Prospero s Books: uma leitura intersemiótica de Shakespeare na contemporaneidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Prospero s Books: uma leitura intersemiótica de Shakespeare na contemporaneidade"

Transcrição

1 1 Prospero s Books: uma leitura intersemiótica de Shakespeare na contemporaneidade Atik, Maria Luiza Guarnieri, Doutora 1, Helene, Célia Guimarães, Mestre 2, A literatura sobre a teoria do cinema é, hoje, bastante vasta e, geralmente, está vinculada a uma mescla de crítica liter ria, coment rio social e especulação filosófica, nas palavras de Robert Stam (2003, p.19). Os primeiros escritos sobre o cinema foram, em sua maioria, produzidos por escritores. Posteriormente, teóricos e críticos procuram demonstrar as potencialidades artísticas do cinema, a sua relação com as demais artes e em que medida a arte cinematográfica se consolida como um artefato estético diferenciado dos demais. Os estudos recentes, sobre as relações entre literatura e o cinema ou sobre a arte da adaptação colocam em pauta novas questões: quais convenções do gênero romanesco são transponíveis para o discurso cinematográfico? Quais convenções devem ser descartadas, transmutadas, suplementadas ou substituídas? Quais são as relações entre o texto-fonte e o texto-alvo ou entre as artes e as mídias? Se, em seus primeiros passos, o cinema preferiu seguir o modelo convencional dos romances do século XIX, contando uma estória com começo, meio e fim, ao longo do século XX até os dias atuais, o discurso cinematográfico criou e consolidou uma linguagem própria, graças às novas tecnologias midiáticas, as quais lhe possibilitaram dinamizar o próprio texto literário em suas releituras ou em diferentes adaptações de um mesmo texto-fonte. Entretanto, nas palavras de Peter Greenaway, em sua palestra sobre o futuro do cinema, ministrada em Utrecht, na Holanda, em 2003, o cinema depois de 112 anos de atividade não apresenta nada de novo, we have a cinema that is dull, familiar, predictable, hopelessly weighed down by old conventions and out worn verities [...], and out-of-date and cumbersome technology 3 (GREENAWAY, 2003, p. 99). Para o cineasta, o cinema narrativo, de enredo cronológico, configurado por linguagens tradicionais se exauriu, embora se possa constatar que 1 Universidade Presbiteriana Mackenzie 2 Universidade Presbiteriana Mackenzie 3 é chato, previsível, e inapelavelmente carregado de velhas convenções e verdades gastas [...] e com uma tecnologia obsoleta e desajeitada (GREENAWAY. Caderno Videobrasil, 03, p.89).

2 2 na Inglaterra e nos Estados Unidos ainda exista um grande apoio para produções cinematográficas baseadas em textos literários. Posicionando-se contra essa vertente, Greenaway (2003, p. 102) ressalta que We do not need or want or desire a writer s cinema. We need a cinema-maker s cinema. The cinema should no be an adjunct to the bookshop, servicing, illustrating literature 4. Para quem assiste ao filme Prospero s books (1991), recriação cinematográfica da peça A tempestade (1611) de William Shakespeare, sem prévio conhecimento de outros trabalhos do diretor inglês Peter Greenaway nos domínios do cinema, da ópera, da literatura, das artes plásticas e das mídias digitais tem dificuldade de apreender de imediato este produto tecnoestético em toda a sua complexidade. Distanciando-se do viés utilizado por muitos diretores no processo de adaptação de textos clássicos da literatura, Peter Greenaway não reconstitui pela imagem o fio narrativo da matriz shakespeariana, mas transfigura-o, criando um mosaico de imagens, vozes e textos. Demonstrar as imbricações desse mosaico, enriquecido com elementos de outras semioses, mídias ou hipermídias, em seu diálogo com o texto shakespeariano, é, pois, o desafio a que nos lançamos neste breve estudo. A Tempestade, última peça escrita por Shakespeare antes de aceitar a colaboração de John Fletcher, foi apresentada à corte de Jaime I no palácio de Whitehall e, provavelmente por seu grande sucesso na época, o seu texto inicia o First Folio (Primeiro Fólio), como a primeira das comédias shakespearianas. Publicado após a morte do escritor, em 1623, graças aos esforços dos atores John Heminges e Henry Condell, o First Folio é a primeira coletânea da obra teatral de Shakespeare. Do total de trinta e seis textos no Fólio, dezoito nunca haviam sido publicados. O enredo da peça The Tempest é uma história de vingança, amor e conspirações oportunistas que acompanha o destino de Próspero, duque de Milão. Por dedicar a maior parte de seu tempo aos livros, especialmente aos de magia, ele afasta-se dos assuntos de Estado, e tem o seu ducado usurpado pelo próprio irmão, Antônio, que em sua busca de poder passa a persegui-lo com o intuito de aniquilá-lo. Com a ajuda de Gonzalo, conselheiro do rei de Nápoles, Próspero foge com a filha Miranda para uma ilha, no meio do Mediterrâneo. Gonzalo supre a embarcação com as provisões necessárias, roupas e livros. Na ilha mágica, Próspero tem a seu serviço o escravo 4 Nós não precisamos e nem queremos um cinema baseado no texto. Precisamos de um cinema de cineasta. O cinema não deve ser um anexo da livraria, servindo, ilustrando a literatura (Caderno Videobrasil, 03, p.96).

3 3 Caliban, criatura metade humana e metade monstro e Ariel, um espírito servil, que pode se metamorfosear em água, ar e fogo. O grande objetivo de Próspero é vingar-se de seus traidores. Doze anos depois, Alonso, rei de Nápoles e sua comitiva viajam para o casamento de sua filha Claribel. Ao retornarem de Tunís, na África, uma grande tempestade coloca a embarcação de Alonso à deriva, obrigando a todos os tripulantes a abandonarem o barco. Os náufragos sobrevivem e vão se aportar na ilha de Próspero. Não sabem, contudo, que a tempestade, provocada por magia com a ajuda de Ariel, e a dispersão dos tripulantes estavam nos planos de vingança de Próspero. Entretanto, em vez de subjugar seus inimigos, Próspero acaba por perdoá-los, reconquistando ao mesmo tempo o seu ducado. O filme Prospero s Books de Greenaway é considerado por muitos críticos como uma adaptação excêntrica de The Tempest de Shakespeare. E embora o artefato estético de Greenaway aproxime-se do texto clássico de Shakespeare com toda a reverência necessária, as imagens que surgem na tela não têm a função de reproduzir fielmente o eixo da sucessão dos fatos do texto dramático. Em outras palavras, o cineasta transforma visualmente certas passagens do texto-fonte, articulando as imagens sobrepostas com a leitura, em voz alta, que o ator John Gielgud empreende da versão original da peça. Assim, os cinco atos que compõem o texto de Shakespeare se fazem ouvir literalmente. Se os filmes anteriores de Greenaway eram uma reflexão sobre uma forma artística, Prospero s Books é o primeiro filme em que o cineasta leva as telas do cinema um argumento alheio. A própria escolha do título do filme nos indica o procedimento adotado por Greenaway na sua releitura texto shakespeariano, ou seja, a peça é recriada a partir dos livros de Próspero. Todos eles têm um car ter infinito ou monstruoso e reunidos compõem uma espécie de biblioteca fant stica, uma versão resumida da Biblioteca de Babel (MACIEL, 2002). Assim, é a partir da descrição dos vinte quatro livros fantásticos da biblioteca do protagonista que o discurso cinematográfico se constrói, transfigurando visualmente passagens do texto-fonte. Os artifícios de animação cinemática e de manipulação das imagens possibilitam que os livros ganhem vida na ilha mágica de Próspero. Às reproduções visuais derivadas do próprio texto de Shakespeare, somam-se as imagens extraídas do repertório canônico da história da arte ocidental, compondo um todo dinâmico que abarca e amplia os vários elementos amalgamados no texto-fonte: espíritos, fantasmas, bruxas, monstros, símbolos mágicos, elementos próprios do universo medieval que se entrelaçam com

4 4 os valores humanistas e a mentalidade renascentista de Próspero e com o sonho utópico de Gonzalo, o da criação de uma comunidade ideal. Os livros dessa grande biblioteca fantástica têm uma dupla função como instrumento de isolamento e de interação de Próspero com o mundo exterior, em seu duplo papel: o de criador e o de criatura. Nas palavras de Herbert Klein (1996), Prospero's Books is an ideal portrayal of cognitive and pragmatic change. The crucial precondition for this process is Prospero's dual role as writer and protagonist. Whilst the writer can only move within the world of the imagination, the protagonist can change the world by his imagination. Writing [ ] is the "conditio sine qua non" for the existence of this world and the audience is constantly reminded of the fact that the production of a literary work is taking place by the image of a pen or by its scratching noise on paper. The activities of writing and imagining are located in Prospero's writing cell: a transportable box located within the library, his retreat where he can shut out the external world. In his writing cell there are also his books, which form his most important link to the external world and are also his instrument to control it. [ ]. Although Prospero rules over the island inhabitants with the aid of his books, he still withdraws to his writing cell and continues to write more books which fill up his library. Thus the books have a dual role as the instrument of isolation and of interaction, of total unrelatedness and at the same time, of connectedness (KLEIN, 1996) 5. Os vinte e quarto livros visualizados ao longo da projeção fílmica, são descritos por Peter Greenaway em sua obra Prospero's books - a film of Shakespeare's The Tempest, que se configura como um compósito de diferentes modalidades textuais. Além do roteiro do filme Prospero s Books, há a publicação de um ensaio do cineasta a respeito do processo de criação do filme, micronarrativas ficcionais construídas a partir de alguns temas extraídos da peça The Tempest e reproduções do próprio texto de Shakespeare. 5 Prospero's Books é um retrato ideal de mudança cognitiva e pragmática. A condição essencial para este processo é duplo papel de Próspero, como escritor e protagonista. Embora o escritor só pode se mover dentro do mundo da imaginação, o protagonista pode mudar o mundo pela sua imaginação. A escrita [...] é a "conditio sine qua non" para a existência deste mundo e o público é constantemente alertado para o fato de que a produção de uma obra literária está ocorrendo com a imagem de uma caneta ou pelo seu ruído de riscar no papel. As atividades de escrita e de imaginação estão situadas na cela-escritura de Próspero: uma caixa transportável situada dentro da biblioteca, local onde ele pode se fechar para o mundo externo. Em sua cela-escritura h também os seus livros, que estabelecem o seu elo mais importante com o mundo externo e que é também o seu instrumento de controle. [...] Embora Próspero domine os habitantes da ilha com a ajuda de seus livros, ele ainda retira-se para sua cela-escritura e continua a escrever mais livros que enchem a sua biblioteca. Assim, os livros têm um duplo papel como instrumento de isolamento e de interação, de total falta de conexão e, ao mesmo tempo, de conexão (Tradução nossa).

5 5 A estrutura do filme Prospero s Books é definida pela apresentação sucessiva e cronológica dos vinte e quatro livros que pertencem à biblioteca de Próspero. Greenaway criou os livros utilizando-se da televisão de alta definição, o que tornou possível, segundo Jorge Gorostiza (1995, p ), superponer tres imagenes al mismo tiempo o los textos que se estan diciendo sobre cada uno de los personajes, de forma que la metáfora y la realidad se puedan ver al mismo tiempo. El director relaciona este procedimiento narrativo, que ya habia empleado em Death in the Seine, com el cubismo donde se representan al mismo tiempo varios aspectos diferentes de um mismo objeto 6. Os livros, apresentados por meio de um jogo de imagens sobrepostas e pela voz over de um narrador, durante as pausas narrativas, revelam-se como uma vasta compilação dos saberes do Renascimento, que vão desde a astrologia, passando pela geometria, pela arquitetura, pela cosmografia, etc. The Book of the Earth, o primeiro dos três livros de ciências naturais, é descrito da seguinte forma: its pages are impregnated with the minerals, acids, alkalis, elements, gums, poisons, balms and aphrodisiacs of the earth (GREENAWAY, 1991, p ) 7. A Harsh Book of Geometry é o número seis. É um livro encapado em couro, com números gravados em dourado e que quando opened, complex three-dimensional geometrical diagrams rise up out of the pages like models in a pop up book. [...]. Angles are measured by needle-thin metal pendulums that swing freely, activated by magnets concealed in the thick paper (GREENAWAY, 1991, p.20) 8. Planos e diagramas saltam também das páginas do Book of Architecture and Other Music. There are definitive models of buildings constantly shaded by moving cloud-shadow. Noontime piazzas fill and empty with noisy crowds, [ ] and music is played in the halls and towers. With this book, Prospero rebuilt the island into a palace of libraries that recapitulate all the architectural ideas of the Renaissance (GREENAWAY, 1991, p. 21) 9. O mundo é, pois, percebido e reconstruído por meio de uma rede de referências. 6 sobrepor três imagens ao mesmo tempo ou textos que aparecem sobre cada um dos personagens, de modo que a metáfora e a realidade pudessem ser vistas ao mesmo tempo. O diretor relaciona esse procedimento narrativo, que havia sido utilizado em Morte no Sena, ao cubismo, que representa diferentes aspectos de um mesmo objeto (Tradução nossa). 7 suas páginas são impregnadas de minerais, ácidos, alcalinos, substâncias, gomas, venenos, bálsamos e afrodisíacos da terra (Tradução de Maria Esther Maciel - dez. 2006/jan. 2007). 8 aberto, complexos diagramas geométricos em três dimensões saltam das páginas, como em um livro pop-up. [...]. Os ângulos são medidos por finíssimos pêndulos de metal que balançam livremente, ativados por ímãs ocultos no papel espesso (Tradução de Maria Esther Maciel - dez. 2006/jan. 2007). 9 Há modelos definitivos de prédios constantemente escurecidos por uma nuvem de sombras móveis. Praças de mercado se enchem e se esvaziam de multidões ruidosas [...], ouve-se música nos salões e nas torres. Com este livro, Próspero reconstruiu a ilha, convertendo-a em um palácio cheio de bibliotecas que recapitulam todas as idéias arquitetônicas da Renascença (Tradução de Maria Esther Maciel - dez. 2006/jan. 2007).

6 6 As imagens especulares, recorrentes nas obras do cineasta, ampliam essa rede de referências. Em Prospero s Books, Greenaway utiliza-se dos espelhos para revelar o que ocorre por detrás das câmeras, rompendo, deste modo, com os esquemas narrativos do cinema tradicional. As imagens especulares instauram um jogo instigante entre o leitor e seu duplo, entre o real e o imaginário, entre estável e o transitório, como podemos constatar no Book of Mirrors. Some mirrors simply reflect the reader, some reflect the reader as he was three minutes previously, some reflect the reader as he will be in a year's time, as he would be if he were a child, a woman, a monster, an idea, a text or an angel. [ ] One mirror simply reflects another mirror across a page. There are ten mirrors whose purpose Prospero has yet to define (GREENAWAY, 1991, p. 17) 10. A imagem do primeiro espelho que o espectador vê, surge na mesma água em que se encontrava Próspero na sequência de abertura do filme. Nessa sequência, uma gota d gua, filmada em primeiro plano e em câmera lenta, cai em uma piscina escura. Outras gotas caem, consecutivamente, alternando-se com os primeiros créditos, apresentados sobre um fundo negro. Surge, então, o primeiro livro, A Book of Water, repleto de drawings of every conceivable watery association - seas, tempests, rain, snow, clouds, lakes, waterfalls, streams, canals, watermills, shipwrecks, floods and tears. As the pages are turned, the watery elements are often animated. There are rippling waves and slanting storms (GREENAWAY, 1991, p. 17) 11. Concomitantemente as imagens do Book of Water, as associações, que o filme estabelece com a água, com o roman-bath de Próspero, com a urina de Ariel e com o barco de brinquedo enfrentando uma tempestade, remetem-nos à cena inicial do texto shakespeariano, quando se ouve ruído de tempestade, trovões e raios e entram em cena o Mestre e o Contra-Mestre, ordenando aos marinheiros que se mexam, pois o naufrágio parece ser iminente (Ato I, Cena i, I.4). As imagens verbais sugeridas no texto de Shakespeare, na tradução intersemiótica de Greenaway ora evocam a tempestade e o desejo de vingança de Próspero, ora simbolizam o perdão de Próspero, como o bom soberano da ilha mágica. O percurso vai desde as imagens 10 Alguns espelhos simplesmente refletem o leitor, alguns refletem o leitor tal como ele era há três minutos, alguns refletem o leitor tal como ele será em um ano [...]. Outro simplesmente reflete um outro espelho através da página. Há dez espelhos cujos propósitos Próspero ainda precisa definir (Tradução de Maria Esther Maciel - dez. 2006/jan. 2007). 11 desenhos de todas as associações aquáticas concebíveis: mares, tempestades, chuvas, neve, nuvens, lagos, cachoeiras, córregos, canais, moinhos d'água, naufrágios, enchentes e lágrimas. À medida que as páginas são viradas, os elementos aquáticos se animam continuamente. Há ondas turbulentas e tempestades oblíquas (Tradução de Maria Esther Maciel - dez. 2006/jan. 2007).

7 7 avassaladoras, do turbilhão de sobreposições na tela, até outras imagens mais amenas, que se aproximam da narratividade convencional o cinema (VIEIRA; DINIZ. 2000, p.78). No filme de Greenaway, o último livro, Thirty-Six Plays, é entregue a Prospero pelas mãos de Ariel. Thirty-Six Plays é assim descrito: This is a thick, printed volume of plays dated All thirty-six plays are there save one - the first. Nineteen pages are left blank for its inclusion. It is called The Tempest. The folio collection is modestly bound in dull green linen with cardboard covers and the author's initials are embossed in gold on the cover - W.S (GREENAWAY, 1991, p. 25) 12.. Na cena final do filme temos a seguinte sequência: lê-se, primeiramente, na tela a dedicatória: To the reader. Logo em seguida, surgem as inicias WS sobre a capa da encadernação de couro e em uma folha de papel, a palavra boatswain. Ouvimos uma voz que enuncia a palavra boatswain. Uma voz off nos remete a fala inicial: E esta é a trigésima sexta peça, The tempest. Solenemente, despido de suas veste de Duque, Próspero atira o volume no mar. Caliban resgata o livro. E Próspero liberta Ariel. Todos os livros são fechados e lançados, um por um, à água. As explosões ácidas e os fogos que artifícios que compõem visualmente a cena, representam a destruição e a dispersão dos saberes. Entretanto, dois livros são salvos, o das peças de Shakespeare e um livro fino, que estava sendo escrito por Próspero. Próspero de Shakespeare renega a arte da magia, quebra a sua vara e enfia-a muitas braças dentro à terra (Ato V, Cena i, II) e ainda mais profundo que a mais funda sonda enterra o seu livro (Ato V, Cena i, II). Nas palavras de Harold Bloom, o gesto de Próspero significa lançar ao mar a obra de toda a vida, pois o livro era fruto de trabalho rduo, envolvendo leitura, reflexão e pr tica, no que concerne ao controle de espíritos (2000, p. 811). Próspero de Greenaway, por sua vez, configura-se como um compósito de suas leituras, seu corpo aparece, em diferentes cenas, coberto por palavras, graças ao efeito visual de sobreposição de telas. A palavra escrita simboliza a sua cultura superior, bem como um instrumento de poder que Próspero possui contra seus inimigos e contra o seu selvagem e iletrado escravo Caliban. 12 É um grosso volume impresso de peças teatrais datadas de Todas as trinta seis peças estão lá, menos uma: a primeira. Dezenove páginas foram deixadas em branco para a sua inclusão. Ela é chamada "A Tempestade". O fólio é modestamente encadernado em linho verde-escuro, com uma capa de papelão onde se destacam as iniciais do autor, gravadas em ouro: W.S (Tradução de Maria Esther Maciel - dez. 2006/jan. 2007).

8 8 A materialização da palavra escrita pode ser apreendida desde a primeira cena. O diretor apresenta os créditos em duas etapas. Na cena inicial, quando Prospero veste seu casaco mágico, os nomes dos atores e da equipe técnica se sobrepõem à imagem. Um close-up sobre o tecido bordado do casaco em tom de azul serve de transição para a inserção dos outros créditos. A seguir, num lento travelling lateral, a câmera segue os passos de Prospero que atravessa uma longa galeria ornada por arcos, acompanhado de seus súditos. O titulo do filme aparece em primeiro lugar, seguido pelos créditos finais. Um novo close-up sobre o tecido do casaco indica o termino dos créditos. Mas desta vez, a cor azul se transforma gradualmente, e o casaco ganha a coloração vermelha. Ao final do filme figuram apenas as palavras The End, no centro da imagem e a menção aos direitos do autor aparece em pequenos caracteres, na parte inferior da tela (BOUCHY, 2008). O manto azul e o manto vermelho servem, por sua vez, para diferenciar, ao longo do filme, o protagonista em seu duplo papel: Próspero-dramaturgo, que age como o escritor da peça encenada ao longo do filme e Próspero-ator, que atua como as outras personagens sob o julgo da pena e do comando do dramaturgo. Próspero-escritor (ou dramaturgo) estabelece uma relação entre a imagem construída por Próspero e o processo de criação da Shakespeare. Utilizando-se da palavra manuscrita materializada na tela e de sua relação com próprio processo de escrita, o cineasta mostra em close-up objetos como a tinta, a pena e o tinteiro (VIEIRA; DINIZ. 2000, p.77). Tais objetos sugerem que os textos pertencem ao passado e evocam visualmente o processo de transmissão cultural do passado para o presente. Além disso, para Peter Greenaway, a escrita, ou melhor, a caligrafia propriamente dita, deveria ter no processo fílmico uma dimensão maior. Segundo Karine Bouchy (Janv. 2008) Greenaway avait une idée précise du rôle qu'il voulait donner à la lettre manuscrite en movement. C'est pourquoi il lui fallait un collaborateur. O encontro de Greenaway com Brody Neuenschwand possibilitou, pois, a exploração de novas possibilidades fílmicas. O cineasta desejava inscrever no espaço diegético uma escrita semelhante a de Shakespeare. A formação em história da arte de Neuenschwand e seus estudos de manuscritos na universidade permitiram-lhe analisar e reproduzir a mão de Shakespeare. Entretanto, como assinala Karine Bouchy (2008), les seuls documents sur lesquels le calligraphe pouvait se baser se limitent à quelques signatures, ce qui est loin d'être suffisant pour établir un style et un alphabet entier. Mais pour Peter Greenaway, le cinéma n'est pas affaire de reproduction, de réalisme ou d'authenticité. L'écriture de Shakespeare n'était qu'un point de départ pour déterminer un rythme graphique. Il était plus important encore que cette écriture soit lisible, car l'intention

9 9 première de Greenaway était d'explorer les interactions entre le mouvement du tracé, le mot lu, le même mot prononcé en voix- off et l'image 13. Assim, sob uma alegórica tempestade de palavras, imagens e vozes, Greenaway propõe-nos um jogo interminável de enigmas, um labirinto de signos em movimento que nos obriga à descoberta ou à identificação de alusões, de citações, de deslocamentos, de palavras sob palavras, de um texto sob outro texto, de imagens sob outras imagens. Nesse labirinto, contudo, nada é aleatório, todos os elementos têm a sua funcionalidade. Um olhar atento sobre a obra Prospero s Books, como um todo, nos convida, ainda, a uma outra leitura relacional. Sob a profusão de enquadramentos, de molduras dentro de molduras, de multiplicidade de formas de representação, há a recriação do universo pictórico barroco em diálogo com inscrições imagéticas renascentistas. Analisando alguns frames do filme, Denise Guimarães destaca que embora os elementos escultóricos e arquitetônicos, como o cen rio, com seus arcos, colunas e abóbadas, remeta-nos {s construções da Renascença, o filme explora este ambiente na semi-obscuridade, recriando o chiaroscuro barroco (2008, p.65). Trata-se, pois, como assinala Guimarães, de um procedimento típico das propostas estéticas pós-modernas, em sua predileção por formas ecléticas, disjuntivas e paródicas. A ligação entre as duas épocas torna-se irrefutável, diante da ambivalência cultivada pelo cineasta, tanto na ruptura técnica com os modos contemporâneos de fazer cinema, quanto na composição deliberadamente intertextual, que vai redimensionar a semiose fílmica, impondo-lhe um diálogo constante com as demais artes (2008, p.58). Na caracterização de Próspero de Greenaway, pode-se também apreender o jogo entre essas duas linguagens estéticas. A face de Próspero apresenta traços análogos ao de Santo Jerônimo pintado por de Georges de La Tour, utilizando-se da técnica do chiaroscuro barroco, enquanto sua vestimenta assemelha-se a de um doge veneziano, ou seja, a do Doge Loredan do pintor renascentista Giovanni Bellini. No processo compositivo de cenas e cenários, telas de Botticelli, de Rubens e de Rafael Sanzio são transcritas pelo cineasta, com impressionante semelhança, dentre outras apropriações ou 13 os únicos documentos com os quais o calígrafo poderia contar limitavam-se a algumas assinaturas, o que estava bem longe de ser suficiente para estabelecer um estilo e um alfabeto inteiro. Mas para Peter Greenaway, o cinema não é um processo de reprodução, de realismo ou autenticidade. A escritura de Shakespeare era um ponto de partida para determinar um ritmo gráfico. Era mais importante ainda que esta escritura fosse legível, pois a intenção primeira de Greenaway era explorar as interações entre o movimento do traço, da palavra lida, e a mesma palavra pronunciada em voz-off e a imagem (Tradução nossa).

10 10 citações visuais. Nas palavras de Florence Besson, the tempest in Prospero s library is blown by the Boticelli winds (from The Birth of Venus), the library itself pays homage to Michelangelo s Laurenziana Library, and Prospero s writing room comes from St Jerome s by Da Messina (BESSON, 2006). Por sua vez, as telas barrocas, ornamentadas com figures, flores e frutos, como los del Louvre de Rubens sobre la vida de María de Medicis, sirven, segundo Gorostiza, para ambientar los interiores (1995, p. 167). Outras influências imagéticas contribuíram para construir o universo visual de Prospero s Books. O próprio Greenaway confessa ter se inspirado en la magia do cineasta Georges Méliès, tanto como no filme Star Wars de George Lucas e sobre todo en las im genes que ideó Cocteau para La bella y la bestia y El testamento de Orfeo (Gorostiza,, 1995, p. 167). Em Prospero s Books, Peter Greenaway propõe a valorização da adaptação cinematográfica como uma construção híbrida, que propicia a dissolução das fronteiras entre linguagens de diferentes sistemas sígnicos e suportes, estabelecendo uma rede de relações intertextuais e intersemióticas. Assim, é nesse lugar limítrofe, que o teatro, o cinema, as artes plásticas, a tecnologia eletrônica, a computação gráfica e a mídia digital confluem, para refazerem juntas o drama de Próspero. REFERÊNCIAS BIBLOGRÁFICAS BESSON, Florence. Prospero s Books by Peter Greenaway (1991): reflections of/on Shakespeare s The Tempest. International conference : «Re-writing/ Reprising in lit. and the arts» Lyon2, oct. 06. Disponível em: conferences.univlyon2.fr/index.php/reprise/reprise/paper/view/34/64; acesso em 29/05/2011. BLOOM, Harold. Shakespeare : a invenção do humano. Rio de Janeiro: Objetiva, BOUCHY, Karine. Generique et Calligraphie. Le cas Greenaway/Neuenschwander. Université de Montréal / Université Paris 7 Denis Diderot Texte inédit publié sur Générique & Cinéma, Janv Disponível em: Acesso em 29/05/2011 COHEN, Rosa. Motivações pictóricas e multimediais na obra de Peter Greenaway. São Paulo: Ferrari, GOROSTIZA, Jorge. Peter Greenaway. Madrid: Cátedra, GREENAWAY, Peter. Prospero's Books: A Film of Shakespeare's The Tempest. London: Chatto & Windus,, GREENAWAY, Peter. Cinema is dead, long live cinema?, Disponível em: pdf. Esta é uma

11 11 versão reduzida da palestra sobre o futuro do cinema ministrada em Utrecht, na Holanda, em 2003, que foi resumida pelo autor especialmente para o Caderno Videobrasil, 03. Acesso em29/05/2011 GUIMARÃES. Denise A. Duarte. Inscrições renascentistas sob a pele barroca: uma leitura de Prospero s Books, de Greenaway. In: Imagíbrida: comunicação, imagem e hibridização. ARAÚJO, Denize Correa. BARBOSA, Marialva Carlos (orgs.) Porto Alegre: editorialplus.org., KLEIN, Herbert. The far side of de mirror : Peter Greenaway s Prosperos s Books. EESE, 12/ Disponível em: webdoc.gwdg.de/edoc/ia/eese/cont96.html. MACIEL, Maria Esther. Exercícios de ficção: Peter Greenaway { luz de Jorge Luis Borges. Revista de Cultura # 23 - Fortaleza, São Paulo - abril de MOURTHÉ, Claude. Shakespeare. Tradução de Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM Pocket, SHAKESPEARE, William. A tempestade. Tradução de Barbara Heliodora. Rio de Janeiro: Lacerda Ed., STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. Tradução de Fernando Mascarello. Campinas, São Paulo: Papirus, VIEIRA, Erika V. C.; DINIZ, Thaís F. N. A Última Tempestade, uma tradução intersemiótica inserida na contemporaneidade, Cadernos de Tradução. vol.1, n. 5, Disponível em Acesso em 29/05/2011.

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Bordas e dobras da imagem teatral Angela Materno Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro RESUMO: A autora problematiza a questão da imagem teatral, vista além do pictórico que se inscreve no tempo

Leia mais

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05

QUESTÃO 04 QUESTÃO 05 QUESTÃO 01 Arte abstrata é uma arte: a) que tem a intenção de representar figuras geométricas. b) que não pretende representar figuras ou objetos como realmente são. c) sequencial, como, por exemplo, a

Leia mais

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios...

Sumário. PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... Sumário APRESENTAÇÃO DA EDIÇÃO BRASILEIRA... 13 PREFÁCIO... 19 PARTE 1 A arte do cinema e a realização cinematográfica 1 CAPÍTULO O cinema como arte: Criatividade, tecnologia e negócios... 29 Decisões

Leia mais

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare

CONCEITOS A EXPLORAR. Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. O teatro elisabetano. A Inglaterra de Shakespeare CONCEITOS A EXPLORAR L íngua Portuguesa Classicismo. Gêneros literários (tragédia). Arte retórica. Signos lingüísticos verbais e não-verbais. A rte O teatro elisabetano. Dramaturgia (conflito dramático

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação

PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS. CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação PROJETO DE PESQUISA TÍTULO: CINEMA E PUBLICIDADE: RELAÇÕES INTERTEXTUAIS E MERCADOLÓGICAS CURSO: Programa de Mestrado em Comunicação LINHA DE PESQUISA: Inovações na Linguagem e na Cultura Midiática PROFESSOR

Leia mais

O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores.

O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores. O olho no caleidoscópio: novas cenas para novos espectadores. Oliveira, Areias Fernanda.São Luís: Universidade Federal do Maranhão. UFMA, Professora Mestra. Assistente 1 departamento de Artes. Diretora

Leia mais

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol.

Casamento da Virgem, Matias de Arteaga- Barroco espanhol. Apresentação: A pintura escolhida para a leitura analítica intitula-se Casamento da Virgem, de Matias de Arteaga (1633-1703), pintor pertencente ao barroco espanhol. Entre suas obras estão Uma aparição

Leia mais

Radionovela para e com deficientes visuais 1

Radionovela para e com deficientes visuais 1 Radionovela para e com deficientes visuais 1 Gabriela Rodrigues Pereira CAPPELLINI 2 Raquel PELLEGRINI 3 Christian GODOI 4 Centro Universitário do Monte Serrat, Santos, SP RESUMO Narrar histórias a deficientes

Leia mais

e-scrita ISSN 2177-6288

e-scrita ISSN 2177-6288 194 e-scrita ISSN 2177-6288 COMO LER IMAGENS? SANTAELLA, Lucia. Leitura de imagens. São Paulo. Melhoramentos. 2012. 184 p. (Coleção Como eu ensino). Rodrigo da Costa Araujo 1 Como ler imagens? Como elas

Leia mais

Figura Nº 70. Figura Nº 71

Figura Nº 70. Figura Nº 71 Figura Nº 70 Figura Nº 71 Figura Nº 69 Outra constatação é que o processo de solarização decorre de uma iluminação adicional feita no decorrer da revelação da imagem ou filme, assim sendo poderíamos com

Leia mais

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR

FACULDADE DE ARTES DO PARANÁ CURSO DE BACHARELADO EM CINEMA E VÍDEO Ano Acadêmico de 2008 MATRIZ CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR Carga Horária Semestral por Disciplina Disciplinas 1º semestre 2º semestre 3º semestre 4º semestre 5º semestre 6º semestre 7º semestre 8º semestre Total Obrigatórias Optativas Fundamentos

Leia mais

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia

Matemática na Vida. Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Matemática na Vida Série: Razão e Proporção Conceito no dia a dia Resumo Com uma câmera nas mãos, o nosso curioso personagem Euclides, procura compreender os mistérios da Matemática por de trás de situações

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Missão. Objetivo Geral

Missão. Objetivo Geral SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO Curso: CINEMA E AUDIOVISUAL Missão O Curso de Cinema e Audiovisual da Universidade Estácio de Sá tem como missão formar um profissional humanista, com perfil técnico e artístico

Leia mais

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ

ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ 1 ILUSTRAÇÃO TAMBÉM SE LÊ Rodrigo da Costa Araujo 1 A leitura é sempre o esforço conjugado de compreender e de incorporar (SCHOLES, Robert. Protocolos de Leitura. Edições 70, 1991, p.25) A epígrafe acima,

Leia mais

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA

SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA SOBRE A DESCONSTRUÇÃO ROMANESCA EM BOLOR, DE AUGUSTO ABELAIRA Kellen Millene Camargos RESENDE (Faculdade de Letras UFG; kellenmil@gmail.com); Zênia de FARIA (Faculdade de Letras UFG; zenia@letras.ufg.br).

Leia mais

IMAGENS LABIRÍNTICAS: a narrativa fílmica de Kim Ki Duk RESUMO

IMAGENS LABIRÍNTICAS: a narrativa fílmica de Kim Ki Duk RESUMO 1 IMAGENS LABIRÍNTICAS: a narrativa fílmica de Kim Ki Duk Melissa Rubio dos Santos 1 Profa. Dra. Rita Lenira de Freitas Bitencourt (orientadora) 2 RESUMO Investigar a narrativa imagética do cineasta sul-coreano

Leia mais

AULA 2: BrOffice Writer Trabalhando com imagem, bordas e cores. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de:

AULA 2: BrOffice Writer Trabalhando com imagem, bordas e cores. Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: AULA 2: BrOffice Writer Trabalhando com imagem, bordas e cores Objetivo Ao final dessa aula, você deverá ser capaz de: Aprender a inserir e formatar figura no texto; Aprender a trabalhar com cor ou marca

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos A TRANSMUTAÇÃO DE LINGUAGENS NO MOVIMENTO CRIADOR DO CARNAVALESCO PAULO BARROS Juliana dos Santos Barbosa (UEL) juliana.barbosa@londrina.pr.gov.br

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo

UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO. O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva para a desconstrução do racismo Uberaba 2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO O ESPORTE SEM CORES. Uma Perspectiva

Leia mais

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ]

o desenho do corpo o corpo que desenha [ 1 ] Nádia da Cruz Senna Artista plástica, pesquisadora e professora adjunta da Universidade Federal de Pelotas, atuando junto as disciplinas de Desenho, Design e História em Quadrinhos. alecrins@uol.com.br

Leia mais

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA

TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA TÍTULO / TÍTULO: A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA AUDIOVISUAL ENTRE O TELEJORNALISMO E O CINEMA AUTOR / AUTOR: Iara Cardoso INSTITUIÇÃO / INSTITUCIÓN: Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo (Labjor) Unicamp,

Leia mais

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR

O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR O CHÃO DA PALAVRA: CINEMA E LITERATURA NO BRASIL: A CULTURA CINEMATOGRÁFICA E LITERÁRIA BRASILEIRAS SOB O OLHAR DE JOSÉ CARLOS AVELLAR Matheus Oliveira Knychala Biasi* Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL II OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Cadernos de Pós-Graduação em Letras

Cadernos de Pós-Graduação em Letras Cad. de São Paulo v. 3 n. 1 p. 1-121 2004 Os direitos de publicação destes Cadernos são da. Os textos publicados nestes Cadernos são de inteira responsabilidade de seus autores. Permite-se a reprodução

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DA DISCIPLINA AUDIOVISUAL DA ESCOLA POLITÉCNICA DE SAÚDE JOAQUIM VENÂNCIO 1. AUDIOVISUAL NO ENSINO MÉDIO O audiovisual tem como finalidade realizar-se como crítica da cultura,

Leia mais

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS )

A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO FUNDAMENTAL II ( ANOS FINAIS ) Thainá Santos Coimbra Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro thainahappy@hotmail.com A FOTOGRAFIA COMO INSTRUMENTO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DO CONCEITO DE PAISAGEM ENSINO

Leia mais

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté

Guia Curta Fácil 1 Festival Nacional Curta no Celular de Taubaté 1 Conteúdo TIPOS DE PLANOS... 3 PLANO GERAL... 3 PLANO MÉDIO... 3 PLANO AMERICANO... 4 PRIMEIRO PLANO OU CLOSE-UP... 4 PRIMEIRÍSSIMO PLANO... 4 MOVIMENTOS DE CÂMERA... 5 PANORÂMICAS - PANS... 5 PANORÂMICA

Leia mais

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época.

Os diferentes modos de registro imagético expressam. o espírito de seu tempo utilizando materiais. e meios que são produtos próprios da época. IMAGEM E HISTÓRIA Os diferentes modos de registro imagético expressam o espírito de seu tempo utilizando materiais e meios que são produtos próprios da época. Pintura Rupestre mãos pincéis de penas e pêlos

Leia mais

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades;

Brincar, expressando emoções, sentimentos, pensamentos, desejos e necessidades; INFANTIL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações:

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento

Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Interdisciplinareidade: a arte rompendo fronteiras entre as áreas do conhecimento Donald Hugh de Barros Kerr Júnior 1 Como pensar em ensino de arte e contemporaneidade, sem perceber as transformações que

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Letras ÁREAS DE ORIENTAÇÕES DOS PROFESSORES DO CURSO DE LETRAS (Licenciatura e Bacharelado) DOCENTE Área(s) de orientação Temas preferenciais de orientação Alexandre - Literatura - Elaboração de propostas Huady

Leia mais

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som

Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida. por Caio Amon. Imagens Sonoras. A Expansão da Imagem pelo Som Imagens Sonoras por Caio Amon A Expansão da Imagem pelo Som Todos os direitos reservados a Fluxo - Escola de Fotografia Expandida Aprenda a produzir som e trilha para seus projetos. Imagens Sonoras A Expansão

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA As histórias do Senhor Urso. 2. EPISÓDIO TRABALHADO "A peça". 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO Em um dia de verão, os brinquedos aproveitam o sol

Leia mais

PASSO A PASSO: APRESENTAÇÕES EM PREZI 1

PASSO A PASSO: APRESENTAÇÕES EM PREZI 1 1 PASSO A PASSO: APRESENTAÇÕES EM PREZI 1 Juliana Gulka Biblioteca Central da UFSC juliana.gulka@ufsc.br PREZI X POWER POINT Quando falamos em slide hoje, lembramos de powerpoint. O prezi não vai matar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO)

ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa 2. a Transferência Facultativa/2010 ARTES PLÁSTICAS (BACHARELADO) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Leia mais

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

IV EDIPE Encontro Estadual de Didática e Prática de Ensino 2011 A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DAS ARTES NA FORMAÇÃO DAS CRIANÇAS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Marília Darc Cardoso Cabral e Silva 1 Tatiane Pereira da Silva 2 RESUMO Sendo a arte uma forma do ser humano expressar seus sentimentos,

Leia mais

A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA

A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA A DIVERSIDADE CULTURAL A PARTIR DO FILME URGA UMA PAIXÃO NO FIM DO MUNDO : UMA (RE)LEITURA DE ATITUDES, VALORES E CULTURA 1 Maria Lindaci Gomes de Souza Universidade Estadual da Paraíba lindaci26@hotmail.com

Leia mais

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL

II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL II FESTIVAL NACIONAL CURTA NO CELULAR GUIA CURTA FÁCIL O FEST CURT CELU Guia Curta Fácil 2 A câmera de cinema funciona como se fosse uma máquina fotográfica que dispara milhares de foto em um espaço muito

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh

CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC. José Fernando Baldo Caneiro. Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh CENTRO UNIVERSITÁRIO SENAC José Fernando Baldo Caneiro Trabalho Final História da Arte Auto Van Gogh São Paulo 2005 1 INTRODUÇÃO Van Gogh foi um artista como poucos. Influências de vários movimentos e

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas

Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas Circuito de Oficinas: Mediação de Leitura em Bibliotecas Públicas outubro/novembro de 2012 A leitura mediada na formação do leitor. Professora Marta Maria Pinto Ferraz martampf@uol.com.br A leitura deve

Leia mais

Game Design e Tecnologia na Incubadora

Game Design e Tecnologia na Incubadora Game Design e Tecnologia na Incubadora INCUBADORA versão final Introdução Inspirado em jogos de simulação como The Sims, INCUBADORA versão final é um espetáculo-jogo, que promove a reflexão sobre os modos

Leia mais

A transposição da Literatura para o Cinema: reflexões preliminares. 1. Palavras-chave: cinema; literatura; semiótica; transtexualidade.

A transposição da Literatura para o Cinema: reflexões preliminares. 1. Palavras-chave: cinema; literatura; semiótica; transtexualidade. A transposição da Literatura para o Cinema: reflexões preliminares. 1 Érica Eloize Peroni Ferreira 2 Centro de Ensino Superior Promove Resumo: Trata-se da investigação da intersemiose existente entre texto

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema

História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema História e imagem: O historiador e sua relação com o cinema Luciana Ferreira Pinto 1 1.Introdução Desde o início da Escola dos Anais, na França, os objetos de estudo da História vêm se modificando, exigindo

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / / ENSINO: Fundamental II 8ª série) DISCIPLINA: Artes PROFESSOR (A): Equipe de Artes TURMA: TURNO: Roteiro e Lista de estudo para recuperação

Leia mais

CINEMATOGRAFIA JOGOS DE LUZES E SOMBRAS NA DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA. por Bruno Polidoro

CINEMATOGRAFIA JOGOS DE LUZES E SOMBRAS NA DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA. por Bruno Polidoro CINEMATOGRAFIA JOGOS DE LUZES E SOMBRAS NA DIREÇÃO DE FOTOGRAFIA por Bruno Polidoro O CURSO O curso pretende um mergulho do participante no universo da direção de fotografia para o audiovisual, com foco

Leia mais

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1

Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Jornalismo cultural na internet e a proposta do site Movamente 1 Letícia BARROSO 2 Thaís PEIXOTO 3 Centro Universitário Fluminense Campus II- Campos/RJ RESUMO: A falta de espaço nos veículos convencionais

Leia mais

A INTERMIDIALIDADE NO CINEMA DE PETER GREENAWAY Uma análise intermidiática do filme Prospero s Books

A INTERMIDIALIDADE NO CINEMA DE PETER GREENAWAY Uma análise intermidiática do filme Prospero s Books A INTERMIDIALIDADE NO CINEMA DE PETER GREENAWAY Uma análise intermidiática do filme Prospero s Books Prof. Mestre Júlio Alessi i (UniBH e UFMG) Prof. Doutor Jalver Bethonico ii (UFMG)... Resumo: Esse trabalho

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua

Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua Aluno(a) Nº. Série: Turma: Ensino Médio Trimestre [ ] Data: / / Disciplina: Professor: Linguagem e língua É a palavra que identifica o ser humano, é ela seu substrato que possibilitou a convivência humana

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³

Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ Análise Cinematográfica do Curta Metragem Ilha das Flores¹ Jaderlano de Lima JARDIM² Shirley Monica Silva MARTINS³ RESUMO O premiado Ilha das Flores exibe o percurso de um tomate até chegar a um lixão

Leia mais

SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA

SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA SHAKESPEARE REALIZA O IDEAL DO ANALISTA Luiz Carlos Bresser-Pereira Valor, 2.6.2000. Apresentado originalmente como comentário ao filme (de Mazursky) e à peça (de Shakespeare) A Tempestade, em debate promovido

Leia mais

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo.

Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Peça teatral Aldeotas : processos de criação e relações entre o teatro narrativo, a encenação e a voz cênica do ator Gero Camilo. Palavras-chave: teatro narrativo; corpo vocal; voz cênica. É comum que

Leia mais

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki

Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Por uma estética das imagens digitais: um olhar sobre Parallel, videoinstalação de Harun Farocki Jamer Guterres de Mello 1 Resumo Este trabalho pretende demonstrar de que forma as imagens digitais produzem

Leia mais

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio

Plano de Trabalho Docente - 2014. Ensino Médio Plano de Trabalho Docente - 2014 Ensino Médio Código: 0262 ETEC ANHANQUERA Município: Santana de Parnaíba Área de Conhecimento: Linguagens, códigos e suas tecnologias. Componente Curricular: Artes Série:

Leia mais

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO

EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO EXERCÍCIOS SOBRE RENASCIMENTO TEXTO O termo Renascimento é comumente aplicado à civilização européia que se desenvolveu entre 1300 e 1650. Além de reviver a antiga cultura greco-romana, ocorreram nesse

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa G onç alo I v o R io Sã o Fr anc isc o (V is t a de Ib ot ir a ma, BA), 1 99 3, s er ig r afi a Fot o: Fau st o Fleur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: 1 Considerado um dos mais importantes escritores de todos os tempos, Edgar Allan Poe se inscreveu na história da literatura mundial com seu estilo inconfundível.

Leia mais

O livro que falava com o vento e outros contos

O livro que falava com o vento e outros contos LER a partir dos 10 anos GUIA DE LEITURA MARIAALZIRACABRAL O livro que falava com o vento e outros contos JOSÉ JORGE LETRIA Ilustrações de Alain Corbel Apresentação da obra O Livro Que Falava com o Vento

Leia mais

Fig. 247 Storyboard 2

Fig. 247 Storyboard 2 173 Fig. 247 Storyboard 2 174 Fig. 248 Storyboard 2 Fig. 249 Storyboard 2 175 176 3.2.5 Edição visual e sonora Foram realizadas algumas etapas: análise, seleção e edição da imagem (correção de cor, luz,

Leia mais

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa

1- Fonte Primária 2- Fonte Secundária. 3- Fonte Puntiforme 4- Fonte Extensa Setor 3210 ÓPTICA GEOMÉTRICA Prof. Calil A Óptica estuda a energia denominada luz. 1- Quando nos preocupamos em estudar os defeitos da visão e como curá-los, estamos estudando a Óptica Fisiológica. Estudar

Leia mais

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa

O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Nelson Ram os Alert a, 199 2, s er igr af i a F ot o: Fau st o F leur y O olho que pensa, a mão que faz, o corpo que inventa Com as proposições didáticas sugeridas, espera-se que os alunos possam se aproximar,

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO DIRETORIA DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL PORTAL DIA A DIA EDUCAÇÃO Sequência de Aulas de Língua Portuguesa Produção de uma Fotonovela 1. Nível de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - INSTITUTO DE ARTES ESCOLA DE ARTES VISUAIS DO PARQUE LAGE CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DA ARTE - TURMA 2015 PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EMENTAS DOS CURSOS Arte

Leia mais

REGRAS GERAIS REDE 2 horas e 30 minutos. Os desafios deverão ser entregues conforme instrução: Exemplo: desafio1_equipepentagrama

REGRAS GERAIS REDE 2 horas e 30 minutos. Os desafios deverão ser entregues conforme instrução: Exemplo: desafio1_equipepentagrama 2 REGRAS GERAIS REDE 1. Número de desafios da competição: 5. 2. Tempo máximo da competição: 2 horas e 30 minutos. Os desafios deverão ser entregues conforme instrução: a) Salvar em um arquivo, identificando

Leia mais

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda

Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Titulo Ver e olhar: dois pólos que instrumentalizam a construção da significação no design de moda Autor Lourdes Maria Puls Introdução As imagens são utilizadas como meio de comunicação e expressão cultural

Leia mais

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da

Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da 1 Apresentação das obras de Maximiliano Gutiez por Marcelo M. Martins bolsista CNPq Maximiliano Gutiez expõe, a partir do dia 21, na Galeria da Unicamp, algumas de suas obras. Aproveita o caro momento

Leia mais

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro

ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL. Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro ESTRUTURAS NARRATIVAS DO JOGO TEATRAL 1 Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Comunicação oral UNIRIO Palavras-chave: Criação -jogo - teatro I - Introdução O teatro, como todas as artes, está em permanente

Leia mais

Ampliando o olhar sobre a Arte

Ampliando o olhar sobre a Arte Ampliando o olhar sobre a Arte A Arte reflete a história da humanidade. Desde as primeiras expressões artísticas (Arte rupestre) até os dias de hoje, podemos compreender o desenvolvimento do homem em cada

Leia mais

Arquivo Virtual da Geração de Orpheu. modernismo.pt. Os Problemas de Matemática de Almada Negreiros. Pedro J. Freitas e Simão Palmeirim Costa

Arquivo Virtual da Geração de Orpheu. modernismo.pt. Os Problemas de Matemática de Almada Negreiros. Pedro J. Freitas e Simão Palmeirim Costa Arquivo Virtual da Geração de Orpheu modernismo.pt Os Problemas de Matemática de Almada Negreiros Pedro J. Freitas e Simão Palmeirim Costa Artigo publicado no número especial do Boletim da Sociedade Portuguesa

Leia mais

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO

Constelação 1 RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: haicai; minimalismo; poesia; imaginação INTRODUÇÃO Constelação 1 Bruno Henrique de S. EVANGELISTA 2 Daniel HERRERA 3 Rafaela BERNARDAZZI 4 Williane Patrícia GOMES 5 Ubiratan NASCIMENTO 6 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN RESUMO Este

Leia mais

O azulejo articulado de Eduardo Nery

O azulejo articulado de Eduardo Nery O azulejo articulado de Eduardo Nery Jorge Rezende (Grupo de Física-Matemática (GFMUL) e Departamento de Matemática (DMFCUL) da Universidade de Lisboa.) Neste artigo consideramos apenas azulejos quadrados

Leia mais

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil

Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Literatura e cinema: algumas reflexões sobre a produção voltada para o público infantil Fábio Augusto Steyer Universidade Estadual de Ponta Grossa PR A atual produção cinematográfica voltada para o público

Leia mais

Get Instant Access to ebook Russo Ver Falar PDF at Our Huge Library RUSSO VER FALAR PDF. ==> Download: RUSSO VER FALAR PDF

Get Instant Access to ebook Russo Ver Falar PDF at Our Huge Library RUSSO VER FALAR PDF. ==> Download: RUSSO VER FALAR PDF RUSSO VER FALAR PDF ==> Download: RUSSO VER FALAR PDF RUSSO VER FALAR PDF - Are you searching for Russo Ver Falar Books? Now, you will be happy that at this time Russo Ver Falar PDF is available at our

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

Os Amigos do Pedrinho

Os Amigos do Pedrinho elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Os Amigos do Pedrinho escrito por & ilustrado por Ruth Rocha Eduardo Rocha Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4

EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 EDUCAÇÃO INFANTIL GRUPO 4 1º VOLUME ARTES VISUAIS O FAZER ARTÍSTICO Criação de desenhos, pinturas e colagens, com base em seu próprio repertório. Exploração das possibilidades oferecidas por diferentes

Leia mais

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA

DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA 1 DRAMATURGIA ATORAL: ENTREVISTA AO DRAMATURGO ESPANHOL JOSÉ SANCHIS SINISTERRA Mariana Muniz 1 Sanchis Sinisterra é um ícone da dramaturgia espanhola contemporânea. Sua peça de maior repercusão foi Ay

Leia mais

Universidade Federal de Alagoas. Luciana Fonseca Oliveira

Universidade Federal de Alagoas. Luciana Fonseca Oliveira Universidade Federal de Alagoas Luciana Fonseca Oliveira O tempo e espaço do filme A Rosa Púrpura do Cairo, uma análise para Fundamentos em Cinema Maceió, dezembro de 2012. Cristian Metz em seu texto A

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO]

Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE. Alice Casimiro Lopes. Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Culturas e Imagens IMAGENS E REALIDADE Alice Casimiro Lopes Pinto o que sei, não o que vejo. [PABLO PICASSO] Claude Monet, Impressão, sol nascente, Museu Marmottan, Paris Joan Miró, Noturno, coleção privada.

Leia mais

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581

Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS. Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Universidade São Marcos Pedagogia Comunicação, Educação e Novas Tecnologias RELEITURA DE OBRAS Jane Ap. Fiorenzano RGM: 048581 Lenivani S. Brandão RGM: 047438 Melissa F. Caramelo RGM: 049607 Sandra P.

Leia mais

ARTE CIRCENSE E A EDUCAÇÃO

ARTE CIRCENSE E A EDUCAÇÃO ARTE CIRCENSE E A EDUCAÇÃO Magali Deckert Arndt 1 Noemi Boer 2 Marjorie Dariane da Silva Machado³ Ingrid Mello 4 INTRODUÇÃO O teatro é uma das mais antigas manifestações culturais do homem e o tem acompanhado

Leia mais

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade.

2ª Etapa: Propor a redação de um conto de mistério utilizando os recursos identificados na primeira etapa da atividade. DRÁCULA Introdução ao tema Certamente, muitas das histórias que atraem a atenção dos jovens leitores são as narrativas de terror e mistério. Monstros, fantasmas e outras criaturas sobrenaturais sempre

Leia mais

Com a abertura do Centro Internacional de Pesquisa Teatral (CIRT) em 1970, tem início

Com a abertura do Centro Internacional de Pesquisa Teatral (CIRT) em 1970, tem início 1 Peter Brook e o CIRT: os anos de ruptura Matteo Bonfitto Júnior Universidade Estadual de Campinas Palavras-chave: ruptura transculturalismo alteridade Com a abertura do Centro Internacional de Pesquisa

Leia mais

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes

Prova Escrita de História da Cultura e das Artes EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de História da Cultura e das Artes 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 724/1.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova:

Leia mais

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano)

Arte Ensino Fundamental. Fase Final (6º a 9º ano) Arte Ensino Fundamental Fase Final (6º a 9º ano) 2012 APRESENTAÇÃO Caro(a) professor(a), (...) Protege-me das incursões obrigatórias que sufocam o prazer da descoberta e com o silêncio ( intimamente sábio

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas

Apresentação. Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa. Situação 4 HQ. Recomendada para 7a/8a ou EM. Tempo previsto: 4 aulas Práticas Pedagógicas Língua Portuguesa Situação 4 HQ Recomendada para 7a/8a ou EM Tempo previsto: 4 aulas Elaboração: Equipe Técnica da CENP Apresentação Histórias em quadrinhos (HQ), mangás e tirinhas

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo

Produzindo e divulgando fotos e vídeos. Aula 1 Criando um vídeo Produzindo e divulgando fotos e vídeos Aula 1 Criando um vídeo Objetivos 1 Conhecer um pouco da história dos filmes. 2 Identificar a importância de um planejamento. 3 Entender como criar um roteiro. 4

Leia mais