PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM"

Transcrição

1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Pronatec Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA CAMAREIRA EM MEIOS DE HOSPEDAGEM PRONATEC/FNDE/MEC Bento Gonçalves Setembro/2012

2 Reitora: Cláudia Schiedeck Soares de Souza Pró-Reitor de Ensino: Sérgio Wortmann Diretor do Campus: Luciano Manfroi Diretor de Ensino: Edson Carpes Camargo Endereço: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Bento Gonçalves Avenida Osvaldo Aranha, 540 Bairro Juventude CEP: Bento Gonçalves/RS Fone: Site: Eixo Tecnológico: Hospitalidade e Lazer Carga Horária Total do Curso: 200 horas (160 horas/aula e 40 horas de atividades práticas supervisionadas). Comissão Elaboradora e Revisora do Projeto Pedagógico: Kelen Rigo Leâni Vívian Faé Tânia Aiub

3 SUMÁRIO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO APRESENTAÇÃO CARACTERIZAÇÃO DO CAMPUS BENTO GONÇALVES JUSTIFICATIVA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS PERFIL DO CURSO PERFIL DO PROFISSIONAL EGRESSO REQUISITOS DE INGRESSO PERIODICIDADE DE OFERTA FREQUENCIA MÍNIMA OBRIGATÓRIA ORGANIZAÇÃO CURRICULAR MATRIZ CURRICULAR CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E BIBLIOGRAFIA METODOLOGIA DE ENSINO MATERIAL DIDÁTICO/PEDAGÓGICO AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM CONHECIMENTO PRÉVIO EXPRESSÃO DOS RESULTADOS RECUPERAÇÃO AUTOAVALIAÇÃO INSTALAÇÕES, EQUIPAMENTOS E BIBLIOTECAS PESSOAL DOCENTE E TÉCNICO ADMINISTRATIVO CERTIFICADOS CASOS OMISSOS...35 REFERÊNCIAS...35

4 LISTA DE FIGURAS Figura 01 - Representação gráfica da Matriz Curricular do Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem...20

5 LISTA DE TABELAS Tabela 1 - Equipe diretiva do Curso Camareira em Meios de Hospedagem Básico- Pronatec - IFRS/BG...06 Tabela 2 - Relação de cursos e respectivo número de alunos matriculados no Campus Bento do IFRS no primeiro semestre de Tabela 03 - Quadro com informações de freqüência e regularidade das aulas...16 Tabela 04 - Quadro da equipe docente e técnica administrativa envolvida no curso...34

6 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO Denominação do curso: Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem Local de oferta: Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Câmpus Bento Gonçalves Modalidade: presencial Turno de oferta: noite Nº de vagas disponíveis: 20 Nº de alunos por turma: 20 Carga horária total: 200h (160 horas/aula e 40 horas de atividade prática supervisionada) Equipe diretiva do Câmpus: Luciano Manfroi - Diretor Geral do Campus ( ) Edson Carpes Camargo - Diretor de Ensino ( ) Rodrigo Otávio Camara Monteiro Diretor de Pesquisa e Inovação ( ) Marcus Almança Diretora de Extensão ( ) Gilberto Luíz Putti Diretor de Desenvolvimento Institucional ( ) Gilmar Merlo Diretor Administrativo ( ) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Bento Gonçalves Avenida Osvaldo Aranha, 540 Bairro Juventude CEP: Fone: Data: setembro/2012

7 2. APRESENTAÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem será oferecido através do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), destinado preferencialmente aos trabalhadores e beneficiários dos programas federais de transferência de renda do município de Bento Gonçalves, na modalidade presencial, referente ao Eixo Tecnológico Hospitalidade e Lazer. O referido projeto está fundamentado nas bases legais do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC), no que dispõe a LDB nº 9394/96, nos referenciais curriculares e demais resoluções e decretos no sistema educacional brasileiro, bem como no Projeto Político Pedagógico do IFRS- BG. Instituído no dia 26 de outubro de 2011, pela Lei Federal nº /2011, o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (PRONATEC) visa expandir e democratizar a oferta de Educação Profissional e Tecnológica (EPT) à população brasileira, através da oferta de Formação Inicial e Continuada (FIC) totalmente gratuitos. Para isso, foram criados diversos subprogramas, dentre os quais destacamos a Bolsa-Formação Trabalhador. Com o objetivo de promover o acesso de trabalhadores de diferentes perfis à EPT, a Bolsa-Formação Trabalhador oferecerá cursos presenciais e gratuitos de Formação Inicial e Continuada com duração mínima de 160 horas. Os beneficiados pela Bolsa-Formação Trabalhador têm direito a vagas gratuitas, todos os insumos necessários para o pleno desenvolvimento do aprendizado (inclusive material didático e escolar), bem como assistência estudantil relativa à alimentação e ao transporte. O curso, no âmbito do Pronatec, será atendido preferencialmente para trabalhadores e beneficiários, assim como dos programas federais de transferência de renda. Os cursos oferecidos no âmbito da Bolsa-Formação Trabalhador contemplarão a participação de povos indígenas, comunidades quilombolas, adolescentes e jovens em cumprimento de medidas socioeducativas além de outros grupos de elevada vulnerabilidade social. Também será estimulada a

8 participação de pessoas com deficiência, para as quais serão observadas as condições de acessibilidade e participação plena no ambiente educacional, tais como adequação de equipamentos, de materiais pedagógicos, de currículos e de estrutura física. Dentre os principais objetivos do Pronatec, através da oferta da Bolsa- Formação Trabalhador, podemos destacar: Consolidar o vínculo entre qualificação profissional e elevação da escolaridade; Utilizar os Cursos FIC como instrumentos para a aproximação entre o mundo do trabalho e uma Educação Profissional e Tecnológica voltada para o desenvolvimento profissional, a inclusão e o exercício da cidadania; Promover a articulação, por meio da coordenação mútua e do regime de colaboração, entre as esferas públicas em seus diversos níveis (federal, estadual e municipal), focalizando políticas setoriais que atendam às necessidades específicas dos grupos em vulnerabilidade social inclusive pessoas com deficiência, indígenas, mulheres, quilombolas, ribeirinhos e privados de liberdade; Facilitar a reinserção, na vida civil, de praças e outros militares que estejam em processo de receber baixa do Serviço Militar. Dessa forma, o projeto do Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem foi construído a partir da demanda de capacitação e profissionalização de trabalhadores, jovens e desempregados. A proposta está estruturada no intuito de valorizar a formação humana integral, buscando a interdisciplinaridade, por meio da integração dos conteúdos da Educação Profissional. Portanto, visa à formação de profissionais qualificados para o mundo do trabalho, mas também a formação de cidadãos críticos, pró-ativos, responsáveis, conscientes da realidade social, política e cultural de sua região, do contexto nacional e global. Como educar não significa apenas transmitir o legado cultural às novas gerações, mas também ajudar o aluno a aprender o aprender, despertar vocações, proporcionar condições para que cada um alcance o máximo de sua potencialidade e, finalmente, permitir que cada um conheça suas finalidades e tenha competências para mobilizar meios para concretizá-las, chega-se ao sentido estrutural da questão: o que significa educar. Em

9 síntese: aprender a conhecer, viver junto e aprender a ser (ANTUNES, 2007, p. 45). Diversas são as considerações que devem ser feitas para a construção do conhecimento dos discentes, muito mais se pensando em um contexto histórico crítico, do que simplesmente de forma técnica. Dessa maneira, o objetivo principal do Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem, promovido pelo IFRS, através do Pronatec é orientar o discente para a construção de competências, habilidades e conhecimentos necessários para a sua inserção no mundo do trabalho, tendo como base: o contexto socioeconômico regional, nacional e global; a interdisciplinaridade dos conteúdos; os conhecimentos históricos, sociológicos e filosóficos. O objetivo alia-se também a qualificar os profissionais dos setores de meios de hospedagem da Região Uva e Vinho na Serra Gaúcha- RS, formando profissionais-cidadãos empreendedores, competentes, com conhecimentos técnicos, eticamente responsáveis e comprometidos com o bem estar da coletividade e que saibam articular a teoria à prática, fazendo uso das habilidades e atitudes compatíveis com a área. 3. CARACTERIZAÇÃO DO CAMPUS BENTO GONÇALVES O Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Campus Bento Gonçalves (IFRS BG) é uma instituição federal de ensino público e gratuito, instalada em uma área de m², dividida entre a sede ( m²) e a fazenda-escola ( m²). A instituição foi criada em 22 de outubro de 1959 pela Lei nº 3646, de 22 de outubro de 1959 como Colégio de Viticultura e Enologia de Bento Gonçalves, passando a funcionar de forma efetiva a partir de 27 de março de Em 25 de março de 1985 alterou sua denominação para Escola Agrotécnica Federal "Presidente Juscelino Kubistchek". Em 16 de agosto de 2002, foi implantado o Centro Federal de Educação Tecnológica de Bento Gonçalves, Cefet-BG e em 28 de dezembro de 2008 passou a Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia Campus Bento Gonçalves. Por ser um polo de atração regional e nacional, o IFRS BG abriga em seu corpo discente alunos das mais diversas regiões do estado e do país. Para esse

10 segmento da comunidade escolar, a instituição disponibiliza regime de internato, serviço de lavanderia, cozinha/refeitório, acompanhamento psicológico, ginásio poliesportivo, centro de tradições gaúchas com galpão típico, cancha para futebol de areia, cancha para vôlei de praia, sala de musculação, fazenda-escola, agroindústria, cooperativa-escola e cantina de vinificação. A instituição tem tradição no ensino agrícola, dispondo para tanto de infraestrutura para a criação de suínos, aves, caprinos, bovinos de leite, coelhos, setor de mecanização, agroindústria, estufas plásticas para produção de mudas e hidroponia, pomares, horta e coleção de plantas medicinais e ornamentais. Além disso, dispõe de laboratórios de solos, topografia, informática, fitossanidade e está em fase de aquisição de equipamentos para a implantação de laboratórios de sementes, micropropagação, irrigação, entre outros. Como entidade voltada à educação profissional, o IFRS BG mantém acordos e convênios com várias instituições do país e exterior, entre elas: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, de Portugal; Università degli Studi di Udine e Università degli Studi di Padova, da Itália e com o Liceu de Ensino Geral e Tecnológico Agrícola de Blanquefort, da França. Também mantém parcerias com associações que oferecem estágios no exterior, como o CAEP, IFAA e AFEBRAE. Através da Coordenadoria de Estágios e Integração com Setores Produtivos (CEISP), o IFRS BG possui 467 empresas cadastradas para a realização de estágios curriculares em mais de 140 municípios do RS e outros estados. De seus egressos se espera que sejam capazes de aliar o conhecimento técnico à consciência de que sua cidadania e profissionalismo são essenciais para o mundo do trabalho. Fazendo parte da expansão da Rede Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, o Campus Bento Gonçalves ampliou a oferta sua oferta de cursos. Atualmente o Campus oferece cursos técnicos, cursos de Licenciatura, cursos Superiores em Tecnologia, Cursos de Pós-Graduação e ainda conta com programas educacionais como o Proeja, Proeja Fic e a Rede de Ensino à Distância. No primeiro semestre de 2012, o Campus Bento Gonçalves encontra-se com 1757 alunos matriculados, nos seguintes cursos.

11 Tabela 2 Relação de cursos e respectivo número de alunos matriculados no Campus Bento do IFRS no primeiro semestre de Os discentes são procedentes na sua maioria (97,6%) do Rio Grande do Sul, sendo os demais oriundos de estados como Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Mato Grosso, Rio de Janeiro, Pernambuco e Goiás. A abrangência da instituição pode ser observada pelo grande número de municípios de origem dos alunos, que totaliza 133 em todo o Brasil, sendo 115 municípios gaúchos, dentre os quais destacam-se: Bento Gonçalves, Garibaldi, Vacaria, Feliz, São Francisco de Paula, Farroupilha, Caxias do Sul, Carlos Barbosa, Monte Belo do Sul e Antônio Prado. Nesse sentido, o IFRS BG, consciente de seu papel de indutor do desenvolvimento local e regional, vem buscando ampliar suas áreas de atuação, se aliando com as políticas do Ministério da Educação, a fim de contribuir com a educação profissional e com a comunidade regional. A busca incessante do IFRS- BG sempre foi a de atender aos arranjos produtivos, buscando inovações tecnológicas e difundindo estes conhecimentos junto à comunidade local e regional.

12 4. JUSTIFICATIVA O turismo na Região Uva e Vinho Serra Gaúcha está em pleno crescimento e integra o Programa de Regionalização do Ministério do Turismo (MTUR), além de contar com um destino indutor Bento Gonçalves - indicado pelo Ministério. Sendo assim, podemos observar com esse fomento, que pequenos negócios surgem e com eles à necessidade da profissionalização dos serviços e da sensibilização para os diferenciais do bom atendimento aos clientes. Após analise de dados nas categorias de restaurantes, hotéis, bares e similares em vinte municípios da Região, foi registrada baixa oferta de mão-de-obra especializada em alguns segmentos. Identifica-se, portanto, falta de profissionalização, aliada à concorrência com demais setores da indústria. Os mais de empregos diretos gerados pelo setor enfrenta uma grande rotatividade, necessitando de investimento para a capacitação e profissionalização dos profissionais que atuam nessas áreas, trabalhando sua autoestima, oferecendo-lhes oportunidades de aperfeiçoamento e capacitação, bem como possibilidades de emprego e renda. Diante das informações, e considerando o crescimento do número de hotéis, bares, restaurantes e entretenimento em nosso Estado, bem como a necessidade de buscar profissionais cada vez mais qualificados para atuar no atendimento da área de Alimentos e Bebidas, justifica-se o presente curso. Seu objetivo é proporcionar aos participantes o desenvolvimento de competências necessárias para o desempenho da função de camareira, oportunizando uma qualificação, promovendo a profissionalização e a autoestima. Essa capacitação trará benefícios à região e às populações locais através do incremento da economia com inclusão social, o combate à rotatividade e distribuição de renda baseada na ampliação e qualificação da oferta, o qual passará a integrar o projeto de desenvolvimento regional do turismo e Região.

13 5. OBJETIVOS 5.1 OBJETIVO GERAL O Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem, promovido pelo IFRS, através do Pronatec, tem por objetivo qualificar os profissionais dos setores de meios de hospedagem da Região Uva e Vinho na Serra Gaúcha - RS, formando profissionais-cidadãos empreendedores, competentes, com conhecimentos técnicos, eticamente responsáveis e comprometidos com o bem estar da coletividade, que saibam articular a teoria à prática, fazendo uso das habilidades e atitudes compatíveis com a área. 5.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS O Curso em Camareira em Meios de Hospedagem, promovido pelo IFRS Câmpus Bento Gonçalves propicia os seguintes objetivos específicos, que serão desenvolvidos ao longo do curso: Preparar os discentes para o mundo do trabalho e para o efetivo exercício da cidadania, bem como formar profissionais comprometidos com a realidade socioeconômica e tecnológica do país, com uma visão global do processo do trabalho no Eixo Tecnológico de Hospitalidade e Lazer. A qualificação, profissionalização e atualização dos trabalhadores, visando à sua inserção e melhor desempenho no exercício do trabalho e na vida em sociedade; Identificar oportunidades para fazer da teoria uma prática viável, visando soluções que possam melhorar e aumentar a produtividade e a competitividade das organizações inseridas nos meios de hospedagem. Buscar a melhoria contínua das organizações, por meio de uma postura próativa, criativa e reflexiva; Integração, na tarefa educativa, dos princípios empreendedores levando os alunos ao conhecimento pleno de suas potencialidades, transformando-os em gestores do seu crescimento pessoal e profissional.

14 6. PERFIL DO CURSO O Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem ofertado pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Bento Gonçalves, será oferecido em regime presencial, com duração de 5 (cinco) meses consecutivos. O curso será destinado preferencialmente para trabalhadores e beneficiários dos programas federais de transferência de renda do município de Bento Gonçalves, por meio do Programa Nacional de Acesso do Ensino Médio Técnico e Emprego Pronatec. Os candidatos terão direito a vagas gratuitas, os insumos necessários para o pleno desenvolvimento do aprendizado (inclusive material didático e escolar) e à assistência estudantil relativa à alimentação e transporte. O curso compreende competências gerais, profissionais e específicas, incluindo os fundamentos necessários ao desempenho profissional de uma Camareira, ofertando disciplinas em caráter obrigatório, totalizando 200 horas-aula (160 horas-aula de disciplinas e 40 horas de atividades práticas supervisionadas). 7. PERFIL DO PROFISSIONAL DO EGRESSO O profissional formado no Curso Camareira em Meios de Hopedagem do Pronatec, promovido pelo IFRS/BG, atua de forma pró-ativa, empreendedora, ética e responsável, a fim de desempenhar da melhor maneira as suas atividades na área. Esse profissional deve ser um agente impulsionador do desenvolvimento sustentável da região, integrando a formação técnica à cidadania na busca do conhecimento, podendo atuar em organizações públicas e privadas nos meios de hospedagem. A(o) Camareira(o) estará habilitada(o) para trabalhar em estabelecimentos de hospedagem, organização e limpeza. Estará apta(o) a realizar, no decorrer do processo de ensino-aprendizagem, as principais funções como: executar os procedimentos operacionais de limpeza; higienização; arrumação; vistoria; reposição dos materiais das unidades habitacionais, zelando pelos objetos pessoais, hábitos, preferências e cultura de cada hóspede; administrar o tempo; indicar e caracterizar componentes que integrarão ambientes hoteleiros, visando sua

15 funcionalidade; realizar o controle de materiais e equipamentos; atender às solicitações de clientes internos e externos. 8. REQUISITOS DE INGRESSO Os requisitos recomendados, conforme a natureza da formação, apresenta sem prejuízo a exigências de idade, raça, renda ou de outra natureza estabelecidos pelos Conselhos Estaduais de Educação, associações profissionais ou outro órgão reconhecido pelo Governo Federal. A única recomendação de exigência, conforme o Guia Pronatec de Cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC), é o candidato possuir escolaridade mínima do Ensino Fundamental incompleto. O acesso ao Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem se dará, primeiramente, através de pré-matricula dos candidatos no site do Ministério de Turismo Pronatec Copa (www.pronateccopa.turismo.gov.br) em período determinado, e posteriormente, inscrições poderão ser realizadas através de formulários fornecidos pelo IFRS-BG para preenchimento de cadastro reserva no IFRS - Campus Bento Gonçalves ou no Sindicato de Hotéis, Restaurantes, Bares, e Similares (SHRBS) entidade parceira neste processo. Outras formas de pré-matricula se darão através de cadastro de candidatos no Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) nas unidades dos Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) e Sistema Nacional de Emprego (SINE) de Bento Gonçalves (parceiros demandantes). Após esse processo, haverá o período para seleção e pré-matrícula dos candidatos. Em caso de haver mais inscritos do que vagas para determinado curso, a seleção dos candidatos ocorrerá por meio de ordem de inscritos. Em sequência, os candidatos selecionados deverão dirigir-se ao parceiro ofertante, no caso o IFRS Campus Bento Gonçalves, munidos da documentação exigida, para confirmação de suas matrículas, permitindo assim, que se efetivem como beneficiários da Bolsa- Formação Trabalhador. Na confirmação da matrícula, os beneficiários assinarão termo de compromisso emitido pelo SISTEC, que será arquivado pela unidade ofertante.

16 9. PERIODICIDADE DA OFERTA Não é possível estabelecer a periodicidade da oferta do Curso FIC de Camareira em Meios de Hospedagem Pronatec, tendo em vista que as turmas serão ofertadas quando da existência de demanda do setor. A princípio, será iniciada uma turma com capacidade de 30 vagas e, caso haja demanda, será estudada a possibilidade da oferta de novas turmas. O desenvolvimento desta turma acontecerá mensalmente, durante cinco meses consecutivos - de outubro de 2012 a fevereiro de ofertando disciplinas em caráter obrigatório, totalizando 200 horas-aula (160 horas-aula de disciplinas e 40 horas de atividades práticas supervisionadas). Tabela 03 Quadro com informações de freqüência e regularidade das aulas Mês Dias semana Horário aula Quant. semanas Carga horária N aulas Outubro segunda a quinta 19:00 às 22:00 5 semanas 60h 20 Novembro segunda a quarta 19:00 às 22:00 4 semanas 36h 12 Dezembro segunda a quarta 19:00 às 22:00 3 semanas 27h 9 Janeiro segunda a quarta 19:00 às 22:00 4 semanas 36h 12 Fevereiro segunda a quarta 19:00 às 22:00 4 semanas 40h FREQUÊNCIA MÍNIMA OBRIGATÓRIA Conforme determinação e informação contida no termo de compromisso assinado pelo discente no ato da matrícula, será exigida frequência mínima de 75% da carga horária em cada disciplina do curso para aprovação. O aluno que faltar alguma aula ou ultrapassar o percentual de 25% de faltas durante a disciplina, poderá justificá-las através de documento que comprove uma das seguintes situações: - Problema de saúde, através de atestado médico; - Atestado de trabalho; - Obrigações com o Serviço Militar; - Falecimento de parente, desde que a avaliação se realize dentro do período da ocorrência;

17 - Convocação pelo Poder Judiciário ou Justiça Eleitoral - Participação em algum evento/palestra. O aluno que não justificar suas faltas e ultrapassar o limite de freqüência por disciplina aqui estabelecido, será considerado automaticamente reprovado. Com base na Lei nº 6.202, de 17/04/1975, a aluna em estado de gravidez, por um prazo de 3 meses, a partir do 8º mês de gestação, com possibilidade de antecipação ou prorrogação, nos casos extraordinários, a critério médico, ficará assistida pelo regime de exercícios domiciliares, conforme especificações instituídas pelo Decreto-Lei número 1.044, 21 de outubro de O controle de frequência é de responsabilidade do docente de cada disciplina, devendo ser registrado semanalmente nos diários de classe. O registro da frequência se dará conforme carga horária do período de aula, ou seja, deverá constar três registros por encontro, pois cada um possui duração de três horas (3h/aula = 3 registros). Conforme Art. 5º da Resolução CD/FNDE nº 4 de 16 de março de 2012, o registro de frequência e desempenho escolar dos alunos dos Cursos Técnicos do Pronatec deverão ser registrados no SISTEC e atualizados bimestralmente. 11. ORGANIZAÇÃO CURRICULAR A organização curricular do Curso Camareira em Meios de Hospedagem observa as estruturas curriculares adotadas em outras instituições e condizente com a realidade da demanda do mercado, bem como com as diretrizes definidas pela equipe diretiva deste curso do Câmpus Bento Gonçalves do IFRS-BG. A proposta curricular do curso foi desenvolvida de forma a buscar a formação integral do estudante, através da formação profissional, tendo em vista a sua inserção no mundo do trabalho, contribuindo, assim, para o seu desenvolvimento profissional e pessoal. Dessa forma, o currículo deverá oportunizar aos discentes não somente a aquisição das competências previstas no perfil profissional, mas também o desenvolvimento de valores éticos, morais, culturais, sociais, políticos e ecológicos. Nessa perspectiva, o currículo e as práticas pedagógicas devem estimular os alunos a buscar soluções, de forma autônoma e com iniciativa. Para tanto, devem

18 ser utilizados diferentes procedimentos didáticos pedagógicos, como atividades teóricas, demonstrativas e práticas contextualizadas, bem como projetos voltados para o desenvolvimento da capacidade de solução de problemas. O processo de ensino-aprendizagem deve extrapolar os limites da sala de aula, desenvolvendo-se também nas visitas técnicas. A atividade prática de fazer, tornar a fazer, discutir, sintetizar, comparar, avaliar, é fundamental para o desenvolvimento das habilidades. Desta maneira, é de suma importância a reflexão crítica e planejamento quanto aos métodos de ensino utilizados pelo docente em sua prática, cujo trabalho significa, de acordo com Libâneo (2008, p. 23), a efetivação da tarefa de ensinar. Tarefa essa que deve ser compreendida como uma constante evolução e dedicação. Segundo Libâneo (2008, p.17) não há sociedade sem prática educativa nem prática educativa sem sociedade, pois as duas se complementam. Torna-se tarefa do dia a dia dos docentes, os quais devem buscar sempre o aperfeiçoamento e melhoramento das mesmas, a fim de obter cada vez mais resultados positivos e mediando a aprendizagem dos discentes de maneira efetiva e diferenciada. Neste sentido, na tarefa de ensino aprendizagem, esse processo, definido por Libâneo (2008, p. 54) como uma sequência de atividades do professor e dos alunos, tendo em vista a assimilação de conhecimentos e desenvolvimento de habilidades, tornase essencial que o professor utilize diversos meios para trabalhar o aprendizado de uma maneira eficiente e eficaz. À medida que o professor contribuir para formar no aluno o pensamento crítico, produzir conhecimentos, estará proporcionando aos alunos a busca de soluções para os problemas detectados e habilitando-os a enfrentar novos problemas que surgirem. A ideia central deve ser a de que a relação entre a teoria e a prática seja o processo pelo qual se produz o conhecimento. Ainda, a ação educativa deve ser questionada em virtude das metas a que se refere e ao professor; cabe-lhe questionar sua prática pedagógica em função dos objetivos pedagógicos e sociais a que ele serve (MARION & MARION, 2006, p. 55). Sendo assim, no que tange às diferentes arquiteturas pedagógicas, verifica-se que primeiramente devemos estudar a realidade de nossos alunos, para então elaborarmos nossas propostas de ensino-aprendizagem, visando sempre à totalidade, de forma a desenvolver a efetiva articulação entre teoria e prática. Portanto, a interdisciplinaridade também torna-se imprescindível para a elaboração das práticas pedagógicas do Curso de Camareira em Meios de Hospedagem, tendo como objetivo o diálogo constante com os discentes, a troca e o fortalecimento dos

19 conhecimentos adquiridos no ambiente maneira a construção efetiva do conhecimento. profissional e escolar, buscando dessa 11.1 MATRIZ CURRICULAR O Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem está estruturado em quatro módulos, compostos pelos componentes curriculares descritos na matriz curricular, os quais atendem aos conhecimentos e habilidades necessários para a formação teórica e prática desse profissional. As disciplinas específicas da formação profissional totalizam 200 horas, respeitando as diretrizes do Guia PRONATEC de Cursos FIC, que estabelece uma carga horária mínima de 160 horas para o eixo profissional de Hospitalidade e Lazer. A matriz curricular do curso está organizada por disciplinas em regime presencial, com uma carga horária total de 200 horas, sendo 160 horas/aula destinadas às disciplinas e 40 horas às atividades práticas supervisionadas (estágio). O estágio curricular supervisionado, denominado como Atividade Prática Supervisionada, poderá ser realizado durante as disciplinas do terceiro módulo ou após a conclusão deste, seguindo as normas e regulamentos em vigor na instituição. Figura 01 Representação gráfica da Matriz Curricular do Curso de Formação Inicial e Continuada em Camareira em Meios de Hospedagem Módulo I Carga Horária Orientação Profissional e Cidadania 20 Fundamentos do Turismo e Hospitalidade 9 Saúde, Segurança do Trabalho e Resp. Ambiental 12 Ética Profissional 9 Carga Horária Total 50 Módulo II Carga Horária

20 Relacionamento Interpessoal 12 Comunicação e Atendimento ao Cliente 9 Matemática Básica Aplicada 12 Carga Horária Total 39 Módulo III Carga Horária Técnicas de Serviço de Governança 20 Equipamentos, Materiais e Produtos de Limpeza 12 Técnicas de Serviço de Camareiro 48 Carga Horária Total 71 Módulo IV Carga Horária Atividade Prática Supervisionada 40 Carga Horária Total 40 Carga Horária Total das Disciplinas - 200h o do Certificadoão do Curso e ObtençãConclus 11.2 CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E BIBLIOGRAFIA 1 Módulo Orientação Profissional e Cidadania Carga Horária: 20h/a Ementa: Fundamentos da Orientação Profissional; Abordagem Sócio-Histórica; Auto conhecimento; Conhecimento das profissões; Conhecimento do mercado/mundo do trabalho; A escolha e as implicações no mercado de trabalho; Trabalho, família e sociedade; Atual cenário do mundo do trabalho: significados,

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) INGLÊS INTERMEDIÁRIO Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino Vicente

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA EM GARÇOM BÁSICO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA EM GARÇOM BÁSICO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Pronatec Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO INGLÊS BÁSICO Câmpus Santa Rosa/RS 2013 SUMÁRIO 1 Apresentação... 3 2

Leia mais

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

ASSISTENTE DE PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CÂMPUS CANOAS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO FIC PRONATEC Canoas

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014

Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Organograma do Pronatec/CEDAF 2014 Supervisor Financeiro Coordenação Geral Apoio Administrativo Supervisor de TI Apoio Financeiro Orientador Pedagógico Apoio Administrativo Avaliação dos Cursos Coordenação

Leia mais

Instrumento de Avaliação

Instrumento de Avaliação Monitoramento e Avaliação do Bolsa-Formação 2012 - Instrumento_de_Avaliação - # 42 Instrumento de Avaliação {{>toc}} I - Contextualização da Unidade Ofertante a. Nome da mantenedora; b. Base legal da mantenedora

Leia mais

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

PLANO DE CURSO. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição PLANO DE CURSO Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

Perguntas e respostas sobre o Pronatec

Perguntas e respostas sobre o Pronatec Perguntas e respostas sobre o Pronatec 1 O que é o Pronatec? Pronatec é o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego. Foi criado em 26 de outubro de 2011 por meio da Lei 12.513. Seu funcionamento

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL CONTINUADA (FIC) AGENTE COMUNITÁRIO DE SAÚDE Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de Ensino

Leia mais

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DOS CURSOS DE DESENVOLVIMENTO DE SERVIDORES PRÓ-REITORIA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS 1. DA MODALIDADE DO PROGRAMA E DOS SEUS OBJETIVOS

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 1 FACULDADE DE ESTUDOS SOCIAIS DO ESPÍRITO SANTO PIO XII CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EM COMÉRCIO EXTERIOR I INTRODUÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO - 2014 O currículo

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE VAREJO ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo geral:

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ALEMÃO BÁSICO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ALEMÃO BÁSICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA CÂMPUS PANAMBI PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ALEMÃO BÁSICO Câmpus Panambi RS 2014 Presidente da República

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL EM LINUX Campus Lages Junho/204 Parte (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2. Endereço/CNPJ/Telefone

Leia mais

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional)

COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão. Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) COORDENADORA: Profa. Herica Maria Castro dos Santos Paixão Mestre em Letras (Literatura, Artes e Cultura Regional) Universidade Federal de Roraima UFRR Brasil Especialista em Alfabetização (Prática Reflexiva

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano Reitoria INSCRIÇÃO PARA O PROCESSO DE RECONHECIMENTO DE SABERES PARA

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negocios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Administração FORMA/GRAU:( )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( x) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Atividades Complementares Sistemas de Informação 1. Introdução Nos cursos de graduação, além das atividades de aprendizagem articuladas pelas disciplinas que compõem a matriz curricular, deverão ser inseridas

Leia mais

No uso de suas atribuições, o diretor-geral do Campus Osório do IFRS, institui a Norma Operacional de número 001/2010.

No uso de suas atribuições, o diretor-geral do Campus Osório do IFRS, institui a Norma Operacional de número 001/2010. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS OSÓRIO Osório, 08 de novembro de 2010. No uso de

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010

FACULDADES INTEGRADAS CAMPO GRANDENSES INSTRUÇÃO NORMATIVA 002/2010 17 05 2010 O Diretor das Faculdades Integradas Campo Grandenses, no uso de suas atribuições regimentais e por decisão dos Conselhos Superior, de Ensino, Pesquisa, Pós Graduação e Extensão e de Coordenadores, em reunião

Leia mais

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação

GRADUAÇÃO HOTELARIA BACHARELADO. NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação NOTA MÁXIMA NO MEC Ministério da Educação TITULAÇÃO: Bacharel em Hotelaria CARGA HORÁRIA: 3.104 horas DURAÇÃO: 2 anos DIFERENCIAL 2 ANOS A Castelli ESH propõe-se a ofertar o Curso de Graduação em Hotelaria,

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

NORMAS DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA 2015 SUMÁRIO 1 - DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 2 - OBJETIVO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO... 3 3 - ACOMPANHAMENTO E ORGANIZAÇÃO DO ESTÁGIO OBRIGATÓRIO... 4 4 - EXEMPLO DE ÁREAS PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO...

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FORMAÇÃO INICIAL DE PROGRAMADOR WEB Campus Lages Junho/2014 Parte 1 (solicitante) DADOS DO CAMPUS PROPONENTE 1. Campus: Instituto Federal de Santa Catarina Campus Lages. 2.

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec

Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec Pronatec EJA: o Proeja no Pronatec MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Anna Catharina da Costa Dantas dpept.setec@mec.gov.br Brasília/DF, 02 de julho de 2013. PNE 2011-2020:

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC. Apresentação do Curso. Especialista M.B.A em Gestão de Pessoas

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC. Apresentação do Curso. Especialista M.B.A em Gestão de Pessoas PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MONITORIA DO ENSINO DE GRADUAÇÃO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 18 de junho de 2015, Processo 016/2015

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA REGULAMENTO GERAL DE ESTÁGIO CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Universidade Federal de Goiás Instituto de Química ORIENTAÇÕES E NORMAS SOBRE O ESTÁGIO CURRICULAR PARA ESTUDANTES DO CURSO DE

Leia mais

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC

PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC PLANO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PRONATEC Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição e do Programa Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC de GESTÃO E LIDERANÇA EM INSTITUIÇÕES PÚBLICAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA CÂMPUS LAGES Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 02/2015 1 A Coordenação do Curso de Administração, da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições e em cumprimento ao Art. 5 o do Regulamento de Monitoria, Anexo da Resolução de 21 de dezembro

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA

REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA BARRETOS 2010 REGULAMENTO PROGRAMA DE MONITORIA Art. 1 - O Programa de Monitoria da Faculdade Barretos, destinado a alunos regularmente matriculados, obedecerá às normas

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas PROEJA FORMA/GRAU:( x )integrado ( )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de Agente de Desenvolvimento Socioambiental Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 43/2014, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 43/2014, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica

O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica O Ensino a Distância nas diferentes Modalidades da Educação Básica Francisco Aparecido Cordão Conselheiro da Câmara de Educação Básica do CNE facordao@uol.com.br 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais

Especialização em Gestão Estratégica de Projetos Sociais Especialização em Gestão Estratégica de Apresentação CAMPUS COMÉRCIO Inscrições Abertas Turma 02 --> Início Confirmado: 07/06/2013 últimas vagas até o dia: 05/07/2013 O curso de Especialização em Gestão

Leia mais

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL

POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL POLÍTICA DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM SERVIÇO SOCIAL Abril / 2014 Apresentação O Estágio Supervisionado em Serviço Social é um ato educativo que acontece no ambiente de trabalho e

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II DIREÇÃO GERAL DIRETORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E AO EMPREGO

COLÉGIO PEDRO II DIREÇÃO GERAL DIRETORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E AO EMPREGO COLÉGIO PEDRO II DIREÇÃO GERAL DIRETORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E AO EMPREGO EDITAL Nº 01 DE 23 DE JULHO DE 2012 DEC (Errata e Complemento) EDITAL INSTITUCIONAL

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ESPANHOL BÁSICO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ESPANHOL BÁSICO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO ESPANHOL BÁSICO Câmpus Júlio de Castilhos RS 2013 2 Dilma Rousseff Presidente

Leia mais

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Plano de Curso Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CCSA - Centro de Ciências Sociais e Aplicadas São Paulo, 20 de maio de 2009. ASSUNTO: NORMA ADMINISTRATIVA PARA A REALIZAÇÃO DE MONITORIA NO CCSA Prezado(a) Aluno(a), Considerando: I. a importância da monitoria como um dos meios para a operacionalização

Leia mais

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita

Projeto. Supervisão. Escolar. Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Projeto de Supervisão Escolar Adriana Bührer Taques Strassacapa Margarete Zornita Justificativa O plano de ação do professor pedagogo é um guia de orientação e estabelece as diretrizes e os meios de realização

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 005/2011 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDIMENTO AO CONVENIO Nº 711591/2009 MDS/ITS/CEDEP

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr

Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil. Fernando Jose Spanhol, Dr Sistema de Educação a Distância Publica no Brasil UAB- Universidade Aberta do Brasil Fernando Jose Spanhol, Dr www.egc.ufsc.br www.led.ufsc.br O Sistema UAB Denominação representativa genérica para a rede

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas/RS nº 01/2014

Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas/RS nº 01/2014 Nota Orientadora Pronatec-Tec e Idiomas/RS nº 01/2014 Assunto: - Apresentação do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego PRONATEC - Coordenação / Gestão / Execução - Processo de Ingresso

Leia mais

Instrução Normativa nº 01/2011

Instrução Normativa nº 01/2011 Instrução Normativa nº 01/2011 Institui e normatiza o Programa de Assistência Estudantil do Instituto Federal de Minas Gerais - IFMG. As PRÓ-REITORIAS DE ADMINISTRAÇÃO; ENSINO; EXTENSÃO; PESQUISA, INOVAÇÃO

Leia mais

Manual do Estagiário 2008

Manual do Estagiário 2008 Manual do Estagiário 2008 Sumário Introdução... 2 O que é estágio curricular... 2 Objetivos do estágio curricular... 2 Duração e carga horária do estágio curricular... 3 Requisitos para a realização do

Leia mais

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante)

Aprovação do curso e Autorização da oferta. PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO FIC PRONATEC de ALMOXARIFE. Parte 1 (solicitante) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Aprovação do curso e Autorização da oferta PROJETO PEDAGÓGICO

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são:

O Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores possui flexibilidade para atender dois tipos de certificações intermediárias, que são: 1) Formas de participação do Corpo Discente: O Colegiado do Curso é um órgão consultivo, deliberativo e normativo, onde é possível a participação do corpo discente nas decisões que competem a exposição

Leia mais

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Plano de Curso. Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal Plano de Curso Dados da Instituição Razão Social Esfera Administrativa Site de Instituição Universidade Federal de Viçosa - Campus UFV Florestal Central de Ensino e Desenvolvimento Agrário de Florestal

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 13/2011

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 13/2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS COORDENAÇÃO DE GESTÃO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS EDITAL CGDP/SRH Nº 13/2011 ABERTURA E DISPOSIÇÕES GERAIS DO CURSO PREPARATÓRIO PARA

Leia mais

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica

PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica PDI 2012-2016 Implementação da Instituição e Organização Acadêmica Pró-Reitoria de Ensino do IFG Gilda Guimarães Dulcinéia de Castro Santana Goiânia_ 2012/1 1- PARÂMETROS LEGAIS LEI Nº 11.892, DE 29 DE

Leia mais

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes

Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Minuta do Capítulo 8 do PDI: Políticas de Atendimento aos Discentes Elaborada pela Diretoria de Assuntos Estudantis 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa e Extensão nos dias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO

UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO UNIBRASIL Faculdades Integradas do Brasil MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE TURISMO CURITIBA 2011 CURSO DE TURISMO ESCOLA DE NEGÓCIOS MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO Ao fazer o

Leia mais

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com.

FACULDADE ANHANGUERA DE INDAIATUBA Rua Claudio Dal Canton, 89 - Cidade Nova II - Indaiatuba -SP - CEP 13334-390 (19) 3885-6700 www.portalpos.com. A pós-graduação é fundamental para manter-se bem colocado no mercado de trabalho e para aperfeiçoar competências profissionais. Além de enriquecer o currículo, este tipo de especialização ajuda a melhorar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO

(Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO (Anexo II) DESCRIÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO... 3 2 ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO Missão: Atuar nas diferentes áreas (administração, planejamento e orientação educacional) com o intuito

Leia mais

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência:

SUMÁRIO Apresentação O Locus da Prática Profissional Fundamentação Legal Objetivos Planejamento Competência: SUMÁRIO Apresentação... 5 O Locus da Prática Profissional...6 Fundamentação Legal... 7 Objetivos... 8 Planejamento... 9 Competência: Da Coordenação Geral de Estágios do Curso... 10 Do Supervisor/Preceptor

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EMENTA EIXO TECNOLÓGICO: Gestão e Negócios Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO CURSO: Técnico em Vendas FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( ) tecnólogo MODALIDADE:

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012

EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 EDITAL DE SELEÇÃO COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO N.º 02/2012 Aviso de Divulgação de Seleção de Instrutor Pleno para as atividades de incubação de empreendimentos produtivos. REF: CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ CÂMPUS CURITIBA Pró-Reitoria de Extensão, Pesquisa e Inovação Diretoria de Extensão e Políticas de Inclusão

Leia mais

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão

ANEXO III. Regulamentação da Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrado na Modalidade Educação de Jovens e Adultos. Capítulo I Da admissão ANEXO III ORGANIZAÇÃO DIDÁTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNANBUCANO Resolução nº 031/2010 De 30 de setembro de 2010 Regulamentação da Educação Profissional Técnica

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online DOCÊNCIA NO ENSINO SUPERIOR EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: MONSENHOR ANTONIO MAGLIANO Código: 088 Município: GARÇA SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICA EM NÍVEL MÉDIO

Leia mais

EDITAL Nº 98, DE 29 DE MAIO DE 2013

EDITAL Nº 98, DE 29 DE MAIO DE 2013 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL Nº 98, DE 29 DE MAIO DE

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA ESTRUTURA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE LETRAS REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS EM LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA E LÍNGUAS ESTRANGEIRAS (INGLESA, ESPANHOLA E ALEMÃ) CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

Leia mais

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM

EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM EIXO IV QUALIDADE DA EDUCAÇÃO: DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO, PERMANÊNCIA, AVALIAÇÃO, CONDIÇÕES DE PARTICIPAÇÃO E APRENDIZAGEM PROPOSIÇÕES E ESTRATÉGIAS 1.2. Universalização do ensino fundamental de nove anos

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM COMUNICAÇÃO E MARKETING Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de Pós-Graduação

Leia mais

Licenciatura em Educação Física

Licenciatura em Educação Física Licenciatura em Educação Física Estágio Curricular O Estágio Curricular talvez seja um dos primeiros grandes desafios do acadêmico que optou pelo Curso de licenciatura em Educação Física. As situações

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

EDITAL Nº 038, DE 15 DE MARÇO DE 2013.

EDITAL Nº 038, DE 15 DE MARÇO DE 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 038, DE 15 DE MARÇO DE 2013. Dispõe sobre o processo

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PORTARIA Nº 586/10/GS/SEDUC/MT Dispõe sobre os critérios para atribuição do professor articulador e professor da sala de recursos multifuncionais

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais