MARCIO DE SOUZA SANTOS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARCIO DE SOUZA SANTOS"

Transcrição

1 MARCIO DE SOUZA SANTOS PROTOTIPO DE AUTOMACAO DE UMA MONTADORA DE AUTOMOVEL UTILIZANDO OS METODOS JUST IN TIME E KANBAN Trabalho de conclusao de gradua9m orientado pela Prof. Elaini Simoni Angelotti, disciplina de Projeto de Gradua9aO do Curso de Tecnologia em Processamento de Dados Universidade Tuiuti do Parana. CURITIBA 2002

2 MARCIO DE SOUZA SANTOS PROTOTIPO DE AUTOMACAo DE UMA MONTADORA DE AUTOMOVEL UTILIZANDO OS METODOS JUST IN TIME E KANSAN Trabalho aprovado como requisito parcial para conclusao do curso de graduagiio em Tecnologia em Processamento de Dad as da Universidade Tuiuti do Parana, pela comissao formada pelos professores: Orientador: Prof. =-,--,c=---,-.,------,--cc----- Elaini Simoni Angelotti Prof. "R7ic-a-rd7o--O:0"'liv-e-,i-ra-..,Pooe-r-ec-ir-a---- Prof. ~F~a-"'ir-u-s7M~a-n~fr-oC-i Prof. 7M7a-r-co-s-C;:'-a-na-"'I~li Curitiba, 9 de dezembro de 2002

3 SUMARIO LISTA DE FIGURAS. LlSTA DE TABELAS. RESUMO.. 1. INTRODUCAo Objetivos Metodologia.. 2. REVISAo BIBLIOGRAFICA PRODUc;:AO EM SIORIE Justin Time Kanban BANCO DE DADOS... v. vii. viii Usuarios Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Vantagens de urn Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados SOL Gatilhos (Triggers) VisOes (Views) Procedimentos (Procedures) FERRAMENTAS UTtLiZADAS DELPHI SQL SERVER iii

4 3.3ASP PLATAFORMAS.. 4 PROTOTIPO DESENVOLVIMENTO DO BANCO DE DADOS Diagrama Entidade Relacionamento (DER) Oicionario de Oados Funcionamento do Banco de Dados DESENVOLVIMENTO DA INTERFACE Tela principal Ordens de produ~ao Disponibilizayao de ordens Veiculos Fornecedores Produyao Relatorios Ajuda.. 5. NivEIS DE ACESSO.. 6. CONCLUsAo TRABALHOS FUTUROS.. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS.. ANEXOS

5 LIST A DE FIGURAs FIGURA 1 FLUXO DE INFORMAi;OES ENTRE ATOYOTA E FORNECEDORES FIGURA 2 SISTEMA CONVENCIONAL DE PRODUi;AO VS SISTEMA KANBAN FIGURA 3 DIARAMA ENTIDADE RELACIONAMENTO - MONTADORA 41 FIGURA 4 TELAPRINCIPAL 49 FIGURA 5 ORDENS DE PRODUi;AO 50 FIGURA 6 DISPONIBILlZAi;Ao FIGURA 7 MODELOS FIGURA 8 SERlE 53 FIGURA 9 MOTOR.... FIGURA 10 CORES FIGURA 11 CAMBIOS 55 FIGURA 12 PEi;AS FIGURA 13 OCORRENCIAS FIGURA 14 FORNECEDORES 58 FIGURA 15 TELA DE ACES SO DO FORNECEDOR 59 FIGURA 16 ALTERAi;Ao DE SENHA FIGURA 17 CONSULTA DO ESTOQUE DA MONTADORA. 60 FIGURA 18 MONTAGEM DA ARMAi;AO 61 FIGURA 19 PINTURA 62

6 FIGURA 20MONTAGEM DE MOTOR, CAMBIO E PEt;:AS """"" 64 FIGURA 21 TESTES """""" ",,",,""""""""""""""""""""" """""""""""""".63 FIGURA 22VENDAS "" " ".""" """."""""".."",,"",,,,",,,,",, 65 FIGURA 23 HIST6RICO DE VEicULOS NA ARMAt;:AO.. """"""""" "",, 64 FIGURA 24 HIST6RICO VElcULO " """"""""""""""""""""""""""""""""",,65 FIGURA 25 RELAT6RI0 DE HIST6RICO DE VEfcULOS """"""""""""""" ".66 FIGURA 26 STATUS DO VElcULO... """"."""..""""".,,,,... """".."...".,,67 FIGURA 27 ESTOQUE". "."".67 FIGURA 28 AJUDA".. "".."".."""."""""".""".."""..,,",,.,,",,,,"",,,,"",, 68

7 LlSTA DE TABELAS TABELA 1 LEGENDA - SISTEMA CONVENCIONAL X SISTEMA KANBAN 17 TABELA 2 LEGENDA PARA 0 DICIONARIO DE DADOS.42 TABELA 3 ORDENS DESERVIi;O 42 TABELA 4 HIST6RICOS DE VEicULOS.. TABELA 5 VElcULOS.. TABELA 6 STATUS TABELA 7 MODELO DOS VEicULOS. 44 TABELA 8 MOTOR 44 TABELA 9 CAMBIO TABELA 10 COR TABELA 11 PEi;AS.45 TABELA 12 OCORRt:NCIAS DOS VEicULOS.45 TABELA 13 FORNECEDORES TABELA 14 SERlE DOS VEicULOS..45 TABELA 15AJUDA DO SISTEMA 46

8 RESUMO AS metodos Just in Time e Kanban esta.o sendo aplicados em empresas que buscam maior competitividade, efici~ncia, produtividade e qualidade. De maneira gerat, a informatiza~o de uma produ<;ao em serie que utiliza as metodos Just in Time e Kanban leva a reduyao do Onus da empresa, com estoques menores, custos mais baixos e mether qualidade. 0 presente trabalho projeto tern como objetivo desenvolver urn prot6tipo de informatizayao de uma montadora de autom6veis que utilize as metodos Just in Time e Kanban, a fim de reduzir 0 estoque e as custos de produr;ao, e aumentar a produtividade da montadora. viii

9 1. Introdu~ao Em rela\030 a grande massa industrial mundial a qual a globaliza\030 tem como premissa basica a produgao de qualquer tipo de prod uta, com 0 menor custo possivel e qualidade 6tima, nao importando a localidade devido a facilidade de transferlmcia das produ900s industriais, de lugares nao mais interessantes para lugares viaveis economicamente, pede-se colocar a industria brasileira como urn mercado importante na economia mundial, tornando a Brasil urn pais privilegiado no momento. Privilegiado porque atende aas requisitos que as grandes empresas procurarn, como incentivqs do governo (atraves de isenr;ao de impostos par urn periodo de tempo, como aconteceu com a Audi no Parana) e mao de obra barata, senda, portanto viavel economicamente. Embera a procura de entrada no mercado brasileiro pel as industrias seja grande, 0 Brasil ainda tem um longo caminho a percorrer para atingir 0 nivel tecnol6gico e organizacional dos Estados Unidos, Europa e Japao, sendo necessarios investimentos altos de capital estrangeiro e do pr6prio governo, acreditando sempre em uma economia mais estavel, alam da necessidade de novos conceitos produtivos e reformular;ao de nossas plantas industriais. (McKinsey, 1989). Atualmente, 0 Brasil, na tentativa de participar ativamente desta economia globalizada tenta solidificar sua importante condi\030 de pais em desenvolvimento, investindo em um ramo bastante importante dentro da industria brasileira que e a industria automobilistlca (Carvalho, 1997). No final do seculo XX, a industria automobilistica teve de passar por uma grande modificac;:a;o: deixar de ser uma industria manufatureira para ser uma

10 industria automatizada, tentando expandir os mercados por todo 0 planeta e oferecendo concorrencia em qualquer lugar do mundo. (Coutinho, 1994). Os japoneses, pioneiros experientes nesta transformagao, desbancaram a poderosa industria americana em seu mercado local, trouxeram novas canceitas, qualidades e expectativas aos consumidores e revolucionaram a visao produtiva com seu trabalho incessante na reduc;aa de custos, fixos e variaveis, trabalhando em toda a cadeia produtiva e nao apenas no chao de fabrica. Dessa forma, 0 trabalha em conjunto fai se salidificanda e todas as empresas que formavam a cadeia produtiva, fornecedores, fornecedores dos fornecedores, distribuidores e transportadores, tinham comprometimento na solu9m de problemas e na divisilo dos resultados, criando-se assim a "filosofia de parceria", com a participac;:ao de todos em todo 0 processo produtivo (Carvalho, 1997). Desse momenta em diante, a foco principal era como conseguir redugao de custos logisticos, reduzir estoques, aumentar a giro de capital, reduzir gastos com fretes, reduzir pessoal para controlar os estoques, tazer chamada de material e programar a produ9lio. Tecnicas de suma importa.ncia foram desenvolvidas pelos japoneses para efetivar os objetivos supracitados, como por exemplo: 0 Centro de Consolida9ao, que une as interesses das empresas envolvidas; programas de qualidade e normas de padroniza9m, como Qualidade Total e ISO 9000; e, finalmenle, os metodos Kanban e Just in Time, para otimiza9ao da produ9ilo em serie. o metodo Just in Time (JIT) objetiva a elimina9ilo de desperdicios ocasionados por atividades que consomem recursos e nao agregam valor ao produto numa prodw;:ao em serie, como estoques, transporte interno, paradas

11 interrnediiuias decorrentes das esperas do processo bern como refugos e retrabalhos. Pode-se dizer entao, que 0 metodo JIT disponibiliza 0 componente a ser produzido no lugar certo, na hara ideal e na quantidade estimada, segundo a necessidade de produ9:to daquele componente. o metoda JLlst in Time se baseia em urn sistema simples que envia a componente de uma esta980 de trabalho, par exempla, a farnecedar, para uma esta980 de processo produtivo, ou seja, urn determinado ponto na linha de produgao, sendo esta comunicaya,o feita pelo metodo Kanban. Isto reduz a necessidade das empresas de possuirem grandes estoques de companentes. A estocagem exagerada pade gerar custos para a empresa e trazer problemas como: Falha em algumas previsoes, urn componente estocado em grande quantidade e que por algum motivo nao sai; Erro no preen chimento de formularios; Produtos defeituosos por mas condi90es de estocagem; Retrabalho. Devido os problemas que podem ser gerados, a tempo de execu9ao das tarefas pode ser duplicado e esta duplica9ao, par sua vez, gera perda de tempo. A perda de tempo e urn item valioso para a produc;ao de novas produtos, ocasionando ga5tos maiores e retornos menores para a empresa. De maneira geral, a informatiza98o de uma produo;:ao em serie que utiliza 0 metoda Just in Time leva a reduyao do 6nus da empresa, com estoques rnenores, custos mais baixos e melhor qualidade. No entanto, para que isso funcione existem dais problemas principais que devem ser levadas em considerayao.

12 o primeiro problema que surge e como fazer as empresas utilizarem os metod as JIT e Kanban para produzirem de uma maneira mais eficaz? Para que este problema seja solucionado e necessario urn conhecimento profundo dos metodos JIT e KaniJan, a informatiza<;ao da empresa, alem de treinamento de seus funcionarios nestes metod os. Isto gera urn segundo problema: existe urn grande custo dos sistemas de informatiza<;a.o de produyao em serie das grandes montadoras, como per exemplo, VolkswagenlAUDI e Renault, bern como a capacita9l)o de seus profissionais. Em consequencia deste ultimo problema, foi identificada a necessidade de desenvolver urn prot6tipo para informatiza<;8o de produ<;elo em serie com urn custo menor, com a utiliza<;:jiode ferramentas mais acessiveis para medias e pequenas empresas, (come per exemple, uma tabrica de embalagens plasticas, onde se pode controlar as etapas da produ<;80 de cada componente necessario para a confec<;ao da embalagem, e os fornecedores) que desejem utilizar alem da informatiza<;ao e automa<;ao, tambem os metodos JIT e Kanban utilizados pelas grandes industrias. A utiliza,ao destes metodos e a informatiza9l)o do linha de produ,ao, como um todo. geram uma quantidade bastante significativa de informa<;oes a serem gerenciadas e armazenadas. Para a manipulaya,o destas informa<;oes, gerenciamentos da produ<;ao e geraryao de relat6rios estatisticos se faz necessaria a presenr;a de urn gerenciador dados que consiga integrar de maneira fidedigna a movimentac;:8a das infmmac;:oes. Este controle sera feito pm um Sistema Gerenciador de Banco de dados. o prot6tipo a ser desenvolvido neste trabalho sera capaz de controlar a produ<;ao de um veiculo desde 0 momenta que 0 mesmo deixa de ser uma ordem

13 ou pedido e se torna fisico, ate sua venda. Devera tambem informar os fornecedores da necessidade de reposi~ao de pe~s, conforme necessidade da produ9tio, atraves de simula9tio do metodo Just in Time. Os veiculos que loram para retrabalho bern como 0 respectiv~ motivq para estarem neste estado tambem deve ser informado. Relat6rios devem ser disponibilizados, sendo capazes de informar a quantidade de carras em cada parte da produc;ao. quantidade de veiculos com problemas, veiculos disponiveis para venda e tambem inlormar erros na produc,oao. Para isto sera necessaria aplicar as conceitos de prodw;;:aoem serie com os metodos JIT e Kanban de modo a minimizar desperdicios e desenvolver m6dulos que possam atuar com sinergia, entre operador e maquina. Sera preciso tambem implementar urn Banco de Dados para servir de base ao prot6tipo. Este banco guardara as informa<;oes pertinentes a linha de produ9ao. 1.1 Objetivos o objetivo principal do presente trabalho e desenvolver urn prot6tipo para uma montadora de autom6veis informatizando a seu processo de produc;ao em serie, com enfoque nos metodos Just in Time (Jll) e Kanban. Alem disso, este trabalho tern par intuito desenvolver urn prot6tipo que seja 0 mais adaptavel passivel, facilitando a reestrutura~o e aproveitamento de seus recursos para qualquer tipo de empresa que utilize produ9ao em serie, independentemente do produto a ser produzido.

14 A tim de satistazer a objetivo geral sljpracitado faz-se necessario realizar as seguintes objetivos especificos: Estudar e compreender as conceitos dos metodos de automa980 em serie Just ill Time (JIT) e Kallball. Compreender, modelar e implementar urn Banco de Dados para a desenvolvimento deste trabalho. Implementar 0 prototipo de automa9~o em serie, utilizando 0 Banco de Dados modelado e os metodos de Just in Time e Kanban, estudados e compreendidos. Implementar uma interface amigavel de utiliza9i\o do prot6tipo. 1.2 Metodologia A priori sera necessario estudar e compreender as conceitos dos metodos de informatizay~o em serle Just in Time (JIT) e Kanban, com suas peculiaridades, forma de atua~o e metodologia de trabalho. Isto sera feito atraves de estudo de literatura, bem como a observay8o destes metodos utilizados na pratica na montadora de veiculos Volkswagen/AUDI do Brasil em sao Jose dos Pinhais. Ap6s a etapa de reconhecimento e entendimento dos metodos JIT e Kanban se fara necessario compreender 0 funcionamenlo de urn Banco de Dados Relacional para arrnazenamento e manuseio das intormayoes. Em seguida sera modelado este Banco de Dados e implementado utilizando seus processos, armazenamento, scripts e demais recursos disponiveis, sempre direcionando-os conforme as metodologias JIT e Kanbaf1. Com a base de dad as funcionando sera implementado 0 prot6tipo de automac;ao em serie que controlara a linha de produ9i\o em serie. Finalmente,

15 sera modelada e implementada uma interface amigavel do prot6tipo que sera utilizada palos usuarios da linha de produ~o em serie.

16 2. Revisiio Bibliografica 2.1. Produ~ao em Serie Para se igualar a potencias produtivas como Europa, EUA e Japao, 0 Brasil precisa ganhar mais urna guerra, a estabilizac;;ilo de sua economia e a volta dos investimentos extern as. Apesar deste quadro nad tao favoravel ha urna vi sao otimista de grande crescimento industrial em nosso pais. (Carvalho, 1997). A informatica, com sua rapida evoluc;;ao atraves, principalmente, da Internet, conseguiu encurtar distancias, agilizando assim as decisoes, atraves de informac;oes mais rapid as, detalhadas e claras, ao mesma tempo em que passou a guardar de forma mais acessivel urna maior quantidade de informac;oes e transporta-ias de maneira mais rapida e segura. A computac;ao esta diretamente ligada ao aumento da capacidade produtiva das industrias, atraves da automa~o (substitui9ao da mao de obra humana par maquinas capazes de realizar 0 trabalho do operario sem a interferencia do mesmo). No entanto, a informatiza~o e a automa9ao relacionadas com investimentos e fatores econ6micos nao sao suficientes para se ter urna industria ou empresa de produ9ao em serie altarnente produtiva. Ha necessidade de uma triade que esta sendo estudada par grandes corpora90es: qualidade, custo e produtividade. Para aurnentar a produtividade de uma empresa, com alta qualidade e com reduc,:ao de custos, se faz necessaria a absoluta integrayao de todas as partes envolvidas. Fornecedores, distribuidares e afins precisam identificar 0 melhor processo para tad os, melhorar seus rendimentos, igualar tambem 0 nivel tecnol6gica e participar ativamente e com responsabilidades sabre 0 prod uta que irao fornecer au distribuir.

17 Desta integrar;:ao surge 0 conceito de parcerias provindo dos japoneses, que se dedicaram efetivamente na tentativa de redw;:ao de custos para uma maior produtividade (Carvalho, 1997). Os american os tin ham 0 domlnio da produc;:ao em massa no comec;:o do seculo XX e os japoneses eram os maiores interessados em se igualar aos Estados Unidos. Por isso a criac;aodas metodologias Just il1 Time e Kanban pelos pr6prios japoneses na industria Toyota (Taiichi Ohno,1998), com a preocupa9ao quase que obsessiva da eliminayao de desperdicios. Ap6s a segunda guerra mundial a propor91iode trabalho entre japoneses e americanos. em teoria, era que um americana fazia 0 trabalho de dez japoneses. Para que a Toyota (Taiichi Ohno, 1998) eliminasse este co nee ito era preciso que o trabalho de 100 homens fosse feito por dez, mas como fazer isto? NOtOU-S8 entao que os japoneses estavam desperdi9ando alguma coisa. Se pudessem eliminar 0 desperdicio a produtividade poderia melhorar muito. Esta ideia marcou o inicio do atual sistema Toyota de Prodw;ao e 0 nascimento das duas metodologias, Just in Time (JIT) e Kallban. Desde entad, a atuac;:~o das partes envolvidas aumentou significativamente, nao so em rela980 a fornecedores, distribuidores au empresas, mas tambem aos eonsumidores, que passaram a opinar sobre a construc;ao do veiculo, desde a escolha de acabamentos e acessorios, ate 0 cumprimento de prazos de entrega e garantia da qualidade. se fazendo necessario 0 usa de ferramentas capazes de suprir estas necessidades. envolvendo para isto 0 uso da teenologia da informa9ao com eficientes softwares de chao de fabrica e gerenciamento logistico, alem de estruturas satisfatorias de network, para que os objetivos da

18 10 empresa em rela9ao ao atendimento a clientes sejam disponibilizados com informa90es rapidas e precisas. No entanto, todos estes canceitos de parcerias e aquisic;.ao de tecnologias nao fariam sentido se nao estivessem em basad as em metodos eficazes de produyao em serie e urn grande planejamento logistico, com 0 intuito de satisfa9ao do cliente. Essa possibilidade das grandes montadoras de atender as preferl!ncias de seus clientes customizando a produto, e a redu9a.o do tempo entre a pedido e a entrega do veiculo alteram 0 planejamento e a organizayao da produyao que passa a ser mais flexivel. Os equipamentos de automavao par sua vez, mais flexiveis, s~o ajustados Just in Time (em tempo) com 0 processamento de uma nova tarefa, eliminando ociosidade e reduzindo 0 late de produtos, bern como a possibilidade de utiliz8<;ao de diversos modelos de veiculos em uma mesma linha de produyao, com seqo~ncias intercaladas. Assim, a Just in Time (JIT) traz a beneficia de minimizar a numero de haras de trabalho par veiculo produzido, melhorando tambem as eondi90es de trabalho e qualidade do trabalho Justin Time - JIT Segundo Reinaldo A. Moura (1989) 0 eoneeito Just in Timee difieil de ser entendido uma vez que, em muitos aspectos, os sistemas sao complexos e sua verdadeira caracteristica nao e percebida de imediato. As impressoes parciais tendem a se concentrar em reduyoes de inventario - visualizando-se prontamente frotas de caminhoes dos fornecedores chegando ao port:io da fabrica de hora em hora. Esta ideia, sem duvida, existe, porque ela e urn elemento do sistema Just in Time, mais visivel e mais facilmente ilustravel. Entretanto, entregas frequentes e

19 11 conseqoentes redu,oes de inventario sao meramente 0 sub-produto de urn plano muito mais sofisticado - talvez 0 ultimo passo no processo de sua implementa,ao. Para entender melhor 0 sistema Just in Time a figura 1 mostra 0 fluxo de informac;:6es entre a rnontadora e as fornecedores. A montadora possui urn plano de produyao, indicando qual a tipo de veiculo a ser produzido, a data da produc;ao, e os componentes necessaries para a sua montagem. Esse plano de produ,ao e repassado para os fornecedores. 0 fornecedor, entao, de acordo com 0 plano de produc;ao que a montadora fameeeu. elabora a plano de produ9~o para a montagem dos componentes. Esse plano de produgao fornece informac;;oes da quantidade e material necessaria que o fornecedor e a sub-fornecedor devem dispor para a montagem do componente no veiculo. No caso do exemplo abaixd, 0 componente a ser entregue pelo fornecedor e a transmiss~o do veiculo. Na data prevista, de posse do plano de produyao a montadora gera 0 plano de montagem da linha, on de cada etapa da linha fica sabendo quais componentes devem ter para a rnontagern do veiculo e sua quantidade. Entao e enviado urn pedido, que e individual para cada veiculo, indicando 0 modelo do carro e os componentes que precisam de reposic;:to na linha de produc;ao para a montagern. Esse pedido vai para urn computador no fornecedor. 0 fornecedor entao executa o plano de rnontagern. E disparado urn processo Kanban, informando 0 subfornecedor da necessidade da entrega de componentes ao fornecedor para a montagem da transmissao.

20 12 Sistema Toyota de Produ~ao Figura 1 - Fluxo de informagoes entre a Toyota e as fornecedores o conceito de sistema ideal de produgao chamado Just in Time enfatiza a produ9ao fornecendo 0 que e necessaria, transportando para 0 lugar necessaria e no momento necessaria. Deve-se salientar que a produyao Just in Time e as ideias associadas a ela nad se aplicam apenas na produc;ao automobilistica au a fabricaryao em alto volume. 0 Just in Time deve ser atrativq a qualquer neg6cio de manufatura e de produ9ao, po is tal metodo e dirigido a elimina9ao do estoque des necessaria. 0 estoque desnecessario e uma fante de custos extras. Dessa forma. deve-se encontrar caminhos para eliminar 0 desperdicio e melhorar a prod utividade.

21 !3 Just in Time na.o e apenas urn prograrna de reduc;8o de estoque. e sirn uma ampla estrategia de prodw;a.o, com a abjetivo de reduzir as custos totais e melhorar a qualidade do produto nas opera<;oes de fabrica<;ao. De acordo com Taiichi Ohno (1988), ex-vice-presidente da Toyota, deve haver a total elirninac;ao da perda. Perda e tudo aquila que nao acrescenta nenhum valor ad produto, como par exemplo: Filas de materia is sao perdas. Ocupam espa90, aumentam 0 tempo do cicio de manufatura e as pe~s podem ser danificadas. Estoque e perda. Requer estocagem, registros e movimenta<;m de material extra. Alguns rnateriais tendem a ficar obsoletos. Produzir alem do programado e perda. Na.o e necessaria e pode acabar usanda a material necessaria para outras peyas. 0 tempo de espera de urn aperador enquanto uma nlaquina trabalha e perda. A movimentac;aa de material, as long as preparac;oes de maquina e a produyao de peyas com defeito sao perdas. Nenhum material deve estar presente na fabrica, a nao ser que esteja sendo consumido. As perdas sao uma das principais causas da baixa produtividade. 0 desperdlcio causado par grande inventtuio, qualidade deficiente, altos custos e tempos de espera e muito grande. A relac;a:o com os fornecedores e muito importante, pais como regra gera!. muitos fabricantes compram de fornecedores extern as 50% ou mais dos componentes de seus produtos. Portanto, 0 controle de qualidade e controle do inventfuio dos fornecedores torna-se uma parte critica do sistema Just in Time (JIT).

22 atingir qualidade e freqo~ncia na entrega. 0 ideal e fazer as fornecedores adotarem 0 Sistema JIT, para que possam responder de maneira desejada. Segundo Taiichi Ohno (1988), em um processo de fluxo, as partes corretas necessarias a montagem alcan.yam a linha de montagem no momenta em que sao necessarias e somente na quantidade necessaria. Uma empresa que estabelec;a este fluxo integralmente pode chegar ao estoque zero que seria a estado ideal do ponto de vista da gestao da produ9ao (Taiichi Ohno, 1988). Entretanto, em urn produto feita com centenas de componentes, como 0 autom6vel, 0 numero de processos envolvidos e enorme sendo difichde aplicar a Just in Time ao plano de pradu9ao de todas as processos de forma ordenada. Isto ocorre porque nao ha como adivinhar a quantidade necessaria a ser produzida a nao ser que ela seja informada. Problemas seriam gerados com transtornos grandes, como par exempla: Falha na previs30; Erro no preenchimento de formularios; Produtos defeituosos, Retrabalha. Urn problema no inlcio do processo sempre resulta num produto defeituoso no final do processo, causando a parada da linha de prodw;:ao ou alteray80 de algum plano estipulado. Ana!isando a prodw;a.o em serie em partes individuais, teriamos problemas, pois se a industria produzisse partes do plano de produy8.o para cad a processo sem se preocupar com as processos seguintes, haveria desperdicio como resultado, por exemplo, componentes defeituosos de urn lado, imensos estoques de componentes desnecessarios de outro, reduzindo a produtividade e 0 lucre.

23 15 Seria dificil fazer distin9l\o entre estado normal da pe<;a (pe9a sem defeito), e estado anormal da pe9a (pe9a ou componente com defeito), em cada linha de manta,gem. Se ocorresse urn atraso na correc;8o de urn componente com defeito, par exemplo, muitos trabalhadores estariam fazendo muitos componentes defeituosos de uma pec;a, 0 que geraria muito desperdicio de recursos e de tempo, necessaria para descobrir que 0 componente estava cam defeito. LelJando-se em Gonta tude ista conclui-se, inicialmente, que para produzir usando 0 Just in Time de forma que cad a processo receba 0 item necessaria, quando ele for necessario, e na quantidade necessaria, os metodos convencionais de gestao, que nao controlam a quantidade de pec;as a serem produzidas, nao funcionam bern. a problema em questao e como fornecer 0 numera de peyas necessarias no momento certa. No modo convencional, 0 fornecimento era de urn processo inicial - transformac;{lo de material em componentes - para urn processo final, carnponentes rnontados formando a corpo do carro. Nurna produl;:ao autornotiva, a material e transformado em urn componente para determinada pe9a que e montada junto com outros componentes em uma unidade, fluindo do inicio da linha de montagem para 0 final, formando 0 carpo do carro. Se olharmos de forma inversa terernos urn processo final que vai para urn processo inicial para pegar apenas 0 componente exigide, na quantidade necessaria e no momenta necessaria, eu seja, a processe anterior fara somente 0 numero de componentes retirados sendo absolutamente necessaria apenas indicar claramente, 0 que, e quanta e preciso. Este fai 0 inicia da ideia, vindo a

24 16 decisad de utiliza9ao de um sistema onde 0 fim da linha de montagem e tomado como ponto inicial. Nesta forma reversa, 0 processo de fabrica9ao vai do produto acabado para o departamento cnde teve inleio a montagem dos materiais, sendo todas as etapas conectadas e sincronizadas reduzindo, dentre Qutras caisas, as niveis gerenciais. Para ista acontecer e necessaria utilizar urn meio para transmitir informac;:ao sabre apanhar au receber a ordem de produc;:ao. 0 meio de transmissao criado para a tarefa de comunicar as diversas etapas da prodw;ao e o metoda Kanban que sera descrito a seguir Kanban Segundo Reinaldo A. Moura (1989). existem duas defini9aes que descrevem o metodo Kanban: defini9ao restrita sobre 0 Kanban e a defini9m geral. Oefinit;3o restrita: Kanban e urn procedimento que utiliza cartoes para operar urn "sistema de puxar" de controle de material, 0 qual interliga todas as operat;6es de suprimento a urna linha de montagem final. Oefinic;ao geral: Kanban e um metoda que reduz 0 tempo de espera, diminuindo a estoque, melhorando a produtividade e interligando todas as operar;oesem urn fluxo uniforme ininterrupto. Em resumo, Kanban e uma tecnica de gestao de materiais e de produ,ao no momento exato (Just-ill- Time). 0 sistema Kallball e um metodo de "puxar" as necessidades de produtos acabados e, portanto, e oposto aos sistemas de produ9ao tradicionais. Eo um sistema simples de auto-controle a nlvel de fabrica, independente de gestaes paralelas e controles computacionais ( Moura, 1989). Como mostra a figura 2, 0 metodo convencional de produyao come<;a na aquisiyao de materia prima, atraves de uma ordem de compra. Os processos envolvidos tern uma ordem de fabricayao, e de posse da materia prima produzem

25 11 o produto. Depois que a etapa e climprida 0 produto e passado para a pr6xima etapa, sucessivamente, ate que 0 produto esteja acabado. No kanban, 0 processo de fabrica9ao vai do prod uta acabado para 0 departamento ande teve inicio a montagem dos materais. por isso a ideia de "puxar" material, sendo todas as etapas da produ<;:ilo interligadas. Figura 2 - Sistema Convencional de produr;ao vs Sistema Kanban Legenda para a figura 2 ~Sistema Convencional X Sistema Kanban Sigla Significado OC Ordem de compra OF Ordem de fabricacao - PM Plano mestre de pro~ao MP Mater~--=-E!Lma PA Produto acabado Tabela 2 - Legenda - Sistema Convenclonal X Sistema Kanban o Kanban carrega a inforrnayao vertical e lateralmente dentro da pr6pria empresa e entre a empresa e as empresas colaboradoras. Como exemplo pratico, Taiichi Ohno (1988) utiliza urn superrnercado:

26 18 As mercadorias compradas pelos clientes sao registradas no caixa. CartOes que carregam informac;8o sabre os tipos e quantidade de mercadorias compradas sao entao passados para 0 departamento de compras. Usando esta informay80, as mercadorias retiradas st!lo rapidamente substituidas pelas compradas. Estes cartoes correspondem ao Kanban de movimentay~o no Sistema Toyota de ProdUl;:ao. No supermercado, as mercadorias exibidas na loja correspondem ao estoque na fabrica. Se 0 supermercado tivesse uma fabrica pr6pria nas suas proximidades, have ria kanban de produc;;ao alem do kanban de movimentac;80 entre a loja e 0 departamento de produ9ao. Baseado nas instru9des indicadas neste kanban. 0 departamento de produyao produziria a quantidade de mercadorias compradas. Estas instru(;:oes, na Toyota, utilizavam fichas de papel que listavam 0 numero do componente de uma peya e outras informayoes relacionadas com 0 trabalho de usinagem. Com a unifica9ao e sistematizayao de todos os processos deste sistema de produyao se eliminaria completamente a necessidade de estoque extra mas, para isso. 0 gerenciamento das pec;as nao poderia ser feito com muita antecedencia, pois alem de envolver muitos trabalhadores intermediarios, se as pec;as chegassem antes de serem necessarias. e, naa no momento exato (significado do termo Just in Time), 0 desperdicio nao paderia ser eliminado. Em sintese, no Sistema Toyota de Produ9ao. 0 Kanban impede totalmente a superproduyao. eliminando assim estoque extra, dep6sito, gerente do deposito e inumeros controles em papei. Como todo metodo a ser utilizado a usa incorreto do Kanban tram uma serle de problemas. Por este motiv~, para usar 0 Kanban e necessario entender seu

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Estudo de Viabilidade PGE: Plastic Gestor Empresarial Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Recife, janeiro de 2013 Sumário 1. Motivação... 1 2. Introdução: O Problema Indentificado... 2

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães

O sistema Just-In-Time. Professor: Dannilo Barbosa Guimarães O sistema Just-In-Time Professor: Dannilo Barbosa Guimarães Introdução ao JIT O Just-In-Time surgiu no Japão na década de 70 na Toyota Motor Company (Taiichi Ohno). O JIT visa o combate ao desperdício

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior

MRP II. Planejamento e Controle da Produção 3 professor Muris Lage Junior MRP II Introdução A lógica de cálculo das necessidades é conhecida há muito tempo Porém só pode ser utilizada na prática em situações mais complexas a partir dos anos 60 A partir de meados da década de

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

LOGO. Sistema de Produção Puxada

LOGO. Sistema de Produção Puxada LOGO Lean Manufacturing Sistema de Produção Puxada Pull Production System 1 Conteúdo 1 Definição 2 Objetivo 3 Sistema Empurrado 4 Sistema Empurrado X Puxado 2 Lean Manufacturing Conteúdo 5 Sistema de Produção

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos

Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Conectando a Montagem aos Processos em Lotes através de Sistemas Puxados Básicos Art Smalley Tradução: Diogo Kosaka Sistemas puxados são uma parte fundamental da manufatura lean e freqüentemente são mal

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Produção Enxuta. Kanban

Produção Enxuta. Kanban Produção Enxuta Kanban Relembrando Supermercado O Supermercado é onde o cliente pode obter: O que é necessário; No momento em que é necessário; Na quantidade necessária. O supermercado é um lugar onde

Leia mais

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014

ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL. Guia Prático de Compra O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO. Edição de julho.2014 ERP SISTEMA DE GESTÃO EMPRESARIAL Guia Prático de Compra Edição de julho.2014 O QUE SABER E COMO FAZER PARA ADQUIRIR CERTO Í n d i c e 6 perguntas antes de adquirir um sistema 4 6 dúvidas de quem vai adquirir

Leia mais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais

Aplicações de Otimização em Processos Industriais Aplicações de Otimização em Processos Industriais Maria Cristina N. Gramani gramani@mackenzie.com.br Departamento de Engenharia de Produção Escola de Engenharia Universidade Presbiteriana Mackenzie Organização

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações

KANBAN. Kanban. Just in Time. Desperdícios. A Simplicidade no Controle das Operações KANBAN Kanban A Simplicidade no Controle das Operações Desmistificando JIT e Kanban; O Problema dos altos estoques; O Sistema MRP Os desperdícios 1 2 Just in Time Desperdícios A Filosofia Just in Time

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Suprimentos. WMS Gerenciamento de Armazém Bloco Suprimentos WMS Gerenciamento de Armazém Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo WMS, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas foram

Leia mais

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre

Banco de Dados. CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado. Professora Michelle Nery. Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus Pouso Alegre Banco de Dados CursoTécnico em Informática Modalidade Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, câmpus PousoAlegre Professora Michelle Nery Conteúdo Programático Introdução O que é Banco de Dados O

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém

Estoque é um ativo que ninguém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO. Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém PRINCÍPIOS DO GERENCIAMENTO DO INVENTÁRIO Quais os mais importantes e como podem ser aplicados no armazém Estoque é um ativo que ninguém deseja, mas que toda empresa deve ter. O santo padroeiro do gerenciamento

Leia mais

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009)

UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) GESTÃO DE PROCESSOS UM GUIA RÁPIDO ORIENTADO A RESULTADOS (vigência: 29 JUN 2009) 1. O QUE É PROCESSO? Processos têm sido considerados uma importante ferramenta de gestão, um instrumento capaz de aproximar

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA IMPLANTAÇÃO DE NOVOS SISTEMAS OU APLICAÇÕES NO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.02.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.02.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A

Leia mais

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes.

Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Planejamento da produção: Previsão de demanda para elaboração do plano de produção em indústria de sorvetes. Tiago Esteves Terra de Sá (UFOP) tiagoeterra@hotmail.com Resumo: Este trabalho busca apresentar

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE VIDROS EM TERESINA PI GEDAÍAS RODRIGUES VIANA 1 FRANCISCO DE TARSO RIBEIRO CASELLI 2 FRANCISCO DE ASSIS DA SILVA MOTA 3

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi

GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA QUALIDADE GESTÃO ESTRATÉGICA DA QUALIDADE Profa. Adriana Roseli Wünsch Takahashi MARÇO/2010

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção

Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Estudo do Layout Ricardo A. Cassel Áreas de Decisão na Produção Áreas de decisão Instalações Capacidade de Produção Tecnologia Integração Vertical Organização Recursos Humanos Qualidade Planejamento e

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação

Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Integrando Lean com os sistemas de tecnologia de informação Jean Cunningham Quando eu era CFO (Chief Financial Officer) da Lantech (Louisville, KY), ajudei a adaptar o sistema de tecnologia de informação

Leia mais

6 Quarta parte logística - Quarterização

6 Quarta parte logística - Quarterização 87 6 Conclusão A concorrência aumentou muito nos últimos anos e com isso os clientes estão recebendo produtos com melhor qualidade e um nível de serviço melhor. As empresas precisam, cada vez mais, melhorar

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Capítulo 18 - Distribuição

Capítulo 18 - Distribuição Capítulo 18 - Distribuição A escolha dos canais de distribuição é provavelmente a decisão mais complexa em marketing internacional. Em alguns mercados, o que prevalece é a concentração de grandes hipermercados

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo.

TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. TPM no Coração do Lean Autor: Art Smalley. Tradução: Odier Araújo. A Manutenção Produtiva Total (TPM) tem sido uma ferramenta muito importante para os setores de manufatura intensivos em equipamentos.

Leia mais

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção

Sistemas de Transformação e Estratégia de produção Sistemas de Transformação e de produção A seleção do Processo de produção depende: -Tecnologia dos Processos de Transformaçã ção -Tecnologia dos meios auxiliares (dispositivos, ferramentas) -Tecnologia

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky

O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean. Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky O papel da gerência em um ambiente de manufatura lean Gary Convis, Presidente, Toyota Motor Manufacturing de Kentucky Tradução: Diogo Kosaka Gostaria de compartilhar minha experiência pessoal como engenheiro

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL - CTAE

Leia mais

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03)

1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) 1. Conceituação e Noções Fundamentais (Parte 03) O Enfoque da administração pública: Para você entender o que é Administração de Materiais, precisa saber que material é todo bem que pode ser contado, registrado

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Título: Controle de Estoque (componente de especificação)

Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Título: Controle de Estoque (componente de especificação) Palavras-chave: estoque, inventário, controle Autoria e data: Marcelo Pessôa 02 de junho de 2014 Versão: 1.0 Tecnologia: Independe de tecnologia

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

Scania Serviços. Serviços Scania.

Scania Serviços. Serviços Scania. Serviços Scania Scania Serviços. Serviços Scania. Tudo o que o você precisa para cuidar Tudo bem do o que seu o Scania, você precisa em um para só lugar. cuidar bem do seu Scania, em um só lugar. SERVIÇOS

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas

Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Dicas para implantação do Autodesk Vault para pequenas e médias empresas Rodrigo Tito Nova CS Informática Cristiano Oliveira ConsultCAD É sabido por todos que hoje, o processo de desenvolvimento do produto

Leia mais

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD PROF. ANDREZA S. AREÃO Dado, Informação e Conhecimento DADO: Estímulos captados pelos sentidos humanos; Símbolos gráficos ou sonoros; Ocorrências registradas (em memória, papel, etc.); Indica uma situação

Leia mais

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas

Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de projetos em pequenas empresas Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Gestão de Projetos Aperfeiçoamento/GPPP1301 T132 09 de outubro de 2013 Um passo inicial para aplicação do gerenciamento de s em pequenas empresas Heinrich

Leia mais

Otimização de abastecimento de pedidos

Otimização de abastecimento de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos Quando passar da separação com papel para zero papel automação 1 Otimização que de traz abastecimento resultados de pedidos Otimização de abastecimento de pedidos

Leia mais

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado.

Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. TECNICAS E TECNOLOGIAS DE APOIO CRM Situação mercadológica hoje: Era de concorrência e competição dentro de ambiente globalizado. Empresas já não podem confiar em mercados já conquistados. Fusões e aquisições

Leia mais

Logística Lean: conceitos básicos

Logística Lean: conceitos básicos Logística Lean: conceitos básicos Lando Nishida O gerenciamento da cadeia de suprimentos abrange o planejamento e a gerência de todas as atividades da logística. Inclui também a coordenação e a colaboração

Leia mais

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia

Engenharia de Software I. Prof. André Castro Garcia Engenharia de Software I Prof. André Castro Garcia 1. Introdução 1.1 A IMPORTÂNCIA DO SOFTWARE Nas primeiras décadas da era do computador, o principal desafio era desenvolver um hardware que reduzisse

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING

Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING Distribuidor de Mobilidade GUIA OUTSOURCING 1 ÍNDICE 03 04 06 07 09 Introdução Menos custos e mais controle Operação customizada à necessidade da empresa Atendimento: o grande diferencial Conclusão Quando

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade

Introdução. Uso do disco Vantagens Desvantagens Baixo custo, facilidade de manutenção do software e do hardware, simetria e flexibilidade Introdução É sabido que os processos rodam em processadores. Nos sistemas tradicionais existe somente um único processador, de forma que não há dúvida a respeito de como ele deve ser usado. Em um sistema

Leia mais

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO

CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO CUSTOS DA QUALIDADE EM METALURGICAS DO SEGMENTOS DE ELEVADORES PARA OBRAS CÍVIS - ESTUDO DE CASO José Roberto Santana Alexandre Ripamonti Resumo: Com a globalização da economia, as empresas, enfrentam

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1

Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Curso de Sistemas de Informação 8º período Disciplina: Tópicos Especiais Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-1 Aula 3 Disponibilidade em Data Center O Data Center é atualmente o centro nervoso

Leia mais

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13

UNG CIC Tópicos Especiais de TI. Aula 13 Aula 13 1. Data Warehouse Armazém de Dados (Continuação) 1 Erros na implantação de um Data Warehouse Segundo o Data Warehousing Institute existem dez erros mais comuns na implantação de um Data Warehouse

Leia mais

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque:

Principais desafios do administrador de materiais na empresa atual Problema de manutenção do estoque: ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS A logística e a administração de materiais Logística é uma operação integrada para cuidar de suprimentos e distribuição de produtos de forma racionalizada, o que significa planejar,

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE A IMPORTÂNCIA DA CALIBRAÇÃO NO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE RESUMO Bruna Cássia Mendes de AZEVEDO¹ Kelly Ariane Dutra do PRADO¹ Osmar de Campos FONSECA¹ Patrícia dos Santos ALVES¹ Renato F. Saldanha

Leia mais

Ferramenta Colaborativa para Groupware

Ferramenta Colaborativa para Groupware Ferramenta Colaborativa para Groupware Rodolpho Brock UFSC Universidade Federal de Santa Catarina INE Deparrtamento de Informática e Estatística Curso de Graduação em Sistema de Informação rbrock@inf.ufsc.br

Leia mais

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA E PROCEDIMENTOS GERAIS PARA ADMINISTRAÇÃO DO BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.01.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.01.01.pdf Data: 27/07/2000 STATUS: EM VIGOR A Assessoria

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.

Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG. Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail. Sistemas de Informações Transacionais SIT Sistemas de Informações Gerenciais SIG Ana Clara Araújo Gomes da Silva araujo.anaclara@gmail.com Papéis fundamentais dos SI Os SI desempenham 3 papéis vitais em

Leia mais