Lean 6 Sigma Aplicados ao Laboratório rio Clínico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lean 6 Sigma Aplicados ao Laboratório rio Clínico"

Transcrição

1 Gestão da Qualidade Laboratorial em Saúde 7 de Dezembro de 2006 a 9 de Março de 2007 Lean Aplicados ao Laboratório Ϭ Lean Aplicados ao Laboratório rio Clínico Instituto Português do Sangue Centro Regional de Sangue de Lisboa Serviço de Gestão da Qualidade Qualidade laboratorial no mundo real Ocorrências de erros críticos associados a falência na qualidade laboratorial importância do conhecimento do impacto e suas causa Especicações de Métodos Baseadas na Evidência NEXUS Pré-pré-analítica potencial condicionamento de todas as outras fases (incluindo o resultado laboratorial) Pós-pós-analítica potencial comprometimento da aplicação do resultado (e de todas as fases anteriores), na vista do interesse do paciente Lean Eliminação do desperdício ( eficiência ) world class quality ou superior (3.4 DPM) ( eficácia ) Paulo Pereira 2/ /03/09 Lean Aplicados ao Laboratório Referências Six Sigma for Dummies. Gygi C, DeCarlo N, Williams B. Honoken: For Dummies, 2005 The Six Sigma Way: How GE, Motorola, and Other Top Companies are Honing Their Performance. Pande PS, Neuman RP, Cabanagh RR. McGraw-Hill, New York, 2000 Six Sigma: The Breakthrough Management Strategy Revolutionizing the World s Top Corporations. Harry M, Schroeder R. Currency, New York, 2000 Out of the Crisis. Deming WE. MIT Center for Advanced Study, Cambridge, MA, 1987 Quality Improvement for Services. Juran JM, Endres A. Juran Institute, Wilton, CT, 1986 Lean Six Sigma for Service : How to Use Lean Speed and Six Sigma Quality to Improve Services and Transactions. George M. New York: McGraw-Hill, 2003 Lean Six Sigma : Combining Six Sigma Quality with Lean Production Speed. George M. New York: McGraw-Hill, 2002 Six Sigma Quality Design and Control, 2nd edition. Westgard J. Madison: Westgard QC, 2006 Nothing but the Truth about Quality. Westgard J. Madison: Westgard QC, 2004 i Six Sigma Paulo Pereira 3/ /03/09 Lean Aplicados ao Laboratório Software Corel igrafx Process 2006 for StatSoft Statistica 7.1 MR4, módulos: Base, QC Charts, Process Analysis, Design of Experiments, Advanced Linear/NonLinear Models, Multivariate Exploratory Techniques, Power Analysis Simul8 Standard Paulo Pereira 4/ /03/09 1

2 Objectivo Acreditação Sensibilização dos formandos perante acções tomadas perante erros com causa laboratorial Desconhecimento de situações de erro em Portugal Exemplos bem estudados dos Estados Unidos St. Agnes Medical Center Philadelphia 2001 United Hospital of St. Paul 2002 Duke University Hospital 2003 Sarasota Memorial Hospital 2004 Maryland General Hospital 2004 Visão causa/potenciais erros De acordo com os exemplos, discussão da gestão do erro nos nossos laboratórios Alcance das acções correctivas/preventivas Paulo Pereira 5/ /03/09 Portugal Assenta na ISO/IEC e ISO Não existem entidades reguladoras do cumprimento de outros requisitos técnicos Estados Unidos A acreditação é obrigatória para a obtenção da licença de um laboratório em fornecer resultados de ensaios Varia consoante o tipo de ensaios praticados Sem interesse em requisitos ISO Exemplo dos Laboratórios Clínicos dos Hospitais e Clínicas da Universidade de Wisconsin 52 licenças CLIA 313 FTE ( full-time equivalent ) técnicos Acreditação: 5 CAP, 21 JCAHO, 26 CLIA Visitado em 2006: JCAHO, CAP, FACHT, FDA, ASHI, AABB, CLIA, CMS Paulo Pereira 6/ /03/09 St. Agnes Medical Center Philadelphia 2001 St. Agnes Medical Center Philadelphia de Outubro de 2001: Robert Zimmerman, Secretário da Saúde de Pensilvânia anuncia que St Agnes Medical Center foi condenado a pagar $ ( ) na sequência de erros laboratoriais que resultaram na morte de 3 doentes $ ( ) com base no número de doentes que não receberam serviços clínicos adequados em função dos resultados laboratoriais $ ( ) pelo número de dias que a entidade falhou no cumprimento do Health Care Facilities Act estatal Relatório do Secretário da Saúde O Departamento de Saúde tem a responsabilidade de licenciar hospitais e garantir que eles fornecem qualidade consistente aos seus pacientes O St. Agnes Medical Center não forneceu essa qualidade quando faliu na entrega de resultados laboratoriais exactos a 843 pacientes durante 52 dias deste Verão Como poderão os nossos laboratórios responderem a acontecimentos como o do St. Agnes Medical Center? Estaremos inconscientes perante estes acontecimentos Verificação da nossa prática feita pelos profissionais do nosso laboratório Nada: não fazemos erros como este no nosso laboratório O que aconteceu no St. Agnes? O valor ISI usado no cálculo do INR estava incorrecto Os valores reportados de INR com o cálculo incorrecto estavam falsamente baixos As dose de comadina administradas aos doentes estavam aumentadas, com base nos resultados, os quais indicavam que os doentes não estavam anticoagulados Os pacientes sofreram complicações associadas a hemorragias Paulo Pereira 7/ /03/09 Paulo Pereira 8/ /03/09 2

3 St. Agnes Medical Center Philadelphia 2001 St. Agnes Medical Center Philadelphia 2001 O que aconteceu no St. Agnes? 31 de Agosto de 2001: St. Agnes anuncia a descoberta de um erro laboratorial que pode ter causado a morte de 2 pacientes O erro ocorreu durante 7 semanas e afectou 932 pacientes O Medical Examiner s Office investigou outras mortes O St. Agnes descontinuou o ensaio para INR e procedeu-se a investigação estatal 14 de Setembro de 2001: o laboratório reintegrou o ensaio, após a investigação estatal e a aceitação de plano do hospital para acção correctiva O que aconteceu no St. Agnes? A equipa do laboratório usou um número de catálogo errado, aquando do pedido de reagentes para o ensaio do tempo de protrombina Não houve verificação de que o reagente que chegou era o o que o laboratório deveria ter pedido O valor ISI para o reagente de protrombina que deveria ter sido pedido, era usado no cálculo INR, em vez do ISI para o reagente em uso A equipa do laboratório não usa controlo de qualidade laboratorial com implicação na aceitação e monitorização dos resultados, não tendo havido detecção do erro durante 7 semanas Paulo Pereira 9/ /03/09 Paulo Pereira 10/ /03/09 St. Agnes Medical Center Philadelphia 2001 United Hospital of St. Paul 2002 Acção correctiva Nova política de compras Nova política na verificação de reagentes e na acção perante alterações no lotes da coagulação Nova política para expansão dos estudos de correlação laboratorial Treino mais detalhado a toda a equipa laboratorial Todos os outros ensaios do laboratórios foram sujeitos a revisão Revisão às acções Revisão do processo laboratorial Novo desenho do processo Implementação de novas políticas Treino dos profissionais Maio de 2002: Linda McDougal, 46 anos, 3 filhos, submeteu-se a uma biopsia de diagnóstico mamário, seguindo-se um resultando de mamograma suspeito; a biopsia evidenciou forma agressiva de cancro Linda McDougal foi sujeita a mastectomia dupla, com quimio e radioterapia pós-operatórias Dois dias após a cirurgia, verificou-se que as amostras resultantes da mastectomia não eram malignas; os patologistas descobriram que as lâminas da biopsia original tinham sido trocadas com a de outro paciente Linda McDougal sofreu infecções pós-operatórias, não tendo sido, também, recomendada cirurgia reconstrutiva Qual o impacto que o atraso no diagnóstico trouxe ao outro paciente? Paulo Pereira 11/ /03/09 Paulo Pereira 12/ /03/09 3

4 United Hospital of St. Paul 2002 United Hospital of St. Paul 2002 Como poderão os nossos laboratórios responderem a acontecimentos como o do United Hospital? Estaremos inconscientes perante estes acontecimentos Verificação da nossa prática feita pelos profissionais do nosso laboratório Nada: não fazemos erros como este no nosso laboratório O que aconteceu no United Hospital? O hospital reconheceu o erro, desculpando-se; responsabilizando o grupo de patologia independente contratado para prestar serviços, não sendo os seus profissionais empregados do hospital Os cirurgiões (também não empregados do hospital) agiram de boa fé, baseados na patologia, de acordo com o informação do hospital Paulo Pereira 13/ /03/09 Acção correctiva Hospital Pathology Associates fornece serviço a 14 hospitais dirigidos pela Allina Hospitals and Clinics em Minnesota e Wisconsin 23 de Janeiro de 2003 o Hospital Pathology Associates apresenta alterações ao processo, de forma a prevenir erros similares Os suportes de lâminas não poderão conservar lâminas de mais do que um paciente As lâminas e o registos terão códigos coloridos Revisão em par dois patologistas revêem o diagnóstico, o paciente e a identificação nas lâminas e registos Revisão às acções Imediato: defesa bad aplle Patologistas Revisão do processo, identificação dos pontos de falência Sistemas que garantam a rastreabilidade da amostra ao longo do processo Processo de detecção do erro prospectiva Paulo Pereira 14/ /03/09 Duke University Hospital 2003 Classificação no ranking nacional 4.ª nos cuidados e cirurgia cardíacos Hospital onde ocorreu o primeiro transplante do coração no estado da Carolina do Norte Transplanta corações/ano 7 de Fevereiro de 2003 transplantação de um coração de um dador tipo A num receptor tipo 0 O paciente uma mulher Mexicana de 17 Paulo Pereira 15/ /03/09 Duke University Hospital 2003 Como poderão os nossos laboratórios responderem a acontecimentos como o do Duke University Hospital? Estaremos inconscientes perante estes acontecimentos Verificação da nossa prática feita pelos profissionais do nosso laboratório Não se é um centro de transplante, este exemplo não é aplicável às nossas instituições Falso ou verdadeiro: este é um caso simples de erro humano, o cirurgião do hospital deverá perder a sua licença O que aconteceu no Duke? Nos EUA os órgãos são combinados pelo United Network for Organ Sharing (UNOS) O UNOS recebe a informação do tipo de sangue do dador e cruza com os órgãos disponíveis na lista de receptores O primeiro transplante foi feito com órgão de Boston; os cirurgiões do Duke University viajaram para Boston para proceder à colheita. O tipo do dador estava correctamente identificado em todos os registos Paulo Pereira 16/ /03/09 4

5 Duke University Hospital 2003 Duke University Hospital 2003 O que aconteceu no Duke? O coração do primeiro transplante foi oferecido a dois pacientes da base de dados da UNOS, os quais não o poderiam receber, tendo sido rejeitados O cirurgião da Jesica aceitou o órgão, de acordo com o interesse da doente A Jesica não estava na base de dados de doentes da UNOS Aquando da transplantação do coração, ao contrário do que sucede com outros órgãos, o cruzamento com doentes é feito, somente, contra o grupo sanguíneo; a instituição responsável pela cirurgia não faz cruzamento HLA Antes do início da cirurgia é feita verificação final da compatibilidade dadorreceptor O que aconteceu no bloco operatório do Duke? O cirurgião assumiu toda a responsabilidade pela não verificação da compatibilidade Resposta imediata Richard Puff, porta-voz do hospital Fizemos milhares de transplantes de órgãos sólidos durante largos anos, isto é a primeira vez que sucede Após a cirurgia colocaram-se verificações múltiplas às acções associadas ao transplante, visando fixar o sistema Mas analisando dados do UNOS 1986 morte de um receptor de coração por incompatibilidade AB morte de um receptor de coração por incompatibilidade AB Recepção de um coração por um paciente de Oregon, grupo 0, de um coração tipo A; o paciente sobreviveu a um segundo transplante 1994 transplante incompatível, o receptor morreu após 10 dias, não tendo havido novo dador Paulo Pereira 17/ /03/09 Paulo Pereira 18/ /03/09 Duke University Hospital 2003 Sarasota Memorial Hospital 2004 Acção correctiva CEO Duke implementação de novas medidas de segurança Auditoria pela CMS e JCAHO Auditoria interna Identificação das áreas críticas Falta de garantia para assegurar a compatibilidade Fraca coordenação entre o Duke e UNOS Falta de treino e competência dos membros da equipa de transplante Revisão às acções Defesa do erro aleatório erro não evitável Defesa a segurança funciona, usualmente Não sabíamos quais os pontos onde ocorrem ou poderiam ocorrer falhas Porque não aprendemos com os casos anterior do UNOS? 28 de Junho de 2004 morte de um paciente com doença crítica após transfusão de componente AB0 incompatível O hospital relatou o acidente às agências federal e estatal, o estado iniciou uma inspecção no hospital, imediatamente A morte tornou-se pública a 20 de Julho, após publicação em jornal A impressa hospitalar disse a amostra usada para crossmatch foi etiquetada incorrectamente Como poderão os nossos laboratórios responderem a acontecimentos como o do Duke University Hospital? Estaremos inconscientes perante estes acontecimentos Verificação das práticas de identificações do paciente e amostra pelos auditores do nosso laboratório Nada: nunca seremos capazes de eliminar os erros associados a identificação com origem em recursos humanos a desempenharem funções que não as suas Paulo Pereira 19/ /03/09 Paulo Pereira 20/ /03/09 5

6 Sarasota Memorial Hospital 2004 Sarasota Memorial Hospital 2004 Acção correctiva Se um paciente não estiver registado no sistema do banco de sangue, será necessário segunda colheita para cross match Todas as amostras colhidas para tipagem ou cross match, terão de ser verificadas por dois profissionais do hospital Campanha do hospital para instruir a equipa de funcionários em guias para segurança a pacientes, procurando prevenir erros em transfusões sanguíneas Após o erro o hospital afirmou publicamente Ir ao banco de sangue para doar sangue, salvará tempo ao doente, numa situação de emergência Não existe outro hospital no país com segurança tão agressiva no que respeita à identificação e etiquetagem de amostras de sangue Revisão às acções Medidas de segurança agressivas, sinónimo de eliminação do risco de erro? Informação ao público pouco clara? O hospital publicou relatórios onde efectuava verificação AB0 aleatória em indivíduos saudáveis! Paulo Pereira 21/ /03/09 Paulo Pereira 22/ /03/09 Maryland General Hospital 2004 Maryland General Hospital 2004 Mais de 450 resultados duvidosos de HIV e HCV foram reportados pelo laboratório entre Junho de 2002 e Agosto de 2003 O laboratório parou de fazer estes ensaios em Agosto de 2003 O equipa laboratorial alegadamente não cumpria as recomendações do fabricante A equipa laboratorial alegadamente cancelou ou falsificou dados de CQ, os quais indicavam erro na performance dos ensaios Kristen Turner, ex-profissional do laboratório, acredita que a sua infecção a HIV e HCV teve como causa práticas laboratoriais pobres Turner notificou o hospital, em Dezembro de 2003, de erros que causariam resultados inexactos Turner pediu indemnização por danos ao hospital, ao fabricante do sistema de ensaio e ao director do laboratório, no valor de $ ( ) Em Janeiro de 2004, foram notificados vários milhares de pacientes para novos ensaios Paulo Pereira 23/ /03/09 A gestão do laboratório passou a ser feita pela Park City Solutions O CEO do hospital e os directores médicos e administrativos renunciaram Mas há mais A administração hospitalar identificou repetidamente o autómato dos ensaios, como fonte primária de resultados inexactos Similarmente, a equipa técnica laboratorial havia sido embaraçada publicamente por fornecimento de resultados errados Memorandos internos ao laboratório demonstravam dúvidas operativas, por parte dos técnicos Profissionais particularmente da química clínica Falhas nos testes de proficiência Falhas nos estudos de validação para o autómato em questão Os profissionais tinham ordem para não discutir os problemas com os inspectores Paulo Pereira 24/ /03/09 6

7 Maryland General Hospital 2004 Maryland General Hospital 2004 História da acreditação Queixa decorrente de inspecção surpresa pelo estado em Novembro de 2002 Inspecção CAP em Abril de 2003: laboratório acreditado com distinção Queixa decorrente de inspecção pelo estado em Janeiro de 2004 Tanto os inspectores do CAP como do estado, identificaram deficiências na gestão do laboratório e na garantia da qualidade, não tido trocado informações até queixa em Dezembro de 2003 Em Março de 2004 foi revista a acreditação por parte do CLIA e estado, tendo sido retirada ao laboratório Em Abril de 2004 foi realizada inspecção pelo CAP, tendo sido retirada a acreditação para a química clínica e POCT Paulo Pereira 25/ /03/09 Acção correctiva O CMS (Center for Medicare and Medicaid Services) colocou o laboratório sob juridição da Mariland State Agency Ao hospital foi requisitado um plano de correcção e evidência credível do seu cumprimento Revisão às acções ( Rep. Cummings acções) Espera-se que o relatório conduza a duas ou Paulo Pereira 26/ /03/09 Portugal Especicações de Métodos Baseadas na Evidência? = 0 (zero) ocorrências???? = + ocorrências???? = desconhecimento, sem tomada de acções correctivas, preventivas, com potencial prejuízo para a qualidade de vida dos doentes O que é medicina com base na evidência? O propósito da medicina com base na evidência ( Evidence-Based Medicine ) é a demonstração e documentação das melhores práticas médicas, na base de estudos publicados e no consenso de peritos. Níveis de evidência (Sacks DB, Bruns DE, Goldstein DE, Maclaren NK, McDonald JM, Parrott M. Guidelines and recommendations for laboratory analysis in the diagnosis and managementof diabetes mellitus. Clin Chem 2002;48: ) A evidência associada ao estabelecimento de especificações para a precisão, A. Evidência clara de experimentação aleatória exactidão controlada, e CQ laboratoriais surgirá no adequadamente potente, bem conduzida, generalizável, nível E nível inferior B. Evidência assente em estudos cohort conduzidos adequadamente C. Evidência assente em estudos de baixo controlo ou não controlados D. (ainda não definido) E. Consenso de peritos com base na experiência clínica Paulo Pereira 27/ /03/09 Paulo Pereira 28/ /03/09 7

8 Especicações de Métodos Baseadas na Evidência Especificações para avaliação da performance do método (precisão, inexactidão) Específicas Quantitativas Especificações para CQI Número de ensaios do controlo quantos? Aplicação de regras de controlo quais? Evidências Qualidade requerida para o ensaio Variabilidade pré-analítica (variabilidade biológica) Variabilidade analítica (imprecisão e inexactidão Características de rejeição (P fr, P ed ) Quality by design cartas OPSpecs Os ensaios são sempre pedidos de acordo com o interesse ao diagnóstico ou follow-up? E se não forem? (custo risco para o doente NEXUS ) Qual a relação temos entre o laboratório e os médicos? Que formação é administrada? Goldschmidt H. The NEXUS vision: an alternative to the reference value concept. Clin Chem Lab Med, No. 07/2004. Fase pré-pré-analítica Decisão médica para o interesse num resultado, indicação do momento da colheita Fase pré-analítica Fase-analítica Fase-pós analítica Fase pós-pós-analítica Se houver comprometimento da fase pré-pré-analítica, potenciarse-á o não cumprimento da fase pós-pós-analítica. Decisão de actos médicos em função do resultado e do estado do doente Paulo Pereira 29/ /03/09 Paulo Pereira 30/ /03/09 NEXUS 62.4 a 86.7% dos erros ocorrem nas fases pré e pós-analíticas!!! NEXUS Ilação: a gestão da qualidade na fase clínica não é garante da qualidade laboratorial é crítica a manutenção de um sistema de gestão da qualidade eficaz Paulo Pereira 31/ /03/09 Paulo Pereira 32/ /03/09 8

9 Lean Exemplo laboratorial: não execução de ensaios com baixo número de pedidos (atendendo se é critico e está montado ou fora da organização), manutenção de ensaios com alto número de pedidos, dispensar funcionários que comprometam a missão, conservar os melhores profissionais, etc. Lean 5S ( House Keeping ) Organização do laboratório em função dos interesses dos clientes Toyota 1983 Metodologia de melhoria focada na redução do desperdício (tempo, recursos) numa operação ou num processo de produção. Em conjunto com, fornece um modelo que visa a melhoria aos níveis da eficiência e qualidade. Exemplos de pontos onde poderá acontecer desperdício Macro processos Micro processos Processos Procedimentos (actividades) (ensaios) Gestão de recursos materiais (manutenção de inventários) Gestão de recursos humanos (competência para o desempenho, número de funcionários, produtividade, interesse) Paulo Pereira 33/ /03/09 Seiri Dar ordem a todos os elementos (remover o que não for necessário e conservar o que é necessário) Seiton Organização própria (colocar os elementos de tal modo que possam ser facilmente usados, sempre que requisitados) Seiso Limpeza (manter todos os elementos limpos e brilhantes, sem lixo no local de trabalho) Seiketsu Pureza (manter a limpeza após limpeza limpeza perpétua) Shitsuke Compromisso (não faz parte do 4S, sendo forma de ensinar e uma atitude típica para todo o empreendimento, visando inspirar o orgulho e a adesão aos padrões estabelecidos para os quatro componentes) Caso não exista compromisso por parte de toda a equipa de trabalho, dos os outros Ss poderão ficar comprometidos - forte associação à cultura da organização Manutenção de processos e procedimentos sem factores residuais (não importantes, podendo significar compromisso, despesa) Paulo Pereira 34/ /03/09 8 desperdícios Lean TIM WOODS Considerar-se-ão 8 Desperdícios no Lean ( TIM WOODS ): T Transporte Movimento de pessoas, produtos e informação I Inventário Conservação de partes, peças, documentação acima da exigida M Movimento Dobrar, rodar, alcançar, levantamento W Espera ( waiting ) Para partes, informação, instruções, equipamento O Excesso de Produção ( over production ) Produzir além do que for necessário no imediato O Sobre-processamento over processing Tolerâncias mais apertadas ou materiais mais elevados na classe do que for necessário D Defeitos Re-processamento, lixo, documentação incorrecta S Competências ( skills ) Sub-utilização de potencialidades, tarefas delegadas com treino inadequado Paulo Pereira 35/ /03/09 Motorola 1980 Metodologia de melhoria focada na redução de erros. Em conjunto com Lean, fornece um modelo que visa a melhoria aos níveis da eficiência e qualidade. Parte do valor acrescentado pelo cabe na possibilidade de se poder comparar performance de qualidade entre diferentes instituições world class quality - 3,4 Defeitos Por Milhão de Oportunidades (DPM) ou performance Os seguintes exemplos facilitam a compreensão da avaliação do erro, numa estratégia, ao nível de organizações que visam a excelência: 1. A gestão de bagagens aéreas apresenta 0,4 % de erro, ou DPM, o que corresponde a um processo 4,15 sigma; 2. A segurança aérea apresenta um nível muito baixo de fatalidade 0,43 mortes por milhão de voos, o que é superior a processo 6 sigma; 3. A performance normalmente esperada aos níveis do negócio e indústria é sugerida ser 4 sigma; 4. A melhoria para conduzir um processo a performance 5 sigma é considerada melhoria significativa, sendo frequentemente considerada como o primeiro nível a atingir num programa ; 5. A produção de pneus da Firestone para o Ford Explorer estava ao nível 5 sigma, de acordo com o nível de acidentes conhecido pela imprensa. Paulo Pereira 36/ /03/09 9

10 Combinação 3S Desvio ( shift ) Se a tendência central dum processo estiver fora das especificações dos limites, estando a dispersão da distribuição dentro desses limites, ter-se-á que desviar o processo para dentro desses limites Encolher ( shrink ) Se a tendência central do processo estiver dentro dos limites, estando a dispersão da distribuição além desses limites, encolher-se-á o processo dentro destes limites Estabilização ( stabilise ) Se a tendência central e a distribuição estiverem como desejado, estabilizar-se-á o processo por monitorização, padronização, documentando-o Aplicável, não só à fase analítica (modelo de Westgard)! Aplicação à monitorização e melhoria de todos os processos (fases pré e pós analítica). Modelos DMAIC estruturação de uma estratégia de orientação de dados da qualidade, melhorando processos, é uma parte integral de uma iniciativa de qualidade. DMAIC é um acrónimo com 5 fases interligadas: defina ( define ), meça ( measure ), analise ( analyze ), melhore ( improve ) e controle ( controlo ). Cada passo processo cíclico DMAIC terá de garantir os melhores resultados possíveis. DMAIC Defina o cliente, o seu interesse, do crítico ao da qualidade (CTQ), e o processo core business envolvido Defina quem são os clientes, quais os seus requisitos para produtos e serviços e quais são as suas expectativas Defina os limites do processo - o iniciar e parar do processo Defina o processo a ser melhorado através do desenho de um fluxo de processo Paulo Pereira 37/ /03/09 Paulo Pereira 38/ /03/09 Modelos DMAIC Meça a performance do processo core business envolvido Desenvolva um plano de recolhe de dados do processo Recolha de dados de várias fontes visando a determinação de tipos de defeitos e métricas Compare os resultados da avaliação do cliente para determinar o défice DMAIC Analise os dados obtidos, assim como o mapa do processo para determinar as causas-raíz dos defeitos e oportunidades de melhoria Identifique falhas enntre a performanca actual e a performance alvo Dê prioridade as oportunidades de melhoria Indentifique fontes de variação DMAIC Melhore o processo alvo através da inclusão de soluções criativas, que fixem o processo e previnam falhas Crie soluções inovadores usando tecnologia e disciplina Desenvolva e aplique plano de implementação Modelos DMAIC Controle as melhorias de forma a manter o processo no seu novo curso Previna o retorno ao velho modo Requeira o desenvolvimento, a documentação e a execução de um plano de supervisão Institucionalize as melhorias com a modificação dos sistemas e das estruturas (equipar, treinar, incentivar) DMADV (ou DMEDI ou DFSS) Estruturação de uma estratégia de orientação de dados da qualidade, melhorando processos, é uma parte integral de uma iniciativa de qualidade. DMAIC é um acrónimo com 5 fases interligadas: defina ( define ), meça ( measure ), analise ( analyze ), desenhe ( design ) e verifique ( verify ). Paulo Pereira 39/ /03/09 Paulo Pereira 40/ /03/09 10

11 DMAIC DMAIC Diagrama SIPOC Diagrama de Afinidade Diagrama Causa-Efeito Análise Valor Acrescentado/Valor Não Acrescentado Cause-Efeito (CE)/Análise de Matriz X-Y Análise do efeito do tipo de falha (FMEA) Diagrama Causa-Efeito Média, Moda, Medina Escala (R) e Desvio Padrão (Ϭ) Auditoria a dados Atribuição de análise de medição Repetibilidade e reprodutibilidade Gaussianas Gráfico de pontos/histogramas Caixa de Bigodes Gráficos de dispersão (X-Y) Cartas de Corrida/Comportamento Métrica do Rendimento (Y, FTY, RTY) Métrica da Taxa de Defeitos (DPU, FPO, DPMO, DPPM) Sigma Score(Z) wwwhttp://www.isixsigma.com/sixsigma/six_sigma_calc ulator.asp C p, C pk, P p, P pk Paulo Pereira 41/ /03/09 Paulo Pereira 42/ /03/09 DMAIC Sigma Experiências I MR Factoriais 2 k Dados Contínuos: I MR X R Cartas X S Atributos: Cartas p,u Paulo Pereira 43/ /03/09 Paulo Pereira 44/ /03/09 11

12 Diagrama de Causa-Efeito A associação do diagrama de causa-efeito é crucial Poka-Yoke Origem Nipónica. Acção tomada para remover ou diminuir, significativamente, oportunidades de erro, ou, torná-los tão evidentes, que dificulte a sua chegada ao cliente. Sub-subcausa 1 Prevenção Prevenção da ocorrência do erro ou torná-lo impossível Detecção Detecção do erro ou garantia que o erro não se traduz em defeito Paulo Pereira 45/ /03/09 Paulo Pereira 46/ /03/09 Lean George ML. Lean Six Sigma for Service. McGraw-Hill, New York, 2003 Os métodos Lean e apresentam complementaridades, reforçandose mutuamente Lean permite a maximização da velocidade de um processo Fornece ferramentas que permitam a análise do fluxo e identificação de atrasos para cada actividade do processo Assenta na separação de valores acrescidos e valores não acrescidos, empregando ferramentas para a eliminação de causas de raiz nas actividades de valor não acrescido, bem como, a eliminação do seu custo Fornece meios para a quantificação e eliminação Automatização do custo e computorização associado àno laboratório proporciona redução da complexidade complexidade Redução dos custos do serviço em 30 a 60% Melhoria do tempo de entrega em 50% Aumento da capacidade em 20% Lean 5 Leis Lean/ Lei 0: Lei do Mercado A crítica do cliente à qualidade define a qualidade, sendo a maior prioridade para a melhoria, seguida do retorno do capital investido (ROIC) e pelo valor da rede presente (também denominada lei Zeroth, sendo a base em que outras são construídas) Lei 1: Lei da Flexibilidade A velocidade de qualquer processo é proporcional à flexibilidade do processo Lei 2: Lei do Foco 20% das actividades num processo causam 80% do atraso (associada o Princípio de Pareto) Lei 3: Lei da Velocidade A velocidade de qualquer processo é inversamente proporcional à quantidade de trabalho-em-processo (WIP) Lei 4 A complexidade dum serviço ou de um produto acrescentam mais custo, sem valor acrescentado, e WIP, pior que em situaçõesproblemas de processos associados a pobre qualidade (baixo Sigma) ou baixa velocidade (não-lean) Paulo Pereira 47/ /03/09 Paulo Pereira 48/ /03/09 12

Métricas do Seis Sigma

Métricas do Seis Sigma Métricas do Seis Sigma Por Cristina Werkema A redução da variabilidade de produtos e processos e a eliminação dos defeitos ou erros resultantes dessa variabilidade merece grande ênfase no Seis Sigma. O

Leia mais

Desenho do Controlo de Qualidade

Desenho do Controlo de Qualidade Desenho do Controlo de Qualidade Instituto Português do Sangue Centro Regional de Lisboa Serviço de Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Laboratorial em Saúde 7 de Dezembro de 006 a 9 de Março de 007

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Objectivos do Curso. No final deste os alunos deverão: Identificar os principais objectivos associados à implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade (SGQ) Compreender

Leia mais

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre

Plano de Formação - 2011. Form + Lab. 2 Semestre Plano de Formação - 2011 Form + Lab 2 Semestre Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização e formação dos seus colaboradores dando resposta

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaborador: ENGENHARIA DE PROCESSOS NO LABORATÓRIO CLÍNICO Fernando de Almeida Berlitz. Farmacêutico-Bioquímico (UFRGS). MBA Gestão Empresarial e Marketing (ESPM). Lean Six Sigma Master Black Belt.

Leia mais

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009

NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO. Maria João Acosta 2009 NUM LABORATÓRIO DE CITOMETRIA DE FLUXO Maria João Acosta 2009 O que é um SGQ? É uma estrutura organizacional, com políticas, recursos, processos e procedimentos definidos que visam alcançar um determinado

Leia mais

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015

CATÁLOGO DE FORMAÇÃO ACTIO 2015 Catálogo de Formação ACTIO 2015 Lean - Nível Executivo Lean Production Executivo Manutenção Lean Executivo Six Sigma - Champion Lean - Nível Master Lean Production Master Manutenção Lean Master Lean nos

Leia mais

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS.

Módulo 2. Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Módulo 2 Identificação dos requisitos dos sistemas de medição, critérios de aceitação e o elemento 7.6 da ISO/TS. Conteúdos deste módulo Discriminação Decomposição da variação do sistema de medição Variação

Leia mais

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro

Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar. Brandão Guerreiro Como implementar um sistema de gestão da qualidade. Requisitos da segurança alimentar Hotel Cinquentenário Fátima, 05 de Abril de 2008 Índice Abordagem por processos Requisitos da documentação Política

Leia mais

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz

Desempenho da Fase Analítica. Fernando de Almeida Berlitz Indicadores de Desempenho da Fase Analítica Fernando de Almeida Berlitz Ishikawa Estratégia e Medição PARA QUEM NÃO SABE PARA ONDE VAI, QUALQUER CAMINHO OS SERVE... Processos PROCESSOS Não existe um produto

Leia mais

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os Formação Interempresas 2016 11 Formação Interempresas 2016 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os desperdícios,

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

Competências Farmacêuticas Indústria Farmacêutica Versão 23.xi.15

Competências Farmacêuticas Indústria Farmacêutica Versão 23.xi.15 Competências Farmacêuticas Indústria Farmacêutica Versão 23.xi.15 Competência* Conteúdos*1 *3 a que se candidata + E a que se candidata + E a que se candidata + E a que se candidata + E Tipo de Competência*2

Leia mais

Six Sigma: Uma ferramenta de gestão

Six Sigma: Uma ferramenta de gestão Six Sigma: Uma ferramenta de gestão de 1.) Introdução Estratégia de gestão que procura melhorar a qualidade dos outputs de um processo, através da identificação e eliminação das causas dos defeitos e variação,

Leia mais

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva Estratégia Seis Sigma Livre Docente em Engenharia da Qualidade (UNESP) Engenheiro Industrial Químico (FAENQUIL- EEL/USP) Certified Quality Engineer (American Society for Quality-ASQ-USA) Pós-graduado em

Leia mais

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM

Ciclo de Formação e Treino em Manutenção e TPM Manutenção e A MANUTENÇÃO O PILAR ESSENCIAL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS Não seria excelente se existisse um sistema de manutenção que reparasse o seu equipamento antes de ele avariar? Sim, pois quando os equipamentos

Leia mais

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil

Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Assistência técnica em genética forense: esferas de atuação e o mercado de trabalho no Brasil Maria Elizabeth Menezes,MSc,Ph.D MELMENEZES2001@YAHOO.COM A assistência técnica na área de genética forense

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos. Gestão da Qualidade 2005 ISO 9001:2001 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade 2005 Estrutura da Norma 0. Introdução 1. Campo de Aplicação 2. Referência Normativa 3. Termos e Definições 4. Sistema de Gestão

Leia mais

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA

Certificação ISO. Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Certificação ISO Dificuldades, vantagens e desvantagens. Marcelo Henrique Wood Faulhaber, Med. Pat. Clin., MBA Avanços em Medicina Laboratorial UNICAMP 2012 Introdução à Qualidade Não existem laboratórios

Leia mais

O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos

O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos Livraria Virtual PMI 2009 Project Management Institute O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos Por Shobhit Shrotriya Resumo Toda organização enfrenta a difícil tarefa de executar projetos que

Leia mais

A Profitability Engineers

A Profitability Engineers CATÁLOGO DE FORMAÇÃO A Profitability Engineers Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria qualidade e da produtividade; Somos

Leia mais

Balanced Scorecard e a

Balanced Scorecard e a Sessões de Trabalho Balanced Scorecard e a Execução Estratégica Programa de 3 dias de Treino Inscrições até 31/Março = 375 + IVA Inscrições até 11/Abril = 750 + IVA Local: Armazém SYV (em Lisboa, na Junqueira)

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DE QC PARA TESTES POINT-OF-CARE Tradução literal *Sarah Kee

CONSIDERAÇÕES DE QC PARA TESTES POINT-OF-CARE Tradução literal *Sarah Kee CONSIDERAÇÕES DE QC PARA TESTES POINT-OF-CARE Tradução literal *Sarah Kee O teste para o paciente está cada vez mais sendo realizado no de cabeceira. Na verdade, a disponibilidade de testes point-of-care

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas:

O serviço Elaboramos propostas de formação de acordo com as reais necessidades dos laboratórios, sugerindo os seguintes temas: Form + Lab O que é? O Form + Lab é um serviço de formação criado para apoiar os laboratórios na valorização dos seus colaboradores e na resposta às necessidades do Sistema de Gestão da Qualidade. Recorrendo

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS

LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS LEAN APLICADO À CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING SUPPLY CHAIN (INCLUI LOGÍSTICA) 2 2 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING 3 INTRODUÇÃO AO LEAN MANUFACTURING Pensar fora da caixa... Lean

Leia mais

Estudo. Hospitais Emergência (1984)

Estudo. Hospitais Emergência (1984) 1. Introdução A partir da segunda metade do século XX é possível constatarmos um acentuado desenvolvimento tecnológico na área médica, sobretudo no que diz respeito ao diagnóstico e à terapia. Além disso,

Leia mais

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos

Estrutura da Norma. 0 Introdução 0.1 Generalidades. ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos ISO 9001:2008 Sistemas de Gestão da Qualidade Requisitos Gestão da Qualidade e Auditorias (Mestrado em Engenharia Alimentar) Gestão da Qualidade (Mestrado em Biocombustívies) ESAC/João Noronha Novembro

Leia mais

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795

Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 3as Jornadas APHH 1 Norma aplicada ao Vestuário para Bloco Operatório EN 13795 Alexandra Coelho 2 Fabrico de Dispositivos Médicos PME Líder ISO 9001 ISO 13485 Marcação CE, Dispositivos Médicos classe I

Leia mais

Vital para a Competitividade da sua Organização

Vital para a Competitividade da sua Organização ISO 27001 Segurança da Informação Vital para a Competitividade da sua Organização Quem Somos? Apresentação do Grupo DECSIS Perfil da Empresa Com origem na DECSIS, Sistemas de Informação, Lda., fundada

Leia mais

Política de Segurança da Informação da Entidade

Política de Segurança da Informação da Entidade Estrutura Nacional de Segurança da Informação (ENSI) Política de Segurança da Informação da Entidade Fevereiro 2005 Versão 1.0 Público Confidencial O PRESENTE DOCUMENTO NÃO PRESTA QUALQUER GARANTIA, SEJA

Leia mais

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional

O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional 1 O Seis Sigma como apoio a Estratégia Organizacional Andre Rodrigues da SILVA 1 Introdução A produção em massa revolucionou a fabricação na metade do século XIX e esta filosofia foi explorada por grandes

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE COORDENAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO: Prof.ª Doutora Florbela Correia Mestre/Especialista José Carlos Sá PLANO Listagem das Unidades Curriculares CONTROLO ESTATÍSTICO DO PROCESSO...

Leia mais

Sistema Nacional de Vigilância dos Dispositivos Médicos. Raquel Alves Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde

Sistema Nacional de Vigilância dos Dispositivos Médicos. Raquel Alves Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde Sistema Nacional de Vigilância dos Dispositivos Médicos 1 Raquel Alves Unidade de Vigilância de Produtos de Saúde Vigilância pós mercado RISCO CLASSIFICAÇÃO INVESTIGAÇÃO CONCEPÇÃO NORMALIZAÇÃO SUPERVISÃO

Leia mais

6 Sigma ENTENDENDO O. Curso e- Learning

6 Sigma ENTENDENDO O. Curso e- Learning Curso e- Learning ENTENDENDO O 6 Sigma Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa do autor. Objetivos do Curso Este

Leia mais

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade

Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six Sigma e de Gestão da Qualidade Página 1 de 6 NOTÍCIAS CARREIRAS & GESTÂO CURSOS & SEMINÁRIOS LIVROS DANÇA DAS CADEIRAS PESQUISAS COMPRAS ENTREVISTAS EM VÍDEO LAZER & TURISMO HOME Artigos Comparando as metodologias Lean Enterprise, Six

Leia mais

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria

Preço da Venda. Custo operacional Preço de venda Melhoria Prof. Marcio Santos Antigamente Custo Operacional Preço da Venda Lucro Hoje Custo Operacional Preço de Mercado Lucro O mercado determina o preço! Custo operacional Preço de venda Lucro Melhoria Não me

Leia mais

A importância da Metrologia na Área da Saúde HPP ALGARVE, SA

A importância da Metrologia na Área da Saúde HPP ALGARVE, SA A importância da Metrologia na Área da Saúde HPP ALGARVE, SA Elaborado: Eng.ª Silvia Rodrigues 1 APRESENTAÇÃO Elaborado por: Silvia Rodrigues 2 Sistema de Gestão da Qualidade Príncipio da HPP Saúde: Implementar

Leia mais

Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial

Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial Programa de Indicadores Laboratoriais Sociedade Brasileira de Patologia Clínica Medicina Laboratorial Dr. Wilson Shcolnik set 2009 AGENDA Por que o programa surgiu? Como ele funciona? Quais os resultados

Leia mais

Acreditação de laboratórios. Validação de métodos. nº 10 julho/2005

Acreditação de laboratórios. Validação de métodos. nº 10 julho/2005 nº 10 julho/2005 Acreditação de laboratórios O diretor de Acreditação da SBPC/ ML, Guilherme de Oliveira, e o gerente Técnico do PALC, Ismar Barbosa, explicam o que é acreditação de laboratório, suas vantagens

Leia mais

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003

Curso de Auditorias da Qualidade Internas Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Curso de Metodologias e Práticas NP EN ISO 19011:2003 Objectivos: Os formandos no fim do curso devem: Dispor de conhecimentos técnicos e metodológicos sobre o modo de desenvolvimento de uma Auditoria da

Leia mais

A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos

A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos A qualidade dos dados digitalizados: padrões e procedimentos Rui Figueira Museu Nacional de História Natural e CERENA Centro de Recursos Naturais do IST Objectivo Reflectir e discutir os princípios de

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (LIGAÇÃO AOS SGAs)

SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (LIGAÇÃO AOS SGAs) por SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE (LIGAÇÃO AOS s) por Evolução da Inspecção Controlo de Garantia de TC 176 Gestão da Inspecção Planeamento Análise de Resultados Acções Preventivas Controlo da Correctivas

Leia mais

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais.

Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. Enterprise Asset Management [EAM] Maximize o retorno sobre os ativos empresariais. No atual cenário econômico, organizações do mundo inteiro enfrentam uma pressão enorme para gerir seus ativos proativamente

Leia mais

Formação Interempresas 2015

Formação Interempresas 2015 Formação Interempresas 2015 1 1 Formação Interempresas 2015 As ferramentas e metodologias seleccionadas têm como objectivo apoiar as organizações a adquirir conhecimentos que lhes permitam eliminar os

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA

FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA FUNDAMENTOS DA EMPRESA ENXUTA Prof. Darli Rodrigues Vieira darli@darli.com.br O QUE ESTÁ POR TRÁS DA IDÉIA DE EMPRESA ENXUTA? ELIMINAÇÃO DE TODO TIPO DE DESPERDÍCIO NO SUPPLY VELOCIDADE FLEXIBILIDADE QUALIDADE

Leia mais

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000

COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 COMO INTEGRAR O SEIS SIGMA À ISO 9000:2000 The Informed Outlook Quando se trata de satisfazer os requisitos da ISO 9001:2000, Sistemas de gestão da qualidade - Requisitos, o Seis Sigma tem potencial para

Leia mais

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade

Gestão da Qualidade. Gestão da. Qualidade Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade 1621131 - Produzido em Abril/2011 Gestão da Qualidade A Gestão da Qualidade é um modelo de mudança cultural e comportamental, através de uma liderança persistente

Leia mais

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO

NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NP EN ISO 9001:2000 LISTA DE COMPROVAÇÃO NIP: Nº DO RELATÓRIO: DENOMINAÇÃO DA EMPRESA: EQUIPA AUDITORA (EA): DATA DA VISITA PRÉVIA: DATA DA AUDITORIA: AUDITORIA DE: CONCESSÃO SEGUIMENTO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Uma plataforma estratégica

Uma plataforma estratégica Publicado: Fevereiro 2007 Autor: Rui Loureiro Sénior Partner Implementar o Help Desk Quando simplesmente pensamos em implementar um Help Desk, isso pode significar uma solução fácil de realizar ou algo

Leia mais

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA EM PROJETOS PONTUAIS EM EMPRESA DE PEQUENO PORTE

APLICAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA EM PROJETOS PONTUAIS EM EMPRESA DE PEQUENO PORTE XIV CONGRESSO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA MECÂNICA Universidade Federal de Uberlândia Faculdade de Engenharia Mecânica APLICAÇÃO DA METODOLOGIA SEIS SIGMA EM PROJETOS PONTUAIS EM EMPRESA DE PEQUENO

Leia mais

Otimização. Processos I

Otimização. Processos I Saiba Como o Six Sigma Convive com Outras Metodologias de Gestão e Como Otimização Alinhadas Podem Promover de a Otimização de Processos e Resultados Expressivos Processos I Alberto Pezeiro pezeiro@setadg.com.br

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE NA SAÚDE

GESTÃO DA QUALIDADE NA SAÚDE GESTÃO DA QUALIDADE NA SAÚDE Jairo Siqueira¹ RESUMO Este artigo apresenta a aplicação das técnicas e ferramentas da Gestão da Qualidade na melhoria de processos em seis hospitais públicos. Aborda a estratégia

Leia mais

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS

SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA QUALIDADE PARA ÁFRICA OCIDENTAL SUPORTE A COMPETITIVIDADE E HARMONIZAÇÃO DOS ACORDOS OTC E SPS SEGURANÇA ALIMENTAR PORQUÊ UMA NORMA ISO DE GESTÃO DA SEGURNAÇA ALIMENTAR? 1,5 Bilhões de casos de toxi- infecções alimentares por ano; Uma das causas mais comuns de mortalidade em Países em desenvolvimento;

Leia mais

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss

Lab Management : a tool for competitiveness. Celso Romero Kloss Lab Management : a tool for competitiveness Celso Romero Kloss METROLOGIA NO DIA A DIA A VELOCIDADE DAS MUDANÇAS A aceleração da história é também medido pelo tempo entre a descoberta de um processo tecnológico

Leia mais

Porque sinto alguma obrigação e tenho autoridade para o fazer, escrevo este artigo com o objectivo de clarificar o que envolve um sistema LIMS.

Porque sinto alguma obrigação e tenho autoridade para o fazer, escrevo este artigo com o objectivo de clarificar o que envolve um sistema LIMS. LIMS UNLEASHED Armando Campos Granja (engenheiro químico) 1 - INTRODUÇÃO Ao invés de quase todas as outras actividades, os laboratórios de ensaios têm um sistema padronizado para a sua informatização.

Leia mais

Copyright Alberto W. Ramos 1. Breve Histórico do 6 Sigma

Copyright Alberto W. Ramos 1. Breve Histórico do 6 Sigma Copyright Alberto W. Ramos 1 Breve Histórico do 6 Sigma Criado pela Motorola na década de 80; Adotado mundialmente por diversas empresas: Allied Signal, General Electric, Polaroid, Asea Brown Boveri, Kodak,

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE APLICADOS AO LABORATÓRIO DE SOROLOGIA - ESTRATÉGIAS PARA CUMPRÍ-LOS - TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES - FLUXOS MAIS APROPRIADOS Vanderléia Bárbaro

Leia mais

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS

TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS TEKTÓNICA, 20 MAIO 2008 GESTÃO AMBIENTAL DE OBRAS www.tterra.pt tp@tterra.pt «Os sistemas de gestão baseiam-se em senso comum (...) os que funcionam melhor são os mais simples.» S.L.Jackson Gestão Ambiental

Leia mais

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA

TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES ALTERAÇÕES QUE PODEM AFECTAR O SISTEMA TRANSIÇÃO DA ISO 9001:2000 PARA ISO 9001:2008 DOCUMENTO SUMÁRIO DE ALTERAÇÕES A nova norma ISO 9001, na versão de 2008, não incorpora novos requisitos, mas apenas alterações para esclarecer os requisitos

Leia mais

ISO 17025 Versão 2005

ISO 17025 Versão 2005 1º Fórum Regional de Química - ES ISO 17025 Versão 2005 Rev. 14 Samuel Vieira JUN/2010 1 Terminologia e Siglas ABNT NBR ISO 9000:2000 Sistemas de gestão da qualidade Fundamentos e Vocabulário ABNT NBR

Leia mais

Qualidade dos Serviços Clínicos

Qualidade dos Serviços Clínicos X Qualidade dos Serviços Clínicos ÍNDICE SECÇÃO I SISTEMAS DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DA QUALIDADE...2 1. Sistema de Gestão da Qualidade...2 2. Sistema de Gestão Ambiental...3 3. Monitorização e avaliação dos

Leia mais

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012

11 Sep 12. Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Curso de Atualização em Boas Práticas de Farmácia Hospitalar Heloisa Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar 2012 Gestão da Farmácia Hospitalar Heloisa Arruda Gomm Barreto Comissão de Farmácia Hospitalar

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Folha Informativa nº 121

Folha Informativa nº 121 Folha Informativa nº 121 VISITA À FUNDAÇÃO CHAMPALIMAUD A AACDN organizou, no passado dia 14 de Junho, mais uma visita Cultural à Fundação Champalimaud. Chegámos à hora marcada: 15H00. Fomos recebidos

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA QUALIDADE

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA QUALIDADE Índice Índice de figuras e tabelas 19 Prefácio 29 CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO À GESTÃO DA QUALIDADE 1. Introdução 35 2. Conceitos da qualidade 36 3. Origem dos principais problemas da qualidade 41 4. Alguns

Leia mais

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke

Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke Seis Sigma Como evitar erros utilizando o Poka-Yoke O Poka-Yoke é uma importante ferramenta na etapa Control do método DMAIC do Lean Seis Sigma. Por Cristina Werkema O Poka-Yoke termo japonês que significa

Leia mais

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias

Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias XIII Simpósio do ISMAI em Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho Qualidade e Gestão do Risco em Saúde Ocupacional: Auditorias Mestre Mariana Neto, DGS, 2008 De acordo com os conceitos mais actuais, a abordagem

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

A FERRAMENTA E O SEU CONTEXTO DEFINE MEASURE ANALYZE IMPROVE CONTROL EM POUCAS PALAVRAS CRANBERRY TOOLBOX: O CICLO D.M.A.I.C.

A FERRAMENTA E O SEU CONTEXTO DEFINE MEASURE ANALYZE IMPROVE CONTROL EM POUCAS PALAVRAS CRANBERRY TOOLBOX: O CICLO D.M.A.I.C. CRANBERRY TOOLBOX: O CICLO D.M.A.I.C. EM POUCAS PALAVRAS As organizações competitivas sabem combinar a prestação de um serviço sem falhas com uma operação cada vez mais eficiente, permitindo-lhes fazer

Leia mais

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática Controle de 2 0 0 7. 1 Qualidade Fundamentos, Aplicação e Prática 1 2 3 4 5 6 7 8 Controle de Qualidade prática O Ensaio de Proficiência (controle externo) e o Controle Interno são ferramentas eficazes

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

SInASE <> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues

SInASE <<TITULO APRESENTAÇÃO>> Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues Lisboa 28 28 de Junho 2011 Museu do Oriente Qualidade Risco em Saúde Carla Gonçalves Pereira Fernando Rodrigues 1º Estudo Nacional 11,1% admissões

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques

NORMAS ISO. Docente: Dr. José Carlos Marques NORMAS ISO Docente: Dr. José Carlos Marques Discentes: Estêvão Andrade Nº. 2089206 Maria da Luz Abreu Nº. 2405797 Teodoto Silva Nº. 2094306 Vitalina Cunha Nº. 2010607 Antes do aparecimento das normas ISO,

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente;

ISO 9000. Padronização de todos os processos que afectam o produto e consequentemente o cliente; ISO 9000 A série ISO 9000 é uma concentração de normas que formam um modelo de gestão da Qualidade para organizações que podem, se desejarem, certificar seus sistemas de gestão através de organismos de

Leia mais

PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX. Lisboa Porto

PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX. Lisboa Porto PROGRAMA JORNADAS BIOMÉRIEUX Lisboa Porto Jornadas biomérieux 2010 Dando continuidade a uma iniciativa que colocamos ao seu dispor desde 1995, temos o prazer de lhe dar a conhecer o programa de acções

Leia mais

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008

Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão. Maio 2008 Integração da Gestão de Risco Operacional noutras Áreas da Gestão Maio 2008 Agenda 1. Risco Operacional a definição 2. Cálculo de capital requisitos regulamentares relação com perfil de risco utilidade

Leia mais

Processos LinCE e LeanOR no CHP. Jornadas dos assistentes técnicos de saúde do Centro Hospitalar do Porto 28.05.2011

Processos LinCE e LeanOR no CHP. Jornadas dos assistentes técnicos de saúde do Centro Hospitalar do Porto 28.05.2011 Processos LinCE e LeanOR no CHP Jornadas dos assistentes técnicos de saúde do Centro Hospitalar do Porto 28.05.2011 1 Processos de Mudança Procurar ser melhor No atendimento; Nas instalações Nas condições

Leia mais

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014

Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal. Principais conclusões APIFARMA CEMD. Outubro 2014 Valor do sector do Diagnóstico in vitro, em Portugal Principais conclusões APIFARMA CEMD Outubro 2014 1 APIFARMA Valor do Sector do Diagnóstico in Vitro, em Portugal Agenda I Objectivos e metodologia II

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

MANUAL DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO Pág. 2 de 16 Se está a receber este documento, isto já significa que é alguém especial para a UEM Unidade de Estruturas Metálicas SA. Convidamo-lo

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

Estratégia Seis Sigma

Estratégia Seis Sigma Estratégia Seis Sigma Transformando oportunidades em resultados para os negócios M. I. Domenech Seis Sigma - Treinamentos Seis Sigma Crescimento Melhoria de Processos - Treinamentos M. I. Domenech Carlos

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR

PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA QUALIDADE PLANO CURRICULAR PLANO CURRICULAR UNIDADES CURRICULARES CARGA HORÁRIA ECTS Controlo Estatístico do Processo Doutora Florbela Correia 32 4 Gestão da Qualidade Mestre José Carlos Sá 24 4 Informática Aplicada a Qualidade

Leia mais

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS APLICAÇÃO DE FERRAMENTAS DA GESTÃO DA QUALIDADE E AMBIENTE NA RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Herlander MATA-LIMA Professor Auxiliar, DME/UMa Web: http://dme.uma.pt/hlima ATENÇÃO Qualquer referência a este documento

Leia mais

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados.

factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. factores a ter em consideração na escolha e implementação DE SISTEMAS DE VISÃO ARTIFICIAL O QUE NECESSITA SABER PARA GARANTIR O SUCESSO 1 Copyright 2010 TST. Todos os direitos reservados. umário O principal

Leia mais

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P

NÍVEIS DE PREVENÇÃO. Ana Catarina Peixoto R. Meireles. Médica Interna de Saúde Pública Unidade Operativa de Saúde Pública P NÍVEIS DE PREVENÇÃO Conceito e Relação com as Funções do Médico de Saúde PúblicaP Ana Catarina Peixoto R. Meireles Médica Interna de Saúde Pública P Unidade Operativa de Saúde Pública P de Braga Reunião

Leia mais

Medições Fiáveis com Dispositivos Médicos

Medições Fiáveis com Dispositivos Médicos Medições Fiáveis com Dispositivos Médicos a importância em saúde Maria Judite Neves IPQ - 2013 1 Dispositivo Médico - Definição Instrumento Aparelho Equipamento Material Artigo Software cujo principal

Leia mais

Ensaios de Proficiência

Ensaios de Proficiência Ensaios de Proficiência Xerém, 01 de Junho de 2007 Thiago de Oliveira Araujo Pesquisador Labin - Dquim Introdução A ISO Guia 43 Preparo das amostras Análise dos dados Conclusões Sumário Introdução Conceitos

Leia mais

Tutorial norma ISO 9001

Tutorial norma ISO 9001 Tutorial norma ISO 9001 Docente: Prof. Dr. José Carlos Marques Discentes-Grupo 3: Luciane F. I. Ramos Fonseca Ana Paula C. Vieira Lúcia Melim Ana Paula Neves Funchal, Maio de 2009 1. CERTIFICAÇÃO DA QUALIDADE

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ

Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ Os Custos de Prevenção e Segurança e a sua Recuperação no Tempo COMUNICAÇÃO DE MANUEL MENDES DA CRUZ INTRODUÇÃO O inesperado é o dia a dia das empresas... Pelo que os gestores têm também de prever o inesperado...

Leia mais

Profitability Engineers 1

Profitability Engineers 1 Profitability Engineers 1 Em Portugal desde 1999, a ProfitAbility Engineers é uma empresa de consultoria e formação, especializada na melhoria da eficácia [qualidade] e da eficiência [produtividade]; A

Leia mais