Trabalho de conclusão de estágio PROPOSTA DE MELHORIA NO SETOR DE ESTOQUE DA EMPRESA ARMARINHOS TIRADENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Trabalho de conclusão de estágio PROPOSTA DE MELHORIA NO SETOR DE ESTOQUE DA EMPRESA ARMARINHOS TIRADENTES"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO ALINE HELOÍSA WEBER ANNA PAULA DIAS POZZA Trabalho de conclusão de estágio PROPOSTA DE MELHORIA NO SETOR DE ESTOQUE DA EMPRESA ARMARINHOS TIRADENTES ITAJAÍ 2011

2 1 ALINE HELOÍSA WEBER ANNA PAULA DIAS POZZA TRABALHO DE ESTÁGIO PROPOSTA DE MELHORIA NO SETOR DE ESTOQUE DA EMPRESA ARMARINHOS TIRADENTES ITAJAÍ 2011 Trabalho de Estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. Orientador: Guido Renato de Miranda

3 2 Agradeço primeiramente à minha parceira de trabalho pela dedicação, aos meus amigos pela paciência e principalmente à nossas famílias pelo apoio, auxílio e carinho; e ao Guido pelas orientações concedidas. Agradeço a Deus, à Aline pelo desempenho e companheirismo de anos, ao meu marido por sua paciência e apoio, aos nossos pais que nos deram força e motivação e por nosso orientador pela ajuda oferecida.

4 3 "Os sonhos são como uma bússola, indicando os caminhos que seguiremos e as metas que queremos alcançar. São eles que nos impulsionam, nos fortalecem e nos permitem crescer." (Augusto Cury). "Desconfie do destino e acredite em você. Gaste mais horas realizando que sonhando, fazendo que planejando, vivendo que esperando, porque embora quem quase morre esteja vivo, quem quase vive já morreu."(luis Fernando Veríssimo).

5 4 EQUIPE TÉCNICA a) Nome do estagiário Aline Heloísa Weber e Anna Paula Dias Pozza b) Área de estágio Administração de Materiais c) Orientador de conteúdo Prof. Eduardo Krieger da Silva d) Supervisor de campo Bento José dos Santos e) Responsável pelo Estágio Prof. Guido Renato de Miranda

6 5 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO a) Razão Social Comercial de Armarinhos Tiradentes Ltda b) Endereço Rua José Pereira Liberato, 315. Bairro São João Itajaí/SC. CEP: c) Setor de Desenvolvimento do Estágio Administração de materiais d) Duração do estágio Mais de 300 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Bento José dos Santos / Proprietário f) Carimbo e visto da organização

7 6 RESUMO Este trabalho de conclusão de estágio foi desenvolvido na empresa Comercial de Armarinhos Tiradentes LTDA, tendo como objetivo geral, propor melhorias no controle de materiais da empresa Armarinhos Tiradentes, otimizando o espaço físico com um método de controle correto e confiável. Seus objetivos específicos foram: descrever o processo de recebimento de matérias, descrever os processos de vendas de mercadorias, analisar o layout do setor de estoque e propor melhorias, realizar inventário físico, atualizar o sistema interno de controle de estoque, analisar a curva ABC da empresa e propor um método eficaz que dê continuidade ao controle do sistema interno. A tipologia deste trabalho foi uma proposição de planos, tendo a perspectiva de suas diversas fases caracterizadas como abordagem qualitativa e quantitativa. Este estudo teve como participante da pesquisa, o proprietário da empresa. Os instrumentos de coletas de dados utilizados nesta pesquisa foram: observação direta, permitindo a observação do ambiente de trabalho em estudo, entrevista focada, assumindo o caráter de uma conversa informal; e tratamento de dados quantitativos para análise. O resultado da pesquisa identificou falhas existentes no setor de controle de estoque da empresa Armarinhos Tiradentes, possibilitando assim, a elaboração de uma proposição de controle eficaz adequado às necessidades da empresa. No decorrer deste estudo, as acadêmicas também propuseram uma modificação do layout no setor de armazenagem da empresa, tornando-o ainda mais interessante, pela viabilidade econômica e operacional entre eles. PALAVRAS-CHAVE: estoque, layout, processo.

8 7 LISTAS DE TABELAS Tabela 1 Relação dos principais fornecedores Tabela 2 Produtos de classe A Tabela 3 Produtos de classe B Tabela 4 Produtos de classe C... 56

9 8 LISTAS DE FIGURAS Figura 1 Modelo para confecção da curva ABC Figura 2 Empresa Armarinhos Tiradentes Figura 3 Sistema CE (Controle de estoque) Figura 4 Layout térreo Figura 5 Layout mezanino Figura 6 Layout de armazenagem Figura 7 Layout proposto Figura 8 Produtos encartelados (Pino fêmea e rodízio) Figura 9 Kit Figura 10 Baldes Figura 11 Kit Figura 12 Gráfico de classificação ABC...54

10 9 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Objetivo geral Objetivos específicos Justificativa da realização do estudo Aspectos metodológicos Técnicas de coleta e análise dos dados FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Administração e objetivos de estoque Avaliação de estoque Custo de estoque Controle de estoque PEPS (Primeiro a entrar primeiro a sair) UEPS (Último a entrar primeiro a sair) Retorno de capital investido em estoque Curva ABC Giro de estoque Just in time Kanban Operações de Almoxarifado Armazenamento de materiais Layout Localização de materiais Inventário Capital de giro CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Histórico Ramo de atividade Produtos Mercados RESULTADOS DA PESQUISA... 42

11 Descrever o processo de recebimento de materiais Descrever os processos de vendas de mercadorias Analisar o layout do setor de estoque e propor melhoria Realizar inventário físico Atualizar o sistema interno de controle de estoque Analisar a curva ABC da empresa Propor um método eficaz que dê continuidade ao controle do sistema interno Processos de compra de materiais Processos de recebimento de materiais Processos de venda de mercadorias Inventário físico SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICES ANEXOS ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS... 83

12 11 1 INTRODUÇÃO É um grande desafio para as organizações, entender qual o papel estratégico do planejamento e controle dos estoques, porém é de notória importância para o mercado competitivo que alguns detalhes, como no caso deste trabalho, o controle de estoques, estejam resolvidos e bem implantados. A organização que entende a importância desta prática tem a tendência de obter maior competitividade dos seus processos operacionais e um melhoramento contínuo nos serviços prestados ao cliente. O estoque quando parado, gera custos para a empresa, como: juros, depreciação, aluguel, equipamentos de movimentação, deterioração, obsolescência, seguros, salários e conservação. Uma solução eficaz para esta dificuldade em diminuir os custos de armazenagem, foi controlar o reabastecimento de estoque inicial de acordo com a necessidade, com um ponto de pedido definido, com o tempo correto e com a demanda. Para qualquer tipo de organização é importante que se tenha um controle de estoque correto e confiável, já que este será utilizado para controlar os desperdícios, os desvios, valores para a análise do capital e controle de venda e seus retornos. Otrabalho de conclusão de estágio foi desenvolvido na Comercial de Armarinhos Tiradentes, uma empresa de pequeno porte, voltada para a venda de armarinhos em geral, além de outros produtos, como utilidades domésticas, brinquedos, artigos para festa, pesca, papelaria, entre outros. É um distribuidor com uma política comercial própria e a disposição de vendas dos seus produtos aos consumidores ocorre por intermédio de lojistas revendedores. A empresa tem parceria com diversos fabricantes, reduzindo o custo da mercadoria. Uma dificuldade percebida foi a localização de produtos estocados, referindo-se a uma grande quantidade, que resulta em perda de vendas por produtos faltantes ou a falta de conhecimento do produto estocado e a falta de capital de giro, sendo este um fator imprescindível para uma empresa de pequeno porte. Quando se encomendam quantidades maiores, como no caso desta empresa, o estoque médio é maior, tendo um custo elevado para mantê-lo. Por estes motivos, a empresa pôde perceber a necessidade de uma solução precisa e eficaz para o

13 12 controle de estoques e a melhor disposição dos produtos nas prateleiras, aproveitando melhor o espaço físico disponível. O propósito do estudo foi efetivamente propor a solução da problemática anteriormente identificada, apresentando e auxiliando as possíveis maneiras de organizar o estoque. A realização de um inventário, a modificação da localização para melhor identificação, a padronização e atualização do estoque em quantidade e valor real. A junção das problemáticas levou as acadêmicas a realizarem este trabalho, avaliando e propondo melhorias no setor de armazenagem, para aperfeiçoar a qualidade dos serviços prestados, com mais agilidade, às atividades da empresa Comercial de Armarinhos Tiradentes. 1.1 Objetivo geral A área de estágio deste trabalho é voltada para administração de materiais, baseando-se no setor de estoque. Roesch (2007) afirma que o objetivo é o alvo que se pretende atingir, por sua vez, objetivo geral define o propósito do trabalho de forma mais ampla e especifica. O objetivo geral deste trabalho é propor melhorias no controle de materiais da empresa Armarinhos Tiradentes, otimizando o espaço físico com um método de controle correto e confiável. 1.2 Objetivos específicos Para que este projeto possa ser concluído com eficácia, será necessário passar por diversas fases, visando o alcance do objetivo geral. Abaixo os destaques de cada fase a ser percorrida neste trabalho de estágio que levou as acadêmicas a atingir o objetivo geral.

14 13 Assim, no caso da formulação de um plano ou sistema [como neste trabalho], por exemplo, os objetivos passam a ser claramente associados às etapas do plano e normalmente a literatura aponta indicações de fases ou etapas a cumprir. Roesch (2007, p. 97). Descrever o processo de recebimento de materiais; Descrever os processos de vendas de mercadoria; Realizar inventário físico; Atualizar o sistema interno de controle de estoque; Analisar o layout do setor de estoque e propor melhoria; Analisar a curva ABC da empresa; Propor um método eficaz que dê continuidade ao controle do sistema interno. 1.3 Justificativa da realização do estudo Partindo de uma abordagem prática e principalmente teórica, a reestruturação do departamento de estoque é justificada como importante, tendo em vista a melhoria do controle de produtos, em quantidade e financeiramente. O investimento em aquisições de produtos são aplicações financeiras que a empresa espera obter retorno, a pouca rotatividade e a falta de controle geram prejuízos para a empresa. A qualidade de atendimento, referindo-se a empresa-alvo, estava afetada pela falta de confiança nas informações de dados que os funcionários necessitam para efetuar as vendas, onde a realização do inventário físico supriu essa carência com a correção destes. Pozo (2002) não nos deixa esquecer de que a manutenção das informações deve ser constante, e tal fato deve continuar após a aplicação deste trabalho. A melhor distribuição dos produtos também auxilia no atendimento aos clientes, evitando que os funcionários percam tempo para localizar os produtos. Este trabalho de estágio possuiu uma viabilidade alta, levando em consideração que o custo utilizado para implantar as modificações no departamento de materiais

15 14 foi quase nulo, com a existência da colaboração por parte da empresa através de informações transparentes e precisas. Na empresa Comercial de Armarinhos Tiradentes, existe um sistema que comporta e controla as informações de materiais em estoque, porém seus dados não estavam precisos. A realização deste trabalho foi pioneira na empresa e estava voltada para suprir a deficiência já existente. A complexidade do estudo para a aplicação mais adequada do trabalho, bem como as implicações físicas relacionadas com a oportunidade em desenvolvê-lo na empresa, levando em consideração todos os objetivos específicos relacionados, resultou em um ano e seis meses para a conclusão deste. Além da importância para organização, as acadêmicas, reconheceram a importância deste método científico que possibilitou aprimorar e praticar os conhecimentos adquiridos teoricamente. Esse relacionamento prático auxiliou no desenvolvimento profissional, qualificando e preparando competitivamente para um mercado abrangente na área administrativa. Por fim, esse processo realizou uma aproximação positiva da empresa com a universidade, e especificamente neste trabalho, todos os envolvidos agregaram estudos para o curso de administração. Com tantos benefícios e importâncias que este trabalho proporcionou, a sociedade obteve ganhos através das universidades cada vez mais preparadas, buscando atualização científica constantemente, que gera profissionais qualificados para realizar melhorias e crescimento nas empresas. 1.4 Aspectos metodológicos O nível deste trabalho de estágio seguiu a natureza da pesquisa descritiva. Esta pesquisa envolveu o uso de técnicas padronizadas de coleta de dados por meio de levantamentos em geral. A descrição das características de determinado fenômeno e estabelecer relações entre variáveis foi importante para o desenvolvimento deste trabalho, o que permitiu

16 15 às acadêmicas realizarem coleta de dados, análise, observação sistemática e apresentação das conclusões. Roesch (2007, p. 137) contribui: Censos, levantamentos de opinião pública ou pesquisas de mercado procuram fatos descritivos; buscam informação necessária para a ação ou predição. A identificação da problemática deste trabalho de estágio foi diagnosticada pela empresa Armarinhos Tiradentes, o que resultou na utilização da tipologia de estágio Proposição de Planos ou Sistemas, pois através de melhorias na administração de materiais o problema referido foi solucionado, adaptando e aplicando soluções que trouxeram retorno positivo para a empresa. Segundo Roesch (2006, p.66) um adendo para tornar o trabalho mais relevante é estabelecer medidas para avaliar o sucesso do plano, depois de implementado. Para realizar as modificações necessárias no setor de armazenagem, surgiu a necessidade de adotar ambas as pesquisas: quantitativa e qualitativa. A pesquisa quantitativa decorre por mensurar os produtos estocados, bem como seus valores, captando o fluxo de capital de giro. A análise destes processos, que ocasionou melhorias no ambiente físico da empresa, está relacionada com a pesquisa qualitativa, que transcreve dados estatísticos em interpretação pessoal. Por fim, a pesquisa bibliográfica foi utilizada neste trabalho como uma estratégia, pois o desenvolvimento deste foi focado em livros, artigos e demais fontes científicas, que correspondem a experiências já compreendidas pelos autores. A pesquisa bibliográfica permitiu ainda uma ampla visão de acontecimentos futuros e consequências relacionadas às atitudes atuais, acelerando os processos e minimizando erros. Administração de materiais é o embasamento das pesquisas bibliográficas deste trabalho, porém não é qualquer método administrativo que se aplica à organização, tendo em vista que a mesma atua em uma área específica de distribuição focada para lojistas.

17 Técnicas de coleta e análise dos dados Baseado nos objetivos específicos estabelecidos no inicio deste trabalho, as acadêmicas utilizaram métodos de coletas e análise mediante dados específicos e adequados para cada etapa seguida. A fonte variada de dados é dividida em primária e secundária, responsáveis pela coleta de dados pioneira e realizadas através de dados já analisados anteriormente, respectivamente. Ambas foram abordadas neste trabalho, quase que em sua totalidade, pela utilização de fontes de dados primários. As fontes de dados secundários foram utilizadas apenas para a análise da curva ABC, para propor um método eficaz que dê continuidade ao controle do sistema interno e na atualização do sistema interno de controle de estoque. As técnicas abordadas para as coletas de dados secundárias são conhecidas como pesquisa bibliográfica e documental, tal qual utilizou informações de movimentação de estoque registradas no sistema interno da empresa, disponibilizou de obras científicas para dar embasamento e direcionamento na escolha do melhor método e também ocorrerá por intermédio do inventário físico já realizado na empresa. Os procedimentos operacionais da empresa Armarinho Tiradentes para realizar o controle de materiais, bem como o próprio espaço físico da empresa serviram como instrumento de coleta de dados para três etapas, dos sete objetivos que foram realizados neste trabalho acadêmico. A análise do layoute a descrição de recebimento e venda materiais são elas. A realização do inventário físico na empresa Armarinhos Tiradentes, foi possível através da utilização de fonte in loco, ou seja, no local de atividade para o levantamento e contagem de materiais.

18 17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Como o título já descreve, a fundamentação teórica é composta por apresentações de literaturas e documentos científicos que proporcionam esclarecimentos aprofundados, experiências e acontecimentos relevantes para o trabalho de estágio. Levantar soluções alternativas, dados e informações contextuais para expandir e qualificar o estudo, é segundo Roesch (2007), o principal propósito. A autora destaca ainda que os problemas atuais são resolvidos com embasamento na literatura administrativa. 2.1 Administração e objetivos de estoque O principal objetivo de uma empresa é, sem dúvida, aumentar os lucros sobre o capital investido em financiamentos de vendas, reserva de caixa e em estoques. Para que o lucro seja alcançado, é necessário que o investimento em estoques não seja tão alto e que este não fique parado por muito tempo, aumentando consequentemente seu capital de giro e retorno do capital investido. Pozo (2002, p. 32) cita o principal foco da Administração de Estoques e seu objetivo: Cabe a esse setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não só os almoxarifados de matérias-primas e auxiliares, como também os intermediários e os de produtos acabados. Seu objetivo não é deixar faltar material ao processo de fabricação, evitando alta imobilização aos recursos financeiros. Embora isso pareça contraditório, as modernas filosofias japonesas mostram-nos como conciliar perfeitamente com tal situação. Pozo (2002) de forma moderna argumentaque o estoque deve estar condizente com o sistema de controle. É importante não faltar produtos e não mantê-lo parado por muito tempo, destacando o método japonês. Este método, por sua vez, é prático, porém surge a necessidade de ter um conhecimento avançado do assunto.

19 18 É uma gestão diferente e uma necessidade distinta da qual encontramos na empresa escolhida para realização deste trabalho. Pozo (2002) afirma ainda que a principal função da administração de estoques é maximizar o uso dos recursos da área logística da empresa, e que este tenha um grande efeito dentro dos estoques. Dias (1997) destaca que a função real da administração de estoques é maximizar o efeito lubrificante no feedback de vendas não realizadas e minimizar simultaneamente o capital investido em estoques. O custo para manter o estoque é alto e evolui continuamente. Para a gerência financeira, a minimização dos estoques é meta prioritária. Dias (1997, p. 19) cita que: O objetivo, portanto, é otimizar o investimento em estoques, aumentando o uso eficiente dos meios internos da empresa, minimizando as necessidades de capital investido em estoques. Um fator preocupante para Dias (2007) é a deficiência do controle de estoque, chamados sintomas e são demonstrados pela falta de espaço para armazenamento, elevação do número de cancelamento de pedidos e principalmente a baixa rotação dos estoques, causando obsoletismo em demasia. Um fato curioso e importante para o entendimento e desenvolvimento deste trabalho, é que para que as empresas tenham plena satisfação e cobertura da demanda, é necessário ter um estoque a altura, como é no caso da empresa Comercial de Armarinhos Tiradentes, que não tem o tão famoso Just in Time, como as grandes fabricantes de carro no Japão. No entanto, Pozo (2002) comenta que estoques baixos, não administrados corretamente, podem atrasar entregas, envolvendo a insatisfação do cliente e até possivelmente sua perda diante a situação. A distribuição física dos produtos tem custos acima de duas vezes o limite superior à média do custo de materiais. Este é um fator de grande importância para o administrador da empresa, que deve estar a par e cuidar principalmente das áreas que lhe trazem custo, neste caso a área da distribuição. Determinar o local de materiais dentro da parte logística não é tarefa simples. Este mesmo assunto causa debates e discussões para concluir o melhor local e de mais fácil acesso. A grande dificuldade de um administrador está na decisão entre pagar menos por altas quantidades de produtos, que acarreta a necessidade de elevado capital de giro e consequentemente produzem elevados custos ou manter o estoque reduzido

20 com mais compras durante o ano e mantê-las, que também não será de fácil negociação Avaliação de estoque Para Dias (2006, p. 159), todas as formas de registro de estoque manuais ou informatizadas objetivam controlar a quantidade de materiais em estoque, tanto o volume físico como financeiro. Jacobsen (2009) concorda com o autor citado acima e afirma que a avaliação deve ser realizada através da quantidade e preço de cada produto. Esta deverá ser feita anualmente, para proporcionar uma avaliação exata do material e informações financeira atualizadas. Para se fazer a avaliação dos estoques, é importante que seja utilizado como base o menor preço, de custo ou de mercado. O preço de mercado é aquele pelo qual a matéria-prima é comprada e consta nota fiscal do fornecedor. (DIAS, 1997, p. 161). As baixas são feitas de acordo com as vendas, consumo interno ou baixas diversas, como obsoletismo, deterioração e furto.esta avaliação pode ser feita por métodos, tais como de custo médio, PEPS e UEPS. 2.3 Custo de estoque A evolução do processo competitivo confirma a importância da estocagem e seus custos embutidos. Com a concorrência acirrada dos tempos atuais, a empresa tem a necessidade de conhecer todos os custos envolventes de uma armazenagem de grandes quantidades e quais são as vantagens em ter um estoque reduzido. Dias (1997, p. 43) afirma que: Todo e qualquer armazenamento de material gera determinados custos que são: juros, depreciação, aluguel, equipamentos de movimentação, deterioração, obsolescência, seguros, salários e conservação. Estes

21 20 custos podem ser agrupados em modalidades, como custos de capital, custos com pessoal, custos com edificação e custos residenciais. Há duas variáveis que aumentam estes custos, que são a quantidade de produtos estocados e o tempo de permanência no estoque. Para que grandes quantidades de estoque sejam movimentadas, seria necessária a utilização de mais pessoal ou mais equipamentos, ou seja, haverá a elevação de custos para a empresa. Todos estes custos relacionados são os custos de armazenagem. (DIAS, 1997). Para Dias (1997), a principal preocupação assim que o processo do desenvolvimento industrial reatou, após a Segunda Guerra Mundial, foi minimizar os custos de fabricação através do aumento da produção. Isto refletiu em um menor custo de fabricação, porém aumentaram os problemas na área de estocagem. Pozo (2002) concorda com o autor citado acima e exemplifica que para cada pedido emitido, há um custo fixo e variável. Os custos fixos são associados aos funcionários que fazem as compras e os custos variáveis implica nas fichas de pedido, no processo de enviar o pedido ao seu fornecedor, bem como todos os recursos necessários para fazer a operação. De acordo com Pozo (2002), as empresas preferem ter o estoque mínimo pelo fato de este material não ficar parado na empresa, aumentando o tão desejado capital de giro. Os custos não são apenas de armazenagem dos produtos em si, tem ainda os impostos e os seguros de incêndio e roubo decorrentes do material estocado. É possível fazer o cálculo do custo de armazenagem. Quando o estoque é grande, o custo de armazenagem é proporcional e quando o estoque é mínimo, o custo será mínimo também. A falta do estoque gera um custo quando o pedido atrasa e não é possível fazer a entrega destes materiais, com o cancelamento de pedidos, por custos adicionais quando há fornecimento substitutivo com material de terceiros e por meio de quebra de imagem da empresa, facilitando para a concorrência. O custo total de pedidos é composto pela mão de obra e o material utilizado. Para fazer este cálculo é necessário ter as informações de pedidos processados do período de um ano. Entre os tipos de custos citados, o custo que mais afeta a rentabilidade da empresa é o custo decorrente da estocagem e armazenamento de materiais. É importante lembrar que até alguns anos atrás, eram poucas empresas que se

22 21 preocupavam com seus estoques. A movimentação e estocagem dos produtos eram de responsabilidade do almoxarife e este setor era considerado o de menos importância, priorizando a produção. (DIAS, 2006). Pozo (2002, p. 39) concorda com Dias (1997) e afirma que: O objetivo é minimizar o custo total, que é a somatória dos três custos que incidem sobre a manutenção do estoque., desta maneira, é possível dizer que os três custos são os custos de manutenção de estoques, o custo de pedidos e o custo de falta de produto. 2.4 Controle de estoque O controle de estoque serve para a boa ordem e organização da empresa com seu espaço e atualização do sistema de estoque. É importante que se tenha um planejamento ou expectativa do resultado desta atividade, para que o controle seja feito de maneira eficaz. Francschini; Gurgel (2002) conceitua controle como um fluxo de informações que permite comparar o resultado real de uma atividade, com seu desempenho já planejado anteriormente. Para que isto seja possível, os autores indicam que esta ação deve ser documentada, para que possa ser analisado, arquivado e recuperado quando necessário. Concordando com os autores citados acima, Viana (2006, p.137) segue a mesma linha de raciocínio e afirma que Controle é a função administrativa que consiste em medir e corrigir o desempenho de qualquer atividade, visando aos interesses da empresa. Na percepção de Francschini; Gurgel (2002, p. 148) Para que o controle de estoque seja eficaz é necessário, portanto, que haja um fluxo de informações adequado e um resultado esperado quanto a seu comportamento. Gonçalves (2004), por sua vez, acredita que para o bom funcionamento operacional dos estoques e melhor controle deste, é necessário manter de forma adequada e otimizada, o suprimento dos materiais, sempre analisando a quantidade e momento correto de repor os produtos.

23 Ambos os autores salientam a necessidade de informações precisas e confiáveis para que exista a possibilidade de premeditar com antecedência alguns possíveis contratempos e estes dados permitem a constante adaptação do nível de estoque para cada momento da empresa. Dias (1952) acredita que para organizar um setor de controle de estoques, é importante destacar os principais objetivos para fazê-lo. De oito objetivos destacados, pudemos verificar extrema importância em três deles, que são: determinar quando se devem reabastecer os estoques: periodicidade; manter inventários periódicos para avaliação das quantidades e estados dos materiais estocados e identificar e retirar do estoque os itens obsoletos e danificados. Se referindo ao controle, reposição e quantidade de materiais, Francischini; Gurgel (2002, p.148, grifo nosso) destaca: 22 Espera-se de um Administrador de Materiais que os usuários tenham fácil acesso aos itens estocados quando eles forem necessários para a elaboração de alguma atividade na empresa, mas, por outro lado, o volume do estoque não pode ser tão alto que comprometa a rentabilidade da empresa. Para auxiliar no controle de estoque, os autores citados nas referências deste trabalho, relatam alguns critérios como: Curva ABC, Giro de estoque, Kanban e Justin-time. São métodos que facilitam o conhecimento do administrador para tomar qualquer tipo de decisão, já que com a curva ABC será possível descobrir quais produtos vendem melhor e requer atenção especial, saberá no giro de estoque qual o produto fica parado por muito tempo e pode certamente auxiliar as possíveis mudanças da maneira de estocar, como o método japonês Just in time. Estes métodos de grande importância do controle de estoque serão aprofundados neste trabalho PEPS (Primeiro a entrar primeiro a sair) Este método é também mencionado por Dias (1997) e Jacobsen (2009) como First in, First out (FIFO) que ambos os autores conceituam, como o próprio nome já

24 23 diz, por um controle que regula a ordem de entrada e saída dos produtos em estoque. Explica ainda Dias (1997, p. 163) Sai o material que primeiro integrou o estoque, sendo substituído pela mesma ordem cronológica em que foi recebido, devendo seu custo real ser aplicado. Baseia-se na premissa de que a baixa do material deve ser efetuada pelos primeiros custos registrados, ou seja, pelos mais antigos (JACOBSEN, 2009, p. 74). Além da importância financeiro/fiscal deste, as acadêmicas relacionam o método com o melhor aproveitamento do produto estocado, levando em consideração sua integridade e deterioração, que ao permanecer por um período pequeno as possibilidades de danos são quase nulas UEPS (Último a entrar primeiro a sair) Contrariando o sistema anterior, este método trabalha com a saída invertida dos produtos em estoque, que faz a baixa dos produtos vendidos pela entrada mais recente ou pelos produtos mais novos. Jacobsen (2009, p. 75) informa que: Esta é uma avaliação, também conhecida como LIFO (last in, first out). Baseia-se na premissa de que a baixa do material deve ser efetuada pelos últimos registros, ou seja, partindo sempre dos mais recentes, avançando para os mais antigos na medida do necessário. É o método mais adequado em períodos inflacionários, pois uniformiza o preço dos produtos em estoque para venda no mercado consumidor afirma Dias (1997, p. 164). Contrariando Dias, e destacando em seu livro, Jacobsen (2009) ressalta que a legislação tributária do Brasil não permite a utilização deste método, pois estamos vulneráveis a sofrer variações inflacionárias constantemente. Descreve que [...] em cuja situação UEPS apresenta um custo de produto vendido maior, o que resulta em menos lucro bruto e, consequentemente, no pagamento de um imposto de renda menor.

25 Retorno de capital investido em estoque Jacobsen(2009, p. 39) afirma que retorno de capital investido em estoque É a relação entre o lucro das vendas anuais e o capital investido no estoque, cujo coeficiente deve situar-se acima de 1. Para que o retorno de capital seja mensurado, é feito um cálculo para encontrar o valor exato e sua porcentagem, dividindo o lucro das vendas anuais pelo capital investido no estoque, seja em matéria-prima, material auxiliar, material de manutenção e produtos acabados Curva ABC O método da curva ABC implica em ordenar os produtos em classificações desde o maior grau de importância no ponto de vista econômico-financeiro até o menor grau, facilitando a identificação dos itens que necessitam de atenção e tratamento adequados e a substituição de produtos, se necessário. Viana (2006) relata a origem da classificação relatando a existência do sistema em 1897, através do economista Wilfredo Pareto, que observou a distribuição de renda entre a população e anotou respectivamente o número de pessoas para cada diferente renda recebida. Concluindo que uma pequena parcela da população absorvia grande porcentagem da renda. No início da década de 1950, como menciona Gonçalves (2004), engenheiros da General Eletric, nos Estados Unidos, adaptaram esse estudo para na administração de materiais. O critério de gestão de estoque baseado na curva ABC tem diversas aplicações. (GONÇALVES, 2004, p. 141). Alt; Martins (2001) explica de uma forma clara que a análise deste sistema consiste na verificação do consumo, valor monetário ou quantidade dos itens de estoque, para que de acordo com a importância de cada critério os produtos sejam separados em A, B e C. Os autores detalham que a

26 análise dos critérios deve ser realizada em certo espaço de tempo, que normalmente varia de seis meses a um ano. Concordando com esses diferentes critérios de análise, Viana (2006, p. 64) ressalta que o sistema de curva ABC é um [...] importante instrumento que permite identificar itens que justificam atenção e tratamento adequados em seu gerenciamento. Gonçalves (2004) acredita que realizar um tratamento diferenciado nos itens que possuem maior valor de demanda, por exemplo, com representatividade de altos valores de investimentos, permitem grandes reduções nos custos dos estoques. Os itens A são os mais significativos, podendo representar algo entre 35% e 70% do valor movimentado dos estoques, os itens B variam de 10% a 45%, e os itens C representam o restante. Alt; Martins (2001, p. 162). Pressupondo que esses percentuais sofrem alterações decorrentes do perfil de cada empresa, do número de itens estocados e de seus consumos. A análise ABC tem outras aplicações e pode ser utilizada como uma ferramenta complementar para a gestão dos estoques. Gonçalves (2004, p. 146). Comentando sobre uma abordagem relacionada ao consumo dos produtos estocados que permite a visualização de itens com estoque elevado em relação ao consumo, ou o declínio considerável do consumo, ocasionado pela substituição do produto, geralmente. Por fim, Gonçalves (2004, p. 146) conclui: 25 [...] a análise ABC tanto do consumo dos itens quanto de seus estoques é uma ferramenta bastante útil na administração dos materiais. Ela permitirá uma depuração dos materiais e uma adequação dos estoques de cada item de acordo com o perfil de consumo e a necessidade da empresa. Há alguns aspectos que devem ser levados em conta, seguindo um planejamento para facilitar a montagem da curva ABC da empresa. Dias (2007) afirma que a uniformidade dos dados coletados é de primordial importância para as conclusões, principalmente quando estes dados são números. Abaixo, um checklist para a confecção da curva ABC, por Dias (2007):

27 26 Figura 1: Modelo para confecção da curva ABC Fonte: Dias (2007, p.78) Para o levantamento da curva ABC de um estoque, é importante considerar alguns levantamentos e providências, como o código do material, preço do custo unitário, demanda futura ou passada, cálculo da demanda em valor monetário e ordenação decrescente dos itens, em função da demanda em valores monetários (movimentação de valor). (JACOBSEN, 2009) Para que a classificação seja concluída, é necessário tabular os dados e representá-los em gráfico um cartesiano, facilitando a visualização e decisão do administrador. Jacobsen (2009) comenta sobre o tratamento das classes ABC e explica que é através da curva ABC que se pode conhecer a prioridade em uma lista de estoques, definindo procedimentos e critérios específicos. Os itens A devem permanecer em estoque pelo menor tempo possível, o controle deve ser mais rigoroso e suas previsões feitas com maior exatidão possível. Os itens C podem ser estocados em maior quantidade, com exceção aos perecíveis, possuindo um controle menos rígido em termo de quantidade e freqüência, o que requer menor imobilização de capital. Já para os itens de classe B, o tratamento poderá ser intermediário, controlado de forma atenta, mas flexível. É necessário que as empresas que estocam produtos de sazonalidade tenham cuidados em relação ao obsoletismo e perecibilidade, comenta Jacobsen (2009).

28 27 O ideal é chegar no final deste período com seus estoques zerados, prevenindo contra as possibilidades de obsolência, perecibilidade, deterioração, perda de determinadas propriedades físicas e outras, durante o desuso Giro de estoque A agilidade é o principal objetivo da administração de materiais, porque permite maior eficiência e lucro quando a mercadoria permanece em estoque por um período pequeno. O conceito de giro está ligado ao conceito de velocidade. Isso implica dizer que quanto maior o giro, mais rapidamente o estoque é renovado. (GONÇALVES, 2004, p. 147). Através de uma abordagem mais simplificada, Alt; Martins (2001, p. 159) descrevem que o giro de estoques mede quantas vezes, por unidade de tempo, o estoque se renovou ou girou. Este método de científico representa a avaliação do capital investido em estoques, comparando com o custo das venda e/ou da quantidade média de materiais em estoque. Sua fórmula de cálculo baseia-se no valor do estoque dividido pelo custo anual das vendas. (POZO, 2002) A rotatividade elevada expressa uma quantidade grande de circulação de capital e [...] um giro baixo, poderá estar indicando imobilizações demasiadas em estoque, e consequentemente retenção de capital segundo Jacobsen (2009, p. 38). Giro de estoque: indica a velocidade de renovação dos estoques dentro de um período definido, usualmente um ano [...] Gasnier (2002, p. 166, grifo do autor). De conta partida, Jacobsen (2009) afirma que esse período não se enquadra em qualquer empresa, ficando a critério de cada organização um determinado espaço de tempo considerado normal para que os materiais possam ser adquiridos e convertidos em capital. O autor cita ainda a classificação da curva ABC para identificar qual a rotatividade representativa de determinado produto em estoque, considerando que para cada um há giros diferenciados, conforme a necessidade. (JACOBSEN, 2009, p. 37) continua:

29 28 Se os itens forem mantidos em estoque além deste período, a empresa está incorrendo num acréscimo dos custos e na diminuição da velocidade do retorno do investimento feito, resultando em prejuízo ou deixando, na melhor das hipóteses, de remunerar melhor seu capital. Atualmente no Brasil, a média de rotatividade das empresas está em torno de 14 giros ao ano, que é um valor muito baixo comparado aos padrões mundiais Just in time É um método de planejamento e controle da manufatura e da gestão de estoques, ou uma filosofia, como conceitua Jacobsen (2009), que procura suprir a necessidade da demanda de bens ou serviço com exatidão, precisão e qualidade. Muitos autores enfatizam e relacionam o Just in Time apenas como uma redução e controle da produção, que não deixa de ser errado, porém a utilização teórica deste sistema de controle para embasamento neste trabalho foi relacionada especificamente ao controle de estoque na aquisição do produto acabado, e não na fabricação do mesmo, tendo em vista que a empresa Armarinhos Tiradentes apenas compra e distribui seus produtos. Viana (1952, p. 169), compreende o sistema enfocando as duas variáveis como a produção na quantidade necessária, no momento necessário, para atender à variação de vendas com o mínimo de estoque em produtos acabados, em processos e em matéria-prima. Em uma abordagem clássica, o estoque elevado representava credibilidade e confiança, uma vez que qualquer imprevisto com maquinários antigos e danificados, ou até mesmo na troca de mercadorias defeituosas, a empresa possuía uma grande reserva de segurança (JACOBSEN, 2009). Hoje, a manutenção de estoques gera custos adicionais, principalmente se exageradamente, representando desperdícios de espaço físico, imobilização de capital (pois o investimento feito no produto fica parado até a venda do mesmo), na utilização de maquinário e de funcionários, continua o autor Jacobsen (2009).

30 29 Conclui-se que no sistema JIT (Just in time) é preciso ter somente o estoque necessário, para melhorar a qualidade e os retornos financeiros desejados na organização. O período de reposição é uma variável importante para determinar o estoque de segurança. A reposição deve ser freqüente e em escalas pequenas, diminuindo o tempo disponibilizado para repor o produto e por conseqüência, reduzindo o estoque físico.gonçalves (2004, p. 178) afirma que Quanto maior o tempo de reposição, maior será o estoque de segurança e maior também será o seu custo. O autor comenta ainda que são sete os tipos de desperdício listados no sistema JIT: O desperdício de superprodução, desperdício de tempo de espera, desperdício do tempo de transporte, tempo de processamento, movimentação interna, produção sem qualidade e excesso de estoques. Para que o Just in Time funcione com excelência nos processos empresariais, é de suma importância o relacionamento com os fornecedores, que ocasiona a necessidade de contratos de longo prazo, demandas previsíveis com solicitações flexíveis, comunicação rápida e tempo de entrega curto e garantido, contribui CHING (1999) Kanban É um sistema de controle de estoque que surgiu na empresa Toyota, através da informação manual que sinalizava a necessidade de reposição de materiais. Wanke (2003) relata a definição da palavra japonesa Kanban em cartão ou tíquete, pressupondo que tal sinalização acontece através destes. Kanban [...] tem por objetivo controlar e balancear a produção, eliminando os desperdícios, e acionar um sistema de reprodução de estoque em função das exigências da demanda, que puxa a produção. (GONÇALVES, 2004 p. 181). O sistema kanban, atua em três áreas da empresa, no estoque, na atuação com fornecedores e na produção. Viana (2006) compara o método kanban com o convencional nessas três áreas, destacando a pontualidade da reposição de

31 30 materiais, eficiência e defeito zero no processo de produção, giro de estoque maior e qualidade total. A distinção mencionada por Viana (2006) de três áreas de atuação do kanban também é citada por Gonçalves (2004, p.182), que por sua vez reconhece a variedade existente, mas destaca que o objetivo primordial do kanban é sinalizar a necessidade de um movimento para suprir a linha de produção, seja transportando produtos, seja produzindo-o ou fornecendo a um determinado estagio do processo produtivo. Em suma, o potencial do sistema kanbanpode ser medido por sua capacidade de identificar, entender e promover os ajustes com velocidade para não produzir interrupções no fluxo de trabalho (DIAS, 1997 p.152). 2.5 Operações de Almoxarifado A palavra almoxarifado é representada pelas operações de recebimento, conferência, estocagem, conservação, distribuição e controle de produtos. Na perspectiva de Viana (2006), o seu significado também inclui a guarda dos produtos, mas se estende com o objetivo de preservarsua integridade até o consumo final. DIAS (1997 p. 173) contribui: Um sistema correto de almoxarifado influi no aproveitamento da matéria-prima e dos meios de movimentação. Além de evitar a rejeição de peças por efeito de batidas e impactos, reduz as perdas de material no manuseio e impede outros extravios. Aeconomia nos custos de material reflete proporcionalmente sobre os produtos acabados ou semiprocessados. Partindo deste ponto de vista, as empresas atuais deixaram de possuir meros depósitos com acúmulos de material mal organizado, e surgiu uma nova idéia de sistemas de manuseio, como descreve Viana (2006). Para o autor este fato resultou em redução de custos, aumento significativo da produtividade e maior segurança nas operações de controle, com a obtenção de informações precisas em tempo real.

32 31 [...] o controle dos estoques depende de um sistema eficiente, o qual deve fornecer, a qualquer momento, as quantidades que se encontram à disposição e onde estão localizadas [...]. (VIANA, 2006, p. 275). Santos (2001) reconhece a importância de minimizar os produtos em estoque, mas este procedimento não se aplica a todas as empresas, levando-as ao gerenciamento eficaz do seu almoxarifado. Algumas empresas ainda portam a necessidade de manterem estoques para período mais longos, como na empresa base deste trabalho, e também por possuírem itens estratégicos e/ou de aquisição difícil Armazenamento de materiais Quando se fala de armazenamento de materiais, é inevitável a lembrança dos mais variáveis tipos de produtos, partindo deste princípio, Viana (2006) assegura que o armazenamento se dá a critérios definidos pela estrutura da instalação e no layout da empresa para proporcionar condições físicas que preservem a qualidade dos materiais (podendo ser perecíveis, inflamáveis, tóxicos ou não). São as condições do trabalho que determinam as possibilidades reais de melhoria. Elas servem de base para a escolha do sistema de armazenagem de cargas e da operação do almoxarifado (FRANCISCHINI; GURGEL, 2002, p. 213). Os autores destacam a importância do armazenamento dos produtos para maximizar os lucros, pois o local de armazenamento devidamente limpo e bem segmentado evita perda de tempo no atendimento ao cliente e principalmente a perda de dinheiro através de danos em mercadorias. Para um aproveitamento amplo do espaço de armazenagem, Viana (2006, p. 278) diz: A melhor forma de guardar é aquela eu maximiza os espaço disponível nas três dimensões do prédio: comprimento, largura e altura.

33 Layout Viana (2006) relaciona o significado de layout através das palavras desenho, plano ou esquema. De acordo com o autor, o layout interfere na modificação do terreno (se necessário), na distribuição e localização dos produtos e também na movimentação dos materiais. Quando se fala em arranjo físico, pressupõe-se o planejamento do espaço físico a ser ocupado e utilizado (VIANA, 2006 p. 310). Dias (2007, p.137) diz: A primeira necessidade sentida do layout ocorre quando a implantação de um depósito; está presente desde a fase inicial até a etapa de operacionalização, influindo na seleção do local, projeto de construção, localização de equipamentos e estação de trabalho, seleção do equipamento de transporte e movimentação de materiais, estocagem, expedição e dezenas de detalhes que vão desde a topografia do terreno até a presença ou não de janelas. Messias (1977) continua com as peculiaridades, não menos importantes, de prever e programar o limite de altura do armazém, bem como a existência de portas largas, resistência do suporte de materiais e a distância da exposição dos materiais para o melhor desenvolvimento operacional. Oautor analisa ainda o trabalho de espaço e movimentação, na qual se ressalta a quantidade e os tipos de materiais a armazenar, as mudanças previsíveis nas quantidades, as características técnicas de cada um, como serão organizados os materiais e o número e distribuição de colunas existentes no armazém, para em fim elaborar um layout funcional e flexível de acordo com a necessidade de cada organização. Não existe um padrão, ou um critério exato para diagnosticar um layoutcorreto, entende-se que cada empresa possui sua peculiaridade. Dias (2007) justifica que as empresas podem se interessar pela [...] redução máxima da movimentação interna; em outros, o custo mínimo de estocagem, ou ainda, a estocagem máxima independente do custo, para atender a certos picos ou regimes anormais de vendas. Referente à variação de demanda comentada anteriormente, Dias (2007) ainda explica que quando ocorre aumento ou redução de vendas se faz necessário o

34 33 estudo de capacidade ociosa, obsolência iminente do produto e adequação do equipamento existente. O depósito deve se modificar ao longo dos anos, de acordo com as condições tecnológicas e evolução dos métodos de trabalho, não podendo ficar parado no tempo (FRANCISCHINI; GURGEL, 2002, p. 214). Dias (2007, p.137) concorda e acrescenta que o layoutsofre, pois, alterações periódicas que influem profundamente na vida do depósito Localização de materiais A definição da palavra localização traz a lembrança da identificação de um ponto específico. Este pensamento possui uma aplicação louvável quando se refere à organização e guarda de produtos, pois esses materiais representam o capital investido da empresa. Teoricamente um esquema de localização tem por finalidade estabelecer os meios necessários e proporcionar facilidades em identificar imediatamente o endereço da guarda do material no almoxarifado, de acordo com Viana (2006, p. 352). Alt; Martins (2001, p. 161, grifo dos autores) também destacam a importância deste critério com a automatização dos almoxarifados. Obtendo o mesmo propósito citado por Viana (2006), os autores citam que a localização dos estoques é uma forma de endereçamento dos itens estocados para que eles possam ser facilmente localizados. A má localização e identificação dos materiais trazem prejuízos para as empresas, pois uma vez que não localizados, são efetuadas compras e reposição de um material desnecessário e já existente. Viana (2006) conclui que todo material deve ter um endereço certo, implicando a utilização de uma codificação representativa no local de armazenagem, evitando distorções e possíveis equívocos. Além do estudo para implantação de sistema eficiente de localização dos materiais, o autor Gonçalves (2004) descreve a necessidade de avaliar também a

35 34 flexibilidade do sistema de armazenamento, no que se refere às facilidades de retirada de um material de seu local de armazenagem. Este pensamento está ligado ao fato de que a localização dos materiais deve ser planejada de modo que ao retirar algum produto estocado não haja a necessidade de remover outro produto que esteja obstruindo a passagem Inventário Todos os autores compreendem inventário, de uma forma geral, como a contabilização física dos materiais em estoque na empresa, com o intuito de comparar os valores existentes e registrados. Viana (1952) concorda com a definição e acrescenta que esta atividade tem o objetivo de garantir a plena confiança e exatidão de registros contábeis e físicos, sendo essencial para que o sistema funcione com a eficiência requerida. O inventário é realizado geralmente de dois modos: periódico ou rotativo. O inventário periódico ocorre quando feito em períodos, como exemplo o fechamento de um ano fiscal ou duas vezes por ano, realizando a contagem física de todos os itens do estoque, acrescenta Alt; Martins (2001). Neste caso, coloca-se um número de pessoas bem maior com a função específica de contar os itens. É uma força tarefa exclusivamente para este fim, já que deve ser feito no menor espaço de tempo possível (geralmente de um a três dias). Inventário rotativo é quando os itens em estoque são frequentemente contados. Esta política exige um número de pessoas que trabalham integralmente nesta função, o ano todo. Gasnier (2002, p. 118) afirma que [...] são diversas as vantagens do inventário rotativo, sendo esta uma prática usual entre as empresas bem organizadas. Este autor também traz algumas diferenças entre o inventário geral e o inventário rotativo, dentre elas que o inventário geral, aquele feito geralmente de ano em ano, tem o esforço concentrado, que há um pico custo. Já no inventário rotativo, os almoxarifes

36 35 tornam-se especialistas no processo e no ajuste, sem ter um pico de esforço e custo, sendo uma constante. O inventário rotativo também é destacado por Dias (2006), com suas contagens frequentes e concentrada cada mês em menor quantidade de itens e tempo, proporcionando melhor controle e análise. O Autor acredita que para a realização deste, deve-se dividir os itens de estoque em três grupos. Primeiro grupo é composto pelos itens mais significativos, comportando inventários de três vezes ao ano, o segundo grupo consequentemente é formado pelos itens de importância intermediária que pode ser contabilizado duas vezes ao ano. Por fim os demais itens, são representados pelo grupo três que necessitam de contagem anual. O principal objetivo do inventário rotativo é identificar os furos nos processos, para que seja possível corrigi-los. O maior benefício é certificar-se que as quantidades no computador correspondam às quantidades físicas efetivamente disponíveis. É preciso atuar nas causas, para que não se repitam. Ao finalizar o inventário Alt; Martins (2001, p. 156) informam que caso haja diferenças entre o inventário físico e os registros do controle de estoques, devem ser feitos os ajustes conforme recomendações contábeis e tributárias. Permitindo então calcular a acurácia dos controles, que mede a porcentagem de itens corretos, tanto em quantidade, quanto em valor Capital de giro São encontradas várias definições para o assunto em diversas autorias, entretanto o consenso geral está relacionado diretamente aos itens circulantes do balanço patrimonial. Definimos como todo o valor monetário (dinheiro) investido em materiais sejam estes matérias-primas, materiais em processo ou produtos acabados. (GASNIER, 2002, p. 137) O custo financeiro do capital de giro, na prática, é mais incômodo quando a empresa se dá conta que o capital imobilizado é grande e que este poderia estar

37 sendo contabilizado em outras maneiras mais rentáveis, como por exemplo, investido em trabalhos, que seria um custo de oportunidade. Gasnier (2002, p. 137) contribui: A questão relevante para o gestor de materiais consiste em como quantificar este custo, para então gerenciá-lo". Segundo Martins; Assaf Neto (1985 apud DI AGUSTINI, 1996, p. 19): O conceito de capital de giro ou capital circulante está associado aos recursos que circulam ou giram na empresa em determinado período de tempo. Ou seja, é uma parcela de capital da empresa aplicada em seu ciclo operacional. Agustini (1996) descreve o capital de giro próprio como uma comparação entre o retorno real oferecido pelo mercado financeiro com o retorno pelo lucro gerado por sua operação. Se o retorno real for superior ao lucro, a empresa terá a tendência de diminuir seu nível de atividade, concentrando a maior quantidade possível de recursos; caso contrário, os investimentos em capital de giro serão direcionados apenas às atividades operacionais. O capital de giro de terceiros é devido aos gastos excessivos ao obter o capital de giro, que é provocado pelas taxas de juros, que devem ser repassados para o preço do produto. Um dos principais motivos do elevado número de falências e concordatas das empresas é a falta do capital de giro ou capital de giro negativo. É notória a importância e a complexidade de administrar os riscos da indexação das receitas, dos passivos e dos custos. (AGUSTINI, 1996). 36

38 37 3 CARACTERIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO Esta seção tem como objetivo apresentar a empresa na qual as acadêmicas realizaram o trabalho de conclusão de estágio, abrangendo seu histórico, o segmento de mercado em que atua, portfólio de produtos, principais clientes e fornecedores. 3.1 Histórico A empresa Comercial de Armarinhos Tiradentes LTDA ME está localizada na Rua José Pereira Liberado, nº 315, bairro São João, no município de Itajaí, estado de Santa Catarina, atuando no ramo atacadista de armarinhos em geral. Por possuir uma experiência louvável na área de armarinhos em geral, de 14 anos, Bento José dos Santos tomou a iniciativa empreendedora de abrir seu próprio negócio. Figura 2: Empresa Armarinhos Tiradentes Fonte: Extraído pelas acadêmicas A empresa foi fundada há quinze anos, iniciando suas atividades em junho de 1996 e registrada na Junta Comercial do Estado sob Nº em 06 de agosto do mesmo ano, com a razão Social LOJAS 99 LTDA.

39 38 Nesta mesma época, o proprietário decidiu inaugurar uma filial da loja na cidade de Navegantes, para prosperar ainda mais seus negócios e idéias. Inicialmente a idéia principal era formar um conjunto de lojas com preço único, (R$ 1,99). Assim que a empresa abriu sua segunda filial, em Itajaí, o proprietário percebeu a dificuldade em encontrar pessoas qualificadas e de confiança para gerenciar estas lojas. Com este pensamento, em 07 de dezembro de 1999, foi discutida a possibilidade em modificar a área de atuação, a fim de diversificar seu portfólio. A idéia inicial foi alterada e como consequência, as filiais foram fechadas. Deste modo, a empresa transformou-se em uma distribuidora dentro do mesmo segmento com preços variados, expandindo o mercado e tendo como principais clientes as lojas, mercearias, agropecuárias e mini-mercados, abrangendo grande parte do estado atuante. Com esta ampliação, a empresa formou uma equipe de vendedores para atingir o objetivo de diversificar o portfólio, procurando novos clientes e cadastrando-os para que o seu leque de contatos aumentasse gradativamente. A atual intenção da empresa não é expandir as praças, mas fortalecer e inovar os itens na pauta, para atender as necessidades do mercado. A empresa conta atualmente com 1 (um) assistente financeiro, 3 (três) vendedores, 1 (um) ajudante operacional e a atuação do proprietário na administração geral da empresa. A carga horária de trabalho é de 44 horas semanais, sendo de segunda-feira à sexta-feira das 8h às 18h00min, com intervalo de 1h30min. 3.2 Ramo de atividade Empresas comerciais são aquelas que vendem mercadorias diretamente ao consumidor, que é o caso do comércio varejista. Há ainda aquelas que compram diretamente do fabricante para revender ao consumidor final, denominado comércio atacadista, como exemplo o segmento de armarinhos.

40 39 A empresa Armarinhos Tiradentes, atua no ramo de mercado de armarinhos em geral, através de distribuição de produtos para revenda nas lojas de pequeno porte. Segundo dados obtidos através do site da AEDB em setembro de 2011, a Associação Brasileira de Atacadistas e Distribuidores(ABAD)informa que a atividadeatacadista representa 4% do faturamento do PIB brasileiro, e em 2002 obteve um faturamentode 50 bilhões de reais, com um aumento de 11% nas vendas se comparado ao ano anterior, oque reflete a importância das empresas de distribuição e sua magnitude no mercado. 3.3 Produtos A empresa distribui produtos de armarinhos em geral, representados pelos mais variados setores, tais como: utilidades domésticas, brinquedos, artigos para festa, pesca, papelaria entre outros. Cada grupo identificado pela empresa possui subgrupos e uma relação de produtos respectivos, segundo o sistema CE utilizado pela empresa: Figura 3: Tela do sistema CE (Controle de estoque) Fonte: Armarinhos Tiradentes

41 40 A empresa possui um relatório dos 100 produtos mais vendidos da empresa na vigência de junho/2010 a junho/2011. De acordo com este relatório, as acadêmicas puderam destacar alguns grupos de produtos que possuem grande importância para a empresa. Houveram três grupos com um destaque maior, que foram: - Grupo 01: Materiais elétricos, de ferragens e hidráulicos com a venda de produtos: Veda Rosca, Fita isolante, Pino 3 saídas, pino macho, cola cano krona, tomada externa, joelho liso, bucha, durepox, torneira, prego, entre outros. - Grupo 04: Brinquedos, identificados pela saída dos produtos: Bolas vinil, bambolê, carrinhos, boneca, baldinho praia, jogos de memória, jogo de chazinho, kit beleza e kit panelinha. - Grupo 11: Armarinhos e utilidades domésticas que são representados pelos produtos: borracha para panela de pressão, panelas, potes, porta frios, escorredor e pegador de macarrão, cortina para box, varal, incenso e cabide. 3.4 Mercados Atuante no segmento de mercado de distribuição, a empresa realiza o processo de entrega de mercadoria no Vale do Itajaí e região, atendendo primordialmente as praças de Itajaí, Navegantes e Florianópolis. Em seu banco de dados, a empresa possui o registro de clientes das cidades: Anitápolis, Agronômica, Águas Mornas, Angelina, Antonio Carlos, Apiúna, Araranguá, Armazém, Ascurra, Aurora, Barra Velha, Benedito Novo, Biguaçú, Blumenau, Bombinhas, Botuverá, Braço do Norte, Brusque, Cocal do Sul, Criciúma, Doutor Pedrinho, Florianópolis, Forquilhinha, Garopaba, Governador Celso Ramos, Gravatal, Guabiruba, Guaramirim, Ibirama, Içara, Imaruí,Imbituba, Imbuia, Ituporanga, Jaraguá do Sul, Laguna, Laurentino, Lauro Muller, Leoberto Leal, Luiz Alves, Major Gercino, Mirim Doce, Morro Da Fumaça, Nova Trento, Orleans, Palhoça, Paulo Lopes, Pomerode, Porto Belo, Presidente Getulio, Rancho Queimado, Rio do Oeste, Rio do Sul, Rio dos Cedros, Rio Fortuna, Rodeio, São Ludgero, Salete, Santo Amaro da Imperatriz, São Bonifácio, São Francisco Do Sul,

42 41 São João Batista, São João do Itaperiú, São José, São Martinho, Taió, Tijucas, Timbó, Trombudo Central, Tubarão, Urussanga, Vidal Ramos. Ao longo de 15 anos de empresa, a Armarinhos Tiradentes teve parceria de fornecedores em seu total de 445 empresas distintas. Com a diminuição do fluxo de vendas, houve a intuição por parte da empresa de adquirir uma parceria ainda mais forte com cada fornecedor e diminuir expressivamente a quantidade de fornecedores ativos, com compras mais frequentes. Deste modo, atualmente há dez principais fornecedores, sendo eles: Fornecedor Itens comprados Localização MN Teruya Ferragens São Paulo/SP Poliplast Utilidades domésticas Tabela 1: Relação dos principais fornecedores Fonte: Elaborado pelas acadêmicas Timbó/SC Hiperball Brinquedos São Paulo/SP Apollo Brinquedos São Paulo/SP Haracém Utilidades domésticas São José dos Pinhais/PR Krona Ferragens Joinville/SC Encasa Perfumaria Blumenau/SC Plásticos Santana Formplast Atacado Utilidades domésticas Utilidades domésticas São Paulo/SP São Paulo/SP Martins Diversos Uberlândia/MG

43 42 4 RESULTADOS DA PESQUISA Neste capítulo serão abordados a descrição dos processos de recebimento de materiais, descrição dos processos de vendas, análise do layout do setor de estoque e propor melhorias, realização do inventário físico, atualização do sistema interno de controle de estoque, análise da curva ABC e por fim propor um método eficaz que dê continuidade ao controle de estoque, sendo estes os objetivos específicos utilizados pelas acadêmicas para desenvolver, o trabalho em questão, na empresa Armarinhos Tiradentes. 4.1 Descrever o processo de recebimento de materiais Quando existe a necessidade de compra de mercadoria, o proprietário solicita a quantidade desejada de cada produto que pode ser realizada por , telefone ou fax, obtendo a confirmação da lista de compra posteriormente. Em geral, o prazo estabelecido para recebimento dos pedidos varia de quinze a vinte dias, tendo em vista que os principais fornecedores estão localizados em São Paulo e região. Quando a mercadoria solicitada chega ao Comercial de Armarinhos Tiradentes, a nota fiscal é entregue ao proprietário para que a conferência dos produtos e suas respectivas quantidades aconteçam no momento em que a mercadoria é descarregada. Caso haja alguma divergência ou discrepância no pedido referido, o comunicado ao fornecedor deve ocorrer mediante a presença do transportador, para o ressarcimento, devolução ou reposição da mercadoria. Este procedimento se faz necessário para maior confiabilidade dos fornecedores, além de evitar uma cobrança posterior indevida, garantindo um processo confiável, sem que nenhuma das partes fique prejudicada.

44 43 Se o pedido recebido for compatível com o solicitado, cabe ao proprietário do estabelecimento incluir a quantidade no sistema interno de controle de acordo com a nota fiscal recebida. Após o sistema atualizado, é um processo habitual do assistente operacional, guardar os produtos em suas respectivas prateleiras. Quando estas ficarem devidamente preenchidas, os produtos são armazenados em caixas para posterior exposição. No setor de ferragens alguns produtos expostos são encartelados, geralmente produtos pequenos como buchas e parafusos, visando facilitar a venda, o controle e o preço obtendo seu diferencial. Essas cartelas são feitas através da quantidade descrita na pauta e lacrada com a etiqueta personalizada da empresa. 4.2 Descrever os processos de vendas de mercadorias Por ser uma distribuidora, a Armarinhos Tiradentes conta com três vendedores, com suas praças já definidas, para que estes levem o catálogo com as fotografias dos produtos e preços, oferecendo as mercadorias disponíveis para sua cartela de clientes. O vendedor anota o pedido de acordo com a solicitação do cliente com as quantidades, descrições e códigos, em um bloco próprio da empresa, deixando uma via em seu cliente e trazendo a outra via para a empresa. Assim que o vendedor cumpre sua programação de visitas, este volta para a distribuidora trazendo consigo seus pedidos. Antes da preparação destes pedidos, é necessário passá-los ao sistema para que este tenha seu número de identificação, com as devidas informações de quantidade e códigos que são anexados junto ao pedido original. A preparação dos pedidos já passados ao sistema é feito na seqüência, com a separação dos produtos solicitados. Após preparado, outra pessoa responsável faz a conferência e embala as mercadorias em caixas ou sacos, incluindo a informação do número do pedido e o número do vendedor nas caixas.

45 44 Na hora de apurar os pedidos para entrega, é definida a rota, na qual as caixas são colocadas no meio de transporte utilizado de acordo com a ordem préestabelecida. Neste processo, é realizada uma conferência dos volumes previamente anotados no pedido original com as caixas dos pedidos físicos. Depois de feitas todas as etapas e conferências necessárias, o pedido está pronto para seguir viagem. A entrega é realizada na semana da venda ou na semana subsequente. 4.3 Analisar o layout do setor de estoque e propor melhoria A empresa Armarinhos Tiradentes possui um terreno de m² que dispõe de depósito, garagem, setor de armazenagem, escritório, banheiro, cozinha e departamento financeiro. A amplitude da empresa é um fator positivo que proporciona a capacidade de comportar 14 (quatorze) prateleiras grandes com 4,66m (quatro metros e sessenta e seis centímetros), feitas sob medida para a estocagem de produtos em massa, sem interferir na distribuição e na movimentação entre os corredores. A disponibilização das prateleiras no espaço físico pode ser modificada e adaptada às necessidades específicas da empresa, otimizando a operacionalização dos processos. Um fator crítico apontado pelas acadêmicas é a necessidade de separar os produtos por setores, para aproximar aqueles produtos com a mesma finalidade de venda. Contribuindo com esse raciocínio a identificação das áreas setoriais, bem como dos produtos comportados no armazém é inexistente e insuficiente para a demanda e compreensão de leigos. O portão de entrada da empresa e o portão de acesso ao galpão de armazenagem são apropriados para o recebimento e venda de mercadorias, com a capacidade de entrada de automóveis de pequeno a grande porte. As garagens cobertas ficam próximas ao portão do galpão e são de uso exclusivo dos funcionários, porém toda a área entre os dois portões da empresa são disponibilizadas aos clientes e fornecedores.

46 45 O escritório do gestor está localizado próximo ao acesso de entrada do galpão, possuindo duas janelas grandes, bem como duas portas para facilitar o acesso e contato os colaboradores e clientes. É facilmente identificado pela ilustração da Figura 4 que a maior área da empresa está voltada para o setor de armazenagem dos produtos contendo em seu total 800 m², utilizando quase que metade de toda a extensão do terreno. Sua proporção faz com que a empresa tenha que priorizar a organização e o bom funcionamento do local. As demais áreas da empresa são suficientemente amplas para o desenvolvimento das atividades. A iluminação do armazém é adequada para execução das rotinas operacionais, a qual possui em toda a extensão do galpão 14 (quatorze) luminárias, respeitando a altitude mínima de dois metros acima do produto armazenado mais alto.além de duas janelas grandes nos fundos do galpão, uma janela de mesmo tamanho na entrada (ao lado do portão) e mais seis elementos vazados que auxiliam na iluminação e ventilação do ambiente. LEGENDA Prateleiras de madeira Prateleira de madeira frente e verso Prateleira suspensa Prateleira de ferro Balcão fixo Balcão móvel Balcão de suporte Mesa de embalagem Elevador manual Ferragens Cesto de bolas Figura 4: Layout térreo Fonte: Elaborado pelas acadêmicas

47 46 No piso superior há um espaço 600 m² para armazenagem de caixas e fardos de brinquedos, transportados pelo elevador manual. Ainda neste espaço existe o setor financeiro, que dá continuidade às vendas realizadas, finalizando o processo com a confecção de notas fiscais e boletos para a entrega. Além do piso superior que a empresa dispõe, existem dois mezaninos com altura mediana, utilizados para depósito de mercadorias como fardos de caminhões de brinquedo, bolas, entre outros produtos armazenados ,00 Para Cim a 27743, , , ,00 Para Cim a 2300, , , ,00 900,00 Figura 5: Layout mezanino Fonte: Elaborado pelas acadêmicas Figura 6: Layout de armazenagem Fonte: Elaborado pelas acadêmicas LEGENDA Mezanino Elevador manual Mesa de escritório

48 47 Área de Brinquedos Área de Ferragem Área de Produtos de Beleza e Acessórios Área de Pesca Armazenagem de Baldes Área de Festa LEGENDA Prateleiras de madeira Prateleira de madeira frente e verso Área de Papelaria Prateleira suspensa Prateleira de ferro Balcão fixo Balcão móvel Balcão de suporte Mesa de embalagem Elevador manual Figura 7: Layout proposto Fonte: Elaborado pelas acadêmicas Ferragens Cesto de bolas Pallets A primeira modificação sugerida pelas acadêmicas é que o layout da empresa seja dividido por segmento de produtos, melhorando a estética da empresa, deixando um ambiente clean e organizado. A entrada da empresa Armarinhos Tiradentes ficará ampla, com a área de papelaria, compondo dois balcões, mais auxiliares para armazenagem de papel de presente. Nesta área ficarão todos os produtos que fazem parte da papelaria, desde

49 48 blocos de pedido, notas fiscais à lápis de cor e apontador, centralizando estes objetos em um único local. O balcão de entrada, agora, formará um setor de atendimento para produtos de pesca, localizado ao lado do setor de papelaria. Este balcão, que antes não era utilizado, será útil para a armazenagem dos produtos de sua área atual. Este fato será extremamente importante, pois são peças pequenas que necessitam de cuidado. As prateleiras de exposição das iscas e bóias (em azul no layout) eram suspensas em uma prateleira de madeira. Com a mudança, estas ficarão atrás do balcão, anexadas à parede. Para os artigos de festas, há uma prateleira encostada na parede, entre a área de papelaria e a área de pesca, que continuará com a mesma característica e mesmos objetos que já eram colocados anteriormente. A área de plásticos ficará próxima a entrada, sustentando duas prateleiras (frente e verso) onde ficarão os potes, peneiras, lixeiros para pia, saladeira, entre outros produtos envolvendo esta mesma área. Para completar este setor, haverá a necessidade de adquirir pallets para que os baldes, bacias e lixeiras grandes tenham seu local limpo e obtendo menos contato com a poeira do chão. No fundo da empresa, local dos três balcões, ficará as ferragens que necessitam de um local para apoio, tanto de preparo e armazenagem dos pedidos, quanto para a confecção dos encartelados, pois tratam-se de produtos minuciosos. Os brinquedos, por serem peças geralmente grandes, também ficarão próximo aos balcões, o que facilitará o preparo do pedido no que se refere a retirada dos produtos solicitados pelo cliente, para que seja feita a conferência e embalagem do mesmo. As bolas ficarão no mesmo local, pois o motor utilizado para enchimento das mesmas é de difícil realocação na empresa, tendo em vista que este necessita ficar ao lado de fora do galpão. Próximo às bolas ficará a área de beleza e roupas, como acetona, lixa de unha, algodão, meias e fraldas. Para a armazenagem destes produtos serão utilizados dois balcões e mais uma prateleira, que ficará ao lado destes. Considerando o novo modelo de layout proposto, os custos para que essas modificações sejam implantadas no setor de armazenagem da empresa são quase que nulos, observando que a principal mudança acontece apenas com remanejamento de prateleiras e balcões já existentes.

50 49 Porém é importante ressaltar que custos com mão-de-obra são cogitados pelas acadêmicas, pois as prateleiras são de porte elevado e o peso dificulta a locomoção. Também foi orçado na empresa Rei do Pallet o preço de oito estrados plásticos, finalizando a compra no valor de R$ 216,00, disponível no anexo deste trabalho. 4.4 Realizar inventário físico As informações adquiridas foram extraídas pelas acadêmicas na realização da contagem física de todos os produtos contidos em estoque da empresa Armarinhos Tiradentes, em julho de Foram necessários três dias, com a empresa fechada para realização do inventário, totalizando aproximadamente trinta horas realizado de sexta-feira a domingo. A diferença do estoque para o que a empresa havia registrado em seu sistema foi presenciada em quase que todos os produtos após a contagem final, com diferenças marcantes de quantidades. Ressaltando que a irregularidade em seu geral era com valores físicos menores do que apontados pelo sistema. Esse detalhe indagou as acadêmicas a fazer um teste no programa de controle de estoque, utilizado pela empresa, após a atualização do sistema, analisando se na saída de mercadorias a baixa dos produtos era realmente automática. Ainda relacionado com a diferença contábil ocorrida, também tiveram destaque os produtos que podem ser vendidos pela empresa tanto em cartelas ou em kits, conjugados com outros produtos. A inclusão de cada produto no sistema ocorre como unidade, quando a empresa realiza a montagem dos kits, não existe a baixa manual do produto individual no sistema e a inclusão dos produtos conjugados. Resulta consequentemente na baixa indevida dos produtos e principalmente variação de valor destes.

51 50 Figura 8: Produtos encartelados (Pino fêmea e rodízio) Fonte: Extraído pelas acadêmicas Figura 9: kit Fonte: Extraído pelas acadêmicas Outra falha identificada na realização do inventário ocorreu nos momentos em que as acadêmicas não localizavam os produtos físicos listados na pauta utilizada para contabilização. Fato ocasionado porque os produtos estavam incluídos na relação de inexistentes e/ou faltantes, por consequência os mesmos não eram vendidos já que a administração tampouco os vendedores sabiam da existência dos produtos. Na contagem dos rodízios, produto de linha de ferramentas, as cartelas eram montadas pela empresa Armarinhos Tiradentes com uma quantidade maior do que era especificado no sistema. Ou seja, no sistema constavam cinco unidades por cartela, mas ao realizar a conferência física destas foram encontradas cartelas montadas com sete, nove e até dez unidades.deste modo a venda do produto específico gerava um desperdício de até cinco unidades por cartela, deixando de vender o dobro de mercadorias. Durante a realização do inventário as acadêmicas tiveram dificuldade em identificar os produtos físicos e os pautados, contando de forma equivocada alguns produtos. Como exemplo dos baldes, em que dois produtos diferentes foram somados como um único produto.

52 51 Figura 10: Baldes Fonte: Extraído pelas acadêmicas O problema foi ocasionado pela distribuição física e identificação incorreta dos mesmos, além de haver produtos iguais armazenados em locais diferentes, necessitando de uma recontagem e nova organização. A desorganização dos produtos estocados além de retardar o processo do inventário, proporciona maior desgaste dos produtos. Avarias foram percebidas e separadas durante a contagem. Figura 11: Avarias Fonte: Extraído pelas acadêmicas

53 Atualizar o sistema interno de controle de estoque Na atualização do sistema o supervisor de campo esteve presente para respaldar e tirar dúvidas preconcebidas pelas acadêmicas na realização do inventário. Como a contabilização física dos itens em estoque foi realizada com a colaboração de mais quatro pessoas, além das acadêmicas, as informações foram anotadas separadamente. Para dar continuidade à atualização, se fez necessário a impressão de uma nova relação contábil, onde primeiramente todas as informações constatadas foram unificadas em um só documento, tomando dois dias após a contagem dos intens. Durante este processo vários itens contabilizados não contavam na relação dos produtos e foram incluídos manualmente, seguido da relação para verificação. Na quarta-feira as acadêmicas enfim iniciaram a inclusão dos novos dados no sistema de controle de estoque. Tomando como base a relação contábil impressa, as acadêmicas entraram em cada item do sistema para substituir as quantidades contabilizadas. Os itens que constavam na relação e que não possuíam quantidade em estoque foram zerados no sistema e vice-versa. Destaca-se que grande parte dos produtos listados obtinha centenas de quantidades no sistema, e na substituição dos valores foram nulos ou reduzidos drasticamente. Durante a atualização, o supervisor de campo, com toda sua experiência, pode perceber algumas divergências quanto às quantidades relatadas, havendo a necessidade de recontagens de alguns produtos, no exato momento da atualização. O motivo que levou a recontagem de alguns itens foi a existência de caixas não contabilizadas, encontradas pelo supervisor de campo em local separado do produto exposto. Outro fator relevante foi a não contagem de um produto, na qual o supervisor de campo tinha certeza da compra. Ao recontar este, foi percebido que a equipe havia unificado dois produtos distintos. Finalizada a atualização da pauta impressa, ficaram pendentes os produtos incluídos manualmente na relação. O motivo de alguns destes produtos não estarem relacionados na pauta decorreu pelo fato que os mesmos se encontravam na

54 53 relação de produtos faltantes. Foi alterada a classificação dos grupos destes produtos, passando da relação de faltantes para produtos ativos e consequentemente alterando sua quantidade real em estoque no sistema. Outra parte dos produtos não localizados na pauta impressa nem mesmo estavam cadastrados no sistema, deste modo foi utilizado códigos de produtos inativos para inclusão dos mesmos, como exemplo a inclusão dos produtos, cartão postal e gilete importada. A atualização das quantidades no sistema com todos os empecilhos decorrentes necessitou de dois dias, totalizando quatro para finalização das quantidades corretas. Neste período as vendas ocorridas foram anotadas para a baixa manual no sistema. Nas vendas posteriores à atualização, notou-se que ao emitir o pedido e a nota fiscal, a quantidade permanecia a mesma. Concluindo que a baixa automática nunca esteve presente no processo administrativo da empresa, por falta de um link não instalado no sistema. 4.6 Analisar a curva ABC da empresa O período utilizado para análise e tratamento dos dados foi de 13/07/2011 a 06/10/2011, totalizando 85 (oitenta e cinco) dias. Curiosamente percebe-se que o período de análise é um período incompleto, pois a análise da curva ABC deveria ser feita em um período de 3 (três) meses, porém ao coletar os dados ocorreu uma perda de informações nos períodos anteriores, impossibilitando as acadêmicas a realizarem o estudo no período desejado. É importante ressaltar que este fato não interferiu no resultado da análise e tratamento dos dados. Ao tratar os dados coletados, foi possível identificar a quantidade de produtos vendidos pela empresa Armarinhos Tiradentes, com o total de (três mil, duzentos e sessenta e um) produtos abrangendo todas as áreas da empresa. Multiplicando essa quantidade pelo custo unitário de cada produto vendido, as acadêmicas puderam mensurar o valor de R$ 4.926,03 (quatro mil, novecentos e

55 54 vinte e seis reais e três centavos) que a empresa obteve de custo com a aquisição dos produtos. Logo na etapa de identificar as informações contidas no sistema da empresa sobre a descrição do produto, o preço de custo unitário e a quantidade vendida, as acadêmicas se surpreenderam com alguns números, mas em principal, com os valores relacionados ao custo unitário de mercadoria. Criticando esses valores incorretos, juntamente com o proprietário, foi realizada a substituição manual das informações. Este fato ocorreu em todos os produtos existentes na planilha gerada pelo sistema (disponível no apêndice deste trabalho). Com a confiabilidade dos dados, o impacto dos produtos foi identificado, ou seja, o valor expressivo da importância de cada produto, representados pela quantidade vendida ou pelo valor agregado. Acumulado (%) CURVA ABC Código dos Produtos % ACUM Figura 12: Gráfico de classificação ABC Fonte: Elaborado pelas acadêmicas A classificação ABC, como já comentado anteriormente na fundamentação teórica, visa identificar e separar os principais produtos para a organização. Concluise que os principais produtos da empresa estão presentes na classificação A, sendo estes responsáveis por 70% da demanda em valor monetário. Na empresa Armarinhos Tiradentes este valor representa R$ 3.445,48 (três mil, quatrocentos e quarenta e cinco reais e quarenta e oito centavos) divididos em 45 (quarenta e cinco) produtos relacionados entre carrinhos sortidos e chumbinho tupi, também disponível no apêndice do trabalho.

56 Mesmo representando 18,37% sobre o total de produtos vendidos, e este ser um número elevado, está justificado pelo impacto financeiro proporcionado a empresa diferenciando-se com maior destaque perante os demais produtos. Produtos classe A Brinquedos Alumínio Utilidade Doméstica Ferragens Papelaria Armarinhos Tabela 2: Produtos de classe A Fonte: Elabora pelas acadêmicas 55 Visto que em sua totalidade os produtos de classe A são compostos principalmente por brinquedos, produtos considerados grandes que também facilitam a contagem e o controle de armazenagem. É composta também em grande quantidade por produtos de armarinhos (guarda-chuvas, acetonas, mamadeira, kit para cabelo, corda de violão e banheira). Além dos produtos citados, a classe A possui em poucas quantidades produtos linha de ferragens, papelaria, alumínio e utilidades domésticas. A representatividade dos brinquedos na classe A é maior do que nas classes consecutivas, ou seja, quase que em totalidades os brinquedos estão presentes nos itens de maior importância para a empresa Armarinhos Tiradentes. De contra partida os produtos de armarinhos são surpreendentemente de menor quantidade, possuindo apenas 11 (onze) produtos na classe A, 17 (dezessete) na classe B e 37 (trinta e sete) na classe C. Isto ocorre porque existem 65 (sessenta e cinco) produtos distintos no grupo de armarinhos na empresa, os demais grupos não possuem tanta diversidade. Produtos classe B Brinquedos Alumínio Utilidade Doméstica Ferragens Papelaria Armarinhos Tabela 3: Produtos de classe B Fonte: Elaborado pelas acadêmicas Consequentemente, os produtos de classificação B são os produtos de importância intermediária para a empresa, contendo estes 80 (oitenta) produtos ao

57 56 todo, por que representam R$ 978,36 (novecentos e setenta e oito reais e trinta e seis centavos), ou seja, 20% da demanda em valor monetário. Dos 80 (oitenta) produtos compostos pela classe B, 61 (sessenta e um) produtos são compostos pela linha de utilidades doméstica, ferragens e armarinhos, restando apenas 19 (dezenove) produtos para brinquedos, papelaria e alumínio. Destaca-se que os produtos de utilidades domésticas estão em maior número nesta classe, com 24 (vinte e quatro) produtos distintos do grupo. Produtos classe C Brinquedos Alumínio Utilidade Doméstica Ferragens Papelaria Armarinhos Festa Tabela 4: Produtos de classe C Fonte: Elaborado pelas acadêmicas Por fim, os produtos de maior quantidade representados pelos 118 (cento e dezoito) produtos restantes, constam na classificação C por possuir pouca rotatividade e valor baixo agregado. Apesar da grande quantidade de produtos, atingem apenas aproximadamente 10% do valor de demanda monetário. Na última classificação da curva ABC predominam os produtos de ferragens, armarinhos e utilidades domésticas, lembrando que estes são os produtos mais numerosos da empresa. Os grupos de ferragens e de armarinhos possuem representatividade maior de produtos nesta classe do que nas anteriores. Produtos de ferragens são produtos minuciosos e em sua maioria são encartelados por quantidades específicas disponibilizadas no sistema de controle de estoque da empresa. A compra desses produtos é realizada em massa, mas a venda ocorre separadamente por cartelas, entende-se dessa forma, que a contabilização dos produtos é dificultosa e trabalhosa. O grupo de festa só possui dois produtos de importância para a organização, sendo eles: copo plástico branco e balão sortido. Este grupo possui um impacto apenas de nível C, não existindo nas demais classes. Outro grupo de produtos que chama atenção é o de alumínio que não está presente nesta classe. Como já comentado na realização do inventário, as informações de pedidos e quantidade de entrada de produtos adquiridos, de alguma maneira, são imputadas no sistema, porém, estas não são baixadas automaticamente quando a venda é

58 57 efetuada. Desta maneira, há a divergência de informação, em relação aos itens em estoque, e os produtos que foram vendidos, prejudicando significativamente a análise. No período de análise utilizado pelas acadêmicas, aconteceram alguns eventos de suma importância, que também podem ter interferido nas informações coletadas, como as chuvas ocorridas nesse período de forte intensidade, que alavancaram as vendas de guarda-chuvas e sombrinhas (produtos de armarinhos que se destacou na classificação A). Dos 11 (onze) presentes produtos do grupo de armarinhos, 6 (seis) deles são guarda-chuvas e sombrinhas de tamanhos e características diferentes. A outra eventualidade foi a data comemorativa do dias da crianças, provocando a quantidade de venda em grande escala de brinquedos nestes período. 4.7 Propor um método eficaz que dê continuidade ao controle do sistema interno O controle interno é importante para uma organização, pois com um conjunto de procedimentos, métodos ou rotinas, é possível auxiliar na administração, conduzindo corretamente os negócios da empresa. A maneira em que o administrador lidera, determina a capacidade de implantar sistemas de controle nas condições favoráveis à empresa, atendendo suas particularidades. A empresa Armarinhos Tiradentes possui um sistema de controle interno, porém, este não é confiável para a coleta de informações importantes. Com estudos realizados na empresa, as acadêmicas puderam perceber que se houver um controle eficaz das informações, será de grande valia para que o administrador possa analisar e interpretar dados, auxiliando na tomada de decisão. Para que os dados encontrados no sistema atual da empresa sejam confiáveis, serão necessárias algumas mudanças nos processos internos da empresa, bem como no método como as informações são imputadas no sistema, além de incluir a manutenção das informações.

59 Processos de compra de materiais A primeira alteração sugerida pelas acadêmicas ocorre nos processos de recebimento de mercadoria, sendo este a primeira movimentação do produto na organização. Se logo no início este processo for falho ou possuir alguma possibilidade de erro, vai prejudicar todas as demais etapas envolvidas no processo de estoque da empresa. No histórico da empresa Armarinhos Tiradentes, a compra de produtos é realizada apenas quando este está em falta ou com pouca quantidade.a sugestão inicial está voltada para o período ideal em que a empresa deveria realizar a compra de produtos, bem como obter processos padronizados para garantir a eficácia do tempo de reposição de produtos. A compra de novos produtos deve então acontecerquando os produtos estocados chegarem até 20% da quantidade da última compra realizada, por exemplo, no último pedido foram compradas 100 (cem) peças de TEE LISO e quando este produto ficar com somente 20 (vinte) unidades registradas no sistema, deve ser solicitado um novo pedido. A empresa Armarinhos Tiradentes trabalha com um grande leque de produtos, fazendo com que esta conferência seja dificultosa no momento atual. Para viabilizar as conferências necessárias de cada produto, é proposto solicitar ao técnico de sistema uma nova ferramenta dentro do programa de controle de estoque já existente na empresa. Esta nova ferramenta irá funcionar da seguinte maneira: ao incluir algum pedido no sistema, o programa automaticamente calculará 20% sobre a aquisição, e quando esta quantidade atingir a porcentagem fixa, o sistema irá transferir este produto para uma relação de produtos para compra. Para controlar estas quantidades mínimas, será necessária a conferência semanal das quantidades de produtos estocados, sugerida pelas acadêmicas que seja realizado toda quinta-feira. Neste dia o proprietário deverá verificar a relação de produtos para compra (nova ferramenta do controle de estoque) e solicitar junto aos seus fornecedores as quantidades necessárias de cada produto, exigindo que em até 24 (vinte e quatro)

60 59 horas lhe seja encaminhado uma confirmação dos produtos e quantidades que serão transportados, afim de minimizar erros. A confirmação do pedido deve ser concretizada, ou não, até sexta-feira, para que após essa data o fornecedor tenha um lead time de até no máximo 20 dias. Esse fator é muito importante para que não haja perda de tempo, relacionado ao transporte e a reposição dos produtos na empresa, bem como o valor intrínseco das transações Processos de recebimento de materiais É de extrema importância que haja um passo a passo a seguir, para que os processos sejam feitos de maneira padronizada, o que possibilita anular as falhas existentes. Para isto, faz-se necessário criar um checklist de acordo com os procedimentos da empresa, a qual deverá ser utilizada diariamente. Neste checklist deverá conter alguns processos, tais como: conferência de volumes, conferência dos produtos recebidos, retorno ao fornecedor via do recebimento do pedido, discriminar se houve alguma falha na entrega, confirmar a inclusão do pedido no sistema, armazenagem dos produtos em suas respectivas prateleiras, montar kits e encartelar produtos. Todos esses processos deverão ser assinalados, após a efetivação das atividades em uma folha timbrada e assinada pela pessoa que o executou, deve ainda ser anexada com a solicitação do pedido e nota fiscal recebida para que nenhum processo passe despercebido. Quando a mercadoria adquirida chegar às dependências da empresa, como já era realizada anteriormente, a conferência dos volumes e tipo de produto deverá ser feita na presença do transportador. A pessoa responsável por receber a nota fiscal, deverá carimbar, colocar data e hora e assinar no verso desta, para que haja um controle rígido quanto ao recebimento e conferência dos produtos recebidos, além de preencher o checklist criado anteriormente. Caso seja necessária a devolução de alguma mercadoria com possível defeito ou quantidade discrepante, a ordem de crédito ou débito deverá ser feita mediante representante da empresa, no mesmo momento da conferência.

61 60 A atualização do sistema com as novas quantidades de produtos recebidos deve ocorrer imediatamente após a conferência do pedido, evitando o esquecimento ou que ocorra alguma venda sem a inclusão destes. Este sistema deverá ter registros diferentes para cada pessoa responsável por usá-lo, havendo a necessidade de colocar senha e nome de usuário ao acessar, para que cada passo realizado neste sistema seja rastreado e gravado, pois deste modo ficará fácil de haver um controle das atividades realizadas. Com a inclusão das quantidades no sistema, cabe ao encarregado operacional a armazenagem de cada produto em sua localidade específica. Ressaltando que se o produto for do grupo de ferragens e/ou kit, existem ainda outras etapas antes da armazenagem. No caso de produtos unitários que possuem a formação de kit, após incluídos no sistema, deve ser separado alguns produtos para a montagem de kits. As quantidades parciais utilizadas para formar os kits serão baixadas do sistema como peças unitárias e imediatamente incluídos com as quantidades de kits montados. Os kits já prontos devem também ficar expostos nas prateleiras do armazém, facilitando posteriormente o processo de venda. No caso das ferragens, antes da armazenagem apenas algumas quantidades devem ser encarteladas para possibilitar a venda de pequenas e grandes quantidades Processos de venda de mercadorias Acompanhando a tendência tecnológica, as acadêmicas sugerem à empresa a aquisição de um aparelho, que auxiliará o processo de vendas, tornando-o automatizado, diminuindo tempo e os processos. Conhecido como PDA - Personal Digital Assistant (Assistente Digital Pessoal), ou seja, pequenos computadores capazes de comportar softwares. Os vendedores, munidos deste aparelho, terão acesso ao sistema de controle de estoque da empresa e ambas as fontes serão interligadas, caso ocorra alguma modificação de dados.

62 61 Um fator importante para a aquisição deste novo aparelho, além dos benefícios já descritos, é a informação instantânea da quantidade disponível de produtos em estoque, fazendo com que o cliente sempre receba seu pedido sem haver falta dos produtos solicitados. Por sua vez, o vendedor, será responsável pela criação de novos pedidos e de sua respectiva confirmação. Assim que o pedido for confirmado pelo cliente, a base será informada de que há um pedido pendente para montagem. Este processo substitui a existência de pedidos físicos, através de blocos para pedidos eletrônicos. Quando o pedido é confirmado, também deve ocorrer a atualização das quantidades existentes no estoque em todos os sistemas da empresa. Como foi identificado que esta baixa não acontece atualmente na organização por uma falha operacional, o técnico de sistema deverá ajustar esta função inexistente e monitorála durante o período de 3 (três) meses. Na medida em que a base recebe os pedidos, os mesmos são montados, conferidos e embalados, deixando-os prontos para a entrega. Os pedidos montados até quinta-feira vão compor um cronograma de transporte, para que sexta-feira os pedidos sejam distribuídos com uma rota coerente. Caso a aquisição do aparelho PDA Personal Digital Assistantnão seja viável para a empresa Armarinhos Tiradentes, as acadêmicas ainda sugerem que a base central do sistema de controle de estoque seja atualizada, a fim de que ao ocorrer alguma inclusão de pedido as quantidades estocadas sejam subtraídas do estoque disponível da empresa. O administrador será responsável por dar suporte aos vendedores e transmitir informação correta referente à quantidade de produtos estocados na empresa, evitando prometer ao cliente algum produto que a empresa não possua em estoque ou deixar de vender algum produto por não saber de sua existência. Este contato deve ocorrer durante a negociação com o cliente. Ao final de todo o dia a administração da empresa deve receber todos os pedidos realizados pelos vendedores por , fax ou telefone (dispensando a presença física do bloco de venda utilizado), para que o responsável envie uma confirmação ao cliente. Recebendo o retorno de confirmação do cliente, o supervisor inclui as respectivas quantidades solicitadas no sistema, para realizar a baixa no estoque da empresa, e logo após realiza a montagem, conferência e embalagem dos produtos.

63 62 Igualmente no processo com o aparelho PDA, os pedidos montados até quintafeira vão compor um cronograma de transporte, para que sexta-feira os pedidos sejam distribuídos com uma rota coerente. A única diferença, é que além da nota fiscal é importante anexar o bloco de pedido assinado pelo cliente ou o retorno da confirmação do pedido, a fim de evitar futuros contratempos Inventário físico De acordo com a Lei nº 9.317/96 a realização do inventário pelas micro e pequenas empresas é facultada, informação coletada em 30/10/2011 no site do SEBRAE, documento Manual de procedimentos contábeis para micro e pequenas empresas. Por este motivo a empresa Armarinhos Tiradentes não realiza a contabilização dos produtos em estoques, porém é aconselhável que este ocorra anualmente para maior controle interno. O período apropriado para realização deste inventário anual é durante o mês de junho, porque neste mês não existe uma movimentação intensa de venda para prejudicar a contabilização interrupta dos produtos em estoque. Este período também é importante, pois é possível atualizar e/ou corrigir, se necessário, as quantidades reais em estoque para que o período mais agressivo de venda, o final do ano, possa iniciar com a correta informação de dados. Com a identificação dos principais produtos, encontrados a partir da análise ABC, as acadêmicas sugerem à empresa, fazer um inventário mensal dos produtos diagnosticados como classe A, já que estes representam 70% do valor da demanda monetária. A responsabilidade de fazer o monitoramento do inventário caberá exclusivamente ao proprietário da empresa, pois este poderá ter, de forma mais precisa, informações corretas para o melhor tratamento dos produtos de classe A e manutenção no sistema em tempo hábil, se necessário. É importante destacar que os produtos desta classe são compostos por apenas 45 itens, sendo fácil de inventariar e monitorar.

64 63 Os demais produtos distribuídos nas classificações B e C, que também possuem um impacto significativo para a empresa, deverão ser inventariados trimestralmente. Além de obter um maior controle dos materiais, este processo auxilia a conferência e manutenção do sistema. É importante refazer a análise da classificação ABC semestralmente, observando desta forma a nova relação dos produtos de maior impacto para empresa, decorrente das vendas destes dois períodos, imprescindíveis para a tomada de decisão. Para a realização desta análise é necessário a disponibilidade de 3 (três) planilhas extraídas do sistema de controle interno da empresa, disponibilizadas gratuitamente com o auxílio do técnico, sendo: uma com a descrição do produto, outra com o preço de custo unitário e a quantidade vendida em um período estimado dos 3 (três) últimos meses. O proprietário deverá ser a pessoa responsável por contratar o serviço de algum consultor na área de materiais para obter informações completas da análise da curva ABC, bem como supervisionar para que as informações coletadas sejam precisas e o ajudem a tomar as decisões necessárias.

65 64 5 SUGESTÕES PARA A ORGANIZAÇÃO A primeira realização dos objetivos específicos atingidos pelas acadêmicas foi a descrição dos processos de venda e recebimento de mercadorias, se estendendo até a análise da curva ABC. No desenvolvimento destes objetivos foram previamente identificados alguns problemas, motivo pelo qual as acadêmicas buscaram oferecer para a empresa, sugestões de melhorias para solucionar as questões que não estavam ajustadas por completo, como por exemplo: Assim como já sugerido pelas acadêmicas no novo modelo de Layout, a disponibilização dos produtos estocados deverá aproximar os produtos de mesma utilidade para agilizar o processo de retirada e montagem do pedido solicitado. Identificar todos os produtos do armazém, expondo seu nome e código exatamente como se encontra na pauta do sistema para que qualquer pessoa possa reconhecer os produtos. Enumerar as prateleiras disponíveis no armazém, visando fácil localização do setor onde os produtos se encontram. Feito essas identificações indispensáveis é ideal incluí-las no sistema da empresa, para que ao imprimir a relação do pedido, ao lado de cada produto já esteja descrito a sua devida referência de localização. Com a identificação dos produtos já incluída, o processo de montagem do pedido deve ser programado com uma rota para facilitar o deslocamento pela empresa, otimizando o tempo de preparação e montagem do processo. Um ponto delicado no controle de produtos estocados é a formação de kit, que as acadêmicas entendem que o recebimento é feito individualmente (pois a compra é realizada em massa). A sugestão é que parte desses produtos seja dada a saída no sistema, como venda individual, e em seguida incluída como kit. Exemplo: Foi comprada uma caixa contendo tiras com 100 (cem) copos plásticos cada um, uma caixa contendo pacotes com 50 (cinquenta) garfos plásticos em cada e uma caixa contendo 10 (dez) pacotes de pratos plásticos em cada. Deve ser baixado do sistema uma tira de copo plástico, 2 (dois) pacotes de garfos plásticos e 10 (dez) pacotes de pratos plásticos

66 65 totalizando 100 (cem) produtos de cada, para que seja incluído no sistema 10 (dez) kit-10/copo, 10/GARFO E 10/PRATO. O kit deve já ficar montado e disponibilizado na prateleira anteriormente à venda para finalizar o processo com as quantidades e os valores exatos. Comprar um PDA - Personal Digital Assistant para os vendedores, que auxiliará na verificação exata e segura dos materiais que contém em estoque. Através desta tecnologia vendedor realizará pedidos instantâneos, ou seja, no mesmo momento o pedido ficará disponível na área operacional da empresa para dar inícios aos processos de montagem e embalagem dos produtos solicitados. Além dos benefícios citados acima, após a confirmação do pedido por parte do vendedor, a baixa dos produtos contidos neste pedido será automática (em tempo real) no estoque da empresa. Por possuir um amplo mercado de atuação, que atualmente se encontra inoperante, a contratação de novos vendedores seria capaz de suprir as necessidades da demanda, bem como reativação de praças. Para continuar atualizando-se com o auxílio das tecnologias disponíveis no mercado, a criação de um web site para a exposição do seu portfólio de produtos, para aumentar o contato com o cliente, disponibilizar mais um canal de pedidos online e o monitoramento de entrega dos pedidos feitos, é uma dica que visa aumentar a transparência entre a empresa e o cliente, além de aumentar o seu faturamento. Solicitar junto aos fornecedores um catálogo online, para enviar aos clientes os produtos atualizados, sem necessitar da presença dos vendedores. Implementar o programa 5 S (Seiri, Seiton, Seiso, Seiketsu e Shitsuke), que significam utilização, arrumação, limpeza, saúde e higiene e manutenção, respectivamente. Com este programa, a empresa ficará limpa e organizada, lembrando que para o sucesso de aplicação do método é necessário sua continuidade. Para diversificar os produtos, as acadêmicas por fim, sugerem a adesão de produtos para o grupo de festas, como óculos de brinquedo, chapéus coloridos, buzinas e nariz de palhaço.

67 66 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS O presente trabalho teve como objetivo geral, analisar o controle de materiais da empresa Armarinhos Tiradentes, otimizando o espaço físico com um método de controle correto e confiável. Foi necessário um conjunto de objetivos específicos para que o objetivo geral fosse alcançado. O estudo realizado iniciou-se a partir da descrição do processo de recebimento de materiais, que se trata de um processo simples, envolvendo apenas o responsável administrativo para a solicitação, recebimento, atualização de sistema e uma pessoa na área operacional para guardar os produtos em seus respectivos lugares. Para o complemento dos processos, foi realizada a descrição de venda de mercadorias, que se caracteriza como o principal e mais importante processo da empresa: as vendas. Nesta etapa, foi identificada a quantidade de pessoas envolvidas para a preparação do pedido e entrega dos produtos solicitados, sendo este um aspecto negativo para a empresa, já que há poucas pessoas envolvidas para a demanda de mercado. A empresa já é conhecida e tem clientes inativos espalhados em todo estado, que apenas deixou de atender, não havendo problemas maiores com os mesmos. Esta análise levou as acadêmicas à conclusão de que a empresa não explora a sua capacidade de atendimento, prejudicando o capital de giro e deixando esquecida a imagem da empresa. Na realização da análise do layout utilizado atualmente no setor de armazenagem da empresa, foi destacada a falta de separação dos produtos por setores, havendo vários locais de armazenagem para o mesmo produto, o que dificulta na localização dos mesmos. Com isto, ao preparar os pedidos, ocorre divergência na quantidade de produtos em estoque, na qual alguns pedidos são finalizados com faltas desnecessárias, por estes estarem armazenados em locais distintos. Para que esta dificuldade seja sanada, as acadêmicas sugeriram uma proposição de layout contendo, principalmente, a separação do local de armazenagem por setores e a identificação de cada setor com os itens contidos. Haverá apenas um local de armazenagem para cada produto, o que facilitará na localização dos mesmos no processo de preparação dos pedidos. Além dos benefícios citados, este

68 67 novo layout proporcionará um ambiente claro, com um espaço maior entre as prateleiras, auxiliando o processo de coleta de produtos para o preparo do pedido. Foi necessária a realização do inventário físico para identificar a acurácia dos estoques, com o levantamento correto das informações de quantidade em estoque, comparando com a quantidade contida no sistema. Ao atualizar o sistema interno, as diferenças foram percebidas em quase todos os produtos, levantando a dúvida tanto das acadêmicas, quanto do proprietário da empresa, se o estoque estava sendo baixado automaticamente ao inserir um pedido no sistema. Com a realização de testes, foi possível perceber com nitidez que este é o problema que a empresa vem enfrentando. A entrada dos produtos é feita manualmente, porém com o fato de o sistema não dar baixa dos produtos automaticamente, faz com que a quantidade encontrada no sistema seja muito maior do que as quantidades encontradas no estoque de fato, havendo até a necessidade de zerar produtos com dezenas de quantidades no sistema e incluir produtos que não havia cadastro. A análise da curva ABC teve por finalidade a identificação dos principais produtos da empresa Armarinhos Tiradentes, dividindo-os em três classes: A, B e C. Com esta análise foi possível mensurar os produtos que possuem maior impacto financeiro na empresa, representados pelos produtos de classe A com 70% do valor monetário. Tratando-se de produtos que envolvem altamente a capacidade financeira da empresa, foi possível alertar o proprietário, sobre a importância de cuidados específicos e minuciosos a esta classe. Os produtos de classificação B são compostos por 80 (oitenta) produtos de importância intermediária na organização, totalizando 20% da demanda em valor monetário. Consequentemente os itens de classe C, por possuir pouca rotatividade e valor baixo agregado, representam grande quantidade de produtos o que corresponde à apenas 10% do valor de demanda monetária. No decorrer do estudo da análise ABC, foi identificada a possível influência de dois eventos importantes, sendo eles as chuvas em grandes proporções e a data comemorativa do dia das crianças que alavancaram as venda de produtos de armarinho e brinquedos. A realização dos objetivos específicos auxiliaram as acadêmicas a propor um método de controle confiável, que resultaria na otimização dos processos e no

69 68 crescimento das vendas dos produtos, tendo em vista que a empresa teria as informações necessárias, acrescidas de pesquisa de mercado, para vender os produtos corretos, fazendo um inventário cíclico dos produtos de classe A e um inventário anual dos demais produtos. Conclui-se com este trabalho que se a empresa acatar as sugestões de melhorias propostas pelas acadêmicas existe um grande potencial de crescimento para a empresa. Sendo assim, os objetivos específicos e o objetivo geral deste estudo foram alcançados, refletindo em uma estimativa de melhorias significativas. A universidade proporcionou um conhecimento teórico para as acadêmicas, em que a prática foi utilizada para a realização deste trabalho de conclusão de curso, aflorando o lado crítico, administrador e empreendedor, atingindo as expectativas profissionais e pessoais de ambas.

70 69 REFERÊNCIAS DIAS, Marco Aurélio P.. Administração de materiais: edição compacta. 4. ed. São Paulo: Atlas, DIAS, Marco Aurélio P.. Administração de materiais: princípios, conceitos e gestão.5. ed. São Paulo: Atlas, DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística. 4. ed. São Paulo: Atlas, DI AUGUSTINI, Carlos Alberto. Capital de giro. São Paulo: Atlas, FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, Floriano do Amaral. Administração de materiais e do patrimônio. São Paulo: Pioneira Thomson, GASNIER, Daniel Georges. A dinâmicados estoques: guia prático para planejamento, gestão de materiais e logística. 2. ed. São Paulo: IMAM, GONÇALVES, Paulo Sérgio. Administração de materiais. Rio de Janeiro: Elsevier, GURGEL, Floriano do Amaral. Administração dos fluxos de materiais e de produtos. São Paulo: Atlas, CHING, Hong Yuh. Gestão de Estoques na Cadeia de Logística Integrada. São Paulo: Atlas, JACOBSEN, Mércio. Logística Empresarial: ciências sociais aplicadas. 3. ed. Itajaí: Universidade do Vale do Itajaí, MARTINS, Petrônio Garcia; ALT, Paulo Renato Campos. Administração de materiais e recursos patrimoniais. São Paulo: Saraiva, MESSIAS, Sérgio Bolsonaro. Manual de administração de materiais: planejamento e controle dos estoques. 5. ed. São Paulo: Atlas, POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: Uma abordagem logística. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

71 70 ROESCH, Silvia Maria Azevedo. Trabalho de estágio e de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo: Atlas, SANTOS, Gerson dos. Gestão de almoxarifados. Florianópolis: Arth&Midia, VIANA, João José. Administração de materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas, WANKE, Peter. Gestão de estoque na cadeia de suprimento: decisão e modelos quantitativos. São Paulo: Atlas, QUALIDADE COMO VANTAGEM COMPETITIVA: Um Estudo em Empresa Atacadista. Artigo da AEDB online, 10 set Disponível em: <http://www.aedb.br/seget/artigos06/596_qualidade%20como%20vantagem %20COMPETITIVA.pdf>Acesso em: 10 set MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS. Biblioteca do SEBRAE online, Brasília, 30 out Disponível em: <http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/7f39c70980c7ba fcc0 046EC76/$File/NT000A5CAE.pdf> Acesso em: 30 out

72 71 APÊNDICES DTAEMI Descrição CODPRO QTDSAI Preço Compra Impacto $ ABC 6/10/2011 CARRINHOS SORTIDOS ,00 1,19 871,08 A 6/10/2011 BOLAS VINIL - SORTIDAS ,00 0,98 705,60 A 13/7/2011 ACETONA 50 ML CX.C/12 ENCASA ,00 6,67 160,08 A 2/9/2011 DINHEIRINHO C/100 NOTAS ,00 1,21 121,00 A 9/8/2011 BARALHO SEMI PLASTIFICADOC/6 JOGOS ,00 9,54 104,94 A 6/10/2011 KIT - KI BELEZA ,00 1,25 75,00 A 6/10/2011 JOGOS SORTIDOS ,00 0,92 73,60 A 6/10/2011 JOGO DE BOLICHE ,00 1,11 66,60 A 6/10/2011 COFRINHO ,00 1,03 65,92 A SOMBRINHA DOBRAVEL- NAO 12/8/2011 AUTOMATICA ,00 3,58 64,44 A 12/8/2011 PRENDEDOR ROUPA MADEIRA CX.C/50 DZ ,00 18,86 56,58 A GUARDA CHUVA PORTARIA VARAO DUPLO- 23/9/2011 PRETO ,00 5,54 49,86 A 2/9/2011 KIT VASSOURA/RODO INFANTIL ,00 1,11 47,73 A 2/9/2011 BOBINA PRES.COUCHE 60 CM - ADULTO ,00 45,44 45,44 A 6/10/2011 ESPADA ,00 0,89 44,50 A GUARDA CHUVA PORTARIA VARAO DUPLO- 25/8/2011 XADREZ ,00 5,54 44,32 A 6/10/2011 MOTO PEQ. SORTIDAS - C/FRICAO ,00 1,02 42,84 A 12/8/2011 BOLA VINIL - BICO JACAC/ ,00 7,08 42,48 A 25/8/2011 LINHA PIPA CONE C/500 JARDAS (457 MTS) ,00 20,44 40,88 A 12/8/2011 BARALHO COPPAG CX.C/06 JOGOS ,00 10,02 40,08 A 23/9/2011 BONECA TIPO BARBY C/FILHA ,00 1,05 38,85 A 23/9/2011 COLA CANO KRONA 17 GRCX C/ ,00 35,04 35,04 A

73 72 25/8/2011 CALDEIRAO N.28C/8000 ML ,00 17,44 34,88 A SOMBRINHA SEDA 16 VARAO,CABO 23/9/2011 DOURADO ,00 5,58 33,48 A 13/7/2011 URINOL INFANTIL ,00 1,35 32,40 A 2/9/2011 BOBINA PRES.COUCHE 40 CM - ADULTO ,00 31,12 31,12 A 2/9/2011 MAMADEIRA SERIGRAFADA240ML ,00 1,36 29,92 A 23/9/2011 LIXEIRA15 LTS. C/PEDAL SANTANA ,00 9,87 29,61 A 23/9/2011 BONECA CHERRY - SORTIDAS ,00 4,89 29,34 A 23/9/2011 SOMBRINHA AUTOMATICA,CABO MARROM ,00 4,77 28,62 A 25/8/2011 PIPOQUEIRAN ML ,00 9,54 28,62 A 2/9/2011 TEE LISO50MM BRANCO ESGOTO PC C/ ,00 27,88 27,88 A 9/8/2011 BORRACHA PANELA PRESSAO PACOTE ,00 5,51 27,55 A 23/9/2011 GUARDA CHUVA 21" MEDIO AUTOMATICO ,00 4,47 26,82 A 30/9/2011 CARTOLINA SORTIDA50X66 C/ ,00 24,56 24,56 A PINO 3 SAIDAS TIPO TRAMONTINA - 12/8/2011 CARTELA ,00 1,35 24,30 A 12/8/2011 CHALEIRAN ML ,00 7,89 23,67 A 9/8/2011 BOLINHA PING PONG C/ ,00 2,87 22,96 A 25/8/2011 CONJUNTO MANTIMENTOS 5 PECAS ,00 5,68 22,72 A 25/8/2011 CORDA VIOLAO CONJ. C/6 NYLON ,00 3,78 22,68 A 12/8/2011 BARALHO PLASTIFICADO C/6 JOGOS ,00 11,16 22,32 A 6/10/2011 KIT-ACESSORIOS P/CABELO ,00 1,11 22,20 A 23/9/2011 CAIXA ORGANIZADORA 20 LTS ,00 7,26 21,78 A 23/9/2011 BANHEIRA 20 LTS - SORTIDA ,00 6,98 20,94 A 30/9/2011 CHUMBINHO TUPI ,00 1,35 20,25 A LINHA PIPA PEQ.CARRETEL ALGODAO 80 23/9/2011 MT ,00 4,87 19,48 B 12/8/2011 BULE N ML ,00 6,44 19,32 B 23/9/2011 PINO FEMEA - PCTE.C/ ,00 19,25 19,25 B 12/8/2011 PIRANHA SORTIDA C/ ,00 3,05 18,30 B 23/9/2011 CHUPETA BORB.SILICONE REDONDA C/ ,00 17,87 17,87 B 12/8/2011 PINO MACHO - CARTELA/LUSTER ,00 0,76 17,48 B 23/9/2011 VASSOURA NYLON CANTO ,00 17,44 17,44 B

74 73 23/9/2011 ANTENA P/TELEVISAO ,00 1,56 17,16 B 12/8/2011 COTONETE C/ ,00 1,06 16,96 B 2/9/2011 CADERNO BROCHURA48 FLS PC C/ ,00 8,48 16,96 B 30/9/2011 PAPEL SULFITE C/100 FOLHAS A ,00 1,69 16,90 B 23/9/2011 VASSOURA NYLON POP ,00 16,88 16,88 B 25/8/2011 BOLA E.V.A.VOLLEY - COLORIDA ,00 5,56 16,68 B 12/8/2011 CADEADO 38 MM - UNIDADE ,00 5,44 16,32 B 23/9/2011 CESTO TELADO 30 LTS ALTO C/TAMPA ,00 5,44 16,32 B 12/8/2011 JOELHO LISO50MM ESGOTO - C/ ,00 7,88 15,76 B 12/8/2011 CABIDE CRISTAL C/ ,00 1,26 15,12 B TOMADA EXTERNA REDONDA C/PARAFUSO 25/8/2011 CT ,00 0,88 14,96 B 12/8/2011 CHALEIRAN ML ,00 7,44 14,88 B 23/9/2011 LINHA PIPA C/366 MTS - C/ ,00 14,33 14,33 B 23/9/2011 DESODORANTE INTENSA MAGIA 60ML ,00 1,18 14,16 B 23/9/2011 GEL FIXADOR - SORTIDOS ,00 1,18 14,16 B LUVA LISA 100MM BRANCA ESGOTO- 12/8/2011 UNIDADE ,00 1,56 14,04 B 12/8/2011 SACARROLHA CABO PLASTICO - CARTELA ,00 1,16 13,92 B 12/8/2011 LUVA LISA50MM BRANCA ESGOTO - C/ ,00 6,66 13,32 B 9/8/2011 FIEIRA PIAO C/50 MTS ,00 3,32 13,28 B 12/8/2011 BULE N ML ,00 6,48 12,96 B 2/9/2011 ETIQ.ADESIVA - STICKERS SORTIDAS C/ ,00 2,11 12,66 B 18/8/2011 CONJ.C/3 POTES REDONDO M REF ,00 1,26 12,60 B 18/8/2011 CONJ.C/3 POTES REDONDO PMG REF ,00 1,26 12,60 B 18/8/2011 CONJ.C/3 POTES RETANGULAR M REF ,00 1,26 12,60 B CONJ.C/3 POTES RETANGULAR PMG 18/8/2011 REF ,00 1,26 12,60 B 18/8/2011 CONJ.C/2 POTES REDONDO G REF ,00 1,26 12,60 B 18/8/2011 CONJ.C/2 POTES RETANGULAR G REF ,00 1,26 12,60 B 23/9/2011 LIXEIRA12 LTS. C/PEDAL ,00 4,09 12,27 B 23/9/2011 LUVA MALHA PIGMENTADA ,00 1,19 11,90 B 25/8/2011 ABRIDOR GARRAFAS/LONG NECK - CARTELA ,00 1,18 11,80 B

75 74 12/8/2011 CADEADO 32 MM - UNIDADE ,00 3,89 11,67 B 23/9/2011 CADEADO 20/25/30 CARTELA C/ ,00 11,55 11,55 B 23/9/2011 BOLA E.V.A.FUTEBOL - COLORIDA ,00 5,77 11,54 B 12/8/2011 TRINCHA2" ,00 1,44 11,52 B 2/9/2011 BOLINHA PING PONG POTE C/48 - LARANJA ,00 11,38 11,38 B 12/8/2011 COLA SILICONE BISNAGA 50 GR ,00 1,89 11,34 B 25/8/2011 CORDA VIOLAO CONJ. C/6 ACO ,00 3,78 11,34 B 12/8/2011 JOELHO LISO 100MM BRANCO ESGOTO UN ,00 1,88 11,28 B 12/8/2011 VARAL NYLON N.5 PC/10X10MTS ,00 2,78 11,12 B 19/8/2011 PA DE LIXO PLASTICA CABO LONGO C/ ,00 5,55 11,10 B VENENO PARA RATO C/ 25 GRAMAS - CT C/ 12/8/ ,00 5,48 10,96 B 12/8/2011 COLEIRA P/CAO N ,00 1,77 10,62 B REGISTRO PRESSAO SOLDAVEL 20MM- 12/8/2011 PAULINIA ,00 1,77 10,62 B 2/9/2011 BACIA 28 LTS ,00 3,54 10,62 B 23/9/2011 BOLA VINIL - AVAI C/ ,00 10,02 10,02 B 23/9/2011 BOLA VINIL - FIGUEIRENSE C/ ,00 10,02 10,02 B 23/9/2011 CHUPETA BORB.LATEX REDONDA PC C/ ,00 10,02 10,02 B 2/9/2011 ESCORREDOR LOUCAS - CORES SORTIDAS ,00 1,66 9,96 B CADERNO DESENHO40 FL.PQ 12/8/2011 BROCHURA/ ,00 9,86 9,86 B 12/8/2011 CADERNO CALIGRAFIA 40 FL PC C/ ,00 9,86 9,86 B 12/8/2011 TINTA CORANTE PRETO C/ ,00 4,89 9,78 B 12/8/2011 TINTA CORANTE AZUL MARINHOC/ ,00 4,89 9,78 B 25/8/2011 CALCULADORA DE MESA ,00 4,78 9,56 B 19/8/2011 RODO PLASTICO 40CM C/6 - C/CABO ,00 9,54 9,54 B 2/9/2011 BARALHO ESPANHOL P/TRUCO CX.C/ ,00 9,54 9,54 B 12/8/2011 ELASTICO CHATO N.14 C/10 MTS ,00 1,36 9,52 B 25/8/2011 BALDE 13,5 LTS - CANELADO ,00 1,56 9,36 B 2/9/2011 BACIA 32 LTS ,00 3,11 9,33 B 23/9/2011 JOELHO LISO25MM MARROM - C/ ,00 9,32 9,32 B 2/9/2011 BACIA 12 LTS.GRADUADA TOPA TUDO ,00 2,26 9,04 B

76 75 2/9/2011 ESCOVA SANITARIA COM ESTOJO - AVULSA ,00 2,26 9,04 B 23/9/2011 LAPIS COR CURTO C/ ,00 0,89 8,90 B 23/9/2011 CABO DE RCA 1 MT AUDIO/VIDEOC/3 FIO ,00 1,11 8,88 B 6/10/2011 FERRINHO/BATEDEIRA ,00 1,11 8,88 B 12/8/2011 SIFAO TUBO EXTENSIVO P/PIA ,00 2,22 8,88 B 2/9/2011 PORTA CADEADO 4.1/2 C/PARAFUSOS ,00 2,87 8,61 B 12/8/2011 TRINCHA1" ,00 1,02 8,16 B 23/9/2011 BALAO VERMELHOC/ ,00 1,36 8,16 B 19/8/2011 TALCO P/ADULTO - AROMA DO BEBE ,00 1,33 7,98 B 19/8/2011 TALCO P/OS PES ,00 1,33 7,98 B 2/9/2011 RODO PLASTICO 30CM C/6 - C/CABO ,00 7,82 7,82 B 2/9/2011 BACIA 40 LTS ,00 3,89 7,78 B 30/9/2011 CORDA VIOLAO 01 FINA ,00 0,32 7,68 B 12/8/2011 COLEIRA P/CAO N ,00 1,26 7,56 C 18/8/2011 CONJ.C/2 POTES CAFE E ACUCAR REF ,00 1,26 7,56 C 18/8/2011 CONJ.C/4 POTES REDONDO P REF ,00 1,26 7,56 C 18/8/2011 CONJ.C/4 POTES RETANGULAR P REF ,00 1,26 7,56 C 12/8/2011 ELASTICO CHATO N.12 C/10 MTS ,00 1,06 7,42 C 2/9/2011 FERROLHO FIO REDONDO 5" C/PARAFUSO ,00 2,44 7,32 C 2/9/2011 CABIDE PLASTICO COLORIDO- C/ ,00 1,21 7,26 C ADAPTADOR CACHIMBO P/ANTENA RCA 12/8/2011 C/ ,00 0,48 7,20 C 23/9/2011 PLAINA (PATROLA) ,00 1,19 7,14 C 2/9/2011 PRENDEDOR ROUPA MADEIRA CT C/ ,00 1,18 7,08 C 2/9/2011 BANHEIRA 20 LTS - ROSA PINK ,00 6,98 6,98 C 2/9/2011 BANHEIRA 20 LTS - VERDE ,00 6,98 6,98 C 2/9/2011 TABUA CARNE PLASTICA ,00 1,16 6,96 C 9/8/2011 BORRACHA PANELA PRESSAO 4,5 - DUZIA ,00 3,44 6,88 C 12/8/2011 CAIXA P/PRESENTE TAM.37X25 SORT ,00 1,11 6,66 C 19/8/2011 JOGO DE DOMINO GROSSO 10 MM ,00 6,44 6,44 C 2/9/2011 CLIPS GALVANIZADO N.00CX.C/ ,00 1,07 6,42 C 12/8/2011 REFIL SILICONE FINO C/ ,00 1,06 6,36 C 12/8/2011 REFIL SILICONE GROSSO C/ ,00 1,06 6,36 C

77 76 12/8/2011 CADEADO 25 MM - UNIDADE ,00 2,11 6,33 C 23/9/2011 PIPA MEDIAC/25 (R$ 0,53) ,00 6,32 6,32 C 23/9/2011 TRINCHA1"1/ ,00 1,26 6,30 C 12/8/2011 LIXA P/MASSAN ,00 0,25 6,25 C 23/9/2011 LIXA P/MADEIRA N ,00 0,25 6,25 C 23/9/2011 LIXA P/MASSAN ,00 0,25 6,25 C 12/8/2011 ELASTICO CHATO N.18 C/10 MTS ,00 1,56 6,24 C 23/9/2011 PINO MACHO LUSTER GROSSO - CARTELA ,00 0,77 6,16 C 23/9/2011 ELASTICO P/BAGAGEIRO 1.5 MT-CARTELA ,00 0,76 6,08 C 23/9/2011 LAPIS COR LONGO C/12 CORES ,00 1,19 5,95 C 12/8/2011 CANECA GR.450 ML-SIMBOLO JAPONES ,00 0,99 5,94 C 2/9/2011 BACIA 11 LTS.TACHO RETANGULAR ,00 1,48 5,92 C 23/9/2011 VEDA ROSCA 12X05 - CARTELA ,00 0,29 5,80 C 12/8/2011 COPO PLASTICO BRANCO 200 ML C/ ,00 0,48 5,76 C 12/8/2011 ELASTICO CHATO N.16 C/10 MTS ,00 1,44 5,76 C 2/9/2011 PILHA PEQUENA CX.C/ ,00 5,65 5,65 C 25/8/2011 BALDE 08 LTS ,00 0,93 5,58 C 2/9/2011 COLA ESCOLAR 90 GRAMAS ,00 5,56 5,56 C 2/9/2011 PINCEL ATOMICO GROSSO C/3 CORES ,00 1,11 5,55 C 19/8/2011 PANO DE PRATO 7 DIAS ,00 5,55 5,55 C 2/9/2011 BOLA VINIL - PRETA/BRANCA C/ ,00 5,55 5,55 C 2/9/2011 BOLA VINIL - METALIZADAC/ ,00 5,55 5,55 C 2/9/2011 BALAO SORTIDO C/ ,00 1,36 5,44 C 2/9/2011 MAMADEIRA CHUCA 150 ML ,00 1,36 5,44 C 23/9/2011 BICO MAMADEIRA C/ ,00 0,89 5,34 C 2/9/2011 JOGO 5X1 SUPER JOGOS REF ,00 1,33 5,32 C 12/8/2011 PISTOLA ELETRICA P/COLA SILICONE ,00 1,77 5,31 C 12/8/2011 ABRIDOR COMBINADO - CARTELA ,00 0,44 5,28 C 2/9/2011 BORRACHA PANELA PRESSAO 4,5 - CARTELA ,00 0,83 4,98 C 12/8/2011 GRAMPO P/GRAMPEADOR 26/6 - C/ ,00 1,66 4,98 C 23/9/2011 TORNEIRA JARDIM 1/2 E 3/4 KRONA-CT ,00 1,18 4,72 C 19/8/2011 FITA DUREX 12X10 PEQUENA C/ ,00 1,56 4,68 C 12/8/2011 COLA CANO KRONA 17 GR. CARTELA ,00 0,73 4,38 C

78 77 PENTE GRANDE C/CABO GROSSO C/01-2/9/2011 CARTEL ,00 0,36 4,32 C ALFINETE DE SEGURANCA N.01 C/50 2/9/2011 CARTELA ,00 1,44 4,32 C 2/9/2011 FITA DUREX 12X40 GRANDE C/ ,00 4,32 4,32 C 23/9/2011 LIXEIRA PIA C/TAMPA - COLORIDA ,00 1,07 4,28 C 2/9/2011 CHUPETA BORB.SILICONE ORTO/BLYSTER ,00 1,06 4,24 C CHUPETA BORB.SILICONE 2/9/2011 REDONDA/BLYSTER ,00 1,06 4,24 C 25/8/2011 COADOR PANO CB.MADEIRA GRANDE C/ ,00 4,21 4,21 C 12/8/2011 TRENA 3 MTS EMBORRACHADA - UN ,00 1,36 4,08 C 12/8/2011 BOCAL PLASTICO TETO C/PARAFUSO ,00 1,36 4,08 C 23/9/2011 ESTILETEC/ ,00 1,33 3,99 C 25/8/2011 ETIQUETA PRECO ROLO GRANDE ,00 0,98 3,92 C 30/9/2011 COLA ESCOLAR 40 GRAMAS ,00 3,89 3,89 C 2/9/2011 MAMADEIRA CHUQUINHA 50 ML P/CHA ,00 0,97 3,88 C POTE REDONDO TOPA TUDO 3,0 25/8/2011 LTS.RF ,00 1,26 3,78 C 25/8/2011 POTE RETANGULAR VERSATI 2,5LTS RF ,00 1,26 3,78 C 23/9/2011 LIXA P/MADEIRA N ,00 0,25 3,75 C 23/9/2011 LIXA P/MADEIRA N ,00 0,25 3,75 C 23/9/2011 LIXA P/MASSAN ,00 0,25 3,75 C KIT-1 ACETO/2 LIXA UNHA/2 BOLA 23/9/2011 ALGODAO/P ,00 1,18 3,54 C 12/8/2011 ELASTICO CHATO N.08 C/10 MTS ,00 0,88 3,52 C 12/8/2011 GRAFITEX 25 GRS (GRAFITE EM PO) ,00 0,88 3,52 C 12/8/2011 ESCOVA CABELO PRETA LARGA ,00 1,16 3,48 C MARTELINHO ALUMINIO P/CARNE CB 25/8/2011 MADEIRA ,00 1,16 3,48 C 12/8/2011 CONJ.PENTE CABELO C/ ,00 1,14 3,42 C 2/9/2011 BORRACHA VERDE P/DESENHO C/15 - ZAP ,00 3,42 3,42 C 25/8/2011 ABRACADEIRA RSF 1"X 1.1/2"- CT C/ ,00 0,56 3,36 C 25/8/2011 APONTADOR SIMPLESC/ ,00 1,56 3,12 C 12/8/2011 ROLO DE ESPUMA 15 CM C/CABO ,00 0,98 2,94 C

79 78 23/9/2011 SOQUETE TETO C/RABICHO ,00 0,98 2,94 C 30/9/2011 PAPEL CARTAO SIMPLES AMARELO ,00 0,28 2,80 C PINCAS P/SOMBRANCELHAS DUZIA 2/9/2011 MERHEJE ,00 2,77 2,77 C 23/9/2011 ESGUICHO P/MANGUEIRA 1/2" ,00 2,77 2,77 C 23/9/2011 PINO PORTA LAMPADA ,00 1,33 2,66 C 25/8/2011 TEE LISO(LR)SOLDAVEL/ROSCA 25X3/4 CT ,00 0,66 2,64 C 2/9/2011 CHUPETA BORB.LATEX REDONDA/BLYSTER ,00 0,66 2,64 C 12/8/2011 RESISTENCIA TIPO CORONA (S/TROCA) ,00 0,88 2,64 C 2/9/2011 BORRACHA BRANCA N ,00 2,56 2,56 C 12/8/2011 PIRANHA PEQ. SORTIDA C/ ,00 2,44 2,44 C 25/8/2011 MALETA PRETA - MULTIUSO ,00 2,35 2,35 C 2/9/2011 LUVA BRANCA RR P/BRACO CHUVEIRO 3/4" ,00 0,39 2,34 C 12/8/2011 PINO 3 SAIDAS LUSTER - CARTELA ,00 0,78 2,34 C 23/9/2011 PINO FEMEA - CARTELA ,00 0,78 2,34 C PORTA RETRATO 13X18 MOLD.MADEIRA 23/9/2011 C/ACETA ,00 1,17 2,34 C 2/9/2011 AGULHA MAQUINA N.11 C/10SINGER ,00 2,26 2,26 C 2/9/2011 AGULHA MAQUINA N.16 C/10SINGER ,00 2,26 2,26 C 2/9/2011 LUVA BRANCA RR P/BRACO CHUVEIRO 1/2" ,00 0,37 2,22 C 12/8/2011 ROLO DE ESPUMA 09 CM C/CABO ,00 0,73 2,19 C PORTA RETRATO 10X15 MOLD.MADEIRA 23/9/2011 ACETATO ,00 1,06 2,12 C 2/9/2011 AGULHA FOGAO C/02 - CARTELA ,00 0,35 2,10 C 2/9/2011 AGULHA MAO N.2/0C/ ,00 1,99 1,99 C 2/9/2011 AGULHA MAO N.7 C/20 - CORRENTE ,00 1,99 1,99 C 12/8/2011 STARTER ALUM.TASCHIBRA FS ,00 0,33 1,98 C 12/8/2011 ROLO DE ESPUMA 05 CM C/CABO ,00 0,63 1,89 C 12/8/2011 LINHA GABRIELINHA PRETAC/ ,00 1,88 1,88 C 2/9/2011 PENTE BOLSO CX.C/ ,00 1,87 1,87 C 12/8/2011 PINO FEMEA TOMADA (NOVO) CARTELA ,00 0,89 1,78 C 12/8/2011 ABRACADEIRA RSF 5/8"X3/4"C/ ,00 0,56 1,68 C 23/9/2011 VEDANTE P/TORNEIRA 3/4 - C/ ,00 0,33 1,32 C

80 79 12/8/2011 TRINCHA1/2" ,00 0,44 1,32 C 23/9/2011 JOELHO LISO25MM MARROM - CARTELA ,00 0,18 1,08 C 2/9/2011 CAPS LISO 40MM BRANCO - CARTELA ,00 0,36 1,08 C 2/9/2011 STARTER ALUM.TASCHIBRA FS ,00 0,35 1,05 C 23/9/2011 CAPS LISO 25MM MARROM - CARTELA ,00 0,24 0,96 C 23/9/2011 PLUGROSCAVEL 3/4 - CARTELA ,00 0,23 0,92 C 12/8/2011 ELASTICO CHATO N.10 C/10 MTS ,00 0,77 0,77 C 12/8/2011 SERRA ACO CARBONO C/ ,00 0,22 0,66 C

81 80 ANEXOS RELAÇÃO DE PRODUTOS DO SISTEMA CE:

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO

A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES RESUMO A CURVA ABC COMO FERRAMENTA PARA ANÁLISE DE ESTOQUES Leider Simões, Unisalesiano de Lins e-mail: leidersimoes16@hotmail.com Profª M. Sc. Máris de Cássia Ribeiro, Unisalesiano Lins e-mail: maris@unisalesiano.edu.br

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 3 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. A Gestão de Estoques Definição» Os estoques são acúmulos de matériasprimas,

Leia mais

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação;

Assegurar o suprimento adequado de matéria-prima, material auxiliar, peças e insumos ao processo de fabricação; 2. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS Área da Administração responsável pela coordenação dos esforços gerenciais relativos às seguintes decisões: Administração e controle de estoques; Gestão de compras; Seleção

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III 3 CUSTOS DOS ESTOQUES A formação de estoques é essencial para atender à demanda; como não temos como prever com precisão a necessidade, a formação

Leia mais

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES

UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES UMA ABORDAGEM DE CUSTOS NA FORMAÇÃO DE ESTOQUES Fernando Santos Carlomagno (G-UEM) Resumo Este trabalho trabalhar o tema uma abordagem custos na formação de estoques, nele através de pesquisa iremos relatar

Leia mais

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial.

Palavras-chaves: Análise ABC, gestão de estoques, controle, diferencial. ANÁLISE DA UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS DE GESTÃO DE ESTOQUE EM UMA EMPRESA PRODUTORA DE BEBIDAS, COMO AUXÍLIO À GESTÃO DA LOGÍSTICA DE MATERIAIS EM UM CENÁRIO DE DEMANDA VARIÁVEL Eduardo Bezerra dos Santos

Leia mais

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO

Artigo publicado na Revista CEPPG Nº 24 1/2011 ISSN 1517-8471 Páginas 37 à 44 RESUMO CONTROLE DE QUALIDADE NA AVALIAÇÃO DE UM ESTOQUE Andre Luis de Souza Neto 1 RESUMO O presente trabalho justifica-se pela discussão do grande papel da avaliação e controle da qualidade de um estoque em

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas

Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas 1 Objetivos da Adm. de Estoque 1. Realizar o efeito lubrificante na relação produção/vendas Aumentos repentinos no consumo são absorvidos pelos estoques, até que o ritmo de produção seja ajustado para

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE

GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE GESTÃO DE ESTOQUES SISTEMA DE GESTÃO DE ESTOQUE Gestão Pública - 1º Ano Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Prof. Rafael Roesler Aula 5 Sumário Classificação ABC Previsão de estoque Custos

Leia mais

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE

QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE QUANTO CUSTA MANTER UM ESTOQUE! Qual o valor de um estoque?! Quanto de material vale a pena manter em estoque?! Como computar o valor da obsolescência no valor do estoque?! Qual o custo de um pedido?!

Leia mais

Administração de Materiais

Administração de Materiais Administração de Materiais vanessa2010.araujo@gmail.com EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO Subsistemas Adm. Materiais 1) (CESPE-SGA/AC 2008) A Administração de materiais busca coordenar os estoques e a movimentação

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília

Armazenagem e controle. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem e controle Prof. Paulo Medeiros FATEC - Marília Armazenagem Armazenagem e manuseio de mercadorias são componentes essenciais do conjunto de atividades logísticas.seus custos podem absorver

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla?

Unidade IV. Processo de inventário (Típico) Definir duplas de inventários. Aguardar segunda contagem. Não. Segunda dupla? GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade IV 4 PROCESSO DE INVENTÁRIO FÍSICO Para Martins (0), consiste na contagem física dos itens de estoque. Caso haja diferenças entre o inventário físico

Leia mais

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL

METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL METODOLOGIA LEAN DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: UMA VISÃO GERAL Guilherme Vota Pereira guivotap@hotmail.com Prof. Pablo Schoeffel, Engenharia de Software Aplicada RESUMO: Este artigo irá efetuar uma abordagem

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque.

CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. CONTROLE DE ESTOQUES Todo erro gerencial acaba gerando estoque. RAZÕES PARA MANTER ESTOQUES A armazenagem de mercadorias prevendo seu uso futuro exige investimento por parte da organização. O ideal seria

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia

Administração de estoques. Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Prof. Paulo Medeiros FATEC - Pompéia Administração de estoques Cabe a este setor o controle das disponibilidades e das necessidades totais do processo produtivo, envolvendo não

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE

Professor Márcio Micheli. Administração de Recursos Materiais. Questões CESPE 1. A ocorrência de custos de armazenagem depende da existência de materiais em estoque e do tempo de permanência desses materiais no estoque. 2. Materiais que requerem cuidados especiais na armazenagem

Leia mais

Controle de Estoques

Controle de Estoques Controle de Estoques Valores em torno de um Negócio Forma Produção Marketing Posse Negócio Tempo Lugar Logística Atividades Primárias da Logística Transportes Estoques Processamento dos pedidos. Sumário

Leia mais

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques

Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Capítulo 4 - Gestão do Estoque Inventário Físico de Estoques Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. INVENTÁRIO DO ESTOQUE DE MERCADORIAS Inventário ou Balanço (linguagem comercial) é o processo

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna

Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Os Custos de Armazenagem na Logística Moderna Maurício Pimenta Lima Introdução Uma das principais características da logística moderna é sua crescente complexidade operacional. Aumento da variedade de

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto

Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS. Prof. Gilberto Porto Coletânea de questões para BACEN CESPE PARTE 2 RECURSOS MATERIAIS Prof. Gilberto Porto Recursos Materiais Prova: CESPE - 2013 - MPU - Técnico AdministraMvo Na figura, a curva ABC representa uma situação

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE Carla Milanesi de Oliveira - carla_mila_lala@hotmail.com RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais.

Função: Operação da Cadeia de materiais. 1.1 Identificar princípios da organização da área de materiais. MÓDULO II Qualificação Técnica de Nível Médio ASSISTENTE DE LOGÍSTICA II.1 Gestão de Recursos e Materiais Função: Operação da Cadeia de materiais 1. Contextualizar a importância da Administração de materiais

Leia mais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais

Modulo 01 Exercícios Gestão de Materiais QUESTÕES DE CONCURSOS Acerca de planejamento e controle da produção, e gestão da cadeia de suprimentos, julgue os seguintes itens. 01. A importância do planejamento da produção decorre principalmente da

Leia mais

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido

Gestão de Estoques - Premissas. Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido Gestão de Estoques - Premissas Pleno atendimento Máxima eficiência Menor custo Maior giro possível para o capital investido EQUILÍBRIO ENTRE ESTOQUE E CONSUMO Paulo Gadas JUNHO-14 1 Gestão de Estoques

Leia mais

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem

Introdução histórica a Administração de Materiais. Prof. Vianir André Behnem Introdução histórica a Administração de Materiais Prof. Vianir André Behnem Origem - A origem da logística surge cerca de 10.000 AC; - Cerca de 6.000 anos, as civilizações da Mesopotâmia e do Egito já

Leia mais

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E

Profa. Marinalva Barboza. Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E Profa. Marinalva Barboza Unidade IV RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Custos dos estoques Para manter estoque, é necessário: quantificar; identificar. Quanto custa manter estoque? Quais os custos envolvidos

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Nível de Serviço ... Serviço ao cliente é o resultado de todas as atividades logísticas ou do

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora à vencer as barreiras internacionais.

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Logística Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Logística. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Carla Milanesi de Oliveira Carla_mila_lala@hotmail.com CURVA ABC NA GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO Nos dias atuais, uma das áreas que mais se desenvolvem dentro das organizações sem dúvida é a Gestão dos Estoques,

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade I GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Planejamento e controle de estoques. 2. A importância dos estoques. 3. Demanda na formação dos estoques.

Leia mais

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis

Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Gestão Estratégica de Estoques um Estudo em Grupo de Empresas do Setor de Móveis Hélio José Reis Aguiar arthouse@hotmail.com Faculdade de Guaçuí Simone de Souza simones@ifes.edu.br IFES Guarapari Flávio

Leia mais

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS

GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Unidade III GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Custos dos estoques 2. Custos diretamente proporcionais 3. Custos inversamente proporcionais 4.

Leia mais

Ementa e Cronograma Programático...

Ementa e Cronograma Programático... Ementa e Cronograma Programático... AULA 01 Estratégia de Operações e Planejamento Agregado AULA 02 Planejamento e Controle de Operações AULA 03 Gestão da Demanda e da Capacidade Operacional AULA 04 Gestão

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO. Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 7 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução O Almoxarifado conceito Organização do Almoxarifado: Recebimento Armazenagem

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO

GESTÃO DE ESTOQUE INTRODUÇÃO 1 GESTÃO DE ESTOQUE Marcela Maria Eloy Paixão Oliveira Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis email: marcela_eloy_3@hotmail.com Rafaella Machado Rosa da Silva Acadêmica do Curso de Ciências Contábeis

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE

GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE GESTÃO DE ESTOQUE: OS DESAFIOS DOS ITENS DE MRO E A IMPORTÂNCIA DOS INDICADORES DE PERFORMANCE Barbara Batista Povoa (UFES ) barbara_povoa@hotmail.com A gestão de estoques vem ganhando cada vez mais espaço

Leia mais

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos

MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos MPU Gestão de Materiais Parte 03 Janilson Santos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAL PROF.: JANILSON EXERCÍCIOS CESPE 1) (TJ-DF Técnico)

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo

NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO. Objetivo NPC 7 ATIVO IMOBILIZADO Objetivo 1 O objetivo deste Pronunciamento é determinar o tratamento contábil para o ativo imobilizado. As principais questões na contabilização do ativo imobilizado são: a) a época

Leia mais

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva

Análise dos Estoques Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Martins & Alt Editora Saraiva CAPÍTULO Análise dos Estoques 1 Gestão de Estoques Série de ações que permitem ao administrador verificar se os estoques estão sendo bem utilizados, bem localizados em relação aos setores que deles se

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza Aula Anterior: Cadastramento de Materiais CADASTRAMENTO DE MATERIAIS O QUE É??? O CADASTRAMENTO DE MATERIAIS

Leia mais

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I FUNDAMENTOS DA GESTÃO FINANCEIRA Prof. Jean Cavaleiro Introdução Definir o papel da gestão financeira; Conceitos de Gestão Financeira; Assim como sua importância na gestão de uma organização;

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP

Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Diagnóstico da Gestão de Estoques no Mini Mercado Bombom de Piracicaba - SP Autores Adriana Gimenes Patreze Jose Roberto Soares Ribeiro 1. Introdução Esta pesquisa diagnosticou a gestão de estoques no

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa

Controle de estoques. Capítulo 6. André Jun Nishizawa Controle de estoques Capítulo 6 Sumário Conceito de estoque Tipos Sistemas de controle de estoques Fichas de estoque Classificação de estoque Dimensionamento de estoque Logística e Cadeia de suprimentos

Leia mais

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição.

Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Capítulo 2 Controle de Estoques, Classificações e Composição. Celso Ferreira Alves Júnior eng.alvesjr@gmail.com 1. GESTÃO DE ESTOQUE A gestão de estoque é, basicamente, o ato de gerir recursos ociosos

Leia mais

Recursos Materiais e Patrimoniais

Recursos Materiais e Patrimoniais Recursos Materiais e Patrimoniais Professor conteudista: Jean Carlos Cavaleiro Sumário Recursos Materiais e Patrimoniais Unidade I 1 OS RECURSOS...2 1.1 Administração de materiais...6 1.1.1 Medida de desempenho...6

Leia mais

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques

Módulo 3 Custo e nível dos Estoques Módulo 3 Custo e nível dos Estoques O armazenamento de produtos produz basicamente quatro tipos de custos. 1. Custos de capital (juros, depreciação) 2. Custos com pessoal (salários, encargos sociais) 3.

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade II PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Unidade II 2 PLANEJAMENTO E CONTROLE DE CAPITAL Morgado (01) afirma que a importância do planejamento e do controle financeiro em uma empresa está intimamente

Leia mais

O que é e como encontrar uma oportunidade?

O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS Danillo Tourinho Sancho da Silva, MSc O que é e como encontrar uma oportunidade? CRIAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS É mais fácil perceber uma carência ou uma necessidade do que uma oportunidade.

Leia mais

Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA

Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA Processo de armazenamento de um supermercado de pequeno porte em Redenção - PA Anderson Costa Pantoja (anderrsoncostacrist.008@gmail.com / UEPA) Bruno Gilberto Motta Oliveira Maia (brunocar21@outlook.com

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística

Plano de Trabalho Docente 2014. Qualificação: Assistente de Logística Plano de Trabalho Docente 2014 ETEC Paulino Botelho (Extensão Esterina Placco) Ensino Técnico Código: 091.01 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

Recursos Materiais 1

Recursos Materiais 1 Recursos Materiais 1 FCC - 2008 No processo de gestão de materiais, a classificação ABC é uma ordenação dos itens consumidos em função de um valor financeiro. São considerados classe A os itens de estoque

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010

Definição. Kaizen na Prática. Kaizen para a Administração. Princípios do Just in Time. Just in Time 18/5/2010 Uninove Sistemas de Informação Teoria Geral da Administração 3º. Semestre Prof. Fábio Magalhães Blog da disciplina: http://fabiotga.blogspot.com Semana 15 e 16 Controle e Técnicas de controle de qualidade

Leia mais

Organizando e administrando o negócio

Organizando e administrando o negócio NEGÓCIO CERTO COMO CRIAR E ADMINISTRAR BEM SUA EMPRESA Organizando e administrando o negócio Manual Etapa 4/Parte 1 Boas vindas! Olá, caro empreendedor! É um prazer estar com você nesta etapa de sua viagem

Leia mais

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS

PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS PRIAD - Adm. Materiais e Logística Prof. Célio 1 PRIAD ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E LOGÍSTICA QUESTÕES SIMULADAS QUESTÃO 1. Aponte a alternativa que não corresponde aos objetivos da Logística Empresarial

Leia mais

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística

Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística - TLO 2005/1 Organização Curricular do Curso Superior de Tecnologia em Logística 1 DADOS LEGAIS: Reconhecido pela Portaria MEC 134 de

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT RESUMO INTRODUÇÃO SISTEMAS DE GESTÃO DE ESTOQUES EX-PROJECT Antonio Evangelino de Carvalho Soares Cintia Silvia Victor dos Santos Claudinei Candido Vieira Érica Natália Martins Silva Kátia Ribeiro dos Santos Marco Túlio

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS PROF. FRANCISCO GONÇALVES QUILES DEPARTAMENTO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CARLOS HENRIQUE KLIPEL

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS PROF. FRANCISCO GONÇALVES QUILES DEPARTAMENTO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CARLOS HENRIQUE KLIPEL FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA UNIR CAMPUS PROF. FRANCISCO GONÇALVES QUILES DEPARTAMENTO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CARLOS HENRIQUE KLIPEL A GESTÃO DE ESTOQUE NO SETOR DE ALMOXARIFADO DO FRIGORIFICO

Leia mais

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A.

CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO NA EMPRESA JBS S.A. MARCIO REIS - R.A 1039892 MICHELE CRISTINE RODRIGUES DE OLIVEIRA R.A 1039074 RENATA COSTA DA SILVA SIMIÃO R.A 1039444 Ciências Contábeis CONTABILIDADE E GESTÃO DE CONTROLE DE ESTOQUE: UM ESTUDO DE CASO

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

A gestão de estoque no contexto da logística

A gestão de estoque no contexto da logística A gestão de estoque no contexto da logística Beranice Maria de Lima Torquato (Instituição Toledo de Ensino) beranice@terra.com.br Resumo Esse artigo visa avaliar a gestão do estoque dentro da logística.

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES

TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES TÍTULO: A IMPORTANCIA DA GESTÃO DO FLUXO DE CAIXA NAS EMPRESAS PARA AS TOMADA DE DECISÕES CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE JAGUARIÚNA

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CEAP Prof a. Nazaré Ferrão Centro Ensino Superior do Amapá Curso de Administração Disciplina: ADM. DE REC. MATERIAIS E PATRIMONIAIS Professor: NAZARÉ DA SILVA DIAS FERRÃO Aluno: Turma: 5 ADN FRANCISCHINI, Paulino G.; GURGEL, F.

Leia mais

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS

O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS Gestão Estratégica de Estoques/Materiais Prof. Msc. Marco Aurélio C. da Silva Data: 22/08/2011 O PAPEL DO ESTOQUE NAS EMPRESAS 2 1 GESTÃO DE ESTOQUE Demanda Adequação do Estoque Investimento Série de ações

Leia mais

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS

Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS PROVA DE EIXO - REGULAR CURSOS: ADMINISTRAÇÃO Disciplina: Gestão de Operações IV Duração: 1h30 90 minutos Professor: Número de questões: 20 Data: 12/06/2010 Nota: Aluno: RA: INSTRUÇÕES GERAIS 1. A prova

Leia mais

Prof. Gustavo Boudoux

Prof. Gustavo Boudoux ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Recursos à disposição das Empresas Recursos Materiais Patrimoniais Capital Humanos Tecnológicos Martins, (2005.p.4) O que é Administração de Materiais?

Leia mais

Unioeste Diretoria de Concursos

Unioeste Diretoria de Concursos Unioeste Diretoria de Concursos 9º Concurso Público para o Provimento de Cargos Públicos para Atuação no Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP) PROVA OBJETIVA Técnico Administrativo Instruções

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais

PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais PRODUÇÃO - Conceitos Iniciais 1. Conceito - é a atividade de transformação (processo) de matéria-prima em utilidades necessárias ao consumidor. * Nenhuma organização sobrevive, a menos que produza alguma

Leia mais

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO

A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO RESUMO A IMPORTANCIA DA GESTÃO DE CAPITAL DE GIRO Flávio Augusto da Silva Dias flavinhokaf@hotmail.com Julio Cesar Sgarbi Julio.uru@hotmail.com RESUMO Com a busca de melhores resultados e maximização dos lucros

Leia mais

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação

25/02/2009. Tipos de Estoques. Estoque de Materiais. Estoque de Produtos Acabados. Estoque em transito. Estoque em consignação MSc. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Posicionamento em relação à Produção e Interação com outras áreas CQ FO ORNECEDORES Matéria Prima Material de Consumo

Leia mais

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11

Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Rodrigo Rennó Questões CESPE para o MPU 11 Questões sobre o tópico Administração de Materiais. Olá Pessoal, Hoje veremos um tema muito solicitado para esse concurso do MPU! Administração de Materiais.

Leia mais

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA

ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA ANÁLISE DO PROCESSO DE GESTÃO DE ESTOQUES EM UMA EMPRESA DE MATERIAIS DE HIGIENE E LIMPEZA LOCALIZADA EM CRICIÚMA - SANTA CATARINA Daiane Milioli Dagostin 1 Wagner Blauth 2 RESUMO Atualmente as empresas

Leia mais

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7

SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 ADMINISTRAÇÃO DE CAIXA...7 FLUXO DE CAIXA SUMÁRIO FLUXO DE CAIXA...3 INTRODUÇÃO...3 CICLO DO FLUXO DE CAIXA...4 FATORES QUE AFETAM O FLUXO DE CAIXA...4 FATORES INTERNOS...4 FATORES EXTERNOS...5 DESEQUILÍBRIO FINANCEIRO...6 SINTOMAS...6

Leia mais