ANÁLISE DE GESTÃO DE ESTOQUE POR MEIO DA CURVA ABC: O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DE GESTÃO DE ESTOQUE POR MEIO DA CURVA ABC: O"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANÁLISE DE GESTÃO DE ESTOQUE POR MEIO DA CURVA ABC: O caso de uma franquia Mahogany na cidade de Natal VICTOR FELIPE GUEDES OLIVEIRA DE LIMA NATAL 2013

2 2 VICTOR FELIPE GUEDES OLIVEIRA DE LIMA ANÁLISE DE GESTÃO DE ESTOQUE POR MEIO DA CURVA ABC: O caso de uma franquia Mahogany na cidade de Natal Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Coordenação do curso de graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, como requisito para a obtenção do título de Bacharel em Administração. Orientador: Prof. Carlos Alberto Freire Medeiros NATAL 2013

3 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ADMINISTRATIVAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO ANÁLISE DE GESTÃO DE ESTOQUE POR MEIO DA CURVA ABC: O CASO DE UMA FRANQUIA MAHOGANY NA CIDADE DE NATAL VICTOR FELIPE GUEDES OLIVEIRA DE LIMA Monografia apresentada e aprovada em de de, pela banca examinadora composta pelos seguintes membros: Carlos Alberto Freire Medeiros,, Universidade Federal do Rio Grande do Norte Orientador Antônio Carlos Ferreira, Msc., Universidade Federal do Rio Grande do Norte Examinador Leandro Trigueiro Fernandes, Mestrando, Universidade Federal do Rio Grande do Norte Examinador NATAL 2013

4 4 Catalogação da Publicação na Fonte. UFRN / Biblioteca Setorial do CCSA Lima, Victor Felipe Guedes Oliveira de. Análise de gestão de estoque por meio da curva Abc: o caso de uma franquia Mahogany na cidade de Natal / Victor Felipe Guedes Oliveira de Lima. Natal, RN, f. : Il. Orientador: Prof. Carlos Alberto Freire Medeiros. Monografia (Graduação em Administração) Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ciências Sociais Aplicadas. Departamento de Ciências Administrativas. 1. Administração Monografia. 2. Administração do estoque Monografia. 3. Gestão da produção Monografia. 4. Franquias (Comércio varejista) Monografia. I. Medeiros, Carlos Alberto Freire. II. Universidade

5 5 Dedico este trabalho a toda a minha família em especial aos meus pais, que sempre me incentivaram e apoiaram os meus estudos.

6 6 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter me dado à oportunidade de poder vivenciar tudo isso com saúde; Agradeço em especial aos meus pais que sempre estiveram ao meu lado em todos os momentos nessa trajetória; Agradeço a minha irmã Camila Guedes, pelos conselhos e incentivos aos estudos; Agradeço à minha família, por sempre acreditar que eu chegaria a esta instituição de ensino superior; Agradeço também aos meus amigos, em especial Emanoel, Késsia Silmara, Fernando, Mikarla Araújo, Giulliano, Fernando Colamonico, Maria José e Eloíse pelos conselhos e palavras de incentivo; Agradeço a esta instituição - UFRN, aos funcionários e docentes, agradeço a todos os que fazem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte uma instituição reconhecida e pelo trabalho e ensinamentos depositados nesta jornada que está iniciando; Agradeço a meu orientador, Carlos Alberto que, em meio a tantas dúvidas e incertezas, ajudou-me neste árduo trabalho assim como na definição e desenvolvimento desse trabalho; Agradeço a todas as pessoas que participaram direta ou indiretamente para conclusão desse trabalho; Enfim, todo este trabalho é dedicado a vocês, pessoas que, de maneira direta ou indireta, contribuíram significativamente para meu desenvolvimento enquanto aluno e, principalmente, enquanto pessoa.

7 7 Por vezes sentimos que aquilo que fazemos não é senão uma gota de água no mar. Mas o mar seria menor se lhe faltasse uma gota. Madre Teresa de Calcutá

8 8 A logística permite as condições de garantir a posse do produto, por parte do cliente, no momento desejado. Antonio Novaes (adaptado pelo autor)

9 9 RESUMO A presente pesquisa faz uma análise da eficiência da gestão do estoque de uma franquia Mahogany situada na cidade de Natal RN (denominada Empresa X). O estudo justifica-se pelo fato do ramo de franquia ligada à higiene pessoal, perfumaria e cosméticos apresentar crescimento anual superior ao PIB brasileiro (20,00% contra 2,00% de crescimento do PIB) e por ser um segmento bastante promissor de investimento. Assim, entender como a logística desse segmento lida com a reposição dos itens de estoque (responsável por até 40,00% dos custos fixos das empresas do ramo) é imprescindível para conduzirem as empresas do ramo a gerenciarem com eficiência tais custos. A metodologia utilizada foi o da curva ABC com enfoque na gestão do estoque. Os resultados mostraram que a empresa possui mais itens de classe A que o recomendado pela literatura ligada à gestão de estoque. Aliado a esse fator, o grau de rotatividade elevado desses itens em específico leva a Empresa X a reduzir o tempo de demanda de produtos junto ao fornecedor autorizado a níveis também inferiores ao recomendado pela nomenclatura científica da área. Pode-se concluir que a logística da Empresa X deve ser melhor trabalhada e, dessa forma, tentar garantir sempre melhor diferencial competitivo. Palavras - chave: Logística; Franquia; Curva ABC; Gestão de Estoque.

10 10 ABSTRACT This research analyzes the efficiency of inventory management a franchise Mahogany located in Natal - RN (called Company X). The study is justified by the fact that the branch franchise connected to personal hygiene, perfumery and cosmetics to present annual growth of the Brazilian GDP (20.00% versus 2.00% GDP growth) and for being a very promising segment investment. Thus, understanding how the logistics of this segment deals with the replacement of inventory items (accounting for up to 40.00% of the fixed costs of firms in the industry) is essential for the conduct of companies in the industry to efficiently manage such costs. The methodology used was the ABC analysis focusing on inventory management. The results showed that the company has more items designate A than the recommended by the literature related to inventory management. Allied to this factor, the high degree of turnover these items in particular, leads to Company X to reduce the time of product demand by the authorized supplier lower than the levels recommended by the scientific nomenclature of the area. It can be concluded that the Logistics Company X should be better crafted and thus always try to ensure better competitive edge. Keywords: Logistics; Franchising; ABC analysis; Inventory Management.

11 11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Distribuição do faturamento do setor de franquias por segmento de atuação entre 2011 e Quadro 2 Distribuição do número de unidades de franquias por segmento de atuação entre 2011 e Quadro 3 Dados comparativos das cinco maiores franquias do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos do Brasil...20 Quadro 4 Representação gráfica da curva ABC na gestão de estoque...32 Quadro 5 Estatística descritiva dos dados utilizados na estimação da curva ABC...36 Quadro 6 Percentual de quantitativo de produtos e percentual de custos dos 78 itens presentes no estoque da Empresa X por classe A, B e C...37 Quadro 7 Dispersão dos resultados para o percentual de itens e para o percentual de custos dos 78 produtos do estoque da empresa X...38

12 12 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO O MERCADO DE HIGIENE PESSOAL, COSMÉTICO E PERFUMARIA NO BRASIL DESEMPENHO RECENTE DA FRANQUIA OBJETIVOS DA PESQUISA Geral Específico JUSTIFICATIVA REFERENCIAL TEÓRICO ESTUDOS SOBRE LOGÍSTICA E ALOCAÇÃO EFICIENTE DE RECURSOS FERRAMENTAS DE CONTROLE DA GESTÃO DE ESTOQUE METODOLOGIA RESULTADOS ANÁLISE DESCRITIVA DOS DADOS RESULTADOS DA ESTIMAÇÃO DA CURVA ABC CONCLUSÕES...40 REFERÊNCIAS...41 APÊNDICES...43

13 13 APRESENTAÇÃO As organizações hoje necessitam desenvolver diversas competências e habilidades para superar as expectativas de um mercado cada vez mais competitivo e em constante transformação, e, a partir disso, adquirir uma postura diferenciada na busca pela excelência e pela satisfação dos seus clientes internos e externos frente aos seus concorrentes. Com o avanço contínuo das franquias, e sobretudo as do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, a logística eficiente do estoque passou a representar um diferencial competitivo, que se reverte na satisfação direta do cliente. Diante desse exposto, esse trabalho convida o leitor a se debruçar sobre a análise da gestão de estoque de uma empresa franqueada de uma das cinco maiores redes de franquia do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos: a Mahogany. O estudo de caso em epígrafe trata de uma empresa situada na cidade de Natal RN (denominada Empresa X, por questão de confidencialidade), mas lança luz sobre os principais problemas existentes na gerência do estoque das demais franqueadas do ramo. Este trabalho está dividido em cinco capítulos principais. Inicialmente, é apresentada a parte introdutória, com a caracterização da organização analisada, a contextualização e o problema da pesquisa, os objetivos geral e específicos e a justificativa da pesquisa. Em seguida, encontra-se o referencial teórico, que apresenta a revisão da literatura pertinente ao assunto. O terceiro capítulo expõe a metodologia utilizada na pesquisa. No capítulo quatro é feita a análise dos dados e a apresentação dos resultados adquiridos com o estudo. No quinto capítulo apresentam-se as conclusões com base nos resultados observados na pesquisa. E, por fim, relacionam-se as referências utilizadas na elaboração da pesquisa.

14 14 1. INTRODUÇÃO Esta seção introdutória mostra a caracterização e a relevância econômica do mercado de franquias do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosmético, com ênfase no estudo de caso da franquia Mahogany, uma das cinco maiores empresas brasileiras do ramo. Para se analisar um dado mercado de franquia, é importante compreender como ele se originou e como tem funcionado no contexto econômico onde ele está inserido. Assim como qualquer mercado pertencente à economia, o segmento de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos (atividade que vem apresentando constante crescimento ao longo dos últimos anos) é um ramo de franquia que vem ganhando mais e mais notoriedade no cenário nacional. Uma de suas vantagens está no fato de ser um setor que vem apresentando ótimo desempenho, mesmo em meio às modestas taxas de crescimento apresentado pelos três principais setores da economia (primário, secundário e terciário). Segundo, pelo fato de ser um mercado que vem agregando mais e mais clientes de praticamente todas as classes sociais. Cuidar do corpo com produtos de qualidade e excelência, que antes se restringia às atribuições das classes A, B e C, tornou-se uma atividade pertinente também às classes D e E. O que antes era considerado luxo para essas duas últimas classes, passou a ser considerada atividade regular de consumo. Esta seção faz, assim, um esboço da evolução da franquia do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosmético no mercado brasileiro, com ênfase na franquia Mahogany e suas concorrentes. O objetivo é mostrar o atual contexto econômico no qual as principais marcas de franquias (dentre elas a Mahogany) estão inseridas e como têm se adaptado ao modelo econômico brasileiro. Assim, para melhor análise desses temas, esta seção está dividida em quatro subseções: a primeira aborda os aspectos conceituais e descritivos do mercado de franquia de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos no Brasil; a segunda descreve o desempenho recente da franquia Mahogany frente às suas concorrentes; a terceira define os objetivos gerais e específicos deste trabalho; e, a quarta, mostra a justificativa desse estudo. 1.1 O Mercado de Higiene Pessoal, Cosmético e Perfumaria no Brasil Em linhas gerais, uma franquia representa uma forma de negócio essencialmente constituída de uma organização (franqueador), que possui um pacote de negócios testado e centrado em produtos e serviços específicos, e por pequenas empresas autofinanciadas e independentemente gerenciadas (franqueados), que operam sob a marca do franqueador, o qual continua a deter os direitos de distribuição e de comercialização segundo regras especificas pactuadas através de contratos (HISRICH E PETERS, 2004). Segundo Bernard (1993), a franquia representa a expansão de um conceito e de uma forma de operação bem sucedida e que permite a multiplicação de estabelecimentos de modo

15 15 geograficamente disperso, mantendo-se um relativo grau de controle. Do ponto de vista do franqueado, ela representa a oportunidade de se servir de economias de escala de produção, de distribuição e de publicidade, minimizando o risco do negocio não dar certo (uma das grandes preocupações e limitações dos micro e pequenos empresários que desejam iniciar seus negócios no mercado brasileiro). Através da cobrança de uma taxa inicial e de um percentual de royalties no decorrer da vida da franquia, o franqueado conta com a notoriedade da marca e com contínua assistência técnica e administrativa para seu negócio. A primeira franquia instalada no Brasil foi a do ramo de idiomas. Em meados de 1950, o Yázigi instalou sua primeira unidade na cidade de São Paulo. O setor de franquias não possuía na época legislação especifica que a regulamentasse. No entanto, o seguimento baseou suas atividades no modelo americano de franquia e, pouco a pouco, foi se consolidando no mercado brasileiro. Foi somente em 1987, com criação da Associação Brasileira de Franchising (ABF), que o ramo ganhou maior notoriedade nos cenário econômico nacional. Segundo Melo e Andreassi (2008), a divulgação do negócio de franquia e o trabalho da ABF tiveram dois grandes aliados: a criação em escala de shoppings centers nos grandes centros econômicos do Brasil e a baixa taxa de mortalidade para os novos empresários que aderissem ao sistema de franquias. De acordo com Toledo e Proença (2005), o mercado de franquia é visto atualmente como um sistema promissor de expansão de empresas que, a priori, não teriam estrutura, recursos e tecnologia para crescimento rápido e sustentável em mercados muito dinâmicos e competitivos. Isto vem se adequar com perfeição ao atual cenário econômico onde micro e pequenos empresários têm dificuldade de se inserirem e permanecer nele por período superior a um ano. A franquia possui um negócio pré-formatado, onde um novo empresário precisa somente ter habilidades gerenciais para suas unidades (ou filiais). A ideia, o formato, a configuração, a sistemática de venda vem adequada ao contexto da marca e o franqueado necessita apenas de mercado consumidor para seus produtos. Segundo a ABF (2013), entre 2002 e 2012, o faturamento do setor de franquias no Brasil evoluiu de R$28 bilhões para aproximadamente R$103,29 bilhões, um crescimento de aproximadamente 16,24% ao ano em seus resultados. Isso decorreu diretamente do aumento do número de estabelecimentos franqueados, que passou de unidades em 2002 para unidades em 2012 (12,29% ao ano). O setor de franquias também se mostrou um dos ramos que gerou emprego acima da média nacional em todo esse período, passando de postos de trabalho em 2002 para postos de trabalhos em 2012 (crescimento de 7,79% ao ano). A evolução do PIB brasileiro em comparação com o PIB do crescimento de franquias brasileiras mostra também resultados bastante interessantes. Em 2002, o crescimento do PIB brasileiro era de 2,70% enquanto que o setor de franquias apresentava taxa de crescimento na ordem de 12,00%. Em 2010, auge do crescimento do PIB brasileiro (7,50% ao ano), o setor de franquias crescia ao percentual de 20,40% para o mesmo período. Mesmo após a queda do

16 16 PIB brasileiro após esse período (2,70% em 2011 e 0,90% em 2012), a taxa de crescimento do setor de franquias permaneceu quase que inalterado, reduzindo-se para 16,90% em 2011 e para 16,20% em Isto é um indicativo de que o setor de franquias continuou sendo um negócio bastante atrativo para empresários interessados na abertura de seus primeiros negócios. Os gráficos 1 e 2 mostram a evolução do setor de franquias por segmento de atividade para os anos de 2011 e O gráfico 1 descreve a variação percentual do faturamento por segmento de atividade entre 2011 e O gráfico 2 descreve o aumento (em termos percentuais) no número de unidades franqueadas por segmento de atividade para o mesmo período. Os dados foram obtidos do sítio internet da ABF. De acordo com o gráfico 1, o segmento que apresentou, entre 2011 e 2012, maior crescimento em seu faturamento foi o de hotelaria e turismo (97,80%), seguido do setor de limpeza e conservação (44,50%), de informática e eletrônicos (32,50%). O segmento de esporte, saúde, beleza e lazer (onde o setor de cosmético e perfumaria está inserido) apresentou o quarto melhor percentual de crescimento (21,40%), um percentual de crescimento bastante considerável para esse ramo de atividade, atestando a tese de que o setor vem experimentando grande absorção junto às diversas classes sociais da economia brasileira. O ramo de franquias ligado ao setor de vestuário e alimentação (considerados atualmente os propulsores do aumento da taxa de inflação do Brasil) apresentaram o quinto e sexto faturamentos entre 2011 e 2012, com crescimento de 18,50% e 17,60%, respectivamente. Os resultados apresentados no gráfico 2 vêm corroborar com os evidenciados pelo gráfico 1. O número de unidades franqueadas do segmento de hotelaria e turismo apresentou um crescimento de aproximadamente 114,00% entre 2011 e O segundo maior resultado foi evidenciado pelo segmento de informática e eletrônicos (39,00%), seguido do segmento de limpeza e conservação (30,00%). O segmento de vestuário ficou com a quarta colocação em termos de inauguração de novas unidades franqueadas (18,00%). O segmento de esporte, saúde, beleza e lazer e o segmento de veículos ficaram empatados na quinta colocação, ambos com taxa de crescimento de aproximadamente 16,00%. Os percentuais de crescimento dos demais segmentos foram compatíveis com o ranking dos faturamentos apresentados por eles no gráfico 1. Os resultados conjunto apresentados pelos gráficos 1 e 2 mostram que o faturamento dos segmentos de franquias seguiu os percentuais de crescimento de novas unidades instaladas para cada um deles. Nos dois gráficos, a colocação dos segmentos de franquias permaneceu praticamente idêntica ou parecida ao do faturamento. Ou seja, o crescimento no faturamento entre 2011 e 2012 para cada segmento de atividade se deve basicamente ao crescimento no número de novas unidades de franquias instaladas no Brasil. Isto representa mais um indicador de que o setor de franquias vem revelando crescimento real e consistente em seu PIB, em todos os segmentos de atividade.

17 17 Gráfico 1: Distribuição do faturamento do setor de franquias por segmento de atuação entre 2011 e 2012 Acessórios Pessoais e Calçados 2,6 16,4 20,2 18,5 14,8 17,6 10,3 21,4 1,6 Alimentação Educação e Treinamento Esporte, Saúde, Beleza e Lazer Fotos, Gráficas e Sinalização Hotelaria e Turismo 44,5 Informática e Eletrônicos Limpeza e Conservação Móveis, Decoração e Presentes 32,5 97,8 Varejo Veículos Vestuário Fonte: ABF (2013) Gráfico 2: Distribuição do número de unidades de franquias por segmento de atuação entre 2011 e 2012 Acessórios Pessoais e Calçados Alimentação Educação e Treinamento Esporte, Saúde, Beleza e Lazer Fotos, Gráficas e Sinalização 30 Hotelaria e Turismo Informática e Eletrônicos Limpeza e Conservação Móveis, Decoração e Presentes Varejo Veículos Vestuário Fonte: ABF (2013)

18 18 Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (ABIHPEC), entre 2002 e 2012, o PIB do setor de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos apresentou crescimento também acima do PIB brasileiro. O PIB do setor passou de R$9,70 bilhões em 2002 para R$34,00 bilhões em 2012, crescimento médio deflacionado de aproximadamente 10,00% ao ano. De acordo com a ABIHPEC (2013), esses percentuais de crescimento sempre acima do PIB brasileiro foi impulsionado por cinco fatores principais: (i) acesso das classes D e E aos produtos do setor (os integrantes da classe C passaram a consumir produtos com maior valor agregado); (ii) participação crescente da mulher brasileira no mercado de trabalho; (iii) utilização, pelo setor, de tecnologia de ponta e consequente aumento da produtividade; (iv) lançamento constante de novos produtos; e, (v) aumento da expectativa de vida do brasileiro. Outro ponto levantado pela ABIHPEC (2013) como incentivador do aumento do consumo do setor foi o fato de que, entre 2008 e 2012, os preços dos produtos de beleza, perfumaria e higiene pessoal apresentaram crescimento inferior à inflação e ao índice de preço ao consumidor. Enquanto a inflação média para o período (Índice FIPE) foi de 5,40%, o índice de preço do setor de higiene cresceu 4,70% e o do setor de artigos de beleza cresceu apenas 3,50%. No acumulado desses cinco anos, esses índices apresentaram percentuais de 30,20%, 26,10% e 18,70%, respectivamente. Esses são, portanto, os cenários nos quais o segmento de franquias do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos apresentaram suas respectivas atividades no mercado brasileiro ao longo dos últimos dez anos. O cenário econômico tem se mostrado bastante confortável para o setor, o que explica o grande crescimento no número de unidades franqueadas, mesmo em momentos de pequeno crescimento de PIB brasileiro e de expectativa pessimista em alguns setores da economia. A busca, por parte dos micro e pequenos empresários, por setores estáveis e rentáveis, com perspectiva de ganhos no médio e longo prazo e mercado consumidor em expansão, têm tornado bastante atrativo o ramo de franquia no setor de cosmético, perfumaria e higiene pessoal. 1.2 Desempenho Recente da Franquia Mahogany A Mahogany iniciou suas atividades em 1991 e representa atualmente uma das cinco principais franquias do mercado de higiene pessoal, perfumaria e cosmético do Brasil. Criada inicialmente como uma empresa de fornecimento de produtos personal care para o varejo e para lojas de departamento do ramo de perfumaria, foi ganhando pouco a pouco reconhecimento e identificação dos clientes com a marca, tornando-se uma das preferências

19 19 em produtos de beleza destinados às classes A, B, C, D e E, com enfoque reforçado nas duas últimas. Segundo o sítio internet do Anuário Nacional e Internacional de Franquias e de Masterfranquias (Franchisekey, 2013), o processo de iniciação da empresa como franquia começou quando ela ainda estava voltada para o mercado varejista. Vendo a aceitação da marca e a demanda crescente por seus produtos, a Mahogany foi levada a repensar suas metas de mercado consumidor e ampliou sua linha de produção para as lojas multimarcas. Foi nesse período, em meados de 1998, que a empresa programou essas mudanças e experimentou uma alavancagem considerável no seu sistema de produção, que antes se restringia à produção de produtos ligados ao tratamento do cabelo (shampoo, condicionadores, dentre outros) e ao tratamento do corpo (sabonetes, cremes, esfoliantes e desodorantes). Ela passou a incluir em sua linha de produção produtos exclusivos para o público masculino, para o público infantil, para ambientes (casas e apartamentos) e para o mercado de maquiagem. Esse empreendedorismo inicial foi bastante promissor e levou a empresa a dar mais um passo rumo à reformulação da marca como franquia. Em 2002, a Mahogany mudou sua sede do bairro da Lapa, na cidade de São Paulo, para a cidade de Osasco, Estado de São Paulo. A nova sede permitiu a ampliação do parque fabril e do sistema de estocagem da empresa. Estava, portanto, lançado os fundamentos para o patenteamento do savoir faire da marca no mercado de franquia. E foi isso que ocorreu. Em 2006, a empresa foi formatada de acordo com as regras do Business Format Franchising e passou a fazer parte do grupo das cinco maiores franquias do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos, juntamente com as marcas o Boticário, Água de Cheiro, Antídoto Cosméticos e Contém 1g. De acordo com dados do sítio internet da Mahogany, somente em 2006 a empresa já contava com 10 unidades franqueadas instaladas e, em 2011, a marca perfazia o total de 150 unidades franqueadas em 23 estados brasileiros, com produção comercializada exclusivamente em suas lojas. Atualmente, a Mahogany possui 67 linhas de produtos destinados ao tratamento dos cabelos, ao tratamento do corpo, dos cabelos, incluindo linhas exclusivas para o público infantil e masculino. Essas linhas também contemplam produtos para casas e ambientes (difusores de ambientes, aromatizadores e sabonetes líquidos) e também produtos ligados a eventos sazonais (presentes especiais, nécessaires, dia das mães e diversos tipos de embalagens para presentes). A tabela 1 mostra o comparativo entre a Mahogany e as outras quatro maiores franquias do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosmético do Brasil (O Boticário, Água de Cheiro, Antídoto Cosméticos e Contém 1g). Os dados foram obtidos junto ao sítio internet da ABF e de Rodrigues (2010) e analisa especificamente o quadro das instalações de lojas em ambientes de shoppings centers, pois são os ambientes que apresentam maiores custos de implantações para os futuros franqueados. Os resultados da tabela 1 mostram que a marca Mahogany é bastante recente em relação às suas concorrentes (criação em 1991 e adesão ao sistema de franquias quinze anos

20 20 após sua abertura, em 2006). A marca Água de Cheiro foi criada em 1976 e aderiu ao padrão de franquias quatro anos após sua abertura, em O Boticário foi criada em 1977, praticamente no mesmo período da Água de Cheiro, inclusive no mesmo ano em que a marca Água de Cheiro tornou-se franquia. Já as marcas O Antídoto Cosméticos e Contém 1g são mais recentes. A marca Contém 1g iniciou suas atividades em 1984 e aderiu ao ramo de franquia somente em A Antídoto Cosméticos foi a única que iniciou suas atividades no final da década de 90 e já começou como franquia formatada. Segundo Melo e Andreassi (2008), isto se deve basicamente ao fato do sistema de franquias estar consolidado no Brasil e com legislação específica (lei nº de dezembro de 1994). Tabela 1: Dados comparativos das cinco maiores franquias do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos do Brasil. ÁGUA DE CHEIRO ANTÍDOTO CONTÉM 1G MAHOGANY O BOTICÁRIO Ano de criação Ano em que se tornou franquia Investimento Inicial , , , , ,00 (R$) Taxa de franquia (R$) , ,00 - Royalties (%) 8,00% faturamento - Embutido nos custos 38,00% compras 38,00% compras bruto do produto Área Mínima (m 2 ) Prazo de Retorno (meses) Lucratividade (%) 15,00% faturamento bruto Faturamento Mensal Médio (R$) Prazo do Contrato (meses) Fonte: Rodrigues (2010) e ABF (2013) 20,00% a 30,00% faturamento bruto 10,00% a 20,00% faturamento bruto 10,00% faturamento bruto 8,00% a 10,00% faturamento bruto , ,00 Não , ,00 Informado Indeterminado Indeterminado Os investimentos iniciais que as cinco franquias demandam variam entre R$70.500,00 e R$ ,00, sendo a Antídoto Cosméticos a que demanda o menor valor e O Boticário e Contém 1g que demandam R$ ,00 e R$ ,00, respectivamente. A mahogany exige investimento inicial na ordem de R$ ,00. Quanto à taxa de franquia, as marcas Água de Cheiro e Antídoto Cosméticos não cobram essa taxa. As franquias Mahogany e O Boticário demandam R$30.000,00. Já com relação aos royalties, as taxas variam bastante para cada franquia. A Água de Cheiro demanda mensalmente 8,00% do faturamento bruto, enquanto que a Contém 1g embute essa taxa nos custos dos produtos. Já a Mahogany e O Boticário exigem igualmente 38,00% sobre as compras mensais de produtos. A Antidoto Cosméticos é a única que não exige royalties.

21 21 Ainda de acordo com a tabela 1, todas as franquias, com exceção da Antídoto Cosméticos, necessitam de espaço físico variando entre 35m 2 e 45m 2. A Antídoto Cosméticos necessita de apenas 14m 2. O prazo de retorno do investimento são bastante próximo (24 a 36 meses), com lucratividade variando entre 8,00% a 30% do faturamento bruto. A Mahogany possui uma estimativa de lucratividade de aproximadamente 10,00% do faturamento bruto, um valor mais modesto, mas perto da média da lucratividade conjunta das cinco empresas (16,60%). O faturamento mensal médio estimado da Água de Cheiro é de aproximadamente R$75.000,00, seguida das marcas O Boticário (R$70.000,00), Mahogany (R$55.000,00) e Antídoto Cosméticos (R$29.000,00). A marca Contém 1 g não divulgou o seu faturamento médio mensal. Outro ponto importante está no fato das marcas Mahogany e O Boticário preferirem estabelecer contratos de franquia com prazo indeterminado, o que é vantajoso para ambos os lados (franqueador e franqueado), pois o contrato só é rompido se houver insolvência do negócio por parte do franqueado. As marcas Contém 1g e Água de Cheiro costumam estabelecer contratos com validade de aproximadamente 60 meses. A Antídoto Cosméticos possuem contratos de franquias com prazo de vigência de apenas 36 meses. Os dados evidenciados na tabela 1 mostram, de uma maneira sucinta, que a franquia Mahogany possui padrões de negócios semelhantes aos estipulados pelas outras quatro maiores empresas de franquia do ramo de higiene pessoal, perfumaria e cosméticos do Brasil. Isto é verificado também pelos percentuais de lucratividade e pelo prazo de retorno do investimento. Desse modo, o micro e pequeno empresário que queira investir nesse ramo de franquias verificará parâmetros parecidos de comparação, o que recai a escolha sobre qual franquia aderir exclusivamente sobre a identidade do futuro franqueado com a marca. Essa é a meta e proposta da ABF e das legislações ligadas aos sistemas de franquias no Brasil: a padronização do sistema, conduzindo o futuro franqueado a escolher sua franquia exclusivamente pela sua identidade com a marca. Segundo Mahogany (2013) e Rodrigues (2010), os custos totais com a implantação da franquia Mahogany perfaz o valor médio aproximado de R$ ,00. Esses custos estão divididos em nove atividades principais: (i) projeto arquitetônico (R$6.300,00); (ii) mobiliário (R$45.000,00); (iii) obras civis (R$ ,00); (iv) custos pré-operacionais (R$10.000,00); (v) abertura da empresa (R$2.000,00); (vi) aquisição de equipamentos e sistemas (R$10.000,00); (vii) inauguração e divulgação inicial (R$5.000,00); (viii) taxa de franquia (R$30.000,00); e, (ix) aquisição do estoque inicial (R$50.000,00). Esses custos iniciais garantem também assistência técnica na seleção e avaliação do local onde será implantada a nova unidade franqueada, bem como na planificação de instalação de equipamentos, na organização da administração da empresa e na instalação da rede intranet e do software responsável pela contagem e controle do estoque de produtos. Com a taxa de aquisição do estoque inicial, a Mahogany garante aos novos franqueados o suporte inicial referente ao mix de produtos para a montagem da loja. Paralelamente, ela dá

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

FRANCHISING JAIR PASQUALI

FRANCHISING JAIR PASQUALI FRANCHISING JAIR PASQUALI jair.pasquali@marisolsa.com PARTICIPAÇÃO DOS SEGMENTOS DE VAREJO RECEITA TOTAL DO COMÉRCIO VAREJISTA E DE VEÍCULOS Produtos farmacêuticos 5,7% Tecidos e artigos do vestuário 7,5%

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

ACREDITE: VOCÊ PODE SER UM FRANQUEADO MAHOGANY.

ACREDITE: VOCÊ PODE SER UM FRANQUEADO MAHOGANY. FRANQUIAS ACREDITE: VOCÊ PODE SER UM FRANQUEADO MAHOGANY. significado/ Tradução de Mogno - é uma ÁRVORE NOBRE da região amazônica, de raiz profunda, tronco reto e sem falhas. Sob luz intensa, atinge grandes

Leia mais

O MERCADO E PERSPECTIVAS

O MERCADO E PERSPECTIVAS Sell Book O MERCADO E PERSPECTIVAS MERCADO E PERSPECTIVA BRASIL VAREJO FRANQUIAS PIB: projeção de 3% para 2013; Desemprego em baixa (inferior a 6% em 2013); Crescimento do consumo da classe média; Aumento

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que

22/02/2009. Supply Chain Management. É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até os fornecedores originais que Supply Chain Management SUMÁRIO Gestão da Cadeia de Suprimentos (SCM) SCM X Logística Dinâmica Sugestões Definição Cadeia de Suprimentos É a integração dos processos do negócio desde o usuário final até

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

Quem sou eu? Marcelo Salomão Guimarães Casado a 8 anos 1 filha de 7 anos

Quem sou eu? Marcelo Salomão Guimarães Casado a 8 anos 1 filha de 7 anos Quem sou eu? Marcelo Salomão Guimarães Casado a 8 anos 1 filha de 7 anos Diretor de negócios Gigatron Franchising Diretor CTRA Centro Tecnológico da Região de Araçatuba Diretor ABRADI-isp Associação Brasileira

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso.

EMPREENDEDOR. Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. EMPREENDEDOR Aqui está a oportunidade certa para seu sucesso. Introdução O que é a DIVULGGARE A micro franquia DIVULGGARE Como funciona o sistema de micro franquia DIVULGGARE Fórmula para o sucesso Produtos

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade

ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS. 1. Sumário Executivo. Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso. 2. Sumário da Empresa. 2.1 Composição da Sociedade ROTEIRO DO PLANO DE NEGÓCIOS 1. Sumário Executivo Objetivos Missão Fatores-Chave de Sucesso 2. Sumário da Empresa 2.1 Composição da Sociedade Perfil Individual dos sócios, experiência, formação, responsabilidades

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

P R O P O S T A D E FRANQUIA

P R O P O S T A D E FRANQUIA P R O P O S T A D E FRANQUIA Conheça a Depil Out Com base na franca expansão do setor de prestação de serviços e acreditando nas perspectivas cada vez mais promissoras; após estudo minucioso de como seria

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

Plataforma da Informação. Finanças

Plataforma da Informação. Finanças Plataforma da Informação Finanças O que é gestão financeira? A área financeira trata dos assuntos relacionados à administração das finanças das organizações. As finanças correspondem ao conjunto de recursos

Leia mais

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. "Uma arma verdadeiramente competitiva"

Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos. Uma arma verdadeiramente competitiva Logística e a Gestão da Cadeia de Suprimentos "Uma arma verdadeiramente competitiva" Pequeno Histórico No período do pós-guerra até a década de 70, num mercado em franca expansão, as empresas se voltaram

Leia mais

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS

II SIMPÓSIO DE PESQUISA E DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS 2014 ANAIS BUSINESS GAME UGB VERSÃO 2 Luís Cláudio Duarte Graduação em Administração de Empresas APRESENTAÇÃO (DADOS DE IDENTIFICAÇÃO) O Business Game do Centro Universitário Geraldo Di Biase (BG_UGB) é um jogo virtual

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

Questionário de entrevista com o Franqueador

Questionário de entrevista com o Franqueador Questionário de entrevista com o Franqueador O objetivo deste questionário é ajudar o empreendedor a elucidar questões sobre o Franqueador, seus planos de crescimento e as diretrizes para uma parceria

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos

Capítulo 2. Logística e Cadeia de Suprimentos Capítulo 2 Logística e Cadeia de Suprimentos Prof. Glauber Santos glauber@justocantins.com.br 1 Capítulo 2 - Logística e Cadeia de Suprimentos Papel primordial da Logística na organização Gestão da Produção

Leia mais

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual

Evolução da Disciplina. Logística Empresarial. Aula 1. O Papel dos Sistemas Logísticos. Contextualização. O Mundo Atual Logística Empresarial Evolução da Disciplina Aula 1 Aula 1 O papel da Logística empresarial Aula 2 A flexibilidade e a Resposta Rápida (RR) Operadores logísticos: conceitos e funções Aula 3 Prof. Me. John

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS

GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS GUIA DE ELABORAÇÃO DE PLANO DE NEGÓCIOS Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. PLANO DE NEGÓCIOS:... 2 2.1 RESUMO EXECUTIVO... 3 2.2 O PRODUTO/SERVIÇO... 3 2.3 O MERCADO... 3 2.4 CAPACIDADE EMPRESARIAL... 4 2.5

Leia mais

ARTIGO Análise dos critérios e percentuais adotados na cobrança de taxas de royalties e propaganda no setor de franquias 1. Maria Teresa Somma 2

ARTIGO Análise dos critérios e percentuais adotados na cobrança de taxas de royalties e propaganda no setor de franquias 1. Maria Teresa Somma 2 ARTIGO Análise dos critérios e percentuais adotados na cobrança de taxas de royalties e propaganda no setor de franquias 1 Maria Teresa Somma 2 O sistema de franchising tem crescido muito nos últimos anos

Leia mais

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA

GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA GERENCIANDO INCERTEZAS NO PLANEJAMENTO LOGÍSTICO: O PAPEL DO ESTOQUE DE SEGURANÇA Eduardo Saggioro Garcia Leonardo Salgado Lacerda Rodrigo Arozo Benício Erros de previsão de demanda, atrasos no ressuprimento

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE NEGÓCIOS O plano de negócios deverá conter: 1. Resumo Executivo 2. O Produto/Serviço 3. O Mercado 4. Capacidade Empresarial 5. Estratégia de Negócio 6. Plano de marketing

Leia mais

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center

Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center Nós nos responsabilizamos pelo processo de procura, estudo de viabilidade e planejamento do ponto em shopping center O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua

Leia mais

Paulo Gadas JUNHO-14 1

Paulo Gadas JUNHO-14 1 Paulo Gadas JUNHO-14 1 Cadeia de Suprimentos Fornecedor Fabricante Distribuidor Loja Paulo Gadas JUNHO-14 2 Exemplo de cadeia de suprimentos Fornecedores de matériaprima Indústria principal Varejistas

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

Visão estratégica para compras

Visão estratégica para compras Visão estratégica para compras FogStock?Thinkstock 40 KPMG Business Magazine Mudanças de cenário exigem reposicionamento do setor de suprimentos O perfil do departamento de suprimentos das empresas não

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE

CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE CHÃO DE FÁBRICA A PRODUÇÃO COMPETITIVA CONFIRA UMA BREVE DESCRIÇÃO DAS VANTAGENS COMPETITIVAS OBTIDAS A PARTIR DE CADA META COMPETITIVA VANTAGEM DA QUALIDADE Foco principal das empresas que competem com

Leia mais

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO

LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO LOGÍSTICA EMENTAS DO CURSO 1º P TÉCNICAS DE COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA Técnicas de leitura, interpretação e produção de textos, expressão oral e apresentação de trabalhos acadêmicos, argumentação científica.

Leia mais

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

PARTE IV Consolidação do Profissional como Consultor. Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc. FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Técnicas de Consultoria Prof. Fabio Costa Ferrer, M.Sc.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos

5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5 Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 5.1 Conceitos e definições do supply chain management O conceito ou definição do SCM é algo recente na literatura especializada, datado mais precisamente da metade

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1

Introdução e Planejamento Cap. 1 BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@fae.br L

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL

ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS: UM PLANEJAMENTO INDISPENSÁVEL DUMAS, Ana Carolina¹ Guirado CALDAMONE,Camila¹ Guerino FRANCO, Nathália¹ Ribeiro; Acadêmicos do curso de Administração da Faculdade de Ciências

Leia mais

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com

Estoque e Logística. Henrique Montserrat Fernandez www.henriquemf.com Estoque é capital investido, com liquidez duvidosa e altos custos de manutenção. Por isso, quanto menor for o investimento em estoque, melhor. Para as empresas, o ideal seria efetuar as aquisições de estoques

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM

FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM FUND DE SI SISTEMAS INTEGRADOS ERP SCM CRM 5/5/2013 1 ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING 5/5/2013 2 1 Os SI nas organizações 5/5/2013 3 Histórico Os Softwares de SI surgiram nos anos 60 para controlar estoque

Leia mais

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos

Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Aspectos Fundamentais da Gestão de Estoques na Cadeia de Suprimentos Peter Wanke Introdução Este texto é o primeiro de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014

SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 GCV GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO SYMM CONSULTORIA TAILAN OLIVEIRA 2014 ABORDAGEM 1. O GESTÃO COMERCIAL PARA VAREJO 2. DIFICULDADE E DORES ATUAIS 3. COMO RESOLVER COM GCV 4. COMO GERIR FRANQUIA COM O GCV

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES.

CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 417 CONTABILIDADE SOCIAL: O BALANÇO SOCIAL EVIDENCIANDO A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS ORGANIZAÇÕES. Alice da Silva

Leia mais

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS

MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS ISSN 1984-9354 MRP COMO SISTEMA PROPULSOR DE MELHORIAS NA ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Jamile Pereira Cunha Rodrigues (UESC) Resumo Diante do atual cenário competitivo empresarial, as empresas estão buscando

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Sistema de Administração da Produção

Sistema de Administração da Produção Sistema de Administração da Produção (Extraído do livro Planejamento, Programação e Controle da Produção Enrique Correa e Irineu Gianesi e Mauro Caon Ed Atlas, 2001) 1. Definição São sistemas de Informação

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio

Capítulo 12. Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente. Acadêmica: Talita Pires Inácio Capítulo 12 Dimensão 7: Aprendizado com o Ambiente Acadêmica: Talita Pires Inácio Empresa ABC Crescimento atribuído a aquisições de empresas de menor porte; Esforços de alianças estratégicas e joint-ventures

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS

ELEMENTOS DO PLANO DE NEGÓCIOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ - CAMPUS DE PARNAÍBA CURSO: Técnico em Informática DISCIPLINA: Empreendedorismo PROFESSORA: CAROLINE PINTO GUEDES FERREIRA ELEMENTOS DO PLANO

Leia mais

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo?

30/09/2010. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves. Como surgiu o termo? Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor em Engenhariade Produção PPGEP/UFSCar 2005 Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Consultor

Leia mais

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia

O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia O custeio ABC e sua utilização para estudar o preço de venda de produtos em uma empresa alimentícia e outra de bem durável na cidade de Uberlândia Elaine Gomes Assis (UNIMINAS) elainega@uniminas.br Luciane

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA DE MARKETING PARA GESTORES DE NEGÓCIO Mariana Ferreira Soares, Priscila Petrusca Messias Gomes Silva e Marcos Alexandre de Melo Barros. Faculdade Senac de Pernambuco. E-mail:

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras?

Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Operadores Logísticos : uma tendência nos sistemas de distribuição das empresas brasileiras? Introdução O Contexto econômico do mundo globalizado vem sinalizando para as empresas que suas estratégias de

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO 1 BUSINESS GAME UGB Eduardo de Oliveira Ormond Especialista em Gestão Empresarial Flávio Pires Especialista em Gerencia Avançada de Projetos Luís Cláudio Duarte Especialista em Estratégias de Gestão Marcelo

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS

SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS 1 SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS John F. Eichstaedt, Toni Édio Degenhardt Professora: Eliana V. Jaeger RESUMO: Este artigo mostra o que é um SIG (Sistema de Informação gerencial) em uma aplicação prática

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Apresentação ao Shopping

Apresentação ao Shopping Apresentação ao Shopping O GrupoM8 utiliza o formato Norte-americano na administração e comercialização de sua rede de franquias Você Sabia? Há trinta anos os Estados Unidos adotaram um modelo inovador

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO*

ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* ERP & BI ENTENTENDO A BUSCA CONSTANTE DAS EMPRESAS POR UM SISTEMA QUE FORNEÇA INFORMAÇÕES CONFIÁVEIS PARA TOMADA DE DECISÃO* RESUMO Marilia Costa Machado - UEMG - Unidade Carangola Graciano Leal dos Santos

Leia mais

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

SUPPLY CHAIN MANAGEMENT MBA EM GERÊNCIA DE SISTEMAS LOGÍSTICOS SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Eduardo Pécora, Ph.D. Reflexão: Como chegar lá? Desenvolvimento Pessoal Rertorno Financeiro Título? Maior eficiência e eficácia? Avaliação

Leia mais

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos

Lean e a Gestão Integrada da Cadeia de Suprimentos JOGO DA CERVEJA Experimento e 2: Abordagem gerencial hierárquica e centralizada Planejamento Integrado de todos os Estágios de Produção e Distribuição Motivação para um novo Experimento Atender à demanda

Leia mais

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston

ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston ADM 250 capítulo 11 - Slack, Chambers e Johnston 1 Planejamento e Controle Recursos de entrada a serem transformados Materiais Informação Consumidores AMBIENTE ESTRATÉGIA DE OPERAÇÕES OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Informações Financeiras. Sistema de Franquias

Informações Financeiras. Sistema de Franquias Informações Financeiras Sistema de Franquias Sistema de Franquias Somos uma loja que nasceu em Porto Alegre, somos especialista em moda masculina, e, em satisfazer e encantar os clientes. Com nosso sistema

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Informações sobre a disciplina: Professor: Eng. Carlos Bernardo Gouvêa Pereira Site: www.carlosbernardo.com Email: prof_carlospereira@camporeal.edu.br

Leia mais