47 Protocolo IP ICMP Internet Control Message Protocol Utilizado pelos Hosts e Routers para transferir informação de controlo a nível de rede Reporte de erros Endereço, porto, protocolo não atingível Teste de conectividade IP Pedido / resposta de eco (comando PING) Mensagens ICMP são transportadas em datagramas IP ICMP Tipo de mensagem Código da mensagem 47/66

48 Protocolo IP ICMP Internet Control Message Protocol Formato mensagem Formato mensagem echo request / reply -> Utilizadas pelo comando ping Identifier: Distingue entre aplicações na mesma máquina (Ex: diferentes echo servers) Seq. Number: Distinção entre mensagens da mesma aplicação (Ex: Request / Reply) Nota: Ver exemplo pág 591 Livro - Echo Request / Reply com o EtherReal 48/66

49 Protocolo IP ICMP Internet Control Message Protocol Exemplo operação ICMP echo Request Nº Sequência identifica o pedido 49/66

50 Protocolo IP ICMP Internet Control Message Protocol Exemplo operação ICMP echo Reply Nº Sequência relaciona a resposta com o pedido 50/66

51 3.2.6 DHCP DHCP Dynamic Host Configuration Protocol 51/66

52 Protocolo IP DHCP Objectivo: Permitir que um sistema terminal obtenha dinamicamente o seu endereço IP de um servidor da rede quando se liga à rede Pode renovar o empréstimo de um endereço em uso Permite reutilização de endereços (apenas mantém o endereço quando está ligado) Suporta utilizadores móveis que queiram ligar-se à rede Resumo do DHCP: Sistema terminal envia msg em difusão.dhcp discover. Servidor de DHCP responde com msg.dhcp offer. Sistema terminal pede endereço IP: msg.dhcp request. Servidor DHCP envia endereço: msg.dhcp ack. 52/66

53 Protocolo IP DHCP Cenário Cliente Servidor DHCP 53/66

54 Protocolo IP DHCP Cenário Cliente Servidor DHCP Qual o end DHCP? Selecção do DHCP server (Podem existir vários) Cliente escolheu DHCP server (Ex: 1ª Offer recebida) Inicia a negociação com o DHCP Server escolhido 54/66

55 3.2.7 NAT NAT (Network Address Translator) 55/66

56 Protocolo IP NAT Network Address Translator NAT Objectivo: Permitir conectividade entre redes privadas e públicas (Internet) Espaço de endereçamento privado (RFC 1918) não é encaminhado na internet Para haver conectividade, cada computador teria que ter um endereço registado RIPE (público) Os endereços de origem na rede local (privada) são modificados sem notificar a rede exterior (internet) Endereçamento RIPE (Ex: Internet) Internet Endereçamento privado (RFC 1918) Rede Local privada NAT Router Rede /24 56/66

57 Protocolo IP NAT Network Address Translator Tipos de NAT 1 - NAT simples ou 1 para 1 É mantida uma tabela de correspondência entre os endereços IP de origem privados e públicos (tabela NAT) Estático A correspondência de endereços IP de origem privados e públicos atribuida pelo administrador de rede A Cada computador da rede local é atribuída uma correspondência fixa entre endereço privado e público Dinâmico Tipos de NAT A correspondência de endereços IP de origem privados e públicos atribuida automáticamente pelo router dentro de uma gama definida pelo administrador de rede) Cada computador local pode sair com diferentes endereços de origem, dentro da gama (rede) atribuida 2 - NAT n para 1 (ou com overload ) -> Também pode ser: n para y com y<n Vários computadores na rede local saem para o exterior com um único endereço IP A unicidade dos endereços é mantida, adicionando o porto de origem da aplicação ao endereço IP local O router NAT passa a actuar ao nível 4 do OSI. É mantida uma tabela de correspondência entre os endereços(origem-destino) IP:Porto de origem Também pode ser estático ou dinâmico 57/66

58 NAT Simples (1->1) NAT Simples (1->1) 58/66

59 Operação Protocolo IP NAT Network Address Translator Operação NAT simples (End. Origem) 1 Host A ( ) envia pacote para B ( ) Resposta 2 O Pacote chega ao router, que analiza a tabela de NAT 3 O Router substitui o endereço de origem do pacote IP -> Privado pelo endereço Publico e encaminha o pacote. Pedido Nota: SA = Source Address (Endereço de origem) DA = Destination Address (Endereço de destino) 4 Host B recebe o pacote e responde ao Host recorrendo ao endereço de origem recebido ( ) passa a D.A. 5 Router recebe o pacote efectua uma pesquisa na tabela de NAT (chave = End. Publico). Subsitui o endereço de destino do pacote para o Privado Host A ( ) recebe o pacote 59/66

60 NAT N-> NAT N para 1 60/66

61 Protocolo IP NAT Network Address Translator Operação NAT N->1 Operação 61/66

62 Protocolo IP NAT Network Address Translator Implementação NAT N->1 (Overload) Um router NAT deve: Guardar (na tabela de tradução NAT) todos os pares de tradução (endereço IP de origem, #porto) para (endereço IP do NAT, novo #porto) Datagramas que saem: substituir (endereço IP de rigem, #porto) de cada datagrama que sai por (endereço IP do NAT, novo #porto) clientes/servidores remotos responderão usando como endereço de destino (endereço IP do NAT, novo #porto). Datagramas de entrada: substituir (endereço IP do NAT, novo #porto) nos campos de destino de cada datagrama que chega, o valor correspondente de (endereço IP de origem, #porto) guardado na tabela do NAT 62/66

63 Protocolo IP NAT Network Address Translator Considerações Campo do porto tem 16 bits Teóricamente permite ligações simultâneas com um único endereço público! O router NAT tenta preservar o porto de origem da aplicação para criar um identificador único Caso o porto de origem já esteja em uso, o router atribui o próximo endereço de porto livre A tradução de endereços NAT é controversa O router passa a ter que operar ao nível 4 do OSI Processamento adicional e atrasos desnecessários na rede Esconde os endereços locais (Uma forma de segurança que na prática só gera confusão e dificulta pesquisa de problemas nas redes) Viola o argumento extremo a extremo A possibilidade de suporte de NAT tem que ser levada em conta pelos programadores de aplicações. (Ver RFC1631 A escassez de endereços será resolvida pelo IPV6 63/66

64 Resumo 3 Interligação de redes (Camada de rede) Introdução Protocolo IP Formato do endereço Notação Endereçamento por classes (Classfull) Subredes Endereços Especiais e reservados Entidades reguladoras CIDR e VLSM s Operação e funcionamento Sumarização Cálculo de VLSM s Datagrama IP Formato Fragmentação ARP ICMP DHCP Conceitos Exemplos de Operação Conceitos Exemplos de Operação Conceitos Exemplos de Operação NAT NAT 1 para 1 Exemplos de Operação NAT N para 1 Exemplos de Operação 64/66

65 Referências Leon Garcia Communication Networks,, Cap. VI Kurose and Ross Computer Networking - A top down approach featuring the internet (Cap IV Network Layer) Dehaven, Jennifer Routing TCP/IP Vol I - Cisco Systems CCIE Professional Development (Cap I) Zinin Cisco IP Routing Packet Forwarding and Intra-Domain Routing Protocols (Cap I) Comer, Douglas Internetworking With TCP/IP, principles protocols and architectures (Cap. III, IV, V, IX e X) Tanembaum Computer Networks 4rd Edition (Cap. V Network Layer) RFC 791 IP Internet DARPA Internet Program Specification, University South California 1981 RFC 1009 Requirements for internet gateways. J. Postel ISI 1987 RFC 1518 An Architecture for IP Address Allocation with CIDR. Y. Rekhter IBM 1993 RFC 1519 CIDR an Address Assignment and Aggregation Strategy. V. Fuller Barret 1993 RFC 2050 INTERNET REGISTRY IP ALLOCATION GUIDELINES. K. Hubbard Internic 1996 RFC 1631 The IP Network Address Translator.. K. Egevang Cray Communications 1994 RFC1812 Requirements for IPV4 Routers.. F. Backer Cisco Systems 1995 RFC1878 Variable Length Subnet Table For IPv4.. T. Pummil ISI 1995 RFC1918 Address Allocation for private Internets.. Y. Rekhter Cisco Systems /66

66 FIM 66/66

3 Interligação de redes (Camada de rede)

3 Interligação de redes (Camada de rede) 3 Interligação de redes 3 Interligação de redes (Camada de rede) 1/53 3.1 Conceitos 3.1 Conceitos de interligação de redes Internetworking 2/53 Introdução Objectivos da interligação de redes através do

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP

Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 9 Conjunto de Protocolos TCP/IP e endereçamento IP Introdução ao TCP/IP 2 Modelo TCP/IP O Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD) desenvolveu o modelo de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

Redes de Comunicações

Redes de Comunicações A Camada de Rede da arquitectura TCP/IP O Protocolo IP (Internet Protocol) O Protocolo ARP (Adress Resolution Protocol) O Protocolo RARP (Reverse Address Resolution Protocol) O Protocolo ICMP (Internet

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Endereçamento IPv4 NAT-Network Access Translation Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006 1 Endereçamento com classes ou

Leia mais

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET

ICORLI. INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO e OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS e INTERNET 2010/2011 1 Protocolo TCP/IP É um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes sistemas operativos. Cada computador deve

Leia mais

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4.

Camada de rede: IP. Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Camada de rede: IP Cabeçalho IP, encaminhamento de pacotes IP, sub-redes, máscara de sub-redes e processos de cálculo, NAT e PAT, futuro do IPv4. Internet Rede 2 Rede 1 Internet Rede 4 Rede 3 Rede 5 O

Leia mais

Nível de rede - Tópicos

Nível de rede - Tópicos Nível de rede - Tópicos Introdução: Revisão do modelo de camadas Serviços genéricos do nível de rede IP: Serviços e endereçamento NAT, ICMP, IPv6 Encaminhamento 4 30 Como se obtém um endereço IP? P: Como

Leia mais

7.4 Encaminhamento IP

7.4 Encaminhamento IP 7.4 Encaminhamento IP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia, Electrónica, Telecomunicações e Computadores Redes de Computadores Encaminhamento IP Características Baseado

Leia mais

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL)

M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) M3 Redes de computadores avançado (36 horas - 48 TL) Redes de Comunicação Ano lectivo 2013/2014 Camada de rede do modelo OSI Routers e portos de interface de routers (I) 2 Nesta camada imperam os routers.

Leia mais

Funções da camada de rede

Funções da camada de rede Funções da camada de rede As duas funções fundamentais desta camada são: 1. Endereçamento ou addressing atribuição de um código único a cada interface de estação, tornando possível enviar e receber pacotes

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares

Arquitetura TCP/IP. Parte III Endereçamento IP e roteamento. Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Arquitetura TCP/IP Parte III Endereçamento IP e roteamento Fabrízzio Alphonsus A. M. N. Soares Tópicos Formato do endereço Classes de endereços Endereços especiais Sub-rede e máscara VLSM (Variable Length

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES E DE COMPUTADORES Redes de Computadores (LEIC/LEETC/LERCM) Nome: Nº de aluno: 3ª Ficha de Avaliação

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço

identificar e localizar um ao outro computador pode estar conectado a mais de uma rede mais de um endereço Endereçamento Endereçamento IP Para que dois sistemas quaisquer comuniquem-se, eles precisam ser capazes de se identificar e localizar um ao outro. Um computador pode estar conectado a mais de uma rede.

Leia mais

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam.

Redes de Computadores 3ª Colecção Exercícios diversos 16 de Dezembro de 2005 Spanning Tree, Protocolo IP, Encaminhamento em redes IP e Cam. I Bridging Transparente Spanning Tree 1) Considere a rede local, da figura. Admitindo que as bridges são transparentes e correm o algoritmo Spanning Tree (IEEE 802.1d) HOST Y HOST Z HOST X Bridge Prioridade

Leia mais

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing

Conteúdo. Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing EndereçamentoIP Conteúdo Endereçamento IP Sub-redes VLSM Variable Length Subnetwork Mask CIDR Classless Inter-Domain Routing Endereçamento IP Serviço de Comunicação Universal Um sistema de comunicação

Leia mais

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros

IP - endereçamento. Endereço IP. Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros Endereço IP Ex.: Identificador de 32 bits para interfaces de roteadores e hospedeiros 223.1.1.1 = 11011111 00000001 00000001 00000001 223 1 1 1 Endereços de interfaces e sub-redes (fonte: Kurose) No ex.,

Leia mais

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet.

Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Protocolo TCP/IP. Conexão de Redes. Protocolo TCP/IP. Arquitetura Internet. Origem: Surgiu na década de 60 através da DARPA (para fins militares) - ARPANET. Em 1977 - Unix é projetado para ser o protocolo de comunicação da ARPANET. Em 1980 a ARPANET foi dividida em ARPANET e MILINET.

Leia mais

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux

Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Redes de Computadores Protocolos, DNS, DHCP, Ethereal e comandos em Linux Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Endereços e nomes Quaisquer duas estações

Leia mais

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway

Funcionamento de ARP entre redes (sub-redes) distintas. Mecanismos de entrega. Funcionamento entre redes (sub-redes): default gateway Introdução Inst tituto de Info ormátic ca - UF FRGS Redes de Computadores Protocolos ARP e ICMP Aula 18 A camada de rede fornece um endereço lógico Uniforme, independente da tecnologia empregada pelo enlace

Leia mais

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do

Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP (Internet Protocol) Características do Protocolo IP Serviço de datagrama não confiável Endereçamento Hierárquico Facilidade de Fragmentação e Remontagem de pacotes Identificação da importância

Leia mais

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04

Endereçamento IP. S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 Endereçamento IP S u m á r i o Visão Geral...02 1 Camada de Internet...03 2 Endereços de Internet...04 2.1 Endereçamento IP...04 2.2 Conversão decimal/binário...05 2.3 Endereçamento IPv4...06 2.4 Endereços

Leia mais

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto.

O endereço IP (v4) é um número de 32 bits com 4 conjuntos de 8 bits (4x8=32). A estes conjuntos de 4 bits dá-se o nome de octeto. Endereçamento IP Para que uma rede funcione, é necessário que os terminais dessa rede tenham uma forma de se identificar de forma única. Da mesma forma, a interligação de várias redes só pode existir se

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Endereçamento IP Escola Superior de Tecnologia e Gestão Instituto Politécnico de Bragança Março de 2006 Esquema de endereçamento Todos os interfaces numa rede devem ter um endereço

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet)

Endereço IP Privado. Endereçamento IP. IP Protocolo da Internet. Protocolos da. Camada de Inter-Rede (Internet) Protocolos da Camada de Inter- (Internet) IP Protocolo da Internet. Não Confiável; Não Orientado à conexão; Trabalha com Datagramas; Roteável; IPv 4 32 bits; IPv 6 128 bits; Divisão por Classes (A,B,C,D,E);

Leia mais

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence

Avaya Networking. Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Avaya Networking Rafael Rocha, Sales Engineer Westcon Convergence Programação 1. Introdução (02/set - 10:00) 2. Conceitos básicos I (16/set - 10:00) 3. Conceitos básicos II (07/out - 10:00) 4. Conhecimento

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes

Serviço de datagrama não confiável Endereçamento hierárquico. Facilidade de fragmentação e remontagem de pacotes IP Os endereços IP são números com 32 bits, normalmente escritos como quatro octetos (em decimal), por exemplo 128.6.4.7. A primeira parte do endereço identifica uma rede especifica na interrede, a segunda

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

Capítulo. Endereçamento IP. Internet opens a new world of possibilities... Autor: Constantino Seixas Filho UFMG Departamento de Engenharia Eletrônica

Capítulo. Endereçamento IP. Internet opens a new world of possibilities... Autor: Constantino Seixas Filho UFMG Departamento de Engenharia Eletrônica Capítulo 4 Endereçamento IP Internet opens a new world of possibilities... 1 Endereçamento IP O protocolo TCP/IP utiliza três esquemas para encaminhar dados através das redes até o hospedeiro: 1. Endereçamento:

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores TCP/IP Adriano Lhamas, Berta Batista, Jorge Pinto Leite Março de 2007 Pilha TCP/IP Desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos EUA Objectivos: garantir a comunicação sob quaisquer circunstâncias garantir

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede

9.5.2. Preparando um esquema de endereçamento de sua rede Guia Internet de Conectividade - Cyclades - Endereçamento IP - página 1 9.5. Identificação dos Hosts em uma rede Todo sistema ou host que você quiser conectar em sua rede deve ter uma única identificação

Leia mais

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP. Disciplina: Internet e Arquitetura TCP/IP. Protocolos Inter-rede. Inter-rederede

Bacharelado em Informática TCP/IP TCP/IP. Disciplina: Internet e Arquitetura TCP/IP. Protocolos Inter-rede. Inter-rederede Bacharelado em Informática Disciplina: Internet e Arquitetura Arquitetura OSI Arquiteturas de Arquitetura IEEE Arquitetura Internet Inter-rede Apresentação Sessão Prof. Sérgio Colcher colcher@inf.puc-rio.br

Leia mais

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo?

1 ENDEREÇAMENTO IP. 1.1 Quem gerencia a numeração IP no mundo? ENDEREÇAMENTO IP Cada máquina na Internet possui um ou mais endereços de rede que são únicos, ou seja, não podem haver dois endereços iguais. Este endereço é chamado de número Internet, Endereço IP ou

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

A camada de rede do modelo OSI

A camada de rede do modelo OSI A camada de rede do modelo OSI 1 O que faz a camada de rede? (1/2) Esta camada tem como função principal fazer o endereçamento de mensagens. o Estabelece a relação entre um endereço lógico e um endereço

Leia mais

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Endereços IP. Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede. Endereço IP é hierárquico com 2 partes: Endereços IP Endereços são usados para encaminhar pacotes pela rede Na Internet, endereços são únicos e atribuídos pela Internet Assigned Numbers Authority (IANA) Endereço IP é hierárquico com 2 partes:

Leia mais

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento

Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Segurança em Redes Prof. Rafael R. Obelheiro Semestre: 2009.1 Endereçamento IP, Sub-redes e Roteamento Endereçamento IP Endereços IP possuem 32 bits, o que possibilita 2 32 = 4.294.967.296 endereços Na

Leia mais

Capítulo 4 Camada de Rede

Capítulo 4 Camada de Rede Redes de Computadores DCC/UFJ Capítulo 4 Camada de Rede Material fortemente baseado nos slides do livro: Computer Networking: A Top-Down Approach Featuring the Internet. Os slides foram disponibilizados

Leia mais

ASIST. Orlando Sousa. Aula 4. Subnetting, VLSM Encaminhamento interno dinâmico: RIP v2

ASIST. Orlando Sousa. Aula 4. Subnetting, VLSM Encaminhamento interno dinâmico: RIP v2 ASIST Orlando Sousa Aula 4 Subnetting, VLSM Encaminhamento interno dinâmico: RIP v2 Subnetting - Permite construir várias redes lógicas através da utilização de uma rede (classe A, B ou C) - Uma solução

Leia mais

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.!

** Distance Vector - Trabalha com a métrica de Salto(HOP),. O protocolo que implementa o Distance Vector é o RIP.! Laboratório wireshark Número de sequencia: syn syn ack ack Cisco Packet Tracer Roteador trabalha em dois modos de operação: - Modo Normal - símbolo > - Modo Root - símbolo # ##################################################################

Leia mais

Endereço Físico (cont.)

Endereço Físico (cont.) O Protocolo ARP Endereço Físico Cada interface de rede (NIC network interface card) vem com um identificador único de fábrica. Este identificador é o endereço físico ou endereço de hardware da interface.

Leia mais

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1

Endereçamento IP. Rede 2 Roteador 2 1 O protocolo TCP/IP é roteável, isto é, ele foi criado pensando-se na interligação de diversas redes onde podemos ter diversos caminhos interligando o transmissor e o receptor -, culminando na rede mundial

Leia mais

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR

Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 06 Revisão Endereçamento IP Subnetting / VLSM / CIDR 2014/1 Roteiro de Aula Endereçamento IP Segundo Filippetti

Leia mais

Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um

Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um Endereçamento IP Um sistema de comunicação necessita de um método de identificação de seus computadores. Numa rede TCP/IP, cada computador recebe um endereço inteiro de 32 bits (endereço IP). Precisa ser

Leia mais

Endereçamento e Roteamento IP

Endereçamento e Roteamento IP Endereçamento e Roteamento IP Redes TCP/IP O objetivo deste módulo é explicar como funciona a atribuição de endereços IP com classe e sem classe e como configurar logicamente tabelas de roteamento. Obs.

Leia mais

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 9 - Conjunto de Protocolos TCP/IP e Endereçamento IP 1 História e Futuro do TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos (DoD). O DoD exigia

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini

Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Eng. Alessandro Coneglian Bianchini Apresentação Alessandro ConeglianBianchiniexerce a função de engenheiro na NEC Brasil, atuando na elaboração de projetos e implantação de VoIP, Wireless, Redes e Segurança

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Sub-redes NAT CIDR Protocolos de controle Sub-redes Todos os hosts de uma rede devem ter o mesmo número de rede Ex.: Universidade pega endereço de classe

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Slide 1 Endereçamento IPv4 Tem comprimento de 32bits (4 bytes); São escritos em notação decimal separados por ponto; Cada interface de um sistema conectado a internet

Leia mais

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.

Alan Menk Santos. Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede 21/05/2013. alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com. Alan Menk Santos alanmenk@hotmail.com www.sistemasul.com.br/menk Redes de Computadores e Telecomunicações. Camada de Rede Modelo de Referência OSI 1 Camada de Rede: O que veremos. Entender os princípios

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

Sumário INTRODUÇÃO... 4 PROTOCOLO ARP...5 ARP - ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL...5 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ARP...5 CACHE ARP... 6

Sumário INTRODUÇÃO... 4 PROTOCOLO ARP...5 ARP - ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL...5 FUNCIONAMENTO DO PROTOCOLO ARP...5 CACHE ARP... 6 IESPLAN Instituto de Ensino Superior Planalto Departamento de Ciência da Computação Curso: Ciência da Computação Disciplina: Engenharia de Software Professor: Marcel Augustus O Protocolo ARP Brasília,

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 2. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 2 Prof. Dr. S. Motoyama 1 Software IP nos hosts finais O software IP nos hosts finais consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain name system)

Leia mais

Oficina de sub-redes. versão 1.1. Jackson Costa Fundação Bradesco Natal /RN. CCNA rev 6 2008 Cisco Systems, Inc. All rights reserved.

Oficina de sub-redes. versão 1.1. Jackson Costa Fundação Bradesco Natal /RN. CCNA rev 6 2008 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Oficina de sub-redes versão 1.1 Jackson Costa Fundação Bradesco Natal /RN 1 Conteúdo u Conversão Binário - Decimal v Determinar endereços de rede e broadcast Método Binário (AND) Método Prático w Determinar

Leia mais

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Thiago de Almeida Correia São Paulo 2011 1. Visão Geral Em uma rede de computadores local, os hosts se enxergam através de dois endereços, sendo um deles o endereço Internet

Leia mais

Protocolo DHCP. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores

Protocolo DHCP. Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Protocolo DHCP Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Departamento de Engenharia de Electrónica e Telecomunicações e de Computadores Redes de Computadores Motivação Obtenção dos parâmetros de configuração

Leia mais

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço "físico" Classes de endereços

O protocolo IP. Protocolos em Redes de Dados- Aula 02 -Os protocolos IP p.4. Endereço rede e endereço físico Classes de endereços O protocolo IP Protocolos em Redes de Dados - Aula 02 - Os protocolos IP Corresponde ao nível rede do modelo OSI. Executa-se sobre os mais diversos protocolos do nível de comunicação de dados. Em cada

Leia mais

Unidade III. Unidade III

Unidade III. Unidade III Unidade III Unidade III CAMADAS FUNDAMENTAIS PARA TRANSFERÊNCIA DE MENSAGENS ATRAVÉS DA REDE Esta unidade tem como principal característica apresentar as camadas sem dúvida mais importantes, a qual deve

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I AULA 06 VLSM / CIDR / Sumarização de Rotas Prof: Jéferson Mendonça de Limas Endereçamento IP Segundo Filippetti (2008), endereço IP é um identificador

Leia mais

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo:

3) Na configuração de rede, além do endereço IP, é necessário fornecer também uma máscara de subrede válida, conforme o exemplo: DIRETORIA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DOS CURSOS DA ÁREA DE INFORMÁTICA! Atividade em sala de aula. 1) A respeito de redes de computadores, protocolos TCP/IP e considerando uma rede

Leia mais

Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários

Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários Endereçamento de IP e colocação em sub-rede para novos usuários Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações adicionais Convenções Entendendo endereços IP Máscaras de

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES

INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO ÀS REDES DE COMPUTADORES CAMADA DE REDE Teresa Vazão 2 INTRODUÇÃO Internetworking, ligar o mundo em rede.. 1982 Bolt, Beranek and Newman: Inventores do protocolo de interligação de rede Exterior

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4

1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 TCP/IP Brito INDICE 1 TCI/IP... 3 1.1 MODELO TCP/IP... 3 1.1.1 Camada de Aplicação... 4 1.1.1.1 Camada de Transporte... 4 1.1.1.2 TCP (Transmission Control Protocol)... 4 1.1.1.3 UDP (User Datagram Protocol)...

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - A CAMADA DE REDE (Parte 2) 1. Flooding (Inundação) Outro algoritmo estático é o algoritmo de inundação, no qual cada pacote de entrada é enviado para todas as linhas de saída, exceto para aquela

Leia mais

Rubens Queiroz de Almeida queiroz@gnus.com.br

Rubens Queiroz de Almeida queiroz@gnus.com.br Introdução à Arquitetura TCP/IP Rubens Queiroz de Almeida queiroz@gnus.com.br contato@gnus.com.br Histórico Criado pelo DARPA em meados de 1970 Surgimento da ARPANET e MILNET Integração ao Unix/BSD Surgimento

Leia mais

FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO

FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO CURSO EFA 2012 / 2013 Formando: Data: / / ÁREA/Assunto: Formador / Mediador: Avaliação Formando Formador FICHA INFORMATIVA E DE TRABALHO MÓDULO 0773 - REDE LOCAL INSTALAÇÃO Standard IEE 802 Para que as

Leia mais

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL

Introdução ao Protocolo TCP/IP. Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Prof. Gil Pinheiro UERJ/FEN/DETEL Introdução ao Protocolo TCP/IP Protocolo Inter Redes Histórico Estrutura do Protocolo TCP/IP Equipamentos de Interconexão Endereçamento

Leia mais

Redes de Computadores. Protocolo IP

Redes de Computadores. Protocolo IP Redes de Computadores Protocolo IP Sumário! Endereços IP Classes de endereços Tipos de endereços Endereços especiais Máscaras Redes privadas Endereçamento IP dinâmico 2 Esquema de endereçamento IPv4! Endereços

Leia mais

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática

Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT. Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Endereços IP Sem Classe, Endereços Privados e NAT Prof. Othon M. N. Batista (othonb@yahoo.com) Mestre em Informática Tópicos Máscaras de Rede com Classe Classless Inter-Domain Routing - CID Notação CIDR

Leia mais

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP

TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP TUDO SOBRE ENDEREÇOS IP Revisão: Endereços IP são números de 32 bits, geralmente representados em notação decimal (xxx.xxx.xxx.xxx). Cada número decimal (xxx) representa oito bits em binário, e por isso,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL

GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL GESTÃO DE SISTEMAS E REDES YNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL OUTLINE DHCP PROTOCOLO RELAY AGENT EXEMPLO LINUX EXEMPLO IOS DHCP Dynamic Host Configuration Protocol, ou DHCP, é um dos protocolos de suporte

Leia mais

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama

Interconexão de Redes Parte 1. Prof. Dr. S. Motoyama Interconexão de Redes Parte 1 Prof. Dr. S. Motoyama 1 O Problema de Interconexão de redes Problema: Como interconectar efetivamente redes heterogêneas? Três problemas com interconexão a nível de enlace

Leia mais

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Aula-16 Interconexão de Redes IP (Internet Protocol) Prof. Dr. S. Motoyama Software de IP nos hosts finais O software de IP consiste principalmente dos seguintes módulos: Camada Aplicação; DNS (Domain

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux

Curso de extensão em Administração de redes com GNU/Linux Curso de extensão em - italo@dcc.ufba.br Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia Todo o material aqui disponível pode, posteriormente,

Leia mais

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer

CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP. Kraemer CCNA 1 Modelos OSI e TCP/IP Modelos OSI e TCP/IP Modelo em camadas Modelo OSI Modelo TCP/IP Comparação dos modelos Endereçamento de rede Modelo de camadas Encapsulamento Desencapsulamento Modelo OSI Sistema

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

VLSM (Variable Length Subnet Mask)

VLSM (Variable Length Subnet Mask) VLSM e CIDR VLSM (Variable Length Subnet Mask) VLSM (Variable Length Subnet Mask) Técnica que permite que mais de uma máscara de sub-rede seja definida para um dado endereço IP. O campo prefixo de rede

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos

Fundamentos de Redes de Computadores. Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Endereçamento das Redes Classes de redes Principais protocolos Histórico O TCP/IP é um padrão de comunicação entre diferentes computadores e diferentes

Leia mais

Princípios de desenho do nível IP na Internet

Princípios de desenho do nível IP na Internet Princípios de desenho do nível IP na Internet 1. Ter a certeza que funciona. 2. Manter os protocolos simples. 3. Fazer escolhas claras. 4. Tirar proveito da modularidade. 5. Esperar heterogeneidade. 6.

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br

FACULDADE PITÁGORAS. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA FUNDAMENTOS DE REDES REDES DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Material elaborado com base nas apresentações

Leia mais