PLANO TIC

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO TIC"

Transcrição

1 PLANO TIC O Coordenador TIC Ricardo Padrão [ 1]

2 ESCOLA EB123/PE Prof. Francisco Manuel Santana Barreto IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Ricardo Padrão IDENTIFICAÇÃO DA EQUIPA TIC Ricardo Padrão Coordenador TIC Diva Sousa Professor de TIC 1º/ 3º Ciclos Johnny Santos Conselho Executivo Carlos Augusto Constante Coordenador ACND Susana Graça Coordenadora AEC Susana Rocha Formação Continua João Alves Projecto QIM [ 2]

3 DIAGNÓSTICO [Comunidade escolar] x 300 Alunos x 60 Professores x 25 Funcionários [ Recursos TIC ] x Computadores Alunos ( 26 PC s + 1 laboratório móveis) x Computadores Docentes ( 7 PC s) x Videoprojectores (1 fixo(s) + 2 móvel) x Retroprojectores ( 2 ) x Rádio Leitores CD ( 2) x TV ( 2 Moveis (TV+DVD+VHS) + 4 Fixas) x Quadros interactivos (1 fixos + 0 móvel ) x Scanners ( 1 Sala informática + 2 Sala de Gestão ) x Máquinas fotográficas digitais (3) x Máquina Video digital (1) x Acesso Wireless à Internet (acesso em 10 pontos) [ 3]

4 ÍNDICE 1. Introdução 2. Objectivos Centrais 3. Plano TIC actividades a desenvolver 4. Cronograma TIC 5. Avaliação do Plano TIC 6. Divulgação do Projecto 7. Anexos [ 4]

5 1. Introdução Ensinar com as Tecnologias de informação e Comunicação deverá corresponder a uma prática educativa global, planeada, inserida numa ampla estratégia educativa centrada no aluno, tornando os alunos activos e criativos, renovando as formas de acesso aos conhecimentos e oferecendo novas formas de aprendizagem. É essa a proposta deste plano, visando a utilização das novas tecnologias, criando novas formas de concepção, expressão, execução e organização do conhecimento. As TIC tem-se revelado um elemento, praticamente, imprescindível nos nossos dias, quer na organização do raciocínio através da utilização de recursos automatizados, quer na liberdade imaginativa que é possível utilizar com estes recursos. 2. Objectivos Centrais Objectivo 1 Formação e realização de actividades TIC a. Apoio TIC Comunidade Educativa b. Formação de Docentes c. Formação de Pessoal Não Docente Objectivo 2 Gestão de Recursos (Gestor de Actividades TIC - GATo) a. Gestor de Recursos b. Necessidades c. Software Objectivo 3 Utilização de ferramentas e divulgação de aplicações WEB 2.0 a. WebPage Escolar b. Moodle c. Proforonline d. Web 2.0 [ 5]

6 3. Plano TIC - Actividades a desenvolver [Objectivo 1a] Apoio TIC Comunidade Educativa 1A-1 [Objectivo 1a - Apoio TIC Comunidade Educativa] Nome da Actividade: Apoio TIC Data Destinatários: Ano Lectivo 2009/2010 Comunidade Educativa Dinamizadores: Diva Sousa Forma de acompanhamento: Recursos: Sala TIC 2 Metas a atingir: Promover o uso das Tecnologias de Informação pela comunidade escolar Apoiar na realização de tarefas [Objectivo 1b] Formação de Docentes: 1B-1 [Objectivo 1b Divulgação] Nome da Actividade: Divulgação de formações promovidas pelas diversas entidades da RAM e pela escola Data Destinatários: Ano Lectivo 2009/2010 Pessoal Docente Dinamizadores: Susana Rocha Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: WebPage escolar Plataforma Moodle Placard Formação / Correio Electrónico Divulgar e sensibilizar para a participação nas formações disponibilizadas 1B-2 [Objectivo 1b Formação Docente] Nome da Actividade: Google Apps Data Destinatários: Dinamizadores: Forma de acompanhamento: 1º Período Docentes Ricardo Padrão Folha de Presenças Avaliação Recursos: Sala TIC 2 Metas a atingir: Possibilitar aos docentes o acesso à formação ao nível do uso das TIC. 1B-3 [Objectivo 1b Sessões de esclarecimento] Nome da Actividade: Sessões de Esclarecimento: Plataformas escolares; Moodle, GATO, Avaliação intercalar Data Destinatários: Ano lectivo Docentes Dinamizadores: Forma de acompanhamento: Recursos: Ricardo Padrão Folha de Presenças Sala de Sessões [ 6]

7 Metas a atingir: Promover uma visão global das potencialidades do uso das TIC ao serviço do ensino e da aprendizagem. 1B-4 [Objectivo 1b QIM Esclarecimentos] Nome da Actividade: Esclarecimentos Quadro Interactivo Multimédia Data Destinatários: Ano lectivo Docentes Dinamizadores: João Alves Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Sala de Sessões Promover uma visão global das potencialidades do uso das TIC ao serviço do ensino e da aprendizagem. [Objectivo 1c] Formação de Pessoal Não Docente: 1C-1 [Objectivo 1c Introdução à Informática] Nome da Actividade: Introdução à Informática Data Destinatários: Dinamizadores: Forma de acompanhamento: 1º Período Pessoal não docente Diva Sousa Folha de Presenças Recursos: Sala TIC 2 Metas a atingir: Aumentar as competências em TIC dos elementos da comunidade escolar. [Objectivo 2a] Gestão Recursos (Gestor de Actividades TIC GATo): 2A-1 [Objectivo 2a Gestor de Recursos] Nome da Actividade: Gestor de Actividades TIC Data Destinatários: Ano lectivo Docentes Dinamizadores: Técnico de informática / Coordenador TIC Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Diária Plataforma GATo Fornecer soluções tecnológicas para o apoio ao funcionamento desses projectos nomeadamente ao nível da planificação de actividades, gestão de recursos e avaliação. Adoptar medidas de desenvolvimento e de acesso às TIC pela comunidade escolar, esclarecendo regras de utilização dos recursos TIC e criação de mecanismos de distribuição equitativa no seu acesso a todos os elementos da escola. [Objectivo 2b] Necessidades: [ 7]

8 2B-1 [Objectivo 2b Necessidades] Nome da Actividade: Requisição de novos equipamentos. Data Destinatários: Ano lectivo Dinamizadores: Conselho Executivo Coordenador TIC Técnico de informática Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Disponibilizar recursos dinamizadores do uso educacional das TIC [Objectivo 2c] Software: 2C-1 [Objectivo 2c Software] Nome da Actividade: Instalar e remover software Data Destinatários: Ano lectivo Dinamizadores: Técnico de Informática Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Disponibilizar software dinamizador do uso educacional das TIC. [Objectivo 3a] Utilização ferramentas e divulgação de aplicações WEB 2.0: 3A-1 [Objectivo 3a WebPage Escolar] Nome da Actividade: Manutenção e Actualização Data Destinatários: Dinamizadores: Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Ano lectivo Comunidade Escolar Coordenador TIC Divulgar on-line: noticias, recursos e actividades escolares. [ 8]

9 [Objectivo 3b] Moodle: 3B-1 [Objectivo 3b Moodle] Nome da Actividade: Manutenção e Actualização Data Destinatários: Ano lectivo Comunidade Escolar Dinamizadores: Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Coordenador TIC Divulgar on-line: noticias, recursos e actividades escolares. Elearning [Objectivo 3c] Proforonline Avaliação intercalar: 3C-1 [Objectivo 3 Proforonline] Nome da Actividade: Manutenção e Actualização Data Destinatários: Ano lectivo Comunidade Escolar Dinamizadores: Ricardo Padrão Conselho Executivo Forma de acompanhamento: Recursos: Periódica Metas a atingir: Disponibilizar ferramentas de avaliação intercalar online [Objectivo 3d] Web 2.0: 3d-1 [Objectivo 3d Jornal Escolar / web 2.0] Nome da Actividade: Publicação do Jornal Escolar Data Destinatários: Ano lectivo Comunidade Escolar Dinamizadores: Coordenador TIC Responsáveis Raposinho Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: PC; Issuu Divulgar on-line [ 9]

10 3E-1 [Objectivo 1b Projecto QIM] Nome da Actividade: Data Destinatários: Dinamizadores: Elaborar e aplicar material interactivo em contexto de sala de aula Ano lectivo Alunos Projecto QIM / Equipa de Trabalho Forma de acompanhamento: Recursos: Metas a atingir: Sala de Sessões / QIM Promover a utilização das novas tecnologias no processo ensino aprendizagem Utilizar o QIM em contexto de sala de Aula 5. Cronograma TIC Actividades 1A-1 1B-1 1B-2 1B-3 1B-4 1C-1 2A-1 2B-1 2C-1 3A-1 3B-1 3C-1 3D-1 3E-1 Mês Set Out Nov Dez Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul 6. Avaliação e acompanhamento do Plano TIC 1. Reuniões periódicas da equipa TIC 2. Inquéritos de satisfação 3. Estatísticas de utilização de recursos 4. Relatório final 7. Divulgação do Projecto 1. A divulgação será realizada através das diferentes plataformas escolares (Webpage, Moodle e GATo) e placard TIC. [ 10]

11 8. Anexos [ 11]

12 Equipa TIC Distribuição de Funções Actividades Coordenador TIC Equipa TIC Professores TIC Técnico Informática Elaborar um regulamento TIC para a escola X X Conselho Executivo Preparar um plano TIC alargado X X X X X Divulgação do plano TIC X X Elaborar horário para as salas de informática X X Coordenar e gerir as TIC Identificação de situações no programa em que as TIC possam enriquecer a aprendizagem Fazer relatórios para o órgão de gestão X X X X X X X Organizar um dossier de Coordenação Manter-se informado sobe iniciativas institucionais X X X Encomendar novo hardware X X X Encomendar novo software de apoio às diversas disciplinas Elaborar e manter actualizado o inventário do equipamento existente X X X X X Estar a par da evolução das novas tecnologias X X X Estar consciente do papel das TIC no processo de aprendizagem dos alunos com necessidades educativas especiais Estar consciente da utilização das TIC no processo ensino/aprendizagem para ir ao encontro das necessidades dos alunos X X X X X X X X X X Estar atento ao aparecimento de novo software X X X Apoiar ou dar formação ao pessoal docente/não docente e alunos Ter informação actualizada sobre Acções de Formação Contínua X X X X X Recomendar links para sites úteis X X X X X Instalar novo software X X Encomendar tinteiros X X Fazer a manutenção das salas de informático X X Fazer a manutenção do equipamento danificado (quando possível) Encontrar soluções para eventuais problemas de hardware ou de rede X X X X Adicionar novo hardware à rede X X Apoio TIC X X X X X [ 12]

13 WebPage Escolar [ 13]

14 As requisições de todo o material, quer seja multimédia e audiovisual, é todo gerido através da plataforma GATo (gestor de actividades TIC) A ferramenta GATo (Gestão de Actividades TIC na Educação) visa facilitar a organização, planeamento e gestão de projectos de aplicação das TICs à Educação. Qualquer escola com acesso à Internet, independentemente dos seus recursos humanos e materiais poderá utilizar a aplicação para planeamento e avaliação de actividades, gestão de recursos, publicação de documentação, etc. Finalidades para a nossa escola: Promover uma adequada implementação de projectos de aplicação das TIC à Educação; Fornecer soluções tecnológicas para o apoio ao funcionamento desses projectos nomeadamente ao nível da planificação de actividades, gestão de recursos e avaliação Adoptar medidas de desenvolvimento e de acesso às TIC pela comunidade escolar, esclarecendo regras de utilização dos recursos TIC e criação de mecanismos de distribuição equitativa no seu acesso a todos os elementos da escola. [ 14]

15 [ 15]

16 Esta plataforma destina-se exclusivamente para uso da comunidade educativa da EB123/PE PFMSBARRETO. Tem como principal finalidade o registo de avaliação intercalar bem com a consulta da avaliação pelos alunos e seus encarregados de educação. [ 16]

17 Calendarização das reuniões escolares da EB123/PE PFMSBARRETO. A agenda está a disposição pública na webpage da escola e plataforma moodle [ 17]

18 Regulamento Utilização Recursos T.I.C Salas TIC 1 e 2 Horário de Requisição Horário de requisição é em função do horário da sala. Não é permitida a instalação de software. Instalação Software Acesso Terão permissão de acesso às salas de informáticas, os alunos nos seus respectivos horários, acompanhados pelo professor, ou, em condições excepcionais, mediante autorização do Conselho Executivo. Professor 1. O professor é responsável pelo controle e correcta utilização do equipamento informático durante a respectiva aula. 2. O professor deve verificar no início e no fim da aula se o equipamento informático se encontra completo e em bom estado de utilização, assegurando-se que cada posto está funcional e não há anomalias a registar. 3. O professor, no final da aula, tem obrigatoriamente que registar a ocorrência caso haja. Aluno 1. Os alunos devem verificar no início e no fim do período de utilização, se o equipamento informático posto à sua disposição se encontra completo e em bom estado de utilização, assegurando-se que está funcional e não há anomalias a registar. 2. Os alunos utilizadores são responsáveis pelos danos causados no material informático nomeadamente em caso de comprovada negligência na sua utilização. 3. Presume-se que qualquer avaria no equipamento, detectável na utilização dos posto de trabalho, que não possa ser atribuída ao aluno utilizador é da responsabilidade de quem esteve a trabalhar com o equipamento no período imediatamente precedente. 4. Caso o aluno não comunique a anomalia, e os seguintes ocupantes do mesmo posto de trabalho comunicarem, a responsabilidade ser-lhe-á imputada. 5. Desligar telemóveis, e guardá-los. [ 18]

19 R E G R A S S A L A T I C 1 O equipamento disponível na Sala destina-se apenas à utilização para realização de trabalhos, incluindo apoio ao estudo, relatórios e projectos. Não é permitida a utilização do equipamento para fins lúdicos, como jogos ou outro tipo de entretenimento. Eventos como aulas, acções de formação, ou qualquer outra actividade, têm prioridade sobre o funcionamento normal da Sala. Durante o período de realização de tais actividades, no caso de assim lhes ser exigido pelo responsável dessa actividade, os utilizadores deverão abandonar e não utilizar a Sala. Verificar no início e no fim do período de utilização, se o equipamento informático posto à sua disposição se encontra funcional. É responsável pelos danos causados no material informático, em caso de comprovada negligência na sua utilização. Não é permitida a instalação de softwares comerciais. (na eventualidade de ser necessário, informe o técnico da escola). Período máximo de utilização, 30 minutos, excepto se existir disponibilidade de computadores. REQUISIÇÃO 1. Requisitar o computador, junto da bibliotecária 2. No momento da requisição, indicar: nome, ano, turma, numero do aluno e entregar o cartão de estudante. 3. Utilizar o computador que lhe foi atribuído (se verificar alguma anomalia, informar a bibliotecária, de forma a que lhe seja atribuído outro computador) 4. Não esquecer, à saída, de recolher o cartão de estudante. O Conselho Executivo [ 19]

20 Portáteis/Projector Multimédia/Quadro Interactivo Instalação Software Não é permitida a instalação de software. Professor 1. O professor é responsável pelo controle e correcta utilização do equipamento durante a respectiva aula / actividade. 2. O professor deve verificar no início e no fim da aula se o equipamento informático se encontra em bom estado de utilização, assegurando-se que cada posto está funcional e não há anomalias a registar. 3. Não deverá ser guardado qualquer tipo de trabalho no computador portátil. 4. O professor, no final da aula, tem obrigatoriamente que registar as ocorrências caso haja. Aluno 1. Os alunos devem verificar no início e no fim do período de utilização, se o equipamento posto à sua disposição se encontra em bom estado de utilização, assegurando-se que está funcional e não há anomalias a registar. 2. Os alunos utilizadores são responsáveis pelos danos causados no material nomeadamente em caso de comprovada negligência na sua utilização. 3. Presume-se que qualquer avaria no equipamento, detectável na utilização dos posto de trabalho, que não possa ser atribuída ao aluno utilizador é da responsabilidade de quem esteve a trabalhar com o equipamento no período imediatamente precedente. 4. Caso o aluno não comunique a anomalia, e os seguintes ocupantes do mesmo posto de trabalho comunicarem, a responsabilidade ser-lhe-á imputada. Maquina Fotográfica/Vídeo Digital/TV, DVD, VHS/Rádio/Retroprojector Professor 1. O professor é responsável pelo controle e correcta utilização do equipamento durante a respectiva aula / actividade. 2. O professor deve verificar no início e no fim da aula se o equipamento se encontra em bom estado de utilização, assegurando-se que está funcional e não há anomalias a registar. 3. O professor, no final da aula/actividade, tem obrigatoriamente que registar as ocorrências caso haja. Aluno 1. Os alunos devem verificar no início e no fim do período de utilização, se o equipamento posto à sua disposição se encontra em bom estado de utilização, assegurando-se que está funcional e não há anomalias a registar. 2. Os alunos utilizadores são responsáveis pelos danos causados no material nomeadamente em caso de comprovada negligência na sua utilização. 3. Presume-se que qualquer avaria no equipamento, detectável na utilização dos posto de trabalho, que não possa ser atribuída ao aluno utilizador é da responsabilidade de quem esteve a trabalhar com o equipamento no período imediatamente precedente. 4. Caso o aluno não comunique a anomalia, e os seguintes utilizados a comunicarem, a responsabilidade serlhe-á imputada. [ 20]

21 Grelha de apoio à planificação das actividades e projectos TIC Projecto ou Actividade TIC 1A-1 Apoio TIC 1B-1 Divulgação 1B-2 Formação Docente 1B-3 Sessões de esclarecimento 1B-4 Sessões de esclarecimento 1C-1 Formação Pessoal Não Docente 2A-1 Gestor de Recursos Objectivos Estratégias de dinamização Intervenientes Promover o uso das TIC pela comunidade escolar Apoiar na realização de tarefas Divulgar e sensibilizar para a participação nas formações disponibilizadas Possibilitar aos docentes o acesso à formação ao nível das TIC Promover uma visão global das potencialidades do uso das TIC ao serviço do ensino e da aprendizagem Promover uma visão global das potencialidades do uso das TIC ao serviço do ensino e da aprendizagem Possibilitar aos docentes o acesso à formação ao nível das TIC Fornecer soluções tecnológicas para o apoio ao funcionamento desses projectos nomeadamente ao nível da planificação de actividades, gestão de recursos e avaliação Adoptar medidas de desenvolvimento e de acesso às TIC pela comunidade escolar, esclarecendo regras de utilização dos recursos TIC e criação de mecanismos de distribuição equitativa no seu acesso a todos os elementos da escola. Sala TIC disponível com o apoio do professor tic, às quartas / Informação via endereço electrónico, Moodle, Webpage, afixação Divulgação na Webpage, Moodle, endereço electrónicos, afixação placard formação Formação Validada Divulgação na Webpage, Moodle, endereço electrónicos, afixação placard formação Sessões de esclarecimento. Divulgação na Webpage, Moodle, Proforonline Sessões de Esclarecimento Quadro Interactivo Multimédia Divulgação na Webpage, Moodle, endereço electrónicos, afixação placard formação Alunos, docentes, funcionários, encarregados de educação Data de Início Data de conclusão Docentes Docentes 1º Período 1º Período Docentes Docentes Pessoal Não Docente 1º Período 1º Período Docentes [ 21]

22 2B-1 Necessidades 2C-1 Software 3A-1 WebPage escolar 3B-1 Moodle 3C-1 Proforonline 3D-1 Jornal/ WEB 2.0 3E-1 Projecto QIM Disponibilizar recursos dinamizadores do uso educacional das TIC Docentes Instalar e remover software Divulgar on-line: noticias, recursos, escola e actividades escolares. Divulgar on-line: noticias, recursos e actividades escolares, elearning Disponibilizar ferramenta de avaliação intercalar online Divulgar online Promover a utilização das novas tecnologias no processo ensino aprendizagem Utilizar o QIM em contexto de sala de Aula Comunidade educativa Comunidade educativa Comunidade educativa Publicação do jornal escolar. A publicação destes documentos é só online Elaborar e aplicar material interactivo em contexto de sala de aula Comunidade educativa Alunos [ ] O Coordenador TIC, Ricardo Padrão [ 22]

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O 2011-2012 O Coordenador TIC Susana Isabel F. Almendra Neno CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

PLANO TIC 1

PLANO TIC 1 2015-2016 PLANO TIC 1 Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres Estrada Nacional n.º 16 6370-147 Fornos de Algodres Tel.: 271700110 Fax: 271700118 www.ae-fa.pt e-mail: aefa.og@ae-fa.pt 2 Equipa PTE

Leia mais

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita.

Melhorar as aprendizagens e consolidar conhecimentos. Colmatar as dificuldades ao nível da compreensão oral e escrita. Escola Secundária Abel Salazar Sala de Estudo DEFINIÇÃO Pretende-se que a Sala de Estudo seja um espaço com um ambiente educativo diferente daquele a que o aluno está habituado a vivenciar nas áreas curriculares

Leia mais

Plano de Melhoria

Plano de Melhoria Plano de Melhoria 1 Enquadramento O presente Plano de Melhoria resulta, simultaneamente, das orientações emanadas da Inspeção-Geral da Educação e Ciência, que assentam nas sugestões do Conselho Nacional

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Agrupamento de Escolas Rio Arade

PLANO DE COMUNICAÇÃO. Agrupamento de Escolas Rio Arade. Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] Agrupamento de Escolas Rio Arade Agrupamento de Escolas Rio Arade PLANO DE COMUNICAÇÃO Ano letivo 2012/2013 [Escolha a data] 1 / 7 Índice Nota introdutória... 3 O que se pretende?... 4 Instrumentos... 5 Objetivos... 6 Monitorização e

Leia mais

E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O

E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O MODELO DO PL ANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O E B 1 / P E D O C A M I N H O C H Ã O D I R E Ç Ã O DE S E R V I Ç O S DE I N V E S T I G AÇ Ã O, F

Leia mais

Câmara Municipal de Penacova

Câmara Municipal de Penacova Câmara Municipal de Penacova Pen@cova Net.ureza Normas de utilização e funcionamento I Disposições Gerais Norma 1 Definição 1. O Espaço Internet de Penacova define-se como local destinado aos cidadãos

Leia mais

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O 2012/2013. O Coordenador TIC. Manuel José Gouveia Alves

PLANO TIC E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O 2012/2013. O Coordenador TIC. Manuel José Gouveia Alves PLANO TIC 2012/2013 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O O Coordenador TIC Manuel José Gouveia Alves [1] CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA ESCOLA Escola Básica do 1º Ciclo

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 2008/2009

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 2008/2009 DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO NORTE CENTRO DE ÁREA EDUCATIVA DE VILA REAL Cod. 345696 AGRUPAMENTO VERTICAL DO BAIXO BARROSO PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR / CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

Leia mais

MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA DAS ESCOLAS

MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA DAS ESCOLAS «Instrumento de notação do Sistema Estatístico Nacional (Lei 6/89, de 15 de Abril) de RESPOSTA OBRIGATÓRIA, registado no INE sob o n.º 9880, válido até 31/12/2008» MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA DAS ESCOLAS

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Escola Básica 2/3 Martim de Freitas. Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Escola Básica 2/3 Martim de Freitas Regimento do Departamento De Matemática e Ciências Experimentais 2009/2013 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MARTIM DE FREITAS REGIMENTO

Leia mais

Plano de melhoria (2015/16)

Plano de melhoria (2015/16) Plano de melhoria (2015/16) Introdução Agrupamento Vertical de Portel Escola EB 2,3 de D. João de Portel Quatro domínios de ação da Biblioteca Escolar: A. Currículo, literacias e aprendizagem B. Leitura

Leia mais

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017

PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 PAA BE-EB 2,3 Aradas Ano Letivo 2016 / 2017 - Ao longo do ano - Manutenção do blogue da BE - Divulgar as actividades no blogue - Promover a integração da BE na Escola -Difusão da informação educativa -

Leia mais

BIBLIOTECAS ESCOLARES

BIBLIOTECAS ESCOLARES PLANO DE AÇÃO BIBLIOTECAS ESCOLARES Agrupamento de Escolas da Moita 1 As Bibliotecas Escolares assumem, para além das funções informativa, educativa, cultural e recreativa, o papel de adjuvante do aluno,

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO B I B L I O T E C A E S C O L A R ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO, FIGUEIRA DA FOZ PLANO DE AÇÃO 2014-2017 B I B L I O T E C A E S C O L A R Nota Introdutória A Biblioteca Escolar existe para servir toda a comunidade escolar.

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR

PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁGUEDA PLANO DE ACÇÃO DA BIBLIOTECA ESCOLAR / a / Dezembro de Profª Bibliotecária: Maria Clara Nogueira de Almeida DEFINIÇÃO Documento que apresenta as linhas orientadoras para

Leia mais

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES

ANEXO IV MAPA DE INICIATIVAS / ACÇÕES MAPA DE S / 01. Dotar os responsáveis pela gestão escolar de formação técnica em Balanced Scorecard; 01.1. Dotar os Orgãos de Gestão de formação em BSC. Acção 1. Sensibilizar os órgãos de gestão para a

Leia mais

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA

ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA ESTRUTURA ORGANIZATIVA DA ISCMPSA Este documento visa dar corpo á orgânica dos serviços da Santa Casa, ou seja, definir competências, hierarquias e formas de actuação. Como a Santa Casa da Póvoa de Santo

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I

REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS REGIONAL JATAÍ CAPÍTULO I REGIMENTO INTERNO DOS LABORATÓRIOS DO CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL DA Este regimento estabelece as normas de organização e funcionamento dos Laboratórios do Curso de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO. Avaliação Interna da EPDRR Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE INTERVENÇÃO Avaliação Interna da EPDRR Ano Letivo 2015/2016 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 COMISSÃO DE TRABALHO 4 METODOLOGIA DE TRABALHO ADOTADA 4 DOMÍNIOS

Leia mais

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA

EB1/PE DE ÁGUA DE PENA EB1/PE DE ÁGUA DE PENA 2010 2014 1.Introdução 2.Enquadramento legal 3.Diagnóstico avaliação do projecto anterior 4.Identificação de prioridades de intervenção 5.Disposições finais 6.Avaliação 1.Introdução

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO/A DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. 1ª Actualização publicada no

Leia mais

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ

REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ REGULAMENTO DE LABORATÓRIOS DO ISPAJ Versão aprovada em CD de 08 de Junho de 2015 Documento Regulamento de Laboratórios do ISPAJ Data 08/06/2015 Conselho de Direcção 08/06/2015 Data entrega Assembleia

Leia mais

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS

REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS REGULAMENTO 1º CONCURSO DE PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO EM CIÊNCIAS EMPRESARIAIS 1. Âmbito O presente Regulamento visa definir as condições de acesso e financiamento a projectos

Leia mais

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DIREÇÃO GERAL DE REFORMAS E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ESTRUTURA Direção de Serviço de Reformas Cargo Função Técnico Diretor de Serviço Dirigir e enquadrar os projetos de modernização e reforma no âmbito do

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016

PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO /2016 PLANO DE AÇÃO DO AGRUPAMENTO - 2015/2016 Ações a realizar: Aplicação do Modelo CAF Educação (ciclo diagnóstico organizacional) a partir de janeiro; Aplicação do Modelo Framework de Desenvolvimento Pedagógico

Leia mais

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL

PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL Disciplina: Tecnologias de Informação e Comunicação PLANIFICAÇÃO SEMESTRAL 7.º Ano Unidade Temática e Conteúdos Domínios/Subdominios Descritores (objetivos Especificos) Estratégias de Aprendizagem N.º

Leia mais

A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias

A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros 7º Ano (PCA) TIC Planificação Anual 2015-2016 METAS CURRICULARES DOMÍNIO A informação,

Leia mais

PLANO TIC 2013/2014 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O

PLANO TIC 2013/2014 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O PLANO TIC 2013/2014 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA EB1/PE VISCONDE CACONGO EB1PEVCACONGO@MADEIRA-EDU.PT IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 2ºano Curso Operador de Informática ENQUADRAMENTO LEGAL Portaria

Leia mais

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação

Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação Infra-estrutura de Informática e formas de acesso às redes de informação A FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE entende que deve acompanhar as necessidades de atendimento da área acadêmica e administrativa

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014

ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 ESCOLA ESTADUAL IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 NOVA ANDRADINA MS DEZEMBRO/2013 ESCOLA IRMAN RIBEIRO DE ALMEIDA SILVA PLANO DE AÇÃO 2014 Plano de ações previstas a serem executadas no

Leia mais

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil

Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil Pesquisa TIC Educação e os desafios para o uso das tecnologias nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil ICT Education Research and challenges for the use of technology in elementary and secondary

Leia mais

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA

CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA CALOUSTE GULBENKIAN DE BRAGA PLANO DE MELHORIA 2014 / 2016 ÍNDICE Introdução 3 Resultados da Avaliação Externa 4 Ações a contemplar no Plano de Melhoria 5 Conclusão 7 2 Introdução

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR /CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR /CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLAR /CENTRO DE RECURSOS EDUCATIVOS 1. Definição A Biblioteca Escolar/ Centro de Recursos Educativos (BE) é uma estrutura educativa essencial a todo o processo de ensino

Leia mais

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600)

PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA. Alda Amaro Dr. João Paulo Trigueiros Expressões Artes Visuais (600) Direcção Regional de Educação do Centro AULA ASSISTIDA Nº 16 PRÁTICA DE ENSINO SUPERVISIONADA EM ARTES VISUAIS ANO LECTIVO 2011/2012 PLANO DE ORGANIZAÇÃO DA ACTIVIDADE LECTIVA IDENTIFICAÇÃO PROFESSOR ESTAGIÁRIO

Leia mais

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1]

PLANO TIC 2009-2010. O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] PLANO TIC 2009-2010 O Coordenador TIC Virgílio Freitas [1] ESCOLA EB1/PE Visconde Cacongo URL: http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pevcacongo Email: eb1pevcacongo@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES FORMAÇÃO PEDAGÓGICA INICIAL DE FORMADORES ACÇÃO TIPO: Formação Pedagógica Inicial de Formadores PÚBLICO ALVO: Futuros formadores, formadores sem formação pedagógica. DURAÇÃO: 96 Horas N.º de ACÇÕES: 1

Leia mais

Raul Dória Escola Profissional do Comércio, Escritórios e Serviços do Porto. Regulamento das. Atividades/Visitas de Estudo

Raul Dória Escola Profissional do Comércio, Escritórios e Serviços do Porto. Regulamento das. Atividades/Visitas de Estudo Raul Dória Escola Profissional do Comércio, Escritórios e Serviços do Porto Regulamento das Atividades/Visitas de Estudo 10 de outubro 2015 Regulamento das Atividades/Visitas de Estudo Artigo 1º Definição

Leia mais

agrupamento927agrupamento9 27agrupamento927agrupament o927agrupamento927agrupame nto927agrupamento927agrupa mento927agrupamento927agru

agrupamento927agrupamento9 27agrupamento927agrupament o927agrupamento927agrupame nto927agrupamento927agrupa mento927agrupamento927agru agrupamento927agrupamento9 o927agrupamento927agrupame nto927agrupamento927agrupa mento927agrupamento927agru pamento927agrupamento927ag rupamento927agrupamento927 agrupamento927agrupamento9 o927agrupamento927agrupame

Leia mais

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016

Reunião - Encarregados de Educação. 1.º Ciclo. Ano Letivo 2016/ de setembro de 2016 Reunião - Encarregados de Educação 1.º Ciclo Ano Letivo 2016/2017 09 de setembro de 2016 Ordem de Trabalhos 1 Projeto Educativo 2 Normas de funcionamento 3 Apresentação 4 Plano Anual de Atividades 2 Ordem

Leia mais

Programa de Incubação Alimenta a Tua Ideia

Programa de Incubação Alimenta a Tua Ideia Programa de Incubação Alimenta a Tua Ideia Preâmbulo O presente regulamento tem como objetivo a definição de regras de acesso e de funcionamento do Programa de Incubação ALIMENTA A TUA IDEIA, o qual se

Leia mais

Estratégias para a Saúde

Estratégias para a Saúde Estratégias para a Saúde V.1) Cadernos do PNS Acções e Recomendações Promoção da Cidadania em Saúde (Versão Discussão) ESTRATÉGIAS PARA A SAÚDE V.1) CADERNOS DO PNS - ACÇÕES E RECOMENDAÇÕES PROMOÇÃO DA

Leia mais

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS

CRONOGRAMA CARGOS, VAGAS E FUNÇÕES. MONTES CLAROS Atividade CRONOGRAMA Período Divulgação no Site 24/07/2016 Prazo para cadastro de currículos 24 à 31/07/2016 Publicação da relação de candidatos habilitados para realização da prova Até 05/08/2016 Aplicação

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0

PLANO TIC. O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] 2 0 0 9-2 0 1 0 PLANO TIC 2 0 0 9-2 0 1 0 O Coordenador TIC Egídia Fernandes Ferraz Gameiro [1] EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR TIC Egídia

Leia mais

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS)

REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) REGIMENTO DOS CONSELHOS DE DIRETORES DE TURMA DO 2º e 3º CICLOS DO ENSINO BÁSICO GERAL E DO ENSINO SECUNDÁRIO (CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS) Preâmbulo De acordo com a legislação em vigor e o regulamento

Leia mais

Índice. MSOA004 PT: AO: MZ:

Índice. MSOA004  PT: AO: MZ: Índice Duração Total... 3 Datas... Erro! Marcador não definido. Destinatários... 3 Perfil de Saída... 3 Pré-Requisitos... 3 Objetivo Geral... 3 Objetivos Específicos... 3 Conteúdos Programáticos... 4 Metodologia...

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA

REGULAMENTO INTERNO ESCOLA DE MUSICA REGULAMENTO INTERNO DA ESCOLA DE MUSICA Artigo 1º Objecto A Associação Cultural Musimax é uma Escola do Ensino Artístico Especializado em Música, e tem como principal objecto o ensino da música. Artigo

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Abelheira Escola EB 2, 3 de Viana do Castelo Ano letivo: 2015/2016

Agrupamento de Escolas da Abelheira Escola EB 2, 3 de Viana do Castelo Ano letivo: 2015/2016 SUB Informação A informação, o conhecimento e o mundo das tecnologias; 1. Compreender a evolução das tecnologias de informação e comunicação (TIC) e o seu papel no mundo contemporâneo; a) Conhecer os grandes

Leia mais

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto 11º H Projecto Corta- -Mato Grupo Repo ortagem Actividade Refe erente 3 Professor responsável: André Ramos Realizado por: Carmen Pereira Daniel Sousa Natacha Domingos Nicolau Cardoso Priscila Domingos

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014

PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR. Ano lectivo de 2013 2014 PLANO DE ACTIVIDADES DA BIBLIOTECA ESCOLAR Ano lectivo de 2013 2014 A Biblioteca Escolar / Centro de Recursos Educativos, de acordo com o que está definido no Projecto educativo, deste agrupamento (...)

Leia mais

Guia de apoio para acesso aos recursos informáticos da ESE

Guia de apoio para acesso aos recursos informáticos da ESE Guia de apoio para acesso aos recursos informáticos da ESE Consideramos que a sua integração na vida desta escola depende significativamente do acesso às funcionalidades disponibilizadas no Sistema de

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011

PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO DA REDE SOCIAL DE LISBOA ANO DE 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 Aprovado em sede de CLAS a 04 de Julho de 2011 PLANO DE ACÇÃO PARA 2010 PRORROGAÇÃO PARA 2011 OBJECTIVO ESTRATÉGICO OBJECTIVO ESPECÍFICO

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO

AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO AGRUPAMENTO VERTICAL DE GAVIÃO REGULAMENTO INTERNO - ADENDA Artigo 88º Medidas de recuperação e de integração 8- As atividades de recuperação da aprendizagem, quando a elas houver lugar, são decididas

Leia mais

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9

PLANO TIC. O Coordenador TIC. E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o 2 0 0 8-2 0 0 9 PLANO TIC 2 0 0 8-2 0 0 9 O Coordenador TIC E g í d i a F e r n a n d e s F e r r a z G a m e i r o [1] ESCOLA EB1/PE Santa Cruz http://escolas.madeira-edu.pt/eb1pescruz eb1pescruz@madeira-edu.pt IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

ESCOLA S/3 SÃO PEDRO. Web Rádio&TV ESCOLAR

ESCOLA S/3 SÃO PEDRO. Web Rádio&TV ESCOLAR ESCOLA S/3 SÃO PEDRO Web Rádio&TV ESCOLAR Página 2 Projeto de Estágio /// Web Rádio e TV Escolar ÍG NOTA INTRODUTÓRIA... 4 Objetivos gerais... 4 Objetivos específicos... 5 PLANIFICAÇÃO... 6 Propostas de

Leia mais

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS

REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS REGULAMENTO PARA A FREQUÊNCIA DE UNIDADES CURRICULARES ISOLADAS NA ESTBARREIRO/IPS (Documento aprovado na 7ª Reunião do Conselho Técnico-Científico da ESTBarreiro/IPS, de 20 de Outubro de 2010) CAPÍTULO

Leia mais

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA

ANIMAÇÃO DE LEITURA THEKA THEKA O que é? Para que serve? Que objectivos queremos alcançar? Que iniciativas utilizar? Que actividades desenvolver? Que estratégias aplicar? Como avaliar? COMO ENTENDÊ-LA ENTUSIASMAR? ANIMAR? DINAMIZAR?

Leia mais

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º

CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO. Artigo 1.º Regulamento de Formação em Contexto de Trabalho (FCT) CAPÍTULO I ÂMBITO E DEFINIÇÃO Artigo 1.º A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob a coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma

Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma Regimento dos Representantes dos Pais e Encarregados de Educação da Turma.é nomeado/eleito na primeira reunião de Pais e Encarregados de Educação da Turma; Tem participação nos Conselhos de Turma; É a

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO

Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO Agrupamento de Escolas de Muralhas do Minho, Valença PLANO ESTRATÉGICO PARA O ANO LETIVO 2014-2015 1. Enquadramento. O Plano Estratégico apresentado para o ano letivo 2014-2015 e elaborado nos termos do

Leia mais

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância

NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância NOME DO CURSO: Acessibilidade na Atividade Física Escolar Nível: Aperfeiçoamento Modalidade: A distância Parte 1 Código / Área Temática Código / Nome do Curso Etapa de ensino a que se destina Educação

Leia mais

Ferramenta 2.1 Matriz do Modelo de Maturidade de Inovação

Ferramenta 2.1 Matriz do Modelo de Maturidade de Inovação Ferramenta 2.1 Matriz do Modelo de Maturidade de Inovação Este é um de vários exemplos através dos quais o modelo de inovação pedagógica pode ser testado e desenvolvido, sugerindo, ao mesmo tempo, práticas

Leia mais

Regulamento. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Objectivos

Regulamento. Artigo 1.º Âmbito. Artigo 2.º Objectivos Regulamento Artigo 1.º Âmbito O presente documento estabelece as normas de funcionamento da Loja Solidária da SocioHabitaFunchal, estabelecendo-se como medida de apoio aos inquilinos da Câmara Municipal

Leia mais

Técnico de Informática

Técnico de Informática Técnico de Informática Redes e Sistemas Certificado - Inclui Certificação Formato: Presencial Preço: 1800 ( Os valores apresentados não incluem IVA. Oferta de IVA a particulares e estudantes. ) Horário:

Leia mais

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação

Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Instituto de Oferta Formativa Pós- Graduada Curso Pós-Graduado de Especialização em Educação Especialização: Tecnologias e Metodologias da Programação no Ensino Básico 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno

Campos de Férias Parque dos Monges. Regulamento Interno Fundo Desenvol vimento Europeu de Regional Campos de Férias Parque dos Monges Regulamento Interno O presente Regulamento Interno do Campo de Férias Não Residencial do Parque dos Monges, visa definir todos

Leia mais

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA

PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROTOCOLO ENTRE A POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA E A SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA 1. Preâmbulo Face ao actual modelo de profissionalização e aos imperativos de modernização organizacional, técnica

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE ARCHIMEDES THEODORO PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS RECURSOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 2016 1.INTRODUÇÃO A Fundação Educacional de Além Paraíba FEAP,

Leia mais

FORMAÇÃO, EM SERVIÇO, DOS AGENTE ADMINISTRATIVO EDUCACIONAIS DA REDE MUNCIPAL DE ENSINO

FORMAÇÃO, EM SERVIÇO, DOS AGENTE ADMINISTRATIVO EDUCACIONAIS DA REDE MUNCIPAL DE ENSINO FORMAÇÃO, EM SERVIÇO, DOS AGENTE ADMINISTRATIVO EDUCACIONAIS DA REDE MUNCIPAL DE ENSINO A FUNÇÃO E O PAPEL DO AGENTE ADMINISTRATIVO DA UNIDADE ESCOLAR SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO A Secretaria da Unidade

Leia mais

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure

Plano de Desenvolvimento Social do Concelho de Soure / Ano 1 ÍNDICE 1 - Introdução 3 Pág. 2- Plano de Acção dos Projectos Estruturantes Transversais do Concelho de 4 2.1. Projecto Estruturante Apoio na Dependência 5 2.2. Projecto Estruturante Criar para

Leia mais

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano

Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Psicologia da Educação Curso de Professores do Ensino Básico 1º Ciclo 2º Ano Ano lectivo 2007/2008 Copyright, 2008 José Farinha, Prof. Adjunto Sumário da aula de hoje: Apresentação: Da equipa pedagógica

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DO COUTO MINEIRO DO PEJÃO PLANO PTE OLIVEIRA DO ARDA CASTELO DE PAIVA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DO COUTO MINEIRO DO PEJÃO PLANO PTE OLIVEIRA DO ARDA CASTELO DE PAIVA AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DO COUTO MINEIRO DO PEJÃO PLANO PTE 2011-2012 OLIVEIRA DO ARDA CASTELO DE PAIVA Plano PTE - 2011/2012 Índice de conteúdos 1. Introdução... 4 2. Enquadramento / Diagnóstico...

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016

PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 PLANIFICAÇÃO ANUAL PROFIJ II T2 Ano letivo 2015 / 2016 CURSO: Instalação e Operação de Sistemas Informáticos ANO: 1.º DISCIPLINA: INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE COMPUTADORES DOCENTE: CARLA GONÇALVES COMPETÊNCIAS

Leia mais

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO

PLANO DE MELHORIA. Biénio e AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO PLANO DE MELHORIA Biénio 2016-2017 e 2017-2018 AVALIAÇÃO EXTERNA DO AGRUPAMENTO Índice Introdução... 2 Orientações para a ação... 3 Plano de Ação 1... 4 Plano de Ação 2... 5 Plano de Ação 3... 6 Plano

Leia mais

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores

Avaliação de Desempenho. Orientações aos relatores Avaliação de Desempenho Orientações aos relatores 1. Referenciais de avaliação 1.1. Legislação 1. Referenciais de avaliação 1.2. Referentes internos: a. Projeto Educativo do Agrupamento, b. Projeto Curricular

Leia mais

Clube da Proteção Civil

Clube da Proteção Civil Agrupamento de Escolas das Taipas Clube da Proteção Civil 1. Estrutura organizacional Coordenadora: Paula Ribeiro da Silva Grupo de Recrutamento: 620 Departamento: Expressões Composição do grupo de trabalho:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015

Plano de Trabalho Docente 2015 Unidade de Ensino Médio e Técnico Cetec Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Monsenhor Antonio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação

Leia mais

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra

CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra CARTA DE RECOMENDAÇÕES Elaborada pelos participantes do 2º Encontro da Rede Participação Juvenil de Sintra 03.03.2012 PARTICIPAÇÃO EM ACTIVIDADES JUVENIS 1. Realizar inquéritos, a nível local, para averiguar

Leia mais

Associação dos Amigos da Ludoteca Parque Infantil Jardim Público Évora. Plano Anual de Atividades 2016

Associação dos Amigos da Ludoteca Parque Infantil Jardim Público Évora. Plano Anual de Atividades 2016 dos Amigos da Ludoteca Parque Infantil Jardim Público 7000 763 Évora Plano Anual de Atividades 2016 dos Amigos da Ludoteca de Évora Introdução A dos Amigos da Ludoteca, em parceria com a Câmara Municipal

Leia mais

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS

OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS ESTRUTURA PROGRAMÁTICA DO CURSO MÓDULOS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS / COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR PELOS FORMANDOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS Acolhimento dos formandos e Apresentação do Curso A entidade formadora;

Leia mais

1. Conceitos Fundamentais

1. Conceitos Fundamentais 1. Conceitos Fundamentais a e os processos de planeamento e desenvolvimento de sistemas de informação 2 planeamento informático planeamento informático análise organizacional organizar o planeamento avaliar

Leia mais

PROPOSTA. Termos de Referência

PROPOSTA. Termos de Referência lierpw ~Nulo do f ~ioga llamado Pranwenel PROPOSTA Termos de Referência Título: Revisão e Actualização do Manual do Formador da formação Pedagógica de Formadores Data limite para apresentação da proposta

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pampilhosa Plano de Actividades do Núcleo de Estágio de Matemática Ano lectivo 2006 / 2007

Agrupamento de Escolas de Pampilhosa Plano de Actividades do Núcleo de Estágio de Matemática Ano lectivo 2006 / 2007 Agrupamento de Escolas de Pampilhosa Plano de Actividades do Núcleo de Estágio de Matemática Ano lectivo 2006 / 2007 Actividades Objectivos Descrição Dinamizadores Intervenientes Cartas Tio Papel Palestra

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARELEJA SEDE: ESCOLA BÁSICA DE AMARELEJA OBSERVATÓRIO DA QUALIDADE Observatório da Qualidade Plano de Ação 2011/2012 ÍNDICE Introdução... 2 Equipa e Horário Semanal... 2 Metodologia

Leia mais

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO

DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO DAP DINÂMICAS DE ACÇÃO-PREVENÇÃO Apresentação do Projecto Escola E.B 2,3 Passos José OBJECTIVOS GERAIS Fomentar a integração dos alunos no contexto escolar, promovendo o sucesso educativo Agir preventiva

Leia mais

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013

Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos e metas do Projecto Educativo 2010 / 2013 Objectivos Metas Indicadores 1. Promover a Educação Intercultural/ Melhorar valências da escola Inclusiva. a) Reduzir a taxa de desistência escolar

Leia mais

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP

REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP REGULAMENTO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL FACULDADES ESEFAP Tupã, SP 2016 REGULAMENTO DO LABORATÓRIO DE AVALIAÇÃO NUTRICIONAL Define as normas internas de utilização do Laboratório de Avaliação

Leia mais

PLANO TIC 2015/2016 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O

PLANO TIC 2015/2016 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O PLANO TIC 2015/2016 E D U C A Ç Ã O P RÉ- E S C O L A R E 1 º C I C L O D O E N S I N O B Á S I C O IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA EB1/PE VISCONDE CACONGO EB1PEVCACONGO@MADEIRA-EDU.PT IDENTIFICAÇÃO DO COORDENADOR

Leia mais

o Descrever as diferentes fases da evolução da informática o Gerir e organizar sistemas de informação

o Descrever as diferentes fases da evolução da informática o Gerir e organizar sistemas de informação Departamento de Matemática e Ciências Experimentais Ano lectivo 2011/2012 Prof. Carla Granadeiro Curso de Educação e Formação (CEF) Tipo 3 Operador de Sistemas Informáticos Planificação Anual da disciplina

Leia mais

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho

Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho ESCOLA BÁSICA E INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO Ano Letivo 2016/2017 PLANIFICAÇÃO Higiene, Saúde e Segurança no Trabalho PROFIJ Nível II, Tipo 2 1ºano Curso Acompanhante de Crianças ENQUADRAMENTO LEGAL

Leia mais

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA

Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO. SEMESTRE ou ANO DA TURMA: 2º Semestre EMENTA Plano de Ensino IDENTIFICAÇÃO EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA CURSO: Curso Técnico em Agroindústria FORMA/GRAU:( )integrado ( x )subsequente ( ) concomitante ( ) bacharelado ( ) licenciatura ( )

Leia mais

Plano de Acção. (Provisório) Página 1 de 5

Plano de Acção. (Provisório) Página 1 de 5 Plano de Acção (Provisório) 2009-2010 Página 1 de 5 Diagnóstico Objectivos Acções Recursos Intervenientes Calendarização Água Resíduos Energia Transportes Biodiversidade Alterações Climáticas Elementos

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade

Agrupamento de Escolas de Grândola. Plano de Atividades. Projeto de Educação para a Saúde e a Sexualidade Agrupamento de Escolas de Grândola Pl de Atividades Projeto de Educação para a e a Sexualidade 2015/2016 1 ESCOLA BÁSICA D. JORGE DE LENCASTRE: OFÉLIA ROSA SIMÃO VALÉRIO (COORDENADORA) P D O PLANO Obj.

Leia mais

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC)

CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) CARTA DE QUALIDADE DA REDE DE CENTROS DE RECURSOS EM CONHECIMENTO (RCRC) 1. Missão A RCRC tem por missão facilitar o acesso a informação estratégica, em vários suportes, aproximar e criar interfaces entre

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CINFÃES Ano Letivo 2012/2013 REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA REGIMENTO DA COMISSÃO DE AVALIAÇÃO INTERNA Regimento da Comissão de Avaliação Interna Preâmbulo O conteúdo do presente Regimento resulta do desenvolvimento de uma conceção de avaliação justa e cooperativa

Leia mais

Plano de Formação

Plano de Formação Plano de Formação 2013-2015 Índice NOTA INTRODUTÓRIA... 2 PÚBLICO-ALVO... 2 OBJETIVOS GERAIS... 2 EXPLICITAÇÃO DO LEVANTAMENTO DE NECESSIDADES... 3 ÁREAS PRIORITÁRIAS DE FORMAÇÃO... 3 ORGANIZAÇÃO DA FORMAÇÃO...

Leia mais

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias

República Federativa do Brasil Governo Federal. Educação a Distância. e as novas tecnologias República Federativa do Brasil Governo Federal Ministério da Educação Educação a Distância e as novas tecnologias Educação Personalizada Vencendo as Barreiras Geográficas e Temporais EAD NO ENSINO PRESENCIAL

Leia mais

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto)

(Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) (Portaria nº266/2012, de 30 de agosto) dezembro, 2013 CARTA DE MISSÃO (Portaria n.º 266/2012, de 30 de agosto) Nome do Diretor Carlos Alberto Martins Carvalho Escalão 9º Unidade Orgânica : Agrupamento

Leia mais