DIEGO AUGUSTO DE JESUS PACHECO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIEGO AUGUSTO DE JESUS PACHECO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO E SISTEMAS NÍVEL MESTRADO DIEGO AUGUSTO DE JESUS PACHECO INTEGRANDO A ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO COM A TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA SÃO LEOPOLDO 2012

2 P116i Pacheco, Diego Augusto de Jesus. Integrando a Estratégia de Produção com a Teoria das Restrições, Lean Manufacturing e Seis Sigma: uma abordagem metodológica / Diego Augusto de Jesus Pacheco f. : il. ; 30 cm. Dissertação (mestrado) Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas, "Orientador: Prof.Dr. José Antônio Valle Antunes Júnior. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) (Bibliotecário: Flávio Nunes CRB 10/1298)

3 2 DIEGO AUGUSTO DE JESUS PACHECO INTEGRANDO A ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO COM A TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção e Sistemas, pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS. Orientador: Prof.Dr. José Antônio Valle Antunes Júnior

4 3 SÃO LEOPOLDO 2012

5 DIEGO AUGUSTO DE JESUS PACHECO INTEGRANDO A ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO COM A TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN MANUFACTURING E SEIS SIGMA: UMA ABORDAGEM METODOLÓGICA Aprovado em: 11/6/2012 Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção do título de Mestre em Engenharia de Produção e Sistemas, pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistemas da Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS. BANCA EXAMINADORA Orientador: Prof. Dr. José Antônio Valle Antunes Júnior Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Prof. Dr. Adriano Proença Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) Prof. Dr. Daniel Pacheco Lacerda Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Prof. Dr. Miguel Afonso Sellitto Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS) Visto e permitida à impressão São Leopoldo, 21/6/2012. Prof. Dra. Miriam Borchardt Coordenadora Executiva do PPG em Engenharia de Produção e Sistemas.

6 Dedico essa jornada à minha família, aos filhos que um dia terei, aos homens de bem que crêem em Deus e aos que acreditam na força do Rio Grande e no futuro da pátria amada Brasil.

7 AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, que guia desde sempre meus caminhos e me inspira a melhorar continuamente o homem que sou. Ao meu pai Auro, um mecânico de manutenção de origem simples que me ensinou o valor do trabalho, da educação e, sobretudo da verdade. À minha mãe Almerinda, que veio da lavoura em busca de vida melhor na cidade, e que me mostrou os caminhos da fé, da educação e dos bons costumes. À minhas sobrinhas Camila e Estela, e meus afilhados Mateus e Andrei, aos quais desejo que tenham a força que sempre tive e se motivem a avançaram nos estudos assim como eu. À minha irmã Carem e cunhado Everton, por se importarem e oferecer conforto nos momentos necessários nesses últimos anos de mestrado. Aos meus avós paternos Dorzíria dos olhos azuis e cabelos brancos de neve (in memorian) e Octalíbio (in memorian) por fazerem parte da minha infância em Gravataí, ainda que rapidamente. Aos meus avós maternos Santa Zilda (in memorian) e Antônio (in memorian), por cuidarem desse guri arteiro nas férias em Camaquã. E ao meu bisavô materno e caboclo guerreiro Manuel Joaquim de Jesus (in memorian) por servir à República Riograndense ao lado do General Zeca Neto nos tempos da guerra. Agradeço a todos os colegas de graduação e, sobretudo do mestrado, pois juntos dividimos boas discussões, amizades, dúvidas, pesquisas, artigos e churrascos. Esse convívio possiblitou desafiar meus próprios limites e sonhar mais alto. Fernando Elemar, Elenise Rocha, Paula, Poper, Kern, Dupont, Débora, Luciane, Liziane Menezes, André Martins, Gustavo Diestmann, Tati Librelato, Dieter Goldmeyer, Charles, Márcio Leonel, Auad, Tito, André Santos, Diehl, Martins, Demartini, Rosângela, Macáliston, etc. Agradeço às funcionárias Aninha, Cláudia e Antônia pela assistência sempre que necessário. Aos professores parceiros de jornada. Ao professor Gian e à professora Miriam pela objetividade e exemplo de conduta. Ao professor Guilherme Vaccaro pelas conversas, conselhos e ajudas estatísticas. Ao professor Celso Mattos do PPGA pela decisiva contribuição quando eu mais precisei. Ao professor Luis Henrique, que é capaz nos ensinar, até quando nós humildemente apenas o observamos ou dele lembramos em pensamento, um educador inspirador nato. Ao professor Daniel Lacerda pelo rigor e alta exigência que nos passa, tão necessárias para lapidar bons pesquisadores. Ao professor Miguel Sellitto por estar sempre disposto a nos ajudar e incentivar nosso crescimento. Ao professor Cassel, que com sua visão estratégica nos inspira. Ao Secundino e à Maria Isabel pelo convívio e atenção nas aulas em que juntos estivemos. Aos meus amigos da Faccat: Prof. Jung, exímio pesquisador, de ideais fundamentais à Engenharia de Produção brasileira. Ao Eduardo, Mendgen, Karina, Jarbas, Ivan, Frederico pela companhia e convívio construtivo. Em especial ao meu orientador Junico Antunes, de coração simples, bondade infinita, objetitivade ímpar e uma inteligência invejável. Com ele aprendo muito e gostaria de aprender mais e não perder o contato contigo e demais professores do PPGEPS. Aos amigos pessoais, de infância e colegas de trabalho que direta ou indiretamente contribuíram: Cláudio Batista, Beto, Moisés, Saimon, Anderson Dresch, Eduardo Silveira, Marcelo Oliveira, Varreira, Ranieri, Paulo Ramos, Caio, Zank, Ricardo Costa, Piazza, Gleysson, Arcival, Rafael, Cantareli, Faleiro, Luis Nunes, Núbia, Ferri, Marcos Nobre, Bruna, Thiago Menezes, Hommer, Thais, Karen, Klippelzão, Seidel, Ariel, Panta, Hilgert, Cléo, Douglas Veit, Felipe Menezes, Pizzatto, Ivan DePellegrin, Marcelo Klippel, Mari, Otaviano Talgatti, Priscila Inácio, Priscila Paraboni, Renato de Boer, Rodrigo Pinto. Todos vocês aqui citados, do ponto de vista sistêmico, foram importantes de alguma forma na minha caminhada. Peço desculpas se esqueci de alguém. E a todos vocês, de coração e mente, meu muito obrigado!

8 RESUMO A literatura de estratégia de produção que discute o tema da melhoria contínua operacional é ampla e repleta de divergências e convergências entre os autores. Tais conflitos estão geralmente pautados em torno da seguinte questão discussão: qual abordagem de melhoria ou qual combinação de abordagens gera melhor impacto na competitividade organizacional? Da mesma maneira que há esse conflito, observa-se também a falta de modelos isentos de viés e das lacunas dessa ou daquela abordagem e que tenham como foco uma visão sistêmica de negócio, a partir da estratégia de produção e das dimensões competitivas exigidas pelo mercado. Autores como Hayes et al. (2008) afirmam que o fracasso das melhores práticas ou NAOs (New Approaches to Operations) pode ser explicado pela falta de alinhamento entre a estratégia de negócios e de produção da empresa. Faz-se necessário ponderar que, os procedimentos metodológicos que contribuem para o rigor da investigação científica no campo da Gestão de Operações e da Engenharia de Produção, via de regra, não estão suficientemente presentes no desenvolvimento e na estrutura dos modelos disponíveis na literatura. Nesse sentido, visando preencher principalmente as lacunas supracitadas, o objetivo principal dessa pesquisa foi propor um modelo integrando a estratégia de produção e a priorização da melhoria contínua, a partir das dimensões competitivas. O modelo sugerido discutiu, a integração das abordagens: Teoria das Restrições (GOLDRATT, 1984), Lean Manufacturing (WOMACK et al., 2004) e Seis Sigma (MONTGOMERY, 2010) dentro do contexto da estratégia de produção, a partir das Unidades Estratégicas de Negócios (UENs). Visando realizar a discussão, a presente pesquisa adotou o seguinte delineamento de pesquisa: a revisão sistemática da literatura; a validação com especialistas de aspectos relevantes à pesquisa; a combinação de elementos qualitativos e quantitativos de coleta e análise de dados; e por fim adotou a lógica do Design Research (SIMON, 1969) como método de investigação condutor do estudo. Os resultados da pesquisa permitiram apresentar um modelo, que a partir da estratégia de produção das UENs, integra a Teoria das Restrições, o Lean e o Seis Sigma, sugerindo uma lógica de priorização das suas práticas de acordo com as dimensões competitivas exigidas pelo mercado. Palavras-chave: Competitividade organizacional. Estratégia de produção. Dimensões competitivas. Teoria das restrições. Lean Manufacturing. Seis sigma.

9 ABSTRACT The manufacturing strategy literature that discusses the theme of continuous improvement operating is wide and full of differences and similarities between the authors. This conflict is usually guided around the following question: which approach for improvement or which combination of approaches leads better impact on organizational competitiveness? Likewise there is this conflict, there is also a lack of models bias-free and shortcomings of this or that approach and that focused on a systems view of business, from production strategy and competitive dimensions required by the market. Authors such as Hayes et al. (2008) argue that the failure of best practices or NAOs (New Approaches to Operations) can be explained by the lack of alignment between business strategy and production strategy. It is necessary to consider that the methodological procedures that contribute to the rigor of scientific research in the field of Operations Management and Production Engineering, as a rule, are not sufficiently present in the development and structure of the models available in the literature. In this sense, aimed mainly filling the gaps mentioned above, the main objective of this research was to propose a model integrating production strategy and prioritization of continuous improvement, based on the competitive dimensions. The suggested model discussed the integration of approaches: Theory of Constraints (GOLDRATT, 1984), Lean Manufacturing (WOMACK et al., 2004) and Six Sigma (MONTGOMERY, 2010) within the context of manufacturing strategy, from the Strategic Units Business (SBUs). Aiming to make the discussion, this research adopted the following research design: a systematic literature review; validation with experts from relevant aspects to the study; the combination of both qualitative and quantitative data collection and analysis; and finally adopted Design Research (SIMON, 1969) as method of conducting the research study. The results of this research allowed to present a model, that from the production strategy of the SBU, integrated the Theory of Constraints, Lean and Six Sigma, suggesting a logic for prioritizing their practices according to the competitive dimensions required by the market. Keywords: Organizational competitiveness. Production strategy. Competitive dimensions. Theory of constraints. Lean Manufacturing. Six sigma.

10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Desenvolvimento histórico da Gestão de Operações Figura 2 Framework de Estratégia de Produção Figura 3 Evolução histórica da Gestão de Operações Figura 4 Os três níveis da Estratégia Competitiva top down Figura 5 Estratégias Funcionais segundo Klippel (2005) Figura 6 Diferença entre conteúdo e processo da estratégia de produção Figura 7 Matriz de Importância e Desempenho Figura 8 Definições gerais da TOC Figura 9 Indicadores da TOC Figura 10 Mecanismo da Função Produção (MFP) Figura 11 Os 4Ps e os 14 princípios Lean Figura 12 Modelo integrando TOC e Lean de Antunes (1998) Figura 13 Modelo integrando TOC e Lean de Gusmão (1998) Figura 14 Modelo integrando TOC e Lean de Dettmer (2001) Figura 15 Modelo integrando TOC e Seis Sigma de Ehie e Sheu (2005) Figura 16 Modelo integrando TOC e Seis Sigma de Jin et al. (2009) Figura 17 Modelo integrando Lean e Seis Sigma de Pepper e Spedding (2010). 112 Figura 18 Modelo integrando Lean e Seis Sigma de Snee (2010) Figura 19 Modelo integrando Lean e Seis Sigma de Salah, Rahim e Carretero (2010) Figura 20 Modelo integrando Lean e Seis Sigma de Chen e Lyu (2009) Figura 21 Ferramentas LeanSeisSigma do modelo de Chen e Lyu (2009) Figura 22 Modelo integrando Lean e Seis Sigma de Thomas et al. (2009) Figura 23 Modelo integrando TOC, Lean e Seis Sigma do Goldratt Institute (2010) Figura 24 Modelo integrando TOC, Lean e Seis Sigma de Sproull (2010) Figura 25 Ferramentas e ações para o modelo de Sproull (2010) Figura 26 Modelo integrando TOC, Lean e Seis Sigma de Pirasteh e Fox (2010) Figura 27 Modelo de geração e acúmulo de conhecimento Figura 28 Etapas do design research Figura 29 Etapas do método hipotético-dedutivo

11 Figura 30 - Método de trabalho Figura 31 Etapas do procedimento de revisão da literatura Figura 32 Síntese da análise quantitativa dos dados Figura 33 Conclusão parcial: TOC, Lean e Seis Sigma x Dimensões competitivas Figura 34 Modelo de estratégia de produção com TOC, Lean e Seis Sigma Figura 35 Matriz para divisão das UENs Figura 36 Matriz FCA das UENs Figura 37 Matriz de importância x desempenho do estado atual por UEN Figura 38 Matriz de importância x desempenho do estado futuro por UEN Figura 39 Representação polar da UEN: estado atual x futuro Figura 40 Análise de capacidade x demanda Figura 41 Conexão entre os diagramas do PP da TOC Figura 42 Proposições finais da pesquisa

12 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Relação de autores e abordagens de melhoria contínua Quadro 2 Síntese da delimitação da pesquisa Quadro 3 Questões de análise da relevância de uma contribuição teórica Quadro 4 As 8 regras para uma definição conceitual formal Quadro 5 Virtudes para a construção de teoria em Gestão de Operações Quadro 6 Síntese das definições conceituais formais seguidas nessa dissertação Quadro 7 Evolução das definições de Estratégia de Produção Quadro 8 Categorias de decisão Quadro 9 Julgamento da matriz importância x desempenho Quadro 10 Objetivos e subobjetivos competitivos Quadro 11 Matriz de impacto: objetivos de desempenho x categorias de decisões Quadro 12 Síntese das dimensões competitivas Quadro 13 Forças e fraquezas entre TOC, Lean e Seis Sigma Quadro 14 Análise crítica comparativa entre TOC, Lean e Seis Sigma Quadro 15 Análise crítica: critérios para construção de modelos e sua validade em Gestão de Operações Quadro 16 Definições quanto à natureza, abordagem e objetivos da pesquisa científica Quadro 17 Método científico x método de investigação x encaminhamentos da dissertação Quadro 18 Critérios de busca para abordar falhas em TOC, Lean e Seis Sigma 148 Quadro 19 Critérios de busca para abordar fatores de sucesso em TOC, Lean e Seis Sigma Quadro 20 Critérios de busca para abordar integração entre abordagens Quadro 21 Base de dados usadas Quadro 22 Síntese do delineamento da pesquisa Quadro 23 Práticas Lean segundo Pettersen (2009) Quadro 24 Especialistas para validação das práticas Quadro 25 Validação com especialistas Lean Quadro 26 Práticas Seis Sigma segundo Mehrjerdi (2011)

13 Quadro 27 Validação com especialistas Seis Sigma Quadro 28 Práticas TOC segundo Inman et al. (2008) Quadro 29 Validação com especialistas TOC Quadro 30 Questionário de pesquisa aos clientes da UEN Quadro 31 Possíveis decisões estratégicas às categorias de decisão Quadro 32 Medidores das dimensões competitivas Quadro 33 Diagnóstico de desempenho da UEN x concorrentes (práticas TOC, Lean e Seis Sigma) Quadro 34 Diagnóstico de desempenho da UEN x concorrentes (TOC) Quadro 35 Diagnóstico de desempenho da UEN x concorrentes (Lean) Quadro 36 Diagnóstico de desempenho da UEN x concorrentes (Seis Sigma) Quadro 37 Indicadores da TOC Quadro 38 Critérios de tomada de decisão Quadro 39 Classificação IVAT Quadro 40 Diagramas do Processo de Pensamento da TOC Quadro 41 Avaliação do modelo proposto Quadro 42 Síntese de atendimento aos objetivos específicos

14 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Escala Sigma Tabela 2 Síntese da revisão bibliográfica Tabela 3 Publicações específicas sobre TOC, Lean e Seis Sigma Tabela 4 Síntese do resultado do survey Tabela 5 Análise de confiabilidade dos especialistas TOC Tabela 6 Análise de confiabilidade dos especialistas Lean Tabela 7 Análise de confiabilidade dos especialistas Seis Sigma Tabela 8 Análise dos especialistas TOC Tabela 9 Análise dos especialistas TOC Tabela 10 Síntese: prioridades das práticas TOC x dimensão competitiva Tabela 11 Análise dos especialistas Lean Tabela 12 Análise dos especialistas Lean Tabela 13 Síntese: prioridades das práticas Lean x dimensão competitiva Tabela 14 Análise dos especialistas Seis Sigma Tabela 15 Análise dos especialistas Seis Sigma Tabela 16 Síntese: prioridades das práticas Seis Sigma x dimensão competitiva Tabela 17 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigmas x dimensão Qualidade Tabela 18 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Qualidade 178 Tabela 19 Localização da diferença na análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Qualidade Tabela 20 Resultado final: hierarquia de prioridade das práticas à dimensão Qualidade Tabela 21 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Velocidade Tabela 22 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Velocidade Tabela 23 Localização da diferença na análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Velocidade Tabela 24 Resultado final: hierarquia de prioridade das práticas à dimensão Velocidade

15 14 Tabela 25 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Entrega Tabela 26 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Entrega Tabela 27 Localização da diferença na análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Entrega Tabela 28 Resultado final: hierarquia de prioridade das práticas à dimensão Entrega Tabela 29 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Flexibilidade Tabela 30 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Flexibilidade Tabela 31 Localização da diferença na análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Flexibilidade Tabela 32 Resultado final: hierarquia de prioridade das práticas à dimensão Flexibilidade Tabela 33 - Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Custos Tabela 34 Análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Custos Tabela 35 Localização da diferença na análise simultânea: TOC, Lean e Seis Sigma x dimensão Custos Tabela 36 Resultado final: hierarquia de prioridade das práticas à dimensão Custos

16 LISTA DE SIGLAS BSC: Balance Score Card CCR s: Recursos com Capacidade Restrita (Capacity Constraints Resources) CEP: Controle Estatístico de Processo CI: Continuous Improvement DOE: Design Of Experiments DPMO: Defeitos Por Milhão de Oportunidades DR: Design Research JIT: Just in time KPI: Entradas chaves do Processo (Key Process Input) LSS: Lean Seis Sigma MSA: Análise do Sistema de Medição OEE: Índice de Eficiência Global (Overall Equipment Efficiency) PDCA: Planejar, Executar, Controlar, Certificar (Plan, Do, Check, Act) PPM: Partes por Milhão QFD: Desenvolvimento da Função Qualidade (Quality Function Development) R & R: Reprodutibilidade e Repetibilidade SIPOC: Suppliers, Input, Process, Outrputs, Customers SMED: Troca rápida de ferramenta no intervalo de tempo de um dígito (Single Minute Exchange of Die) SPEZ: Sistema de Produção com Estoque Zero SPK: System of Profound Knowledge SS: Seis Sigma STP: Sistema Toyota de Produção TOC: Teoria das Restrições (Theory of Constraints) TPC: Tambor-pulmão-corda TPM: Manutenção Produtiva Total (Total Productive Maintenance) UEN: Unidade Estratégica de Negócios VSM: Mapeamento da Cadeia de Valor (Value Stream Mapping) WIP: Inventário em processo (Work in Process).

17 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVAS Justificativas sob o Prisma da Indústria Justificativas Acadêmicas PROBLEMA E OBJETO DE PESQUISA OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos DELIMITAÇÃO DA PESQUISA REFERENCIAL TEÓRICO CRITÉRIOS PARA CONSTRUIR MODELOS EM GESTÃO DE OPERAÇÕES NA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO ESTRATÉGIA COMPETITIVA Gestão de Operações Níveis da Estratégia Competitiva Estratégia de Produção Dimensões Competitivas EVIDÊNCIAS DO IMPACTO DAS ABORDAGENS TOC, LEAN E SEIS SIGMA NAS DIMENSÕES COMPETITIVAS E NA ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO (FCS) PARA A MELHORIA CONTÍNUA Teoria das Restrições (Theory of Constraints TOC) Lean Manufacturing Seis Sigma ANÁLISE CRÍTICA COMPARATIVA: TOC VERSUS LEAN ANÁLISE CRÍTICA COMPARATIVA: TOC VERSUS SEIS SIGMA ANÁLISE CRÍTICA COMPARATIVA: SEIS SIGMA VERSUS LEAN DISCUSSÕES E CONCLUSÕES: TOC, LEAN E SEIS SIGMA ANÁLISE DA TEORIA E DA ESTRUTURA DE APLICAÇÃO DAS METODOLOGIAS ANÁLISE DO FOCO E META ESTRATÉGICA ANÁLISE DOS EFEITOS PRIMÁRIOS E SECUNDÁRIOS ANÁLISE DAS DEFICIÊNCIAS E DA IMPLEMENTAÇÃO ANÁLISE DA VARIABILIDADE ANÁLISE DO TAMANHO DE LOTE... 96

18 3.7 ANÁLISE DOS MECANISMOS DE CONTROLE DA PRODUÇÃO ANÁLISE DO PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO ANÁLISE DO FATOR HUMANO E DA CULTURA DOMINANTE ANÁLISE DOS NÍVEIS DE IMPLANTAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO DE CONHECIMENTO E LIDERANÇA ANÁLISE DO INVENTÁRIO, PLANEJAMENTO DA CAPACIDADE E REQUISITOS DE IMPLEMENTAÇÃO ANÁLISE DOS INDICADORES DE DESEMPENHO MODELOS TOC, LEAN E SEIS SIGMA JÁ PROPOSTOS: DISCUSSÕES E CONCLUSÕES MODELO TOC + LEAN DE ANTUNES (1998) MODELO TOC + LEAN DE GUSMÃO (1998) MODELO TOC + LEAN DE DETTMER (2001) DISCUSSÃO E CONCLUSÕES ACERCA DOS MODELOS TOC + LEAN MODELO TOC + SEIS SIGMA DE EHIE E SHEU (2005) MODELO TOC + SEIS SIGMA DE JIN ET AL. (2009) DISCUSSÃO E CONCLUSÕES ACERCA DOS MODELOS TOC + SEIS SIGMA MODELO LEAN + SEIS SIGMA DE PEPPER E SPEDDING (2010) MODELO LEAN + SEIS SIGMA DE SNEE (2010) MODELO LEAN + SEIS SIGMA DE SALAH, RAHIM E CARRETERO (2010) MODELO LEAN + SEIS SIGMA DE CHEN E LYU (2009) MODELO LEAN + SEIS SIGMA DE THOMAS ET AL. (2009) DISCUSSÃO E CONCLUSÕES ACERCA DOS MODELOS LEAN + SEIS SIGMA MODELO TOC + LEAN + SEIS SIGMA DO GOLDRATT INSTITUTE (2010) MODELO TOC + LEAN + SEIS SIGMA DE SPROULL (2010) MODELO TOC + LEAN + SEIS SIGMA DE PIRASTEH E FOX (2010) DISCUSSÃO E CONCLUSÕES ACERCA DOS MODELOS TOC + LEAN + SEIS SIGMA METODOLOGIA DE PESQUISA MÉTODOS DE PESQUISA DESIGN SCIENCE Metodologia do Design Research Desdobramentos da Metodologia do Design Research O MÉTODO HIPOTÉTICO-DEDUTIVO MÉTODO DE TRABALHO

19 5.5 COLETAS DE DADOS DESENVOLVIMENTO CRITÉRIOS DE VALIDAÇÃO DAS PRÁTICAS TOC, LEAN E SEIS SIGMA ANÁLISE ESTATÍSTICA: RELAÇÕES DE PRIORIDADE ENTRE MELHORES PRÁTICAS E DIMENSÕES COMPETITIVAS CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE AS SEÇÕES 6.1 E MODELO INTEGRANDO ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO COM TOC, LEAN E SEIS SIGMA AVALIAÇÃO DO MODELO CONCLUSÕES LIMITAÇÕES E TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS APÊNDICE A Pergunta aberta enviada aos sete especialistas TOC, sete Lean e sete Seis Sigma APÊNDICE B Resultado consolidado das práticas validadas com especialistas a partir da análise dos estudos de Pettersen (2009) para Lean, Mehrjerdi (2011) para Seis Sigma e Inman, Sale e Green Jr. (2008) para TOC do APÊNDICE A APÊNDICE C Formulário para especialistas TOC em inglês APÊNDICE D Formulário para especialistas TOC em português APÊNDICE E Formulário para especialistas Lean Manufacturing em inglês APÊNDICE F Formulário para especialistas Lean Manufacturing em português. 272 APÊNDICE G Formulário para especialistas Seis Sigma em inglês APÊNDICE H Formulário para especialistas Seis Sigma em português APÊNDICE I Resultados da revisão bibliográfica a partir das palavras chaves e das etapas apresentadas na Tabela APÊNDICE J Caracterização detalhada da Tabela 4, referente à amostra pesquisada pelo Survey APÊNDICE H Pontos de controle para análise IVAT segundo Pirasteh e Fox (2010)

20 19 1 INTRODUÇÃO Segundo Hayes et al. (2008) no cenário atual, há um crescente reconhecimento de que a função produção pode ser uma arma competitiva se bem projetada e gerenciada apropriadamente, sobretudo alinhando as melhores práticas com uma estratégia de produção eficaz. Então parece ser coerente que os profissionais das organizações e os acadêmicos na área de Gestão de Operações façam a seguinte reflexão: as atuais práticas de melhoria da produção atendem às demandas impostas pelo atual cenário de competitividade? E ainda: as práticas de manufatura atuais geram vantagens competitivas para a Operação? Tais práticas vêm sofrendo significativas transformações ao longo dos séculos em decorrência, sobretudo, de fatores sociais e econômicos. A Revolução Industrial, o Taylorismo, Fordismo, Sloanismo, Toyotismo, Volvismo e recentemente o Hyundaismo representam a evolução dessas principais transformações. A Figura 1 apresenta mais elementos e sintetiza a evolução dessas mudanças, ao longo do tempo. Figura 1 Desenvolvimento histórico da Gestão de Operações Mercado com diversos compradores Customização Evolução do mercado Demanda maior que Oferta Oferta maior que Demanda On line Desenvolvimento histórico Industrialização Riqueza e créditos Novos mercados (TI) Produção em massa Saturação do mercado TI Cunsumo em massa Conhecimento disponível Redes sociais Escassez de matérias-primas Eventos históricos Desenvolvimento das necessidades Evolução do paradigma I Guerra Mundial II Guerra Mundial Guerra Fria Crise do Petróleo Relevância da Customização Sustentabilidade Eficiência Velocidade Ciclo de vida Qualidade Desenvolvimento dos produtos Preço Competição de produtos Integração Flexibilidade Hyundai NUMMI Hyundaismo? Toyotismo Sloanismo Fordismo Taylorismo Evolução das metodologias QC SPK JIT e JIDOKA TQC MRP MRP II Teoria das Restrições ERP Lean Seis Sigma TPS TPM TQM BPR Ohno Hammer Marcos Taylor Shewart Deming Shingo Goldratt Ford Bill Smith Linha de tempo Fonte: Adaptado de Stamm et al. (2009).

21 20 As organizações, por sua vez, ao longo do tempo e diante dessas transformações, vêm movendo esforços de adaptação e implantação, por vezes de forma equivocada, de tais práticas em seu modo de produção como meio de manterem-se lucrativas num mercado cada vez mais competitivo e complexo. Podese destacar dentre as práticas mais discutidas atualmente tanto no contexto acadêmico quanto no ambiente empresarial, o Lean Manufacturing originado a partir do Sistema Toyota de Produção, o Controle da Qualidade Total, o Seis Sigma, a Manutenção Produtiva Total e a Teoria das Restrições. Da mesma maneira, diversos autores no campo do Management vêm ultimamente, discutindo essas abordagens. Nesse sentido, a obra A máquina que mudou o mundo de Womack, Jones e Roos (1990), que cunhou o termo Lean Manufacturing, apresentou as virtudes da manufatura enxuta em comparação à produção em massa. O seguinte parágrafo extraído da obra original de Womack, Jones e Roos (1990, p. 221) procura, sinteticamente, explicitar essas virtudes: [...] nossa conclusão é simples: a produção enxuta é uma maneira superior de o ser humano produzir bens. Ela propicia melhores produtos, numa maior variedade e a um custo inferior. Igualmente importante ela, ela propicia um trabalho mais desafiador e gratificante para empregados em todos os níveis, da fábrica à alta administração. Segue-se que o mundo inteiro deveria adotar a produção enxuta, e o mais rápido possível. A literatura recente apresenta benefícios no desempenho da manufatura ao combinar abordagens, como o Lean e o Seis Sigma (KONING et al., 2010; ROTH; FRANCHETTI, 2010; SHARMA, 2003), Lean e TOC (SALE; INMAN, 2003; SHEN et al., 2005; SRINIVASAN et al., 2001) e TOC e Seis Sigma (EHIE; SHEU, 2005; JIN et al., 2009). Entretanto, há relatos de fracassos na implementação das práticas da melhoria contínua. Tais relatos podem contribuir para essa pesquisa e para a prática das empresas a partir da identificação das causas mais freqüentes presentes nas aplicações empíricas que a literatura apresenta. Esse tipo de discussão crítica pode servir para o aperfeiçoamento de novos modelos de melhoria. Causas na falha na integração entre Lean e Seis Sigma, por exemplo, podem estar ligadas à liderança e envolvimento da alta direção (ACHANGA, et al., 2006; ANTONY; BAÑUELAS, 2002; WAXER, 2004), ao perfil do gestor Lean (REAL et al., 2007) e à seleção do projeto e pessoas (ANTONY; BAÑUELAS, 2002; SPANYI; WURTZEL, 2003). Em implementações Seis Sigma, as causas comuns de falhas são: a falta de dados

22 21 acurados (ANTONY et al., 2007; CHAKRAVORTY, 2009; KANJI, 2008), falta de objetivos claros e escolha errada do projeto (GIJO; RAO, 2005; ZIMMERMAN; WEISS, 2005). Já a TOC vem se aperfeiçoando ao longo do tempo suas técnicas, como o TPC, devido principalmente às necessidades percebidas em casos empíricos (NANFANG, 2008). Como conseqüência de casos mal sucedidos da implantação dessas abordagens, emerge nas organizações a necessidade de se reinventarem melhorando seus modelos de gestão tendo em vista a melhoria contínua e o incremento da competitividade. Consoante com tal cenário, no campo acadêmico e na práxis, autores vêm discutindo a integração de práticas de melhoria contínua como estratégia para melhorar a competitividade das organizações. O Quadro 1 expõe uma relação entre autores e metodologias reconhecidas de melhoria: Quadro 1 Relação de autores e abordagens de melhoria contínua Metodologias Lean e Seis Sigma Autores ARNHEITER & MALEYEFF, 2005 ; BENDELL, 2006 ; BAÑUELAS & ANTONY, 2004 ; SHARMA, 2003; MONTGOMERY, 2010; SPECTOR & WEST, 2006 ; SALAH, 2010 ; SOUTH, 2005 ; ANTONY, 2011 ; POJASEK, 2003 ; MEISEL et al., 2007 ; JEYARAMAN & TEO, 2010 ; CHEN & LYU, 2009 ; THOMAS et al., 2009 ; KONING et al., 2010 ; GIBBONS & BURGESS, 2010 ; BREYFOGLE III, 2009 ; ROTH & FRANCHETTI, 2010 Lean, Seis Sigma e TPM NACHIAPPAN et al., 2009 Lean, Seis Sigma e TQM ANDERSSON et al., 2006 ; DAHLGAARD & DAHLGAARD-PARK, 2006 TOC e Lean ANTUNES, 1998 ; SALE & INMAN, 2003 ; SRINIVASAN et al., 2001 ; SHEN et al., 2005; ALVAREZ, 1995 ; DETTMER, 2001 ; SCHEINKOPF & MOORE, 1998 ; WATSON & PATTI, 2008 ; WU et al., 2007 ; LEA & HOKEY, 2003 ; SCHWAIN, 2004 ; CHAKRAVORTY, 1996 TOC e Seis Sigma HUSBY, 2007 ; EHIE & SHEU, 2005 ; JIN, et al., 2009 ; LEPORE & COHEN, 1999 MRP, JIT e TOC GUPTA & SNYDER, 2009 ; MILTENBURG, 1997 ; GRUNWALD, et al., 1989 ; PLENERT, 2001 TOC, Lean e Seis Sigma NAVE, 2002 ; PIRASTEH & FARAH, 2006 ; DIRGO, 2006 ; ALDERSON, 2005 ; PIRASTEH & HORN, 2009 ; SPECTOR, 2006 ; SHELTON, 2007 ; BREYFOGLE III, 2010 ; PITCHER, 2010 ; SPROUL, 2009 ; JACOB et al., 2010 ; PIRASTEH & FOX, 2010 Fonte: Elaborado pelo autor (2012). Uma discussão mais detalhada sobre esse tema, será apresentada na seção 2 dessa pesquisa. Entretanto, por ora, se faz importante inserir dois pontos relevantes. O primeiro ponto é que entre todas as pesquisas realizadas nas bases de dados para essa dissertação, não se encontrou na literatura a discussão de modelos integrando TOC, Lean e Seis Sigma sob a ótica das dimensões competitivas. A literatura apresenta discussões comparativas teóricas e algumas

Gestão Estratégica de Marketing

Gestão Estratégica de Marketing Gestão Estratégica de Marketing A Evolução do seu Marketing Slide 1 O Marketing como Vantagem Competitiva Atualmente, uma das principais dificuldades das empresas é construir vantagens competitivas sustentáveis;

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING

DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING MANUFATURA ENXUTA DEFINIÇÃO DE LEAN MANUFACTURING A ORIGEM DA PALAVRA LEAN O termo LEAN foi cunhado originalmente no livro A Máquina que Mudou o Mundo de Womack, Jones e Roos, publicado nos EUA em 1990.

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia

Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Estratégia de Operações - Modelos de Formulação - Jonas Lucio Maia Processo de EO Procedimentos que são, ou podem ser, usados para formular as estratégias de operações que a empresa deveria adotar (SLACK,

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO

ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO ANALISANDO UM ESTUDO DE CASO (Extraído e traduzido do livro de HILL, Charles; JONES, Gareth. Strategic Management: an integrated approach, Apêndice A3. Boston: Houghton Mifflin Company, 1998.) O propósito

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

UMA DISCUSSÃO SOBRE A INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN E SEIS SIGMA PARA A MELHORIA CONTÍNUA

UMA DISCUSSÃO SOBRE A INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN E SEIS SIGMA PARA A MELHORIA CONTÍNUA UMA DISCUSSÃO SOBRE A INTEGRAÇÃO ENTRE TEORIA DAS RESTRIÇÕES, LEAN E SEIS SIGMA PARA A MELHORIA CONTÍNUA Diego Augusto de Jesus Pacheco (UNISINOS) engdie@gmail.com Jose Antonio Valle Antunes Junior (UNISINOS)

Leia mais

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS

LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS LEAN MANUFACTURING FERRAMENTAS E APLICAÇÕES EM PROCESSOS PRODUTIVOS E TRANSACIONAIS Semana LIAG Limeira: 09/05/2011 1 Apresentação Palestrante: José Augusto Buck Marcos Engenheiro com formação e especialização

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

José Antonio Valle Antunes Júnior (UNISINOS) junico@produttare.com.br Marcelo Klippel (UNISINOS) marcelo@klippel.com.br

José Antonio Valle Antunes Júnior (UNISINOS) junico@produttare.com.br Marcelo Klippel (UNISINOS) marcelo@klippel.com.br Montagem Sistêmica dos Indicadores de Desempenho nas Empresas Industriais Uma Abordagem a partir da Teoria das Restrições TOC e do Sistema Toyota de Produção STP José Antonio Valle Antunes Júnior (UNISINOS)

Leia mais

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve.

Balanced Scorecard BSC. O que não é medido não é gerenciado. Medir é importante? Também não se pode medir o que não se descreve. Balanced Scorecard BSC 1 2 A metodologia (Mapas Estratégicos e Balanced Scorecard BSC) foi criada por professores de Harvard no início da década de 90, e é amplamente difundida e aplicada com sucesso em

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

M.B.E (Master in Business Engineering) em Engenharia de Produção e Sistemas

M.B.E (Master in Business Engineering) em Engenharia de Produção e Sistemas UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS Unidade Acadêmica de Educação Continuada M.B.E (Master in Business Engineering) em Engenharia de Produção e Sistemas Curso disponível em Coordenador: Prof. MS Renato

Leia mais

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização.

Para ser competitivo é fundamental reduzir continuamente o lead time de todos os processos da organização. Cap. II PLANEJAMENTO DA PRODUÇÃO No atual contexto da economia globalizada, a velha estratégia da produção em massa, derivada da economia de escala, já não é mais válida. Hoje as empresas devem possuir

Leia mais

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1

Alinhamento Estratégico. A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 Conhecimento em Tecnologia da Informação Alinhamento Estratégico A importância do alinhamento entre a TI e o Negócio e o método proposto pelo framework do CobiT 4.1 2010 Bridge Consulting Apresentação

Leia mais

TPM. José Pedro A. R. Silva

TPM. José Pedro A. R. Silva CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Metodologias Avançadas para a Indústria e Serviços TPM José Pedro A. R. Silva 1 CICLOS DE FORMAÇÃO EMPRESARIAL Ciclo de formação e treino em Lean TPM Ciclo de formação e

Leia mais

MES e Eficiência de Linhas de Produção

MES e Eficiência de Linhas de Produção MES e Eficiência de Linhas de Produção por Edson Donisete da Silva e Carlos Roberto Sponteado Melhora constante no processo produtivo. Aumento da qualidade do produto que é entregue ao cliente final. Redução

Leia mais

Gerenciamento de Processos de Negócio

Gerenciamento de Processos de Negócio Gestão por Processos By Alan Lopes +55 22-99202-0433 alopes.campos@mail.com http://prof-alan-lopes.weebly.com Gerenciamento de Processos de Negócio - Conceitos e fundamentos - Modelagem de processo - Análise

Leia mais

Alinhamento entre Estratégia e Processos

Alinhamento entre Estratégia e Processos Fabíola Azevedo Grijó Superintendente Estratégia e Governança São Paulo, 05/06/13 Alinhamento entre Estratégia e Processos Agenda Seguros Unimed Modelo de Gestão Integrada Kaplan & Norton Sistema de Gestão

Leia mais

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor

Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Título: Pensando estrategicamente em inovação tecnológica de impacto social Categoria: Projeto Externo Temática: Segundo Setor Resumo: A finalidade desse documento é apresentar o projeto de planejamento

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS

9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS 9º Congresso de Pós-Graduação UMA REVISÃO NA LITERATURA SOBRE ERP NO BRASIL VERSUS PUBLICAÇÕES INTERNACIONAIS Autor(es) GIOVANNI BECCARI GEMENTE Orientador(es) FERNANDO CELSO DE CAMPOS 1. Introdução No

Leia mais

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos

P G Q P. Gestão de Produtividade. Ivan De Pellegrin. Alexandre Soares. Produttare Consultores Associados. Medabil Sistemas Construtivos P G Q P Gestão de Produtividade Ivan De Pellegrin Produttare Consultores Associados Alexandre Soares Medabil Sistemas Construtivos Plano de Vôo 1. Introdução a. Produtividade um dos requisitos... b. Indicadores

Leia mais

Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade Carlos Gustavo Fortes Caixeta www.carlosgustavocaixeta.com.br

Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade Carlos Gustavo Fortes Caixeta www.carlosgustavocaixeta.com.br Gestão Estratégica, Inovação e Competitividade Carlos Gustavo Fortes Caixeta www.carlosgustavocaixeta.com.br GESTÃO ESRATÉGICA POR QUE E PARA QUE?? Gestão VAMO INO... Market Driven Management TQM QFD ISO9000

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

AUDITORIA DO PROCESSO DE MANUTENÇÃO PROATIVA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA CURSO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL ELÉTRICA ÊNFASE ELETROTÉCNICA NICOLAS MACIEL SOARES WANDERLEY ANTONIO FAUSTINO JUNIOR AUDITORIA

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN

FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS FORMAÇÃO PRÁTICA LEAN Oportunidade ideal para gerar resultados reais na sua carreira e empresa. Capacitação com implementação prática de projeto KPO Fevereiro 2016 Informações

Leia mais

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores

Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores Curso Balanced Scorecard como ferramenta de Gestão por Indicadores O Planejamento Estratégico deve ser visto como um meio empreendedor de gestão, onde são moldadas e inseridas decisões antecipadas no processo

Leia mais

Excelência Operacional

Excelência Operacional Excelência Operacional Inter-relação entre Lean Manufacturing e TPM ( Total Productive Management) Paulo Yida - Diretor Solving Efeso America do Sul Renato Cosloski Iamondi Consultor Senior Solving Efeso

Leia mais

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos

Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Curso de caráter teórico e prático, voltado para profissionais que buscam implantar uma unidade central de apoio à gestão por processos Semana de Estruturação do Escritório de Processos Objetivo do Curso

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI)

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Business Intelligence (BI) Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Business Intelligence Inteligência Competitiva tem por fornecer conhecimento

Leia mais

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história.

Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. SISTEMA DE QUALIDADE EAD MÓDULO XIX - RESUMO Para entendermos melhor a evolução da qualidade, precisamos rememorar alguns pontos na história. Posteriormente, ocorreu a Revolução Industrial, em que a subsistência

Leia mais

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER.

GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. GESTÃO DA CAPACIDADE DE ATENDIMENTO EM HOSPITAIS DE CÂNCER. Antônio Augusto Gonçalves TESE SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

3. Estratégia e Planejamento

3. Estratégia e Planejamento 3. Estratégia e Planejamento Conteúdo 1. Conceito de Estratégia 2. Vantagem Competitiva 3 Estratégias Competitivas 4. Planejamento 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Administração de Pequenas Empresas

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO

19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO 19 Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTEGRAÇÃO DAS METODOLOGIAS LEAN MANUFACTURING E SIX SIGMA NAS EMPRESAS DE PIRACICABA E REGIÃO Autor(es) THIAGO GUIMARAES AOQUI Orientador(es) IRIS BENTO

Leia mais

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS

Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Maria Amália Silva Costa ADMINISTRAÇÃO ESTRATÉGICA E GESTÃO DE PESSOAS POR COMPETÊNCIAS: O CASO POLICARBONATOS Salvador, 2003 MARIA AMÁLIA SILVA COSTA A D M I N I S T R A Ç Ã O E S T R A T É G I C A E

Leia mais

6 Resultados e Conclusões

6 Resultados e Conclusões 6 Resultados e Conclusões Esta tese começou com a apresentação da importância das PMEs de manufatura para o desenvolvimento econômico-regional, focalizando especialmente o setor de alimentos e bebidas.

Leia mais

Sílvio Glicério Mendonça. O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino. Dissertação de Mestrado (Opção profissional)

Sílvio Glicério Mendonça. O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino. Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Sílvio Glicério Mendonça O impacto dos Sistemas Integrados de Gestão (ERP) nas instituições de ensino Dissertação de Mestrado (Opção profissional) Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

1. Introdução. 1.1 Apresentação

1. Introdução. 1.1 Apresentação 1. Introdução 1.1 Apresentação Empresas que têm o objetivo de melhorar sua posição competitiva diante do mercado e, por consequência tornar-se cada vez mais rentável, necessitam ter uma preocupação contínua

Leia mais

4 Metodologia e estratégia de abordagem

4 Metodologia e estratégia de abordagem 50 4 Metodologia e estratégia de abordagem O problema de diagnóstico para melhoria da qualidade percebida pelos clientes é abordado a partir da identificação de diferenças (gaps) significativas entre o

Leia mais

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS

A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS A Organização orientada pela demanda. Preparando o ambiente para o Drummer APS Entendendo o cenário atual As organizações continuam com os mesmos objetivos básicos: Prosperar em seus mercados de atuação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S

Ortems. Agile Manufacturing Software ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S ADV ANCE D PLANN ING AND DE TAI LED SCH EDUL ING - AP S QUEM SOMOS Empresa criada no Brasil no ano de 1996 como joint-venture da SORMA SpA Itália, proprietária de um software ERP para indústrias. Realizou

Leia mais

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP).

ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). ATIVIDADES DO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO (PCP). MOLINA, Caroline Cristina Discente da Faculdade de Ciências Jurídicas e Gerenciais/ACEG carolinemolina@uol.com.br RESENDE, João Batista Docente

Leia mais

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico

Estrutura do Curso. Planejamento Estratégico Estrutura do Curso (Prof. Mauricio Neves) INTRODUÇÃO À ESTRATÉGIA EMPRESARIAL (Unidade I) MODELO PORTER: TÉCNICAS ANALÍTICAS (Unidade II) ESTRATÉGIA BASEADA EM RECURSOS, (Unidade IV) Planejamento Estratégico

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr.

Gestão do Conhecimento A Chave para o Sucesso Empresarial. José Renato Sátiro Santiago Jr. A Chave para o Sucesso Empresarial José Renato Sátiro Santiago Jr. Capítulo 1 O Novo Cenário Corporativo O cenário organizacional, sem dúvida alguma, sofreu muitas alterações nos últimos anos. Estas mudanças

Leia mais

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades

A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades A coleta de informações no processo de benchmarking: principais fontes utilizadas e dificuldades Emiliane Januário (USP) emiliane90@hotmail.com Luiz César Ribeiro Carpinetti (USP) carpinet@prod.eesc.sc.usp.br

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line;

2. Provas presenciais avaliação presencial das duas disciplinas cursadas, visando testar os conhecimentos obtidos nas atividades on-line; Encontro Presencial Introdução ao Marketing e Marketing de Serviços Caro aluno, Conheça as três atividades distintas que ocorrerão durante o Encontro Presencial... 1. Revisão estudo, orientado pelo Professor-Tutor,

Leia mais

Prof. Fabiano Geremia

Prof. Fabiano Geremia PLANEJAMENTO ESTRÁTEGICO PARA ARRANJOS PRODUTIVOS CURSO INTERMEDIÁRIO PARA FORMULADORES DE POLÍTICAS Prof. Fabiano Geremia Planejamento Estratégico ementa da disciplina Planejamento estratégico e seus

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

O que é Benchmarking?

O que é Benchmarking? BENCHMARKING Sumário Introdução Conhecer os tipos de benchmarking Aprender os princípios do bechmarking Formar a equipe Implementar as ações Coletar os benefícios Exemplos Introdução O que é Benchmarking?

Leia mais

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização

Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização Como alcançar os objetivos estratégicos de sua organização 15 DE MAIO DE 2014 Hotel Staybridge - Sao Paulo PATROCÍNIO GOLD PATROCÍNIO BRONZE APOIO REALIZAÇÃO Desafios para a Implementação por Processos

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Gestão da Produção Industrial 4ª Série Gerenciamento da Produção A atividade prática supervisionada (ATPS) é um procedimento metodológico de ensino-aprendizagem

Leia mais

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em

decisões tomadas. Euchner e Ries (2013) argumentam, entretanto, que é difícil implementar o planejamento tradicional e a previsão de resultados em 1 Introdução Não é recente a preocupação das empresas em buscar uma vantagem competitiva, de forma a gerar mais valor para os seus clientes do que os concorrentes por meio da oferta de produtos ou serviços

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD

FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD FERRAMENTAS DA QUALIDADE BALANCED SCORECARD Histórico Desenvolvimento do Balanced Scorecard: 1987, o primeiro Balanced Scorecard desenvolvido por Arthur Schneiderman na Analog Devices, uma empresa de porte

Leia mais

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO

PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO DE TRANSPORTE DE PRODUTOS ENTRE UMA FÁBRICA E SEUS CENTROS DE DISTRIBUIÇÃO Umberto Sales Mazzei Bruno Vieira Bertoncini PROPOSTA METODOLÓGICA PARA O PLANEJAMENTO

Leia mais

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional

PLANEJAMENTO DE ENSINO PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO. Projetos de orientação educacional PROJETO DE PESQUISA EM AÇÃO Projetos de orientação educacional Conforme foi caracterizado, o plano anual de ação estabelece as linhas globais da Orientação Educacional para um dado ano e é caracterizado

Leia mais

Excelência na Gestão de Ativos

Excelência na Gestão de Ativos Excelência na Gestão de Ativos 2015 Mudanças em Tempos Difíceis Em tempos difíceis é que as mudanças são necessárias, e a habilidades dos navegantes são testadas. Neste contexto a NT Desenvolvimento Gerencial

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2

MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 MBA Gestão de Mercados ementas 2015/2 Análise de Tendências e Inovação Estratégica Levar o aluno a compreender os conceitos e as ferramentas de inteligência preditiva e inovação estratégica. Analisar dentro

Leia mais

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS

Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Administração de Pessoas por COMPETÊNCIAS Adm.Walter Lerner 1.Gestão,Competência e Liderança 1.1.Competências de Gestão Competências Humanas e Empresariais são Essenciais Todas as pessoas estão, indistintamente,

Leia mais

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta.

FIGURA 1: Capacidade de processos e maturidade Fonte: McCormack et al., 2003, 47p. Maturidade SCM Foco SCM. Inter-organizacional. Alta. Pesquisa IMAM/CEPEAD descreve os níveis de maturidade dos logísticos de empresas associadas Marcos Paulo Valadares de Oliveira e Dr. Marcelo Bronzo Ladeira O Grupo IMAM, em conjunto com o Centro de Pós-Graduação

Leia mais

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting

DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting DOW BUSINESS SERVICES Diamond Value Chain Consulting Soluções personalizadas para acelerar o crescimento do seu negócio Estratégia Operacional Projeto e Otimização de Redes Processos de Integração Eficácia

Leia mais

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS

PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS PRÁTICAS ADMINISTRATIVAS DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INTEGRADAS ÀS ESTRATÉGIAS ORGANIZACIONAIS Marino, Reynaldo Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde - FASU/ACEG GARÇA/SP-

Leia mais

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna

Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos. Viviane Salyna Como implementar melhoria contínua (Lean e Six Sigma) alinhado à orientação por processos Viviane Salyna Estrutura da Apresentação Muitas abordagem de processos geram: Processos devem gerar resultados

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE.

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE BASEADA NA NORMA NBR ISO 9001:2000 EM EMPRESAS SITUADAS EM PÓLOS OFFSHORE. Ivan Santos de Lima Engenheiro Naval pela Universidade Federal do Rio

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Esp. Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com Sistemas de informação Disciplina: Introdução a SI 19/04 Recursos e Tecnologias dos Sistemas de Informação Turma: 01º semestre

Leia mais

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015

12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 12º PRÊMIO SER HUMANO ABRH-ES EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO A ABRH-ES (Associação Brasileira de Recursos Humanos Seccional Espírito Santo) é integrante do Sistema Nacional ABRH e configura-se como instituição

Leia mais

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva

Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Prof. Me. Vítor Hugo Dias da Silva Programação e Controle da Produção é um conjunto de funções inter-relacionadas que objetivam comandar o processo produtivo e coordená-lo com os demais setores administrativos

Leia mais

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas

Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas Sistemas Produtivos e Desenvolvimento Profissional: Desafios e Perspectivas Estudo bibliométrico do conceito mini fábrica e célula de manufatura como diferencial das dimensões competitivas JOSÉ MARTINO

Leia mais

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos?

Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Qual a diferença entre gestão por processos e gestão de processos? Gestão de processos significa que há processos sendo monitorados, mantidos sob controle e que estão funcionando conforme foi planejado.

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica

Ementários. Disciplina: Gestão Estratégica Ementários Disciplina: Gestão Estratégica Ementa: Os níveis e tipos de estratégias e sua formulação. O planejamento estratégico e a competitividade empresarial. Métodos de análise estratégica do ambiente

Leia mais

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani

Planejamento Estratégico de TI. Prof.: Fernando Ascani Planejamento Estratégico de TI Prof.: Fernando Ascani BI Business Intelligence A inteligência Empresarial, ou Business Intelligence, é um termo do Gartner Group. O conceito surgiu na década de 80 e descreve

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING PROJETO INTEGRADOR PROJETO INTEGRADOR 1. INTRODUÇÃO Conforme as diretrizes do Projeto Pedagógico dos Cursos Superiores de Tecnologia da Faculdade Unida de Suzano

Leia mais

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br

EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA. www.executivebc.com.br. 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br EXECUTIVE GESTÃO ESTRATÉGICA www.executivebc.com.br 071 3341-4243 cursos@executivebc.com.br GESTÃO ESTRATÉGICA O presente documento apresenta o modelo de implantação do sistema de gestão estratégica da

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES CURSO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS GERENCIAMENTO DOS RECURSOS HUMANOS, BASEADA NA METODOLOGIA DO PMI (PROJECT MANAGEMENT INSTITUTE) Amanda Ramires Moreira

Leia mais

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR

Revista Científica INTERMEIO Faculdade de Ensino e Cultura do Ceará FAECE / Faculdade de Fortaleza - FAFOR Departamentalização e os Principais Tipos Antonia Angélica Muniz dos Santos 7 Daniele Santos Lima e Silva 7 Edna Almeida Guimarães 7 RESUMO Este artigo tem como objetivo mostrar a departamentalização e

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade

A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade A Sustentabilidade na perspectiva de gestores da qualidade Realização Patrocínio Objetivo da pesquisa Captar a perspectiva dos gestores e professores de gestão da qualidade sobre: 1. Os conceitos de sustentabilidade

Leia mais

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427

7.1 Introdução. Monitoramento e Avaliação 427 7.1 Introdução O processo de monitoramento e avaliação constitui um instrumento para assegurar a interação entre o planejamento e a execução, possibilitando a correção de desvios e a retroalimentação permanente

Leia mais

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI

Profa. Gislaine Stachissini. Unidade II GOVERNANÇA DE TI Profa. Gislaine Stachissini Unidade II GOVERNANÇA DE TI Estratégia e governança em TI Estratégia empresarial A palavra estratégia vem do grego strategus = "o general superior ou "generalíssimo. Strategia

Leia mais