GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ U E A P PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ U E A P PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO."

Transcrição

1 1 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ U E A P PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Macapá-AP 2009

2 2 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ U E A P PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Projeto Político-Pedagógico revisado e apresentado pelo Colegiado do Curso de Engenharia de Produção à Divisão de Apoio ao Ensino-DAE e desta à Pro- Reitoria de Graduação-PROGRAD que após aprovado pelo Conselho Universitário CONSU deverá ser encaminhado ao Conselho Estadual de Educação-CEE para autorização e regularização do referido Curso no âmbito da Universidade do Estado do Amapá. Macapá-AP 2009

3 3 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ Profº. Dr. José Maria da Silva Reitor Profº. Msc. Marcos Antônio Távora de Mendonça Pró-reitor de Graduação Profº. Esp. Paulo Sérgio Bezerra Chefe da Divisão de Ensino Profª. Esp. Ione Villas Bôas da Silva Coordenadora do Curso de Engenharia de Produção Profº. Msc. André Clementino de Oliveira Santos Responsável pela elaboração da versão preliminar do Projeto Político Pedagógico Profª.Esp. Ione Villas Bôas da Silva Profº. Esp. João Socorro Pinheiro Ferreira Profª. Esp. Luzimar Rebello Azevedo Profª. Msc. Regina Célis Martins Ferreira Profº. Esp. Astrogecildo Ubaiara Brito Comissão de adaptação do Projeto Político Pedagógico

4 4 SUMÁRIO Apresentação 1. Dados Institucionais Princípios Orientadores da Formação Áreas de Atuação Profissional Justificativa e Objetivos do Curso Competências e Habilidades Atividades Curriculares previstas no Curso Estrutura Curricular Necessidades de Infra-Estrutura Física de Suporte ao Funcionamento 166 do Curso 9. Qualificação do Corpo Docente Estágio Supervisionado Trabalho de Conclusão de Curso TCC Atividades de Formação Complementar Sistemas de Avaliação Pós-Graduação para o Egresso Implantação da Proposta Curricular Acompanhamento, Avaliação e Implementação da Proposta Curricular Referências Bibliográficas 175

5 5 APRESENTAÇÃO O presente Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia de Produção da Universidade do Estado do Amapá - UEAP é resultado de um anseio da sociedade local por um profissional capaz de relacionar conceitos de qualidade x produtividade nos diversos setores econômicos industriais. As concepções teórico/metodológicas e técnico-científicas contidas, bem como, as questões sociológicas, políticas e epistemológicas foram amplamente analisadas à luz da legislação vigente e do avanço tecnológico proporcionado pelos processos de globalização, cujo mercado, cada vez mais competitivo, exige a formação de profissionais competentes e habilidosos, capazes de gerenciar toda a cadeia produtiva nos seus diversos aspectos empregando notadamente tecnologias que otimizam os processos produtivos da empresa. Desta forma, o Projeto Pedagógico contempla a missão maior da UEAP, pois o desenvolvimento econômico do Estado do Amapá passa pela verticalização dos processos produtivos e, para isso, faz-se necessário à formação de uma mão de obra qualificada que contribuirá para o progresso da Região Amazônica.

6 6 1. Dados Institucionais 1. PERFIL INSTITUCIONAL 1.1) Histórico da Instituição A Universidade do Estado do Amapá é fruto de um amplo espaço de discussão na sociedade amapaense sobre a criação de mais uma instituição pública de ensino superior no estado do Amapá, além da Universidade Federal do Amapá. Desde 1997 algumas iniciativas de criação de uma instituição pública de ensino superior vinham sendo efetivadas por parlamentares e por profissionais da educação. Pelo menos três projetos de leis foram aprovados na Assembléia Legislativa do Estado e não foram sancionados pelo executivo. Em 27 de dezembro de 2005, o governador do estado, Antônio Waldez Góes da Silva, tomou a decisão de criar e implantar uma universidade, no âmbito da estrutura administrativa estadual. Para tanto, nesse mesmo dia criou o Grupo de Trabalho Institucional encarregado de discutir e elaborar a proposta de implantação da instituição. O GT foi formado por José Maria da Silva (Secretário de Estado da Ciência e Tecnologia), José Adauto dos Santos Bittencourt (Secretário de Estado da Educação), Ivanéia de Souza Alves (Representante do Sindicato dos Profissionais em Educação), Conceição Corrêa Medeiros (Representante do Conselho Estadual de Educação) e Rui Guilherme de Vasconcelos Souza Filho (Representante da Sociedade Civil). Como parte dos trabalhos do GTI, foi realizado, no período de 04 a 07 de fevereiro de 2006, um ciclo de audiências públicas, durante as quais instituições governamentais e não-governamentais, incluindo organizações da sociedade civil, apresentaram informações sobre a situação atual da formação em nível superior no estado do Amapá, assim como sugestões e propostas para a implantação da Universidade do Estado do Amapá. O GTI produziu um arquivo com as atas das reuniões, um CD contendo as palestras do ciclo de audiências, contribuiu para a elaboração da lei que instituiu a universidade estadual e definiu uma listagem de sugestões de cursos a serem implantados, bem como o cronograma de implementação dos mesmos.

7 A Universidade do Estado do Amapá (UEAP) teve sua criação autorizada pela lei nº. 0969, de 31/03/2006, e instituída pela lei de autoria do executivo estadual nº. 0996, de 31/05/2006. De acordo com esta última lei, em seu art. 2º, a UEAP tem como premissas fundamentais: a) autonomia didático-científica e cultural e administrativa e de gestão financeira e patrimonial; b) atuação em todas as áreas do conhecimento. 1. 2) Missão A Universidade do Estado do Amapá tem como missão atuar na formação de técnicos em nível superior, contribuindo com a capacitação de profissionais para o mercado de trabalho e com o processo de desenvolvimento do estado do Amapá, elevando o nível sociocultural da população amapaense e da Amazônia ) Finalidades A UEAP deve-se estruturar como uma Instituição de Ensino Superior voltada para a formação técnico-profissionalizante, com vista a contribuir para o desenvolvimento local, regional e nacional, ampliando as oportunidades do mercado de trabalho, através da formação especializada de profissionais, bem como através da indução a atividades empreendedoras de técnicos qualificados. Neste sentido, a UEAP tem como desafios: I) criar cursos de graduação voltados ao mercado de trabalho; II) criar cursos de pós-graduação, com ênfase em especialização e mestrado profissionalizante, para uma formação tecnológica avançada, visando a especialização de recursos humanos em áreas novas e importantes do conhecimento; III) participar da política de desenvolvimento econômico e social do estado do Amapá, através da participação em planos, programas e projetos, assim como na indução ao empreendedorismo no estado; IV) ampliar e fortalecer a formação em todo o estado, através da interiorização de campi e de cursos isolados; v) tornar-se uma referência na formação técnicocientífica no estado, na região amazônica e na área de fronteira, induzindo e participando de programas e projetos em parceria com os países fronteiriços ao estado, visando o fortalecimento das relações sociais e da economia regional.

8 1.4) Objetivos A lei nº (art. 1º) define os principais objetivos da Universidade do Estado do Amapá, consoante ao sentido universal de uma instituição que atua na formação profissional de nível superior, com a especificidade do contexto regional. Os objetivos são: 1. Promover a educação superior, desenvolvendo o conhecimento universal, com especial atenção para o estado do Amapá e para a Amazônia; 2. Ministrar cursos de grau superior, nos níveis de graduação e pósgraduação, com ações especiais que objetivem a expansão do ensino, do conhecimento científico e da cultura em todo o estado do Amapá; 3. Realizar pesquisa e estimular atividades criadoras, valorizando o indivíduo em seu processo evolutivo, incentivando o conhecimento científico relacionado ao homem e ao meio ambiente; 4. Contribuir com as políticas de desenvolvimento do estado do Amapá, através da formação técnico-científico. 1.5) Metas As metas a alcançar com a implantação da Universidade do Estado do Amapá são as seguintes: Implementar uma universidade pública que possibilite a oferta de cursos gratuitos à população local, diminuindo o déficit de oferta de vagas por cursos em instituição pública no estado; Implantar no período de 10 anos, o número de 10 a 15 cursos, de nível superior voltados para as áreas produtivas e sociais de vocação do Estado do Amapá; Qualificar recursos humanos, em níveis de graduação e pósgraduação, para suprir demandas do mercado de trabalho local; Capacitar técnicos com base na cultura do empreendedorismo visando à criação de novos empreendimentos no Amapá. 8

9 9 1.6) Inserção Estratégica da Universidade no Desenvolvimento Local e Regional A Universidade do Estado do Amapá foi criada no contexto de ampliação das perspectivas de desenvolvimento do Amapá, que se recente de uma instituição de formação em nível superior afinada com esse processo. O Estado do Amapá é detentor do maior índice de preservação ambiental do país cerca de 97% de sua cobertura vegetal preservada, sendo 56% dessa área demarcada em áreas protegidas. Destas, Km 2 da superfície do Amapá são de Unidades de Conservação (entre reservas federais, estaduais e propriedade privada) e Km 2 de reservas indígenas. Dentre as Unidades de Conservação situa-se o Parque Nacional das Montanhas do Tumucumaque, maior parque de reserva florestal do planeta, com 3,8 milhões de hectares. Estes dados mostram a preocupação da sociedade amapaense com a preservação do meio ambiente. Contudo, todo esse ambiente e potencial de biodiversidade se apresentam também como desafio às políticas públicas, com vistas ao desenvolvimento do estado. Destarte, a preocupação fundamental que se coloca ao governo do estado e à sociedade civil é: como potencializar a rica biodiversidade do espaço territorial do Amapá, transformando-a em oportunidade de negócios, conhecimento e tecnologia, visando a geração de riqueza e renda em benefício das populações locais, mantendo os níveis satisfatórios de conservação do meio ambiente.

10 10 Terras indígenas Unidades de Conservação Fonte: Plano Integrado de Desenvolvimento - Amapá Produtivo, Desde 2003 o Governo do Estado do Amapá tem colocado em prática uma política de abertura da economia local, buscando atrair novos investimentos empresariais visando à exploração de matéria-prima, com responsabilidade social e ambiental. Em 2005, o governo lançou o Plano de Desenvolvimento Integrado do Amapá (Amapá Produtivo), o qual levanta indicadores sobre os setores da economia amapaense e define os pólos de desenvolvimento e suas

11 potencialidades. O plano elege como metodologia de desenvolvimento os aglomerados econômicos denominados Arranjos Produtivos Locais (APL). 11 Território V Território VIII Madeira, Mandiocultura, Madeira, Fruticultura, Apicultura, Mandiocultura, Florestal não madeireiro, Bioindústrias, Rochas Ornamentais, Fruticultura e Aqüicultura e Grãos Florestal não (Arroz, Feijão, Milho). madeireiro. Território VII Mandiocultura, Fruticultura, Pesca Artesanal, Apicultura, Oleiro Cerâmico, Florestal não madeireiro e Aqüicultura. Território VI Madeira e Móveis, Produtos do Açaí, Fruticultura, Mandiocultura, Pecuária de Corte, Pesca Artesanal, Apicultura, Hortifrutigranjeiros, Aqüicultura, Bioindústrias e Grãos (Arroz, Feijão, Milho). Território I Mandiocultura, Pesca Artesanal, rochas Ornamentais e Turismo. Território II Mandiocultura, Fruticultura, Pecuária de Corte, Pesca Artesanal, Rochas Ornamentais, Aqüicultura e Grãos (Milho, Arroz e Feijão). Território III Madeira, Mandiocultura, Fruticultura, Pecuária de Corte, Pesca Artesanal, Rochas Ornamentais, Aqüicultura, Grãos (Arroz, Feijão, Milho). Território IV Mandiocultura, Pecuária de Corte, Pesca Artesanal, Apicultura, Hortifrutigranjeiros, Florestal não madeireiro e Grãos (Arroz, Feijão, Milho) Fonte: Plano de Desenvolvimento Integrado Amapá Produtivo, A economia do Amapá é fortemente concentrada nas atividades comerciais e no setor de serviços, com uma participação significativa dos recursos públicos, principalmente através dos investimentos governamentais e da renda dos funcionários públicos federais. Por isso, urge a necessidade de incentivar o crescimento econômico do estado, a partir da implantação de novos empreendimentos, da qualificação avançada de mão-de-obra, do incentivo à difusão e transferência de tecnologias e da indução às atividades empreendedoras, através das micro e pequenas empresas, estimulando os negócios com base no potencial de recursos naturais do estado. Atualmente as principais áreas de desenvolvimento da economia do estado são: produtos florestais (madeireiro e não madeireiro), minérios, agricultura,

12 12 pesca, artesanato e turismo. Alguns setores de produção começam a ser explorados e são promissores na economia estadual, com base na agregação de valor aos produtos naturais locais, proporcionados pelo desenvolvimento e transferência de tecnologias. Esses setores são: biotecnologia, fitoterápicos, fitocosméticos e tecnologia de alimentos. O centro irradiador desse processo de pesquisa e transferência de tecnologias para incubação de empresas e cooperativas é o Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá (IEPA). Trata-se de uma instituição do Governo do Estado que atua em pesquisas nas áreas de: botânica, zoologia, recursos hídricos, geologia, produtos naturais (com destaque às pesquisas com óleos e essências vegetais), meteorologia, arqueologia, ordenamento territorial, meio ambiente, tecnologia de alimentos e museologia. Nesse contexto, a Universidade do Estado do Amapá surge como instituição estratégica no processo de desenvolvimento do estado. À UEAP caberá o papel de atuar na formação de profissionais para suprir as necessidades de qualificação em áreas da educação superior até então não atendidas como a área tecnológica voltada à produção ou pouco atendidas e que ainda demandam profissionais qualificados, tais como as áreas de educação e saúde. Destarte, a UEAP terá um perfil predominantemente voltado à profissionalização para o mercado de trabalho, sem perder de vista a formação humana e universal, com preconização dos valores éticos que qualificam a cultura do ser humano. Diante do exposto, percebe-se que a Universidade do Estado do Amapá surge com papel fundamental. Esta IES foi criada como alternativa necessária ao processo de formação de profissionais de ensino superior, principalmente como instituição pública, na medida em que até então o Amapá contava apenas com uma universidade dessa natureza, a Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), a qual não consegue atender a demanda de estudantes. A UNIFAP recebe cerca de 13 mil inscrições para um total de 630 vagas/ano. Isto mostra os limites da oferta de vagas no ensino superior público no estado. Por outro lado, um levantamento recentemente realizado pela Secretarias de Ciência e Tecnologia evidencia os vícios e as limitações do ensino superior no Amapá. Além da universidade federal, há um mercado estabelecido de cursos de

13 13 graduação, com a presença de 20 faculdades particulares, que oferecem um total de 84 cursos, concentrados, sobretudo, nas áreas de humanidades e ciências sociais aplicadas (ver quadro a seguir). CURSOS E ESTRUTURA DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ Agricultura e Veterinária Ciências Sociais, Negócios e Direito Ciências, Matemática e Computação Educação Engenharias, Produção e Construção Humanidades e Artes Saúde e Bem Estar Social 0 Área do Conhecimento Serviços Fonte: SETEC, A oferta de cursos da UEAP deve atender a necessidade de qualificação de profissionais de nível superior para a realidade local, regional, nacional e internacional, sendo esta a partir das relações de cooperação que o Amapá dp platô das guianas tem estabelecido principalmente com os países situados na fronteira. Isto significa dizer que além da universidade desempenhar um papel fundamental na educação estadual, poderá ser uma referência na região e na zona de fronteiriça. Com base nas necessidades de mão-de-obra qualificada para o desenvolvimento local, situam-se os cursos tecnológicos e de engenharias. De

14 14 outra ordem, não se trata de instituição com perfil único e especializado, por isso a UEAP também ofertará cursos em todas as áreas do conhecimento, destacandose nesse espectro a formação para os setores de educação e saúde que ainda possuem carências. Os cursos serão implantados gradativamente, até que se alcance um nível satisfatório de oferta de cursos de graduação, num prazo que pode variar de seis a dez anos. Os primeiros cursos a serem implantados, num total de 06, foram selecionados a partir das sugestões feitas nas audiências públicas realizadas pelo GTI. Os cursos são: Engenharia Florestal, Engenharia de Pesca, Engenharia de Produção, Licenciatura em Pedagogia, Licenciatura em Letras (com habilitações em Francês e Espanhol) e Licenciatura em Química. O cenário de criação de novos cursos inclui para os próximos anos os seguintes cursos: Agronomia, Design Industrial, Biblioteconomia, Nutrição, Comércio Exterior, Enfermagem, Medicina Veterinária, Licenciaturas em Filosofia, Física, Biologia e Matemática, Licenciatura e Bacharelado em Música, Engenharias Ambiental e Química. A estruturação da Universidade do Estado do Amapá prevê a implantação de uma estrutura administrativa capaz de dar conta da complexidade de instituição acadêmica. Inicialmente, além do gabinete da reitoria e acessórias (jurídica e de comunicação), a estrutura executiva da UEAP será formada por três pró-reitorias: 1. Pró-Reitoria de Graduação e Extensão Universitária: unidade responsável pela política e execução das atividades acadêmicas do ensino de graduação e pelas atividades de extensão; 2. Pró-Reitoria de Planejamento e Administração: unidade responsável pela coordenação, elaboração e execução do planejamento da instituição, principalmente no que concerne ao planejamento orçamentário, bem como pela administração de recursos humanos e patrimônio; 3. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação: unidade encarregada de definir a política de pesquisa e pós-graduação da universidade. Esta estrutura pode ser revista no futuro. No entanto, por um certo tempo deve ser suficiente para o bom desempenho da UEAP.

15 15 Em termos de estrutura física, um aspecto que deve estar no horizonte da UEAP é a descentralização de suas instalações, principalmente levando em consideração as características dos cursos e o processo de interiorização da universidade. Na cidade de Macapá capital do Estado haverá uma estrutura central (prédio onde funcionou o antigo Instituto de Educação do Amapá), na qual funcionará inicialmente a universidade como um todo. Porém. Em poucos anos, nesse prédio funcionará a Reitoria, as unidades administrativas e os cursos de humanidades. Os cursos de engenharia deverão funcionar em local específico, que será definido como centro ou instituto tecnológico. Além dessa descentralização, prevê-se a criação de campus no contexto da política de interiorização da instituição, atendendo a três regiões do estado: região norte (campus situado no município de Oiapoque), região oeste do estado (campus localizado no município de Porto Grande ou de Serra do Navio) e região sul (campus situado no município de Laranjal do Jarí). 1.7) Responsabilidade Social da UEAP A Universidade do Estado do Amapá tem o compromisso em zelar pela qualidade do ensino superior voltado para a formação plena dos seus alunos, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho dentro do contexto da educação profissional, preparando-o para ser um agente transformador da realidade local, regional, nacional e internacional, visando à eliminação das desigualdades sociais que comprometem a contextualização das ações éticas. A UEAP tem o compromisso de obedecer às normas estabelecidas pela Lei de Diretrizes e Bases da Educação (9394/96), levando em consideração as seguintes prerrogativas: Parceria com o setor público, setores produtivos, mercado de trabalho e instituições sociais, culturais e educativas em todos os níveis. Desenvolver Projetos direcionados à promoção da cidadania e ao desenvolvimento local e regional, com atenção às comunidades sociais minoritárias Direcionar o reflexo das atividades acadêmicas para a sociedade;

16 Realizar ações de parcerias ligadas com ongs, escolas, associações, clubes, sindicatos Implementar política de estruturação do espaço físico, sobretudo quanto ao atendimento dos portadores de necessidades especiais 1.8) Política de Ensino Para o qüinqüênio de , a UEAP estabelecerá como política de ensino premissas que extrapolem a intenção de aumentar o número de vagas, vislumbrando como objetivo maior a formação de trabalhadores preparados para tomar decisões democráticas e dominar novas tecnologias, lidando produção de bens, serviços e conhecimentos. As ações pertinentes à composição do ensino da UEAP, são: 16 com a Expandir e diversificar a oferta de cursos nos seus diversos níveis e modalidades, considerando as demandas de mercado, sociais e a capacidade técnico-pedagógica da Instituição. Assegurar a formação geral e cidadã dos acadêmicos Formar profissionais com visão empreendedora e senso crítico Formar profissionais na área tecnológica e de licenciatura com qualidade e competência Adotar mecanismos de planejamento e desenvolvimento que favoreçam uma prática pedagógica compatível com o avanço científico-tecnológico e cultural Ampliar e melhorar a capacidade de atendimento ao ensino, bem como aos atores envolvidos. Reavaliar e manter atualizados os currículos dos cursos oferecidos pela UEAP Promover avaliação do processo educativo visando otimizá-lo Consolidar estratégias de capacitação para o corpo docente e administrativo ligado ao ensino 1.9) Políticas de Pesquisa e Extensão No que concerne à produção acadêmico-científica, a Universidade do Estado do Amapá tem por objetivo trazer à tona modalidades de pesquisa

17 17 reflexivas, fugindo da denominação formal e indo ao encontro de procedimentos voltados para estudos pessoais ou elaboração de material pedagógico. Sobre a política de extensão, a UEAP pretende implementar projetos que associem o ensino e a pesquisa. Desta maneira, o programa extensivo à comunidade, terá como interface o desenvolvimento do processo pedagógico participativo, possibilitando um envolvimento social com a prática profissional voltada para as demandas suscitadas pelo setor produtivo. A política de extensão deverá, portanto, reforçar o compromisso social da UEAP em promover o acesso da sociedade ao mundo do trabalho e da cidadania. As propostas são as seguintes: Compreender iniciativas de educação continuada, cursos técnicos e tecnológicos em caráter extraordinário, prestação de serviços ou consultoria, promoção e participação em atividades artísticas e culturais, ação comunitária e interiorização, através da oferta de cursos fora da sede ou na modalidade à distância. Privilegiar projetos de ensino e pesquisa que impliquem relações multidisciplinares na produção e na disseminação do conhecimento científico Valorizar as potencialidades econômicas, ecológicas, tecnológicas e culturais do Estado do Amapá, através de projetos técnico-científicos. 2) GESTÃO INSTITUCIONAL 2.1) Organização Administrativa 2.1.1) Estrutura Organizacional, Instâncias de Decisão Através do decreto nº , de 30 de junho de 2006, o governador do Estado do Amapá, Antônio Waldez Góes da Silva, incorporou ao patrimônio da Universidade do Estado do Amapá o imóvel pertencente ao Estado do Amapá, onde funcionava o Instituto de Educação do Amapá, localizado à Avenida Presidente Vargas, 650, incluindo equipamentos adquiridos com recursos do Estado.

18 18 A Universidade do Estado do Amapá dispõe de um campus central, situado na cidade de Macapá, capital do estado, onde funcionarão as unidades técnicoadministrativa e acadêmica. A estrutura física compreende: I. Bloco administrativo II. 22 salas de aulas, equipadas com ventiladores. III. 04 auditórios, sendo: 01 multimídia, com capacidade para 200 pessoas. 03 mini-auditórios, com capacidade para 80 pessoas cada IV. 05 laboratórios, sendo: 01 de informática com 25 computadores 01 de informática com 12 computadores 01 de desenho 03 de química V. 01 lanchonete VI. 01 reprografia Com a provação da Lei Estadual nº de 30 de junho de 2006, a UEAP, em seu processo de implantação, dispõe da seguinte estrutura organizacional básica: 1. Unidades de Assessoramento: 1.1. Gabinete 1.2. Assessoria Jurídica 2. Unidades de Execução Programática: 2.1. Diretoria de Planejamento e Administração Divisão de Planejamento Divisão de Orçamento, Finanças e Contabilidade Divisão de Administração e Recursos Humanos 2.2. Diretoria Acadêmica Divisão de Ensino Divisão de Processo Seletivo Divisão de Registro e Controle Acadêmico Divisão de Acervo Bibliográfico

19 19 O Estatuto da UEAP, aprovado em outubro de 2006, prevê a seguinte estrutura administrativa a ser implantada a partir do exercício letivo de 2007: I. Gabinete do Reitor; II. Vice Reitoria; III. Pró-Reitoria de Graduação e Extensão; IV. Pró-Reitoria de Planejamento e Administração; V. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação; VI. Assessoria de Comunicação Social; VII. Assessoria de Relações Nacionais e Internacionais; VIII. Comissão Permanente de Licitação CPL; IX. Procuradoria Jurídica; X. Auditoria Interna. 2.2) Unidades de Deliberações Coletivas A partir do Decreto nº , de 30 de junho de 2006 foi instituído que a administração superior da Universidade do Estado do Amapá será exercida, em caráter provisório, pelo Reitor Pró-Tempore e pelo Conselho de Implantação. No que diz respeito às deliberações colegiadas, a estrutura organizacional básica da UEAP, com o exposto na Lei Estadual nº de junho de 2006, tem instituído o Conselho de Implantação da Universidade do Estado do Amapá, cuja função é deliberar sobre questões relacionadas à política pedagógica da UEAP, tem a seguinte composição: I. Reitor Pro-tempore II. Diretor de Planejamento e Administração III. Diretor Acadêmico IV. Representante da Secretaria de Estado da Educação V. Representante da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia VI. Representante do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá VII. Representante da Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Tesouro VIII. Representante da Secretaria de Estado da Administração

20 20 IX. Representante do Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Educação do Estado do Amapá X. Representante da comunidade acadêmica A partir do ano letivo de 2007, a instância de deliberações coletivas será administrada pelo Conselho Universitário (CONSU) e terá a seguinte composição: I. Reitor II. Vice Reitor III. Pró-Reitor de Graduação e Extensão IV. Pró-Reitor de Pesquisa e Pós-Graduação V. Pró-Reitor de Planejamento e Administração VI. Coordenadores dos Cursos de Graduação VIII. Representante de classe dos professores da UEAP IX. Representante discente dos cursos de graduação escolhido em assembléia pelos alunos da Universidade X. Representante discente dos cursos de pós-graduação escolhido em assembléia pelos alunos de pós-graduação XI. Representante da Secretaria de Estado da Administração XII. Representante da Secretaria de Estado da Agricultura, Pesca, Floresta e Abastecimento XIII. Representante da Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia XIV. Representante da Secretaria de Estado da Educação XV. Representante da Secretaria de Estado da Indústria e Comércio e Mineração XVI. Representante da Secretaria de Estado do Planejamento XVII. Representante da Secretaria de Estado do Trabalho e Empreendedorismo XVIII. Representante do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá XIX. Representante da Federação das Indústrias do Estado do Amapá XX. Representante do Sindicato dos Servidores Públicos em Educação do Estado do Amapá XXI. Representante do Serviço de Apoio às Pequenas e Médias Empresas

21 21 De acordo com o Estatuto da UEAP a função do Conselho Universitário é deliberar sobre a política geral da Universidade para a consecução de seus objetivos. 2.3) Unidades Executivas A estrutura organizacional básica da UEAP, em sua instância de deliberação singular, conta com o Reitor Pro-Tempore para representar ativa e passivamente a Universidade. A partir do exercício letivo de 2007, e de acordo com os dispostos em seu Estatuto, quanto às deliberações executivas, a UEAP passa a contar com as seguintes unidades: I. Reitoria: com função de administrar todas as atividades da Universidade II. Vice Reitoria: auxilia diretamente a Reitoria III. Pró-Reitoria de Planejamento e Administração: encarregada de planejar, organizar, executar e controlar o orçamento da Universidade está estrutura da em 06 departamentos: Departamento Financeiro Departamento de Administração Geral Departamento de Recursos Humanos Departamentos de Planejamento Departamento de Planejamento Departamento de Informática IV. Pró-reitoria de Graduação e Extensão: encarregado de planejar e executar, com o auxílio das Coordenações de Curso, a política de ensino de Graduação da Universidade, possui em sua estrutura 04 departamentos e 01 Biblioteca: Departamento de Ensino Departamento de Processo Seletivo Departamento de Extensão Departamento de Registro e Controle Acadêmico Biblioteca

22 22 V. Pró-reitoria de Pesquisa e Pós-graduação: com a função de planejar e definir a política de pós-graduação da UEAP está organizada em departamentos: Departamento de Pesquisa Departamento de Pós-graduação 2.4) Unidades de Controle Na estrutura administrativa, prevista no Estatuto da UEAP e que passará a vigorar no ano letivo de 2007, a Auditoria Interna tem por atribuições fortalecer a gestão e racionalizar as ações de controle, respeitando a legislação pertinente. 2.5) Unidades de Apoio às Atividades Acadêmicas A partir do exercício letivo de 2007, a UEAP contará com as seguintes unidades para apoio às atividades acadêmicas: Departamentos de cursos Pró-Reitoria de Graduação e Extensão Pró-Reitoria de Planejamento e Administração Para descentralizar as atividades de ensino, pesquisa e extensão a Universidade do Estado do Amapá poderá contar com unidades complementares caracterizadas como: I. Órgãos de apoio à elaboração de concursos ou vestibulares II. Campi de interiorização III. Museus IV. Centros, núcleos, institutos ou faculdades. V. Hospitais ou clínicas médicas VI. Escritórios de prestação de serviço à comunidade ou fundações 2.6) Autonomia da UEAP Instituída pela Lei Estadual n. 0996, de 31 de mai o de 2006, a UEAP é um órgão de prestação de serviços autônomo do Governo do Estado do Amapá, vinculada a Secretaria de Estado da Ciência e Tecnologia, com patrimônio e receita própria dotada de personalidade jurídica pública como autarquia e autonomia administrativa, financeira e patrimonial.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ. Projeto Pedagógico do Curso. Tecnologia em Design

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ. Projeto Pedagógico do Curso. Tecnologia em Design GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ Projeto Pedagógico do Curso Tecnologia em Design MACAPÁ/AP 2009 5 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAPÁ PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais.

Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. X Encontro Nacional- PROIFES-Federação Anteprojeto de Lei: Autonomia das Universidades e Institutos Federais. Apresentação PROIFES-Federação A Constituição Brasileira de 1988 determinou, em seu artigo

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010.

LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. LEI COMPLEMENTAR Nº 156 DE 14 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a transformação da Universidade Virtual do Estado de Roraima UNIVIRR, para a categoria de Fundação Pública e dá outras providências. O GOVERNADOR

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013

Lei 17505-11 de Janeiro de 2013. Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Lei 17505-11 de Janeiro de 2013 Publicado no Diário Oficial nº. 8875 de 11 de Janeiro de 2013 Súmula: Institui a Política Estadual de Educação Ambiental e o Sistema de Educação Ambiental e adota outras

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.095, DE 24 DE ABRIL DE 2007. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA NIT RESOLUÇÃO CONSU Nº. 33/21 DE 3 DE AGOSTO DE 21. A Presidente do Conselho Superior Universitário da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas, no uso de suas atribuições regimentais, e consequente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 40, DE 20 DE MARÇO DE 2013. O PRESIDENTE DO CONSELHO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO da, no uso de suas atribuições legais, resolve, ad referendum: Art. 1º Aprovar as Normas para Cursos de Pós-Graduação

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO DA ESCOLA DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL Sumário TÍTULO I - DA ESCOLA DE ENGENHARIA E SEUS FINS TÍTULO II - DOS ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO DA ESCOLA DE ENGENHARIA CAPÍTULO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. Aprova o Regulamento do Programa Casulo Sócio-Tecnológico de Apoio e Desenvolvimento em Gestão Social, Inovação e sustentabilidade. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente documento

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos:

Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: Referência atual: Decreto 5.773, 9 de maio de 2006. Art. 16.O plano de desenvolvimento institucional deverá conter, pelo menos, os seguintes elementos: I-missão, objetivos e metas da instituição, em sua

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO P O R T A R I A N. º 5 0 8 D E 1 5 D E J U L H O D E 2 0 1 1. O Reitor do Instituto Federal do Paraná, no uso da competência que lhe confere o Decreto de 13 de junho de 2011, da Presidência da República,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS

EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA EIXO III CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO E DE CADA UM DE SEUS CURSOS EIXO III - CRONOGRAMA DE IMPLANTAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET

O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Câmara de Educação Superior O ordenamento da Pós- Graduação no Brasil: possibilidades para os IFET IFET-RS Bento Gonçalves (RS), 15 de junho de 2009 Maria Beatriz Luce Conselheira

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA

PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA PROPOSTAS DA COMISSÃO REPRESENTATIVA DE PROFESSORES PARA A REFORMA ESTATUTÁRIA DA ULBRA Preâmbulo: - Considerando que a educação é um bem público e, conforme dispõe o art. 209 da carta constitucional,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*)

RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) RESOLUÇÃO Nº 6, DE 10 DE MARÇO DE 2004 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis, bacharelado, e dá outras providências. O Presidente da Câmara de Educação

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO FACULDADE DE DIREITO JUSTIFICATIVA 1 DOS ÓRGÃOS DELIBERATIVOS JUSTIFICATIVA Dois grandes órgãos de deliberação superior foram propostos: O Conselho Universitário e o Conselho de Administração e Finanças. Este último, com a missão de deliberar

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 2-CADCAM/C/UNICENTRO, DE 04 DE MAIO DE 2015. Aprova o Regulamento da Farmácia Escola do Campus Cedeteg, UNICENTRO-PR. O PRESIDENTE DO CONSELHO ADMINISTRATIVO DO CAMPUS CEDETEG, UNIDADE UNIVERSITÁRIA

Leia mais

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus

2 Oferta de cursos técnicos e superiores por eixo tecnológico, por Campus. Taxa de ingresso nos cursos técnicos na forma de oferta, por Campus PERSPECTIVA OBJETIVO INDICADOR META RESULTADOS INSTITUCIONAIS 1 Nº de cursos técnicos e superiores, articulados com os arranjos produtivos locais por Campus; 2 Oferta de cursos técnicos e superiores por

Leia mais

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus

RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão. Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus RENOVAR PARA INOVAR! Plano de Gestão Proposta de plano de gestão do candidato Érico S. Costa ao cargo de Diretor do Campus 2013-2016 0 1 Sumário Apresentação... 2 Análise Situacional... 2 Programas Estruturantes...

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO As ações de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas constituem um processo educativo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata

PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE. UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão. Quadriênio 2016-2019. Candidata PLANO DE TRABALHO DIREÇÃO DO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIOESTE - Campus de Francisco Beltrão Quadriênio 2016-2019 Candidata Franciele Ani Caovilla Follador Slogan: CCS em ação! 1 INTRODUÇÃO Em 1991,

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO Secretaria Extraordinária de Apoio às Políticas Educacionais Casa Civil Governo de Mato Grosso PROJETO DE LEI Nº PROJETO DE LEI Nº Modifica a LC 30/93 e adota outras providências. Autoria: Poder Executivo A Assembléia Legislativa do Estado do Mato Grosso aprova e o Governador do Estado sanciona a seguinte Lei Complementar:

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ASCES DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS PRINCÍPIOS NORTEADORES Art. 1º A ASCES, por meio deste Regulamento, contempla as Normas Gerais de Atividades complementares, permitindo

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº 04/99 Institui a Política de Apoio, Orientação e Assistência Estudantil para a UFBA. O DA, no uso de suas atribuições, RESOLVE: Art. 1º - Instituir a Política de Apoio,

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

CONSU. Conselho Universitário CONSEPE UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão.

CONSU. Conselho Universitário CONSEPE UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão. CONSU Conselho Universitário CONSEPE Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão UNEB UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA Boletim Primeiras reuniões de 2014 #1 CONSU aprova criação de Pró-Reitoria, Secretarias

Leia mais

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E

DECISÃO Nº 193/2011 D E C I D E CONSUN Conselho Universitário DECISÃO Nº 193/2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, em sessão de 08/04/2011, tendo em vista o constante no processo nº 23078.032500/10-21, de acordo com o Parecer nº 022/2011 da

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO PROFISSIONAL EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM SAÚDE REGIMENTO INTERNO I DOS OBJETIVOS E DA ESTRUTURAÇÃO GERAL DO MESTRADO Art.

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE

MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE MINUTA DE RESOLUÇÃO PARA REGULAMENTAÇÃO E MANUTENÇÃO DO REGIME DE TRABALHO EM DEDICAÇÃO EXCLUSIVA DA UNEMAT RESOLUÇÃO Nº. - CONEPE Regulamenta o regime de trabalho de Tempo Integral, em Dedicação Exclusiva

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Escola Superior de Ciências da Saúde RESOLUÇÃO Nº 014/2006 DO COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo,

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE, no uso de suas atribuições e considerando o que consta do Processo, Anteprojeto de RESOLUÇÃO Nº. Considerando a acelerada expansão verificada no ICHF nos últimos anos, por conta da expansão do numero de cursos de graduação, pós-graduação stricto e lato sensu Considerando

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 RESOLUÇÃO nº 18 DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 Aprova o Regimento Interno do Núcleo de Educação Técnica e Tecnológica Aberta e a Distância NETTAD - CAVG. O Presidente em exercício do Conselho Coordenador do

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul.

LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER, Prefeito Municipal do Município de Santa Maria, Estado do Rio Grande do Sul. LEI MUNICIPAL Nº 5306, DE 04 DE MAIO DE 2010 Estabelece medidas de incentivo à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no Município de Santa Maria e dá outras providências. CEZAR AUGUSTO SCHIRMER,

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT

ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA - FAIT REGULAMENTO N. 001 /2001 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE EXTENSÃO E AÇÃO COMUNITÁRIA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA Dr. Germano Alonso Shimizu, Diretor da FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

X Encontro Nacional de Escolas de Governo

X Encontro Nacional de Escolas de Governo X Encontro Nacional de Escolas de Governo Painel Cursos de pós-graduação nas escolas de governo A experiência da Enap na oferta de cursos de pós-graduação lato sensu Carmen Izabel Gatto e Maria Stela Reis

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido)

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS. (Resumido) FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM ES Curso de Administração reconhecido pelo Decreto Federal nº 78.951, publicado no D.O.U. de 16-12-1976 Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ

PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ PROJETO DE LEI ESTADUAL PARANÁ Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Art. 1 - A Política Estadual

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.755, DE 29 DE JANEIRO DE 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica,

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE

Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE IV. CÂMARA TEMÁTICA DA EDUCACÃO, CULTURA E DESPORTOS Diretrizes: 1. Cumprir as metas do Compromisso Todos Pela Educação- TPE Meta 1 Toda criança e jovem de 4 a 17 anos na escola; Meta 2 Até 2010, 80% e,

Leia mais