CORPO EDITORIAL. Editor Chefe Fernando Almeida Santos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CORPO EDITORIAL. Editor Chefe Fernando Almeida Santos"

Transcrição

1 !

2 SUMÁRIO CORPO EDITORIAL... 2! ARTIGOS TEMÁTICOS... 3! A PARTICIPAÇÃO DO BNDES NO DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE LOGÍSTICA PARA A COPA DO MUNDO.... 3! O CONCEITO DE CARGO E O MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS PROPOSTO PARA OS NOVOS TEMPOS ! QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO: PROPOSTA DE AVALIAÇÃO PARA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS ! FATORES COMPETITIVOS NA INDÚSTRIA DE PRESTADORES DE SERVIÇOS LOGÍSTICOS (PSLS) DO BRASIL ! O NOVO PERFIL DO MERCADO DE CONSUMO BRASILEIRO: EM ENSAIO SOBRE A CAPACIDADE DE INDUÇÃO DO ESTADO ! ARTIGOS DIVERSOS... 74! JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO: UMA ANÁLISE SOBRE O IMPACTO TRIBUTÁRIO PARA QUEM PAGA E PARA QUEM RECEBE ! IMPLANTAÇÃO DO CUSTEIO ABC EM UMA EMPRESA DO RAMO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ! PERFIL COMPARATIVO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESCENTRALIZAÇÃO E PARTICIPAÇÃO POPULAR NA ADMINISTRAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO ( ) ! O PERFIL DA PESQUISA CONTÁBIL SOBRE IFRS: UMA REVISÃO BIBLIOMÉTRICA DOS ARTIGOS INTERNACIONAIS SOBRE A MATÉRIA ! A DESVALORIZAÇÃO DO ENSINO DE INGLÊS NAS ESCOLAS PÚBLICAS E AS CONSEQÜÊNCIAS PARA O MERCADO ! EFEITOS CONTÁBEIS DA VARIAÇÃO CAMBIAL NA REMUNERAÇÃO DOS INVESTIMENTOS ESTRANGEIROS NO BRASIL ! QUAIS OS MOTIVOS QUE LEVAM AS EMPRESAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE A CANCELAREM O REGISTRO NA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS - CVM? ! RESENHA ! CONTABILIDADE COM ÊNFASE EM MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS / FERNANDO DE ALMEIDA SANTOS & WINDSOR ESPENSER VEIGA. SÃO PAULO: ATLAS, ! 1/200

3 CORPO EDITORIAL Editor Chefe Fernando Almeida Santos Corpo Editorial Científico Adalberto Tacini Adriana Clementino José Roberto Rogero Maria Inês Zampolim Coelho Maria Lúcia Gili Massi Victor Wolowski Kenski Wagner Rodrigues Valente Produção Editorial Revisão de Português e Inglês Lindiane Viviane Moretti Renata Ferreira Tacini Composição/diagramação Marco A. Rodrigues 2/200

4 ARTIGOS TEMÁTICOS A PARTICIPAÇÃO DO BNDES NO DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE LOGÍSTICA PARA A COPA DO MUNDO. Antônio Carlos Estender & Enilso Marcio Sobreira de Amorim Camargo. Faculdade Zumbi dos Palmares, Avenida Santos Dumont, 843, Armênia, São Paulo, SP, CEP RESUMO A Copa do Mundo, em 2014, e as Olimpíadas, em Essas competições têm estimulado investimentos na infraestrutura do transporte de passageiros, demandando a integração de todos os modais de transporte brasileiro. Por que o setor de transporte é considerado fundamental para o sucesso da economia e dos megaeventos como Copa do Mundo e Olimpíadas? Objetivo: Capacidade do país em atrair investimentos, e modernização dos modais de transporte e logística. Para reestruturação da mobilidade urbana e interurbana, o país conta com um ator principal, o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social). Para o período compreendido entre os anos de , há uma perspectiva de investimento em logística que pode chegar a quase R$ 130 bilhões de reais, desse montante 43% vêm de recursos do BNDES, 37% do setor privado e aproximadamente 20% de órgãos públicos. Dividindo por modais, aplicados em projetos consolidados, o setor portuário deve levar R$ 15 bilhões (14% do montante total); no setor ferroviário deverá ser investido aproximadamente o valor de R$ 56 bilhões (52%). Em suma, a participação do BNDES diretamente nos projetos que integram o planejamento e as ações dos órgãos públicos para a resolução dos problemas estruturais dos centros urbanos é fator determinante para o crescimento do país. Palavras-chave: Infraestrutura, investimento, desenvolvimento e economia. ABSTRACT The 2014 World Cup and 2016 Olympics have stimulated competition for investments in the infrastructure for the transportation of passengers, and they have demanded the integration of all modals of the Brazilian transport sector. Why is the transportation sector considered 3/200

5 fundamental for the economy success and for mega-events as the World Cup and the Olympics? Objective: Capacity of the country in attracting investments, modernization of all transportation hubs and for the logistics. For reorganization of urban and inter-urban mobility, the country counts with one principal player, the BNDES (Brazilian Development Bank). For the comprehensive time period between the years of , it has an investment perspective in logistics that can practically come close to the R$ 130 Billion (Brazilian Real), of this sum 43% comes from funds of the BNDES, 37% comes from the private sector and approximately 20% from public agencies. Dividing by transportation modals and applied in consolidated projects, sea port sector requirements will take roughly R$ 15 Billion (14% of the total sum); the railroad sector will have approximately the equivalent of R$ 56 Billion (52% of the total sum); the air transport project (TAV) will take 31 billion (29%) and the road sector with about 36 billion (34%). In summary, the direct participation of the BNDES in projects that integrate planning and actions of the public agencies for the resolution of the structural problems in urban centers is a determining factor for the growth of the country. Key-words: Infrastructure, investment, progress, and economy. INTRODUÇÃO De acordo com Taylor (1995), para gerar um lucro líquido, os custos mais altos de transporte devem ser mais do que compensados pelos benefícios financeiros de redução de custos de manutenção, aumento nas vendas, redução de depreciações ou alguma combinação desses fatores. Nesse contexto, é fundamental a integração dos modais de transporte como o aéreo, rodoviário, hidroviário, e ferroviário para que haja a diminuição desses custos de transporte, o que viabiliza uma grande economia e deixa o país competitivo perante outros mercados. Segundo Ballou (1993), o sistema de transporte doméstico refere-se a todo conjunto de trabalho, facilidades e recursos que compõem a capacidade de movimentação na economia. Esta capacidade implica o movimento de cargas e pessoas, podendo incluir o sistema para a distribuição de intangíveis, tais como comunicações telefônicas, energia elétrica e serviços médicos. Entretanto, para que todo esse sistema funcione será necessário o investimento em infraestrutura que é o fator determinante para que haja a integralização dos modais de transporte. De acordo com Schroeder (2010), o Brasil ainda apresenta uma distribuição modal no transporte de carga excessivamente centrada na rodovia, decorrente de um processo que se 4/200

6 estendeu por várias décadas e onde predominou o crescimento rápido e desproporcional do segmento rodoviário relativamente ao conjunto das demais modalidades. Neste sentido, o Brasil é um país extremamente rodoviário deixando a evolução dos outros setores bem abaixo dos países desenvolvidos, se comparado a países europeus, há um grande descompasso entre os setores, o que aumenta em muito os custos de produção e logística. As ideias apresentadas por Gualda (1996) ressaltam que: A administração das empresas, sejam elas públicas ou privadas, carece, em geral, do conhecimento e da aplicação de conceitos e técnicas capazes de proporcionar a racionalização de suas atividades e, consequentemente, a atuação dessas empresas de forma a alcançar os objetivos de minimização de custos e de maximização da qualidade dos produtos ou serviços por elas oferecidos. No caso específico da logística, constata-se que a maioria das empresas brasileiras ainda não tem uma consciência clara do que seja um planejamento logístico. Cabe salientar que o governo tem a função na mudança de cultura, para que os investimentos que serão destinados à ampliação da nossa rede transporte sejam bem direcionados utilizando para o crescimento econômico do país e transformando num país desenvolvido. As diretrizes da administração de projetos são definidas pelo PMI (Projetos Multissetoriais integrados Urbano) que definem para onde os investimentos em infraestrutura serão destinados e indica a posição do BNDES para o apoio às áreas que receberão este direcionamento de capital, junto ao Banco. Segundo o DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte, 2009), órgão responsável pela regulamentação dos investimentos em infraestrutura, as obras de infraestrutura além de trazer benefícios econômicos para as empresas que atuam na região e reforça que as melhorias irão atrair novas empresas e permitir a integração dos eixos estruturantes da economia, bem como a implantação de sistemas multimodais para o escoamento da produção. Nesse contexto, podemos entender que o apoio ao investimento+ infraestrutura=desenvolvimento. Segundo Bowersox & Closs (2001) as operações globais aumentam os custos e a complexidade da logística, aumentam a incerteza e reduzem a capacidade de controle. Cabe salientar, que para reduzir esses custos e aumentar a capacidade de controle será necessário investir em infraestrutura e planejar com atenção em qual setor será destinado os investimentos necessários para a correção das deficiências. Segundo Diaz (2002) as flutuações da demanda são governadas basicamente por quatro componentes: tendências de mercado, sazonalidade, fatores randômicos (pacotes econômicos) e fatores cíclicos (eleições e diversidade de clima). Neste sentido, um 5/200

7 alinhamento entre as necessidades ocorridas pela realização do evento (Copa do Mundo de 2014) e as deficiências da estrutura do setor de transporte devem ser direcionadas para que os projetos sejam direcionados no sentido de atender as necessidades da demanda externa quanto para a interna. De acordo com Larrañaga (2003) o desafio para a gestão logística é ter uma visão e uma filosofia global para desenvolver tática e estratégias para responder a esse ambiente, pois a abertura das fronteiras internacionais e consequentemente a expansão do comércio, ou seja, a logística também é global e o reconhecimento desse fato permitirá gerar vantagem competitiva. O autor explica a necessidade do desenvolvimento de projetos em infraestrutura para que se crie um ambiente favorável no desenvolvimento e um diferencial a mais para o segmento. Para que o BNDES apoie uma decisão em relação às áreas que receberam investimento, utiliza-se o PMI (Projetos Multissetoriais Integrados Urbano) que são um conjunto de projetos que integram o planejamento e as ações dos agentes municipais na tentativa de solucionar os problemas estruturais dos centros urbanos. Os projetos a serem financiados pelo BNDES precisam fazer parte da política do governo. Existe um fundo chamado FEP (Fundo de Estruturação de Projetos do BNDES) que tem a finalidade de contribuir para a formulação de políticas públicas e fomentar a realização de investimentos estruturantes, na qual se destina recursos ao custeio de pesquisas cientificas, prospecção de projetos e estudos de viabilidade. A realização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos no Brasil, nos próximos anos, representa, sem dúvida tanto para os estados, individualmente falando, como para a nação, de modo geral, uma singular realidade: que o Brasil não é o país do futuro, mas sim, do presente, devido a sua estabilidade econômica e a atual expressividade no cenário mundial. Além disso, para que esses megaeventos realmente nos consolidem como potência mundial será necessário que o país invista pesadamente em infraestrutura nos seguintes setores; portuário, rodoviário, hidroviário, ferroviário e principalmente aeroportuário, em razão das pessoas que hão de vir para esses eventos juntamente com eles virão também negócios e investimentos de todas as partes do mundo, ou seja, a modernização de nosso setor de transporte será necessária, uma vez que a infraestrutura dos diversos sistemas de transporte brasileiro não suportam suas respectivas demandas. Prova disso, foi a crise aérea que atingiu o setor no ano de 2005 e os problemas enfrentados nos anos subsequentes. O principal objetivo do Brasil com a realização da Copa do Mundo de 2014 será de provar para o mundo todo que o país é capaz de atrair investimentos e modernizar os meios de 6/200

8 transporte. A correta gestão dos investimentos também será um desafio. Haverá também a disponibilidade de profissionais altamente qualificados para os serviços relacionados aos eventos. Além disso, trata-se de uma excelente oportunidade para a remodelação da mobilidade urbana, sem contar com a solução de grandes problemas sociais e ambientais. Não bastando, há ainda a possibilidade do fortalecimento definitivo da economia. As melhorias na logística, competitividade, geração de renda e expansão do turismo, podem mudar a história do Brasil, já que a previsão de investimentos em infraestrutura e regeneração dos grandes centros urbanos, vitaminados pelas obras do PAC, promete isso. Este artigo destina-se ao estudo e visualização da problemática que os modais brasileiros apresentam, mostrando as diretrizes e metas que o setor público e o privado pretendem alcançar para adotar o melhor modelo de estruturação dos modais, para que possam atender plenamente os usuários e tenham uma integração total entre eles. MATERIAIS E MÉTODOS O atual estudo demonstrou a relação entre eficácia x eficiência no modais de transporte, que segundo Lakatos & Marconi (1999) buscam a solução de problemas especificos envolvendo verdades e interesses locais. A abordagem qualitativa é a mais adequada para a presente investigação, pois proporciona uma interpretação bem mais profunda da realidade estudada, o que não seria alcançado utilizando processos quantitativos de investigação. Essa vertente é também a mais adequada para fundamentar a investigação da pesquisa proposta, pois esta pretende explicar a importância de um fenômeno atual, em seu contexto real e seu objeto de estudo está relacionado com pessoas, numa perspectiva mais cultural (Yin, 2001). Por todo este contexto descrito anteriormente o método escolhido foi o estudo de caso, que segundo Yin (2001), poderá ser utilizado na investigação dos fenômenos da realidade, sem a intervenção nos mesmos, abrangendo conhecimentos teóricos, incluindo a abordagens específicas à coleta e análise de dados. Foram utilizados dados obtidos de fontes em pesquisas bibliográficas, em sites especializados e períodicos, além de dados do próprio governo como BNDES e DNIT. RESULTADOS E DISCUSSÃO Fundado em 1952, pelo ex-presidente da Republica Getúlio Vargas o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social), empresa pública federal, se destacou como principal instrumento de financiamento de longo prazo para a realização de investimentos em 7/200

9 todos os segmentos da economia, apoiando os setores econômicos como agricultura, indústria, infraestrutura e o setor de comercio e serviços, oferecendo condições especiais para micro, pequenas e médias empresas (MPME ), além da implementação de linhas de investimentos sociais, como educação e saúde, saneamento básico e transporte coletivo. O apoio do BNDES é oferecido por meio de financiamentos a projetos de investimentos, aquisição de equipamentos e exportação de bens e serviços, além de atuar no fortalecimento da estrutura de capital das empresas privadas, destinando financiamentos não reembolsáveis a projetos que contribuam para o desenvolvimento social, cultural e tecnológico. No seu planejamento Corporativo 2009/2014, o BNDES elegeu a inovação, desenvolvimento local e regional sem contar com o desenvolvimento socioambiental como os aspectos mais importantes no fomento (ato de incentivar, impulsionar) econômico no contexto atual. Na solução de problemas de infraestrutura e ampliação da mesma, a promoção da redução de custos, aumentando a produtividade, com o aprimoramento da qualidade de bens e serviços e a estruturação da rede produtiva, consolidando a integração regional. Os números expressivos de investimentos do BNDES nessa área demonstram a importância do desenvolvimento da infraestrutura para o país, mas também a responsabilidade do BNDES em promover o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O apoio do BNDES ao transporte urbano consiste na estruturação de financiamentos, além de ter sua atenção voltada para a modernização e manutenção das linhas logísticas existentes tem como foco projetos de transportes públicos, abrangendo todos os investimentos necessários à qualificação do espaço urbano no entorno do empreendimento. São empreendimentos apoiáveis os investimentos em transporte público sobre trilhos, sobre pneus e hidroviários que visem a: racionalização econômica, com redução dos custos totais do sistema; priorização dos modais de maior capacidade e menor custo operacional; privilégio do transporte coletivo sobre o individual: integração tarifária e física, com redução do ônus e do tempo de deslocamento para o usuário; acessibilidade universal, inclusive para os usuários com necessidades especiais, pedestres e ciclistas; utilização de tecnologias mais adequadas, buscando melhores condições de conforto e segurança; aprimoramento da gestão e da fiscalização do sistema, fortalecendo a regulamentação e reduzindo a informalidade; redução dos níveis de poluição sonora e do ar, do consumo energético e dos congestionamentos e revalorização urbana das áreas do entorno dos projetos. Um plano nacional de logística reverterá muitos benefícios para o setor de transporte, pois quando se fala em logística, pensamos no assunto de infraestrutura, mas temos que pensar nos investimentos para viabilizá-lo. 8/200

10 Para o período compreendido entre os anos de , há uma perspectiva de investimento em logística que pode chegar a quase R$ 130 bilhões de reais, sendo que desse montante 43% vêm de recursos do BNDES, 37% do setor privado e aproximadamente 20% de órgãos públicos. Conforme a disposição das figuras 1 e 2 abaixo:!"#+($'$$$'$$$%$$!"#+&$'$$$'$$$%$$!"#+$$'$$$'$$$%$$!"#*$'$$$'$$$%$$!"#)$'$$$'$$$%$$!"#($'$$$'$$$%$$!"#&$'$$$'$$$%$$!"#$%$$ +,-./01# :0-#2-6;<=0 Figura 1 - Investimento em Logística (R$ bilhões). '#" '!" &#" &!" %#" %!" $#" $!" #"!" ()*+,,-./ / 7089/:12;<=3>/: Figura 2 - Investimento em Logística (em %). Dividindo por modais, aplicados em projetos consolidados, o setor portuário deverá levar R$ 15 bilhões (14% do montante total); no setor ferroviário deverá ser investido aproximadamente o valor de R$ 56 bilhões (52%), o projeto de transporte aeroviário (TAV) ficará com 31 bilhões (29%) e o setor rodoviário com cerca de 36 bilhões (34%) (Fig. 3 e 4). 9/200

11 11% 26% Setor Portuário Setor Ferroviário Projeto de Transporte Aeroviário (TAV) 41% Setor Rodoviário 22% Figura 3 - Aplicações em Projetos Consolidados em ( % por Modais). (!" '!" &!" %!" $!" #!"!" )*+#'+,-./012 )*+'(+,-./012 )*+%#+,-./012 )*+%(+,-./ :1665; <145+=1+ B165; C>BDE )5=5;-96-5 Figura 4 - Aplicações em Projetos Consolidados dividido por Modais (R$ bilhões). Com a perspectiva e a realização da Copa do Mundo de 2014 haverá a necessidade de uma integração de todos os modais de transporte no Brasil. A redução de custos logísticos e as ações sustentáveis de âmbito econômico e ambiental, para que haja incentivos à competitividade brasileira e investimentos em tecnologia. O BNDES tem sido um credor quem vem participando das obras e também da expansão dos modais com investimentos constantes, em projetos nos quais também há a participação da iniciativa privada. A grande maioria desses investimentos está concentrada em rodovias, terminais de integração, entre outros. O objetivo será melhorar e recuperar as 10/200

12 estradas vicinais para escoar melhor a produção e a circulação de produtos e pessoas em vários municípios. Considerando os valores investidos pelo BNDES, podemos observar que 86% das obras estão em ritmo adequado, 10% em estado de atenção e 4%%, preocupantes. Pelo indicador de quantidade de ações, que o monitoramento indica 83% em estágio adequado; 11% em atenção; e 1% de ações concluídas. O monitoramento do estágio em que se encontram as ações de Transportes, por valores investidos, revela que 69% delas estão em projeto ou licenciamento, 4% em fase de licitação, 27% em obra e nenhuma ainda foi concluída. Considerando a quantidade de ações, 49% se encontram na etapa de projeto ou licenciamento, 7% em licitação, 43% em obras e 1% delas já foram concluídas. Observa-se que o Brasil deu muita ênfase ao transporte rodoviário, devido à implantação da indústria automobilística na década de 70, com isso foi deixado um abismo em outros modais de transporte. Ao longo dos anos, houve uma deterioração da malha rodoviária, devido à queda dos investimentos, o que afetou diretamente a sua capacidade de manutenção e conservação. Com a nova visão e a necessidade de reduzir custos foi necessário desenvolver novas politicas ambientais e energéticas. Além disso, mais uma vez saímos na frente com o biodiesel, pois a preocupação com o meio ambiente foi tema de grandes embates. Já estávamos apresentando grandes gargalos por falta de projetos e investimentos no setor de transporte, mesmo com a iniciativa privada tendo investido na exploração de rodovias. Há essa necessidade da aplicação da intermodalidade (união de vários meios de transporte) para que haja uma redução de custos, ou seja, as falta de integração entre os transportes modais será o fator preponderante para que se definam os reflexos sobre a atuação do BNDES. Um dos setores que contribuem para o desenvolvimento e crescimento sustentado do país é o setor aéreo, pois mesmo com a crise internacional existe uma perspectiva de crescimento econômico, sendo assim será necessário um planejamento de médio e longo prazo para absorver o crescimento projetado e atender a demanda do país com os grandes eventos que acontecerão em 2014 e 2016, Copa do Mundo e Olimpíadas respectivamente. Serão necessárias a ampliação e captação de recursos, aumentando a capacidade atual, sem contar com a redução de custos de transporte, distância e, principalmente, o desenvolvimento de todos os outros modais de transporte. Quando se tem a necessidade de acelerar esse processo de transformação e direcionamento de investimentos para o desenvolvimento dos 11/200

13 outros modais, a função do BNDES é observar a viabilidade econômico-financeira de projetos relacionados à infraestrutura e transporte. Como se pode observar, o Brasil apresenta a centralização do modal de transporte de carga excessivamente em rodovias, se compararmos internacionalmente, vemos como o Brasil possui muitas deficiências em transporte, logística e infraestrutura eles ficam assim distribuídos em uma comparação internacional no transporte de carga (Tabela 1). Tabela 1 - Matriz de Transporte de Carga: Comparação Internacional (em %). Modalidade Paises Desenvolvidos Países Subdesenvolvidos Brasil Rodoviário 30,0 42,3 58,7 Ferroviário 40,0 38,5 20,6 Hidroviário 16,0 10,9 17,2 Outras 14,0 8,3 3,4 Fonte: Geipot (1993) Não devemos desprezar a importância do segmento rodoviário que transporta mais da metade das cargas do país. O quadro acima demonstra o desenvolvimento dos setores de modais e sua devida importância, de acordo com a proporção que o pais direciona o crescimento de seus modais pois observa-se que os países desenvolvidos utilizam das ferrovias e os subdesenvolvidos mais a rodovia, pois os seus modais foram desenvolvidos neste sentido otimizando o tempo e reduzindo os custos. Na figura 5, temos a dimensão exata de como os modais estão dispostos e como e onde as metas do BNDES e do PAC devem ser atingidas para a realização desses megaeventos. 12/200

14 Matriz de Transporte de Carga: Comparação Internacional (Em %) Brasil 0 17,2 20,6 58,7 Países Subdesenvolvidos 0 10,9 38,5 42,3 Outras Hidroviário Ferroviário Rodoviário Paises Desenvolvidos Figura 5 Matriz de transporte de carga: comparação internacional (em %). Com a crise imobiliária americana que afetou a maior economia do mundo e recentemente a crise na Europa, o Brasil tornou-se referência, pois com uma perspectiva de crescimento econômico e a chegada da Copa do mundo de 2014 e as Olímpiadas em 2016 direcionou os holofotes para si. Com a participação do BNDES junto às diretrizes do governo no que diz respeito ao fortalecimento e estruturação da infraestrutura brasileira, o banco torna-se peça fundamental no processo de redistribuição e crescimento dos modais devido a sua capacidade de captar recursos e direcioná-los, já que os busca através da concessão de empréstimos nas taxas e operações de mercado, consequentemente sendo responsável pelo desenvolvimento dos pais, seguindo uma premissa básica, quanto maior integração dos modais há uma redução de custos e consequentemente um aumento na produtividade. A participação do BNDES diretamente nos projetos que integram o planejamento e as ações dos órgãos públicos para a resolução dos problemas estruturais dos centros urbanos é fator determinante para o crescimento do país, juntamente com o PAC, programa instituído pelo governo federal. A redução de custo operacional, a acessibilidade, a redução do ônus e do tempo de deslocamento e a integração dos modais são fatores determinantes para que o Brasil receba a Copa do Mundo e Olímpiadas, atendendo as necessidades dos visitantes, resolvendo a desproporcionalidade existente entre os modais. O desenvolvimento da infraestrutura dos modais das doze cidades sede da Copa do mundo para que os turistas possam se deslocar 13/200

15 entre as cidades e usufruir das belezas naturais que o país oferece, trazendo a viabilidade de projetos financeiros e a competitividade crescente da economia brasileira. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ballou, R Logística empresarial: transportes, administração de materiais e distribuição física. Atlas, São Paulo. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDE) IX Exposição sobre o Programa de Reaparelhamento Econômico, Rio de Janeiro. Bowersox, D. & Closs, D Logística empresarial: O processo de integração da cadeia de suprimento. Atlas, São Paulo. Diaz, C.A.P Gestão de riscos e incertezas na consolidação da cadeia de suprimentos em uma empresa de bens de capital. Dissertação de mestrado. Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba. DNIT E O PLANEJAMENTO DOS SISTEMAS DE TRANSPORTE. <http://www.dnit.gov.br/planejamento-e-pesquisa/planejamento/planejamento-do sistemasde-transportes>. Acesso em 25 de agosto de Geipot Anuário estatístico dos transportes. 1993/95 Gualda, N.D.F Logística e transporte: problemática e possibilidades no Brasil. I Seminário Internacional: Logística, Transporte e Desenvolvimento. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza. Larrañaga, F.A A gestão logística global. Aduaneiras, São Paulo. Lakatos, E.M. & Marconi, M.A Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, elaboração, análise e interpretação dos dados. Atlas, São Paulo. Schroeder, E.M Transporte Rodoviário de Carga: Situação Atual e Perspectivas. 12/04/ Taylor, D.A Logística na Cadeia de Suprimentos: uma perspectiva gerencial. Pearson Addison-Wesley, São Paulo. Yin, R.K Estudo de caso: planejamento e métodos. Bookman, Porto Alegre. 14/200

16 O CONCEITO DE CARGO E O MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS PROPOSTO PARA OS NOVOS TEMPOS. Maria Lúcia Gili Massi, Ângela Sabrina D. de Oliveira, Cíntia H. Nishimura, Marcela Borges C. Tomachevski, Regiane dos S. Oliveira, Renata G. de Souza & Yasmin Rodrigues Ajouri. Faculdade Instituto Paulista de Ensino, Rua Euclides da Cunha, 377, Centro, Osasco, SP, CEP RESUMO As mudanças ocorridas nos processos produtivos derrubaram o paradigma taylorista-fordista, que gerou postos de trabalho e os enquadrou em cargos rigorosamente descritos, criados para produzir resultados em um mundo estável e rígido. Flexibilidade e instabilidade são as características do cenário atual. Para produzir resultados nesse ambiente, as empresas inovadoras têm adotado o modelo de gestão de pessoas por competências por ser mais compatível com os contextos atualizados. No entanto, muitas empresas continuam presas ao modelo fordista de descrição e análise de cargos. Diante desse quadro, este trabalho pretende verificar se o conceito de cargo surgido com o modelo fordista está alinhado com o modelo de administração de pessoas proposto para os novos tempos. A pesquisa bibliográfica realizada demonstrou que o conceito de cargo não está alinhado com o modelo de administração de pessoas proposto para os novos tempos, evidenciando que fazer a gestão de pessoas por competência tem se mostrado como uma questão a ser resolvida pela Administração. Palavras-chave: Taylorismo, fordismo, conceito de cargo, gestão de pessoas, competência. ABSTRACT The changes occurred during productive processes overthrew the Taylorist-Fordist paradigm, which generated work stations and rigourisly framed them to produce results in a rigid and stable world. Flexibility and instability are the main characteristics of the current scenario. In order to produce results in this environment, innovative companies have adopted the model of individual competence for its compatibility with the nowadays settings. Notwithstanding, many companies still remains attached to the Fordist model of description and job analysis. This paper aims to establish if the Fordist concept of position is aligned with the model of people management proposed for the new times. The bibliographical study and research 15/200

17 found indicated that the current concept of position is not aligned with the model of people management proposed for the new times, thus showing that to people management by competence has been evident as an issue to be resolved by the Administration. Key-words: Taylorism-Fordism, the concept of position, human resources management, competence. INTRODUÇÃO Discorrendo acerca das causas do aprimoramento das forças produtivas no século XVIII, Adam Smith, relata o impacto da divisão do trabalho na produção de bens e na sociedade. Quanto mais o trabalho era dividido, argumenta o economista, mais aumentava as forças produtivas, que atingia o máximo nos países que se caracterizavam pelo mais alto grau de evolução. Esclarecendo, o autor diz que em uma sociedade em estágio primitivo, o trabalho de uma única pessoa, era o de várias em uma sociedade evoluída (Smith, 1996). Com o progresso verificado nos modos de produção, em que houve a passagem da lógica centrada no posto de trabalho, criado para produzir resultados em um mercado restrito e imutável, para outra lógica, centrada no espaço ocupacional, criado para entregar resultados com valor agregado em um mundo globalizado e mutável, o que se verifica, hoje, é que o trabalho desempenhado por um único profissional competente corresponde ao de vários trabalhadores que atuavam sob o paradigma fordista. A reestruturação do mundo do trabalho, ocorrida ao longo dos quatro séculos após a Revolução Industrial e notadamente nos últimos trinta anos, tem demandado uma nova presença do trabalhador, o que justifica a realização da pesquisa bibliográfica que será apresentada e que tem por objetivo verificar se o conceito atual de cargo está alinhado com o modelo de administração de pessoas proposto para os novos tempos. DISCUSSÃO A Revolução Industrial trouxe para o perímetro urbano uma multidão vil incitada pelos gozos materiais. A grande maioria desse povo, desprovida de qualificação, precisava trabalhar para sobreviver. Considerada pelos empresários uma força de trabalho disponível, devia ser incitada e obrigada a trabalhar continuamente. Mal pagos, os trabalhadores misturavam-se aos ladrões, aos escroques e às vítimas da prostituição. Degradados física e 16/200

18 moralmente, homens, mulheres e crianças concorriam às mesmas vagas no mercado de trabalho, e o patrão, no afã do lucro, substituía o trabalho adulto pelo das mulheres e crianças, que trabalhavam mais horas, percebendo salários inferiores. A jornada de trabalho se estendia por quinze horas diariamente, mediante uma retribuição miserável. Livres, teoricamente, esses operários tornavam-se cada vez mais dependentes dos patrões (Bresciani, 2004; Smith, 1996). Taylor, consciente da falta de preparo dessa força de trabalho e do desejo de lucro a qualquer preço por parte do patronato, procurou o melhor caminho para a execução do trabalho, que servisse de paradigma para os demais operários, e que resultasse em maior produção para o patrão e maior salário para o empregado. O melhor caminho para a execução da tarefa, segundo o autor, seria resultante: da identificação exata dos movimentos precisos para realizar determinado trabalho, bem como das ferramentas e materiais necessários; da determinação dos tempos requeridos para a execução de cada movimento; da análise dos movimentos para possível simplificação dos gestos e da reunião dos movimentos em uma tarefa. O enfoque de Taylor caminha da análise das tarefas, passando pela organização da produção e culminado com a organização do trabalho (Taylor, 2008). Ainda que o modelo taylorista focalizasse o rendimento individual do trabalhador, seu teor tem uma relação muito estreita com o fordismo (Tenório, 2011), que se assenta sobre o resultado do trabalho coletivo (Mello e Silva, 2002). Os princípios que sustentaram o fordismo na indústria automobilística foram: racionalização taylorista do trabalho; divisão das tarefas; separação entre concepção e execução; mecanização das operações através de equipamentos e produção em massa de bens padronizados (Tenório, 2011). Antes do método Ford, a industrialização de veículos era artesanal, a produção era baixíssima (menos de mil carros por ano), os produtos resultantes eram diferentes entre si e o custo de produção tornava-se muito elevado, de modo que só os ricos tinham condições financeiras para adquirir um automóvel. Ford, conhecendo esse cenário, elaborou um método de produção, introduzindo a linha de montagem, em que as peças circulavam através de esteiras, evitando o deslocamento do trabalhador. Essa nova organização do sistema produtivo teve como consequência a produção em massa, que fez diminuir os custos e aumentar a produtividade. No entanto, o método de trabalho de Ford era incompatível com um mercado reduzido, por isso, ele o ampliou pagando maiores salários diários aos seus empregados e criando a jornada de trabalho de 8 horas. Tais melhorias fizeram aumentar a renda dos seus empregados, e criaram a noção de tempo de lazer para que eles pudessem consumir os 17/200

19 produtos que eles mesmos fabricavam. Com essas ações, em 1913, sua empresa já fabricava 800 carros por dia (Tenório, 2011). Os novos métodos de trabalho permitiram o aumento do volume de produção dos produtos em geral, possibilitando que os operários, notadamente os residentes em Londres e Paris, dispusessem de uma série de bens, que há alguns anos antes, quando amotinados viviam como bichos morando em buracos escuros, disputando espaços com detritos, água suja, ratos e pestes; seriam inimagináveis (Bresciani, 2004; Smith, 1996). A rápida expansão dos sistemas de produção colocou no mercado produtos baratos, fabricados em grande quantidade para um mercado pouco exigente, daí a necessidade de dividir a produção no maior número possível de tarefas não especializadas e entregá-las à mão de obra não especializada e barata. Esses produtos não competiam com os manufaturados artesanais e sofisticados de luxo que os estabelecimentos dos artesãos continuavam a fabricar para atender às necessidades das elites (Bresciani, 2004). A mecanização do trabalho humano proporcionou melhoria nas condições de vida dos trabalhadores urbanos do século XIX. Mas, seu tipo de organização, simplificado ao máximo, tornava os operários ainda mais ignorantes, pela estagnação da uniformidade das ações padronizadas e rotineiras, que lhes reduziam os movimentos ao mínimo, requerendo uma única ação com um só movimento. Na linha de montagem, cada ação devia seguir a ação precedente conforme o tempo previsto, seguindo os princípios da mecanização: padronização, continuidade, coação e redução do trabalho a uma simples tarefa (Hirschhorn, 1984, apud Tenório, 2011). O movimento regular e metódico da produção, pautado pelo ritmo inflexível da esteira, impunha disciplina ao operariado, impedindo-lhe a participação e a criatividade, ainda que eles, desqualificados, dificilmente fabricassem um único alfinete em um dia, não fosse o modo como tal atividade estava dividida em uma série de operações distintas (Smith, 1996). Durante o século XIX, houve resistência do operariado europeu, porém, a reação não tinha por objetivo abalar o modelo fordista, mas, incrementar a utilização de máquinas no processo produtivo e reduzir a carga de trabalho, pois o patrão pouco se interessava por máquinas enquanto fosse possível contar com mão de obra barata e passiva (Bresciani, 2004). O conceito de fordismo, mesmo com a participação política do operariado, continuou a se ajustar à ideia de rigidez organizacional, em que a mão de obra, pautada pela fragmentação, repetição e monotonia de ações uniformizadas, produzia produtos e serviços padronizados, seguindo métodos, regras e procedimentos ditados pelas organizações. Cada indivíduo executava as tarefas planejadas, modeladas e organizadas pela empresa. As tarefas 18/200

20 de cada posto de trabalho eram condicionadas pelo desenho da estrutura organizacional. Um conjunto de tarefas constituía um cargo, parte integrante do formato estrutural da organização. Esse formato condicionava e determinava a distribuição e a configuração de cada cargo, sua linha de autoridade, nível de especialização e as consequentes qualificações requeridas de seus ocupantes (Chiavenato, 2004). A configuração do cargo era retratada no desenho do cargo. Uma topografia lógica, que servia à racionalidade tecnológica e aos processos de produção dimensionados pela organização. Além da relação minuciosa das tarefas, o desenho prescrevia em detalhes como tais tarefas deviam ser executadas, estabelecia a quem seu ocupante devia se reportar ou dirigir, definia as responsabilidades próprias do posto de trabalho e as qualificações requeridas do futuro ocupante (Chiavenato, 2004). Servindo à rigidez da estrutura organizacional fordista, o cargo era fixo, permanente, fechado, delimitado, individualizado, definido. Nesse tipo de organização, o planejamento ficava distanciado da produção, a linha de comando era centralizada, criando uma separação rigorosa entre quem pensava e impunha a disciplina organizacional, a chefia, e quem executava as ações, o operário (Neves & Fernandes, 2002). Nesse ambiente de trabalho, a pessoa era considerada um mero recurso produtivo, uma extensão da máquina, ou, no caso do modelo burocrático, um apêndice da estrutura organizacional. O empregado era remunerado pelo cargo ocupado, analisado e pesado segundo os métodos científicos, que hierarquizavam os cargos e os salários. Os empregados que executavam as mesmas tarefas eram enquadrados nos mesmos cargos e recebiam os mesmos salários, padronizados entre as empresas, através de pesquisas salariais. A partir da década de 1960, entretanto, o paradigma fordista foi colocado em questão mediante a reação de estudantes contrários ao modelo; de trabalhadores que, se opondo à monotonia das tarefas rotinizadas, aumentavam o absenteísmo, rotatividade, desperdícios e defeitos. O modelo enfrentou também a mudança na postura dos governos que precisavam implantar medidas de austeridade econômica e desmobilização do Estado. Os empresários, preocupados com a diminuição do lucro, já não punham mais tanta fé no modelo, e os pesquisadores em gestão organizacional mostraram-lhes a necessidade de interagirem com o ambiente (Tenório, 2011). Estratégias ultrapassadas; tendência aos aspectos de curto prazo; fragilidade tecnológica; negligência com os recursos humanos; necessidade de tornar flexíveis as relações de trabalho e o desequilíbrio no modo de organização do trabalho, manifestada no 19/200

A PARTICIPAÇÃO DO BNDES NO DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE LOGÍSTICA PARA A COPA DO MUNDO.

A PARTICIPAÇÃO DO BNDES NO DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE LOGÍSTICA PARA A COPA DO MUNDO. ARTIGOS TEMÁTICOS A PARTICIPAÇÃO DO BNDES NO DESENVOLVIMENTO DO SETOR DE LOGÍSTICA PARA A COPA DO MUNDO. Antônio Carlos Estender & Enilso Marcio Sobreira de Amorim Camargo. Faculdade Zumbi dos Palmares,

Leia mais

O CONCEITO DE CARGO E O MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS PROPOSTO PARA OS NOVOS TEMPOS.

O CONCEITO DE CARGO E O MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS PROPOSTO PARA OS NOVOS TEMPOS. O CONCEITO DE CARGO E O MODELO DE GESTÃO DE PESSOAS PROPOSTO PARA OS NOVOS TEMPOS. Maria Lúcia Gili Massi, Ângela Sabrina D. de Oliveira, Cíntia H. Nishimura, Marcela Borges C. Tomachevski, Regiane dos

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias

INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias FACULDADE GOVERNADOR OZANAM COELHO PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE PESSOAS INTRODUÇÃO À GESTÃO DE PESSOAS Comparativo entre idéias ALINE GUIDUCCI UBÁ MINAS GERAIS 2009 ALINE GUIDUCCI INTRODUÇÃO À GESTÃO DE

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker

As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker As Teorias da Administração em foco: de Taylor a Drucker O presente artigo busca destacar as principais contribuições teóricas que definiram a linha evolutiva da Administração que se desenvolveu desde

Leia mais

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências

Certificação Profissional na Construção Civil por Competências Extraído da Dissertação de Mestrado em Habitação de autoria de Orivaldo Predolin Júnior 2005, Predolin, O.J. A partir da idéia de que, para a melhoria da qualidade do produto final da construção civil

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Prof.ª Giselle Reis Brandão IEC - PUC Minas ALGUNS CONCEITOS IMPORTANTES: ADM. DE RECURSOS HUMANOS: As pessoas vistas como recursos, no sentido de instrumentos, meios para

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

FT 5 Critérios de excelência aeronáutica - LEAN

FT 5 Critérios de excelência aeronáutica - LEAN Trabalho Realizado por: Natalino Semedo Carlos Esteves Rui Marques Nádia Casquinha 1 Índice Introdução... 3 Padronização... 3 Efeito kaizen... 5 Polivalência... 5 Bechmarking... 6 Poka-Yoke... 7 Muri...

Leia mais

Administração e Gestão de Pessoas

Administração e Gestão de Pessoas Administração e Gestão de Pessoas Aula Gestão de Pessoas Prof.ª Marcia Aires www.marcia aires.com.br mrbaires@gmail.com Percepção x trabalho em equipe GESTÃO DE PESSOAS A Gestão de Pessoas é responsável

Leia mais

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ

Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Um jeito Diferente, Inovador e Prático de fazer Educação Corporativa Ementa do MBA Executivo em Gestão Empresarial com ênfase em Locação de Equipamento Turma: SINDILEQ Objetivo: Auxiliar o desenvolvimento

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Ilca Maria Moya de Oliveira Cargos e suas estruturas são hoje um tema complexo, com várias leituras e diferentes entendimentos. Drucker (1999, p.21) aponta que, na nova sociedade do conhecimento, a estrutura

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Universidade Federal do Ceará Faculdade de Economia, Administração, Atuária, Contabilidade e Secretariado Curso de Administração de Empresas GESTÃO POR COMPETÊNCIAS MAURICIO FREITAS DANILO FREITAS Disciplina

Leia mais

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE

1º SEMESTRE 2º SEMESTRE 1º SEMESTRE 7ECO003 ECONOMIA DE EMPRESAS I Organização econômica e problemas econômicos. Demanda, oferta e elasticidade. Teoria do consumidor. Teoria da produção e da firma, estruturas e regulamento de

Leia mais

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa

1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa 1 Introdução 1.1. Problema de Pesquisa A motivação, satisfação e insatisfação no trabalho têm sido alvo de estudos e pesquisas de teóricos das mais variadas correntes ao longo do século XX. Saber o que

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS

IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA KANBAN NA PRODUÇÃO PARA MINIMIZAÇÃO DE CUSTO E MAXIMIZAÇÃO DE LUCROS RESUMO Regiane A. Olmedo de Souza regianeolmedo@gmail.com Renan Fernandes Nascimento renanfn8@yahoo.com.br Rozana

Leia mais

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO

GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO GESTÃO NO SERVIÇO PÚBLICO Susan Dignart Gestora Governamental - MT Cuiabá MT, dezembro de 2008 GESTÃO o que é? Muitas interpretações... Gestão = Administração: organizar os meios para atingir fins; Políticas

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES

CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS: O TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO PESSOAL DENTRO DAS ORGANIZAÇÕES Aline Martins Mendes Luciano José Vieira Franco Luis Guilherme Esteves Leocádio Sônia Madali Bosêja

Leia mais

Evolução dos sistemas ERP nas empresas

Evolução dos sistemas ERP nas empresas Evolução dos sistemas ERP nas empresas Aloísio André dos Santos (ITA) aloisio@mec.ita.br João Murta Alves (ITA) murta@mec.ita.br Resumo Os sistemas ERP são considerados uma evolução dos sistemas de administração

Leia mais

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação.

A Gestão do Conhecimento vai, no entanto, muito além, do investimento em tecnologia ou o gerenciamento da inovação. Aponta a Gestão do Conhecimento como uma estratégia central para desenvolver a competitividade de empresas e países, discute o investimento em pesquisa e desenvolvimento, e os avanços da tecnologia gerencial

Leia mais

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI

SUMÁRIO. Apresentação... IX Prefácio... XI SUMÁRIO Apresentação... IX Prefácio... XI 1. INTRODUÇÃO À GESTÃO DE FROTAS... 1 1.1. Introdução... 1 1.2. Considerações sobre a Estrutura do Transporte Rodoviário no Brasil... 2 1.3. A Estrutura Organizacional

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA

PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA PORTIFÓLIO DE CONSULTORIA E ASSESSORIA SUMÁRIO DE PROJETOS WORKFLOW... 03 ALINHAMENTO ESTRATÉGICO... 04 IDENTIDADE CORPORATIVA... 04 GESTÃO DE COMPETÊNCIAS... 05 TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO... 05 REMUNERAÇÃO...

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO A ESCOLA CLÁSSICA OU ABORDAGEM CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO 1. INTRODUÇÃO As origens da Abordagem Clássica da Administração remontam às conseqüências geradas pela Revolução Industrial e que poderiam ser resumidas

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Recursos Humanos 2011-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Recursos Humanos 2011-1 DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO LIDERANÇA AUTOCRÁTICA: O RELACIONAMENTO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES.

GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. 1 GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS FATOR CHAVE DE SUCESSO PARA AS ORGANIZAÇÕES. Alessandra Cristina Rubio¹ Regina Aparecida de Alcântara Gonzaga 1 Thiago Silva Guimarães³ RESUMO É notória e cada vez mais

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

Resolução 038/2001 CONSEPE

Resolução 038/2001 CONSEPE Resolução 038/2001 CONSEPE Aprova as normas de funcionamento do Curso de Administração do Centro de Ciências da Administração CCA/ESAG. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CENTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO. Sumário I) OBJETIVO 02. 1) Público alvo 02. 2) Metodologia 02. 3) Monografia / Trabalho final 02 Sumário Pág. I) OBJETIVO 02 II) ESTRUTURA DO CURSO 1) Público alvo 02 2) Metodologia 02 3) Monografia / Trabalho final 02 4) Avaliação da aprendizagem 03 5) Dias e horários de aula 03 6) Distribuição de

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva.

Palavra chave: Capital Humano, Gestão de Pessoas, Recursos Humanos, Vantagem Competitiva. COMPREENDENDO A GESTÃO DE PESSOAS Karina Fernandes de Miranda Helenir Celme Fernandes de Miranda RESUMO: Este artigo apresenta as principais diferenças e semelhanças entre gestão de pessoas e recursos

Leia mais

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução

RH NA ÁREA. Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net. 1 Introdução RH NA ÁREA Clarice da Fontoura Paim Mestre em Administração e Negócios (PUCRS) UNIRITTER cfpaim@cpovo.net Resumo: Considerando a necessidade de orientação das pessoas para o aproveitamento de vagas disponíveis

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES

BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES BACHARELADOS INTERDISCIPLINARES Bacharelados Interdisciplinares (BIs) e similares são programas de formação em nível de graduação de natureza geral, que conduzem a diploma, organizados por grandes áreas

Leia mais

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção

Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção. Administração da Produção Apresentação Professor e alunos. Contextualização Quais os objetivos da disciplina: Apresentar os fundamentos da Administração de. O que se espera da disciplina: Realizar estudos de técnicas e instrumentos

Leia mais

Informação estratégica

Informação estratégica IVENS CONSULT Informação estratégica Ivan Leão diretor da Ivens Consult Introdução A revolução em andamento é que a manufatura ou produção não é mais principal centro de lucro e sim a logística, os sistemas

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

V Congresso Auditar. Tema:

V Congresso Auditar. Tema: V Congresso Auditar Tema: Carreira em Organizações Públicas - Conceitos e Experiências Prof. Dr. José Antonio Monteiro Hipólito Brasília, 05 de setembro de 014 14:00 15:30h Agenda 1. Introdução: Importância

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos

ADMINISTRAÇÃO. 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno. PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos ADMINISTRAÇÃO 1. TURNOS: Matutino HABILITAÇÃO: Bacharelado em Administração Noturno GRAU ACADÊMICO: Bacharel em Administração PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. HISTÓRICO DO CURSO

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA.

CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. Programa de Pós-graduação em Ciências Aeroespaciais - UNIFA 218 CAPACITAÇÃO EM RECURSOS HUMANOS NOS PARQUES DE MATERIAL AERONÁUTICO DA FORÇA AÉREA BRASILEIRA. RESUMO Paulo Roberto de Castro Gomes 1 A pesquisa

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO

A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO A QUALIFICAÇÃO NO NOVO CONTEXTO DA AUTOMAÇÃO E FLEXIBILIZAÇÃO DO TRABALHO: UM ESTUDO NO SETOR BANCÁRIO ALVES, Ana Elizabeth Santos (UESB/UFBA) GT: Trabalho e Educação 1 A Qualificação frente ao atual processo

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Matriz Curricular aprovada pela Resolução nº 16/09-CONSUNI, de 1º de dezembro de 2009. MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Válida para os acadêmicos ingressantes a partir de 2010/1 Fase Cód. I

Leia mais

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori)

A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) TATIANA LOPES 2012 A área de recursos humanos é o filtro da empresa, a porta de entrada de todas as companhias. (Reinaldo Passadori) PLANEJAMENTO: é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber

Leia mais

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA

Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Prof. Daniel Bertoli Gonçalves UNISO - SOROCABA Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenharia de Produção PPGEP/UFSCar

Leia mais

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS

Profa. Lenimar Vendruscolo Mery 2013 APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS APOSTILA DE GESTÃO DE PESSOAS SUMÁRIO 1. O QUE SIGNIFICA GESTÃO DE PESSOAS... 3 2. PRINCIPAIS PROCESSOS DE GESTÃO DE PESSOAS... 3 3. O CONTEXTO DA GESTÃO DE PESSOAS... 4 4. EVOLUÇÃO DOS MODELOS DE GESTÃO...

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO GESTÃO EMPRESARIAL E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO * César Raeder Este artigo é uma revisão de literatura que aborda questões relativas ao papel do administrador frente à tecnologia da informação (TI) e sua

Leia mais

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015

DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 DEBATE DO PG SRETC 21/05/2015 Senhor Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Senhor Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Senhoras e Senhores Secretários Regionais Senhoras

Leia mais

Minhas senhoras e meus senhores.

Minhas senhoras e meus senhores. Minhas senhoras e meus senhores. Em primeiro lugar, gostaria de transmitir a todos, em nome do Senhor Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, a satisfação pelo convite que

Leia mais

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma

MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma MBA em Gestão de Pessoas com Ênfase em Estratégias 15ª Turma Agradecemos seu interesse em nossos programas de ensino e lhe cumprimentamos pela iniciativa de buscar o seu aperfeiçoamento profissional. Você

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO SUPPLY CHAIN MANAGEMENT: UMA INTRODUÇÃO À UM MODELO DE GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS PARA OBTENÇÃO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO BURGO, Rodrigo Navarro Sanches, RIBEIRO, Talita Cristina dos Santos, RODRIGUES,

Leia mais

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição

Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico. Pontos Básicos da regulação para a Distribuição. Desafios regulatórios Associados à Distribuição viii SUMÁRIO Apresentação Prefácio e Agradecimentos Introdução C a p í t u l o 1 Setor Elétrico Brasileiro Um Breve histórico 1.1 Mudanças ocorridas nos anos 1990 1.2 Avanços e aprimoramentos em 2003 C

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO DO MODELO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL AO DA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO

TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO DO MODELO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL AO DA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO TRANSIÇÃO DOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DO VESTUÁRIO DO MODELO DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL AO DA SOCIEDADE DO CONHECIMENTO Transition of garment production systems industrial revolution model to the knowledge society

Leia mais

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES

APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APLICADO AOS GESTORES 202 INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO ALGUNS COMENTÁRIOS ANTES DE INICIAR O PREENCHIMENTO DO QUESTIONÁRIO: a) Os blocos a seguir visam obter as impressões do ENTREVISTADO quanto aos processos de gestão da Policarbonatos,

Leia mais

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL

ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL ENGENHARIA CONSULTIVA FOMENTAR O PARQUE CONSULTIVO NACIONAL A Engenharia Consultiva Nacional e a Construção da Infraestrutura Um breve diagnóstico O setor de infraestrutura apresenta aspectos distintos

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS A SUPERIORIDADE DO MÉTODO DO FLUXO DE CAIXA DESCONTADO NO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Prof. Alexandre Assaf Neto O artigo está direcionado essencialmente aos aspectos técnicos e metodológicos do

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL

FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL FACULDADE TECSOMA DEPARTAMENTO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO MBA EM GESTÃO EMPRESARIAL 1. OBJETIVOS Proporcionar aos discentes conhecimentos teóricos e práticos acerca da gestão empresarial com intuito de

Leia mais

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas

MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Página 1 de 6 MBA Gestão Estratégica de Marketing e Vendas Carga Horária: 360 horas/ aulas presenciais + monografia orientada. Aulas: sábados: 8h30 às 18h, com intervalo para almoço. Valor: 16 parcelas

Leia mais

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global

Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Logística e Distribuição: Definições e Evolução da Logística em um Contexto Global Neófita Maria de Oliveira (UERN) neofita_maria@yahoo.com.br Athenágoras José de Oliveira (UERN) mara_suy@hotmail.com Mara

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS Patrícia de Oliveira 1 Angélica Patrícia de Souza 2 Roginéia de Araújo Paula 3 RESUMO Buscou-se apresentar neste artigo, os principais pontos das estratégias empresarias e quais

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE

REVISTA SCIENTIFIC MAGAZINE APLICAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTO NO SALÃO DE BELEZA X Virginia Tavares 1 RESUMO O presente artigo tem como objetivo analisar na prática como acontece a aplicação da contabilidade de custo numa empresa

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa:

Ementário do Curso de Administração Grade 2010-2 1 Administração da Produção I Fase: Carga Horária: Créditos: Ementa: 1 da Produção I Ementário do Curso de Introdução à administração da produção; estratégias para definição do sistema de produção; estratégias para o planejamento do arranjo físico; técnicas de organização,

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 16: RESULTADOS RELATIVOS À GESTÃO DE PESSOAS 16.1 Área de RH e sua contribuição O processo de monitoração é o que visa saber como os indivíduos executam as atribuições que

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO 1º SEMESTRE Administração Aplicada ao Meio Ambiente Ementa: Gestão ambiental e desenvolvimento sustentável. Compromisso dos indivíduos e das

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Fundamentos

Gerenciamento de Projetos Fundamentos Gerenciamento de Fundamentos MBA EM GESTÃO DE PROJETOS - EMENTAS Definição de Projeto. Contexto e Evolução do Gerenciamento de. Areas de conhecimento e os processos de gerenciamento do PMI - PMBoK. Ciclo

Leia mais

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS

MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS MBA EM GESTÃO DO MARKETING ESTRATÉGICO - EMENTAS Branding Corporativo O que é Branding. O que é uma marca. História da Marcas. Naming. Arquitetura de Marcas. Tipos de Marcas. Brand Equity. Gestão de Marcas/Branding.

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2010.2 A BRUSQUE (SC) 2014 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INFORMÁTICA APLICADA À... 4 02 MATEMÁTICA APLICADA À I... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA... 4 04 PSICOLOGIA... 5 05

Leia mais

O meio ambiente e o planejamento estratégico

O meio ambiente e o planejamento estratégico O meio ambiente e o planejamento estratégico Roberto Sanches Garcia, Prof.Dr.Alfredo Colenci Junior Mestrado em Tecnologia: Gestão, Desenvolvimento e Formação. CEETEPS - São Paulo SP Brasil roberto.sanches4@terra.com.br;

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre

Gestão do conhecimento Wikipédia, a enciclopédia livre Página 1 de 5 Gestão do conhecimento Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre. A Gestão do Conhecimento, do inglês KM - Knowledge Management, é uma disciplina que tem suscitado cada vez mais atenção nas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam.

Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. Evolução da Teoria Administrativa Escolas de Concepção Administrativa. Abordagem Clássica da Administração. Pode ser desdobrada em 2 orientações diferentes que se completam. 1 - Visão Americana: Liderada

Leia mais