A FERRAMENTA E O SEU CONTEXTO DEFINE MEASURE ANALYZE IMPROVE CONTROL EM POUCAS PALAVRAS CRANBERRY TOOLBOX: O CICLO D.M.A.I.C.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FERRAMENTA E O SEU CONTEXTO DEFINE MEASURE ANALYZE IMPROVE CONTROL EM POUCAS PALAVRAS CRANBERRY TOOLBOX: O CICLO D.M.A.I.C."

Transcrição

1 CRANBERRY TOOLBOX: O CICLO D.M.A.I.C. EM POUCAS PALAVRAS As organizações competitivas sabem combinar a prestação de um serviço sem falhas com uma operação cada vez mais eficiente, permitindo-lhes fazer mais e melhor com os mesmos ou com menos recursos. Para isso, aperfeiçoam continuamente os seus processos rumo a um desempenho cada vez mais elevado. O DMAIC é um método simples e robusto de melhoria de processos em cinco eetapas, desenvolvido no quadro das metodologias Seis Sigma, cuja aplicação com discernimento conduz a resultados garantidos. A FERRAMENTA E O SEU CONTEXTO DMAIC é a designação de um ciclo de melhoria contínua aplicado no âmbito das metodologias Seis Sigma. A expressão DMAIC é um acrónimo de Define, Measure, Analyze, Improve and Control (Definir, Analisar, Melhorar e Controlar), designando as cinco etapas que o compõem. Num projeto Seis Sigma, as cinco etapas que compõem o ciclo DMAIC são percorridas de forma sistemática para identificar, produzir e fixar as melhorias apropriadas. Todas as etapas têm de ser cumpridas, não podendo ser omitida nenhuma nem alterada a sua ordem. DEFINE MEASURE ANALYZE IMPROVE CONTROL Definir o problema com rigor, contextualizá-lo, e formular os objetivos a atingir. Identificar e medir o indicador em que se situa o problema, medir o seu desempenho atual, e estabelecer a meta a atingir. Listar possíveis causas raiz e identificar as variáveis sobre as quais se deve agir para melhorar o desempenho do processo. Desenvolver, testar e aplicar as alterações que podem levar a melhorias comprovadas no desempenho do processo. Desenvolver planos e procedimentos para assegurar que as melhorias são sustentáveis. Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

2 O CICLO DMAIC: AS ETAPAS D DEFINIR O fracasso de muitos projetos de melhoria começa com uma deficiente formulação do problema a resolver: qual é a variável cujo desempenho queremos melhorar? Como é que esse problema é descrito pelos clientes do processo? Quais devem ser as nossas prioridades? Com que meios e com que tempo podemos contar? Que preocupações vamos deixar fora do projeto, ainda que temporariamente? Nesta etapa, é importante definir ou identificar: O problema a resolver: em que variável ou indicador ele se traduz? (Por exemplo: numa clínica, um problema na marcação de consultas significa realmente o quê? Traduz-se no tempo de espera dos pacientes, na percentagem de consultas marcadas em datas ou horários errados, ou na proporção de no shows, isto é, de pacientes que não comparecem na data e hora marcados?) O processo afetado por essa variável, identificado a alto nível: clientes, produtos, inputs, fornecedores. O feedback dos clientes: no jargão técnico, a VOC (voice of the customer) Os aspetos críticos para a qualidade ( CTQ critical to quality) que resultam da VOC, isto é, as caraterísticas que o produto deve imperativamente cumprir sob pena de deixar os clientes insatisfeitos. O objetivo a alcançar: tipicamente, o nível de desempenho que queremos para a variável que define o problema, tendo em conta os CTQs. (Num dos exemplos da clínica, poder-se-ia estabelecer como limite um nível de serviço de 95% dos pacientes atendidos com um atraso máximo de 15 minutos). As questões que NÃO vão ser contempladas no projeto. (Esta precaução que faz parte do chamado scoping do projeto é fundamental para manter o projeto centrado na questão fulcral e evitar desvios, distrações e derrapagens. Um cronograma de alto nível, estabelecendo o prazo de conclusão do projeto e os seus momentos mais relevantes (milestones). Nalguns casos, todas estas definições são agrupadas num documento os termos de referência do projeto (project charter) e completados com informação adicional: membros da equipa de projeto, orçamento, etc. Só depois de recolhida, validada e acordada toda esta informação se pode passar à etapa seguinte. M MEDIR O objetivo desta etapa é recolher dados objetivos sobre o desempenho da variável que traduz o problema (a variável dependente ), para estabelecer com rigor o seu nível atual (baseline). É fundamental efetuar esta medição, para formar uma noção rigorosa da dimensão do problema e do gap entre o desempenho real e o desempenho pretendido tal como estabelecido na etapa D. No exemplo da clínica, os dados recolhidos poderiam permitir concluir que, em média, os pacientes são atendidos com apenas 20 minutos de atraso o que não parece muito distante dos 15 minutos pretendidos mas só 40% o são com menos de 15 minutos; ou seja, o problema está na grande variação dos tempos de espera. Outro caso seria se, por exemplo, o atraso médio fosse de 30 minutos, com 90% dos pacientes entre os 25 e os 35 minutos de atraso. Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

3 Por este exemplo, compreende-se que a etapa M permite caraterizar melhor o problema e, em preparação da etapa seguinte, delimitar com maior rigor o domínio das hipotéticas causas que podem estar na sua origem. Nesta etapa, é importante: Definir com rigor a métrica a utilizar para medir a variável dependente (no exemplo: tempo em minutos transcorrido desde a hora marcada e a hora de início da consulta; os casos em que o paciente tiver sido atendido antes da hora marcada não são considerados, porque não correspondem à expectativa do paciente, já que este não é suposto chegar antes da hora para beneficiar de possíveis oportunidades). Analisar a qualidade dos dados e afinar o processo de recolha da informação. Os dados são suficientemente exatos e precisos? Como é que são recolhidos? Que fatores podem comprometer o rigor na sua recolha? É preciso montar um processo de recolha mais fiável? Média correta, mas muitos erros aleatórios QUAL É VERDADEIRAMENTE O PROBLEMA? Resultados semelhantes, mas sempre com o mesmo erro A ANALISAR O objetivo desta etapa é identificar e confirmar as causas raiz do subdesempenho da variável dependente (o problema ) e ordená-las em função do efeito que exercem na primeira, para planear a sua eliminação e dessa forma alcançar as melhorias pretendidas. Por outras palavras, o problema identificado pode ter origem em vários fatores (variáveis independentes), que se combinam para o provocar, mas nem todos têm a mesma importância ou o mesmo impacto. X 1 X 2 X n PROCESSO Y = F (X 1, X 2,, X n ) Y Sempre no mesmo exemplo, se a variável dependente for o atraso no início da consulta, que fatores podem estar na origem desse atraso? Podemos estar a falar de demora no início do horário de consulta por parte dos médicos ou da sua ausência imprevista, de uma duração excessiva das consultas em relação à cadência planeada, de procedimentos de marcação em que é pedido aos pacientes para chegarem mais cedo e dessa forma prevenir atrasos, ou até de um percurso excessivamente longo entre a sala de espera e o gabinete de consulta que prolonga o trânsito do paciente. E a lista poderia ser muito mais longa Esta atividade é mais eficaz quando feita em grupo e recorrendo a pessoas que conhecem o problema e o seu contexto: as suas intuições são muitas vezes certeiras, e permitem poupar tempo na escolha das hipóteses mais prováveis. Também é sempre recomendável, senão mesmo indispensável, a observação no terreno numa visita aos locais físicos onde se desenvolve o processo (no exemplo, uma clínica, centro de saúde ou hospital): durante estes gemba walks, um par de olhos treinados apercebe-se rapidamente de muitas possíveis causas, e umas quantas perguntas bem dirigidas permitem caraterizá-las com maior precisão. Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

4 Em seguida, sistematizar e explorar as várias causas possíveis e ir à sua raiz podem usar-se as muitas ferramentas do arsenal das metologias Lean, Seis Sigma e outras de gestão da qualidade: diagramas em espinhas de peixe, mind maps, 5 whys, matrizes de associação, etc. Identificadas as possíveis causas ou variáveis independentes, é necessário determinar com objetividade o seu impacto na variável dependente. Para isso, é mais uma vez preciso medir aquelas variáveis, repetindo os passos e as precauções descritas na etapa M : definição rigorosa da métrica, teste da qualidade dos dados, afinação dos processos e instrumentos de recolha, etc. Por fim, armados de medidas objetivas tanto da variável dependente como das variáveis independentes, é possível analisar correlações, identificar nexos causais, e estimar a importância do seu impacto, de maneira a selecionar as três ou quatro variáveis independentes que melhor explicam o comportamento da variável dependente. É nessas que devemos centrar a nossa atenção na etapa seguinte. Em resumo, nesta etapa, é importante: Sugerir e listar as causas mais prováveis do problema, indo à sua raiz : a causa mais remota cuja eliminação significa a erradicação definitiva do problema. Sempre que possível, recolher dados que permitam medir quantitativamente as variáveis associadas a essas causas raiz. Estabelecer associações entre o problema (variável dependente) e as suas causas (variáveis independentes) e analisá-las se possível com a ajuda de métodos estatísticos para determinar a magnitude do efeito de cada variável dependente no problema, e selecionar as mais importantes (ferramentas: diagramas de dispersão, análise de regressão, séries temporais, histogramas, diagramas de Pareto, etc.) Localizar os pontos, ao longo do processo, em que cada uma das causas faz sentir o seu efeito. ALGUMAS FERRAMENTAS A USAR NA ETAPA DE ANÁLISE DIAGRAMA DE ISHIKAWA OU EM ESPINHA DE PEIXE DIAGRAMAS DE DISPERSÃO (SCATTERPLOTS) ANÁLISE DE PARETO Instalações e equipamentos Ambiente Y devido a: Métodos e procedimentos Materiais Variáveis Y e X sem nenhuma correlação aparente Poucos e vitais Pessoas Medidas Variáveis Y e X com forte correlação aparente (segundo uma dada lei) Muitos apenas úteis PROBLEMA 80% / 20% Fator X 1 Fator X 2 Fator X 3... Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

5 I MELHORAR O objetivo desta etapa é desenvolver, testar e aplicar uma solução para o problema, graças à eliminação das suas causas principais. Para isso é necessário combinar o pensamento criativo com a procura da solução mais simples, que é também em regra a mais robusta e com resultados mais estáveis (princípio de parcimónia). Mais uma vez, é uma etapa que deve ser realizada em equipa interdisciplinar, tirando partido do efeito multiplicador gerado pelas diferentes competências, perspetivas e experiência pessoal. Nesta etapa, é importante: Ventilar o maior número possível de ideias e sugestões, tentando pensar fora da caixa, sem contudo perder de vista que o que se pretende é eliminar ou mitigar fortemente as causas raiz. Escolher as ideias que permitem uma solução mais simples e mais fácil de aplicar. Proceder a uma análise dos riscos inerentes à aplicação dessa ou dessas soluções, e desenvolver os controlos adequados para os mitigar. Redesenhar o processo para incorporar aquelas soluções e estes controlos. Se necessário, reformular o processo de medida dos indicadores de desempenho (variável dependente e variáveis independentes correspondentes às causas raiz escolhidas). Realizar um piloto para testar o novo processo, afinar e ajustar a solução e os controlos em função dos resultados obtidos. Criar um plano de implementação e passar à produção o novo processo melhorado. C CONTROLAR A etapa final tem por objetivo estabilizar os ganhos conseguidos e torná-los sustentados. Para isso, o processo redesenhado tem de ser acompanhado durante algum tempo para controlar possíveis desvios e atuar corretivamente se necessário. Nesta etapa, é necessário: Documentar o novo processo e disponibilizar essa documentação a todos os interessados. Desenvolver e seguir um plano de acompanhamento: com que ferramentas vamos acompanhar o processo (e.g. gráficos de controlo)? Com que frequência vamos fazê-lo? Durante quanto tempo? Que ações corretivas empreender perante determinados desvios ou eventos? Manter registos rigorosos e atualizados. Esta etapa de controlo representa também o fechar o ciclo DMAIC, uma vez que se sobrepõe em parte à etapa inicial D : com efeito, o controlo e acompanhamento do processo num novo patamar de desempenho são o primeiro passo para identificar novas oportunidades de melhoria e recomeçar todo o ciclo. C D M I A Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

6 DMAIC FERRAMENTAS APLICÁVEIS EM CADA ETAPA (EXEMPLO) DEFINE MEASURE ANALYZE IMPROVE CONTROL Inquéritos 7 Muda Gemba walks Brainstorming Controlo visual Entrevistas SIPOC Notação BPMN ou outra (para mapeamento do processo) CTQ Benchmarking Termo de referência Inquéritos Análise de procura e capacidade Análise e validação dos sistemas de medição Critérios de definição de métricas Benchmarking Matrizes de afinidade Mind maps Árvores de decisão Diagramas de Ishikawa Séries temporais (control charts) Histogramas Análise de Pareto Gráficos de dispersão Testes de hipóteses Análise de regressão múltipla Modelos de equações estruturais Spaghetti charts Outras técnicas de criatividade: associação, analogias (pensamento metafórico), concassage (deformação sistemática), inversão, etc. Value stream mapping (future state) FMEA (Failure Modes and Effects Analysis) Poke-yokes 5S Nivelamento do fluxo de trabalho Técnicas pull (e.g. kanbans) Quick Changeover (SMED) Testes de stress SPC (Statistical Process Control) FMEA (atualização) Inquéritos (a clientes e operadores) Plano de ativação Formação dos operadores Matrizes RACI Trabalho estandardizado Spaghetti charts Value stream mapping (new state) Value stream mapping (present state) NOTAÇÃO BPMN HISTOGRAMA SPAGHETTI CHARTS VALUE STREAM MAP CONTROL CHART (SÉRIE TEMPORAL) Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

7 UMA VARIANTE: O DMADV O DMAIC éuma metodologia desenvolvida para promover ciclos de melhoria contínua em processos já existentes, nos quais se detetaram problemas de desempenho e, consequentemente, oportunidades de melhoria. Uma melhor alternativa, porém, consiste em desenhar o processo original de maneira que o seu desempenho seja otimizado logo de início. Isto não significa que não surjam posteriormente oportunidades de aperfeiçoamento desse processo, mas que o esforço de otimização é concentrado na fase de conceção e desenho do processo. No contexto das metodologias Seis Sigma, esta abordagem é designada por DFSS (Design For Six Sigma). Ora, a sequência habitualmente usada para este fim é análoga ao DMAIC, pois tem como este cinco etapas comparáveis à do primeiro, e chama-se DMADV (acrónimo para Define, Measure, Analyze, Design and Verify). A tabela abaixo faz uma comparação entre os ciclos DMAIC E DMADV. Note-se que apesar da evidente analogia, as ferramentas usadas no quadro do DMADV podem ser bastante diferentes das aplicadas nas etapas homólogas do DMAIC. DMAIC DMADV DEFINE Definir o problema com rigor, contextualizá-lo, e formular os objetivos a atingir. Definir os objetivos a atingir: desempenho, especificações do produto Alinhar objetivos com requisitos do cliente. DEFINE MEASURE Identificar e medir o indicador em que se situa o problema, medir o seu desempenho atual, e estabelecer a meta a atingir. Identificar os indicadores críticos para os stakeholders. Traduzir os requisitos destes em metas de desempenho dos indicadores. MEASURE ANALYZE Listar possíveis causas raiz e identificar as variáveis sobre as quais se deve agir para melhorar o desempenho do processo. Explorar as soluções disponíveis para garantir o desempenho desejado. Estudar as soluções best-in-class. ANALYZE IMPROVE Desenvolver, testar e aplicar as alterações que podem levar a melhorias comprovadas no desempenho do processo. Usar modelos, simulações, ensaios protótipos, etc. para testar as soluções adotadas e validar o seu desempenho. DESIGN CONTROL Desenvolver planos e procedimentos para assegurar que as melhorias são sustentáveis. Validar o desempenho do produto ou serviço em situação real e identificar eventuais aperfeiçoamentos. VERIFY Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

8 APLICAÇÕES PRÁTICAS As metodologias de melhoria da qualidade, como o Seis Sigma (em que o DMAIC se enquadra) e o Lean Management, foram na sua origem desenvolvidas num contexto de produção industrial. Os seus princípios e regras podem porém aplicar-se à melhoria de processos e de produtos e serviços em todos os domínios de atividade. Eis uma lista não exaustiva das possibilidades de aplicação: Indústria Serviços Gestão e desenvolvimento de produtos Marketing e vendas O DMAIC é rotineiramente aplicado na melhoria contínua (incremental) de todo o tipo de processos industriais. O DMAIC (e as metodologias Seis Sigma em geral) é crescentemente aplicado na melhoria de processos de serviço, com destaque para os domínios da saúde, dos serviços financeiros, da administração pública e da grande distribuição. O DMAIC é aplicável no desenvolvimento contínuo de produtos, no âmbito da gestão de marketing, partindo de oportunidades de melhoria das respetivas especificações detetadas a partir da VOC. Numa perspetiva mais geral, o DMAIC pode aplicar-se também à melhoria de processos de gestão de vendas, de promoção, de relacionamento com o cliente, etc. Para esclarecimentos adicionais, contactar por favor João Paulo Feijoo Rua de Santa Marta, 43 E/F 4º andar D Lisboa (w) (w) (m) Rua de Santa Marta 43 E/F 4º D LISBOA Telef.:

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Otimização. Processos I

Otimização. Processos I Saiba Como o Six Sigma Convive com Outras Metodologias de Gestão e Como Otimização Alinhadas Podem Promover de a Otimização de Processos e Resultados Expressivos Processos I Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA

ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Blucher Engineering Proceedings Agosto de 2014, Número 2, Volume 1 ALTERNATIVA PARA SIMPLIFICAÇÃO NA ESTRUTURA DE EXECUÇÃO DE PROJETOS SEIS-SIGMA Cristiano Marques de Oliveira 1 1 Delphi Automotive Systems

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA 2010 Lean Six Sigma e seu relacionamento com outras metodologias Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026 www.setadg.com.br 1 Seta Desenvolvimento

Leia mais

Ajudamos a (sua) empresa a crescer.

Ajudamos a (sua) empresa a crescer. CONSULTORIA Ajudamos a (sua) empresa a crescer. O QUE FAZEMOS SISTEMAS DE GESTÃO GESTÃO DA PRODUÇÃO E DAS PRODUÇÕES PRODUTIVIDADE E INOVAÇÃO INTERNACIONALIZAÇÃO PROJECOS DE INVESTIMENTO E INCENTIVOS

Leia mais

Six Sigma: Uma ferramenta de gestão

Six Sigma: Uma ferramenta de gestão Six Sigma: Uma ferramenta de gestão de 1.) Introdução Estratégia de gestão que procura melhorar a qualidade dos outputs de um processo, através da identificação e eliminação das causas dos defeitos e variação,

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

A Profitability Engineers

A Profitability Engineers CATÁLOGO DE FORMAÇÃO A Profitability Engineers Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria qualidade e da produtividade; Somos

Leia mais

O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos

O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos Livraria Virtual PMI 2009 Project Management Institute O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos Por Shobhit Shrotriya Resumo Toda organização enfrenta a difícil tarefa de executar projetos que

Leia mais

Workshop 2 Six Sigma e PMI complementares ou substitutas?

Workshop 2 Six Sigma e PMI complementares ou substitutas? Workshop 2 Six Sigma e PMI complementares ou substitutas? Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.br CLIENTES SETA CLIENTES SETA T I V I T

Leia mais

Seis Sigma Gentilmente cedido ao curso pelo Hospital Albert Einstein

Seis Sigma Gentilmente cedido ao curso pelo Hospital Albert Einstein Seis Sigma Objetivos deste Material Alinhar os conceitos sobre a metodologia Seis Sigma; Explorar o escopo de projetos na prática da gestão dos serviços; Instituir um pensamento estruturado para a resolução

Leia mais

UBQ União Brasileira para Qualidade

UBQ União Brasileira para Qualidade UBQ União Brasileira para Qualidade Quem somos A UBQ é uma entidade civil, para fins não econômicos, que trabalha para difundir os conceitos e as práticas da Qualidade com o objetivo de ajudar as organizações

Leia mais

Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5

Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5 Estratégias Baseadas em Six Sigma para Obtenção do CMMi Nível 5 Paula Luciana F. da Cunha, Luciana Ferreira Trindade, Ciro Carneiro Coelho Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822780 Fortaleza

Leia mais

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos

Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos Visão Geral das Áreas de Conhecimento e dos Processos da Gerência de Projetos GERÊNCIA DE INTEGRAÇÃO GERÊNCIA DO ESCOPO GERÊNCIA DO TEMPO GERÊNCIA DE CUSTO GERÊNCIA DA QUALIDADE Desenvolvimento do Plano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO

A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO A IMPORTÂNCIA DO TESTE DE SOFTWARE PARA A QUALIDADE DO PROJETO Autora: LUCIANA DE BARROS ARAÚJO 1 Professor Orientador: LUIZ CLAUDIO DE F. PIMENTA 2 RESUMO O mercado atual está cada vez mais exigente com

Leia mais

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão

AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão 1 AULAS 13, 14 E 15 Correlação e Regressão Ernesto F. L. Amaral 23, 28 e 30 de setembro de 2010 Metodologia de Pesquisa (DCP 854B) Fonte: Triola, Mario F. 2008. Introdução à estatística. 10 ª ed. Rio de

Leia mais

Cristina WERKEMA. Série SEIS SIGMA VOLUME 2. Design For Six Sigma. Ferramentas básicas usadas nas etapas D e M do DMADV

Cristina WERKEMA. Série SEIS SIGMA VOLUME 2. Design For Six Sigma. Ferramentas básicas usadas nas etapas D e M do DMADV Cristina WERKEMA Série SEIS SIGMA VOLUME 2 Design For Six Sigma Ferramentas básicas usadas nas etapas D e M do DMADV Copyright by Maria Cristina Catarino Werkema Todos os direitos desta edição são reservados

Leia mais

MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa

MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa MPS.Br A A Experiência da Stefanini Washington Souza Marcelo Ramasco Andrea Mattos Elaine Vanessa Sobre o que vamos falar Uma breve visão sobre a Stefanini A jornada até chegar ao nível A Falar como foi

Leia mais

Preparação para a Certificação Six Sigma Black Belt

Preparação para a Certificação Six Sigma Black Belt Preparação para a Certificação Six Sigma Black Belt OBJETIVOS DO CURSO Apresentar aos participantes os conteúdos do Corpo de Conhecimento necessários à certificação, possibilitando que aprimorem os seus

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

Otimização de. Processos I

Otimização de. Processos I Seis Sigma Otimização de Gestão de Negócios Processos I Alberto Pezeiro Sócio Diretor Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br (11) 8110-0026 www.setadg.com.br 1 Introdução Otimização de A

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS

PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS PROJETO LEAN SIX SIGMA PARA ADEQUAÇÃO E CONTROLE DE WORK IN PROCESS (WIP) EM UMA INDÚSTRIA ELETROELETRÔNICA DO PÓLO INDUSTRIAL DE MANAUS FÁBIO ANDRÉ DE FARIAS VILHENA (UFPA) vilhena.fabio@hotmail.com JOSÉ

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente

Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente O Serviço: Avaliação da Qualidade Percecionada, da Satisfação e da Lealdade do Cliente 1- Enquadramento Avaliar a Qualidade Percecionada dos produtos e serviços e a Satisfação dos Clientes da organização

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade de Projetos. Parte 07. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza

Gerenciamento da Qualidade de Projetos. Parte 07. Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325. Docente: Petrônio Noronha de Souza Gerenciamento da Qualidade de Projetos Parte 07 Gerenciamento de Projetos Espaciais CSE- 325 Docente: Petrônio Noronha de Souza Curso: Engenharia e Tecnologia Espaciais Concentração: Engenharia e Gerenciamento

Leia mais

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento

4.6 6 Sigma. Abertura. Definição. Conceitos. Aplicação. Comentários. Pontos fortes. Pontos fracos. Encerramento 4.6 6 Sigma 4.6 6 Sigma O início dos estudos a respeito de 6-Sigma remontam a 1979 por ação de um dos diretores da Motorola naquele momento, Art Sundy. Tudo começa quando ele se dá conta da quantidade

Leia mais

FMEA, PDCA, TQM, PPAP

FMEA, PDCA, TQM, PPAP Ementários Fundamentos do Pensamento Lean e Toyota Production System TPS 20 horas Introdução ao Pensamento Lean six Sigma e ao TPS Histórico Evolutivo do TPS Pilares do TPS Princípios Lean Fundamentos

Leia mais

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade

MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade MÓDULO 7 Ferramentas da Qualidade Os modelos de Qualidade Total apresentam uma estrutura teórica bem consistente, pois: não há contradições entre as suas afirmações básicas; há uma estrutura bem definida

Leia mais

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014

Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22. Catálogo de Treinamentos 2014 Informativo Bimestral da Siqueira Campos Associados junho de 2014 - ano VIII - Número 22 Nesta edição Siqueira Campos valida Escala de Alienação Parental Novo cliente: Castrolanda Gráficos e análise de

Leia mais

GESTÃO POR PROCESSOS JANEIRO 2011

GESTÃO POR PROCESSOS JANEIRO 2011 GESTÃO POR PROCESSOS JANEIRO 2011 Como as Organizações estão utilizando o Desenvolvimento do BPM e de Outros Sistemas de Gestão na Preparação dos Líderes da Organização ALBERTO PEZEIRO SÓCIO - DIRETOR

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

SIMULADO 4 CERTIFICAÇÃO PMP

SIMULADO 4 CERTIFICAÇÃO PMP SIMULADO 4 CERTIFICAÇÃO PMP Nível Básico Página 0 de 5 76) A estimativa análoga: a) Usa técnicas de estimativa bottom-up. b) É usada mais frequentemente durante a execução do projeto. c) Usa técnicas de

Leia mais

Perspetivas de Evolução da Qualidade

Perspetivas de Evolução da Qualidade Perspetivas de Evolução da Qualidade Luis Fonseca luismiguelcfonseca@gmail.com lmf@isep.ipp.pt 1 1. Evolução da Qualidade Artesão: abordagem histórica desde a antiguidade e que ainda prevalece em certas

Leia mais

Formação Interempresas 2014

Formação Interempresas 2014 Formação Interempresas 2014 Curso Métodos e Tempos Cronograma 2014 Formação Duração 1 Dia Preço/Participant e Contactar a APMI Data 19 de Setembro 2014 Six Sigma - ISO 31000:2009 - Gestão de Risco 1 Dia

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Gerenciamento do escopo

Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Gerenciamento do escopo Escopo pode ser definido como a soma dos produtos de um projeto, bem como a descrição de seus requisitos. O momento de definir o escopo é a hora em que o

Leia mais

Design For Six Sigma em Serviços: Particularidades e Desafios DFSS - 1

Design For Six Sigma em Serviços: Particularidades e Desafios DFSS - 1 Design For Six Sigma em Serviços: Particularidades e Desafios GPS - Global Productivity Solutions Consultores S/C Ltda Direitos reservados, proibida reprodução sem autorização DFSS - 1 Conteúdo GPS Particularidades

Leia mais

Cristina WERKEMA. Série SEIS SIGMA VOLUME 4. Lean Seis Sigma. Introdução às Ferramentas do Lean Manufacturing

Cristina WERKEMA. Série SEIS SIGMA VOLUME 4. Lean Seis Sigma. Introdução às Ferramentas do Lean Manufacturing Cristina WERKEMA Série SEIS SIGMA VOLUME 4 Lean Seis Sigma Introdução às Ferramentas do Lean Manufacturing Copyright by Maria Cristina Catarino Werkema Todos os direitos desta edição são reservados à Werkema

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE

Questionário de Avaliação de Maturidadade MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE MMGP Darci Prado QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO DE MATURIDADE Extraído do Livro "Gerenciamento de Programas e Projetos nas Organizações" 4ª Edição (a ser lançada) Autor: Darci Prado Editora INDG-Tecs - 1999-2006

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume III Análise de Riscos um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva Estratégia Seis Sigma Livre Docente em Engenharia da Qualidade (UNESP) Engenheiro Industrial Químico (FAENQUIL- EEL/USP) Certified Quality Engineer (American Society for Quality-ASQ-USA) Pós-graduado em

Leia mais

Qualidade, Processos e Otimização Industrial

Qualidade, Processos e Otimização Industrial Qualidade, Processos e Otimização Industrial Qualidade, ambiente e segurança p. 161 Otimização dos processos p. 165 Otimização industrial p. 168 O sucesso das organizações depende da sua capacidade de

Leia mais

Gestão da Qualidade. Controle Estatístico de Qualidade. Roteiro. Evolução da Qualidade. Inspeção do produto:

Gestão da Qualidade. Controle Estatístico de Qualidade. Roteiro. Evolução da Qualidade. Inspeção do produto: Roteiro Gestão da Qualidade 1. Filosofias da Qualidade e Estratégias de Gestão 2. Custos da Qualidade 3. Gestão pela Qualidade Total 4. Ciclo PDCA 5. Ferramentas de Gerenciamento 6. Seis Sigma 7. Referências

Leia mais

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS

Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS Disciplina: Técnicas de Racionalização de Processos Líder da Disciplina: Rosely Gaeta NOTA DE AULA 04 O PROJETO DE MELHORIA DOS PROCESSOS 3.4 O PROJETO DE MELHORIA DE PROCESSOS 3.4.1 - CONCEITO DE PROJETO

Leia mais

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008

Qualidade é o grau no qual um conjunto de características inerentes satisfaz a requisitos. ISO 9001:2008 1 Sumário 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. Introdução...3 Ferramentas da Qualidade...4 Fluxograma...5 Cartas de Controle...7 Diagrama de Ishikawa...9 Folha de Verificação...11 Histograma...13 8. 9. 10. Gráfico de

Leia mais

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto

Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Universidade Federal de Sergipe Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Núcleo de Engenharia de Produção Disciplina Engenharia de Produto Prof. Andréa Cristina dos Santos, Dr. Eng. andreaufs@gmail.com

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Certificação de Auditor de Qualidade Corpo de Conhecimento

Certificação de Auditor de Qualidade Corpo de Conhecimento Certificação de Auditor de Qualidade Corpo de Conhecimento Os tópicos neste corpo de conhecimentos incluem detalhes adicionais explicativos e o nível cognitivo no qual as perguntas serão formuladas. Esta

Leia mais

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente.

Questões atualizadas no PMBoK 5ª edição versão 2015. Respostas comentadas com justificativa e seção do PMBoK correspondente. Copyright 2015 PMtotal.com.br - Todos os direitos reservados PMI, Guia PMBOK, PMP, CAPM são marcas registradas do Project Management Institute, Inc Simulado de 20 questões para as provas CAPM e PMP do

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO FORMAÇÃO DE ESPECIALISTA EM SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO PARTE 1 ESTRUTURA DO SGI Módulo SGI-1.0 - Introdução (04 horas) Apresentação da metodologia do Programa de Formação Manual do Aluno Critérios de aprovação e reposição de módulos Uso da plataforma do Ambiente

Leia mais

Simulações em Aplicativos

Simulações em Aplicativos Simulações em Aplicativos Uso Avançado de Aplicativos Prof. Marco Pozam mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Programação da Disciplina 20/Agosto: Conceito de Project Office. 27/Agosto: Tipos de Project Office.

Leia mais

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho

Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Como gerenciar riscos em saúde? Helaine Carneiro Capucho Fortaleza, 28 de novembro de 2012. Análise de Causa-Raiz É um método utilizado na engenharia, nas investigações de acidentes industriais, nucleares,

Leia mais

As ferramentas da QUALIDADE

As ferramentas da QUALIDADE As ferramentas da QUALIDADE Aprendendo a aplicar para solucionar problemas EXPEDIENTE Textos: EPSE Editora e Paulo César Jatobá Edição: Hayrton Rodrigues do Prado Filho Designer gráfico: Adilson Aparecido

Leia mais

FTAD Módulo de Planejamento Gestão de Projetos. Prof. Carolina Lindbergh

FTAD Módulo de Planejamento Gestão de Projetos. Prof. Carolina Lindbergh FTAD Módulo de Planejamento Gestão de Projetos Prof. Carolina Lindbergh FTIN FORMAÇÃO TÉCNICA EM ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE PROJETOS Temas da Aula de Hoje Profissão de Gestão de Projetos Objetivos do gestor

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI)

5.1 Introdução. 5.2 Project Management Institute (PMI) 5 NORMALIZAÇÃO DA GESTÃO DE PROJETOS 5.1 Introdução Embora tradicionalmente o esforço de normalização pertença à International Standards Organization (ISO), no caso da gestão de projetos a iniciativa tem

Leia mais

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO

PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PLANEJAMENTO - ESCOPO - TEMPO - CUSTO PAULO SÉRGIO LORENA Julho/2011 1 Planejamento escopo, tempo e custo PROGRAMA DA DISCIPLINA Apresentação professor Programa da disciplina Avaliação Introdução Processos

Leia mais

Gestão de processos e Qualidade

Gestão de processos e Qualidade Gestão de processos e Qualidade Seção 3 Carvalho Avisos N O S S O A C O R D O HORÁRIO INTERVALOS CELULAR AVALIAÇÃO CONVERSAS PARALELAS DÚVIDAS SONO Conceito de Processos; Visão Geral O Processo como base

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MBA GESTÃO DA QUALIDADE MARIA EUGENIA ZAPOTOCZNY DOS ANJOS FERRAMENTAS DA QUALIDADE E CRIAÇÃO DE INDICADORES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MBA GESTÃO DA QUALIDADE MARIA EUGENIA ZAPOTOCZNY DOS ANJOS FERRAMENTAS DA QUALIDADE E CRIAÇÃO DE INDICADORES UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ MBA GESTÃO DA QUALIDADE MARIA EUGENIA ZAPOTOCZNY DOS ANJOS FERRAMENTAS DA QUALIDADE E CRIAÇÃO DE INDICADORES CURITIBA 2014 MARIA EUGENIA ZAPOTOCZNY DOS ANJOS FERRAMENTAS

Leia mais

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA ORGANIZAÇÃO EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES DE GOVERNO

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA ORGANIZAÇÃO EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES DE GOVERNO CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA ORGANIZAÇÃO EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES DE GOVERNO O DESAFIO NECESSIDADES CONFLITIVAS. TECNOLOGIAS CAMBIANTES. SOLUÇÕES COMPLEXAS.

Leia mais

Estudos de Mercado. Carlos Bessa

Estudos de Mercado. Carlos Bessa Estudos de Mercado Objetivo geral: No final da sessão os participantes devem ser capazes de implementar no terreno um estudo de mercado. 2 Conteúdos programáticos: Introdução ao tema Estudos de Mercada

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS UTILIZAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA NO MONITORAMENTO DO SISTEMA OPERACIONAL ENXUTO NA ÁREA DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Cristiano Marques de Oliveira Delphi Automotive Systems E-mail: cristiano.m.oliveira@delphi.com

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Inovação Competitiva. Vendo Diferentemente e Agindo Decisivamente. Argentina-Brasil Conferência sobre Qualidade De1º a 5 de outubro de 2007

Inovação Competitiva. Vendo Diferentemente e Agindo Decisivamente. Argentina-Brasil Conferência sobre Qualidade De1º a 5 de outubro de 2007 ACADEMIA INTERNACIONAL PARA QUALIDADE Argentina-Brasil Conferência sobre Qualidade De1º a 5 de outubro de 2007 Inovação Competitiva Vendo Diferentemente e Agindo Decisivamente Gregory H. Watson Inovação

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores

Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Gerenciamento de Projetos Exercícios gerais com questões de concursos anteriores Programa 1. Conceitos básicos do PMBOK. 2. Gerenciamento do ciclo de vida do sistema: determinação dos requisitos, projeto

Leia mais

Estratégia Seis Sigma

Estratégia Seis Sigma Estratégia Seis Sigma Transformando oportunidades em resultados para os negócios M. I. Domenech Seis Sigma - Treinamentos Seis Sigma Crescimento Melhoria de Processos - Treinamentos M. I. Domenech Carlos

Leia mais

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA EMPRESA EM UM PLANO EXECUTÁVEL

CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA EMPRESA EM UM PLANO EXECUTÁVEL CONVERTA OS OBJETIVOS DE SUA EMPRESA EM UM PLANO EXECUTÁVEL SERVIÇOS PROFISSIONAIS DA MOTOROLA PARA OPERAÇÕES EMPRESARIAIS O DESAFIO NECESSIDADES URGENTE. TECNOLOGIAS MUTÁVEIS. SOLUÇÕES COMPLEXAS. A maioria

Leia mais

REENGENHARIA PARTE I

REENGENHARIA PARTE I REENGENHARIA PARTE I Introdução O que é a REENGHENHARIA? De acordo com a definição original de Hammer e Champy, a reengenharia é a Implementação de mudanças radicais que, ao redesenhar os processos de

Leia mais

Profitability Engineers 1

Profitability Engineers 1 Profitability Engineers 1 Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria da eficácia [qualidade] e da eficiência [produtividade]; A

Leia mais

Catálogo de Cursos 2012

Catálogo de Cursos 2012 Catálogo de Cursos 2012 Treinando a sua equipe para aumentar a competitividade da sua empresa. SIQUEIRA CAMPOS ASSOCIADOS Índice Apresentação...07 Atendimento Excelência em Serviços...09 Qualidade em

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos

PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge. Gerenciamento de Projetos PMBOK/PMI Project Management Body of Knowledge Gerenciamento de Projetos Organização de Projetos GERENCIAMENTO DE PORTFÓLIOS GERENCIAMENTO DE PROGRAMA GERENCIAMENTO DE PROJETOS GERENCIAMENTO DE SUBPROJETOS

Leia mais

SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP

SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP SIMULADO 1 CERTIFICAÇÃO PMP Nível Básico Página 0 de 5 1) Das alterativas apresentadas abaixo, qual não é considerada uma das ferramentas do processo Realizar o Controle da Qualidade? a) Auditoria da Qualidade.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Ferramentas de Gestão para Coleções Biológicas. Paulo Holanda

Ferramentas de Gestão para Coleções Biológicas. Paulo Holanda para Coleções Biológicas Paulo Holanda 2º Encontro de Coleções Biológicas da Fiocruz Rio de Janeiro, 2015 Contexto observação dos desafios vivenciados por coleções biológicas na última década; a importância

Leia mais

MODELO SEIS SIGMA. Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade. TQM / Seis Sigma / ISO 9000. Ferramentas da Qualidade.

MODELO SEIS SIGMA. Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade. TQM / Seis Sigma / ISO 9000. Ferramentas da Qualidade. Operacional Tático Estratégico Sustentabilidade Serviços MODELO SEIS SIGMA Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade PRINCÍPIOS Gerenciamento das Diretrizes TQM / Seis Sigma / ISO 9000 Gestão por

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva

A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva A Cadeia de Ajuda para Manter a Estabilidade Produtiva Sergio Kamada* Este artigo tem como objetivo descrever a importância da Cadeia de Ajuda no processo de estabilização produtiva e apresentar métodos

Leia mais

METODOLOGIA SEIS SIGMA APLICADA À REDUÇÃO DO REFUGO NO PROCESSO DE CONFORMAÇÃO A FRIO, PARA SISTEMAS DE DIREÇÃO AUTOMOTIVA

METODOLOGIA SEIS SIGMA APLICADA À REDUÇÃO DO REFUGO NO PROCESSO DE CONFORMAÇÃO A FRIO, PARA SISTEMAS DE DIREÇÃO AUTOMOTIVA METODOLOGIA SEIS SIGMA APLICADA À REDUÇÃO DO REFUGO NO PROCESSO DE CONFORMAÇÃO A FRIO, PARA SISTEMAS DE DIREÇÃO AUTOMOTIVA Sandro Pereira da Silva (USP) Sandro.Silva@TRW.COM Zilda de Castro Silveira (USP)

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1

FMEA. Definição Medição Análise Melhoria Controle. Pág 1 FMA Controle de Qualidade FMA Pág 1 FMA que vamos aprender... FMA Ferramentas de Definição Pág 2 FMA FMA Failure Mode & ffects Analysis FMA é um método sistemático para identificar, analisar, priorizar

Leia mais

DESIGNAÇÃO DO MESTRADO

DESIGNAÇÃO DO MESTRADO E S C O L A S U P E R I O R D E T E C N O L O G I A E G E S T Ã O Metodologia Seis Sigma - Implementação e Impacto nas PMEs Portuguesas DESIGNAÇÃO DO MESTRADO AUTOR Mestrado em Gestão Integrada da Qualidade,

Leia mais

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis)

8.3. FMEA (Failure Mode and Effects Analysis) seu produto nas unidades respectivas de cada grandeza, isto é, o produto tem $4,50 na característica "custo", 170 mm na característica "dimensão", e assim por diante. As colunas "concorrente };' e "concorrente

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Herlander MATA-LIMA Professor Auxiliar, DME/UMa Web: http://dme.uma.pt/hlima ATENÇÃO Qualquer referência a este documento

Leia mais

Qpoint Rumo à excelência empresarial

Qpoint Rumo à excelência empresarial Qpoint Rumo à excelência empresarial primavera bss A competitividade é cada vez mais decisiva para o sucesso empresarial. A aposta na qualidade e na melhoria contínua da performance dos processos organizacionais

Leia mais

Índice. Siqueira Campos Associados

Índice. Siqueira Campos Associados Catálogo de Cursos Índice Apresentação...5 Atendimento Excelência em Serviços...6 Qualidade em Serviços...7 Análise de Risco Operacional...8 Análise do Sistema de Medição...9 Aprimoramento de Processos

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios.

TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO CURSOS. Formação prática em ferramentas essenciais para a. redução de desperdícios. TREINAMENTOS PRESENCIAIS PRÁTICOS PROGRAMAÇÃO 2016 CURSOS Formação prática em ferramentas essenciais para a melhoria dos processos e redução de desperdícios. Desenvolvimento de 1 Pessoas Propósito é o

Leia mais