Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación"

Transcrição

1 Confederación Iberoamericana de Asociaciones Científicas y Académicas de la Comunicación O Lugar do Simbólico no Capitalismo: uma análise das mudanças que estão acontecendo na passagem do modelo fordista-keynesiano para o toyotistaneoliberal Resumo Rodrigo Braz 1 A partir de uma abordagem convergente das contribuições da Escola Regulacionista Francesa, do pensamento do filosofo político Antônio Gramsci e, de modo geral, da Economia Política da Comunicação, este trabalho busca fazer uma análise das mudanças que estão acontecendo nos paradigmas da produção simbólica após a crise de 1970, com a decadência do modelo fordista e das políticas keynesianas e com a ascensão do modelo toyotista e das políticas neoliberais ( acumulação flexível). O texto conclui que as alterações do modelo de produção não são apenas conseqüências das mudanças ocorridas no modelo de gerenciamento, mas visam, sobretudo, garantir a hegemonia dos recentes paradigmas da acumulação capitalista. No âmbito do simbólico, o atual modelo impõe uma lógica de máxima individualização e fragmentação das identidades, que só se afirmam e realizam no momento do consumo. Palavras-chave: produção simbólica, modo de regulação, capitalismo, meios de comunicação. 1. Introdução: a teoria da regulação e o lugar do simbólico na topologia do social O marco inicial dos estudos sobre modos de regulação encontra-se na obra Régulation et crises du capitalisme do economista francês, Michel Aglietta 2. É a partir desse trabalho que surge a proposta teórica da Escola da Regulação Francesa. Segundo Boyer (1991), as análises de Aglietta aprofundam a concepção de que as ciências sociais são as que têm como objeto de estudo as relações sociais, entendendo a forma estrutural 1 Graduado em Comunicação Social pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre e doutorando em Políticas de Comunicação e de Cultura na Universidade de Brasília, no âmbito do Programa de Pósgraduação em Comunicação. Pesquisador do Laboratório de Políticas de Comunicação (LaPCom/UnB). Bolsista CAPES. 2 Embora o trabalho de Aglietta seja o fundador dos estudos em regulação, Robert Boyer (1991) destaca que G. Destanne de Bernis foi um dos primeiros autores a introduzir a noção de regulação nas pesquisas em ciências sociais. A essência do trabalho de Bernnis consistia em utilizar certos elementos da teoria sistemática para uma reatualização da análise marxista. 1

2 como codificação de um conjunto de relações sociais fundamentais. O objetivo da pesquisa proposta por ele é estudar a transformação das relações sociais criando novas formas, ao mesmo tempo econômicas e não-econômicas, organizadas em estruturas e reproduzindo uma estrutura determinante, o modo de produção (BOYER, 1991, p. 43). Na análise de Boyer (1991), uma das principais contribuições da obra de Aglietta é a análise do surgimento e da significação das convenções coletivas que possibilitam formular a noção de normas de consumo e compreender a dinâmica como o resultado de sua interação com as normas de produção. As análises desenvolvidas posteriormente por Boyer, um dos principais pesquisadores da Escola que se propôs a consolidar o plano teórico dessa abordagem, compreendem o modo de regulação enquanto uma estrutura própria e específica, que é consequência das disputas entre as formações sociais que o materializam. Não se trata de ignorar as forças do capitalismo global, mas, sobretudo, de entender como elas, articuladas às forças sociais locais, condensam-se para formar uma situação de estabilidade estrutural que permite a expansão de um determinado sistema de modo relativamente tranqüilo. Segundo Boyer (1991), a partir de uma determinada formação histórica, o modo de regulação é a forma de assegurar a reprodução do sistema. Ele define: [é] todo o conjunto de procedimentos e de componentes, individuais e coletivos, que tem a tríplice propriedade de reproduzir as relações sociais fundamentais através da conjunção de formas institucionais historicamente determinadas; sustentar e 'pilotar' o regime de acumulação em vigor; assegurar a compatibilidade dinâmica de um conjunto de decisões descentralizadas, sem que seja necessária a interiorização pelos agentes econômicos dos princípios de ajustamento do conjunto do sistema (BOYER, 1991, p. 89). Boyer (1991), a fim de elucidar os vínculos entre relações sociais e organização econômica, parte das contribuições da escola althusseriana (Terray, Rey, Balibar, Poulantzas, Fossaert) para definir o conceito de modo de produção como um sistema complexo e uma articulação de modos de produção que definem tanto toda a estrutura de uma sociedade, como também apenas suas estrutura econômica (Idem, p. 68). Para o autor, o foco nas relações de produção busca afastar qualquer tipo de confusão entre as rivalidades dos indivíduos para ocupar lugares no interior de um modo de produção e os contextos sociais gerais que direcionam a dinâmica econômica em seus aspectos coletivos. Portanto, deve-se distinguir a lógica geral das relações sociais dos comportamentos individuais para aí se inserir ou se libertar. Assim, é possível passar de uma análise de um conjunto de racionalidades limitadas referentes às decisões 2

3 múltiplas e descentralizadas de produção e de troca à outra de possibilidade de coerência dinâmica do sistema como um todo. No que concerne à noção de regime de acumulação, Boyer compreende-a enquanto conjunto de regularidades que subsidiam e garantem a expansão relativamente coerente da acumulação do capital, ou seja, que permitem absorver ou repartir no tempo as distorções e desequilíbrios que surgem permanentemente ao longo do próprio processo (Idem, p 71). A noção de forma institucional (ou estrutural) possibilita a compreensão das origens das regularidades que comandam a reprodução de um sistema ao longo de um determinado período, a partir das invariantes que se reproduzem por meio das constantes alterações de sua forma e de sua articulação precisa. Um problema estrutural não pode ser discutido no abstrato, sem estar vinculado às formas institucionais vigentes. Boyer (1991) explica que no interior de um modo de regulação as formas institucionais agem de acordo com três princípios: a lei, a regra ou o regulamento; o compromisso, entendido como convenções que regem o engajamento mútuo dos agentes privados; e o sistema de valores e representações, garantindo-se assim uma estabilidade relativa do sistema, de acordo com as contradições e as crises. De maneira geral, a forma regulação consolida-se como resultado da articulação entre as diferentes formações que constituem um sistema. Quando os conflitos entre as diferentes formações sociais não se articulam, abre-se um momento de crise até que um novo consenso se estabeleça e um novo momento do modo de regulação seja gestado. Assim, a dinâmica é estabelecida pelo ciclo crise - regulação - crise. Boyer (1991) explica que as crises cíclicas são peças que compõem a regulação no interior de um modo de desenvolvimento estabilizado. Elas correspondem à fase de maturação e afinamento das tensões, antagonismos e desequilíbrios acumulados durante a expansão, dentro mesmo dos mecanismos econômicos e das regularidades sociais e, portanto, do modo de regulação dominante num país e numa época dada. Para Boyer, em geral, a origem desse processo está vinculada a três circunstâncias: às perturbações externas e internas de um novo tipo, que não permitem ser interiorizadas em um modo de regulação cuja estabilidade estrutural está relacionada a outros fatores aleatórios; às lutas sociopolíticas, quando formações sociais questionam os compromissos institucionalizados; e, por oposição, ao próprio aprofundamento da lógica da regulação em vigor, que pode levar ao esgotamento das possibilidades de crescimento e ao início de uma crise de longo prazo. 3

4 É importante chamar a atenção para as lutas sociopolíticas enquanto circunstância essencial para a manutenção ou crise de um determinado modo de acumulação, o que mostra que, entre as determinações da economia e as ações do Estado, a instância do social é um aspecto que não pode ser negligenciado. Embora Boyer (1991) afirme ser o sistema de valores e representações um dos princípios que possibilitam o modo de regulação, no nosso entender, é a contribuição de Theret (2001) que avança mais na análise desse aspecto. Segundo Bruno Theret (2001), um modo de regulação social deve ser pensando a partir dos momentos econômico e político por meio da análise da ambivalência da moeda e do direito enquanto invariantes estruturais no seio de cada um deles. O autor entende que a separação entre o econômico e o político no capitalismo significa a criação de um espaço social no qual a dominação do homem pelo homem não acompanha uma extorsão direta do excedente econômico; por outro lado, criou-se um outro espaço onde a dominação é mobilizada para permitir essa extorsão e onde a acumulação do excedente é endogenizada. Esta separação necessita uma (ou mais) mediação(ões) isolando a prática política de dominação da prática econômica de exploração. A existência de tais mediações não implica, contudo, por nada em contrapartida, insistamos sobre isso, que a dominação política seja puramente abstrata, imaterial, discursiva ou ideológica, se quisermos, concentrando-se toda a materialidade econômica na esfera dita econômica. Ela implica somente que a ordem política separada seja o espaço de uma economia mediada, agora já dependente economicamente da ordem econômica propriamente dita - lugar da economia imediata - através destas mediações que evitam à dominação política ser confundida com a exploração econômica (THERET, 2001, p. 17). Theret (2001) entende que não há ordem econômica sem política interna, tampouco ordem política sem economia interna, sendo que a separação em ordens distintas do social não significa que toda a política está de um lado e toda a economia do outro. Fazendo a crítica aos conceitos de economia de Karl Polanyi e Maurice Godelier, Theret (2001) considera que a economia é a dimensão material das práticas sociais, que ela é o nível destas práticas, constituído pela relação direta entre homens e coisas, relações aos objetos inanimados constitutivos dos recursos materiais dos homens em suas diversas práticas (Idem, p. 14). Portanto, ele defende que a economia só existe como nível, institucionalmente separado, de uma ordem de práticas sociais estruturada por uma invariante, uma vez que toda ordem de práticas sociais tem igualmente um nível político. Ou seja, existe no econômico uma dimensão política; assim como há no político uma dimensão econômica. 4

5 De acordo com o autor, da mesma maneira que o capital é essencialmente uma relação econômica permitindo a acumulação de um excedente e uma relação política subsidiando a dominação daqueles que controlam a acumulação, o Estado é relação econômica de apropriação deste mesmo excedente e relação política de dominação sobre os indivíduos (THERET, 2001, p. 15). Neste sentido, Theret (2001) defende que o direito e a moeda são mediações funcionais entre a economia e a política, articulando assim a unidade do social. Já a conversão no seio de cada ordem da economia em política, e vice-versa, é realizada pelas práticas simbólicas. Para ele, não é possível considerar que as relações homenscoisas equivalham a relações homens-homens sem pensar as operações e atividades simbólicas específicas que assegurem tal conversão. Assim, para que uma relação econômica se torne relação política, de modo que tenham o mesmo valor, é necessária a idealização, a representação, na qual a coisa vale o homem, a coisa significa o homem, este encarnando a coisa. Para que uma relação social exista e se reproduza, quer como relação econômica, quer como relação política, é preciso que ela passe por uma forma mediada simbólica, que funciona como duplo representante, representante político das práticas econômicas e representante econômico das práticas políticas. Em poucas palavras, o nível simbólico é aquele de um espaço intermediário (fronteira) entre a economia e a política, que assegura (e controla) a passagem, a correspondência ou então a homogeneização, conforme a teleonomia da ordem na qual ele funciona, das práticas econômicas e políticas. Dito de outra forma, para passar do real das relações econômicas ao imaginário das relações políticas, precisa uma transformaçãomediação simbólica, uma troca de tipo totalmente particular que, por uma produção própria ou pela reinterpretação de símbolos emprestados, permite a colocação em forma-valor comum, o reconhecimento recíproco das coisas e dos homens, dos seres e dos haveres (Idem, p. 25). As práticas simbólicas asseguram assim a comunicação entre as práticas econômicas e as práticas políticas. Ou seja, constituem um meio de comunicação, uma mídia, que homogeneíza o conjunto dos valores no seio da ordem que se encontra. O autor destaca que é importante perceber que o valor próprio da mídia está na capacidade de ser simultaneamente meio de reificação (ou de objetivação) e meio de personificação (ou de subjetivação) das relações sociais que prevalecem na ordem em que ele funciona como mídia. Theret (2001) explica que no nível econômico esse processo de capitalização simbólica se traduz com a transformação da moeda em capital fictício, garantido a equivalência entre as relações econômicas e as relações de propriedade e estruturando a 5

6 esfera política da ordem econômica. A moeda como símbolo do valor econômico assegura, portanto, o funcionamento da interface entre o sistema econômico produtivo e as formações políticas do econômico (grupos, corporações, federações patronais, sindicatos operários e ordens diversas) (Idem, p. 31). Portanto, a estruturação do que Theret denomina formações políticas do econômico 3 depende fortemente do capital, pois é ele que realiza a conversão dos rendimentos monetários em direitos políticos de propriedade sobre os meios de produção. Já a forma jurídica, no sistema político, corresponde à monetarização das relações sociais no econômico. É pela forma simbólica do Estado, que é Estado jurídico-financeiro, que passam as interdependências funcionais entre o subsistema político e o subsistema econômico do Estado (Idem, p. 32). Na abordagem do autor só pode existir de fato uma relação entre a esfera política e a econômica senão por meio da mediação de atividades e instituições simbólicas, que fazem com que um objeto possa ser o significante do homem 4 ou que o homem possa encarnar um objeto. Para além desse aspecto, Therét (1998) explica que a relação entre o político e econômico também é mediada de outro modo devido ao fracionamento do social em ordens autônomas de práticas, o que requer que o jogo das mediações simbólicas garanta a unidade do social em seus diferentes níveis. Assim, a moeda para a economia, o direito para a política e a ideologia (ou intelectualidade) para a simbólica, formam sistemas de representações que, pela sua abstração, difusão e internalização, subsidiam a construção de referenciais comuns para o conjunto dos atores sociais bem como a conversão de valores heterogêneos produzidos e reproduzidos nas diversas ordens. A esta concepção ele denomina de topológica do social, que se caracteriza por apresentar uma ordem de distinção entre ordens e registros de práticas econômicas, políticas e simbólicas, dispondo cada uma de sua própria economia e esfera política 5. Uma mudança, portanto, no âmbito de uma das duas esferas centrais do modo de regulação (a economia e o Estado) representa a necessidade de alterações no âmbito das convenções coletivas e do simbólico, uma vez que as práticas sociopolíticas são, em sua essência, perpassadas e constituídas pela ideologia e por valores. Assim como alterações no nível do simbólico pode demandar mudanças no nível da economia e da política. No 3 Vale destacar que o autor entende os conceitos de sociedade civil e sociedade política no sentido marxiano clássico. 4 Como a força de trabalho que representa o homem trabalhador no âmbito econômico. 5 Therét (1998) propõe a partir das dependências e interdependências desses sistemas uma definição satisfatória de autonomia relativa. 6

7 âmbito desse trabalho, essa digressão à abordagem da regulação será o pano de fundo para um entendimento das alterações que se passaram no nível da produção simbólica na passagem do modelo fordista-keynesiano para o toyotista-neoliberal. Neste trabalho, produção simbólica é entendida, de modo geral, como valores abstratos continuamente (re)construídos nas relações sociais, que constituem a subjetividade e são manifestados nas práticas político-sociais. É importante notar que as relações sociais englobam não apenas as relações entre indivíduos, mas as relações entre indivíduos e as instituições sociais (denominadas de pessoas jurídicas ). Antes de passarmos a uma caracterização das mudanças que ocorreram no âmbito da produção simbólica, vamos buscar nas contribuições do cientista político italiano Antônio Gramsci novos elementos que podem enriquecer a análise a que se propõe este trabalho. 2. O lugar do simbólico na abordagem de Antônio Gramsci A teoria ampliada do Estado em Gramsci apóia-se na descoberta dos aparelhos privados de hegemonia, o que o leva a distinguir duas esferas essenciais no interior das superestruturas, a sociedade política e a sociedade civil. O Estado em Gramsci seria o resultado da soma e equilíbrio entre sociedade política e sociedade civil. Portanto, o Estado em sentido amplo com novas determinações, comporta duas esferas principais: a sociedade política (que Gramsci também chama de Estado em sentido estrito ou de Estado-coerção ), que é formada pelo conjunto de mecanismos através dos quais a classe dominante detém o monopólio legal da repressão e da violência, e que se identifica com os aparelhos de coerção sob controle das burocracias executiva e policialmilitar; e a sociedade civil, formada precisamente pelo conjunto das organizações responsáveis pela elaboração e/ou difusão das ideologias, compreendendo o sistema escolar, as Igrejas, os partidos políticos, os sindicatos, as organizações profissionais, a organização material da cultura (revistas, jornais, editoras, meios de comunicação de massa) etc. (COUTINHO, 1989, p. 76). Neste sentido, pode-se perceber que há uma diferença importante entre o conceito de sociedade civil em Gramsci e na teoria marxista clássica: enquanto esta identifica a sociedade civil como base material, com infra-estrutura econômica, o cientista italiano entende que ela não pertence ao momento da estrutura, mas ao da superestrutura (COUTINHO, 1989, p. 73). Em sua análise, Therét parte da concepção marxista clássica, separando a sociedade civil, inserida no nível do econômico, do 7

8 Estado (aparelhos burocráticos e institucionais), sendo o simbólico a mídia entre os dois níveis. Em Gramsci, a construção do simbólico se concentra no âmbito da sociedade civil que está, por sua vez, dentro do Estado (ampliado). Para o teórico é no âmbito da sociedade civil que as classes buscam exercer sua hegemonia, isto é, difundir suas concepções e ganhar aliados mediante a direção política e o consenso; já por meio da sociedade política é estabelecida uma ditadura, ou seja, uma dominação mediante a coerção. Coutinho (1989) explica ainda que, de acordo com Gramsci, um grupo social pode e mesmo deve ser dirigente hegemônico já antes de conquistar o Estado. É no âmbito da sociedade civil que se dá a conquista do consenso e da hegemonia, sendo ela o espaço de embate para a luta de classes. A esse processo, essencialmente ocidental, Gramsci denomina guerra de posição, a longa batalha pelo consenso por meio das instituições da sociedade civil, ou seja, dentro do próprio Estado 6. O vínculo orgânico entre estrutura e superestrutura, essencial para a existência do bloco histórico, é realizado por grupos sociais que agem no momento superestrutural (re)criando e reproduzindo a ideologia dominante por todo o corpo social. São os intelectuais, ou como denomina Gramsci, os funcionários da superestrutura. Os intelectuais estão no seio dos aparelhos privados de hegemonia e se utilizam do seu material de difusão para propagar a concepção de mundo da classe dominante e legitimar o governo jurídico. Em seu Caderno 13, Gramsci (2007) destaca que os órgãos da opinião pública cumprem também o papel de legitimar o direito e o uso da força no âmbito da sociedade política, fazendo que pareça apoiado no consenso. Ou seja, os meios de comunicação desempenham na sociedade civil função essencial para a consolidação de um dado modo de regulação. Carlos Nelson Coutinho (1989) explica que, para Gramsci, a esfera ideológica, nas sociedades capitalistas avançadas, adquiriu uma autonomia material em relação ao Estado stricto sensu, sobretudo devido à necessidade de conquistar o consenso ativo e organizado pressuposto para a dominação, uma necessidade gerada pela ampliação da socialização da política, que gerou e renovou certas objetivações ou 6 Deve-se destacar que a uma diferença central na intencionalidade das abordagens de Gramsci e Therét. Enquanto o primeiro busca entender o processo de conquista do Estado restrito através do embate de idéias materialmente determinadas; o segundo, pretende analisar as estruturas necessárias para a reprodução de um modo de regulação. Mas, para além das diferenças, há um ponto em comum que permite, em certa medida, a convergência das abordagens que é a filiação as concepções marxianas. 8

9 instituições sociais, que assumiram a função de portadores materiais específicos (com estrutura e legalidade próprias, observa ele) das relações sociais de hegemonia. Para Ramos (2005), o que Gramsci não previu foi o rápido e progressivo crescimento da imprensa, que se tornou um meio de comunicação de massa comercial, processo que culminou com a chegada do rádio e da televisão, que são ainda mais dominados pelo comercial e vinculados ao consumo capitalista e por conteúdos de lazer escapista tão mais atraentes quanto fossem seus conteúdos ideologicamente alienantes (RAMOS, 2005, p. 63). Segundo o autor, os meios de comunicação se tornaram intelectual coletivo e orgânico da classe hegemônica, que estão presentes em níveis nacional, regional e mundial. Ramos (2005) entende que ao se atualizar para os dias atuais a concepção gramsciana de aparelhos privados de hegemonia, que compõem a sociedade civil, poderá se encontrar nela uma hierarquia estabelecida, de acordo com a capacidade de projeção de poder. Para ele, primeiro se encontra a Empresa, entendida como conjunto ideológico dos preceitos que conformam o que também chamamos de mercado (Ibidem, p. 64); depois, a mídia; seguida pelo Grupo, conjunto de associações pessoais que mais influenciam nosso comportamento (Ibidem, p. 64); a Família, as Igrejas; a Escola; as associações de trabalhadores ou empresários; e, por fim, o chamado Terceiro Setor. Ou seja, Empresa e Mídia são os principais aparelhos privados de hegemonia; este a Mídia, uma forma singular daquela, a Empresa. Mas uma forma muito mais poderosa justamente pela sua singularidade: a de produtora e disseminadora de conteúdos jornalísticos, informativos em geral, e de entretenimento, embebidos em sua virtual totalidade da lógica de consumo total, que é a principal força ideologicamente reprodutora do capitalismo (Ibidem, p. 64). Enquanto um dos principais intelectuais orgânicos do sistema capitalista, a mídia (e as demais indústrias, de modo geral) necessita se adaptar e difundir as mudanças que acontecem no âmbito no modo de regulação necessárias para que o sistema capitalista continue funcionando. Ela é responsável por atuar no nível da produção simbólica com o intuito de construir a hegemonia e estabelecer o consenso, seja por meio da propagação de idéias ou da publicização de estilos de vida e formas de consumo. 9

10 3. O lugar do simbólico no modo de regulação e as mudanças na transição do modelo fordista-keynesiano para o toyotista-neoliberal A concepção fordista, elaborada pelo empresário estunidense Henry Ford por volta do ano de 1914, estava pautada na produção em de grandes quantidades em menos tempo e menor custo a partir de bens padronizados. As idéias fordistas estavam acentadas nos seguintes princípios: produção massiva; divisão máxima das tarefas, que acarretava na especialização e mecanização do operário; implantação da esteira rolante que ligava os diferentes trabalhos executados pelos empregados enfileirados de frente para a esteira (linha de montagem); padronização das peças de montagem; e automatização da indústria. Esse modelo de produção alterou fortemente a produção industrial em âmbito internacional e, consequentemente, as formas de consumo. O modelo chegou ao ápice após a Grande Depressão de 1929, com a adoção das políticas econômicas keynesianas e com a implantação do Estado de bem estar social (idealizado por Gunnar Myrdal) que ampliou significativamente a capacidade de consumo do proletariado. John Maynard Keynes, a partir de uma releitura do pensamento econômico neoclássico, defendeu a intervenção do Estado para controlar os ciclos econômicos por meio de medidas que prevenissem e minimizassem os efeitos das crises cíclicas do capitalismo. Já Myrdal entedia que cabia ao Estado implementar políticas sociais que garantissem o bem estar e a segurança da população, e possibilitassem o aumento da capacidade de consumo dos operários (que, não raro, não conseguiam consumir grande parte dos bens que produziam), o que, consequentemente, subsidiariam o aumento da produção e do lucro das empresas, fortalecendo a economia. Essas medidas foram adotadas nos EUA com a chegada de Franklin Delano Roosevelt ao poder em 1933 e atingiu seu ápice, em nível internacional, no pós Segunda Guerra, estendendo-se até Com o intuito de sair da crise, grande parte dos países capitalistas adotou também o receituário, principalmente na Europa onde aquelas idéias encontraram o respaldo da social-democracia. Segundo Harvey (2007), só após 1945 é que o fordismo atingiu a maturidade enquanto regime de acumulação, após enfrentar os problemas que surgiram no seu processo de implantação. De maneira geral, os padrões de vida se elevaram, as tendências de crise foram contidas, a democracia de massa preservada e a ameaça de guerras intercapitalistas afastada. Os meios de comunicação eletrônicos, sobretudo após o advento do rádio na década de 1920 e da televisão na década de 1950, veículos essencialmente de largo alcance, adotaram esse modelo de produção para os seus bens simbólicos e culturais. A 10

11 capacidade de alcance do rádio e da televisão, aliada à fácil e rápida fruição das mensagens emitidas, tornou-os ferramentas centrais do sistema capitalista, seja na propaganda de ideologias ou na publicização dos produtos e dos modos de consumo. Isto é, rádio e TV passaram a desempenhar um papel fundamental para a conquista do consenso e da hegemonia, como mostra Ramos (2000), e para a manutenção de um dado modo de regulação e regime de acumulação. Não foi por acaso que as primeiras pesquisas sobre os chamados meios de comunicação de massa (Teoria Hipodérmica, por exemplo), surgidas nos anos 1920 e 1930, estavam preocupadas com a capacidade de ação da mensagem sobre o receptor e com a ampliação do consumo desses bens simbólicos 7 pela massa, entendida como um agregado homogêneo de indivíduos que enquanto seus membros são substancialmente iguais, não distinguíveis, mesmo se provêm de ambientes diversos, heterogêneos e de todos os grupos sociais (WOLF, 2003, p. 7). Os bens eram padronizados e estandardizados uma vez que eram produzidos para um homem comum idealizado, que tinha (supostamente) os mesmos desejos e baixa capacidade intelectual. Não se trata de afirmar que esse modelo de produção negligenciava a demanda da sociedade. As demandas eram, em certa medida, atendidas desde que elas fossem capazes de ter uma grande aceitação a ponto de ser reproduzida em massa e de ser facilmente consumida. Segmentação e originalidade significavam maiores dispêndios financeiros, acarretando em maiores preços e menor consumo 8. Apenas um pequeno grupo social da elite consumia tais produtos 9. De acordo Wolf (2003), o conceito de massa que surge no pensamento político conservador do século XIX era conseqüência da crescente industrialização, da revolução dos transportes, no comércio e da difusão dos valores abstratos de igualdade e liberdade. Esses aspectos que contribuíram para o individualismo, enfraquecendo os vínculos tradicionais (familiares, comunitários, religiosos etc) e preparando para o isolamento e alienação das massas. No âmbito do modo de regulação, esse tipo de produção tinha, no mínimo, dois aspectos importantes: engendrava formas de consumo e estilos de vida de acordo com modelo econômico adotado por meio da difusão dos valores e princípios capitalistas e, ao fomentar a individualização, restringia e dificultava a capacidade de organização dos trabalhadores. 7 Pode-se também descrever o modelo hipodérmico como uma teoria da propaganda e sobre ela: com efeito, este é o tema central relativo ao universo da mídia (WOLF, 2003, p. 5). 8 A massa subverte tudo que é diferente, singular, individual, qualificado e selecionado (ORTEGA Y GASSET, 1930, p. 8 apud WOLF, M. 2003, p. 3). 9 Para uma crítica a este modelo de produção, ver os estudos da Escola de Frankfurt. 11

12 Nos seus Cadernos do Cárcere, Gramsci observou que o americanismo e o fordismo representavam o maior esforço coletivo até para criar, com velocidade sem precedentes, e com uma consciência de propósito sem igual na história, um novo tipo de trabalhador e um novo tipo de homem (GRAMSCI apud HARVEY, 2007, p. 121). Os novos métodos de trabalho são inseparáveis de um modo específico de viver e de pensar e sentir a vida. Questões de sexualidade, de família, de formas de coerção moral, de consumismo e de ação do Estado estavam vinculadas, ao ver de Gramsci, ao esforço de forjar um tipo particular de trabalhador adequado ao novo tipo de trabalho e de processo produtivo (HARVEY, 2007, p. 121). A crise do capitalismo que se inicia na primeira metade da década de 1970 representou a decadência de um regime de acumulação assentado no modelo de produção fordista e nas políticas econômicas keynesianas. Uma série de fatores 10 levou os EUA a viver uma das mais profundas crises econômicas da sua história, que culminou com a falência técnica da cidade de Nova Iorque em Em geral, segundo Harvey (2007), a crise pode ser caracterizada em uma palavra: rigidez. Com a crise, empreendeu-se então um período, durante as décadas de 1970 e 1980, de reestruturação econômica e política, que deu início a regime de acumulação que Harvey denomina de acumulação flexível. Ela se apóia na flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões de consumo (Idem, p. 140). Para conseguir essas características, buscou-se nos padrões japoneses de produção, principalmente no toyotismo, técnicas e formas organizacionais mais adequadas. Antunes (2002) explica que o toyotismo 11 foi uma via japonesa de consolidação do capital industrial, que nasceu na fábrica do Toyota no pós 1945 e que se propagou rapidamente pelas grandes companhias daquele país. O autor salienta os principais traços do modelo de produção toyotista, a saber: 1) produção fortemente vinculada à demanda, com o intuito de atender as exigências mais individualizadas do mercado consumidor tem uma produção variada e heterogênea, ao contrário do modelo fordista; 2) ênfase no trabalho em equipe, com multivariedade de funções, distanciando-se do caráter parcelar do fordismo; 3) processo produtivo flexível, que exige do operário a 10 Harvey destaca alguns deles, a saber: queda da produtividade e da lucrativa corporativas após 1966, o que representou o início de um problema fiscal que só seria solucionado ao custo de uma aceleração da inflação que solapou o papel do dólar como moeda de reserva internacional. Além disso, nos países ditos de Terceiro Mundo foram implementas políticas de substituição de importações; os países da Europa Ocidental e o Japão passaram a desafiar a hegemonia estadunidense no âmbito do fordismo. As tentativas de frear a inflação dispararam uma crise mundial nos mercados imobiliários e nas instituições financeiras. Some-se a isso uma crise no âmbito da distribuição do petróleo. 11 Também conhecido por ohnismo por ter sido concebido Ohno, engenheiro que criou a fábrica da Toyota. 12

13 capacidade de operar simultaneamente várias máquinas; 4) adoção do sistema de kanban, que são etiquetas que permitem o controle do estoque e a reposição de peças, uma vez que nesse modelo os estoques são mínimos; 5) estrutura horizontalizada, transferindo para terceiros grande parte do que era anteriormente produzido no interior da própria fábrica (terceirização e subcontratação); 6) adoção do princípio do just in time para melhor aproveitar o tempo da produção; 7) organização de Ciclos de Controle de Qualidade (CCQs), nos quais os trabalhadores são instigados pelo capital a discutir seu trabalho e desempenho; 8) implementação do emprego vitalício para um pequena parcela dos seus trabalhadores e ganhos salariais vinculados a produtividade. A idéia é que com mais estabilidade o trabalhador se empenhase mais no desenvolvimento das atividades complexas que o modelo exige 12. Essas técnicas se mostraram de grande interesse para a reestruturação econômica dos países ocidentais. É importante salientar que o modelo foi adaptado, em maior ou menor nível, às características e peculiaridades de cada país, seja às condições políticas, culturais, sociais, econômicas e ideológicas seja pela inserção destes países no mercado internacional de trabalho e pela dimensão das lutas trabalhistas (Idem, p. 12). Além disso, a adoção do toyotismo não necessariamente eliminou todas as técnicas fordistas, podendo, em alguns casos, conviver ou se mesclar com algumas delas. As possibilidades são planejadas com o intuito de ampliar e agilizar a realização do capital de acordo com as idiossincrasias dos bens produzidos e do mercado consumidor. No âmbito econômico, a saída da crise se deu por meio da implantação de políticas neoliberais, o que representou uma expressiva mudança no papel do Estado. Este progressivamente se afastou da atividade econômica direta e alterou qualitativamente a regulamentação, redirecionando-a para fortalecimento dos mercados. O Estado passou de uma linha intervencionista, de produtor de bens e serviços e controlador dos ciclos econômicos, para uma posição de repassador ao mercado de grande parte das suas atividades, afastando-se também em grande medida da sua função fiscalizadora. O modelo fordista de produção e consumo em massa foi substituído por uma crescente capacidade de manufatura de uma variedade de bens cada vez mais segmentados (HARVEY, 2007, p. 148), a gestão planejada da economia pelos monopólios públicos e privados foi flexibilizada, o Estado fortemente intervencionista na economia deu lugar a um processo generalizado de desregulamentação, o que 12 Em Antunes (2002) é possível aprofundar a discussão sobre as consequências desse modelo no âmbito do trabalho. 13

14 significou muitas vezes um aumento da monopolização em setores como empresas de aviação, energia e serviços financeiros (Idem, p. 150). Essa nova ordem econômica levou enfim ao retrocesso das políticas públicas de distribuição de renda, ao priorizar políticas neoliberais. É neste período que se avança o processo conhecido genericamente como globalização ou, nos termos de Chesnais (1996), mundialização do capital. A retração do poder dos Estados nacionais disparou uma forte onda de aquisições e fusões de empresas em âmbito internacional, deixando diversos setores sob a tutela dos grandes oligopólios multinacionais e do capital financeiro. Tanto para a implantação do modelo de produção toyotista, quanto para a adoção a expansão do neoliberalismo e das empresas em escala global, foi imprescindível o desenvolvimento de tecnologias da informação e da comunicação (TICs), o que foi potencializado com a evolução da microeletrônica e da robótica. Esse processo proporcionou o surgimento de artefatos como os Personal Computers (PCs), a World Wide Web e os aparelhos móveis de telefone, que facilitaram a conexão e administração instantânea dos mercados. Harvey (2007) destaca que o acesso a informações precisas e atualizadas tornou-se fundamental. O controle da informação e a capacidade de análise instantânea dos dados são essenciais à coordenação centralizada de interesses corporativos descentralizados. Além disso, essas tecnologias permitiram um maior controle e acompanhamento dos padrões de vida, colhendo informações para a produção de bens segmentados e personalizados de acordo com os interesses de cada grupo 13. A capacidade de resposta instantânea a variações das taxas de câmbio, mudanças das modas e dos gostos e iniciativas dos competidores tem hoje um caráter mais crucial para a sobrevivência corporativa do que teve sobre o fordismo (Idem, p. 151). Como salientamos, mudanças no âmbito do econômico e do político ensejam alterações no nível da produção simbólica com o intuito de estabelecer um novo consenso e adaptar os estilos de vida as necessidades da reprodução do capital. Assim, o padrão neoliberal-toyotista ou de acumulação flexível alterou também o modelo de produção da Indústria Cultural; por um lado, para se adequar aos ditames do capitalismo monopolista, por outro, para conquistar a adesão social ao novo modelo de acumulação. Neste sentido, Harvey (2007) afirma que a estética relativamente estável do modernismo fordista cedeu lugar a todo o fermento, instabilidade e qualidades fugidias de uma estética pós-moderna que celebra a diferença, a efemeridade, o espetáculo, a 13 As chamadas redes sociais, como o Orkut, o Twitter e o Facebook, por exemplo, são ferramentas contemporâneas que atuam nesse sentido. 14

15 moda e a mercadificação de formas culturais (Idem, p. 148). A segmentação e a personalização dos produtos simbólicos transformaram-se em um negócio bastante lucrativo, sobretudo porque veem nessa qualidade a desculpa para cobrar preços mais altos. Isso significa que, por enquanto, apenas uma parcela minoritária da população tem acesso a tais produtos. As camadas mais pobres tem acesso a esses bens por meio do pirateamento ou quando modelos mais atualizados tecnologicamente vão surgindo no mercado e o custo dos antigos vai sendo progressivamente reduzido. A valorização excessiva do individualismo é, de acordo com Harvey, uma condição necessária para a transição do fordismo para a acumulação flexível, uma vez que dificulta a ação coletiva e facilita, por conseqüência, o controle do trabalho, além de incentivar a competitividade entre os colegas de trabalho. A acentuação do fugidio, do fugaz, do efêmero e de tudo que é líquido abalou também os valores morais mais sólidos e tradicionais implantados no período fordista, fazendo surgir e potencializado o aparecimento de novos grupos sociais e identidades. É preciso reconhecer que essa liberalização no nível dos valores possibilitou e fortaleceu a luta de diversos grupos por direitos e reconhecimento social, como por exemplo, a luta pelo direito à homoafetividade. Não que a homossexualidade tenha surgido após a década de 1970, mas o reconhecimento deste grupo enquanto consumidor potencial de produtos personalizados possibilitou o aparecimento dos estilos de vida e comportamentos conferidos a essa parcela da população no âmbito da Indústria Cultural, inclusive dos meios de comunicação de largo alcance. Assim, a problemática é que, se no âmbito da política a conquista de direitos caminha a passos lentos, no mercado, a subsunção e a mercadorização desses tipos sociais avança rapidamente 14. As lutas políticas de certos grupos acabam sendo engendradas no processo de realização do capital 15. Além disso, há não só a apropriação de perfis sociais existentes, como a criação de vários outros vinculados a gostos estéticos com o intuito de fragmentar e individualizar o máximo possível Vide o crescimento do chamado turismo gay no Brasil nos últimos anos. 15 Recentemente, uma empresa sergipana de venda confecções anunciou que só contrataria para o seu quadro funcional homens homossexuais. O que poderia ser considerado uma política de inclusão social, esbarrava nos motivos apresentados para a adoção da medida: os gays homens não tinham filhos, o que significava que não precisariam de licença maternidade; não possuíam ciclo menstrual, não tendo fortes alterações de humos e, além de tudo, dispunham supostamente da sensibilidade feminina necessária para trabalhar com venda e moda. 16 Entre os gays é recorrente uma diferenciação de acordo com um estilo de vida e padrão de beleza. Existem as barbies, os ursos, os chasers, os chubs, entre outros, todos esses perfis estão vinculados práticas de consumo. 15

16 Nos meios de comunicação massivos (analógicos), pela incapacidade estrutural de segmentação, os novos estilos de vida aparecem materializados em representações das características gerais de cada grupo. Ou seja, há uma padronização dos perfis sociais desse grupo. Já a TV por assinatura, por exemplo, tem uma maior capacidade de segmentação por meio da venda de pacotes, canais, programas e filmes (vídeo on demand). O processo de convergência e digitalização da mídia, possível graças à Internet, tem possibilitado que essa lógica de produção se insira também no rádio e na televisão, como aponta Graham Murdock (2000) no seu texto The Political Economy of Convergence. A atomização da experiência televisiva foi tomada por uma nova fase da institucionalização de regimes de visualização personalizados, às vezes chamado 'Me TV (MURDOCK, 2000, p. 10). Alguns estudos no campo da psicologia social tem destacado os impactos deste tipo de consumo nos comportamentos sociais. A telinha, mas também os demais veículos de comunicação e informação e outras instituições organizadoras do espaço social e das identidades sociais, cada vez mais suscitam, nos sujeitos, investimentos e reconhecimentos narcísicos de vários tipos. Apreendem o indivíduo em diversas situações de vida, inclusive em sua esfera estritamente privada; sugerem-lhe papéis, sentimentos e atitudes; tentam convencê-lo - através de suaves mensagens de entretenimento ou de informações alarmistas - quanto aos comportamentos sociais mais indicados ou não, para o alcance do reconhecimento social e quanto às identidades a serem incorporadas ou excluídas, para uma exitosa existência social. Constroem novos ideais do ego, mesclados de um individualismo narcísico e onipotente, geram impressões de espontaneidade e liberação individual, simulam a liberdade interior (MANCEBO, 2000, p. 59). E ainda Pode-se afirmar que o encontro das subjetividades com a variedade de estimulações trazidas pelos meios de comunicação de massa tem por efeito povoá-las com uma miscelânea de forças de toda espécie, vindas de toda parte. Multiplicam-se os estados passíveis de se engendrar as subjetividades, pulverizam-se as performances, abalando a crença na estabilidade identitária (MANCEBO, 2002, p. 5). No bojo desse processo de fragmentação e segmentação constante das identidades está a lógica do regime de acumulação capitalista vigente, reificando e coisificando as subjetividades, transformando o homem na coisa consumida. É nesse sentido que parece apontar Vincente Mosco (1996) quando propõe a estruturação como ponto de entrada para examinar a mútua constituição da estrutura e da ação (agency) pela economia política, uma vez que expande o conceito de poder e, além disso, fornece uma alavanca para compreender as formas que as relações sociais tomam na economia política. De acordo com o autor, a teoria da estruturação é uma abordagem 16

17 que visa tratar a ação humana reflexiva e orientada para uma meta, sem abdicar de compreender as costuras de poder que constituem mutuamente a ação social. A ênfase deste tipo de análise é na ação (agency), ou seja, no social e no micro. Ação (agency) é fundamentalmente uma concepção social que se refere a indivíduos como atores sociais cujo comportamento é constituído a partir da sua matriz de relações e posições sociais, aí incluindo classe, gênero e raça. Todavia, embora a estruturação trate agentes como atores sociais, ao invés de atores individuais, o pesquisador reconhece a importância do processo social de individuação (individuation). A individuação é tendência do capitalismo de transformar categorias e identidades coletivas em individuais, diminuindo, assim, o poder social de classe, gênero, raça e outras formas de energia coletiva. Na sua análise Mosco aproxima e suscita novos elementos do processo de estruturação a partir do conceito gramsciano de hegemonia. O processo de estruturação constrói hegemonia, definida como o dado por certo, o senso comum, a forma naturalizada de pensar sobre o mundo, que é tanto incorporada quanto contestada no dia a dia. Hegemonia é uma rede viva de significados e valores mutuamente constituídos, que, a medida que são vivenciados como práticas, aparecem como se confirmando mutuamente (MOSCO, 1996, p. 216). 4. Conclusões Conforme mostramos, as alterações que estão ocorrendo no âmbito do modelo da produção simbólica, para além de acompanhar as tendências gerais dos padrões do capital monopolista, tem o papel central de engendrar novas formas de consumo e estilos de vida. Contudo, se as TICs, sobretudo a internet, tem permitido o recolhimento e o controle de informações que subsidiam a segmentação da produção, por outro lado, ela tem a capacidade de ampliar a socialização da política e difundir idéias e organizar movimentos contra-hegemônicos. A mesma capacidade que a produção simbólica tem para a manutenção de um dado regime de acumulação, ela possui para exigir alterações. A ampliação da diversidade subjetiva e a criação de perfis identitários efêmeros tem fermentado o consumo de bens culturais. É importante estar atento para que a subsunção da subjetividade desses grupos sociais no âmbito do mercado não esvazie as lutas políticas por reconhecimento e estima social. Algumas abordagens marxistas tem destacado que essa fragmentação das lutas sociais retira ainda mais o poder dos trabalhadores na luta de classes, uma vez que leva a um processo de guetização destes grupos sociais vinculados por gostos ou identidades. Com a 17

18 destruição do Estado capitalista e a passagem a um comunismo amplamente democrático, seria possível a manifestação da subjetividade de forma ampla. É importante que os cientistas sociais e os economistas, por meio de um viés interdisciplinar, se aproximem no sentido de aprofundar a compreensão sobre o lugar do simbólico e da subjetividade para a manutenção, alteração ou destruição de determinadas estruturas sociais. Estudos sobre o perfil de mulheres que assumiram cargos executivos no setor privado ou governamental ou sobre o surgimento de novas identidades para jovens vinculadas ao consumo musical (como os Emos, por exemplo) podem revelar aspectos para o avanço deste tipo de pesquisa. 4. Rerefências ANTUNES, Ricardo. O toyotismo, as novas formas de acumulação do capital e as formas contemporâneas do estranhamento (alienação). Caderno CRH, n. 37, Salvador, jul-dez, Disponível em: < Acesso em 20 jan BOYER, Robert. A teoria da regulação: uma análise crítica. São Paulo: Nobel, BRAZ, Rodrigo. Estado e Comunicação: uma análise dos modos de regulação da radiodifusão no Brasil e na Venezuela f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Universidade de Brasília, Brasília. CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, CONCEIÇÃO. Octávio. Michael Aglietta: da teoria da regulação à violência da moeda. Cadernos IHU Idéias, número 78, Disponível em: Acesso: 15 mai COUTINHO, Carlos Nelson. Gramsci: um estudo sobre seu pensamento político. 1 a ed. Rio de Janeiro: Campus, GRAMSCI, Antônio. Os intelectuais e a organização da cultura. 8 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileiro, Cadernos do Cárcere 3. Maquiavel. Notas sobre o estado e a política. 3 a ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira,

19 MANCEBO, Deise. Globalização e efeitos da subjetivação. Revista Logos, n. 12, UERJ, Rio de Janeiro, Globalização, Cultura e Subjetividade: discussão a partir dos meios de comunicação de massa. Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa, n. 3, vol. 18, UERJ, Rio de Janeiro, MOSCO, Vincent. The Political Economy of Communication: rethinking and renewal. 1 ed; Londres: Sage Publications, MURDOCK, Graham. The Political Economy of Convergence: the case of television. Mimeo, RAMOS, Murilo. Sobre a importância de repensar e renovar a idéia de sociedade civil. In: RAMOS, Murilo; SANTOS, Suzy (orgs.). Políticas de Comunicação: buscas teóricas e práticas. 1 a ed. São Paulo: Paulus, cap. 1, p THERET, Bruno.Política econômica e regulação: uma abordagem topológica e autopoiética. In.: THÉRET, Bruno; BRAGA, José Carlos. Regulação econômica e globalização. Campinas: Unicamp, Como pensar a interação entre o econômico e o político? Para uma abordagem topológica do social e das mediações monetárias e jurídicas. Aracaju: Eptic, Disponível em: Acesso: 10 mai WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. São Paulo: Martins Fontes,

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1

CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 CORPO FEMININO E DETERMINAÇÕES DA INDÚSTRIA CULTURAL: CONTRIBUIÇÕES DA PSICOLOGIA SOCIAL Bruna Trevizoli Ferraz Lobo 1 (Orientador) Profa. Dra. Tatiana Machiavelli Carmo Souza 2 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos)

Katia Luciana Sales Ribeiro Keila de Souza Almeida José Nailton Silveira de Pinho. Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton Silveira de Pinho Resenha: Marx (Um Toque de Clássicos) Universidade Estadual de Montes Claros / UNIMONTES abril / 2003 Katia Luciana Sales Ribeiro José Nailton

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

6 Considerações Finais

6 Considerações Finais 6 Considerações Finais Este capítulo apresenta as conclusões deste estudo, as recomendações gerenciais e as recomendações para futuras pesquisas, buscadas a partir da análise dos casos das empresas A e

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca

Projetos de informatização educacional. Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca Projetos de informatização educacional Ketiuce Ferreira Silva 3º Período G1 Professora: Gilca O uso do computador como instrumento de educação ainda não é uma realidade para muitos no Brasil, mas aqui

Leia mais

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE SOCIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat

Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local. Cleonice Alexandre Le Bourlegat Os territórios e suas abordagens de desenvolvimento regional / local Cleonice Alexandre Le Bourlegat Complexidade sistêmica e globalização dos lugares A globalidade (conectividade em rede) do planeta e

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

What Are the Questions?

What Are the Questions? PET-Economia UnB 06 de abril de 2015 Joan Robinson Mrs. Robinson Formou-se em Economia na Universidade de Cambridge em 1925 Em 1965, obteve a cadeira de professora titular em Cambridge Economista pós-keynesiana

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO

A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas. José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A Arquivologia como campo de pesquisa: desafios e perspectivas José Maria Jardim Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO A indissociabilidade entre ensino/produção/difusão do conhecimento

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO NA FORMAÇÃO DE Universidade Estadual De Maringá gasparin01@brturbo.com.br INTRODUÇÃO Ao pensarmos em nosso trabalho profissional, muitas vezes,

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e

DECRETO Nº, DE DE DE. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e DECRETO Nº, DE DE DE. Aprova a Política Nacional da Indústria de Defesa (PNID). A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VI, alínea a, da Constituição, e Considerando

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO

DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO O PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO ROSINALDO PANTOJA DE FREITAS rpfpantoja@hotmail.com DEMOCRÁTICA NO ENSINO PÚBLICO RESUMO: Este artigo aborda o Projeto político pedagógico e também

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

Módulo 11 Socialização organizacional

Módulo 11 Socialização organizacional Módulo 11 Socialização organizacional O subsistema de aplicação de recursos humanos está relacionado ao desempenho eficaz das pessoas na execução de suas atividades e, por conseguinte, na contribuição

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ

CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ CONTROLE SOCIAL DO FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO EM CENTROS DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Luciana Bandeira Barcelos ProPEd/ UERJ RESUMO O projeto de pesquisa em curso objetiva investigar o controle social

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação

Estratégia de TI. Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação Estratégia de TI Posicionamento Estratégico da TI: como atingir o alinhamento com o negócio 2011 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO

PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM POLÍTICAS PÚBLICAS, ESTRATÉGIAS E DESENVOLVIMENTO LINHA DE PESQUISA: POLÍTICAS PÚBLICAS DE CULTURA JUSTIFICATIVA O campo de pesquisa em Políticas Públicas de

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Formulação da Visão e da Missão

Formulação da Visão e da Missão Formulação da Visão e da Missão Zilta Marinho zilta@globo.com Os grandes navegadores sempre sabem onde fica o norte. Sabem aonde querem ir e o que fazer para chegar a seu destino. Com as grandes empresas

Leia mais

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA

A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA A GLOBALIZAÇÃO UM MUNDO EM MUDANÇA Que dimensões sociológicas existem numa passeio ao supermercado? A variedade de produtos importados que costumamos ver nos supermercados depende de laços econômicos

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Pessoas Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Pessoas tem por objetivo o fornecimento de instrumental que possibilite

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas

Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica. 6.1. Os Socialistas Módulo 6 A Evolução da Ciência Econômica 6.1. Os Socialistas O pensamento socialista surge em meio à revolução industrial, com suas grandes fábricas. Os trabalhadores possuíam condições precárias de trabalho

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Administração Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Cronograma das Aulas. Hoje você está na aula Semana Tema 01 Apresentação do PEA. Fundamentos

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação

SCRUM. Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM. Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação SCRUM Desafios e benefícios trazidos pela implementação do método ágil SCRUM 2011 Bridge Consulting Apresentação Há muitos anos, empresas e equipes de desenvolvimento

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 10. PLANEJAMENTO RIO DE JANEIRO,

Leia mais

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior

Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL. Prof. José Junior Unidade II FUNDAMENTOS HISTÓRICOS, TEÓRICOS E METODOLÓGICOS DO SERVIÇO SOCIAL Prof. José Junior O surgimento do Serviço Social O serviço social surgiu da divisão social e técnica do trabalho, afirmando-se

Leia mais

As Organizações e o Processo de Inclusão

As Organizações e o Processo de Inclusão As Organizações e o Processo de Inclusão Introdução Não há nada permanente, exceto a mudança. Heráclito, filósofo grego (544-483 a.c.). Mudança é o processo no qual o futuro invade nossas vidas. Alvin

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Prefeitura Municipal de Cachoeiro de Itapemirim - ES PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Introdução O Programa Municipal de Educação Ambiental estabelece diretrizes, objetivos, potenciais participantes, linhas

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

O QUE É UMA MICROEMPRESA

O QUE É UMA MICROEMPRESA O que é empresa O Artigo 6º da Lei n.º 4.137, de 10/09/1962 define empresa como "... toda organização de natureza civil ou mercantil destinada à exploração por pessoa física ou jurídica de qualquer atividade

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais