Saúde e trabalho: o caso dos trabalhadores da indústria do vestuário de Formiga - MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Saúde e trabalho: o caso dos trabalhadores da indústria do vestuário de Formiga - MG"

Transcrição

1 Andrei Pereira Pernambuco Saúde e trabalho: o caso dos trabalhadores da indústria do vestuário de Formiga - MG Divinópolis 2007

2 Andrei Pereira Pernambuco Saúde e trabalho: o caso dos trabalhadores da indústria do vestuário de Formiga - MG Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado da FUNEDI/UEMG, como requisito parcial à obtenção do título de Mestre em Educação Cultura e Organizações Sociais. Área de concentração: Espaço e Sociedade Orientador: Prof. Dr. Alysson Rodrigo Fonseca Co-Orientador: Prof. Dr. Paulo Sergio Carneiro Miranda Divinópolis Centro de Pós Graduação da FUNEDI/UEMG 2007

3 Fundação Educacional de Divinópolis/ Universidade Estadual de Minas Gerais Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais Centro de Pós-Graduação da FUNEDI/UEMG Área de concentração: Espaço e sociedade Dissertação intitulada Saúde e trabalho: o caso dos trabalhadores da indústria do vestuário de Formiga MG, de autoria do mestrando Andrei Pereira Pernambuco, aprovada pela banca examinadora constituída pelos seguintes professores: Prof. Dr. Alysson Rodrigo Fonseca FUNEDI/UEMG Orientador Prof. Dr. Daniel Silva Gontijo Penha FUNEDI/UEMG Profa. Dra. Ivani Pose Martins de Pádua UNIFOR-MG Prof. Dr. Alexandre Simões Ribeiro Coordenador do Programa de Mestrado em Educação, Cultura e Organizações Sociais FUNEDI/UEMG Divinópolis, 30 de novembro de 2007 Av. Paraná, Divinópolis, MG Brasil tel: (037)

4 Autorização para a reprodução e divulgação científica da dissertação Autorizo, exclusivamente para fins acadêmicos e científicos, a reprodução total ou parcial desta dissertação por processos de fotocopiadoras e eletrônicos. Igualmente, autorizo sua exposição integral nas bibliotecas e no banco virtual de dissertações da FUNEDI/UEMG. Assinatura: Local e data:

5 Agradecimentos Agradeço a todos que colaboraram direta ou indiretamente para a realização desta pesquisa. Em especial: Ao meu orientador: Prof. Dr. Alysson Rodrigo Fonseca Ao meu co-orientador: Prof. Dr. Paulo Sérgio Carneiro Miranda Aos meus pais: José Emboaba Guimarães Pernambuco e Neuza Pereira Guimarães Pernambuco Às minhas irmãs: Ludimila Pereira Pernambuco e Núbia Cristina Pernambuco À minha noiva: Natane Moreira de Carvalho Aos amigos: Marcílio Almeida Stelzer, Aparecida de Fátima Castro Campos, Maria Francisca de Souza Lopes, Amilton Vale, William Bruno de Castro Silva, Danilo Barbosa, Eric Ferreira e Marcelo Vaz Aos colegas de mestrado: Fernando Franco Taitson, Cândido Silva Oliveira, Cristiane Margarete Rios e Elenice Ferreira de Souza Aos professores do curso de Mestrado da FUNEDI/UEMG Aos meus alunos: Lucila Regina de Castro, Meiriane Kely Ribeiro, Jorge Vilano de Castro, Evaldo Silva e Edimara Carla Melo Ao Centro Universitário de Formiga (UNIFOR-MG) A todos os proprietários e funcionários da indústria do vestuário de Formiga MG Ao presidente do SINDVESF: Danillo César Elias

6 Semeia um pensamento e colherás um desejo; semeia um desejo e colherás a ação; semeia a ação e colherás um hábito; semeia o hábito e colherás o caráter. (Tihamer Toth)

7 Resumo Atualmente, existem em Formiga MG, 150 pequenas e médias empresas, que atuam no ramo do vestuário, sendo estas, responsáveis pela geração de cerca de 2000 empregos diretos, além de comporem um dos setores que mais contribuem com a economia do município. Realizou-se então, um estudo transversal, objetivando analisar a relação entre saúde e trabalho no interior das indústrias do vestuário da cidade. A pesquisa foi realizada em 21 empresas e 200 trabalhadores constituíram a amostra. Os dados foram coletados por meio de questionário, observação in loco e aferição de medidas do mobiliário. Observou-se, em relação aos dados pessoais que, 79% dos funcionários são do sexo feminino; 57% se concentram na faixa etária entre 18 e 23 anos e 52% estudaram no máximo até o fim do 1º grau. Em relação ao histórico profissional, 95% trabalham com carteira assinada; 96% cumprem 44 horas semanais de trabalho e recebem salários entre R$351,00 e R$500,00. Verificou-se também a presença de um modelo de organização do trabalho híbrido, que apresenta características Tayloristas, Fordistas e Toyotistas. Nas questões relativas à saúde, observou-se uma prevalência de doenças ocupacionais de 18,5% e prevalência de sintomas álgicos de 36%. Sobre a avaliação do posto de trabalho, notou-se que, 9,5% das cadeiras possuem encosto anatômico, nenhuma cadeira possuía apoio para antebraço, 1,3% tinham regulagem de altura e 0,5% possuía rodas e 74% dos trabalhadores colocam suas peças em caixotes ou cavaletes que se situam de 0 a 105 centímetros da máquina. Os dados obtidos evidenciaram uma alta prevalência de doenças ocupacionais, assim como, de elementos intrínsecos e extrínsecos que favorecem a ocorrência deste tipo de doença. Tem-se ainda como agente agravante, o fato de que empregadores e empregados ainda não se atentaram para a diversidade de fatores de risco que vêm levando os trabalhadores ao adoecimento. Palavras-chave: Trabalho; saúde; indústria do vestuário; doenças ocupacionais.

8 Abstract Nowadays, there are 150 small and average companies in Formiga-MG acting in clothes branch, they provide about 2000 direct employments, and besides frame one of the fields that more contribute with the economy of the municipal district. It was accomplished a crosssectional study to analyze the relationship between health and work inside the industries of the clothes in this city. The research was achieved in 21 companies and 200 employees that constituted the sample. Datas were collected by questionnaire, notice in loco and gauging furniture measures. In according to personal data, 79% employees are women; 57% are among 18 and 23 years-old and 52% have studied until the end of the 1st degree. According to the professional report, 95% are registered; 96% execute 44 weekly hours and they receive wages among R$351,00 to R$500,00. It was also verified appearance a standard of organization of the hybrid work, which presents Taylorists, Fordists and Toyotists features. In questions about health, it was observed prevalence of occupational diseases in 18,5% and prevalence of ache symptoms in 36%. In respect of evaluation in the work s position, it was noticed there were 9,5% chairs with anatomical back, anyone has forearm support, 1,3% had height adjustment and 0,5% had wheels and 74% workers place their pieces in boxes or racks from 0 to 105 centimeters of the machine. Datas evidenced a raise prevalence of occupational diseases, as well as, intrinsic and extrinsic elements that promote occurrence of these diseases. As increased factor, there are cases that employees and employers do not alarm about the various risks, causing sicken workers. Key-words: Job; health; industry of clothes; occupational diseases.

9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivos da pesquisa Objetivos gerais Objetivos específicos REVISÃO DA LITERATURA Aspectos histórico-organizacionais do trabalho e seus impactos sobre a saúde do trabalhador Conceituação de trabalho Evolução do trabalho Organização do trabalho A organização científica do trabalho e o adoecimento dos trabalhadores Ergonomia: transdisciplinaridade a serviço do trabalhador Conceituação de ergonomia Caráter transdisciplinar da ergonomia Campo de atuação da ergonomia Análise ergonômica do trabalho (AET) LER/DORT: um desafio contemporâneo Conceituação das LER/DORT Histórico das LER/DORT As principais LER/DORT Estágios de evolução das LER/DORT Multifatorialidade etiológica das LER/DORT Diagnóstico das LER/DORT Tratamento transdisciplinar das LER/DORT... 54

10 2.4 A indústria do vestuário no Brasil e na cidade de Formiga-MG A indústria têxtil no Brasil A indústria do vestuário A cidade de Formiga MG A indústria do vestuário em Formiga MG METODOLOGIA APRESENTAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Considerações iniciais Dados pessoais Sexo (gênero) dos trabalhadores Faixa etária Etnia Situação conjugal Escolaridade Moradia Saneamento básico Histórico profissional Empresa Maquinário Organização do trabalho Horário de trabalho Características do trabalho Horas extras Remuneração

11 4.3.8 Outras atividades Questões relativas à saúde Saúde X Indústria do vestuário Tratamento da saúde Afastamentos do trabalho Medidas preventivas Acidentes do trabalho Local de trabalho Dor CONCLUSÃO REFERÊNCIAS ANEXOS

12 11 1 Introdução O trabalho é um dos temas que consegue ser demasiadamente antigo e contemporâneo ao mesmo tempo. Sua concepção sempre esteve ligada a uma visão negativa, como sofrimento, tortura e labuta desde o inicio da humanidade (COTRIM, 1994). Atualmente, em nossa sociedade marcada pelo consumo, trabalhar se torna cada vez mais necessário e termina por ser visto como um dever do cidadão, já que o produto do trabalho, o salário, tornou-se indispensável para a sobrevivência do indivíduo na sociedade, enquanto consumidor (SANTOS, 2000). Esta atividade que possui importância significativa na vida do homem, também é sua fonte de sustento e de realização, o faz sentir-se útil, valorizado, produtivo e permite seu desenvolvimento pessoal e social. Porém, quando realizado em situações adversas, o trabalho pode ocasionar prejuízos à saúde, provocar incapacidades temporárias e/ou permanentes, diminuir a produtividade, elevar os índices de absenteísmo, e até mesmo causar a morte do trabalhador (DELIBERATO, 2002). Neste contexto, um grupo de doenças ocupacionais vem se destacando. As lesões por esforços repetitivos (LER) ou os distúrbios osteomusculares relacionados ao trabalho (DORT), como são denominados pela Previdência Social, que se constituem num dos mais sérios problemas de saúde enfrentados pelos trabalhadores e seus sindicatos nos últimos anos no Brasil e no mundo. Cerca de 80% a 90% dos casos de doenças relacionadas ao trabalho notificadas nos últimos 10 anos no país são representados pelas LER/DORT, o que evidencia a gravidade e a abrangência do problema, que vem atingindo proporções epidêmicas, já sendo considerado o novo flagelo da humanidade (OLIVEIRA, 1999a). Esse é, sem dúvida, um dos reflexos mais diretos das mudanças ocorridas nas condições de organização do trabalho e no ambiente laboral com a introdução de processos

13 12 automatizados, com o aumento do ritmo e da pressão para execução da tarefa e com a redução dos postos de trabalho, além da ameaça iminente do desemprego (COUTO, 1998; SETTIMI et al., 2000). Os profissionais de saúde e segurança do trabalho, por sua vez, atropelados pelo grande contingente de trabalhadores adoecidos, principalmente por LER/DORT, têm dificuldade em compreender que os determinantes causais vão além de um agente específico (uni causalidade), como estão habituados a pensar. Muitos estão certos de que se trata de modismo e acabam culpabilizando os trabalhadores, numa atitude mais cômoda do que admitir que não conseguem prevenir. Centram as explicações para a ocorrência da doença em fatores individuais, tais como gênero, alterações hormonais ou suscetibilidade psíquica, ignorando aspectos sociais, exigências reais do trabalho e a relação do trabalhador com o trabalho e com o ambiente em que vive (CHIAVEGATO FILHO e PEREIRA JR., 2004). Neste sentido, a temática saúde do trabalhador recebe cada vez mais atenção por parte de pesquisadores e estudiosos, no intuito de esclarecer e identificar os principais fatores de risco que levam o trabalhador a adoecer (MENDES, 2003). Entretanto, este objeto de estudo se mostra ainda com diversas faces ocultas, principalmente no que se refere às patologias do sistema musculoesquelético ocasionadas pelo trabalho. É então, neste contexto que se propôs a realização deste estudo a fim de analisar a relação entre o ambiente de trabalho e o adoecimento dos trabalhadores da indústria do vestuário do município de Formiga, MG, sem, em momento algum, desconsiderar as externalidades do ambiente de trabalho que, por ventura, possam contribuir para o adoecimento. Desta maneira, acredita-se que, identificando e conhecendo melhor os principais fatores causadores de doenças ocupacionais, pode-se criar um programa de prevenção efetivo que permita incrementar a saúde e a qualidade de vida de trabalhadores envolvidos no setor de produção da indústria do vestuário.

14 Objetivos da pesquisa Objetivo geral Analisar a relação saúde e trabalho na indústria do vestuário de Formiga MG Objetivos específicos Caracterizar os trabalhadores quanto ao perfil sócio-econômico-cultural e histórico profissional; Analisar os aspectos da organização do trabalho nas indústrias estudadas; Analisar os principais fatores de risco para o adoecimento de funcionários; Identificar a prevalência de doenças ocupacionais e de sintomas álgicos entre os trabalhadores; Avaliar o índice de absenteísmo provocado pelas doenças ocupacionais; Avaliar as condições ergonômicas do mobiliário industrial.

15 Aspectos histórico-organizacionais do trabalho e seus impactos sobre a saúde do trabalhador: Conceituação de trabalho Antes de tudo, o trabalho é um processo de que participa o homem e a natureza, processo em que o ser humano com sua própria ação, impulsiona, regula e controla seu intercâmbio material com a natureza. Defronta-se com a natureza como uma de suas forças. Põem em movimento as forças naturais de seu corpo, braços e pernas, cabeça e mãos, a fim de apropriar-se dos recursos da natureza, imprimindo-lhes forma útil à vida humana (MARX, 1985, p. 202). Para Garcia e Silva (2002) o trabalho é, dentro da história da humanidade, um elemento que se confunde com a própria vida, já que é ele o instrumento utilizado pelo próprio homem a fim de satisfazer as suas necessidades mais primárias. Para os autores, o homem interage com a natureza a fim de garantir sua existência, sem, contudo humanizá-la, já que, nesta interação homem-natureza, além de transformá-la, o homem acaba por sofrer influências da mesma e também se transforma, passando a se adaptar ao meio em que vive e às suas necessidades. Desta maneira é que surge um grande dilema filosófico: no trabalho, o homem humaniza a natureza, ou será a natureza que naturaliza o homem? De acordo com Cotrim (1996), pode-se definir o trabalho como o processo pelo qual, na criação de bens, transformam-se os elementos que compõem a natureza. Essa transformação é realizada pelo homem através da união que ele faz da sua capacidade física e

16 15 mental. Ainda para o autor, além de transformar a natureza, humanizando-a, o trabalho transforma o próprio homem. Isto significa que, pelo trabalho, o homem se autoproduz, desenvolve habilidades e imaginação, aprende a conhecer a força da natureza, conhece as próprias forças e limitações, relaciona-se com os companheiros e vive o afeto de toda relação. Com o trabalho o homem altera o mundo e si mesmo. Segundo Oliveira (1999b) o ser humano busca no trabalho não só o necessário para sua sobrevivência, mas a realização dos seus sonhos, através do recebimento de um salário que não somente lhe permita comer, vestir-se, mas que lhe permita também ter prazer e conforto social. Segundo Santos (2000), por trabalho entende-se aquilo que se faz para se manter e se desenvolver pessoalmente. Os produtos advindos do trabalho se tornam, a cada dia, mais necessários em nossa sociedade marcada pelo consumo. Para a aquisição de tais produtos é imprescindível o recebimento de um salário ao final do mês. Portanto, trabalhar torna-se um dever que, em algumas situações, pode até vir a ser prazeroso e proporcionar realização pessoal a quem o desempenha, porém, nunca perdendo sua acepção de trabalho. O trabalho dá sentido à vida porque transforma a natureza e espiritualiza o homem. A maioria de nós não se dá ao trabalho de pensar sobre o valor ético do trabalho. Quase sempre pensamos sobre o trabalho, apenas, por seu valor econômico, mas é preciso que meditemos sobre sua significação moral. O ser humano sempre estará trabalhando, mesmo quando o sentido aparente de seu trabalho for um divertimento a semelhança de dançar, ler, cantar, jogar, ouvir e falar (SANTOS, 2000, p. 42). Cotrim (1996) alega que a concepção do trabalho sempre esteve predominantemente ligada a uma visão negativa, como tortura, sofrimento, labuta, que vem desde o início da humanidade. Segundo ainda o mesmo autor, para Rousseau, o trabalho é como uma

17 16 atividade contra a natureza. Já para Nietzsche o trabalho é uma dura tarefa e é o melhor dos policiamentos para refrear nossas potencialidades de sonhar, imaginar e o que chamamos hoje de criatividade. O trabalho caracteriza-se em nossos dias como uma atividade basicamente compulsória e heterônoma. Compulsória porque a pessoa trabalha não por um ato interior de vontade, mas pela obrigação de ganhar dinheiro para viver. Heterônoma porque a pessoa trabalha obedecendo a regras, horários, padrões e finalidades estabelecidas pelo empregador (OFFE, 1996, p. 35). Na antigüidade grega, todo trabalho manual era desvalorizado por ser feito por escravos, enquanto a arte e atividade teórica, considerada a mais digna do homem, representava a essência fundamental de todo ser racional. Para Platão, por exemplo, a finalidade dos homens livres é justamente a contemplação das idéias. Na idade média São Tomáz de Aquino procurava reabilitar o trabalho manual, dizendo que todos os trabalhos se equivalem, mas, na verdade a própria construção teórica do seu pensamento, era calcada na visão grega, tendia a valorizar a atividade contemplativa. Este olhar negativo é mudado historicamente pela revolução Luterana, sendo um de seus fundamentos para se chegar ao céu ou para uma adaptação de uma ética religiosa mais adequada ao espírito do capitalismo comercial Evolução do trabalho Para Antônio (2003), da idade média aos dias atuais, passamos por uma grande evolução tecnológica. Toda força motriz necessária à produção era fornecida por homens e animais que, ao longo do tempo, foi sendo substituída pela energia elétrica, mecânica, química etc. Na evolução desse processo, o homem foi gradativamente deslocado para

18 17 atividades que as máquinas não conseguem realizar ou atividades que exijam conhecimento e raciocínio. Segundo Couto (1998), após a invenção do motor a vapor pode-se classificar a evolução do trabalho em quatro fases distintas: a primeira, de 1774 a 1890, conhecida como Revolução Industrial; a segunda, de 1890 a 1930, marcada pela Introdução da Administração; a terceira, de 1930 a 1973, cujo marco é a Organização do trabalho Fordista e, finalmente, de 1973 até os dias atuais, o Pós Fordismo. A revolução industrial, segundo Pereira (2001), teve início na Inglaterra, na segunda metade do século XVIII e caracterizou-se por uma imensa transformação social, determinada pela produção em grande escala, mediante a utilização crescente de máquinas. O ritmo de trabalho acelerado e a produtividade passaram a ser essenciais, não importando o preço do desgaste humano e da natureza e imperavam sobre a população operária, submetendo-a a estafantes jornadas laborais, provocando o aparecimento e a proliferação de novas doenças: as epidemias de cólera, tuberculose pulmonar, alcoolismo e os acidentes de trabalho decorrentes de maiores jornadas de trabalho. Deliberato (2002), ainda acrescenta ao seu discurso acerca da perspectiva históricocultural da relação homem/trabalho, que a revolução industrial funcionou como marco exponencial do capitalismo caracterizado pela evolução tecnológica aplicada à produção e à conseqüente revolução, tanto nos processos produtivos como nas relações sociais. O autor chama a atenção para o fato de que a Inglaterra foi o foco das profundas transformações advindas da revolução industrial, que se processou em duas fases. A primeira, entre 1774 a 1850, que corresponde ao momento de transformações tecnológicas e sociais promovidas basicamente no setor têxtil, representada pela introdução, também em outros setores, da máquina a vapor em substituição à força manual, tração animal e energia hidráulica. A

19 18 segunda fase, entre 1850 a 1890, caracterizou-se pela expansão do uso da máquina a vapor em outros países da Europa, nos Estados Unidos e na Ásia. Ainda segundo o mesmo autor, esta expansão foi acompanhada por novos avanços no campo da tecnologia especialmente a descoberta da eletricidade e de vários tipos de combustíveis derivados do petróleo, usados como força motriz, invenção do rádio, dos motores de explosão e do automóvel, sem considerar ainda a evolução da química que passa a ser usada maciçamente na indústria. Para o autor, durante essa fase que se arrasta até os dias atuais, a produção industrial passa a adquirir um caráter de automatização e os meios de comunicação expandem-se, no momento em que a energia elétrica substitui, de forma definitiva, a energia a vapor e ocorre o aparecimento de uma nova alternativa energética, a atômica Organização do trabalho No momento em que as grandes transformações promovidas pela revolução industrial disseminam por todo o mundo é, segundo Oliveira e Barreto (1997) que surge o Taylorismo, que se encontrava presente em muita das novas tendências de mudança organizacional. Ainda para os autores, por Taylorismo, entende-se uma organização social do trabalho, que tem como objetivo dividir, simplificar e desqualificar o mesmo, expropriando do trabalhador o saber operário e transformando-o no operário-massa, invariavelmente representado pelo trabalhador não qualificado e menos organizado. Segundo Proença (1993), no início do século XX, o engenheiro estadunidense F. W. Taylor foi um dos primeiros a utilizar um método de organização do trabalho, conhecido no Brasil, a partir dos anos 1930, por Organização Científica do Trabalho (OCT), ou simplesmente Taylorismo, obtendo grande repercussão na industrialização nascente. Muito

20 19 jovem, Taylor preocupou-se com o esbanjamento de tempo, que significava para ele o tempo morto na produção. Então, ele iniciou uma análise racional, do tipo cartesiana, por meio da cronometragem de cada fase do trabalho, eliminou movimentos muito longos e inúteis. Desta forma, conseguiu dobrar a produção. Contudo, este método, bastante lógico do ponto de vista técnico, acabava produzindo fadiga e outros efeitos psicológicos e fisiológicos, advindo das condições de trabalho. Mesmo que Taylor continuasse afirmando que, após um dia longo de trabalho, seus funcionários eram capazes de ir para suas casas correndo e se sentindo muito bem. A cronometragem definiu para cada operário, um trabalho elementar, desinteressante, uma vez que era parcelado e que deveria ser realizado dentro de um tempo previsto pelos engenheiros (BART, 1978). Oliveira e Barreto (1997) ressaltam ainda que os princípios de organização do trabalho, consubstanciados no Taylorismo, procuravam criar um relacionamento hierárquico em postos de trabalho separados entre si, diminuindo ao máximo possível a comunicação entre eles, revelando o objetivo de dividir e fragmentar os trabalhadores. Tal intenção de atomizar os operários cada vez mais, fazia-se perceber através da remuneração diferenciada para cada um, bem como a adoção de prêmios de produção, visando incentivar a competição entre eles e a destruir o coletivo operário através da concorrência. Os novos processos acabaram por construir um modelo-operário tipo homem-máquina que, mal treinado, tem tentado se ajustar ao mercado de trabalho e tem sido obrigado a atender às necessidades capitalistas ao longo dos tempos, com falsos prêmios de produtividade e com qualidade de vida colocada de lado pelo sistema. Concordando com estas afirmações, Deliberato (2002) afirma que Taylor valorizou os trabalhadores e lhes forneceu condições de ganhar de forma proporcional à sua produção. No

21 20 entanto, a forma irracional de execução das tarefas levou-os a um desgaste físico quase desumano. Enfim, Taylor reduziu o homem a gestos e movimentos, sem capacidade de desenvolver atividades mentais que, depois de uma aprendizagem rápida, funcionava como uma máquina. O homem, para Taylor, podia ser programado, sem possibilidades de alterações, em função da experiência, das condicionantes ambientais, técnicas e organizacionais (NOULIN, 1992). A redução do trabalho mental também é enfatizada na medida em que a superespecialização da tarefa levou a simplificação do trabalho a um nível elevado, desprovendo o indivíduo de sua capacidade pensante (DALLAGNELO, 1994). No Brasil, até a década de 1970, segundo Fleury (1983), a organização do trabalho que predominava na indústria refletia os aspectos sociais, colocando em segundo plano os fatores técnicos relacionados ao objetivo de produtividade. Tal organização, denominada por ele de rotinização do trabalho, aproximava-se dos princípios Tayloristas, à medida que não permitia a qualificação e o aperfeiçoamento da mão de obra, além de eliminar o contato entre os operários, evitando, dessa forma, uma possível organização. Mantinham-se os salários em níveis baixos, induzindo a uma alta rotatividade da mão de obra. Segundo Hirata (1983), as empresas de todo o mundo passaram a buscar mais eficiência e competitividade e a adotar modelos participativos de gestão da mão de obra, com regras ditadas pelas necessidades do mercado, isto é, a procura regula e determina a produtividade. Neste contexto, Deliberato (2002) destaca a participação de Henry Ford, industrial, adepto do Taylorismo, que acreditava que uma das necessidades básicas para a prosperidade do trabalhador referia-se aos aspectos físicos do local do trabalho. Ele defendia como

22 21 condição essencial para a obtenção de satisfação no trabalho, a necessidade de ambientes de trabalho com amplas acomodações, limpas e ventiladas. Oliveira e Barreto (1997) consideram que em uma mesma ordem de raciocínio logo após a implementação do Taylorismo nas indústrias, ocorreu a introdução do Fordismo, o qual se utilizava dos mesmos princípios organizacionais do primeiro. Baseando-se nos mesmos princípios organizacionais, Ford levou às últimas conseqüências a desqualificação e divisão do trabalho propostas por Taylor. A principal diferença entre eles está no fato de que, enquanto o Fordismo privilegiava a produção em série, viável nas indústrias de montagem, produzindo peças idênticas e intercambiáveis, a organização Taylorista era baseada nos postos de trabalho e no rendimento individual, sendo aplicada nas indústrias de produção mais variada e em pequenos lotes (manufaturas). Finalmente, Deliberato (2002) considera que a visão Taylor-Fordiana representa, na verdade, o primeiro modelo científico de organização do trabalho, que visa racionalizar a produção de forma específica, mantendo uma gestão caracterizada pela mecanização, produção em massa e elevados índices salariais. Entretanto, com conseqüente decréscimo da qualidade de vida no trabalho, devido às jornadas de trabalho prolongadas, a fadiga física e mental dos trabalhadores e, especialmente, o esvaziamento do conteúdo significativo das atividades laborais, ou seja, uma simplificação no modo de executar o serviço, geram a insatisfação do indivíduo durante o cumprimento de suas tarefas. Braverman (1987) define o Fordismo fundamentalmente como a forma pela qual a indústria e o processo de trabalho consolidaram-se ao longo do século XX, cujos elementos constitutivos básicos eram dados pela produção em série, através da linha de montagem e de produtos mais homogêneos; através do controle dos tempos e movimentos pelo cronômetro Taylorista e da produção em série fordista; pela existência do trabalho parcelado e pela fragmentação das funções; pela separação entre elaboração e execução no processo de

23 22 trabalho; pela existência de unidades fabris concentradas e verticalizadas e pela constituição/consolidação do operário-massa, do trabalhador coletivo fabril, entre outras dimensões. Os princípios organizacionais fordistas, segundo Oliveira e Barreto (1997) foram vividos como mais um processo de desqualificação entre os operários, na medida em que expunham seu caráter opressivo, de expropriação do operário, tornando o trabalho repetitivo, monótono, com ritmos extenuantes, exigidos pela cadência do processo produtivo, como também pela imposição absoluta da hierarquia no interior das fábricas. No mundo ocidental avançado, as estratégias do período pós-guerra que se basearam na intervenção do Estado sustentaram um crescimento constante e um balanceamento entre a produção e o consumo em massa, enquanto as empresas geraram um nível elevado de produtividade ao aperfeiçoarem amplamente as estratégias Tayloristas já instituídas no modelo Fordista. Os administradores aumentaram substancialmente seus controles técnicos, através de uma centralização e racionalização adicional do processo de trabalho. Enquanto esta estratégia agudizava a distinção entre os trabalhadores da produção, da área técnica e da área gerencial, a força de trabalho foi pacificada pelos freqüentes aumentos dos salários, pela segurança no emprego, pelas oportunidades de crescimento e pela expansão do bem-estar social (HARVEY, 1990; LIPIETZ, 1992). O capitalismo Fordista combinou empresas com altos níveis organizacionais, centralização e integração vertical com sindicatos nacionais e com uma substancial expansão do Estado. Além disso, usava-se a elevada especialização e mecanização da produção, a burocratização das empresas, o planejamento extensivo e o controle burocrático de cima para baixo. Fordismo Alto é o termo que define o capitalismo do pós-guerra, ou do tipo maduro e hiperracionalizado de Fordismo (ANTÔNIO e BONANNO, 1996). Ele tinha uma força de trabalho segmentada, uma ampla e complexa organização do corpo profissional, gerencial,

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos.

No modo de produção escravista os trabalhadores recebiam salários muito baixos. Atividade extra Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer que eles

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO

AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO AS NOVAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NUMA SOCIEDADE EM TRANSIÇÃO MÁRCIA MARIA PALHARES (márcia.palhares@uniube.br) RACHEL INÊS DA SILVA (bcpt2@uniube.br)

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Um novo. modismo gerencial?

Um novo. modismo gerencial? Um novo modismo gerencial? por Cesar Gomes de Mello A imprensa vem divulgando várias notícias sobre empresas e projetos de quarteirização. Afinal, o que é isto? Um novo modismo que aparece no mundo dos

Leia mais

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9

Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 Arquivo Título: Flexibilidade: Um Novo Formato das Organizações Autor: Thomas Stob Junior Professora Responsável: Profª Dra Nilda Maria de Clodoaldo Pinto Guerra Leone Número de Páginas: 9 RESUMO

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES

GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES CAPÍTULO 1 Gestão da produção: história, papel estratégico e objetivos Prof. Glauber Santos 1 GESTÃO DA PRODUÇÃO E OPERAÇÕES 1.1 Gestão da produção: apresentação Produção

Leia mais

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração

Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração Antecedentes Históricos da Administração: Os primórdios da Administração No decorrer da história da humanidade sempre existiu alguma forma simples ou complexa de administrar as organizações. O desenvolvimento

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING

ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING ESTRUTURA CURRICULAR DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MBA EM GESTÃO DE PESSOAS, LIDERANÇA E COACHING CENÁRIO E TENDÊNCIAS DOS NEGÓCIOS 8 h As mudanças do mundo econômico e as tendências da sociedade contemporânea.

Leia mais

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM

difusão de idéias AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 AS ESCOLAS TÉCNICAS SE SALVARAM Celso João Ferretti: o processo de desintegração da educação atingiu em menor escala as escolas técnicas.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA)

ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) ADMINISTRAÇÃO PARTICIPATIVA (GESTÃO PARTICIPATIVA) A administração participativa é uma filosofia ou política de administração de pessoas, que valoriza sua capacidade de tomar decisões e resolver problemas,

Leia mais

Diferença entre a visão departamental e visão por processos.

Diferença entre a visão departamental e visão por processos. GESTÃO POR PROCESSOS Diferença entre a visão departamental e visão por processos. A visão por processos é conhecida desde a época medieval com a atuação dos artesãos responsáveis por todas as etapas do

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

Administração Pública

Administração Pública Administração Pública Sumário Aula 1- Características básicas das organizações formais modernas: tipos de estrutura organizacional, natureza, finalidades e critérios de departamentalização. Aula 2- Processo

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE

ASSOCIAÇÃO UNIVERSIDADE EM REDE Como Associação que abarca as instituições de educação superior públicas tendo como finalidade o desenvolvimento da educação a distância, a UniRede apresenta abaixo as considerações relativas aos três

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT

DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT Artigo para a Revista Global Fevereiro de 2007 DIFERENTES INTERPRETAÇÕES DO CONCEITO DE SUPPLY CHAIN MANAGEMENT O conceito de Supply Chain Management (SCM), denominado Administração da Cadeia de Abastecimento

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

A importância da Educação para competitividade da Indústria

A importância da Educação para competitividade da Indústria A importância da Educação para competitividade da Indústria Educação para o trabalho não tem sido tradicionalmente colocado na pauta da sociedade brasileira, mas hoje é essencial; Ênfase no Direito à Educação

Leia mais

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3

Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Administração em Enfermagem Teorias da Administração - Aula 3 Teorias da Administração Aula 3 Teoria Científica Taylorismo (Continuação) Taylor observou que, ao realizar a divisão de tarefas, os operários

Leia mais

4. Tendências em Gestão de Pessoas

4. Tendências em Gestão de Pessoas 4. Tendências em Gestão de Pessoas Em 2012, Gerenciar Talentos continuará sendo uma das prioridades da maioria das empresas. Mudanças nas estratégias, necessidades de novas competências, pressões nos custos

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Prevenção das Lesões por Esforços Repetitivos L E R O QUE SÃO AS LESÕES POR ESFORÇOS REPETITIVOS LER são doenças do trabalho provocadas pelo uso inadequado e excessivo do

Leia mais

7 CONCLUSÕES A presente dissertação teve como objetivo identificar e compreender o processo de concepção, implantação e a dinâmica de funcionamento do trabalho em grupos na produção, utilizando, para isso,

Leia mais

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte

LER/DORT. Dr. Rodrigo Rodarte LER/DORT Dr. Rodrigo Rodarte Há dois lados em todas as questões (Pitágoras, 410 445 a.c.) Definição: As L.E.R. são Lesões por Esforços Repetitivos (definição mais antiga) A D.O.R.T. (conhecidas como doenças

Leia mais

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7

Índice. 1. A educação e a teoria do capital humano...3. Grupo 7.2 - Módulo 7 GRUPO 7.2 MÓDULO 7 Índice 1. A educação e a teoria do capital humano...3 2 1. A EDUCAÇÃO E A TEORIA DO CAPITAL HUMANO Para Becker (1993), quando se emprega o termo capital, em geral, o associa à ideia

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza

2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 2012 Copyright. Curso Agora Eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Tribunais Gestão de Pessoas Questões Giovanna Carranza 01. Conceitualmente, recrutamento é: (A) Um conjunto de técnicas e procedimentos

Leia mais

Teorias e Modelos de Gestão

Teorias e Modelos de Gestão Teorias e Modelos de Gestão Objetivo Apresentar a evolução das teorias e modelo de gestão a partir das dimensões econômicas, filosóficas, pol Iticas, sociológicas, antropológicas, psicológicas que se fazem

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA

PRINCÍPIO DE ADMINISTRAÇÃO CIENTÍFICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS - UNICAMP INSTITUTO DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS - IFCH DEPARTAMENTO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO ECONÔMICO - DEPE CENTRO TÉCNICO ECONÔMICO DE ASSESSORIA EMPRESARIAL

Leia mais

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc

TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS. Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc FUPAC - FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA TGA TEORIAS DAS ORGANIZAÇÕES Profº Cláudio de Almeida Fernandes, D.Sc Ph.D in Business Administration Doutorado

Leia mais

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a.

DEPARTAMENTALIZAÇÃO TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II. Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Prof a. TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO II Centro de Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Para a abordagem clássica, a base fundamental da organização é a divisão do trabalho. À medida que uma organização

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues.

Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Lider coach: Uma nova abordagem para a gestão de pessoas. Orlando Rodrigues. Ao longo da historia da Administração, desde seus primórdios, a partir dos trabalhos de Taylor e Fayol, muito se pensou em termos

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA:

Caderno Prudentino de Geografia, Presidente Prudente, n.32, v.2, p.367-373, ago./dez.2010 RESENHA: RESENHA: PINTO, Geraldo Augusto. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2.ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 88p. Rogério Gerolineto FONSECA Graduando do curso de

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS

O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS O IMPACTO DA UTILIZAÇÃO DE UM SOFTWARE DE GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE PROJETOS NAS EMPRESAS Nadia Al-Bdywoui (nadia_alb@hotmail.com) Cássia Ribeiro Sola (cassiaribs@yahoo.com.br) Resumo: Com a constante

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA

PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA PROJETO DE EXTENSÃO DE GINÁSTICA LABORAL PARA MELHORAR QUALIDADE DE VIDA DOS FUNCIONÁRIOS DA ULBRA/GUAÍBA RESUMO *Luciano Leal Loureiro ** Jésica Finguer O presente texto busca explicar o que é o projeto

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo

DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO. Maristela Gomes de Camargo DISCUSSÕES SOBRE ERGONOMIA E CONFORTO TÉRMICO EM RELAÇÃO AO VESTUÁRIO Maristela Gomes de Camargo Resumo: Este estudo discute os aspectos de usabilidade e ergonomia relacionados ao conforto térmico; e o

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS

FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS 1 FATORES PARA A INCLUSÃO NO MERCADO DE TRABALHO: EDUCAÇÃO, CIDADANIA E DESENVOLVIMENTO DAS QUALIDADES PESSOAIS MAURICIO SEBASTIÃO DE BARROS 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar as atuais

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia

Atividade extra. Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3. Questão 1. Ciências Humanas e suas Tecnologias Sociologia Atividade extra Módulo 2 Fascículo 2 Sociologia Unidade 3 Questão 1 Leia com atenção o texto de Paul Lovejoy sobre escravidão: Enquanto propriedade, os escravos eram bens móveis: o que significa dizer

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA

O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA O PAPEL DAS AUTOGESTÕES NA POLÍTICA DE SAÚDE DO TRABALHADOR BRASILEIRO CONTRIBUIÇÕES PARA A 4ª CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR E DA TRABALHADORA CONCEITO DE SAÚDE DA OMS "um estado de completo

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial

Filósofos. A história administração. Filósofos. Igreja Católica e Organização Militar. Revolução Industrial Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com A história administração A história da Administração é recente,

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 5 Variáveis Ambientais e Diagnóstico Estratégico (Análise SWOT) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Prof. Fabrício Rogério Parrilla Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade

Leia mais

Novas Formas de Organização do Trabalho

Novas Formas de Organização do Trabalho Novas Formas de Organização do Trabalho Nesse cenário tecnológico, os trabalhadores são organizados em um novo conceito de divisão do trabalho que compreende: a) Novas tecnologias de produção; b) Novos

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA

EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA Q U E S T Õ E S E R E F L E X Õ E S Suraya Cristina Dar ido Mestrado em Educação Física, na Escola de Educação Física da Universidade de São Paulo, SP, 1987 1991 Doutorado em

Leia mais

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo

O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo O capitalismo e o Advento de uma sociedade de consumo Camila Fernandes Colégio Mãe de Deus T. 301 Resumo: A condição da redução do cidadão em consumidor, e a criação de tal cultura global, deu-se através

Leia mais

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning.

EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. EDUCAÇÃO CORPORATIVA EM EAD: Benefícios da modalidade e-learning. Autor(a): Gliner Dias Alencar Coautor(es): Joaquim Nogueira Ferraz Filho, Marcelo Ferreira de Lima, Lucas Correia de Andrade, Alessandra

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil

Futuro do trabalho O futuro do trabalho Destaques O futuro do trabalho: Impactos e desafios para as empresas no Brasil 10Minutos Futuro do trabalho Pesquisa sobre impactos e desafios das mudanças no mundo do trabalho para as organizações no B O futuro do trabalho Destaques Escassez de profissionais, novos valores e expectativas

Leia mais

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação

Módulo 15 Resumo. Módulo I Cultura da Informação Módulo 15 Resumo Neste módulo vamos dar uma explanação geral sobre os pontos que foram trabalhados ao longo desta disciplina. Os pontos abordados nesta disciplina foram: Fundamentos teóricos de sistemas

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS.

ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. ESPAÇO E TEMPO NA EDUCAÇÃO INFANTIL: ALTERNATIVAS DIDÁTICO- PEDAGÓGICAS. Introdução: O presente artigo tem a pretensão de fazer uma sucinta exposição a respeito das noções de espaço e tempo trabalhados

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico Análise externa Roberto César 1 A análise externa tem por finalidade estudar a relação existente entre a empresa e seu ambiente em termos de oportunidades e ameaças, bem como a

Leia mais

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO

Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Abril/2014 Porto Velho/Rondônia Rafael Vargas Presidente da SBEP.RO Gestor de Projetos Sociais do Instituto Ágora Secretário do Terceiro Setor da UGT.RO Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

2 Trabalho e sociedade

2 Trabalho e sociedade Unidade 2 Trabalho e sociedade Os seres humanos trabalham para satisfazer suas necessidades, desde as mais simples, como as de alimento, vestimenta e abrigo, até as mais complexas, como as de lazer, crença

Leia mais

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito

Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito Páginas Amarelas como ferramenta para mapeamento do conhecimento tácito 1. INTRODUÇÃO O setor de energia sofreu, nos últimos anos, importantes modificações que aumentaram sua complexidade. Para trabalhar

Leia mais

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS

FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS FUNDAMENTOS DE RECURSOS HUMANOS Pessoas em Primeiro Lugar!!! DA REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A REVOLUÇÃO DIGITAL Prof. Flavio A. Pavan O velho conceito das organizações: Uma organização é um conjunto integrado

Leia mais

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS

ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ARTIGOS AÇÕES MOTIVACIONAIS ÍNDICE em ordem alfabética: Artigo 1 - ENDOMARKETING: UMA FERRAMENTA ESTRATÉGICA PARA DESENVOLVER O COMPROMETIMENTO... pág. 2 Artigo 2 - MOTIVANDO-SE... pág. 4 Artigo 3 - RECURSOS

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES

Elétrica montagem e manutenção ltda. AVALIAÇÃO DE COLABORADORES AVALIAÇÃO DE COLABORADORES RESUMO A preocupação com o desempenho dos colaboradores é um dos fatores que faz parte do dia-a-dia da nossa empresas. A avaliação de desempenho está se tornando parte atuante

Leia mais

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO FACULDADE REDENTOR NUCLEO DE APOIO EMPRESARIAL CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Justificativa: As transformações ocorridas nos últimos anos têm obrigado as organizações a se modificarem constantemente e de forma

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica

Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica Sistemas de Remuneração Tradicionais e a Remuneração Estratégica por Camila Hatsumi Minamide* Vivemos em um ambiente com transformações constantes: a humanidade sofre diariamente mudanças nos aspectos

Leia mais

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes.

Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. A ECONOMIA GLOBAL Após a década de 1990, várias pessoas em todo o mundo mantêm hábito de consumo semelhantes. O século XX marcou o momento em que hábitos culturais, passaram a ser ditados pelas grandes

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O

S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFERENCIAÇÃO COM DIFEREN SOB ENCOMENDA S I S T E M A S D E P R O D U Ç Ã O CONTÍNUA IN TER MI TEN TE IN TER Página 2 de 17 SISTEMAS FATORES AS PRINCIPAIS DIVISÕES

Leia mais

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes:

Os pressupostos básicos para a teoria de Bertalanffy foram os seguintes: Teoria Geral de Sistemas Uma introdução As Teorias Clássicas (Administração Científica e Teoria Clássica), a Abordagem Humanística (Teoria das Relações Humanas), a Teoria Estruturalista e a Teoria da Burocracia

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE?

EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE? EDUCAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: QUAL O SENTIDO DA EDUCAÇÃO ESCOLAR HOJE? Flávia Alves de Araujo Mestranda em Educação, Cultura e Organizações Sociais na Funedi/UEMG, Divinópolis MG. Atua como professora

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL

QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO UTILIZANDO A GINÁSTICA LABORAL Alessandra Prado de Souza, Ana Eliza Gonçalves Santos, Jaciara Nazareth Campos Palma, Karine Aparecida Silvério, Leonardo Ferreira, Matheus

Leia mais

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com.

Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil. bbbrothers@bbbrothers.com. Gerência de projetos: arte ou disciplina? By André Barcaui, MsC, PMP is a consultant and management coach, Brazil bbbrothers@bbbrothers.com.br O equilíbrio necessário para se tornar um excelente gerente

Leia mais