Unidade II. Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Unidade II. Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas"

Transcrição

1 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Unidade II 3 A Evolução dos Sistemas da Informação Agora que já vimos como era antes da existência da tecnologia, desde o período pré-histórico até a Revolução Industrial, e a disseminação dos conceitos e práticas logísticas no século XX, entenderemos sobre a evolução da tecnologia da informação e como foi a transição entre o período de escassa tecnologia à evolução e tecnologia contemporâneas. Desse modo, a seguir, tomaremos conhecimento de um breve histórico da evolução dos sistemas de informação. Antes da década de 1940 Até o ano de 1940 não existia computadores e as informações eram coletadas e transmitidas por meio de papéis. Essas informações eram arquivadas por muitos anos e resgatadas quando necessário. Nessa época, os processos eram: lentos; volumosos; vulneráveis; suscetíveis a erros; com baixa segurança; com baixo controle; sem integração. Profissional de destaque: o arquivista Era comum existir nas mesas dos gestores uma pilha de papéis e mais papéis a serem despachados e aprovados para que os processos tivessem continuidade em seus fluxos. É importante salientar que, mesmo com a inexistência do computador, havia à época uma tecnologia de processo, como a máquina têxtil, desenvolvida por Joseph Jacquard e controlada por cartões perfurados. Havia também calculadoras mecânicas com sistema binário, criadas em 1936 por Konrad Zuse e inutilizadas dois anos depois. 35

2 Unidade II De 1940 a 1952 Zuse também foi o criador do primeiro computador (Z3) programável, em Em 1946, os cientistas norte-americanos John Eckert e John Malchly, da Eletronic Control Company, criaram o primeiro computador digital eletrônico de grande escala: o Eniac (Eletronic Numerical Integrator and Computer). Esse computador não possuía um sistema operacional e era operado de forma manual. Seu funcionamento era similar às calculadoras simples de hoje. O Eniac pesava 30 toneladas e tinha cinco metros de altura, 25 metros de comprimento e ocupava uma área de 180m². Ele contava com cerca de 18 mil válvulas a vácuo e 70 mil resistores. Esse computador foi utilizado por dez anos e ficou obsoleto. Entretanto, ele serviu de inspiração para a próxima leva de invenção de computadores. Figura 6 Mulheres com peças do computador Eniac O Eniac tinha as seguintes características: era extremamente volumoso e pesado; sua tecnologia tinha poucas funções; seu processo ainda era lento; dependia de um alto investimento; dependia de uma mão de obra cara; dependia de muitos operadores (cerca de 80 pessoas operavam a máquina); gerava um alto consumo de energia (tinha 200 mil watts de potência); gerava um alto custo no processo produtivo. 36 Uma das funções de destaque da época era a de operador de computador, no caso, do Eniac.

3 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas De 1952 a 1960 A partir de 1952, os transistores substituíram as válvulas, o que tornou possível criar máquinas menores, mais rápidas e mais baratas. Além disso, essa nova tecnologia consumia menos energia (50 kwatts), o que reduzia os custos. A produção em série desses computadores começou a ser feita e, apesar de menores se comparados ao primeiro computador, eles ainda pesavam cerca de 3 toneladas, custavam US$ 200 mil e já podiam realizar operações mais rápidas, como 50 multiplicações por segundo. Esses computadores já eram comercializados à época e as grandes empresas já começavam a adquiri los. Sistema operacional Os procedimentos manuais realizados anteriormente já não eram necessários, pois os primeiros sistemas operacionais surgiram nessa época para automatizar essas tarefas. Os sistemas operacionais se constituíam via processamento batch. Os programas eram perfurados em cartões que eram lidos e gravados em uma fita de entrada. Essa fita, por sua vez, era lida pelo computador (um programa por vez) e seu resultado, processado em uma fita de saída. A evolução desse sistema em relação ao anterior está no fato de o processamento batch não depender mais de um operador para executar o programa, o que evita a ociosidade, já que ele tem um conjunto de rotinas para operações de entrada/saída e isso elimina a necessidade do programador. Acompanhe o processamento batch: a) JOB N JOB 1 JOB 2 Cartões perfurados b) Fita de entrada Processamento Processamento Fita de entrada Fita de saída c) Fita de saída Processamento Relatórios n Relatórios 2 Figura 7 Relatórios 1 Relatórios 37

4 Unidade II Em 1964, a IBM lançou a Série 360, que causou uma revolução na indústria de informática, pois já era possível oferecer a comercialização de computadores menores, mais potentes, mais fáceis de operar e com menor custo. Para essa série, o sistema operacional desenvolvido foi o OS/360, que atendia vários tipos de aplicações e periféricos. Durante esse período, foi desenvolvida pela DEC a linha PDP-8, altamente revolucionária por apresentar computadores considerados minicomputadores, se comparados aos mainframes até então existentes. As características do período indicam que havia: produção em série; maior desempenho operacional; maior capacidade de armazenamento; menor ocupação de espaço físico; menor custo; início da comercialização. De 1970 a 1980 Observação Uma das funções de destaque da época era o operador de processamento batch. Em 15 de novembro de 1971, a Intel lançou o primeiro microprocessador do mundo, o Intel 4004, que trabalhava com registradores de 4 bits e possuía transistores. Assim, a partir disso, a Intel prosseguiu com o desenvolvimento de processadores como o 8008 e 8080, utilizados em computadores pessoais. Os microprocessadores são utilizados em computadores pessoais chamados de CPU (Unidade Central de Processamento). A capacidade dos processadores é medida em Flops (instrução de ponto flutuante) de precisão simples, dupla ou quádrupla, e refere-se à quantidade máxima de instruções que podem ser executadas por segundo. 38

5 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas As fitas foram substituídas pelos discos, o que tornou o processo mais eficiente, visto que a alteração na ordem de execução das tarefas era permitida. Até então ela se dava de forma sequencial. Sistema operacional Durante esse período, os sistemas operacionais ainda estavam limitados a processamentos que não exigiam interação com o usuário e o vídeo e o teclado foram inseridos aos terminais. Já existia também o sistema operacional da Unix, baseado no sistema Multics (Multiplexed Information and Computing Service) que inicialmente foi desenvolvido para o minicomputador PDP-7. Figura 8 Primeiro microprocessador modelo 4004 da Intel As características dos sistemas operacionais eram: inovação no conceito de computadores com microprocessadores; maior capacidade de armazenamento; maior capacidade operacional; facilidade de manuseio; facilidade de operação; redução de custo. De 1981 a 1990 Lembrete A evolução das tecnologias elimina ou cria novas funções. Uma das funções de destaque da época era a do operador de sistemas. A ideia dos computadores pessoais surgiu entre 1981 e 1990 e foi a tecnologia mais tendenciosa que prevaleceu até os dias de hoje. Esses computadores eram os microcomputadores PC (personal computer) de 16 bits, da IBM. 39

6 Unidade II Surgiram ainda nessa época as estações de trabalho (workstation), que permitiam o conceito de multitarefa por executar diversas tarefas concorrentes, e foram difundidas as redes de WANs (wide area network). Essa tecnologia especificamente possibilita o acesso a outros sistemas de computação independentemente da localização geográfica. Além disso, tivemos também o surgimento das primeiras redes locais (Local Area Network LANs), tecnologia que interliga áreas, e dos sistemas operacionais de rede, já que os softwares de rede passaram a estar relacionados aos sistemas operacionais. Sistema operacional Nessa fase, o sistema operacional era o DOS (Disk Operation System). Já no final dos anos 1980, a tecnologia dos computadores estava bem-evoluída e se fazia necessário o uso de sistemas operacionais e de novas soluções de sincronismo. O multiprocessamento possibilitou a execução simultânea de programas aliados aos múltiplos processadores, o que elevou a potência dos computadores. A partir de 1991 Com a evolução natural da sociedade, da economia e da globalização, a tecnologia cresceu a fim de aumentar a produtividade e a capacidade para atender as novas necessidades, reduzir custos, oferecer qualidade e estabelecer uma comunicação rápida e segura. Foi na década de 1990 que a tecnologia se estabeleceu e consolidou avanços importantes para a tecnologia futura, tais como: sistema operacional em interface gráfica (Windows, da Microsoft); linguagem de programação Java, da Sun Microsystems; sistema Linux; Intel trouxe inovações para a estrutura do computador pessoal, como o barramento PCI e o barramento serial universal (USB); processador Pentium, da Intel; popularização da world wide web (www) devido aos browsers do Netscape e do Internet Explorer; modems ISDN e DSL; popularização do uso de pessoal. Lembrete 40 Ainda na década de 1990, surgiram muitas tecnologias que influenciaram o avanço e a melhoria na produção, no comércio, na distribuição, na comunicação do planejamento e na operação logística.

7 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas As principais tecnologias que surgiram nessa época estão relacionadas a seguir: pagers e PDAs; DVDs; crescimento da telefonia móvel (celulares); portais de comércio eletrônico, como Amazon, Mercado Livre e ebay. Exemplo de aplicação Observe o quadro a seguir e relacione a tecnologia à época em que ela ocorreu. Veja um exemplo de resolução: Evento XYZZ Período F Tenha como parâmetro a sequência de evolução da tecnologia para fazer a associação. No quadro, você terá os dados sobre a evolução da tecnologia da informação dispostos aleatoriamente. Coloque ao lado a referência do período em que ocorreu o evento (quadro 1), indicado pelas alternativas: a, b, c, d, e, f, g, h, i (quadro 2). É importante observar que o período pode se repetir, ou seja, o mesmo período pode ser utilizado em mais de um evento. Quadro 1 Evento 1) Uso de microprocessador em computadores pessoais (CPU) 2) Sistema operacional com processamento batch 3) Lançamento do computador (Z3) 4) Computadores sem válvulas e com menor volume, peso e consumo de energia 5) Surge a série 360, da IBM, oferecendo computadores mais potentes, mais fáceis de operar e com menor custo 6) Crescimento da telefonia móvel e surgimento do pager, do DVD e do comércio eletrônico 7) As fitas foram substituídas por discos, o que permitiu alteração na ordem de execução das tarefas, que até então eram feitas de forma sequencial 8) Processos feitos de forma manual e lenta 9) Surge o Eniac, computador extremamente pesado, volumoso e sem sistema operacional 10) Surge o sistema operacional com interfaces gráficas (Windows) 11) Surge o primeiro microprocessador Intel 4004, com 4 bits e maior capacidade de armazenamento Período 41

8 Unidade II Quadro 2 Períodos para associação com o Quadro 1 Resposta: a) 1940 b) 1941 c) 1946 d) e) 1960 f) 1964 g) 1971 h) 1980 i) 1990 Evento Uso de microprocessador em computadores pessoais (CPU) Sistema operacional com processamento batch Lançamento do computador (Z3) Computadores sem válvulas e com menor volume, peso e consumo de energia. Surge a série 360, da IBM, oferecendo computadores mais potentes, mais fáceis de operar e com menor custo Crescimento da telefonia móvel, surgimento do pager, do DVD e do comércio eletrônico As fitas foram substituídas por discos, o que permitiu alteração na ordem de execução das tarefas, que até então eram feitas de forma sequencial Processos feitos de forma manual e lenta Surge o Eniac, computador extremamente pesado, volumoso e sem sistema operacional Surge o sistema operacional com interfaces gráficas (Windows) Surge o primeiro microprocessador Intel 4004, com 4 bits e maior capacidade de armazenamento (h) (e) (b) (d) (f) (i) (h) (a) (c) (i) (g) Período 3.1 A transição para a tecnologia moderna A tecnologia avançou consideravelmente após a década de 1990, período em que ocorreram grandes mudanças no Brasil e no mundo nos aspectos econômicos, sociais e tecnológicos. Verifiquemos a seguir quais foram essas mudanças. Economia e política No Brasil, o confisco das poupanças causou instabilidade financeira no governo Collor. A estabilização só veio com a criação do Real, no governo de Itamar Franco, em 1994, que igualava a paridade da nova moeda nacional com o dólar. 42

9 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas Nessa época, a inflação foi a maior da história no Brasil, conforme estudo feito pelo IBGE: 900% 800% 700% 600% 500% 400% 300% 200% 100% 0% 6% % 19% 40% / % / % 8,6% 7,6% 5,69% Figura 9 Índices da inflação O gráfico da inflação no Brasil entre 1930 e 2005 apresenta os seguintes dados: na década de 1930 = média anual inflacionária de 6%; na década de 1940 = média anual inflacionária de 12%; na década de 1950 = média anual inflacionária de 19%; nas décadas de 1960 e 1970 = média anual inflacionária de 40%; na década de 1980 = média anual inflacionária de 330%; entre 1990 e 1994 = média anual inflacionária de 764%; entre 1995 e 2000 = média anual inflacionária de 8,6%; 2004 = média inflacionária de 7,60%; 2005 = média inflacionária de 5,69% (IPCA) (limite máximo na meta oficial = 7%; objetivo do governo = 5,1%). A economia e a política tiveram alguns aspectos marcantes em âmbito mundial. Dentre eles, podemos citar a crise financeira dos países asiáticos, a Guerra do Golfo, o fim da Guerra Fria, o fim do apartheid etc. Apesar dos grandes fatos políticos, econômicos e sociais que marcaram a década de 1990, o campo tecnológico passou por fatos importantes e marcantes que foram divisores de água para todos os setores, inclusive para a logística. Podemos citar como os principais acontecimentos e criações na história da tecnologia durante a década de 1990 (muitas delas criadas ainda na década de 1980): 43

10 Unidade II 44 aumento significativo do uso da internet e popularização dos s; crescimento do comércio eletrônico; popularização do Microsoft Windows, especialmente após o Windows 95; desenvolvimento do sistema Linux; processador Pentium/Intel; uso da telefonia móvel (celular) de modo expandido; surgimento do CD e do DVD. Como foi possível observar, as tecnologias mais importantes que usamos atualmente surgiram ou tiveram seu surgimento baseado durante a década de Essas evoluções foram decisivas para o aparecimento de um consumidor mais exigente e de um mercado mais competitivo. Assim, o que vemos neste século é um consumidor que busca melhores preços, condições, prazos, qualidade e fabricantes. Logo, a essência dos objetivos logísticos é buscar oferecer tudo isso com custos reduzidos. Para isso, os Sistemas da Informação atuam como importantes ferramentas de apoio às atividades primárias da logística. Atualmente, a logística pode contar com um rol de ferramentas tecnológicas para o planejamento, implantação e controle dos processos logísticos. Há, por exemplo, os sistemas ERPs (Enterprise Resource Planning), que auxiliam nos processos administrativo e financeiro e nas tomadas de decisões. Além disso, existem as demais ferramentas de apoio nas diversas áreas que compõe uma empresa, como os estoques, os armazéns, a produção, os transportes, o RH etc. Conheceremos cada uma dessas ferramentas ao longo dos nossos estudos nesta disciplina, porém, antes, analisaremos a diferença que existe entre planejar, implantar e controlar os processos (especialmente os logísticos) com e sem a tecnologia. A partir disso, poderemos mensurar os impactos, os benefícios e até mesmo as desvantagens do aparato tecnológico. Analisemos, portanto, essa transição por setor, ou seja, vejamos como era cada área da logística na década de Na produção Na década de 1990, o modelo de produção em massa popularizado por Henry Ford e Taylor já não era predominante. Esse modelo ficou conhecido como produção do modelo Ford T e foi criado no século XX. Desde a década de 1980, as empresas já vinham utilizando gradativamente o modelo de produção enxuta, também conhecido como modelo de produção Toyota ou STP (Sistema Toyota de Produção), que teve seu uso intensificado já na mesma década.

11 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas O Sistema Toyota de Produção surgiu logo após a Segunda Guerra Mundial, na década de 1950, no Japão, e foi criado por Toyoda Sakichi, Kiichiro Toyoda e Taiichi Ohno. Apesar disso, o sistema de produção em massa durou até aproximadamente a década de Nesse sistema, os lotes de produção são pequenos e, ao contrário do modelo fordiano, há a possibilidade de se variar os produtos no que diz respeito a cores, modelos, tamanhos e até mesmo personalizar um produto para o cliente. Esse modelo de produção também é conhecido como lean manufacturing (produção enxuta) e trabalha com o sistema de produção puxada. A produção puxada é quando se produz somente sob demanda, ou seja, a empresa já tem uma ordem, um pedido concretizado, e não antecipa a demanda, o que significa que ela trabalha sob encomenda. O Sistema Toyota de Produção, assim como o método de produção puxada e as filosofias de trabalho desenvolvidas por ele, é atualmente um modelo para as demais indústrias automobilísticas e para as empresas de outros segmentos. A aplicação do conceito não é limitada ao segmento automobilístico, ela tem êxito em todo tipo de negócio. Exemplo de aplicação Produção empurrada versus produção puxada A imagem a seguir busca ilustrar os dois modelos de produção em questão: Figura 10 Produção empurrada versus puxada A partir da observação dos dois modelos de produção, tente responder as questões a seguir: 45

12 Unidade II Dica: para responder as questões 2 e 3, se coloque no papel da empresa e tente identificar os motivos e benefícios que a produção puxada gerou. 1) Qual a diferença entre os dois métodos de produção no processo logístico? 2) Para você, quais os principais motivos que levaram as empresas a aderir ao método de produção puxada desde a década de 1980? 3) Quais os principais benefícios dessa mudança? Respostas: As respostas indicadas a seguir servem apenas como referência, ou seja, suas respostas não precisam ser idênticas às sugestões aqui expostas. Lembre-se que o importante é que você entenda o conceito abordado. Se a sua resposta for muito diferente da exposta, tente rever o conteúdo ou verificar se o conceito abordado é o mesmo em ambas. 46

13 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas 1) A imagem mostra claramente a diferença entre as duas políticas de produção. Na produção empurrada, não há cliente no início do processo, ou seja, não há vendas. A primeira imagem é a do fornecedor, que representa a compra da matéria para iniciar a produção. Quando o produto ficar pronto, ele será oferecido ao mercado e haverá uma ação de vendas. A produção puxada mostra o processo inverso, pois é uma técnica completamente contrária à de se produzir antecipadamente. A primeira imagem é a figura do cliente, que representa uma venda antecipada à fabricação do produto. 2) A mudança para o modelo de produção puxada na década de 1980 se deu pelos seguintes motivos: redução de custo de estoque; dificuldade de se prever a demanda; pressão por redução de custo; necessidade de espaços físicos maiores; capital parado; clientes mais exigentes (especificações de variedades de cor, modelos etc.). 3) O que trouxe de benefício? redução de capital empregado em estoque; estoques reduzidos; redução de espaço físico; maior competitividade; atendimento personalizado pela fabricação de lotes menores. Saiba mais Para saber mais sobre a posição da empresa Toyota no mercado mundial, leia o texto indicado a seguir: MORA, R. Apesar de recalls, Toyota é líder mundial. IG Carros. 2 dez Disponível em: <http://carros.ig.com.br/noticias/apesar+dos+recalls +toyota+e+lider+mundial/2050.html>. Acesso em: 9 fev Além disso, visite o site <www.toyota.com.br>. 47

14 Unidade II Com o modelo de produção Toyota, surgem várias outras metodologias de trabalho não só em indústrias automotivas, mas em outras organizações. As metodologias mais conhecidas são: just in time, autonomação, Kanban e PokaYoke. Conheçamos um pouco mais sobre algumas dessas técnicas e metodologias de acordo com Taiichi Ohno (1988). Just in time (JIT) Slack (2002) afirma que o planejamento e controle just in time visa atender à demanda instantaneamente, com qualidade perfeita e sem desperdícios (SLACK, 2002, p. 481). Esse é um dos pilares do STP. O JIT é um sistema de administração da produção que não permite de forma alguma antecipar a demanda para comprar, produzir ou transportar. Ou seja, ele atende a demanda na hora exata somente depois de já ter uma venda concretizada. Com essa técnica, a empresa reduz significativamente os estoques e o espaço físico, já que a matériaprima adquirida é suficiente para a produção necessária e só é entregue no momento de se produzir ou montar. Segundo Slack (2002), podemos descrever a abordagem JIT como: manufatura enxuta; manufatura de fluxo contínuo; manufatura de alto valor agregado; produção sem estoque; guerra ao desperdício; manufatura veloz; manufatura de tempo de ciclo reduzido. a) Abordagem tradicional: os estoques separam os estágios Estágio A Estoque amortecedor Estágio B Estoque amortecedor Estágio C Figura 11 48

15 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas b) Abordagem JIT: as entregas são feitas contra a solicitação Estágio A Estágio B Estágio C Entregas Entregas Figura 12 A figura anterior aborda muito bem a diferença do planejamento e controle da produção com e sem o método JIT (just in time). Sem os estoques amortecedores entre cada etapa do processo, tudo muda completamente. No modelo (a), a abordagem tradicional busca cobrir possíveis distúrbios para não prejudicar a produção. Dessa forma, os estoques separam as fases do processo e são representados como estoques amortecedores, de acordo com a imagem. Esse tipo de estoque atua como equilíbrio entre um estágio e outro, por isso ele é denominado amortecedor. Já no processo (b), temos a abordagem JIT, que vê os estoques como algo negativo que pode vir a criar problemas. Slack (2002) vê o estoque como se fosse o nível de água no leito de um rio, no qual os problemas são representados por pedras. Quanto menor o nível da água, ou seja, do estoque, maior a possibilidade de enxergar os problemas representados pelas pedras no rio. Dessa forma, o barco, que pode representar a empresa, corre maior risco com os níveis de água (estoque) altos, que impossibilitam ver as pedras (problemas). A relação de Slack (2002) retrata bem a complexidade de se ter estoques altos. Os problemas são cobertos pelos altos índices de itens estocados e isso se reflete em várias áreas da empresa, o que causa disfunções em toda a cadeia de valor e compromete o resultado das vendas e o nível de serviço. Portanto, a filosofia JIT não adota a prática de estoques entre os estágios dos processos. Kanban O sistema Kanban é uma das variantes mais conhecidas do JIT (REIS, 2008). Observação A palavra kanban é de origem japonesa e quer dizer registro ou placa. 49

16 Unidade II Essa metodologia faz uso de cartões, caixas ou outra forma de sinalização com luz para identificar determinados níveis de estoque. Ela pode emitir um alerta para a produção ou a movimentação de matérias-primas, embalagens ou até mesmo de produtos acabados (PAs). Os cartões são coloridos e cada um deles indica uma informação quanto aos níveis de estoque e o grau de urgência da reposição. Os cartões são colocados do verde ao vermelho. verde: corresponde ao lote e define o nivelamento da produção. Quando há cartões na faixa verde, isso significa que não há necessidade de produzir novas peças; amarelo: corresponde à resposta do fornecedor e ao tempo de reposição da peça. Essa fase significa que há a necessidade de iniciar a produção de itens; vermelho: corresponde ao nível de segurança, ou seja, o cartão vermelho indica o nível para que não falte produtos enquanto aguarda-se a entrega. O tempo de produção durante a fase amarela não deve ultrapassar a faixa vermelha, visto que, nessa fase, o estoque não deve ser modificado, ou seja, ele é uma segurança para eventuais problemas de entrega do fornecedor. Assim, o estoque de cada peça ou item é dividido em três fases nas respectivas cores. À medida que os cartões são utilizados, a fase muda. Assim, quando o quadro está cheio, há a indicação de que os estoques estão vazios. Para se fazer uso do sistema Kanban, é necessário determinar os parâmetros de reposição, ou seja, a quantidade de cada peça em cada nível de estoque. Os níveis são calculados de acordo com a demanda diária versus o tempo de reposição pelo fornecedor (lead time). Além disso, é preciso definir para quantos dias se quer o estoque já que o ponto de pedido é encontrado a partir desse cálculo e qual será o estoque de segurança, ou seja, a quantidade de peças para um determinado número de dias, levando em conta o tempo de entrega pelo fornecedor. O estoque de segurança não é contabilizado. O estoque mínimo é exatamente o ponto que marca a necessidade de se fazer um novo pedido e ele ser entregue pelo fornecedor sem que haja a necessidade de invadir o estoque de segurança, que só é utilizado quando há algum imprevisto em relação ao fornecedor. Algumas empresas ainda utilizam outras cores de cartões Kanban de acordo com suas necessidades de controle de estoques em outros níveis. O Kanban apresenta as seguintes características: 50 sistema visual e bastante simples; baixo investimento; flexibilidade de resposta ao cliente;

17 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas controle de estoque e produção praticamente em tempo real; é utilizado para apoiar a produção puxada JIT; evita reduções drásticas no estoque; evita problemas com atrasos (lead time); é flexível a qualquer segmento empresarial; independe da tecnologia (ERP) utilizada pela empresa; dá instrução para que a fase anterior providencie o envio de material; usa a ferramenta para kaizen (técnica de aprimoramento contínuo); pode ser utilizada em qualquer processo, independemente de ser ou não produtivo ou da área logística. Autonomação O sistema de autonomação também é conhecido como automação inteligente. Nesse sistema, antes de produzir, a máquina executa funções de supervisão que previnem defeitos na peça e ainda trabalha para que os erros não se repitam. Além disso, ela elimina superproduções por meio do princípio de jidoka, no qual a máquina para e interrompe a linha de produção se ocorrer qualquer anormalidade. PokaYoke O PokaYoke é um método utilizado para detectar defeitos na produção depois que ela ocorre. Com o dispositivo acionado, ele soa um alarme quando há algum problema detectado. Ele pode ser usado de duas formas na detecção de erros: método de controle: ao sinal do problema, a máquina para de forma que o problema seja corrigido; método de advertência: quando o dispositivo é ativado, o trabalhador operário é alertado por meio de um som ou uma luz quando ocorrer algum problema. Considerações finais sobre a produção enxuta É fácil notar por que o método de produção enxuta desenvolvido pelo Sistema Toyota de Produção e suas ferramentas, técnicas e filosofias trouxeram benefícios tanto para quem produz como para quem compra. Para o fabricante, o mais interessante é a possibilidade de atender o cliente na medida certa, na hora certa e no custo desejável. Com a produção enxuta, ele tem grandes vantagens. 51

18 Unidade II Além das vantagens já relatadas, o fabricante ainda conta com: a precisão na distribuição física, que é alinhada à necessidade do cliente; a redução de incertezas de demanda; a redução dos custos operacionais; um maior controle dos inventários. Para o distribuidor, os principais benefícios foram: receber na quantidade desejada, sem ter que dispor de espaço físico para armazenagem; ter um recebimento programado alinhado à necessidade de reposição na loja; desembolsar investimentos de forma gradativa, conforme a necessidade; ter a possibilidade de obter uma maior variedade de produtos sem ter que comprar grandes quantidades. Na cadeia de suprimentos em geral, há vantagens em todos os elos, inclusive para o consumidor final, que, ao fim do processo e por meio de uma produção enxuta, pode ter um produto: de forma mais rápida; com maior qualidade; com menor preço; com maior variedade; personalizado. Case: a flexibilidade ajuda o just in time na L Oréal A L Oréal Cosmetics é agora o maior grupo mundial de cosméticos e artigos de toalete, com presença em mais de 140 países. No Reino Unido, suas instalações de m² produzem linhas de produtos, num ambiente absolutamente limpo que se compara a uma fábrica da indústria farmacêutica em termos de higiene, segurança e qualidade. A fábrica tem 55 linhas de produção, 45 diferentes processos produtivos e os sistemas de manufatura empregados são de tal flexibilidade que permitem que cada uma das linhas de produtos seja produzida a cada dois meses isso significa mais de 150 diferentes linhas a cada semana. Contudo, a fábrica não foi sempre assim tão flexível. Ela foi forçada a ampliar sua flexibilidade pela necessidade de despachar 80 milhões de itens a cada ano. O trabalho logístico envolvido na aquisição, produção, armazenamento e distribuição desse volume e variedade de produtos levou-a a seu atual foco de introduzir os princípios JIT nos processos de manufatura. Para auxiliar seu esforço rumo à flexibilidade e à produção just in time, a L Oréal organizou seu complexo em três centros de produção, cada um deles autônomo e 52

19 Tecnologia para Planejamento e Operações Logísticas focalizado em famílias técnicas de produtos. O responsável por todas as atividades de sua área é o gerente de produção. Também é de sua responsabilidade o desenvolvimento, o treinamento e a motivação do pessoal dentro dos centros de produção, focalizados em grupos de aprimoramento que têm trabalhado na melhoria da flexibilidade, da qualidade e da eficiência do chão de fábrica. Um dos projetos reduziu os tempos de set-up 1 na linha que produz colorações para cabelo de 2,5 horas para apenas oito minutos. Esses novos tempos de troca permitem que a empresa agora possa utilizar lotes menores, o que lhe dá a flexibilidade necessária para atender a seus mercados just in time. Antes da redução no tempo de set-up, o tamanho do lote era de unidades, agora, lotes de a unidades já podem ser produzidos a custos viáveis (SLACK, 2002). Saiba mais Para saber dados mais recentes sobre a posição mundial da L Oréal, leia: FERNANDES, D. O Triunfo da L Oréal. IstoÉ Dinheiro, São Paulo, 3 maio Disponível em: <http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/15113_ O+TRIUNFO+DA+LOREAL>. Acesso em: 15 mar Exemplo de aplicação Discutindo o case Após a leitura do case anterior, é interessante discutirmos sobre algumas questões relacionadas ao tema. Avalie o estudo de caso da L Oréal, responda as questões e compare suas respostas com as resoluções sugeridas: 1) Qual foi o papel do JIT na mudança dos processos da L Oréal? 1 Set-up é o tempo de troca de ferramentas, equipamentos, programas etc. entre um processo e outro. 53

20 Unidade II 2) Se você pudesse ter todos os tempos de troca da fábrica reduzidos, que efeito isso teria para o estoque? 3) Como a L Oréal conseguiu reduzir seu set-up? Respostas 1) O JIT proporciona uma redução de estoques e uma alta rotatividade dos itens, de forma que a L Oréal consegue produzir linhas diferentes a cada dois meses, o que significa fabricar 150 linhas diferentes por semana. Só a filosofia JIT proporciona um giro tão rápido como esse. 2) A redução de troca dos produtos na linha de coloração para cabelos da L Oréal foi de 2,5 horas para oito minutos. Isso também se reflete no aumento do giro de estoque e na diminuição da perda nos set-ups. Dessa forma, os itens são colocados em produção muito mais rapidamente. Se esse benefício se estender em todas as 55 linhas de produção da empresa, os reflexos nos resultados finais seriam surpreendentes. 3) Os set-ups demandam muito tempo na troca de equipamentos, limpeza e outros procedimentos na linha de produção. Com a metodologia JIT, a produção é enxuta e feita sob encomenda. Como não há estoques amortecedores entre os estágios, os set-ups são significativamente reduzidos. 54

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza

FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas. Módulo: Administração de Materiais. Profª Neuza FTAD Formação Técnica em Administração de Empresas Módulo: Administração de Materiais Profª Neuza AULA ANTERIOR: Compras O que é??? É uma atividade de aquisição que visa garantir o abastecimento da empresa

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha

Unidade II GESTÃO DE. Prof. Léo Noronha Unidade II GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha Após a Segunda Guerra Mundial: Estados Unidos da América passaram por um longo período de crescimento. Responsáveis pela reconstrução de muitos

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES E REDES

TELECOMUNICAÇÕES E REDES Capítulo 8 TELECOMUNICAÇÕES E REDES 8.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as tecnologias utilizadas nos sistemas de telecomunicações? Que meios de transmissão de telecomunicações sua organização

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO @ribeirord FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br Sistemas de Informação Sistemas de Apoio às Operações Sistemas

Leia mais

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999

Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010. Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 FSI capítulo 2 Referências bibliográficas: Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informações gerencias, editora Pearson, 2010 Laudon K., Laudon J., Sistemas de Informação, editora LTC, 1999 Porter M., Competitive

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos ... lembrando Uma cadeia de suprimentos consiste em todas

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo.

17/02/2015 JIT KANBAN. Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO JIT KANBAN - JIT Uma técnica que se utiliza de várias normas e regras para modificar o ambiente produtivo. Técnica voltada para a otimização da produção. PODE SER APLICADA TANTO

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS c Custos Logísticos no Brasil - 2014 - Apresentação O tema custos é uma preocupação recorrente dos executivos de logística no Brasil. Por isso, de dois em dois anos, o ILOS vai

Leia mais

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com

Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5. Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Comércio Eletrônico e-commerce Aula 5 Prof. Msc. Ubirajara Junior biraifba@gmail.com Introdução Mudança no ambiente empresarial; Ligação com o desenvolvimento de tecnologia da informação. Características

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Agregando valor com Business Service Innovation

Agregando valor com Business Service Innovation Agregando valor com Business Service Innovation A TI é enorme. Existem tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG

Sistemas Empresariais. Capítulo 3: Sistemas de Negócios. Colaboração SPT SIG Capítulo 3: Sistemas de Negócios Colaboração SPT SIG Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos, gerentes e profissionais de empresas.

Leia mais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais

Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Capítulo 3: Sistemas de Apoio Gerenciais Colaboração nas Empresas SPT SIG Aplicações Empresariais Objetivos do Capítulo Explicar como os SI empresariais podem apoiar as necessidades de informação de executivos,

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

TAW Tópicos de Ambiente Web

TAW Tópicos de Ambiente Web TAW Tópicos de Ambiente Web Comércio Eletrônico rveras@unip.br Aula - 04 Agenda Comércio Eletrônico 2 Comércio Eletrônico Comércio Eletrônico 3 O que é o comércio eletrônico Evolução Transações convencionais

Leia mais

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta

Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE. Profa. Lérida Malagueta Unidade IV ADMINISTRAÇÃO DE PRODUÇÃO E OPERAÇÕES Profa. Lérida Malagueta Planejamento e controle da produção O PCP é o setor responsável por: Definir quanto e quando comprar Como fabricar ou montar cada

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA

whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA whitepaper PRECIFICAÇÃO DINÂMICA INTRODUÇÃO Quando se fala em precificar um produto, a primeira coisa que vem em mente é que essa é uma tarefa muito óbvia - são somados ao preço da mercadoria: os custos,

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Vendas na Empresa Lean

Vendas na Empresa Lean Vendas na Empresa Lean Autor: Alexandre Cardoso Publicado: 29/04/2011 Introdução Em uma empresa, a área de Vendas é de extrema importância para o sucesso do negócio. Aprimorar o seu desempenho tem sido

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1

Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundamentos de Sistemas de Informações: Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Estudantes na Escola de Administração da FGV utilizam seu laboratório de informática, onde os microcomputadores estão em rede

Leia mais

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO FUNDAMENTOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Rafael D. Ribeiro, M.Sc,PMP. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br @ribeirord Pesquisa e Propagação do conhecimento: Através da Web, é possível

Leia mais

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com

E-Business. Parte 2. Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com Parte 2 Prof. Marcílio Oliveira marcilio.oliveira@gmail.com As dimensões do E-Commerce (Comércio Eletrônico). SCM - Supply Chain Management (Gerenciamento de Cadeia de Fornecimento) ERP - Enterprise Resourse

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo

Lean manufacturing ou Toyotismo ou Toyotismo Gestão da Qualidade Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina

Leia mais

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br

Fundamentos da Informática. História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br Fundamentos da Informática História dos Computadores Prof. Hélder Almeida www.helderalmeida.com.br História da Computação Hoje em dia, os computadores estão presentes em nossa vida de uma forma nunca vista

Leia mais

Prof. Lucas Santiago

Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Administração de Sistemas de Informação Prof. Lucas Santiago Classificação e Tipos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação são classificados por

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Tecnologias e Sistemas de Informação

Tecnologias e Sistemas de Informação Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 02 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 1: Fundamentos dos SI Resposta do Exercício 1 Fundação Getúlio Vargas Leia o texto e responda o seguinte: a) identifique os recursos de: Hardware: microcomputadores,

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP

Varejo virtual ERA DIGITAL. por Tânia M. Vidigal Limeira FGV-EAESP ERA DIGITAL Varejo virtual Ovolume de operações registrado recentemente no âmbito do comércio eletrônico atesta que a Internet ainda não chegou às suas últimas fronteiras. Vencidas as barreiras tecnológicas

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

JUST-IN-TIME & KANBAN

JUST-IN-TIME & KANBAN JUST-IN-TIME & KANBAN Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br 1 OBJETIVO DA AULA OBJETIVO: EVIDENCIAR O QUE É JUST IN TIME E QUAL É SUA UTILIDADE EM PROJETOS DE OTIMIZAÇÃO DE RECURSOS EM OPERAÇÕES

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center

Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Otimização do Gerenciamento de Datacenters com o Microsoft System Center Aviso de Isenção de Responsabilidade e Direitos Autorais As informações contidas neste documento representam a visão atual da Microsoft

Leia mais

KANBAN (capítulo 13)

KANBAN (capítulo 13) KANBAN (capítulo 13) O sistema kanban foi desenvolvido na Toyota Motor Company por Taiichi Ohno e Sakichi Toyoda e ficou conhecido dentro do Sistema Toyota de Produção, como um sistema de combate ao desperdício.

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza

Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA. Profa. Marinalva R. Barboza Unidade IV LOGÍSTICA INTEGRADA Profa. Marinalva R. Barboza Supply Chain Managment - SCM Conceito: Integração dos processos industriais e comerciais, partindo do consumidor final e indo até os fornecedores

Leia mais

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING

15/09/2011. Historico / Conceito. Lean Production é um programa corporativo ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Evolucao do Conceito LEAN THINKING Historico / Conceito Lean : década de 80 James Womack (MIT) Projeto de pesquisa: fabricantes de motores automotivos; ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Lean Production é um programa corporativo composto por

Leia mais

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES

NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES NOTAS DE AULA - TELECOMUNICAÇÕES 1. Conectando a Empresa à Rede As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes de tipo Internet dentro da empresa (intranets), entre uma

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Professor: Dr. Edwin B. Mitacc Meza edwin@engenharia-puro.com.br www.engenharia-puro.com.br/edwin Gerenciamento Logístico Gerenciamento Logístico A missão do gerenciamento logístico é planejar

Leia mais

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014

Pesquisa FGV-EAESP de Comércio Eletrônico no Mercado Brasileiro 16 a Edição 2014 Resumo Introdução O Comércio Eletrônico é um dos aspectos relevantes no ambiente empresarial atual e tem recebido atenção especial das empresas nos últimos anos, primeiro por ser considerado como uma grande

Leia mais

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital.

Northern Telecom Ltd (Nortel). Isto devido ao seu atraso na substituição da tecnologia analógica pela digital. MOTOROLA A empresa alcançou um faturamento global da ordem de US$ $37.6 bilhões em 2000. É líder mundial em sistemas e serviços eletrônicos avançados. Atuando de maneira globalizada em 45 países, mais

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução à Computação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Informática x Computação

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

Um computador é um dispositivo capaz de executar cálculos e tomar decisões lógicas milhões de vezes mais rápidas do que podem os seres humanos.

Um computador é um dispositivo capaz de executar cálculos e tomar decisões lógicas milhões de vezes mais rápidas do que podem os seres humanos. Do ábaco ao palmtop. Um computador é um dispositivo capaz de executar cálculos e tomar decisões lógicas milhões de vezes mais rápidas do que podem os seres humanos. O ábaco é um instrumento mecânico usado

Leia mais

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos

Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos Planejamento e Controle da Cadeia de Suprimentos O mercado exige... Produtos e serviços entregues de acordo

Leia mais

SISTEMA DE PISTA WAYNE FUSION. Conheça a nova face do. controle de pista.

SISTEMA DE PISTA WAYNE FUSION. Conheça a nova face do. controle de pista. SISTEMA DE PISTA WAYNE FUSION Conheça a nova face do controle de pista. Controle onde você mais precisa. Controle onde voc O Sistema de Pista Wayne Fusion permite uma interface ininterrupta de suas bombas,

Leia mais

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12)

MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) MRP / MRP II / ERP (capítulos 11 e 12) As siglas MRP, MRP II e ERP são bastante difundidas e significam: MRP Materials Requirements Planning Planejamento das Necessidades de Materiais; MRP II Resource

Leia mais

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing

Lean manufacturing ou Toyotismo. Lean manufacturing ou Toyotismo Resultados impressionantes 1 Trimestre 2007 Toyota supera GM como líder mundial em vendas Vendas Mundiais 1º Trimestre Nº Carros Toyota 2.348.000 GM 2.260.000 2007 termina empatado tecnicamente

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce).

Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). Poucas inovações na história da humanidade reúnem tantos benefícios potenciais quanto o Comércio Eletrônico (também conhecido como e-commerce). A natureza global da tecnologia, a oportunidade de atingir

Leia mais

E-commerce Fundamentos

E-commerce Fundamentos E-commerce Fundamentos Flávio Augusto Martins Wanderley Professor flavio@mwan.com.br 1 / 65 Conteúdo desta aula Conceitos. Evolução do comércio eletrônico. Modalidades. O que vem no futuro. 2 / 65 Conceito

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60

EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 INTRODUÇÃO REDES EVOLUÇÃO DOS SIST. DE COMPUTAÇÃO DÉC. DE 50 E 60 Computadores eram máquinas grandes e complexas, operadas por pessoas altamente especializadas; Não havia interação direta entre usuários

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas:

O que é e-ppcp? Funcionalidades adicionadas: e-ppcp / e-kanban 1 O que é e-ppcp? O e-ppcp é um aplicativo desenvolvido em ABAP/4 pela IntegrationSys para adicionar ao ERP SAP funcionalidades para suportar efetivamente o planejamento e operação de

Leia mais

Software de gerenciamento de trabalho

Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho Software de gerenciamento de trabalho GoalPost O software de gerenciamento de trabalho (LMS) GoalPost da Intelligrated fornece informações sob demanda para medir,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010

Artigo publicado. na edição 17. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. julho e agosto de 2010 Artigo publicado na edição 17 Assine a revista através do nosso site julho e agosto de 2010 www.revistamundologistica.com.br :: artigo 2010 Práticas Logísticas Um olhar sobre as principais práticas logísticas

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

O que é comércio eletrônico?

O que é comércio eletrônico? COMÉRCIO ELETRÔNICO O que é comércio eletrônico? O comércio eletrônico ou e-commerce é a compra e venda de mercadorias ou serviços por meio da Internet, onde as chamadas Lojas Virtuais oferecem seus produtos

Leia mais

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas.

Autoatendimento Digital. Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Autoatendimento Digital Reduz custos e aprimora as relações com o cliente, criando experiências de autoatendimento personalizadas e significativas. Oferece aos clientes as repostas que buscam, e a você,

Leia mais

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Introdução e Planejamento Cap. 1. Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br BALLOU, Ronald H. Gerenciamenrto da Cadeia de Suprimentos / Logística Empresarial. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman. 2006 Introdução e Planejamento Cap. 1 Prof. Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 -

Brochura - Panorama ILOS. Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Brochura - Panorama ILOS Supply Chain Finance Como o Supply Chain pode contribuir no planejamento financeiro das empresas - 2015 - Por que adquirir este Panorama ILOS? O Supply Chain Finance é a forma

Leia mais

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos

Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Resumo da solução Cisco UCS Mini: solução avançada com recursos corporativos Você deseja uma solução de computação unificada para a sua empresa de médio ou pequeno porte ou para o padrão avançado do seu

Leia mais

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza

Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS. Profa. Marinalva Barboza Unidade III RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Profa. Marinalva Barboza Atividades da gestão de materiais e a logística Segundo Pozo, as atividades logísticas podem ser vistas por duas grandes áreas: atividades

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação

Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Tipos de Sistemas de Informação Sistemas sob a Perspectiva de Grupos Usuários Sistemas de apoio ao executivo (SAE); Universidade Federal de Itajubá EPR 806 Sistemas de Informação Segundo semestre de 2012

Leia mais

Brochura - Panorama ILOS

Brochura - Panorama ILOS Brochura - Panorama ILOS Planejamento no Supply Chain - 2015 - Apresentação As empresas devem garantir que suas cadeias de suprimento estejam preparadas para um mercado em constante modificação. Planejar

Leia mais

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação

Fundamentos de Sistemas de Informação Sistemas de Informação Objetivo da Aula Tecnologia e as Organizações, importância dos sistemas de informação e níveis de atuação dos sistemas de informação Organizações & Tecnologia TECNOLOGIA A razão e a capacidade do homem

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como: Fascículo 4 Gestão na cadeia de suprimentos Cadeias de suprimentos Segundo o dicionário da American Production Inventory Control Society, uma Cadeia de Suprimentos (Supply Chain) pode ser definida como:

Leia mais