Sistema Logístico de Gestão e Identificação de Fluxo de Materiais em Ambientes Industriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema Logístico de Gestão e Identificação de Fluxo de Materiais em Ambientes Industriais"

Transcrição

1 Relatório Final de Projecto Sistema Logístico de Gestão e Identificação de Fluxo de Materiais em Ambientes Industriais AUTORES Rui Pedro Figueiredo Marques (nº mec ) Tiago Filipe Gaspar de Sousa (nº mec ) ORIENTADOR Prof. Doutor A. Manuel de Oliveira Duarte (Universidade de Aveiro) CO-ORIENTADORES Eng. Alexandre Sousa (Programa Aveiro-Norte) Eng. Alexandre Paulo (Universidade de Aveiro) Eng. Fernando Oliva (Simoldes Plásticos) Departamento de Electrónica e Telecomunicações Universidade de Aveiro Julho de 2005

2

3 Resumo Este projecto pretende contribuir para o desenvolvimento de um sistema logístico de identificação, gestão e controlo de fluxos de materiais (matérias primas, produtos em fase de montagem, ferramentas e maquinaria de apoio) para aplicação em ambientes industriais. O projecto foi desenvolvido em parceria pelo Programa Aveiro Norte e o Grupo de Sistemas de Banda Larga do Departamento de Electrónica e Telecomunicações da Universidade de Aveiro, com o intuito de optimizar a identificação, a gestão da utilização e o controlo do fluxo de moldes na Simoldes Plásticos, uma das unidades fabris de injecção de peças de plástico do Grupo Simoldes. O Programa Aveiro-Norte é uma aposta da Universidade de Aveiro para o desenvolvimento sócio-cultural das populações e reforço das potencialidades do tecido produtivo da região Norte do Distrito de Aveiro. Esta iniciativa apoia-se num conjunto de estratégias quer ao nível do reforço da oferta formativa quer ao nível da inovação, desenvolvimento e transferência de tecnologia. Dentro deste contexto, a Logística assume um papel de especial interesse para o Programa Aveiro-Norte, ao ser uma área que se encontra subjacente a todos os processos de uma organização, desde a fase de desenvolvimento do produto, passando pela fase de produção até à distribuição do produto final. A logística hoje em dia representa um factor crucial para a competitividade e viabilidade das organizações. Neste sentido, este projecto pretendeu estudar a aplicação de mecanismos de identificação e de rastreabilidade baseados em tecnologias de rádiofrequência para proceder ao melhoramento da gestão da utilização e controlo de fluxos de materiais num ambiente industrial típico da indústria de injecção de moldes para fabrico de componentes para automóveis, como é o caso da Simoldes Plásticos. 2

4 3

5 Índice de Conteúdos Resumo Introdução Enquadramento Análise de Requisitos Estudo do ambiente industrial em causa Análise de Tarefas Princípios de Usabilidade Objectivos de Usabilidade RFID Rádio Frequency Identification Tecnologias RFID estudadas Série V700 da OMRON SAW RFID tag da RFSAW Moby R da Siemens Ferramentas usadas Equipamento RFID utilizado Etiqueta RFID Antena RFID Base de Dados NET embedded Visual Basic PDA Desenvolvimento do Protótipo Arquitectura Funcional Base de Dados Sistema de Informação Descrição das funcionalidades

6 Localização de moldes Visualização do percurso efectuado por um molde Consulta das características de moldes Introdução de um novo molde Eliminar molde Manutenção de moldes Funções de Apoio PDA Descrição geral das funcionalidades Ler a informação contida na etiqueta RFID Actualizar a localização do molde na etiqueta RFID e na base de dados Escrever numa etiqueta RFID a informação de um molde que ainda não esteja etiquetado Comunicação entre Tecnologia RFID - Sistema de Informação PDA - Base de Dados Comunicação Equipamentos RFID - PDA - Base de Dados...64 Escrita de informação na etiqueta RFID...66 Leitura de informação na etiqueta RFID Cenários Informação na Etiqueta RFID Pesquisas Localização Características Manutenção Identificação de um molde Adicionar novo molde Nova localização Resultados Laboratoriais No ambiente Simoldes Plásticos

7 7 Conclusões Referências e Bibliografia Lista de Siglas e Acrónimos Anexos Anexo A - Cronograma das acções efectuadas Anexo B - Tabela comparativa das tecnologias RFID estudadas Anexo B Datasheet da tag V700-D13P31 da OMRON Anexo C Datasheet da antena V705-HMF01 da OMRON

8 Índice de Figuras Figura Simoldes Plásticos...12 Figura Ambiente da unidade fabril da Simoldes Plásticos...15 Figura Fluxograma de movimentos de um molde...17 Figura Equipamento típico RFID...21 Figura Modo de funcionamento da tecnologia RFID...22 Figura Etiqueta RFID da série V700 da OMRON...24 Figura Modo de funcionamento da tecnologia SAW RFID...26 Figura Etiqueta SAW RFID...27 Figura Tecnologia Moby R da Siemens...28 Figura Etiquetas RFID Moby R da Siemens...28 Figura Arquitectura funcional do projecto protótipo...34 Figura Arquitectura da Base de Dados...37 Figura Esquema da tabela actual...38 Figura Página de autenticação...40 Figura Página de boas vindas...41 Figura Página de Pesquisa para localizar moldes...42 Figura Exemplo de uma pesquisa de todos os moldes cujo número começa por R...43 Figura Visualização da localização de um molde no mapa da unidade fabril...44 Figura Exemplo de um resultado cuja pesquisa foi efectuada pela localização do molde...45 Figura Pesquisa de moldes por selecção da zona no mapa...45 Figura Coluna das opções...46 Figura Exemplo do percurso do molde com o número R Figura Página de pesquisa de moldes por características...48 Figura Exemplo de uma pesquisa de moldes especificando determinadas características

9 Figura Mensagem de molde adicionado à base de dados com sucesso.50 Figura Página com as características do novo molde adicionado...51 Figura Página para inserção do número do molde que se pretende eliminar da base de dados...52 Figura Página com as características do molde que se pretende eliminar da base de dados...53 Figura Mensagem para confirmação de eliminação do molde...53 Figura Página com informação acerca da última manutenção efectuada ao molde...54 Figura Exemplo do histórico de um molde...55 Figura Exemplo do relatório de uma sessão de manutenção de um determinado molde...55 Figura Exemplo de introdução automática de datas seleccionando o dia no calendário...59 Figura Exemplo do aparecimento de uma mensagem de erro na introdução de uma data inválida...59 Figura Setas para ordenação de tabelas...60 Figura Interface inicial da aplicação do PDA...61 Figura Layout da aplicação do PDA após leitura da tag...61 Figura Visualização das características de um molde no PDA...62 Figura Actualização da localização de um molde no PDA...62 Figura Interface do PDA para escrever informação numa tag...63 Figura Comunicação entre a antena e a etiqueta RFID...64 Figura Esquema ilustrativo da comunicação entre equipamentos RFID..64 Figura Sequência de bytes para a escrita de informação na tag...66 Figura Sequência de bytes para leirtura de informação na tag...67 Figura Diagrama de blocos representativo da comunicação Base de Dados - Equipamentos RFID...69 Figura Conjunto de acções a executar para localizar um molde através do seu número

10 Figura Conjunto de acções a executar para localizar um molde através do mapa da unidade fabril...74 Figura Conjunto de acções a executar para visualizar as características de um molde...75 Figura Conjunto de acções a executar para consultar a manutenção de um molde...76 Figura Conjunto de acções a executar para identificar um molde com o PDA...77 Figura Conjunto de acções a executar para adicionar um novo molde...78 Figura Conjunto de acções a executar dar uma nova localização ao molde dentro da unidade fabril

11 Indice de Tabelas Tabela Características de frequências usadas em RFID...23 Tabela Tabela de características das etiquetas RFID da série V700 da OMRON...25 Tabela Tabela comparativa das tecnologias estudadas...29 Tabela Características da etiqueta RFID utilizada...31 Tabela Características da antena RFID utilizada...31 Tabela Características do PDA utilizado...33 Tabela Ícones e respectiva função da coluna Opções da tabela de localização...57 Tabela Ícones e respectiva função da coluna Opções da tabela de características...58 Tabela Ícones e respectiva função da coluna Opções da tabela de manutenção...58 Tabela Comandos de comunicação entre tag e antena RFID...65 Tabela 5-5- Distribuição da informação pelas diversas páginas de memória da tag

12 1 Introdução Os processos de gestão e controlo de fluxos de materiais (matérias primas, produtos em fase de montagem, produtos acabados, ferramentas e maquinaria de apoio) são componentes cruciais da logística interna das empresas de produção industrial. Da eficácia e eficiência destes processos depende o bom funcionamento das linhas de produção, a saudável gestão dos stocks e a diminuição dos custos de armazenamento, objectivos que sempre norteiam a gestão saudável das empresas. Estes objectivos traduzem-se, essencialmente, na ausência de interrupções de abastecimento aos postos de trabalho e na possibilidade de operação sem stocks excessivos ou em falta de matériasprimas e/ou de produtos manufacturados. Tendo em vista alcançar estes objectivos, várias metodologias e abordagens (just in time, kanban, pull system, etc).foram desenvolvidas nos períodos de maior desenvolvimento industrial do século passado. No entanto, mesmo com o avanço avassalador das novas tecnologias, estas metodologias e abordagens têm-se mostrado válidas e têm permitido que sejam substituídos os processos manuais de implementação pelos processos automatizados apoiados por plataformas telemáticas. Deste modo foi-nos proposto que este projecto pretendesse contribuir para o desenvolvimento de um sistema logístico de identificação, gestão e controlo de fluxos de materiais para aplicação em ambientes industriais tendo como referência a natureza dos processos e actividades associadas a indústrias da área dos moldes e dos componentes para automóveis, mais especificamente para um grupo empresarial do distrito de Aveiro Simoldes Plásticos. 11

13 Figura Simoldes Plásticos O projecto teve em vista estudar a aplicação de mecanismos de identificação e rastreio baseados em tecnologias de rádio-frequência (RFID) para a saudável monitorização do fluxo físico de entradas e saídas de moldes nas diversas unidades fabris do Grupo Simoldes e para que o sistema tenha a capacidade de identificar a origem de um problema de um produto ou material e a identificação de todos os pontos de registo de passagem desse produto até à sua localização final. O sistema de identificação terá a si associada uma rede de comunicação que transportará a informação recolhida a uma base de dados a desenvolver para o efeito, a qual incorporará a inteligência necessária à implementação das estratégias de gestão a adoptar. É pretendido que seja ainda desenvolvido também uma interface que permita essa mesma gestão em tempo real e com serviço na Web. 12

14 2 Enquadramento O primeiro passo para o início do desenvolvimento do projecto foi o levantamento e análise de todos requisitos relevantes para a definição das funcionalidades do sistema. Nesta primeira fase, procedeu-se ao estudo e análise do ambiente industrial em causa, levantando todos os aspectos relevantes para o desenvolvimento do projecto, assim como as condições adversas que poderão ser obstáculos para a viabilidade do projecto. Foi também efectuado um levantamento das diferentes tecnologias de identificação existentes no mercado e que nos oferecem soluções plausíveis para o problema em causa. Com a diversidade de tecnologias recolhidas e estudadas foi escolhida aquela que melhor se enquadra e satisfaz de forma mais satisfatória as necessidades do projecto Em seguida, foi feita uma análise de tarefas, ou seja, foram estudadas quais as tarefas e funcionalidades importantes e de maior relevo para o projecto. Definimos quais as capacidades e as limitações da plataforma e definimos as principais metas de usabilidade a atingir, em termos qualitativos e quantitativos, ou seja, a definição dos requisitos de usabilidade tendo em conta os perfis dos utilizadores e a análise contextual da tarefa, bem como a definição dos critérios de satisfação mínima aceitável baseados nos objectivos qualitativos de maior prioridade. Depois da análise de requisitos, foi iniciado o desenvolvimento do sistema de informação tendo em conta os objectivos de usabilidade definidos. Nesta fase de desenvolvimento foi criada a base de dados de acordo com as necessidades e foi proposto o modelo conceptual da interface de utilizador identificando os principais displays e definindo regras coerentes de apresentação e a organização funcional de alto nível da interface de utilizador. Numa fase posterior, foram desenvolvidos também todos os detalhes do design tendo em conta o tipo de máquina e a interface a utilizar na 13

15 implementação do projecto, seleccionámos sub-funções de funções e funcionalidades e finalmente desenvolvemos o design detalhado da interface completa. Ao longo desta fase de desenvolvimento tivemos sempre o cuidado de fazer por diversas vezes, e em situações distintas, uma avaliação informal de usabilidade da interface desenvolvida até ao momento, com o objectivo de detectar erros e falhas e deste modo refinar e validar a robustez da interface. Todo o equipamento RFID foi estudado com detalhe e foram desenvolvidos os módulos de leitura e escrita entre a antena e a etiqueta RFID. Foram, de seguida, definidas quais as funcionalidades, e qual modelo conceptual das aplicações desenvolvidas para a unidade de leitura e escrita portátil (PDA), que servirá de interface entre o utilizador e o equipamento RFID. Finalmente, foi feita a integração total do projecto com todos os módulos desenvolvidos: base de dados, aplicação Web, PDA e equipamentos RFID. 2.1 Análise de Requisitos A análise de requisitos inclui várias fases, sendo descritas as fundamentais neste trabalho: o estudo do ambiente industrial em causa fazendo o levantamento das condições adversas que ele traz ao desenvolvimento ao projecto; a análise de tarefas; tendo em conta os resultados das fases anteriores, a definição dos principais objectivos de usabilidade Estudo do ambiente industrial em causa Na primeira visita feita à Simoldes Plásticos procurou-se fazer o levantamento de todo o ambiente industrial presente nesta unidade fabril, nomeadamente a forma como os moldes estão dispostos e distribuídos ao longo de toda a fábrica e todas as condições adversas que podem causar dificuldades à implementação do sistema. Um dos factores críticos deste tipo de ambiente industrial é a constituição física de um molde. Este é composto por duas partes metálicas em aço que encaixam uma na outra. As dimensões destes moldes são frequentemente 14

16 grandes e com grande tonelagem, como se pode observar na figura seguinte. Além disto, estão sujeitos a temperaturas que podem ir até aos 70ºC quando estão em produção devido à temperatura com que o plástico é injectado no interior do molde. Outro aspecto a ter em conta é que choques mecânicos podem ocorrer durante a movimentação do molde e durante a sua colocação e encaixe na máquina injectora. Figura Ambiente da unidade fabril da Simoldes Plásticos Observou-se que os moldes existentes na fábrica não são sempre armazenados numa área específica. É frequente ver moldes distribuídos de forma aleatória por toda a unidade fabril, ou seja, quando um molde termina o seu ciclo de produção é colocado numa qualquer área com espaço disponível. 15

17 A deslocação de um molde pode ser motivada por (ver fluxograma Figura 2-2): Saída da produção para armazenamento ou manutenção; Saída do armazenamento para produção ou manutenção; Saída da manutenção para produção ou armazenamento.; Saída do molde para outra unidade fabril. A ida à manutenção pode ter origem em duas situações distintas: o molde ultrapassou o limite das horas de trabalho (tipicamente 1000 horas) e necessita de uma manutenção preventiva ou sofre de um problema técnico/mecânico que o impossibilita de produzir peças correctamente. Neste último caso necessita de um manutenção curativa. 16

18 Figura Fluxograma de movimentos de um molde 17

19 2.1.2 Análise de Tarefas Depois de efectuado um estudo, verificámos quais as necessidades que tinham que ser resolvidas com a implementação deste projecto, e elaborámos, deste modo, uma lista de operações que este sistema teria que ser capaz de executar, e para cada uma delas a respectiva análise de tarefas. As operações prioritárias a realizar com o sistema são: Localização dos moldes Os utilizadores devem ter a informação da localização física actual de todos os moldes, podendo fazer a pesquisa de diversos modos, dependendo do tipo de informação que conhecem do molde que procuram. Acesso à informação sobre os moldes Nesta situação os utilizadores quando pesquisam um determinado molde devem poder ter acesso a toda a informação, tal como, o seu número, nome, referência, fabricante, cliente, dimensões, peso, data de aquisição e data da última manutenção. Gestão do fluxo dos moldes É necessário que seja possível consultar os percursos efectuados pelos moldes, assim como deverá ser possível alterar a sua posição, caso haja uma eventual falha dos equipamentos. Introdução e eliminação de moldes É essencial puder acrescentar novos moldes que dêem entrada na empresa, assim como eliminar aqueles que já não são utilizados. Recepção de Alertas É importante que os utilizadores sejam alertados quando os moldes ultrapassam mais de mil horas de trabalho, para que lhes seja feita uma manutenção preventiva. 18

20 Edição de informação Deve ser possível alterar e corrigir as características associadas aos moldes, assim como fazer um registo de todas as operações realizadas durante as sessões de manutenção curativa ou preventiva de cada um dos moldes Princípios de Usabilidade Os princípios de usabilidade que considerámos mais importantes para o desenvolvimento desta interface foram os seguintes: Coerência Tentar obter uniformidade, ao longo de toda a interface, ao nível da cor, tipo de letra, organização espacial e conceptual. Familiaridade Tornar certos aspectos semelhantes e coerentes com a realidade. Simplicidade Fornecer as funcionalidades ao utilizador de uma forma que ele perceba facilmente. Flexibilidade Facultar alternativas, para que o utilizador tenha possibilidade de optar pela que mais lhe convier. Feedback Manter o utilizador sempre informado da sua localização dentro da interface e de todas as opções que lhe são facultadas em todos os momentos. Protecção Pedir confirmação antes de efectuar as operações mais importantes (por ex., ao eliminar um molde). 19

21 2.1.4 Objectivos de Usabilidade Como os utilizadores usarão frequentemente a nossa aplicação, já que determinadas operações poderão ser efectuadas diariamente (por vezes até mais que uma vez por dia), outras com um intervalo maior, os principais objectivos de usabilidade serão a facilidade de aprendizagem, mas principalmente, a facilidade de utilização. A aplicação deverá permitir que o utilizador consiga realizar as tarefas de uma forma rápida e eficaz. Por último, a satisfação de todos os utilizadores será o resultado do grau de cumprimento dos objectivos referidos, mas também do aspecto gráfico da interface. 20

22 3 RFID Rádio Frequency Identification Radio Frequency Identification (RFID) é uma tecnologia que utiliza ondas de rádio para automaticamente identificar objectos. Figura Equipamento típico RFID A tecnologia RFID baseia-se em radio-frequência (Rádio Frequency Identification) para estabelecer um ligação entre duas entidades: uma unidade de leitura/escrita e uma etiqueta (tag). A quantidade de informação contida nessa tag pode ser simplesmente um código com tipicamente um centena de bits (único para cada tag e sem possibilidade de escrita de nova informação) ou então andar na ordem de grandeza dos kilobits e permitir tanto a leitura como a escrita ou actualização dessa informação. Existem dois tipos distintos de tags: as passivas e as activas. As passivas caracterizam-se por não necessitarem de alimentação externa (toda a energia necessária para o funcionamento da tag é extraída da onda electromagnética emitida pela unidade de leitura/escrita). Devido a isto, as distâncias de leitura são curtas e tipicamente da ordem dos centímetros. Por outro lado, as tags activas tem como principal características o uso de uma alimentação externa (bateria), o que aumenta de forma substancial o alcance da comunicação. 21

23 A utilização do canal de radio-frequência como meio propagador de informação apresenta vantagens notáveis, de entre as quais se destacam: Não há necessidade de linha de vista para efectuar uma leitura/escrita Comunicação entre as unidade é feita sem haver contacto físico entre a antena RFID e a tag As técnicas de modulação/codificação de radio-frequência permitem operações com poucos erros e elevados índices de fiabilidade O material que serve de encapsulamento é resistente e duradouro (normalmente plástico) Figura Modo de funcionamento da tecnologia RFID Estas vantagens combinadas com a grande quantidade de informação a que se pode associar à tag (guardando a informação directamente na tag ou associando a tag a uma base de dados), permitem obter uma etiqueta fiável, resistente, adaptável a vários cenários, praticamente imune às condições adversas, dentro de certos limites, de um ambiente industrial (sujidade, variações extremas de temperatura e humidade, choques mecânicos, etc.). A escolha da frequência de operação depende essencialmente do ambiente e utilização que a tag vai sofrer. A Tabela 3-1 mostra as características associadas ao uso de algumas frequências: 22

24 Baixas frequências (ex. 125 khz) Frequências Médias (ex MHz) Altas Frequências UHF (ex MHz) Muito Altas Frequências (ex GHz) Alcance Menos de um metro Até 1.5 metros Até 4 metros Dezenas de metros Permeabilidade das ondas de rádio em materiais Tolerante à presença de metal e capaz de atravessar alguns materiais não ferrosos Ondas capazes de atravessar a maior parte de materiais não metálicos Não opera bem em ambientes húmidos Problemas ligados à reflexão das ondas mesmo através dos vidros Velocidade de transferência de dados Velocidade baixa Melhor relação velocidade/cust o Melhor relação velocidade/cust o Velocidade de transferência alta Benefícios Frequência aceite e usada globalmente Frequência aceite e usada globalmente Uso comercial a crescer rapidamente Para rastreamento de longo alcance Aplicação mais comum Identificação de animais; Rastreio de barris de cerveja; Livros de biblioteca; Rastreio de paletes; Controlo de acesso; Bagagens para avião Rastreio de paletes/contento res/camiões Tabela Características de frequências usadas em RFID Controlo de acesso 3.1 Tecnologias RFID estudadas Efectuou-se o estudo detalhado das seguintes tecnologias RFID: Série V700 da OMRON SAW RFID tag da RFSAW Moby R da Siemens 23

25 3.1.1 Série V700 da OMRON Das tags pertencentes a esta série destacam-se as seguintes características: Formato semelhante a um moeda (ver Figura 3-3), altamente resistentes ao calor e capazes de guardar durante 200 horas a informação sendo submetidas a uma temperatura extrema de 180º C. Extremamente resistentes mecanicamente Facilidade de colocação devido às suas reduzidas dimensões Distância máxima de leitura: 25 mm Figura Etiqueta RFID da série V700 da OMRON De seguida apresenta-se uma tabela (Tabela 3-2) com todas a características técnicas destas etiquetas RFID: 24

26 Tabela Tabela de características das etiquetas RFID da série V700 da OMRON SAW RFID tag da RFSAW Este tipo de tags não usa a tecnologia normal associada às tags RFID. A tecnologia SAW (Surface Acoustic Waves) está actualmente a revelarse uma área promissora no âmbito do RFID. Isto deve-se ao facto de os conceitos físicos usados para fazer a leitura da informação da tag permitirem devolver muitos outros dados. Esta tecnologia baseia-se na transformação de ondas electromagnéticas em ondas sonoras e vice-versa. Abaixo encontra-se um esquema que demonstra o modo de funcionamento. 25

27 Figura Modo de funcionamento da tecnologia SAW RFID A emissão de um impulso electromagnético actua no transdutor (IDT) que converte esse impulso numa onda sonora. Essa onda sonora, ao percorrer o seu trajecto, vai embater em reflectores de onda que estão espaçados de forma única para cada tag. Esta reflexão vai enviar a onda sonora novamente para o IDT, onde é convertida num impulso electromagnético. A sucessão de impulsos electromagnéticos assim emitidos obedece à forma única como os reflectores estão colocados na tag. Assim obtêm-se um sinal de rádio único que identifica a etiqueta. O factor mais marcante nestas etiquetas, é que se torna possível medir certos parâmetros mediante tratamento matemático do sinal recebido, nomeadamente: Detecção da distância, direcção do movimento e velocidade da tag; Medição da temperatura a que se encontra a tag. Para além destas, esta tag apresenta ainda as seguintes características: Elevada resistência mecânica e térmica Distância de leitura até 10 metros Dimensões reduzidas (ver Figura 3-5) 26

28 Figura Etiqueta SAW RFID Moby R da Siemens A Siemens apresenta também uma variada gama de tecnologia RFID. A Moby R distingue-se das outras pois fornece um alcance de leitura da ordem das centenas de metros. Este tipo de sistema é adequado quando se pretende que um determinado item seja localizado automaticamente. Baseia-se em tags activas que emitem periodicamente um sinal que é detectado por várias antenas. Depois de feita a triangulação do sinal recebido, é possível detectar, com um erro de 3 metros, a localização do objecto (ver Figura 3-6). 27

29 Figura Tecnologia Moby R da Siemens As tags da Moby R apresentam as seguintes características: Dimensões da ordem de uma caixa de fósforos (ver Figura 3-7) Necessidade de uma bateria, que tem uma duração da ordem de meses Figura Etiquetas RFID Moby R da Siemens 28

30 A seguinte tabela comparativa (Tabela 3-3) permite visualizar as diferenças fundamentais entre as tecnologias estudadas: Tabela Tabela comparativa das tecnologias estudadas A escolha da etiqueta para este projecto recaiu sobre a série V700 da OMRON devido à possibilidade de escrever informação da tag (pode ser actualizada/reutilizada), à sua resistência e também por a sua frequência de funcionamento ser baixa, o que permite o seu uso no ambiente de moldes da Simoldes Plásticos. 4 Ferramentas usadas Para a realização deste projecto usaram-se as seguintes ferramentas: Equipamentos RFID o Etiqueta RFID: V700-D13P31 da OMRON o Antena RFID: V705-HMF01 da OMRON Microsoft Visual Studio.NET 2003 (Microsoft Visual C#) embedded Visual Basic 3.0 Microsoft SQL Server 2000 Microsoft IIS Web Server O sistema de informação com interface Web foi totalmente desenvolvido usando o ambiente Microsoft Visual C#. Este sistema corre num IIS Web Server e acede a uma base de dados SQL. Para o desenvolvimento da aplicação para o PDA, usaram-se as linguagens C# e embedded Visual Basic (VB). 29

31 4.1 Equipamento RFID utilizado Do estudo feito anteriormente das tecnologias RFID, foram considerados vários parâmetros para a escolha dos equipamentos a utilizar no sistema protótipo. Esses parâmetros são: A temperatura máxima de funcionamento da tag Este é um critério fundamental pois os moldes podem atingir temperaturas da ordem dos 70º C devido às altas temperaturas do plástico aquando da sua injecção. Distância de transmissão máxima Para que haja uma futura decisão do tipo de unidades de leitura/escrita a utilizar (portáteis ou fixas), tivemos sempre em conta quais as distâncias máximas de transmissão de cada uma das tags pesquisadas. Possibilidade de escrita na tag Para além da leitura, a possibilidade de escrever informação na tag pode ser vantajosa em algumas situações, nomeadamente a existência de redundância de informação na tag e base de dados, de modo a facilitar a recuperação de informação numa eventual falha do sistema. Tags activas ou passivas Este foi outro critério de análise das tags, pois reflecte a complexidade e custo do sistema final, já que as tags activas são mais caras e volumosas que as tags passivas, no entanto têm a vantagem da sua distância de transmissão máxima ser muito superior à das tags passivas. 30

32 Por todos este motivos foram escolhidos os seguintes equipamentos RFID: série V700 da OMRON Etiqueta RFID A tag usada foi a V700-D13P31 da OMRON, cujas características estão patentes na tabela seguinte (Tabela 4-1): Frequência de operação 125 KHz Tipo de memória EEPROM Capacidade de memória 112 bytes Tempo de retenção de dados 10 anos Número de ciclos de escrita por endereço Temperatura de funcionamento -20 a 70ºC Material Resina PPS Peso Aproximadamente 2 gramas Tabela Características da etiqueta RFID utilizada Antena RFID A antena RFID usada foi a V705-HMF01 da OMRON, cujas características são apresentadas de seguida: Dimensões Tipo de montagem Alimentação Frequência de funcionamento Alcance de comunicação 59,4x52x12 mm Inserção numa slot CF (TYPE II) 3,3 VDC com consumo médio de 80 ma 125 KHz 20 mm Temperatura de funcionamento 0 a 50ºC Peso Aproximadamente 25 gramas Tabela Características da antena RFID utilizada 31

33 4.2 Base de Dados A base de dados utilizada foi o SQL Server O SQL (Structed Query Language) não oferece só uma forma fiável de armazenar de forma persistente dados, mas também funcionalidades de pesquisa e actualização rápidas e simples sobre a informação. Mediante o uso de comandos é possível executar poderosas pesquisas em bases de dados extensas, o que simplifica bastante o projecto de aplicações que operem com SQL. A parte crítica de dispor de um acesso rápido aos dados pretendidos fica ao cargo do SQL Server, e o papel da aplicação desenvolvida resume-se ao envio de comandos de pesquisa ou introdução/actualização de novos dados. Além disto, o facto de ser um sistema de rede permite que qualquer máquina remotamente possa ter acesso ao servidor, aproveitando assim a potencialidades tecnológicas de um mundo global virado para a Internet. 4.3.NET O ambiente Microsoft Visual Studio.NET é uma poderosa ferramenta de programação que permite que a programação de aplicações para dispositivos tão diversos (como uma página HTML, uma aplicação EXE ou um programa que opere num telemóvel/pda) seja possível sem ter que conhecer pormenorizadamente a arquitectura de cada um deles. Assim é possível obter uma abstracção ao nível do hardware e usar comandos e objectos que são possíveis de usar em qualquer suporte mediante alterações mínimas da programação realizada. A linguagem usada foi o C#, pois junta as funcionalidades da programação orientada por objectos com classes às facilidades gráficas na criação da interface para o utilizador. A quase totalidade do projecto (desenvolvimento do Sistema de Informação, páginas da Web e aplicações para o PDA) foi feita usando.net. 32

34 4.4 embedded Visual Basic O uso desta ferramenta deveu-se ao facto de as bibliotecas que contêm as funções de acesso à antena RFID estarem desenvolvidas nesta linguagem. Esta versão do Visual Basic é baseada na sua versão não embedded e foi desenvolvida para permitir a programação de dispositivos Pocket PC. Permite de forma rápida e intuitiva o desenvolvimento de software para estas plataformas. 4.5 PDA A unidade de escrita/leitura portátil consiste num PDA HP ipaq hx 2410 que tem uma slot de expansão Compact Flash II, compatível com a antena. Abaixo encontra-se uma tabela (Tabela 4-3) com as suas principais características: Sistema operativo Processador Memória Slots de expansão Dimensões Peso Tecnologias sem fios Dispositivos apontadores Microsoft Windows Mobile Second Edition Intel 128 MB (64MB ROM e 64MB SDRAM) Compact Flash II (CF) e Secure Digital (SDIO) 77 x 16 x 119 mm 164 g Wi-Fi (802.11b), Bluetooth e Infravermelhos Ecrã táctil e caneta Temperatura de operação 0 a 40ºC Funcionalidades ergonómicas 4 botões programáveis Tabela Características do PDA utilizado 33

35 5 Desenvolvimento do Protótipo 5.1 Arquitectura Funcional O projecto protótipo assenta numa arquitectura constituída por um sistema de gestão que associa uma base de dados a uma aplicação Web. Este sistema de gestão pode ser acedido remotamente através da Internet por utilizadores possuidores de login e password válidos. A informação que reside na base de dados é actualizada por um sistema que integra a tecnologia RFID implementado na unidade fabril da Simoldes Plásticos, através de uma rede de comunicação Wireless existente na referida unidade. Figura Arquitectura funcional do projecto protótipo Este sistema que integra a tecnologia RFID consiste basicamente na comunicação entre uma etiqueta e uma antena RFID. 34

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático

CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático CAPÍTULO 4 Implementação do modelo num programa de cálculo automático Neste capítulo, será feita a demonstração da aplicação do modelo num programa de cálculo automático, desenvolvido em linguagem de programação

Leia mais

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011

Guia de Acesso à Formação Online Formando 2011 Plano [1] Guia de Acesso à Formação Online 2011 [2] ÍNDICE ÍNDICE...2 1. Introdução...3 2. Metodologia Formativa...4 3. Actividades...4 4. Apoio e Acompanhamento do Curso...5 5. Avaliação...6 6. Apresentação

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem

Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Aprend.e Sistema integrado de formação e aprendizagem Pedro Beça 1, Miguel Oliveira 1 e A. Manuel de Oliveira Duarte 2 1 Escola Aveiro Norte, Universidade de Aveiro 2 Escola Aveiro Norte, Departamento

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Fábio Costa e Miguel Varela

Fábio Costa e Miguel Varela Sistema de Informação e Gestão dos Laboratórios do Departamento de Eng.ª Electrotécnica com Tecnologia RFID Projecto Final de Licenciatura em Eng. Electrotécnica e de Computadores Ramo de Electrónica e

Leia mais

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13

PONTDOC. Sistema de Gestão Documental. Dossier de Produto 02.01.2009 DP10.02. www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDOC Sistema de Gestão Documental Dossier de Produto DP10.02 02.01.2009 www.pontual.pt UGD 1 de 13 PONTDoc Sistema de Gestão Documental A Pontual A Pontual é uma empresa de capitais 100% nacionais,

Leia mais

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual.

604 wifi. Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. 604 wifi FUNÇÕES WIFI e Internet Suplemento ao Manual do Utilizador ARCHOS 504/604 Versão 1.2 Visite www.archos.com/manuals para transferir a versão mais recente deste manual. Este manual contém informações

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Comunicação sem fios Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Mestrado em Fisica 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes WIFI 1 Introdução Nos sistemas de comunicações

Leia mais

Webmail FEUP. Rui Tiago de Cruz Barros tiago.barros@fe.up.pt

Webmail FEUP. Rui Tiago de Cruz Barros tiago.barros@fe.up.pt Webmail FEUP Rui Tiago de Cruz Barros tiago.barros@fe.up.pt Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação Interacção Pessoa-Computador Junho 2013 Índice Índice 1. Introdução 2. Webmail FEUP

Leia mais

ZSRest. Manual de Configuração ZSPDA. V2011-Certificado

ZSRest. Manual de Configuração ZSPDA. V2011-Certificado Manual de Configuração ZSPDA V2011-Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Pré-requisitos... 3 a) Base de dados... 3 b) Firewall... 3 c) Licença... 3 d) Rede sem fios... 3 e) PDA... 4 4. ZSPDA Interface...

Leia mais

Wide Scope. Soluções de Optimização

Wide Scope. Soluções de Optimização Wide Scope Soluções de Optimização 2 Wide Scope Scheduler sequenciamento e optimização da produção A oportunidade para passar a agir, em vez de reagir. Maximizar a capacidade produtiva dos recursos quando

Leia mais

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS RELATÓRIO DE ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS LABORATÓRIO DE GESTÃO DE PROJECTO Carlos Frias Manuel Seixas Sérgio Junior FACULDADE DE ENGENHARIA UNIVERSIDADE DO PORTO 22 Março 2013 Filipe Mota Manuel Melo Tiago

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

1º Relatório Técnico-Científico Projecto Appybaby Candidatura QREN n.º 30189

1º Relatório Técnico-Científico Projecto Appybaby Candidatura QREN n.º 30189 1º Relatório Técnico-Científico Projecto Appybaby Candidatura QREN n.º 30189 Resumo 1. Projecto e âmbito Descrição da natureza do projecto, linhas orientadoras e grandes eixos de desenvolvimento. 2. Resultados

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice

ZSRest/ZSPos. Manual de Stocks. BackOffice BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest/ZSPos FrontOffice... 4 4. Produto... 5 Activar gestão de stocks... 5 5. Armazém... 7 a) Adicionar Armazém... 8 b) Modificar Armazém... 8 c)

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen. Concebido para a Vodafone Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen Concebido para a Vodafone 1 Bem-vindo ao mundo das comunicações móveis 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 13 2 Bem-vindo Configuração da sua Connect Pen Iniciar o software

Leia mais

Manual Brother Image Viewer para Android

Manual Brother Image Viewer para Android Manual Brother Image Viewer para Android Versão 0 POR Definições de notas Ao longo deste Manual do Utilizador, é utilizado o seguinte ícone: NOTA As Notas indicam o que fazer perante uma determinada situação

Leia mais

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice

ZS Rest. Manual de Iniciação. BackOffice Manual de Iniciação BackOffice 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 a) BackOffice:... 4 b) Acesso BackOffice:... 4 4. Zonas... 6 c) Criar Zona:... 7 d) Modificar Zona:... 8 e) Remover

Leia mais

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária)

Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) Curriculum DeGóis Guia de preenchimento do Curriculum Vitae (Informação mínima necessária) /curriculum Julho de 2008 Versão 1.1 1 Introdução O objectivo deste guia é auxiliar o utilizador da Plataforma

Leia mais

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO. Resumo SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E TELEGESTÃO DE REDES DE REGA EM PRESSÃO. CASO DE ESTUDO Autores: ISABEL GRAZINA Eng.ª Civil, EDIA, Rua Zeca Afonso, 2 7800-522 Beja, 00351284315100, igrazina@edia.pt JOSÉ CARLOS

Leia mais

Enunciado do Projecto

Enunciado do Projecto C O M P U T A Ç Ã O M Ó V E L 2 0 0 7 / 2 0 0 8 Enunciado do Projecto 17 de Março de 2008 1. Objectivos Desenvolver uma aplicação num domínio aplicacional específico que envolva replicação e sincronização

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6

Objectivos Gerais da Aplicação 5 Requisitos Mínimos e Recomendados 5 Processo de Instalação 6 MANUAL DO UTILIZADOR A informação contida neste manual, pode ser alterada sem qualquer aviso prévio. A Estratega Software, apesar dos esforços constantes de actualização deste manual e do produto de software,

Leia mais

RFID CASE STUDY THROTTLEMAN. Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54

RFID CASE STUDY THROTTLEMAN. Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54 RFID CASE STUDY THROTTLEMAN Hugo Pedro hugo.pedro@sybase.pt 91 879 88 54 A TECNOLOGIA RFID A HISTÓRIA A TECNOLOGIA Identificação por Rádio Frequência permite identificar unicamente um objecto, usando ondas

Leia mais

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores

CGA Directa. Manual do Utilizador. Acesso, Adesão e Lista de Subscritores CGA Directa Manual do Utilizador Acesso, Adesão e Lista de Subscritores Versão 1.00 de 10 de Março de 2008 Índice Pág. Introdução 3 Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Acesso Acesso 4 Adesão Adesão 5 2.1

Leia mais

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID -

Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Identificação por Dispositivos de Radiofrequência - RFID - Os dispositivos de identificação por meio de rádio frequência têm atingido já desde alguns anos um estado de difusão aplicacional e comercial

Leia mais

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS

ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS ADSE DIRECTA - PROTOCOLOS DE DOCUMENTOS REGIME LIVRE MANUAL DE APOIO AOS ORGANISMOS Este documento destina-se a apoiar os serviços processadores na elaboração dos protocolos dos documentos de despesa em

Leia mais

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR

SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Leaseplan Portugal Bertrand Gossieaux SIM - SUPPLIERS INVOICING MANAGER - MANUAL DE UTILIZADOR Page2 INDICE 1. LOGIN, ESTRUTURA E SAÍDA DO SIM... 3 a) Login... 3 b) Estrutura principal... 4 c) Saída da

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Ementas : Email e SMS. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Ementas : Email e SMS. v2011 Manual Avançado Ementas : Email e SMS v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest FrontOffice... 3 1 4. CONFIGURAÇÃO INICIAL... 4 b) Configurar E-Mail... 4 c) Configurar SMS... 5 i. Configurar

Leia mais

3 ao Quadrado - Agenda Web

3 ao Quadrado - Agenda Web 3 ao Quadrado - Agenda Web Relatório de Gestão de Projectos de Software - Grupo A - LEIC 2001/2002 http://gnomo.fe.up.pt/gps01a João Montenegro - ei97023@fe.up.pt André Teixeira - ei97024@fe.up.pt Carlos

Leia mais

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals

Data última actualização: 20-06-2014. Instalação E-Portals Data última actualização: 20-06-2014 Instalação E-Portals 1. Conteúdo 1. Conteúdo... 2 2. Instalação e Manutenção do EPT... 3 3. Configuração de perfis de sincronização... 6 3.1 Módulos Oficinas, GCE e

Leia mais

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL

Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Guia de Acesso/Apresentação de Pedidos de Apoio Sistema de Informação RURAL Índice 1. Introdução...3 2. Home Page...3 3. Pedido de Senha...4 3.1 Proponente...5 3.2 Técnico Qualificado...5 3.3 Proponente/Técnico

Leia mais

Manual do Utilizador Aluno

Manual do Utilizador Aluno Manual do Utilizador Aluno Escola Virtual Morada: Rua da Restauração, 365 4099-023 Porto PORTUGAL Serviço de Apoio ao Cliente: Telefone: (+351) 707 50 52 02 Fax: (+351) 22 608 83 65 Serviço Comercial:

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle

Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Desenvolvimento de uma Aplicação WEB para monitorização de BD Oracle Luís Filipe Borges Pinto Resumo: Este projecto consiste na implementação de uma aplicação WEB para monitorização

Leia mais

Wagon Tracking Mário André Rocha Cristóvão Coelho Dispositivos e Redes de Sistemas Logísticos Professor Alberto Manuel Ramos da Cunha

Wagon Tracking Mário André Rocha Cristóvão Coelho Dispositivos e Redes de Sistemas Logísticos Professor Alberto Manuel Ramos da Cunha Wagon Tracking Mário André Rocha Cristóvão Coelho Dispositivos e Redes de Sistemas Logísticos Professor Alberto Manuel Ramos da Cunha Dezembro de 2008 ÍNDICE Introdução..2 Objectivo.. 2 Métodos Actuais.

Leia mais

Direcção Regional de Educação do Algarve

Direcção Regional de Educação do Algarve MÓDULO 1 Folha de Cálculo 1. Introdução à folha de cálculo 1.1. Personalização da folha de cálculo 1.2. Estrutura geral de uma folha de cálculo 1.3. O ambiente de da folha de cálculo 2. Criação de uma

Leia mais

QuartelOnline Rev. 1.1

QuartelOnline Rev. 1.1 www.decimal.pt/qo ÍNDICE Introdução... 3 Login Entrada na Aplicação... 4 Frontoffice - Acesso... 5 Backoffice - Detalhes... 5 Backoffice - Tabelas... 5 Tabela - Bombeiros... 5 Tabela Bombeiros (continuação)...

Leia mais

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt

bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt bit Tecnologia ao Serviço do Mundo Rural www.ruralbit.pt :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Índice :: Ruralbit :: http://www.ruralbit.pt :: Pág. 1 Introdução O Pocket Genbeef Base é uma aplicação

Leia mais

GeoMafra SIG Municipal

GeoMafra SIG Municipal GeoMafra SIG Municipal Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar a

Leia mais

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR

CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR CALL VN E APV- EXTRANET PEUGEOT MANUAL DO UTILIZADOR Índice Noções Básicas 3 Workflow 4 Permissões 5 Acessos 5 Layout 5 Autenticação 6 Homepage 8 Contactos 8 Upload 11 Relatórios 15 Verbatins 18 Utilizadores

Leia mais

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros

Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Cursos de e-learning da Academia Portuguesa de Seguros Guia de Apresentação do Curso de Qualificação de Agentes, Corretores de Seguros ou Mediadores de Resseguros Guia de Apresentação do Curso Versão 1.0

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento

Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento AUTOR: DGITA DATA: 2007-02-22 VERSÃO: 1.0 Sistema de Tratamento Automático da Declaração de Introdução no Consumo e do Documento Administrativo de Acompanhamento Sistema de Impostos Especiais sobre o Consumo

Leia mais

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro

Manual de Utilizador. CNCVisual. Julho de 2006. Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica. Autor: Bruno Lameiro Manual de Utilizador CNCVisual Julho de 2006 Âmbito do Projecto de 5º Ano de Engenharia Mecânica Autor: Bruno Lameiro Introdução: A existência do manual de utilizador da aplicação CNCVisual tem como objectivo

Leia mais

Sistema de Certificação de Competências TIC

Sistema de Certificação de Competências TIC Sistema de Certificação de Competências TIC Portal das Escolas Manual de Utilizador INDICE 1 Introdução... 5 1.1 Sistema de formação e certificação de competências TIC...6 1.1.1 Processo de certificação

Leia mais

Como posso gerir todas as funções do software de automação num único ambiente de engenharia?

Como posso gerir todas as funções do software de automação num único ambiente de engenharia? Como posso gerir todas as funções do software de automação num único ambiente de engenharia? Para obter mais informações, consulte-nos: www.siemens.com/tia-portal Catálogo online: www.siemens.com/industrymall/pt

Leia mais

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line

Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Software de Facturação e Gestão Comercial On-Line Manual básico do Utilizador Software de Facturação e Gestão Comercial On-line Level 7 Basic, Light & Premium Este Software é fornecido com um número de

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

Solução de gestão de frota automóvel

Solução de gestão de frota automóvel Solução de gestão de frota automóvel Gisgeo Information Systems www.gisgeo.pt UPTEC Parque de Ciência e Tecnologia R. Actor Ferreira da Silva, 100 gisgeo@gisgeo.pt 4200-298 Porto +351 220301572 Portugal

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware

Unidade 2. ROM BIOS (Basic Input/Output System) Sistema Operativo. Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Interacção entre as diferentes partes num computador: software e hardware Unidade 2 Utilização do ambiente operativo Windows Aplicações Sistema Operativo ROM BIOS Processador+memória+... Software aplicacional

Leia mais

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens;

Destaques. Um único sistema de controlo para segurança e conforto; Desempenho elevado e tecnologia de futuro da Siemens; 1 Não há nada melhor do que saber que a sua família está em casa e em segurança. Agora imagine se pudesse melhorar a segurança e conforto do seu lar apenas com a instalação de um sistema Impossível? Então

Leia mais

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista

PORTUGUÊS. Mesa Digitalizadora. Manual do Utilizador. Windows 2000 / XP / Vista Mesa Digitalizadora Manual do Utilizador Windows 2000 / XP / Vista 1 I. Informação Geral 1. Visão Geral Bem-vindo ao mundo das canetas digitais! Irá descobrir que é muito fácil controlar o seu computador

Leia mais

Manual de instalação para PC Suite

Manual de instalação para PC Suite Manual de instalação para PC Suite Manual do utilizador de aparelho electrónico editado em conformidade com as normas Termos e Condições dos Manuais do Utilizador Nokia, 7 de Junho de 1998. ( Nokia User

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado

ZS Rest. Manual Avançado. Menus. v2011 - Certificado Manual Avançado Menus v2011 - Certificado 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar o ZSRest... 3 4. Menus... 4 b) Novo Produto:... 5 i. Separador Geral.... 5 ii. Separador Preços e Impostos... 7 iii.

Leia mais

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z

Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Manual de Utilização Rápida Vodafone Connect Pen K3772-Z Bem-vindo ao mundo da Banda Larga Móvel 1 2 3 4 5 6 8 9 9 10 12 Bem-vindo Configuração da Connect Pen Iniciar a aplicação Ligar Janela Normal Definições

Leia mais

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.

Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença. Porquê NEXT Vision Porque as suas regras de negócio são específicas, precisa de uma sua solução de gestão que permite gerir essa diferença.... Poder de adaptação Porque cabe a si decidir como pretende

Leia mais

Capítulo 11. Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++

Capítulo 11. Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++ Capítulo 11 Alguns simuladores orientados a objectos Apresentação de simuladores visuais e interactivos desenvolvidos com o Microsoft Visual C++ 11. Alguns simuladores orientados a objectos Apesar de existir

Leia mais

Base de dados I. Base de dados II

Base de dados I. Base de dados II Base de dados I O que é? Uma base de dados é um simples repositório de informação, relacionada com um determinado assunto ou finalidade, armazenada em computador em forma de ficheiros Para que serve? Serve

Leia mais

Manual de Administração Intranet BNI

Manual de Administração Intranet BNI Manual de Administração Intranet BNI Fevereiro - 2010 Índice 1. Apresentação... 3 2. Conceitos... 5 3. Funcionamento base da intranet... 7 3.1. Autenticação...8 3.2. Entrada na intranet...8 3.3. O ecrã

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS (GRUPO INFORMÁTICA) Ano Letivo de 2014/2015 MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO Ensino Regular Diurno Disciplina: T.I.C. Professores: Margarida Afonso Curso Profissional - Técnico de Auxiliar de Saúde Ano: 10.º Turma(s): TAS MÓDULO 1 FOLHA DE CÁLCULO OBJECTIVOS Indicar as principais

Leia mais

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda.

MicroMIX Comércio e Serviços de Informática, Lda. 1 P á g i n a Procedimentos Inventário AT 2014 Software Olisoft-SIG.2014 Verificar Versão dos Módulos Instalados Em primeiro lugar deveremos verificar se o programa SIG está actualizado. Esta nova rotina

Leia mais

RT-8 DATA LOGGER MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR

RT-8 DATA LOGGER MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR RT-8 DATA LOGGER MANUAL DE UTILIZAÇÃO MANUAL DO UTILIZADOR Copyright Moncorvauto. Todos os direitos reservados É proibido reproduzir, transferir, distribuir ou armazenar a totalidade ou parte do conteúdo

Leia mais

Controlo de acessos em rede

Controlo de acessos em rede Manual do software Controlo de acessos em rede Access (Versão do software: 1.0.2) (Versão do documento: 1.0.9) Para mais informação, visite o nosso website: www.simonalert.com Página - 1 - Para mais informação,

Leia mais

Migrar para o Excel 2010

Migrar para o Excel 2010 Neste Guia Microsoft O aspecto do Microsoft Excel 2010 é muito diferente do Excel 2003, pelo que este guia foi criado para ajudar a minimizar a curva de aprendizagem. Continue a ler para conhecer as partes

Leia mais

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU

GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU GUÍA PARA UTILIZAR A WEBNODE EDU Imagina que queres criar o teu próprio site. Normalmente, terías que descarregar e instalar software para começar a programar. Com a Webnode não é preciso instalar nada.

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical

Spelling Tabelas Apagar linhas numa tabela Merge e Split numa tabela Alinhamento vertical da tabela Introduzir texto na vertical Word II Título: Iniciação ao WORD 2003. Nível: 1 Duração: 2 Tempos Objectivo: Iniciar o estudo da aplicação Microsoft Office Word. Dar a conhecer algumas ferramentas do Microsoft Office Word. Microsoft

Leia mais

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual

NetOp Remote Control. Versão 7.65. Adenda ao Manual NetOp Remote Control Versão 7.65 Adenda ao Manual Mover a perícia - não as pessoas 2003 Danware Data A/S. Todos os direitos reservados Revisão do Documento: 2004009 Por favor, envie os seus comentários

Leia mais

Guia de funcionamento do projector em rede

Guia de funcionamento do projector em rede Guia de funcionamento do projector em rede Tabela de conteúdos Preparação...3 Ligar o projector ao seu computador...3 Ligação sem fios (para alguns modelos)... 3 QPresenter...5 Requisitos mínimos do sistema...5

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2

PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANO LETIVO DE 2013/2014 Curso CEF Tipo 2 Domínios de referência Competências Conteúdos Calendarização Conceitos Essenciais e

Leia mais

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador

Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Extracto on Line Aplicação Local Guia do Utilizador Índice 1. Sobre o Guia... 4 1.1 Objectivo... 4 1.2 Utilização do Guia... 4 1.3 Acrónimos e Abreviações... 4 2. Introdução ao Extracto on Line Aplicação

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

GeoMafra Portal Geográfico

GeoMafra Portal Geográfico GeoMafra Portal Geográfico Nova versão do site GeoMafra Toda a informação municipal... à distância de um clique! O projecto GeoMafra constitui uma ferramenta de trabalho que visa melhorar e homogeneizar

Leia mais

Estrutura de um endereço de Internet

Estrutura de um endereço de Internet Barras do Internet Explorer Estrutura de um endereço de Internet Na Internet, cada servidor tem uma identificação única, correspondente ao endereço definido no IP (Internet Protocol). Esse endereço é composto

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

Sistemas de informação (S.I.)

Sistemas de informação (S.I.) Sistemas de informação (S.I.) Índice geral: Contents Índice geral: 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de Gestão Empresarial 3 TIPOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 5 SEGURANÇA NOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 6 Noções

Leia mais

Guia de Utilização. Acesso Universal

Guia de Utilização. Acesso Universal Guia de Utilização Índice PREÂMBULO...3 ACESSO À PLATAFORMA...3 ÁREA DE TRABALHO...4 APRESENTAR PROPOSTAS...9 RECEPÇÃO DE ADJUDICAÇÃO...18 PARAMETRIZAÇÃO DA EMPRESA...19 Acesso universal Proibida a reprodução.

Leia mais

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento CPU - Significado CPU Central Processing Unit Unidade Central de Processamento CPU - Função Na CPU são executadas as instruções Instrução: comando que define integralmente uma operação a ser executada

Leia mais

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas.

Enterprise 2007. A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Enterprise 2007 Descritivo completo A gama PHC Enterprise é um ERP desenvolvido de forma a satisfazer as exigentes necessidades das médias e grandes empresas. Com vista a satisfazer totalmente cada empresa

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações

ConfigFree - Gestão simplificada de ligações ConfigFree - Gestão simplificada de ligações As ligações sem fios tornaram-se essenciais no estabelecimento de comunicações em qualquer parte em qualquer momento, permitindo aos utilizadores manterem-se

Leia mais

Relógios de Ponto, Controle de Acessos e Gestão de Rondas. Tecnologia de Proximidade (sem contacto)

Relógios de Ponto, Controle de Acessos e Gestão de Rondas. Tecnologia de Proximidade (sem contacto) Relógios de Ponto, Controle de Acessos e Gestão de Rondas Tecnologia de Proximidade (sem contacto) A gama de produtos EuroTime para controle de presenças utiliza a tecnologia de proximidade (também designada

Leia mais

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO

A VISTA BACKSTAGE PRINCIPAIS OPÇÕES NO ECRÃ DE ACESSO DOMINE A 110% ACCESS 2010 A VISTA BACKSTAGE Assim que é activado o Access, é visualizado o ecrã principal de acesso na nova vista Backstage. Após aceder ao Access 2010, no canto superior esquerdo do Friso,

Leia mais

MICROSOFT POWERPOINT

MICROSOFT POWERPOINT MICROSOFT POWERPOINT CRIAÇÃO DE APRESENTAÇÕES. O QUE É O POWERPOINT? O Microsoft PowerPoint é uma aplicação que permite a criação de slides de ecrã, com cores, imagens, e objectos de outras aplicações,

Leia mais

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0

PERIVER PLATAFORMA SOFTWARE REQUIREMENT SPECIFICATION. Periver_SoftwareRequirementSpecification_2008-03-31_v1.0.doc. Versão 1.0 PLATAFORMA Versão 1.0 31 de Março de 2008 TABELA DE REVISÕES Versão Autores Descrição da Versão Aprovadores Data António Rocha Cristina Rodrigues André Ligeiro V0.1r Dinis Monteiro Versão inicial António

Leia mais

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240.

geral@centroatlantico.pt www.centroatlantico.pt Impressão e acabamento: Inova 2ª edição: Março de 2006 ISBN: 989-615-024-9 Depósito legal: 240. Reservados todos os direitos por Centro Atlântico, Lda. Qualquer reprodução, incluindo fotocópia, só pode ser feita com autorização expressa dos editores da obra. Microsoft Windows XP SP2, 2ª edição Colecção:

Leia mais

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados.

Ao conjunto total de tabelas, chamamos de Base de Dados. O QUE É O ACCESS? É um sistema gestor de base de dados relacional. É um programa que permite a criação de Sistemas Gestores de Informação sofisticados sem conhecer linguagem de programação. SISTEMA DE

Leia mais

Conceitos, tabelas e consultas

Conceitos, tabelas e consultas MICROSOFT ACCESS Conceitos, tabelas e consultas 1. CONCEITOS Base de Dados é um conjunto de dados organizados SGBD (Sistema de Gestão de Base de Dados) programa que permite fazer a gestão da base de dados.

Leia mais

Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador

Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador O Banco de todos os momentos. Mobile Banking BAI Guia Rápido do Utilizador Índice 1. Introdução ao Mobile Banking BAI... 5 2. Regras de Segurança... 8 3. Guia

Leia mais

EXCEL TABELAS DINÂMICAS

EXCEL TABELAS DINÂMICAS Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL TABELAS DINÂMICAS (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina Wanzeller

Leia mais