2 O ensino dos conceitos do MRP e as vivências empresarias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 O ensino dos conceitos do MRP e as vivências empresarias"

Transcrição

1 ISSN ATIVIDADE DIDÁTICA DE ARTICULAÇÃO DINÂMICA DE APRENDIZAGENS: A FÁBRICA DE BLOCOS DE ANOTAÇÕES Cristiano Henrique Antonelli Da Veiga, Mônica Huppes (Universidade Federal de Santa Maria) Resumo: Este artigo tem como objetivo mostrar os resultados observados em uma atividade didática desenvolvida dinamicamente com vistas à tomada de consciência das aprendizagens ocorridas em aula do conteúdo de produção. A dinâmica consistiu na reorganização da sala de aula tradicional em sala ambiente que representava o setor produtivo de uma fábrica de blocos de anotações. O primeiro momento da aula consistia na produção de apenas um tipo de produto e no segundo foi realizada a inserção de um novo modelo de produto que exigiu uma nova reorganização do processo produtivo como um todo. Ao final dessas duas etapas, oportunizou-se que os estudantes realizassem a exposição de suas dúvidas quanto às atividades executadas e as relações com as teorias anteriormente estudadas. Desta forma, a dinâmica permitiu identificar pontos relevantes, sob a ótica do aluno, a serem considerados com maior ênfase durante o planejamento e desenvolvimento destes produtos, além de proporcionar um estudo amplo e abrangente, uma vez que, por meio das dinâmicas realizadas, a teoria pode ser complementada com a prática em aula. Palavras-chaves: Ensino de Administração da Produção; Planejamento e Controle da Produção; Processos Industriais; MRP 4

2 1 Introdução Para muitas organizações empresariais o uso do MRP ainda é uma das ferramentas utilizadas para o gerenciamento da produção nas fábricas em vários países, sendo esse tema ainda considerado relevante para os seus gestores (SLACK; LEWIS; BATES, 2004). Assim, o seu estudo ainda tem um escopo de aplicação e o desenvolvimento de seus conceitos e sistemáticas de cálculos para melhorar o desempenho das organizações que utilizam-se dessa sistemática de organização da produção (LOULY; DOLGUI, 2011), o que ratifica a necessidade de seu estudo na fase de formação dos estudantes nos cursos de Administração. O estudo desenvolvido estruturou uma dinâmica de estudos cujas situações didáticas buscam aproximar os conteúdos curriculares de MRP e das ações do PCP à sua utilização em uma situação simulada em aula. Essa estratégia educacional busca aproximar as realidades empresarias com as didáticas visando habilitar os estudantes a lidar, educacionalmente, com situações que possivelmente encontrarão nas empresas que se utilizam desta sistemática de organização da produção. O objetivo central deste estudo foi investigar a sistematização dos conceitos de MRP por meio de uma atividade didática de articulação dinâmica de aprendizagens estruturada e organizada pelo docente e realizada pelos estudantes, sendo o professor o cliente e o fornecedor de matéria-primas compradas. Este artigo está organizado da seguinte forma: após a introdução se estabelece um breve marco teórico ao estudo, com ênfase nas abordagens sobre o MRP e sobre a teoria da atividade. Na sequencia, é descrito o caminho metodológico percorrido na realização do estudo e após se apresentam a estrutura da atividade e discutem-se os resultados sob a ótica dos estudantes. No fechamento, são estabelecidas as considerações finais e os referenciais utilizados. 2 O ensino dos conceitos do MRP e as vivências empresarias O ensino dos conceitos da área de operações encontra-se focado para a compreensão da estrutura produtiva de uma organização empresarial cujas atribuições são de responsabilidade do profissional da área da produção. Com foco para o desenvolvimento deste perfil de egresso, as Instituições de Ensino Superior IES inserem em seus currículos, por meio dos componentes curriculares estabelecidos nos Projetos Pedagógicos de Cursos PPC, conteúdos programáticos para a área de Produção. 5

3 Nas IES são utilizados recursos pedagógicos e científicos desenvolvidos pela comunidade acadêmica da área como meios e referendos do conteúdo abordado nesse campo temático, e contratam docentes com qualificação, experiência e conhecimentos. Elas contratam docentes com qualificação, experiência e conhecimentos nesse campo, mas eles nem sempre contam com uma formação pedagógica que lhes permitiu conhecer a produção acadêmica sobre o ensino de graduação em administração (KREUZBERG; RAUSCH, 2013). Isso situa a importância de desenvolver estudos sobre as formas como tal ensino vem sendo planejado e desenvolvido em aulas, no que concerna, neste caso, a área da Produção (VEIGA; ZANON, 2013). Para os casos dos projetos pedagógicos dos cursos de Bacharelado em Administração o conteúdo programático de MRP encontra-se definido como tópico de ensino das principais universidades brasileiras (PEINADO; GRAEML, 2012). Embora as universidades façam deste conhecimento um tópico de ensino, observa-se que o desenvolvimento da pesquisa inerentes ao MRP não é mais um dos principais tópicos de estudos acadêmicos, mesmo que ele seja relevante para a área empresarial (ROMAN; MARCHI; ERDMANN, 2013). Nesta perspectiva, o conteúdo de Planejamento das Necessidades de Materiais ou MRP, é ensinado didaticamente como uma técnica de cálculo que permite estabelecer as quantidades de compras de materiais ou a produção de itens necessários para a fabricação de um ou vários produtos manufaturados por uma fábrica. Martins e Alt (2006, p ) comentam que esse cálculo é baseado na lista de materiais (Bill of material), obtida por meio da estrutura analítica do produto, também conhecida por árvore do produto ou explosão do produto, e em função de uma demanda dada. Krajewski et al. (2009) argumentam que depois de definidas as quantidades que serão necessárias para a manufatura do produto, parte-se para a liberação das ordens de fabricação ou de compras. Nesse momento é levado em consideração o tempo de atendimento de cada item. Com o avanço do estudo dos processos industriais, foi desenvolvido o Manufacturing Resouse Planning MRP II, o qual possibilitou o gerenciamento dos recursos utilizados para a manufatura (TUBINO, 2008). Para Slack et al. (2002) o gerenciamento eficiente dos processos se inicia pela coleta de dados que servem de base para aplicativos informatizados denominados de Enterprise Resource Plan ERP os quais tiveram sua evolução a partir dos conceitos de MRP e MRP II, desenvolvidos desde a década de O MRP e MRP II foram os precursores dos sistemas produtivos, sendo que nos anos de 1980 foram desenvolvidas 6

4 formas diferentes de se gerenciar a produção, como o sistema Kanban e a manufatura enxuta, que não serão tratados nesse artigo. De uma maneira geral, os desdobramentos operacionais do MRP ocorrem, no ambiente fabril, por meio da atuação do setor de Planejamento e Controle da Produção (RUSSOMANO, 1995). Os profissionais que trabalham nesse setor são os responsáveis por verificar o Plano Mestre de Operações identificando os recursos que serão necessários para as ações de manufatura, a existência de possíveis gargalos e realizar a programação da produção, emitindo e distribuindo as ordens de compras, de fabricação e de montagem, a fim de possibilitar a confecção do produto final. Para que isso ocorra, faz-se necessário um acompanhamento permanente, no chamado chão de fábrica, para monitorar como estão sendo desenvolvidas as etapas produtivas e para verificar se tudo está ocorrendo de acordo com o planejado e, caso sejam verificadas lacunas, propor medidas corretivas para a sua solução. Partindo-se para uma perspectiva do cotidiano das organizações brasileiras, no que concerne à área de produção, verificou-se uma grande amplitude dos cenários da organização em relação aos seus processos manufatureiros. No que concerne acerca das operações industriais com o uso do MRP, verifica-se no trabalho de Martins (2007) que algumas empresas ainda utilizam-se do sistema de MRP para o gerenciamento de sua produção. Uma dessas empresas é grande produtora mundial de componentes automotivos e o estudo mostra o desenvolvimento trimestral do Plano Mestre de Operações, editado diretamente no ERP corporativo, incluindo todos os modelos a fim de satisfazer o plano de vendas estabelecido e contemplando um horizonte de planejamento de seis meses e com atualização semanal, quando são geradas as ordens de produção para as células de manufatura. A outra empresa também é considerada de grande porte e produz aparelhos de refrigeração. O horizonte de seu planejamento é de doze meses e com atualizações semanais. Com o plano mestre ajustado, o setor de Planejamento e Controle da Produção é o responsável por desenvolver o plano semanal de produção, gerado por meio do cálculo de MRP, realizando o seu gerenciamento no chão de fábrica. Observa-se que além das questões técnicas referentes aos processos de cálculos do MRP, é necessário que haja também a qualidade do processo das relações humanas que se propicia o desenvolvimento dos processos empresariais. Bem assim, no contexto da fábrica, conforme Tubino (2008), as pessoas que labutam no setor de Planejamento e Controle da Produção - PCP são as responsáveis pela condução dessas interações e pela execução das funções de manufatura. Ao analisar a produção sob essa perspectiva verifica-se a importância 7

5 do papel do administrador da produção para que o desempenho operacional seja atingido de acordo com os objetivos estabelecidos. Fröner (2013, p.82) manifesta que a relação humana no contexto do processo produtivo depende do que os humanos oferecem (como inputs) para esta relação e, ainda, de como tal relacionamento é sentido pelos atores da interação (como outputs). Diante do exposto, considera-se importante que os estudantes egressos dos Cursos de Administração tenham condições não somente de internalizar a perspectiva das estratégias e técnicas de cálculos dos processos, mas também compreendam a lógica operacional e as relações pessoais envolvidas durante a execução destas operações industriais. 3 A influência das didáticas de ensino para a aprendizagem do estudante A articulação dinâmica do ensino conteúdo e dos conceitos teóricos didaticamente estudados com as situações-problema da realidade empresarial possibilita, aos estudantes, outros subsídios conceituais para que eles possam desenvolver os aprendizados das questões objetivas dos conteúdos. A realização de atividades pedagógicas cuja ênfase esteja direcionada para o processo de aprendizagem dos estudantes, altera o papel predominante do professor universitário que deixa de ser o de ensinar, e passa a ser o de ajudar o aluno a aprender (GIL, 2007, p.7). De acordo com Gagné (1983) o aprendizado pode ocorrer em vários meios e das formas mais diversas, seja ele no meio educacional ou não. A organização didática do ensino formal, cujo foco esteja centrado para o aprendizado do estudante, necessita ser planejada para as compreensões das relações existentes entre os estudos acadêmicos e as suas possibilidades de ações sobre as inúmeras possibilidades de situções problemas do mundo profissional, mesmo que por meio de uma prática pedagógica (LACRUZ, 2004). O uso de atividades simuladas para o ensino de administração tem por finalidade substituir o estilo de ensino linear e fragmentado das partes do conteúdo para um contexto que possibilite o conhecimento em sua globalidade, buscando vivenciar alguns acontecimentos que ocorrem com fatos da vida em uma dinamicidade, mesmo que limitadas pelo espaço escolar (FORTES, et al., 2010). Conhecer e praticar o papel ativo da aquisição de conhecimento é buscar respeitar a leitura de mundo que os estudantes apresentam como ponto de partida para a compreensão de novos saberes alinhando a novos conceitos elaborados no meio acadêmico tornando-se, de modo especial, um dos impulsos fundamentais da produção do conhecimento e é um tópico 8

6 importante para os docentes realizarem o planejamento e execução de aulas (VALENTE et al., 2007). O espaço grupal da sala de aula é oferecido como alternativa de favorecimentos de movimentos de re-significação, movimentos nos quais o sujeito adulto transfere as suas vivências, se apropria de novas informações, novos conhecimentos sobre outras realidades sociais e constrói, com isso, a possibilidade da crítica de produção de novos sentidos e saberes. De Aquino (2007) comenta que a aprendizagem de adultos é mais eficaz sempre que o objetivo proposto fosse mais direta e profundamente vivenciado do que quando ele fosse simplesmente recebido de forma passiva. Rogers (2011, p.52) comenta que ao se aproximar o aprendizado com o mundo real, mais aceitável ele será e, portanto, mais rápida e eficiente os seus alunos aprenderão. O contrário também é verdadeiro. Na visão de Gil (2007, p. 80) a aprendizagem com foco educacional pode ser definido como o processo de aquisição de conhecimentos, desenvolvimento de habilidades e mudança de atitudes em decorrência de experiências educativas, tais como aulas, leituras, discussões, pesquisas etc.. No processo de aprendizagem, segundo Rogers (2011, p.59), ao se centrar o ensino na estratégia de memória de curto prazo pode-se apresentar desempenhos insatisfatórios de aprendizagem no longo prazo, isso significa que apenas dar aulas expositivas e fazer demonstrações são métodos ineficientes para se usar com adultos. Observa-se que as abordagens educacionais até aqui elencadas focam sua visão no viés cognitivo de aprendizagem. De acordo com o tipo de visão e compreensões teóricas que se desenvolve e se analisa as questões de aprendizagem é que se possibilitam as respectivas compreensões da natureza dos processos de aprendizado e as unidades para sua análise. Engeström (1999) comenta que adotar a visão clássica do modelo triádico de repesentações das ações educativas (sujeito, conteúdo e artefatos falados e escritos) oportuniza um momento de reflexão conceitual dos temas abordados sem, no entanto, oportunizar uma ação colaborativa dessas relações. Essa relação triádica é importante para o processo inicial do desenvolvimento educativo e cognitivo humano, mas para que se expanda para uma ação colaborativa entre os sujeitos ela necessita incorporar outros elementos como as regras existentes, as relações sociais envolvidas e o processo de divisão do trabalho. Para Schön (2000), o aprendizado também ocorre por meio da ação prática-reflexiva, principalmente para aquelas áreas do conhecimento em que se exige o desenvolvimento de habilidades técnicas dos profissionais. O saber profissional - por exemplo, como pensar como um administrador - pode ocorrer quando os estudantes aprendem cognitivamente as questões 9

7 da área e quando são estimulados a raciocinarem sobre as suas problemáticas, buscando identificar e refletir, baseado em uma atividade prática pedagógica, sobre as conexões do conhecimento de uma forma geral com os casos em particular. A aprendizagem ativa do estudante desloca o princípio educativo centrado no docente para as ações do educando, que passa a ser o centro do processo de ação e aprendizagem, diferentemente do ensino tradicional centrado na exposição oral do docente (SAUIA, 1995). Nesse sentido, cabe alertar para os riscos tanto de um quanto outro desses dois extremos, ou seja, tanto o professor quanto os estudantes necessitam ser ativos em cada momento de uma aula. Ações educativas que propiciam grande ênfase ao papel ativo do estudante no processo de aprendizado não exime também o papel ativo do docente e do meio social na construção e reconstrução de significados dos conceitos científicos abordados (MALDANER, 2003). O processo de prática docente centrada na organização de momentos de reflexão conjunta em grupos e pessoal sobre o processo que se está vivenciando é uma das concepções de interação dos estudantes com os conhecimentos, que vão sendo significados e resignificados ao longo do processo (COPELLO et al., 2008). Outro viés pedagógico encontra-se orientado a luz da teoria da atividade de aprendizagem que se baseia em três princípios fundamentais: I) aproximação da atividade para a psique focada no desenvolvimento humano para a vida; II) ação como unidade de análise da aprendizagem, cujo foco encontra-se na análise do processo de acordo com o fenômeno específico que se analisa; e III) natureza social do desenvolvimento psíquico do homem, não somente pelo desdobramento interno das heranças da vida humana, mas também pela assimilação da experiência externa, social, que existem nos meios de produção, nos livros, no idioma, entre outros (TALIZINA, 2000, p.11-20). Nessa perspectiva, o aprendizado acadêmico dos conceitos científicos, em particular os relacionados à área de Administração da Produção, tem a finalidade de propiciar ao estudante do Curso de Administração além do conhecimento cognitivo dos aspectos do conteúdo, a assimilação da experiência social das questões empresariais relacionadas ao mundo da manufatura, no qual os egressos poderão se encontrar em suas carreiras profissionais. A organização didática que oportunize uma variedade de atividades educacionais sejam elas intelectuais, manuais, visuais, sociais e políticas, tanto de forma individuais como de forma colaborativa que propiciem melhorias no ensino focado para a aprendizagem da manufatura. A articulação de forma alternada de diferentes saberes, seja nos aspectos 10

8 conceituais, cotidiano e didáticos, vem potencializar o desenvolvimento do conhecimento humano, no que se refere às habilidades cognitivas, afetivas e sociais (LÉGE et al. 2012) por meio de ações emotivo-volitivas das suas inter-relações entre o mundo científico com o mundo do cotidiano empresarial. Conforme salientam Zanon e Maldaner (2010, p ), desenvolver, na prática, o ensino capaz de propiciar tais inter-relações dinâmicas de saberes, mediante formas de contextualização dos conteúdos de ensino é uma tarefa da qual o professor não pode abdicar. Essa tarefa não pode ser delegada ao ensino centrado exclusivamente no estudante, nem partir para o outro extremo, ou seja, na ação unívoca docente em aula. Sua responsabilidade, muitas vezes nada fácil, é a de mediar o acesso dos estudantes às linguagens científicas de uma determinada área do conhecimento humano, por meio de ações pedagógicas diversificadas criteriosamente definidas cujo intuito seja propiciar aos estudantes a internalização dos significados conceituais e cotidianos dos conteúdos abordados. 4 Caminho metodológico A pesquisa emprega o estudo exploratório por meio da Pesquisa-Ação proposta por Thiollent (2003) cuja estratégia investigativa tem foco em uma proposta planejada, que requer a participação ativa dos atores e que seus resultados, conforme Morin (2004) podem ser caracterizados pela forma diferente de criação de saberes, em que as relações entre os agentes participantes e o pesquisador são constantes e interativas. Uma pesquisa dessa natureza passa a ser uma investigação educativa quando o que se pesquisa está relacionado com as práticas pedagógicas de um determinado conteúdo de ensino. Stenhouse (1993) argumenta que esse método de pesquisa é um meio em que o professor pode formular suas compreensões e proposições teóricas sobre um determinado tema educativo e que esse venha a comprovar ou refutar, em suas aulas, as implicações de suas propostas. De acordo com Carr e Kemmis (1988), esse método apresenta um caráter geral de analise em forma de espiral auto reflexiva formada por ciclos sucessivos de quatro etapas denominadas de planejamento, ação, observação e reflexão. Na fase de planejamento, este estudo teve como objetivo central o desenvolvimento de uma dinâmica educacional que possibilitasse, aos estudantes, uma oportunidade de aplicar os conceitos teóricos do funcionamento do setor de PCP e da metodologia de cálculo de MRP, 11

9 por meio da participação em uma empresa hipotética cujo processo produtivo fosse realizado no âmbito da sala de aula tradicional, a qual passa a ser caracterizada como sala ambiente. Como questões educacionais, o estudo articula a necessidade de desenvolvimento, por parte dos grupos de estudantes, de uma estratégia empresarial que lhes propicie condições de entendimento dinâmico das questões relacionadas ao conteúdo do MRP, bem como das ações de elaboração das Ordens de Fabricação, dos desdobramentos operacionais com vistas a fabricação dos produtos, dos controles de fábrica, do fluxo das informações sendo considerado finalizado o ciclo pela entrega do produto final aos clientes. Esta pesquisa se caracteriza, também, como exploratória (VERGARA, 2009) por meio do uso estruturado de uma dinâmica desenvolvida com base nos conteúdos programáticos do componente curricular em questão. A população de referência constitui-se de duas turmas de estudantes matriculados na disciplina de Produção, Materiais e Logística II do Curso de Administração da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Centro de Educação Superior Norte do Rio Grande do Sul CESNORS, campus de Palmeira das Missões, RS, cujas aulas ocorrem no primeiro semestre letivo de 2013, sendo que no mês de abril foi realizada com a turma do turno noturno, considerada como pré-teste, e após análise dos seus dados e melhorias foi desenvolvida em maio para a turma do diurno. De acordo com Gil (1999), os sujeitos da pesquisa podem ser caracterizados como de amostragem não probabilística aliada à questão de acessibilidade, nesse caso estudantes matriculados no campus, no curso e no componente curricular em questão. 5 Descrição das atividades da articulação dinâmica de aprendizagens A dinâmica consistiu na reorganização da sala de aula tradicional para uma sala ambiente cujo layout oportuniza a realização da simulação das atividades produtivas de uma empresa produtora de dois tipos de blocos de anotações. A estratificação da atividade também ocorreu em dois momentos principais, sendo o primeiro organizado pelo docente antes do início da aula com o uso de um produto e tendo como ponto de ruptura a inserção de um segundo produto, isto é, numa primeira parte da dinâmica simulou-se a atividade produtiva com o produto um e numa segunda etapa a simulação continha os dois produtos. A primeira etapa, cuja ação era a elaboração do produto um, consistiu das atividades produtivas nas seguintes etapas: I) um aluno (A) por setor: apenas um aluno por setor de fabriação para dar início à elaboração das atividades produtivas. Vamos denominar este aluno 12

10 como 'A', para fins de maior clareza e facilidade na compreensão deste artigo; II) dois alunos (A e B) por setor: esta subetapa caracterizava-se pela instrução do segundo aluno inserido na atividade do setor sendo que este será denominado de aluno 'B', ou seja, o aluno A deveria instruir/ensinar o aluno B quanto à abrangência de todas as atividades exercidas naquele setor. Vale ressaltar que antes dessa etapa os alunos B não estavam inseridos na produção, mas sim estavam fazendo suas observações e anotações sobre o desempenho das atividades desenvolvidas; III) um aluno (B) por setor: nesta o aluno B já deveria estar instruído quanto a sua função no setor e o aluno A deveria passar para outro setor, a fim de proporcionar uma visão mais clara de como funcionam as atividades em todos os setores e como estes se interrelacionam. A segunda etapa da dinâmica constava da inserção de um novo produto, aqui denominado como produto dois, cujas características técnicas exigiam um controle de qualidade maior no que tange o acabamento da parte frontal (capa) do bloco de anotações com a inserção de um novo processo de fabricação. A cada nova etapa ou subetapa da dinâmica, ocorria uma pausa para reflexão e exposição das observações e das dúvidas oriundas dos estudantes. Vencidas as dúvidas da didática, os estudantes focaram-se para as atividades produtivas concentrando esforços no conhecimento sistemático, isto é, nas teorias dos livros e materiais complementares fornecidos pelo professor. 6 Descrição dos Produtos Este tópico consta da caracterização e diferenciação dos dois produtos fabricados na dinâmica, sendo que denominaremos estes como 'Produto Um' e 'Produto Dois', para fins de melhor compreensão e facilidade de redação. 6.1 Produto Um Caracterizava-se pela elaboração de um Bloco de Anotações que apresenta em sua estrutura uma capa e contracapa e quatro páginas internas, todas grampeadas umas nas outras. Dessa forma, a seguir, é descrita, genericamente, a composição e os processos relacionados ao chamado produto um. 13

11 Capa (parte frontal) e contracapa: estas eram confeccionadas a partir de uma folha de papel do tipo A4 de cor verde, sendo que passava pelos setores de fabricação: corte, dobra, pintura, pré-montagem, montagem final e expedição. Cada folha de papel A4 de cor verde, após passar pelo setor de corte, dava origem a quatro partes iguais de 25% cada uma; posteriormente este material era dirigido para o setor de dobra, no qual era realizada uma dobra no centro da folha, originando quatro capas e contracapas. Dessa forma, é importante ressaltar que cada folha A4 de cor verde era dividida em quatro partes e dava origem a duas capas e duas contacapas. Após o setor de dobra, a folha já cortada e dobrada ao centro, era encaminhda ao setor de pintura, no qual, era carimbada uma marca na capa do Produto Um. Duas folhas internas: estas eram confeccionadas a partir de uma folha de papel A4 de cor branca, sendo que esta passava pelos setores de corte, dobra, pré-montagem, montagem final e expedição. Cada folha de papel A4 de cor branca, após passar pelo setor de corte, também dava origem a quatro partes iguais que posteriormente passariam pelo setor de dobra, no qual, ao serem dobradas ao meio transformavam-se, cada parte, em duas folhas internas. Sendo assim é importante ressaltar que eram necessárias duas folhas de ofício A4 de cor branca para que essas se transformassem em oito folhas internas. Estas partes, cortadas e dobradas, seguiam para a pré-montagem, não passando pelo setor de pintura, uma vez que não possuiam nenhum tipo de marcação. Daí seguia para o setor de pré-montagem, no qual as partes (capa e contracapa e folhas internas) eram agrupadas formando um produto pré-acabado. 6.2 Produto Dois O produto dois era composto pelas mesmas partes internas do produto um, apresentando alteração apenas na forma de impressão da capa, que exigia que o processo fosse diferenciado apenas no setor de pintura. Com esta alteração, o produto dois apresentava melhoria de qualidade, em comparação com o produto um, uma vez que a marcação era impressa e não mais carimbada. Assim, o processo de produção da capa do produto dois não passava pelo setor de pintura e sim pelo novo setor de impressão e em seguida ia para o corte, posteriormente para a dobra, dirigindo-se ao setor de pré-montagem. 14

12 7 Os Setores e Suas Funções A seguir são apresentados os setores vistos, de acordo com a produção em estudo, sendo que as siglas utilizadas pelo setor de programação e controle da produção P.C.P. para emissão das ordens e para o cálculo do MRP. A seguir são descritas as atividades realizadas em cada um dos setores: - P.C.P. cálculo de MRP: neste setor realizavam-se os cálculos de previsão de produção, com o Lead Time de uma semana. Este setor, além de realizar os cálculos, encaminhava ordens de fabricação e de montagem da produção dos Blocos de Anotações; - P.C.P. Ordem de Fabricação (OF): este setor foi o responsável por receber as quantidades de fabricação oriundas do setor P.C.P. cálculo de M.R.P. e emitir as OFs das partes do produto (Bloco de Anotações) e as encaminhar aos respectivos setores que eram: corte, dobra, pintura e impressão. O setor de Corte recebia duas ordens de fabricação que eram do corte das capas (folha de ofício A4 de cor verde) e outra das folhas internas (folha de ofício A4 de cor branca); - P.C.P. Ordem de Montagem (OM): aqui se confeccionavam as ordens de montagem dos Blocos de Anotações que derivavam do setor P.C.P. cálculo de M.R.P. e envidadas para o setor de Pré-Montagem; - Almoxarifado: este setor estava diretamente relacionado com o setor de cálculo do M.R.P., uma vez que deveria informar a este os produtos contidos no estoque, e receber deste as ordens de compra de materiais, que deveriam ser adquiridos juntamente ao fornecedor. Também distribuia o material de confecção para os devidos setores, que eram os setores de corte e impressão. Os materiais contidos no estoque eram relacionados no final da produção, conforme as sobras de materiais, e estes eram capas e itens fantasmas, sendo que eram registrados em planilhas e posteriormente repassados ao P.C.P., cálculo de M.R.P.; - Setor de Corte: interpretava as ordens de fabricação, encaminhadas pelo setor P.C.P. Ordem de Fabricação (OF), e realizar o corte das folhas de ofício A4 de cores branca e verde, sendo que posteriormente deveria encaminhá-las para o setor de dobra, além de informar o setor de Almoxarifado quando haviam sobras e produtos danificados; - Setor de Dobra: recebia as folhas que comporiam as páginas internas já cortadas e realizava, segundo as ordens de fabricação recebidas, a dobra no centro das mesmas, com a 15

13 finalidade de obter-se nas folhas a marcação necessária para que fossem ajustadas e grampeadas, nos setores de Pré-Montagem e Montagem Final; - Setor de Pintura: realizava a pintura, segundo as ordens de fabricação recebidas, das capas dos Blocos de Anotações do Produto Um com um carimbo através de uma estrutura auxiliar denominada 'gabarito', e encaminhava o produto para o setor de Pré-Montagem; - Setor de Impressão: com o uso de uma impressora laser relizava a impressão de capas para os Blocos de Anotações do Produto Dois, segundo as ordens de fabricação, e encaminhava as devidas capas marcadas para o setor de corte. - Setor de Pré-Montagem: recebia as partes confeccionadas dos setores de dobra (Produto Dois) e pintura (Produto Um) e montava os Blocos de Anotações, para serem posteriormente finalizados no próximo setor, conforme as ordens de montagem recebidas. As partes eram: a capa e contracapa dos Produtos Um e Dois e as folhas internas, comuns aos dois produtos; - Setor de Montagem Final: grampeavam os blocos pré-montados oriundos do setor anterior finalizando a produção. A partir daí, encaminhava os produtos finais à expedição; - Expedição: era responsável pela entrega dos produtos para os clientes; Além dos setores produtivos da empresa a dinâmica ainda dispunha de "Fornecedor" e "Cliente". 8 Análise dos processos de produção Nesta parte do artigo, as atividades produtivas realizadas em cada um dos setores já debatidos, serão analisadas conforme observações dos alunos sobre o proceso prático de atividades que se desenvolveram na Dinâmica. 8.1 Primeira Etapa, Elaboração do Produto Um Para facilitar a análise, esta etapa foi estratificada em subetapas e abrange as análises de todas as atividades nelas realizadas. Esta caracterizou-se pela ambientação dos alunos com a dinâmica e início das atividades produtivas da empresa fabricante de Blocos de Anotações, sendo que o layout desta etapa é ilustrado pela Figura 1. 16

14 Observa-se, na Figura 1 que a organização física da sala não oportunizava um devido fluxo de materiais e de informações. Assim, surgiram dúvidas que se concentravam em perguntas sobre as atividades que os estudantes deveriam exercer na sua função ou cargo que estavam, cujas questões centrais foram: "pra quem eu levo esta ordem?", "para qual setor eu me reporto?", "qual controle eu tenho que ter ou qual a abrangência da minha função?". Apesar da teoria já ter sido estudada, alguns acadêmicos aparentavam desconhecimento do tema quando eles se depararam com situações inéditas e dinâmicas, como o surgimento de produtos fantasmas na linha de produção e como resolver problemas que ocorreram durante o processo produtivo. Outros apresentavam críticas ao setor podutivo de forma que expunham medidas a serem tomadas a fim de que alguns erros não fossem recometidos além de já preverem algumas falhas que poderiam aflorar se a produção fosse mantida naquele mesmo estado, isto é, se algumas correções não fossem feitas para as próximas semanas. Além das exposições dos alunos, também o professor fez suas observações auxiliando os alunos nas suas dúvidas quanto as suas funções dentro do setor produtivo, isto é, pontos inobservados pela falta de discernimento e experiência dos alunos eram postos em evidência a fim de proporcionar maior clareza das atividades e da dinâmica num todo. Em termos gerais, a didática proporcionou aos estudantes melhor entendimento sobre a dinâmica de funcionamento de uma fábrica manufatureira. Foi possível observar como os conceitos teóricos são articulados durante as atividades práticas e deixando novos aprendizados frente à capacidade de solução de imprevistos que podem ocorrer durante o processo de fabricação ou de entendimento do conteúdo, como o surgimento de produtos fantasmas, o atraso da produção, a pressão exercida sobre todos os setores e o modo como é realizado o controle de estoque pelo almoxarifado. Figura 1 Representação ilustrativa da organização inicial da sala de aula e dos fluxos dos processos 17

15 8.2 Segunda Etapa: mudança de layout e inserção de um novo produto Após a conclusão da primeira parte da dinâmica e análise conjunta entre o professor e os estudantes percebeu-se que muitos pontos falhos na produção ocorriam devido ao layout original já apresentado pela Figura 1. Após os debates acerca da primeira etapa da dinâmica, foi verificada pelos estudantes a necessidade de alteração de layout a fim de melhorar o fluxo produtivo, a comunicação intersetores, enfim para que a fábrica como um todo obtivesse melhoria em todos os âmbitos, sendo este novo layout ilustrado esquematicamente pela Figura 2. Desta forma, se realizou melhorias na produção, tanto para reduzir tempo e efetivar as entregas no prazo planejado (agilidade nos processos), quanto para reduzir os deslocamentos desnecessários durante o fluxo produtivo e com a entrega das ordens de fabricação e montagem. Nesta etapa, ainda, um novo produto foi inserido na produção, este de melhor qualidade visual, teria sua capa impressa e não carimbada como o Produto Um, originando um novo fluxo de produção paralelo ao fluxo anterior, no qual havia apenas o Produto Um, onde observou-se uma restrição de layout, visto que o setor de impressão (destinado a 18

16 produção de capas e contra capas do Produto Dois) poderia localizar-se em apenas um ponto do ambiente, ficando restrito a ele àquele lugar. Figura 2 Representação do novo layout Quando se deu início às atividades produtivas desta etapa, observou-se que todos os setores, desde o planejamento da produção até a expedição, não detinham conhecimento para prosseguir e nem segurança para realizar as ordens de compra, fabricação e montagem. Assim, observou-se que no setor do almoxarifado as ordens de compra estavam erradas, pois o setor de planejamento da produção não havia estipulado lote mínimo de produção das capas e folhas internas, nem de estoque de segurança para o caso de ocorrerem peças mortas ou falta de material e, também, não havia observado como as ordens de fabricação, montagem e compra tinham sido elaboradas para dar sequência à produção. Estes erros de planejamento de produção foram desencadeados por falta de treinamento, tanto sistemático como cognitivo, para a execução das competências do cargo, que deveria ter sido proporcionado pelo setor de Recursos humanos da empresa. Este setor ou 19

17 esta função, visto que apenas foi focada a parte fabril da empresa, não existia. Primeiro porque, como já foi dito, a constituição da empresa se dava apenas com o setor fabril extinguindo outras áreas como Recursos Humanos e Contabilidade, por exemplo. Segundo lugar porque os próprios setores, aqui já apresentados, também não tomaram esta iniciativa devido ao tempo desproporcional e a complexidade que a dinâmica abrangia. Assim, não se pode dar sequência às atividades, até porque o tempo havia se esgotado e os alunos encontravam-se demasiadamente cansados depois de uma tarde longa de estudos. Portanto, esta dinâmica deveria ter sido aplicada como um programa de treinamento, por se tratar de atividades que demandavam uma grande quantia de tempo e conhecimentos teóricos e práticos absorvidos. 9 Articulação dinâmica de aprendizagens Além das questões inerentes ao processo de fabricação, também foram realizadas articulações de ações de aprendizagens entre os estudantes os quais além de realizar os diversos papéis da área industrial também tinham outras funções didáticas descritas a seguir: 9.1 Um Aluno (A) Por Setor Esta consta de uma ambientação e reconhecimento da sala ambiente organizada previamente pelo docente, sendo que as atividades realizadas pelos acadêmicos nesta etapa foram instruídas por ele para que fosse entendido como se dava o funcionamento produtivo daquela empresa. As atividades se sucederam da seguinte maneira: alguns acadêmicos se disponibilizaram a ocupar determinados setores, sendo que outros foram indicados pelo professor. Outros acadêmicos passaram esta rodada a observar as atividades desenvolvidas por seus colegas, a fim de fazerem anotações e interagirem na próxima rodada. Destaca-se que alguns acadêmicos não se disponibilizaram a participar da dinâmica, devido ao receio de cometer erros em determinadas tarefas e cálculos além da falta de iniciativa e tímidez intrínceca em alguns acadêmicos. O receio de cometer erros deriva, principalmente, da falta de preparo no que tange o conhecimento sistemático e prático, pois sabe-se que não é dada tanta ênfase, da parte dos alunos, aos estudos teóricos contidos nos livros e outros materiais, além da falta de preocupação destes com os assuntos relacionados aos conteúdos apresentados pelo professor. Trazendo a análise desta ação para os fatos ocorridos na aula, no tópico específico das atividades de cálculo e tarefas práticas realizadas pelos alunos, observou-se que esses a 20

18 desenvolveram com relativa facilidade, uma vez que elas foram-lhes apresentadas pelo professor e a primeira semana de atividades daquela empresa correu tranquilamente, sendo cumpridas todas as etapas da produção, fazendo com que o produto chegasse sem atrasos ao cliente. Dessa forma, observa-se que, teoricamente, a empresa alcançou os seus objetivos de agilidade nas entregas, ganhos financeiros, satisfação dos clientes com consequente conservação de mercado e mantendo seu custo num mesmo patamar. 9.2 Dois Alunos (A e B) Por Setor Esta etapa caracteriza-se pela adição de mais um acadêmico a cada setor produtivo, sendo que o acadêmico que já estava integrado ao setor responsabilizava-se por instruir o novo acadêmico quanto as atividades e competências daquele setor. Ressalta-se que nesta parte o papel dos acadêmicos que já haviam sido orientados pelo professor passam a ser os responsáveis diretos pelos processos e pela condução da produção da fábrica. Após esta rodada os alunos A, ou seja, aqueles que ingressaram na dinâmica na primeira etapa, dirigiram-se a outros setores, a fim de conhecer outros processos que se realizavam na mesma produção. Esta etapa caracterizou-se pela duplicação do aprendizado obtido pelo aluno A na primeira rodada, sendo que nem todos os acadêmicos obtiveram êxito nesta operação. Primeiro, porquê não houve da parte do aluno B a total compreensão de como se dava as operações produtivas daquele dado setor fato observado principalmente nos setores de cálculo de M.R.P. e almoxarifado exemplificados e o segundo, porquê na visão de alguns estudantes, não houve tempo suficiente para o entendimento da prática das atividades. Pelo relato realizado por alguns estudantes, a compreensão do conhecimento teórico e prático de dado setor pelo aluno B não se deu com êxito devido tanto a falta de conhecimento teórico quanto a falta de informações passadas pelo aluno A. No caso do Almoxarifado o aluno A não havia comprendido o total funcionamento das suas competências, assim deixou o aluno B mal preparado para assumir o cargo, ocasionando posteriores atrasos de produção na próxima etapa, na qual destinou-se ao aluno B a realização individual das atividades. Quanto ao setor de cálculo de M.R.P. observou-se o despreparo do aluno B no que tange os conhecimentos teóricos, uma vez que este sentia-se totalmente despreparado a realizá-los individualmente, ocasionando insegurança ao processo produtivo. Desta forma o 21

19 aluno A, manteve-se ocupando o seu posto, juntamente ao aluno B para que não houvessem erros de cálculos ou nova intervenção, para explicações teóricas, do professor. Em síntese, nesta etapa se observou dificuldades na produção dos blocos de anotações, principalmente, pela falta de compreensão das competências e funções para realizar as atividades de cada setor dos alunos B. Essas dificuldades se refletiram na próxima etapa com a parada da produção, pois o despreparo para a realização das competências ocasionou não somente erros de produção como desperdício de materiais, produção demasiada de alguns produtos, perca de qualidade e atraso nas entregas, originando também aumento dos custos, diminuição da confiabilidade do cliente quanto aos blocos de anotações daquela fábrica, o que ocasiona retração do mercado, além da perca de clientes e degradação da imagem da empresa. 9.3 Um Aluno (B) Por Setor Esta etapa caracterizou-se pela grande depressão daquela empresa. Os cálculos, a interpretação das ordens de fabricação, os prazos de entrega, o uso dos materiais tudo correu de forma contrária ao planejado. Primeiro, os cálculos foram realizados sem considerar o estoque existente, que por sua vez não foi registrado devido a falha de comunicação intersetores e também falta de conhecimento da responsabilidade de registrar os estoques e informar ao setor de cálculo de M.R.P., do aluno B, que já passou da rodada anterior para esta desorientado quanto as suas funções. O cálculo também apresentava-se defasado devido aos produtos fantasmas que algumas falhas na produção desencadearam. Estas falhas já foram caracterizadas anteriormente, sendo causadas, principalmente, por falhas na interpretação das ordens de fabricação. Estas não eram corretamente interpretadas por despreparo dos acadêmicos dos setores que recebiam as ordens, uma vez que o conhecimento teórico não era um ponto crucial para a sua intepretação, pois essas ordens tratavam-se de simples descrição dos produtos e quantidade de produção. Os prazos de entrega também não foram cumpridos, devido as falhas de cálculo e de fabricação. Essas falhas ainda desencadearam o mau uso dos materiais ocasionando prejuísos a corporação devido ao desperdício das folhas que estavam rasgadas (peças mortas) ou carimbadas em lugar errado. Estes produtos danificados também deveriam ter sido informados ao almoxarifado, e este informar ao setor P.C.P. cálculo de M.R.P., para que os cálculos da próxima semana fossem remanejados em vista dessa interferência e também para 22

20 quem sabe negociar com o cliente um prazo maior de entrega ou quem sabe, ainda, um desconto, a fim de não perder o cliente. Considerações finais O desenvolvimento de atividades didáticas que possam oportunizar o desenvolvimento do processo de tomada de conciência dos conteúdo acadêmicos estudados em aula do ensino superior com as possíveis situações problemas da vida cotidiana das organizações industriais foi o norte da realização deste estudo. Neste sentido, foi desenvolvida uma dinâmica realizada com estudantes do curso de Administração cujas situações didáticas buscam aproximar os conteúdos curriculares da área de produção, mais especificamenteo os de PCP e os cálculos de MRP por meio de uma situação simulada em aula cujo foi denominado de sala ambiente. Essa estratégia educacional buscou aproximar, mesmo que didaticamente, as realidades empresarias com os conteúdos curriculares da área visando oportunizar aos estudantes a articulação de algumas situações que possivelmente possam encontrar nas organizações industriais que se utilizam desta sistemática de organização da sua manufatura. Dentre os inúmeros pontos observados, com base nos relatos e comentários dos estudantes, alguns pontos foram destacados, como, por exemplo, o encaminhamento das ordens de fabricação, o tempo de produção, o treinamento e a autodisciplina dos acadêmicos. Estes pontos impactaram significativamente nos resultados da fábrica simulada porque muitos acadêmicos não obtiveram a devida compreensão e não revelaram ao grande grupo as suas ressalvas, demonstrando que não havia autodisciplina e boa comunicação do grande grupo para que estas ressalvas fossem feitas, isto é, o grande grupo não manteve princípios básicos que garantiam uma boa comunicação. Quando as ordens de fabricação eram encaminhadas, ou por falta de conhecimento ou por falta de observação da situação ou, ainda, por a ordem estar incompleta, não se observava que a sequência de execução das ordens afetaria a produção, ocasionando falta de materiais e/ou superprodução. Provavelmente, foi essa dessequência de encaminhamento das ordens de produção que provocou a falta de materiais em algumas semanas, pois o setor de corte recebia a ordem antes do almoxarifado fazer a compra e posterior entrega dos materiais, por exemplo. 23

FEIRA DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: UMA PROPOSTA DE JOGOS DE EMPRESAS VIVENCIAIS EM AULA

FEIRA DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: UMA PROPOSTA DE JOGOS DE EMPRESAS VIVENCIAIS EM AULA Artigo REVISTA ELETRÔNICA DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS v.8, n.3, Art.7, p.127-144, 2013 http://internext.espm.br ISSN 1980-4865 FEIRA DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: UMA PROPOSTA DE JOGOS DE EMPRESAS VIVENCIAIS

Leia mais

Planejamento, Programação e Controle da Produção

Planejamento, Programação e Controle da Produção Planejamento, Programação e Controle da Produção Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7)

CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) CONCEITOS E FUNÇÕES DO PLANEJAMENTO, DA PROGRAMAÇÃO E DO CONTROLE DA PRODUÇÃO PPCP (Petrônio Garcia Martins / Fernando Piero Martins Capítulo 7) A ESTRATÉGIA DA MANUFATURA E O SISTEMA PPCP: A estratégia

Leia mais

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO

FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO FUNÇÕES BÁSICAS DA ECONOMIA: O USO DE MAPAS CONCEITUAIS NA MATEMÁTICA APLICADA A ADMINISTRAÇÃO Ricardo Lisboa Martins Faculdade Integrada Tiradentes - FITS ricardolisboamartins@gmail.com Alex Melo da Silva

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI

FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI ASSOCIAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE IBAITI FACULDADE DE EDUCAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA DE IBAITI - FEATI REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS COORDENADORA

Leia mais

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso

Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Planejamento e controle dos processos de fabricação metalúrgicos auxiliado pelo gráfico de Gantt: um estudo de caso Cristian Dekkers Kremer (UTFPR) cristian_dk@ig.com.br João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Administração Disciplina: Administração da Produção e Operações II Carga Horária Semestral: 80 Semestre do Curso: 7º 1 - Ementa (sumário, resumo) Natureza

Leia mais

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas:

A pesquisa de campo foi realizada com questões para os núcleos administrativo, pessoal e acadêmico e procura explorar duas situações distintas: 4 Pesquisa de campo Neste capitulo será apresentado o resultado dos questionários da pesquisa de campo que serviu para o estudo de caso. A coleta de dados será dividida em: Núcleo administrativo Núcleo

Leia mais

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística

Educación Estocástica La enseñanza y aprendizaje de la probabilidad y la estadística PROYECTOS DE APRENDIZAJE EN LA ENSEÑANZA DE LA ESTADÍSTICA Mauren Porciúncula y Suzi Pinto Universidade Federal do Rio Grande (Brasil) mauren@furg.br, suzisama@furg.br Para que el aprendizaje ocurra, es

Leia mais

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho.

Palavras-chave: Transição acadêmico-profissional; formação em Psicologia; mercado de trabalho. 1 FORMAÇÃO, INSERÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL NA PERSPECTIVA DOS EGRESSOS DE UM CURSO DE PSICOLOGIA. BOBATO, Sueli Terezinha, Mestre em Psicologia pela UFSC, Docente do Curso de Psicologia na Universidade

Leia mais

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu.

G1 Formação de Professores. Julia de Cassia Pereira do Nascimento (DO)/ juliacpn@interacaosp.com.br Edda Curi/ edda.curi@cruzeirodosul.edu. CONTRIBUIÇÕES DO ESTÁGIO PARA O ENSINO DE MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: INDICATIVOS DA LEGISLAÇÃO VIGENTE E DA ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO NUM CURSO DE PEDAGOGIA G1 Formação de Professores

Leia mais

1. Introdução. 1.1. A história do ERP

1. Introdução. 1.1. A história do ERP 1. Introdução Podemos definir os sistemas ERP como sistemas de informação integrados na forma de um pacote de software que tem a finalidade de dar suporte à maioria das operações de uma organização. A

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente

relato êa internet como atividade integrante de uma prática docente A internet como atividade integrante de uma prática docente Flávio Chame Barreto Instituto Educacional Vivenciando RJ flaviocbarreto@yahoo.com.br Resumo Um consenso entre os docentes do Ensino Fundamental

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução.

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Escola de Ciências e Tecnologia. Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia. Introdução. Universidade Federal do Rio Grande do Norte Escola de Ciências e Tecnologia Tutoria no Bacharelado em Ciências e Tecnologia (Rascunho) Introdução O Bacharelado em Ciências e Tecnologia (BCT), da Universidade

Leia mais

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES.

PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. PRÁTICA DE ENSINO INTERDISCIPLINAR NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO NA PERSPECTIVA DOS DISCENTES. Introdução As mudanças e desafios no contexto social influenciam a educação superior, e como consequência, os

Leia mais

A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI

A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI A METACOGNIÇÃO COMO EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA: CONHECENDO O PROCESSO DE CRIAÇÃO DE SI MESMO MAGDA FLORIANA DAMIANI Doutora em Educação magda@ufpel.tche.br Universidade Federal de Pelotas, RS REGINA TRILHO

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL ISSN 2316-7785 PLAYGROUND DA MATEMÁTICA: UM PROGRAMA DE EXTENSÃO VOLTADO PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Ivanete Zuchi Siple ivazuchi@gmail.com Marnei Mandler mmandler@gmail.com Tatiana Comiotto Menestrina comiotto.tatiana@gmail.com

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO: CES PARECER CNE/CES 1.302/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em 4/3/2002, publicado no Diário Oficial da União de 5/3/2002, Seção 1, p. 15. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico. Qualificação: AUXILIAR ADMINISTRATIVO Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIO Habilitação Profissional: TÉCNICO EM ADMINISTRAÇÃO Qualificação:

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ

A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ A INFLUENCIA DA LOCALIZAÇÃO RESIDENCIAL NO DESEMPENHO DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS DA UNIJUÍ Luciana L. Brandli brandli@detec.unijui.tche.br Cristina E. Pozzobon pozzobon@unijui.tche.br Universidade Regional

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIOS Dispõe sobre os estágios realizados pelos discentes do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais - IFMG, em cumprimento da Lei nº 11.788, de 25 de setembro

Leia mais

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO MANUAL DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OS ESTUDANTES DE FISIOTERAPIA MONTES CLAROS - MG APRESENTAÇÃO Prezado(a) aluno(a): Este manual tem como objetivo orientá-lo quanto às normas do Trabalho de

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec ETEC PAULINO BOTELHO EXTENSÃO EE ESTERINA PLACCO Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação

Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Diretrizes Acadêmicas para os Cursos de Graduação Os cursos oferecidos pela instituição de Ensino Superior IES devem ter seus projetos pedagógicos construídos

Leia mais

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra

Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior. Sanmya Feitosa Tajra Utilização de recursos pedagógicos de ambientes virtuais como complemento para atividades presenciais no ensino superior Sanmya Feitosa Tajra Mestre em Educação (Currículo)/PUC-SP Professora de Novas Tecnologias

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0 Autor: Marco Polo Viana. Bloco Suprimentos Bloco Suprimentos Controle de Produção PCP Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Controle de Produção PCP, que se encontra no Bloco Suprimentos. Todas informações aqui disponibilizadas

Leia mais

MBA EM LOGÍSTICA PÓS-GRADUAÇÃO 2014. DESAFIO PROFISSIONAL (Módulo A)

MBA EM LOGÍSTICA PÓS-GRADUAÇÃO 2014. DESAFIO PROFISSIONAL (Módulo A) MBA EM LOGÍSTICA PÓS-GRADUAÇÃO 14 1. ENUNCIADO DESAFIO PROFISSIONAL (Módulo A) Gestão da Cadeia de Suprimentos Transporte e Distribuição Física Custos Logísticos Autor: Prof. Me. Rodrigo Rodrigues Anhanguera

Leia mais

AÇÃO DIDÁTICA DE ENSINO SIMULADO: UMA PESQUISA-AÇÃO ACERCA DO CONTEÚDO DE MRP TEACHING SIMULATION: AN ACTION RESEARCH STUDY ON MRP CONTENT

AÇÃO DIDÁTICA DE ENSINO SIMULADO: UMA PESQUISA-AÇÃO ACERCA DO CONTEÚDO DE MRP TEACHING SIMULATION: AN ACTION RESEARCH STUDY ON MRP CONTENT AÇÃO DIDÁTICA DE ENSINO SIMULADO: UMA PESQUISA-AÇÃO ACERCA DO CONTEÚDO DE MRP TEACHING SIMULATION: AN ACTION RESEARCH STUDY ON MRP CONTENT Recebido em: 04/10/2013 Aprovado em: 20/12/2013 Avaliado pelo

Leia mais

Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental

Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental Jogos e Aprendizagem Matemática: A utilização de jogos com alunos do 6º ano do Ensino Fundamental Camila Schimite Molero e-mail: ca_schi@hotmail.com Italo Gonçalves da Silva e-mail: igsilva423@gmail.com

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA:2013 EMENTA OBJETIVOS EIXO TECNOLÓGICO:Ensino Superior Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Licenciatura em Física FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( x ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios CURSO: Bacharelado em Administração MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x ) bacharelado (

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º

PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010. Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º PLANO DE ENSINO PROJETO PEDAGÓCIO: 2010 Curso: Pedagogia Disciplina: Metodologia Científica Carga Horária Semestral: 40 Semestre do Curso: 1º 1 - Ementa (sumário, resumo) Conceito e concepção de ciência

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA

Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Ensino ativo para uma aprendizagem ativa: Eu quero saber fazer. Karina Grace Ferreira de Oliveira CREFITO 25367-F FADBA Em ação! PARTE 1: (5 minutos) Procure alguém que você não conhece ou que conhece

Leia mais

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM (PEA)

PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM (PEA) PLANO DE ENSINO-APRENDIZAGEM (PEA) I. IDENTIFICAÇÃO CURSOS Administração de Empresas PERÍODO 5º SEMESTRE 1 Sem 2012 DISCIPLINA Sistemas de Produção Código: SA063 TURMAS CARGA HORÁRIA 60 horas PROFESSOR(A)

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível

Leia mais

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA

OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA OFICINA DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO MEDIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL NOS CURSOS SUBSEQÜENTES DO IFRN - CAMPUS NATAL/CIDADE ALTA Dayvyd Lavaniery Marques de Medeiros Professor do IFRN Mestrando do PPGEP

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS TELÊMACO BORBA REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA Telêmaco Borba,

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Abimael Sousa Cordeiro* 1 ; Bruno Peixoto de Oliveira 1 1 Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca,

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN

DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN DOCÊNCIA ASSISTIDA NO ENSINO SUPERIOR: EXPERIÊNCIA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA DA UFRN Autor: Anne Charlyenne Saraiva Campos; Co-autor: Emerson Carpegiane de Souza Martins

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração Qualificação:

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

Ilca Maria Moya de Oliveira

Ilca Maria Moya de Oliveira Plano de Desenvolvimento Relação Ergonomia e Moda e Educação Corporativa Ilca Maria Moya de Oliveira Segundo Dutra (2004), a preparação para o futuro exige investimentos simultâneos: um na modernização

Leia mais

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME)

NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) NÚCLEO DE APOIO DIDÁTICO E METODOLÓGICO (NADIME) Palmas 2010 1. Apresentação O Núcleo de Apoio Didático e Metodológico NADIME é o órgão da Faculdade Católica do Tocantins responsável pela efetivação da

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA

Plano de Trabalho Docente 2010. Ensino Técnico. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Plano de Trabalho Docente 2010 Ensino Técnico ETEC. RODRIGUES DE ABREU Código: 135 Município: BAURU/SP Área Profissional: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação:

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE DESIGN, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O estágio não obrigatório,

Leia mais

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa

Pedagogia. Objetivos deste tema. 3 Sub-temas compõem a aula. Tecnologias da informação e mídias digitais na educação. Prof. Marcos Munhoz da Costa Pedagogia Prof. Marcos Munhoz da Costa Tecnologias da informação e mídias digitais na educação Objetivos deste tema Refletir sobre as mudanças de experiências do corpo com o advento das novas tecnologias;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2013. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC RODRIGUES DE ABREU EXTENSÃO PIRATININGA Código: 135.02 Município: BAURU-PIRATININGA / SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional:

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT 1 RESOLUÇÃO CONSU 2015 04 de 14/04/2015 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO PARA TUTORES - PCAT Campus Virtual 2 A. JUSTIFICATIVA A vida universitária tem correspondido a um período cada vez mais

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA

AUTOR(ES): ALTIERES FRANCISCO MOLINA SECAFIN, DREISON NIHI, EDUARDO VINICIUS PONDIAN DE OLIVEIRA TÍTULO: O USO DA SIMULAÇÃO EMPRESARIAL NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO: UMA ANÁLISE SOB A PERSPECTIVA DOS ALUNOS JÁ FORMADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Logística

Leia mais

Curso de Tecnologia em Gestão Comercial

Curso de Tecnologia em Gestão Comercial Curso de Tecnologia em Gestão Comercial Manual Projeto Interdisciplinar Ano: 2015/2 2 Sumário 1. Introdução... 2. Caracterização Geral do Projeto... 3 4 2.1 Projeto Interdisciplinar I e III... 5 2.2 Responsáveis

Leia mais

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA

PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA PROFESSORES DO CURSO DE TECNOLOGIA EM HOTELARIA: CONHECENDO A CONSTITUIÇÃO DE SEUS SABERES DOCENTES SILVA, Daniela C. F. Barbieri Programa de Pós-Graduação em Educação Núcleo: Formação de professores UNIMEP

Leia mais

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária

Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária Apresentação Mestrado em Educação Superior Menção Docência Universitária A Vice-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pósgraduação da Universidad Arturo Prat del Estado de Chile, ciente da importância dos estudos

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA.

PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. PLANEJAMENTO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UMA CONSTRUÇÃO COLETIVA. OLIVEIRA 1, Jordânia Amorim da Silva. SOUSA 2, Nádia Jane de. TARGINO 3, Fábio. RESUMO Este trabalho apresenta resultados parciais do projeto

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS

FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS ISSN 2316-7785 FORMAÇÃO CONTINUADA DOS PROFESSORES DE MATEMÁTICA DO IFAL INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS: REFLETINDO SOBRE OS TEMPOS E OS ESPAÇOS José André Tavares de Oliveira Instituto Federal de Alagoas

Leia mais

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA

JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA JOGO DIDÁTICO COMO AUXILIAR PARA O APRENDIZADO EM QUÍMICA SAIDELLES, Ana Paula Fleig¹*; CRUZ, Litiele Cezar da²; KIRCHNER, Rosane Maria³; PIVOTTO, Otávio Lavarda²; SANTOS, Douglas Silva dos²; SANTOS, Nara

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática

A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática A inserção de jogos e tecnologias no ensino da matemática Michel da Silva Machado e-mail: michel_nick25@hotmail.com Isaque Rodrigues e-mail: isaque.max@hotmail.com Márcia Marinho do Nascimento Mello e-mail:

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas

PLANO DE ENSINO. Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas PLANO DE ENSINO I. Dados Identificadores Curso Administração Geral Disciplina Gestão de Operações Código Semestre 5º Carga Horária Semestral: 80 horas Semanal: 4 horas II. Objetivos 1. Objetivo Geral Propiciar

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS

UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS UMA REFLEXÃO EPISTEMOLÓGICA DAS AULAS PRÁTICAS Janice Silvana Novakowski Kierepka Professora de Educação Básica, Mestranda em Educação nas Ciências, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande

Leia mais

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO

PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: Produção Industrial PLANO DE ENSINO IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Móveis Integrado FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores;

apresentação oral sobre temas concernentes às especificidades do curso de Redes de Computadores; CENTRO DE ENSINO SUPERIOR FABRA MANTENEDOR DA ESCOLA DE ENSINO SUPERIOR FABRA Cred. Pela Portaria Ministerial nº 2787 de 12/12/2001 D.O.U. 17/12/2001 Rua Pouso Alegre, nº 49 Barcelona Serra/ES CEP 29166-160

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Plano de Trabalho Docente - 2015 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Plano de Trabalho Docente - 2015 ETEC MONSENHOR ANTÔNIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA EE: Controle e Processos Industriais Eixo Tecnológico: INDÚSTRIA

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Faculdade de Direito Promove Comissão Própria de Avaliação PROJETO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL Abril de 2012 Página 1 de 11 Sumário Introdução 3 Justificativa 5 Objetivos 6 Metodologia 7 Dimensões de

Leia mais

PROGRAMA DE TREINAMENTO

PROGRAMA DE TREINAMENTO Jogo de Empresa POLITRON Tutorial para Uso da Planilha PROGRAMA DE TREINAMENTO EM MRP II Tutorial para o uso da Planilha do POLITRON Direitos Reservados - Reprodução Proibida Janeiro/2001 Versão Demonstrativa

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA DIVISÃO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE DISCIPLINA DEPARTAMENTO DE SAÚDE CÓDIGO: SAU532 DISCIPLINA: GESTÃO EMPRESARIAL EM ORGANIZAÇÕES NA ÁREA DA SAÚDE CARGA HORÁRIA: 45h EMENTA: Abordagens contemporâneas

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais