CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes"

Transcrição

1 CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1

2 Contribuição para PIS/PASEP PIS contribuição para o Programa de Integração Social funcionários das empresas do setor privado; PASEP contribuição para o Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público servidores do setor público; Contribuintes pessoas jurídicas de direito privado e as que lhes são equiparadas pelo RIR, entidades sem fins lucrativos constantes no art. 13 da MP n.º e pessoas jurídicas de direito público; Modalidade de contribuição e alíquotas: PIS/PASEP sobre faturamento mensal 0,65% / 1,65% PIS/PASEP sobre folha de pagamento 1,00% 2

3 COFINS Contribuição para Financiamento da Seguridade Social Conceito na realidade é também uma contribuição social para financiamento da seguridade social, incidindo sobre o faturamento mensal das pessoas jurídicas ou a elas equiparadas (antigo FINSOCIAL); Contribuintes pessoas jurídicas em geral e outras a elas equiparadas pelo RIR, excluindo entidades beneficentes de assistência social, associações sem fins lucrativos, sindicatos, federações, órgãos de classes e cooperativas; Base de cálculo o faturamento mensal, excluindo IPI e ICMS cobrado pelo substituto, vendas canceladas, devoluções, descontos incondicionais, exportações, etc. Alíquota 3,0% / 7,60% 3

4 Programa de Integração Social Comentários: O PIS tem como objetivo principal, inserir e integrar o trabalhador brasileiro levando-o a ser um dos partícipes do desenvolvimento das empresas. É destinado aos empregados das empresas privadas regidas pela CLT.

5 PIS e COFINS PIS Destina-se aos empregados das empresas de iniciativa privada, sendo administrado pela Caixa Econômica Federal. COFINS A contribuição para financiamento da seguridade social tem seus recursos canalizados para as áreas da saúde, previdência e assistência social.

6 Fato Gerador O PIS e a cofins, incidem sobre o faturamento das pessoas jurídicas de direito privado e as que lhe são equiparadas pela legislação do imposto de renda.

7 Legislação Lei complementar n 07/70 institui o programa de integração socia PIS Lei complementar nº 70/91 institui a contribuição para financiamento da seguridade so cial cofins Lei nº 971//98 pis/pasep cofins no regime cumulativo Lei nº 10637/02 pis/pasep regime não cumulativo Lei /03 cofins regime não comulativo Lei /04 pis/pasep cofins importações Lei /14 - alteraçõpes.

8 Cumulatividade cumulatividade é um método de apuração segundo o qual o tributo é exigido na sua inteireza toda vez que ocorre a hipótese de incidência descrita na norma tributária, sem a possibilidade de se compensar nessa operação, o valor do tributo apurado na operação anterior.

9 Não Cumulatividade A não cumulatividade consiste em poder se compensar o valor do tributo devido em cada operação com o montante cobrado na operação anterior.

10 PIS COFINS CUMULATIVO Enquadram-se no regime cumulativo, as pessoas jurídicas tributadas pelo imposto de renda com base no lucro presumido ou arbitrado.

11 Lucro presumido Lucro presumido é uma forma de tributação simplificada para determinação da base de calculo do imposto de renda. Exemplo de apuração do Lucro presumido Atividade receita alíquota Lucro presumido Industria ,00 8,0% 8.000,00 serviços ,00 32,0% ,00 Combustível ,00 1,6% 2.400,00

12 PIS COFINS CUMULATIVO - EXCEÇÕES Independentemente da forma de apuração do IRPJ, devem apurar o pis/cofins pelo regime de apuração cumulativa: Bancos comercias, bancos de investimentos,bancos de desenvolvimento, caixas econômicas; As sociedade de crédito, financiamento e investimento, as sociedades de crédito imobiliário, as sociedades corretoras, distribuidoras de títulos e valores mobiliários; As empresas de arrendamento mercantil; As cooperativas de crédito; As empresas de seguros privados e de capitalização, agentes autônomos de seguros privados e de crédito; As entidades de previdência complementar abertas e fechadas.

13 PIS COFINS CUMULATIVO - EXCEÇÕES As associações de poupança e empréstimo; As pessoas jurídicas que tenham por objeto a securitização de créditos imobiliários, nos termos da Lei 9.514/97, financeiros, observada regulamentação editada pelo Conselho Monetário Nacional, agrícolas, conforme ato do CMN. As operadoras de planos de assistência à saúde; As empresas particulares que exploram serviços de vigilância e de transportes de valores, referidas na Lei nº 7.102/83, e As sociedades cooperativas, exceto as de produção agropecuária e as de consumo.

14 Demais Pessoas juridicas sujeitas ao regime cumulativo As pessoas jurídicas imunes a impostos; Os órgão públicos, as autarquias e fundações públicas federais, estaduais e municipais, e as fundações cuja criação tenha sido autorizada por lei; Sociedades cooperativas, exceto as de produção agropecuária As receitas decorrentes das operações: - sujeitas à substituição tributária da COFINS; - referidas no artigo 5º da Lei 9.716/98.

15 Base de calculo cumulativo A base de calculo do PIS e da Cofins é o seu faturamento, compreendido pela sua receita bruta.

16 A Receita Bruta Contempla O preço dos serviços prestados; O produto da venda de bens nas operações de conta própria, O resultado auferido nas operações de conta alheia, As receitas da atividade ou objeto principal da pessoa jurídica não compreendida nos itens anteriores. obs.- no caso do ajuste do valor presente, ele deve compor a base de calculo.

17 PIS COFINS CUMULATIVO Exclusões da receita bruta: Vendas canceladas; Descontos incondicionais concedidos; As devoluções de vendas O IPI ICMS/ST, quando destacado em nota e cobrado pelo vendedor na condição de substituto tributário.

18 PIS COFINS CUMULATIVO Exclusões da receita bruta: As reversões de provisões e recuperações de créditos baixados como perda,o resultado positivo da avaliação de investimento pelo valor do patrimônio liquido; A receita decorrente de venda de bens do ativo não circulante;

19 Alíquotas do regime cumulativo e vencimento TRIBUTO ALÍQUOTA CODIGO RECEITA PIS 0,65% 8109 COFINS 3,00% 2172 Vencimento vigésimo quinto dia do mês subsequente.

20 Alíquotas do regime não cumulativo e vencimento TRIBUTO ALÍQUOTA CODIGO RECEITA PIS 1,65% 5912 COFINS 7,60% 5856 Vencimento vigésimo quinto dia do mês subsequente.

21 PIS COFINS - CALCULO NA CUMULATIVIDADE Obter os valores mensais representativos do faturamento das atividades da empresa Desconsiderar da base de calculo, receitas que não fazem parte do objeto da empresa Excluir o valor das vendas canceladas, devoluções de vendas, o valor do IPI e outros. Segregar eventuais receitas não tributadas.(isenta, sem incidência) Aplicar as respectivas alíquotas de PIS e da cofins. Deduzir o valor de eventuais retenções na fonte.

22 PIS COFINS RETENÇÕS NA FONTE FATO GERADOR O FATO GERADOR DA RETENÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES FEDERAIS, CONFORME DISPÕE O ARTIGO 3 DA LEI /2003, É O PAGAM,ENTO DO SERV IÇO PRESTADO. EXEMPLO: NOTA FISCAL DE SERVIÇO SUJEITO À RETENÇÃO PARA PAGAMENTO COM PRAZO DE 40 DIAS. SERVIÇO TOMADO EM 01/06/206 PAGAMENTO EFETUADO EM 10/07/2016. MOMENTO DA OCORRÊNCIA DO FATO GERADOR: 10/07/2016.

23 PIS COFINS DISPENSA DA RETENÇÃO FICA DISPENSADA, DESDE 22/06/2015 A RETENÇÃO DE VALOR IGUAL OU INFERIOR A R$10,00 (DEZ REAIS). ASSIM, UTILIZA-SE COMO PARÂMETRO PARA ESTA RETENÇÃO, O PAGAMENTO DE SERVIÇOS DE VALOR IGUAL OU SUPERIOR A R$215,27, CONFORME CALCULO: R$215,27 X 4,65% = 10,01

24 PIS COFINS RETENÇÃO E CÓDIGO TRIBUTO ALÍQUOTA COD RECEITA PIS 0,65% 5952 COFINS 3,00% 5952 CSLL 1,00% 5952 NOS RECOLHIMENTOS EM SEPARADO, OS CÓDIGOS A SEREM UTILIZADOS SÃO: NO CASO DA CSLL NO CASO DA COFINS NO CASO DO PIS

25 Exercício de Pis cofins Cumulativo item valor Venda de produtos no mercado nacional ,00 Vendas de produtos para o exterior ,00 Venda de mercadorias no mercado nacional ,00 Venda de mercadorias para o exterior ,00 Prestação de serviços no mercado nacional ,00 Prestação de serviços para o exterior ,00 Devolução de vendas do mercado nacional ,00 Descontos incondicionais concedidos ,00 ipi ,00 25

26 Resolução - PIS COFINS Cumulativo item valor base calculo Pis 0,65% COFINS 3,00% Venda de produtos no mercado nacional , ,00 520, ,00 Vendas de produtos para o exterior ,00 Venda de mercadorias no mercado nacional , ,00 390, ,00 Venda de mercadorias para o exterior ,00 Prestação de serviços no mercado nacional , ,00 845, ,00 Prestação de serviços para o exterior ,00 Devolução de vendas , ,00-130,00-600,00 Descontos incondicionais concedidos , ,00-65, IPI - NA RECEITA NÃO CONSTA O IPI ,00 TOTALIZAÇÃO 1.560, ,00 26

27 PIS não cumulativo possibilidade de crédito Bens adquiridos para revenda; Bens e serviços utilizados com insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços, inclusive combustíveis e lubrificantes; Aluguéis de prédios máquinas e equipamentos pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa; Encargos de depreciação de máquinas e equipamentos adquiridos para utilização na fabricação de produtos destinados à venda, e a outros bens incorporados ao ativo imobilizado ( ); Encargos de amortização de edificações e benfeitorias em imóveis de terceiros; Bens recebidos em devolução, cuja receita de venda tenha integrado o faturamento de meses anteriores; Estoques de abertura em 01/12/02 ou no primeiro dia do mês em que a empresa passar ao lucro real, a razão de 1/12 avos ao mês. 27

28 COFINS não cumulativo Empresas tributadas lucro real Alíquota...7,6% sistemática de cálculo do total das receitas da venda de bens e serviços nas operações em conta própria ou alheia e todas as demais receitas auferidas pela pessoa jurídica podendo descontar créditos relativos a bens adquiridos para revenda, bens e serviços utilizados como insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços e outras despesas. 28

29 CONCEITO DE INSUMOS MATÉRIA PRIMA PRODUTO INTERMEDIÁRIO MATERIAL DE EMBALAGEM BENS QUE SOFRAM DESGASTE DANO OU PERDA DE PROPRIEDADES FÍSICA E QUÍMICAS, EM FUNÇÃO DA AÇÃO DIRETAMENTE EXERCIDA SOBRE O PRODUTO EM FABRICAÇÃO, DESDE QUE NÃO ESTEJAM INCLUÍDAS NO ATIVO IMOBILIZADO. SERVIÇOS PRESTADOS POR PESSOA JURÍDICA DOMICILIADA NO PAÍS, APLICADOS OU CONSUMIDOS NA PRODUÇÃO OU FABRICAÇÃO DO PRODUTO.

30 Observaçao na não cumulatividade Créditos não aproveitados em determinado mês podem ser utilizados nos meses subsequentes Devem ser aproveitados sem atualização monetária ou incidência de juros Não constituem receita bruta da pessoa juridica, cabendo apenas a sua dedução do valor devido das contribuições.

31 A questão dos estoques na abertura Os estoques existentes na data do início da incidência não cumulativa, dão direito ao desconto de crédito presumido. Deve-se aplicar a alíquota de 0,65% e 3,00% sobre o valor dos estoques, para crédito do pis e da cofins, respectivamente. obs.- o crédito presumido deve ser utilizado em 12 parcelas mensais, iguais e sucessivas, a partir da data do ingresso da pessoa jurídica no regime de apuração não cumulativa do PIS e COFINS.

32 exercício Pis/Cofins não cumulativo Apure o valor a recolher do PIS e da COFINS, na modalidade não cumulativo sendo dados: Item valor Faturamento do mês ,00 Devolução de vendas ,00 Aquisição de matéria prima ,00 Devolução de compras ,00 Aluguel pago a pessoa jurídica ,00 depreciação de máquinas ,00 32

33 RESOLUÇÃO DO EXERCÍCIO 06 Débito Item Valor PIS COFINS Faturamento , , ,00 Devolução de compras ,00 660, ,00 TOTAL , , ,00 Crédito Item Valor PIS COFINS Matéria prima , , ,00 Aluguel ,00 495, ,00 Devolução de vendas ,00 660, ,00 Depreciação ,00 165,00 760,00 TOTAL , , ,00 Total a Recolher , ,00 33

34 COFINS não cumulativo possibilidade de crédito Bens adquiridos para revenda; Bens e serviços utilizados com insumos na fabricação de produtos destinados à venda ou à prestação de serviços, inclusive combustíveis e lubrificantes; Aluguéis de prédios máquinas e equipamentos pagos a pessoa jurídica, utilizados nas atividades da empresa; Encargos de depreciação de máquinas e equipamentos adquiridos para utilização na fabricação de produtos destinados à venda, e a outros bens incorporados ao ativo imobilizado ( ); Encargos de amortização de edificações e benfeitorias em imóveis de terceiros; Bens recebidos em devolução, cuja receita de venda tenha integrado o faturamento de meses anteriores; Estoques de abertura em 01/02/2004 ou no primeiro dia do mês em que a empresa passar ao lucro real, a razão de 1/12 avos ao mês. 34

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes

CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO. Prof. André Gomes CURSO PIS COFINS CUMULATIVO E NÃO CUMULATIVO Prof. André Gomes 1 QUANDO O GOVERNO É HONESTO, O PAÍS TEM SEGURANÇA; MAS, QUANDO O GOVERNO COBRA IMPOSTOS DEMAIS, A NAÇÃO ACABA EM DESGRAÇA Provérbios, 29:4

Leia mais

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto

PIS e COFINS. Aspectos conceituais. Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto PIS e COFINS Aspectos conceituais Núcleo de Estudos em Controladoria e Contabilidade Tributária Prof. Amaury

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 358, de 9 de setembro de 2003 Altera a Instrução Normativa SRF nº 247, de 21 de novembro de 2002, que dispõe sobre o PIS/Pasep e a Cofins. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL, no

Leia mais

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00

Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = , , , ,00 p. 86 Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo, PL) = 13.400,00 + 2.400,00 + 10.500,00 + 5.300,00 = = 31.600,00 Gabarito: B Teoria Patrimonialista: Contas Patrimoniais (Ativo, Passivo,

Leia mais

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED

SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED SISTEMA PUBLICO DE ESCRITURAÇÃO DIGITAL - SPED OUT/2010 REGIME NÃO-CUMULATIVO REGIME CUMULATIVO TRIBUTAÇÃO MONOFÁSICA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA VENDAS COM SUSPENSÃO VENDAS A ALÍQUOTA ZERO VENDAS COM ISENÇÃO

Leia mais

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04

INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 INTERPRETAÇÃO TÉCNICA DO IBRACON Nº 01/04 CONTABILIZAÇÃO DAS CONTRIBUIÇÕES PARA O PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO SOCIAL (PIS) E PARA O FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL (COFINS) Em 31 de dezembro de 2002 e em

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 22 - Data 4 de março de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP CRÉDITOS PARA DESCONTO DO PIS/PASEP. NÃO-CUMULATIVIDADE.

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I SUSPENSO O PAGAMENTO DE PIS/COFINS SOBRE A VENDA DE PRODUTOS SUÍNOS E AVICULÁRIOS E DE DETERMINADOS INSUMOS RELACIONADOS E CONCEDE CRÉDITO PRESUMIDO EM DETERMINADAS OPERAÇÕES

Leia mais

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE

PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PIS/COFINS NÃO-CUMULATIVIDADE PRINCÍPIO OU REGRA DE TRIBUTAÇÃO Professora Doutora Denise Lucena Cavalcante Gramado, 27/06/2008. PRINCÍPIO DA NÃO-CUMULATIVIDADE Princípio constitucional que tem por finalidade

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO PIS/COFINS (Regime Cumulativo e não Cumulativo com preenchimento do DACON e DCTF) contato@agmcontadores.com.br 28/03/2014 2 Sumário CONTRIBUINTES

Leia mais

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014

OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 OBRIGAÇÕES ÁREA FEDERAL MÊS JUNHO 2014 04/06-4 Feira Último dia para recolhimento do Imposto de Renda na Fonte referente a juros sobre o capital próprio, aplicações financeiras, títulos de capitalização;

Leia mais

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO

Profa. Ma. Divane A. Silva. Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO Profa. Ma. Divane A. Silva Unidade II PLANEJAMENTO CONTÁBIL TRIBUTÁRIO A disciplina está dividida em duas unidades. Unidade I 1. Objetivo do Planejamento Tributário 2. Sociedades Simples e Empresária 3.

Leia mais

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT)

IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) CONFIGURAÇÃO DO ARQUIVO TXT IMPORTAÇÃO DO MOVIMENTO DE ENTRADAS (Padrão TXT) O arquivo TXT deverá ser gerado da seguinte forma: Um registro por linha Campos separados por vírgulas Campos Alfanuméricos

Leia mais

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO

IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI /2014 NO SETOR ELÉTRICO IMPACTOS TRIBUTÁRIOS DA LEI 12.973/2014 NO SETOR ELÉTRICO Sumário: Contratos de Concessão de Serviço Público (OCPC 05 e ICPC 01): PIS/Pasep e Cofins Regime Cumulativo e não-cumulativo: Atividade de Distribuição;

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE. Julho / 2005 ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS NA COMPRA DE ENERGIA NO MERCADO LIVRE Julho / 2005 TRIBUTOS QUE PODERÃO INCIDIR SOBRE A ENERGIA ELÉTRICA Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) Imposto

Leia mais

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6

CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA MÓDULO 6 Índice 1. Deduções da base de cálculo...3 1.1 Base de cálculo, alíquotas e despesas... 3 1.2 Exemplo numérico com deduções... 3 2. Faturamento bruto/receita bruta regime

Leia mais

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Disposições anteriores à MP 627/13. Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados Escrituração do Lucro Real e Lalur Disposições anteriores à MP 627/13 Principais alterações trazidas pe Receita Bruta: produto da venda de bens nas operações de conta própria e o preço dos serviços prestados

Leia mais

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins

Dos Créditos a Descontar na Apuração da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins Assunto: Contribuição para PIS/PASEP e COFINS Instrução Normativa SRF nº 594, de 26 de dezembro de 2005 Dispõe sobre a incidência da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins, da Contribuição para o PIS/Pasep-Importação

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011

Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 Instrução Normativa RFB nº 1.199, de 14 de outubro de 2011 DOU de 17.10.2011 Dispõe sobre procedimentos fiscais dispensados aos consórcios constituídos nos termos dos arts. 278 e 279 da Lei nº 6.404, de

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 126 - Data 19 de agosto de 2016 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP Atendidas as condições estabelecidas na

Leia mais

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO

9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO 9ª REGIÃO FISCAL - DIVISÃO DE TRIBUTAÇÃO SOLUÇÃO DE CONSULTA Nº 240, DE 9 DE SETEMBRO DE 2008: A substituição de embalagens de produtos, alterando sua apresentação, exceto se destinada unicamente ao transporte

Leia mais

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues

Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS. Fabio Rodrigues Os 7 erros mais comuns na apuração do PIS e da COFINS Fabio Rodrigues Fabio Rodrigues Advogado. Mestre em Ciências Contábeis. Professor do MBA em Contabilidade e Direito Tributário do IPOG. Coordenador,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - PIS COFINS Parecer Consultoria Tributária Segmentos Exclusão do Desconto Condicional da Receita de Atividade Imobiliária - 06/02/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente...

Leia mais

Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida

Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida Saiba tudo sobre PIS e COFINS e acabe com qualquer tipo de dúvida Você com certeza já deve ter ouvido isto em algum lugar, pois bem, se ouviu, quem disse tem toda razão. Essa afirmação se deve pelas inúmeras

Leia mais

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas...

Unidade I Teoria Geral dos Tributos. Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3. Capítulo 2 Os Impostos Capítulo 3 As Taxas... S u m á r i o Unidade I Teoria Geral dos Tributos Capítulo 1 Conceito de Tributo e suas Espécies...3 1.1. Conceito de Tributo... 3 1.2. As Espécies Tributárias... 8 Capítulo 2 Os Impostos... 18 2.1. Teoria

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 2 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 99 - Data 9 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O PIS/PASEP NÃO CUMULATIVIDADE. SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO

Leia mais

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni

MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS. Alessandro Dessimoni MODELAGEM FISCAL E TRIBUTOS OPORTUNIDADES E DESAFIOS Alessandro Dessimoni Temas abordados 1. Alta carga tributária; 2. A burocracia e entraves da legislação; 3. Interpretação restritiva do Fisco sobre

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Fls. 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 5ª RF Solução de Consulta nº 5.008 - Data 2 de abril de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA O FINANCIAMENTO DA

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012

MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 MEDIDA PROVISÓRIA No- 582, DE 20 DE SETEMBRO DE 2012 Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços; permite depreciação

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004

Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004 Instrução Normativa SRF nº 404, de 12 de março de 2004 DOU de 15.3.2004 Dispõe sobre a incidência não-cumulativa da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social na forma estabelecida pela Lei

Leia mais

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013

MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 MEDIDA PROVISÓRIA No 609, DE 8 DE MARÇO DE 2013 Reduz a zero as alíquotas da Contribuição para o PIS/PASEP, da COFINS, da Contribuição para o PIS/PASEP-Importação e da COFINS-Importação incidentes sobre

Leia mais

CÓDIGOS DE RECEITA IRPJ

CÓDIGOS DE RECEITA IRPJ S DE RECEITA Os códigos de receita estão disponíveis no sítio da Receita Federal, na opção códigos de receita, no menu onde encontro. Abaixo, destacamos os principais códigos de receita: IRPJ 2089 LUCRO

Leia mais

Lei nº /14 e a base de cálculo do PIS e da COFINS nos diferentes regimes

Lei nº /14 e a base de cálculo do PIS e da COFINS nos diferentes regimes Lei nº 12.973/14 e a base de cálculo do PIS e da COFINS nos diferentes regimes Fabiana Del Padre Tomé Doutora pela PUC/SP Professora na PUC/SP e IBET CF/88: autorizava a tributação do faturamento Lei nº

Leia mais

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP.

PARECER. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. PARECER EMENTA: Contribuição PASEP. Regimes Próprios de Previdência. Trata-se de consulta formulada acerca da obrigatoriedade ou não dos Regimes Próprios de Previdência de contribuírem com o PASEP. As

Leia mais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais

Fiscal Configurar Impostos Fiscais Fiscal Configurar Impostos Fiscais Objetivo Configurar todos os impostos que refletirão na Nota Fiscal de Saída. Pré- Requisitos As Taxas Tributárias dos Produtos devem ser devidamente cadastradas ( Fiscal

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O Í N D I C E A N A L Í T I C O I - REGRAS GERAIS... 15 I.1 - Introdução... 15 I.2 - Conceitos e definições... 15 I.2.1 - Restituição... 15 I.2.2 - Compensação... 16 I.2.3 - Ressarcimento... 16 I.2.4 - Reembolso...

Leia mais

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF

Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF 1 Superintendência Regional da Receita Federal do Brasil da 9ª RF Solução de Consulta nº 1 - SRRF09/Disit Data 9 de janeiro de 2013 Processo **** Interessado **** CNPJ/CPF **** ASSUNTO: CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

582, DOU1)

582, DOU1) Medida Provisória n 582, de 20 de setembro de 2012 (Pág. 2 - DOU1) Altera a Lei nº 12.546, de 14 de dezembro de 2011, quanto à contribuição previdenciária de empresas dos setores industriais e de serviços;

Leia mais

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006

Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 WALCRIS ROSITO - IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA 2006 Tributação sobre o lucro (%) IRPJ 25 Contribuição Social 9 Dividendos 0 === 34 1 Tributação sobre o lucro (%) Lucro Real Lucro Presumido Lucro Arbitrado 2 Tributação sobre o lucro Lucro Real Obrigatoriedade:

Leia mais

O disposto neste item aplica-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural.

O disposto neste item aplica-se, inclusive, à pessoa jurídica que explore atividade rural. LUCRO PRESUMIDO O Lucro Presumido é a forma de tributação simplificada do Imposto de Renda (IR) e Contribuição Social sobre o Lucro (CSLL). A sistemática de tributação pelo Lucro Presumido é regulamentada

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF. Subvenção x Receita

III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF. Subvenção x Receita III CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO TRIBUTÁRIO ATUAL IBDT/AJUFE/FDUSP-DEF Subvenção x Receita Aportes públicos nos contratos de PPP: suas possíveis interpretações Mestre e Doutor em Direito do Estado pela

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Aquisição de Ativo Imobilizado - Créditos PIS/COFINS Contabilização e Reflexos Blocos F120 e F130 da EFD Contribuições 27/01/2015 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas

Leia mais

Caminho Jurídico do Empreendedor

Caminho Jurídico do Empreendedor Caminho Jurídico do Empreendedor Introdução Início de Atividade Empresária requer: Modelo de empresas/tipos societários; Contrato social, Registro de marcas e patentes; Elaboração e estudo de contratos

Leia mais

Mapeando o SPED PIS/COFINS

Mapeando o SPED PIS/COFINS Mapeando o SPED PIS/COFINS 1 SPED PIS/COFINS Instrução Normativa RFB nº 1.052, de 5 de julho de 2010 2 BLOCO DESCRIÇÃO QTDE REGISTROS 0 Abertura, Identificação e Referências 16 A Documentos Fiscais - Serviços

Leia mais

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19

Sumário. Capítulo Considerações Iniciais Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Sumário Capítulo 1 A Elaboração das Demonstrações Contábeis...1 1.1. Considerações Iniciais...1 1.2. Exercícios Resolvidos para a Fixação de Conteúdo...19 Capítulo 2 As Demonstrações Contábeis e a Legislação

Leia mais

ATIVO

ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL DOS SEMESTRES FINDOS EM 30 DE JUNHO CONTROLADORA CONSOLIDADO ATIVO CIRCULANTE Numerário disponível 5.803 1.361 17.311 8.292 Aplicações no mercado aberto 1.216.028 665.948 1.216.530

Leia mais

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11)

PIS/ COFINS. NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11) PIS/ COFINS NOTÍCIAS DA SEMANA (31/01/11 a 04/02/11) I- DESPESA DE FRETE ENTRE ESTABELECIMENTO DE MESMA PESSOA JURÍDICA NÃO GERA DIREITO A CRÉDITO DE PIS/COFINS. II- NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS. A) SUSPENSÃO

Leia mais

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia.

GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. GUIA DIÁRIO DE ALTERAÇÕES 19.10.2015 1. ICMS Santa Catarina Não foi publicada nenhuma alteração até o fechamento dessa edição do Guia. 2. Legislação Federal SOLUÇÃO DE CONSULTA DISIT/SRRF07 Nº 7045, DE

Leia mais

PIS/COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS: alcance e inconstitucionalidade do Decreto 8.426/2015

PIS/COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS: alcance e inconstitucionalidade do Decreto 8.426/2015 1 2 PIS/COFINS SOBRE RECEITAS FINANCEIRAS: alcance e inconstitucionalidade do Decreto 8.426/2015 Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil 18 de junho de 2015 1. Introdução 3 Lei 10.637/02 e 10.833/03

Leia mais

Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS

Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS CAFÉ COM NEGÓCIOS (Arapiraca, 05/04/2016) Mudanças no conceito de insumo na apuração de PIS/COFINS L. GUSTAVO CARVALHO Advogado Mestre em direito tributário (USP) Professor de direito (UNEAL) CARVALHO

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 IRPJ LUCRO PRESUMIDO É uma forma de tributação simplificada para determinação da base de cálculo do imposto de renda e da contribuição social das pessoas

Leia mais

Resumão sobre Cooperativismo

Resumão sobre Cooperativismo Resumão sobre Cooperativismo Apresentação Com o intuito de facilitar a compreensão em relação às cooperativas, eu tive a ideia de fazer este resumão. A iniciativa visa, primordialmente, esclarecer e tirar

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO DE INSUMOS AGRÍCOLAS: UM ESTUDO DE CASO

PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO DE INSUMOS AGRÍCOLAS: UM ESTUDO DE CASO 1 PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO NUMA EMPRESA DE COMÉRCIO DE INSUMOS AGRÍCOLAS: UM ESTUDO DE CASO RESUMO BORDIGNON, E. 1 CASSANTA, L. F. 2 RIBEIRO, O.D.J. 3 Um correto planejamento tributário depende de uma contabilidade

Leia mais

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS

Tributação Indireta no contexto do IFRS. Possíveis Impactos no ICMS/ISS Tributação Indireta no contexto do IFRS Possíveis Impactos no ICMS/ISS Reunião GEDEC 28/10/2015 Escopo da Apresentação Foram analisados os CPCs que possam gerar controvérsias ou possíveis impactos fiscais

Leia mais

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7

OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL. Seção 7 OPERAÇÕES COM MERCADORIAS E NOÇÕES SOBRE O SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL Seção 7 CONTABILIDADE TRIBUTÁRIA Ramo da contabilidade aplicada cujo objetivo é adequar as demonstrações financeiras contábeis e a

Leia mais

Modelo de Plano de Contas Detalhado

Modelo de Plano de Contas Detalhado Modelo de Plano de Contas Detalhado Código da Conta Descrição da Conta 1. A T I V O 1.1 ATIVO CIRCULANTE 1.1.01 DISPONÍVEL 1.1.01.01 Caixa 1.1.01.02 Bancos c/ Movimento 1.1 01.03 Aplicações Financeiras

Leia mais

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO

COMPANHIA ENERGÉTICA DE ALAGOAS - CEAL CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO DE 2000 E DE 1999 (Em Milhares de Reais) ATIVO Legislação Societária CIRCULANTE Numerário disponível 8.081 6.646 Consumidores e revendedores 83.995 67.906 Devedores

Leia mais

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS ABERTURA DA EMPRESA 12/10/ VIABILIDADE LEGAL (E LOCAL)

ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS ABERTURA DA EMPRESA 12/10/ VIABILIDADE LEGAL (E LOCAL) ASPECTOS JURÍDICOS E TRIBUTÁRIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc ABERTURA DA EMPRESA 1. VIABILIDADE LEGAL (E LOCAL) Levantamento de fatores que influenciam na atuação da empresa Estudo da legislação

Leia mais

(17) Softwares e equipamentos p/ automação comercial de pequenas e micro empresas maio de 2012

(17) Softwares e equipamentos p/ automação comercial de pequenas e micro empresas maio de 2012 (17) 3237-1146 9722-5456 9764-6044 MSN: flaviofordelone@hotmail.com SKYPE: flaviofordelone Site: www.fnetwork.com.br e-mail: sistemas@fnetwork.com.br www.fnetwork.com.br Softwares e equipamentos p/ automação

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação, xiii

SUMÁRIO. Apresentação, xiii SUMÁRIO Apresentação, xiii 1 A Contabilidade e a Gestão Tributária, 1 1.1 Introdução, 1 1.2 Os objetivos da atividade de gestão tributária, 1 1.3 Características profissionais exigidas para o cargo de

Leia mais

ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). FGTS

ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). FGTS TABELA DE OBRIGAÇÕES PARA SETEMBRO DE 2011 Até dia Obrigação Histórico 5 IRRF Pagamento dos salários mensais. Nota: O prazo para pagamento dos salários mensais é até o 5º dia útil do mês subsequente ao

Leia mais

PIS/PASEP/COFINS ANO XXII ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2011

PIS/PASEP/COFINS ANO XXII ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2011 ANO XXII - 2011-5ª SEMANA DE OUTUBRO DE 2011 BOLETIM INFORMARE Nº 44/2011 PIS/PASEP/COFINS INCIDÊNCIA NÃO-CUMULATIVA DO PIS/PASEP E DA COFINS - EMPRESAS TRIBUTADAS PELO LUCRO REAL - NORMAS GERAIS Introdução

Leia mais

ANO XXVI ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015

ANO XXVI ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ANO XXVI - 2015-4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ASSUNTOS CONTÁBEIS IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - TRATAMENTO CONTÁBIL... Pág. 705 IMPOSTO DE RENDA PESSOA JURÍDICA GANHOS

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 20, de 30 de maio de 1997. atribuições, declara: O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001. Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL RECIBO DE ENTREGA DA DIPJ 2008 DECLARAÇÃO DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS DA PESSOA JURÍDICA - DIPJ 2008 CNPJ: 50.152.826/0001-44 Ano-Calendário:

Leia mais

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de

Boletim de Atualização Tributária BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA. Código das Melhores Práticas de BOLETIM DE ATUALIZAÇÃO TRIBUTÁRIA Código das Melhores Práticas de N 40 Data 02.12.2016 Período Governança pesquisado: Atos publicados entre 25.11.2016 a 02.12.2016 RECEITA FEDERAL DO BRASIL Data da publicação:

Leia mais

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS

IRPJ, CSLL, PIS, COFINS Alguns Clientes O objetivo da Studio Fiscal é oferecer serviços de consultoria tributária, buscando otimizar a carga tributária das empresas com base em trabalhos que envolvem gestão contábil, fiscal e

Leia mais

PERDCOMP (Pedido de Eletronico de Ressarcimento ou Restituição e Declaração de Compensação)

PERDCOMP (Pedido de Eletronico de Ressarcimento ou Restituição e Declaração de Compensação) (Pedido de Eletronico de Ressarcimento ou Restituição e Declaração de Compensação) contato@agmcontadores.com.br 2015 Atualizada em março-2015 2 PER/DCOMP - PEDIDO ELETRÔNICO DE RESSARCIMENTO OU RESTITUIÇÃO

Leia mais

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL

BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL BÔNUS DE ADIMPLÊNCIA FISCAL Instituído pela Lei nº 10.637, de 2002 1) CONTRIBUIÇÃO SOCIAL SOBRE O LUCRO LÍQUIDO (CSLL) * Silvério das Neves * Adherbal Corrêa Bernardes 1.1) Alíquotas O art. 6º da Medida

Leia mais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais

Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Regime Tributário de Transição: as normas de contabilidade e os impactos fiscais Palestrantes Natanael Martins José Antonio Minatel São Paulo, 20 de junho de 2012 Lei 11.638/07 (convergência aos padrões

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº /07

RESOLUÇÃO CFC Nº /07 RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.115/07 Aprova a NBC T 19.13 Escrituração Contábil Simplificada para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

Princípios e outras definições constitucionais

Princípios e outras definições constitucionais Contribuições sociais: PIS e COFINS Esta aula aborda as contribuições sociais denominadas Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (COFINS), incidentes

Leia mais

b) Os CFOPs com substituição tributária são: Compra de mercadoria para uso ou consumo cuja mercadoria está sujeita ao regime de

b) Os CFOPs com substituição tributária são: Compra de mercadoria para uso ou consumo cuja mercadoria está sujeita ao regime de Primeiramente não existe no Regulamento do ICMS do Estado de São Paulo, Decreto 45.490/2000 o conceito de material de uso ou consumo, porém podese entender que tudo que não se utiliza como insumo e também

Leia mais

VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS

VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS VISÃO CONTÁBIL DE RECEBIMENTOS DE PRODUTOS EM BONIFICAÇÕES E DESCONTOS EM BOLETOS Bonificações A Receita Federal reconhece dois tipos de bonificações, que são: 1. Aquelas recebidas na mesma nota fiscal

Leia mais

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS)

Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais(DEFIS) Declaração Original Exercício 2016 Ano-Calendário 2015 Período abrangido pela Declaração: 01/01/2015 a 31/12/2015 1 Identificação do Contribuinte

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N O, DE 2016

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N O, DE 2016 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N O, DE 2016 (Do Sr. EDUARDO CURY) Institui o Programa de Incentivo à Regularização Fiscal do Regime Especial Unificado de Arrecadação de Tributos e Contribuições devidos pelas

Leia mais

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005

ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. ELETRONUCLEAR CNPJ: / DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 ELETROBRÁS TERMONUCLEAR S.A. CNPJ: 42.540.2 11/000 1-6 7 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31/09/2005 BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE SETEMBRO A T I V O 2005 2004 CIRCULANTE Numerário disponível 805 12.378 Aplicações

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

Edgar Almeida Santos - Sistel PIS-COFINS

Edgar Almeida Santos - Sistel PIS-COFINS Edgar Almeida Santos - Sistel PIS-COFINS INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB nº 1285 Revoga o Art. 96 e o Anexo III Art. 96 da IN 247/2002 As empresas de seguros privados, as empresas de capitalização e as entidades

Leia mais

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO

Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS. Slide 2. Slide 3 DADOS DISPONÍVEIS AO FISCO Slide 1 O CRUZAMENTO DE INFORMAÇÕES FISCAIS ATRAVÉS DAS OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS Nilson José Goedert Contador 2016 Slide 2 Obrigações Federais para Pessoas Jurídicas em Geral: 1. SPED Sistema Público de Escrituração

Leia mais

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA

Procedimento. Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto. Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA Procedimento Levantamento de Estoque e recolhimento do imposto Contribuintes sujeitos ao Regime Periódico de Apuração - RPA O contribuinte substituído, sujeito ao Regime Periódico de Apuração - RPA que,

Leia mais

PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002.

PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002. PIS/PASEP E COFINS - PROCEDIMENTOS PARA O CUMPRIMENTO DA OBRIGAÇÃO - FATOS GERADORES A PARTIR DE DEZEMBRO DE 2002. Incidência não-cumulativa 1) Da apuração do valor devido Permite o desconto de créditos

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL COORDENAÇÃO-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO E COBRANÇA ATO DECLARATÓRIO Nº 45, de 28 de setembro de 1999. O COORDENADOR-GERAL DO SISTEMA DE ARRECADAÇÃO

Leia mais

Competência Normas Gerais = LC nº 87/96 Características: Fiscal, Extrafiscal (quando dotado de seletividade), Indireto e Real PROF.

Competência Normas Gerais = LC nº 87/96 Características: Fiscal, Extrafiscal (quando dotado de seletividade), Indireto e Real PROF. ICMS IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES RELATIVAS À CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E À PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TRANSPORTE INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL E DE COMUNICAÇÃO Competência Normas Gerais = LC nº 87/96 Características:

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA O MÊS DE OUTUBRO/2011

AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA O MÊS DE OUTUBRO/2011 AGENDA DE OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA O MÊS DE OUTUBRO/2011 Até do dia Obrigação Histórico correspondente a fatos geradores ocorridos no período de 21 a 30.09.2011, incidente sobre rendimentos de: 05 IRRF

Leia mais

Janeiro-Dezembro/2014

Janeiro-Dezembro/2014 IRRF - Décimo terceiro salário 2014 - Roteiro Aqui serão analisados os aspectos gerais relacionados à retenção do Imposto de Renda incidente no pagamento do décimo terceiro salário. Introdução Os rendimentos

Leia mais

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008.

LEI Nº , DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. LEI Nº 11.827, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2008. Altera as Leis n os 10.833, de 29 de dezembro de 2003, e 11.727, de 23 de junho de 2008, relativamente à incidência do Imposto sobre Produtos Industrializados

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Simples Nacional e a transferência de créditos de PIS/COFINS Paulo Nadir Rosa de Moura* A Constituição Federal (CF) de 1988, no artigo 146, inciso III, alínea "d", dispõe que lei

Leia mais

APURAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL Pagamento da CSLL Trimestral

APURAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL Pagamento da CSLL Trimestral APURAÇÃO COM BASE NO LUCRO REAL Pagamento da CSLL Trimestral Sumário 1. Contribuintes1.1 - Entidades Submetidas à Liquidação e Falência 1.2 - Sociedades Cooperativas 1.3 - Sociedades Cooperativas de Consumo

Leia mais

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO

CONTABILIDADE E PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO CONTABILIDADE E Prof. Cássio Marques da Silva 2016 IR Imposto sobre a Renda e Proventos de Qualquer Natureza IMPOSTO SOBRE A RENDA E PROVENTOS DE QUALQUER NATUREZA Écomumentechamadode imposto de renda

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO

O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO O QUE O EXECUTIVO PRECISA SABER SOBRE OS IMPOSTOS SOBRE O LUCRO - ATUALIZAÇÃO >Quais as formas de apuração do lucro >Compensação de Prejuízos acumulados >Imposto de Renda e Contribuição Social >As alterações

Leia mais

Preenchimento do cadastro de produtos para adequação ao SAT ou NFC-e - Rev1.0

Preenchimento do cadastro de produtos para adequação ao SAT ou NFC-e - Rev1.0 PASSO-A-PASSO Preenchimento do cadastro de produtos para adequação ao SAT ou NFC-e - Rev1.0 JS SoftCom Documentação Automação Dropbox Pasta 07 Manuais e Procedimentos Configurações Retaguarda Informações

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014

BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2014 BALANÇO PATRIMONIAL ENCERRADO EM 31 DE DEZEMBRO DE 214 CONTA 1. ATIVO 1.2. ATIVO CIRCULANTE 1.2.1 Disponível 1.2.1.1 Caixa 1.2.1.2 Cobrança Vinculada 1.2.1.3 Bancos Conta Movimento 1.2.2 Realizável 1.2.2.

Leia mais

Faculdades Integradas de Taquara

Faculdades Integradas de Taquara IX DESAFIO CULTURAL DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS- 2016 Questões de Planejamento Tributário Prof. Oscar Scherer Questão nº 01 A constituição de Fundos de Investimentos Mobiliário é uma alternativa interessante

Leia mais

Graduação. Paulo Marques Roque 1 Valmir Badaró 2 Marcelo Dias da Silva 3

Graduação. Paulo Marques Roque 1 Valmir Badaró 2 Marcelo Dias da Silva 3 A INFLUÊNCIA DE PIS E COFINS NAS OPÇÕES DE TRIBUTAÇÃO DO LUCRO PRESUMIDO E DO LUCRO REAL: um estudo de caso da empresa TECMAR Industrial Química Ltda. Fagoc de Graduação e Pós-Graduação Caderno Científico

Leia mais

CIESP CAMPINAS. Tendências Atuais na Gestão de Tributos 18/04/2013

CIESP CAMPINAS. Tendências Atuais na Gestão de Tributos 18/04/2013 CIESP CAMPINAS Tendências Atuais na Gestão de Tributos Atual Jurisprudência Pis e Cofins Pedro Guilherme Accorsi Lunardelli 18/04/2013 Conteúdo da Apresentação I - Pis e Cofins Não Cumulatividade Definição

Leia mais

D C T F MENSAL - 2.4

D C T F MENSAL - 2.4 CNPJ: 43.018.225/0001-88 Mês/Ano: DEZ 2012 Dados Iniciais Período: 01/12/2012 a 31/12/2012 Declaração Retificadora: NÃO Situação: Normal Meses com ausência de débito a declarar: Qualificação da Pessoa

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributação do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) incidente sobre Loterias prêmios pagos em dinheiro

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributação do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) incidente sobre Loterias prêmios pagos em dinheiro Tributação do Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) incidente sobre Loterias prêmios pagos em 17/07/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise

Leia mais