Reitor. Prof. José Campos de Andrade. Vice-reitora. Prof. Maria Campos de Andrade. Pró-Reitora Financeira. Prof. Lazara Campos de Andrade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Reitor. Prof. José Campos de Andrade. Vice-reitora. Prof. Maria Campos de Andrade. Pró-Reitora Financeira. Prof. Lazara Campos de Andrade"

Transcrição

1 1

2 2

3 Reitor Prof. José Campos de Andrade Vice-reitora Prof. Maria Campos de Andrade Pró-Reitora Financeira Prof. Lazara Campos de Andrade Pró-Reitor de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão Prof. José Campos de Andrade Filho Pró-Reitora de Planejamento Prof. Alice Campos de Andrade Lima Pró-Reitora de Graduação Prof. Mari Elen Campos de Andrade Pró-Reitor Administrativo Prof. Anderson José Campos de Andrade Comissão Organizadora Prof. Ms. Ana Maria Cordeiro Vogt Dr. Eduardo Borba Neves Dr. Dalton Tadeu Reynaud Dos Santos Capa Lincon Rodolfo Schindler 3

4 APRESENTAÇÃO Este Caderno de Resumos registra os trabalhos apresentados no X Seminário de Pesquisa / Seminário de Iniciação Científica do Centro Universitário Campos de Andrade UNIANDRADE. O Evento ocorreu no nesta instituição, nos dias 28 e 29 de outubro de Nesta edição do evento, foram apresentados 139 trabalhos científicos nas áreas das Ciências da Saúde e das Ciências Sociais e Humanas. Mais de 600 participantes entre alunos, professores e convidados puderam desfrutar de dois dias de comunicações científicas e da apresentação dos posters. Agradecemos aos alunos, professores e funcionários que trabalhando em conjunto conduziram o evento de maneira brilhante, contribuindo para a contrução do conhecimento científico. Professor Dr. Eduardo Borba Neves Coordenador de Pesquisas 4

5 Sumário Ciê ncias da Saú dê ACADEMIAS AO AR LIVRE: UMA ANÁLISE DOS SEUS BENEFÍCIOS PARA OS PRATICANTES JOGOS COMPETITIVOS PARA PESSOAS ESPECIAIS: UMA ANÁLISE PARA A FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA CICLISMO E TRIATHLON E SUAS VARIÁVEIS AO VO2max EVENTOS: FESTA DE DIA DAS CRIANÇAS DIVERSÃO É A REGRA DO JOGO MAIS UMA OPÇÃO DE LAZER À FAMILIA CURITIBANA MÉTODOS DE TREINAMENTO ADAPTADO PARA PROFESSOSRES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM FORMAÇÃO DESMISTIFICAÇÃO DO CONCEITO MILENAR DO TAEKWONDO WTF A IMPORTANCIA E OS BENEFICIOS DAS ATIVIDADES LUDICAS FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA NÃO ORIENTADA PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM AGENTES DA GUARDA MUNICIPAL DE CURITIBA A SEPARAÇÃO DO BACHARELADO E LICENCIATURA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS E PROFESSORES DA UNIANDRADE MUSCULAÇÃO PARA A TERCEIRA IDADE A MOTIVAÇÃO DOS ALUNOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FISICA UMA ABORDAGEM TEÓRICA E PRÁTICA DE FUTEBOL PARA EDUCADORES FÍSICOS INICIANTES: FUNÇÕES TÁTICAS, E CONCEITOS TÉCNICOS HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA E SUAS INTERFACES COM A EDUCAÇÃO EM SAÚDE A EDUCAÇÃO EM SAÚDE VOLTADA AO PORTADOR DE DIABETES MELLITUS PRINCIPAIS INTERCORRÊNCIAS NA GRAVIDEZ DA ADOLESCENTE EM CURITIBA A INCIDÊNCIA DA INFECCÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM GESTANTES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CONFLITO E RESILIÊNCIA NO EXERCÍCIO GERENCIAL DO ENFERMEIRO NO CONTEXTO HOSPITALAR: UMA REVISÃO INTEGRATIVA PREVALENCIA DOS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE INTERNAÇÃO ADULTA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM EM PACIENTES COLOSTOMIZADO CONTRIBUIÇÃO CIENTÍFICA DA ENFERMAGEM NOS CUIDADOS AOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA: REVISÃO INTEGRATIVA CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE CUIDADOS PALIATIVOS EM PACIENTES TERMINAIS EM UMA UTI ADULTA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO FRENTE AO CATETER CENTRAL DE INSERÇÃO PERIFÉRICA EM UMA UTI NEONATAL NO ESTADO DO PARANÁ HUMANIZAÇÃO NO TRANSPORTE NEONATAL: REVISÃO BIBLIOGRAFICA IMPLANTAÇÃO DO CONFUSION ASSESMENT METHOD FOR THE INTENSIVE CARE UNIT SCALE E O IMPACTO GERADO NOS INDICADORES DE MORBIMORTALIDADE EM UMA UTI DE CURITIBA

6 CUIDADOS DE ENFERMAGEM DURANTE O PRÉ-NATAL DE GESTANTES HIV SOROPOSITIVAS: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM HUMANIZADA AO PACIENTE ONCOLÓGICO EM FASE TERMINAL PROGRAMA DE VACINAÇÃO NA TERCEIRA IDADE NO BRASIL: REVISÃO BIBLIOGRAFICA EQUIPE DE ENFERMAGEM ATUANDO NO PERÍODO NOTURNO, COMO A SAÚDE DESSES PROFISSIONAIS PODE SER AFETADA O PERFIL SOCIOCULTURAL DA MÃE ADOLESCENTE DA CIDADE DE CURITIBA DERMATITE ATÓPICA: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA EM IDOSOS NO BRASIL: REVISÃO BIBLIOGRÁFICA TONUS MUSCULAR, AVALIAÇÃO, ASSISTENCIA E REABILITAÇÃO DENTRO DO PROCESSO DE ENFERMAGEM ANÁLISE DA OBESIDADE INFANTIL NO BRASIL BIOSSEGURANÇA NO CONTEXTO DE HEMORRAGIA O PROFISSIONAL DE ENFERMAGEM A E A DIFICULDADE COM CODIGO DE ÉTICA: UMA REVISÃO DE LITERATURA CÂNCER INFANTIL: DIAGNÓSTICO PRECOCE MAIOR CHANCE DE SOBREVIDA ASFIXIA NO CONTEXTO DOS CORPOS ESTRANHOS A FRAGILIDADE DAS CRIANÇAS COM AS DOENÇAS GASTROINTESTINAIS DOENÇAS RESPIRATÓRIAS NA INFÂNCIA ENFERMEIRO ESCOLAR: UM NOVO CAMPO DE ATUAÇÃO O QUE SE ESPERA DO ENFERMEIRO LÍDER NA ATUALIDADE HIDROCEFALIA CONGÊNITA MÉTODOS CONTRACEPTIVOS NA ADOLESCÊNCIA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NOS CUIDADOS COM MUCOSITE ORAL RELACIONADA AO EFEITO ADVERSO DE TERAPIA ANTINEOPLÁSICA ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO FRENTE A PUNÇÃOARTERIAL PARA MONITORAR A PRESSÃO ARTERIAL INVASIVA A INFLUÊNCIA TEÓRICO-FILOSÓFICA NO PROCESSO DE TRABALHO GERENCIAL DO ENFERMEIRO SÍNDROME DE DOWN: O DESAFIO DA INCLUSÃO SOCIAL SAÚDE NO SISTEMA PENITENCIÁRIO PERCEPÇÃO E COMPREENSÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM, EM RELAÇÃO À ELEVAÇÃO DA CABECEIRA LEITO CUIDADOS DE ENFERMAGEM COM PACIENTES PORTADORES DA DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO DHEG NEMIA FALCIFORME E FERROPRIVA INFANTIL DIABETES E HIPERTENSÃO ARTERIAL: COMORBIDADES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DROGAS E ADOLESCENTES ICTERICIA NEONATAL INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM CRIANÇA

7 PARASITOSES NA INFÂNCIA SAÚDE BUCAL NA CRIANÇA TRANSTORNO DO DEFICIT DE ATENÇÃO E HIPERATIVIDADE- TDAH O AUTISMO NA INFÂNCIA O HIV NA INFÂNCIA PÉ TORTO CONGÊNITO UTILIZAÇÃO DO ULTRASSOM TERAPÊUTICO NO MANEJO DA GORDURA LOCALIZADA A UTILIZAÇÃO DA GALVANOPUNTURA ASSOCIADO AO USO TÓPICO DE FATORES DE CRESCIMENTO CELULAR NO TRATAMENTO DA PELE ESTRIADA O USO TÓPICO DAS VITAMINAS C e E NA PREVENÇÃO DO ENVELHECIMENTO CUTÂNEO ASSOCIAÇÃO DA INDUÇÃO PERCUTÂNEA DE COLÁGENO (MICROAGULHAMENTO) E DE FATORES DE CRESCIMENTO NO TRATAMENTO DE ESTRIAS ATRÓFICAS TRATAMENTO DA PELE ESTRIADA PELO MÉTODO DE MICROAGULHAMENTO ASSOCIADO AO USO DO ÓLEO DE ROSA MOSQUETA A SUPLEMENTAÇÃO DO COLÁGENO NA TERCEIRA IDADE TRATAMENTO DA PELE ESTRIADA COM MICROAGULHAMENTO E FATORES DE CRESCIMENTO TRATAMENTO DA PELE ESTRIADA COM MICROAGULHAMENTO E ÓLEO DE ROSA MOSQUETA UTILIZAÇÃO DA GALVANOPUNTURA E DE FATORES DE CRESCIMENTO CELULAR NO TRATAMENTO DE ESTRIAS ROSADAS A IMPORTÂNCIA DA AUTOIMAGEM COMO INSTRUMENTO DE INSERÇÃO NO CONTEXTO SOCIAL UTILIZAÇÃO DA RADIOFREQUÊNCIA NO TRATAMENTO DA FLACIDEZ TISSULAR ABDOMINAL INFLUÊNCIA DA IMAGEM-PESSOAL NA AUTOESTIMA FARMACOECONOMIA E FARMÁCIA CLÍNICA: INTERFACES DA ATUAÇÃO DO PROFISSIONAL FARMACÊUTICO LOGÍSTICA DE MEDICAMENTOS ADQUIRIDOS POR LICITAÇÃO PROCESSO DE PRODUÇÃO DE CERVEJA ARTESANAL UTILIZANDO TAMARILLO ESCLERODERMIA UMA DOENÇA A DESVENDAR USO DE CONTRACEPTIVOS DE EMERGÊNCIA ENTRE UNIVERSITÁRIAS DE UMA FACULDADE DE CURITIBA.. 88 EXTRAÇÃO E CONTROLE DE QUALIDADE FÍSICO-QUÍMICO E MICROBIOLÓGICO DO ÓLEO ESSENCIAL DE Rosmarinus officilnalis L., LAMIACEAE (ALECRIM) PURIFICAÇÃO DA GLICERINA DA PRODUÇÃO DE BIODIESEL ANÁLISE DO PADRÃO POLÍNICO DE MÉIS DA REGIÃO DE ORTIGUEIRA - ESTADO DO PARANÁ A IMPORTÂNCIA DO FARMACÊUTICO NOS EXAMES CLÍNICOS DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA O PAPEL DO FARMACÊUTICO NO TESTE DO PEZINHO ATUALIZAÇÃO SOBRE A DOENÇA CELÍACA E SUA PREVALÊNCIA EM CURITIBA-PR DIABETES MELLITUS: COMPLICAÇÕES E TRATAMENTO IMPLANTAÇÃO DE CAMPANHA PARA COLETA ORIENTADA DE RESÍDUOS FARMACÊUTICOS DOMICILIARES EM FARMÁCIA DO BAIRRO ALTO (CURITIBA/PR)

8 AUTOMEDICAÇÃO E A INFLUÊNCIA DA MÍDIA TRATAMENTO FARMACOLÓGICO MODERNO DAS DOENÇAS DO SISTEMA RESPIRATÓRIO: ASMA, DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA (DPOC) E RINOSSINUSITES ANÁLISE DE PADRÕES DE MÉIS DE REGIÕES PRODUTORAS COM BASE EM DADOS FÍSICO-QUÍMICOS REACÕES ADVERSAS NO CONTEXTO DA UTILIZAÇÃO DOS BENZODIAZEPINICOS PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM PEQUENAS COMUNIDADES ESTABILIDADE DA VITAMINA C EM SUCO DE LARANJA FRESCO E INDUSTRIALIZADO ARMAZENADOS EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE TEMPO E TEMPERATURA DESCARTE AMBIENTAL DE MEDICAMENTOS E OUTROS RESÍDUOS DE SAÚDE NO BAIRRO FERRARIA, MUNICIPIO DE CAMPO LARGO-PR ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA E ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE: DIFICULDADE DE ACESSO AOS MEDICAMENTOS ESSENCIAIS E SEUS DETERMINANTES UMA REVISÃO DETERMINAÇÃO DE TEOR DE VITAMINA B E C EM UMA CERVEJA ARTESANAL COM ADIÇÃO DE TAMARILLO CARACTERIZAÇÃO DO MECANISMO DE AÇÃO DO PARACETAMOL E ISOFORMAS DA ENZIMA CICLO- OXIGENASE ANÁLISE DOS ENDOPARASITOS INTESTINAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES DA REGIÃO SUDESTE NO PERÍODO DE 2000 A ATUALIZAÇÃO SOBRE ATIVOS CLAREADORES UTILIZADOS PARA O TRATAMENTO DE HIPERCROMIAS EFEITOS DA HIPERTRICOSE NO CONTEXTO FARMACOLÓGICO DA BIMATOPROSTA PROPOSTA DE UM SISTEMA PARA RECIRCULAÇÃO DE CHORUME ESTUDO PRELIMINAR SOBRE A ADESÃO E CONHECIMENTO DE PRESCRITORES SOBRE A PORTARIA 344/98 DO MINISTÉRIO DA SAÚDE EM UMA DROGARIA DE CURITIBA, PARANÁ O USO DA CAFEÍNA E SEUS EFEITOS ADVERSOS MALFORMAÇÕES FETAIS RESULTANTES DO USO DE INIBIDORES SELETIVOS DA RECAPTAÇÃO DA SEROTONINA SINDROME DE BURNOUT: SUAS PERCEPÇÕES NO 20º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR PROJETO DE PESQUISA DE ANÁLISE DO PERFIL FAMILIAR DE ADOLESCENTES INTERNOS NO CENTRO DE SOCIOEDUCAÇÃO DE CURITIBA CENSE CURITIBA A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM E A TEORIA DE FASES DE EHRI CONSTRUINDO A RELEITURA DO AUTISMO ATRAVÉS DA RELAÇÃO ENTRE MÃES E FILHOS OS PRESSUPOSTOS DA PSICOLOGIA DAS ORGANIZAÇÕES E DO TRABALHO, APLICADOS NA OBSERVAÇÃO DO TRABALHO DO PSICÓLOGO EM AMBIENTE HOSPITALAR AS TEORIAS MOTIVACIONAIS E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS PARA O EXERCÍCIO DA FUNÇÃO DE GERENTE EM EMPRESA DO RAMO ALIMENTÍCIO

9 Ciê ncias Sociais ê Húmanas O TOYOTISMO E SUAS TEORIAS HENRI FAYOL - PAI DA TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO MISSÃO, VISÃO E SEUS CAMINHOS A IMPLANTAÇÃO DE INTRANET NA EMPRESA BAGGIO IMÓVEIS, OBJETIVANDO A MELHORIA DA COMUNICAÇÃO INTERNA A IMPLANTAÇÃO DE UM DEPARTAMENTO COMERCIAL NA EMPRESA PERSONAL COMUNICAÇÃO VISUAL 124 A ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS (APO) ANÁLISE DE COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR VIRTUAL A TEORIA DOS SISTEMAS A TEORIA DE MASLOW A ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA E SUAS APLICAÇÕES ASPECTOS DA JUVENTUDE NA REGIÃO COLONIAL ITALIANA DO PARANÁ: RELIGIOSIDADE, SOCIABILIDADES E RELAÇÕES DE GÊNERO A EMANCIPAÇÃO POLÍTICA E A CONSTRUÇÃO DE UMA IDENTIDADE PARANAENSE AS REPRESENTAÇÕES DE OSÍRIS, O GRANDE DEUS, SENHOR DE ABYDOS MARQUES DE SADE E SUA CRÍTICA SOCIAL RELAÇÕES NEM SEMPRE AMISTOSAS: DIPLOMACIA E INTERDEPENDÊNCIA NAS CARTAS DE AMARNA : FICÇÃO OU REALIDADE? UMA RELEITURA CRÍTICA DO NAZISMO OU UM ALERTA SOBRE UM FUTURO POSSÍVEL? O AVIÃO NO CONTESTADO O MUNDO ANTIGO NOS CEMITÉRIOS PARANAENSES: O MÉTODO DE ANÁLISE PARA OS TÚMULOS A INFLUÊNCIA DA RELIGIÃO NA SOCIEDADE A FORMAÇÃO DE EDUCADORES, O MEIO AMBIENTE E A CRISE DE PARADIGMAS NO CONTEXTO DA SOCIEDADE DE RISCO OS PROFESSORES E O USO DA LITERATURA INFANTIL EM SALA DE AULA A VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR NO CONTEXTO DE ARAUCÁRIA: UMA AVALIAÇÃO GEOGRÁFICA AULA PRATICA: UMA INTERAÇÃO ENTRE A CIENCIA GEOGRÁFICA E O TURISMO ECOLÓGICO APROVEITAMENTO DE MADEIRA REFLORESTADA AUTISMO INFANTIL: UMA PROPOSTA DE AÇÃO PARA A INCLUSÃO E DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA AUTISTA REFLEXÕES SOBRE O ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE PARA PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO. 145 O BRINCAR E A BRINCADEIRA NO PROCESSO APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃI INFANTIL RELAÇÃO FAMÍLIA ESCOLA: SUA IMPORTÂNCIA PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO DIDÁTICA NA DISCIPLINA DE GEOGRAFIA

10 Ciê ncias da Saú dê ACADEMIAS AO AR LIVRE: UMA ANÁLISE DOS SEUS BENEFÍCIOS PARA OS PRATICANTES Flávio Freitas Tatiana Taques Carneiro Introdução: As academias ao ar livre surgiram em 2005 através de um programa do governo chamado: Programa Brasil Saudável. Objetivo: Verificar se essas academias ao ar livre estão sendo utilizadas de forma correta, sem causar possíveis lesões corporais, verificar quem são as pessoas que frequentam a faixa etária e o horário quem mais frequentam, e se está atingindo o objetivo proposto. Métodos: Foram realizadas observações e entrevistas com os frequentadores das academias para verificar quais são os benefícios que ela, considerando as opções: se sabem executar os exercícios de forma correta, e se já foram orientados por um responsável da área, e se simplesmente fazem por fazer sem nenhuma orientação. Resultados: O projeto está em andamento e de acordo com as observações e entrevistas realizadas, indica-se que a orientação é necessária, pois um simples cartaz com orientações não é o suficiente para oferecer atividades físicas com segurança a população. Conclusão: A princípio pode-se afirmar que o objetivo proposto, das academias ao ar livre, é beneficiar a saúde principalmente da terceira idade, porém devemos estar cientes que necessitam de orientações corretas para executar com segurança e certeza os exercícios que estão realizando, conhecer os aparelhos e principalmente os seus limites físicas para que não ocorra nenhum agravante que possa ao invés de melhorar acabe prejudicando a saúde o que não deve acontecer. Palavras-Chaves: Academias ao are livre; Educação Física; Atividades Físicas. 10

11 JOGOS COMPETITIVOS PARA PESSOAS ESPECIAIS: UMA ANÁLISE PARA A FORMAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Kleber Fernandes dos Santos Joelson Brandenburg e Wesley Moreira dos Santos Soraya Corrêa Domingues Ricardo Archer Introdução: Há alguns anos, em olimpíadas pessoas que requerem necessidades especiais vem participando ativamente dos jogos, chamando a tensão para detalhes diferentes dos jogos para pessoas normais. O que indica para os profissionais de Educação Física novas possibilidades de abordagens teóricas e prática para uma atuação diferenciada. Objetivo: O estudo se destina a investigar quais são os possíveis conhecimentos trabalhados em formação de professores que permitem que os profissionais de educação física desenvolvam um trabalho para além do treino das atividades físicas, principalmente com parâmetro de normalidade. Indicando que os jogos podem abrir espaços para pessoas portadoras de necessidades especiais e sua família, em um ambiente social preparando em geral apenas para os normais. Metodologia: Foram analisadas em jogos competitivos de xadrez as relações estabelecidas entre os praticantes e o envolvimento familiar, evidenciando a possibilidade de intervenção do professor de educação física. Foi utilizada como método a pesquisa de campo com elaboração de relatório de campo. Resultados: Identificação que existe outros elementos que o estudante de educação física deve agregar na sua formação superior, como experiência e sensibilidade quanto aos acontecimentos em espaços esportivos. Conclusão: Os trabalhos acadêmicos e de iniciação científica estão voltados para a preocupação cientifica, mostra de verdades acadêmicas e uma inovação tecnológica, porém trabalhos que favoreçam a sensibilização do professore de educação física em formação é necessária para a percepção de outros elementos pedagógicos presentes em eventos desportivos de necessidades especiais. Palavras Chaves: Olimpíadas especiais, Educação Física, Sensibilidade. 11

12 CICLISMO E TRIATHLON E SUAS VARIÁVEIS AO VO2max Jonathan da Silva Introdução: O ciclismo é um esporte tradicional no mundo, principalmente na Europa, onde é considerado o esporte número um. Esse esporte do século XIX, que, também, foi quando surgiram as primeiras bicicletas de competição, e as primeiras provas, sendo a mais tradicional o Tour da França. Já o triathlon de modo geral é um esporte que envolve natação, ciclismo e corrida e representa um desafio aos treinadores e principalmente aos praticantes no que se referem a treinamento os atletas devem ser multiesportista com versatilidade, de modo que transitem igualmente pelos três esportes. Objetivo: O objetivo deste estudo é mostrar que atletas que praticam esportes parecidos utilizando os mesmos substratos energéticos e tipo de fibras possua vo2max diferentes, em termos gerais e não específicos a condição aeróbica de um triatleta e um ciclista são muito semelhantes. Métodos: Os dados foram obtidos por meios de comparação de vo2max de atletas do ciclismo da categoria elite participantes da volta da frança, com atletas do triathlon também atuantes na elite, fazendo uma comparação de valores alcançados pelos demais competidores e suas modalidades especificas. Resultados: Com base em consultas feitas em referenciais podemos notar que o ciclista profissional tem um vo2max entre 80.0 a 97.5 tendo valores variáveis em atletas da mesma faixa etária, já aos triatletas temos valores menos significativos que chegam a um vo2max entre 65.o a Conclusão: É possível perceber que triatleta depende mais de uma eficiência submáxima do que de valores extremos de vo2max. Atletas experientes conseguem realizar ironman por volta de 70 a 75% do vo2max, já no ciclismo esse dado é relevante. Podemos concluir que valores elevados de vo2max caracterizam atletas com potencial podendo ser útil, juntamente com outros parâmetros analisados. Palavras- chave: Vo2max; Triathlon; Ciclismo. 12

13 EVENTOS: FESTA DE DIA DAS CRIANÇAS DIVERSÃO É A REGRA DO JOGO MAIS UMA OPÇÃO DE LAZER À FAMILIA CURITIBANA Jeferson Pereira de Almeida Maikon Pickcius Ricardo Gibson Suhellen Machado Vitor Hugo Nunes Soraya Domingues Introdução: Este trabalho fala da organização de eventos desportivos como relevantes na formação profissional. Os eventos são uma concentração, ou reunião de pessoas realizada em data e local especial para celebrar acontecimentos importantes ou significativos de qualquer natureza, os eventos podem estar presentes nos ambientes de trabalho, estudo, na mídia ou mesmo nos círculos familiares e sociais. Contribuem para o crescimento e desenvolvimento humano, além de oferecer oportunidades de participação em atividades artísticas, culturais, físicas, esportivas e sociais. Objetivo: Analisar impactos na formação profissional na participação do evento Dia das Crianças Diversão é a Regra do Jogo, realizado pela SMELJ, Secretaria Municipal de Esporte Lazer e Juventude. Métodos: Esta pesquisa teve como princípios metodológicos a pesquisa bibliográfica qualitativa e observação de campo, a partir da prática pedagógica, relato de experiências e estruturação do evento. Resultados: A participação dos estudantes de educação física na organização de eventos contribui com conhecimentos para o futuro profissional e com a própria produção prática do evento, agregando no estudante de educação física conhecimentos sobre lazer, entretenimentos, atividades sócio-recreativas, esportivas e culturais. Conclusão: Participar efetivamente de eventos de lazer contribui com a formação do profissional de educação física, visto que esses conhecimentos são construídos com as vivências e experiências práticas. Palavras-chave: Bem-estar; Eventos; Lazer. 13

14 MÉTODOS DE TREINAMENTO ADAPTADO PARA PROFESSOSRES DE EDUCAÇÃO FÍSICA EM FORMAÇÃO Veridiana da Silva Walesko Ângelo Turim Ângela Maria Adriana João Carlos Martins Jordan Camati Introdução: Quando nosso atleta é portador de alguma deficiência física, nosso treino também tende a ser adaptado de maneira que possamos aperfeiçoar o treino com o que temos em mão, se utilizando de recursos que muitas das vezes tem que ser improvisado, quase todo o alongamento e o bom condicionamento dos atletas nossa equipe, são feitos por nos mesmo acadêmicos. Como nossos jogadores são cadeirantes eles não têm muito acesso a academias então antes dos treinos incentivamos alguns exercícios mais fortes e um alongamento mais demorado bem aproveitado, focamos nos exercícios de punho e braços, pois são jogadores de basquetebol e só podemos também trabalhar membros superiores. Objetivo: Então viemos falar sobre a sustentabilidade também em nosso treino. Mesmo com pouco recurso conseguimos pensar em uma forma de confeccionar nossos próprios acessórios para nossos exercícios, com garrafinhas de água cheias de areia, alguns elásticos, cabo de vassouras cortados e muita força de vontade conseguimos deixar nossos treinos a altura de nossos atletas, que são muitos esforçados tentamos dar o melhor de nos, para mostrar a todos que mesmo com pouco recurso temos um grande caminho de vitorias e conquistas pessoais ao lado de nossos cadeirantes pela frente. Resultados: Preparar os professores de educação física em formação para atuar com necessidades especiais e esportes adaptados. Conclusão: Estes estudos contribuem para a teorização necessária que incentive professores em formação para saber lidar com as necessidades especiais nas práticas esportivas. Palavras Chaves: Necessidades especiais; Educação Física; Profissional. 14

15 DESMISTIFICAÇÃO DO CONCEITO MILENAR DO TAEKWONDO WTF Walter Francisco Louzano Introdução: Este estudo contribui com a Identidade cultural e esporte nacional a partir do estudo da história do Taekwondo está para a Coréia do Sul assim como o futebol está para o Brasil. Segundo Carlos Negrão, 2012, Taekwondo, pronuncia-se Tê Quon dô, cuja tradução significa Caminho dos pés e das mãos na luta ou na vida. Objetivo: O objetivo deste estudo foi desmistificar o conceito Milenar da Arte Marcial e Esporte Olímpico Taekwondo, WTF, World Taekwondo Federation. Traçando um relato histórico desde a sua criação em meados dos anos 50, do século XX, à atualidade. Método: Através de uma pesquisa bibliográfica constatou-se, segundo Douglas Cook, 2011, que o Taekwondo, foi fundado, em 11 de abril de 1.955, a partir da união de vários estilos coreanos de lutas, as chamadas Kwans, escolas, baseadas no Karatê, estilo Shotokan. Tendo como seu idealizador o Gen. Coi Hong Hee. Contestando uma versão histórica romântica que o Taekwondo seria a Arte Marcial praticada pelos Hwarang, samurais coreanos. Conclusão: Pode-se afirmar que o Taekwondo surgiu para recuperar o nacionalismo coreano perdido durante 36 anos, , de ocupação japonesa na península coreana. Onde as tradições locais eram proibidas pelo governo japonês. Devolvendo ao povo coreano sua alto-estima como uma nação independente. O desenvolvimento do Taekwondo, como esporte, iniciou-se nos anos 70, como a criação da WTF (World Taekwondo Federation) em português, Federação Mundial de Taekwondo. Que na pessoa do Dr. Um Young Kim consegui inserir o Taekwondo, 1988 nas Olimpíadas de Seul, como esporte demonstração e sua oficialização definitiva deu-se no dia 04 de setembro de após a realização da 103ª Seção do Comitê Olímpico Intenacional na França. Palavras-chave: Taekwondo, Milenar, Arte Marcial, Esporte Olímpico. 15

16 A IMPORTANCIA E OS BENEFICIOS DAS ATIVIDADES LUDICAS Larissa de Aquino Alessandra Bittencourt Introdução. A partir da reflexão sobre o papel das atividades lúdicas nas aulas de educação física, ocorreu o interesse em pesquisar a visão do futuro profissional e do profissional licenciado em Educação Física referente a percepção do lúdico. Objetivo: O objetivo desta pesquisa é averiguar se os profissionais (graduandos e graduados) compreendem o papel das atividades lúdicas na área de licenciatura em educação física. Metodologia: Ao aplicar brincadeiras cantadas com 34 alunos de licenciatura do curso de Educação Física do Centro Universitário Campos de Andrade, buscou estimular a expressão corporal através do lúdico. Aplicou- se um questionário pré e pós-atividade para identificar o papel do lúdico para os futuros profissionais. Conclusao: Esta pesquisa, ainda em desenvolvimento, faz parte do trabalho de conclusão de curso a ser concluído em Os resultados obtidos desta primeira experiência revelaram algumas relações do lúdico com atividades físicas, assim como a percepção do papel de atividades físicas lúdicas pelos graduandos de licenciatura em Educação Física da UNIANDRADE. Pode-se observar que os futuros profissionais pesquisados têm a visão da importância do trabalho e desenvolvimento do lúdico nas aulas de educação física. Palavras chaves: Educação Física, Criança, Ludicidade. 16

17 FATORES DE RISCO CARDIOVASCULAR EM PRATICANTES DE ATIVIDADE FÍSICA NÃO ORIENTADA Alex Henrique Coluciuc Resumo: A atividade física é recomendada como terapia para a prevenção de doenças cardiovasculares, ela já está se tornando rotina na vida de diversas pessoas com a prática de atividade física informal sem orientação profissional. Podemos observar este tipo de situação em parques, praças, vias expressas, das nossas cidades. Entretanto, os benefícios desta prática dependem de uma orientação adequada. Objetivo: O presente trabalho teve como objetivo avaliar a prevalência de fatores de risco cardiovascular, a existência de recomendação médica para a prática das atividades físicas, a opinião dos praticantes sobre a importância de profissionais na sua orientação física e, se tem ciência dos riscos à saúde que correm ao praticar sem a orientação dos mesmos em parques na cidade de Curitiba-Pr. Os usuários do parque foram convidados a responder os questionários, onde foram abordados os temas sobre fatores de riscos, tipo de atividade física realizada, duração, intensidade e frequência de realização destas atividades. Resultados: Embora a atividade física tenha sido recomendada para a prevenção de várias doenças cardiovasculares, falta a orientação adequada à população que frequenta os parques públicos de Curitiba. Conclusão: Desta forma, a atividade física não orientada, pode não proporcionar benefícios reais e sim acabar causando problemas de saúde, se não houver a liberação médica para a prática da mesma. Palavras chave: Atividade física, orientação profissional, risco cardiovascular. 17

18 PREVALÊNCIA DE SOBREPESO E OBESIDADE EM AGENTES DA GUARDA MUNICIPAL DE CURITIBA Leandro Silva de Bastos Daniel Da Silva Santos Filho Marlon Pepes Nascimento Introdução: Obesidade é uma doença caracterizada pelo excesso de peso, ela aumentando o fator de risco para se desenvolver outras doenças como a diabetes e cardiovasculares, reduzindo a qualidade de vida. Causada pela ingestão de calorias em excesso e a diminuição da atividade física. Objetivo: O objetivo desta pesquisa é verificar a prevalência de casos de obesidade dentro da Guarda Municipal de Curitiba e assim buscar um controle de peso através da reeducação alimentar e atividade física, propondo a realização de um programa específico dentro da instituição estudada. Método: Foi realizada uma pesquisa com dez agentes da Guarda Municipal de Curitiba, todos com faixa etária de trinta à cinqüenta anos, dentre eles cinco agentes femininos e cinco agentes masculinos, sendo feita a aferição de peso e altura, assim determinando o estado nutricional e posteriormente o diagnóstico de obesidade e sobrepeso. Resultados: O Resultado mostra que há prevalência de Sobrepeso entre os agentes cadastrados, sendo o índice maior entre os agentes acima de quarenta anos e do sexo masculino. Conclusão: Conclui-se que é necessária uma orientação nutricional e principalmente o início de atividade física regular, permanente e imediata, sob supervisão de profissional qualificado, buscando a melhora da saúde do agente, a melhor desenvoltura para o serviço e melhor qualidade de vida. Palavras Chaves Sobrepeso, Exercícios físicos, Guarda municipal. 18

19 A SEPARAÇÃO DO BACHARELADO E LICENCIATURA DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA PERSPECTIVA DOS ALUNOS E PROFESSORES DA UNIANDRADE Elis Tamiris Bichman Marcela Cavalcanti Márcio Cheva Rodrigo Coradim Introdução: Após o surgimento da Lei 9696/98 que criou o Conselho Federal de Educação Física e os respectivos Conselhos Regionais, houve mudanças quanto a organização curricular do curso de Educação Física (BRASIL, 1998). Este sistema passou a regulamentar, organizar e fiscalizar o exercício da profissão. E posteriormente ocasionou a substituição da Educação Física Plena, por outras duas formações de distintas áreas, uma de Humanas e outra da Saúde, Licenciatura e Bacharelado em Educação Física. Com essa mudança surgiram embates quanto a nova normatização da formação do profissional de Educação Física, pelos próprios profissionais e pelos acadêmicos do curso (SILVA,2012). Objetivo: Desta forma o objetivo desse estudo foi verificar a perspectiva dos alunos e dos professores da Uniandrade quanto à separação da Licenciatura e Bacharelado do curso de Educação Física e comparar essas perspectivas. O estudo é de caráter qualitativo sendo utilizado como método um questionário com 3 questões objetivas de múltipla escolha e 2 questões discursivas, que foi aplicado com 5 professores do Curso de Educação Física formados em Educação Física Plena, e com 09 alunos do 8º período do curso de Bacharelado em Educação Física que já são formados em Licenciatura, todos da Uniandrade. Resultados: Verificouse que 80% dos professores e 67% dos alunos disseram ser contra a separação do curso, apontando como negativo para a formação do profissional. Conclusão: Todos os professores e 67% dos alunos foram a favor do retorno da Educação Física Plena, mas com uma reformulação na grade curricular, de uma forma que capacitasse o aluno tanto para a Licenciatura quanto para o bacharelado em quatro anos, assim o profissional de Educação Física seria completo conforme a lei e não teria necessidade de fiscalização. Palavras-chave: Licenciatura em Educação Física; Bacharelado em Educação Física; Educação Física Plena. 19

20 MUSCULAÇÃO PARA A TERCEIRA IDADE Mayara kaline wojcik Luciano Mendonça Felix Introdução: A cada dia o ser humano possui algumas etapas de sua vida que podem ser divididas em infância, adolescência, fase adulta e a velhice. Essa última poderá ser vivida com mais qualidade, se o indivíduo utilizar da musculação como sua ferramenta. Objetivo: Comentar a importância da prática diária da musculação proporcionando melhorias na aptidão física e a saúde da terceira idade. Método: Foi utilizado de pesquisas bibliográficas, através de autores que argumentam quais são os verdadeiros benefícios e importância do exercício de força para essa faixa etária da terceira idade. Resultados: A musculação é um meio que beneficia esses indivíduos, e pode ser realizada com máquinas e também pesos livres, sendo segura, e melhorando a aptidão física trabalhando com todas as variáveis do movimento que são: posição, velocidade, amplitude, volume e intensidade. Durante o envelhecimento, o metabolismo do ser humano acaba por ficar mais lendo, sendo assim, correndo o risco de ganhar mais gordura, também diminui a massa muscular, densidade óssea, força e flexibilidade, esses fatores negativos podem acarretar em várias doenças como, osteoporose, diabetes, aumento da pressão arterial e obesidade. Conclusão: O exercício resistido, portanto, pode prevenir e reabilitar pessoas com diversas doenças, e com aumento da massa muscular e óssea, prevenir o risco de acidentes nas ruas e até mesmo no ambiente doméstico. Outros benefícios dos exercícios de forças pode-se incluir: combate ao sedentarismo, maior interação social, melhor agilidade e equilíbrio além de um resultado estético. Em síntese pode-se definir a musculação como saúde e bem estar, e que pode ser promovido por profissionais de educação física. Palavras-chave: Terceira idade, Musculação, Exercício resistido. 20

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA ATENÇÃO Ä SAÚDE DA PESSOA IDOSA -AÇÕES DO MINISTERIO

Leia mais

PEDAGÓGICAS E A FORMAÇÃO DOCENTE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO E

PEDAGÓGICAS E A FORMAÇÃO DOCENTE ALUNOS COM TRANSTORNO DO ESPECTRO DO AUTISMO E Trabalhos Orais NOVAS MODALIDADES ESPORTIVAS NA ESCOLA: BUSCANDO OUTROS OLHARES PARA EDUCAÇÃO FÍSICA AUTONOMIA E DEMOCRACIA NA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA PÚBLICA O CENÁRIO DA PRODUÇÃO

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan;

Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; 1 Reeducação Alimentar na prevenção da Obesidade Professores: Ivo André Polônio; Edi Carlos Iacida; Ângela Cesira Maran Pilquevitch; Silvia Trevisan; Janaina Lopes; Eveline Batista Rodrigues; Cristiane

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO

CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO CURSO SUPERIOR DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM GRADE DETALHADA DO CURSO COM AS EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1º PERÍODO Biologia Geral, Citologia e Genética Estudo da célula, seus componentes e relação com as funções

Leia mais

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado)

CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) CURSO: EDUCAÇÃO FÍSICA (bacharelado) Missão Sua missão é tornar-se referência na formação de profissionais para atuar nos diferentes segmentos humanos e sociais, considerando a atividade física e promoção

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

RESULTADO DAS AVALIAÇÕES DA REUNIÃO PLENÁRIA DO CEP-CESUMAR DO DIA 05/06/09

RESULTADO DAS AVALIAÇÕES DA REUNIÃO PLENÁRIA DO CEP-CESUMAR DO DIA 05/06/09 RESULTADO DAS AVALIAÇÕES DA REUNIÃO PLENÁRIA DO CEP-CESUMAR DO DIA 05/06/09 CAAE TÍTULO SITUAÇÃO 0046.0.299.000-09 Perfil nutricional de idosos internados em um hospital público da região norte Aprovado

Leia mais

A Educação Física no campo da saúde

A Educação Física no campo da saúde A Educação Física no campo da saúde V Encontro de Coordenadores de Cursos De Educação Física do Estado do Paraná A atuação do profissional de Educação Física no Sistema Único de Saúde - SUS Prof.Ms. Alexandre

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC Curso de Educação Física EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS Disciplina: BIOLOGIA Características gerais dos seres vivos. Química da célula. Citologia. Microscopia. Divisão celular. Formas de reprodução. Histologia. Disciplina: ANATOMIA

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Á CRIANÇA NO PÓS-OPERATÓRIO IMEDIATO DE TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas

Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV. Inês Mindlin Lafer gerente de programas Indicadores para avaliação de projetos sociais: os Projetos Comunitários FMCSV Inês Mindlin Lafer gerente de programas 27 de maio de 2010 Agenda Apresentação FMCSV Os projetos Comunitários FMCSV A avaliação

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Projetos de pesquisa no Saúde Instituto de Ciências da 10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Título: Avaliação da autoeficácia materna para prevenir diarreia infantil em Redenção-CE

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA HUMANIZAÇÃO E ACOLHIMENTO À PESSOA IDOSA NOS SERVIÇOS DE SAÚDE: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Eveline de Oliveira Barros (UFPB). evinhabarros@gmail.com Fabiana Medeiros de Brito (UFPB). fabianabrito_@hotmail.com

Leia mais

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO

JUSTIFICATIVA DA INCLUSÃO DA DISCIPLINA NA CONSTITUIÇÃO DO CURRÍCULO FACULDADES INTEGRADAS TERESA D ÁVILA LORENA - SP Curso: Enfermagem Disciplina: Enfermagem Saúde da Criança e do Adolescente Ano letivo 2011 Série 3º Ano Carga Horária Total h/a T 90 h/a P 54 h/a En. Cl.

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A experiência das oficinas de reeducação alimentar na APS da SMS de Curitiba Angela C. Lucas de Oliveira

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ANEXO II ATRIBUIÇÕES DOS INTEGRANTES DO PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO I- Realizar consultas clínicas aos usuários de sua área adstrita; II- Participar das atividades de grupos de controle

Leia mais

TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ENFERMAGEM 1ª TURMA - 2005/2009 DIURNO

TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ENFERMAGEM 1ª TURMA - 2005/2009 DIURNO TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ENFERMAGEM 1ª TURMA - 2005/2009 DIURNO CASSIO CRISTIANNO PEREIRA LIMA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES IDOSOS COM ENFISEMA PULMONAR DEBORA GUIMARÃES SILVA O DESAFIO

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2015 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/2015 1.ª SÉRIE Curso: Graduação: Regime: EDUCAÇÃO FÍSICA MATRIZ CURRICULAR LICENCIATURA SERIADO ANUAL - NOTURNO Duração: 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros);

Identificar como funciona o sistema de gestão da rede (espaços de pactuação colegiado de gestão, PPI, CIR, CIB, entre outros); ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PLANO DE AÇÃO REGIONAL DAS LINHAS DE CUIDADO DAS PESSOAS COM HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA, COM DIABETES MELLITUS E/OU EXCESSO DE PESO NO CONTEXTO DA REDE DE ATENÇÃO

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

DATA: VALOR:20 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 2ª EM TURMA: NOME COMPLETO:

DATA: VALOR:20 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 2ª EM TURMA: NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Educação Física PROFESSORES: Isabel Terra/Marcelo Paiva DATA: VALOR:20 pontos NOTA: ASSUNTO: Trabalho de Recuperação Final SÉRIE: 2ª EM TURMA: NOME COMPLETO: Nº: QUESTÃO 01 O sedentarismo já

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Formação Profissional. Análises Clínicas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71)

Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) Universidade Estadual de Londrina (Reconhecida pelo Decreto Federal n. 69.324 de 07/10/71) DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 013/2010 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação Associado em Educação

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 103 A IMPORTÂNCIA DA CONSULTA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL, NA PERSPECTIVA DO ENFERMEIRO Enfa. Aryhadne Michelle Chimicoviacki Machado

Leia mais

Circular 435/2014 São Paulo, 08 de Agosto de 2014.

Circular 435/2014 São Paulo, 08 de Agosto de 2014. Circular 435/2014 São Paulo, 08 de Agosto de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) Define os temas e objetivos prioritários para apresentação dos projetos do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

FUTSAL FEMININO: A PRÁTICA E SUAS LIMITAÇÕES

FUTSAL FEMININO: A PRÁTICA E SUAS LIMITAÇÕES 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE

QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE QUESTIONÁRIO PARA AVALIAÇÃO DE INTERVENÇÕES PARA PROMOÇÃO DA ATIVIDADE FÍSICA NA ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE - VERSÃO GESTOR CADASTRO Pesquisador responsável: Data: Início do preenchimento: Término do preenchimento:

Leia mais

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO

CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS REFERENCIAIS PARA O ENSINO MÉDIO Área de Conhecimento: Linguagens Componente Curricular: Educação Física Ementa A Educação Física no Ensino Médio tratará da cultura corporal, sistematicamente

Leia mais

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Cláudio Novaes... 2. Eliane Souza dos Santos... 3. Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4. Fernanda Alice de Santana...

Câmpus Alfenas SUMÁRIO. Cláudio Novaes... 2. Eliane Souza dos Santos... 3. Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4. Fernanda Alice de Santana... Câmpus Alfenas 14 de agosto de 2010 SUMÁRIO Cláudio Novaes... 2 Eliane Souza dos Santos... 3 Elizabeth Aparecida Santos de Oliveira... 4 Fernanda Alice de Santana...5 Mary Silva Faria... 6 Valéria de Oliveira

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às

CURSO: ENFERMAGEM. Objetivos Específicos 1- Estudar a evolução histórica do cuidado e a inserção da Enfermagem quanto às CURSO: ENFERMAGEM Missão Formar para atuar em Enfermeiros qualificados todos os níveis de complexidade da assistência ao ser humano em sua integralidade, no contexto do Sistema Único de Saúde e do sistema

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo

O Programa Municipal de Nutrição, implantado em 07/04/2006, tem como. objetivo principal investir em ações de educação nutricional, promovendo Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Campos - SP Departamento de Políticas de Saúde Programa Municipal de Nutrição Atividades desenvolvidas em 2006 e 2007 O Programa Municipal de Nutrição, implantado

Leia mais

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES)

ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ATENÇÃO PRIMÁRIA (SAÚDE COLETIVA, PROMOÇÃO DA SAÚDE E SEMELHANTES) ID: 102 A PREVENÇÃO E PROMOÇÃO DA SAÚDE ENTRE CRIANÇAS POR MEIO DA RISOTERAPIA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Profa. Esp. Andréa Savietto (UNIANCHIETA)

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013

ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 ESCOLA DE SAÚDE PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS DIRETOR GERAL: DAMIÃO MENDONÇA VIEIRA CREDENCIAMENTO DE DOCENTE ESP-MG Nº 006/2013 Projeto: Qualificação em Cuidado Domiciliar da pessoa Idosa Frágil INSCRIÇÃO/CRECENCIAMENTO

Leia mais

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar

A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar. Agência Nacional de Saúde Suplementar A redução do parto cesáreo: o papel do SUS e da saúde suplementar Agência Nacional de Saúde Suplementar Jacqueline Alves Torres CONASEMS Belém, 2008 O Setor Suplementar de Saúde Antes da Regulamentação:

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas EDUCAÇÃO FÍSICA Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo e o

Leia mais

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1

VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 VISITA PRÉ-OPERATÓRIA DE ENFERMAGEM: humanizando o cuidar feminino na prática assistencial através de atividade de extensão 1 Anna Maria de Oliveira Salimena 2 Maria Carmen Simões Cardoso de Melo 2 Ívis

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL

PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM VULNERABILIDADE SOCIAL 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PROJETO ESPORTIVO MODIFICA ESTILO DE VIDA DE CRIANÇAS

Leia mais

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein

Estudo de caso: Hospital Albert Einstein. Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB Hospital Albert Einstein Saúde e produtividade: o valor de uma força de trabalho saudável para o sucesso nos negócios Estudo de caso: Hospital Albert Einstein Mirian do Carmo Branco da Cunha Diretora de Recursos Humanos, SBIB

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente.

OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. OS ASSISTENTES SOCIAIS NOS HOSPITAIS DE EMERGÊNCIA. Marcelo E. Costa, Jacqueline Benossi, João Paulo C.Silva e orientadora Nancy J. Inocente. Universidade do Vale do Paraíba, Faculdade de Ciências da Saúde,

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS.

GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. GRAVIDEZ NA ADOLESCÊNCIA: FATORES PRECURSORES E RISCOS ASSOCIADOS. RIBEIRO, Fernanda Nunes. Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: fernandanunesribeiro@hotmail.com SANTANA,

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS

CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS CONSELHO REGIONAL DE PSICOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CENTRO DE REFERÊNCIA TÉCNICA EM PSICOLOGIA E POLÍTICAS PÚBLICAS FORMAÇÃO EM PSICOLOGIA E POLITICAS PÚBLICAS: UMA APROXIMAÇÃO DO CRPRS COM O MEIO ACADÊMICO

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO PROFISSIONAL EM ENSINO NA SAÚDE MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE CAPACITAÇÃO EM CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM URGÊNCIA E

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PNEUMOLOGIA Ato de Oficialização: ATA de 12.03.1992 Conselho Departamental 1. Nome do Curso e Área de Conhecimento: Curso de Especialização em

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS

AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE VIDA NO ACOMPANHAMENTO DO TRATAMENTO DAS PESSOAS COM AIDS Leidyanny Barbosa de Medeiros 1 Moema Brandão de Albuquerque 2 Oriana Deyze Correia Paiva Leadebal 3 Jordana de Almeida

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

PROJETOS DE EXTENSÃO

PROJETOS DE EXTENSÃO PROJETOS DE EXTENSÃO Título do Projeto Descrição Público - Alvo Medicina e Arte Realizam-se sessões cinema, voltados para a área de medicina e Acadêmicos e Funcionários da FMJ em seguida são feitos debates

Leia mais

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte

HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte HABILIDADES SOCIAIS NA EDUCAÇÃO ESPECIAL Maria Luiza Pontes de França Freitas Universidade Federal do Rio Grande do Norte Resumo geral: Os estudos na área das habilidades sociais no Brasil têm contemplado

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE

GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE GERIATRIA E SAUDE: ENVELHECIMENTO ATIVO NA PREVENÇÃO DA OSTEOPOROSE Bianca Emanuelle Silva Constâncio Acadêmica do curso de Fisioterapia do Centro Universitário de João Pessoa UNIPÊ, email: biancaemanuelle@live.com

Leia mais

XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016

XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016 XX Curso de Especialização em Enfermagem em Estomaterapia, Estomias, Feridas e Incontinências 23.03.2015 a 23.03.2016 PÚBLICO ALVO: Enfermeiros com, no mínimo, 2 anos de formados e experiência clínica

Leia mais

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari*

AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* AVALIAÇÃO NUTRICIONAL DE MENINAS DO INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO Uyeda, Mari* Resumo: Vasconcellos, Jorge** As mudanças ocorridas em nosso pais, principalmente a crescente modernização e urbanização,

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE ENFERMAGEM (Currículo iniciado em 2010) ANATOMIA HUMANA CH 102 (2372) Estudo morfológico dos órgãos e sistemas que constituem o organismo humano, com ênfase para os

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SAÚDE, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SAÚDE, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE POLÍTICA NACIONAL DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE DO HOMEM SEMINÁRIO INTERNACIONAL SAÚDE, ADOLESCÊNCIA E JUVENTUDE PROMOVENDO A EQUIDADE E CONSTRUINDO HABILIDADES PARA A VIDA BRASÍLIA, 18 DE OUTUBRO DE 2013

Leia mais

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1

UNIMED FESP. Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini. Gerente de Gestão em Saúde. manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 22/07/2013 1 UNIMED FESP Dra. Maria Manuela Almeida Nunes Mazzini Gerente de Gestão em Saúde manuela.mazzini@unimedfesp.coop.br 1 PERFIL UNIMED UNIMED FESP Quantidade de usuários 565.582 Área de abrangência Quantidade

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL

A PERCEPÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SOBRE A GINÁSTICA LABORAL 10. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006

Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 Saúde da mulher em idade fértil e de crianças com até 5 anos de idade dados da PNDS 2006 José Cechin Superintendente Executivo Francine Leite Carina Burri Martins Esse texto compara as morbidades referidas

Leia mais

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas

2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Trabalho de Conclusão de Curso 2ª Turma do Curso de Pós Graduação UTI Pediátrica e Neonatal de Campinas Instituto Terzius Faculdade Redentor Análise dos Óbitos Neonatais Ocorridos na Maternidade Municipal

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO O ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA FEFD/UFG 1 NA ÁREA DO ENVELHECIMENTO Juliana Paula Balestra Soares Joelma Cristina Gomes Carmencita Márcia Balestra Faculdade

Leia mais