ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ"

Transcrição

1 ESCOLA DE ENGENHARIA MAUÁ FUNDAMENTOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA ETE 101 Edição 2004 Revista e Elaborada pelo Prof. Rodrigo Cutri Sob coordenação do Prof. Mário Pagliaricci

2 NORMAS E RECOMENDAÇÕES Os alunos de cada turma serão divididos em equipes. O que será feito pelo professor na primeira aula de laboratório. Os alunos escolherão o critério para esse agrupamento, o qual será mantido durante a realização de todos os trabalhos do ano letivo. Cada equipe é responsável, sob todos os pontos de vista pelo equipamento que manuseia. Cada elemento da equipe deverá chegar a aula de laboratório conhecendo o trabalho (assunto da experiência) que vai executar. Para tanto deve antecipadamente estudar o assunto. Será permitida a entrada em aula os alunos que tiverem um atraso justificado máximo de 5 à 10 minutos. LABORATÓRIO ETE 101 2

3 Índice Medições e Erros (EXP 1 )... 4 Medições e Erros Exercícios (EXP 2 ) Multimetros / Resistores / Lei De Ohm (EXP 3 ) Associação De Resistores / Lei De Kirchhoff (EXP 4 ) Apostila : Introdução À Eletricidade Com Pspice Circuitos Lógicos Combinatórios 1 (EXP 5 ) Teorema Da Superposição / Teorema De Norton /Thevenin (EXP 6 ) Circuitos Lógicos Combinatórios_2 (EXP 7 ) Osciloscópio 1 (EXP 8 ) Osciloscópio 2 (EXP 9 ) Portas Lógicas E Comparadores Análise Dc (EXP 10 ) Transistor E Led (EXP 11 ) Transistor Como Chave e Amplificador (EXP 12 ) Ponte De Wheatstone / Relés (EXP 13 ) Relé Comandado Por Desequilibrio De Ponte ( Ldr / Ntc ) (EXP 14 ) Capacitor Excitado Por Degrau (EXP 15 ) Diodo / Diodo Zener / Aplicação (EXP 16 ) Contador Binário De 4 Bits Com Leds / Display (EXP 17 ) Oscilador Chaveado / Contador De Década (EXP 18 ) Contador Binário (EXP 19 ) Flip-Flop Rs / Tipo D / Mux / Demux (EXP 20 ) Bibliografia : LABORATÓRIO ETE 101 3

4 EXPERIÊNCIA 1 ESCOLA DE ENGENHARIA MAUA LABORATÓRIO DE FUNDAMENTOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE INTRODUÇÃO À ELETRICIDADE DEL 485/487 MEDIÇÕES E ERROS TURMA SÉRIE SALA NOME Nº 1.1 DEFINIÇÕES O processo de medição, em geral, envolve a utilização de um instrumento como o meio físico para determinar uma grandeza ou o valor de uma variável. O instrumento atua como extensão da capacidade humana e, em muitos casos, permite que alguém determine o valor de uma quantidade desconhecida, o que não seja realizável apenas pela capacidade humana sem auxilio do meio utilizado. Um instrumento pode então ser definido como o dispositivo de determinação do valor ou grandeza de uma quantidade ou variável, O instrumento eletrônico, como o próprio nome indica, realiza uma função de medição baseado em princípios elétricos ou eletrônicos. Com os avanços tecnológicos, entretanto, a demanda por medidores mais elaborados e mais precisos gera novos desenvolvimentos em projetos e instrumentos e suas aplicações. Pata utilizá-los inteligentemente, os usuários devem compreender seus princípios de funcionamento e saber avaliar sua adequação à aplicação que se pretende realizar. LABORATÓRIO ETE 101 4

5 E tendência comum ao iniciante aceitar as indicações dos instrumentos de medição sem uma avaliação critica. Ele não está alertado para o fato de que a precisão das indicações não garante necessariamente a exatidão. De fato, uma boa técnica de medição é exercer um contínuo ceticismo em relação à exatidão dos resultados. A boa prática exige, em trabalhos críticos, que o observador deva executar um conjunto de medições independentes, usando instrumentos diferentes ou técnicas diferentes de medições, que não estejam sujeitas aos mesmos erros sistemáticos. E ainda necessário assegurar-se de que os instrumentos estejam operando normalmente, que estejam calibrados com referência a algum padrão conhecido, e que nenhuma influência externa esteja afetando a exatidão da medição. O objetivo deste estudo é rever alguns conceitos estudados no secundário e geralmente não compreendidos. Instrumentos de ponteiro LABORATÓRIO ETE 101 5

6 Deflexão de fim de escala Precisão : é a propriedade do instrumento fornecer o valor mais próximo possível do valor real da grandeza. Esta relacionado com o número de algarismos significativos que podem ser obtidos. Deve-se atentar que geralmente a precisão de um instrumento é dada em porcentagem de seu valor máximo (fim de escala) assim devemos levar esse fato em consideração ao efetuarmos qualquer medida. Ex : 100 V ( fim de escala ) Precisão : 1% Se lermos 90 V qual o intervalo de confiança para a medida? Intervalo de confiança corresponde ao intervalo correspondente a faixa de valores aceitáveis à medida dentro da precisão realizada. Assim, 90 V +- 1% de 100 V, logo 89 à 91 V, observamos que qto mais perto do fim de escala for efetuada a leitura menor o erro percentual da medida. 1 ) Prefixos : são termos que indicam ordem de grandeza T Terá 10 9 G Giga 10 6 M Mega 10 3 k Kilo 10-3 m mili µ - micro η - nano p pico f femto a atto 2 ) Unidades : em engenharia elétrica utilizam-se quase que exclusivamente as unidades do sistema internacional ( exceções : KWhora killowatt-hora ), entretanto pela necessidade de comunicação com engenheiros de outras áreas é necessário aprender a transformar unidades, esta transformação é muito simples e consiste em substituir as unidades uma a uma : exemplos a) a cotação do ouro é 375 dólares/onça transformar em real/grama, sabe-se que 1 lb = 16 onças = 453 g, 1 dólar = 1,12 reais LABORATÓRIO ETE 101 6

7 375 US$ / oz = 375 * 1,12 R$ / (1/16) lb = 14,8 R$ / g b) C=0,18 Kg/(HP.h) transformar em Kg/J 1 HP =746 W C= 0,18 Kg / (HP.h) * 1 Kg / (746 J/s s) = Kg/J c) 1, Kcal/h transformar em W 1 cal = 4,186 J 1 W = 1 J/s 1, Kcal/h * 4,186 J / 3600 s = 1390 kw d) ρ Cu = 17,5 * 10-3 Ω.mm 2 / m transformar em Ω.m 17,5 * 10-3 Ω.mm 2 / m * 10-6 m 2 /1 mm 2 = 17,5 ηω.m 3) Algarismos significativos calcular o volume da chapa : ( desenhar a figura ) Altura : 1221 mm / Largura : 1,3 mm / Comprimento : 215 mm Ao escrecer um número é muito comum indicar algarismos que não tem o mínimo significado. Vamos analisar este problema através do exemplo abaixo : 1º Processo : (incerteza ) V = 1221 * 215 * 1,3 = ,5 = 0,34*10 6 mm 3 2º Processo : ( correto mas muito trabalhoso ) ,5 < x < 1221, ,5 < y < 215,5 1,3 1,25 < z < 1,35 Vmin = 1220,5 * 214,5 * 1,25 = ,5625 Vmax = 1221,5 * 215,5 * 1,35 = , ,5625 < V < ,8875 resp. 0,34 * 10 6 mm 3 ( 2 algarismos significativos [ pior dado] ) LABORATÓRIO ETE 101 7

8 3º Processo (muito trabalhoso) 1221,x * 215,x = 262xxx,xx 262xxx,xx * 1,3x = 33xxx,xxxx 0,33*10 6 mm 3 4º Processo 1º variante : efetuam-se os cálculos sem nenhum arredondamento e dá-se a resposta com o nº de algarismos significativos do pior dado. 2º variante : consideram-se os dados exatos faz-se as contas com 4 significativos e dá-se a resposta com 3. 2 significativos erro 1 à 10 % 3 significativos erro 0,1 à 1 % 4 significativos erro 0,01 à 0,1 % O número de algarismos significativos com que o resultado é expresso é indicador da precisão de uma medida. Algarismos significativos contêm informações sobre a magnitude e a precisão de uma variável. Quanto maior o número de algarismos significativos, maior a precisão da medição. Por exemplo, se o valor nominal de um resistor é 68 0, na resistência real deve aproximarse mais de 68 O do que de 67 O ou de Se o valor nominal for 68,0 0, isto significa que a resistência real deve estar mais próxima de 68,0 O do que de 67,9 O ou de 68,1 O. Na especificação 68 0, há dois algarismos significativos enquanto em 68,0 O há três. A última especificação com mais algarismos significativos expressa uma medida de maior precisão do que a primeira. Entretanto nem sempre o número total de dígitos representa a precisão da medida. Por exemplo, a população de uma cidade de habitantes é registrada com seis algarismos. Se todos os algarismos fossem significativos, o número registrado indicaria que a população varia entre e habitantes. Contudo o significado do registro acima é que a população está mais próxima LABORATÓRIO ETE 101 8

9 de do que de ou habitantes. Neste caso, a população expressa possui apenas dois algarismos significativos. Como, então, poderemos expressar números elevados? Uma notação tecnicamente mais correta emprega potências de dez, 38 x l0 4 ou 3,8 x Isto significa que a medida que expressa a população só tem dois algarismos significativos. Incertezas causadas por zeros antes da vírgula decimal podem ser evitadas pela utilização da notação científica de potências de dez. Referir-se à velocidade da luz como km/s não cria dúvidas para pensar com base técnica. Mas 3,0 x 10 5 km/s não deixa dúvida alguma. É costumeiro registrarmos uma medição com todos os dígitos que nos possibilita aproximar ao máximo do valor verdadeiro. Por exemplo, a indicação de um voltímetro é 117,1 V. Isto indica que a tensão lida pelo observador é mais próxima de 117,1 V do que de 117,0 V ou 117,2 V. Outra maneira de expressar este resultado é através do erro possível. A tensão de 117,1 V pode ser expressa como 117,1 ± 0,05 V, significando que na verdade ela está contida no intervalo compreendido entre 117,05 V e 117,15 V. Quando várias medições independentes são feitas com o intuito de se obter a melhor resposta (o mais próximo possível do valor verdadeiro), o resultado pode ser expresso pela média aritmética dos resultados obtidos, associada a uma faixa de erros possíveis como o máximo desvio da média. O Exemplo esclarece melhor. Quatro observadores distintos fizeram quatro medidas independentes de tensões e obtiveram V. 117,11 V, 117,08V e 117,03 V. Calcule (a) a tensão média; (b) a faixa de erro. SOLUÇÃO (a) Tensão média = (V1+V2+V3+V4)/N =117,02± ,03 = 117,06V 4 (b) Faixa de erro = Vmax Vmed = 117,11 117,06 = 0,05V portanto Vmed-Vmím = 117,06 117,02 = 0,04V Faixa de erro média = 0, = = ±0,05 V 2 LABORATÓRIO ETE 101 9

10 Quando dois ou mais resultados de medições com graus diferentes de exatidão são acrescentados, o resultado é tão exato quanto o menos exato dos dois. Veja o Exemplo Dois resístores, R1, e R2, são ligados em série, Através de um multímetro digital. foram obtidos os seguintes valores de resisténcia: R1 = 18,70 Ohms e R2 = 3,624 Ohms. Calcule a resistência total e expresse o resultado com o número correto de algarismos significativos. Rtotal, = 22,3 Ohms = 18,70 (três algarismos significativos) = 3,6240 (quatro algarismos significativos) = R1, + R2 = 22,3240 (cinco algarismos significativos) A resposta correta é Bibliografia : Notas de Aula ; Instrumentação Eletrônica Moderna e Técnicas de Medição ; Helfrick, Cooper, Prentice-Hall, 1994 LABORATÓRIO ETE

11 LABORATÓRIO ETE

12 EXPERIÊNCIA 2 ESCOLA DE ENGENHARIA MAUA LABORATÓRIO DE FUNDAMENTOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE INTRODUÇÃO À ELETRICIDADE DEL 485/487 MEDIÇÕES E ERROS - EXERCÍCIOS TURMA SÉRIE SALA NOME Nº 1) Você realizou uma medição em duas escalas diferentes : 83,1 V - escala 100 V - Precisão 1% Fundo Escala 80 V - escala 250 V - Precisão 1% Fundo Escala Qual a medida com menor intervalo de erro? Por que? 2) Qual o intervalo de confiança de uma leitura de 40 A quando utilizada uma escala de 200 A Precisão 2.5 %? A escala utilizada foi adequada, sendo que no aparelho temos as escalas de 50,100 e 200 A? LABORATÓRIO ETE

13 3) Escreva os nº utilizando os prefixos : 1500 V 0,0001 A Ω Hz 4) Você possui dois resistores em série : R1=2,5 Ω e R2= 1,51 Ω qual a resistência total ( calcule com o nº adequado de algarismos significativos )? 5) Para o cálculo de queda de tensão em uma resistência de 35,68 Ω, é registrada uma corrente de 3,18 A. Calcule a queda de tensão no resistor com o nº adequado de algarismos significativos. 6) A área de um andar térreo de um prédio é de m 2. Calcule esta área em ft 2. 7) A velocidade máxima permitida é de 60 Km/hora. Calcule em (a) milhas/hora (b) ft/s. LABORATÓRIO ETE

14 EXPERIÊNCIA 3 ESCOLA DE ENGENHARIA MAUA LABORATÓRIO DE FUNDAMENTOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE INTRODUÇÃO À ELETRICIDADE DEL 485/487 MEDIDAS ELÉTRICAS BÁSICAS / MULTIMETROS RESISTORES / LEI DE OHM TURMA SÉRIE SALA NOME Nº A teoria à ser passada nesta aula corresponde aos capítulos 1 (Resistores ), 2 ( Ohmimetro ), 3 ( Voltímetro ), 4 ( Amperímetro ) e 5 ( Lei de Ohm ) do Livro Laboratório de Eletricidade e Eletrônica Capuano. 1) Faça a leitura de cada resistor e anote o valor nominal, o valor medido, a tolerância e a escala utilizada. Valor Nominal (Ω) Valor Medido (Ω) Tolerância Escala LABORATÓRIO ETE

15 2) Utilizando o circuito da fig. abaixo preencha a tabela à seguir : R1 = Ω R2 = Ω Lampada Tensão (V) I (ma) I (ma) I(mA) ) Com os valores obtidos levante o gráfico V=f(I) para cada bipolo. LABORATÓRIO ETE

16 4) Qual o comportamento observado em cada gráfico? A Lei de Ohm é válida para ambos? EXPERIÊNCIA : RESISTORES / LEI DE OHM QTD MATERIAL UTILIZADO 01 Fonte DC 0 10 V 01 Mutlitmetro analógico 05 Resistores ( 47k, 1k, 2k2, 10k Ohms ) 1/4 W - ( 100 Ohms 1 W ) 01 Lâmpada 12 V 3 W 01 Placa Universal Fios e Cabos LABORATÓRIO ETE

17 O "retângulo" com terminais é uma representação simbólica para os resistores de valores fixos tanto na Europa como no Reino Unido; a representação em "linha quebrada" (zig-zag) é usada nas Américas e Japão. Como os valores ôhmicos dos resistores podem ser reconhecidos pelas cores das faixas em suas superfícies? Simples, cada cor e sua posição no corpo do resistor representa um número, de acordo com o seguinte esquema, COR --- NÚMERO : PRETO MARROM VERMELHO LARANJA AMARELO VERDE AZUL VIOLETA CINZA BRANCO A PRIMEIRA FAIXA em um resistor é interpretada como o PRIMEIRO DÍGITO do valor ôhmico da resistência do resistor. Para o resistor mostrado abaixo, a primeira faixa é amarela, assim o primeiro dígito é 4: A SEGUNDA FAIXA dá o SEGUNDO DÍGITO. Essa é uma faixa violeta, então o segundo dígito é 7. A TERCEIRA FAIXA é chamada de MULTIPLICADOR e não é interpretada do mesmo modo. O número associado à cor do multiplicador nos informa quantos "zeros" devem ser colocados após os dígitos que já temos. Aqui, uma faixa vermelha nos diz que devemos acrescentar 2 zeros. O valor ôhmico desse resistor é então ohms, quer dizer, Ω ou 4,7 k Ω. Verifique novamente, nosso exemplo, para confirmar que você entendeu realmente o código de cores dados pelas três primeiras faixas coloridas no corpo do resistor. A QUARTA FAIXA (se existir), um pouco mais afastada das outras três, é a faixa de tolerância. Ela nos informa a precisão do valor real da resistência em relação ao valor lido pelo código de cores. Isso é expresso em termos de porcentagem. A maioria dos resistores obtidos nas lojas LABORATÓRIO ETE

18 apresentam uma faixa de cor prata, indicando que o valor real da resistência está dentro da tolerância dos 10% do valor nominal. A codificação em cores, para a tolerância é a seguinte: COR MARROM VERMELHO OURO PRATA TOLERÂNCIA + ou 1% + ou 2% + ou 5% + ou 10% Nosso resistor apresenta uma quarta faixa de cor OURO. Isso significa que o valor nominal que encontramos Ω tem uma tolerância de 5% para mais ou para menos. Ora, 5% de Ω são 235 Ω então, o valor real de nosso resistor pode ser qualquer um dentro da seguinte faixa de valores: Ω Ω = Ω e Ω Ω = Ω. A ausência da quarta faixa indica uma tolerância de 20%. Quando você for ler em voz alta um valor ôhmico de resistor (a pedido de seu professor), procure a faixa de tolerância, normalmente prata e segure o resistor com essa faixa mantida do lado direito. Valores de resistências podem ser lidos rapidamente e com precisão, isso não é difícil, mas requer prática! Padrões E12 e E24 Se você já tem alguma experiência na montagem de circuitos, terá notado que os resistores têm comumente valores como 2,2 (Ω, kω ou MΩ), 3,3 (Ω, kω ou MΩ) ou 4,7 (Ω, kω ou MΩ) e não encontra no mercado valores igualmente espaçados tais como 2, 3, 4, 5 etc. Os fabricantes não produzem resistores com esses valores ôhmicos nominais. Por que será? A resposta, pelo menos em parte tem algo a ver com a precisão expressas pelas porcentagens. Na tabela abaixo indicamos os valores encontrados nos denominados padrões E12 e E24, um para aqueles com tolerância de 10% e outro para a tolerância de 5%: LABORATÓRIO ETE

19 Os resistores são fabricados com resistências nominais de valores múltiplos desses vistos nas tabelas, por exemplo, 1,2Ω 12Ω 120Ω 1200Ω etc. Considere os valores adjacentes 100Ω e 120Ω do padrão E12; 100 é múltiplo de 10 e 120 é múltiplo de 12. Ora, como esse padrão é para tolerância de 10%, teremos: 10% de 100Ω = 10Ω e 10% de 120Ω = 12Ω. Assim sendo, os resistores marcados como 100Ω poderão ter qualquer valor entre 90Ω e 110Ω e os marcados como 120Ω poderão ter qualquer valor entre 108Ω e 132Ω. Essas duas faixas de alcances se sobrepõem, mas só ligeiramente; só 2Ω, entre 108Ω e 110Ω. Os padrões E12 e E24 são projetados para cobrir todos os valores de resistência, com o mínimo de sobreposição entre eles. LABORATÓRIO ETE

20 A ilustração a seguir mostra dois modelos de multímetro digitais. O da esquerda, um típico, tem suas funções e alcances selecionadas mediante uma chave (ligada a um grande botão no meio do aparelho). O da direita, mais sofisticado, não é necessário selecionar nenhum alcance, apenas a função. Ele, automaticamente seleciona um alcance adequado. Comentemos o primeiro modelo. Mediante o acionamento do botão central, que pode assumir diversas posições, você tem que escolher aquela que convém para a adequada medição. Se esse botão foi dirigido para o setor V= e aponta para a faixa dos 20V (como na ilustração) então, 20V é a tensão máxima que pode ser medida. Para os circuitos experimentais com os quais trabalharemos essa é a seleção indicada para medidas de tensões. Em algumas situações poderemos utilizar o alcance 2V ou ainda 200 mv. LABORATÓRIO ETE

21 As faixas de tensões para fontes de polaridade fixa (pilhas, baterias e fontes de alimentação) estão no setor indicado com V=. Nossos projetos iniciais trabalharão com esse tipo de alimentação. Leituras de tensões alternadas (AC) devem ser feitas com o máximo de cuidado e o botão central deve ser levado para o setor V~. LABORATÓRIO ETE

22 EXPERIÊNCIA 4 ESCOLA DE ENGENHARIA MAUA LABORATÓRIO DE FUNDAMENTOS DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO DE INTRODUÇÃO À ELETRICIDADE DEL 485/487 ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES / LEI DE KIRCHHOFF TURMA SÉRIE SALA NOME Nº 1) Determine a resistência série total do circuito R1 = Ω R2 = Ω R3 = Ω Rtotal = Ω O que você observa? 2)Determinar a tensão em cada resistor. Ir1 = A Vr1 = V Ir2 = A Vr2 = V Ir3 = A Vr3 = V It = A Vt = V LABORATÓRIO ETE

23 Ir1 = Ir2 = Ir3 = A A A Vr1 = Vr2 = Vr3 = V V V O que você observa? 3)Determine a resistência paralela total do circuito O que você observa? It = A Vt = V R1 = Ω R2 = Ω R3 = Ω Rtotal = Ω O que você observa? 4)Determinar a tensão/corrente em cada resistor. Ir1 = A Vr1 = V Ir2 = A Vr2 = V Ir3 = A Vr3 = V It = A Vt = V O que você observa? LABORATÓRIO ETE

24 5)Meça a tensão em cada elemento, meça a corrente em cada ramo. IA = A VR1 = V IB = A VR2 = V IC = A VR3 = V 6) Aplique a 1º e 2º Leis de Kirchhoff e conclua. EXPERIÊNCIA : ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES / LEI DE KIRCHHOFF QTD MATERIAL UTILIZADO 01 Fonte DC 0 10 V 01 Mutlitmetro analógico 03 Resistores ( 820, 1k, 2k2 ) 1 W 01 Suporte p/ pilhas 01 Placa Universal Fios e Cabos 03 Pilhas 1.5 V (G) NOTA Uma fórmula alternativa para o cálculo da resistência total paralela para dois resistores é: 1/R total = 1/R 1 + 1/R 2. Apesar de aritmeticamente ser mais trabalhosa para cálculos mentais, ela é mais geral, pois pode ser estendida a mais de dois resistores. Para o cálculo da resistência total de 4 resistores (iguais ou não) em paralelo teremos: 1/R total = 1/R 1 + 1/R 2 + 1/R 3 + 1/R 4 LABORATÓRIO ETE

25 LABORATÓRIO ETE

26 PROF. RODRIGO CUTRI LABORATÓRIO ETE

27 Indíce : APOSTILA : Introdução à Eletricidade com Pspice Desenhando um esquema de um circuito elétrico Simulando o circuito DC SWEEP (Variando parâmetros p/ obter a Curva de Transferência) Teorema da Superposição e Proporcionalidade A função de transferência (Transfer Function) Medindo a resistência equivalente do circuito AC SWEEP (Variando a freqüência ) (2º volume )Erro! Indicador não definido. LABORATÓRIO ETE

28 APOSTILA : Introdução à Eletricidade com Pspice 9.1 O Objetivo presente é iniciar o aluno no uso do software Pspice, permitindo-o desenhar e analisar circuitos em corrente contínua (DC), levantar curvas características de componentes e analisá-las, não é possível dar um curso completo de Pspice nem de todos os seus recursos, o aprendizado virá com o uso constante e a utilização nos anos posteriores à 2º série. O pacote Microsim é um software de simulação desenvolvido pela Microsim Corporation. Ele é composto pelos principais programas:.microsim Schematics: onde é feita a edição do circuito;.microsim Pspice: responsável pela compilação e interpretação;.microsim Probe: visualização gráfica dos resultados obtidos;.microsim Stimulus Editor: edição dos estímulos de entrada Basicamente os arquivos são gerenciados pelo Design Manager que é automaticamente aberto quando qualquer outro programa é aberto. LABORATÓRIO ETE

29 Desenhando um esquema de um circuito elétrico Para iniciar devemos ir ao menu de programas e procurar pela pasta Pspice > Schematics : A seguinte tela se abrirá : LABORATÓRIO ETE

30 Esta tela também é chamada de folha e é nela que iremos desenhar nossos circuitos. Instruções Gerais : - O Microsim PSpice não distingue entre caracteres maiúsculos e minúsculos. - O nome de um campo deve começar com uma letra, mas os caracteres que se seguem podem ser letras, números ou: "$", "_", "*" ou "%". Nomes podem ter 131 caracteres. - O número de um campo pode ser inteiro ou real. Números inteiros e reais podem ser seguidos por um expoente inteiro(7e-6, 2.136e3) ou um fator de escala simbólico(7u, 2.136K). Veja a tabela dos fatores de escala: Símbolo Forma exponencial F 1E-15 P 1E-12 N 1E-9 U 1E-6 M 1E-3 K MEG 1E3 1E6 LABORATÓRIO ETE

31 G T 1E9 1E12 - Letras imediatamente seguindo um número que não são fatores de escala são ignoradas, isso vale também para letras imediatamente seguindo um fator de escala. Por exemplo, 10, 10V, 10Hz e 10A representam o mesmo número. O mesmo pode ser dito para 2.5M, 2.5MA, 2.5Msec e 2.5MOhms. LABORATÓRIO ETE

32 Vamos agora inserir os componentes que iremos utilizar : 1) Clique no menu Draw > Get New Part LABORATÓRIO ETE

33 A seguinte janela aparecerá: Caso você queira selecionar os componentes e vê-los, clique em Advanced. A seguinte janela se abrirá: LABORATÓRIO ETE

34 Para selecionar os componentes pelas bibliotecas, clique em Libraries. A seguinte janela aparecerá: LABORATÓRIO ETE

35 Para definir os componetes a serem utilizados siga o exemplo : Em Part Name digite R, você observará a figura de um resistor, a seguir pressione o botão PLACE, você agora poderá colocar o componente sobre sua folha apenas clicando com o mouse. Insira agora os outros componentes que usaremos digitando : - EGND para terra ; - VDC para fonte de tensão contínua ; É obrigatório a presença de um nó "zero", que será o nó de referência ( usualmente o nó de "terra" do circuito), ao qual serão referenciadas todas as tensões calculadas, o "terra" deve sempre ser fixado no circuito. À seguir pressione o botão CLOSE para sair. LABORATÓRIO ETE

36 Você deverá ter a seguinte tela agora : Para melhor visualização utilize os botões de Zoom. Vamos agora desenhar as linhas (wires) que ligarão nosso circuito, para isso clique no botão Desenhar Linhas (Draw Wire), o cursor agora passa a ter a forma de um lápis permitindo que você desenhe as linhas clicando com o mouse no ponto inicial e final da ligação, para sair desta função basta pressionar o lado direito de seu mouse. Você deve ter agora o seguinte circuito : Para imprimir o esquema ou gráfico, selecione o menu File > Print Para rotacionar os componentes, selecione o componente e pressione Control+R, ou menu Edit > Rotate LABORATÓRIO ETE

37 Vamos agora explicitar os valores dos componentes : 1) Clique 2 vezes sobre o texto 0V uma caixa de diálogo se abrirá permitindo que você altere o valor da fonte de tensão DC, mude o valor para 10 V e pressione OK para confirmar. 2) Vamos agora definir o valor do resistor, clique 2 vezes sobre o texto 1k (valor padrão) uma caixa de diálogo se abrirá permitindo que você altere o valor da resistência, mude o valor para 100 V e pressione OK para confirmar. Uma outra maneira de ajustar os valores dos componentes é clicando duas vezes sobre estes. Por exemplo, ao clicarmos duas vezes sobre um resistor, a seguinte janela aparece: LABORATÓRIO ETE

38 Selecione cada característica do componente e faça a alteração.ao alterar os valores clique em Save Attr. Ao término, clique em OK. Para salvar o esquema desenhado vá ao menu Arquivo (Files), Salvar Como (Save As) : Monte agora o seguinte circuito : Utilize os componentes VDC, R, EGND e BUBBLE. clique 2 vezes sobre o componente Bubble, uma caixa de diálogo se abrirá permitindo que você altere o seu texto, ele servirá como um marco de referência para medirmos o valor da tensão nos resistores ( todas as tensões são sempre medidas tendo como referência a terra ). LABORATÓRIO ETE

39 Simulando o circuito Vamos rodar agora a simulação do programa afim de sabermos qual o valor das tensões nos nas referências (bubbles), pressione o botão Simulate. A seguinte tela se abrirá : LABORATÓRIO ETE

40 Pressione o botão ao lado : Aparecerá então o arquivo contendo os valores das tensões simuladas do circuito : **** 08/10/02 02:10:56 *********** Evaluation PSpice (Nov 1999) ************** * C:\Meus documentos\schematic1.sch **** CIRCUIT DESCRIPTION ****************************************************************************** * Schematics Version Web Update 1 * Sat Aug 10 02:04: ** Analysis setup **.OP * From [PSPICE NETLIST] section of pspiceev.ini:.lib "nom.lib".inc "Schematic1.net" **** INCLUDING Schematic1.net **** * Schematics Netlist * V_V1 $N_ LABORATÓRIO ETE

41 R_R1 R_R4 R_R5 R_R3 $N_0001 VA 1K VB VA 2K VB 0 2K 0 VA 4K **** RESUMING Schematic1.cir ****.INC "Schematic1.als" **** INCLUDING Schematic1.als **** * Schematics Aliases *.ALIASES V_V1 V1(+=$N_0001 -=0 ) R_R1 R1(1=$N_0001 2=VA ) R_R4 R4(1=VB 2=VA ) R_R5 R5(1=VB 2=0 ) R_R3 R3(1=0 2=VA ) (VA=VA) (VB=VB).ENDALIASES **** RESUMING Schematic1.cir ****.probe.end **** 08/10/02 02:10:56 *********** Evaluation PSpice (Nov 1999) ************** * C:\Meus documentos\schematic1.sch **** SMALL SIGNAL BIAS SOLUTION TEMPERATURE = DEG C ****************************************************************************** NODE VOLTAGE NODE VOLTAGE NODE VOLTAGE NODE VOLTAGE ( VA) ( VB) ($N_0001) VOLTAGE SOURCE CURRENTS NAME CURRENT V_V E-02 TOTAL POWER DISSIPATION 3.33E+00 WATTS **** 08/10/02 02:10:56 *********** Evaluation PSpice (Nov 1999) ************** * C:\Meus documentos\schematic1.sch LABORATÓRIO ETE

42 **** OPERATING POINT INFORMATION TEMPERATURE = DEG C ****************************************************************************** JOB CONCLUDED TOTAL JOB TIME.01 LABORATÓRIO ETE

43 EXERCÍCIOS 1) Determine agora a tensão VA, VB e VC do circuito à seguir : (Gerador de Corrente -> IDC ) VA (V) VB (V) VC (V) 2) Determine agora a tensão VA, VB e VC do circuito à seguir : VA (V) VB (V) VC (V) LABORATÓRIO ETE

44 DC SWEEP (Variando parâmetros p/ obter a Curva de Transferência). Até agora para simularmos o circuito com diferentes valores, deveríamos mudar o valor desejado e rodar novamente quantas vezes fossem as analises desejadas, vamos aprender agora como simular o circuito para diferentes valores numa mesma simulação. Vamos desenhar o circuito abaixo : A pergunta é : como varia a tensão Vo quando variamos V1. Vamos abrir o menu Analysis > Setup. LABORATÓRIO ETE

45 a seguinte tela se abrirá : Vamos pressionar o botão DC Sweep, a caixa de diálogo aparecerá, preencha-a conforme o indicado e confirme : Acabamos de dizer ao programa para simular a variação de uma fonte de tensão (Voltage Source), indicamos qual fonte sofrerá a variação (Name : V1), escolhemos o tipo de variação (Linear) e definimos os valores inicial, final e o incremento da variação. A seguir feche a tela Analysis Setup, verificando que agora o item DC Sweep está selecionado. LABORATÓRIO ETE

46 Vamos rodar agora a simulação do programa afim de sabermos qual o valor da tensão em Vo em função de V1, pressione o botão Simulate. A seguinte tela se abrirá : LABORATÓRIO ETE

47 Selecione no Menu Trace > Add Trace Selecione a tensão V(Vo) e confirme : LABORATÓRIO ETE

48 Teremos então o gráfico da variação de Vo em função de V1 : Para inserir um novo gráfico no mesmo eixo repita o procedimento ( apenas tenha cuidado para não colocar gráficos com valores máximos muito distantes ou você terá problemas de escala para visualização ). Você também pode plotar o gráfico de funções utilizando as variáveis de tensão e corrente, bastando escrever a expressão na tela Add Trace. LABORATÓRIO ETE

49 EXERCÍCIO Plote as tensões Va, Vb e Vc quando a fonte DC varia de 1 à 20 V. Curva Característica do Diodo Componentes : Resistor (R), Fonte Dc (Vdc), marcador (Bubble), Diodo (D1N4148), Terra (EGND) Vamos variar a fonte Dc de 15 V à 15 V, modo Linear, incremento 0.1. Vamos plotar a corrente I(D1). Vamos agora definir o eixo X como sendo a tensão Vd. Entre no menu Plot > Axis Settings LABORATÓRIO ETE

50 Agora pressione o botão Axis Variable ( para definirmos qual variável estará representada no eixo x ) : LABORATÓRIO ETE

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque.

Fig. 2.2 - Painel do multímetro com a função ohmímetro em destaque. 2 MULTÍMETRO 2.1 - Objetivos Aprender a manusear o multímetro na realização de medidas de tensões e correntes elétricas, contínuas e alternadas, bem como medir resistências elétricas. 2.2 - Introdução

Leia mais

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 1: MEDIDAS ELÉTRICAS 1.1 OBJETIVOS Familiarização com instrumentos de medidas e circuitos elétricos. Utilização do multímetro nas funções: voltímetro, amperímetro e ohmímetro. Avaliação dos

Leia mais

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP

PUC ENGENHARIA. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP PUC ENGENHARIA Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP Prof. Dr. Marcello Bellodi 2 a versão - 2005 ÍNDICE 1 a Experiência: "Amplificador Push-Pull Classe B"...01 2 a Experiência: "Curvas

Leia mais

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua

Introdução a Circuitos de Corrente Contínua Nesta prática vamos nos familiarizar com os componentes e instrumentos que serão utilizados durante o curso. Também faremos a verificação experimental da Lei de Ohm e discutiremos alguns casos em que ela

Leia mais

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores

1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1º Experimento 1ª Parte: Resistores e Código de Cores 1. Objetivos Ler o valor nominal de cada resistor por meio do código de cores; Determinar a máxima potência dissipada pelo resistor por meio de suas

Leia mais

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL

EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL EXPERIÊNCIA 5 OSCILOSCÓPIO DIGITAL 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 VERIFICAÇÃO FUNCIONAL Esta rápida verificação deve ser executada para comprovar se o instrumento está funcionando corretamente. Ligue o instrumento

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 2: Osciloscópio e curvas do diodo. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Roteiro para experiências de laboratório

Leia mais

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS

TUTORIAL DE UTILIZAÇÃO DO PROTEUS 1 Para iniciar a edição de um esquema elétrico para posterior simulação, busque no menu Iniciar do Windows, a opção Todos os Programas. Localize a pasta onde foi instalado o Proteus e selecione o programa

Leia mais

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA

CENTRO TECNOLÓGICO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNICA CENTRO TECNOLÓGO ESTADUAL PAROBÉ CURSO DE ELETRÔNA LABORATÓRIO DE ELETRÔNA ANALÓGA I Prática: 6 Assunto: Transistor Bipolar 1 Objetivos: Testar as junções e identificar o tipo de um transistor com o multímetro.

Leia mais

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC.

Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. Texto Teórico 04: Multímetro e Fonte de Alimentação CC. I - MULTÍMETRO O multímetro, também denominado multiteste, é um equipamento versátil, capaz de desempenhar 3 funções básicas distintas, selecionadas

Leia mais

Resistores. Para que servem os resistores?

Resistores. Para que servem os resistores? Resistores Esta aula irá descrever os resistores de valores fixos e comentar algumas de suas aplicações mais importantes nos circuitos elétricos/eletrônicos. Para que servem os resistores? Na prática,

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2

LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO CAMPUS DE PRESIDENTE EPITÁCIO LABORATÓRIO DE ELETRICIDADE ANALÓGICA LELA2 CURSO: TÉCNICO EM AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O diodo de junção possui duas regiões de materiais semicondutores dos tipos N e P. Esse dispositivo é amplamente aplicado em circuitos chaveados, como, por exemplo, fontes de

Leia mais

Prof. Jener Toscano Lins e Silva

Prof. Jener Toscano Lins e Silva Prof. Jener Toscano Lins e Silva *É de fundamental importância a completa leitura do manual e a obediência às instruções, para evitar possíveis danos ao multímetro, ao equipamento sob teste ou choque elétrico

Leia mais

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1

ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Engenharia Ambiental Prof. Marcio Kimpara data: ROTEIRO PARA LABORATÓRIO 1 Resistores e Tensão Alternada Senoidal Objetivos: Familiarização com os osciloscópios

Leia mais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais

Cap.4 - Medição de Tensão e Corrente Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Universidade Federal de Itajubá UNIFEI Cap.4 - Cap. 5 - Medidas com Multímetros Analógicos e Digitais Prof. Dr. Fernando Nunes Belchior fnbelchior@hotmail.com fnbelchior@unifei.edu.br Medição de Tensão

Leia mais

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA

TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA TÍTULO: OSCILOSCÓPIO - TEORIA Uma das grandes dificuldades que os técnicos enfrentam na reparação de circuitos eletrônicos é esta: os fenômenos que ocorrem nos componentes eletrônicos são abstratos; ou

Leia mais

Introdução teórica aula 6: Capacitores

Introdução teórica aula 6: Capacitores Introdução teórica aula 6: Capacitores Capacitores O capacitor é um elemento capaz de armazenar energia. É formado por um par de superfícies condutoras separadas por um material dielétrico ou vazio. A

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL FÍSICA EXPERIMENTAL III CAPACITORES E CIRCUITOS RC COM ONDA QUADRADA 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é estudar o comportamento

Leia mais

Laboratório de Física Experimental I

Laboratório de Física Experimental I Laboratório de Física Experimental I Centro Universitário de Vila Velha Multímetro e Fonte DC Laboratório de Física Prof. Rudson R. Alves 2012 2/10 Sumário Multímetro Minipa ET-1001...3 TERMINAIS (1)...3

Leia mais

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio

Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 1. OBJETIVO O objetivo desta aula é introduzir e preparar o estudante para o uso de dois instrumentos muito importantes no curso: o gerador de funções e

Leia mais

Exercícios Leis de Kirchhoff

Exercícios Leis de Kirchhoff Exercícios Leis de Kirchhoff 1-Sobre o esquema a seguir, sabe-se que i 1 = 2A;U AB = 6V; R 2 = 2 Ω e R 3 = 10 Ω. Então, a tensão entre C e D, em volts, vale: a) 10 b) 20 c) 30 d) 40 e) 50 Os valores medidos

Leia mais

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF

ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF ELETROTÉCNICA ELM ROTEIRO DA AULA PRÁTICA 01 A LEI DE OHM e AS LEIS DE KIRCHHOFF NOME: TURMA: DATA: / / OBJETIVOS: Ler o valor nominal de cada resistor através do código de cores. Conhecer os tipos de

Leia mais

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz.

Todas as medições efectuadas no osciloscópio são basicamente medições de comprimentos nesta matriz. Ciências Experimentais P5: Osciloscópio. Sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho. 1. Objectivos Iniciação ao osciloscópio. Estimativas de sensibilidade, resolução e erro máximo do aparelho.

Leia mais

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC)

Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Introdução teórica aula 5: Osciloscópio e Gerador de Sinais Corrente Continua (DC) vs Corrente Alternada (AC) Ao final do século XIX o sistema de distribuição de energia Edison (Edison General Electric)

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto

UTILIZANDO O MuLTISIM. laboratório de tecnologia. Newton C. Braga. Instituto laboratório de tecnologia Instituto ensino médio ensino fundamental disciplina tecnologia UTILIZANDO O MuLTISIM Introdução ao Multisim Software de Simulação de Circuitos da National Instruments ESCOLA:

Leia mais

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios

Instrumentos de Medidas II Osciloscópios Instrumentos de Medidas II Nesta prática iremos nos familiarizar com o uso de osciloscópios, mostrando algumas das funcionalidades desses instrumentos. Através de exemplos específicos mostraremos como

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros

Instrumentos de Medidas Elétricas I Voltímetros, Amperímetros e Ohmímetros nstrumentos de Medidas Elétricas Nesta prática vamos estudar o princípios de funcionamentos de instrumentos de medidas elétrica, em particular, voltímetros, amperímetros e ohmímetros. Sempre que surgir

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2

Universidade Federal do Rio de Janeiro. Circuitos Elétricos I EEL420. Módulo 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro Circuitos Elétricos I EEL420 Módulo 2 Thévenin Norton Helmholtz Mayer Ohm Galvani Conteúdo 2 Elementos básicos de circuito e suas associações...1 2.1 Resistores lineares

Leia mais

Análise de Circuitos

Análise de Circuitos Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Análise de Circuitos 1º Trabalho de Laboratório Circuitos resistivos lineares e não lineares Leis de Kirchhoff e amplificador operacional Setembro

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

CIRCUITOS ELÉCTRICOS

CIRCUITOS ELÉCTRICOS CICUITOS ELÉCTICOS. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Conceito de resistência interna de um aparelho.. INTODUÇÃO O multímetro digital que vai utilizar pode realizar

Leia mais

1 Exercícios Pré-Laboratório

1 Exercícios Pré-Laboratório 1 MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY 6.071: Introdução ao Laboratório de Eletrônica Laboratório 1: Equipamentos de Laboratório e Redes de Resistores 1 Exercícios Pré-Laboratório 2º Trimestre de 2002

Leia mais

Gerador de funções e osciloscópio

Gerador de funções e osciloscópio Experimento 2 Gerador de funções e osciloscópio 2.1 Material Osciloscópio digital; Gerador de funções. 2.2 Introdução Na aula anterior utilizamos instrumentos de medida (amperímetro e voltímetro) e fontes

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE)

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) Concurso Público - NÍVEL MÉDIO CARGO: Técnico da Carreira de Desenvolvimento Tecnológico Classe: Técnico 1 Padrão I (TM11) CADERNO DE PROVAS PROVA DISCURSIVA

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente,

As leituras no voltímetro V e no amperímetro A, ambos ideais, são, respectivamente, 1. (Espcex (Aman) 015) Em um circuito elétrico, representado no desenho abaixo, o valor da força eletromotriz (fem) do gerador ideal é E 1,5 V, e os valores das resistências dos resistores ôhmicos são

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 1 Introdução Teórica: Aula 1 Fontes de Tensão e Resistores Materiais condutores Os materiais condutores caracterizam- se por possuírem elétrons que estão sujeitos a pequenas forças de atração de seu núcleo,

Leia mais

>>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA

>>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA 1 APOSTILAS Venda >>>Expressa MULTÍMETRO >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA >>>VENDA_EXPRESSA 2 MULTÍMETRO O multitester ou multímetro é o aparelho

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO ANALÓGICO MODELO SK-20 rev. 01/2006 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE

Leia mais

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2

EEL7011 Eletricidade Básica Aula 2 Introdução Teórica Aula 2: Lei de Ohm e Associação de Resistores Georg Simon Ohm Georg Simon Ohm (789-854) foi um físico e matemático alemão. Entre 826 e 827, Ohm desenvolveu a primeira teoria matemática

Leia mais

Hardware de Computadores

Hardware de Computadores Fonte de Energia Hardware de Computadores Introdução As fontes de alimentação são as responsáveis por distribuir energia elétrica a todos os componentes do computador. Assim, uma fonte de qualidade é essencial

Leia mais

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção

Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Fonte de alimentação com duas saídas e proteção Elias Bernabé Turchiello Técnico responsável Este manual se destina unicamente a orientar o montador interessado neste projeto, portanto não se encontram

Leia mais

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A

MEASUREMENTS Medidas. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1102A MEASUREMENTS Medidas M-1102A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Experiência

Leia mais

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES

EXPERIÊNCIA 1 RESISTORES E ASSOCIAÇÃO DE RESISTORES EXPEIÊNCIA 1 ESISTOES E ASSOCIAÇÃO DE ESISTOES 1 INTODUÇÃO TEÓICA Os resistores são componentes básicos dos circuitos eletro-eletrônicos utilizados nos trechos dos circuitos onde se deseja oferecer uma

Leia mais

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores.

As figuras a seguir mostram como conectar o instrumento corretamente ao circuito para fazer as medidas de tensão nos resistores. EXPERÊNCA CRCUTOS EM CORRENTE CONTNUA NTRODUÇÃO TEÓRCA. O MULTÍMETRO O multímetro é um instrumento com múltiplas funções utilizado frequentemente nas bancadas de trabalho em eletrônica. Permite medir tensões

Leia mais

Laboratório de Circuitos Elétricos

Laboratório de Circuitos Elétricos Laboratório de Circuitos Elétricos 3ª série Mesa Laboratório de Física Prof. Reinaldo / Monaliza Data / / Objetivos Observar o funcionamento dos circuitos elétricos em série e em paralelo, fazendo medidas

Leia mais

Datasheet Componentes Eletrônicos

Datasheet Componentes Eletrônicos Datasheet Componentes Eletrônicos Caixa de Pilhas... 2 LED (mini lâmpada)... 2 Conector INT... 3 HUB... 3 Sensor de Luz... 4 Circuito Relé... 4 Circuito Buzz... 5 Sensor de Ímã... 6 Ponte H com Relés...

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 RESISTORS: LAWS AND THEOREMS Resistores: Leyes y Teoremas Resistores: Leis e Teoremas M-1101A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual

Leia mais

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica

Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica 1 Uma Fonte de Alimentação para a Bancada de Eletronica João Alexandre da Silveira autor do livro Experimentos com o Arduino Apresentação Uma bancada de Eletronica é um pequeno laboratório de montagens

Leia mais

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA

EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA EXPERIÊNCIA 6 CAPACITOR E INDUTOR EM CORRENTE CONTÍNUA E ALTERNADA 1. INTRODUÇÃO TEÓRICA 1.1 CAPACITOR O capacitor é um dispositivo utilizado nos circuitos elétricos que apresenta um comportamento em corrente

Leia mais

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO

MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO TRABALHO PRÁTICO MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉCTRICAS UTILIZAÇÃO DO OSCILOSCÓPIO E DO MULTÍMETRO Objectivo Este trabalho tem como objectivo a familiarização com alguns dos equipamentos e técnicas de medida

Leia mais

Aparelhos de Laboratório de Electrónica

Aparelhos de Laboratório de Electrónica Aparelhos de Laboratório de Electrónica Este texto pretende fazer uma introdução sucinta às características fundamentais dos aparelhos utilizados no laboratório. As funcionalidades descritas são as existentes

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO 34 4.4 Experimento 4: Capacitância, capacitores e circuitos RC 4.4.1 Objetivos Fundamentar o conceito de capacitância e capacitor; Realizar leituras dos valores de capacitância de capacitores; Associar

Leia mais

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO

ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO ELETRICIDADE BÁSICA ROTEIRO DA EXPERIÊNCIA 05 OSCILOSCÓPIO 1 Introdução O osciloscópio é basicamente um dispositivo de visualização gráfico que mostra sinais elétricos no tempo. O osciloscópio pode ser

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL SISTEMA DE TREINAMENTO EM ELETRÔNICA ANALÓGICA E DIGITAL MODELO: CARACTERÍSTICAS Terminais banhados à ouro Fácil visualização dos circuitos 18 Módulos envolvendo os principais conceitos de elétrica e eletrônica

Leia mais

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE

Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Eletrônica Diodo 01 CIN-UPPE Diodo A natureza de uma junção p-n é que a corrente elétrica será conduzida em apenas uma direção (direção direta) no sentido da seta e não na direção contrária (reversa).

Leia mais

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a

Objectivo. Material necessário. Procedimento experimental. Siga o procedimento para cada uma das alíneas. A alínea 3.1deve ser feita com a Electrónica P1 - Osciloscópio. Objectivo Iniciação ao osciloscópio Material necessário 1 osciloscópio, 1gerador de sinais, 1 fonte de tensão. Procedimento experimental Siga o procedimento para cada uma

Leia mais

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente

ELETRICIDADE: CIRCUITOS ELÉTRICOS Experimento 1 Parte II: Medidas de corrente elétrica, tensão e resistência em circuitos de corrente OBJETIVOS 9 contínua NOME ESCOLA EQUIPE SÉRIE PERÍODO DATA Familiarizar-se com o multímetro, realizando medidas de corrente, tensão e resistência. INTRODUÇÃO Corrente elétrica FÍSICA ELETRICIDADE: CIRCUITOS

Leia mais

Parte 1 Introdução... 1

Parte 1 Introdução... 1 Sumário SUMÁRIO V Parte 1 Introdução... 1 Capítulo 1 Unidades de Medida... 3 Introdução...3 Grandezas Físicas...3 Múltiplos e Submúltiplos...4 Arredondamentos...6 Exercícios...7 Capítulo 2 Simbologia...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. CCN / Departamento de Física. Física Experimental III Componentes, circuitos e símbolos Prática 1

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. CCN / Departamento de Física. Física Experimental III Componentes, circuitos e símbolos Prática 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ. CCN / Departamento de Física. Física Experimental III Componentes, circuitos e símbolos Prática 1 Objetivos a Compreender os conceitos de tensão, corrente e resistência.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO ALICATE DIGITAL AC/DC TRUE RMS MODELO AD-7920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...2

Leia mais

Física Experimental B Turma G

Física Experimental B Turma G Grupo de Supercondutividade e Magnetismo Física Experimental B Turma G Prof. Dr. Maycon Motta São Carlos-SP, Brasil, 2015 Prof. Dr. Maycon Motta E-mail: m.motta@df.ufscar.br Site: www.gsm.ufscar.br/mmotta

Leia mais

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência.

O esquema da Fig.1 mostra como montar a resistência de teste para medidas de tensão, corrente e resistência. Ano lectivo: 200-20 Medição de Tensões e Correntes Eléctricas. Leis de Ohm e de Kirchhoff. OBJECTIO Aprender a utilizar um osciloscópio e um multímetro digital. Medição de grandezas AC e DC. Conceito de

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 555 M-1108A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./ Imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos Conteúdo 1. Introdução... 2 2. Experiência

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMANDO DISCIPLINA: ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA

ESCOLA SECUNDÁRIA ALFREDO DA SILVA CURSO PROFISSIONAL DE ELECTRÓNICA AUTOMAÇÃO E COMANDO DISCIPLINA: ELECTRICIDADE E ELECTRÓNICA --------------------- O OSCILOSCÓPIO Definição: É um aparelho que nos permite: Visualizar as formas de onda das tensões aplicadas Medir frequências e períodos dessas ondas Medir desfasagens entre duas

Leia mais

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito

Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito Exercícios de Física sobre Circuitos Elétricos com Gabarito (Unicamp-999 Um técnico em eletricidade notou que a lâmpada que ele havia retirado do almoxarifado tinha seus valores nominais (valores impressos

Leia mais

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM

Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM Bloco 3 do Projeto: Comparador com Histerese para Circuito PWM O circuito de um PWM Pulse Width Modulator, gera um trem de pulsos, de amplitude constante, com largura proporcional a um sinal de entrada,

Leia mais

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 1: Código de cores e associação de resistores. Alunos: 2-3-

Roteiro para experiências de laboratório. AULA 1: Código de cores e associação de resistores. Alunos: 2-3- Campus SERRA COORDENADORIA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Disciplinas: ELETRÔNICA BÁSICA e ELETRICIDADE GERAL Turma: AM1 Professores: Vinícius Secchin de Melo Wallas Gusmão Thomaz Período: 2012-1 Roteiro para

Leia mais

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1

EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 SEMICONDUCTOR III Semiconductor III Semicondutor III M-1105A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos

Leia mais

Física Geral - Laboratório (2014/1) Erros sistemáticos Limites de erro em instrumentos de medida (multímetros analógicos e digitais)

Física Geral - Laboratório (2014/1) Erros sistemáticos Limites de erro em instrumentos de medida (multímetros analógicos e digitais) Física Geral - Laboratório (2014/1) Erros sistemáticos Limites de erro em instrumentos de medida (multímetros analógicos e digitais) 1 Incertezas do Tipo A e incertezas do Tipo B Até agora, nos preocupamos

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada.

O cursor se torna vermelho e uma Paleta de Edição contendo as instruções mais utilizadas é apresentada. Editor de Ladder para VS7 Versão Teste O editor de ladder é um software de programação que permite que o VS7 e o µsmart sejam programados em linguagem de contatos. Esse editor está contido na pasta Público

Leia mais

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS

EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS EXPERIMENTO 6: OSCILOSCÓPIO DIGITAL MEDIDAS ELÉTRICAS Nesse experimento você aprenderá os princípios básicos de funcionamento e manuseio de um osciloscópio digital e realizará medidas simples de sinais

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO IK-1000 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução...01 2. Regras de segurança...01

Leia mais

Medidas elétricas I O Amperímetro

Medidas elétricas I O Amperímetro Medidas elétricas I O Amperímetro Na disciplina Laboratório de Ciências vocês conheceram quatro fenômenos provocados pela passagem de corrente elétrica num condutor: a) transferência de energia térmica,

Leia mais

AULA LÂMPADA SÉRIE - VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO REVISÃO DOS CONCEITOS DE TENSÃO E CORRENTE APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA

AULA LÂMPADA SÉRIE - VOLTÍMETRO E AMPERÍMETRO REVISÃO DOS CONCEITOS DE TENSÃO E CORRENTE APOSTILA ELÉTRICA PARA ELETRÔNICA APOSTILA ELÉTRICA PARA AULA 16 LÂMPADA SÉRIE - OLTÍMETRO E AMPERÍMETRO REISÃO DOS CONCEITOS DE TENSÃO E CORRENTE As diversas combinações da lâmpada série Um circuito prático para montar uma lâmpada série

Leia mais

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA

GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA GUIA DO TRABALHO SOBRE APARELHOS DE MEDIDA OBJECTIVO Familiarização com os instrumentos a usar nos trabalhos práticos posteriores (osciloscópio, painel didáctico, gerador de sinais, fonte de alimentação

Leia mais

Exercícios Eletrodinâmica

Exercícios Eletrodinâmica Exercícios Eletrodinâmica 01-Um gerador elétrico tem potência total 0,6 kw, quando percorrido por uma corrente de intensidade igual a 50 A. Qual a sua força eletromotriz. a) 30.000 V b) 100 V c) 120 V

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Física e Química A -.º Ano Actividade Prático-Laboratorial AL. Física Assunto: Osciloscópio Questão-problema Perante o aumento da criminalidade tem-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório UNIERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA EEL7040 Circuitos Elétricos I - Laboratório AULA 03 MEDIDAS DE RESISTÊNCIA ELÉTRICA 1 INTRODUÇÃO Nas aulas anteriores teve-se como

Leia mais

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II

E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2 Instrumentos e técnicas de medida II E.2.1 Preparação O osciloscópio é um elemento essencial na gama de instrumentos de medida utilizados em laboratórios de electrónica. A função essencial do osciloscópio

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Introdução 5 Introdução ao osciloscópio 6 O painel do osciloscópio e a função dos seus controles 7 Controles de ajuste do traço ou ponto na tela 8 Brilho ou luminosidade (brightness ou intensity)

Leia mais

Física Geral - Laboratório (2014/1) Aula 6: Limites de erro em instrumentos de medida (multímetros analógicos e digitais)

Física Geral - Laboratório (2014/1) Aula 6: Limites de erro em instrumentos de medida (multímetros analógicos e digitais) Física Geral - Laboratório (2014/1) Aula 6: Limites de erro em instrumentos de medida (multímetros analógicos e digitais) 1 Incertezas do Tipo A e incertezas do Tipo B Até agora, nos preocupamos em estimar

Leia mais

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores

Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Aula Prática 6 Circuitos Elétricos III Carga e Descarga da Capacitores Disciplinas: Física III (ENG 06034) Fundamentos de Física III (ENG 10079) Física Experimental II ( DQF 10441) Depto Química e Física

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MULTÍMETRO DIGITAL MODELO MD-1600 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. REGRAS DE SEGURANÇA...3

Leia mais

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc.

Ponte de Wien Oscilador de quadratura Oscilador duplo T Oscilador Colpitt Etc. Amplificadores operacionais como Osciladores Em muitas aplicações é necessário gerar um sinal, que pode ter as mais diversas formas, retangular, senoidal, triangular, etc. Entretanto, o único sinal disponível

Leia mais

Conhecendo o Proteus

Conhecendo o Proteus Conhecendo o Proteus Vitor Amadeu Souza vitor@cerne-tec.com.br Em uma série de 3 artigos, veremos como usar o Proteus. Introdução Iremos neste momento iniciar nosso estudo no Proteus usando para isso as

Leia mais

Como utilizar um multímetro digital

Como utilizar um multímetro digital 1 Como utilizar um multímetro digital Um multímetro digital oferece a facilidade de mostrar diretamente em seu visor, que chamamos de display de cristal líquido, ou simplesmente display, o valor numérico

Leia mais

Amplificadores Operacionais

Amplificadores Operacionais Análise de Circuitos LEE 2006/07 Guia de Laboratório Trabalho 2 Amplificadores Operacionais INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores Paulo Flores 1 Objectivos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Ponte de Kelvin ITKEL 01

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Ponte de Kelvin ITKEL 01 MANUAL DE INSTRUÇÕES Ponte de Kelvin ITKEL 01 1. Usos e Características A ITKEL 01 é uma ponte de precisão duplicada portátil com rede (doravante chamada Ponte ). O instrumento é fornecido com sete faixas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Física Experimental III - Medidas Elétricas Objetivo O objetivo desta prática é aprender a fazer medições de resistência, tensão

Leia mais

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens.

Quando comparado com uma chave mecânica, uma chave eletrônica apresenta vantagens e desvantagens. Chave eletrônica Introdução O transistor, em sua aplicação mais simples, é usado como uma chave eletrônica, ou seja, pode ser usado para acionar cargas elétricas. A principal diferença entre o transistor

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais