Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE 1

2 Í DICE 1. Introdução 3 2. Objectivos Rastreios realizados Resultados dos rastreios Índice de Massa Corporal Massa Gorda Percentagem de Água Glicemia Tensão Arterial Colesterol Visual Oral Análise comparativa com os alunos rastreados no ano lectivo 2008/ Índice de Massa Corporal Glicemia Tensão Arterial Visual Considerações finais

3 1. Introdução A realização dos Rastreios de Saúde na Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes datam do ano lectivo 2004/2005, tendo apenas sido interrompido no ano lectivo 2007/2008. Inseridos no âmbito do Programa de Educação para a Saúde, o objectivo principal deste projecto consiste na avaliação com posterior caracterização dos indivíduos que constituem a comunidade escolar, e na notificação e referenciação dos casos identificados como suspeitos de alteração do estado de saúde. Com os resultados obtidos nos rastreios pretende-se consciencializar a comunidade avaliada para a importância do diagnóstico e análise da sua condição física e composição corporal, bem como criar a necessidade e estimular uma mudança de atitude, quer nos níveis de prática desportiva, quer nos hábitos de vida saudável onde se incluem os cuidados com a alimentação. O presente relatório concerne aos dados recolhidos no ano lectivo, em rastreios realizados ao nível do Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. Salienta-se que não são apresentados o mesmo número de participantes em cada um dos indicadores, uma vez que nem todos os alunos realizaram o mesmo número de testes e determinados testes são direccionados para grupos específicos de alunos. Acrescente-se ainda que os Encarregados de Educação de seis alunos não autorizaram a realização dos rastreios aos respectivos educandos. Em certos momentos, fazemos análise comparativa com os resultados obtidos nos anos lectivos anteriores. Ressalve-se, porém, que o universo de alunos não é o mesmo, uma vez que estamos a incidir sobre anos lectivos diferentes. Assim, os alunos sujeitos a rastreio no ano lectivo imediatamente anterior encontram-se, neste ano lectivo, no 6.º e 8.º anos de escolaridade. Já os alunos rastreados em 2008/2009 são em grande parte os alunos que fizeram rastreio este ano (no actual 7.º e 9.º ano de escolaridade). Para o processo de avaliação das variáveis foi imprescindível a articulação com vários parceiros da nossa comunidade educativa, nomeadamente a Farmácia Botto e Sousa, o Centro Óptico de Alhandra - Eyestore e o Centro de Saúde de Alhandra. 3

4 2. Objectivos Este projecto tem como objectivos: Promover a escola como observatório privilegiado, com indicadores de saúde e qualidade de vida da comunidade educativa e meio envolvente; Criar um sistema regular de avaliação de indicadores do perfil de saúde; Avaliar o perfil de saúde dos alunos; Sensibilizar os alunos, famílias e toda a comunidade educativa para hábitos de vida saudável; Sinalizar e referenciar clinicamente casos de alunos que se situem fora dos intervalos considerados como aceitáveis; Identificar e notificar precocemente eventuais problemas visuais que possam interferir no rendimento escolar dos alunos e optimizar as condições visuais dos mesmos; Permitir que os jovens aprendam e fiquem sensibilizados para os cuidados básicos de higiene oral; Contribuir para a construção de uma cultura de saúde ; Contribuir para a construção de um Projecto Educativo sustentado em indicadores fiáveis; Promover a sociabilização entre funcionários, professores e alunos, noutros contextos que não a sala de aula. 3. Rastreios realizados No âmbito da implementação do projecto, os alunos e o pessoal docente e não docente realizaram os seguintes rastreios de saúde: Índice de Massa Corporal Percentagem de Massa Gorda Percentagem de Água Glicemia Tensão Arterial Colesterol Visual Oral 4

5 4. Resultados dos Rastreios De seguida apresentamos os resultados dos rastreios que foram realizados e nalguns casos a comparação com anos lectivos anteriores Índice de Massa Corporal (IMC) O Índice de Massa Corporal (IMC) é usado para calcular o nível de gordura no sangue de cada indivíduo. Para o cálculo deste valor utiliza-se uma fórmula que relaciona o peso e a altura, aceite como padrão de medida internacional. Esta fórmula permite identificar, da melhor maneira possível, o grau de obesidade de uma pessoa. Saber se o peso está de acordo com a sua altura é um factor primordial para identificar potenciais problemas futuros e classificar o estado nutricional dos nossos alunos. No entanto, nas crianças e jovens este cálculo não é realizado directamente, a utilização do índice peso/altura é substituído pelo IMC/idade, mais adequado à correcta monitorização do estado nutricional da criança ou jovem. Deste modo, foram utilizadas as curvas e tabelas de percentis Alunos do 2.º e 3.º Ciclo Após o cálculo do Índice de Massa Corporal, e atendendo à idade do jovem, consideram-se como valores de referência: - ormal: um jovem que esteja entre o percentil 5 e 85; - Magreza: um jovem que esteja abaixo do percentil 5; - Sobrepeso: um jovem que esteja entre o percentil 85 e 95; - Obesidade: um jovem que esteja acima do percentil 95. A avaliação do estado nutricional foi realizada a 410 alunos, sendo 158 do 5.º ano, 126 do 7.º ano e 126 do 9.º ano de escolaridade. Na tabela seguinte, os resultados estão representados por idade e sexo. 5

6 Masculino Magreza ormal Sobrepeso Obesidade Total Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Alunos % 10 Anos 2 3% 39 67% 14 24% 3 5% 58 26% 11 Anos 1 5% 15 79% 3 16% 0 0% 19 9% 12 Anos 1 3% 23 72% 7 22% 1 3% 32 14% 13 Anos 2 6% 25 78% 2 6% 3 9% 32 14% 14 Anos 1 2% 33 79% 4 10% 4 10% 42 19% 15 Anos 2 11% 12 63% 2 11% 3 16% 19 9% 16 Anos 4 24% 11 65% 2 12% 0 0% 16 7% 17/18 Anos 1 50% 1 50% 0 0% 0 0% 2 1% Total 14 6% % 34 15% 14 6% % Masculino Magreza ormal Sobrepeso Obesidade Total Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Alunos % 10 Anos 3 7% 31 69% 10 22% 1 2% 45 24% 11 Anos 0 0% 8 57% 2 14% 4 29% 14 7% 12 Anos 2 6% 26 76% 5 15% 1 3% 34 18% 13 Anos 1 5% 15 79% 3 16% 0 0% 19 10% 14 Anos 1 2% 33 73% 6 13% 5 11% 45 24% 15 Anos 0 0% 18 90% 1 5% 1 5% 20 11% 16 Anos 0 0% 9 100% 0 0% 0 0% 10 5% 17/18 Anos 0 0% 2 67% 0 0% 1 33% 3 2% Total 7 4% % 27 14% 13 7% % Geral Magreza ormal Sobrepeso Obesidade Total Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Alunos % 10 Anos 5 5% 70 68% 24 23% 4 4% % 11 Anos 1 3% 23 70% 5 15% 4 12% 33 8% 12 Anos 3 5% 49 74% 12 18% 2 3% 66 16% 13 Anos 3 6% 40 78% 5 10% 3 6% 51 12% 14 Anos 2 2% 66 76% 10 11% 9 10% 87 21% 15 Anos 2 5% 30 77% 3 8% 4 10% 39 10% 16 Anos 4 15% 20 77% 2 8% 0 0% 26 6% 17/18 Anos 1 20% 3 60% 0 0% 1 20% 5 1% Total 21 5% % 61 15% 27 7% % 6

7 Após a análise dos gráficos, verifica-se que o estado nutricional de obesidade é mais elevado nos 11 e 17/18 anos. Salienta-se ainda, que o estado de magreza é bastante elevado na faixa etária dos 16 aos 18 anos, e mais nos rapazes do que nas raparigas. O excesso de peso é mais evidente nas faixas etárias dos alunos mais novos. 7

8 No geral, podemos verificar que apenas se encontram no índice normal 75% das raparigas e 72% dos rapazes. Salienta-se ainda, que no índice de obesidade estão 6% dos rapazes e 7% das raparigas. Em suma, apenas 73% dos alunos se encontram no índice normal de avaliação nutricional. Dos restantes 27%, 5% estão abaixo do índice normal, apresentando um índice de magreza, e 22% estão acima do índice normal, estando 7% destes no índice de obesidade e 15% no índice de sobrepeso. Dos 410 alunos que realizaram o rastreio, cerca de 29 são obesos e 63 estão no estado de sobrepeso. 8

9 Comparando com os dados obtidos nos anos anteriores, podemos verificar que a percentagem de alunos que se encontram no índice sobrepeso e obesidade de avaliação nutricional diminuiu, em contrapartida, os índices de magreza e normal aumentaram. Verifica-se uma melhoria dos resultados, apesar dos valores de obesidade e sobrepeso serem elevados. Na minha opinião, esta melhoria deve-se à introdução dos resultados dos alunos do 9.º ano de escolaridade Pessoal Docente/ ão Docente Em relação ao pessoal docente/não docente, realizaram o rastreio um total de 37 indivíduos. Após o cálculo do Índice de Massa Corporal, consideram-se como valores de referência os seguintes: IMC Feminino Masculino Abaixo do Peso Abaixo de 19 Abaixo de 20 Normal 19 a 23,9 20 a 24,9 Obesidade Leve 24 a 28,9 25 a 29,9 Obesidade Moderada 29 a 38,9 30 a 39,9 Obesidade Mórbida Acima de 39 Acima de 40 9

10 Obteve-se os seguintes resultados, após a análise do Índice de Massa Corporal. IMC Feminino % Masculino % Total % Abaixo do Peso 0 0% 0 0% 0 0% Normal 12 39% 3 50% 15 41% Obesidade Leve 13 42% 3 50% 16 43% Obesidade Moderada 6 19% 0 0% 6 16% Obesidade Mórbida 0 0% 0 0% 0 0% sexo masculino. Salienta-se que apenas 6 indivíduos do pessoal docente/não docente são do Salienta-se que apenas 39% do pessoal docente/não docente do sexo feminino e 50% do sexo masculino se encontra no índice normal. No sexo feminino, 42% encontrase no índice de obesidade moderada e 19% de obesidade leve. 10

11 No geral, apenas 41% do pessoal docente/não docente se encontra no índice normal, 43% está no índice de obesidade leve e 16% no índice de obesidade moderada. Comparativamente ao ano lectivo anterior, verifica-se uma diminuição ligeira do índice normal e uma diminuição significativa do índice de obesidade moderada, no entanto, há um aumento bastante acentuado do índice de obesidade leve, sendo a diferença de quinze pontos percentuais Massa gorda Ao analisar a composição corporal de uma pessoa obtém-se um resultado qualitativo do seu peso, o que nos dá informação sobre a quantidade total de massa gorda e de massa magra (conjunto de todas as massas não gordas, como os músculos, os 11

12 ossos e os órgãos). A composição corporal é uma variável que depende da idade e do sexo: a massa gorda aumenta com a idade e é maior no sexo feminino. A gordura é vista normalmente como algo de indesejável, mas uma certa quantidade de gordura é essencial para o normal funcionamento do corpo. A percentagem de gordura nunca deve ser inferior a 5% no homem e a 9% na mulher é a gordura essencial Alunos do 2.º e 3.º Ciclos Existem várias tabelas de massa gorda recomendáveis, no entanto, nenhuma referente a jovens com menos de 20 anos. De uma forma geral, a faixa ideal de percentagem de gordura é: Sexo masculino: entre 10 e 18% Sexo feminino: entre 20 e 25% O rastreio foi realizado somente aos alunos do 7.º e 9.º ano de escolaridade, num total de 230 alunos, uma vez que os alunos do 5.º ano são considerados crianças, não sendo, portanto, possível calcular a sua percentagem de massa gorda. ormal Acima Nº Alunos % Nº Alunos % Masculino 84 68% 40 32% Feminino 62 58% 44 42% Total % 84 37% 12

13 A percentagem de alunos que se encontra no índice acima do normal é superior no sexo feminino. Esta percentagem de alunos é de 42% e 32%, para o sexo masculino. De um modo geral, a percentagem de alunos cuja percentagem de massa gorda se encontra acima do normal é de 37%. Sublinhe-se que é um valor bastante elevado: dos 230 alunos que realizaram o rastreio, 84 encontram-se no índice acima do normal. 13

14 Comparando com o ano lectivo transacto, verifica-se um aumento do índice de percentagem de massa gorda acima do normal. Esta diferença é pouco significativa, sendo de apenas três pontos percentuais Pessoal docente/não docente Tendo em conta que estamos a considerar adultos, os valores de referência são diferentes dos anteriores, pelo que iremos basear-nos nos valores que se encontram na tabela seguinte: Idades Valores em % Mínimo Masculino Máximo Mínimo Feminino Máximo No que concerne ao pessoal docente e não docente, o rastreio foi realizado a 33 indivíduos, sendo apenas cinco elementos do sexo masculino. 14

15 ormal Acima Nº Elementos % Nº Elementos % Masculino 1 20% 4 80% Feminino 7 25% 21 75% Total ~ºa8 24% 25 76% Após a análise dos resultados, podemos verificar que os índices normal e acima são muito idênticos tanto no sexo masculino como no sexo feminino, sendo os valores de índice acima do normal, em ambos os sexos, muito elevados. 15

16 Em suma, podemos verificar que 76% do pessoal docente/não docente se encontra no nível de percentagem de massa gorda acima do normal e apenas 24% se encontra no índice normal. Comparativamente ao ano lectivo anterior, verifica-se um aumento de dez pontos percentuais do índice acima do normal no que diz respeito à massa gorda. Estes valores são muito preocupantes Percentagem de Água No corpo humano a água é o principal constituinte. O valor de referência para a percentagem de água que cada indivíduo deve ter no organismo diminui com a idade, conforme ilustra a tabela seguinte: % de Idades Água Mínimo <50 Máximo Alunos do 2.º e 3.º Ciclos Realizaram o rastreio 230 alunos do 7.º e 9.º ano de escolaridade. Não foi possível realizar este rastreio aos alunos do 5.º ano, uma vez que a balança utilizada para o seu cálculo não assume idades nem pesos tão baixos. 16

17 Abaixo ormal Acima Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Masculino 55 44% 50 40% 19 15% Feminino 97 92% 8 8% 1 1% Total % 58 25% 20 9% A percentagem de alunos cujo nível de água está abaixo do índice normal é de 92%, no sexo feminino, e 44%, no sexo masculino. Salienta-se que apenas 8% dos alunos do sexo feminino se encontram no índice normal. 17

18 Em geral, 66% dos alunos está abaixo do índice normal, 25% no índice normal e 9% acima do índice normal. Daqui se conclui que, dos 230 alunos, cerca de 152 se encontra com índices de percentagem de água abaixo do normal. Se compararmos estes resultados com os obtidos no ano lectivo anterior, verificamos que a percentagem de alunos que se encontra no índice abaixo do normal diminuiu, sendo essa diminuição de nove pontos percentuais, e a percentagem de alunos no índice normal aumentou vinte pontos percentuais Pessoal docente/não docente Em relação ao pessoal docente/não docente, realizaram o rastreio, 33 indivíduos, sendo apenas cinco do sexo masculino. O quadro seguinte ilustra os resultados: Abaixo ormal Acima Nº Elementos % Nº Elementos % Nº Elementos % Masculino 4 80% 1 20% 0 0% Feminino 22 79% 6 21% 0 0% Total 26 79% 7 21% 0 0% 18

19 Salienta-se que cerca de 80% do pessoal docente/não docente, tanto do sexo masculino como do sexo feminino, se encontra no índice de percentagem de água abaixo do normal. Em geral, 79% do pessoal docente/não docente apresenta um índice inferior ao normal e apenas 21% do pessoal apresenta um índice normal. Estes valores são muito preocupantes. 19

20 Comparando com os dados obtidos no ano transacto, podemos verificar que a percentagem de pessoal docente/não docente que se encontra no índice normal aumentou, assim como o índice abaixo do normal. Apenas o índice acima do normal diminuiu a sua percentagem Glicemia A Glicemia é a taxa de glicose no sangue, ou seja, a taxa de açúcar contida no sangue. Os valores de referência são: mg/dl Normal Jejum mg/dl Anomalia da glicemia em jejum > 125 mg/dl Diabetes < 140 mg/dl Normal Pós mg/dl Tolerância diminuída à glucose Prandial > 199 mg/dl Diabetes Alunos do 2.º e 3.º Ciclos Realizaram o teste de medição da glicemia 415 alunos, sendo 157 do 5.º ano, 130 do 7.º ano e 128 do 9.º ano de escolaridade. 20

21 Glicemia ormal Anomalia/Tolerância Diabetes º elementos % º elementos % º elementos % 5.º Ano % 2 1% 1 1% 7.º Ano % 2 2% 0 0% 9.º Ano % 2 2% 1 1% Total % 6 1,5% 2 0,5% As percentagens de valores normais de glicemia são muito idênticas em todos os anos de escolaridade. Um dos dois alunos que foram identificados com valores próprios de diabetes já tinha sido diagnosticado como diabético e o Encarregado de Educação do outro discente foi informado do resultado do teste e alertado para a necessidade de confirmar a situação. 21

22 Em geral, quase a totalidade dos alunos (98%) encontra-se dentro da zona normal, 1,5% apresenta anomalia da glicemia em jejum ou tolerância diminuída à glicose e 0,5% apresenta risco de diabetes. Durante a realização destes testes de glicémia, uma vez que se tinha que considerar a glicémia em jejum ou após a ingestão de glicose, os alunos eram questionados sobre as horas da última refeição. Deste modo, foi possível verificar se os alunos tinham tomado o pequeno-almoço ou não. Este dado é bastante importante, visto que assim constatamos que os alunos vêm muitas vezes para a escola sem terem feito esta refeição. Os resultados obtidos foram os seguintes: Com pequeno-almoço Em jejum Nº Alunos % Nº Alunos % 5.º Ano % 12 8% 7.º Ano % 11 8% 9.º Ano % 20 16% Total % 43 10% 22

23 Após análise da tabela e dos gráficos, verificamos que a percentagem de alunos que não tomou o pequeno-almoço é igual tanto nos alunos do 5.º ano como no 7.º ano, e o dobro nos alunos do 9.º ano de escolaridade. Em suma, a percentagem de alunos que se encontrava em jejum é de 10%, tendo em conta a população que foi inquirida. Salienta-se que a totalidade destes testes foi realizada no período da manhã, o que torna estes resultados mais alarmantes. Dos 415 alunos que realizaram os rastreios, 43 alunos não tinham tomado o pequeno-almoço. Se tomarmos em consideração o género dos alunos que não tomaram o pequenoalmoço, obtemos o seguinte resultando: 23

24 A percentagem de alunos do sexo feminino (56%) é um pouco superior à percentagem de alunos do sexo masculino (44%) que se encontravam em jejum à hora do teste. Ao compararmos estes resultados com os dos vários anos em que realizámos este rastreio, verificamos que a percentagem de alunos que se encontra em jejum tem sido muito similar ao longo do tempo, sendo essa percentagem de 10%. Apenas no ano passado existiu uma pequena oscilação, o que poderá estar relacionado com o facto de alguns daqueles testes terem sido realizados após a hora de almoço. 24

25 Pessoal docente/não docente Em relação ao pessoal docente/não docente, o rastreio foi realizado 72 elementos. O quadro seguinte apresenta os resultados obtidos. Glicemia Docente/ ão Docente ormal Anomalia/Tolerância Diabetes º elementos % º elementos % º elementos % 68 95% 3 4% 1 1% A percentagem de Pessoal Docente/Não Docente com o índice normal é de 95%. Salienta-se que 4% apresenta anomalia da glicemia em jejum ou tolerância diminuída à glicose e 1% apresenta risco de diabetes. Estes valores também manifestam alguma preocupação Tensão Arterial A Tensão Arterial, também conhecida como Pressão Arterial, é a pressão exercida pelo sangue contra a superfície interna das artérias. Os valores de referência são: 25

26 Sistólica Diastólica Ideal < 120 < 80 Normal Normal Alta Hipertensão Estádio Hipertensão Estádio 2 > 159 > Alunos do 2.º e 3.º Ciclos O rastreio da Tensão Arterial foi realizado a 417 alunos, sendo 158 do 5.º ano, 130 do 7.º ano e 129 do 9.º ano de escolaridade. Os resultados obtidos encontram-se divididos por anos de escolaridade e sexo, na tabela seguinte: Hipertensão Hipertensão Ideal ormal ormal Alta Tensão Estádio 1 Estádio 2 Arterial Nº Nº Nº Nº Nº % % % % Alunos Alunos Alunos Alunos Alunos % 5.º Sistólica % 17 11% 6 4% 7 4% 1 1% Ano Diastólica % 9 6% 2 1% 5 3% 2 1% 7.º Sistólica 78 60% 32 25% 18 14% 2 1% 0 0% Ano Diastólica % 6 5% 2 2% 5 3% 2 2% 9.º Sistólica 73 57% 26 20% 16 12% 14 11% 0 0% Ano Diastólica % 8 6% 6 5% 3 2% 1 1% 26

27 Após a análise dos gráficos, verificamos que, no 5.º ano, 7% dos alunos tem a tensão arterial acima do normal, no 7.º ano, 10% tem a tensão acima do normal e, no 9.º ano, essa percentagem é de 15%. Salienta-se ainda que a tensão arterial ideal tem tendência a diminuir, consoante se vai progredindo no ano de escolaridade. No geral, podemos verificar que 7% dos alunos têm a tensão arterial normal alta e que 3% têm a tensão arterial de hipertensão estádio 1. 90% dos alunos tem a tensão arterial ideal ou normal. Salienta-se que, embora estes valores não sejam preocupantes, é necessário o acompanhamento e vigilância dos alunos cuja tensão se encontra mais elevada do que o normal. 27

28 Comparativamente aos resultados dos anos transactos, verificamos que as diferenças são significativas. Obteve-se um aumento de seis pontos percentuais no índice normal, em relação ao ano anterior, e de cinco pontos percentuais, em relação ao ano lectivo 2008/ Pessoal docente/não docente No que concerne ao pessoal docente/não docente, o rastreio foi realizado a 72 elementos. Após a análise e avaliação dos resultados, obtivemos os valores que se encontram na tabela e gráfico seguintes: Tensão Arterial Sistólica Diastólica Nº de elementos % Nº de elementos % Ideal 23 32% 29 40% Normal 16 22% 9 13% Normal Alta 15 21% 13 18% Hipertensão Estágio % 18 25% Hipertensão Estágio 2 2 3% 3 4% 28

29 Apenas 48% do pessoal docente/não docente tem uma tensão arterial normal ou ideal; os restantes indivíduos apresentam valores de tensão arterial acima do normal, o que não deixa de ser bastante preocupante. Salienta-se ainda que 4% do pessoal docente/não docente apresenta hipertensão de estádio 2 e 22% apresenta hipertensão de estádio 1. Seria muito importante a vigilância destes valores. Em comparação com os resultados obtidos no ano anterior, a percentagem do pessoal docente/não docente com tensão arterial normal e ideal diminuiu, em contrapartida a percentagem com tensão arterial normal alta, de hipertensão de estádio 1 e 2 aumentou. Estes dados são muito preocupantes. 29

30 4.6. Colesterol O colesterol é uma substância gorda presente em todas as células do organismo, necessária, em pequenas quantidades, ao seu funcionamento. No entanto, quando o nível de colesterol no sangue está elevado, o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares aumenta. O índice de colesterol no sangue não deve exceder 190 mg/dl. Este rastreio só foi realizado ao pessoal docente e não docente, no total de 71 elementos, e os resultados obtidos encontram-se na tabela abaixo apresentada. < 190 mg/dl 190 mg/dl Colesterol Nº elementos % Nº elementos % Docentes/ Não Docentes 36 51% 35 49% A percentagem do pessoal docente/não docente que se encontra dentro dos valores de referência normais é de apenas 51%. 30

31 Fazendo uma análise comparativa dos resultados obtidos com os resultados de anos transactos, verifica-se que a percentagem tem vindo a aumentar. No ano passado, a percentagem de elementos com colesterol aumentou de 13% para 37%, e este ano lectivo, de 37% para 49%. Estes resultados revelam valores muito inquietantes Visual Alunos do 2.º e 3.º Ciclos O Rastreio Visual foi realizado por 395 alunos da Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes, sendo 143 do 5.º ano, 126 do 7.º ano e 126 do 9.º ano de escolaridade. Para a realização do rastreio, foi pedida a parceria do Eyestore - Centro Óptico de Alhandra, que disponibilizou um técnico da sua equipa para estar ao dispor da escola durante quatro dias. Após a realização dos vários testes, os alunos enquadravam-se em uma das duas categorias: visão normal ou consulta. A última situação pressupunha que os alunos estavam a necessitar de uma avaliação mais pormenorizada da sua visão, pois o rastreio indicara uma discrepância em relação aos valores normais. Os resultados obtidos, em relação aos alunos, apresentam-se na tabela seguinte: 31

32 ormal Consulta N.º alunos % N.º alunos % 5.º Ano % 34 24% 7.º Ano 98 78% 28 22% 9.º Ano 93 74% 33 26% Total % 95 24% Salienta-se que grande parte dos alunos do 5.º ano tem uma visão normal, no entanto, 24% dos alunos necessitam de uma consulta. Em relação aos alunos do 7.º ano, os resultados obtidos são muito semelhantes: 22% dos alunos necessita de uma consulta e 78% tem uma visão normal. No 9.º ano, os resultados são um pouco piores: 26% necessita de consulta e os restantes 74% tem uma visão normal. 32

33 Curiosamente, os resultados obtidos, tanto no 2.º Ciclo como no 3.º Ciclo, são exactamente os mesmos: 76% tem uma visão normal e 24% dos alunos necessita de uma consulta. No geral, de todos os alunos rastreados, os resultados obtidos são os seguintes: Dos 395 alunos, aos quais foi realizado o rastreio visual, 95 alunos apresentam falta de visão e/ou algum problema de visão, ou seja, 24% dos alunos deverão ir a uma consulta de Optometria ou Oftalmologia. 33

34 Comparativamente aos resultados de anos anteriores, podemos verificar que a percentagem de alunos com visão normal tem aumentado de ano para ano. Podemos verificar que existe uma evolução positiva ao nível da visão normal Oral No âmbito do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral (PNPSO) da Direcção Geral de Saúde, foi realizado o Rastreio Oral aos alunos nascidos em 1997, 2000 e O rastreio foi realizado pela Higienista Oral do Centro de Saúde de Alhandra e consistiu apenas na observação da dentição do aluno. Após a triagem, poderiam ocorrer uma de três situações: - Emissão de um documento de referenciação para a Higienista Oral aos alunos livres de cárie dentária em dentição definitiva; - Emissão de um cheque-dentista aos alunos com cárie dentária em dentes definitivos; - Emissão de uma carta informativa aos alunos que, não tendo os dentes esperados para a idade, serão incluídos no grupo dos alunos que terá acesso ao chequedentista durante o próximo ano lectivo. 34

35 Alunos de 1.º Ciclo O Rastreio Oral foi realizado por 165 alunos, sendo 86 alunos da Freguesia de Alhandra, 59 alunos da Freguesia do Sobralinho e 20 alunos da Freguesia de São João dos Montes. Os resultados obtidos foram os seguintes: Cheque-dentista Higienista Oral Carta Informativa Nº alunos % Nº alunos % Nº alunos % Alhandra 27 31% 55 64% 4 5% Sobralinho 21 36% 35 59% 3 5% S. João Montes 6 30% 14 70% 0 0% Total 54 33% % 7 4% A freguesia que apresenta uma maior percentagem de alunos a quem lhes foi atribuído um cheque-dentista foi a do Sobralinho, com cerca de 36%. No entanto, verifica-se que os resultados obtidos nas outras freguesias são muito semelhantes, sendo a diferença apenas de cinco pontos percentuais. 35

36 No geral, 28% dos alunos do 1.º ciclo necessitaram de cheque-dentista e 67% apenas terá de consultar a Higienista Oral. Aos restantes alunos foi entregue a carta informativa, uma vez que ainda não têm a dentição completa para a idade que têm. Comparativamente ao ano lectivo anterior, verifica-se um aumento da emissão de cheques-dentista, contrapondo com a diminuição de referenciações para a Higienista Oral Alunos do 2.º e 3.º Ciclos Do universo de cerca de 700 alunos da escola básica, foram rastreados 238 discentes e os resultados são os seguintes: 36

37 Cheque-dentista Higienista Oral Carta Informativa Nº alunos % Nº alunos % Nº alunos % 2.º Ciclo 42 30% 63 46% 33 24% 3.º Ciclo 46 46% 51 51% 3 3% Total 88 37% % 36 15% A percentagem de alunos a quem foi atribuído cheque-dentista no 2.º Ciclo é de 30%, e no 3.º Ciclo de 46%. Verifica-se que existe um aumento da percentagem do 2.º para o 3.º Ciclo, tanto das referenciações para a higienista oral como para a atribuição de cheque dentista. 37

38 Como podemos verificar, 37% dos alunos necessita de intervenção do dentista, pelo que tiveram direito a um cheque-dentista, e 48% terá uma consulta com a Higienista Oral do Centro de Saúde. Os restantes 15% de alunos terão direito a um cheque-dentista no próximo ano lectivo. Fazendo uma análise comparativa com o ano lectivo anterior, verifica-se uma diminuição da percentagem de alunos aos quais foram atribuidos cheques-dentista; por outro lado, aumentou o número de alunos a quem foi atribuida a referenciação oral e a carta informativa. Em suma, a percentagem de alunos a quem foi atribuido o cheque-dentista aumentou do 2.º para o 3.º ciclo, chegando a atingir quase os 50% no 3.º Ciclo. Salienta- 38

39 se que a 24% de alunos foi atribuida uma carta informativa no 2.º ciclo, uma vez que ainda não apresentam a dentição completa para a idade. No geral, a 35% dos alunos foi atribuído o cheque-dentista e mais de 50% dos alunos tem uma referenciação para a Higienista Oral do Centro de Saúde de Alhandra. Tendo em conta os resultados obtidos no ano anterior, verificamos que diminuiu a percentagem de alunos aos quais foram atribuídos cheques-dentistas e a referenciação para a Higienista Oral. 39

40 5. Análise comparativa com os alunos rastreiados no ano lectivo 2008/2009 Pela primeira vez foi possível fazer uma análise comparativa com os rastreios de saúde realizados no ano lectivo 2008/2009, uma vez que a maioria dos alunos do 7.º e 9.º anos de escolaridade que realizaram os rastreios este ano lectivo, há dois anos atrás, quando se encontravam no 5.º e 7.º anos de escolaridade, respectivamente, foram sujeitos a rastreio. Assim, foi possível ver a evolução de cada aluno nos rastreios de Índice de Massa Corporal, Glicemia, Tensão Arterial e Visual. Os parametros utilizados nesta análise foram: manteve, melhorou ou piorou Índice de Massa Corporal (I.M.C.) Para esta análise comparativa foram considerados 196 alunos, sendo 89 alunos do 7.º ano actual e 107 do 9.º ano. Comparativamente ao ano 2008/2009, verificamos que a maioria dos alunos manteve a mesma condição. No entanto, a percentagem de alunos que melhorou o seu índice de massa corporal foi acima de 20%, no 7.º ano de escolaridade, e de aproximadamente 10%, no 9.º ano de escolaridade. O número de alunos que piorou foi menor no 9.º ano do que no 7.º ano, sendo uma percentagem inferior a 10%. 40

41 No geral, 77% dos alunos manteve o mesmo índice de massa corporal, 17% melhorou e 6% piorou os seus resultados. Deste modo, podemos ficar satisfestos com os resultados obtidos Glicemia Para a análise comparativa dos resultados dos rastreios de glicemia foram considerados 195 alunos, sendo 90 alunos do 7.º ano e 105 do 9.º ano, actuais. Ao comparar os resultados obtidos este ano lectivo com os resultados de 2008/2009, verificamos que a quase totalidade dos alunos manteve o seu índice, sendo pouco significativas as melhorias. No entanto, podemos verificar uma ligeira melhoria (de cerca de 10%) no 7.º ano de escolaridade. 41

42 Em geral, apenas 4% dos alunos melhorou os seus resultados de glicemia e 1% piorou. Salienta-se que 95% dos alunos manteve os resultados obtidos há dois anos atrás Tensão Arterial Para esta análise comparativa foram considerados 197 alunos, sendo 91 alunos do 7.º ano actual e 106 do 9.º ano. Após a análise dos resultados obtidos, verificamos que a maioria dos alunos manteve o índice de Tensão Arterial obtido no ano lectivo 2008/2009. Salienta-se que aproximadamente 20% dos alunos apresenta piores resultados, tanto no 7.º ano como no 9.º ano. 42

43 No geral, 72% dos alunos manteve os resultados obtidos há dois anos anteriores, 10% melhorou e 18% piorou. Estes dados são bastante preocupantes, tendo em conta que estamos a falar de uma população com idades compreendidas entre os 12 e 16 anos Visual Para a análise comparativa dos resultados dos rastreios visuais foram considerados 187 alunos, sendo 87 alunos do 7.º ano e 100 do 9.º ano, actuais. Ao comparar os resultados obtidos neste ano lectivo com os resultados de 2008/2009, verificamos que mais de 20% melhorou os seus resultados, tanto no 7.º como no 9.º ano de escolaridade. No entanto, podemos verificar que 10% dos alunos do 7.º ano de escolaridade piorou os seus resultados. 43

44 Em geral, verificamos que 7% dos alunos piorou os seus resultados, mas que 22% melhoraram. Assim, podemos verificar que tanto no que diz respeito ao Índice de Massa Corporal, como à glicemia, como ainda ao rastreio visual, os resultados obtidos este ano lectivo são um pouco melhores do que os obtidos no ano lectivo 2008/2009. No entanto, os resultados da Tensão Arterial são piores. 44

45 6. Considerações finais Após análise de todos os resultados obtidos, as conclusões gerais que podemos retirar da realização dos rastreios, no que diz respeito aos alunos, são as seguintes: 22% dos alunos tem excesso de peso, sendo 7% obesos. 37% dos alunos está no índice acima de massa gorda. 66% dos alunos está no índice abaixo de percentagem de água. 2% dos alunos apresenta anomalia ou tolerância à glicemia, sendo 0,5% em risco de diabéticos. 10% dos alunos não toma o pequeno-almoço. 10% dos alunos tem a Tensão Arterial Normal Elevada. 24% dos alunos necessita de consulta de Optometria/Oftalmologia. 35% dos alunos necessita de cheques-dentistas. Relativamente à restante comunidade escolar, as conclusões gerais são as que, seguidamente, se apresentam: 59% dos indivíduos tem excesso de peso, apresentando 16% obesidade moderada. 76% dos indivíduos está no índice acima de massa gorda. 79% dos indivíduos está no índice abaixo de percentagem de água. 5% dos alunos apresenta anomalia ou tolerância à glicemia, sendo 1% em risco de diabéticos. 52% dos indivíduos tem a Tensão Arterial Elevada. 49% dos indivíduos tem os níveis de colesterol elevados. Comparativamente a anos lectivos anteriores: 45

46 No que diz respeito aos alunos: Alunos 2009/ /2009 Excesso de Peso 22% 34% 26% Obesidade 7% 14% 10% Acima da Massa Gorda 37% 34% ---- Abaixo da Percentagem de Água 66% 77% ---- Anomalia/Tolerância à glicemia 2% % Sem pequeno-almoço 10% 6% 10% Diabéticos 0,5% Tensão Arterial Elevada 10% 17% 16% Consulta de Optometria/Oftalmologia 24% 26% 39% Cheques-dentistas 35% 46% ---- No que diz respeito ao Pessoal docente/não docente Pessoal docente/não docente 2009/ /2009 Excesso de Peso 59% 58% 58% Obesidade 16% 30% 8% Acima da Massa Gorda 76% 66% ---- Abaixo da Percentagem de Água 79% 74% ---- Anomalia/Tolerância à glicemia 5% Diabéticos 1% Tensão Arterial Elevada 52% 28% 40% Colesterol elevado 49% 37% 13% Com base nestas conclusões, verificamos que é importante ter uma intervenção focada na prevenção da doença e detecção precoce de eventuais problemas de saúde. É necessário sensibilizar os alunos para a importância de uma alimentação saudável e da prática de exercício físico. Neste sentido, a aposta será na continuidade de acções de sensibilização, no âmbito da alimentação saudável e de alguns distúrbios alimentares, bem como na continuidade de actividades que envolvam os alunos na aquisição de bons hábitos alimentares. 46

47 Considera-se imprescindível manter o investimento na consciencialização dos Encarregados de Educação/Pais para a necessidade de realizarem o diagnóstico precoce de determinados problemas de saúde dos seus educandos que possam vir a interferir no seu rendimento escolar e de procurarem optimizar as condições físicas e mentais dos mesmos. Neste sentido, e tendo em conta a população escolar que actualmente temos, será importante manter estes rastreios nos próximos anos lectivos e abranger um maior número de alunos e restantes elementos da comunidade escolar. Refere-se, ainda, que durante este ano lectivo foi, sem margem de dúvidas, muito importante o empenho e a dedicação demonstrada pelos profissionais envolvidos, tendo sido esta uma mais-valia que fez a diferença. Deste modo, pretendemos manter e intensificar as parcerias já existentes, para que possamos responder de forma mais eficaz e atempada às necessidades da população escolar. No próximo ano lectivo, os rastreios de saúde serão realizados aos alunos do 5.º, 7.º e 9.º anos de escolaridade. São João dos Montes, 22 de Julho de 2011 A Coordenadora da Educação para a Saúde Carla Lavrador 47

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes

Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes Agrupamento de Escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE 2013/2014 1 ÍNDICE 1. Introdução. 3 2. Objetivos... 4 3. Rastreios realizados...

Leia mais

Agrupamento de escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE

Agrupamento de escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes. Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE Agrupamento de escolas de Alhandra, Sobralinho e São João dos Montes Escola Básica 2, 3 Soeiro Pereira Gomes RASTREIOS DE SAÚDE 1 Í DICE 1. Introdução 3 2. Objectivos. 4 3. Rastreios realizados.... 4 4.

Leia mais

PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE

PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE Ano lectivo 2009/2010 PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE Equipa: Ana Luísa Leal António Sousa Célia Oliveira Justa Costa PROJECTO EDUCAR PARA A SAÚDE 1º PERÍODO ÁREA de INTERVENÇÃO- HÁBITOS ALIMENTARES DEFICITÁRIOS

Leia mais

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico

Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Vigitel Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico Avaliação Dados de 2013 Periodicidade: anual desde 2006 Público: maiores de 18 anos e residentes nas 26

Leia mais

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO

GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO GRUPO COPPA: ATIVIDADE INTERDISCIPLINAR NO CONTROLE DA OBESIDADE E PATOLOGIAS ASSOCIADAS BRIGITTE OLICHON LUMENA MOTTA REGINA BOSIO Introdução Obesidade Brasil EPIDEMIA 40% em sobrepeso 12,7% adultos obesos

Leia mais

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal

Anexo 1. Determinação do Índice de Massa Corporal* Estatuto de peso corporal <18.5 Falta de peso Normal Anexo 1 Determinação do Índice de Massa Corporal* O índice de massa corporal (BMI) é um instrumento utilizado para determinar o estatuto de peso corporal nos seres humanos. Os seus valores variam em função

Leia mais

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA

SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA 44 Manual sobre Insulino-resistência SÍNDROME METABÓLICA E ADOLESCÊNCIA Helena Fonseca Unidade de Medicina do Adolescente, Clínica Universitária de Pediatria Hospital de Santa Maria A prevalência de obesidade

Leia mais

18 7 de Outubro de 2008 Número 127

18 7 de Outubro de 2008 Número 127 18 7 de Outubro de 2008 Resolução n.º 1012/2008 Considerando que a Marítimo da Madeira - Futebol - - SAD necessita de reunir a Assembleia-Geral, sem observância das formalidades prévias nos termos do artigo

Leia mais

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA

TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA TÓPICOS PARA A APRESENTAÇÃO DA ESCOLA CAMPOS DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Como elemento fundamental de preparação da avaliação, solicita-se a cada escola 1 em processo de avaliação que elabore um texto que:

Leia mais

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE

Desenvolvendo o Pensamento Matemático em Diversos Espaços Educativos A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE A MATEMÁTICA EM SITUAÇÕES QUE ENGLOBAM ALIMENTAÇÃO E SAÚDE Modelagem e Educação Matemática (MEM) GT 4 Ângela Tereza Silva de SOUZA Universidade Federal da Paraíba anjinhatereza@hotmail.com RESUMO Neste

Leia mais

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios

A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios A saúde dos adolescentes em Portugal: respostas e desafios Andreia Jorge Silva Direção de Serviços de Prevenção da Doença e Promoção da Saúde 1 PNS/ELS - Obesidade Saúde dos Adolescentes PNS/Saúde dos

Leia mais

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3

PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 PNS Pesquisa Nacional de Saúde 2013 Ciclos de vida, Brasil e grandes regiões Volume 3 ABRANGÊNCIA A Pesquisa Nacional de Saúde 2013 foi planejada para a estimação de vários indicadores com a precisão desejada

Leia mais

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução

Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução Quanto mais cedo for feito o diagnóstico de uma determinada doença, maiores serão as probabilidades de tratar a doença e atrasar a sua evolução É a identificação atempada de uma determinada doença mesmo

Leia mais

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório não técnico. Dieta para adultos

Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006. Relatório não técnico. Dieta para adultos Universidade do Algarve Faculdade das Ciências e Tecnologias Redes de Telecomunicações 2005/2006 Relatório não técnico Dieta para adultos Docente: Profª Drª Ana Isabel Leiria Discentes: Laurinda Fernandes

Leia mais

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro

Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela ( ) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete Carpinteiro II Encontro de Boas Práticas Educativas Bragança, 8 de setembro de 2016 Projeto de Educação para a Saúde- EB2 Paulo Quintela (2014-2016) Autoras: - Alda Afonso - Margarida Rodrigues - Olívia Maria - Suzete

Leia mais

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares.

O que é a obesidade? Nas doenças associadas destacam-se a diabetes tipo II e as doenças cardiovasculares. obesidade O que é a obesidade? A obesidade é considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) a epidemia do século XXI! O excesso de peso e a obesidade são diferentes graus de uma doença em que se verifica

Leia mais

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista

ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL. Dra. Helena Maia Nutricionista ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL Dra. Helena Maia Nutricionista OBJECTIVOS Obesidade: Riscos, prevalências e tipos Nutrição / Nutrientes Roda dos Alimentos Alimentação Mediterrânica IMC Conclusão RISCOS RELACIONADOS

Leia mais

CUIDADOS COM A SAÚDE

CUIDADOS COM A SAÚDE CUIDADOS COM A SAÚDE Andressa Malagutti Assis Realizar exames periodicamente, fazer exercícios e cuidar da alimentação são medidas básicas para cuidar da saúde. Além de prevenir e ajudar na cura de doenças

Leia mais

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável

Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES, Mobilidade e Envelhecimento Saudável Projecto MobES - JUSTIFICAÇÃO Aumento da Esperança Média de Vida associa-se a: Prevalência de doenças crónicas; Custos na saúde. Inatividade Física

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL

AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL AVALIAÇÃO DO CURSO DE COMUNICAÇÃO ORGANIZACIONAL Outubro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Comunicação Organizacional sobre

Leia mais

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em

Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em Estudo de prevalência da hipertensão arterial, excesso de peso e obesidade no concelho de Vizela em 2007-2010 Guimarães A. Unidade de Saúde Familiar Physis, Vizela, Portugal Resumo Este estudo teve como

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final

ANO LETIVO 2013/2014. ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final ANO LETIVO 2013/2014 ESTUDO DO IMC (Índice de Massa Corporal) Avaliação Final Índice O que é o IMC? Objetivo do Estudo Procedimentos do Estudo Amostra Utilizada Apresentação dos Resultados Principais Conclusões

Leia mais

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática

Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática 2014/2015 Plano de Intervenção Prioritária para a Matemática Grupo de trabaho: Professores: Nela Fee (coordenadora) Carla Queiroz (Pré-Escolar) - Rosário Timóteo (1º c) Nuno Tomé (1ºc) - Anabela Hilário

Leia mais

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO

DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO DIABETES: ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR (NOV 2016) - PORTO A Diabetes Mellitus é uma doença crónica, cujos índices de incidência e prevalência aumentam a cada ano. Para poderem prestar cuidados de saúde globais

Leia mais

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto

-Mato. Projecto Corta- Grupo Repo. ortagem. Actividade Refe. Escola Secundária de Pinheiro e Rosa. Curso Tecnológico de Desporto 11º H Projecto Corta- -Mato Grupo Repo ortagem Actividade Refe erente 3 Professor responsável: André Ramos Realizado por: Carmen Pereira Daniel Sousa Natacha Domingos Nicolau Cardoso Priscila Domingos

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE DOENÇA METABÓLICA ENTENDENDO a doença metabólica A doença metabólica, também chamada de síndrome metabólica ou ainda de plurimetabólica, em geral faz parte de um conjunto de

Leia mais

Objectivos da Qualidade

Objectivos da Qualidade Objectivos da Ano: 2008 Rev: 01 Objectivo da Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro do colo do útero cobertura (exames realizados) 4699 mulheres Aumentar adesão dos utentes ao rastreio do cancro

Leia mais

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ

CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ CNC-CENTRO DE NEFROLOGIA DE CANINDÉ Praça Frei Aurélio 1397,Centro-Canindé-Ce CEP:62.700-000 Fone:(85)3343-1826 Fax:(85)3343-1838 E-mail:cnccaninde@yahoo.com.br RELATÓRIO DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS NO

Leia mais

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo

Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo Agrupamento de Escolas Fragata do Tejo, Moita Escola Básica dos 2º e 3º ciclos Fragata do Tejo MELHORAR RESULTADOS EDUCATIVOS E ESCOLARES EM HISTÓRIA E GEOGRAFIA DE PORTUGAL PLANO DE AÇÃO Julho de 2014

Leia mais

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O.

Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco. Alimentação Saudável L/O/G/O. Unidade de Cuidados na Comunidade de Castelo Branco Alimentação Saudável L/O/G/O www.themegallery.com Maio 2014 Sumário: O que é uma Alimentação Saudável; Nova Roda dos Alimentos; Recomendações de uma

Leia mais

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes

Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Professores: Roberto Calmon e Thiago Fernandes Nesta aula iremos aprender sobre o conceito, as causas e as consequências da obesidade e a importância da atividade física para a prevenção e controle desta

Leia mais

Diagnóstico e Prevenção do Diabetes com os Recursos Tecnológicos da Informática

Diagnóstico e Prevenção do Diabetes com os Recursos Tecnológicos da Informática Diagnóstico e Prevenção do Diabetes com os Recursos Tecnológicos da Informática PAULINO, Paulo C.; ALMEIDA, Fellipe R. de; FERNANDES, Ícaro A.; MEDEIROS, Bruno C. de; OLIVEIRA, Stephanie P. D.; PARMEZAN,

Leia mais

Da Caneta até ao Prato

Da Caneta até ao Prato Levantamento de projetos locais no âmbito da alimentação saudável e atividade física Concelho Nome do projeto Identificação da instituição promotora Equipa de trabalho/ dinamizadora Parceiros Enquadramento/

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA

AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA AVALIAÇÃO DO CURSO DE LÍNGUA GESTUAL PORTUGUESA Setembro 2009 ÍNDICE 1. Introdução 3 2. População e Amostra 3 3. Apresentação de Resultados 4 3.1. Opinião dos alunos de Língua Gestual Portuguesa sobre

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1

PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 PERFIL NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS EM PACIENTES ATENDIDOS NO LABORATÓRIO DE NUTRIÇÃO CLÍNICA DA UNIFRA 1 TEIXEIRA, Giselle 2 ; BOSI, Greice 2 ; FONTOURA, Ethiene 2 ; MUSSOI, Thiago 2 ; BLASI,

Leia mais

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS

INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Algarve INQUÉRITO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS CLIENTES EXTERNOS RELATÓRIO FINAL DA ANÁLISE DOS DADOS DEZEMBRO 2010 Índice Índice... 2 1. Sumário... 3 2.

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO

AVALIAÇÃO BIOQUÍMICA NO IDOSO C E N T R O U N I V E R S I T Á R I O C AT Ó L I C O S A L E S I A N O A U X I L I U M C U R S O D E N U T R I Ç Ã O - T U R M A 6 º T E R M O D I S C I P L I N A : N U T R I Ç Ã O E M G E R I AT R I A

Leia mais

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura

BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes dos portugueses perante Leitura e o Plano Nacional de Leitura António Firmino da Costa Elsa Pegado Patrícia Ávila CIES-ISCTE 2008 BARÓMETRO DE OPINIÃO PÚBLICA: Atitudes

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito);

Principais sintomas: - Poliúria (urinar muitas vezes ao dia e em grandes quantidades); - Polidipsia (sede exagerada); - Polifagia (comer muito); O diabetes mellitus é uma doença crônica que se caracteriza por uma elevada taxa de glicose (açúcar) no sangue. Essa elevação ocorre, na maioria das vezes, por uma deficiência do organismo em produzir

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Assunto: Risco Global Cardiovascular Nº: 06/DSPCS DATA: 18/04/07 Para: Contacto na DGS: Serviços Prestadores de Cuidados de Saúde do Serviço Nacional de Saúde

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão

Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica. Obesidade Bibliografia Conclusão Bulimia Nervosa Anorexia: -Anorexia Nervosa -Anorexia Alcoólica Obesidade Bibliografia Conclusão A Bulimia nervosa é um transtorno alimentar causado pela ingestão de grandes quantidades de alimentos, seguidos

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Relatório Contratualização em Saúde Oral Crianças e Jovens 2008 Divisão de Saúde no Ciclo de Vida e em Ambientes Específicos Direcção de Serviços de Promoção

Leia mais

Hipertensão Diabetes Dislipidemias

Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão Diabetes Dislipidemias Hipertensão A pressão alta atinge 24,3% da população adulta brasileira e é um dos principais fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, como

Leia mais

Promoção do sucesso escolar na transição do 1º para o 2º ciclo: Apresentação de um programa de ajustamento social e escolar em contexto rural

Promoção do sucesso escolar na transição do 1º para o 2º ciclo: Apresentação de um programa de ajustamento social e escolar em contexto rural Promoção do sucesso escolar na transição do 1º para o 2º ciclo: Apresentação de um programa de ajustamento social e escolar em contexto rural Vitor Coelho Introdução Do que se trata? O Projecto Atitude

Leia mais

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito.

Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. Estatísticas de saúde. Certificados de óbito. A maior parte da informação que obtemos sobre os óbitos vem dos certificados de óbito (ver anexo da aula prática). Por acordo internacional, os óbitos são

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 1 Influência de um programa de exercícios aeróbios sobre níveis pressórios de indivíduos com Síndrome Metabólica Chane Basso Benetti;

Leia mais

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS CAPÍTULO V DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo será efectuada a discussão dos resultados apresentados anteriormente. A discussão visa compreender os resultados obtidos, mediante a comparação com estudos

Leia mais

Relatório de. Português Língua Não Materna (PLNM) 2006/07 e 2007/08

Relatório de. Português Língua Não Materna (PLNM) 2006/07 e 2007/08 Relatório de Português Língua Não Materna (PLNM) e 2007/08 Dezembro de 2009 Índice 1. Introdução... 3 2. Análise comparativa da população escolar de PLNM nos anos lectivos de e 2007/08... 5 3. Análise

Leia mais

Psicoestimulação Cognitiva

Psicoestimulação Cognitiva A tendência demográfica actual aponta para o progressivo aumento da percentagem da população idosa, em detrimento da população de faixas etárias mais jovens. De todas as patologias associadas ao envelhecimento,

Leia mais

INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL

INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL INSUCESSO E ABANDONO ESCOLARES EM PORTUGAL O XV Governo Constitucional assumiu como um dos seus objectivos estratégicos o combate ao insucesso e abandono escolares. Os números até então conhecidos eram

Leia mais

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013

Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático 2012/2013 Critérios de Avaliação dos CEF Curso de Operador Informático Língua Portuguesa 2012/2013 ATITUDES Formação para a cidadania. Apresentação dos materiais necessários, cumprimento de tarefas propostas, assiduidade,

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO

EDUCAÇÃO FÍSICA FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO EDUCAÇÃO FÍSICA 7 ANO PROF.ª JUCIMARA BRITO FUNDAMENTAL PROF.ª FRANCISCA AGUIAR CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade I Tecnologia: Corpo, Movimento e Linguagem na Era da Informação 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes

AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes AULA 2 Fatores de Risco para Crianças e Adolescentes Sumário Ver Livro Didático: pág. 37 à 45 e 65 à 71. Lipídeos e Lipoproteínas Sanguíneas Quando pedir ao responsável a análise do perfil lipídico? Pais

Leia mais

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h

REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO. Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h REUNIÃO DE CONTRATUALIZAÇÃO ACTA Nº1/2008 ADENDA Data 22/07/2008 Hora de início: 18,00 h Hora de fim: 20,00 h Participantes: Conselho Directivo Enf. Isabel Oliveira Depart. Contratualização: Dr.ª Manuela

Leia mais

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões

Projecto Ciência Viva. 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Projecto Ciência Viva 25/7 a 29/7 de 2011 Estágio realizado na FCM-UNL por: Ana Mafalda Duarte Fábio Simões Introdução O Diabetes mellitus é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde

PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO Secretaria da Saúde PAPEL DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE NO PROGRAMA BOLSA FAMILIA A Secretaria Municipal de Saúde deverá conforme Art. 14 do Decreto n.º 5.209,

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002

ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 ANÁLISE COMPARATIVA MODO DE TRANSPORTE COLETIVO E INDIVIDUAL PESQUISAS ORIGEM-DESTINO 1997 E 2002 Carlos Paiva paivacardoso@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO Dando continuidade ao estudo iniciado no artigo Escolha

Leia mais

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016

ACOMPANHAMENTO DA AÇÃO EDUCATIVA RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO. Início 21 de junho de Fim 23 de junho de 2016 RELATÓRIO DA 3ª INTERVENÇÃO Área territorial da IGEC SUL Agrupamento ou Escola Data da intervenção Código 170574 Designação AE Vale Aveiras Início 21 de junho de 2016 Fim 23 de junho de 2016 PLANEAMENTO

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO

GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO GRUPO DE TRABALHO (INCLUINDO ALTERAÇÃO): COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO CRIANÇAS E JOVENS EM RISCO Índice: DIAGNÓSTICO... 51 OBJECTIVO GERAL: PROMOVER OS DIREITOS DA CRIANÇA JUNTO

Leia mais

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO

Escola Secundária com o 3º ciclo do Ensino Básico de Valpaços CONTRADITÓRIO CONTRADITÓRIO 1.RESULTADOS É excluído por omissão o que foi escrito no documento de apresentação, no que concerne ao Contexto e caracterização da Escola, e proferido em reunião do painel do Conselho Executivo,

Leia mais

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL

4. NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL . NATALIDADE E MORTALIDADE INFANTIL .. Introdução A taxa de natalidade e a taxa de mortalidade infantil são indicadores frequentemente utilizados na caracterização da população. O estudo da taxa de natalidade,

Leia mais

Dia Mundial da Alimentação. 16 de outubro de 2013

Dia Mundial da Alimentação. 16 de outubro de 2013 Dia Mundial da Alimentação 16 de outubro de 2013 Sistemas Alimentares Saudáveis Modelo de Intervenção da Associação Portuguesa de Dietistas Associação Portuguesa de Dietistas Dia Mundial da Alimentação

Leia mais

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR

BOMBEIROS VOLUNTÁRIOS DE ALJEZUR ALJEZUR, 4 DE DEZEMBRO DE 7 INTRODUÇÃO Desde a sua criação até aos dias de hoje, a formação interna dos elementos que constituem o Corpo de Bombeiros Voluntários de Aljezur, tem sido uma constante, na

Leia mais

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca!

ODONTOLOGIA PREVENTIVA. Saúde Bucal. Periodontite. Sua saúde começa pela boca! ODONTOLOGIA PREVENTIVA Saúde Bucal Periodontite. Sua saúde começa pela boca! O que é doença periodontal ou periodontite? ESMALTE DENTINA GENGIVAS POLPA PERIODONTITE OSSO ALVEOLAR CEMENTO NERVOS E VASOS

Leia mais

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos

41 ANOS DE EXISTÊNCIA. 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes. 1ª Sede Praça Carlos de Campos 41 ANOS DE EXISTÊNCIA 942 Médicos Cooperados 71 mil clientes 1ª Sede Praça Carlos de Campos UNIDADES DE NEGÓCIOS PROGRAMA DR. SAUDÁVEL EQUIPE MEDICINA PREVENTIVA 04 Cooperados Coordenador Médico Supervisor

Leia mais

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS

COLÉGIO DE ALBERGARIA REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS REGULAMENTO INTERNO MODELO DE AVALIAÇÃO DOS ALUNOS 1. INTRODUÇÃO De acordo com o Projecto Educativo do Colégio de Albergaria e a legislação em vigor sobre a avaliação das aprendizagens dos alunos nos vários

Leia mais

PES 2011 / EB Salgueiro Maia

PES 2011 / EB Salgueiro Maia PES 2011 / 2012 Data 15 de Setembro de 2011 Professor(a) Página 1 de 9 ATIVIDADES OBJETIVOS INTERVENIENTES RECURSOS CALENDARIZA- Semana da Alimentação Reflexão sobre os lanches Reconhecer a importância

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR GILSON FERREIRA DA SILVA

CÂMARA MUNICIPAL DE MARABÁ GABINETE DO VEREADOR GILSON FERREIRA DA SILVA 1 Requerimento nº 006/2013 Autor: Vereador Gilson Ferreira da Silva Assunto: Solicitar a implantação de academias ao ar livre, em logradouros públicos compatível com o projeto nos bairros do Município

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE ATIVIDADE FÍSICA 1 a Atividade Física 2013.indd 1 09/03/15 16 SEDENTARISMO é a falta de atividade física suficiente e pode afetar a saúde da pessoa. A falta de atividade física

Leia mais

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários

Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários PATROCINADOR OURO Avaliação dos Programas de Saúde nos Cuidados de Saúde Primários Isabel Hintze d Almeida MFamília- CS Povoação Isabel_h_almeida@hotmail.com 1 Sumário Qualidade em CSP Programas Regionais

Leia mais

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso

Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave. Frederico Vitório Lopes Barroso Rede Nacional de Vigilância de Morbidade Materna Grave Frederico Vitório Lopes Barroso Morbidade Materna Grave Nos últimos anos, as mulheres que sobrevivem a complicações graves da gestação, near miss,

Leia mais

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel.

FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO. Nº trabalhadores. Morada. Código Postal. Pessoa de contacto. Tel. FORMULÁRIO DE CANDIDATURA CHECKLIST DE BOAS PRÁTICAS NO LOCAL DE TRABALHO Empresa. Inserir texto Morada. Nº trabalhadores. Inserir texto Código Postal. Inserir texto E-mail. Inserir texto Pessoa de contacto.

Leia mais

Prova Escrita de Economia A

Prova Escrita de Economia A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A.º ou 2.º Anos de Escolaridade Prova 72/2.ª Fase 0 Páginas Duração da Prova: 20 minutos. Tolerância:

Leia mais

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades

CAPÍTULO IV. Através da tabela 4, podemos observar os dados obtidos às necessidades CAPÍTULO IV APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Neste capítulo serão apresentados os resultados dos dados obtidos relativos à ingestão nutricional dos jovens atletas, após a realização do tratamento estatístico.

Leia mais

Curso de Formação Avançada em Diabetes

Curso de Formação Avançada em Diabetes Curso de Formação Avançada em Diabetes Fundamentação Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crónica cada vez mais frequente na nossa sociedade. Em 2014 a prevalência estimada da Diabetes na população portuguesa

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE TECNOLOGIAS E CIÊNCIAS Regulamento Olimpíadas Científicas do ISPTEC Luanda, Outubro de 2015 ÍNDICE Preâmbulo...3 I. Objectivos...3 II. Elegibilidade...3 III. Comissão

Leia mais

Forum da Disciplina de Ensino

Forum da Disciplina de Ensino Forum da Disciplina de Ensino Medicina Desportiva Maria João Cascais 7 de fevereiro de 2015 Medicina desportiva... a história Síria e Pérsia a equitação, pólo e hóquei 4000 e 2000 a.c. Índia no livro Ayur-Veda,1000

Leia mais

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local

INTRODUÇÃO. Escola. Comunidade/ Território Local INTRODUÇÃO Este documento foi concetualizado como uma ferramenta para a construção de um território Educador, em que a educação e a formação podem acontecer dentro e fora da escola, através da promoção

Leia mais

Descobre tudo sobre um...

Descobre tudo sobre um... Escola Básica 1,2,3/JI de Angra do Heroísmo Dia Mundial da Alimentação 16 de Outubro de 2010 Descobre tudo sobre um... PEQUENO-ALMOÇO PORQUÊ? Porque, após uma noite de sono, em que estivemos várias horas

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE OS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SOBRE OS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO RELATÓRIO SOBRE OS RESULTADOS DE AVALIAÇÃO 2013/2014 Agrupamento de Escolas de Fernando Pessoa Página 1 ÍNDICE Introdução...4 Parte I Dados referentes ao 1º ciclo...5 1. Avaliação interna..........6 1.1

Leia mais

RELATÓRIO DO SECRETARIADO DE EXAMES

RELATÓRIO DO SECRETARIADO DE EXAMES RELATÓRIO DO SECRETARIADO DE EXAMES 2013/2014 Índice Nota Introdutória... 3 Reflexão... 4 Anexo I - Estatística 6 Página 2 de 9 NOTA INTRODUTÓRIA As provas finais nacionais do ensino básico têm uma função

Leia mais

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola.

IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. IV. Questionário aos professores e outros funcionários da escola. Ex.mo/a Senhores/as Este questionário faz parte dum estudo que pretendemos realizar no âmbito da conclusão da etapa de Licenciatura, do

Leia mais

Múcua. super fruto do passado.

Múcua. super fruto do passado. Múcua super fruto do passado. Prof Doutor Pedro Catarino 2ª Conferência Nacional sobre Ciência e Tecnologia Caracterização físicoquímica e bioactiva da polpa do fruto de Adansonia digitata L. Objectivos

Leia mais

Plano Anual de Atividades

Plano Anual de Atividades Plano Anual de Atividades ANO LECTIVO 2011 / 2012 Índice Introdução -------------------------------------------------------------------------------------------- 2 Procedimentos adoptados -----------------------------------------------------------------------

Leia mais

Vem para a Escola de Bicicleta

Vem para a Escola de Bicicleta RELATÓRIO DE ACTIVIDADE Vem para a Escola de Bicicleta Agrupamento: Agrupamento de Escolas de Nery Capucho Escola: E. B. 2/3 Professor Alberto Nery Capucho Ano lectivo: 2005/2006 Data da realização: Maio

Leia mais

Relatório de Análise da Comparativa dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Básico_9ºano

Relatório de Análise da Comparativa dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Básico_9ºano Agrupamento de Escolas de Vagos 161070 Relatório de Análise da Comparativa dos Resultados dos Exames Nacionais ACREN_2014 Ensino Básico_9ºano Equipa: Rosa Cruz (RD Pré-Escolar) Eliana Antunes (RD Pré-Escolar)

Leia mais

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB

INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB INSEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL DE TRABALHADORES DA CONSTRUÇÃO CIVIL DE JOÃO PESSOA - PB Lindemberg Medeiros de Araújo Evi Clayton de Lima Brasil TRANSIÇÃO NUTRICIONAL: CAUSAS, SIGNIFICADOS, EFEITOS

Leia mais

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33

PPDA PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 PPDA 2009-2011 PARECER RELATIVO À MONITORIZAÇÃO DA EEM MEDIDAS 28, 30 E 33 JULHO 2001 PPDA 2009-2011 PARECERES RELATIVOS ÀS MEDIDAS 28, 30 E 33 MEDIDA 28 IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

Leia mais

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior

Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Estatísticas da Educação 2014/15 Principais resultados relativos ao Ensino Superior Inscritos no 1.º ano, pela 1.ª vez, em estabelecimentos de ensino superior 1 Em 2014/15, inscreveram-se em estabelecimentos

Leia mais

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES

SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Síndrome de insulino-resistência, síndrome metabólica: definições 15 SÍNDROME DE INSULINO-RESISTÊNCIA, SÍNDROME METABÓLICA: DEFINIÇÕES Sandra Paiva Serviço de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo; Hospital

Leia mais

Programa da Qualidade Política Geral

Programa da Qualidade Política Geral O Hospital Pulido Valente definiu como MISSÂO: Programa da Qualidade Política Geral 1. O Hospital é o estabelecimento de referência para a população envolvente, para as especialidades de que dispõe, desenvolvendo

Leia mais

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL

fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL colesterol 1 2 3 fluxo sanguineo colesterol HDL colesterol LDL O que é o colesterol? O colesterol é uma gordura (designada por lípido ) que existe no sangue, em todas as células do corpo humano. É um componente

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição

Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos. Projeto. Clube de Nutrição Agrupamento de Escolas de Paço de Arcos Projeto Clube de Nutrição julho de 2013 1. Enquadramento A Obesidade é provavelmente o maior problema, relacionado com a saúde, que a sociedade moderna apresenta.

Leia mais

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável.

A principal causa da obesidade infantil advêm de uma alimentação pouco saudável e. vida ao ar livre, ou seja com um estilo de vida menos saudável. 5 ao Dia 2008 Enquadramento Mudança de hábitos alimentares das crianças A televisão, os jogos de computador e a internet têm mudado os hábitos das crianças e jovens, tornando-as mais inactivas, com menos

Leia mais

Grupo de trabalho: Ana Paula Sousa Uva (médica- USP) Helena Viegas (Higienista Oral - USP) Mª Teresa Correia Leite (Enfermeira USP)

Grupo de trabalho: Ana Paula Sousa Uva (médica- USP) Helena Viegas (Higienista Oral - USP) Mª Teresa Correia Leite (Enfermeira USP) Grupo de trabalho: Ana Paula Sousa Uva (médica- USP) Helena Viegas (Higienista Oral - USP) Mª Teresa Correia Leite (Enfermeira USP) Circular Normativa nº 2//DSPPS/DCVAE DE 9/1/09 Têm direito em meio escolar

Leia mais

Presença feminina nas empresas em Portugal

Presença feminina nas empresas em Portugal Presença feminina nas empresas em Portugal 4ª Edição, Março 2014 ESTUDO INFORMA D&B A Informa D&B, como especialista no conhecimento da informação sobre o tecido empresarial, tem vindo a acompanhar esta

Leia mais

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE

PROMOÇÃO DE SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA EM INDIVÍDUOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS: UMA INICIATIVA DO PET- SAÚDE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais