ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A"

Transcrição

1 4 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A Ricardo Trovão Rego 1 1- INTRODUÇÃO As demonstrações financeiras balanço patrimonial, demonstração do resultado do exercício, demonstração das mutações do patrimônio líquido e demonstração das origens e aplicações de recursos - constituem o conjunto básico de dados organizados e publicados periodicamente pelas empresas. Por serem dados acumulados e organizados pelo sistema contábil para refletir o estado patrimonial e desempenho econômico de organizações, requer-se que sua leitura e interpretação sejam feitas através de determinadas técnicas. O presente artigo apresenta conceitos, importância e aplicação das principais técnicas utilizadas na análise de demonstrativos contábeis, especialmente o Balanço Patrimonial e o Demonstrativo do Resultado do Exercício, e tem como objetivo fazer um diagnóstico da situação econômica e financeira da empresa Perdigão S.A. Pelo estudo de caso sobre a empresa Perdigão S.A, conclui-se que a empresa apresentou melhorias em sua capacidade de saldar pagamentos a curto prazo além de reduzir o prazo de recebimento de vendas. Mas, ainda assim, está na média, quando comparada a outras empresas que atuam no segmento de carnes de aves e suínos do Setor de Alimentos. Foram analisados os resultados financeiros apresentados, procurando-se contextualizar as principais decisões estratégicas tomadas até 2002 e o reflexo no seu desempenho. 1 Graduado em Administração em 1997, pela UFMG, Especialista em Negócios para Executivos pela FGV- EAESP e, atualmente, Analista de Planejamento e Orçamento Sr. na CBCC. 71

2 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Os demonstrativos financeiros da Perdigão tiveram como fonte o próprio site da empresa. As informações dos concorrentes foram extraídas dos respectivos sites, além da página da Bovespa. Foram analisados o Balanço Patrimonial e Demonstrativo do Resultado do Exercício pelos métodos de Análise Vertical, Análise Horizontal e índices de liquidez, atividade, endividamento e rentabilidade. 2 - CONCEITOS A análise de demonstrativos contábeis se caracteriza pela extração, transformação e condensação, usando-se diversas técnicas, de uma grande massa de dados em informações úteis e relevantes ao processo de decisão. Segundo Helfert (2000), a análise de demonstrativos contábeis é uma técnica bastante utilizada por acionistas, investidores, credores, agências governamentais e pela gerência com a finalidade de ajudar os responsáveis a tomar decisões acertadas, de investimento, operacionais ou de financiamento, em um contexto econômico relevante. A análise financeira é relativa, e, somente por comparações históricas com outras empresas e com o setor, poderá indicar qual a real condição da empresa. Nenhum indicador é bom ou ruim isoladamente. A análise das demonstrações financeiras deve ser entendida dentro de suas possibilidades e limitações. De acordo com Iudícibus (1998), a análise, por um lado, mais aponta problemas do que indica soluções e, por outro, pode se transformar num painel de controle a ser utilizado pela Administração. A análise limitada a um exercício apenas é pouco reveladora. Assim, é interessante se ter também dados de exercícios anteriores. As duas técnicas mais difundidas de análise são a extração de índices financeiros, econômicos e de atividade, e elaboração das análises horizontal e vertical. A extração e análise de índices refletem a ordem de grandeza comparada entre contas e grupos de contas das demonstrações, 72

3 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A permitindo elaborar um diagnóstico geral da situação financeira (endividamento, liquidez, etc), econômica (rentabilidade, margem, etc) e operacional (prazo médio de estoques, recebimento de vendas, etc). A Análise Horizontal (AH) corresponde ao estudo comparativo, em períodos de tempo consecutivos, da evolução das contas que compõem as demonstrações financeiras. Toma-se um exercício como base (índice 100%) e faz-se a relação conta-a-conta dos exercícios seguintes. Assim é possível ver a variação das contas ao longo do tempo, comparando-se ao ano-base. Para que se possa extrair conclusões é necessário que se analisem três a cinco exercícios consecutivos. Conforme a Equipe de professores da FEA/USP (1993), o ideal é que todos os valores sejam convertidos para a moeda do último exercício, usando fatores de deflacionamento. A Análise Vertical (AV) tem como objetivo principal identificar as contas que têm maior ou menor peso relativo na demonstração. Tal análise é feita após o valor numérico de cada conta ser transformado em percentual em relação a um valor base. Assim, no caso do Balanço, calcula-se o percentual de cada conta em relação ao total do Ativo; na Demonstração do Resultado, toma-se o percentual de cada conta em relação à Receita Líquida de Vendas. Mediante comparações entre vários exercícios, ou com padrões do ramo ao qual pertence a empresa, pode-se inferir se os principais itens das demonstrações têm-se comportado dentro ou fora das proporções típicas. Normalmente, inicia-se a análise pela AV (Análise Vertical) para identificar as contas mais representativas e depois a AH (Análise Horizontal) para analisar a evolução dessas contas. Assim, a análise segue uma linha de consistência. 3 - EMPRESA PERDIGÃO S.A. A Perdigão é uma empresa do ramo de alimentos criada a partir da iniciativa de duas famílias de imigrantes italianos os Ponzoni e os Brandalise em 1934, na Vila das Perdizes, Santa Catarina. 73

4 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A diversificação dos negócios da empresa iniciou-se em 1939, através do início de suas atividades industriais, um pequeno abatedouro e fábrica de produtos suínos. Em 1954, a empresa investiu também em avicultura. Em 1994, o controle acionário da Perdigão foi adquirido por um pool de Fundos de Pensão, determinando importantes mudanças na administração da empresa. A implantação de uma gestão profissional levou a uma nova cultura empresarial e a um reposicionamento estratégico, orientados para a busca de melhores resultados. Entre 1995 e 1999, a empresa implantou um projeto de otimização de suas unidades industriais, que resultou no aumento da capacidade produtiva das suas fábricas em 50% e exigiu um investimento de R$272 milhões. Em 2000 a Perdigão comprou 51% do controle acionário do Frigorífico Batávia, sexta empresa brasileira no ranking de processadoras de carne. Em 2001, adquiriu os 49% restantes e os incorporou à Perdigão Agroindustrial S/A, mantendo a marca Batavo no mercado. Em 2002, a empresa abriu um escritório em Dubai, nos Emirados Árabes, ampliando sua presença no Oriente Médio. Em 2003, foi inaugurado, em Goiás, o complexo agroindustrial de Rio Verde, situado estrategicamente próximo dos mercados emergentes nacionais. A unidade, uma das maiores do mundo, gera, hoje, empregos. O empreendimento foi dimensionado com a capacidade de produzir 260 mil toneladas anuais de carnes, gerando um faturamento de cerca de R$ 1 bilhão, em O complexo permitiu desconcentrar sua produção nas unidades do Sul, possibilitando que essas ficassem mais focadas nas demandas do mercado internacional. Atualmente, a Perdigão emprega mais de 27 mil pessoas. 4 - AS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DA PERDIGÃO A seguir, são apresentados o Balanço Patrimonial e Demonstração de Resultado referentes aos exercícios de 2000, 2001 e

5 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A Balanços Patrimoniais Balanço Patrimonial Em 31 de dezembro de 2000, 2001 e 2002 (Valores expressos em milhares de reais) 75

6 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Demonstrações dos Resultados Demonstração dos Resultados Para os exercícios findos em 31 de dezembro de 2000, 2001 e 2002 (Valores expressos em milhares de reais) 76

7 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A Índices Financeiros 77

8 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 4.1 Balanço Patrimonial A partir da Análise Vertical foi possível verificar que, em 2000, o Ativo Circulante correspondia a 53,5% do ativo total da empresa. Esse total caiu para 43% em 2001 e subiu para 61,9% em As aplicações financeiras no primeiro ano respondiam por 28,8% das contas do Ativo Circulante. Esse percentual caiu para 16,1% em 2001, aumentando para 28,4% em Nos três anos analisados, os estoques ocuparam posição de destaque no total dos ativos, participando respectivamente com 11,7%, 13,1% e 19,8%. Esse comportamento se relaciona diretamente com o aumento das vendas. Os ativos permanentes correspondiam a 40,7% do total de ativos em Essa relação se manteve quase inalterada em 2001, mas em 2002 caiu para 33,6%. No Passivo, nota-se claramente o aumento dos empréstimos, financiamentos e debêntures de 28,7%, em 2001, para 42% em Esse aumento impactou a participação do Passivo Circulante no total do Passivo, passando de 41,8%, em 2001, para 55,4% em Os empréstimos, financiamentos e debêntures a longo prazo reduziram sua participação ao longo dos anos, passando de 27,4% em 2000 para 24,7% em 2001 e, por fim, 17,7% em As contas de exigível a longo prazo como um todo representaram 33,3% do passivo em 2000, diminuindo ligeiramente em 2001 para 30,4% e caindo em 2002 para 22,1%. A conta capital social realizado, do patrimônio líquido, é de grande expressão, correspondendo a 18,6% do total do passivo em 2000, 17,1% em 2001 e 16,3% em A Análise Horizontal mostra, na estrutura do Ativo, um aumento de 55,8% na parcela do Circulante do exercício de 2002 em relação ao de 2000 (ano-base), influenciado, em boa parte, pelo aumento dos estoques (126,8%) e pelas aplicações financeiras (32,8%). Em 2001, o circulante havia decrescido 12,7% quando comparado com No Ativo Permanente, observa-se um crescimento gradativo nos anos analisados, sendo de 5,7% no Imobilizado e 38,7%, no diferido em 2001 e 9,3% no Imobilizado e de 41,1%, no diferido em 2002, sempre em relação ao exercício de

9 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A No Passivo, o Circulante cresceu 10,1% em 2001 e 81%, em Em 2002, este aumento se deve basicamente ao crescimento de empréstimos, financiamentos e debêntures, que representaram 42% do total do Passivo Circulante. O Exigível a Longo Prazo caiu 10,6% em 2002, em relação a No patrimônio líquido observa-se um aumento de 21,2% em 2001 e 21,8% em 2002, influenciados pelo crescimento do capital social e reservas de lucros. 4.2 Demonstração dos Resultados A Análise Vertical do Demonstrativo de Resultados da Perdigão mostra que a relação das vendas no mercado interno / receita operacional líquida (ROL) caiu de 2000 para 2001, passando de 88,1% para 72,1%. Esse percentual passou para 73,2% em 2002 Por outro lado, a participação das exportações cresceu de 29,1% para 42,5% em 2001, passando para 41,3% em Esses dados mostram o que já tinha sido concluído na análise horizontal, ou seja, maiores e melhores condições de concorrência no mercado externo, e, por conseguinte, mais receita. O custo das vendas apresentou um comportamento oscilante. Em 2000 representava 75,8% da ROL. Em 2001, esse percentual caiu para 67,1% e, por fim, em 2002 subiu para 72,1%. A análise permite concluir que as despesas com vendas vêm aumentando em relação à ROL. Essas despesas são variáveis de acordo com a receita. O mesmo comportamento foi verificado nas despesas financeiras. Em 2002, o índice foi de 7,5%, ao passo que, em 2001, foi de 5,0%, e, em 2000, de 3,6%. Esse dado pode ser justificado pelo grande aumento das despesas financeiras devido ao aumento do endividamento decorrente da desvalorização cambial, conforme mencionado anteriormente. A variação dessas duas contas de despesas fez com que a relação despesas totais/rol passasse de 21,3%, em 2000, para 22,9% em 2001 e 27,8% em Em conseqüência, o lucro líquido correspondeu a 0,3% do ROL em 2002, enquanto que, em 2001, esse índice fora de 6,9% e, em 2000, de 2,6%. 79

10 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A Análise Horizontal da DRE mostra que as vendas aumentaram 35,5% em 2001 e 61,7%, em 2002, comparando-se a Percentualmente, um grande salto ocorreu nas vendas ao mercado externo. Em 2001, foram 102% maiores que 2000 e, em 2002, 135,4% maiores. As exportações da Perdigão não cresceram somente em receita (devido apenas à variação cambial), mas também, em volume. Esse aumento foi propiciado não apenas pela oportunidade gerada pela doença da vaca louca (uma vez que o Estado de Santa Catarina era considerado área não afetada) e febre aftosa na Europa, mas também pela conquista efetiva de mercados em países europeus, asiáticos e do Oriente Médio, através da competitividade com custos menores de produção, da inovação tecnológica, da qualidade nos processos e produtos, envolvendo, ainda, a rastreabilidade dos animais. O aumento da receita no mercado interno, 12,9% em 2001 e 37,4% em 2002, é fruto, entre outras razões, da constante preocupação com o atendimento dos anseios do mercado resultando nos lançamentos de novas linhas e produtos. Pode-se citar ainda a estratégia de focar suas operações logísticas no aumento da eficiência e na redução dos custos, construindo centros de distribuição para alcançar longas distâncias através de pontos de cross-dockings. O resultado das vendas impactou positivamente o lucro bruto. Este, em 2001, foi 87,1% superior a 2000 e, em 2002, 90,2% superior ao ano Em contrapartida, as despesas apresentaram comportamento crescente em 2000, 2001 e em Em 2002, as despesas com vendas foram 95,2% maiores do que em O mesmo ocorreu com as despesas gerais e administrativas: 25,3%, em 2002, maiores que Um grande aumento ocorreu com as despesas financeiras. Em 2001, foram 91% a mais do que em 2000 e, em 2002, 246,7%. O aumento no endividamento líquido foi resultante da desvalorização cambial, dos investimentos realizados e da necessidade de capital de giro adicional, para aumento de estoques de matérias-primas, animais e produtos acabados. 80

11 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A As despesas, no total, cresceram, em 2001, 48% e, em 2002, 115,5% em relação ao ano Assim, o resultado da atividade (lucro operacional) sofreu grande influência, passando de forte recuperação em 2001 (372,3%) para forte queda em 2002 (redução de 95,1% em relação a 2000). O lucro antes dos impostos sofreu reflexo direto da tendência negativa do lucro operacional, destacando-se o ano de 2001, com forte crescimento (353,1%), mas com decréscimo significativo em 2002 (95,6%). No que se refere ao lucro líquido, verifica-se que o ano de 2001 apresentou um resultado positivo, com crescimento de 270,7%, enquanto que, em 2002, houve uma redução de 81,9% em relação ao exercício de ÍNDICES FINANCEIROS Foram levantados os indicadores de liquidez, atividade, endividamento e estrutura e rentabilidade. O quadro 1 ilustra que a liquidez corrente, que compara o ativo e passivo circulante objetivando medir a capacidade de a empresa atender a seus compromissos de curto prazo, em 2000, era maior que 2001 e Esse índice, no primeiro ano analisado, foi de 1,3, caindo para 1,03 em 2001 e chegando a 1,12 no último período. O Balanço Patrimonial mostra que, em 2002, o passivo circulante foi 81% maior que em Contribuiu para tal quadro o fato de a empresa, em 2002, ter aumentado a dívida com fornecedores, além de ter alocado maiores volumes de empréstimos e financiamentos. O ILC (Índice de Liquidez Corrente) supõe que haja liquidação total de estoques para quitação de dívidas, o que, na maioria dos casos, é uma situação irreal. O ILS (índice de liquidez seca) pressupõe que os compromissos de curto prazo serão atendidos somente pela realização das duplicatas a receber e disponibilidades, considerando a renovação dos estoques e sua não realização. Novamente, o valor foi maior em 2000 do que 2001 e No primeiro período 1,01; no segundo 0,71 e, por último, 0,76. 81

12 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO A capacidade de a empresa honrar seus compromissos de curto prazo, não se utilizando do estoque, apresentou melhoras em 2002 em relação ao ano anterior, principalmente por causa do aumento das aplicações financeiras. O último índice de liquidez analisado, o de liquidez geral, se comportou de forma crescente no intervalo dos três anos. Em 2000 era de 0,8, passando, no ano seguinte para 0,83 e, atingindo, por fim, 0,86 em Colaboraram, para tal cenário, o aumento do ativo circulante em 2002, e redução do exigível a longo prazo de aproximadamente 10% em relação ao ano No decorrer dos anos, a Perdigão reduziu o prazo médio de recebimento de seus clientes em cerca de 40%, o que contribuiu positivamente para o fluxo de caixa. Em contrapartida, em 2002, o prazo médio de estocagem foi de 78 dias, enquanto que, em 2001, foi de apenas 64. Os índices de endividamento mostram que a empresa utilizou, em 2002, mais capital de terceiros, proporcionalmente, do que em 2001 ou Tanto a relação capital de terceiros / capital próprio, quanto o endividamento geral mostram aumento na utilização e dependência de recursos externos. A margem bruta ou lucratividade bruta decresceu de 2001 a Nesse ano houve um grande aumento nos custos das vendas, influenciando negativamente o lucro bruto e, conseqüentemente, a margem bruta. Devido ao aumento das despesas operacionais em 2002 (R$ ,00 contra R$ ,00 em 2001) o lucro operacional se mostrou inferior (R$2547,00 contra R$ ,00 em 2001). Com isso, a margem operacional caiu de 10% para 0,1%, afetando o lucro líquido. A redução do lucro líquido fez com que a rentabilidade sobre o patrimônio líquido passasse de 25% em 2001 para 1,2% em Por fim, o ROI foi negativamente afetado, uma vez que mede a rentabilidade utilizando margem líquida (lucro líquido/vendas líquidas) e giro dos ativos. 82

13 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A 6 - A PERDIGÃO EM RELAÇÃO AO SEU SETOR DE INDÚSTRIA DE ALIMENTOS A seguir, estão as comparações entre os índices financeiros apresentados anteriormente para o ano de 2002, com os índices de outras empresas do setor de alimentos (Avipal, Bunge, Cargill, Frangosul, Parmalat, Sadia e Seara). Objetivando avaliar a performance da Perdigão em relação à sua concorrência, foram criados gráficos através do método de Polígonos de Freqüência Acumulada, também conhecido como Método de Ogivas. Por este método soma-se a freqüência das classes anteriores até a classe onde se deseja calcular a freqüência acumulada. 6.1 Liquidez Corrente O índice de liquidez corrente é obtido pelo resultado do quociente entre ativo circulante e o passivo circulante, mostrando a capacidade da empresa em saldar seus compromissos a curto prazo. O índice de liquidez corrente da Perdigão, apurado no exercício 2002, foi de 1,12 que, conforme observamos no gráfico abaixo, encontra-se na média das empresas e demonstra uma boa capacidade de pagamento de suas obrigações a curto prazo, ou seja, para cada R$1,00 devido há R$1,12 para saldá-lo. 83

14 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO Capital de Terceiros/ Capital Próprio (Debt / Equity) O Debt/Equity nos mostra o grau de risco financeiro obtido pelo resultado do exigível total sobre o patrimônio líquido. No gráfico acima, verificamos o valor de 3,45 para a Perdigão, significando que para cada R$1,00 de capital próprio existe R$3,45 de capital de terceiros. Conclui-se que a empresa possui um baixo nível de endividamento, comparado à grande maioria dos concorrentes, que obtiveram este índice superior a 5, Margem Líquida A margem líquida representa a rentabilidade dos negócios e é medida pelo lucro líquido sobre a receita líquida, multiplicado por 100. No exercício de 2002, a Perdigão obteve um resultado neste índice de 0,28% representado uma baixa rentabilidade, porém, comparada com as demais empresas do setor, seu resultado esteve exatamente na média percentual, conforme observado no gráfico abaixo em que a empresa com melhor desempenho atingiu 6%. 84

15 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A 6.3 Rentabilidade sobre o Patrimônio Líquido A rentabilidade sobre o patrimônio líquido, como na margem líquida, representa a rentabilidade dos negócios, mas considerando a rentabilidade do patrimônio líquido sobre o lucro líquido, para que o investidor avalie o retorno do seu capital. Esse índice é calculado pela fórmula lucro líquido sobre o patrimônio líquido multiplicado por 100. A Perdigão obteve, no exercício 2002, o resultado de 1,22%. Como no tópico anterior, avaliamos como baixa rentabilidade e, novamente comparada às empresas do setor, seu resultado esteve na média percentual, enquanto o índice máximo alcançado por um concorrente foi de 25%. 85

16 REVISTA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS DE CURVELO 7 - CONCLUSÃO No último exercício (2002), percebemos que a Perdigão apresentou evolução quanto à liquidez corrente e seca, em relação a 2001, mostrando a boa capacidade de a empresa atender seus compromissos de curto prazo. É importante salientar que esses índices se encontram na média do setor de industrialização de alimentos. Pode-se apontar como causa desse resultado o aumento da produção e dos volumes de venda como conseqüência dos investimentos em expansão. Esses aumentos concentraram-se no ativo circulante, principalmente por causa dos acréscimos na conta de recebíveis e nos estoques. Houve também um aumento no passivo circulante devido ao maior volume nas linhas de crédito de curto prazo relacionadas a empréstimos e capital de giro. Em alguns casos, os empréstimos são em moeda estrangeira, o que colabora para o incremento no endividamento. Entretanto, a variação no passivo não foi suficiente para prejudicar a liquidez, uma vez que contas do ativo circulante, como os estoques e aplicações, apresentaram bons resultados. A liquidez geral apontou um índice de 0,86%, em 2002, que também podemos considerar um bom resultado devido ao histórico de os empréstimos a longo prazo estarem decrescendo com o passar dos anos. Esse comportamento dos empréstimos é fruto da preocupação e das ações da empresa, objetivando reduzir esse montante através da geração operacional de caixa. A maior parte do endividamento da empresa está relacionada a gastos de capital, exportações e compras de matéria-prima. Houve uma melhora de 40% no prazo médio de recebimento de clientes. Foi determinante para tal queda a adoção de procedimentos de seletividade e análises para limites de créditos. Em casos de atrasos, esforços de cobrança são efetuados, incluindo contatos diretos com os clientes e cobrança através de terceiros. Se esses esforços não surtem efeito, processos legais são necessários. Devido à elevação das despesas operacionais, demonstrada no último ano, a empresa apresentou problemas nos resultados financeiros, passando a margem operacional de 10%, em 2001, para 0,1% em 2002, e a rentabilidade sobre o patrimônio líquido, de 25%, em 2001, para 1,2% em As despesas operacionais tiveram um incremento considerável em relação ao ano de Para viabilizar as exportações, os custos com fretes marítimos e terrestres além de 86

17 ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ESTUDO DE CASO DA PERDIGÃO S/A armazenagem e serviços portuários, sofreram elevações. Outros fatores causaram o aumento das despesas como reajustes das comunicações e combustíveis e elevados gastos com marketing. A administração acredita que a implementação da nova unidade produtiva em Goiás (Complexo Agroindustrial de Rio Verde- GO) poderia reduzir as despesas operacionais, economizando- se com logística para a entrega de produtos para as regiões norte e nordeste do Brasil, além de poder proporcionar maior produtividade. Comparando os índices obtidos pela Perdigão com as empresas concorrentes, no exercício 2002, percebemos que sua posição frente ao mercado está, em todos os itens analisados, em uma situação mediana, mantendo sempre o índice avaliado entre 50% e 70% em relação aos demais, mostrando-se portanto uma empresa que atinge os resultados esperados pelo setor, mas sem grandes resultados surpreendentes. 8 BIBLIOGRAFIA EQUIPE DE PROFESSORES DA FEA/USP, Contabilidade Introdutória. São Paulo: Atlas, GITMAN, Lawrence J Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Harbra, HELFERT, Erich A. Técnicas de Análise Financeira: um guia prático para medir o desempenho dos negócios. Porto Alegre: Bookman, IUDÍCIBUS, Sergio de. Análise de Balanços. São Paulo: Atlas,

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ):

AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Contabilidade Gerencial e Controladoria Prof. Oscar Scherer Dia 23/03/2012. AULA 04 EXERCÍCIO 06 - ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS (FINANCEIRAS ): Parte importante da administração financeira, devendo

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas?

capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO Senhores, aqui estão os relatórios financeiros do ano passado. Podemos pagar nossas dívidas? 22 capítulo 5 O CONTROLE FINANCEIRO DA ORGANIZAÇÃO A Contabilidade é o instrumento que as empresas usam para controlar suas finanças e operações. E os demonstrativos contábeis balanço patrimonial e demonstração

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Relatórios de Análise Relatórios de análise Relatório de Análise é um documento, elaborado pelo analista de Balanços, que contém as conclusões resultantes do desenvolvimento

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE CAMPINAS CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PROF. Msc. JOSÉ VICENTE CAMPINAS - SP 2009 2 ANÁLISE

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices

Análise das Demonstrações Financeiras. Análise de Índices Análise das Demonstrações Financeiras Análise de Índices Análise de Índices Relaciona itens e grupos de itens do Balanço Patrimonial e do Demonstrativo de Resultados. É útil para a análise de crédito e

Leia mais

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte

Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Planejamento e Controle do Lucro Empresas de Pequeno e Médio Porte Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira darianer@fia.com.br www.fia.com.br/proced Profa. Dariane Reis Fraga Castanheira 1 Objetivo Planejamento

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A.

ANÁLISE ECONÔMICO FINANCEIRA DA EMPRESA BOMBRIL S.A. Universidade Federal do Pará Centro: Sócio Econômico Curso: Ciências Contábeis Disciplina: Análise de Demonstrativos Contábeis II Professor: Héber Lavor Moreira Aluno: Roberto Lima Matrícula:05010001601

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan

Conteúdo. Fundamento da Contabilidade. Prof. Adilson C. Bassan Fundamento da Contabilidade Prof. Adilson C. Bassan Conteúdo Análise das Demonstrações Financeiras Análise da Rentabilidade Análise por Indicadores Análise Vertical e Horizontal e Avaliação Geral 1 Análise

Leia mais

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A

INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A INDICADORES DE RENTABILIDADE: UMA ANÁLISE ECONOMICO FINANCEIRA SOBRE AS DEMONSTRAÇÕES CONTABEIS DA INDÚSTRIA ROMIA S/A AUTOR ANTONIA TASSILA FARIAS DE ARAÚJO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ RESUMO O presente

Leia mais

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000)

DESTAQUES NO PERÍODO. Dados Financeiros (R$ x 1.000) Blumenau SC, 27 de julho de 2007 A Cremer S.A. (Bovespa: CREM3), distribuidora de produtos para a saúde e também líder na fabricação de produtos têxteis e adesivos cirúrgicos, anuncia hoje seus resultados

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas

1- Introdução. 1.1- Objetivos. 1.2- Justificativas Alluno:: Karrllos Eduarrdo Souza Corrrrêa Mattrríículla:: 10657 Currso:: Engenharriia de Prrodução Prroffessorr:: Edson Pampllona Conttabiilliidade Gerrenciiall 1- Introdução 1.1- Objetivos Este trabalho

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO

ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO ISSN 1807-6467 ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇO FINANCEIRO DA EMPRESA COCAMAR - COOPERATIVA AGROINDUSTRIAL DE MARINGÁ RESUMO O mercado muda a um ritmo acelerado. Com a globalização, tendências que antes eram

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

5.4 Balanço Patrimonial

5.4 Balanço Patrimonial IV - Quociente Financeiro de Execução Os números demonstram, nos três períodos, superávit orçamentário e financeiro, considerando-se também para as despesas em regime de caixa. V - Saldos Financeiros Os

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS

ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ANÁLISE E APLICAÇÃO DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ APLICADOS AS EMPRESAS EM GERAL COM BASE EM SEUS EMONSTRATIVOS CONTÁBEIS PAULO NAZARENO CARDOSO DA SILVA GRADUANDO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE

Leia mais

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%)

Contexto Operacional. Operação. Receita Líquida. 12,9 bilhões. Composição da Receita Consolidada (%) 103 Contexto Operacional A seguir seguem os comentários sobre o desempenho da S.A. referentes ao exercício de 2014. Com intuito de proporcionar a visibilidade anual dos resultados, tais comentários são

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Cátia R. F. Bartz (FAHOR) catia.fahor.com.br Glademir Jagnow (FAHOR) gb000937@fahor.com.br Mabel Bairros (FAHOR) mb000942@fahor.com.br Mariseia Schawinsky (FAHOR)

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional

Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional Resumo Aula-tema 04: Dinâmica Funcional O tamanho que a micro ou pequena empresa assumirá, dentro, é claro, dos limites legais de faturamento estipulados pela legislação para um ME ou EPP, dependerá do

Leia mais

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ

CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ CONTRATO No. 337/2013 ENTRE A FUNDAÇÃO INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E O DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DO ESTADO DO PARANÁ ETAPA II RELATÓRIO 12 Relatório técnico de indicadores do setor de concessões

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade III AVALIAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Walter Dominas Conteúdo da unidade III 1) Fixaçao dos Indices Padrões Elaboração dos índices padrões Comparação com os índices padrões 2) Análise

Leia mais

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS

INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL. Heber Lavor Moreira MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS INDICADORES DE ATIVIDADE: A SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO EMPRESARIAL MARTA NÚBIA DE JESUS BARROS Graduanda de Ciências Contábeis da UFPA martanubia@bol.com.br Heber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL

ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL ANÁLISE DAS DEMONTRAÇÕES FINANCEIRAS DE UMA EMPRESA DO SETOR DE ELETRODOMÉSTICO PARA TOMADA DE DECISÕES NA GESTÃO EMPRESARIAL Linha de Pesquisa: Gestão Empresarial Evânio Carvalho Cruz Univás -Pouso Alegre/MG

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Bertolo CAPÍTULO 3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONCEITOS PARA REVISÃO Devido aos investidores basearem as suas decisões de compra e venda em suas expectativas sobre a performance futura da empresa,

Leia mais

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO

CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO CENTRO DE ECONOMIA E ADMINISTRAÇÃO FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA I CAPITAL DE GIRO 1 Fundamentos sobre Capital de Giro O objetivo da Administração Financeira de Curto

Leia mais

Análise das Demonstrações Financeiras

Análise das Demonstrações Financeiras UNIPAC UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS, LETRAS E SAÚDE DE UBERLÂNDIA. Rua: Barão de Camargo, nº. 695 Centro Uberlândia/MG. Telefax: (34) 3223-2100 Análise das Demonstrações

Leia mais

Resultados 1T07 10 de maio de 2007

Resultados 1T07 10 de maio de 2007 PUBLICIDADE CAIXA CRESCEU 102% BASE DE ASSINANTES BANDA LARGA CRESCEU 32% São Paulo, O UOL (BOVESPA: UOLL4) anuncia hoje os resultados do 1T07. As demonstrações financeiras da Companhia são elaboradas

Leia mais

Relatório Analítico 27 de março de 2012

Relatório Analítico 27 de março de 2012 VENDA Código de Negociação Bovespa TGM A3 Segmento de Atuação Principal Logística Categoria segundo a Liquidez 2 Linha Valor de M ercado por Ação (R$) 29,51 Valor Econômico por Ação (R$) 32,85 Potencial

Leia mais

1-Introdução. 1.1-Objetivos. 1.2-Justificativa para a escolha da empresa. 1.3-Estrutura do trabalho

1-Introdução. 1.1-Objetivos. 1.2-Justificativa para a escolha da empresa. 1.3-Estrutura do trabalho 1-Introdução 1.1-Objetivos Este trabalho visa analisar os balanços de uma determinada empresa, no caso a construtora Método Engenharia S.A., para extrair informações das suas demonstrações financeiras,

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU

Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Simulado: Análise das Demonstrações Contábeis p/ TCU Prezados(as), para fins de revisão de alguns pontos da disciplina de Análise das Demonstrações Contábeis, exigida no concurso para Auditor Federal de

Leia mais

Aula 5 Contextualização

Aula 5 Contextualização Gestão Financeira Aula 5 Contextualização Prof. Esp. Roger Luciano Francisco Demonstrativos Contábeis e Análise Financeira Contabilidade é uma ciência aplicada que, por intermédio de uma metodologia específica,

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46

Correção da Prova. Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Correção da Prova Questões: 7, 8, 12, 20, 21, 22, 24, 34, 45 e 46 Questão 7 Uma sociedade empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total

Leia mais

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011

Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 Abril Educação S.A. Informações Proforma em 30 de junho de 2011 RESULTADOS PRO FORMA NÃO AUDITADOS CONSOLIDADOS DA ABRIL EDUCAÇÃO As informações financeiras consolidadas pro forma não auditadas para 30

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Gestão Financeira I Prof.ª Thays Silva Diniz 1º Semestre 2011 INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Cap.1 A decisão financeira e a empresa 1. Introdução 2. Objetivo e Funções da

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

CRITÉRIOS / Indicadores

CRITÉRIOS / Indicadores CRITÉRIOS / Indicadores A lista de conceitos desta MELHORES E MAIORES Os valores usados nesta edição são expressos em reais de dezembro de 2014. A conversão para dólares foi feita, excepcionalmente, com

Leia mais

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA

DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO: UM ESTUDO DE CASO NA MRV ENGENHARIA Franciane de Oliveira Alvarenga Especialista em Auditoria e Contabilidade Financeira/Faculdade Machado Sobrinho João Paulo de Brito

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA APOSTILA DE ESTUDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA Marcelo Cauduro de Castro - Mestre mccastro@terra.com.br MINI CURRÍCULO: Marcelo Cauduro de Castro é Mestre em Administração de Empresas pela Universidade Federal

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse.

CONTABILIDADE E TURISMO NOÇÕES PRELIMINARES 25/10/2012. Informações iniciais. Definição de contabilidade. Grupos de interesse. CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006. 9 cópias na biblioteca

Leia mais

CONTABILIDADE E TURISMO

CONTABILIDADE E TURISMO Capítulo 1 CONTABILIDADE E TURISMO Glauber Eduardo de Oliveira Santos Capítulo 1 Informações iniciais Bibliografia básica IUDÍCIBUS, S. et al. Contabilidade Introdutória. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

Leia mais

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro

Marketing Prof. Sidney Leone. Hoje Você Aprenderá: Ferramentas. Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Marketing Prof. Sidney Leone Gestão Financeira: Planejamento Financeiro Hoje Você Aprenderá: Demonstrativos financeiros da empresa (Balanço Patrimonial, DRE, DMPL etc...) Análise econômicofinanceira.(fluxo

Leia mais

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES

INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES INSTITUTO ASSAF: ANÁLISE DO DESEMPENHO DOS BANCOS MÉDIOS E DOS BANCOS GRANDES O Instituto Assaf comparou diversos indicadores de desempenho dos bancos grandes e dos bancos médios de 2009 a 2011. Primeiramente

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro

Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Interpretando a Variação da Necessidade de Capital de Giro Por Carlos Alexandre Sá Neste trabalho vamos analisar um elemento importante do Fluxo das Atividades Operacionais: a necessidade de capital de

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM EMPRESAS DA ÁREA COMERCIAL DE EMBALAGENS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM EMPRESAS DA ÁREA COMERCIAL DE EMBALAGENS ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM EMPRESAS DA ÁREA COMERCIAL DE EMBALAGENS Érika Patrícia de Sousa M. Camelo 1 Kátia Regina Bernabé 1 Sebastião Fagundes da Silva 1 Roberto Rivelino M. Ribeiro 2 RESUMO.

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise dos Demonstrativos Contábeis Professor: Heber Lavor Moreira Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DE BALANÇOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DE BALANÇOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CENTRO SÓCIO-ECONÔMICO CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DE BALANÇOS II Prof: Heber Lavor Moreira Aluno: Edson Moraes da Silva Matric.: 0001006101 BELÉM/PA 2003 DIAGNÓSTICO DE GESTÃO/MICROTEC

Leia mais

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008

DELIBERAÇÃO CVM Nº 547, DE 13 DE AGOSTO DE 2008 TEXTO INTEGRAL DA, COM AS ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELA DELIBERAÇÃO CVM Nº 624, DE 28 DE JANEIRO DE 2010 (DOCUMENTO DE REVISÃO CPC Nº 01) Aprova o Pronunciamento Técnico CPC 03 do Comitê de Pronunciamentos

Leia mais

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios

A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios A Importância do Plano Financeiro no Plano de Negócios Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Professor Heber Lavor Moreira heber@peritocontador.com.br Trabalho da Disciplina Administração

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M Aluna: Larissa de Souza Chaves

Leia mais

PERDIGÃO. Redesenhando a Operação Logística de sua cadeia de suprimentos

PERDIGÃO. Redesenhando a Operação Logística de sua cadeia de suprimentos Ce ntr a l d e Ca se s ESPM / EX AM E CASE Nº 016 Case-Study PERDIGÃO Redesenhando a Operação Logística de sua cadeia de suprimentos Este case descreve o processo de adaptação de uma grande indústria de

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110.

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo Curso de Ciências Econômicas Contabilidade e Análise de Balanço EAC0110 Lucas Rockembach Apollaro Nº USP 8557531 Marcos

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS

1. CONCEITOS 2. OBJETIVOS 1. CONCEITOS A Demonstração do Fluxo de Caixa demonstra a origem e a aplicação de todo o dinheiro que transitou pelo Caixa em um determinado período e o resultado desse fluxo (Iudícibus e Marion, 1999).

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS Geisibel Costa da Silva Lajeado, outubro de 2014 Geisibel

Leia mais

Decisão Mensal. Abril/2013 (04) PUC-PR Marcio_7P CTEC. Diretor de Finanças. Diretor de Recursos Humanos. Diretoria de Produção.

Decisão Mensal. Abril/2013 (04) PUC-PR Marcio_7P CTEC. Diretor de Finanças. Diretor de Recursos Humanos. Diretoria de Produção. PUC-PR Decisão Mensal /213 (4) Diretoria de Recursos Humanos Diretoria de Finanças Admissões: 16 Empréstimo ($): 7. Demissões: Salário dos Empregados da Produção ($): Treinamento (%): Participação nos

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Bicicletas Monark

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Bicicletas Monark Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Bicicletas Monark Autor 1: Inês Isabel Jurack (FAHOR) ij000590@fahor.com.br Autor 2: Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) feldencatiar@fahor.com.br

Leia mais