Celso Luiz Gonçalves IESA Equipamentos e Projetos S.A. Rodovia Manoel de Abreu km 4,5 Araraquara SP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Celso Luiz Gonçalves IESA Equipamentos e Projetos S.A. Rodovia Manoel de Abreu km 4,5 Araraquara SP celso.goncalves@iesa.com.br."

Transcrição

1 Utilização da Metodologia Seis Sigma para melhoria do processo de abastecimento de matéria prima para unidade fabril: Estudo de Caso em uma empresa da indústria de bens de capital Celso Luiz Gonçalves IESA Equipamentos e Projetos S.A. Rodovia Manoel de Abreu km 4,5 Araraquara SP Resumo: O presente artigo apresenta um estudo da utilização da metodologia Seis Sigma para reduzir o lead-time( tempo de ciclo) de abastecimento de matéria prima para unidade fabril de uma empresa de bens de capital. O objetivo deste artigo é apresentar um estudo de caso e uma proposta de melhoria para os processos de abastecimento que influencia diretamente na qualidade do produto e conseqüentemente na satisfação do cliente. Palavras chaves: Abastecimento, lead-time, Seis Sigma. 1. Introdução: Com o mundo cada vez mais globalizado as empresas estão inseridas num cenário mais acirrado. Em resposta, as empresas buscam melhorar seus processos e produtos para obter maiores vantagens competitivos e que atendam as expectativas de seus clientes e acionistas. Para melhorar os processos nas empresas existem varias metodologias. Uma delas é o Seis Sigma, ferramenta abrangente para melhoria. Alinhada ao planejamento estratégico tem sido utilizada por grandes empresas para agregar mais valor aos seus negócios. Seis Sigma tem sido utilizado tanto nos processos operacionais bem como nos processos transacionais, ou seja, nos processos de apoio ao processos produtivos sempre com o objetivo de minimizar as causas dos problemas para busca de um nível de qualidade que atenda seus clientes. O Seis Sigma surgiu na Motorola e foi desenvolvido pelo Engenheiro Bill Smith, em 1986, para eliminar a existência de reclamações sobre falhas no produto dentro do período da garantia. O método padronizou a forma de contagem dos defeitos e também definiu um alvo, de como atingir a perfeição, o qual foi denominado de Seis Sigma. A estratégia auxiliou a Motorola no alinhamento dos processos às necessidades do cliente, na mensuração e aprimoramento do desempenho dos processos críticos e na documentação desses, levando-a a triplicar a produtividade e obter economias da ordem de US$ 11 bilhões até o ano de O trabalho resultou na obtenção do prêmio Malcolm Baldrige National Quality Award (Prêmio Nacional da Qualidade dos EUA) em 1988.

2 Posteriormente, essa estratégia foi adotada por organizações como IBM, Xerox, Texas Instruments, AlliedSignal (atualmente Honeywell) e GE, onde o processo de melhoria DMAIC foi utilizado como o principal método de aprimoramento para atingir a qualidade Seis Sigma. Existem varias definições sobre o conceito Seis Sigma. Para Isnard Marshall et all (2003) discorre o Seis Sigma não é totalmente novo. A origem de seus princípios está fundamentada nas idéias de Shewhart, Deming e Juran entre outros. Ao apresentar algumas das melhores ferramentas da gestão da qualidade, se caracteriza como um método de gestão especifica que representa um conjunto de praticas para uso no sistema de gestão das empresas. De acordo com Thomas Pyzdek (2003), Seis Sigma não se ocupa da qualidade no sentido tradicional, ou seja, a conformidade com as normas e requisitos internos e sim como um programa que define a qualidade como um valor agregado por um esforço produtivo focalizando a redução de defeitos e do desperdício nos processos. Para que a metodologia tenha resultados importantes para a empresa, deve se organizar por processos. Conforme Gonçalves (2000), identificar os processos como sendo a maneira típica de realizar trabalho é importante para definir a forma básica de organização de pessoas e dos demais recursos da empresa. O processo é um conceito fundamental nos projetos Seis Sigma e dos meios pelos quais uma empresa pretende produzir e entregar seus produtos e serviços aos seus clientes. Parte do sucesso das empresas japonesas decorreu do fato de terem utilizado o gerenciamento de processos muito antes das empresas ocidentais e o empenho dado nesse gerenciamento contribui para processos mais rápidos e eficientes em áreas importantes como o desenvolvimento de produtos, logística, abastecimento, e comercialização. Os processos são fontes das competências que fazem a diferença em termos de concorrência. O Seis Sigma é uma forma de analisar os processos das empresas e de analisar e de melhorar ou criar novos processos e produtos. É um modo de reduzir as variações nos processos e conseqüentemente o valor sigma. Sempre com o foco no cliente, baseia-se em fatos e na utilização de ferramentas da qualidade para identificar e minimizar as causas e conseqüentemente os seus efeitos. A metodologia Seis Sigma ataca nas causas e não nos seus efeitos. O objetivo geral do estudo é a utilização da metodologia Seis Sigma em um processo especifico, nesse caso o Processo de Abastecimento de matéria prima para a unidade fabril de uma empresa de Bens de Capital, abordando os resultados e impactos que sua implementação trouxe para a empresa em referência. 1.1 Metodologia do Trabalho Como metodologia para o presente artigo utilizar-se-á a revisão bibliográfica e o estudo de caso. O estudo de caso foi realizado com os resultados obtidos de um projeto interno de Melhoria Seis Sigma no processo de Abastecimento de matéria-prima para unidade fabril. O estudo de caso tem como objetivo analisar os resultados da implementação da metodologia Seis Sigma. A empresa de Bens de Capital é uma empresa Nacional do setor Metalúrgico de equipamentos para área de infraestrutura, localizada no interior de São Paulo e que possui um programa ativo de Seis Sigma com mais de seis anos de experiência e com um corpo técnico treinado para a utilização dessa ferramenta.

3 2. Seis Sigma O Seis Sigma traduz empenhos de melhoria das empresas e seus processos na meta especifica de reduzir defeitos para próximo de zero. É uma estratégia empresarial que visa aumento da lucratividade das empresas por meio da redução de custos e aumento da qualidade do produto e serviços. Sigma é uma letra grega utilizada pelos matemáticos e estatísticos para definir o desvio padrão de uma população ou amostra. Na literatura encontram-se varias definições sobre essa metodologia. De acordo com Peres- Wilson (1999), o Seis Sigma tem vários significados e sua metodologia é utilizado de diferentes maneiras. Entre as definições encontradas na literatura trata o Seis Sigma como uma filosofia, um valor a ser alcançado, um nível de qualidade dos processos, uma referencia de comparação, uma estratégia, uma visão. Seis Sigma como filosofia: Visto como uma linha de pensamento para a melhoria perpetua do processo e redução da variabilidade na busca interminável do defeito zero. Seis Sigma como um valor a ser alcançado: Utiliza o controle estatístico da qualidade que tenta definir padrões de excelência operacional. O objetivo é fazer com que os processos não superem 3,4 defeitos por milhão de oportunidades. Seis Sigma como uma referencia de comparação: Utilizado como um parâmetro de comparação do nível de qualidade de processos, operações, produtos, sistemas, entre outros. Seis Sigma como Estratégia. Os processos empresarias a serem melhorados devem estar alinhados com a estratégia da empresa e escolhidos por seus gerentes e diretores com foco no resultado financeiro mensuráveis e isso requer analise e conhecimento das limitações da empresa e das variáveis do mercado. Seis Sigma como uma Visão: Visão de levar a companhia a ser a melhor do ramo. Empresas capazes de implementar esse programa com sucesso têm maiores desempenhos em seus indicadores de ganhos e metas financeiras, retorno sobre o investimento, crescimento de empregos e retorno aos acionistas. O uso de técnicas estatísticas para a melhoria da qualidade de produtos e serviços não é nenhuma novidade, porém o enfoque é novo. Diferente dos demais Programas de Qualidade que visam apenas à conformidade com as normas o Seis Sigma foca na redução dos desperdícios, dos recursos e do tempo de ciclo ou lead-time e ao mesmo tempo é focado na satisfação dos clientes e no aumento da margem de lucro. É uma visão proativa que engloba ferramentas e práticas que substituem hábitos reativos por uma gestão dinâmica e proativa. Os benefícios observados são: Redução de custos Lucratividade maior Satisfação do Cliente Mudança cultural Redução do lead-time ( tempo de ciclo) Desenvolvimento de novos produtos Participação maior no mercado ( Market-Share)

4 As ferramentas são aplicadas através de uma metodologia simples designada pela sigla DMAIC, ou Define-Mesuare-Analyze_Improve-Control ( Definir-Medir-Analisar- Melhorar-Controlar) similar ao método de TQM amplamente conhecido como PDCA (Planejar, Fazer, Controlar, Agir). O método DMAIC é descrito a seguir: Definir: Dados do projeto devem ser bem definidos através de um pré-projeto que deve conter descrições, tais como a missão, a descrição do problema, o escopo, a métrica o tempo de realização, a equipe de projeto, constrangimento, o impacto financeiro e o cronograma. Nessa fase os objetivos estratégicos da empresa são evidenciados. No âmbito operacional os objetivos poderiam ser a redução do nível de defeitos e ou melhoria em retornos de investimentos. Pode utilizar um sistema de análise de dados para identificar as oportunidades de melhorias potenciais. Medir: Tem como objetivo determinar a situação atual do processo, ou seja, medir quanto o processo é bom ou ruim em termos de sigma. Nessa etapa o processo é mapeado através de um fluxograma, onde se define as entradas, saídas e os recursos envolvidos. Nesse passo se faz uma coleta de dados de todas as variáveis envolvidas no processo para que seja estabelecida a medida da capacidade inicial do processo ou a linha base (baseline). É a medição do sistema existente. Analisar: Etapa de analise das variáveis de entrada por meio de estudos das relações entre as causas e efeito do processo e potenciais fontes de variabilidade. Pode-se utilizar a ferramenta Analise do Modo e Efeito de Falhas ( FEMEA, Failure Mode and Effec Analysis). Melhorar: Nessa etapa são priorizadas as ações a serem implementadas para a melhoria do processo. Nessa fase as relações entre as variáveis do processo são mais visíveis. Pode-se utilizar uma ferramenta de Delineamento de Experimentos comumente denominada de DOE Design of Experiments. Normalmente devem-se fazer modificações no Mapa do Processo a fim de torná-lo mais simples e com um tempo total necessário menor. Durante a fase de Melhoria, a Equipe Seis Sigma deverá apresentar a nova versão do Mapa do Processo procurando eliminar todas as etapas que não agregam valor ( os Re... s : Reparo, refugo, retrabalho, refazer qualquer atividade... ). Além disso, devem ser esgotadas todas as possibilidades de tornar o processo mais simples e menos burocrático. Controle: Finalmente, com as poucas variáveis de entrada para o processo, e com seus valores otimizados para se obter a melhor resposta de saída do processo, deve-se realizar um plano de ação de controle para que o processo seja previsível e consistente. Esse plano deve ser rígido para que o processo não volte ao seu estado anterior. 3 Estudo de Caso 3.1 A empresa A empresa estudada é a principal empresa do grupo Inepar, e atua no ramo de Metalurgica de Equipamentos, Projetos e Montagens. O grupo teve origem em maio de 1968, em Curitiba, com a fundação de uma pequena fábrica que atuava no ramo de materiais elétricos. Com importantes aquisições e associações ocorridas ao longo do tempo, hoje a empresa é uma das principais empresas do país atuando nos setores de infraestrutura, tais como: geração de energia, transporte metroferroviário, movimentação de materiais, cimento, mineração, portuário, siderurgia, petróleo e petroquímicas. Em Araraquara, onde está localizada sua

5 matriz, possui hoje o mais amplo, moderno e bem equipado parque industrial da América Latina, com m2 de área construída. A empresa conta com aproximadamente funcionários distribuídos na sua unidade fabril do interior do estado de São Paulo. 3.2 Cenário A empresa vive uma situação econômica favorável, haja vista os investimentos em infraestrutura que vem ocorrendo nos últimos anos por todo país, seja por parte do governo ou da iniciativa privada. A crise financeira que se instalou em todo o mundo, levando pânico aos mercados, até agora não foi sentida pela empresa, graças a sua carteira de pedidos firmes que garante ocupação de suas unidades fabris por um tempo necessário para que a economia mundial se normalize. A atual dificuldade na obtenção de crédito, uma das mazelas geradas pela crise, não representa problema para empresa, uma vez que a dependência de capital de terceiros é pequena. As principais fontes de recursos são os fornecedores e os próprios clientes, que, dada a complexidade dos produtos e serviços, antecipam parte de seu pagamento para o encaminhamento de seu pedido. Existem poucos concorrentes para a empresa analisada. No momento, não se observa no mercado a possibilidade de novos entrantes, em função da necessidade de um investimento muito grande para a instalação de uma planta industrial em condições de concorrer com as empresas que já operam no ramo. Clientes para este projeto: Os CDE s Centros de Excelência da área de produção da empresa que são: Metroviário, Movimentação de Materiais e Equipamentos de Processo. 3.3 Identificação do Problema Declaração do problema: Atualmente o atraso no processo de abastecimento é excessivo e, consequentemente, tem influenciado drasticamente o processo produtivo. Um levantamento em algumas obras e utilizada como base de amostragem apontou um atraso de até 150 dias no abastecimento de produtos e matérias primas para a fábrica. Declaração do objetivo: Reduzir o atraso para 26 dias tendo a mediana próxima de zero, ou seja, entre + 13 dias ou 13 dias. Dentro dessa distribuição o objetivo é centrar o processo numa variabilidade aceitável de 3 Sigma, ou seja, no minimo de 99,7% dos abastecimentos dentro da faixa de -13 a + 13 dias da data da utilização da materia prima pela unidade fabril. Motivos do projeto: 1. Contribuir para o CTQ Critical to Quality do atendimento de prazo fabril planejado nos projetos; 2. Aprimorar o sistema de medição de desempenho e o monitoramento de abastecimento; 3. Enfoque no atraso (prazo) excessivo no abastecimento definido pela CDE ( Centro de Execelencia onde se encontra a Engenharia do Produto); 4. Atender a necessidade nos prazos dos clientes finais, produção; e 5. Contribuir para o prazo de entrega contratual dos produtos acabados. Optou-se por utilizar o conceito de lead-time como linha base de medição dos processos de abastecimento. Lead-time ( tempo de ciclo) é o tempo decorrido entre a adoção de uma providência e sua concretização. A redução dos tempos envolvidos nos processos de produção é fator importante para aumentar a flexibilidade.

6 Utiliza-se lead-time de abastecimento para o tempo entre a colocação de uma solicitação de cotação de uma matéria prima e a entrega definitiva desta matéria prima em conformidade para a unidade que irá utilizá-la. Existem várias definições de lead-time na gestão de operações. Basicamente, Lead-time diz respeito ao tempo de se fazer algo. Ericksen & Suri (2001) propõe o termo MCT (Manufacturing Critical-Path Time). Este termo é definido como: MCT (Lead-time) é a típica quantidade de tempo medida a partir da criação de uma ordem, passando pelo caminho crítico até que a primeira peça única desta ordem seja entregue ao cliente.( neste caso, o cliente é interno: a própria unidade fabril) 3.4 Implantação A empresa possui uma estrutura interna treinada e apta para trabalhar com a ferramenta Seis Sigma composta por 1 Master Black Belt (Gestor com grande conhecimento sobre processos e negócios), 14 Black Belt (Gestores com conhecimento de projetos de mudanças em processos e especialistas em estatística) 37 Green Belts (Colaboradores que tem atribuições de levantar dados sobre processos) e 150 Front Line (colaboradores iniciantes em metodologia Seis Sigma). Portanto, é auto-suficiente na implantação de projetos. Para elaboração deste projeto foi formado um time composto da seguinte maneira: Champion: Membro da diretoria da empresa responsável por garantir o suporte necessário ao projeto. Patrocinadores: São os gerentes das áreas envolvidas responsáveis por definir as metas e também pela participação e integração de sua equipe ao projeto. Mentor / Black Belt: responsável pela orientação do time no uso das ferramentas Seis Sigma e pela revisão do projeto. Membros: composto por onze pessoas de todas áreas envolvidas, que serão responsáveis pela operacionalização do projeto e por sugerir as melhorias nos processos. Todos os recursos para a implantação e operacionalização do projeto, como as horas de trabalho dos envolvidos e as ferramentas utilizadas são internas, portanto, os custos são absorvidos diretamente pelo centro de custo de cada integrante do time. O projeto teve início em dezembro de 2007 e se estendeu até outubro de No princípio, a maior dificuldade encontrada para a implantação foi na coleta de dados para a primeira mensuração do problema, baseline, uma vez que as pessoas, de uma forma geral, não se sentem à vontade quando percebem que o processo em que estão envolvidas passa a ser medido e analisado de uma forma mais profunda e detalhada. Além disso, a simples percepção de mudanças nos procedimentos também causa insegurança e consequentemente gera resistência por parte das mesmas. Houve também a dificuldade em se conseguir que vários setores se reunissem para mapear um processo que lhes seja comum. As áreas tendem a gerir seus processos de uma forma individualizada, comprometendo, por vezes, o planejamento das demais áreas envolvidas. O projeto contou com o total e irrestrito apoio da alta direção, além de ter credibilidade em todos os níveis da empresa, fatores determinantes para o sucesso do mesmo. 3.5 Etapas do Projeto: Como o projeto utiliza a filosofia Seis Sigma, o mesmo foi dividido em etapas de trabalho por meio da metodologia do DMAIC. Esta metodologia se baseia nas seguintes etapas: Definição, Medição Analise, Melhoria (Improvemment) e Controle.

7 Definição: Observou-se por intermédio de medidores de desempenho internos da empresa em referência que o processo de abastecimento da empresa vinha apresentando atrasos para a fabricação. No mapa de processo o abastecimento inicia no momento que o planejamento emite a Solicitação de compra e termina no momento que a Qualidade estabelece a conformidade dos requisitos da materia prima.vide caminho em vermelho na figura 1. Figura 1 Mapa de Processo Processo de Abastecimento Medição: Foram escolhidos os projetos onde foram identificados os atrasos mais críticos de cada CDE, para servirem de base de estudo. Foram levantados os atrasos entre a data de entrega dos fornecedores e a data de utilização para a produção. O primeiro levantamento apontou os seguintes resultados (tabela 1): CDE Obra Mediana Mínimo Máximo Sigma Processos V99A 16, ,00 1,29 Processos SP ,58-14,00 52,00 1,84 Processos V104A 63,53 47,00 77,00-3,06 Processos V104B 66,50 47,00 94,00-1,98 Mov. Materiais HP ,89-22,00 90,00 1,35 Mov. Materiais HP ,00-32,00 72,00 1,74 Mov. Materiais M-16 4,00-122,00 120,00 1,77 Metroviário PI ,50-8,00 106,00 1,05 Metroviário PI ,00 9,00 48,00 0,54 Tabela 1 Coleta da dados dos Projetos (Baseline)

8 Observamos que os processos não são centrados e com distribuições em termos de abastecimento muito dispersas. Após análise estatística dos dados e a utilização do software MINITAB versão 14, observamos que as medidas em termos de sigma métrica estão razoavelmente distantes da meta de 3 Sigma. Há casos de valores negativos o que indica processos totalmente fora dos limites de especificações da faixa de -13 a 13 dias. Gráficos da Medição do Baseline de 4 projetos das 4 áreas de negócio da empresa. Figura 2- Distribuição Abastecimento Projeto HP2515 Figura 3 - Distribuicao Abastecimento Projeto 2511

9 Figura 4 - Distribuiçao Abastecimento Projeto SP0004 Figura 5 -Distribuiçaõ Abastecimento Projeto HP51244 Análise: Os dados levantados indicam que há uma dispersão muito grande no que se refere aos prazos de abastecimento. Assim, como num mesmo projeto constatou-se antecipações na entrega de alguns componentes, aconteceram atrasos consideráveis em outros, o que gera uma serie de desequilíbrios e contratempos no planejamento e na execução do projeto, comprometendo por fim, o cumprimento dos prazos acordados com os clientes. Conclui-se que as causas destes descompassos eram, basicamente, a falta de um controle mais efetivo de cada etapa do processo, além da dificuldade de se conseguir fornecedores aptos a trabalhar em uma sintonia mais afinada com a empresa. Melhorias: A solução encontrada foi utilizar o conceito do Lead-time de Abastecimento

10 Dinâmico, ou seja, o processo é dividido em tres etapas, que são: planejamento, compras, e fornecedores, que passam a ser monitorados quanto ao cumprimento de seus prazos. Cada etapa terá seu sigma próprio e todos consolidados, indicam o sigma do projeto. Processo anterior sem a utilizaçao do conceito de Lead-time (Vide figura 6) Figura 6 Sistema Baseline sem interação Projeto com melhoria. Lead-time dinâmico com feedback do tempo de compra e tempo de entrega do fornecedor.esses valores compoem o lead-time dinamico, (vide figura 7) Figura 7 Sistema com feedback para lead-time dinâmico Em termos de medição de desempenho cada etapa do abastecimento ( planejamento e suprimentos) terá um cálculo de sigma especifico e formará o Sigma de Abastecimento. Vide figura 8.

11 Figura 8 Composição do Sigma de Abastecimento Foi implementado no Sistema de Informação ERP ( Entreprise Resource Planning ) da empresa um modulo no software responsável por realizar o acompanhamento de cada etapa do processo e fornecer aos envolvidos as informações necessárias para se fazer uma gestão pró-ativa dos projetos. Vide Figura 9. Figura 9 Sistema ERP ajustado com o lead-time de abastecimento Assim, é possível, por exemplo, a área de suprimentos realizar as compras, de acordo com o lead-time de abastecimento, ou seja, só compra determinado componente quando este for efetivamente utilizado na fabricação dos equipamentos. Controle: Com a ferramenta acima, o controle do processo passa e ser feito em cada etapa e os resultados apontados em tempo real, o que permite às áreas agir imediatamente quando se verifica que algum problema acontece, minimizando assim, a possibilidade de não cumprimento dos prazos planejados. Definiu-se que o sigma aceitável para os projetos é no mínimo de 3 Sigma, ou seja, acertos em abastecimentos de pelo menos de 99,7%.

12 4. Resultados Dado a complexidade dos equipamentos produzidos pela empresa, que podem demorar, até mesmo, anos para serem concluídos, a meta estipulada de no mínimo 99,7% dos abastecimentos dentro do prazo de -13 a +13 dias da data efetivamente necessária, ainda não foi plenamente atingida, pois alguns projetos já se encontravam em andamento quando da implantação da ferramenta. Com a utilização da nova ferramenta pelo departamento de suprimentos da empresa é claramente perceptível a redução nos prazos de abastecimento nos novos projetos o que garante que a meta será brevemente alcançada, evidenciando, assim, este projeto como necessário para dar à empresa a capacidade de gerir seus processos de uma forma eficaz, resultando no aprimoramento de toda sua cadeia produtiva, fazendo com que a empresa cumpra pontualmente os compromissos assumidos em seus contratos e por consequência, agregue valor à sua imagem perante seus clientes e o mercado em geral. Referências Bibliográficas ERICKESEN, STOFLET AND SURI "Manufacturing Critical-path Time(MCT): The QRM Metric for Leadtime". ultimo acesso em 25/07/2009 ISNARD MARSHALL ET ALL: Gestão da Qualidade/ HSM Management, Editora FGV Rio de Janeiro 2009 JOSE ERNESTO LIMA GONÇALVES As empresas são grandes coleções de processos, RAE Revista de Administração de Empresas Jan/Mar 2000 MARINE ARIENE & MARCO A CASEI &EDUARDO SPERS Processo de mudança organizacional : Estudo de caso do Seis Sigma Revista da FAE, Curitiba V8 n.1 p81-92, jan/jun PEREZ-WILSON MARIO. Seis Sigma: Compreendendo o conceito, as implicações e os desafios. Rio de Janeiro. Qualitymark Editora, 1999 THOMAS PYZDEK: Dossiê: Uma ferramenta em busca do defeito zero: Como funciona o Seis Sigma?, HSM Managememt 38 Maio-junho 2003

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.5 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 SISTEMAS DA QUALIDADE SEIS SIGMA 1. INTRODUÇÃO 2. SEIS SIGMA 2 O QUE É O SEIS

Leia mais

Por que Lean & Six Sigma?

Por que Lean & Six Sigma? CONTEÚDO DA PALESTRA O O que é LEAN? O O que é Six Sigma? Por que? LEAN LEAN ORIGEM DO LEAN A metodologia Lean já existe há algum tempo: A Ford foi pioneira no início do século XX 33 horas para concluir

Leia mais

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento

Gestão da qualidade. Conceito e histórico da qualidade. Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Gestão da qualidade Conceito e histórico da qualidade Prof. Dr. Gabriel Leonardo Tacchi Nascimento Como é vista a qualidade Redução de custos Aumento de produtividade Conceito básico de qualidade Satisfação

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM AGOSTO DE 2015 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM JANEIRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

SEIS SIGMA: O ESTADO DA ARTE NA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LEVANDO À REDUÇÃO DE ÍNDICES DE PERDAS.

SEIS SIGMA: O ESTADO DA ARTE NA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LEVANDO À REDUÇÃO DE ÍNDICES DE PERDAS. 1 SEIS SIGMA: O ESTADO DA ARTE NA OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS LEVANDO À REDUÇÃO DE ÍNDICES DE PERDAS. Tema VII Organização e Gestão dos Serviços de Saneamento: Recursos Humanos, Políticas Públicas e Educação

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

Como Selecionar Projetos Seis Sigma

Como Selecionar Projetos Seis Sigma Como Selecionar Projetos Seis Sigma Cristina Werkema Etapas do processo de seleção A definição dos projetos a serem desenvolvidos pelos Black Belts e Green Belts é uma das atividades mais importantes do

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS

PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS PROGRAMA SEIS SIGMA Aluno: Msc. EDER PADUAN ALVES Msc. LUCAS BENEDITO DOS REIS SOUSA Professor: Dr. Leonel Perondi OUTUBRO / 2011 PROGRAMA LEAN 6 SIGMA

Leia mais

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010)

Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) Entrevista Lean Six Sigma com David Vicentin (para compor reportagem da Revista Banas Qualidade julho/2010) 1) Fale a respeito de sua formação profissional e atuação. Sou engenheiro de produção pela Escola

Leia mais

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC

DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC DPS1036 SISTEMAS DA QUALIDADE I METODOLOGIA SEIS SIGMA E MÉTODO DMAIC Aula 18 Introdução 2 As técnicas e ferramentas utilizadas no Seis Sigma permitem: Entender o problema; estudar suas causas; analisar

Leia mais

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA

COMO FALHAR COM SEIS SIGMA COMO FALHAR COM SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ Quem somos de atuação. Foco em métodos quantitativos para qualidade, produtividade

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 6 σ LEAN UPGRADE BLACK BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM ABRIL DE 2016 UPGRADE BLACK BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na General

Leia mais

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

QUALIDADE II. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves 09/08/2012. Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves QUALIDADE II Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Engenheiro Agrônomo CCA/UFSCar 1998 Mestre em Desenvolvimento Econômico, Espaço e Meio Ambiente IE/UNICAMP 2001 Doutor

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

Deming (William Edwards Deming)

Deming (William Edwards Deming) Abordagens dos principais autores relativas ao Gerenciamento da Qualidade. Objetivo: Estabelecer base teórica para o estudo da Gestão da Qualidade Procura-se descrever, a seguir, as principais contribuições

Leia mais

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma

Treinamento de. Green Belt em Lean Seis Sigma Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma Sumário 03. Nossa Empresa 05. Seis Sigma 06. Treinamento de Green Belt em Lean Seis Sigma 07. Conteúdo Programático 12. Certificados 13. Principais Instrutores

Leia mais

Introdução Qualidade de Software

Introdução Qualidade de Software Introdução Qualidade de Software Seis Sigma Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com A gestão da qualidade total é hoje uma das principais estratégias competitivas para as mais diversas empresas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma?

O que é Sigma? E o que é Seis Sigma? O que é Sigma? Sigma é uma letra grega (s) usada na Estatística para representar o desvio-padrão de uma distribuição. Em Estatística, letras gregas são usadas para representar parâmetros, e seus valores

Leia mais

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO

GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH. PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO GESTÃO DO NÍVEL DE SERVIÇO E SEGMENTAÇÃO DE MERCADO PARA DIFERENCIAÇÃO DOS SERVIÇOS DE RH PROFa. EVELISE CZEREPUSZKO O QUE É NÍVEL DE SERVIÇO LOGÍSTICO? É a qualidade com que o fluxo de bens e serviços

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi

Marketing. Gestão de Produção. Gestão de Produção. Função Produção. Prof. Angelo Polizzi Marketing Prof. Angelo Polizzi Gestão de Produção Gestão de Produção Objetivos: Mostrar que produtos (bens e serviços) consumidos, são produzidos em uma ordem lógica, evitando a perda ou falta de insumos

Leia mais

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias

Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma. Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias Global Productivity Solutions Treinamento e Consultoria em Seis Sigma Seis Sigma em Serviços: desafios e adequações necessárias A importância do Seis Sigma e da Qualidade em serviços As empresas de serviços

Leia mais

Lean Seis Sigma e Benchmarking

Lean Seis Sigma e Benchmarking Lean Seis Sigma e Benchmarking Por David Vicentin e José Goldfreind O Benchmarking elimina o trabalho de adivinhação observando os processos por trás dos indicadores que conduzem às melhores práticas.

Leia mais

O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos

O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos Livraria Virtual PMI 2009 Project Management Institute O Impacto da Qualidade no Gerenciamento de Projetos Por Shobhit Shrotriya Resumo Toda organização enfrenta a difícil tarefa de executar projetos que

Leia mais

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO

PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DO ESPÍRITO SANTO FACASTELO Faculdade De Castelo Curso de Administração Disciplina: Qualidade e Produtividade PRINCÍPIOS DA QUALIDADE E MODELOS DE GESTÃO 1 Profa.: Sharinna

Leia mais

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma

David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Carta do Leitor Por: David Vicentin (dvicentin@setecnet.com.br) Gerente de Lean Six Sigma Engenheiro de produção pela Escola Politécnica da USP e especialista em PNL pela SBPNL. Gerente da área de Lean

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO

FERRAMENTAS DE GESTÃO FERRAMENTAS DE GESTÃO GUIA PARA EXECUTIVOS Professo MSc Lozano 2015 FERRAMENTAS DE GESTÃO Técnicas gerenciais utilizadas pelas organizações para aumentar competitividade. Ferramentas Básicas para Gestão

Leia mais

"Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas

Seis Sigma no gerenciamento dos processos e negócios das empresas "Seis Sigma" no gerenciamento dos processos e negócios das empresas Introdução: Como resultado do trabalho pioneiro na Motorola - reforçado pelo esforço de empresas do porte da ABB, Alied Signal, General

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a

SISTEMAS INTEGRADOS P o r f.. E d E uar a d r o Oli l v i e v i e r i a SISTEMAS INTEGRADOS Prof. Eduardo Oliveira Bibliografia adotada: COLANGELO FILHO, Lúcio. Implantação de Sistemas ERP. São Paulo: Atlas, 2001. ISBN: 8522429936 LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas

Leia mais

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle

A FUNÇÃO CONTROLE. Orientação do controle A FUNÇÃO CONTROLE O controle é a ultima função da administração a ser analisadas e diz respeito aos esforços exercidos para gerar e usar informações relativas a execução das atividades nas organizações

Leia mais

Tema I: Abastecimento de Água

Tema I: Abastecimento de Água 1 CONTROLAR PARA NÃO PERDER ÁGUA: O USO DO CONTROLE ESTATÍSTICO DE PROCESSOS NO INCREMENTO DA QUALIDADE DA OPERAÇÃO DE SISTEMAS E COMERCIALIZAÇÃO DE SERVIÇOS Tema I: Abastecimento de Água Arthur Pereira

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING

OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING OS 14 PONTOS DA FILOSOFIA DE DEMING 1. Estabelecer a constância de propósitos para a melhoria dos bens e serviços A alta administração deve demonstrar constantemente seu comprometimento com os objetivos

Leia mais

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades * AMARAL, J.A. Modelos para gestão de projetos: como utilizar adequadamente conceitos, ferramentas e metodologias. São Paulo: Scortecci: 2004 * http://www.rcgg.ufrgs.br/cap14.htm (visitado em 05/2006)

Leia mais

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015

σ LEAN LEAN SEIS SIGMA FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 6 σ LEAN FORMAÇÃO GREEN BELT TURMA REDUZIDA INÍCIO EM SETEMBRO DE 2015 FORMAÇÃO GREEN BELT ORIGENS DO A metodologia Seis Sigma surgiu na Motorola, na década de 1980, e foi posteriormente implementada na

Leia mais

ERP Enterprise Resource Planning

ERP Enterprise Resource Planning ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Evolução dos SI s CRM OPERACIONAL TÁTICO OPERACIONAL ESTRATÉGICO TÁTICO ESTRATÉGICO OPERACIONAL TÁTICO ESTRATÉGICO SIT SIG SAE SAD ES EIS

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade

Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Gerenciamento de Projetos Modulo IX Qualidade Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL

DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL agosto/2012 Case de Sucesso DEPARTAMENTO DE HELP DESK DA DIXIE TOGA MELHORA METAS COM PRÁTICAS DE ITIL Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL

Leia mais

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009

CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 CONGRESSO LEAN SIX SIGMA MAIO 2009 A GESTÃO DO NEGÓCIO ATRAVÉS DA METODOLOGIA E A BUSCA PELA EXCELÊNCIA OPERACIONAL 1 ALBERTO PEZEIRO SÓCIO - DIRETOR pezeiro@setadg.com.br TEL.+55.19.3707-1535 CEL.+55.11.8111-0026

Leia mais

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA

Conceitos. Conceitos. Histórico. Histórico. Disciplina: Gestão de Qualidade ISSO FATEC - IPATINGA Disciplina: FATEC - IPATINGA Gestão de ISSO TQC - Controle da Total Vicente Falconi Campos ISO 9001 ISO 14001 OHSAS 18001 Prof.: Marcelo Gomes Franco Conceitos TQC - Total Quality Control Controle da Total

Leia mais

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS

GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA INDUSTRIAL MBA GESTÃO EM PRODUÇÃO E SERVIÇOS DISCIPLINAS E EMENTAS SINTONIZANDO PERCEPÇÕES E UNIFORMIZANDO A LINGUAGEM

Leia mais

Qualidade e Auditoria de Sistemas

Qualidade e Auditoria de Sistemas Histórico do Modelo As origens do Seis Sigma como um padrão de medição vêm dos trabalhos de Carl Frederick Gauss (1777-1855), que introduziu o conceito da curva normal ou curva de Gauss. As raízes do Seis

Leia mais

Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão

Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão Modelos de Gestão Ferramentas de Gestão Um pouco sobre qualidade na administração Onde estamos? Onde chegar? Quando chegar? Qual direção tomar? 2 2 2 É uma metodologia estruturada para fornecimento de

Leia mais

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO

CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS RESUMO 1 CADEIA DE SUPRIMENTOS MÉTODOS DE RECEBIMENTOS LEANDRO PANTOJO 1 PETERSON ROBERTO DE LARA 2 VAGNER FUSTINONI 3 RENATO FRANCISCO SALDANHA SILVA 4 VALDECIL DE SOUZA 5 RESUMO O objetivo deste trabalho será

Leia mais

Transformação de Processos. Palestrante: Monica Moreira

Transformação de Processos. Palestrante: Monica Moreira Transformação de Processos Palestrante: Monica Moreira Sobre a Instrutora Monica Rodrigues Moreira MsC, MBA, CBPP, ITIL, Cobit Pesquisadora Universidade Federal Fluminense Curriculo linkedin www.linkedin.com/in/monicarodriguesmoreira

Leia mais

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto

TPM Total Productive Maintenance. ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto TPM Total Productive Maintenance ENG 90017 Manutenção e Confiabilidade Flávio Fogliatto Histórico e panorâmica da sistemática Surgida no Japão, é considerada evolução natural da manutenção corretiva (reativa)

Leia mais

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos

Módulo 6. Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos Módulo 6 Detalhamento do desenvolvimento de objetivos, metas e indicadores para o BSC, o Balanced Scorecard pessoal e exemplos A organização traduzindo a missão em resultados Missão Por que existimos?

Leia mais

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico

IETEC Instituto de Educação Tecnológica. Artigo Técnico IETEC Instituto de Educação Tecnológica Artigo Técnico A Importância Do Desenvolvimento Dos Fornecedores Para A Atividade De Compras Autor: Fernando de Oliveira Fidelis Belo Horizonte MG 11 de Agosto de

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA

POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA POTENCIALIZANDO OS GANHOS COM LEAN SEIS SIGMA Marco Siqueira Campos Diretor da Siqueira Campos Associados Estatístico - Eng. Qualidade Cert. ASQ 15 anos 15 anos 1 Quem somos 15 anos de atuação. Foco em

Leia mais

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil

Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil Certificações ISO 9001 por Setor Econômico no Brasil 9000 8000 8690 7000 6000 5000 4000 3000 4709 3948 2000 1000 29 4 0 Indústria Comércio e Serviços Agropecuária Código Nace Inválido TOTAL Fonte: Comitê

Leia mais

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira

Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira Disciplina: GESTÃO DE PROCESSOS E QUALIDADE Prof. Afonso Celso M. Madeira 3º semestre DEFINIÇÃO Metodologia para a melhoria de processos por toda empresa. Visa obter aprimoramento da qualidade e ganhos

Leia mais

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade

Gestão da Qualidade. Evolução da Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Evolução da Gestão da Qualidade Grau de Incerteza Grau de complexidade Adm Científica Inspeção 100% CEQ Evolução da Gestão CEP CQ IA PQN PQN PQN TQM PQN MSC GEQ PQN PQN Negócio Sistema

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000

IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Exame simulado IT Service Management Foundation Bridge based on ISO/IEC 20000 Edição Novembro, 2013 Copyright 2013 EXIN All rights reserved. No part of this publication may be published, reproduced, copied

Leia mais

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software

Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em Desenvolvimento de Software Rafael Espinha, Msc rafael.espinha@primeup.com.br +55 21 9470-9289 Maiores informações: http://www.primeup.com.br riskmanager@primeup.com.br +55 21 2512-6005 Avaliação de Riscos Aplicada à Qualidade em

Leia mais

METODOLOGIA SEIS SIGMA: SUA APLICAÇÃO NA REDUÇÃO DOS CUSTOS POR REFUGO NA INSPEÇÃO FINAL DAS PEÇAS PIN TRANS

METODOLOGIA SEIS SIGMA: SUA APLICAÇÃO NA REDUÇÃO DOS CUSTOS POR REFUGO NA INSPEÇÃO FINAL DAS PEÇAS PIN TRANS METODOLOGIA SEIS SIGMA: SUA APLICAÇÃO NA REDUÇÃO DOS CUSTOS POR REFUGO NA INSPEÇÃO FINAL DAS PEÇAS PIN TRANS Flávio Antônio de Jesus SERAFIM 1 Liliana Ferraz TOLEDO 1 Raul DELLEGÁ 1 Rosemary Turino SARTORI

Leia mais

Gestão da Qualidade. Controle Estatístico de Qualidade. Roteiro. Evolução da Qualidade. Inspeção do produto:

Gestão da Qualidade. Controle Estatístico de Qualidade. Roteiro. Evolução da Qualidade. Inspeção do produto: Roteiro Gestão da Qualidade 1. Filosofias da Qualidade e Estratégias de Gestão 2. Custos da Qualidade 3. Gestão pela Qualidade Total 4. Ciclo PDCA 5. Ferramentas de Gerenciamento 6. Seis Sigma 7. Referências

Leia mais

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014

Portfólio de Treinamentos. Exo Excelência Operacional // 2014 Portfólio de Treinamentos Exo Excelência Operacional // 2014 Treinamentos Exo Excelência Operacional A Exo Excelência Operacional traz para você e sua empresa treinamentos fundamentais para o desenvolvimento

Leia mais

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva

Estratégia Seis Sigma. Prof. Dr. Messias Borges Silva Estratégia Seis Sigma Livre Docente em Engenharia da Qualidade (UNESP) Engenheiro Industrial Químico (FAENQUIL- EEL/USP) Certified Quality Engineer (American Society for Quality-ASQ-USA) Pós-graduado em

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA.

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PARA AUMENTO DA PRODUTIVIDADE EM EMPRESA DO SEGMENTO METAL MECÂNICA. Elton Dias Paz Aluno de administração das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS. Elton.paz@fibria.com.br

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO SISTEMA DE GESTÃO DE QUALIDADE NAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Valério da Silva Ramos (*) Administrador de Empresas, pós-graduado em Gestão Econômica e Financeira

Leia mais

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização

27/10/2011. Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização Visão do Papel Integrado dos SI Dentro de uma Organização 1 Tipos de SI Depende do tipo de apoio a ser oferecido Deve-se levar em consideração: Usuários operações (entrada +processamento + saída) destino

Leia mais

Tecnologia da Informação

Tecnologia da Informação Tecnologia da Informação Gestão Organizacional da Logística Sistemas de Informação Sistemas de informação ERP - CRM O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para

Leia mais

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Palavras-chave Melhores práticas, inovação, geração de valor, qualidade, serviços, gestão de serviços, suporte em TI, melhoria contínua, orientação a processos,

Leia mais

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2

Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Visão Geral sobre Gestão de Projetos e Iniciação de Projetos Aula 2 Miriam Regina Xavier de Barros, PMP mxbarros@uol.com.br Agenda Bibliografia e Avaliação 1. Visão Geral sobre o PMI e o PMBOK 2. Introdução

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning

Balanced Scorecard. Planejamento Estratégico através do. Curso e- Learning Curso e- Learning Planejamento Estratégico através do Balanced Scorecard Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste material sem a permissão expressa

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL

Gerenciamento de Serviços em TI com ITIL. Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL Gerenciamento de Serviços de TI com ITIL A Filosofia do Gerenciamento de Serviços em TI Avanços tecnológicos; Negócios totalmente dependentes da TI; Qualidade, quantidade e a disponibilidade (infra-estrutura

Leia mais

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000

Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 2 Visão Geral do Sistema da Qualidade ISO 9001: 2000 Para a gestão da qualidade na realização do produto a ISO 9001: 2000 estabelece requisitos de gestão que dependem da liderança da direção, do envolvimento

Leia mais

MODELO SEIS SIGMA. Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade. TQM / Seis Sigma / ISO 9000. Ferramentas da Qualidade.

MODELO SEIS SIGMA. Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade. TQM / Seis Sigma / ISO 9000. Ferramentas da Qualidade. Operacional Tático Estratégico Sustentabilidade Serviços MODELO SEIS SIGMA Histórico e Perspecitiva Estratégica da Qualidade PRINCÍPIOS Gerenciamento das Diretrizes TQM / Seis Sigma / ISO 9000 Gestão por

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução

MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução MELHORIA DA QUALIDADE e MASP (Prof. José Carlos de Toledo GEPEQ/DEP-UFSCar) 1. Introdução A Melhoria da Qualidade é uma atividade que deve estar presente nas rotinas de toda a empresa. Isto significa que

Leia mais

GPP TREINAMENTO E CONSULTORIA. Apresentação Básica de Portfólio

GPP TREINAMENTO E CONSULTORIA. Apresentação Básica de Portfólio GPP TREINAMENTO E CONSULTORIA Apresentação Básica de Portfólio Renato B. Rodrigues Estatístico pela UNICAMP, MBA em Administração pela FEA USP e especialização em Estratégia (Insead França) e Liderança

Leia mais

MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços

MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços MBA INTERNACIONAL GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS SISTEMAS DE PRODUTIVO Bens e Serviços Verificação de Aprendizado Professor - Claudio Anselmo Moreto Grupo de Trabalho: Ivan Augusto Cesar Almeida João Rodrigo

Leia mais

Escolha os melhores caminhos para sua empresa

Escolha os melhores caminhos para sua empresa Escolha os melhores caminhos para sua empresa O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio

Leia mais

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking

Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking Artigo Lean Seis Sigma e Benchmarking David Vicentin e José Goldfreind Benchmarking pode ser definido como o processo de medição e comparação de nossa empresa com as organizações mundiais best-in-class.

Leia mais

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL

ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ESTUDOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE EM UMA EMPRESA DE CONSULTORIA EM ENGENHARIA CIVIL ANA LAURA CANASSA BASSETO (UTFPR) alcanassa@hotmail.com Caroline Marqueti Sathler (UTFPR)

Leia mais

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso

Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Análise de Processos do PMBOK em uma Fábrica de Software Um Estudo de Caso Carlos Alberto Rovedder, Gustavo Zanini Kantorski Curso de Sistemas de Informação Universidade Luterana do Brasil (ULBRA) Campus

Leia mais

Indicadores de Desempenho do SGQ

Indicadores de Desempenho do SGQ Módulo 3: Indicadores de Desempenho do SGQ Instrutor: Henrique Pereira Indicadores de Desempenho do SGQ Partes interessadas: Quem são? Quais são suas necessidades? Como monitorar e medir os processos:

Leia mais

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço

Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o. Gerenciamento de Níveis de Serviço Utilizando o CobiT e o Balanced Scorecard como instrumentos para o Gerenciamento de Níveis de Serviço Win Van Grembergen, http://www/isaca.org Tradução de Fátima Pires (fatima@ccuec.unicamp.br) Na economia

Leia mais

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001

Tradução livre do PMBOK 2000, V 1.0, disponibilizada através da Internet pelo PMI MG em abril de 2001 Capítulo 8 Gerenciamento da Qualidade do Projeto O Gerenciamento da Qualidade do Projeto inclui os processos necessários para garantir que o projeto irá satisfazer as necessidades para as quais ele foi

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico

Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas. Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico Gerenciamento de Projetos Implantação de Obras Planejamento Administração de Empresas Orçamentação Contratos Marketing Apoio Técnico www.bethonico.com.br APRESENTAÇÃO Desde o ano 2000, a Bethonico Planejamento

Leia mais

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL

REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL REDUZINDO AS QUEBRAS ATRAVÉS DA MANUTENÇÃO PROFISSIONAL Luiz Rodrigo Carvalho de Souza (1) RESUMO O alto nível de competitividade exige que as empresas alcancem um nível de excelência na gestão de seus

Leia mais

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão

Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão Prof. Me. Maico Roris Severino Curso Engenharia de Produção Universidade Federal de Goiás (UFG) Campus Catalão 1 Roteiro da Apresentação Definições Cadeia de Suprimentos Logística Gestão da Cadeia de Suprimentos

Leia mais

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751

SOLMIX Consultoria Empresarial - Fone: 011 99487 7751 Objetivos Nosso Objetivo é Colocar a disposição das empresas, toda nossa Experiência Profissional e metodologia moderna, dinâmica e participativa, para detectar as causas sintomáticas e seus efeitos. Realizar

Leia mais

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas

10 Minutos. sobre práticas de gestão de projetos. Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas 10 Minutos sobre práticas de gestão de projetos Capacidade de executar projetos é essencial para a sobrevivência das empresas Destaques Os CEOs de setores que enfrentam mudanças bruscas exigem inovação

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento. 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento 26 Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental Da gestão da qualidade à excelência em gestão Gestão Operação Ao longo dos anos 90, as experiências

Leia mais

fagury.com.br. PMBoK 2004

fagury.com.br. PMBoK 2004 Este material é distribuído por Thiago Fagury através de uma licença Creative Commons 2.5. É permitido o uso e atribuição para fim nãocomercial. É vedada a criação de obras derivadas sem comunicação prévia

Leia mais

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING

ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS ERP ENTERPRISE RESOURCE PLANNING RENAN ROLIM WALENCZUK Canoas, Agosto de 2014 SUMÁRIO 1 INTODUÇÃO...03 2 ERP (ENTERPRISE

Leia mais

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados.

Prof. Cleber Ricardo Paiva. Sistemas de Gestão Integrados Pós-graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial. Sistemas de Gestão Integrados. 1 Sistemas de Gestão Integrados Gestão da Qualidade Pós graduação Latu Sensu em Gestão Empresarial Ribeirão Preto E-mail: crpaiva@faap.br CONTEÚDO Introdução Sistemas de Gestão da Qualidade Ações Gerenciais

Leia mais

Envolvendo a área Operacional da Companhia. Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.

Envolvendo a área Operacional da Companhia. Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com. Envolvendo a área Operacional da Companhia Alberto Pezeiro Seta Desenvolvimento Gerencial pezeiro@setadg.com.br F.+55.11.8110-0026 www.setadg.com.br Escolha Adequada da Estratégia de Melhoria de Processos

Leia mais

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes.

Logística Empresarial. Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II. Aula 6. Conceitos Importantes. Logística Empresarial Aula 6 Global Sourcing A Globalização e a Nova Visão da Logística Parte II Prof. Me. John Jackson Buettgen Contextualização Conceitos Importantes Fluxos logísticos É o movimento ou

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais