Ano Internacional dos Solos 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ano Internacional dos Solos 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org.br"

Transcrição

1 FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA AGRICULTURA E ALIMENTAÇÃO Eixo Monumental, Via S-1 Tel: Campus do INMET Setor Sudoeste Fax: Brasília, DF, Brasil Caixa Postal A/C W3 Sul 508 CEP TERMO DE REFERÊNCIA: 016/2015 Projeto - CGP/BRA/078/GFF Projeto de Gestão Integrado do Ecossistema da Baia da Ilha Grande Componente 1 Subcomponente 1A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (EMPRESA) PARA ELABORAÇÃO DO PROGNÓSTICO DO ZONEAMENTO ECOLÓGICO ECONÔMICO COSTEIRO (ZEEC) DA BAÍA DA ILHA GRANDE (BIG) Ano Internacional dos Solos 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site:

2 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO O Projeto de Gestão Integrada do Ecossistema da Baía da Ilha Grande (Projeto BIG) constitui uma iniciativa da Secretaria de Estado do Ambiente (SEA) e do Instituto Estadual do Ambiente (INEA), em parceria com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), com o financiamento do Fundo Mundial para o Meio Ambiente (Global Environmental Fund - GEF) e a participação de diversos atores locais, incluindo as Prefeituras Municipais de Angra dos Reis e Paraty, e suas Secretarias Executivas. O objetivo básico do Projeto BIG consiste em contribuir para a conservação de longo prazo e o uso sustentável do Ecossistema da Baía da Ilha Grande (BIG) e de sua biodiversidade terrestre e marinha associada. Com esse foco, estabelece uma série de ações e atividades que visam, ao longo dos cinco anos previstos de execução do Projeto, promover o desenvolvimento e a implementação de um plano de gestão integrado dos ecossistemas da Baía. O Projeto BIG estrutura-se em cinco componentes e subcomponentes, interligados com metas e indicadores bem definidos. Os componentes podem ser resumidos em ações de: (1) Planejamento, Política e Fortalecimento Institucional; (2) Conservação da Biodiversidade e Áreas Protegidas; (3) Análise e Mitigação de Ameaças ao Ambiente e Monitoramento; (4) Consciência e Comunicação ao Público; e (5) Gerenciamento do Projeto. O componente 1 do Projeto BIG, Planejamento, Política e Fortalecimento Institucional, divide-se em três subcomponentes: 1A - Planejamento; 1B - Política; e 1C - Fortalecimento Institucional. O subcomponente 1A incorpora ações e atividades de planejamento do próprio Projeto BIG, e dos demais instrumentos de planejamento ambiental, como é o caso do Plano de Bacia Hidrográfica (PBH) e do Zoneamento Ecológico-Econômico Costeiro (ZEEC) da região da Baía da Ilha Grande. Em função da característica de transversalidade do planejamento, o componente 1 é estruturador dos demais, requerendo o estabelecimento de uma metodologia que possa ser aplicada à gestão ecossistêmica da BIG, através dos instrumentos de gestão, no caso o Zoneamento Ecológico-Econômico Costeiro - ZEEC e o Plano de Bacia Hidrográfica - PBH, ambos em processo de construção.

3 3 O ZEEC da Baía da Ilha Grande, objeto do presente TdR, está sendo coordenado pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA), por meio da Diretoria de Gestão de Águas e Território (DIGAT), através de sua Gerência de Instrumentos de Gestão do Território (GEGET). Tal instrumento será elaborado de forma progressiva nos setores costeiros fluminenses, sendo o Setor Costeiro da Baía da Ilha Grande, que abrange integralmente os municípios de Angra dos Reis, Paraty e parcialmente o município de Mangaratiba, a primeira experiência de Zoneamento Ecológico-Econômico Costeiro a ser desenvolvida no Estado. O Decreto Federal nº 5.300/04, que regulamenta a Lei Federal nº 7.661/88, define o ZEEC como um instrumento orientador do processo de ordenamento territorial, necessário para a obtenção das condições de sustentabilidade do desenvolvimento da Zona Costeira, o qual deverá ser construído em consonância com as diretrizes do Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) do território nacional, como mecanismo de apoio às ações de monitoramento, licenciamento, fiscalização e gestão. Tal instrumento, conjuntamente ao Plano de Bacia Hidrográfica da Baía da Ilha Grande PBH-BIG, serão a base para a definição do Plano de Gestão Integrada previsto pelo Projeto BIG, que tem como premissa apresentar uma visão estratégica de longo prazo e de múltiplas fases que irá salvaguardar e favorecer a recuperação ecológica dos ecossistemas da BIG. Nesse sentido, trata-se de uma atividade fundamental para o aprimoramento das demais ações relacionadas ao planejamento e ordenamento territorial, conservação, monitoramento e fiscalização na região. O processo de elaboração do ZEEC da BIG será coordenado pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA), com apoio do Projeto BIG. 2. CONTEXTUALIZAÇÃO: METODOLOGIA DE ELABORAÇÃO DO ZEEC DA BAÍA DA ILHA GRANDE A elaboração do ZEEC da Baía da Ilha Grande vem sendo coordenada e executada pelo Instituto Estadual do Ambiente (INEA), por meio da Diretoria de Gestão de Águas e Território (DIGAT), através da Gerência de Instrumentos de Gestão do Território (GEGET), com o suporte técnico e financeiro da FAO/GEF.

4 4 A metodologia de elaboração do Diagnóstico do Zoneamento Ecológico-Econômico Costeiro (ZEEC) da Baía da Ilha Grande foi definida em atendimento ao Decreto Federal nº 5.300/04 e em consonância com as proposições do documento Diretrizes Metodológicas para o Zoneamento Ecológico-Econômico (MMA, 2006), sendo estruturado nas seguintes etapas: (I) Planejamento (II) Diagnóstico; (III) Prognóstico e (IV) Subsídios à implementação, conforme representado na Figura 1. Figura 1. Fluxograma geral representando as etapas de elaboração do ZEEC para a Baía da Ilha Grande. Destacadas em verde, etapas e atividades já desenvolvidas e concluídas (I- Planejamento e II- Diagnóstico), e em laranja e vermelho, a serem executadas (III- Prognóstico e IV- Subsídios à implementação). A elaboração do ZEEC da Baía da Ilha Grande já possui as duas primeiras fases concluídas (I - Planejamento e II - Diagnóstico). Na etapa I - Planejamento, foi realizada a definição da estratégia de mobilização e participação social e a consolidação da metodologia de elaboração do ZEEC da Baía da Ilha Grande. Na etapa II - Diagnóstico, realizou-se a caracterização da situação atual da área de estudo a partir descrição e análise do meio físico-biótico, da socioeconomia e dos aspectos jurídico-institucionais, além da proposição das unidades territoriais de planejamento terrestre e marinho. O resultado do desenvolvimento e finalização dessas etapas foi compilado e sistematizado no documento intitulado Diagnóstico do Setor Costeiro da Baía da Ilha Grande: subsídios à elaboração do Zoneamento Ecológico-Econômico Costeiro (Versão Preliminar), de autoria do INEA. De modo a dar continuidade a elaboração do ZEEC da Baía da Ilha Grande, deverão ser realizadas as etapas III Prognóstico e IV- Subsídios à Implementação. Destacase que a consultoria a ser contratada nos termos deste TdR, deverá atuar na elaboração dos estudos e produtos que subsidiarão a etapa III Prognóstico.

5 5 É importante considerar que, no decorrer de todas as etapas subsequentes do processo de elaboração do ZEEC, será conduzido, concomitantemente, o processo de articulação institucional, mobilização e participação social, de modo a promover o diálogo qualificado, a negociação e a pactuação entre as partes interessadas e a sociedade. Durante a etapa I Planejamento, foram instituídas 2 (duas) instâncias de articulação político-institucional para elaboração e implementação do Zoneamento Ecológico- Econômico Costeiro da Baía da Ilha Grande, a saber: Comissão do Zoneamento Ecológico-Econômico e Zoneamento Ecológico- Econômico Costeiro do Estado do Rio de Janeiro (CZEE/ZEEC-RJ): instituída pelo Decreto Estadual nº , de 27 de dezembro de 2007, e alterada pelo Decreto nº , de 09 de abril de 2014, tem como principal objetivo promover a articulação necessária à elaboração do ZEE e do ZEEC. Grupo de Trabalho do Zoneamento Ecológico-Econômico Costeiro da Região Hidrográfica da Baía da Ilha Grande (GT ZEEC-BIG): instituído pela Portaria INEA nº 486, de 23 de agosto de 2013, tem como principal objetivo fornecer aconselhamento técnico ao Conselho Diretor do INEA (CONDIR) no que se refere à elaboração e implementação do ZEEC da Baía da Ilha Grande, sendo constituído por representantes das diversas diretorias e gerências do INEA e de órgãos e entidades de atuação regional e local convidadas. A construção do ZEEC da Baía da Ilha Grande estará sempre associada a apresentação, discussão e avaliação dos estudos e produtos desenvolvidos nessas duas instâncias (CZEE/ZEEC-RJ e GT-ZEEC), de modo a incorporar suas contribuições. Até o momento, o INEA já realizou reuniões em ambas instâncias para (i) apresentação da metodologia de elaboração do ZEEC da BIG, e (ii) apresentação da versão preliminar do Diagnóstico do Setor Costeiro da BIG, consolidando as etapas I Planejamento e II - Diagnóstico. Deverá ser apresentado, quando solicitado, os produtos previstos neste TdR, aos grupos CZEE/ZEEC-RJ e GT-ZEEC-RJ para efeito de acompanhamento dos trabalhos e apropriação dos conteúdos desenvolvidos pela CONTRATADA. O ZEEC deverá ser elaborado de forma participativa, envolvendo a realização de atividades e eventos ao longo das diferentes etapas de elaboração do instrumento. O

6 6 processo participativo do ZEEC da BIG se baseia na realização de: (i) oficinas comunitárias regionais, já desenvolvidas pelo INEA durante a etapa II Diagnóstico; e (ii) mesas de diálogo temáticas, (iii) reuniões devolutivas e (iv) consulta pública, a serem desenvolvidas na etapa III Prognóstico, conforme sistematizado na Figura 2. Figura 2. Fluxograma representando a relação entre as etapas de elaboração do ZEEC da Baía da Ilha Grande e a estratégias de mobilização e participação social. Em azul, atividades já desenvolvidas e concluídas pelo INEA, e em laranja, as atividades a serem executadas pelo INEA e pela contratada no âmbito do prognóstico. A CONTRATADA deverá desenvolver as atividades de mobilização e prover a participação social na elaboração do na etapa III Prognóstico contemplando, especificamente, o planejamento, a definição metodológica, a participação, a moderação e a relatoria das (ii) mesas de diálogo temáticas, (iii) reuniões devolutivas e (iv) consulta pública, cujo detalhamento segue abaixo: - Mesas de Diálogo: têm como objetivo subsidiar a definição das unidades de intervenção, a elaboração dos cenários e da proposta preliminar de zoneamento a partir da avaliação discussão das fragilidades, potencialidades e conflitos de uso da região. As mesas temáticas privilegiarão temas cujos atores tenham grande sinergia e/ou conflitos de uso, considerando os principais temas que representam

7 7 conflitos/problemas e precisam ser pactuados e discutidos a fim de se propor soluções de enfrentamento. Ao todo, serão realizadas 04 (quatro) mesas de diálogos temáticas com diferentes setores de interesse a serem definidos pelo INEA. - Reuniões Devolutivas Regionais (diálogo, negociação e pactuação de conflitos): têm como objetivo apresentar, validar e agregar contribuições dos participantes à proposta preliminar de zoneamento Esses eventos serão definidos pelo INEA, tendo como foco o diálogo, negociação e pactuação de conflitos na busca de mecanismos de resolução dos mesmos. Ao todo, serão realizados 03 (três) reuniões devolutivas regionais a serem definidos em conjunto com o INEA. - Consulta Pública: têm como objetivo a apresentação pública da proposta do ZEEC da Baía da Ilha Grande, visando garantir o direito à sociedade e aos demais interessados de apresentar contribuições à proposta final. Será realizada 01 (uma) consulta pública com a sociedade e interessados regionais e locais a ser definida em conjunto com o INEA. Quanto ao planejamento e a definição metodológica, a CONTRATADA deverá detalhar, em conjunto com INEA e Projeto BIG, a proposta metodológica de condução, participação e moderação dos eventos - (ii) Mesas de Diálogo, (iii) Reuniões Devolutivas Regionais e (iv) Consulta Pública - assim como a programação, os objetivos previstos e os resultados esperados, detalhados no Plano de Trabalho. Quanto à participação na estratégia de mobilização social, a CONTRATADA deverá participar, quando solicitada, das reuniões do CZEE/ZEEC-RJ, do GT-ZEEC, bem como conduzir o processo participativo nos momentos (ii) mesas de diálogo temáticas, (iii) reuniões devolutivas, e (iv) consulta pública. Também ficará a cargo da CONTRATADA a consolidação das respectivas críticas e contribuições recebidas durante o processo participativo, de modo a consolidar os estudos e produtos para a execução da etapa III Prognóstico do ZEEC da BIG. Estão previstos 08 (oito) eventos para atendimento da estratégia de mobilização e participação social de elaboração do Prognóstico do ZEEC da BIG, cujos momentos estão representados na Figura 2. Quanto a moderação e consolidação dos eventos, a CONTRATADA deverá mediar e moderar cada evento - (ii) Mesas de Diálogo, (iii) Reuniões Devolutivas Regionais e (iv) Consulta Pública - sob orientação e supervisão técnica do INEA, cabendo a mesma executar as seguintes atividades:

8 8 Moderar os 08 (oito) eventos (04 Mesas de Diálogo; 03 Reuniões Devolutivas e; 01 Consulta Pública), aplicando metodologia definida pela CONTRATADA, INEA e FAO; Realizar a consolidação dos eventos, por meio da elaboração de 08 Relatórios Preliminares, com a consolidação dos resultados de cada um. Tais relatórios deverão conter minimamente: propósito, local, data, participantes, metodologia, dinâmicas e atividades, bem como registro fotográfico e registro de áudio digital, resultados, arranjos e acordos firmados em cada evento. Os relatórios deverão ser elaborados de modo a constituir uma memória/registro de cada evento e subsidiar o INEA na internalização dos resultados para a elaboração e implementação do ZEEC. A CONTRATADA executará suas atividades de acordo com as datas de realização de eventos e reuniões preparatórias, previamente acordados com INEA e Projeto BIG, definidas no Plano de Trabalho, e deverá dispor de profissional com qualificação e experiência em moderação e condução de discussões em órgãos colegiados (de meio ambiente, de recursos hídricos, das Cidades, outros), assim como definido no item É de responsabilidade da CONTRATADA arcar com todos os custos associados a logística e alimentação dos seus profissionais e, da CONTRATANTE, a coordenação e organização dos eventos, tal como logística, locação de equipamentos, divulgação do evento junto à população, impressão e disponibilização de materiais informativos, coffee break e demais serviços necessários a sua realização. As reuniões serão realizadas no território da Baía da Ilha Grande, podendo o correr nos municípios de Paraty, Angra dos Reis e/ou Mangaratiba, e totalizarão, no máximo, 44 (quarenta e quatro) horas de moderação. De modo a manter a unicidade, harmonia e integração da metodologia de elaboração do ZEEC da BIG, a CONTRATADA deverá tomar conhecimento, analisar a metodologia e internalizar as informações, produtos e resultados consolidados pelo INEA para desenvolvimento das atividades objeto deste TdR. 3. ÁREA DE ABRANGÊNCIA A área de abrangência do ZEEC da BIG (Figura 3) corresponde ao setor costeiro da Baía da Ilha Grande, compreendido por uma faixa terrestre, coincidente com o limite da Região Hidrográfica da Baía da Ilha Grande RH I (Resolução CERHI-RJ n 107/13) e que abarca os territórios dos municípios de Paraty, Angra dos Reis e parte

9 9 de Mangaratiba (Distrito de Conceição do Jacareí), incluindo suas ilhas e ilhotes; e uma faixa marítima, abrangendo as águas interiores e estendendo-se a doze milhas náuticas a partir da linha de base (Decreto n 4.983/04), compreendendo a totalidade do mar territorial. Figura 3: Setor Costeiro da Baía da Ilha Grande, área de abrangência do ZEEC da BIG. 4. OBJETIVO DA CONSULTORIA O presente Termo de Referência tem por objetivo a contratação de consultoria especializada para prestação de serviços relacionados à elaboração dos estudos e produtos que subsidiarão a elaboração do prognóstico do Zoneamento Ecológico- Econômico Costeiro da Baía da Ilha Grande (ZEEC-BIG). Como objetivos específicos associados a esta contratação, tem-se: - Definir a metodologia de elaboração do Prognóstico; - Identificação das potencialidades, limitações e conflitos de uso e proposição das unidades de intervenção; - Elaboração de cenários tendenciais e desejados; - Elaboração de cartas de apoio à gestão ambiental;

10 10 - Elaboração da proposta de zoneamento, contemplando a identificação das tipologias de zonas, proposição de diretrizes gerais e específicas quanto aos usos permitidos, proibidos ou estimulados, critérios de enquadramento e metas de qualidade ambiental; - Elaboração de base de dados georreferenciada; - Transferência de conhecimento; - Mobilização e prover a participação social na elaboração do ZEEC da BIG. 5. ATIVIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS PELA CONTRATADA A CONTRATADA deverá realizar as seguintes atividades: 1. Elaborar Plano de Trabalho, contendo detalhamento da proposta metodológica e cronograma para a elaboração do prognóstico; 2. Identificar as potencialidades, limitações e conflitos de uso; 3. Fazer a proposição das Unidades de Intervenção; 4. Elaborar os cenários tendenciais, exploratórios e/ou normativos; 5. Fazer a proposição das Zonas Ecológico-Econômicas Costeiras; diretrizes gerais e específicas, quanto aos usos permitidos, proibidos ou estimulados; critérios de enquadramento e metas de qualidade ambiental; 6. Elaborar as cartas de apoio à gestão ambiental; 7. Construir base de dados georreferenciada; 8. Realizar a transferência de conhecimento à equipe INEA. 9. Realizar atividades de mobilização e participação social na elaboração do ZEEC da BIG; A CONTRATADA deverá trabalhar de forma conjunta com a equipe do INEA e do Projeto BIG, para facilitar o intercâmbio de informações; realizar reuniões periódicas e encontros com a equipe do INEA, para alinhamento, definição e estratégia de transferência de conhecimento; realizar discussões para geração de cada produto e; promover a transferência de conhecimento à CONTRATANTE ao longo da execução das atividades previstas neste TdR. 6. PRODUTOS A SEREM ENTREGUES PELA CONTRATADA PRODUTO 1: Plano de trabalho e proposta metodológica de elaboração do prognóstico

11 11 O Plano de Trabalho, a ser elaborado pela CONTRATADA, deverá ter o foco em todos os serviços contratados e previstos neste Termo de Referência (TdR), na sistematização de todas as etapas de desenvolvimento dos estudos, atividades técnicas a serem cumpridas e procedimentos e especificações a serem observados. O Plano deve incluir as datas de entrega dos relatórios, em consonância com os prazos e critérios estipulados no TdR. Ainda nesta etapa, serão realizadas reuniões entre a Unidade Gestora do Projeto BIG (FAO), a Gerência de Instrumentos de Gestão do Território (INEA) e a CONTRATADA para o detalhamento dos procedimentos a serem seguidos na condução dos serviços, tais como: Esclarecimento de possíveis dúvidas e eventuais complementações de assuntos de interesse, que não estejam suficientemente explícitos neste TdR e na proposta da CONTRATADA; Apresentação dos membros da equipe CONTRATADA e suas respectivas funções frente ao desenvolvimento dos serviços; Procedimentos para o fornecimento de dados de entidades envolvidas de forma a contribuir no andamento dos trabalhos; Formas de documentação das atividades e padronização de documentos; Formas de comunicação entre a CONTRATADA e a CONTRATANTE; Procedimentos de avaliação periódica e outras questões relativas ao bom fluxo dos trabalhos; e Consolidação do cronograma das atividades e entrega dos produtos. A apresentação do Plano de Trabalho e da proposta metodológica conterá no mínimo: Descrição detalhada das atividades e sub-atividades; Estrutura hierárquica das atividades; Rede de precedência; Cronograma de Gantt com destaque às datas de entregas de produtos parciais e finais; Formas de comunicação. De modo a manter a unicidade, harmonia e integração da metodologia de elaboração do ZEEC da BIG, a CONTRATADA deverá tomar conhecimento, analisar a metodologia e internalizar as informações, produtos e resultados consolidados pelo INEA para desenvolvimento das atividades. O produto consolidado pelo INEA em sua

12 12 primeira fase (Diagnóstico do ZEEC da BIG) e o detalhamento da metodologia empregada encontra-se disponível para consulta e download no Portal do INEA: > Gestão das águas > Gerenciamento costeiro > Zoneamento Ecológico-Econômico do Setor Costeiro da Baía da Ilha Grande > Diagnóstico do setor costeiro da Baía da Ilha Grande. A proposta metodológica de elaboração dos estudos e produtos que subsidiarão o Prognóstico deverá ser compatível com a metodologia de elaboração do Diagnóstico e deverá estar em conformidade com a Lei Federal nº 7.661/1988 (Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro PNGC) e Decreto Federal 5.300/2004. A metodologia deverá abranger minimamente as seguintes etapas: identificação das potencialidades, limitações e conflitos existentes no território da Baía da Ilha Grande; a proposição das Unidades de Intervenção; a proposição das tendências e cenários futuros; a proposição das cartas de subsídios à gestão ambiental; e a proposta preliminar de zoneamento, cujas zonas deverão conter diretrizes gerais e específicas, critérios de enquadramento e metas de qualidade ambiental (figura 4). Figura 4. Fluxograma das etapas de elaboração do prognóstico. Adaptado de MMA, A proposta metodológica ainda deverá observar e promover, na medida do possível, a integração e compatibilização do ZEEC junto aos demais instrumentos de planejamento e gestão ambiental que incidem sobre a área de abrangência do ZEEC da BIG, tais como o Plano de Bacia Hidrográfica da Baía da Ilha Grande, o

13 13 Zoneamento Ecológico-Econômico Estadual (ZEE-RJ), Planos Diretores Municipais, Planos de Manejos de Unidades de Conservação, dentre outros. A CONTRATADA deverá detalhar a proposta metodológica de condução e moderação do processo participativo nos momentos (ii), (iii) e (iv) (mesas de diálogo, reuniões devolutivas e consulta pública, vide figura 2) e de incorporação das respectivas críticas e contribuições na consolidação dos estudos e produtos para a execução do Prognóstico do ZEEC da BIG. Para tanto, deverá tomar conhecimento, analisar a metodologia e internalizar os resultados do momento (i) (oficinas comunitárias regionais) alcançados pelo INEA para condução dos momentos (ii) mesas de diálogo temáticas, (iii) reuniões devolutivas, e (iv) consulta pública. PRODUTO 2: Identificação das potencialidades, limitações e conflitos de uso; proposição das unidades de intervenção; memória de Mesas de Diálogo Temáticas e; base de dados georreferenciados Esta etapa subdivide-se em quatro subprodutos, a saber: a) identificação das potencialidades, limitações e conflitos de uso; b) proposição das unidades de intervenção; c) memória de quatro Mesas de Diálogo Temáticas e; d) entrega da base de dados georreferenciados. O detalhamento de cada um encontra-se elencado abaixo: SUBPRODUTO 2.1: Identificação das potencialidades, limitações e conflitos de uso A CONTRATADA deverá identificar as potencialidades, limitações ao uso dos recursos ambientais e os conflitos existentes no território da Baía da Ilha Grande a partir do cruzamento e análise integrada da base de dados do Diagnóstico do ZEEC da BIG (caracterização do meio físico-biótico, da socioeconomia, dos aspectos jurídicos e institucionais e das Unidades Territoriais de Planejamento Terrestre e Marinha), relacionando cada temática às atividades e pressões exercidas nos ecossistemas terrestres e marinhos da BIG. Para tanto, a CONTRATADA deverá considerar, minimamente, a execução das seguintes atividades: Elaboração do mapa de potencialidade socioeconômica entende-se como um conjunto de condições atuais medido pelas dimensões produtiva, natural, humana e institucional, que determina o ponto de partida de um

14 14 município ou de uma microrregião para alcançar o desenvolvimento sustentável. É um índice fundamental para o planejamento e a gestão territorial de uma região, com vistas à ampliação dos negócios, geração de emprego e renda e bem-estar social, associados ao uso adequado dos recursos naturais. Para tanto, deve-se levar em consideração fatores como: infra-estrutura de transporte, atividades econômicas, estrutura fundiária, recursos minerais, ocupação econômica, demografia, condições sociais, capacidade institucional, organizações jurídicas, financeiras, de fiscalização e controle, de segurança pública, entre outros. Elaboração do mapa de vulnerabilidade natural a noção de vulnerabilidade natural proporciona um conhecimento da situação atual do meio ambiente que pode ser tomado como ponto de partida para se atingir o desenvolvimento sustentável. Entende-se como vulnerabilidade natural a incapacidade do meio-ambiente de resistir ou recuperar-se de impactos negativos antrópicos. Áreas altamente antropizadas são menos vulneráveis a novas atividades humanas do que áreas não antropizadas (de vulnerabilidade alta). Ao remover uma floresta, por exemplo, o homem modifica o ambiente provavelmente de maneira irreversível. Já uma pastagem será capaz de regenerar com maior facilidade caso a área seja abandonada. A análise da vulnerabilidade pode ser desagregada pelos seus condicionantes por meio de mapas temáticos estratégicos, como: vulnerabilidade do solo, vulnerabilidade à erosão, vulnerabilidade à integridade da fauna, vulnerabilidade à integridade da flora, etc. Elaboração do mapa de áreas prioritárias para conservação e recuperação ambiental a conservação implica no manejo do uso da natureza, compreendendo a manutenção, a utilização sustentável, a restauração do ambiente natural, para que possa produzir o maior benefício, em bases sustentáveis, às atuais gerações, mantendo seu potencial de satisfazer as necessidades e aspirações das gerações futuras, e garantindo a sobrevivência dos seres vivos em geral. Se traduz diretamente no uso racional dos recursos, de forma planejada e sustentável, em adotar um manejo de forma a obter rendimentos, garantindo a auto sustentabilidade do meio ambiente. A recuperação ambiental, por sua vez, implica na restituição de um ecossistema ou de uma população silvestre degradada a uma condição não degradada, que pode ser diferente de sua condição original. Deverão ser apontadas as áreas prioritárias, do ponto de vista ambiental, para conservação e recuperação de ecossistemas terrestres e marinhos da BIG.

15 15 Identificação dos conflitos de usos a ser realizada a partir da análise e cruzamento das interações entre os diversos usos e atividades da BIG e as potencialidades e limitações ao uso dos recursos ambientais. Os conflitos de uso serão caracterizados em razão do uso inadequado e/ou do sobreuso dos recursos naturais, da incompatibilidade em relação as restrições legais, da contraposição de um tipo de uso em relação a outro tipo de uso, dentre outros, e deverão ser representados através de mapas temáticos. Avaliação do conteúdo de zoneamentos existentes no território no Setor Costeiro da BIG, tais como: Planos Diretores Municipais, Planos de Manejo das Unidades de Conservação de Proteção Integral e/ou Uso Sustentável, Zoneamentos Industriais, Zoneamentos de áreas pesqueiras, dentre outros. Deverão ser examinados se tais zoneamentos formam um conjunto harmônico ou conflitante quanto à proteção ambiental que se deseja para o ecossistema da BIG. Esta análise deverá identificar recomendações de aprimoramento dos zoneamentos existentes de modo a possibilitar a integração e a compatibilização das diferentes lógicas de ordenamento do espaço, sendo representada através de mapas temáticos. A CONTRATADA deverá levar em consideração os estudos pretéritos, desenvolvidos no âmbito do Diagnóstico, e deverá incorporar as contribuições oriundas do processo de mobilização e participação social. Este produto será entregue na forma de um relatório. SUBPRODUTO 2.2: Proposição das unidades de intervenção As Unidades de Intervenção correspondem ao elemento básico resultante da partição do espaço geográfico em função de características semelhantes que o individualizam em relação às demais áreas. Ou seja, consiste num processo de regionalização prévia do território da BIG, dividindo-o em função de características particulares e peculiares. Tais divisões devem ser tratadas de acordo com os princípios de desenvolvimento com conservação e preservação dos bens naturais, que fundamentarão a proposição das zonas e suas diretrizes. A CONTRATADA deverá propor as Unidades de Intervenção a partir do cruzamento e análise da base de dados do Diagnóstico e das potencialidades, limitações e conflitos de uso da BIG, tendo como referência as Unidades Territoriais de Planejamento Terrestre e Marinho (delimitadas no Diagnóstico). Além disso, deverá ser subsidiado a

16 16 partir do de discussão e negociação entre os agentes envolvidos e incorporar as contribuições oriundas do processo de mobilização e participação social, com destaque ao momento (ii) Mesas de diálogo, nas quais serão apresentadas as demandas setoriais, bem como as sugestões apresentadas pelos diversos setores. SUBPRODUTO 2.3: Memória das 04 (quatro) Mesas de Diálogo Temáticas As memórias conforme detalhado no item 2 Contextualização deverão detalhar, minimamente, os resultados, as análises e as reflexões resultantes das 04 (quatro) Mesas de Diálogo Temáticas (momento participativo ii), assim como, o resumo das principais contribuições e manifestações dos presentes e os pactos estabelecidos. Portanto, deverá conter minimamente: o propósito, local, data, participantes, procedimentos, metodologia, dinâmicas e atividades, bem como registro fotográfico, resultados, arranjos e acordos firmados em cada evento. Deverá ser elaborado pela CONTRATADA de modo a constituir uma memória/registro do evento e subsidiar o INEA na internalização dos resultados para a elaboração e implementação do ZEEC. SUBPRODUTO 2.4: Base de dados georreferenciados, em formato editável e não-editável Este produto consiste na entrega de relatório descritivo, com detalhamento das bases de dados georreferenciados a ser entregue, e entrega da base de dados SIG, em formatos editável e não editável, utilizada no desenvolvimento dos produtos anteriores. O relatório descritivo, com detalhamento das bases de dados georreferenciados a ser entregue, deverá conter, minimamente, a descrição dos documentos cartográficos - metadados -, informando a origem, o técnico responsável, se existente, a fonte do dado e outras informações que possibilitem a plena identificação do material. Os metadados devem estar adequados ao Banco de Dados Espaciais-INEA, tendo em vista a necessidade de padronização da informação. A base de dados deverá ser entregue em formato não-editável - para serem arquivados como o produto final do serviço prestado - e editável (formato original), para que possam ser utilizados como base para estudos futuros. Deverá ser sistematizada e organizada de modo a constituir um banco de dados SIG, com informações georreferenciadas, a ser entregue no formato do BDE do INEA.

17 17 A base de dados deverá ser estruturada segundo as especificações da CONTRATANTE e conter as imagens utilizadas (brutas e pós-processadas), mapas e outros materiais cartográficos que possam ser incorporados ao projeto. Os arquivos digitais tanto em formato shapefile como as imagens, conforme detalhado no item 13. Forma de apresentação dos produtos, deverão ser referidos ao Sistema de Coordenadas UTM, tendo como Datum Horizontal o SIRGAS 2000 e indicação do Fuso. A escala mínima de execução dos mapeamentos deverá ser de 1:25.000, podendo, excepcionalmente, ser ajustada em função da disponibilidade da informação. PRODUTO 3: Elaboração de cenários alternativos e desejáveis futuros (tendenciais, exploratórios e/ ou normativos) A definição de cenários visa à proposição das tendências de evolução de longo prazo, apresentando uma projeção no espaço das políticas sociais, ambientais e econômicas, considerando suas possíveis alterações, particularidades e imprevistos, de acordo com as macro-políticas reguladoras. O objetivo do cenário é estimar o desempenho desses territórios no futuro, considerando a perspectiva de continuidade do que vem se desenvolvendo e a participação das instituições responsáveis por esses territórios (em nível federal, estadual e municipal) no exercício das suas responsabilidades administrativas, de controle e de fiscalização, como determinado pelos diferentes instrumentos legais existentes. A CONTRATADA deverá conceber 3 (três) cenários, sendo eles: (i) cenário tendencial, que consistem em avaliar as tendências socioeconômicas e de ocupação do território, nos últimos anos, bem como das diretrizes observadas nas políticas públicas em vigor; (ii) cenário exploratório, que compreendem a hipótese de um expressivo crescimento econômico e de ocupação territorial superior àquele observado na condição tendencial e onde não são estabelecidos controles sobre a ocupação do território, tampouco sobre o uso dos recursos naturais; e (iii) cenário normativo, que se referem à situação almejada em termos da sustentabilidade socioeconômico-ambiental e incluindo a responsabilidade ambiental. Para tanto, a CONTRATADA deverá realizar o levantamento e a identificação de políticas, planos, programas e projetos setoriais, em execução ou previstos, que interfiram, ou possam interferir, na qualidade ambiental das faixas terrestre e marinha do Setor Costeiro da BIG, especialmente os impactos decorrentes da implantação de grandes empreendimentos, a exemplo de atividades relacionadas com o setor de Óleo

18 18 e Gás, geração de energia nuclear e grandes obras de infraestrutura. Para tanto, será fundamental a realização de entrevistas com atores e instâncias de articulação político-institucional estratégicos estaduais, regionais e/ou municipais, que influenciam direta ou indiretamente na gestão do território da BIG. Além disso, a CONTRATADA deverá realizar o levantamento e a identificação de áreas potenciais para expansão urbana (dinâmica populacional), turística, portuária, bem como a identificação e análise da evolução da instalação de indústrias associadas às atividades do setor de Óleo e Gas. Os cenários deverão ser elaborados em um horizonte de tempo de 5 (cinco), 10 (dez) e 20 (vinte) anos, considerando as inter-relações entre os temas centrais da socioeconomia e do meio físico-biótico, com vistas a apontar alternativas para o desenvolvimento sustentável. Devem-se levar em conta, na proposição dos cenários, o levantamento dos fatores críticos (conjunto de variáveis que afeta, positiva ou negativamente, as unidades de intervenção propostas), das forças propulsoras (qualquer fenômeno que impulsiona de forma positiva o comportamento de um fator crítico) e das forças restritivas (qualquer fenômeno que afete de forma negativa o comportamento de um fator crítico), além de sua correlação com as Unidades de Intervenção. Diante dos cenários apresentados, espera-se que sejam discutidas, as prioridades para a construção de um futuro sustentável para a Zona Costeira da região da Baía da Ilha Grande, a partir da perspectiva de continuidade do que vem se desenvolvendo, e da participação das instituições responsáveis por esses territórios (em nível federal, estadual e municipal) no exercício das suas responsabilidades e competências legais. PRODUTO 4: Proposição preliminar do zoneamento; memória de Reuniões Devolutivas e; base de dados georreferenciados Esta etapa subdivide-se em três subprodutos, a saber: a) proposição preliminar do zoneamento e das diretrizes gerais e específicas, critérios de enquadramento e metas de qualidade ambiental; b) memória de três Reuniões Devolutivas e; c) entrega da base de dados georreferenciados. O detalhamento de cada um encontra-se elencado abaixo: SUBPRODUTO 4.1: Proposição preliminar do zoneamento e das diretrizes gerais e específicas, critérios de enquadramento e metas de qualidade ambiental

19 19 Este produto contemplará a proposição das Zonas Ecológicas Econômicas para todo o setor costeiro da BIG, o detalhamento de suas diretrizes (gerais e específicas) quanto aos usos permitidos, proibidos ou estimulados, seus critérios de enquadramento e suas metas de qualidade ambiental. As Zonas deverão ser estabelecidas a partir das Unidades de Intervenção propostas anteriormente (Produto 2), considerando também os planos, programas e políticas setoriais priorizados pelos Governos e o processo de discussão para viabilizar a concentração de esforços, estabelecimento de parcerias e ações conjuntas. Para a proposição das Zonas, a CONTRATADA deverá observar o Decreto 5.300/04, que dispõe sobre o quadro orientador para o zoneamento e regras de uso e ocupação da zona costeira e critérios de gestão da orla marítima. Cada Zona deverá contemplar a proposição de diretrizes gerais e específicas quanto aos usos permitidos, proibidos ou estimulados, a definição de critérios de enquadramento e a proposição das metas de qualidade ambiental. O conjunto de diretrizes deverá ser referência para as políticas setoriais de desenvolvimento sustentável da Baía da Ilha Grande, tornando-se um importante instrumento de orientação dos sistemas produtivos. Logo, espera-se que o ZEEC possa contribuir, continuamente, para a formulação das estratégias de ação governamental, de forma articulada com os demais instrumentos de planejamento do poder público fornecendo subsídios para: Elevar o conhecimento técnico-científico da realidade, subsidiando o planejamento; Capacitar os gestores públicos quanto à gestão do território, para aperfeiçoar o desempenho das atividades de planejamento regional e ambiental; Ordenar e planejar a expansão dos setores agrícola e industrial, considerando as condições ambientais e socioeconômicas; Controlar e mitigar as repercussões negativas das instalações e melhorias da infraestrutura viária em implantação e as já implantadas; Orientar a aplicação de investimentos públicos e privados em bases ambientalmente sustentáveis; Subsidiar a implantação e o gerenciamento de Unidades de Conservação; Subsidiar as decisões de projetos e programas de ampliação de infraestrutura; Subsidiar a busca de soluções alternativas para o aproveitamento dos recursos naturais, avaliando e propondo soluções para diversas atividades (madeireira, extração de minérios, exploração agropecuária, extrativismo vegetal e da fauna aquática e terrestre e demais atividades extrativistas, etc).

20 20 Propor atividades produtivas que atendam a melhoria das condições de vida da população e fortaleçam a economia local e regional, procurando articular pequenas e médias atividades com grandes investimentos que exijam a participação conjunta no fluxo de produção. A proposição das zonas e suas diretrizes deverão contribuir significativamente para orientar o ordenamento territorial da zona costeira, como mecanismo de apoio as ações de monitoramento, licenciamento, fiscalização, através da integração e articulação das políticas de recursos hídricos, meio ambiente e gerenciamento costeiro, orientando os diversos órgãos e instituições estratégicas que desempenhem tais ações na região da BIG. SUBPRODUTO 4.2: Memória das 03 (três) Reuniões Devolutivas As memórias conforme detalhado no item 2 Contextualização deverão detalhar, minimamente, os resultados, as análises e as reflexões resultantes das 03 Reuniões Devolutivas (momento participativo iii),, assim como o resumo das principais contribuições e manifestações dos presentes e os pactos estabelecidos. Este produto deverá conter o apontamento das propostas que foram internalizadas para a elaboração da proposta de zoneamento e proposição de suas diretrizes. SUBPRODUTO 4.3: Base de dados georreferenciados, em formato editável e não-editável Este produto consiste na entrega de relatório descritivo, com detalhamento das bases de dados georreferenciados a ser entregue, e entrega da base de dados SIG, em formatos editável e não editável, utilizada no desenvolvimento dos produtos anteriores. O relatório descritivo, com detalhamento das bases de dados georreferenciados a ser entregue, deverá conter a descrição dos documentos cartográficos - metadados -, informando a origem, o técnico responsável, se existente, a fonte do dado e outras informações que possibilitem a plena identificação do material. Os metadados devem estar adequados ao BDE, tendo em vista a necessidade de padronização da informação. A base de dados deverá ser entregue em formato não-editável - para serem arquivados como o produto final do serviço prestado - e editável (formato original), para que possam ser utilizados como base para estudos futuros. Deverá ser

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações PROCESSO 026-2013 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal

1 - CONTEXTO O Projeto Corredores Ecológicos, componente do Programa Piloto para a Proteção das Florestas Tropicais Brasileiras tem como principal MINISTÉRIO DO MEIO AMBENTE SECRETARIA EXECUTIVA PROGRAMA PILOTO PARA A PROTEÇÃO DAS FLORESTAS TROPICAIS BRASILEIRAS PROJETO CORREDORES ECOLÓGICOS SUB PROJETO CONSOLIDAÇÃO DA CADEIA PRODUTIVA DOS ÓLEOS

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC

ANEXO I TERMO DE REFERENCIA PROCESSO LICITATÓRIO Nº 010/2011- FAO/GCP/BRA/070/EC FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA N.º

TERMO DE REFERÊNCIA N.º MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO

PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA PROJETO IICA/BRA/09/005 TERMO DE REFERÊNCIA: MODALIDADE PRODUTO 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratar consultoria por produto para formular

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações e normas

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA

Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA Projeto Nacional de Ações Integradas Público-Privadas para Biodiversidade PROBIO II AÇÕES DO MMA COMPONENTE 1: Priorização da Biodiversidade em Setores Governamentais Objetivo: Implementar a Política Nacional

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA Nº 04

TERMO DE REFERENCIA Nº 04 TERMO DE REFERENCIA Nº 04 CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA APOIO NA ELABORAÇÃO DE PRODUTO REFERENTE À AÇÃO 02 DO PROJETO OBSERVATÓRIO LITORAL SUSTENTÁVEL - INSTITUTO PÓLIS EM PARCERIA COM A PETROBRAS. Perfil:

Leia mais

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão

O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão O Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) e o uso das ferramentas de geotecnologias como suporte à decisão MundoGEO#Connect LatinAmerica 2013 Seminário Gestores Públicos da Geoinformação São Paulo, 19 de

Leia mais

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org.

Ano Internacional da Agricultura Familiar 16 de outubro Dia Mundial da Alimentação A FAO está na Internet, visite nosso site: www.fao.org. FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00040-2 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para realização de um plano de sustentabilidade financeira para o Jardim Botânico do Rio de Janeiro, no âmbito da

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente

Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente Ações de Gerenciamento Costeiro no Instituto Estadual do Ambiente Luiz Eduardo de S. Moraes Chefe do Serviço de Gerenciamento Costeiro Gerência de Instrumentos e Gestão do Território Instituto Estadual

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

PROCESSO LICITATÓRIO 016/2015 REPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS. PERGUNTA 1: Há algum modelo de desenvolvimento da proposta técnica e da comercial?

PROCESSO LICITATÓRIO 016/2015 REPOSTA AOS QUESTIONAMENTOS. PERGUNTA 1: Há algum modelo de desenvolvimento da proposta técnica e da comercial? FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ

PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ PRODUTO 1 METODOLOGIA Plano Local de Habitação de Interesse Social PLHIS Município de Teresópolis - RJ Setembro/2010 APRESENTAÇÃO Este documento denominado Metodologia é o primeiro produto apresentado

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE

PROJETO BRA/04/029. Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* MAPEAMENTO DE Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico seguranca.cidada@mj.gov.br até o dia 20 de dezembro de 2015.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE. Reserva Extrativista Chico Mendes MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Reserva Extrativista Chico Mendes Termo de Referência 2013.0729.00042-4 1 - Identificação Contratação de Serviço Pessoa

Leia mais

ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515. TERMO DE REFERÊNCIA nº 009/2009

ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515. TERMO DE REFERÊNCIA nº 009/2009 PROJETO NACIONAL DE AÇÕES INTEGRADAS PÚBLICO-PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDO NACIONAL PARA O MEIO AMBIENTE (Global Environmental Facility - GEF) ACORDO DE DOAÇÃO TF 91.515 TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação;

Compilar, organizar e disponibilizar os resultados das pesquisas científicas sobre a Unidade de Conservação; 4. PROGRAMAS DE MANEJO 4.1 PROGRAMA DE PESQUISA Objetivo Geral Visa dar suporte, estimular a geração e o aprofundamento dos conhecimentos científicos sobre os aspectos bióticos, abióticos, sócio-econômicos,

Leia mais

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis

Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Planos de Logística e Contratações Sustentáveis Jhéssica Cardoso Brasília, 5 de fevereiro de 2015 Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Elaborando Planos de Gestão de Logística Sustentável

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES TERMOS DE REFERÊNCIA PARA A CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA PARA MONITORAMENTO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES DESENVOLVIDOS POR MEIO DE TÉCNICAS DE NUCLEAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DOS TERMOS

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH

PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH PROPOSTA DE PROGRAMAS E AÇÕES PARA O PNRH Objetivo Geral PROPOR PROGRAMAS, AÇÕES E ESTRATÉGIAS, INTERSETORIAIS E INTERINSTITUCIONAIS, VISANDO ASSEGURAR O DESENVOLVIMENTO INTEGRADO E SUSTENTÁVEL DOS USOS

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO

Banco Interamericano de Desenvolvimento. Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO Instrução Operacional CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO CAMPANHAS DE CONSCIENTIZAÇÃO SUMÁRIO Página INTRODUÇÃO 3 1. ÁREA DE ATUAÇÃO 4 2. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS AO BNB 4 3. RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS 5

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 041/2010 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: CARTEIRA DE LONGO PRAZO O Projeto BRA/06/032

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL Conteúdo Programático 1) Gestão Ambiental e Desenvolvimento Sustentável: Conceitos Básicos (12 h) - Principais questões ambientais no Brasil e no mundo. - Conceitos

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PEA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NÃO FORMAL 1 1 1. APRESENTAÇÃO O presente Termo de Referência visa orientar e fornecer subsídios para a elaboração e conseqüente implantação do Programa de Educação Ambiental (PEA) a ser apresentado à Coordenadoria

Leia mais

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS

As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água. Campo Grande - MS As Interfaces entre os Processos de Licenciamento Ambiental e de Outorga pelo Uso da Água Maria de Fátima Chagas 23 de novembro de 2009 23 de novembro de 2009 Campo Grande - MS A Água e Meio Ambiente -

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO

REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO REGIONALIZAÇÃO DO TURISMO PROGRAMA NACIONAL DE ESTRUTURAÇÃO DE DESTINOS TURÍSTICOS (Documento base Câmara Temática de Regionalização) Brasília, 08.02.2013 SUMÁRIO 1. CONTEXTUALIZAÇÃO... 2 2. DIRETRIZES...

Leia mais

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL

NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL NÚCLEO TÉCNICO FEDERAL Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte PPCAAM Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria de Direitos Humanos Presidência

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 172 MA

FICHA PROJETO - nº 172 MA FICHA PROJETO - nº 172 MA Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Morro do Caçador Uma Proposta de Unidade de Conservação. 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Florianópolis, Ilha de Santa Catarina.

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa

Grupo Temático: Áreas de Proteção. Ambiental Natural. Coordenador: Walter Koch. Facilitador: Karla. Relator:Eloísa Grupo Temático: Áreas de Proteção Coordenador: Walter Koch Facilitador: Karla Ass.: Ass.: Ass.: Relator:Eloísa Porto Alegre, 06 e 07 de maio de 2006. No. Grupo Temático 58 Áreas de Proteção Rejeitado Proposta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas

TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas TERMO DE REFERÊNCIA Serviços para geração de sistema de monitoramento territorial integrado em terras indígenas 1. APRESENTAÇÃO A The Nature Conservancy (TNC) é uma organização sem fins lucrativos que

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE Unidade de Gestão Local UGL Projeto de Desenvolvimento Rural Sustentável Microbacias II TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO FINANCEIRA E ACOMPANHAMENTO DE PROJETOS 1. IDENTIFICAÇÃO DO TERMO DE REFERÊNCIA 1.1. Número: 05/2011 2. IDENTIFICAÇÃO DO CONTRATANTE 2.1. Contratante

Leia mais

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II

1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 1. Título do Empreendimento Apoio aos Municípios da UGRHI-11 para Planos Preventivos de Defesa Civil Fase II 2. Localização geográfica Toda a área da UGRHI-11 - Bacia Hidrográfica do Ribeira de Iguape

Leia mais

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL

INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL INVENTÁRIO DAS FONTES POLUIDORAS/CONTAMINANTES DOS RECURSOS VIVOS MARINHOS DO BRASIL ANTECEDENTES Em continuidade aos trabalhos do Programa Nacional de Gerenciamento Costeiro (GERCO), o Ministério do Meio

Leia mais

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente)

PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) PROGRAMA DO: Governo da República Federativa do Brasil (Ministério das Cidades Ministério do Meio Ambiente) COM APOIO DO: Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-HABITAT) e o Programa

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais.

3.1 Planejar, organizar logística e tecnicamente das Oficinas temáticas de formação da Agentes de Prevenção e seus parceiros locais. EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 10/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 10/2012 TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

PROCESSO LICITATÓRIO 019/2011

PROCESSO LICITATÓRIO 019/2011 FOOD AND AGRICULTURE ORGANIZATION OF THE UNITED NATIONS ORGANISATION DES NATIONS UNIES POUR L ALIMENTATION ET L AGRICULTURE ORGANIZACION DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA ALIMENTACION ORGANIZAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ - TERMO DE REFERÊNCIA - CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ 1. ANTECEDENTES O Estado do Amapá possui uma área de 143.453 km², o que representa aproximadamente 2% do território

Leia mais

Anexo II - Termo de Referência

Anexo II - Termo de Referência Aneo II - Termo de Referência 1. Antecedentes O projeto BRA/11/001 tem como objetivo cooperar, por meio de suporte técnico ao Ministério do Meio Ambiente, para a implementação dos dispositivos da Convenção

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

5.1. Programa de Gerenciamento Ambiental. Revisão 00 NOV/2013. PCH Jacaré Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 5.1 Programa de Gerenciamento Ambiental NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 2 2. Justificativa... 4 3. Objetivos... 5 4. Área de Abrangência...

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 43, DE 31 DE JANEIRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, e no Decreto nº 6.101,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva

Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento. Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva Prefeitura Municipal de Catanduva Banco Interamericano de Desenvolvimento Programa de Desenvolvimento Urbano Integrado de Catanduva ESTRUTURA DE ORGANIZACIONAL DO PROGRAMA O esquema organizacional do Programa,

Leia mais

Termo de Referência PROBIO II 103/2014

Termo de Referência PROBIO II 103/2014 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PROJETO NACIONAL DE AÇÕES INTEGRADAS PUBLICO-PRIVADAS PARA BIODIVERSIDADE PROBIO II FUNDO NACIONAL PARA O MEIO AMBIENTE (Global Environmental Facility

Leia mais

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM

Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM Conselho Gestor APA DA VÁRZEA RIO TIETÊ GTPM I.UNIDADE DE CONSERVAÇÃO Espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente

Leia mais

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL

AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL AVALIAÇÃO DE EFETIVIDADE DE MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS NO BRASIL 2.º CURSO SOBRE GESTÃO E MOSAICOS DE ÁREAS PROTEGIDAS DANIELE GIDSICKI FLONA DE IPANEMA, 16 DE AGOSTO DE 2012 Fotos: Daniele Gidsicki

Leia mais

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA

MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA MINUTA DE LEI DA POLÍTICA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO MUNICÍPIO DE CARIACICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º Fica instituída a Política Municipal de Educação Ambiental, seus objetivos, princípios

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA

PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA PPA Participativo 2016-2019 Metodologia para elaboração do PPA Secretaria do Planejamento Superintendência de Planejamento Estratégico Março de 2015 PPA 2016-2019 Documento político, pactuado por todas

Leia mais

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes

Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7. 1. Antecedentes Termo de Referência nº 2014.0918.00043-7 Ref: Contratação de consultoria pessoa física para desenvolver o Plano de Uso Público para a visitação do Jardim Botânico do Rio de Janeiro concentrando na análise

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2006 1. PROGRAMA: ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO- (0512)

RELATÓRIO DE GESTÃO 2006 1. PROGRAMA: ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO- (0512) RELATÓRIO DE GESTÃO 2006 1. PROGRAMA: ZONEAMENTO ECOLÓGICO-ECONÔMICO- (0512) 1.1 OBJETIVOS: 1.1.1 Objetivo Geral: Promover o zoneamento ecológico-econômico para planejar e organizar, de forma sustentável,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL PARA ATUALIZAÇÃO DOS BALANÇOS HÍDRICOS DAS BACIAS HIDROGRÁFICAS DE JOANES- IPITANGA,

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 15/05/2013-15:50:44 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2342 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1.

Leia mais

Apoio a Programas de Conservação

Apoio a Programas de Conservação Apoio a Programas de Conservação OBJETIVOS Apoiar instituições para que desenvolvam ações de conservação em médio e longo prazo, na forma de programa, que resultem em medidas efetivas de conservação. As

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA 001

TERMOS DE REFERÊNCIA 001 TERMOS DE REFERÊNCIA 001 CONSULTORIA TÉCNICA PARA PREPARAR INFORMAÇÕES PARA SUBISIDIAR O MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DAS POLÍTICAS PÚBLICAS RELACIONADAS COM O ODM #7 1. Objetivo Contratação

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA DE CRIAÇÃO: 29/07/2013 Impresso por: RODRIGO DIAS Data da impressão: 07/08/2013-18:06:16 SIGOEI - Sistema de Informações Gerenciais da OEI TERMO DE REFERÊNCIA Nº 2517 PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO DATA

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais