ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice..."

Transcrição

1 ÍNDICE Páginas Folha de Rosto... Propósito... Lista de Páginas em Vigor... Registro de Modificações... Índice... I II III IV V CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS SEÇÃO I INGRESSO 0101 DE AQUAVIÁRIOS NAS CATEGORIAS DE OFICIAIS DO 1ºGRUPO MARÍTIMOS a) As categorias de Oficiais 1- Seção de Convés Seção de Máquinas... b) Ingresso pelas Escolas de Formação de Oficiais da Marinha Mercante... c) Ingresso pelos Cursos de Adaptação para 2º Oficial de Náutica (ASON) e de Máquinas (ASOM)... d) Ingresso pelos cursos de Acesso a 2º Oficial de Náutica (ACON) e Máquinas (ACOM)... e) Ingresso nas diversas categorias de militares inativos da Marinha do Brasil DE AQUAVIÁRIOS NAS CATEGORIAS DE OFICIAIS DO 2º GRUPO- FLUVIÁRIOS a) As categorias de Oficiais 1- Seção de Convés Seção de Máquinas DE AQUAVIÁRIOS, COMO SUBALTERNOS, NOS 1º GRUPO - MARÍTIMOS, 2º GRUPO-FLUVIÁRIOS E 3º GRUPO-PESCADORES a) Seção de Convés b) Seção de Máquinas c) Seção de Saúde d) Seção de Câmara DE AQUAVIÁRIOS,COMO SUBALTERNOS NOS 4º GRUPO MERGULHADORES, 5 º GRUPO PRÁTICOS E 6º GRUPO AGENTES DE MANOBRA E DOCAGEM a) Mergulhadores b) Práticos c) Agentes de Manobra e Docagem V -

2 SEÇÃO II INSCRIÇÃO 0105 PROCEDIMENTOS INSCRIÇÃO DE ESTRANGEIROS EMISSÃO DA CADERNETA DE INSCRIÇÃO E REGISTRO (CIR) SUSPENSÃO E CANCELAMENTO DA INSCRIÇÃO PROCEDIMENTOS EMCASO DE SUSPEITA DE FALSIDADE DOCUMENTAL REVALIDAÇÃO DA CIR LIVRO DE REGISTO DO MERGULHADOR ASCENSÃO DE CATEGORIA... 6 SEÇÃO III CERTIFICAÇÃO CERTIFICADOS ADOTADOS ENDOSSOS EXPEDIÇÃO EMISSÃO COMPETÊNCIA PARA EMISSÃO DOS CERTIFICADOS RECONHECIMENTO DE CERTIFICADOS SUSPENSÃO DE CERTIFICADOS CANCELAMENTO DE CERTIFICADOS REVALIDAÇÃO DE CERTIFICADOS SEGURANÇA NA EMISSÃO OU REVALIDAÇÃO DE CERTIFICADOS REGISTRO DE CERTIFICADOS... 1 SEÇÃO IV - CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE PROCEDIMENTOS CONTAGEM DO TEMPO DE EMBARQUE TEMPO DE EMBARQUE PARA REVALIDAÇÃO DE CERTIFICADOS TEMPO DE EMBARQUE PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA E REALIZAÇÃO DE CURSOS TEMPO DE EMBARQUE PARA APOSENTADORIA EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS BRASILEIROS EM NAVIOS DE OUTRAS BANDEIRAS... 3 CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I - CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NIVEIS DE EQUVALÊNCIA DA CARREIRA GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA 2-2 a) grupos e categorias - 1º grupo - Marítimos, 2º grupo - Fluviários e 3º grupo Pescadores b) níveis de equivalência c) categorias do 4º grupo Mergulhadores d) categorias do 5º grupo Práticos VI -

3 e) categoria do 6º grupo Agentes de Manobra e Docagem CONCESSÃO DE LICENÇA DE CATEGORIA/CAPACIDADE SUPERIOR CONCESSÃO DE EXERCÍCIO DE FUNÇÃO 2-6 a) Navegação em Mar Aberto b) Navegação Interior TRANSFERÊNCIA ENTRE CATEGORIAS E/OU SEÇÕES DE GRUPOS DIFERENTES TRANSFERÊNCIAS DEVIDAS A EXTINÇÃO DE GRUPO E DE CATEGORIAS 2-8 a) extinção do grupo Regional b) no 1º grupo - Marítimos c) no 2º grupo - Fluviários d) no 3º grupo Pescadores SEÇÃO II - ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO ROL DE EQUIPAGEM a) Conceituação b) Emissão c)renovação d) Arquivamento ROL PORTUÁRIO a) Conceituação b) Emissão c) Renovação d) Arquivamento CAPÍTULO 3 INSCRIÇÃO DE MILITAR DA MARINHA DO BRASIL DA INSCRIÇÃO INSCRIÇÃO NA SEÇÃO DE CONVÉS INSCRIÇÃO NA SEÇÃO DE MÁQUINAS SEÇÃO DE CAMARA SEÇÃO DE SAÚDE SITUAÇÕES ESPECIAIS CAPÍTULO 4 ATRIBUIÇÕES DO COMANDANTE E TRIPULANTES A BORDO A BORDO DE EMBARCAÇÕES MERCANTES NACIONAIS E PENALIDADES SEÇÃO I NAVEGAÇÃO MARÍTIMA (LONGO CURSO, CABOTAGEM E APOIO MARÍTIMO) SEÇÃO DE CONVÉS DAS ATRIBUIÇÕES DO COMANDANTE VII -

4 AO COMANDANTE É VEDADO DAS ATRIBUÍÇÕES DO IMEDIATO ATRIBUIÇÕES DOS OFICIAIS NÁUTICA, EM GERAL ATRIBUÍÇÕES DO OFICIAL DE NÁUTICA PARA O SERVIÇO DE RADIOCOMUNICAÇÕES ATRIBUIÇÕES DO CONTRAMESTRE ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO SERVIÇO GERAL DE CONVÉS DAS ATRIBUIÇÕES DO TIMONEIRO, VIGIA E VIGIA DE PORTALÓ DAS ATRIBUIÇÕES DO FIEL DE PORÃO SEÇÃO DE MÁQUINAS DAS ATRIBUIÇÕES DO CHEFE DE MÁQUINAS a) Ao chefe de Máquinas compete: b) Ao Subchefe de Máquinas compete : c) Ao Oficial de Máquinas compete: DAS ATRIBUIÇÕES DOS AQUAVIÁRIOS SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE MÁQUINAS a) Ao Condutor de Máquinas, compete: b) Ao Mecânico compete: c) Ao Bombeador compete d) Ao Eletricista, compete e) Aos Integrantes do Serviço Geral de Máquinas, compete: SEÇÃO DE CÂMARA DAS ATRIBUIÇÕES DO COZINHEIRO E TAIFEIRO a) Ao cozinheiro compete b) Ao cozinheiro é vedado c) Ao Taifeiro compete d) Ao Taifeiro, como Paioleiro e sem prejuízo de suas atribuições gerais compete SEÇÃO DE SAÚDE DAS ATRIBUIÇÕES DO ENFERMEIRO E/OU AUXILIAR DE SAÚDE SEÇÃO II - NAVEGAÇÃO INTERIOR, HIDROVIAS INTERIORES, ÁREAS MARÍTIMAS, ABRIGADAS E APOIO PORTUÁRIO DAS ATRIBUIÇÕES DO COMANDANTE SEÇÃO DE CONVÉS DAS ATRIBUIÇÕES DO IMEDIATO DAS ATRIBUIÇÕES DOS OFICIAIS FLUVIÁRIOS DE CONVÉS (Capitão Fluvial)... -VIII-

5 0417- DAS ATRIBUIÇÕES DOS FLUVIÁRIOS INTEGRANTES DO SERVIÇO - GERAL DE CONVÉS (SGC) OU DO SERVIÇO DE QUARTO DE NAVEGAÇÃO (SQN) SEÇÃO DE MÁQUINAS DAS ATRIBUIÇÕES DO CHEFE DE MÁQUINAS, SUBCHEFE DE MÁQUINAS DOS OFICIAIS DE MÁQUINAS E DOS SUBALTERNOS INTEGRANTES DOS SERVIÇOS DE QUARTO DE MÁQUINAS E DO SERVIÇO GERAL DE MÁQUINAS: SEÇÃO III - ATRIBUIÇÕES COMUNS A TODOS OS TRIPULANTES PRECEITOS PARA OS TRIPULANTES NA NAVEGAÇÃO EM MAR ABERTO E INTERIOR SEÇÃO IV - DAS PENALIDADES PENALIDADES DA COMPETÊNCIA DO COMANDANTE FALTAS DISCIPLINARES DE TRIPULANTES PASSÍVEIS DE 4-31 PENALIDADES... SEÇÃO V - DISPOSIÇÕES GERAIS CAPITULO 5 CADASTRO DE AQUAVIÁRIOS SEÇÃO I - SISTEMA INFORMATIZADO DE CADASTRO DE AQUAVIÁRIOS (SISAQUA) INTRUÇÕES GERAIS COMPETÊNCIA PARA CADASTRAMENTO INCLUSÃO DE AQUAVIÁRIO NO SISAQUA EXCLUSÃO DE AQUAVIÁRIO DO SISAQUA SITUAÇÕES DO AQUAVIÁRIO CADASTRADO EMISSÃO DE ETIQUETA DE DADOS PESSOAIS, DE ETIQUETA DE CURSOS PARA CADERNETA DE INSCRIÇÃO E REGISTRO (CIR) E DE CERTIFICADOS MANUAL DO USUÁRIO DO SISAQUA CAPITULO 6 CERTIDÃO DE SERVIÇOS DE GUERRA E CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇOS PARA EX-ALUNOS SEÇÃO I - CERTIDÃO DE SERVIÇOS DE GUERRA -IX -

6 COMPETÊNCIA DEFINIÇÃO DE EX-COMBATENTE REQUERIMENTO DE CERTIDÃO a) Documento a serem anexados b) Esclarecimentos complementares EMISSÃO DO CERTIFICADO DE EMBARQUE E DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBARCAÇÃO a) Informações sobre embarque b) Movimentação da embarcação PROCESSAMENTO ASSINATURA A ROGO COMPROVAÇÃO DE EMBARQUE DISCREPÂNCIA DE NOMES E GRAFIAS DE DOCUMENTOS SEGUNDA VIA DA CERTIDÃO DE SERVIÇOS DE GUERRA TRAMITAÇÃO DO PROCESSO EXPEDIÇÃO DA CERTIDÃO PELA DPC REMESSA DA CERTIDÃO PELA DPC ENTREGA DA CERTIDÃO AO INTERESSADO SEÇÃO II - CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇO PARA EX-ALUNOS COMPETÊNCIA TEMPO DE SERVIÇO PARA EX-ALUNOS DE ÓRGÃO DE FORMAÇÃO DA RESERVA E EX-ESCOLAS DE MARINHA MERCANTE CONTAGEM DO TEMPO DE SERVIÇO PARA APOSENTADORIA REQUERIMENTO DE CERTIDÃO DE TEMPO DE SERVIÇO INFORMAÇÕES DAS ESCOLAS DE FORMAÇÃO DE OFICIAIS DA MARINHA MERCANTE (EFOMM) DESLIGAMENTO DO ALUNO DÚVIDA OU OMISSÃO EXPEDIÇÃO DA CERTIDÃO PELOS CENTROS DE INTRUÇÃO (CIAGA/CIABA) CAPÍTULO 7 DISPOSIÇÕES FINAIS X -

7 ANEXOS 1-A - CERTIFICADO COMPETÊNCIA MOD. DPC A-1 1-B - ENDOSSO DE CERTIFICADO DE COMPETÊNCIA MOD. DPC B-2 1-C - RECONHECIMENTO DE CERTIFICADO DE COMPETÊNCIA MOD.DPC- 1-C D - CERTIFICADO MOD-DPC D-4 1-E - MODELO DE REQUERIMENTO DE CERTIFICAÇÃO... 1-E-5 1-F - COMPROVANTE DE MANOBRAS... 1-F-6 1-G - CERTIDÃO DE HOMOLOGAÇÃO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIO BRASILEIRO EM EMBARCAÇÕES ESTRANGEIRAS... 1-G-7 1-H - REGISTRO DE DATAS DE EMBARQUE/DESEMBARQUE... 1-H-8 1-I - ATESTADO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 1-I-9 1-J PRINCIPAIS REGRAS DA CONVENÇÃO STCW-78 EMENDADA, EMPREGADAS NA CERTIFICAÇÃO... 2-A - QUADRO GERAL DE CERTIFICAÇÕES... 1-J-1 2-A-1 2-B - FLUXO DE CARREIRA DE SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE CONVÉS DO GRUPO MARÍTIMOS... 2-B-1 2-B - FLUXO DE CARREIRA DE SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE CONVÉS DO GRUPO FLUVIÁRIOS... 2-B-2 2-B - FLUXO DE CARREIRA DE SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE CONVÉS DO GRUPO PESCADORES... 2-B-3 2-C - FLUXO DE CARREIRA DE SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE MÁQUINAS DO GRUPO MARÍTIMOS... 2-C-1 2-C - FLUXO DE CARREIRA DE SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE MÁQUINAS DO GRUPO FLUVIÁRIOS... 2-C-2 2-C - FLUXO DE CARREIRA DE SUBALTERNOS DA SEÇÃO DE MÁQUINAS DO GRUPO PESCADORES... 2-C-3 2-D MODELO DE LICENÇA DE CATEGORIA SUPERIOR... 2-D-3 6-A - MODELO DE REQUERIMENTO DE CERTIDÃO DE SERVIÇO DE GUERRA... 6-A-1 6-B - CERTIFICADO DE EMBARQUE E DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBARCAÇÕES MERCANTES... 6-B-2 6-C - MODELO DE NOTIFICAÇÃO... 6-C-3 6-D - MODELO DE REQUERIMENTO AO CIAGA/CIABA... 6-D-4 -XI -

MARINHA DO BRASIL. Art. 1º Aprovar as Normas da Autoridade Marítima para Aquaviários - NORMAM-13/DPC, que a esta acompanham.

MARINHA DO BRASIL. Art. 1º Aprovar as Normas da Autoridade Marítima para Aquaviários - NORMAM-13/DPC, que a esta acompanham. MARINHA DO BRASIL IG/RA/20/I DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA Nº 111/DPC, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2003. Aprova as Normas da Autoridade Marítima para Aquaviários - NORMAM-13/DPC. O DIRETOR DE PORTOS E

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA AQUAVIÁRIOS NORMAM-13/DPC - 2003 - FOLHA DE REGISTRO DE MODIFICAÇÕES NÚMERO DA MODIFICAÇÃO Aprovação Mod 1 Mod 2 Mod 3

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA 0201 - DA CARREIRA Será considerada

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I

CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CAPÍTULO 2 CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA DE AQUAVIÁRIOS, ROL DE EQUIPAGEM E ROL PORTUÁRIO SEÇÃO I CARREIRA, GRUPOS, CATEGORIAS E NÍVEIS DE EQUIVALÊNCIA 0201 - DA CARREIRA Será considerada

Leia mais

CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS SEÇÃO I INGRESSO

CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS SEÇÃO I INGRESSO CAPÍTULO 1 INGRESSO, INSCRIÇÃO E CÔMPUTO DE TEMPO DE EMBARQUE DE AQUAVIÁRIOS SEÇÃO I INGRESSO 0101 DE AQUAVIÁRIOS PERTENCENTES À CATEGORIA DE OFICIAIS DO 1º GRUPO MARÍTIMOS a) As categorias de Oficiais

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA CLC NÍVEL CCB 9 CCB 9 1ON MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO PARANÁ ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS REQUISITOS PARA ASCENSÃO DE CATEGORIA E CERTIFICAÇÃO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MC/CR/13/I DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA Nº 45/DPC, DE 28 DE MARÇO DE 2007. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Aquaviários - NORMAM-13/DPC. O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso das atribuições

Leia mais

Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998.

Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998. Regulamento da Lei de Segurança do Tráfego Aquaviário (RLESTA) DECRETO No 2596, DE 18 DE MAIO DE 1998. Regulamenta a Lei no 9.537, de 11 de dezembro de 1997, que dispõe sobre a segurança do tráfego aquaviário

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS. 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS 1º Seminário sobre Cabotagem Brasileira ANTAQ 12 e 13 AGO 2009 Formação de Profissionais para a Marinha Mercante CALTE (RM1) Luiz Antonio M. de Malafaia Superintendente

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL

MARINHA DO BRASIL. Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL MARINHA DO BRASIL Diretoria de Portos e Costas A A PRATICAGEM NO BRASIL Paulo José Rodrigues de Carvalho Vice-Almirante Diretor Sítio: WWW.DPC.MAR.MIL.BR (Internet) SUMÁRIO Principais atribuições da DPC

Leia mais

Ensino Profissional Marítimo Cursos 2014 (certificação ISO 9001)

Ensino Profissional Marítimo Cursos 2014 (certificação ISO 9001) Ensino Profissional Marítimo Cursos 2014 (certificação ISO 9001) Com a divulgação do PREPOM/2014 pela Diretoria de Portos e Costas, ocorrida em JAN/2014 a Capitania dos Portos do Paraná divulga os editais

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978

Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 Convenção Internacional sobre Padrões de Instrução, Certificação e Serviço de Quarto para Marítimos, 1978 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, DESEJANDO promover a segurança da vida humana e da propriedade no mar,

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO DE JANEIRO CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO INTRODUÇÃO Criada e Regulamentada pelo Decreto nº 6.932 de 11 de agosto de 2009, a Carta de Serviços ao Cidadão tem

Leia mais

7.1.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA EMISSÃO DO AIT ATESTADO DE INSCRIÇÃO TEMPORÁRIA DE EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA

7.1.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA EMISSÃO DO AIT ATESTADO DE INSCRIÇÃO TEMPORÁRIA DE EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA 7.1.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA EMISSÃO DO AIT ATESTADO DE INSCRIÇÃO TEMPORÁRIA DE EMBARCAÇÃO ESTRANGEIRA 1) Requerimento ao CP/DL. 2) Ofício/carta da empresa contendo razão social do armador, proprietário,

Leia mais

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9.

ANEXO 2-A. 2-A-1 N-13/2003 Mod 15 OBSERVAÇÕES II/2 (*) IV/2 CMT S/L. 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. E CERTIFICAÇÃO REGRA(S) 1º GRUPO MARÍTIMOS - SEÇÃO DE CONVÉS CERTIFICADO MOD DPC 1031 CLC 10 - CCB com mais de 2 (dois) anos de embarque no nível 9. II/2 IV/2 S/L - CCB 9 1ON 8-1ON com mais de 2 (dois)

Leia mais

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES

MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES MUDANÇA NA NORMA QUE REGE A CONDUÇÃO E HABILITAÇÃO PARA AMADORES NORMAM 03 CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES PROPÓSITO Divulgar as instruções gerais para habilitação da categoria de amadores

Leia mais

Carta de Serviços ao Cidadão

Carta de Serviços ao Cidadão Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GESPÚBLICA Carta de Serviços ao Cidadão Capitania dos Portos do Rio Grande do Norte Rua Chile, 232 Ribeira CEP:59012-250 Natal RN Tel: 3211-1013

Leia mais

INGRESSO, FUNÇÃO E PROGRESSÃO DE CARREIRA

INGRESSO, FUNÇÃO E PROGRESSÃO DE CARREIRA INGRESSO, FUNÇÃO E PROGRESSÃO DE CARREIRA Um marinheiro é, em sentido lato, uma pessoa que opera embarcações ou assiste à sua operação, manutenção ou serviço. O termo aplica-se aos profissionais das marinhas

Leia mais

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014

MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE ENSINO PROFISIONAL MARÍTIMO MAPA DE COMPETÊNCIAS DOS INSTRUTORES DOS CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO- 2014 CURSO DISCIPLINA

Leia mais

FEMAR 137 de 20/MAI/2015 20/MAI/2017 CIAGA FEMAR. FATEC-JAHU 169 de 17/JUL/2014 17/JUL/2016 CFTP

FEMAR 137 de 20/MAI/2015 20/MAI/2017 CIAGA FEMAR. FATEC-JAHU 169 de 17/JUL/2014 17/JUL/2016 CFTP Marinha do Brasil Diretoria de Portos e Costas INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS PARA APLICAR CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PARA AQUAVIÁRIOS (DIVULGAÇÃO INTERNET E INTRANET) CURSO EMPRESAS CREDENCIADAS

Leia mais

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países,

DESEJOSOS de desenvolver a navegação marítima comercial entre os países, Acordo sobre Navegação Marítima Comercial entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Popular da Bulgária Assinado em 19 de agosto de 1982 Aprovado pelo Decreto Legislativo

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO 1 2 Ficha Catalográfica Brasil. Comando do 6º Distrito Naval. Capitania Fluvial do Pantanal. Carta de Serviços ao Cidadão/ Comando do 6º Distrito Naval. Capitania Fluvial do Pantanal. Delegacia Fluvial

Leia mais

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978.

EMENDAS DE 1995 AO ANEXO À CONVENÇÃO INTERNACIONAL SOBRE NORMAS DE FORMAÇÃO, DE CERTIFICAÇÃO E DE SERVIÇO DE QUARTOS PARA OS MARÍTIMOS, 1978. Resolução da Assembleia da República n.º 45/98 Emendas ao anexo à Convenção Internacional sobre Normas de Formação, de Certificação e de Serviço de Quartos para os Marítimos, 1978, e o Código de Formação,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM-2015

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM-2015 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM-2015 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários Mares e Rios Seguros e Limpos OSTENSIVO

Leia mais

EBGL - Especial Básico de Navio-Tanque para Gás Liquefeito MB MARTINS 18 de 01/FEV/2013 18/FEV/2015 CIAGA

EBGL - Especial Básico de Navio-Tanque para Gás Liquefeito MB MARTINS 18 de 01/FEV/2013 18/FEV/2015 CIAGA INSTITUIÇÕES CREDENCIADAS PARA APLICAR CURSOS DO ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PARA AQUAVIÁRIOS (DIVULGAÇÃO INTERNET E INTRANET) CURSO EMPRESAS CREDENCIADAS PORTARIA Nº VALIDADE OE VINCULADO ASOM Curso

Leia mais

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil

Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Acordo sobre Transporte Marítimo entre a República Federal da Alemanha e a República Federativa do Brasil Assinado em 04 de abril de 1979 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 54, de 16 de agosto de 1983

Leia mais

PREPOM - 2014 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários

PREPOM - 2014 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM - 2014 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários Mares e Rios Seguros e Limpos OSTENSIVO

Leia mais

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997.

LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. - 1 - LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997. Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O CERIMONIAL DA MARINHA MERCANTE NACIONAL NORMAM 22/DPC - 2006 - NORMAM 22/DPC MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E

Leia mais

Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Relação de Serviços

Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Relação de Serviços Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTAQ Relação de Serviços SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO 1. FISCALIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DAS ADMINISTRAÇÕES PORTUÁRIAS E DOS SERVIÇOS PRESTADOS NO ÂMBITO DOS

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DO ÂMBITO DA APLICAÇÃO LEI Nº 9.432, DE 8 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a ordenação do transporte aquaviário e dá outras providências. DOU 09.01.97 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu

Leia mais

Carta de Serviços ao Cidadão

Carta de Serviços ao Cidadão MARINHA DO BRASIL CAPITANIA FLUVIAL DO RIO PARANÁ Carta de Serviços ao Cidadão Rua Barão do Rio Branco, 170 Centro Foz do Iguaçu-PR CEP 85851-310 1 2 Sumário 1 APRESENTAÇÃO...6 1.1 Informações Gerais...6

Leia mais

TRIBUNAL MARÍTIMO INTRODUÇÃO

TRIBUNAL MARÍTIMO INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO Jurisdição anômala. Órgão Autônomo do Poder Executivo, auxiliar do Poder Judiciário, com responsabilidade para julgamento dos acidentes e fatos da navegação sob o aspecto marítimo. Responsável

Leia mais

Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para. Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995

Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para. Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995 Convenção Internacional sobre Padrões de Formação, Certificação e Serviço de Quarto para Tripulantes de Embarcações de Pesca, 1995 AS PARTES DESTA CONVENÇÃO, OBSERVANDO a Convenção Internacional sobre

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO VOLUME I - AQUAVIÁRIOS NORMAM-30/DPC - 2012 - MARINHA DO BRASIL JR/FC/10 010 DIRETORIA DE

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DELEGACIA FLUVIAL DE PRESIDENTE EPITÁCIO PROJETO BÁSICO 10-001/2012

MARINHA DO BRASIL DELEGACIA FLUVIAL DE PRESIDENTE EPITÁCIO PROJETO BÁSICO 10-001/2012 MARINHA DO BRASIL DELEGACIA FLUVIAL DE PRESIDENTE EPITÁCIO PROJETO BÁSICO 10-001/2012 1. OBJETO Credenciamento de pessoas físicas com conhecimentos específicos, visando a contratação de instrutores para

Leia mais

CARTA DE SERVIÇO AO CIDADÃO

CARTA DE SERVIÇO AO CIDADÃO MARINHA DO BRASIL CARTA DE SERVIÇO AO CIDADÃO Agência da Capitania dos Portos em Cabo Frio 26 Orientar, instruir e fiscalizar. Tudo pela segurança de quem vai navegar. Negócio (Propósito) Contribuir para

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO VOLUME I - AQUAVIÁRIOS NORMAM-30/DPC - 2012 - NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA O ENSINO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM - 2012

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM - 2012 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM - 2012 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários Mares e Rios Seguros e Limpos OSTENSIVO

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41, de 10 de junho de 1980 - DOU de 13.06.80 Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Portuguesa sobre Transportes e Navegação Marítima Assinado em 23 de maio de 1978 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 41,

Leia mais

Fernando Fonseca Diretor

Fernando Fonseca Diretor 2ª Conferência OAB-RJ de Direito Marítimo e Portuário Desafios e Tendências da Navegação e da Logística Portuária no Brasil NAVEGAÇÃO DE APOIO MARÍTIMO E LOGÍSTICA OFFSHORE Fernando Fonseca Diretor Rio

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Resolução Normativa nº 72/2006 COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE. Resolução Normativa nº 72/2006 COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO - MTE Resolução Normativa nº 72/2006 COORDENAÇÃO GERAL DE IMIGRAÇÃO DIRETRIZES DA RESOLUÇÃO 72 Aumentar a competitividade internacional da navegação marítima e do setor

Leia mais

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE

REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE REGULAMENTO UNICO PARA O TRANSPORTE DE MERCADORIAS SOBRE O CONVÉS EM EMBARCAÇÕES DA HIDROVIA ÍNDICE Assunto página 1. Normas Aplicáveis 2 2. Tipo de Carga 2 3. Embarcações Excluídas 2 4. Estabilidade 2

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO Nº 1.557 - ANTAQ, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2009. APROVA A PROPOSTA DE NORMA PARA DISCIPLINAR O CRITÉRIO REGULATÓRIO PARA A COMPROVAÇÃO DA OPERAÇÃO COMERCIAL DE EMBARCAÇÕES PELA EMPRESA BRASILEIRA

Leia mais

Apresentação Corporativa

Apresentação Corporativa Apresentação Corporativa Nossa Empresa A TerraMar Treinamentos foi fundada no ano de 2009, objetivando o atendimento às empresas do setor marítimo no tocante aos treinamentos de segurança, aprimoramento

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM-2015

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM-2015 MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM-2015 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários Mares e Rios Seguros e Limpos OSTENSIVO

Leia mais

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima.

Acordo entro e Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil sobre Transporte e Navegação Marítima. Decreto n.º 53/79 de 12 de Junho Acordo sobre Transporte e Navegação Marítima entre o Governo da República Portuguesa e o Governo da República Federativa do Brasil O Governo decreta, nos termos da alínea

Leia mais

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP

ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA ABS GROUP ACORDO DE DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA FIRMADO ENTRE AUTORIDADE MARÍTIMA BRASILEIRA E ABS GROUP Este ACORDO é celebrado em consonância com o estabelecido nas Normas da Autoridade Marítima para Reconhecimento

Leia mais

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto

PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto PORTARIA N.º 715/89 de 23 de Agosto Com a publicação do Decreto-Lei n.º 96/89, de 28 de Março, foi instituído, na Zona Franca da Região Autónoma da Madeira, o Registo Internacional de Navios da Madeira

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999 REVOGADA PELA IN SEAP N 03/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA MAA N 14, DE 29 DE OUTUBRO DE 1999 O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Diário da República, 1.ª série N.º 44 4 de março de 2015 1313 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO MAR Decreto-Lei n.º 34/2015 de 4 de março Considerando a importância do elemento humano na segurança e no funcionamento

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU de 26.04.76 Acordo Marítimo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Francesa Assinado em 24 de outubro de 1975 Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 15, de 23 de abril de 1976 - DOU

Leia mais

PREPOM - 2014 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários

PREPOM - 2014 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS SUPERINTENDÊNCIA DE ENSINO PROFISSIONAL MARÍTIMO PREPOM - 2014 Programa do Ensino Profissional Marítimo para Aquaviários Mares e Rios Seguros e Limpos OSTENSIVO

Leia mais

Definições (NORMAM-2)

Definições (NORMAM-2) Definições (NORMAM-2) Embarcação - Qualquer construção, inclusive as plataformas flutuantes e as fixas quando rebocadas, sujeita a inscrição na autoridade marítima e suscetível de se locomover na água,

Leia mais

DECRETO DISTRITAL Nº 020 DE 22.11. 2004.

DECRETO DISTRITAL Nº 020 DE 22.11. 2004. DECRETO DISTRITAL Nº 020 DE 22.11. 2004. EMENTA: Disciplina o ingresso e a permanência de veículos no âmbito do Distrito Estadual de Fernando de Noronha e dá outras providências. O ADMINISTRADOR GERAL

Leia mais

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA

ABC do Trabalho. em Embarcações CONATPA ABC do Trabalho em Embarcações CONATPA O que é um trabalhador aquaviário? É todo trabalhador com habilitação certificada pela autoridade marítima para operar embarcações em caráter profissional. São eles

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO MARANHÃO APRESENTAÇÃO PARA A FEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES EM TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS E AFINS - FNTTAA 15/09/2010 SUMÁRIO A AUTORIDADE MARÍTIMA MISSÃO ÁREA

Leia mais

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira.

1º O Tribunal Marítimo emitirá, para as embarcações incluídas no REB, o Certificado de Registro Especial Brasileira. DECRETO Nº 2.256, DE 17 DE JUNHO DE 1997 Regulamenta o Registro Especial Brasileiro-REB para embarcações de que trata a Lei nº 9.432, de 8 de janeiro de 1997. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Rio Grande - RS

MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO. Rio Grande - RS MARINHA DO BRASIL CAPITANIA DOS PORTOS DO RIO GRANDE DO SUL CARTA DE SERVIÇOS AO CIDADÃO Rio Grande - RS SUMÁRIO Página Apresentação 4 Propósito da Capitania 4 Identidade Institucional 4 Visão de Futuro

Leia mais

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP

Incêndio em Navios INCÊNDIO 1ª ANALÍTICO. Seção POP 1/5 1. FINALIDADE A presente norma de procedimento operacional tem por finalidade padronizar a conduta das guarnições das Unidades do CBMERJ que operam com embarcações de combate a incêndio, dando subsídios

Leia mais

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares

A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares A Engenharia de Máquinas Marítimas da ENIDH: Algumas notas complementares Luis Filipe Baptista 1 No artigo apresentado no número anterior da revista, com o título A Engenharia de Máquinas Marítimas na

Leia mais

Discute-se no presente a jornada de trabalho dos empregados da denunciada, que integram a categoria profissional dos aquaviários, haja vista as

Discute-se no presente a jornada de trabalho dos empregados da denunciada, que integram a categoria profissional dos aquaviários, haja vista as CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO PROCESSO PGT/CCR/PP/N. 10245/2009 ORIGEM: PRT 1ª REGIÃO (PTM DE CABO FRIO) PROCURADORA OFICIANTE: DRA. ISABELA MAUL MIRANDA DE MENDONÇA INTERESSADO 1: PROCURADORIA REGIONAL

Leia mais

para o exercício da actividade marítima como Pescador

para o exercício da actividade marítima como Pescador Marinhagem da Pesca Jovens, até 25, com escolaridade de 4 Conferir competências profissionais nucleares ao nível da marinhagem da pesca e permitir o ingresso no itinerário de Qualificação de como 970 horas

Leia mais

O ADMINISTRADOR GERAL do DISTRITO ESTADUAL DE FERNANDO DE NORONHA, no uso das atribuições conferidas pelo inciso IV, do art. 20, da Lei nº 11.

O ADMINISTRADOR GERAL do DISTRITO ESTADUAL DE FERNANDO DE NORONHA, no uso das atribuições conferidas pelo inciso IV, do art. 20, da Lei nº 11. DECRETO DISTRITAL Nº 020/2004 EMENTA: Disciplina o ingresso e a permanência de veículos no âmbito do Distrito Estadual de Fernando de Noronha e dá outras providências. O ADMINISTRADOR GERAL do DISTRITO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG RESOLUÇÃO Nº 044/2015, DE 13 DE ABRIL DE 2015 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

MARINHA DO BRASIL. PORTARIA N o 248/DPC, DE 13 DE AGOSTO DE 2015.

MARINHA DO BRASIL. PORTARIA N o 248/DPC, DE 13 DE AGOSTO DE 2015. AF/MA/13 010.01 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA N o 248/DPC, DE 13 DE AGOSTO DE 2015. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Aquaviários - NORMAM-13/DPC. O DIRETOR DE PORTOS E COSTAS, no uso

Leia mais

EDITAL Nº 255, de 25 de julho de 2014

EDITAL Nº 255, de 25 de julho de 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA CENTRO DE REFERÊNCIA EM PESCA E NAVEGAÇÃO MARÍTIMA EDITAL Nº 255,

Leia mais

TRABALHADOR MARÍTIMO. Introdução

TRABALHADOR MARÍTIMO. Introdução Curso de Pós-graduação em Direito Marítimo e Portuário da UNISANTOS 1 Trabalhador Marítimo. Legislação Interna. Principais Convenções Internacionais. Leading cases e aspectos processuais. Ementa: Introdução.

Leia mais

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes?

4. É possível receber mais de uma indenização em decorrência de um mesmo acidente em coberturas diferentes? www.blabus.com.br DICAS Seguro DPEM. O que é DPEM? O seguro DPEM foi instituído pela Lei nº 8.74, de 0//9, que em seu artigo º alterou a alínea "l" do artigo 0 do Decreto lei nº 7, de //66. Tem por finalidade

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS ML/EB/21 020.1 DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS PORTARIA Nº 215/DPC, DE 08 DE OUTUBRO DE 2010. Altera as Normas da Autoridade Marítima para Embarcações Empregadas na Navegação Interior - NORMAM-02/DPC. O DIRETOR

Leia mais

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02)

RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002. (D.O.U. de 19/12/02) RESOLUÇÃO RDC ANVISA Nº 345, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2002 (D.O.U. de 19/12/02) Dispõe sobre a aprovação do Regulamento Técnico para a Autorização de Funcionamento de empresas interessadas em prestar serviços

Leia mais

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições

1 - O novo capítulo IX que se segue é adicionado ao anexo: «CAPÍTULO IX Gestão para a exploração segura dos navios. Regra 1 Definições Decreto n.º 21/98 Emendas ao anexo da Convenção Internacional para a Salvaguarda da Vida Humana no Mar, 1974 (SOLAS 74), adoptadas pela Conferência SOLAS 1994, que se referem à introdução dos novos capítulos

Leia mais

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional.

Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro de 1989, do Congresso Nacional. Acordo sobre Transportes Marítimos entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina Assinado em 15 de agosto de 1985, em Buenos Aires. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 58, de 13 de outubro

Leia mais

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS

REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS REGIMENTO DO SETOR REGISTROS ACADÊMICOS CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES INICIAIS DAS COMPETÊNCIAS Art. 1º O Setor de Registros Acadêmicos - SRA é o órgão que operacionaliza todas as atividades ligadas à vida

Leia mais

Regimento da Atividade de Embarque do Curso de Oceanografia da UFSC Aprovado no Colegiado do Curso de Oceanografia em 24/ 04/ 2014

Regimento da Atividade de Embarque do Curso de Oceanografia da UFSC Aprovado no Colegiado do Curso de Oceanografia em 24/ 04/ 2014 Regimento da Atividade de Embarque do Curso de Oceanografia da UFSC Aprovado no Colegiado do Curso de Oceanografia em 24/ 04/ 2014 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades de Embarque,

Leia mais

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação.

Comercialização de grãos. Frota fluvial. Geração. Terminal flutuante. Terminal. Grupo André Maggi. Fundação André Maggi. Originação. Grupo André Maggi Comercialização de grãos Divisão Agro Energia Navegação Originação Processamento Frota fluvial Soja Geração Exportação Terminal Milho Algodão Terminal flutuante Fundação André Maggi Geração

Leia mais

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente

Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista - UNOESTE Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-graduação (PRPPG) Faculdade de Ciências Agrárias de Presidente Prudente Regulamento do Programa de Capacitação Técnica em Ciências

Leia mais

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos

Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos 1 CONVENÇÃO N. 134 Prevenção de Acidentes do Trabalho dos Marítimos I Aprovada na 55ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1970), entrou em vigor no plano internacional em 17 de fevereiro

Leia mais

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM:

SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: SEGURO DPEM PERGUNTAS E RESPOSTAS - SEGURO DPEM: I - O que é DPEM? II - O que cobre e o que não cobre o Seguro DPEM? III - Quanto vou receber se for vítima de acidente coberto pelo seguro? IV - É possível

Leia mais

PLANO DE IDENTIFICAÇÃO 2013

PLANO DE IDENTIFICAÇÃO 2013 MARINHA DO BRASIL ESCOLA DE APRENDIZES-MARINHEIROS DO CEARÁ DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DIVISÃO DO PESSOAL MILITAR SEÇÃO DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE IDENTIFICAÇÃO 2013 1ª FASE-VERIFICAÇÃO DE DOCUMENTOS

Leia mais

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE INSTRUÇÃO ALMIRANTE BRAZ DE AGUIAR. Belém-PA

MARINHA DO BRASIL CENTRO DE INSTRUÇÃO ALMIRANTE BRAZ DE AGUIAR. Belém-PA MARINHA DO BRASIL CENTRO DE INSTRUÇÃO ALMIRANTE BRAZ DE AGUIAR Belém-PA S U M Á R I O APRESENTAÇÃO 3 MISSÃO 4 HISTÓRICO 5 EFOMM 6 RELAÇÃO DE CURSOS DO PREPOM-AQUAVIÁRIOS 12 RELAÇÃO DE CURSOS DO PREPOM-PORTUÁRIOS

Leia mais

Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT

Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT Portaria nº 147/2011/GP/DETRAN-MT Disciplina a tramitação dos processos de habilitação, a ordem de apresentação dos documentos obrigatórios e da outras providencias. O PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL

Leia mais

Certificados de Capacidade dos Pescadores

Certificados de Capacidade dos Pescadores 1 CONVENÇÃO N. 125 Certificados de Capacidade dos Pescadores I Aprovada na 50ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1966), entrou em vigor no plano internacional em 15.7.69. II Dados

Leia mais

Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE

Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE Decreto-Lei 96/89, de 28 de Março - I Série Decreto-Lei 96/89 Cria o Registo Internacional de Navios da Madeira (MAR) Publicação: DR nº 72/89 I SÉRIE A competição internacional no sector da marinha de

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2005 / 2006

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2005 / 2006 ACORDO COLETIVO DE TRABALHO 2005 / 2006 Acordo Coletivo de Trabalho que entre si fazem, de um lado, a empresa de navegação FROTA OCEÂNICA E AMAZÔNICA S/A, CNPJ: 33.478.009/0001-61, com sede na Capital

Leia mais

Segurança Marítima: Busca e Salvamento

Segurança Marítima: Busca e Salvamento Segurança, condição essencial para a segurança marítima Escola Naval, 30 de Abril de 2014 : Busca e João 05-05-2014 Frade 2 1989 Introdução EXXON VALDEZ 1912 TITANIC CATÁSTROFE 2012 COSTA CONCORDIA 3 Gestão

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março

DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março DECRETO-LEI N.º 96/89 de 28 de Março A competição internacional no sector da marinha de comércio é extremamente forte, tendo conduzido à baixa acentuada e prolongada dos fretes marítimos, facto este que

Leia mais

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015.

PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. 1 SOCIEDADE DE PORTOS E HIDROVIAS DO PORTO ORGANIZADO DE PORTO VELHO TARIFA PORTUÁRIA VIGÊNCIA: 07/05/2015. RESOLUÇÃO Nº 4.093-ANTAQ, DE 07/05/2015. (ANTAQ-Agência Nacional de Transportes Aquaviário) PORTO

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 128, DE 2005. Aprova as Normas Disciplinadoras e os Elementos Mínimos que, obrigatoriamente, devem constar do bilhete do Seguro

Leia mais

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO

0504 - PROCEDIMENTOS PARA HABILITAÇÃO CAPÍTULO 5 HABILITAÇÃO DA CATEGORIA DE AMADORES 0501 - APLICAÇÃO Este capítulo estabelece as categorias de amadores, sua correspondência com categorias profissionais, dos procedimentos para habilitação,

Leia mais

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código.

PARTE A - IMPLEMENTAÇÃO 1 GERAL. 1.1 Definições. As seguintes definições se aplicam às Partes A e B deste Código. PREÂMBULO 1 O propósito deste Código é estabelecer um padrão internacional para a operação e gerenciamento seguros de navios e para a prevenção da poluição. 2 A Assembleia adotou a Resolução A.443(XI),

Leia mais

Audiência Pública - 02 de 2011

Audiência Pública - 02 de 2011 Audiência Pública 02 de 2011 Empresa: ABEAM ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE APOIO MARÍTIMO ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº 2155ANTAQ, DE 19 DE JULHO DE 2011, QUE APROVA A NORMA PARA OUTORGA DE AUTORIZAÇÃO

Leia mais

Carta de Serviços ao Cidadão CPPE 23SET2014

Carta de Serviços ao Cidadão CPPE 23SET2014 1 23SET2014 2 Comandante da Marinha Almirante-de-Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira Comandante de Operações Navais Almirante-de-Esquadra Elis Treidler Öberg Comandante do Terceiro Distrito Naval Vice-Almirante

Leia mais

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral

DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém. ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente. ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral DUCIOMAR GOMES DA COSTA Prefeito de Belém ALFREDO SARUBBY DO NASCIMENTO Diretor Superintendente ELTON DE BARROS BRAGA Diretor Geral SILAS EBENEZER DIAS RODRIGUES Diretor de Transportes EDVAN RUI PINTO

Leia mais

PROCESSO PGT/CCR/PP/N. INTERESSADO 3: GULF MARINE SERVIÇOS MARÍTIMOS DO BRASIL LTDA. ASSUNTO: JORNADA DE TRABALHO AQUAVIÁRIOS. JORNADA DE TRABALHO

PROCESSO PGT/CCR/PP/N. INTERESSADO 3: GULF MARINE SERVIÇOS MARÍTIMOS DO BRASIL LTDA. ASSUNTO: JORNADA DE TRABALHO AQUAVIÁRIOS. JORNADA DE TRABALHO PROCESSO PGT/CCR/PP/N. 10242/2009 ORIGEM: PROCURADORIA REGIONAL DE CABO FRIO PROCURADOR OFICIANTE: BRENO DA SILVA MAIA FILHO INTERESSADO 1: PROCURADORIA REGIONAL DE CABO FRIO INTERESSADO 2: AGÊNCIA MARÍTIMA

Leia mais

Documentos necessários à Identificação/Reidentificação

Documentos necessários à Identificação/Reidentificação Documentos necessários à /Reidentificação Relembra-se de que, antes de comparecer para identificação, seus dados deverão estar atualizados no respectivo Banco de Dados da MB (BDPes, GEPEC, SIGEP e SISAQUA).

Leia mais

Câmara dos Deputados Comissão de Viação e Transportes

Câmara dos Deputados Comissão de Viação e Transportes PROJETO DE LEI N o. 5.812, de 2013 (Apensado o PL N o 6.106, de 2013) Dispõe sobre a regulamentação da classe de Marinheiro de Esportes e Recreio. Autor: Deputado FERNANDO JORDÃO Relator: Deputado JOÃO

Leia mais

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS

MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS Anexo B (10) ao Of. n 585/2008, da DPC. NORMAS AO CANDIDATO PARA O PROCESSO SELETIVO DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO PARA SEGUNDO OFICIAL DE NÁUTICA DA

Leia mais

NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA RECONHECIMENTO DE SOCIEDADES CLASSIFICADORAS PARA ATUAREM EM NOME DO GOVERNO BRASILEIRO

NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA RECONHECIMENTO DE SOCIEDADES CLASSIFICADORAS PARA ATUAREM EM NOME DO GOVERNO BRASILEIRO MARINHA DO BRASIL DIRETORIA DE PORTOS E COSTAS NORMAS DA AUTORIDADE MARÍTIMA PARA RECONHECIMENTO DE SOCIEDADES CLASSIFICADORAS PARA ATUAREM EM NOME GOVERNO BRASILEIRO NORMAM-06/DPC - 2003 - NORMAS DA AUTORIDADE

Leia mais

Nº DO EMOLUMENTO. 160,00 120 - Passaporte Diplomático 120.1 Concessão Grátis 130 - Passaporte Oficial 130.1 Concessão

Nº DO EMOLUMENTO. 160,00 120 - Passaporte Diplomático 120.1 Concessão Grátis 130 - Passaporte Oficial 130.1 Concessão 110 - Passaporte Comum 110.3 Concessão de Passaporte Biométrico 8 110 - Passaporte Comum 110.4 Concessão de Passaporte Biométrico sem apresentação do documento anterior 16 120 - Passaporte Diplomático

Leia mais