A importância dos índices contábeis na análise das demonstrações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A importância dos índices contábeis na análise das demonstrações"

Transcrição

1 A importância dos índices contábeis na análise das demonstrações RESUMO Evandro José dos Santos Silva Faculdade Joaquim Nabuco Curso Ciências Contábeis A avaliação das demonstrações contábeis, por meio das suas técnicas, permite aos gestores das organizações um maior conhecimento dos resultados possíveis a serem alcançados, como também, possibilitam a enxergar tendências positivas e negativas dentro de um cenário organizacional. O objetivo desse estudo é evidenciar a importâncias dos indicadores que se extraem das demonstrações contábeis que servem como apoio às tomadas de decisões dos gestores das organizações. Utilizou-se, para a realização do trabalho, a análise do balanço patrimonial e da demonstração de resultado da empresa fictícia Delta Ltda., isso para que servisse como um meio ilustrativo das aplicações dos indicadores. As observações de tendências possíveis, as análises comparativas de modo intrínseco decorrentes de observações feitas por períodos subsequentes, serão abarcadas no presente artigo de modo a evidenciar a importância dos indicadores econômico-financeiros no processo de gestão. Palavras-Chave: Análise das Demonstrações Contábeis. Índices de Liquidez. Solvências. Rentabilidade e Rotatividade. Análise Vertical e Horizontal de Balanços. The importance of accounting ratios in the analysis of financial ABSTRACT The evaluation of the financial statements, by their techniques, enables managers of organizations a better knowledge of possible outcomes to be achieved, as well as enable seeing positive and negative trends within an organizational setting. The intention of this study is to highlight the importance of the indicators that are extracted from financial statements that serve as support for decision making of managers of organizations. It was used to carry out the work, the analysis of the balance sheet and income statement for the fictitious company Delta Ltda, for that it would serve as a means of illustrative applications of the indicators. The observations of possible trends, comparative analyzes of intrinsically derived from observations made by subsequent periods will be embraced in this article in order to emphasize the importance of economic and financial indicators in the management process. Keyword: Analysis of Financial Statements. Liquidity ratios. Solvency. Profitability and turnover. Vertical and Horizontal analysis of balance sheets.

2 2 1 INTRODUÇÃO Existem diversos fatores que podem influenciar positiva ou negativamente a situação econômica e financeira da organização. Tais fatores podem ser internos ou externos da empresa. Sabendo que a mesma precisa de recursos do meio externo ao qual tem e deve relacionar-se, por consequência, acaba contraindo obrigações que deve honrá-las em um determinado momento. Todavia, durante o processo natural da sua atividade, seja a comercialização de produtos ou a transformação de recursos em produtos destinados a venda, o certo é que a empresa passa também a adquirir direitos, isso decorrente dos seus valores a receber, de investimentos aplicados, de impostos a recuperar, etc. Como a organização pode, através dos seus relatórios contábeis, adquirir informações que possam contribuir para o gerenciamento da mesma no que diz respeito ao comportamento das contas, a identificar as tendências apresentadas nas suas demonstrações, a evidenciar a capacidade de cumprimento de suas dívidas e conseguir ter o conhecimento da sua estrutura patrimonial? Isso é possível com os recursos técnicos obtidos pela análise de balanço, onde se é extraído informações que contribuem significativamente com a gestão empresarial, principalmente no que se refere às análises de prognósticos. As demonstrações Financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa, de acordo com regras contábeis. A análise de balanços transforma esses dados em informações e será tanto mais eficiente quanto melhores informações produzir. Matarazzo, (2010, p. 4). O presente artigo se ateve a abordar alguns dos principais indicadores ditos por autores que serão mencionados no transcorrer do trabalho. A importância e utilização dos índices de liquidez, os reflexos positivos e negativos da composição da estrutura de capital, os indicadores que transmitem a que ponto está à rentabilidade da organização, e os demonstrativos que indicam a rotatividade dos produtos como também dos valores a pagar e a receber, serão os elementos a serem apresentados por este artigo. A evidenciação conjunta dos mesmos seguirá na estrutura de analise vertical e horizontal da organização fictícia Delta Ltda, nas tabelas encontradas no desfecho do trabalho, mostrando a variação dos indicadores financeiros na observação de períodos. 2 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Como uma ferramenta de gestão imprescindível para as organizações, os métodos de análise das demonstrações contábeis se apresentam como meios de interpretação dos dados ali expostos os transformando em informações substanciais para propiciar aos gestores

3 3 procedimentos confiáveis de projeções de resultados e acompanhamento de desempenho, colaborando para as tomadas de decisões. Os métodos de análise de balanço seguem critérios científicos para alcançar as suas conclusões. No primeiro momento, são escolhidos os indicadores de análises que serão submetidos a testes comparativos por padrões já definidos. Em seguida, é possível determinar algum diagnóstico sobre os elementos analisados levando ao procedimento final, a tomada de decisão. Esse esquema científico é evidenciado na Figura 1. Figura 1 Etapas do processo de análise Escolha de Indicadores Comparação com padrões Diagnóstico ou conclusões Decisões Fonte: Adaptado de Matarazzo (2010, p.7). 3 AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações contábeis se referem aos relatórios que são produzidos pelos dados que se adquirem da contabilidade. Os inúmeros procedimentos contábeis que ocorrem a cada período são organizados e submetidos a evidenciar, por exemplo, a situação patrimonial da empresa em um dado momento, ou demonstrar quais foram as alterações ocorridas em seu patrimônio líquido de um ano para o outro, ou ainda desdobrar os passos que levaram a empresa a atingir um determinado resultado. Enfim, alguns relatórios gerenciais são possíveis de serem extraídos dos levantamentos contábeis para auxiliar no processo de gestão desejada. 3.1 BALANÇO PATRIMONIAL O balanço patrimonial consiste na mais importante das demonstrações contábeis evidenciando a situação da empresa em um intervalo de tempo. Segundo BRIZOLLA, (2008, p. 28) A contabilidade retrata, por meio do balanço, a situação patrimonial da empresa em determinada data, propiciando aos analistas o conhecimento de seus bens e direitos, de suas obrigações e de sua estrutura patrimonial.

4 4 O balanço patrimonial sofreu, nos últimos anos, alterações na sua estrutura, determinadas pelas leis /07, pela medida provisória 449/08 e na sua conversão na lei /09. A figura a seguir demonstra a nova estrutura resumida do balanço patrimonial que passou a ser adotada pelas empresas brasileiras a partir do ano de Quadro 1 Estrutura do Balanço Patrimonial Nova estrutura após a lei /09 ATIVO Ativo Circulante Caixa e Equivalente de caixa Clientes Adiantamentos Contas a receber Estoque Despesas Antecipadas Não Circulante Realizável a Longo prazo Investimentos Imobilizado Intangível BALANÇO PATRIMONIAL PASSIVO Passivo Circulante Fornecedores Salários a pagar Financiamentos Impostos a pagar Não Circulante Financiamento de longo prazo Obrigações com pessoas a longo prazo Outras obrigações de L.Prazo Patrimônio Líquido Capital Social Reserva de capital Reserva de Lucro (-) Ações em Tesouraria Fonte: MENDONÇA et al. (2011, p.8) 3.2 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO O lucro, que seria para o direito como sendo o animus lucrandi do empresário, ou seja, aquilo que o leva a empreender e que possibilita a continuidade da empresa é o que se busca por aqueles que aplicam os seus recursos em uma atividade empresarial. Para se apurar então esse lucro, ou um possível prejuízo, a contabilidade utiliza-se da DRE (Demonstração do Resultado do Exercício), que é um sistema de cálculo ordenado que se baseia pelo princípio da competência, aonde as receitas e despesas serão apuradas de acordo com a ocorrência do fato e não pelo seu recebimento ou desembolso. Segundo Iudícibus, (2008, p. 45) A Demonstração do Resultado do Exercício é um resumo ordenado das receitas e despesas da empresa em determinado período. É apresentado de forma dedutiva

5 5 (Vertical), ou seja, das receitas subtraem-se as despesas e em seguida, indica-se o resultado (lucro ou prejuízo). Abaixo segue o esquema da elaboração de uma DRE. Quadro 2 Estrutura das demonstrações de resultado DRE - Demonstração do Resultado do Exercício Receita Bruta (-) deduções.= Receita Líquida (-) Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) = Lucro Bruto (-) Despesas operacionais + Outras Receitas Operacionais = Lucro Operacional antes do Resultado Financeiro + Receitas Financeiras (-) Despesas Financeiras = Lucro Operacional (+/-) receitas/ despesas não operacionais = Lucro Antes do IRRF e CSLL (-) IRRF (-) CSLL = Lucro/Prejuízo Fonte: Elaborado pelo autor. 4 CONCEITOS E APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS DE ANALISE DE BALANÇO Pela necessidade de extrair informações que levem a uma melhor tomada de decisão pelos gestores, existem algumas técnicas de análise de balanço que tem um maior destaque, como ilustra Miguel (2009, P. 11), As técnicas mais conhecidas da análise de balanço são: Análise horizontal, análise vertical, análise dos índices e quocientes, sendo estes últimos melhores para analisar a saúde financeira das empresas. 5 ÍNDICES DE BALANÇO Os índices de balanço mostram as relações entre contas e os reflexos dos seus resultados no andamento das atividades da empresa. Segundo o próprio conceito de índice, como sendo aquilo que expressa alguma qualidade, é com tal propósito que os gestores utilizam dessa ferramenta para melhor elaboração dos seus projetos. Os índices servem de medida dos diversos aspectos econômicos e financeiros das empresas. Assim como um médico usa certos indicadores, como pressão e temperatura, para

6 6 elaborar o quadro clínico do paciente, os índices financeiros permitem construir um quadro de avaliação da empresa. (MATARAZZO, 2010, p. 82). 5.1 PROCEDIMENTOS PARA AVALIAÇÃO DOS ÍNDICES São três os tipos mais comuns de avaliação dos índices contábeis: Avaliação Intrínseca: Corresponde a uma análise de elementos qualitativos unicamente internos. No quadro abaixo é ilustrado uma situação onde a empresa apresenta um valor elevado no ativo permanente fazendo com que o seu índice de imobilizado sobre o PL, que será explica nesse material, ficasse muito elevado para os padrões atuais. Porém, por algum critério interno, essa situação é considerada ideal, pois a maioria de seus diretores deve ter uma postura mais conservadora. Tabela 1 Balanço Patrimonial BALANÇO PATRIMONIAL A T I V O P A S S I V O Ativo Circulante Passivo Circulante Disponível R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Estoque R$ ,00 Empréstimos Bancários R$ ,00 Aplicações Financeiras R$ ,00 Não-Circulante Ativo Não Circulante Empréstimos Bancários R$ ,00 Investimentos R$ ,00 Imobilizado R$ ,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital Social R$ ,00 Reservas de Capital R$ ,00 R$ ,00 R$ ,00 Fonte: Elaborada pelo Autor. Índice imobilizado sobre o PL R$ ,00/R$ ,00 = 1,66. Sabe-se que um valor elevado no ativo permanente representa dinheiro parado que poderia ser aplicado nas atividades operacionais da empresa, por isso a atitude do corpo de dirigentes da organização, numa visão atual da gestão empresarial, seria inadequada. Avaliação por índice-padrão: Silva, apud Duarte; Lamounier, (2007, P. 13) conceitua índice-padrão como um referencial de comparação, ou seja, a comparação de determinado índice de uma empresa em particular com um índice-padrão.... Na questão comparativa, busca-se analisar se a elevação do valor de um índice é positiva

7 7 ou negativa para a empresa. Para isso se faz necessário estabelecer procedimentos de respostas aos valores encontrados. Comparação temporal: Esta avaliação refere-se a analise dos dados empresariais em períodos sequenciais para que possibilitem a visualização das oscilações e tendências, como explana Walczac (2008, p 25) Analise temporal: [...]é aquela desenvolvida com a finalidade de mapear ou acompanhar a evolução de determinado elemento patrimonial ou de resultado da empresa em determinados períodos de tempo, isto é, pode avaliar a evolução, por exemplo, das vendas líquidas em três, quatro ou mais exercícios sociais. Walczac (2008, p 25). 5.2 PRINCIPAIS ÍNDICES E SUAS APLICABILIDADES Alguns índices são usados com maior frequência pelas empresas devido a sua importância gerencial. Há outros índices que são analisados, por vezes, pelos usuários externos que tenham algum interesse na saúde financeira da empresa, seja para avaliação de investimento ou para concessão de financiamento, como fazem as instituições bancárias. Porém, há índices que são considerados como principais entre os profissionais e autores. Certos índices, como participação de capital de terceiros, liquidez corrente e rentabilidade do patrimônio líquido, são usados por praticamente todos os analistas. Outros, porém, como composição do endividamento, liquidez seca, rentabilidade do ativo, margem de lucro, nem sempre fazem parte dos modelos de análise. (MATARRAZZO, 2010). Os índices transmitem informações importantes sobre a situação de solvência ou liquidez das empresas (sua capacidade de pagamento), sobre a forma como está estruturado o seu capital (como estão distribuídos as suas obrigações) e sobre a rentabilidade (o retorno dos investimentos). Porém, não é possível esquecer que se faz necessário analisar os índices com relação aos intervalos de tempos ocorridos. Por isso, outros indicativos importantes são os de rotatividade, onde se analisam os giros do estoque, os prazos médios de recebimento de vendas a prazo, os prazos médios de pagamentos a fornecedores, entre outros que também serão vistos mais adiante ÍNDICES DE LIQUIDEZ OU SOLVÊNCIA Índice de liquidez Geral ILG = Ativo Circulante + Realizável a longo prazo Passivo Circulante + exigível a longo prazo

8 8 Este índice possibilita observar a saúde financeira de longo prazo da empresa, segundo IUDÍCIBUS (2010). É preciso, porém, estabelecer uma relação dos índices com os prazos a que são submetidos cada cumprimento dos passivos e os recebimentos dos ativos. Neste trabalho será apresentado um estudo dos índices e outros elementos de análise de forma conjunta, devido à interligação entre os mesmo. Índice de liquidez imediata ILI = Disponível Passivo Circulante Este índice representa a relação direta entre os disponíveis da empresa com as suas obrigações de curto prazo. Reflete a qual grau está a sua possibilidade em honrar as suas obrigações mais urgentes. Também índica o quanto de valor está preso no seu ativo que poderia está sendo aplicado em investimentos financeiros. Índice de Liquidez Corrente ILC = Ativo Circulante Passivo Circulante Segundo IUDÍCIBUS (2010, p. 94), o quociente de liquidez corrente é um índice muito divulgado e considerado como o melhor indicador da situação de liquidez da empresa. Pois esse indicativo faz uma relação com os elementos do ativo que podem ser transformados, em curto prazo, em dinheiro para que saldem as obrigações também de curto prazo. No numerador encontram-se os elementos do ativo circulante como os disponíveis, os estoques, valores a receber, os impostos a recuperar e as despesas antecipadas, ou seja, não há exclusão de contas na sua formulação, nem do ativo circulante, como também nem tão pouco do passivo circulante.

9 9 Índice de Liquidez Seca ILS = Ativo Circulante - Estoques Passivo Circulante Este índice faz uma relação das obrigações compostas no passivo circulante com os ativos de maior liquidez no ativo circulante, no caso, excluem-se os estoques. Isso se deve pelo fato de que, dependendo da atividade da empresa, não seja possível contar com algum produto em estoque pelo mesmo ter uma perecividade elevada. Os analistas das instituições concedentes de créditos, por vezes, consideram um valor excessivo no estoque como sendo uma atitude errônea da empresa com relação a sua gerência de compra e venda dos produtos, podendo vir a dificultar a concessão de financiamentos EXPOSIÇÃO PRATICA DOS ÍNDICES DE LIQUIDEZ O quadro a seguir representa a situação patrimonial da empresa fictícia Delta Ltda que atua na comercialização de Alimentos, onde nos servirá para que sejam mostradas as aplicações dos índices de liquidez vistas neste artigo. Tabela 2 Balanço Patrimonial Dezembro 2012 BALANÇO PATRIMONIAL EMPRESA DELTA LTDA DEZEMBRO 2012 Ativo Total R$ ,00 Passivo Total R$ ,00 Ativo Circulante R$ ,00 Passivo Circulante R$ ,00 Caixa R$ ,00 Fornecedores R$ ,00 Bancos R$ ,00 Empréstimos R$ ,00 Clientes R$ ,00 salários R$ ,00 Estoques R$ ,00 Passivo Não Circulante R$ ,00 Ativo Não circulante R$ ,00 Empréstimos R$ ,00 Realizável a L.Prazo R$ ,00 Patrimônio Líquido R$ ,00 Investimentos R$ ,00 Capital Social R$ ,00 Imobilizado R$ ,00 Lucro/Prejuízo - Fonte: Elaborada pelo autor Cálculos dos índices: Liquidez geral L.G. = (R$ R$ ) / (R$ R$ ) = 1,08

10 10 Este valor revela que para cada R$ 1,00 de divida da empresa com terceiros, a empresa tem R$ 1,08 para saldá-las, ou seja, há uma sobra de R$ 0,08. A condição dita como ideal pelos autores é que este indicador esteja acima de 1,00. Liquidez Corrente L.C. = R$ /R$ = 1,28 Nesta situação, para cada R$ 1,00 de divida existente no passivo circulante a empresa dispõe de R$ 1,28 para cobri-las. O índice de liquidez corrente não deve ser encarado como um valor absoluto, uma vez que a transformação dos valores de alguns dos ativos circulantes em moeda levará algum tempo. Matarazzo ressalta essa importante observação. Os recursos do ativo circulante entrarão em caixa num momento diferente da saída para pagamento do passivo circulante. O ideal é que as entradas em caixa sejam equivalentes às saídas. Cabe à administração financeira da empresa atingir cotidianamente esse ideal, manobrando os prazos de recebimento e pagamento e renovando empréstimos bancários. (MATARAZZO 2010, p. 107). Liquidez Seca L.S. = (R$ R$ ) / R$ = 0,87 Neste caso a empresa tem a capacidade de honrar com 87% das dividas do passivo circulante sem a necessidade de vender as suas mercadorias em estoque. O ativo circulante da empresa Delta apresenta contas como aplicações, Clientes e as Disponibilidades num valor total de R$ ,00, o que representa 36% do total do ativo da mesma, sendo elas as responsáveis por honrar boa parte das obrigações com terceiros. De acordo com Iudícibus: Liquidez Imediata Em certas situações, pode-se traduzir num coeficiente bastante conservador, visto a alta rotatividade dos estoques. O quociente apresenta uma posição bem conservadora da liquidez da empresa em determinado momento, sendo preferido pelos emprestadores de capitais. (IUDÍCIBUS 2010, p. 96). L.I. = (R$ R$ ) / R$ = 0,44 A empresa Delta poderia honrar com 44% das suas obrigações de curto prazo se utilizasse apenas os seus recursos Imediatos, ou seja, as suas disponibilidades. Segundo

11 11 análises comparativas e tendências de mercado, as empresas devem utilizar-se o mínimo necessário de recursos imediatos, apenas em quantidades adequadas para tocar as atividades operacionais. Isso porque os valores excedentes poderiam está sendo aplicados em investimentos ou em produtos que poderiam lhe propiciar um maior retorno. É preciso observar o seguimento da empresa, no caso em questão se trata de uma empresa do ramo alimentício, mas se fosse uma instituição financeira, já seria interessante ter um índice de liquidez imediata de elevado valor por si tratar de um seguimento que exige essa disponibilidade ESTRUTURA DE CAPITAL ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO Participação de Capital de Terceiros PCT = Passivo Circulante + Passivo Não Circulante Patrimônio Líquido Este indicativo demonstra a origem dos recursos adquiridos pela empresa (capital de terceiros e capital próprio) e o grau de dependência em que a mesma se encontra. Em uma análise genérica o valor encontrado deve ser o menor possível, pois a sua majoração pode atribuir um risco à atividade empresarial. Por outro lado, a empresa pode preferir usar mais recursos de terceiros sabendo que o lucro estimado tende a ser mais elevado do que os custos com pagamentos a terceiros. Composição do Endividamento terceiros. Neste índice encontra-se como estão distribuídas as obrigações da empresa perante os CE = Passivo Circulante Passivo Circulante + Passivo Não Circulante

12 12 Para os gestores é de fundamental importância saber os prazos e as quantidades de valores que devem ser pagos para que possam estabelecer os seus planejamentos financeiros. A interpretação do índice de CE é no sentido de que quanto maior, pior, mantidos os demais fatores. A razão é que quanto mais dívidas para pagar a curto prazo, maior será a pressão para a empresa gerar recursos para honrar seus compromissos. (TELES, Cristhiane. Análise dos demonstrativos contábeis - UFPA, 2003). Imobilização do Patrimônio Líquido Este índice é encontrado pela formula mencionada por MATARAZZO (2010) IPL = Ativo Permanente Patrimônio Líquido Este índice representa o quanto que a empresa está incrementando de seus recursos próprios nos ativos que compõe o imobilizado da empresa. Os recursos oriundos do patrimônio líquido são destinados para o ativo circulante e para o ativo permanente da empresa sendo que é preciso achar a equação ideal, pois, segundo Matarazzo (2010), a empresa pode se torna mais dependente de capital de terceiros quando a mesma usa a maioria dos seus recursos próprios para aplicar no seu ativo permanente EXPOSIÇÃO PRÁTICA DOS ÍNDICES DE ENDIVIDAMENTO Usando ainda como referencia a tabela 2, a qual foi utilizada para encontramos os índices de liquidez, seguem os cálculos para as determinações dos índices de endividamento: Participação de capital de Terceiros P.C.T. = (R$ R$ )/(R$ ) = 1,83 Este índice indica que para cada R$ 1,00 que a empresa está investindo com os seus próprios recursos, ela capta R$ 1,83 com terceiros. Segundo Iudícibus (2010), este quociente, quando perdura o seu resultado muito à cima de 1,0, tal resultado se torna um fator

13 13 preocupante, uma vez que as empresas que estiveram em processos de falência apresentaram esse sintoma. Porém, resalta o autor, que não necessariamente haja uma tendência de falência a empresa ter um quociente alto, mas nas maiorias dos casos se é preciso dosar a capitação equilibrada de recursos próprios com os de terceiros. Composição do Endividamento C.E = R$ /(R$ R$ ) = 0,64 Nesta situação, 64% das dívidas da empresa estão no passivo circulante fazendo com que a mesma se preocupe em ter um fluxo de caixa no mesmo nível para poder honrar os seus compromissos mais urgentes. Imobilização do Patrimônio líquido I.P.L. =( (R$ R$ ) / R$ ) = 0,84 Neste caso, a empresa está aplicando 84% dos seus recursos próprios no ativo permanente. Segundo Matarazzo (2010), a parcela excedente, os 16%, é chamado de Capital Circulante Próprio (CCP = PL AP), que representa a parcela empregada no ativo circulante com recursos próprios da empresa ÍNDICES DE RENTABILIDADE O valor expresso do lucro auferido de uma empresa, por si só, não consegue expressar o quanto de retorno foi alcançado pela mesma sobre o valor que foi investido, ou dimensionar a proporção da sua lucratividade. De acordo com Iudícibus (2010, p.118), devemos relacionar um lucro de um empreendimento com algum valor que expresse a dimensão relativa do mesmo, para analisar quão bem se saiu a empresa em determinado período. Entre os índices de rentabilidade existentes, seguem à baixo alguns com maior aplicabilidade pelos gestores, no que se refere à análise de retorno de investimento e projeções de resultados.

14 14 Giro do Ativo Este índice evidencia a relação entre o volume de vendas com o total dos investimentos aplicados. Quanto maior for o valor demonstrado, melhor será o seu resultado. G.A. = Venda Líquida Ativo Total Segundo Matarazzo (2010), o valor da receita descrita na DRE necessita de um elemento que possa ser utilizada como comparação de resultado. Uma empresa que alcançou um valor de R$ em vendas e tem seu ativo total em R$ , pode considerar segundo comenta o autor, como sendo um resultado com vendas realmente elevado, uma vez que o seu resultado é duas vezes maior do que o seu próprio ativo. Porém, se o valor do seu ativo fosse R$ , o seu volume de vendas seria considerado baixo. Rentabilidade do Patrimônio Líquido RPL = Lucro Líquido PL Seguindo o raciocínio das interpretações dos índices, este busca retratar o retorno que uma empresa aufere com relação aos seus recursos próprios investidos, ou seja, com relação àqueles valores constantes no patrimônio líquido da mesma. Segundo Matarazzo (2010), Margem Líquida O papel do índice de rentabilidade do patrimônio líquido é mostrar qual a taxa de rendimento do capital próprio. Essa taxa pode ser comparada com a de outros rendimentos alternativos no mercado, como caderneta de poupança, CDBs, Letra de Câmbio, Ações, Fundos de Investimentos, etc. Com isso se pode avaliar se a empresa oferece rentabilidade superior ou inferior a essas opções. Matarazzo (2010, p.116) M.L. = Lucro Líquido Vendas Líquidas

15 15 Este índice revela o quanto que a empresa consegue gerar de lucro com relação às suas vendas subtraídas das deduções. Também é utilizada como um comparativo com outros rendimentos externos, pois é necessário saber se a lucratividade da empresa está sendo satisfatória. Existe também o cálculo da Margem Líquida Operacional, que utiliza como numerador o valor do lucro operacional (Resultado que se encontra antes das deduções ou acréscimos dos resultados não operacionais) e permanece como denominador as Vendas Líquidas. Este último índice busca medir a capacidade operacional da empresa em gerar resultados. Retorno Sobre o Investimento R.I. = MARGEM LÍQUIDA X GIRO DO ATIVO Este índice demonstra qual é o percentual de retorno de um investimento em um determinado período. Tal como o Payback (retorno do capital investido), esse índice também desconsidera a valor do dinheiro no tempo, ou seja, sabe-se que há a desvalorização temporal do dinheiro e que, para cálculos financeiros, por vezes utiliza-se o método de valor presente para encontrar o valor atual de um investimento descontado os juros, taxas de atratividade, ou considerando a inflação EXPOSIÇÃO PRÁTICA DOS ÍNDICES DE RENTABILIDADE E LUCRATIVIDADE Para expor as exemplificações dos índices de rentabilidade segue a DRE da empresa Delta. Também serão usadas as informações constantes na Tabela 2, para acharmos os valores das contas patrimoniais.

16 16 Tabela 3 Demonstração do Resultado da Delta Ltda. DRE - DELTA LTDA. Receita Bruta R$ ,00 (-) deduções R$ ,00.= Receita Líquida R$ ,00 (-) Custo das Mercadorias Vendidas (CMV) -R$ ,00 = Lucro Bruto R$ ,00 (-) Despesas operacionais -R$ ,34 + Outras Receitas Operacionais - + Receitas Financeiras R$ ,45 (-) Despesas Financeiras -R$ ,89 = Lucro Operacional R$ ,22 (+/-) receitas/ despesas não operacionais R$ ,01 = Lucro Antes do IRRF e CSLL R$ ,23 (-) IRRF -R$ ,78 (-) CSLL -R$ ,67 = Lucro/Prejuízo R$ ,77 Fonte: Elaborado pelo autor Giro do Ativo = (R$ ,00 / R$ ,00) = 1,82 Essa situação mostra que para cada R$ 1,00 investido na Empresa ela conseguiu realizar R$ 1,82 em vendas. Mas adiante, será mostrado um quadro geral com todos os índices em tabelas contendo períodos distintos para que os resultados possam transmitir uma melhor interpretação. A princípio, a intenção é conceituar os índices para que, posteriormente, uma explicação conjunta possa ser demonstrada aonde poderá ser extraído um maior número de informações relevantes. Rentabilidade do PL = (R$ ,77 / ,00) = 0,71 Neste caso, para cada R$ 1,00 composto no PL a empresa Delta consegui obter um lucro correspondente a R$ 0,71, evidenciando uma rentabilidade sobre o patrimônio bastante expressiva, 71%. Margem Líquida = (R$ ,77 / R$ ,00) = 0,14 O valor encontrado pode ser representado em percentual, como é demonstrado na análise vertical do resultado do exercício (assunto que ainda será mostrado adiante) e significa que o lucro líquido obtido representa 14% do valor das vendas líquidas.

17 17 Retorno Sobre o Investimento Total = R.I. = (0,14 x 1,82) = 0,25 OU (R$ ,77 / R$ ,00) = 0,25 É possível encontrar o mesmo resulta aplicando as fórmulas Margem líquida X Giro do Ativo ou simplesmente usando o Lucro / Ativo Total. O valor encontrado significa que a empresa obtém de retorno sobre o investimento 25% do que foi aplicado. Como o índice ignora a desvalorização do dinheiro no tempo, então é possível dizer que a empresa recuperaria o capital investido em quatro períodos ÍNDICES DE ROTATIVIDADE Os índices de rotatividade demonstram o prazo médio de giro de um grupo de conta qualquer. No caso, veremos os prazos médios de retorno do estoque (PMRE), prazos médio de pagamento de compras (PMPC), prazo médio de recebimento de vendas (PMRV). O conjunto desses três resultados possibilita o conhecimento do ciclo operacional e ciclo financeiro da empresa. Prazo Médio de Rotatividade do Estoque PMPC = MÉDIA DE FORNECEDORES CMV X 360 Este índice demonstra a quantidade de dias em que um produto permanece no estoque até o momento da sua venda. Porém, de acordo como queiram os gestores, o resultado também pode ser obtido em semanas, meses ou anos, dependendo da análise. Supondo que o saldo do ano de 2011 na conta Estoques tivesse sido de R$ ,00, o PMRE seria o seguinte: PMRE = ((R$ ,00 + R$ ,00)/2 / R$ ,00) X 360 = 42 Dias

18 18 Prazo Médio de Pagamento de Compras PMRE = MÉDIA DOS ESTOQUES CMV X 360 Este índice evidencia a quantidade de dias que a empresa dispõe para pagamento aos seus fornecedores. Obviamente que os gestores buscam um equilíbrio entre os prazos de recebimento das vendas e pagamento das compras para que possam honrar com os compromissos adquiridos sem ter que recorrerem a financiamentos. Supondo que o saldo do ano de 2011 na conta fornecedores foi de R$ ,00, o PMPC seria o seguinte: PMRC = ((R$ ,00 + R$ ,00)/2) / R$ ,00) X 360 = 52 dias Prazo Médio de Recebimento de vendas PMRV = MÉDIA DAS DUPLCATAS A RECEBER X 360 VENDAS Este índice mostra a quantidade de dias necessários para os recebimentos das vendas realizadas a prazo. Obvio que a condição que se espera alcançar é a de um tempo curto para o recebimento. Supondo um saldo anterior na conta Clientes de R$ ,00, a quantidade de dias que a Delta dispões para os recebimentos de suas vendas será: PMRV = (( (R$ ,00+ R$ ,00)/2) / R$ ,00) X 360 = 23 Dias CICLO OPERACIONAL E CICLO FINANCEIRO Em posse dos prazos médios mencionados à cima a empresa pode visualizar como está sendo distribuído o ciclo da sua atividade operacional, que se refere ao intervalo que se inicia no momento da aquisição da mercadoria até o recebimento da venda da mesma. Também visualiza o seu ciclo financeiro, que se refere ao intervalo que vai desde o pagamento ao

19 19 fornecedor até o recebimento das vendas. Também existe uma fórmula para o ciclo financeiro que é: Ciclo Financeiro = PMRE + PMRV - PMPC = = 13 dias Figura 2 Ciclo Operacional CICLO OPERACIONAL 1º dia PMRE 42º dia 52º dia 65º dia Ciclo Financeiro PMPC PMRV Fonte: COSTA. < acesso em: 23 de fevereiro de Como dito antes, o ciclo operacional compreende o tempo necessário para que ocorra a compra, venda, pagamento a fornecedor e recebimento pela venda da mercadoria. 6 ANÁLISE VERTICAL E HORIZONTAL Na avaliação das contas expostas nas demonstrações contábeis se faz necessário estabelecer uma relação de comparabilidade para que os valores ali declarados possam atribuir algum significado que venha a contribuir para as tomadas de decisões futuras. Segundo Assaf Neto, (2007, p. 115 Apud Bischoff, 2011, p. 9): O montante de uma conta ou de um grupo patrimonial isoladamente na retrata adequadamente a importância do valor apresentado e muito menos o seu comportamento ao longo do tempo. Nesse contexto, surge a importância das análises vertical e horizontal para transmitir uma informação mais

20 20 significativa de uma conta com algum outro elemento comparativo que venha a propiciar um maior conhecimento sobre sua variação. 6.1 ANÁLISE VERTICAL Esta análise consiste em avaliar uma conta com um elemento do seu grupo. Na análise vertical do balanço patrimonial, uma conta é relacionada com o total do seu grupo, por exemplo: A conta estoques pode ser relacionada com o total do ativo, com isso sabemos qual é o percentual do estoque em relação ao valor total do seu grupo. Imaginemos que essa mesma conta estoque tem como saldo no balanço patrimonial o valor de R$ ,00 e que o total do ativo corresponde a um valor de R$ ,00, ao aplicarmos a fórmula da análise vertical ((CONTA ANALISADA / TOTAL DA CONTA DO GRUPO) X 100), acharemos o valor de 38,66%, isso se refere à participação dos estoques com relação ao total do ativo, ou seja, a conta estoque representa, aproximadamente, 38,6% do ativo da empresa. No caso da análise vertical da DRE, se é mais comum utilizar, como elemento a ser relacionado, o valor da receita líquida, então todos os outros valores componentes da demonstração de resultados serão relacionados a essa conta. Se o valor da receita liquida, numa situação hipotética a título de ilustração, for de R$ ,00 e o valor da CMV for de R$ ,00, então saberemos que o percentual do CMV em relação à receita líquida será de 63%, valor encontrado ao se aplicar a formula: ((CMV / RECEITA LÍQUIDA) X 100). 6.2 ANÁLISE HORIZONTAL Na análise horizontal o que se busca encontrar é indicativo de tendências. Como referencia, se é determinada uma data base, exemplo o ano de 2010, então todas as contas desse ano serão a base para determinar o comportamento das variações das mesmas contas, porém nos anos subseqüentes. Se, no ano base de 2010, a conta imobilizado representava o valor de R$ , e no ano de 2011 o valor da mesma foi apresentado com o saldo de R$ , percebemos que, ao aplicarmos a fórmula da análise horizontal ((SALDO DA CONTA ATUAL / SALDO DA CONTA BASE) X 100), teremos o valor de 152,17%, ou uma variação a maior de 52,17%.

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NAS MICROS E PEQUENAS EMPRESAS Claudio Barbosa Cardoso Orientador: Benedito Giovani Martins de Paula Linha de Pesquisa: Demonstrações Financeiras Universidade

Leia mais

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES.

AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO NAS TOMADAS DE DECISÕES. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ UFPA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS INDICADORES ECONÔMICO- FINANCEIROS: IMPORTANTE CONHECIMENTO

Leia mais

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS

INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS INDICADORES FINANCEIROS NA TOMADA DE DECISÕES GERENCIAIS ANA BEATRIZ DALRI BRIOSO¹, DAYANE GRAZIELE FANELLI¹, GRAZIELA BALDASSO¹, LAURIANE CARDOSO DA SILVA¹, JULIANO VARANDAS GROPPO². 1 Alunos do 8º semestre

Leia mais

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga

Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga Faculdade Carlos Drummond de Andrade Profa. Katia de Angelo Terriaga CONTABILIDADE GERENCIAL ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA ATRAVÉS DE ÍNDICES Importância da Análise Através de Indicadores. Visa obter através

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO

ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 ANÁLISE ECONÔMICA DE BALANÇO 1 QUOCIENTES DE RENTABILIDADE Os Quocientes de Rentabilidade servem para medir a capacidade econômica da empresa, isto é, evidenciam o grau de êxito econômico obtido pelo

Leia mais

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1

Prefácio, xvii. Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 Prefácio, xvii Parte I Ambiente da Análise Financeira, 1 1 Amplitude da análise financeira, 3 1.1 Visão estratégica da empresa, 3 1.2 Que é análise financeira de empresas, 6 1.3 Análise financeira e áreas

Leia mais

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson

Analise de Rentabilidade. Prof. Peter Wilson Analise de Rentabilidade Prof. Peter Wilson 1 Fases de Crescimento e Desenvolvimento Alto Receita Baixo Tempo 2 Fonte: Venture 1000.com O Consumo do Caixa Apresenta Diferentes Dinâmicas em cada Estágio

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NUMA PERSPECTIVA ORGANIZACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NUMA PERSPECTIVA ORGANIZACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS NUMA PERSPECTIVA ORGANIZACIONAL THE IMPORTANCE OF ANALYSIS OF FINANCIAL STATEMENTS IN PERSPECTIVE ORGANIZATIONAL Elivelton Augusto Oliveira Gomes (UNISEPE/FVR)

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº. Disciplina Estrutura e Análise das Demonstrações Contábeis CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA 6º CCN Turno/Horário Noturno PROFESSOR: Salomão Soares AULAS Apostila nº.

Leia mais

Analise Financeira ou de Balanço

Analise Financeira ou de Balanço ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS FASF- FACULDADE SAGRADA FAMÍLIA CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. EDENISE Analise Financeira ou de Balanço Avaliação da Situação da Empresa em seus

Leia mais

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS

ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DO DESEMPENHO ECONÔMICO-FINANCEIRO DE EMPRESAS DA REGIÃO DO VALE DO TAQUARI - RS Geisibel Costa da Silva Lajeado, outubro de 2014 Geisibel

Leia mais

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração

Análise Horizontal. Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração Análise Horizontal Consiste no estabelecimento de um ano-base, no qual cada item componente da demonstração será designado pelo número-índice 100. Será verificada a tendência do item a partir de sua variação,

Leia mais

Análise Através dos Índices

Análise Através dos Índices PARTE II Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Através dos Índices 1 RECORDANDO 1.1 INTRODUÇÃO Numa empresa, freqüentemente os responsáveis pela administração estão tomando decisões, quase todas

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1

ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 ANÁLISE DE BALANÇOS MÓDULO 1 Índice Análise Vertical e Análise Horizontal...3 1. Introdução...3 2. Objetivos e técnicas de análise...4 3. Análise vertical...7 3.1 Cálculos da análise vertical do balanço

Leia mais

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis

I. Introdução. 1. Índices na Avaliação de Demonstrações Contábeis 1 I. Introdução Para efetuarmos uma análise profissional das demonstrações financeiras devemos inicialmente: a) simplificar os dados das demonstrações realizando arrendodamentos e/ou efetuando o corte

Leia mais

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS

APOSTILA DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS POR ÍNDICES PADRONIZADOS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA ESCOLA SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E GERÊNCIA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS PROGRAMA DE EXTENSÃO: CENTRO DE DESENVOLVIMENTO EM FINANÇAS PROJETO: CENTRO DE CAPACITAÇÃO

Leia mais

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira.

Palavras Chaves: Prazos, rotação, estoques, débitos, créditos, pagamentos, recebimentos, ciclo, atividade, gestão financeira. 1 Tatiana Melo da Gama RESUMO O presente artigo tem a proposta de apresentar uma breve abordagem sobre a Análise dos Índices de Prazos Médios, dando ênfase para a sua importância na gestão financeira de

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Considerações Gerais Sumário 1. A Importância Dos Índices Nas Demonstrações Financeiras 1.1 - Preparação e Reclassificação Das Contas 2. Grupos de Índices 3. Capital

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços.

CONTABILIDADE GERAL PROFESSOR: OTÁVIO SOUZA QUESTÕES COMENTADAS. Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. QUESTÕES COMENTADAS Neste artigo comentarei algumas questões de provas sobre o tema Análise de Balanços. 01. (FCC Analista Contabilidade TRT 24ª Região 2011) Considere: ATIVO CIRCULANTE Companhia X Companhia

Leia mais

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO

FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO FLUXO DE CAIXA INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO E CONTROLE FINANCEIRO Lúcia de Fátima de Lima Lisboa RESUMO O presente artigo apresenta o fluxo de caixa como uma ferramenta indispensável para a gestão financeira

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO 1.1. Capital de Giro O Capita de Giro refere-se aos recursos correntes de curto prazo pertencentes à empresa. Dessa forma, o capital de giro corresponde aos recursos

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO

A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO 1 A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE FINANCEIRA DE BALANÇOS PARA O GESTOR FINANCEIRO Esliane Carecho Borges da Silva (Orientadora- Docente dos cursos de Contabilidade e Tecnologia em Gestão Financeira-AEMS) Jose

Leia mais

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles

Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho Téles Universidade Federal do Pará Centro Sócio Econômico Análise dos Demonstrativos Contábeis Professor: Heber Lavor Moreira Análise dos Demonstrativos Contábeis Índices de Endividamento Cristhiane Carvalho

Leia mais

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR

A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR 10 A Importância da análise das demonstrações contábeis nas tomadas de decisões na Empresa Móveis Gazin Douradina-PR Olegário de Queiroz Muniz Bacharel em Ciências Contábeis Especialista em Recursos Humanos

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Análises de demonstrações financeiras

Análises de demonstrações financeiras Análises de demonstrações financeiras Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Análise da demonstrações financeiras Demonstrações: Importante veículo de comunicação entre empresa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO

A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO A IMPORTÂNCIA DO FLUXO DE CAIXA EM UMA ORGANIZAÇÃO Nádia Nascimento Cardoso 1, Carla Cristina Ferreira de Miranda orientadora 2 1 Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas Universidade do Vale Paraíba,

Leia mais

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro.

Conceito. Praticamente todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam, gastam ou investem dinheiro. Plano de Ensino Conceito A Função Financeira nas Empresas Utilização das informações contábeis Áreas de Decisões Financeiras Objetivos do Administrador Financeiro Organização da Função Financeira Estrutura

Leia mais

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini

Balanço Patrimonial. Ativos e Passivos. Análise Financeira de Balanços 29/10/2012. Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Balanço Patrimonial Relembrando da ultima aula!!!! Planejamento Financeiro Profa.: Elaine Silvia Pasquini Análise Financeira de Balanços O balanço Patrimonial de uma organização é uma peça contábil, em

Leia mais

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões.

ANALISE DE BALANÇO UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO. Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. ANALISE DE BALANÇO 1.1 Objetivo da análise de Balanços UNIDADE 1 : INTRODUÇÃO Extrair informações das Demonstrações Financeiras para a tomada de decisões. 1.2 Dados versus Informações Dados: São os números

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CADERNO DE EXERCÍCIOS ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA II Professora: Alessandra Vieira Cunha Marques 1 AMBIENTE FINANCEIRO E CONCEITOS FINACEIROS Atividades

Leia mais

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2,

UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO. Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, UM ESTUDO HISTÓRICO DA ANÁLISE DE BALANÇO BEM COMO A SUAS APLICAÇÕES NO NOSSO TEMPO Paola Guariso Crepaldi 1, Renato Nogueira Perez Avila 2, Elisangela Leme Antonio 3, Viviane Batista Mastelari 4 RESUMO

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis

ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS. Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis ANÁLISE DE BALANÇO DAS SEGURADORAS Contabilidade Atuarial 6º Período Curso de Ciências Contábeis Introdução As empresas de seguros são estruturas que apresentam características próprias. Podem se revestir

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Aula 7. 22/8/2006 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 7 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Análise da Viabilidade Econômica O que é Economia? É a ciência que se preocupa em administrar escassos recursos disponíveis

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1. Moisés Araújo Guarda 2 1 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS: ESTUDO DE CASO DA EMPRESA MA PROMOTORA DE EVENTOS LTDA. Luciana da Silva Moraes 1 Moisés Araújo Guarda 2 Sara Alexssandra Gusmão França 3 RESUMO Este artigo versa

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS UNIDADE VI - ÍNDICES DE RENTABILIDADE 0 6. ÍNDICES DE RENTABILIDADE Caro aluno, você já sabe todo empresário ou investidor espera que o capital investido seja adequadamente

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Relatórios de Análise ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Relatórios de Análise Relatórios de análise Relatório de Análise é um documento, elaborado pelo analista de Balanços, que contém as conclusões resultantes do desenvolvimento

Leia mais

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande

Curso Completo de Contabilidade Geral e Avançada Professor: Silvio Sande ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS É a técnica que consiste na decomposição, comparação e interpretação dos demonstrativos do estado patrimonial e do resultado econômico de uma entidade. Técnicas de análise

Leia mais

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341

Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? José Flávio Bomtempo jflavio@uai.com.br 31 8449-6341 Seu preço de venda é rentável? Qual a rentabilidade do Patrimônio Líquido de sua empresa? Quais os itens que estão disponíveis

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto)

FANOR. MBA Internacional - Finanças. DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica. PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) Bibliografia Básica: FANOR MBA Internacional - Finanças DISCIPLINA: Análise Financeira Estratégica PROFESSOR: José Moraes Feitosa (Neto) CONTATOS: www.netofeitosa.com.br contato@netofeitosa.com.br (85)

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas)

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Coteminas (Companhia de Tecidos Norte de Minas) Resumo Cátia Raquel Felden Bartz 1 Gisele Carolina Padoin 2 Juliana Horbach 3 Diego Antonio Saugo

Leia mais

Índices econômico Financeiros

Índices econômico Financeiros Índices econômico Financeiros ADMNISTRAÇÃO Professor: Me. Claudio Kapp Junior Email: juniorkapp@hotmail.com Objetivos da aula Apresentar a importância de calcular os indicadores financeiros em uma empresa.

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá

Universidade Federal de Itajubá Universidade Federal de Itajubá Contabilidade e Custos Análise Financeira de Balanços 09-04-2012 Prof. José Arnaldo B. Montevechi 1 Planejamento de caixa Índices de prazos médios Prazo Médio de Recebimento

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Departamento de Desenvolvimento Profissional ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Profª Adriana Valente e-mail: adrianatvalente@hotmail.com Rio de Janeiro, 2º semestre de 2015. Rua 1º de Março, 33 Centro

Leia mais

GPME Prof. Marcelo Cruz

GPME Prof. Marcelo Cruz GPME Prof. Marcelo Cruz Política de Crédito e Empréstimos Objetivos Compreender os tópicos básicos da administração financeira. Compreender a relação da contabilidade com as decisões financeiras. Compreender

Leia mais

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63

Capítulo 3 Projeções contábeis e financeiras 63 Sumário Capítulo 1 Conceitos de matemática financeira 1 1.1 Introdução 1 1.2 Taxa de juro nominal e taxa de juro real 3 1.2.1 Fórmula 3 1.3 Capitalização simples 4 1.3.1 Fórmulas 4 1.4 Capitalização composta

Leia mais

Análise Econômica Financeira com utilização de Índices

Análise Econômica Financeira com utilização de Índices Análise Econômica Financeira com utilização de Índices Claudir Passaia Benedito A. da Silva Elisângela Maria da Silva Marluci demozzi Resumo Este trabalho faz uma análise econômica - financeira de uma

Leia mais

A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada. de decisão

A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada. de decisão A visão dos administradores em utilizar a ferramenta contábil para tomada *Solange Ribeiro dos Santos *Alessandra Cristina de Souza *Michel Regis Lopes de Lima *Júlio Cesar Siqueira de decisão birobiro21@hotmail.com

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS NOTA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Curso: Administração de Empresas Turma: Disciplina: Administração Financeira Professor : Maxwell Lucena / Aluno(a): Maxwe R.A.: Assinatura: Data: / / 1ª. Questão

Leia mais

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO

INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO 1 INDICES DE RENTABILIDADE - NECESSÁRIOS E VITAIS PARA A TOMADA DE DECISÃO RAFAEL SILVA DE ANDRADE Graduando do Curso de Ciências Contábeis da UFPA. Héber Lavor Moreira Professor Orientador heber@peritocontador.com.br

Leia mais

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015

Auditor Federal de Controle Externo/TCU - 2015 - 2015 Prova de Análise das Demonstrações Comentada Pessoal, a seguir comentamos as questões de Análise das Demonstrações Contábeis aplicada na prova do TCU para Auditor de Controle Externo (2015). Foi

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 1 ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ÍNDICES DE LIQUIDEZ 1 Jane do Socorro do Rosário Ventura 2 RESUMO Os índices de liquidez visam fornecer um indicador da capacidade da empresa de pagar suas dívidas,

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS.

UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. UTILIZAÇÃO DE INDICES COMO INTRUMENTOS DE ANÁLISE FINANCEIRA: ESTUDO EXPLORATÓRIO DAS EMPRESAS DE CARNES E DERIVADOS. Resumo Este artigo faz uma análise de viabilidade econômico-financeira das empresas

Leia mais

ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES COMO UM ESTUDO DE CASO PARA TOMADA DE DECISÃO.

ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES COMO UM ESTUDO DE CASO PARA TOMADA DE DECISÃO. 1 ANÁLISE DE BALANÇO EM EMPRESA DE TELECOMUNICAÇÕES COMO 1; CREPLADI,Cláudio2 RESUMO UM ESTUDO DE CASO PARA TOMADA DE DECISÃO. SERPELONI,André Valério 1 ; CELESTINO, Débora Fernanda 2 ; CREPALDI, Claudio

Leia mais

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa

Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa Análise do Capital de Giro e Elaboração e Análise do Fluxo de Caixa 1 ANÁLISE DO CAPITAL DE GIRO A Necessidade de Capital de Giro é a chave para a administração financeira de uma empresa. Necessidade de

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( X ) Pós-graduação ( ) I. Dados Identificadores Curso GESTÃO FINANCEIRA

Leia mais

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento

Contabilidade Gerencial 2. Contabilidade Gerencial. Projeção do orçamento. Administração. Prof: Marcelo dos Santos. Projeção Orçamento Administração Prof: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 2 Contabilidade Gerencial Projeção Orçamento Análise de Desempenho Projeção do orçamento Uma projeção De orçamento deve Se iniciar pela vendas.

Leia mais

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES

BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BREVE INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS CONTÁBEIS E DE ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES BALANÇO PATRIMONIAL: é a representação quantitativa do patrimônio de uma entidade. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO

Leia mais

AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A

AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A Universidade federal de Itajubá Instituto de Engenharia de Produção e Gestão IEPG AVALIAÇAO FINANCEIRA DA GRENDENE S/A EPR 30 Contabilidade Gerencial Prof: Edson de Oliveira Pamplona Equipe: - Bruno José

Leia mais

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1

Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv. Parte I - Introdução, 1 Prefácio à 3ª edição, xiii Apresentação, xv Parte I - Introdução, 1 1 Conceitos Introdutórios, 3 1.1 Conceitos, 3 1.2 Objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis, 5 1.3 Usuários da Análise das Demonstrações

Leia mais

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br

Análise Financeira. Adriano Leal Bruni. Material extraído de http://www. ://www.infinitaweb.com.br Análise Financeira Adriano Leal Bruni 1 Por que analisar? Mensurar riscos de crédito de correntes e potenciais clientes. Julgar o desempenho esperado das firmas. Monitorar o progresso da firma em alcançar

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO

ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. ANÁLISE ECONÔMICO-FINANCEIRA DAS SIDERÚRGICAS LISTADAS NA BOVESPA: COMPARAÇÃO POR ÍNDICES-PADRÃO Rafael Martins Noriller (UFGD) rafael_mn1985@hotmail.com

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM

Objetivos 29/09/2010 BIBLIOGRAFIA. Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho. Tópicos BALANÇO DE TAMANHO COMUM Objetivos Administração Financeira I UFRN 2010.2 Prof. Gabriel Martins de Araújo Filho A EMPRESA NO MODELO DO BALANÇO PATRIMONIAL: análise das demonstrações financeiras Compreender a importância da padronização

Leia mais

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS

O que é Finanças? 22/02/2009 INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS Prof. Paulo Cesar C. Rodrigues E mail: prdr30@terra.com.br INTRODUÇÃO ÀS FINANÇAS CORPORATIVAS O que é administração financeira? Qual sua importância para as corporações? Como são tomadas as decisões financeiras?

Leia mais

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Bicicletas Monark

Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Bicicletas Monark Análise da Performance Econômica e Financeira da Empresa Bicicletas Monark Autor 1: Inês Isabel Jurack (FAHOR) ij000590@fahor.com.br Autor 2: Cátia Raquel Felden Bartz (FAHOR) feldencatiar@fahor.com.br

Leia mais

Ciclo Operacional. Venda

Ciclo Operacional. Venda Sumário 1 Introdução... 1 2 Dinâmica dos Fluxos de Caixa... 2 3 Capital Circulante Líquido (CCL) e Conceitos Correlatos... 4 4 Necessidade de capital de giro (NCG)... 6 5 Saldo em Tesouraria (ST)... 9

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL

CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL CONTABILIDADE GERAL E GERENCIAL AULA 06: ANÁLISE E CONTROLE ECONÔMICO- FINANCEIRO TÓPICO 01: ANÁLISE POR ÍNDICES Fonte (HTTP://WWW.FEJAL.BR/IMAGES/CURS OS/CIENCIASCONTABEIS.JPG) ANÁLISE POR INTERMÉDIO

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS

ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS ANÁLISE DE DEMONSTRATIVOS FINANCEIROS Prof. Herbert Kimura INTRODUÇÃO À ANÁLISE DE BALANÇOS CONTEXTUALIZAÇÃO Prof. Herbert Kimura INFORMAÇÕES Interna Externa Armazenagem Contábil! Relatórios contábeis

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Contabilidade. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade:

No concurso de São Paulo, o assunto aparece no item 27 do programa de Contabilidade: Olá, pessoal! Como já devem ter visto, dois bons concursos estão na praça: Fiscal do ISS de São Paulo e Auditor Fiscal do Ceará. As bancas são, respectivamente, a Fundação Carlos Chagas (FCC) e a Escola

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E RENTABILIDADE NA ANÁLISE E GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL

A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E RENTABILIDADE NA ANÁLISE E GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL A UTILIZAÇÃO DE ÍNDICES DE LIQUIDEZ E RENTABILIDADE NA ANÁLISE E GESTÃO DO DESENVOLVIMENTO EMPRESARIAL THE LIQUIDITY RATIOS OF USE AND PROFITABILITY IN ANALYSIS AND BUSINESS DEVELOPMENT MANAGEMENT Bianca

Leia mais

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO

UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Resumo: UNIDADE I INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO 1.1 NATUREZA E DEFINIÇÕES DA ADMINISTRAÇÃO DO CAPITAL DE GIRO Capital de giro refere-se aos recursos correntes (curto prazo) da empresa,

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA

ANÁLISE FINANCEIRA VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA ANÁLISE FINANCEIRA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA NAS EMPRESAS INTEGRAÇÃO DOS CONCEITOS CONTÁBEIS COM OS CONCEITOS FINANCEIROS FLUXO DE OPERAÇÕES E DE FUNDOS VISÃO ESTRATÉGICA DA EMPRESA Possibilita um diagnóstico

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento.

Decisões Empresariais. Logística. Administração Financeira. Administração financeira (finanças corporativas) Investimento. Logística Prof. Clóvis Luiz Galdino Administração Financeira Administração financeira (finanças corporativas) Administração: ato de reger, governar ou gerir negócios públicos ou particulares. Finanças:

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CAPÍTULO 33 Este Capítulo é parte integrante do Livro Contabilidade Básica - Finalmente Você Vai Entender a Contabilidade. 33.1 CONCEITOS A demonstração dos fluxos de caixa evidencia as modificações ocorridas

Leia mais

Determinação do Capital de Giro

Determinação do Capital de Giro Determinação do Capital de Giro Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos básicos para determinação e gerenciamento do Capital de Giro da empresa. Classificar e analisar as fontes e aplicações

Leia mais

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR

ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR 0 ANÁLISE DA ESTRUTURA DE LIQUIDEZ PROPOSTA POR FLEURIET: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA LOCALIZA RENT A CAR Gabriela de Castro Gaudêncio Cassimiro 1 Thiago Moura de Carvalho 2 Rosália Gonçalves Costa Santos

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis

Análise das Demonstrações Contábeis Análise das Demonstrações Contábeis Prof. José MANOEL da Costa As demonstrações contábeis para usuário externo, publicadas aos usuários em geral, como já visto, são publicadas conforme princípios e normas

Leia mais

Análise Financeira de Balanço

Análise Financeira de Balanço UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Instituto de Engenharia de Produção e Gestão Contabilidade Gerencial EPR 30 Análise Financeira de Balanço Juliano Jun Tatsumi nº11462 Marina Carvalho Brandão nº11466 Itajubá,

Leia mais

Um estudo sobre Analise da Estrutura de Capitais e Solvência Disciplina Analise das Demonstrações Contábeis Prof.: Heber Lavor Moreira

Um estudo sobre Analise da Estrutura de Capitais e Solvência Disciplina Analise das Demonstrações Contábeis Prof.: Heber Lavor Moreira UM ESTUDO SOBRE ANALISE DA ESTRUTURA DE CAPITAIS E SOLVÊNCIA ÉRITON ELVIS DO NASCIMENTO BARRETO 1 Resumo: Este trabalho tem como escopo tratar dos índices que compõem a estrutura de capitais, fazendo uma

Leia mais

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M

ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANÁLISE DOS DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS ADC M Aluna: Larissa de Souza Chaves

Leia mais

Bloco Contábil e Fiscal

Bloco Contábil e Fiscal Bloco Contábil e Fiscal Contabilidade e Conciliação Contábil Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos Contabilidade e Conciliação Contábil, que fazem parte do Bloco Contábil

Leia mais

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A.

ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. ANÁLISE DO GERENCIAMENTO DO CAPITAL DE GIRO E DA NECESSIDADE DE CAPITAL DE GIRO NA GESTÃO DOS NEGÓCIOS UM ESTUDO APLICADO NA EMPRESA VIVO S/A. KOMATSU, Solange Akemy (TCC Ciências Contábeis) FECILCAM,

Leia mais

OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte.

OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte. OS INDICADORES DE ATIVIDADES COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Um estudo do caso de uma empresa do setor madeireiro da Região Norte. LUIZ PAULO FARIAS GUEDES Graduando do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL

A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL A CONTABILIDADE COMO FERRAMENTA DE GESTÃO EMPRESARIAL Gestão Empresarial Márlio Lúcio Ribeiro Gomes Coorientador: Prof. Evânio de Carvalho Cruz Universidade do Vale do Sapucaí RESUMO Este trabalho tem

Leia mais

FERRAMENTAS DE SUPORTE À GESTÃO DAS EMPRESAS NO PLANEJAMENTO DE METAS

FERRAMENTAS DE SUPORTE À GESTÃO DAS EMPRESAS NO PLANEJAMENTO DE METAS UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE CURSO DE FINANÇAS E GESTÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE SUPORTE À GESTÃO DAS EMPRESAS NO PLANEJAMENTO DE METAS Por: Leandro

Leia mais

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões

CONTABILIDADE. Conceito. Campo de Aplicação. Instrumento informações úteis tomada de decisões Conceito Instrumento informações úteis tomada de decisões Campo de Aplicação Comércio - Indústria - Entidades Públicas - Hospitais Agropecuárias - Seguradoras - etc. Finalidade da Contabilidade Controle

Leia mais

Análise Econômico-Financeira

Análise Econômico-Financeira Universidade Federal do Pará Curso de Ciências Contábeis Departamento de Contabilidade Análise Econômico-Financeira Gilvan Pereira Brito 0301007601 Belém-Pará 2007 1 Universidade Federal do Pará Curso

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis 12.1. Introdução O artigo 176 da Lei nº 6.404/1976 estabelece que, ao fim de cada exercício social, a diretoria da empresa deve elaborar, com base na escrituração mercantil, as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIA E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO Janilson Laane Maio/2011 Objetivos 1. Apresentar o conceito e em que contexto está

Leia mais

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31

UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 31 AVALIANDO A EVOLUÇÃO DO CICLO DE CAIXA DA EMPRESA Cálculo e interpretação dos prazos médios de recebimento de vendas, giro de estoques e prazo médio de pagamento de compras.

Leia mais

Sumário. Parte 1 Contabilidade de Custos 1. Capítulo 1 Aspectos gerais 3

Sumário. Parte 1 Contabilidade de Custos 1. Capítulo 1 Aspectos gerais 3 Sumário Parte 1 Contabilidade de Custos 1 Capítulo 1 Aspectos gerais 3 1 Áreas da Contabilidade 3 2 Contabilidade de Custos 3 3 Contabilidade de Serviços 4 4 Contabilidade Industrial 4 5 Campo de aplicação

Leia mais

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber

Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Análise Financeira da Empresa Kepler Weber Cátia R. F. Bartz (FAHOR) catia.fahor.com.br Glademir Jagnow (FAHOR) gb000937@fahor.com.br Mabel Bairros (FAHOR) mb000942@fahor.com.br Mariseia Schawinsky (FAHOR)

Leia mais

ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE SC

ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE SC UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE UNESC GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS MARINA DE FRANÇA ANÁLISE DE DESEMPENHO ECONÔMICO FINANCEIRO DE UMA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO DE PLÁSTICOS DA REGIÃO SUL DE

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante)

FLUXO DE CAIXA. Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) FLUXO DE CAIXA Dinâmica: O que faço de diferente ou estranho. (Objetivo: Conhecer um pouco cada participante) Brainstorming: Chuva de ideias ou Toró de parpite: O QUE É FLUXO DE CAIXA? (Objetivo: Saber

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Disciplina: Análise das Demonstrações Financeiras Cursos: Ciências Contábeis, Administração e Economia. Prof.: Mônica Brandão Marques, Mônica Brandão. Análise das Demonstrações Financeiras. UCAM: Rio de

Leia mais